SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
Ministério Infantil 
Lucas 18: 15 à 17 
M. Bárbara Floriano/2014
Para começar bem!!! 
 Estar 100% presente (corpo e alma) em cada momento; 
 Ser um participante envolvido / ativo; 
 Focar a aprendizagem, evolução, o ajudar e ser ajudado; 
 Superar preconceitos, pré-julgamento, barreiras mentais; 
 Postura aberta ao novo, ao inédito, ao “diferente”, para 
ampliar a visão; 
 Ir fundo nas coisas; 
 Praticar efetivamente os valores básicos (honestidade, 
transparência e respeito). 
M. Bárbara Floriano/ 2014
O que é um ministério? 
 Do latim ministeriu: função de servidor; 
 Religião: sacerdócio; 
 Figurado: função nobre 
 É importante que um ministério seja detalhado: 
1. O que é? 
2. Para que serve? 
3. Qual a sua missão? 
4. Definir objetivos e metas 
M. Bárbara Floriano/2014
O que é dom? 
 Dom ( latim dominu): senhor. Donativo, dádiva, aptidão 
inata, qualidade 
 Base bíblica=> Efésios 4:7 à 15 
 Deus dá o dom para edificar o corpo e glorificar Seu 
nome. 
 Parábola dos talentos (Mt 25: 14 à 30). Todos têm ao 
menos um dom que é dado quando aceitamos Jesus e 
precisamos usá-lo, caso contrário Deus o tira e dá para 
outro. 
M. Bárbara Floriano/2014
Infância 
 Do latim (infans)= aquele que não fala; 
 Primeiro período da vida humana, que vai do 
nascimento até a adolescência; 
 Figurado: começo, princípio, início, criança. 
 Jesus tinha um amor especial pelas crianças e nós, na 
condição de ministros, devemos mostrar Esse amor (Mc 
10:14) 
M. Bárbara Floriano/ 2014
Concepção atual... 
 A infância não é um espaço cheio de lacunas; 
 A criança não é passiva e nem extremamente frágil; 
 O período da infância é cheio de curiosidade, 
conferindo uma papel ativo à criança; 
 O ambiente em que a criança se insere deve ser 
desafiador, estimulador, acolhedor, organizado e 
aconchegante. 
M. Bárbara Floriano/2014
A igreja e a criança 
 A criança não é um devir, ela é o presente e como tal 
não deve ser encarada como o futuro da igreja; 
 A Palavra deve ser trazida ao seu conhecimento de 
forma adequada e com um vocabulário adequado a 
sua idade; 
 Termos como “classinha”, “aulinha”, “cultinho”, 
“salinha” etc, conotam inferioridade ao trabalho com 
crianças ( Pv 18:20 e 21) 
M. Bárbara Floriano/2014
Jesus e as crianças 
 Gênesis 37 (José); 
 I Samuel 3 (Samuel); 
 I Samuel 16: 10 à 13 (Davi); 
 II Reis 5 (escrava de Naamã); 
 Marcos 6:38 ( multiplicação dos 5 pães e 2 peixinhos); 
 Mateus 18:14, Marcos 10: 13 à 16, Lucas 18:16, etc. 
M. Bárbara Floriano/2014
O desenvolvimento humano 
 Jean Piaget (1896-1980) foi um renomado 
psicólogo e filósofo suíço, conhecido por seu 
trabalho pioneiro no campo da inteligência 
infantil. 
 Jean Piaget passou grande parte de sua carreira 
profissional interagindo com crianças e 
estudando seu processo de raciocínio. Seus 
estudos tiveram um grande impacto sobre os 
campos da Psicologia e Pedagogia. 
 Jean Piaget morreu em Genebra, em setembro 
de 1980 (com 84 anos). 
M. Bárbara Floriano /2014
Estágios de Desenvolvimento 
 Período Sensório-Motor (do nascimento aos 2 anos) 
A ausência da função semiótica é a principal característica deste 
período. A inteligência trabalha através das percepções (simbólico) 
e das ações (motor) através dos deslocamentos do próprio corpo. É 
uma inteligência iminentemente prática. Sua linguagem vai da 
ecolalia (repetição de sílabas) à palavra-frase ("água" para dizer 
que quer beber água) já que não representa mentalmente o objeto 
e as ações. Sua conduta social, neste período, é de isolamento e 
indiferenciação (o mundo é ele) 
M. Bárbara Floriano/ 2014
Período Simbólico 
(dos 2 anos aos 4 anos) 
Neste período surge a função semiótica que permite o surgimento da 
linguagem, do desenho, da imitação, da dramatização, etc.. Podendo 
criar imagens mentais na ausência do objeto ou da ação é o período 
da fantasia, do faz de conta, do jogo simbólico. Com a capacidade 
de formar imagens mentais pode transformar o objeto numa satisfação 
de seu prazer (uma caixa de fósforo em carrinho, por exemplo). É 
também o período em que o indivíduo “dá alma” aos objetos . A 
linguagem está a nível de monólogo coletivo, ou seja, todos falam ao 
mesmo tempo sem que respondam as argumentações dos outros. Sua 
socialização é vivida de forma isolada, mas dentro do coletivo. Não há 
liderança e os pares são constantemente trocados. Surge o 
nominalismo , a teimosia, egocentrismo, etc. 
M. Bárbara Floriano 
/2014
Período Intuitivo 
(dos 4 anos aos 7 anos) 
Neste período já existe um desejo de explicação dos fenômenos. É a 
“idade dos porquês”, pois o indivíduo pergunta o tempo todo. 
Distingue a fantasia do real, podendo dramatizar a fantasia sem que 
acredite nela. Seu pensamento continua centrado no seu próprio 
ponto de vista. Já é capaz de organizar coleções e conjuntos sem 
no entanto incluir conjuntos menores em conjuntos maiores (rosas no 
conjunto de flores, por exemplo). Quanto à linguagem não mantém 
uma conversação longa mas já é capaz de adaptar sua resposta às 
palavras do companheiro. 
Os Períodos Simbólico e Intuitivo são também comumente 
apresentados como Período Pré-Operatório. 
M. Bárbara Floriano/ 2014
Estágio operatório-concreto 
(dos 7 aos 10/11 anos) 
É o período em que o indivíduo consolida as conservações de 
número, substância, volume e peso. Já é capaz de ordenar 
elementos por seu tamanho (grandeza), incluindo conjuntos, 
organizando então o mundo de forma lógica ou operatória. Sua 
organização social é a de bando, podendo participar de grupos 
maiores, chefiando e admitindo a chefia. Já podem compreender 
regras, sendo fiéis a ela, e estabelecer compromissos. A 
conversação torna-se possível (já é uma linguagem socializada), 
sem que no entanto possam discutir diferentes pontos de vista para 
que cheguem a uma conclusão comum. 
M. Bárbara Floriano/ 2014
Estágio operatório-formal 
(dos 11 em diante) 
É o ápice do desenvolvimento da inteligência e corresponde ao nível 
de pensamento hipotético-dedutivo ou lógico-matemático. É 
quando o indivíduo está apto para calcular uma probabilidade, 
libertando-se do concreto em proveito de interesses orientados para 
o futuro. É, finalmente, a “abertura para todos os possíveis”. A partir 
desta estrutura de pensamento é possível a dialética, que permite 
que a linguagem se dê a nível de discussão para se chegar a uma 
conclusão. Sua organização grupal pode estabelecer relações de 
cooperação e reciprocidade. 
Exemplo: 
Se lhe pedem para analisar um provérbio como "de grão em grão, a 
galinha enche o papo", a criança trabalha com a lógica da ideia 
(metáfora) e não com a imagem de uma galinha comendo grãos. 
M. Bárbara Floriano/ 2014
O ministro infantil 
 Auto imagem correta (Rm 12:3); 
 Lidar com o Ego (Lc 9:23 e 24); 
 Humildade (II Co 12:9); 
 Caráter . Uma pessoa que tem compromisso demonstra que tem 
caráter (Fp 4:8); 
 Confiança (Pv 16:3); 
 Respeito( I Tm 2: 1 à 3); 
 Intuição. Saber interpretar a situação; Interpretar as tendências; 
Conhecer o potencial dos recursos que tem; Interpretar as 
crianças; Interpretar a si mesmo. Quem você é define o que você 
vê. (Pv 23:7) 
M. Bárbara Floriano/ 2014
 Magnetismo. Quem você é define o que você atrai (Gn 1:27); 
 Serenidade e Domínio próprio (Gl 5:22 e 23). “Uma postura 
tranquila exerce sobre o mundo nervoso e desordenado uma 
influência irresistível.” (Gilbert Highet); 
 Tocam o coração. Você não pode estimular as crianças a 
amarem Jesus, a menos que primeiro você demonstre amor 
por elas. (Rm 13:8); 
 Autoridade (Mc 1:22); 
 Conhecimento. (Pv 3:13) “A receita para a perpétua 
ignorância é permanecer satisfeito com suas opiniões e 
contente com seus conhecimentos.” (Elbert Hubard) 
 Criatividade ( Rm 12:2b/ Gn 2:19/ Mc 2:4). 
M. Bárbara Floriano/ 2014
