SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Aspectos do desenvolvimento
     na infância e a formação do
               vínculo

 Curso ministrado durante o INTEGRAP – UNESP
 Campus de Rio Claro


 Autora:
 Profa.Dra. Silvia Marina Anaruma
 Set/out. 2012
Programa

Características dos primeiros anos
A importância do cuidado
A construção do vínculo
A diferença entre apego e vínculo
Construção do vínculo e prematuridade
Aleitamento materno e desenvolvimento do vínculo
Relação entre desmame e vínculo
Nossobebê foi gerado,
passou pela gestação, parto e
nasceu e agora?
A     primeira infância
Do nascimento até os três
 anos

 Asprincipais aquisições do
 desenvolvimento acontecem nesta
 fase
   formação do vínculo
   linguagem
   pensamento: capacidade de representação, raciocínio,
    permanência do objeto
   motor – coordenação motora grossa e fina, engatinhar,
    andar
   socialização – entrada na escola
   desmame- hábitos alimentares
   esfíncter – retirada da frauda
   consciência corporal – imagem corporal
CUIDAR
   Uma das características principais desta fase é o
    cuidado, uma vez a dependência da criança até
    os três anos é grande em vários aspectos.

 O que é cuidar?
 Porque cuidar?
 Como cuidar?
 As   pesquisas de René Spitz (1945) e
    a Síndrome do hospitalismo

   Fenômeno que representa a atenção aos cuidados
    físicos de bebês separados de seus pais durante a
    guerra, mas pouco afeto e atenção.
   Se caracterizava por:
   Apatia, falta de tonicidade motora, não se alimenta e em
    casos extremos até a morte.
 Isto significa que a atenção, o toque, o carinho
  são essenciais para a sobrevivência nesta fase do
  desenvolvimento.
 Esta atitude é o que chamamos de vínculo
O que significa vínculo?
 “A maneira peculiar pela qual cada indivíduo se relaciona
  com outro ou outros, criando uma estrutura particular a
  cada caso e a cada momento...Um vínculo normal parte da
  análise de uma das principais características das relações
  de objeto: as relações de dependência e as relações de
  independência.
 Considera-se que um objeto, em uma relação adulta

  normal, é um objeto independente (diferenciado), ou seja,
  que tanto o objeto quanto o sujeito tem uma livre eleição
  de objeto. “
   A máxima não-diferenciação ocorre na primeira relação da
    criança com o peito da mãe, que inicialmente é parasitária
    (intra-uterina) e depois simbiótica ( em que há troca de
    afetos e situações emocionais) que com o tempo vai
    diminuindo.Em algumas ocasiões, torna-se siamésico.

   O vínculo forma como um carimbo que se repete nas
    outras relações tanto internas quanto externas.

   Este vínculo implica numa relação estabelecida com o
    outro de maneira particular, seja com objetos animados ou
    inanimados (PICHON-RIVIÉRE, 2000).
   Através do vínculo toda a personalidade do sujeito se comunica.

   Os conceitos de papel e vínculo se misturam muito. Assim, para se estudar o
    vínculo é preciso conhecer também os diversos papéis que o sujeito assume
    (bonzinho, mau...), de forma consciente e voluntariamente e também de
    forma inconsciente (p.66).

   Estes papéis são assumidos quando o sujeito consegue se colocar no lugar
    do outro, que fica comprometido se tiver algum bloqueio emocional.

   Todas as nossas relações com os outros estão fundamentadas no interjogo
    de assumir e atribuir papéis.

   Os papéis são atribuídos ao longo da nossa vida às pessoas com quem
    convivemos e podem ser menos frustrantes do que as que tivemos com as
    pessoas da nossa história anterior (p. 70)

   Nós também assumimos papéis e em condições normais, vários ao mesmo
    tempo (p. 113)
 Na teoria dos papéis, vínculo é o conjunto
 que envolve as relações de objeto, que são
 “estruturas nas quais estão incluídos um
 sujeito e um objeto estabelecendo uma
 relação particular entre eles (PICHON-
 RIVIÉRE, 2000, p.113).”
Construção do vínculo e
prematuridade
   Se um bebê pré-termo é tocado durante sua permanência
    na UTI NEO (por 10 minutos, 3 vezes ao
   dia) este poderá apresentar níveis mais baixos de
   sono ativo, de atividade motora e de comportamento de
    estresse(. ..) se o tocarmos e/ou conversarmos com ele,
    poderá apresentar menos falhas na respiração, ganho de
    peso, alteração da motilidade intestinal e do choro e um
    progresso mais rápido em algumas áreas de
    funcionamento cerebral (In: BRUN ; SCHERMANN, 2007)
   A Gestalt-terapia entende que a maneira como a mãe decide
    vivenciar a fase da gravidez e como constrói o contato afetivo com
    o feto influenciará sua própria vida e, possivelmente, a vida do filho
    em desenvolvimento.

