SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
Desenvolvimento sócio-
        afectivo

              Interacção mãe/filho



Ano lectivo 2009/2010

Formadora: Daniela Gonçalves
Relações precoces mãe/filho

   Um dos aspectos mais estudados tem
    sido a relação da díade mãe/filho. As
    características desta relação, no
    primeiro ano de vida, vão ter grande
    importância no desenvolvimento futuro
    da criança: personalidade, auto-
    estima, confiança em si próprio,
    relacionamento interpessoal.
Relações precoces mãe/filho


   A relação com o filho começa antes do
    nascimento, na fantasia dos pais. Ser
    mãe e ser pai, são marcados por uma
    relação simbólica, um jogo de
    fantasia: será menino ou menina?
    Como vai ser? Com que se parecerá?
    Como será a nossa relação?
Relações precoces mãe/filho

   Muitas mães testemunham como
    falam com o bebé que tem na barriga:
    Como lhe apresentam a família e a
    casa,    como      lhe falam    dos
    aborrecimentos do dia de trabalho,
    nas expectativas nele depositados,
    como se sentem na gravidez, como
    vivem os tempos em que o sentem
    crescer dentro delas…
Relações precoces mãe/filho


   Poderemos quase dizer quer o bebé
    antes de nascer, se relaciona com a
    mãe e com as pessoas significativas
    do seu meio. Ele influencia e é
    influenciado pelo mundo envolvente.
       A forma como decorre o próprio
    nascimento tem sido considerada
    como muito importante.
Relações precoces mãe/filho


   Não só o próprio acto de nascer, mas
    o acolhimento – externo e interno –
    que é feito. É a forma terna como lhe
    é dado nome, como se descobre com
    quem se parece, como se arranjou
    espaço para si na casa, que faz
    inscrever este filho no casal e nas
    histórias das famílias.
Relações precoces mãe/filho


   A relação da mãe e das outras
    pessoas     com      os   bebés       é,
    normalmente diferente das que
    desenvolvem com outras crianças
    mais velhas: no tom de voz, nos
    olhares, nos gestos, no que é dito e na
    forma como é dito.
Construção do objecto
   Através da mãe, a criança tem acesso aos objectos
    simples, depois a objectos progressivamente mais
    complexos e finalmente à sua dimensão.
   A relação de objecto da criança com a mãe, objecto
    de amor, define a afectividade relacional. Há ainda
    um enquadramento dessa afectividade num estado
    afectivo geral, que poode ser alegre ou triste,
    tranquilo ou ansioso, agitado ou instável.
Interacção mãe/filho

   A relação mãe/filho tem

    sido perspectivada de

    forma diferente por

    diversas correntes da

    psicologia.
Vinculação
   John Bowlby, é um psicanalista
    britânico que, segundo os estudos
    de Sptiz, começou por estudar a
    carência afectiva e a perda da
    ligação maternal.
Vinculação
   Este autor apresenta a necessidade
    de vinculação (apego), isto é, a
    necessidade de estabelecimento de
    contacto e de laços emocionais entre
    o bebé e a mãe e outras pessoas
    próximas,   como     um    fenómeno
    determinado biologicamente.
Vinculação
   A necessidade de vinculação não é
    fruto da aprendizagem, mas uma
    necessidade básica do mesmo tipo
    que a alimentação e a sexualidade.
    Bowlby     considera   que    esta
    necessidade não é herdada – o que
    se herda é o potencial para a
    desenvolver.
Vinculação
   O bebé tem variáveis
    comportamentais – sistemas de
    comportamentos – que favorecem a
    vinculação, como a sucção, o agarrar,
    o chorar, o seguir, o sorrir. Bowlby
    refere o chorar e o sorrir como os
    comportamentos que activam uma
    resposta materna.
Vinculação
   Estes    sistemas   comportamentais
    definem a sua natureza de acordo
    com o meio em que se processa o
    desenvolvimento. Os comportamentos
    de vinculação do bebé vão ser
    consolidados    por    sinais   para
    desencadear ou manter respostas de
    proximidade e de contacto com a mãe.
Vinculação
   A mãe dá significado aos sinais
    emitidos. O recém nascido, sem falar,
    como que ensina os pais a tratarem
    bem dele, a adaptarem-se aos seu
    ritmo, a “adivinharem” as suas
    necessidades.
Vinculação
   Esta perspectiva é profundamente
    interactiva – a relação mãe/filho é
    bidireccional, isto é ambos emitem
    sinais que activam a vinculação.
   Esta perspectiva é profundamente
    interactiva – a relação mãe/filho é
    bidireccional, isto é ambos emitem
    sinais que activam a vinculação
Vinculação
   Serão, segundo alguns autores, as
    transformações hormonais que se
    seguem ao parto que predispõem a
    mãe a responder aos estímulos vindos
    do bebé. A relação entre a mãe e o
    bebé estabelece uma comunicação
    emocional através de um sistema de
    regulação mútua com adaptações
    constantes.
Vinculação
   A sensibilidade e a disponibilidade
    emocional da mãe vão favorecer a
    adequação de resposta aos sinais do
    bebé e facilitar o ultrapassar das
    possíveis dificuldades interactivas. Os
    padrões de vinculação resultam da
    qualidade      desta    interacção     e
    influenciarão a vida psicológica futura.
Vinculação
   O tipo de ligação entre o filho e a mãe
    muda à medida que criança se
    desenvolve, embora se mantenham as
    características da vinculação
Vinculação
   Se no recém nascido há uma
    tendência para um comportamento
    vinculativo com uma só pessoa, em
    breve a criança vai-se vincular a
    outras pessoas. Este comportamento
    de vinculação pode existir durante
    toda a vida.
Como se forma a vinculação?
O bebé como promotor da vinculação:

