SlideShare uma empresa Scribd logo
Estudo Elaborado: Pr. Ricardo Gondim
Jesus – O Grande Salvador
Aula 4 – EBD 2015
Meus irmãos na fé, vocês que também foram chamados
por Deus, olhem para Jesus, que Deus enviou para ser
o Grande Sacerdote da fé que professamos.
Pois ele foi fiel a Deus, que o escolheu para esse
serviço, assim como Moisés foi fiel no seu trabalho em
toda a casa de Deus.
Assim como a pessoa que constrói uma casa é mais
importante do que a casa, assim, também, Jesus é mais
importante do que Moisés.
Uma casa tem de ser construída por alguém, mas Deus
é o construtor de tudo o que existe.
E Moisés foi um servo fiel no seu trabalho na casa de
Deus e falou das coisas que Deus ia dizer no futuro.
Mas Cristo é fiel como Filho, que dirige a casa de Deus.
E nós seremos a sua casa se conservarmos a nossa
coragem e a nossa confiança naquilo que esperamos.
Hebreus 3:1-6 NTLH
• O texto base desta lição (Hb 3:1-6) faz a
introdução para a segunda exortação da Epístola
aos Hebreus.
• Lembrem-se que os cristãos judeus estavam
sendo perseguidos pelos irmãos judaizantes por
sua fé.
• A carta é endereçada para três tipos de Hebreus:
1. os judeus convertidos ao cristianismo,
2. os judeus intelectualmente convencidos mas
ainda não convertidos
3. e os judeus não convertidos.
• Muitos judeus convertidos estavam apostatando
da fé (separando-se da fé em Jesus) e
retornando ao judaismo antigo.
• Dentro deste contexto que o autor (ES) fala a
igreja.
TEXTOS EXORTATIVOS
Hb 2:1-4
Hb 3:7 a 4:13
Hb 5:11 a 6:20
Hb 10:26-39
Hb 12:14-29
Nesta introdução o autor (ES) destaca a
superioridade de Jesus diante do modelo judaico
representado por Moisés (São cinco “exortações” que compõem a Epístola)
Abaixo estão descritas as cinco “exortações” do livro de Hebreus. A
primeira passagem exortativa está em Hb 2:1-4; a segunda está
em Hb 3:7 a Hb 4:13; a terceira está em Hb 5:11 a 6:20, uma
longa exortação; a quarta está em Hb 10:26-39; e a última passagem
está em Hb 12:14-29 –
Na 1ª. Exortação
O Espírito Santo (Parakletos) chama a
atenção para:
1. Contra o afastamento (capítulo 2:1-4):
“Por isso convém atentarmos mais
diligentemente para as coisas que
ouvimos, para que em tempo algum nos
desviemos delas...”
Na 2ª. Exortação
O Espírito Santo (Parakletos) chama a
atenção para:
2. Contra a desobediência (3:7 a 4:13):- “a
quem jurou que não entrariam no seu
descanso, senão aos que foram
desobedientes?“ –
• Por causa da sua incredulidade, que
gerou a desobediência, a grande maioria
dos judeus que saíram da escravidão do
Egito rebelou-se contra Moisés e Arão e
não entrou na terra da promessa.
Vamos analisar o texto
1 POR isso, irmãos santos, participantes da vocação
celestial, considerai a Jesus Cristo, apóstolo e sumo
sacerdote da nossa confissão,
2 Sendo fiel ao que o constituiu, como também o foi
Moisés em toda a sua casa.
3 Porque ele é tido por digno de tanto maior glória do
que Moisés, quanto maior honra do que a casa tem
aquele que a edificou.
4 Porque toda a casa é edificada por alguém, mas o que
edificou todas as coisas é Deus.
5 E, na verdade, Moisés foi fiel em toda a sua casa, como
servo, para testemunho das coisas que se haviam de
anunciar;
6 Mas Cristo, como Filho, sobre a sua própria casa; a qual
casa somos nós, se tão somente conservarmos firme a
confiança e a glória da esperança até ao fim.
KJV (Hb 3:1-6)
1 POR isso (g.dio=por esse motivo – que motivo?
convém-nos atentar com mais diligência para as coisas
que já temos ouvido, para que em tempo algum nos
desviemos delas), irmãos santos ,
participantes da vocação celestial
(irmãos da fé que foram chamados por Deus) ,
considerai a Jesus Cristo (g.katanoeo =
observa atentamente, foca em Jesus), apóstolo e
sumo sacerdote (duas características
importantes – ver quadro comparativo) da nossa
confissão, (da nossa fé)
Aula 4  - Jesus, o grande Salvador
2 Sendo fiel (g.pistos = aquele que mantém a fé
com a qual se comprometeu – a fidelidade de Jesus
resultou em morte e ela em salvação) ao que o
constituiu (Deus o fez apóstolo e sumo sacerdote) ,
como também o foi Moisés (a fidelidade de
Moisés resulta em promessa) em toda a sua casa.
(A casa que foi confiada a Moisés era a tenda da revelação,
o tabernáculo )
A frase em toda a sua casa e retirada de Numeros 12.7,
onde casa se refere a Casa de Deus, ao tabernáculo, centro
da adoração israelita. Moises havia obedecido fielmente as
instruções de Deus em relação ao tabernáculo.
Da mesma forma, Jesus obedeceu em tudo a missão que o
Pai lhe dera. Como resultado de Sua obediência, Deus
pode estabelecer Sua nova casa, a igreja.
3 Porque ele (Jesus é maior que Moisés) é tido
por digno de tanto maior glória do que
Moisés (A comparação diz respeito à sua “glória” e
“honra”. Jesus está para Moisés como o construtor de uma
casa para a própria casa. Ele possui glória maior que
Moisés, assim como o serviço da nova aliança ultrapassa
em muito o serviço da antiga aliança. Também Jo 1.17
ressalta a mesma realidade: “Porque a lei foi dada por
intermédio de Moisés; a graça e a verdade vieram por
meio de Jesus Cristo”. Nisso reconhecemos que, apesar de
toda a similaridade de Moisés e Jesus, de fato existe uma
diferença não apenas gradual, mas qualitativa! quanto
maior honra do que a casa tem aquele
que a edificou. (Jesus recebe glória porque é o
construtor da casa e Moisés honra porque serviu na casa)
4 Porque toda a casa é edificada
(g.kataskeuazo = construiu) por alguém, mas o
que edificou todas as coisas é Deus.
(aqui uma indicação de que a origem de Jesus está em
Deus mesmo, que é o Criador do universo. Contudo,
enfocando mais de perto os v. 3,4, vemos que Moisés e o
tabernáculo, respectivamente Israel, são comparados
conjuntamente com uma construção, à qual Cristo se
contrapõe como o Mestre construtor. Jesus é quem
“prepara a casa”, tanto no AT quanto no NT. É ele quem
está por trás das incumbências dos profetas (cf. 1Pe 1.11)
e dos anjos, do mesmo modo como ele se manifesta na
vida da igreja. )
5 E, na verdade, Moisés foi fiel em toda
a sua casa, (A metáfora da casa é simples. Que
diferença? Cristo edificou a casa; Moisés serviu na casa. )
como servo, para testemunho das
coisas que se haviam de anunciar; (A
comparação entre Jesus e Moisés é levada adiante. Mais
uma vez destaca-se aquilo que ambos têm em comum:
ambos receberam de Deus o atestado de serem fiéis.
Depois, porém, segue-se a ênfase nos contrastes: Moisés é
somente o servo, ele governa em toda a sua casa que lhe
foi confiada por Deus. Porém Jesus Cristo é imensamente
superior a Moisés. Ele não é servo, mas Filho. Não está na
casa para administrá-la, e sim estabelecido acima dela
como Senhor e ao mesmo tempo como seu construtor. Sua
“casa” é sua igreja. Nessa constatação o apóstolo une-se a
todos os que crêem: a […] casa somos nós! )
6 Mas Cristo, como Filho, sobre a sua
própria casa; a qual casa somos nós,
se tão somente conservarmos firme a
confiança e a glória da esperança até
ao fim. (Pertencer à casa de Deus, está vinculado a
uma condição. Os dons e poderes espirituais do Senhor
devem desenvolver-se na igreja e expressar-se na
alegre certeza de fé e na esperança a que o
cristão se entrega com confiança. Nós é que somos a
casa dele, se guardarmos firme, até ao fim, a ousadia e a
exultação da esperança. )
• Ao finalizar seu pensamento, o apóstolo
faz duas importantes constatações.
• Existem certas manifestações espirituais
na vida que jamais faltarão na vida de um
cristão e jamais devem ser abandonadas,
os “dois companheiros inseparáveis da
fé” (segundo Calvino).
1. Fazem parte dela a alegre confiança, i.
é, a certeza da fé (g. parresía)
2. e a viva esperança que aguarda o
cumprimento definitivo de todas as
promessas de Deus com convicção. )
• Após esta constatação a cerca da
superioridade de Cristo com
relação a Moisés o autor (ES)
inicia a sua segunda exortação.
• E se na primeira falou-se dos
prejuízos quanto ao afastamento
de Deus.
• Esta segunda terá como tema
central a desobediência.
Hebreus 3
7 Portanto, como diz o Espírito Santo: Se ouvirdes hoje
a sua voz, 8 Não endureçais os vossos corações,
Como na provocação, no dia da tentação no deserto.
9 Onde vossos pais me tentaram, me provaram, E
viram por quarenta anos as minhas obras. 10 Por isso me
indignei contra esta geração, E disse: Estes sempre
erram em seu coração, E não conheceram os
meus caminhos. 11 Assim jurei na minha ira Que não
entrarão no meu repouso. 12 Vede, irmãos, que
nunca haja em qualquer de vós um coração mau
e infiel, para se apartar do Deus vivo. 13 Antes,
exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o
tempo que se chama Hoje, para que nenhum de vós
se endureça pelo engano do pecado;
Lógica do texto
Se ouvirdes hoje a sua voz, - Não endureçais os
vossos corações,
CORAÇÃO DURO (pais) – Tentaram e provaram
Provoca indignação Deus – Por isso sempre
erraram em seu coração e não conheceram os
seus caminhos
Vede, irmãos, que nunca haja em qualquer de vós
um coração mau e infiel, para se apartar do Deus
vivo.