   ...a construção do vínculo afetivo na gestação é fundamental e é
    estabelecido e vivenciado pela mãe, na maioria das vezes, em
    expressões de carinho e afeto através do contato com o bebê,
    principalmente através da fala e do toque na barriga.
   Crianças avaliadas como seguramente apegadas no intervalo dos 12 aos 18
    meses mostram-se, na idade escolar, mais, sociável e positiva em suas
    relações com amigos e irmãos e menos dependentes dos professores, ou
    seja, apresentam maior independência e habilidade nas relações com os
    outros e fora do ambientes.

   O padrão de apego seguro parece favorecer nas crianças uma maior
    autoconfiança e competência social. Por outro lado, crianças que
    apresentam apego do tipo esquivo, ansioso, resistente ou desorganizado,
    são mais resistentes ao contato e tem pior desempenho nas tarefas
    propostas . Suas mães de um modo geral demonstram uma ansiedade
    excessiva quanto às realizações das crianças, exigindo dos mesmos mais do
    que elas podem fazer, geralmente mostram-se pouco atentas, impacientes
    e/ou agressivas com seus filhos.
   (BEE, 1996)
   Teoria do apego de Bowlby (1989):
   O que é apego?

    “Qualquer forma de comportamento que resulte numa pessoa
    (criança) alcançar e manter a proximidade com algum outro
    indivíduo claramente identificado (mãe) considerado mais apto
    para lidar com o mundo”.
   Esta relação fornece uma base segura para a criança a partir do
    qual ele pode explorar o mundo exterior e a voltar certos de que
    serão bem vindos, nutridos fisica e emocionalmente
   Construção por volta de 1 ano e meio de um sentimento de
    confiança e segurança da criança em relação ao si mesma e,
    principalmente, em relação aqueles que os rodeiam
   No vínculo existe a necessidade da presença
    do outro e um acréscimo da sensação de
    segurança na presença dele

   No apego o outro é visto como uma base
    segura, a partir do qual o indivíduo pode explorar
    o mundo e experimentar novas relações
   " Os efeitos perniciosos da privação variam de
    acordo com o grau da mesma. A privação traz
    consigo a angústia, uma exagerada
    necessidade de amor, fortes sentimentos de
    vingança e, em consequência, culpa e
    depressão" (p.14).
   O bebê precisa reconhecer quem cuida dele,
    por isso, precisa ser cuidado sempre pela
    mesma pessoa.
   No primeiro mês, o melhor para o bebê é ser
    cuidado pela mãe.
   Ela deve aproveitar os momentos da troca
    de fralda e do banho para conversar com o
    bebê, cantar baixinho, massagear o corpo
    dele, olhá-lo nos olhos.
   Assim, os dois vão se conhecendo e se
   amando mais.
   O pai deve participar ativamente desses
    momentos.
 Como saber se o vínculo entre mãe e bebê
 está sendo estabelecido:
• Durante a amamentação, o bebê procura o olhar da
  mãe e ela olha para ele.

• Quando o bebê está chorando e a mãe o pega no colo,
  ele se acalma.

• Quando a mãe está bem perto do bebê, ele tenta
  acompanhar, com os olhos, os movimentos dela.
O melhor para o bebê é ser cuidado pela mãe.

O bebê gosta muito quando a mãe conversa com ele,
 canta baixinho, olha nos seus olhos, toca e massageia
 o corpo dele.

Na falta da mãe, é bom que o bebê seja cuidado sempre
 pela mesma pessoa, porque ele precisa reconhecer
 quem cuida sempre dele.

   (CARTILHA DA FAMÍLIA, 2004, A 2)
   A mãe deve exercer a maternagem através de uma rotina
    monótona, pois são as experiências repetidas que dará ao
    bebê o senso de organização e ele terá a possibilidade de ir
    integrando estas experiências continuamente.