   Configuração facial do bebé;
   Preferência do bebé pela figura humana;
   Emite sinais facilitadores da comunicação e
    da interacção: choro,sorriso,expressoes
    emocionais;
   Outras condutas: reflexo de sucção e
    preensão
Como se forma a vinculação?
O adulto como promotor da vinculação:

   O contacto físico frequente (pegar ao colo, beijos,
    …);
   Manutenção do olhar;
   Tipo de linguagem (exagerado, repetitivo, sem
    significado);
   Sincronia interactiva: pausa - produção /acção;
   Expressões faciais exageradas, repetidas e
    prolongadas;
   Capacidade de interpretar os sinais do bebé e de
    responder de forma estável e continuada.
Experiências Etológicas

  A vinculação é um processo que se
 manifesta em certos mamíferos e
 aves.
  Na década de 50, o etólogo Harry
 Harlow, desenvolveu experiências em
 crias de macacos.
Experiências Etológicas

    Colocou, na mesma jaula, duas mães-
 substituto: uma era construída em arame, a
 outra em tecido felpudo. Esta experiência
 decorreu em várias jaulas: em metade
 delas, era o modelo de arame que fornecia
 alimento à cria; na outra metade, esta
 função era assegurada pela mãe do tecido
 felpudo.
Experiências Etológicas

   A variável analisada foi o tempo que as
 crias passavam junto das mães artificiais.
   As observações levaram o investigador a
 concluir que as crias preferiam a mãe de
 tecido independentemente de qual fosse a
 que lhes forneciam alimento, recorrendo a
 estas em caso de perigo.
Experiências Etológicas

   Estas experiências levam Harlow a
 afirmar que a necessidade e a procura
 de contacto corporal e de proximidade
 física são mais importantes que a
 necessidade de alimentação.
Experiências Etológicas

 Esta necessidade de agarrar, de estar
 junto da mãe, vai ser designada como
 contacto e conforto. Este mecanismo,
 também       estudado    nos   bebés
 humanos, permite concluir que o
 contacto físico com a mãe é da maior
 importância sendo uma necessidade
 primária que não depende da
 alimentação.
Experiências Etológicas

 Harlow fala da necessidade de amor e
 de emoção que observou nos
 primatas. Evidencia a interacção
 existente entre mãe e filho – o filho
 abraça a mãe que cada vez mais
 sente a necessidade de expressar
 este terno abraço – que está na base
 da vinculação.
Transição das Interacções para a
Relação Interpessoal
Processo de
     separação/individualização

   Os    comportamentos       vinculativos
    também evoluem. Assim, entre os 6 e
    os 9 meses, a vinculação fica
    formada,         existindo          dois
    comportamentos          característicos:
    prazer de ver a mãe e tristeza de
    separar-se dela.
Processo de
separação/individualização