13 Antes, exortai-vos uns aos outros todos os dias,
durante o tempo que se chama Hoje, para que
nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado;
Hebreus 3
14 Porque nos tornamos participantes de Cristo,
se retivermos firmemente o princípio da nossa
confiança até ao fim.
15 Enquanto se diz: Hoje, se ouvirdes a sua voz, Não
endureçais os vossos corações, como na provocação.
16 Porque, havendo-a alguns ouvido, o provocaram;
mas não todos os que saíram do Egito por meio de
Moisés.
17 Mas com quem se indignou por quarenta anos?
Não foi porventura com os que pecaram, cujos corpos
caíram no deserto?
18 E a quem jurou que não entrariam no seu repouso,
senão aos que foram desobedientes?
19 E vemos que não puderam entrar por causa da sua
incredulidade.
Lógica do texto
Porque nos tornamos participantes de Cristo, se
retivermos firmemente o princípio da nossa
confiança até ao fim.
DESOBEDIÊNCIA
PROVOCA A
INCREDULIDADE
1 TEMAMOS, pois, que, porventura, deixada a
promessa de entrar no seu repouso, pareça
que algum de vós fica para trás. 2 Porque
também a nós foram pregadas as boas novas,
como a eles, mas a palavra da pregação nada
lhes aproveitou, porquanto não estava
misturada com a fé naqueles que a
ouviram. 3 Porque nós, os que temos crido,
entramos no repouso, tal como disse: Assim jurei
na minha ira Que não entrarão no meu repouso;
embora as suas obras estivessem acabadas desde
a fundação do mundo.
Lógica do texto
Temamos (g. phobeo = ter medo)
deixada a promessa de entrar no seu repouso,
(sucumbir diante da apostasia, naufragar na
fé) pareça (ou suceda) que algum de vós fica para
trás. (g.hustereo = falhar em alcançar o
objetivo, ausentar-se, falhar em tornar-se
participante)
mas a palavra da pregação nada lhes aproveitou, porquanto não
estava misturada com a fé naqueles que a ouviram.
Palavra (logos aqui não significa palavra mas
verdade) +(misturada) Fé
4 Porque em certo lugar disse assim do dia
sétimo: E repousou Deus de todas as suas obras
no sétimo dia. 5 E outra vez neste lugar: Não
entrarão no meu repouso. 6 Visto, pois, que resta
que alguns entrem nele, e que aqueles a
quem primeiro foram pregadas as
boas novas não entraram por causa da
desobediência, 7 Determina outra vez um
certo dia, Hoje, dizendo por Davi, muito tempo
depois, como está dito: Hoje, se ouvirdes a
sua voz, Não endureçais os vossos
corações. (salmo 95-8)
REPETE A ADVERTÊNCIA DE HEBREUS 3:7
8 Porque, se Josué lhes houvesse dado repouso, não
falaria depois disso de outro dia. 9 Portanto, resta
ainda um repouso para o povo de Deus. 10 Porque
aquele que entrou no seu repouso, ele próprio
repousou de suas obras, como Deus das suas. 11
Procuremos, pois, entrar naquele repouso, para
que ninguém caia no mesmo exemplo de
desobediência. 12 Porque a palavra de Deus é
viva e eficaz, e mais penetrante do que espada
alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da
alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é
apta para discernir os pensamentos e intenções
do coração. 13 E não há criatura alguma encoberta
diante dele; antes todas as coisas estão nuas e patentes
aos olhos daquele com quem temos de tratar.
Lógica do texto
Procuremos, pois, entrar naquele repouso, para que
ninguém caia no mesmo exemplo de desobediência.
Para herdar a promessa não podemos cair
em desobediência e incredulidade
Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais
penetrante do que espada alguma de dois gumes,
A palavra de Deus pode ser usada
Tanto para a VIDA E SALVAÇÃO como MORTE E
JUSTIÇA
e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas
e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e
intenções do coração.
Alma e Espirito = Está falando no sentido espriritual
Juntas e Medulas = Está falando no sentido do corpo
Destaques do Capítulo 3 e 4
CHAMADO
Deus sempre toma a iniciativa em chamar, eleger e buscar
os crentes para Ele mesmo. (João 6.44, 65;15.16; I Co 1.12; Ef 1.4, 5, 11).
O termo “chamar” é usado em vários sentidos teológicos:
A. Pecadores são chamados para salvação pela graça de
Deus através da obra consumada de Cristo e a
convicção do Espírito (i.e., klētos, cf. Rm 1.6, 7; 9.24, que é
teologicamente similar a I Co 1.1, 2 e II Tm 1.9; II Pe 1.10).
B. Pecadores invocam o nome do Senhor para serem
salvos (i.e., epikaleō, cf. Atos 2.21; 22.16; Rm 10.9-13). Esta
declaração é uma expressão idiomática de adoração
judaica.
C. Os crentes são chamados para viver vidas semelhantes
Cristo (i.e., klēsis, cf. I Co 1.26; 7.20; Ef 4.1; Fp 3.14; II Ts 1.11; II Tm 1.9).
D. Os crentes são chamados para ministrar tarefas (cf. Atos
13.2; I Co 12.4-7; Ef 4.1).
Destaques do Capítulo 3 e 4
CONFISSÃO
I. Há duas formas da mesma raiz grega usada para confissão ou profissão,
homolegeō e exomologeō.
O termo composto que Tiago usa é de homo, o mesmo; legeō, falar; e ex,
fora de. O significado
básico é dizer a mesma coisa, concordar com. O ex acrescentou à idéia de
uma declaração pública.
II. As traduções inglesas deste grupo de palavra são
1. louvor
2. concordar
3. declarar
4. professar
5. confessar
III. Este grupo de palavra tinha dois usos aparentemente opostos
1. louvar (Deus)
2. admitir pecado
Estes podem ter desenvolvido da sensação da humanidade da santidade de
Deus e sua própria
pecaminosidade. Reconhecer uma verdade é reconhecer ambos.
IV. Os usos do NT do grupo de palavra são
1. prometer (cf. Mt 14.7; Atos 7.17)
Destaques do Capítulo 3 e 4
CONFISSÃO
IV. Os usos do NT do grupo de palavra são
1. prometer (cf. Mt 14.7; Atos 7.17)
2. concordar ou consentir a algo (cf. João 1.20; Lucas 22.6; Atos 24.14; Hb
11.13)
3. louvar (cf.Mt 11.25; Lucas 10.21; Rm 14.11; 15.9)
4. assentir a
a. uma pessoa (cf. Mt 10.32; Lucas 12.8; João 9.22; 12.42; Rm 10.9; Fp 2.11;
I João 2.23;
Ap 3.5)
b. uma verdade (cf. Atos 23.8; II Co 11.13; I João 4.2)
5. fazer uma declaração pública de (sentido legal desenvolvido em afirmação
religios, cf. Atos
24.14; I Tm 6.13)
a. sem admissão de culpa (cf. I Tm 6.12; Hb 10.23)
6. com uma admissão de culpa (cf. Mt 3.6; Atos 19.18; Hb 4.14; Tiago 5.16; I
João 1.9)
3.2
Destaques do Capítulo 3 e 4
ESPERANÇA
Paulo usava este termo freqüentemente em vários sentidos diferentes, mas
relacionados. Muitas vezes era associado com a consumação da fé do crente (e.g., I Tm
1.1). Isto pode ser expresso como glória, vida eterna, salvação final, Segunda Vinda,
etc. A consumação é certa, mas o elemento do tempo é futuro e desconhecido. Era
muitas vezes associado com “fé” e “amor” (cf. I co 13.13; I Ts 1.3; II Ts 2.16). Uma
lista parcial de alguns dos usos de Paulo
1. A Segunda Vinda, Gl 5.5; Ef 1.18; 4.4; Tito 2.13
2. Jesus é nossa esperança, I Tm 1.1
3. O crente ser apresentado a Deus, Cl 1.22, 23; I Ts 2.19
4. Esperança é deppositada no céu, Cl 1.5
5. Confiança no evangelho, Cl 1.23; I Ts 2.19
6. Salvação final, Cl 1.5; I Ts 4.13; 5.8
7. A glória de Deus, Rm 5.2; II Co 3.12; Cl 1.27
8. A salvação dos Gentios por Cristo, Cl 1.27
9. Certeza de salvação, I Ts 5.8
10. Vida Eterna, Tito 1.2; 3.7
11. Resultados da maturidade cristã, Rm 5.2-5
12. Redenção de toda criação, Rm 8.20-22
13. Consumação da adoção, Rm 8.23-25
14. Título para Deus, Rm 15.13
15. Desejo de Paulo para os crentes, II Co 1.7
16. AT como guia para os crentes do NT, Rm 15.4
Destaques do Capítulo 3 e 4
O CORAÇÃO
O termo grego kardia é usado na Septuaginta e NT para refletir o termo
hebraico lēb (BDB 523). É usado de várias maneiras (cf. Bauer, Arndt, Gingrich
e Danker, A Greek-English Lexicon [Um Léxico Grego-Inglês], pp. 403-404).
1. O centro da vida física, uma metáfora para a pessoa (cf. Atos 14.17; II
Coríntios 3.2, 3; Tiago 5.5)
2. O centro da vida espiritual (i.e., moral)
a. Deus conhece o coração (cf. Lucas 16.15; Rm 8.27; I Co 14.25; I Ts 2.4; Ap
2.23)
b. usado para a vida espiritual da humanidade (cf. Mt 15.18, 19; 18.35; Rm
6.17; I Tm 1.5; II Tm 2.22; I Pe 1.22)
3. o centro da vida de pensamento (i.e., intelecto, cf. Mt 13.15; 24.48; atos
7.23; 16.14; 28.27;
Romanos 1.21; 10.6; 16.18; II Co 4.6; Efésios 1.18; 4.18; Tiago 1.26; II Pe
1.19; Ap 18.7; coração é sinônimo com mente em II Co 3.14, 15 e Fp 4.7)
4. o centro da volição (i.e., vontade, cf. Atos 5.4; 11.23; I Co 4.5; 7.37; II Co
9.7)
5. o centro das emoções (cf. Mt 5.28; Atos 2.26, 37; 7.54; 21.13; Rm 1.24; II
Co 2.4; 7.3; Ef 6.22; Fp 1.7)
Destaques do Capítulo 3 e 4
O CORAÇÃO
6. único lugar da atividade do Espírito (cf. Rm 5.5; II Co 1.22; Gl 4.6 [i.e.,
Cristo em nossos
corações, Ef 3.17])
7. o coração é uma maneira metafórica de se referir à pessoa inteira (cf. Mt
22.37, citando Dt 6.5). Os
pensamentos, motivos e ações atribuídos ao coração revelam plenamente o
tipo de indivíduo. O
AT tem alguns usos notáveis dos termos.
a. Gn 6.6; 8.21, “se arrependeu o SENHOR de ter feito o homem na terra, e
isso lhe pesou no
coração”, também observe Oséias 11.8,9
b. Dt 4.29; 6.5, “de todo o teu coração, de toda a tua alma”
c. Dt 10.16, “Circuncidai, pois, o vosso coração” e Rm 2.29
d. Ez 18.31, 32, “coração novo”
Aula 4  - Jesus, o grande Salvador