   A aprendizagem deve ocorrer gradativamente

   Apesar do sentimento de irritação e impaciência da mãe que
    por muitas vezes acontece, deve predominar o sentimento
    de gostar e paciência! (ELYSEU JR, 2000)
 A amamentação contribui para a manutenção no bebê da
  ilusão da continuidade intra uterina. Parece que o corpo de
  um se continua no corpo do outro.
 É uma maneira privilegiada de acalmar a angústia do
  recém nascido que torna tão penoso os primeiros meses
  de existência.
 É uma das maneiras em que o ser humano é convocado a
  ser sujeito (QUEIROZ, 2005).
Arelação entre mãe e bebê são tão
importantes da hora da amamentação
que o seu olhar para a mãe vai estimular
a descida do leite
Desmame:      um caso a parte

O  desmame é tão importante quanto a
  amamentação
 É o primeiro movimento de rompimento da

  dependência da mãe
   A Organização Mundial de Saúde recomenda a
    amamentação até os dois anos ou mais
   O desmame começa a partir dos seis meses de vida,
    quando há a introdução da alimentação complementar
   O desmame definitivo varia de mãe para mãe e de bebê
    para bebê. É um acordo feito à dois
   Como está relacionado à formação do vínculo, deve ser
    feita de forma gradual e quando a criança estiver segura
   Muitos desmames são traumáticos porque não respeitam
    a necessidade e a auto regulação da criança
   Uma das razões da dificuldade de desmame ser
    maior do que com a mamadeira é o fato da
    amamentação ser muito mais intensa, além de
    representar um corte com o corpo da mãe
    (QUEIROZ, op.cit,p.63)
   Bee, H. (1996). A Criança em Desenvolvimento. Porto Alegre: Artes Médicas.

   BRASIL. Unicef. Kit da Família fortalecida. Brasilia, 2004. Disponível em:
    http://www.unicef.org/brazil/pt/resources_10178.htm. Acesso em : 28 set 2012

   Bowlby, J. (1989). Uma Base Segura: aplicações clínicas da teoria do apego. Porto Alegre: Artes Médicas.

    BRUM, E.H.M. de  e  SCHERMANN, L. Intervenção para promover a qualidade do vínculo mãe-bebê em situação de
    nascimento pré-termo. Rev. bras. crescimento desenvolv. hum. [online]. 2007, vol.17, n.2 [citado  2012-09-27], pp. 12-
    23 . Disponível em:
   <http://www.revistasusp.sibi.usp.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12822007000200003&lng=pt&nrm=iso>.
    ISSN 0104-1282.

   ELYSEU JUNIOR,S. Maternagem e personalidade: um guia para os pais. Campinas, SP, Ed. Átomo, 2000.

   FONSECA, B.C.R. A construção do vínculo afetivo mãe- filho na gestação. Revista científica Eletrônica de Psicologia,
    ano viii, n. 14, 2010. Disponível em: http://www.revista.inf.br/psicologia/pages/artigos/ART10-ANOVIII-EDIC14-
    MAIO2010.pdf. Acesso em: 27 set 2010

   MONDARDO, A.H. ; VALENTINA, D.D. Psicoterapia infantil: ilustrando a importância do vínculo materno para o
    desenvolvimento da criança. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Monografia, 1997. Disponível em:
    www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/diaadia/diadia/.../File/.../18.PDF. Acesso em: 27 set 2012.

   QUEIROZ, T.C. DA N. Do desmame ao sujeito. São Paulo, casa do Psicólogo, 2005 (Coleção 1ª. Infância) .


   Set/out. 2012

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialpsicologiaazambuja
 
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik EriksonA teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik EriksonThiago de Almeida
 
As teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humanoAs teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humanoBruno Gurué
 
Estilos parentais e práticas educativas
Estilos parentais e práticas educativasEstilos parentais e práticas educativas
Estilos parentais e práticas educativasLudmila Moura
 
Saúde mental infanto juvenil
Saúde mental infanto juvenilSaúde mental infanto juvenil
Saúde mental infanto juvenilmulticentrica
 
PUÉRPERA: cuidado com a sua saúde mental - Temos que falar sobre isso
PUÉRPERA: cuidado com a sua saúde mental - Temos que falar sobre isso PUÉRPERA: cuidado com a sua saúde mental - Temos que falar sobre isso
PUÉRPERA: cuidado com a sua saúde mental - Temos que falar sobre isso Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaPrevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaLuciana França Cescon
 
Desenvolvimento Humano
Desenvolvimento HumanoDesenvolvimento Humano
Desenvolvimento Humanoandressa bonn
 
Desenvolvimento emocional
Desenvolvimento emocionalDesenvolvimento emocional
Desenvolvimento emocionalmayarafn
 
1 vinculação precoce - mãe/bebé
1   vinculação precoce - mãe/bebé1   vinculação precoce - mãe/bebé
1 vinculação precoce - mãe/bebéHenrique Vieira
 

Mais procurados (20)

Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
 
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik EriksonA teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
 
As teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humanoAs teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humano
 
