CONSTITUIR-SE PROFESSOR: A TRAJETÓRIA DE UM PROCESSO IDENTITÁRIO
FLORIANO, M. Bárbara. Professora na Área de Educação Supe...
_ A de Autoconsciência, porque em última análise tudo se decide no processo de
reflexão que o professor leva a cabo sobre ...
fragmentação do trabalho, a dificuldade em fazer face, simultaneamente, à relação
pedagógica e à transmissão de conhecimen...
No seu conjunto, a fase de estabilização, acompanhando diretamente a consolidação
pedagógica, é percepcionada em termos po...
SERENIDADE E DISTANCIAMENTO AFETIVO
Trata-se principalmente de um estado “de alma” que se encontra nos estudos
efetuados c...
para se tornar um profissional capacitado a resolver problemas complexos e variados,
construindo soluções em sua ação, mob...
Referências Bibliográficas
CHACKUR, Cilene, R.S.L. A profissionalidade docente em uma abordagem construtivista.
Araraquara...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Artigo constituir se professor

752 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
752
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
88
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo constituir se professor

  1. 1. CONSTITUIR-SE PROFESSOR: A TRAJETÓRIA DE UM PROCESSO IDENTITÁRIO FLORIANO, M. Bárbara. Professora na Área de Educação Superior na FA4UATRO Renascido, Ele conhece, Ele tem piedade. Enfim, ele pode ensinar (Michel Serres) Descrever um processo não é tarefa simples, especialmente tratando-se de um processo identitário, uma vez que a constituição da identidade é aspecto definidor de quem somos enquanto pessoas e profissionais,seja de qual ramo for. Utilizo aqui a expressão processo identitário, pois de acordo com Nóvoa (2007) a identidade não é um dado adquirido, não é uma propriedade, não é um produto. A identidade é um lugar de lutas e conflitos, é um espaço de construção de maneiras de ser e de estar na profissão. Por isso, é mais adequado falar em processo identitário, realçando a mescla dinâmica que caracteriza a maneira como cada um se sente e se diz professor. Escolher uma profissão, situar-se dentro dela e estabilizar-se como profissional são momentos decisivos e importantes na vida de qualquer ser humano, pois ao mesmo tempo que nos desenvolvemos profissionalmente, assim o fazemos pessoalmente. Dentro da profissão docente essa simultaneidade de desenvolvimento profissional / pessoal torna-se ainda mais ligada, ao passo que o professor é um profissional que carrega suas subjetividades no preparo e aplicação de suas aulas, e dessa forma sua ação pedagógica é influenciada pelas suas características pessoais e pelo seu percurso de vida profissional. Nóvoa (2007, p. 16) nos coloca um breve esquema de três AAA, o qual nos permite perceber tal ligação entre o lado pessoal e profissional dos docentes: _ A de Adesão, porque ser professor implica sempre a adesão a princípios e a valores, a adoção de projetos, um investimento positivo nas potencialidades das crianças e dos jovens. _ A de Ação, porque também aqui, na escolha das melhores maneiras de agir, se jogam decisões do foro profissional e do foro pessoal. Todos sabemos que certas técnicas e métodos “colam” melhor com nossa maneira de ser do que outros. Todos sabemos que o sucesso ou insucesso de certas experiências “marcam” a nossa postura pedagógica, fazendo-nos sentir bem ou mal com esta ou aquela maneira de trabalhar na sala de aula.