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eclesiologia ana
Eclesiologia anaEclesiologia ana
Eclesiologia ana
Eraldo Luciano
 
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIAIBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
Coop. Fabio Silva
 
A Epistola de Tiago
A Epistola de TiagoA Epistola de Tiago
A Epistola de Tiago
UEPB
 
Lição 18 Apostasia da Fé
Lição 18   Apostasia da FéLição 18   Apostasia da Fé
Lição 18 Apostasia da Fé
Wander Sousa
 
Tito - Introdução
Tito - IntroduçãoTito - Introdução
Tito - Introdução
Daniel Junior
 
Carta aos efesios
Carta aos efesiosCarta aos efesios
Carta aos efesios
Cesar Oliveira
 
BEMA - O Tribunal de Cristo
BEMA - O Tribunal de CristoBEMA - O Tribunal de Cristo
BEMA - O Tribunal de Cristo
Daniel de Carvalho Luz
 
Teologia sistemática 3
Teologia sistemática 3Teologia sistemática 3
Teologia sistemática 3
Adejovane Junior
 
Escatologia_Parte1_IBADEP
Escatologia_Parte1_IBADEPEscatologia_Parte1_IBADEP
Escatologia_Parte1_IBADEP
Natalino das Neves Neves
 
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósLição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Éder Tomé
 
3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
RODRIGO FERREIRA
 
Aula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Aula 5 - Revisando a Carta de HebreusAula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Aula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Ricardo Gondim
 
Estudos em efésios 2 esboço
Estudos em efésios 2 esboçoEstudos em efésios 2 esboço
Estudos em efésios 2 esboço
Celia Zuany
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
Ednilson do Valle
 
QUEM É O ESPIRITO SANTO
QUEM É O ESPIRITO SANTOQUEM É O ESPIRITO SANTO
QUEM É O ESPIRITO SANTO
ASD Remanescentes
 
Carta de tiago
Carta de tiagoCarta de tiago
Carta de tiago
Diana E Junior
 
O Espírito Santo de Deus
O Espírito Santo de DeusO Espírito Santo de Deus
O Espírito Santo de Deus
José Silva
 