Estilos parentais e práticas educativas
Estilos parentais e práticas educativasEstilos parentais e práticas educativas
Estilos parentais e práticas educativas
 
Seminário dsm v
Seminário dsm vSeminário dsm v
Seminário dsm v
 
Disturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
Disturbios Psíquicos: Gravidez e PuerpérioDisturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
Disturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
 
Depressão palestra
Depressão   palestraDepressão   palestra
Depressão palestra
 
Saúde mental infanto juvenil
Saúde mental infanto juvenilSaúde mental infanto juvenil
Saúde mental infanto juvenil
 
Saúde Mental Perinatal
Saúde Mental PerinatalSaúde Mental Perinatal
Saúde Mental Perinatal
 
Ansiedade na infância
Ansiedade  na  infânciaAnsiedade  na  infância
Ansiedade na infância
 
Grupo com gestantes
Grupo com gestantesGrupo com gestantes
Grupo com gestantes
 
PUÉRPERA: cuidado com a sua saúde mental - Temos que falar sobre isso
PUÉRPERA: cuidado com a sua saúde mental - Temos que falar sobre isso PUÉRPERA: cuidado com a sua saúde mental - Temos que falar sobre isso
PUÉRPERA: cuidado com a sua saúde mental - Temos que falar sobre isso
 
Familia e autismo
Familia e autismoFamilia e autismo
Familia e autismo
 
3 Spit e hospitalismo
3   Spit e hospitalismo3   Spit e hospitalismo
3 Spit e hospitalismo
 
Transtornos mentais na gravidez e puerpério
Transtornos mentais na gravidez e puerpérioTranstornos mentais na gravidez e puerpério
Transtornos mentais na gravidez e puerpério
 
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaPrevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
 
Desenvolvimento Humano
Desenvolvimento HumanoDesenvolvimento Humano
Desenvolvimento Humano
 
Desenvolvimento emocional
Desenvolvimento emocionalDesenvolvimento emocional
Desenvolvimento emocional
 
1 vinculação precoce - mãe/bebé
1   vinculação precoce - mãe/bebé1   vinculação precoce - mãe/bebé
1 vinculação precoce - mãe/bebé
 
Neurociencia e educação
Neurociencia e educaçãoNeurociencia e educação
Neurociencia e educação
 

Semelhante a Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo

2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilhoPaula de Almeida
 
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculoA importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculoSilvia Marina Anaruma
 
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculoA importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculoSilvia Marina Anaruma
 
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vidaA importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vidaSusana Henriques
 
Relações precoces psicologia
Relações precoces psicologiaRelações precoces psicologia
Relações precoces psicologiaRaQuel Oliveira
 
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2Daniel Romeiro
 
9 doc.16 a - a relação mãe-bebé
9   doc.16 a - a relação mãe-bebé9   doc.16 a - a relação mãe-bebé
9 doc.16 a - a relação mãe-bebéMicas Cullen
 
Antero narciso t2 1500971
Antero narciso t2 1500971Antero narciso t2 1500971
Antero narciso t2 1500971anteronarciso
 
Infográfico interação e vínculo
Infográfico   interação e vínculoInfográfico   interação e vínculo
Infográfico interação e vínculoDavis Mehlinsky
 
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...Raphaela Marques
 

Semelhante a Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo (20)

2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho2.1  desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
2.1 desenvolvimento sócio-afectivo-interacção mãefilho
 
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculoA importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
 
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculoA importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vidaA importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
 
Relações precoces psicologia
Relações precoces psicologiaRelações precoces psicologia
Relações precoces psicologia
 
11 psicologia
11 psicologia11 psicologia
11 psicologia
 
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2
 
Micaela rodrigues t1_900908
Micaela rodrigues t1_900908Micaela rodrigues t1_900908
Micaela rodrigues t1_900908
 
Doc.16 a ..
Doc.16 a  ..Doc.16 a  ..
Doc.16 a ..
 
9 doc.16 a - a relação mãe-bebé
9   doc.16 a - a relação mãe-bebé9   doc.16 a - a relação mãe-bebé
9 doc.16 a - a relação mãe-bebé
 
Antero narciso t2 1500971
Antero narciso t2 1500971Antero narciso t2 1500971
Antero narciso t2 1500971
 
Infográfico interação e vínculo
Infográfico   interação e vínculoInfográfico   interação e vínculo
Infográfico interação e vínculo
 
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
 
Curso Teoria do Apego
Curso Teoria do ApegoCurso Teoria do Apego
Curso Teoria do Apego
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
Vinculação
VinculaçãoVinculação
Vinculação
 