                     As interacções
                  ocorridas ao longo
                  do     tempo   vão
                  contribuir para a
                  construção de uma
                  relação
                  interpessoal e de
                  uma interlocução.
Processo de
     separação/individualização

       O desenvolvimento do bebé,
    nomeadamente         as      melhores
    competências     perceptivas   e    a
    capacidade de ter imagens mentais,
    vai-lhe permitir ter, de uma forma
    interiorizada, uma representação de
    mãe.
Processo de
     separação/individualização

   Uma etapa importante ocorre quando
    o bebé se sente individualizado
    corporalmente da mãe, ultrapassando
    o estado indiferenciado, fusional,
    anteriormente vivido.
Processo de
     separação/individualização

    Sptiz refere a “angústia do 8º mês”
    que se manifesta na sensação de que
    a mãe, que não está ao seu lado, o
    abandonou. O facto de se sentir
    diferenciado da mãe acarreta o receio
    de a poder perder.
Processo de
     separação/individualização

   Depois dos 8 meses, o bebé começa a
    estranhar as pessoas não habituais, com
    reacções que vão da simples estranheza à
    ansiedade ou angústia, e estas respostas
    resultam do facto de o bebé ter interiorizado
    imagens da mãe e de pessoas significativas
    e de as diferenciar das outras caras e
    figuras.
Processo de
     separação/individualização
   Segundo Sptiz, não é o estranho, enquanto
    tal, que angustia o bebé, mas o
    desaparecimento da mãe, que o mergulha
    numa profunda insegurança. A chegada do
    estranho, iludindo o bebé no desejo de ver
    a mãe, reactiva a sua ansiedade e daí este
    repúdio vigoroso do intruso, por mais
    intencionado e cheio de solicitude que seja,
    e cujo único erro é o de estar presente
    quando a mãe não está.
Processo de
     separação/individualização

   É nesta fase que o bebé tem reacções
    de angústia às separações da mãe e
    expressa alegria nos reencontros com
    as pessoas queridas.
Processo de
     separação/individualização

      É o desenvolvimento global, que
    ocorre no primeiro ano de vida, que
    vai transformar as interacções iniciais
    em relações interpessoais elaboradas
    e consistentes.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Donald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissionalDonald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissionalpsicologiaazambuja
 
Trabalho dos fantoches
Trabalho dos fantochesTrabalho dos fantoches
Trabalho dos fantochesPatricia Costa
 
Apresentação percepção
Apresentação percepçãoApresentação percepção
Apresentação percepçãoMariana Rezende
 
Primeira Infância - Olhares e Desafios
Primeira Infância - Olhares e DesafiosPrimeira Infância - Olhares e Desafios
Primeira Infância - Olhares e DesafiosACTEBA
 
Ana rasteiro reflexão ft_ufcd 3280
Ana rasteiro  reflexão ft_ufcd 3280Ana rasteiro  reflexão ft_ufcd 3280
Ana rasteiro reflexão ft_ufcd 3280rasteiro
 
Etapas da adolescencia
Etapas da adolescenciaEtapas da adolescencia
Etapas da adolescenciaPAFB
 
A infância ao longo do tempo
A infância ao longo do tempoA infância ao longo do tempo
A infância ao longo do tempoMary Santos
 
Métodos e Técnicas de Investigação
Métodos e Técnicas de InvestigaçãoMétodos e Técnicas de Investigação
Métodos e Técnicas de InvestigaçãoAntónio Silvano
 
Materiais Utensílios de Ed.Tecnológica - 5ºe 6ºano
Materiais Utensílios de Ed.Tecnológica - 5ºe 6ºanoMateriais Utensílios de Ed.Tecnológica - 5ºe 6ºano
Materiais Utensílios de Ed.Tecnológica - 5ºe 6ºanoAgostinho NSilva
 
O desenvolvimento do desenho infantil
O desenvolvimento do desenho infantilO desenvolvimento do desenho infantil
O desenvolvimento do desenho infantilvivianelima
 