Lição 9 – Conhecendo a Armadura de Deus
Lição 9 – Conhecendo a Armadura de DeusLição 9 – Conhecendo a Armadura de Deus
Lição 9 – Conhecendo a Armadura de Deus
Éder Tomé
 
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Márcio Martins
 

Mais procurados (20)

Eclesiologia ana
Eclesiologia anaEclesiologia ana
Eclesiologia ana
 
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIAIBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
 
A Epistola de Tiago
A Epistola de TiagoA Epistola de Tiago
A Epistola de Tiago
 
Lição 18 Apostasia da Fé
Lição 18   Apostasia da FéLição 18   Apostasia da Fé
Lição 18 Apostasia da Fé
 
Tito - Introdução
Tito - IntroduçãoTito - Introdução
Tito - Introdução
 
Carta aos efesios
Carta aos efesiosCarta aos efesios
Carta aos efesios
 
BEMA - O Tribunal de Cristo
BEMA - O Tribunal de CristoBEMA - O Tribunal de Cristo
BEMA - O Tribunal de Cristo
 
Teologia sistemática 3
Teologia sistemática 3Teologia sistemática 3
Teologia sistemática 3
 
Escatologia_Parte1_IBADEP
Escatologia_Parte1_IBADEPEscatologia_Parte1_IBADEP
Escatologia_Parte1_IBADEP
 
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósLição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
 
3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus
 
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
 
Aula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Aula 5 - Revisando a Carta de HebreusAula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Aula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
 
Estudos em efésios 2 esboço
Estudos em efésios 2 esboçoEstudos em efésios 2 esboço
Estudos em efésios 2 esboço
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
 
QUEM É O ESPIRITO SANTO
QUEM É O ESPIRITO SANTOQUEM É O ESPIRITO SANTO
QUEM É O ESPIRITO SANTO
 
Carta de tiago
Carta de tiagoCarta de tiago
Carta de tiago
 
O Espírito Santo de Deus
O Espírito Santo de DeusO Espírito Santo de Deus
O Espírito Santo de Deus
 
Lição 9 – Conhecendo a Armadura de Deus
Lição 9 – Conhecendo a Armadura de DeusLição 9 – Conhecendo a Armadura de Deus
Lição 9 – Conhecendo a Armadura de Deus
 
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
 

Destaque

Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteAula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Ricardo Gondim
 
Aula 7 O homem diante da salvação
Aula 7   O homem diante da salvaçãoAula 7   O homem diante da salvação
Aula 7 O homem diante da salvação
Ricardo Gondim
 
Meu teólogo favorito
Meu teólogo favoritoMeu teólogo favorito
Meu teólogo favorito
Ricardo Gondim
 
Ninguem é de Ninguén
Ninguem é de NinguénNinguem é de Ninguén
Ninguem é de Ninguén
Ricardo Gondim
 
Ministros e despenseiros
Ministros e despenseirosMinistros e despenseiros
Ministros e despenseiros
Ricardo Gondim
 
Salvação I
Salvação ISalvação I
Salvação I
Ricardo Gondim
 
Carnalidade, imaturidade e divisões
Carnalidade, imaturidade e divisõesCarnalidade, imaturidade e divisões
Carnalidade, imaturidade e divisões
Ricardo Gondim
 
Aula 1 introdução
Aula 1   introduçãoAula 1   introdução
Aula 1 introdução
Ricardo Gondim
 
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2   A mensagem de HebreusAula 1 e 2   A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
Ricardo Gondim
 
Princípios de Orígenes
Princípios de OrígenesPrincípios de Orígenes
Princípios de Orígenes
Ricardo Gondim
 
Introdução à Carta aos Hebreus
Introdução à Carta aos Hebreus Introdução à Carta aos Hebreus
Introdução à Carta aos Hebreus
ipbmorrinhos
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus_introducao 01
Hebreus_introducao 01Hebreus_introducao 01
Hebreus_introducao 01
aylanj
 
Hebreus
HebreusHebreus
Epistolas paulinas e gerais lição 4 hebreus e tiago
Epistolas paulinas e gerais lição 4   hebreus e tiagoEpistolas paulinas e gerais lição 4   hebreus e tiago
Epistolas paulinas e gerais lição 4 hebreus e tiago
Natalino das Neves Neves
 
Cartas Gerais
Cartas GeraisCartas Gerais
Cartas Gerais
Egmon Pereira
 
Hebreus 3.7 a 4.13 percorrendo do caminho
Hebreus 3.7 a 4.13   percorrendo do caminhoHebreus 3.7 a 4.13   percorrendo do caminho
Hebreus 3.7 a 4.13 percorrendo do caminho
Geversom Sousa
 
Os hebreus
Os hebreusOs hebreus
Os hebreus
Gonçalo Tavares
 
Qual é a tradução correta de hebreus 9
Qual é a tradução correta de hebreus 9Qual é a tradução correta de hebreus 9
Qual é a tradução correta de hebreus 9
wesley renilson silva
 
Sim, ele é o Cristo lição 01
Sim, ele é o Cristo  lição 01Sim, ele é o Cristo  lição 01
Sim, ele é o Cristo lição 01
Mariângela Domeniche Perdomo
 

Destaque (20)

Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteAula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
 
Aula 7 O homem diante da salvação
Aula 7   O homem diante da salvaçãoAula 7   O homem diante da salvação
Aula 7 O homem diante da salvação
 
Meu teólogo favorito
Meu teólogo favoritoMeu teólogo favorito
Meu teólogo favorito
 
Ninguem é de Ninguén
Ninguem é de NinguénNinguem é de Ninguén
Ninguem é de Ninguén
 
Ministros e despenseiros
Ministros e despenseirosMinistros e despenseiros
Ministros e despenseiros
 
Salvação I
Salvação ISalvação I
Salvação I
 
Carnalidade, imaturidade e divisões
Carnalidade, imaturidade e divisõesCarnalidade, imaturidade e divisões
Carnalidade, imaturidade e divisões
 
Aula 1 introdução
Aula 1   introduçãoAula 1   introdução
Aula 1 introdução
 
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2   A mensagem de HebreusAula 1 e 2   A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
 
Princípios de Orígenes
Princípios de OrígenesPrincípios de Orígenes
Princípios de Orígenes
 
Introdução à Carta aos Hebreus
Introdução à Carta aos Hebreus Introdução à Carta aos Hebreus
Introdução à Carta aos Hebreus
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
Hebreus_introducao 01
Hebreus_introducao 01Hebreus_introducao 01
Hebreus_introducao 01
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
Epistolas paulinas e gerais lição 4 hebreus e tiago
Epistolas paulinas e gerais lição 4   hebreus e tiagoEpistolas paulinas e gerais lição 4   hebreus e tiago
Epistolas paulinas e gerais lição 4 hebreus e tiago
 
Cartas Gerais
Cartas GeraisCartas Gerais
Cartas Gerais
 
Hebreus 3.7 a 4.13 percorrendo do caminho
Hebreus 3.7 a 4.13   percorrendo do caminhoHebreus 3.7 a 4.13   percorrendo do caminho
Hebreus 3.7 a 4.13 percorrendo do caminho
 
Os hebreus
Os hebreusOs hebreus
Os hebreus
 
Qual é a tradução correta de hebreus 9
Qual é a tradução correta de hebreus 9Qual é a tradução correta de hebreus 9
Qual é a tradução correta de hebreus 9
 
Sim, ele é o Cristo lição 01
Sim, ele é o Cristo  lição 01Sim, ele é o Cristo  lição 01
Sim, ele é o Cristo lição 01
 

Semelhante a Aula 4 - Jesus, o grande Salvador

Lição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a Moisés
Lição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a MoisésLição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a Moisés
Lição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a Moisés
Éder Tomé
 
44468 os-fundamentos-corrigido
44468 os-fundamentos-corrigido44468 os-fundamentos-corrigido
44468 os-fundamentos-corrigido
Antonio Ferreira
 