Base do trabalho ministerial 
infantil 
Podemos ancorar o trabalho com crianças, na igreja, em 
sete princípios bíblicos e dessa forma apresentar, de 
maneira sintética, todo o conteúdo bíblico articulando-o 
ao dia- a – dia dos pequenos, auxiliando-os no 
desenvolvimento prático da Palavra em suas vidas.
1º Caráter 
 Textos base: Gn 1:26 / I Co 6:9; 11:1 / Gl 5:16-21 / 1Pe 1:16 
 Caráter é o conjunto das qualidades e os hábitos que cada 
um de nós tem. Todos têm caráter, o que diferencia um e 
outro são as qualidades de cada um (bom ou mau caráter); 
 O desejo de Deus é formar a imagem e a natureza de Jesus 
dentro de cada um de nós, tornando-nos a cada dia mais 
parecidos com Ele. Para isso, o caráter de Jesus tem que ser 
impresso em nós; 
 Todo líder de excelência, todo homem ou mulher de Deus, 
que deseja realmente ser imagem e semelhança do seu 
Criador, precisa ter um bom caráter. 
M. Bárbara Floriano/ 2014
2º Mordomia 
 Texto base: Gn 2:15 
 Mordomia é administrar, cuidar com amor, daquilo que Deus nos 
dá; 
 Como o proprietário de todas as coisas no Universo, Deus deu ao 
homem a responsabilidade de cuidar de tudo o que ali havia. 
Essa mesma responsabilidade de cuidarmos daquilo que nos foi 
dado, é dada a cada um de nós; 
 Deus sempre nos dá o melhor, mas também nos dá a 
responsabilidade de cuidarmos daquilo que Ele nos deu. Somos 
mordomos d'Ele. 
M. Bárbara Floriano/ 2014
3º Auto governo/ Auto 
disciplina 
 Texto base: Pv 25:28 
 Auto- governo é a capacidade que o homem tem de controlar o seu 
comportamento, as suas atitudes, em qualquer lugar que estiver; 
 Quando não sabemos controlar as nossas atitudes, estamos expostos ao 
resultado das nossas ações; 
 O mundo tem um princípio comum: bateu, levou. O Senhor nos ensina 
outra coisa: "A palavra branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita 
a ira." (Pv 15:1). Auto- governo é uma obra do Espírito em nossa vida. É o 
fruto do domínio próprio (Gálatas 5:23); 
 Auto- governo não se consegue sozinho. Precisamos do Espírito de Deus 
para nos ajudar a vencer a nossa carne. 
M. Bárbara Floriano/ 2014
4º Semeadura e Colheita 
 Texto base: Gl 6:7b 
 É a lei da causa e do efeito, ou seja, para toda ação há uma 
reação. É a lei da semeadura e da colheita. Tudo o que 
plantarmos, certamente colheremos, na mesma proporção. De 
acordo com a semente será a nossa colheita; 
 Oséias 8:7 lemos que aqueles que semeiam vento colhem 
tempestades; 
 Tudo o que você quiser que os outros lhe façam, faça você 
primeiro, pois tudo aquilo que o homem semear, isso mesmo é o 
que ele colherá. 
M. Bárbara Floriano/ 2014
5º União 
 Texto base: I Pe 3:8 
 Precisamos uns dos outros, apesar de sermos diferentes, 
necessitamos uns dos outros e precisamos respeitar uns aos outros 
como parte do corpo de Cristo (Rm 12:5); 
 O princípio da União nos ensina que devemos procurar conviver 
com os outros em harmonia, tendo em nós o mesmo sentimento 
de amor, de paz, de misericórdia, que Jesus tinha, olhando para 
cada pessoa ao nosso redor com respeito, e vendo neles a 
imagem e semelhança de Deus; 
 A união nos incentiva a realizar grandes obras (Êx 17:12 e Ne 4:16 
e 17) 
M. Bárbara Floriano/ 2014
6º Individualidade 
 Texto base: Rm 12:4 à 8 
 Individualidade é a identidade de cada um. Deus criou todas as 
coisas com identidades distintas. Cada um é um; 
 Identidade fala das características que são específicas de uma 
pessoa, de um ser ou de alguma coisa; 
 Romanos 12:4-8 diz que em um corpo existem vários membros e 
cada um deles tem uma função específica. Assim somos nós como 
corpo de Cristo. Cada um tem o seu lugar, a sua função e o seu 
valor; 
 Respeitar os outros e respeitar a si mesmo, reconhecendo a sua 
individualidade, se auto- aceitando e aceitando os outros como 
são. 
M. Bárbara Floriano/ 2014
7º Soberania 
 Texto base: Êx 15:18 
 O princípio da Soberania ensina que Deus é Senhor sobre 
todas as coisas, Ele é o supremo soberano de todo o universo. 
Ele é o Criador de todas as coisas, em todo o Universo. Tudo 
existe porque Ele fez e continuarão a existir enquanto Ele 
sustentar; 
 Sl 139:1 à 4, Pv 15:3; 
 Quando reconhecemos a soberania de Deus em nossas vidas, 
podemos seguir o conselho de Davi em Salmo 37: 4,5 
M. Bárbara Floriano/ 2014
Recursos didáticos 
 Bíblia de Recursos para o Ministério com Crianças (APEC). É uma fonte de 
pesquisa e orientação para o preparo das lições bíblicas; 
 Bíblia Ilustrada (SBB). Serve como suporte para as aulas, pois contém 
histórias e ilustrações; 
 Livros com histórias ou apenas figuras; 
 Cartazes, murais, varais ilustrados; 
 Fantoches; 
 Filmes ou desenhos; 
 Gravuras, figuras, painéis, maquetes; 
 Slides, rádio; 
 Atividades de pintura (tinta, giz, lápis de cor, canetinha, cola colorida); 
 Atividades com recorte e colagem ( canudos, glíter, revista, jornal, 
dobradura, etc) 
M. Bárbara Floriano/ 2014
Princípios de uma aula 
1. Ter a criança como referência; 
2. Valorizar o cotidiano (contextualizar as lições); 
3. Preocupar-se com a linguagem e conceitos; 
4. Privilegiar a análise sobre a síntese (retomar a lição ao final); 
5. Ver a aprendizagem como ação (como aplicar a lição no dia a 
dia?); 
6. Selecionar conteúdos emergindo dos objetivos, das 
competências, visando a construção de habilidades; 
7. Inserir a dúvida como princípio, ou seja, lançar questionamentos 
para as crianças; 
M. Bárbara Floriano/ 2014
8. Valorizar outros materiais de ensino (utilizar a criatividade); 
9. Trabalhar a partir das representações das crianças (ter em 
mente o conhecimento prévio das crianças sobre a lição em 
questão); 
10. Construir na sala um verdadeiro laboratório de aprendizagem 
onde crianças, ministros e outros são parte ativa do processo. 
M. Bárbara Floriano/ 2014
“Que maravilha será ver 
nossas crianças firmadas na 
doutrina da redenção por 
Cristo! Se forem prevenidas 
contra os falsos evangelhos 
dessa era perversa, e 
ensinadas a firmar-se na 
rocha eterna da obra 
consumada de Cristo, 
podemos esperar que a 
próxima geração venha a 
manter a fé e que será 
melhor do que a de seus 
pais.” 
Charles Spurgeon 
M. Bárbara Floriano/ 2014
E agora? 
De posse dessas informações, agora é hora de arregaçar 
as mangas e impedir que nossas crianças se percam, 
mostrando-lhes o Amor e a Vida! 
Você está disposto??? 
M. Bárbara Floriano/ 2014
O QUE AS CRIANÇAS 
ANDAM LENDO... 
“A Máquina de Brincar”, escrito 
pelo gaúcho Paulo Bentancur, 
traz uma série de contos em 
forma de poema, e entre eles, 
alguns em que o diabo é 
mencionado como “um bom 
parceiro”. 
O livro foi distribuído em escolas 
públicas brasileiras para alunos 
do Ensino Fundamental.
Dividido em duas partes, “Para 
ler no claro” e “Para ler no 
escuro” 
Com poemas de títulos 
chamativos, como “O diabo que 
me carregue”, onde são feitos 
questionamentos sobre a 
existência de Deus, o livro 
compara Deus a uma criança 
medrosa e chama satanás de 
“amigo”: “Sossega! Vão falar mal 
aqueles que não estão contigo. 
Que não foram convidados pelo 
diabo, meu grande amigo”, diz um 
dos poemas.
PAULO BENTANCUR: O 
ESCRITOR 
O autor, entrevistado sobre a 
polêmica, negou que faça 
apologia ao satanismo com as 
histórias que contou no livro, e disse 
que a intenção é usar a literatura 
para dar asas ao “surreal”. 
“Quis fazer um livro diferente. As 
crianças de hoje são inteligentes, 
gostam de suspense, de figuras 
lendárias. E qual o problema de 
brincar com Deus e o diabo? Não 
faço apologia ao demônio, apenas 
brinco com o lado bom e o lado 
mau das coisas”, defendeu-se.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Curso de capacitação de professores da EBD
Curso de capacitação de professores da EBDCurso de capacitação de professores da EBD
Curso de capacitação de professores da EBDSergio Silva
 