Vinculação
VinculaçãoVinculação
Vinculação
 
Vinculação
VinculaçãoVinculação
Vinculação
 
Sexualidade powerpoint
Sexualidade  powerpointSexualidade  powerpoint
Sexualidade powerpoint
 

Mais de Silvia Marina Anaruma

Como a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudável
Como a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudávelComo a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudável
Como a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudávelSilvia Marina Anaruma
 
Semana do aleitamento materno de rio claro audio
Semana do aleitamento materno de rio claro audioSemana do aleitamento materno de rio claro audio
Semana do aleitamento materno de rio claro audioSilvia Marina Anaruma
 
Apontamentos sobre o conceito de aprendizagem
Apontamentos sobre o conceito de aprendizagemApontamentos sobre o conceito de aprendizagem
Apontamentos sobre o conceito de aprendizagemSilvia Marina Anaruma
 
Mitos, crendices e verdades sobre o aleitamento materno
Mitos, crendices e verdades sobre o aleitamento maternoMitos, crendices e verdades sobre o aleitamento materno
Mitos, crendices e verdades sobre o aleitamento maternoSilvia Marina Anaruma
 
Concepções de desenvolvimento e modelos pedagógicos de ensino
Concepções de desenvolvimento e modelos pedagógicos de ensino Concepções de desenvolvimento e modelos pedagógicos de ensino
Concepções de desenvolvimento e modelos pedagógicos de ensino Silvia Marina Anaruma
 
Apontamentos sobre o conceito de aprendizagem
Apontamentos sobre o conceito de aprendizagemApontamentos sobre o conceito de aprendizagem
Apontamentos sobre o conceito de aprendizagemSilvia Marina Anaruma
 
Contribuição do aleitamento materno para a Educação Infantil
Contribuição do aleitamento materno para a Educação Infantil Contribuição do aleitamento materno para a Educação Infantil
Contribuição do aleitamento materno para a Educação Infantil Silvia Marina Anaruma
 
O desenvolvimento auditivo na fase pré natal
O desenvolvimento auditivo na  fase pré natalO desenvolvimento auditivo na  fase pré natal
O desenvolvimento auditivo na fase pré natalSilvia Marina Anaruma
 
Inovações no ensino das Dimensões Psicossociais da Escola na formação de Peda...
Inovações no ensino das Dimensões Psicossociais da Escola na formação de Peda...Inovações no ensino das Dimensões Psicossociais da Escola na formação de Peda...
Inovações no ensino das Dimensões Psicossociais da Escola na formação de Peda...Silvia Marina Anaruma
 
Psico. do desenvolvimento introdução- ciclo vital - bee
Psico. do desenvolvimento   introdução- ciclo vital - beePsico. do desenvolvimento   introdução- ciclo vital - bee
Psico. do desenvolvimento introdução- ciclo vital - beeSilvia Marina Anaruma
 
Proama na defesa pelo Respeito ao Nascimento
Proama na defesa pelo Respeito ao NascimentoProama na defesa pelo Respeito ao Nascimento
Proama na defesa pelo Respeito ao NascimentoSilvia Marina Anaruma
 

Mais de Silvia Marina Anaruma (20)

A 1a. experiencia alimentar
A 1a. experiencia alimentar A 1a. experiencia alimentar
A 1a. experiencia alimentar
 
Amamentação e sustentabilidade
Amamentação e sustentabilidadeAmamentação e sustentabilidade
Amamentação e sustentabilidade
 
Como a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudável
Como a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudávelComo a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudável
Como a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudável
 
Sergipe com musica
Sergipe com musicaSergipe com musica
Sergipe com musica
 
Semana do aleitamento materno de rio claro audio
Semana do aleitamento materno de rio claro audioSemana do aleitamento materno de rio claro audio
Semana do aleitamento materno de rio claro audio
 
Apontamentos sobre o conceito de aprendizagem
Apontamentos sobre o conceito de aprendizagemApontamentos sobre o conceito de aprendizagem
Apontamentos sobre o conceito de aprendizagem
 
Pesquisa nacional am 2008
Pesquisa nacional am 2008Pesquisa nacional am 2008
Pesquisa nacional am 2008
 
Mitos, crendices e verdades sobre o aleitamento materno
Mitos, crendices e verdades sobre o aleitamento maternoMitos, crendices e verdades sobre o aleitamento materno
Mitos, crendices e verdades sobre o aleitamento materno
 
Concepções de desenvolvimento e modelos pedagógicos de ensino
Concepções de desenvolvimento e modelos pedagógicos de ensino Concepções de desenvolvimento e modelos pedagógicos de ensino
Concepções de desenvolvimento e modelos pedagógicos de ensino
 