44468 os-fundamentos-corrigido
44468 os-fundamentos-corrigido44468 os-fundamentos-corrigido
44468 os-fundamentos-corrigido
Antonio Ferreira
 
Entregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amor
Entregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amorEntregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amor
Entregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amor
Fábio Vasconcelos
 
Assembléia de catequese 2013
Assembléia de catequese 2013Assembléia de catequese 2013
Assembléia de catequese 2013
Liana Plentz
 
Missão frutificadora da igreja
Missão frutificadora da igrejaMissão frutificadora da igreja
Missão frutificadora da igreja
Marcos De Oliveira Leite
 
02 trindade
02  trindade02  trindade
02 trindade
levibanez
 
Segredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outros
Segredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outrosSegredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outros
Segredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outros
Anderson Cássio Oliveira
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 01
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 01E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 01
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 01
Joel Silva
 
Aula 3 - Seminário sobre a Igreja
Aula 3 - Seminário sobre a IgrejaAula 3 - Seminário sobre a Igreja
Aula 3 - Seminário sobre a Igreja
IBC de Jacarepaguá
 
6ª Aula para Formação de Discipuladores
6ª Aula para Formação de Discipuladores6ª Aula para Formação de Discipuladores
6ª Aula para Formação de Discipuladores
IBC de Jacarepaguá
 
3-osatributosdedeuseaadorao-150311060807-conversion-gate01 (1).pptx
3-osatributosdedeuseaadorao-150311060807-conversion-gate01 (1).pptx3-osatributosdedeuseaadorao-150311060807-conversion-gate01 (1).pptx
3-osatributosdedeuseaadorao-150311060807-conversion-gate01 (1).pptx
Tiago Silva
 
“O amor de Cristo nos constrange”
“O amor de Cristo nos constrange”“O amor de Cristo nos constrange”
“O amor de Cristo nos constrange”
JUERP
 
Nova vida
Nova vidaNova vida
Nova vida
JosianeAlves5
 
3 os atributos de deus e a adoração
3 os atributos de deus e a adoração3 os atributos de deus e a adoração
3 os atributos de deus e a adoração
Rogério Moreira
 
Servos comprometidos integralmente
Servos comprometidos integralmenteServos comprometidos integralmente
Servos comprometidos integralmente
AdSede Assis
 
Servos comprometidos integralmente.
Servos comprometidos integralmente.Servos comprometidos integralmente.
Servos comprometidos integralmente.
AdSede Assis
 
“Andeis como sábios”
“Andeis como sábios”“Andeis como sábios”
“Andeis como sábios”
JUERP
 
Aula 1 - Seminário Sobre a Igreja...
Aula 1 - Seminário Sobre a Igreja...Aula 1 - Seminário Sobre a Igreja...
Aula 1 - Seminário Sobre a Igreja...
IBC de Jacarepaguá
 
Fé_Completo
Fé_CompletoFé_Completo
Fé_Completo
Pr Neto
 

Semelhante a Aula 4 - Jesus, o grande Salvador (20)

Lição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a Moisés
Lição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a MoisésLição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a Moisés
Lição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a Moisés
 
44468 os-fundamentos-corrigido
44468 os-fundamentos-corrigido44468 os-fundamentos-corrigido
44468 os-fundamentos-corrigido
 
44468 os-fundamentos-corrigido
44468 os-fundamentos-corrigido44468 os-fundamentos-corrigido
44468 os-fundamentos-corrigido
 
Entregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amor
Entregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amorEntregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amor
Entregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amor
 
Assembléia de catequese 2013
Assembléia de catequese 2013Assembléia de catequese 2013
Assembléia de catequese 2013
 
Missão frutificadora da igreja
Missão frutificadora da igrejaMissão frutificadora da igreja
Missão frutificadora da igreja
 
02 trindade
02  trindade02  trindade
02 trindade
 
Segredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outros
Segredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outrosSegredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outros
Segredo 17 18 - Edifiquem e Ensinem uns dos outros
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 01
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 01E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 01
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 01
 
Aula 3 - Seminário sobre a Igreja
Aula 3 - Seminário sobre a IgrejaAula 3 - Seminário sobre a Igreja
Aula 3 - Seminário sobre a Igreja
 
6ª Aula para Formação de Discipuladores
6ª Aula para Formação de Discipuladores6ª Aula para Formação de Discipuladores
6ª Aula para Formação de Discipuladores
 
3-osatributosdedeuseaadorao-150311060807-conversion-gate01 (1).pptx
3-osatributosdedeuseaadorao-150311060807-conversion-gate01 (1).pptx3-osatributosdedeuseaadorao-150311060807-conversion-gate01 (1).pptx
3-osatributosdedeuseaadorao-150311060807-conversion-gate01 (1).pptx
 
“O amor de Cristo nos constrange”
“O amor de Cristo nos constrange”“O amor de Cristo nos constrange”
“O amor de Cristo nos constrange”
 
Nova vida
Nova vidaNova vida
Nova vida
 
3 os atributos de deus e a adoração
3 os atributos de deus e a adoração3 os atributos de deus e a adoração
3 os atributos de deus e a adoração
 
Servos comprometidos integralmente
Servos comprometidos integralmenteServos comprometidos integralmente
Servos comprometidos integralmente
 
Servos comprometidos integralmente.
Servos comprometidos integralmente.Servos comprometidos integralmente.
Servos comprometidos integralmente.
 
“Andeis como sábios”
“Andeis como sábios”“Andeis como sábios”
“Andeis como sábios”
 
Aula 1 - Seminário Sobre a Igreja...
Aula 1 - Seminário Sobre a Igreja...Aula 1 - Seminário Sobre a Igreja...
Aula 1 - Seminário Sobre a Igreja...
 
Fé_Completo
Fé_CompletoFé_Completo
Fé_Completo
 

Mais de Ricardo Gondim

Poéticos II
Poéticos IIPoéticos II
Poéticos II
Ricardo Gondim
 
Históricos III
Históricos IIIHistóricos III
Históricos III
Ricardo Gondim
 
Poéticos I
Poéticos IPoéticos I
Poéticos I
Ricardo Gondim
 
Históricos II
Históricos IIHistóricos II
Históricos II
Ricardo Gondim
 
Históricos I
Históricos IHistóricos I
Históricos I
Ricardo Gondim
 
Aula 2 - Pentateuco
Aula 2 - PentateucoAula 2 - Pentateuco
Aula 2 - Pentateuco
Ricardo Gondim
 
Aula 1 apresentação site
Aula 1   apresentação siteAula 1   apresentação site
Aula 1 apresentação site
Ricardo Gondim
 
Aula 1 genesis
Aula 1   genesisAula 1   genesis
Aula 1 genesis
Ricardo Gondim
 
Aula 3 A Superioridade do Evangelho
Aula 3   A Superioridade do EvangelhoAula 3   A Superioridade do Evangelho
Aula 3 A Superioridade do Evangelho
Ricardo Gondim
 
O tabernáculo perfeito
O tabernáculo perfeitoO tabernáculo perfeito
O tabernáculo perfeito
Ricardo Gondim
 
Pedagogia pastoral
Pedagogia pastoralPedagogia pastoral
Pedagogia pastoral
Ricardo Gondim
 
Introdução 2 (profecia e comunhão)
Introdução 2 (profecia e comunhão)Introdução 2 (profecia e comunhão)
Introdução 2 (profecia e comunhão)
Ricardo Gondim
 
Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)
Ricardo Gondim
 
Introdução 3 (serviço e adoração)
Introdução 3 (serviço e adoração)Introdução 3 (serviço e adoração)
Introdução 3 (serviço e adoração)
Ricardo Gondim
 
Introdução ao Estudo do NT
Introdução ao Estudo do NTIntrodução ao Estudo do NT
Introdução ao Estudo do NT
Ricardo Gondim
 