Apostila Para O Ministério Infantil na Igreja
Apostila Para O Ministério Infantil na IgrejaApostila Para O Ministério Infantil na Igreja
Apostila Para O Ministério Infantil na IgrejaAlexandre Santos
 
CriançA é O Presente Da Igreja
CriançA é O Presente Da IgrejaCriançA é O Presente Da Igreja
CriançA é O Presente Da IgrejaPetula
 
Apostila ebd - classe kids - professor - cresça com deus - 2º quadrimestre
Apostila   ebd - classe kids - professor - cresça com deus - 2º quadrimestreApostila   ebd - classe kids - professor - cresça com deus - 2º quadrimestre
Apostila ebd - classe kids - professor - cresça com deus - 2º quadrimestreSergio Silva
 
TREINAMENTO DE PROFESSORES DA EBD
TREINAMENTO DE PROFESSORES DA EBDTREINAMENTO DE PROFESSORES DA EBD
TREINAMENTO DE PROFESSORES DA EBDMARCELO SIPRIANO
 
Apresentação discipulado infantil
Apresentação discipulado infantil Apresentação discipulado infantil
Apresentação discipulado infantil Andréia Eufrazio
 
Escola Bíblica de Férias_O amor de Deus
Escola Bíblica de Férias_O amor de DeusEscola Bíblica de Férias_O amor de Deus
Escola Bíblica de Férias_O amor de DeusGeandre Costa Costa
 
Apostila curso capacitacao 2007
Apostila curso capacitacao 2007Apostila curso capacitacao 2007
Apostila curso capacitacao 2007Mauro RS
 
O Professor Da Ebd, Seu Papel E Desafios
O Professor Da Ebd, Seu Papel E DesafiosO Professor Da Ebd, Seu Papel E Desafios
O Professor Da Ebd, Seu Papel E DesafiosSilas Duarte Jr
 
EBF - Em Busca do Tesouro Perdido - Juniores
EBF - Em Busca do Tesouro Perdido - JunioresEBF - Em Busca do Tesouro Perdido - Juniores
EBF - Em Busca do Tesouro Perdido - JunioresMarcia Willemann
 
EBD KIDS - 3º TRIMESTRE 2011 - Super Heróis da Fé - professor
EBD KIDS - 3º TRIMESTRE 2011 - Super Heróis da Fé - professorEBD KIDS - 3º TRIMESTRE 2011 - Super Heróis da Fé - professor
EBD KIDS - 3º TRIMESTRE 2011 - Super Heróis da Fé - professorSergio Silva
 
Capacitação de professores para o Ministério Infantil - Rosana Silva Ribeiro
Capacitação de professores para o Ministério Infantil - Rosana Silva RibeiroCapacitação de professores para o Ministério Infantil - Rosana Silva Ribeiro
Capacitação de professores para o Ministério Infantil - Rosana Silva Ribeirorosana ribeiro
 
Curso de capacitação e atualização para professores da EBD
Curso de capacitação e atualização para professores da EBDCurso de capacitação e atualização para professores da EBD
Curso de capacitação e atualização para professores da EBDMárcio Melânia
 
Planejando a aula da EBD
Planejando a aula da EBDPlanejando a aula da EBD
Planejando a aula da EBDAmor pela EBD
 
Conhecendo a verdade - Manual do Professor (Volume I)
Conhecendo a verdade - Manual do Professor (Volume I)Conhecendo a verdade - Manual do Professor (Volume I)
Conhecendo a verdade - Manual do Professor (Volume I)Keed Muller
 