Pensar a aprendizagem
Pensar a aprendizagemPensar a aprendizagem
Pensar a aprendizagem
 
Apontamentos sobre o conceito de aprendizagem
Apontamentos sobre o conceito de aprendizagemApontamentos sobre o conceito de aprendizagem
Apontamentos sobre o conceito de aprendizagem
 
Contribuição do aleitamento materno para a Educação Infantil
Contribuição do aleitamento materno para a Educação Infantil Contribuição do aleitamento materno para a Educação Infantil
Contribuição do aleitamento materno para a Educação Infantil
 
Adolescência no Brasil
Adolescência no Brasil Adolescência no Brasil
Adolescência no Brasil
 
O desenvolvimento auditivo na fase pré natal
O desenvolvimento auditivo na  fase pré natalO desenvolvimento auditivo na  fase pré natal
O desenvolvimento auditivo na fase pré natal
 
Método canguru ou
Método canguru ouMétodo canguru ou
Método canguru ou
 
Inovações no ensino das Dimensões Psicossociais da Escola na formação de Peda...
Inovações no ensino das Dimensões Psicossociais da Escola na formação de Peda...Inovações no ensino das Dimensões Psicossociais da Escola na formação de Peda...
Inovações no ensino das Dimensões Psicossociais da Escola na formação de Peda...
 
Psico. do desenvolvimento introdução- ciclo vital - bee
Psico. do desenvolvimento   introdução- ciclo vital - beePsico. do desenvolvimento   introdução- ciclo vital - bee
Psico. do desenvolvimento introdução- ciclo vital - bee
 
Mulher Trabalhadora que amamenta
Mulher Trabalhadora que amamenta Mulher Trabalhadora que amamenta
Mulher Trabalhadora que amamenta
 
Proama na defesa pelo Respeito ao Nascimento
Proama na defesa pelo Respeito ao NascimentoProama na defesa pelo Respeito ao Nascimento
Proama na defesa pelo Respeito ao Nascimento
 
Mecanismos de defesa do ego
Mecanismos de defesa do egoMecanismos de defesa do ego
Mecanismos de defesa do ego
 

Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo

  • 1. Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo  Curso ministrado durante o INTEGRAP – UNESP  Campus de Rio Claro  Autora:  Profa.Dra. Silvia Marina Anaruma  Set/out. 2012
  • 2. Programa Características dos primeiros anos A importância do cuidado A construção do vínculo A diferença entre apego e vínculo Construção do vínculo e prematuridade Aleitamento materno e desenvolvimento do vínculo Relação entre desmame e vínculo
  • 3. Nossobebê foi gerado, passou pela gestação, parto e nasceu e agora?
  • 4. A primeira infância Do nascimento até os três anos  Asprincipais aquisições do desenvolvimento acontecem nesta fase
  • 5. formação do vínculo  linguagem  pensamento: capacidade de representação, raciocínio, permanência do objeto  motor – coordenação motora grossa e fina, engatinhar, andar  socialização – entrada na escola  desmame- hábitos alimentares  esfíncter – retirada da frauda  consciência corporal – imagem corporal
  • 6. CUIDAR  Uma das características principais desta fase é o cuidado, uma vez a dependência da criança até os três anos é grande em vários aspectos.  O que é cuidar?  Porque cuidar?  Como cuidar?
  • 7.
  • 8.  As pesquisas de René Spitz (1945) e a Síndrome do hospitalismo  Fenômeno que representa a atenção aos cuidados físicos de bebês separados de seus pais durante a guerra, mas pouco afeto e atenção.  Se caracterizava por:  Apatia, falta de tonicidade motora, não se alimenta e em casos extremos até a morte.
  • 9.  Isto significa que a atenção, o toque, o carinho são essenciais para a sobrevivência nesta fase do desenvolvimento.  Esta atitude é o que chamamos de vínculo
  • 10. O que significa vínculo?  “A maneira peculiar pela qual cada indivíduo se relaciona com outro ou outros, criando uma estrutura particular a cada caso e a cada momento...Um vínculo normal parte da análise de uma das principais características das relações de objeto: as relações de dependência e as relações de independência.  Considera-se que um objeto, em uma relação adulta normal, é um objeto independente (diferenciado), ou seja, que tanto o objeto quanto o sujeito tem uma livre eleição de objeto. “
  • 11. A máxima não-diferenciação ocorre na primeira relação da criança com o peito da mãe, que inicialmente é parasitária (intra-uterina) e depois simbiótica ( em que há troca de afetos e situações emocionais) que com o tempo vai diminuindo.Em algumas ocasiões, torna-se siamésico.  O vínculo forma como um carimbo que se repete nas outras relações tanto internas quanto externas.  Este vínculo implica numa relação estabelecida com o outro de maneira particular, seja com objetos animados ou inanimados (PICHON-RIVIÉRE, 2000).
  • 12. Através do vínculo toda a personalidade do sujeito se comunica.  Os conceitos de papel e vínculo se misturam muito. Assim, para se estudar o vínculo é preciso conhecer também os diversos papéis que o sujeito assume (bonzinho, mau...), de forma consciente e voluntariamente e também de forma inconsciente (p.66).  Estes papéis são assumidos quando o sujeito consegue se colocar no lugar do outro, que fica comprometido se tiver algum bloqueio emocional.  Todas as nossas relações com os outros estão fundamentadas no interjogo de assumir e atribuir papéis.  Os papéis são atribuídos ao longo da nossa vida às pessoas com quem convivemos e podem ser menos frustrantes do que as que tivemos com as pessoas da nossa história anterior (p. 70)  Nós também assumimos papéis e em condições normais, vários ao mesmo tempo (p. 113)
  • 13.  Na teoria dos papéis, vínculo é o conjunto que envolve as relações de objeto, que são “estruturas nas quais estão incluídos um sujeito e um objeto estabelecendo uma relação particular entre eles (PICHON- RIVIÉRE, 2000, p.113).”
  • 14. Construção do vínculo e prematuridade  Se um bebê pré-termo é tocado durante sua permanência na UTI NEO (por 10 minutos, 3 vezes ao  dia) este poderá apresentar níveis mais baixos de  sono ativo, de atividade motora e de comportamento de estresse(. ..) se o tocarmos e/ou conversarmos com ele, poderá apresentar menos falhas na respiração, ganho de peso, alteração da motilidade intestinal e do choro e um progresso mais rápido em algumas áreas de funcionamento cerebral (In: BRUN ; SCHERMANN, 2007)
  • 15. A Gestalt-terapia entende que a maneira como a mãe decide vivenciar a fase da gravidez e como constrói o contato afetivo com o feto influenciará sua própria vida e, possivelmente, a vida do filho em desenvolvimento.  ...a construção do vínculo afetivo na gestação é fundamental e é estabelecido e vivenciado pela mãe, na maioria das vezes, em expressões de carinho e afeto através do contato com o bebê, principalmente através da fala e do toque na barriga.
  • 16. Crianças avaliadas como seguramente apegadas no intervalo dos 12 aos 18 meses mostram-se, na idade escolar, mais, sociável e positiva em suas relações com amigos e irmãos e menos dependentes dos professores, ou seja, apresentam maior independência e habilidade nas relações com os outros e fora do ambientes.  O padrão de apego seguro parece favorecer nas crianças uma maior autoconfiança e competência social. Por outro lado, crianças que apresentam apego do tipo esquivo, ansioso, resistente ou desorganizado, são mais resistentes ao contato e tem pior desempenho nas tarefas propostas . Suas mães de um modo geral demonstram uma ansiedade excessiva quanto às realizações das crianças, exigindo dos mesmos mais do que elas podem fazer, geralmente mostram-se pouco atentas, impacientes e/ou agressivas com seus filhos.  (BEE, 1996)