Responsabilidade pessoal (1)
Responsabilidade pessoal (1)Responsabilidade pessoal (1)
Responsabilidade pessoal (1)tiagocanhota
 
perfil do animador.docx
perfil do animador.docxperfil do animador.docx
perfil do animador.docxSusana Costa
 
A Higiene da Criança
A Higiene da CriançaA Higiene da Criança
A Higiene da CriançaAna Lagos
 

Mais procurados (20)

AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
AS EMOÇÕES
 
Donald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissionalDonald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissional
 
Freud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimentoFreud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimento
 
Trabalho dos fantoches
Trabalho dos fantochesTrabalho dos fantoches
Trabalho dos fantoches
 
Apresentação percepção
Apresentação percepçãoApresentação percepção
Apresentação percepção
 
Primeira Infância - Olhares e Desafios
Primeira Infância - Olhares e DesafiosPrimeira Infância - Olhares e Desafios
Primeira Infância - Olhares e Desafios
 
Ana rasteiro reflexão ft_ufcd 3280
Ana rasteiro  reflexão ft_ufcd 3280Ana rasteiro  reflexão ft_ufcd 3280
Ana rasteiro reflexão ft_ufcd 3280
 
Etapas da adolescencia
Etapas da adolescenciaEtapas da adolescencia
Etapas da adolescencia
 
HENRI WALLON
HENRI WALLONHENRI WALLON
HENRI WALLON
 
A infância ao longo do tempo
A infância ao longo do tempoA infância ao longo do tempo
A infância ao longo do tempo
 
Métodos e Técnicas de Investigação
Métodos e Técnicas de InvestigaçãoMétodos e Técnicas de Investigação
Métodos e Técnicas de Investigação
 
Materiais Utensílios de Ed.Tecnológica - 5ºe 6ºano
Materiais Utensílios de Ed.Tecnológica - 5ºe 6ºanoMateriais Utensílios de Ed.Tecnológica - 5ºe 6ºano
Materiais Utensílios de Ed.Tecnológica - 5ºe 6ºano
 
O desenvolvimento do desenho infantil
O desenvolvimento do desenho infantilO desenvolvimento do desenho infantil
O desenvolvimento do desenho infantil
 
Responsabilidade pessoal (1)
Responsabilidade pessoal (1)Responsabilidade pessoal (1)
Responsabilidade pessoal (1)
 
perfil do animador.docx
perfil do animador.docxperfil do animador.docx
perfil do animador.docx
 
Processos de Comunicação
Processos de ComunicaçãoProcessos de Comunicação
Processos de Comunicação
 
Ser aluno é
Ser aluno é Ser aluno é
Ser aluno é
 
Sonia auto retrato
Sonia auto retratoSonia auto retrato
Sonia auto retrato
 
RELAÇÕES INTERPESSOAIS.pdf
RELAÇÕES INTERPESSOAIS.pdfRELAÇÕES INTERPESSOAIS.pdf
RELAÇÕES INTERPESSOAIS.pdf
 
A Higiene da Criança
A Higiene da CriançaA Higiene da Criança
A Higiene da Criança
 

Destaque

Desenvolvimento Sócio Afectivo
Desenvolvimento Sócio AfectivoDesenvolvimento Sócio Afectivo
Desenvolvimento Sócio Afectivoguested03a8
 
Importância da vinculação no primeiro ano de vida
Importância da vinculação no primeiro ano de vidaImportância da vinculação no primeiro ano de vida
Importância da vinculação no primeiro ano de vidaAdelaideCruz
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCamila Oliveira
 
Acompanhamento de crianças
Acompanhamento de criançasAcompanhamento de crianças
Acompanhamento de criançasnataliasoares75
 
Relacionamento da Criança com os Adultos, Luísa Baptista (FT1)
Relacionamento da Criança com os Adultos, Luísa Baptista (FT1)Relacionamento da Criança com os Adultos, Luísa Baptista (FT1)
Relacionamento da Criança com os Adultos, Luísa Baptista (FT1)efaesan
 
Estimulando todos os sentidos de 0 a 6 anos
Estimulando todos os sentidos de 0 a 6 anosEstimulando todos os sentidos de 0 a 6 anos
Estimulando todos os sentidos de 0 a 6 anosMeri Sandra
 