Mais procurados (20)

Projetos para crianças
Projetos para criançasProjetos para crianças
Projetos para crianças
 
Curso de capacitação de professores da EBD
Curso de capacitação de professores da EBDCurso de capacitação de professores da EBD
Curso de capacitação de professores da EBD
 
Apostila Para O Ministério Infantil na Igreja
Apostila Para O Ministério Infantil na IgrejaApostila Para O Ministério Infantil na Igreja
Apostila Para O Ministério Infantil na Igreja
 
CriançA é O Presente Da Igreja
CriançA é O Presente Da IgrejaCriançA é O Presente Da Igreja
CriançA é O Presente Da Igreja
 
Planejamento ebd
Planejamento ebdPlanejamento ebd
Planejamento ebd
 
Apostila ebd - classe kids - professor - cresça com deus - 2º quadrimestre
Apostila   ebd - classe kids - professor - cresça com deus - 2º quadrimestreApostila   ebd - classe kids - professor - cresça com deus - 2º quadrimestre
Apostila ebd - classe kids - professor - cresça com deus - 2º quadrimestre
 
TREINAMENTO DE PROFESSORES DA EBD
TREINAMENTO DE PROFESSORES DA EBDTREINAMENTO DE PROFESSORES DA EBD
TREINAMENTO DE PROFESSORES DA EBD
 
Apresentação discipulado infantil
Apresentação discipulado infantil Apresentação discipulado infantil
Apresentação discipulado infantil
 
Escola Bíblica de Férias_O amor de Deus
Escola Bíblica de Férias_O amor de DeusEscola Bíblica de Férias_O amor de Deus
Escola Bíblica de Férias_O amor de Deus
 
Apostila curso capacitacao 2007
Apostila curso capacitacao 2007Apostila curso capacitacao 2007
Apostila curso capacitacao 2007
 
O Professor Da Ebd, Seu Papel E Desafios
O Professor Da Ebd, Seu Papel E DesafiosO Professor Da Ebd, Seu Papel E Desafios
O Professor Da Ebd, Seu Papel E Desafios
 
Escola bíblica dominical
Escola bíblica dominicalEscola bíblica dominical
Escola bíblica dominical
 
EBF - Em Busca do Tesouro Perdido - Juniores
EBF - Em Busca do Tesouro Perdido - JunioresEBF - Em Busca do Tesouro Perdido - Juniores
EBF - Em Busca do Tesouro Perdido - Juniores
 
EBD KIDS - 3º TRIMESTRE 2011 - Super Heróis da Fé - professor
EBD KIDS - 3º TRIMESTRE 2011 - Super Heróis da Fé - professorEBD KIDS - 3º TRIMESTRE 2011 - Super Heróis da Fé - professor
EBD KIDS - 3º TRIMESTRE 2011 - Super Heróis da Fé - professor
 
Capacitação de professores para o Ministério Infantil - Rosana Silva Ribeiro
Capacitação de professores para o Ministério Infantil - Rosana Silva RibeiroCapacitação de professores para o Ministério Infantil - Rosana Silva Ribeiro
Capacitação de professores para o Ministério Infantil - Rosana Silva Ribeiro
 
Curso de capacitação e atualização para professores da EBD
Curso de capacitação e atualização para professores da EBDCurso de capacitação e atualização para professores da EBD
Curso de capacitação e atualização para professores da EBD
 
Ebf 2012 completo
Ebf 2012   completoEbf 2012   completo
Ebf 2012 completo
 
Planejando a aula da EBD
Planejando a aula da EBDPlanejando a aula da EBD
Planejando a aula da EBD
 
Planejamento de-aula1
Planejamento de-aula1Planejamento de-aula1
Planejamento de-aula1
 
Conhecendo a verdade - Manual do Professor (Volume I)
Conhecendo a verdade - Manual do Professor (Volume I)Conhecendo a verdade - Manual do Professor (Volume I)
Conhecendo a verdade - Manual do Professor (Volume I)
 

Destaque

Educação bíblica Infantil
Educação bíblica  InfantilEducação bíblica  Infantil
Educação bíblica InfantilGraça Silva
 
SLIDES PARA CULTO INFANTIL / TEMA:Filhos de Deus
SLIDES PARA CULTO INFANTIL / TEMA:Filhos de Deus SLIDES PARA CULTO INFANTIL / TEMA:Filhos de Deus
SLIDES PARA CULTO INFANTIL / TEMA:Filhos de Deus Lé Souza
 
Apostila Bimestral Kids (julho e agosto)
Apostila Bimestral Kids (julho e agosto)Apostila Bimestral Kids (julho e agosto)
Apostila Bimestral Kids (julho e agosto)Sergio Silva
 
Capacitação para professores do maternal no Ministério Infantil - Rosana Silv...
Capacitação para professores do maternal no Ministério Infantil - Rosana Silv...Capacitação para professores do maternal no Ministério Infantil - Rosana Silv...
Capacitação para professores do maternal no Ministério Infantil - Rosana Silv...rosana ribeiro
 
Ebd classe kids 1º quadrimestre 2012 - o que é a bíblia - aluno
Ebd classe kids   1º quadrimestre 2012 - o que é a bíblia - alunoEbd classe kids   1º quadrimestre 2012 - o que é a bíblia - aluno
Ebd classe kids 1º quadrimestre 2012 - o que é a bíblia - alunoSergio Silva
 
O uso do lapbook no ministério infantil
O uso do lapbook no ministério infantilO uso do lapbook no ministério infantil
O uso do lapbook no ministério infantilSOSEDUCADOR
 
Material crianças ebd professor
Material crianças ebd   professorMaterial crianças ebd   professor
Material crianças ebd professorSergio Silva
 
EBD 4º Trimestre 2011 - Classe kids - Segredos para ser sábio
EBD 4º Trimestre 2011 - Classe kids - Segredos para ser sábioEBD 4º Trimestre 2011 - Classe kids - Segredos para ser sábio
EBD 4º Trimestre 2011 - Classe kids - Segredos para ser sábioSergio Silva
 
EBD 4º Trimestre Classe Kids - Segredos para ser sábio - alunos
EBD 4º Trimestre Classe Kids - Segredos para ser sábio - alunosEBD 4º Trimestre Classe Kids - Segredos para ser sábio - alunos
EBD 4º Trimestre Classe Kids - Segredos para ser sábio - alunosSergio Silva
 
SLIDE PARA CULTINHO /TEMA :AMOR
SLIDE PARA CULTINHO /TEMA :AMORSLIDE PARA CULTINHO /TEMA :AMOR
SLIDE PARA CULTINHO /TEMA :AMORLé Souza
 
Apostila ebd - classe kids - aluno - cresça com deus - 2º quadrimestre
Apostila   ebd - classe kids - aluno - cresça com deus - 2º quadrimestreApostila   ebd - classe kids - aluno - cresça com deus - 2º quadrimestre
Apostila ebd - classe kids - aluno - cresça com deus - 2º quadrimestreSergio Silva
 
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte IITreinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte IIAna Paula Baptista
 
Rede de crianças moisés slide
Rede de crianças moisés slideRede de crianças moisés slide
Rede de crianças moisés slideritadecassiaprof
 

Destaque (17)

Educação bíblica Infantil
Educação bíblica  InfantilEducação bíblica  Infantil
Educação bíblica Infantil
 
SLIDES PARA CULTO INFANTIL / TEMA:Filhos de Deus
SLIDES PARA CULTO INFANTIL / TEMA:Filhos de Deus SLIDES PARA CULTO INFANTIL / TEMA:Filhos de Deus
SLIDES PARA CULTO INFANTIL / TEMA:Filhos de Deus
 
Apostila Bimestral Kids (julho e agosto)
Apostila Bimestral Kids (julho e agosto)Apostila Bimestral Kids (julho e agosto)
Apostila Bimestral Kids (julho e agosto)
 
Capacitação para professores do maternal no Ministério Infantil - Rosana Silv...
Capacitação para professores do maternal no Ministério Infantil - Rosana Silv...Capacitação para professores do maternal no Ministério Infantil - Rosana Silv...
Capacitação para professores do maternal no Ministério Infantil - Rosana Silv...
 