  • 17. Teoria do apego de Bowlby (1989):  O que é apego?  “Qualquer forma de comportamento que resulte numa pessoa (criança) alcançar e manter a proximidade com algum outro indivíduo claramente identificado (mãe) considerado mais apto para lidar com o mundo”.  Esta relação fornece uma base segura para a criança a partir do qual ele pode explorar o mundo exterior e a voltar certos de que serão bem vindos, nutridos fisica e emocionalmente  Construção por volta de 1 ano e meio de um sentimento de confiança e segurança da criança em relação ao si mesma e, principalmente, em relação aqueles que os rodeiam
  • 18. No vínculo existe a necessidade da presença do outro e um acréscimo da sensação de segurança na presença dele  No apego o outro é visto como uma base segura, a partir do qual o indivíduo pode explorar o mundo e experimentar novas relações
  • 19. " Os efeitos perniciosos da privação variam de acordo com o grau da mesma. A privação traz consigo a angústia, uma exagerada necessidade de amor, fortes sentimentos de vingança e, em consequência, culpa e depressão" (p.14).
  • 20. O bebê precisa reconhecer quem cuida dele, por isso, precisa ser cuidado sempre pela mesma pessoa.  No primeiro mês, o melhor para o bebê é ser cuidado pela mãe.  Ela deve aproveitar os momentos da troca de fralda e do banho para conversar com o bebê, cantar baixinho, massagear o corpo dele, olhá-lo nos olhos.  Assim, os dois vão se conhecendo e se  amando mais.  O pai deve participar ativamente desses momentos.
  • 21.  Como saber se o vínculo entre mãe e bebê está sendo estabelecido: • Durante a amamentação, o bebê procura o olhar da mãe e ela olha para ele. • Quando o bebê está chorando e a mãe o pega no colo, ele se acalma. • Quando a mãe está bem perto do bebê, ele tenta acompanhar, com os olhos, os movimentos dela.
  • 22. O melhor para o bebê é ser cuidado pela mãe. O bebê gosta muito quando a mãe conversa com ele, canta baixinho, olha nos seus olhos, toca e massageia o corpo dele. Na falta da mãe, é bom que o bebê seja cuidado sempre pela mesma pessoa, porque ele precisa reconhecer quem cuida sempre dele.  (CARTILHA DA FAMÍLIA, 2004, A 2)
  • 23. A mãe deve exercer a maternagem através de uma rotina monótona, pois são as experiências repetidas que dará ao bebê o senso de organização e ele terá a possibilidade de ir integrando estas experiências continuamente.  A aprendizagem deve ocorrer gradativamente  Apesar do sentimento de irritação e impaciência da mãe que por muitas vezes acontece, deve predominar o sentimento de gostar e paciência! (ELYSEU JR, 2000)
  • 24.  A amamentação contribui para a manutenção no bebê da ilusão da continuidade intra uterina. Parece que o corpo de um se continua no corpo do outro.  É uma maneira privilegiada de acalmar a angústia do recém nascido que torna tão penoso os primeiros meses de existência.  É uma das maneiras em que o ser humano é convocado a ser sujeito (QUEIROZ, 2005).
  • 25. Arelação entre mãe e bebê são tão importantes da hora da amamentação que o seu olhar para a mãe vai estimular a descida do leite
  • 26. Desmame: um caso a parte O desmame é tão importante quanto a amamentação  É o primeiro movimento de rompimento da dependência da mãe
  • 27. A Organização Mundial de Saúde recomenda a amamentação até os dois anos ou mais  O desmame começa a partir dos seis meses de vida, quando há a introdução da alimentação complementar  O desmame definitivo varia de mãe para mãe e de bebê para bebê. É um acordo feito à dois  Como está relacionado à formação do vínculo, deve ser feita de forma gradual e quando a criança estiver segura  Muitos desmames são traumáticos porque não respeitam a necessidade e a auto regulação da criança
  • 28. Uma das razões da dificuldade de desmame ser maior do que com a mamadeira é o fato da amamentação ser muito mais intensa, além de representar um corte com o corpo da mãe (QUEIROZ, op.cit,p.63)
  • 29. Bee, H. (1996). A Criança em Desenvolvimento. Porto Alegre: Artes Médicas.  BRASIL. Unicef. Kit da Família fortalecida. Brasilia, 2004. Disponível em: http://www.unicef.org/brazil/pt/resources_10178.htm. Acesso em : 28 set 2012  Bowlby, J. (1989). Uma Base Segura: aplicações clínicas da teoria do apego. Porto Alegre: Artes Médicas.  BRUM, E.H.M. de  e  SCHERMANN, L. Intervenção para promover a qualidade do vínculo mãe-bebê em situação de nascimento pré-termo. Rev. bras. crescimento desenvolv. hum. [online]. 2007, vol.17, n.2 [citado  2012-09-27], pp. 12- 23 . Disponível em:  <http://www.revistasusp.sibi.usp.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12822007000200003&lng=pt&nrm=iso>. ISSN 0104-1282.  ELYSEU JUNIOR,S. Maternagem e personalidade: um guia para os pais. Campinas, SP, Ed. Átomo, 2000.  FONSECA, B.C.R. A construção do vínculo afetivo mãe- filho na gestação. Revista científica Eletrônica de Psicologia, ano viii, n. 14, 2010. Disponível em: http://www.revista.inf.br/psicologia/pages/artigos/ART10-ANOVIII-EDIC14- MAIO2010.pdf. Acesso em: 27 set 2010  MONDARDO, A.H. ; VALENTINA, D.D. Psicoterapia infantil: ilustrando a importância do vínculo materno para o desenvolvimento da criança. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Monografia, 1997. Disponível em: www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/diaadia/diadia/.../File/.../18.PDF. Acesso em: 27 set 2012.  QUEIROZ, T.C. DA N. Do desmame ao sujeito. São Paulo, casa do Psicólogo, 2005 (Coleção 1ª. Infância) .  Set/out. 2012