Existencial - Humanista

21.054 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
14 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
21.054
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
468
Comentários
0
Gostaram
14
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Existencial - Humanista

  1. 1. Existencial- Humanista Historia da Psicologia
  2. 2. A psicologia Humanista surgiu nas décadas de 1940 e 1950 durante a segunda guerra mundial. O que é Existencial-Humanista?
  3. 3. <ul><li>O existencialismo caracteriza-se primeiramente pela afirmação de que a “existência precede à essência”. Até o século XIX, o pensamento predominante era intelectualista. </li></ul><ul><li>Pensamento filosófico existencial procede das meditações de Kierkegaard, mas Heidegger, Sartre, Jaspers, Nietzsche, Buber são também nomes importantes na expressão da convicção de que a realidade última somente pode ser encontrada na existência individual e concreta. </li></ul><ul><li>Hegel faz uma tentativa de compreender o mundo racionalmente. </li></ul><ul><li>É o homem a categoria central da existência na expressão de Kierkegaard. </li></ul><ul><li>Apresenta-se as bases e os aspectos mais relevantes da existencial-humanista. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Breve Resumo sobre a Existencial Humanista </li></ul><ul><li>Sua influencia na Psicologia </li></ul><ul><li>Existencial Humanista no Brasil </li></ul><ul><li>Principais teóricos </li></ul>Introdução
  5. 5. Sorem Kierkegaard <ul><li>Kierkegaard escreve a partir de sua experiência pessoal. Seu pensamento baseia-se em sua cultura incomum e nos complexos sentimentais profundos. Através de si e de seus problemas ele procura encontrar uma explicação para a sua existência. Mas não bastava para Kierkegaard analisar o conteúdo da consciência para se encontrar aí uma filosofia da existência. Tem-se, também, que ter idéias. E entre as idéias, tem que se estabelecer uma dialética. E é através desta dialética que ele percebe os estágios da existência: estágio estético, estágio moral e estágio religioso. </li></ul>
  6. 6. Estágio Estético : estágio básico na realidade humana em que os valores estéticos são originários do romantismo e contemporâneos. Estágio Moral ou Ético : É marcado essencialmente por uma vida coerente e regida por normas morais. Estágio Religioso : Visto que o casamento não é a única solução, um homem pode escolher responder ao chamamento religioso, alcançando um estágio superior à de um marido mais perfeito. ele acha que os outros dois não podem existir sem o religioso que é, por sua vez, um estado que surge a partir da confusão criada pelos outros e onde se tem que fazer uma escolha, optando pela solidão e Deus, ou seja, a meditação. A partir daí é desenvolvido o sentido da existência: A razão da existência vem do nosso interior, é compreendermo-nos a nós próprios e encontrarmo-nos com Deus.
  7. 7. Edimund Husserl - Fenomenológia <ul><li>A FENOMENOLOGIA É, EM SENTIDO LATO, UMA ESCOLA FILOSÓFICA FUNDADA POR EDMUND HUSSERL. NUM SENTIDO MAIS ESTRITO, É UMA DISCIPLINA DA FILOSOFIA QUE ESTUDA OS OBJECTOS E AS ESTRUTURAS DA CONSCIÊNCIA PURIFICADA OU TRANSCENDENTAL , DA CONSCIÊNCIA COGNITIVA, E NÃO DA CONSCIÊNCIA INDIVIDUAL OU EMPÍRICA , À QUAL SE REPORTA A PSICOLOGIA. </li></ul><ul><li>TODA CONSCIÊNCIA É CONSCIÊNCIA DE ALGUMA COISA . ASSIM SENDO, A CONSCIÊNCIA NÃO É UMA SUBSTÂNCIA, MAS UMA ACTIVIDADE CONSTITUÍDA POR ATOS (PERCEPÇÃO, IMAGINAÇÃO, ESPECULAÇÃO, VOLIÇÃO, PAIXÃO, ETC), COM OS QUAIS VISA ALGO. </li></ul><ul><li>NA PRÁTICA DA FENOMENOLOGIA EFECTUA-SE O PROCESSO DE REDUÇÃO FENOMENOLÓGICA O QUAL PERMITE ATINGIR A ESSÊNCIA DO FENÓMENO. </li></ul>