Atenção humanizada ao nascimento aula iv. adele doula
Atenção humanizada ao nascimento   aula iv. adele doulaAtenção humanizada ao nascimento   aula iv. adele doula
Atenção humanizada ao nascimento aula iv. adele doulaArtur Mamed
 
Powerpoint a criança e o j i
Powerpoint a criança e o j iPowerpoint a criança e o j i
Powerpoint a criança e o j iBela Catarina
 
Comportamento do consumidor Processo de decisão de compra
Comportamento do consumidor   Processo de decisão de compraComportamento do consumidor   Processo de decisão de compra
Comportamento do consumidor Processo de decisão de compraMarcia Budke
 
Marketing - Teorias Explicativas Comportamento Consumidores 2011 2012
Marketing - Teorias Explicativas Comportamento Consumidores 2011 2012Marketing - Teorias Explicativas Comportamento Consumidores 2011 2012
Marketing - Teorias Explicativas Comportamento Consumidores 2011 2012zbam
 

Destaque (20)

Desenvolvimento Sócio Afectivo
Desenvolvimento Sócio AfectivoDesenvolvimento Sócio Afectivo
Desenvolvimento Sócio Afectivo
 
Importância da vinculação no primeiro ano de vida
Importância da vinculação no primeiro ano de vidaImportância da vinculação no primeiro ano de vida
Importância da vinculação no primeiro ano de vida
 
As relações precoces
As relações precoces As relações precoces
As relações precoces
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
 
Acompanhamento de crianças
Acompanhamento de criançasAcompanhamento de crianças
Acompanhamento de crianças
 
Relacionamento da Criança com os Adultos, Luísa Baptista (FT1)
Relacionamento da Criança com os Adultos, Luísa Baptista (FT1)Relacionamento da Criança com os Adultos, Luísa Baptista (FT1)
Relacionamento da Criança com os Adultos, Luísa Baptista (FT1)
 
Tecnicas de negociacao
Tecnicas de negociacaoTecnicas de negociacao
Tecnicas de negociacao
 
Estimulando todos os sentidos de 0 a 6 anos
Estimulando todos os sentidos de 0 a 6 anosEstimulando todos os sentidos de 0 a 6 anos
Estimulando todos os sentidos de 0 a 6 anos
 
Mod4 1
Mod4 1Mod4 1
Mod4 1
 
Atenção humanizada ao nascimento aula iv. adele doula
Atenção humanizada ao nascimento   aula iv. adele doulaAtenção humanizada ao nascimento   aula iv. adele doula
Atenção humanizada ao nascimento aula iv. adele doula
 
Powerpoint a criança e o j i
Powerpoint a criança e o j iPowerpoint a criança e o j i
Powerpoint a criança e o j i
 
Vinculação
VinculaçãoVinculação
Vinculação
 
Micaela rodrigues t1_900908
Micaela rodrigues t1_900908Micaela rodrigues t1_900908
Micaela rodrigues t1_900908
 
Comportamento do consumidor Processo de decisão de compra
Comportamento do consumidor   Processo de decisão de compraComportamento do consumidor   Processo de decisão de compra
Comportamento do consumidor Processo de decisão de compra
 
Vinculação
VinculaçãoVinculação
Vinculação
 
Aborto carta de um bebê
Aborto carta de um bebêAborto carta de um bebê
Aborto carta de um bebê
 
Um toque de amor
Um toque de amorUm toque de amor
Um toque de amor
 
Ludicidade
LudicidadeLudicidade
Ludicidade
 
Marketing - Teorias Explicativas Comportamento Consumidores 2011 2012
Marketing - Teorias Explicativas Comportamento Consumidores 2011 2012Marketing - Teorias Explicativas Comportamento Consumidores 2011 2012
Marketing - Teorias Explicativas Comportamento Consumidores 2011 2012
 
Raízes da vinculação
Raízes da vinculaçãoRaízes da vinculação
Raízes da vinculação
 

Semelhante a Desenvolvimento da vinculação mãe-filho

9 doc.16 a - a relação mãe-bebé
9   doc.16 a - a relação mãe-bebé9   doc.16 a - a relação mãe-bebé
9 doc.16 a - a relação mãe-bebéMicas Cullen
 
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculoAspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculoSilvia Marina Anaruma
 