7a aula - A cobertura do tabernáculo
7a aula - A cobertura do tabernáculo7a aula - A cobertura do tabernáculo
7a aula - A cobertura do tabernáculo
Ricardo Gondim
 
Tabernáculo - Água da Vida
Tabernáculo - Água da VidaTabernáculo - Água da Vida
Tabernáculo - Água da Vida
Ricardo Gondim
 
Tabernáculo - Os engenheiros de Deus
Tabernáculo - Os engenheiros de DeusTabernáculo - Os engenheiros de Deus
Tabernáculo - Os engenheiros de Deus
Ricardo Gondim
 

Mais de Ricardo Gondim (18)

Poéticos II
Poéticos IIPoéticos II
Poéticos II
 
Históricos III
Históricos IIIHistóricos III
Históricos III
 
Poéticos I
Poéticos IPoéticos I
Poéticos I
 
Históricos II
Históricos IIHistóricos II
Históricos II
 
Históricos I
Históricos IHistóricos I
Históricos I
 
Aula 2 - Pentateuco
Aula 2 - PentateucoAula 2 - Pentateuco
Aula 2 - Pentateuco
 
Aula 1 apresentação site
Aula 1   apresentação siteAula 1   apresentação site
Aula 1 apresentação site
 
Aula 1 genesis
Aula 1   genesisAula 1   genesis
Aula 1 genesis
 
Aula 3 A Superioridade do Evangelho
Aula 3   A Superioridade do EvangelhoAula 3   A Superioridade do Evangelho
Aula 3 A Superioridade do Evangelho
 
O tabernáculo perfeito
O tabernáculo perfeitoO tabernáculo perfeito
O tabernáculo perfeito
 
Pedagogia pastoral
Pedagogia pastoralPedagogia pastoral
Pedagogia pastoral
 
Introdução 2 (profecia e comunhão)
Introdução 2 (profecia e comunhão)Introdução 2 (profecia e comunhão)
Introdução 2 (profecia e comunhão)
 
Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)
 
Introdução 3 (serviço e adoração)
Introdução 3 (serviço e adoração)Introdução 3 (serviço e adoração)
Introdução 3 (serviço e adoração)
 
Introdução ao Estudo do NT
Introdução ao Estudo do NTIntrodução ao Estudo do NT
Introdução ao Estudo do NT
 
7a aula - A cobertura do tabernáculo
7a aula - A cobertura do tabernáculo7a aula - A cobertura do tabernáculo
7a aula - A cobertura do tabernáculo
 
Tabernáculo - Água da Vida
Tabernáculo - Água da VidaTabernáculo - Água da Vida
Tabernáculo - Água da Vida
 
Tabernáculo - Os engenheiros de Deus
Tabernáculo - Os engenheiros de DeusTabernáculo - Os engenheiros de Deus
Tabernáculo - Os engenheiros de Deus
 

Último

Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
LEILANEGOUVEIA1
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
PIB Penha
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
PIB Penha
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
Sammis Reachers
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
GuilhermeCerqueira17
 

Último (14)

Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
 

Aula 4 - Jesus, o grande Salvador

  • 1. Estudo Elaborado: Pr. Ricardo Gondim Jesus – O Grande Salvador Aula 4 – EBD 2015
  • 2. Meus irmãos na fé, vocês que também foram chamados por Deus, olhem para Jesus, que Deus enviou para ser o Grande Sacerdote da fé que professamos. Pois ele foi fiel a Deus, que o escolheu para esse serviço, assim como Moisés foi fiel no seu trabalho em toda a casa de Deus. Assim como a pessoa que constrói uma casa é mais importante do que a casa, assim, também, Jesus é mais importante do que Moisés. Uma casa tem de ser construída por alguém, mas Deus é o construtor de tudo o que existe. E Moisés foi um servo fiel no seu trabalho na casa de Deus e falou das coisas que Deus ia dizer no futuro. Mas Cristo é fiel como Filho, que dirige a casa de Deus. E nós seremos a sua casa se conservarmos a nossa coragem e a nossa confiança naquilo que esperamos. Hebreus 3:1-6 NTLH
  • 3. • O texto base desta lição (Hb 3:1-6) faz a introdução para a segunda exortação da Epístola aos Hebreus. • Lembrem-se que os cristãos judeus estavam sendo perseguidos pelos irmãos judaizantes por sua fé. • A carta é endereçada para três tipos de Hebreus: 1. os judeus convertidos ao cristianismo, 2. os judeus intelectualmente convencidos mas ainda não convertidos 3. e os judeus não convertidos. • Muitos judeus convertidos estavam apostatando da fé (separando-se da fé em Jesus) e retornando ao judaismo antigo. • Dentro deste contexto que o autor (ES) fala a igreja.
  • 4. TEXTOS EXORTATIVOS Hb 2:1-4 Hb 3:7 a 4:13 Hb 5:11 a 6:20 Hb 10:26-39 Hb 12:14-29 Nesta introdução o autor (ES) destaca a superioridade de Jesus diante do modelo judaico representado por Moisés (São cinco “exortações” que compõem a Epístola) Abaixo estão descritas as cinco “exortações” do livro de Hebreus. A primeira passagem exortativa está em Hb 2:1-4; a segunda está em Hb 3:7 a Hb 4:13; a terceira está em Hb 5:11 a 6:20, uma longa exortação; a quarta está em Hb 10:26-39; e a última passagem está em Hb 12:14-29 –
  • 5. Na 1ª. Exortação O Espírito Santo (Parakletos) chama a atenção para: 1. Contra o afastamento (capítulo 2:1-4): “Por isso convém atentarmos mais diligentemente para as coisas que ouvimos, para que em tempo algum nos desviemos delas...”
  • 6. Na 2ª. Exortação O Espírito Santo (Parakletos) chama a atenção para: 2. Contra a desobediência (3:7 a 4:13):- “a quem jurou que não entrariam no seu descanso, senão aos que foram desobedientes?“ – • Por causa da sua incredulidade, que gerou a desobediência, a grande maioria dos judeus que saíram da escravidão do Egito rebelou-se contra Moisés e Arão e não entrou na terra da promessa. Vamos analisar o texto
  • 7. 1 POR isso, irmãos santos, participantes da vocação celestial, considerai a Jesus Cristo, apóstolo e sumo sacerdote da nossa confissão, 2 Sendo fiel ao que o constituiu, como também o foi Moisés em toda a sua casa. 3 Porque ele é tido por digno de tanto maior glória do que Moisés, quanto maior honra do que a casa tem aquele que a edificou. 4 Porque toda a casa é edificada por alguém, mas o que edificou todas as coisas é Deus. 5 E, na verdade, Moisés foi fiel em toda a sua casa, como servo, para testemunho das coisas que se haviam de anunciar; 6 Mas Cristo, como Filho, sobre a sua própria casa; a qual casa somos nós, se tão somente conservarmos firme a confiança e a glória da esperança até ao fim. KJV (Hb 3:1-6)
  • 8. 1 POR isso (g.dio=por esse motivo – que motivo? convém-nos atentar com mais diligência para as coisas que já temos ouvido, para que em tempo algum nos desviemos delas), irmãos santos , participantes da vocação celestial (irmãos da fé que foram chamados por Deus) , considerai a Jesus Cristo (g.katanoeo = observa atentamente, foca em Jesus), apóstolo e sumo sacerdote (duas características importantes – ver quadro comparativo) da nossa confissão, (da nossa fé)
  • 10. 2 Sendo fiel (g.pistos = aquele que mantém a fé com a qual se comprometeu – a fidelidade de Jesus resultou em morte e ela em salvação) ao que o constituiu (Deus o fez apóstolo e sumo sacerdote) , como também o foi Moisés (a fidelidade de Moisés resulta em promessa) em toda a sua casa. (A casa que foi confiada a Moisés era a tenda da revelação, o tabernáculo ) A frase em toda a sua casa e retirada de Numeros 12.7, onde casa se refere a Casa de Deus, ao tabernáculo, centro da adoração israelita. Moises havia obedecido fielmente as instruções de Deus em relação ao tabernáculo. Da mesma forma, Jesus obedeceu em tudo a missão que o Pai lhe dera. Como resultado de Sua obediência, Deus pode estabelecer Sua nova casa, a igreja.
  • 11. 3 Porque ele (Jesus é maior que Moisés) é tido por digno de tanto maior glória do que Moisés (A comparação diz respeito à sua “glória” e “honra”. Jesus está para Moisés como o construtor de uma casa para a própria casa. Ele possui glória maior que Moisés, assim como o serviço da nova aliança ultrapassa em muito o serviço da antiga aliança. Também Jo 1.17 ressalta a mesma realidade: “Porque a lei foi dada por intermédio de Moisés; a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo”. Nisso reconhecemos que, apesar de toda a similaridade de Moisés e Jesus, de fato existe uma diferença não apenas gradual, mas qualitativa! quanto maior honra do que a casa tem aquele que a edificou. (Jesus recebe glória porque é o construtor da casa e Moisés honra porque serviu na casa)
  • 12. 4 Porque toda a casa é edificada (g.kataskeuazo = construiu) por alguém, mas o que edificou todas as coisas é Deus. (aqui uma indicação de que a origem de Jesus está em Deus mesmo, que é o Criador do universo. Contudo, enfocando mais de perto os v. 3,4, vemos que Moisés e o tabernáculo, respectivamente Israel, são comparados conjuntamente com uma construção, à qual Cristo se contrapõe como o Mestre construtor. Jesus é quem “prepara a casa”, tanto no AT quanto no NT. É ele quem está por trás das incumbências dos profetas (cf. 1Pe 1.11) e dos anjos, do mesmo modo como ele se manifesta na vida da igreja. )
  • 13. 5 E, na verdade, Moisés foi fiel em toda a sua casa, (A metáfora da casa é simples. Que diferença? Cristo edificou a casa; Moisés serviu na casa. ) como servo, para testemunho das coisas que se haviam de anunciar; (A comparação entre Jesus e Moisés é levada adiante. Mais uma vez destaca-se aquilo que ambos têm em comum: ambos receberam de Deus o atestado de serem fiéis. Depois, porém, segue-se a ênfase nos contrastes: Moisés é somente o servo, ele governa em toda a sua casa que lhe foi confiada por Deus. Porém Jesus Cristo é imensamente superior a Moisés. Ele não é servo, mas Filho. Não está na casa para administrá-la, e sim estabelecido acima dela como Senhor e ao mesmo tempo como seu construtor. Sua “casa” é sua igreja. Nessa constatação o apóstolo une-se a todos os que crêem: a […] casa somos nós! )
  • 14. 6 Mas Cristo, como Filho, sobre a sua própria casa; a qual casa somos nós, se tão somente conservarmos firme a confiança e a glória da esperança até ao fim. (Pertencer à casa de Deus, está vinculado a uma condição. Os dons e poderes espirituais do Senhor devem desenvolver-se na igreja e expressar-se na alegre certeza de fé e na esperança a que o cristão se entrega com confiança. Nós é que somos a casa dele, se guardarmos firme, até ao fim, a ousadia e a exultação da esperança. )
  • 15. • Ao finalizar seu pensamento, o apóstolo faz duas importantes constatações. • Existem certas manifestações espirituais na vida que jamais faltarão na vida de um cristão e jamais devem ser abandonadas, os “dois companheiros inseparáveis da fé” (segundo Calvino). 1. Fazem parte dela a alegre confiança, i. é, a certeza da fé (g. parresía) 2. e a viva esperança que aguarda o cumprimento definitivo de todas as promessas de Deus com convicção. )
  • 16. • Após esta constatação a cerca da superioridade de Cristo com relação a Moisés o autor (ES) inicia a sua segunda exortação. • E se na primeira falou-se dos prejuízos quanto ao afastamento de Deus. • Esta segunda terá como tema central a desobediência.
  • 17. Hebreus 3 7 Portanto, como diz o Espírito Santo: Se ouvirdes hoje a sua voz, 8 Não endureçais os vossos corações, Como na provocação, no dia da tentação no deserto. 9 Onde vossos pais me tentaram, me provaram, E viram por quarenta anos as minhas obras. 10 Por isso me indignei contra esta geração, E disse: Estes sempre erram em seu coração, E não conheceram os meus caminhos. 11 Assim jurei na minha ira Que não entrarão no meu repouso. 12 Vede, irmãos, que nunca haja em qualquer de vós um coração mau e infiel, para se apartar do Deus vivo. 13 Antes, exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama Hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado;