  2. 2. _ A de Autoconsciência, porque em última análise tudo se decide no processo de reflexão que o professor leva a cabo sobre sua própria ação. É uma dimensão decisiva da profissão docente, na medida em que a mudança e a inovação pedagógica estão intimamente dependentes deste pensamento reflexivo. Dessa maneira, torna-se impossível separar o lado pessoal do lado profissional, pois a maneira que cada professor ensina está diretamente dependente daquilo que é como pessoa quando exerce o ensino: “Será que a educação do educador não se deve fazer mais pelo conhecimento de si próprio do que pelo conhecimento da disciplina que ensina?” (Laborit, 1992, p.55). Eis-no de novo face à pessoa e ao profissional, ao ser e ao ensinar. E as opções que cada um tem de fazer como professor, as quais cruzam a maneira de ser com a maneira de ensinar e desvendam na maneira de ensinar a maneira de ser. Entretanto os estudos e publicações sobre o processo identitário docente e a indissociação entre pessoa e profissional são recentes em nossa cultura, uma vez que ser professor passou por inúmeros estágios e condições sociais no decorrer dos anos. Foi em 1984, com a publicação do livro O professor é uma pessoa que Ada Abraham iniciou uma virada na literatura pedagógica, recolocando o professor no centro dos debates educativos e das problemáticas da investigação e desde então estudos sobre a vida dos professores, suas carreiras e percursos profissionais, suas biografias e autobiografias, seu desenvolvimento profissional têm sido realizados e considerados. Como em todas as outras profissões, a profissão docente também passa por estágios de desenvolvimento, até que o profissional se encontre estabilizado e tranquilo para tomar decisões e assumir posturas com autonomia e segurança. O fato de os estudos sobre a carreira docente se apresentarem em forma de estágios ou ciclos, não implica dizer que tais sequências sejam vividas de forma linear e nem que todos os elementos de uma dada profissão as vivam todas. O desenvolvimento de uma profissão é um processo e não apenas uma série de acontecimentos. Sendo assim, um processo envolve patamares, regressões, becos sem saída, momentos de arranque e descontinuidades. Huberman (1989) em seu texto O ciclo de vida profissional dos professores, nos oferece uma análise das fases perceptíveis da carreira do professor. A ENTRADA NA CARREIRA Caracteriza-se como um estágio de “sobrevivência” e de “descoberta”. O aspecto da “sobrevivência” traduz o que se chama vulgarmente de “choque de realidade”, a confrontação inicial com a complexidade da situação profissional: o tatear constante, a preocupação consigo próprio, a distância entre os ideais e as realidades cotidianas da sala de aula, a
  3. 3. fragmentação do trabalho, a dificuldade em fazer face, simultaneamente, à relação pedagógica e à transmissão de conhecimentos, a oscilação entre relações demasiado íntimas e demasiado distantes, dificuldades com alunos que criam problemas, com material didático inadequado, etc. Em contrapartida, o aspecto da “descoberta” traduz o entusiasmo inicial, a experimentação, a exaltação por estar em situação de responsabilidade, por sentir-se colega num determinado corpo profissional. Muitos estudos mostram que os dois aspectos são vivenciados simultaneamente e é o segundo que permite aguentar o primeiro. Mas verifica- se também a existência de perfis com um só desses componentes impondo-se como dominante, ou perfis com outras características: a indiferença ou quanto pior melhor, a serenidade, a frustração, etc. Abrangendo estes diferentes perfis, encontra-se a “exploração”. No caso concreto do ensino, a exploração é limitada por parâmetros impostos pela instituição. A FASE DE ESTABILIZAÇÃO Trata-se de um momento- chave, um momento de transição entre duas etapas distintas da vida, o momento do comprometimento definitivo e a tomada de responsabilidades. Em que consiste a estabilização do ensino? Em termos gerais, trata-se de uma escolha subjetiva (comprometer-se definitivamente) e um ato administrativo ( nomeação oficial). Num dado momento as pessoas passam a ser professores, quer aos seus olhos, quer aos olhos dos outros. Nem sempre é uma escolha fácil. Com efeito, “escolher” significa “eliminar outras possibilidades”. A abordagem psicanalítica sublinha que a escolha de uma identidade profissional implica a renúncia, pelo menos por um determinado período, a outras identidades. No caso do ensino, a estabilização assume o significado de pertença a um corpo profissional e a independência. Uma vez colocadas em termos de efetivação, as pessoas afirmam-se perante os colegas com mais experiência e, sobretudo, perante as autoridades. Nesse sentido estabilizar- se significa acentuar o seu grau de liberdade, as suas prerrogativas, o seu modo próprio de funcionamento. No parâmetro pedagógico a estabilização precede ou acompanha um sentimento de “competência” pedagógica crescente. Os estudos de Fuller (1969) e Burden (1971) evocam um sentimento de confiança e de “conforto”, associado a uma maior descentração: as pessoas preocupam-se menos consigo mesmas e mais com os objetivos didáticos. Situando melhor os objetivos a médio prazo e sentindo mais a vontade para enfrentar situações complexas ou inesperadas, o professor logra consolidar e aperfeiçoar o seu repertório de base no seio da turma.