Ebd classe kids 1º quadrimestre 2012 - o que é a bíblia - aluno
Ebd classe kids   1º quadrimestre 2012 - o que é a bíblia - alunoEbd classe kids   1º quadrimestre 2012 - o que é a bíblia - aluno
Ebd classe kids 1º quadrimestre 2012 - o que é a bíblia - aluno
 
O uso do lapbook no ministério infantil
O uso do lapbook no ministério infantilO uso do lapbook no ministério infantil
O uso do lapbook no ministério infantil
 
Material crianças ebd professor
Material crianças ebd   professorMaterial crianças ebd   professor
Material crianças ebd professor
 
EBD 4º Trimestre 2011 - Classe kids - Segredos para ser sábio
EBD 4º Trimestre 2011 - Classe kids - Segredos para ser sábioEBD 4º Trimestre 2011 - Classe kids - Segredos para ser sábio
EBD 4º Trimestre 2011 - Classe kids - Segredos para ser sábio
 
Culto com crianças
Culto com criançasCulto com crianças
Culto com crianças
 
EBD 4º Trimestre Classe Kids - Segredos para ser sábio - alunos
EBD 4º Trimestre Classe Kids - Segredos para ser sábio - alunosEBD 4º Trimestre Classe Kids - Segredos para ser sábio - alunos
EBD 4º Trimestre Classe Kids - Segredos para ser sábio - alunos
 
SLIDE PARA CULTINHO /TEMA :AMOR
SLIDE PARA CULTINHO /TEMA :AMORSLIDE PARA CULTINHO /TEMA :AMOR
SLIDE PARA CULTINHO /TEMA :AMOR
 
Apostila ebd - classe kids - aluno - cresça com deus - 2º quadrimestre
Apostila   ebd - classe kids - aluno - cresça com deus - 2º quadrimestreApostila   ebd - classe kids - aluno - cresça com deus - 2º quadrimestre
Apostila ebd - classe kids - aluno - cresça com deus - 2º quadrimestre
 
Culto infantil 2012
Culto infantil 2012Culto infantil 2012
Culto infantil 2012
 
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte IITreinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
 
Hebreus a Apocalipse - Pequenos
Hebreus a Apocalipse - PequenosHebreus a Apocalipse - Pequenos
Hebreus a Apocalipse - Pequenos
 
Evangelismo infantil
Evangelismo infantilEvangelismo infantil
Evangelismo infantil
 
Rede de crianças moisés slide
Rede de crianças moisés slideRede de crianças moisés slide
Rede de crianças moisés slide
 

Semelhante a Ministério com crianças e a Infância

Educação espírita para a infância
Educação espírita para a infânciaEducação espírita para a infância
Educação espírita para a infânciaDalila Melo
 
Características comunicativas e linguísticas
Características comunicativas e linguísticasCaracterísticas comunicativas e linguísticas
Características comunicativas e linguísticasDiana Sousa
 
Modulo 1 quem é o educando (evangelizando) (1)
Modulo 1 quem é o educando (evangelizando) (1)Modulo 1 quem é o educando (evangelizando) (1)
Modulo 1 quem é o educando (evangelizando) (1)Arlete Laenzlinger
 
2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilhoPaula de Almeida
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infânciaBruno Cechinel Filho
 
Didática espírita
Didática espíritaDidática espírita
Didática espíritaFabiano
 
Evangelizacao espirita infantil (fatima)
Evangelizacao espirita infantil (fatima)Evangelizacao espirita infantil (fatima)
Evangelizacao espirita infantil (fatima)Fatima Carvalho
 
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumondArtigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumondSimoneHelenDrumond
 
Diálogo com os filhos
Diálogo com os filhosDiálogo com os filhos
Diálogo com os filhosdajudaviana
 
Estagios da comunicacao e a pnl
Estagios da comunicacao e a pnlEstagios da comunicacao e a pnl
Estagios da comunicacao e a pnlMarina Rosa
 
Ed esp para_jovem_14_04_2010
Ed esp para_jovem_14_04_2010Ed esp para_jovem_14_04_2010
Ed esp para_jovem_14_04_2010Dalila Melo
 
Textos modulo 1 – 2ª parte o educando (Curso de Capacitação de Educadores E...
Textos modulo 1 – 2ª parte   o educando (Curso de Capacitação de Educadores E...Textos modulo 1 – 2ª parte   o educando (Curso de Capacitação de Educadores E...
Textos modulo 1 – 2ª parte o educando (Curso de Capacitação de Educadores E...Arlete Laenzlinger
 
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculoAspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculoSilvia Marina Anaruma
 

Semelhante a Ministério com crianças e a Infância (20)

Educação espírita para a infância
Educação espírita para a infânciaEducação espírita para a infância
Educação espírita para a infância
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
Características comunicativas e linguísticas
Características comunicativas e linguísticasCaracterísticas comunicativas e linguísticas
Características comunicativas e linguísticas
 
Modulo 1 quem é o educando (evangelizando) (1)
Modulo 1 quem é o educando (evangelizando) (1)Modulo 1 quem é o educando (evangelizando) (1)
Modulo 1 quem é o educando (evangelizando) (1)
 
2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
 
28022012094929 242
28022012094929 24228022012094929 242
28022012094929 242
 
Didática espírita
Didática espíritaDidática espírita
Didática espírita
 
HENRI WALLON
HENRI WALLONHENRI WALLON
HENRI WALLON
 
Evangelizacao espirita infantil (fatima)
Evangelizacao espirita infantil (fatima)Evangelizacao espirita infantil (fatima)
Evangelizacao espirita infantil (fatima)
 
Berçario
BerçarioBerçario
Berçario
 
# Flavio mendonça - o cuidado com nossos filhos - [ espiritismo]
#   Flavio mendonça - o cuidado com nossos filhos - [ espiritismo]#   Flavio mendonça - o cuidado com nossos filhos - [ espiritismo]
# Flavio mendonça - o cuidado com nossos filhos - [ espiritismo]
 
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumondArtigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
 
Diálogo com os filhos
Diálogo com os filhosDiálogo com os filhos
Diálogo com os filhos
 
Estagios da comunicacao e a pnl
Estagios da comunicacao e a pnlEstagios da comunicacao e a pnl
Estagios da comunicacao e a pnl
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
 
Ed esp para_jovem_14_04_2010
Ed esp para_jovem_14_04_2010Ed esp para_jovem_14_04_2010
Ed esp para_jovem_14_04_2010
 
Textos modulo 1 – 2ª parte o educando (Curso de Capacitação de Educadores E...
Textos modulo 1 – 2ª parte   o educando (Curso de Capacitação de Educadores E...Textos modulo 1 – 2ª parte   o educando (Curso de Capacitação de Educadores E...
Textos modulo 1 – 2ª parte o educando (Curso de Capacitação de Educadores E...
 