  • 18. Lógica do texto Se ouvirdes hoje a sua voz, - Não endureçais os vossos corações, CORAÇÃO DURO (pais) – Tentaram e provaram Provoca indignação Deus – Por isso sempre erraram em seu coração e não conheceram os seus caminhos Vede, irmãos, que nunca haja em qualquer de vós um coração mau e infiel, para se apartar do Deus vivo. 13 Antes, exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama Hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado;
  • 19. Hebreus 3 14 Porque nos tornamos participantes de Cristo, se retivermos firmemente o princípio da nossa confiança até ao fim. 15 Enquanto se diz: Hoje, se ouvirdes a sua voz, Não endureçais os vossos corações, como na provocação. 16 Porque, havendo-a alguns ouvido, o provocaram; mas não todos os que saíram do Egito por meio de Moisés. 17 Mas com quem se indignou por quarenta anos? Não foi porventura com os que pecaram, cujos corpos caíram no deserto? 18 E a quem jurou que não entrariam no seu repouso, senão aos que foram desobedientes? 19 E vemos que não puderam entrar por causa da sua incredulidade.
  • 20. Lógica do texto Porque nos tornamos participantes de Cristo, se retivermos firmemente o princípio da nossa confiança até ao fim. DESOBEDIÊNCIA PROVOCA A INCREDULIDADE
  • 21. 1 TEMAMOS, pois, que, porventura, deixada a promessa de entrar no seu repouso, pareça que algum de vós fica para trás. 2 Porque também a nós foram pregadas as boas novas, como a eles, mas a palavra da pregação nada lhes aproveitou, porquanto não estava misturada com a fé naqueles que a ouviram. 3 Porque nós, os que temos crido, entramos no repouso, tal como disse: Assim jurei na minha ira Que não entrarão no meu repouso; embora as suas obras estivessem acabadas desde a fundação do mundo.
  • 22. Lógica do texto Temamos (g. phobeo = ter medo) deixada a promessa de entrar no seu repouso, (sucumbir diante da apostasia, naufragar na fé) pareça (ou suceda) que algum de vós fica para trás. (g.hustereo = falhar em alcançar o objetivo, ausentar-se, falhar em tornar-se participante) mas a palavra da pregação nada lhes aproveitou, porquanto não estava misturada com a fé naqueles que a ouviram. Palavra (logos aqui não significa palavra mas verdade) +(misturada) Fé
  • 23. 4 Porque em certo lugar disse assim do dia sétimo: E repousou Deus de todas as suas obras no sétimo dia. 5 E outra vez neste lugar: Não entrarão no meu repouso. 6 Visto, pois, que resta que alguns entrem nele, e que aqueles a quem primeiro foram pregadas as boas novas não entraram por causa da desobediência, 7 Determina outra vez um certo dia, Hoje, dizendo por Davi, muito tempo depois, como está dito: Hoje, se ouvirdes a sua voz, Não endureçais os vossos corações. (salmo 95-8) REPETE A ADVERTÊNCIA DE HEBREUS 3:7
  • 24. 8 Porque, se Josué lhes houvesse dado repouso, não falaria depois disso de outro dia. 9 Portanto, resta ainda um repouso para o povo de Deus. 10 Porque aquele que entrou no seu repouso, ele próprio repousou de suas obras, como Deus das suas. 11 Procuremos, pois, entrar naquele repouso, para que ninguém caia no mesmo exemplo de desobediência. 12 Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração. 13 E não há criatura alguma encoberta diante dele; antes todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos daquele com quem temos de tratar.
  • 25. Lógica do texto Procuremos, pois, entrar naquele repouso, para que ninguém caia no mesmo exemplo de desobediência. Para herdar a promessa não podemos cair em desobediência e incredulidade Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, A palavra de Deus pode ser usada Tanto para a VIDA E SALVAÇÃO como MORTE E JUSTIÇA e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração. Alma e Espirito = Está falando no sentido espriritual Juntas e Medulas = Está falando no sentido do corpo
  • 26. Destaques do Capítulo 3 e 4 CHAMADO Deus sempre toma a iniciativa em chamar, eleger e buscar os crentes para Ele mesmo. (João 6.44, 65;15.16; I Co 1.12; Ef 1.4, 5, 11). O termo “chamar” é usado em vários sentidos teológicos: A. Pecadores são chamados para salvação pela graça de Deus através da obra consumada de Cristo e a convicção do Espírito (i.e., klētos, cf. Rm 1.6, 7; 9.24, que é teologicamente similar a I Co 1.1, 2 e II Tm 1.9; II Pe 1.10). B. Pecadores invocam o nome do Senhor para serem salvos (i.e., epikaleō, cf. Atos 2.21; 22.16; Rm 10.9-13). Esta declaração é uma expressão idiomática de adoração judaica. C. Os crentes são chamados para viver vidas semelhantes Cristo (i.e., klēsis, cf. I Co 1.26; 7.20; Ef 4.1; Fp 3.14; II Ts 1.11; II Tm 1.9). D. Os crentes são chamados para ministrar tarefas (cf. Atos 13.2; I Co 12.4-7; Ef 4.1).
  • 27. Destaques do Capítulo 3 e 4 CONFISSÃO I. Há duas formas da mesma raiz grega usada para confissão ou profissão, homolegeō e exomologeō. O termo composto que Tiago usa é de homo, o mesmo; legeō, falar; e ex, fora de. O significado básico é dizer a mesma coisa, concordar com. O ex acrescentou à idéia de uma declaração pública. II. As traduções inglesas deste grupo de palavra são 1. louvor 2. concordar 3. declarar 4. professar 5. confessar III. Este grupo de palavra tinha dois usos aparentemente opostos 1. louvar (Deus) 2. admitir pecado Estes podem ter desenvolvido da sensação da humanidade da santidade de Deus e sua própria pecaminosidade. Reconhecer uma verdade é reconhecer ambos. IV. Os usos do NT do grupo de palavra são 1. prometer (cf. Mt 14.7; Atos 7.17)
  • 28. Destaques do Capítulo 3 e 4 CONFISSÃO IV. Os usos do NT do grupo de palavra são 1. prometer (cf. Mt 14.7; Atos 7.17) 2. concordar ou consentir a algo (cf. João 1.20; Lucas 22.6; Atos 24.14; Hb 11.13) 3. louvar (cf.Mt 11.25; Lucas 10.21; Rm 14.11; 15.9) 4. assentir a a. uma pessoa (cf. Mt 10.32; Lucas 12.8; João 9.22; 12.42; Rm 10.9; Fp 2.11; I João 2.23; Ap 3.5) b. uma verdade (cf. Atos 23.8; II Co 11.13; I João 4.2) 5. fazer uma declaração pública de (sentido legal desenvolvido em afirmação religios, cf. Atos 24.14; I Tm 6.13) a. sem admissão de culpa (cf. I Tm 6.12; Hb 10.23) 6. com uma admissão de culpa (cf. Mt 3.6; Atos 19.18; Hb 4.14; Tiago 5.16; I João 1.9) 3.2
  • 29. Destaques do Capítulo 3 e 4 ESPERANÇA Paulo usava este termo freqüentemente em vários sentidos diferentes, mas relacionados. Muitas vezes era associado com a consumação da fé do crente (e.g., I Tm 1.1). Isto pode ser expresso como glória, vida eterna, salvação final, Segunda Vinda, etc. A consumação é certa, mas o elemento do tempo é futuro e desconhecido. Era muitas vezes associado com “fé” e “amor” (cf. I co 13.13; I Ts 1.3; II Ts 2.16). Uma lista parcial de alguns dos usos de Paulo 1. A Segunda Vinda, Gl 5.5; Ef 1.18; 4.4; Tito 2.13 2. Jesus é nossa esperança, I Tm 1.1 3. O crente ser apresentado a Deus, Cl 1.22, 23; I Ts 2.19 4. Esperança é deppositada no céu, Cl 1.5 5. Confiança no evangelho, Cl 1.23; I Ts 2.19 6. Salvação final, Cl 1.5; I Ts 4.13; 5.8 7. A glória de Deus, Rm 5.2; II Co 3.12; Cl 1.27 8. A salvação dos Gentios por Cristo, Cl 1.27 9. Certeza de salvação, I Ts 5.8 10. Vida Eterna, Tito 1.2; 3.7 11. Resultados da maturidade cristã, Rm 5.2-5 12. Redenção de toda criação, Rm 8.20-22 13. Consumação da adoção, Rm 8.23-25 14. Título para Deus, Rm 15.13 15. Desejo de Paulo para os crentes, II Co 1.7 16. AT como guia para os crentes do NT, Rm 15.4
  • 30. Destaques do Capítulo 3 e 4 O CORAÇÃO O termo grego kardia é usado na Septuaginta e NT para refletir o termo hebraico lēb (BDB 523). É usado de várias maneiras (cf. Bauer, Arndt, Gingrich e Danker, A Greek-English Lexicon [Um Léxico Grego-Inglês], pp. 403-404). 1. O centro da vida física, uma metáfora para a pessoa (cf. Atos 14.17; II Coríntios 3.2, 3; Tiago 5.5) 2. O centro da vida espiritual (i.e., moral) a. Deus conhece o coração (cf. Lucas 16.15; Rm 8.27; I Co 14.25; I Ts 2.4; Ap 2.23) b. usado para a vida espiritual da humanidade (cf. Mt 15.18, 19; 18.35; Rm 6.17; I Tm 1.5; II Tm 2.22; I Pe 1.22) 3. o centro da vida de pensamento (i.e., intelecto, cf. Mt 13.15; 24.48; atos 7.23; 16.14; 28.27; Romanos 1.21; 10.6; 16.18; II Co 4.6; Efésios 1.18; 4.18; Tiago 1.26; II Pe 1.19; Ap 18.7; coração é sinônimo com mente em II Co 3.14, 15 e Fp 4.7) 4. o centro da volição (i.e., vontade, cf. Atos 5.4; 11.23; I Co 4.5; 7.37; II Co 9.7) 5. o centro das emoções (cf. Mt 5.28; Atos 2.26, 37; 7.54; 21.13; Rm 1.24; II Co 2.4; 7.3; Ef 6.22; Fp 1.7)
  • 31. Destaques do Capítulo 3 e 4 O CORAÇÃO 6. único lugar da atividade do Espírito (cf. Rm 5.5; II Co 1.22; Gl 4.6 [i.e., Cristo em nossos corações, Ef 3.17]) 7. o coração é uma maneira metafórica de se referir à pessoa inteira (cf. Mt 22.37, citando Dt 6.5). Os pensamentos, motivos e ações atribuídos ao coração revelam plenamente o tipo de indivíduo. O AT tem alguns usos notáveis dos termos. a. Gn 6.6; 8.21, “se arrependeu o SENHOR de ter feito o homem na terra, e isso lhe pesou no coração”, também observe Oséias 11.8,9 b. Dt 4.29; 6.5, “de todo o teu coração, de toda a tua alma” c. Dt 10.16, “Circuncidai, pois, o vosso coração” e Rm 2.29 d. Ez 18.31, 32, “coração novo”