  4. 4. No seu conjunto, a fase de estabilização, acompanhando diretamente a consolidação pedagógica, é percepcionada em termos positivos, se não mesmo em termos de pleno agrado, por aqueles que a vivem (Moskowitz e Hayman, 1974). A FASE DE DIVERSIFICAÇÃO Nesse período as pessoas lançam-se numa pequena série de experiências pessoais, diversificando o material didático, os modos de avaliação, a forma de agrupar os alunos, as sequências do programa, etc. Parte da busca por novos desafios responde ao receio emergente de cair na rotina. Como diz Watts (1980), o comprometimento com atividades coletivas corresponde também a uma necessidade de manter o entusiasmo pela profissão, de se projetar como docente aos 50/60 anos, sem que daí venha a resultar uma sensação de pesadelo. PÔR-SE EM QUESTÃO Há duas vertentes para explicar essa fase. A primeira é que a fase de diversificação dá lugar ao aparecimento de um grande número de casos, ao longo de um período em que as pessoas se põem em questão, sem haver uma consciência muito clara do tipo de diversificação nem do que é que está a ser posto em questão. Por outro lado nota-se o desenvolvimento progressivo de uma sensação de rotina a partir da fase de estabilização, sem que as pessoas passem por atividade inovadora significativa. Trata-se de uma fase multifacetada e, pretender fazer-lhe corresponder uma definição redutora se torna tarefa difícil, se não mesmo ilegítima. Para uns, é a monotonia da vida cotidiana em situação de sala de aula, ano após ano, que provoca o questionamento. Para outros, é muito provavelmente o desencanto, subsequente aos fracassos das experiências ou das reformas estruturais em que as pessoas participaram energicamente, que desencadeia a crise. Trata-se , em termos não muito precisos, do “meio da carreira”, um período que se situa, globalmente, entre os 35 e os 50 anos, ou entre o 15º e o 25º anos de ensino. Em outras palavras, pôr-se em questão corresponderia a uma fase_ ou várias fases_ da vida, durante a qual as pessoas examinam o que terão feito da sua vida, face aos objetivos e ideais dos primeiros tempos, e em que encaram tanto a perspectiva de continuar o mesmo percurso como a de se embrenharem na incerteza e, sobretudo, na insegurança de um outro percurso. Há indicações de que o questionamento não é sentido da mesma maneira por homens e por mulheres. Normalmente encontra-se um “teor” de questionamento mais elevado nos homens, e numa idade mais jovem do que nas mulheres.