  8. 8. Carl Rogers <ul><li>Um dos responsáveis pelo desenvolvimento da Psicologia Humanista, e o mais importante teórico a desenvolver a teoria humanística da personalidade. </li></ul><ul><li>Em 1987 foi indicado ao prémio Nobel da paz. </li></ul><ul><li>1° a gravar as sessões psicoterapeutas, com as devidas permissões, tornando possível o estudo subjetivo de um processo eminente subjetivo. </li></ul><ul><li>Desenvolveu um método terapêutico centrado no próprio paciente. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Perspectiva centrada no cliente: </li></ul><ul><li>O terapeuta deve desenvolver uma relação de confiança fazendo com que o paciente encontre sozinho sua própria cura. </li></ul><ul><li>Há 3 considerações básicas e simultânea defendida por Rogers, como facilitadoras no relacionamento psicoterapeuta e cliente: Consideração positiva incondicional, empatia, congruência. </li></ul><ul><li>Consideração positiva incondicional: É saber aceitar a pessoa como ela é e expressar uma consideração positiva por ela. </li></ul><ul><li>“ Eu escuto tão cuidadosamente e atentamente cada pessoa” ( Carl Rogers) </li></ul><ul><li>Empatia : É colocar-se o lugar do outro e ver o mundo através dos olhos dele. </li></ul><ul><li>Congruência : É o terapeuta ser profundamente ele mesmo com sua experiência. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Rogers se opôs à teoria de B. F. Skinner de que a personalidade do homem seria moldada pelo meio por meio de condicionamentos operantes. Para Rogers todos os homens são bons na sua essência, e que todo o aprendizado deveria ser organizado no sentido do indivíduo para o meio, e não o contrário. Neste sentido, ele nos diz: </li></ul><ul><li>“ A Questão é saber se podemos permitir que o conhecimento se organize no e pelo indivíduo, em vez de ser organizado para o indivíduo.” (Carl Rogers) </li></ul>
  11. 11. Martin Heidegger – Dasein (Ente) <ul><li>Existencialismo e Fenomenologia. </li></ul><ul><li>Análise da existência. </li></ul><ul><li>Investigando o problema do ser. </li></ul><ul><li>Estar-no-mundo . </li></ul><ul><li>Conceito de morte (ser-para-a-morte) . . </li></ul>Martin Heidegger foi filósofo, escritor, professor universitário, reitor e um dos grandes pensadores do século 20. “ Para que a investigação ontológica possa ocorrer, haverá uma fase que antecede; a análise do meu Dasein particular e concreto .” (Martin Heidegger)
  12. 12. Jean – Paul Sartre <ul><li>Foi um filósofo existencialista francês do início do século XX. </li></ul><ul><li>Esse grande filósofo, romancista e dramaturgo francês expôs suas ideias em variados aspectos literários e centrou-se na concepção de que o indivíduo tem absoluta liberdade de escolha. </li></ul><ul><li>Expõe sua idéia do existencialismo em duas de suas principais obras: O Ser e o Nada e Crítica da razão dialética </li></ul>
  13. 13. O Ser e o Nada (1943), Quarta parte <ul><li>“ ... Realmente, só pelo fato de ser consciente das causas que inspiram minhas ações, estas causas já são objetos transcendentes para minha consciência; elas estão fora. Em vão tentaria apreendê-las. Escapo delas pela minha própria existência. Estou condenado a existir para sempre além da minha essência, além das causas e motivos dos meus atos. Estou condenado a ser livre. Isso quer dizer que nenhum limite para minha liberdade pode ser estabelecido exceto a própria liberdade, ou, se você preferir; que nós não somos livres para deixar de ser livres...” </li></ul>
  14. 14. Hierarquia de Necessidades de Maslow <ul><li>Abraham Maslow (1908 -1970) foi um psicólogo americano, conhecido pela proposta hierarquia de necessidades de Maslow. Trabalhou no MIT, fundando o centro de pesquisa National Laboratories for Group Dynamics. </li></ul><ul><li>Necessidades Fisiológicas </li></ul><ul><li>Necessidades de Segurança </li></ul><ul><li>Necessidades Sociais </li></ul><ul><li>Necessidades de Status e Estima </li></ul><ul><li>Necessidades Auto- Realização </li></ul>O homem auto-atualiza, “O uso e a exploração plenos de talentos, capacidades, potencialidades”.
  15. 15. Alunos Psicologia: Andreza Di Luccia Darthcleia Moura Débora Rievrs Jéssica Rodrigues Marina Tavares Kassiane Sousa Vinicius da Gama Profa Mestre Flavianny Ribeiro OBRIGADO!!!

×