Relações precoces psicologia
Relações precoces psicologiaRelações precoces psicologia
Relações precoces psicologiaRaQuel Oliveira
 
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...Raphaela Marques
 
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2Daniel Romeiro
 
A importância da relação de vinculação nos primeiros
A importância da relação de vinculação nos primeirosA importância da relação de vinculação nos primeiros
A importância da relação de vinculação nos primeiros701274
 
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vidaA importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vidaSusana Henriques
 
Grupo 2 alicia fernandez
Grupo 2 alicia fernandezGrupo 2 alicia fernandez
Grupo 2 alicia fernandezRosita Pereira
 
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumondArtigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumondSimoneHelenDrumond
 
Crianças com nee
Crianças com neeCrianças com nee
Crianças com neeMekinho20
 
Infográfico interação e vínculo
Infográfico   interação e vínculoInfográfico   interação e vínculo
Infográfico interação e vínculoDavis Mehlinsky
 
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculoA importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculoSilvia Marina Anaruma
 

Semelhante a Desenvolvimento da vinculação mãe-filho (20)

Doc.16 a ..
Doc.16 a  ..Doc.16 a  ..
Doc.16 a ..
 
9 doc.16 a - a relação mãe-bebé
9   doc.16 a - a relação mãe-bebé9   doc.16 a - a relação mãe-bebé
9 doc.16 a - a relação mãe-bebé
 
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculoAspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo
Aspectos do desenvolvimento na infância e a formação do vínculo
 
Relações precoces psicologia
Relações precoces psicologiaRelações precoces psicologia
Relações precoces psicologia
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
Trabalho de ai 11k
Trabalho de ai   11kTrabalho de ai   11k
Trabalho de ai 11k
 
11 psicologia
11 psicologia11 psicologia
11 psicologia
 
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
 
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2
E fólio a daniel romeiro nº 1502088 t2
 
A importância da relação de vinculação nos primeiros
A importância da relação de vinculação nos primeirosA importância da relação de vinculação nos primeiros
A importância da relação de vinculação nos primeiros
 
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vidaA importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
A importância da relação de vinculação, nos primeiros anos de vida
 
Grupo 2 alicia fernandez
Grupo 2 alicia fernandezGrupo 2 alicia fernandez
Grupo 2 alicia fernandez
 
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumondArtigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
 
Crianças com nee
Crianças com neeCrianças com nee
Crianças com nee
 
Vinculação
VinculaçãoVinculação
Vinculação
 
Vinculação
VinculaçãoVinculação
Vinculação
 
28022012094929 242
28022012094929 24228022012094929 242
28022012094929 242
 
Infográfico interação e vínculo
Infográfico   interação e vínculoInfográfico   interação e vínculo
Infográfico interação e vínculo
 
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculoA importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
 

Último

cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 

Último (20)

cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 

Desenvolvimento da vinculação mãe-filho

  • 1. Desenvolvimento sócio- afectivo Interacção mãe/filho Ano lectivo 2009/2010 Formadora: Daniela Gonçalves
  • 2. Relações precoces mãe/filho  Um dos aspectos mais estudados tem sido a relação da díade mãe/filho. As características desta relação, no primeiro ano de vida, vão ter grande importância no desenvolvimento futuro da criança: personalidade, auto- estima, confiança em si próprio, relacionamento interpessoal.
  • 3. Relações precoces mãe/filho  A relação com o filho começa antes do nascimento, na fantasia dos pais. Ser mãe e ser pai, são marcados por uma relação simbólica, um jogo de fantasia: será menino ou menina? Como vai ser? Com que se parecerá? Como será a nossa relação?
  • 4. Relações precoces mãe/filho  Muitas mães testemunham como falam com o bebé que tem na barriga: Como lhe apresentam a família e a casa, como lhe falam dos aborrecimentos do dia de trabalho, nas expectativas nele depositados, como se sentem na gravidez, como vivem os tempos em que o sentem crescer dentro delas…
  • 5. Relações precoces mãe/filho  Poderemos quase dizer quer o bebé antes de nascer, se relaciona com a mãe e com as pessoas significativas do seu meio. Ele influencia e é influenciado pelo mundo envolvente. A forma como decorre o próprio nascimento tem sido considerada como muito importante.
  • 6. Relações precoces mãe/filho  Não só o próprio acto de nascer, mas o acolhimento – externo e interno – que é feito. É a forma terna como lhe é dado nome, como se descobre com quem se parece, como se arranjou espaço para si na casa, que faz inscrever este filho no casal e nas histórias das famílias.
  • 7. Relações precoces mãe/filho  A relação da mãe e das outras pessoas com os bebés é, normalmente diferente das que desenvolvem com outras crianças mais velhas: no tom de voz, nos olhares, nos gestos, no que é dito e na forma como é dito.
  • 8. Construção do objecto  Através da mãe, a criança tem acesso aos objectos simples, depois a objectos progressivamente mais complexos e finalmente à sua dimensão.  A relação de objecto da criança com a mãe, objecto de amor, define a afectividade relacional. Há ainda um enquadramento dessa afectividade num estado afectivo geral, que poode ser alegre ou triste, tranquilo ou ansioso, agitado ou instável.
  • 9. Interacção mãe/filho  A relação mãe/filho tem sido perspectivada de forma diferente por diversas correntes da psicologia.
  • 10. Vinculação  John Bowlby, é um psicanalista britânico que, segundo os estudos de Sptiz, começou por estudar a carência afectiva e a perda da ligação maternal.
  • 11. Vinculação  Este autor apresenta a necessidade de vinculação (apego), isto é, a necessidade de estabelecimento de contacto e de laços emocionais entre o bebé e a mãe e outras pessoas próximas, como um fenómeno determinado biologicamente.
  • 12. Vinculação  A necessidade de vinculação não é fruto da aprendizagem, mas uma necessidade básica do mesmo tipo que a alimentação e a sexualidade. Bowlby considera que esta necessidade não é herdada – o que se herda é o potencial para a desenvolver.
  • 13. Vinculação  O bebé tem variáveis comportamentais – sistemas de comportamentos – que favorecem a vinculação, como a sucção, o agarrar, o chorar, o seguir, o sorrir. Bowlby refere o chorar e o sorrir como os comportamentos que activam uma resposta materna.
  • 14. Vinculação  Estes sistemas comportamentais definem a sua natureza de acordo com o meio em que se processa o desenvolvimento. Os comportamentos de vinculação do bebé vão ser consolidados por sinais para desencadear ou manter respostas de proximidade e de contacto com a mãe.
  • 15. Vinculação  A mãe dá significado aos sinais emitidos. O recém nascido, sem falar, como que ensina os pais a tratarem bem dele, a adaptarem-se aos seu ritmo, a “adivinharem” as suas necessidades.
  • 16. Vinculação  Esta perspectiva é profundamente interactiva – a relação mãe/filho é bidireccional, isto é ambos emitem sinais que activam a vinculação.  Esta perspectiva é profundamente interactiva – a relação mãe/filho é bidireccional, isto é ambos emitem sinais que activam a vinculação
  • 17. Vinculação  Serão, segundo alguns autores, as transformações hormonais que se seguem ao parto que predispõem a mãe a responder aos estímulos vindos do bebé. A relação entre a mãe e o bebé estabelece uma comunicação emocional através de um sistema de regulação mútua com adaptações constantes.
  • 18. Vinculação  A sensibilidade e a disponibilidade emocional da mãe vão favorecer a adequação de resposta aos sinais do bebé e facilitar o ultrapassar das possíveis dificuldades interactivas. Os padrões de vinculação resultam da qualidade desta interacção e influenciarão a vida psicológica futura.
  • 19. Vinculação  O tipo de ligação entre o filho e a mãe muda à medida que criança se desenvolve, embora se mantenham as características da vinculação