  5. 5. SERENIDADE E DISTANCIAMENTO AFETIVO Trata-se principalmente de um estado “de alma” que se encontra nos estudos efetuados com os professores de 45-55 anos. Pode-se chegar nesse estádio por vias diversas, mas muito frequentemente, chega-se lá na sequência de uma fase de questionamentos. Estes professores evocam uma “grande serenidade em sala de aula”. Apresentam-se menos sensíveis, ou vulneráveis, à avaliação dos outros. Falam explicitamente de “serenidade”, de ter chegado a auto aceitação. CONSERVANTISMO E LAMENTAÇÕES Alguns estudos mostram que os professores de 50-60 anos queixam-se da evolução dos alunos, da atitude para com o ensino, da política educacional, dos colegas mais jovens, etc. As mulheres deploram a evolução dos alunos, e os homens têm a tendência para aceitar a ideia de que "as modificações raramente conduzem a melhorias no sistema”. A relação entre a idade e o conservantismo é muito clara, pois existe a tendência de com a idade se adquirir maior rigidez e dogmatismo, uma prudência mais acentuada, maior resistência às inovações, uma nostalgia e uma mudança de ótica face ao futuro. O DESINVESTIMENTO Trata-se de um fenômeno de recuo e de interiorização no final da carreira profissional. As pessoas libertam-se, progressivamente, sem o lamentar, do investimento no trabalho, para consagrar mais tempo a si próprias, aos interesses exteriores à escola e a uma vida social de maior reflexão. A maioria dos professores nesse estádio são os que estão em fim de carreira, entretanto podemos encontrar alguns que desinvestem em meio de carreira. "As pessoas fogem dos horrores e decepções da vida social para ir cultivar o seu jardim." Diante desse quadro pode-se perceber, mais uma vez, que o professor é uma pessoa, além de um profissional, que enfrenta inúmeros desafios diários no exercer de sua profissão, exigindo deste que coloque em xeque a sua profissionalidade. Porém é importante que se defina o conceito de profissionalidade docente. Profissionalidade trata-se de um conjunto de características de uma profissão, unindo a racionalização dos conhecimentos e as habilidades necessárias ao exercício profissional. De acordo com Ramalho, Nuñez e Gauthier, (2003), a profissionalização de professores implica na obtenção de um espaço autônomo, próprio à sua profissionalidade, com valor claramente reconhecido pela sociedade. Não existe consistência em uma profissionalização sem a constituição de uma base sólida de conhecimentos e formas de ação. Dessa forma,o professor deixa de ser “amador”
  6. 6. para se tornar um profissional capacitado a resolver problemas complexos e variados, construindo soluções em sua ação, mobilizando recursos cognitivos e afetivos. Nesse sentido é importante considerar o professor em sua totalidade para poder criar tais espaços que reforcem e efetivem tal processo de profissionalização do docente, o que também acabará refletindo de forma positiva em sua autoimagem e valorização profissional, pois com a melhoria da qualidade profissional, a pessoa do professor se sentirá mais estimulada e desenvolverá suas competências com maior habilidade e prazer. Acredito que uma das maneiras mais eficientes de se melhorar a qualidade dos docentes é pensar sua formação inicial a partir da função social própria à escolarização, a qual constitui-se em ensinar às novas gerações o conhecimento acumulado e consolidar valores e práticas coerentes com a vida civil. Para que isso ocorra é necessário ter em mente que o ofício do professor é multifacetado, com inúmeras vertentes e nuances que devem ser consideradas e uma delas é considerar o professor como uma pessoa. Encerrando esse artigo, deixo uma citação bastante pertinente para que a reflexão sobre o processo identitário do professor não se encerre por aqui, mas que encontre eco e voz em muitas outras situações. “O professor é a pessoa; e uma parte importante da pessoa é o professor”. (Jennifer Nias, 1991)
  7. 7. Referências Bibliográficas CHACKUR, Cilene, R.S.L. A profissionalidade docente em uma abordagem construtivista. Araraquara, Cadernos de Pesquisa, 2002. GATTI, Bernardete A. Análise das políticas públicas para formação continuada no Brasil, na última década. Rio de Janeiro, Revista Brasileira de Educação, 2008 GATTI, Bernardete A. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Campinas, Educação e Sociedade, 2010 HUBERMAN, Michäel. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, António (org). Vidas de professores, 2ª Ed.Portugal, Porto Editora, 2007. MARCELO GARCIA, Carlos. Los profesores como trabajadores del conocimineto.Certidumbres y desafios para uma función a ló largo de la vida. Madri, Educar, 2002. MIZUKAMI, Maria da Graça N. Aprendizagem da docência: algumas contribuições de L.S.Shulman. Educação, v. 29, n. 2, 2004. NÓVOA, António. Os professores e as histórias da sua vida. In: NÓVOA, Antonio (org). Vidas de professores, 2ª Ed. Portugal, Porto Editora, 2007. ZEICHNER, Kenneth M. Uma análise crítica sobre a “reflexão” como conceito estruturante na formação docente. Campinas, Educação e Sociedade, 2008. .

×