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculoAspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo
 
Psicologia das idades catequese
Psicologia das idades   catequesePsicologia das idades   catequese
Psicologia das idades catequese
 

Mais de Maria Bárbara Floriano

Constituir se professor [modo de compatibilidade]
Constituir se professor [modo de compatibilidade]Constituir se professor [modo de compatibilidade]
Constituir se professor [modo de compatibilidade]Maria Bárbara Floriano
 
A brincadeira e o desenvolvimento da imaginação e da criatividade
A brincadeira e o desenvolvimento da imaginação e da criatividadeA brincadeira e o desenvolvimento da imaginação e da criatividade
A brincadeira e o desenvolvimento da imaginação e da criatividadeMaria Bárbara Floriano
 
Desenvolvimento da motricidade, da linguagem e da cognição
Desenvolvimento da motricidade, da linguagem e da cogniçãoDesenvolvimento da motricidade, da linguagem e da cognição
Desenvolvimento da motricidade, da linguagem e da cogniçãoMaria Bárbara Floriano
 
Conhecendo um pouco sobre Deficiências Intelectuais
 Conhecendo um pouco sobre Deficiências Intelectuais Conhecendo um pouco sobre Deficiências Intelectuais
Conhecendo um pouco sobre Deficiências IntelectuaisMaria Bárbara Floriano
 
Pesquisa em educação conferência com nóvoa
Pesquisa em educação  conferência com nóvoa Pesquisa em educação  conferência com nóvoa
Pesquisa em educação conferência com nóvoa Maria Bárbara Floriano
 

Mais de Maria Bárbara Floriano (18)

Alfabetário
AlfabetárioAlfabetário
Alfabetário
 
Livro ancestralidade
Livro ancestralidadeLivro ancestralidade
Livro ancestralidade
 
Projeto índios
Projeto índiosProjeto índios
Projeto índios
 
Livrinho animais
Livrinho animaisLivrinho animais
Livrinho animais
 
Livro camilão, o comilão
Livro camilão, o comilãoLivro camilão, o comilão
Livro camilão, o comilão
 
Espaço Griô- Histórias e Identidades
Espaço Griô- Histórias e IdentidadesEspaço Griô- Histórias e Identidades
Espaço Griô- Histórias e Identidades
 
Constituir se professor [modo de compatibilidade]
Constituir se professor [modo de compatibilidade]Constituir se professor [modo de compatibilidade]
Constituir se professor [modo de compatibilidade]
 
Artigo constituir se professor
Artigo constituir se professorArtigo constituir se professor
Artigo constituir se professor
 
A brincadeira e o desenvolvimento da imaginação e da criatividade
A brincadeira e o desenvolvimento da imaginação e da criatividadeA brincadeira e o desenvolvimento da imaginação e da criatividade
A brincadeira e o desenvolvimento da imaginação e da criatividade
 
Desenvolvimento da motricidade, da linguagem e da cognição
Desenvolvimento da motricidade, da linguagem e da cogniçãoDesenvolvimento da motricidade, da linguagem e da cognição
Desenvolvimento da motricidade, da linguagem e da cognição
 
Histórico Ed Infantil
Histórico Ed InfantilHistórico Ed Infantil
Histórico Ed Infantil
 
Conhecendo um pouco sobre Deficiências Intelectuais
 Conhecendo um pouco sobre Deficiências Intelectuais Conhecendo um pouco sobre Deficiências Intelectuais
Conhecendo um pouco sobre Deficiências Intelectuais
 
Políticas Sociais Ed Especial
 Políticas Sociais Ed Especial Políticas Sociais Ed Especial
Políticas Sociais Ed Especial
 
Bullying
 Bullying Bullying
Bullying
 
Aula1 ser humano e animal
Aula1 ser humano e animalAula1 ser humano e animal
Aula1 ser humano e animal
 
Pesquisa em educação conferência com nóvoa
Pesquisa em educação  conferência com nóvoa Pesquisa em educação  conferência com nóvoa
Pesquisa em educação conferência com nóvoa
 
Avaliação da aprendizagem escolar
Avaliação da aprendizagem escolarAvaliação da aprendizagem escolar
Avaliação da aprendizagem escolar
 
Guia teórico do alfabetizador
Guia teórico do alfabetizadorGuia teórico do alfabetizador
Guia teórico do alfabetizador
 

Último

ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfEversonFerreira20
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 