  • 20. Vinculação  Se no recém nascido há uma tendência para um comportamento vinculativo com uma só pessoa, em breve a criança vai-se vincular a outras pessoas. Este comportamento de vinculação pode existir durante toda a vida.
  • 21. Como se forma a vinculação? O bebé como promotor da vinculação:  Configuração facial do bebé;  Preferência do bebé pela figura humana;  Emite sinais facilitadores da comunicação e da interacção: choro,sorriso,expressoes emocionais;  Outras condutas: reflexo de sucção e preensão
  • 22. Como se forma a vinculação? O adulto como promotor da vinculação:  O contacto físico frequente (pegar ao colo, beijos, …);  Manutenção do olhar;  Tipo de linguagem (exagerado, repetitivo, sem significado);  Sincronia interactiva: pausa - produção /acção;  Expressões faciais exageradas, repetidas e prolongadas;  Capacidade de interpretar os sinais do bebé e de responder de forma estável e continuada.
  • 23. Experiências Etológicas A vinculação é um processo que se manifesta em certos mamíferos e aves. Na década de 50, o etólogo Harry Harlow, desenvolveu experiências em crias de macacos.
  • 24. Experiências Etológicas Colocou, na mesma jaula, duas mães- substituto: uma era construída em arame, a outra em tecido felpudo. Esta experiência decorreu em várias jaulas: em metade delas, era o modelo de arame que fornecia alimento à cria; na outra metade, esta função era assegurada pela mãe do tecido felpudo.
  • 25. Experiências Etológicas A variável analisada foi o tempo que as crias passavam junto das mães artificiais. As observações levaram o investigador a concluir que as crias preferiam a mãe de tecido independentemente de qual fosse a que lhes forneciam alimento, recorrendo a estas em caso de perigo.
  • 26. Experiências Etológicas Estas experiências levam Harlow a afirmar que a necessidade e a procura de contacto corporal e de proximidade física são mais importantes que a necessidade de alimentação.
  • 27. Experiências Etológicas Esta necessidade de agarrar, de estar junto da mãe, vai ser designada como contacto e conforto. Este mecanismo, também estudado nos bebés humanos, permite concluir que o contacto físico com a mãe é da maior importância sendo uma necessidade primária que não depende da alimentação.
  • 28. Experiências Etológicas Harlow fala da necessidade de amor e de emoção que observou nos primatas. Evidencia a interacção existente entre mãe e filho – o filho abraça a mãe que cada vez mais sente a necessidade de expressar este terno abraço – que está na base da vinculação.
  • 29. Transição das Interacções para a Relação Interpessoal
  • 30. Processo de separação/individualização  Os comportamentos vinculativos também evoluem. Assim, entre os 6 e os 9 meses, a vinculação fica formada, existindo dois comportamentos característicos: prazer de ver a mãe e tristeza de separar-se dela.
  • 31. Processo de separação/individualização  As interacções ocorridas ao longo do tempo vão contribuir para a construção de uma relação interpessoal e de uma interlocução.
  • 32. Processo de separação/individualização  O desenvolvimento do bebé, nomeadamente as melhores competências perceptivas e a capacidade de ter imagens mentais, vai-lhe permitir ter, de uma forma interiorizada, uma representação de mãe.
  • 33. Processo de separação/individualização  Uma etapa importante ocorre quando o bebé se sente individualizado corporalmente da mãe, ultrapassando o estado indiferenciado, fusional, anteriormente vivido.
  • 34. Processo de separação/individualização  Sptiz refere a “angústia do 8º mês” que se manifesta na sensação de que a mãe, que não está ao seu lado, o abandonou. O facto de se sentir diferenciado da mãe acarreta o receio de a poder perder.
  • 35. Processo de separação/individualização  Depois dos 8 meses, o bebé começa a estranhar as pessoas não habituais, com reacções que vão da simples estranheza à ansiedade ou angústia, e estas respostas resultam do facto de o bebé ter interiorizado imagens da mãe e de pessoas significativas e de as diferenciar das outras caras e figuras.
  • 36. Processo de separação/individualização  Segundo Sptiz, não é o estranho, enquanto tal, que angustia o bebé, mas o desaparecimento da mãe, que o mergulha numa profunda insegurança. A chegada do estranho, iludindo o bebé no desejo de ver a mãe, reactiva a sua ansiedade e daí este repúdio vigoroso do intruso, por mais intencionado e cheio de solicitude que seja, e cujo único erro é o de estar presente quando a mãe não está.
  • 37. Processo de separação/individualização  É nesta fase que o bebé tem reacções de angústia às separações da mãe e expressa alegria nos reencontros com as pessoas queridas.
  • 38. Processo de separação/individualização  É o desenvolvimento global, que ocorre no primeiro ano de vida, que vai transformar as interacções iniciais em relações interpessoais elaboradas e consistentes.