Ministério com crianças e a Infância

  • 1. Ministério Infantil Lucas 18: 15 à 17 M. Bárbara Floriano/2014
  • 2. Para começar bem!!!  Estar 100% presente (corpo e alma) em cada momento;  Ser um participante envolvido / ativo;  Focar a aprendizagem, evolução, o ajudar e ser ajudado;  Superar preconceitos, pré-julgamento, barreiras mentais;  Postura aberta ao novo, ao inédito, ao “diferente”, para ampliar a visão;  Ir fundo nas coisas;  Praticar efetivamente os valores básicos (honestidade, transparência e respeito). M. Bárbara Floriano/ 2014
  • 3. O que é um ministério?  Do latim ministeriu: função de servidor;  Religião: sacerdócio;  Figurado: função nobre  É importante que um ministério seja detalhado: 1. O que é? 2. Para que serve? 3. Qual a sua missão? 4. Definir objetivos e metas M. Bárbara Floriano/2014
  • 4. O que é dom?  Dom ( latim dominu): senhor. Donativo, dádiva, aptidão inata, qualidade  Base bíblica=> Efésios 4:7 à 15  Deus dá o dom para edificar o corpo e glorificar Seu nome.  Parábola dos talentos (Mt 25: 14 à 30). Todos têm ao menos um dom que é dado quando aceitamos Jesus e precisamos usá-lo, caso contrário Deus o tira e dá para outro. M. Bárbara Floriano/2014
  • 5. Infância  Do latim (infans)= aquele que não fala;  Primeiro período da vida humana, que vai do nascimento até a adolescência;  Figurado: começo, princípio, início, criança.  Jesus tinha um amor especial pelas crianças e nós, na condição de ministros, devemos mostrar Esse amor (Mc 10:14) M. Bárbara Floriano/ 2014
  • 6. Concepção atual...  A infância não é um espaço cheio de lacunas;  A criança não é passiva e nem extremamente frágil;  O período da infância é cheio de curiosidade, conferindo uma papel ativo à criança;  O ambiente em que a criança se insere deve ser desafiador, estimulador, acolhedor, organizado e aconchegante. M. Bárbara Floriano/2014
  • 7. A igreja e a criança  A criança não é um devir, ela é o presente e como tal não deve ser encarada como o futuro da igreja;  A Palavra deve ser trazida ao seu conhecimento de forma adequada e com um vocabulário adequado a sua idade;  Termos como “classinha”, “aulinha”, “cultinho”, “salinha” etc, conotam inferioridade ao trabalho com crianças ( Pv 18:20 e 21) M. Bárbara Floriano/2014
  • 8. Jesus e as crianças  Gênesis 37 (José);  I Samuel 3 (Samuel);  I Samuel 16: 10 à 13 (Davi);  II Reis 5 (escrava de Naamã);  Marcos 6:38 ( multiplicação dos 5 pães e 2 peixinhos);  Mateus 18:14, Marcos 10: 13 à 16, Lucas 18:16, etc. M. Bárbara Floriano/2014
  • 9. O desenvolvimento humano  Jean Piaget (1896-1980) foi um renomado psicólogo e filósofo suíço, conhecido por seu trabalho pioneiro no campo da inteligência infantil.  Jean Piaget passou grande parte de sua carreira profissional interagindo com crianças e estudando seu processo de raciocínio. Seus estudos tiveram um grande impacto sobre os campos da Psicologia e Pedagogia.  Jean Piaget morreu em Genebra, em setembro de 1980 (com 84 anos). M. Bárbara Floriano /2014
  • 10. Estágios de Desenvolvimento  Período Sensório-Motor (do nascimento aos 2 anos) A ausência da função semiótica é a principal característica deste período. A inteligência trabalha através das percepções (simbólico) e das ações (motor) através dos deslocamentos do próprio corpo. É uma inteligência iminentemente prática. Sua linguagem vai da ecolalia (repetição de sílabas) à palavra-frase ("água" para dizer que quer beber água) já que não representa mentalmente o objeto e as ações. Sua conduta social, neste período, é de isolamento e indiferenciação (o mundo é ele) M. Bárbara Floriano/ 2014
  • 11. Período Simbólico (dos 2 anos aos 4 anos) Neste período surge a função semiótica que permite o surgimento da linguagem, do desenho, da imitação, da dramatização, etc.. Podendo criar imagens mentais na ausência do objeto ou da ação é o período da fantasia, do faz de conta, do jogo simbólico. Com a capacidade de formar imagens mentais pode transformar o objeto numa satisfação de seu prazer (uma caixa de fósforo em carrinho, por exemplo). É também o período em que o indivíduo “dá alma” aos objetos . A linguagem está a nível de monólogo coletivo, ou seja, todos falam ao mesmo tempo sem que respondam as argumentações dos outros. Sua socialização é vivida de forma isolada, mas dentro do coletivo. Não há liderança e os pares são constantemente trocados. Surge o nominalismo , a teimosia, egocentrismo, etc. M. Bárbara Floriano /2014
  • 12. Período Intuitivo (dos 4 anos aos 7 anos) Neste período já existe um desejo de explicação dos fenômenos. É a “idade dos porquês”, pois o indivíduo pergunta o tempo todo. Distingue a fantasia do real, podendo dramatizar a fantasia sem que acredite nela. Seu pensamento continua centrado no seu próprio ponto de vista. Já é capaz de organizar coleções e conjuntos sem no entanto incluir conjuntos menores em conjuntos maiores (rosas no conjunto de flores, por exemplo). Quanto à linguagem não mantém uma conversação longa mas já é capaz de adaptar sua resposta às palavras do companheiro. Os Períodos Simbólico e Intuitivo são também comumente apresentados como Período Pré-Operatório. M. Bárbara Floriano/ 2014
  • 13. Estágio operatório-concreto (dos 7 aos 10/11 anos) É o período em que o indivíduo consolida as conservações de número, substância, volume e peso. Já é capaz de ordenar elementos por seu tamanho (grandeza), incluindo conjuntos, organizando então o mundo de forma lógica ou operatória. Sua organização social é a de bando, podendo participar de grupos maiores, chefiando e admitindo a chefia. Já podem compreender regras, sendo fiéis a ela, e estabelecer compromissos. A conversação torna-se possível (já é uma linguagem socializada), sem que no entanto possam discutir diferentes pontos de vista para que cheguem a uma conclusão comum. M. Bárbara Floriano/ 2014
  • 14. Estágio operatório-formal (dos 11 em diante) É o ápice do desenvolvimento da inteligência e corresponde ao nível de pensamento hipotético-dedutivo ou lógico-matemático. É quando o indivíduo está apto para calcular uma probabilidade, libertando-se do concreto em proveito de interesses orientados para o futuro. É, finalmente, a “abertura para todos os possíveis”. A partir desta estrutura de pensamento é possível a dialética, que permite que a linguagem se dê a nível de discussão para se chegar a uma conclusão. Sua organização grupal pode estabelecer relações de cooperação e reciprocidade. Exemplo: Se lhe pedem para analisar um provérbio como "de grão em grão, a galinha enche o papo", a criança trabalha com a lógica da ideia (metáfora) e não com a imagem de uma galinha comendo grãos. M. Bárbara Floriano/ 2014
  • 15. O ministro infantil  Auto imagem correta (Rm 12:3);  Lidar com o Ego (Lc 9:23 e 24);  Humildade (II Co 12:9);  Caráter . Uma pessoa que tem compromisso demonstra que tem caráter (Fp 4:8);  Confiança (Pv 16:3);  Respeito( I Tm 2: 1 à 3);  Intuição. Saber interpretar a situação; Interpretar as tendências; Conhecer o potencial dos recursos que tem; Interpretar as crianças; Interpretar a si mesmo. Quem você é define o que você vê. (Pv 23:7) M. Bárbara Floriano/ 2014
  • 16.  Magnetismo. Quem você é define o que você atrai (Gn 1:27);  Serenidade e Domínio próprio (Gl 5:22 e 23). “Uma postura tranquila exerce sobre o mundo nervoso e desordenado uma influência irresistível.” (Gilbert Highet);  Tocam o coração. Você não pode estimular as crianças a amarem Jesus, a menos que primeiro você demonstre amor por elas. (Rm 13:8);  Autoridade (Mc 1:22);  Conhecimento. (Pv 3:13) “A receita para a perpétua ignorância é permanecer satisfeito com suas opiniões e contente com seus conhecimentos.” (Elbert Hubard)  Criatividade ( Rm 12:2b/ Gn 2:19/ Mc 2:4). M. Bárbara Floriano/ 2014
  • 17. Base do trabalho ministerial infantil Podemos ancorar o trabalho com crianças, na igreja, em sete princípios bíblicos e dessa forma apresentar, de maneira sintética, todo o conteúdo bíblico articulando-o ao dia- a – dia dos pequenos, auxiliando-os no desenvolvimento prático da Palavra em suas vidas.
  • 18. 1º Caráter  Textos base: Gn 1:26 / I Co 6:9; 11:1 / Gl 5:16-21 / 1Pe 1:16  Caráter é o conjunto das qualidades e os hábitos que cada um de nós tem. Todos têm caráter, o que diferencia um e outro são as qualidades de cada um (bom ou mau caráter);  O desejo de Deus é formar a imagem e a natureza de Jesus dentro de cada um de nós, tornando-nos a cada dia mais parecidos com Ele. Para isso, o caráter de Jesus tem que ser impresso em nós;  Todo líder de excelência, todo homem ou mulher de Deus, que deseja realmente ser imagem e semelhança do seu Criador, precisa ter um bom caráter. M. Bárbara Floriano/ 2014
  • 19. 2º Mordomia  Texto base: Gn 2:15  Mordomia é administrar, cuidar com amor, daquilo que Deus nos dá;  Como o proprietário de todas as coisas no Universo, Deus deu ao homem a responsabilidade de cuidar de tudo o que ali havia. Essa mesma responsabilidade de cuidarmos daquilo que nos foi dado, é dada a cada um de nós;  Deus sempre nos dá o melhor, mas também nos dá a responsabilidade de cuidarmos daquilo que Ele nos deu. Somos mordomos d'Ele. M. Bárbara Floriano/ 2014
  • 20. 3º Auto governo/ Auto disciplina  Texto base: Pv 25:28  Auto- governo é a capacidade que o homem tem de controlar o seu comportamento, as suas atitudes, em qualquer lugar que estiver;  Quando não sabemos controlar as nossas atitudes, estamos expostos ao resultado das nossas ações;  O mundo tem um princípio comum: bateu, levou. O Senhor nos ensina outra coisa: "A palavra branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira." (Pv 15:1). Auto- governo é uma obra do Espírito em nossa vida. É o fruto do domínio próprio (Gálatas 5:23);  Auto- governo não se consegue sozinho. Precisamos do Espírito de Deus para nos ajudar a vencer a nossa carne. M. Bárbara Floriano/ 2014
  • 21. 4º Semeadura e Colheita  Texto base: Gl 6:7b  É a lei da causa e do efeito, ou seja, para toda ação há uma reação. É a lei da semeadura e da colheita. Tudo o que plantarmos, certamente colheremos, na mesma proporção. De acordo com a semente será a nossa colheita;  Oséias 8:7 lemos que aqueles que semeiam vento colhem tempestades;  Tudo o que você quiser que os outros lhe façam, faça você primeiro, pois tudo aquilo que o homem semear, isso mesmo é o que ele colherá. M. Bárbara Floriano/ 2014
  • 22. 5º União  Texto base: I Pe 3:8  Precisamos uns dos outros, apesar de sermos diferentes, necessitamos uns dos outros e precisamos respeitar uns aos outros como parte do corpo de Cristo (Rm 12:5);  O princípio da União nos ensina que devemos procurar conviver com os outros em harmonia, tendo em nós o mesmo sentimento de amor, de paz, de misericórdia, que Jesus tinha, olhando para cada pessoa ao nosso redor com respeito, e vendo neles a imagem e semelhança de Deus;  A união nos incentiva a realizar grandes obras (Êx 17:12 e Ne 4:16 e 17) M. Bárbara Floriano/ 2014
  • 23. 6º Individualidade  Texto base: Rm 12:4 à 8  Individualidade é a identidade de cada um. Deus criou todas as coisas com identidades distintas. Cada um é um;  Identidade fala das características que são específicas de uma pessoa, de um ser ou de alguma coisa;  Romanos 12:4-8 diz que em um corpo existem vários membros e cada um deles tem uma função específica. Assim somos nós como corpo de Cristo. Cada um tem o seu lugar, a sua função e o seu valor;  Respeitar os outros e respeitar a si mesmo, reconhecendo a sua individualidade, se auto- aceitando e aceitando os outros como são. M. Bárbara Floriano/ 2014
  • 24. 7º Soberania  Texto base: Êx 15:18  O princípio da Soberania ensina que Deus é Senhor sobre todas as coisas, Ele é o supremo soberano de todo o universo. Ele é o Criador de todas as coisas, em todo o Universo. Tudo existe porque Ele fez e continuarão a existir enquanto Ele sustentar;  Sl 139:1 à 4, Pv 15:3;  Quando reconhecemos a soberania de Deus em nossas vidas, podemos seguir o conselho de Davi em Salmo 37: 4,5 M. Bárbara Floriano/ 2014
  • 25. Recursos didáticos  Bíblia de Recursos para o Ministério com Crianças (APEC). É uma fonte de pesquisa e orientação para o preparo das lições bíblicas;  Bíblia Ilustrada (SBB). Serve como suporte para as aulas, pois contém histórias e ilustrações;  Livros com histórias ou apenas figuras;  Cartazes, murais, varais ilustrados;  Fantoches;  Filmes ou desenhos;  Gravuras, figuras, painéis, maquetes;  Slides, rádio;  Atividades de pintura (tinta, giz, lápis de cor, canetinha, cola colorida);  Atividades com recorte e colagem ( canudos, glíter, revista, jornal, dobradura, etc) M. Bárbara Floriano/ 2014
  • 26. Princípios de uma aula 1. Ter a criança como referência; 2. Valorizar o cotidiano (contextualizar as lições); 3. Preocupar-se com a linguagem e conceitos; 4. Privilegiar a análise sobre a síntese (retomar a lição ao final); 5. Ver a aprendizagem como ação (como aplicar a lição no dia a dia?); 6. Selecionar conteúdos emergindo dos objetivos, das competências, visando a construção de habilidades; 7. Inserir a dúvida como princípio, ou seja, lançar questionamentos para as crianças; M. Bárbara Floriano/ 2014
  • 27. 8. Valorizar outros materiais de ensino (utilizar a criatividade); 9. Trabalhar a partir das representações das crianças (ter em mente o conhecimento prévio das crianças sobre a lição em questão); 10. Construir na sala um verdadeiro laboratório de aprendizagem onde crianças, ministros e outros são parte ativa do processo. M. Bárbara Floriano/ 2014
  • 28. “Que maravilha será ver nossas crianças firmadas na doutrina da redenção por Cristo! Se forem prevenidas contra os falsos evangelhos dessa era perversa, e ensinadas a firmar-se na rocha eterna da obra consumada de Cristo, podemos esperar que a próxima geração venha a manter a fé e que será melhor do que a de seus pais.” Charles Spurgeon M. Bárbara Floriano/ 2014
  • 29. E agora? De posse dessas informações, agora é hora de arregaçar as mangas e impedir que nossas crianças se percam, mostrando-lhes o Amor e a Vida! Você está disposto??? M. Bárbara Floriano/ 2014
  • 30. O QUE AS CRIANÇAS ANDAM LENDO... “A Máquina de Brincar”, escrito pelo gaúcho Paulo Bentancur, traz uma série de contos em forma de poema, e entre eles, alguns em que o diabo é mencionado como “um bom parceiro”. O livro foi distribuído em escolas públicas brasileiras para alunos do Ensino Fundamental.
  • 31. Dividido em duas partes, “Para ler no claro” e “Para ler no escuro” Com poemas de títulos chamativos, como “O diabo que me carregue”, onde são feitos questionamentos sobre a existência de Deus, o livro compara Deus a uma criança medrosa e chama satanás de “amigo”: “Sossega! Vão falar mal aqueles que não estão contigo. Que não foram convidados pelo diabo, meu grande amigo”, diz um dos poemas.
  • 32.
  • 33.
  • 34. PAULO BENTANCUR: O ESCRITOR O autor, entrevistado sobre a polêmica, negou que faça apologia ao satanismo com as histórias que contou no livro, e disse que a intenção é usar a literatura para dar asas ao “surreal”. “Quis fazer um livro diferente. As crianças de hoje são inteligentes, gostam de suspense, de figuras lendárias. E qual o problema de brincar com Deus e o diabo? Não faço apologia ao demônio, apenas brinco com o lado bom e o lado mau das coisas”, defendeu-se.