SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
ADVISORY . AUDIT . OUTSOURCING . TAX





LEI ANTICORRUPÇÃO 12.846/13
AS IMPLICAÇÕES DA LEI PARA AS EMPRESAS
Quem somos
Objetivos
Introdução
Lei 12.846/13
Compliance
Benefícios
Contato

SUMÁRIO
QUEM SOMOS
A NK provê serviços de qualidade, confiança e segurança, garantindo total sigilo de informações. Atuando em quatro áreas
distintas que oferecem soluções completas, da concepção do projeto à implantação de sistemas e resoluções: ADVISORY, AUDIT,
OUTSOURCING E TAX.
Desde 1977 no mercado, contamos com profissionais qualificados, trabalhando de maneira integrada, garantindo a qualidade e a
excelência dos serviços prestados. Entre os clientes das firmas que compõe nosso network estão multinacionais, com atuação
em variados setores.
Nossa proposta não se restringe apenas em cumprir burocraticamente os trâmites convencionais, mas sim buscar, através da
atualização constante, os melhores métodos para o crescimento eficiente e econômico dos nossos clientes.
Quem somos
Objetivos
Introdução
Lei 12.846/13
Compliance
Benefícios
Contato

SUMÁRIO
OBJETIVO
Apresentar a Lei anticorrupção, mostrar cenário global e novas soluções.
Quem somos
Objetivos
Introdução
Lei 12.846/13
Implicações e Sanções
Compliance
Benefícios
Contato

SUMÁRIO
MAPA GLOBAL DA CORRUPÇÃO
Fonte: Transparência Internacional Pesquisa 2013/2014
1º Dinamarca
2º Finlândia
3º Nova Zelândia
4º Suécia
5º Noruega
6º Suíça
7º Singapura
8º Holanda
9º Luxemburgo
10º Canadá
11º Austrália
12º Alemanha
12º Islândia
14º Reino Unido
15º Bélgica
15º Japão
17º Barbados
17º Hong Kong
17º Irlanda
17º Estados Unidos
21º Chile
21º Urugai
MAPA GLOBAL DA CORRUPÇÃO
No âmbito do Direito Internacional Público, o Brasil já havia se comprometido
a responsabilizar de maneira ampla e universal pessoas jurídicas por atos de
corrupção pública, ao ratificar : (i) a Convenção sobre o Combate da
Corrupção de Funcionários Públicos Estrangeiros em Transações Comerciais
Internacionais, da Organização para o Cooperação e o Desenvolvimento
Econômico OCDE, de 1997, (Decreto nº 3.678, de 2000) (ii) Convenção
Internacional das Nações Unidades Contra a Corrupção, de 2003 (Decreto nº
5.697, de 2006).
CENÁRIO GLOBAL
FCPA
Lei anticorrupção dos USA
UK Bribery Act
Lei anticorrupção Reino Unido
OCDE
Combate da Corrupção de
Funcionários Públicos Estrangeiros em
Transações Comerciais Internacionais
Nações Unidas
CENÁRIO GLOBAL
COMPARATIVO DAS LEIS
FCPA – FOREING
CORRUPT PRACTIES
ACT
LEI 12.846
ANTICORRUPÇÃO
CONTROLES CONTÁBEIS
INTERNOS E MANUTENÇÃO
DE REGISTROS
SEÇÃO Principais Aspectos
Proíbe dar ou oferecer qualquer tipo de benefício de valor a um “funcionário
público estrangeiro” com a intenção de obter ou reter negócios, ou obter
vantagem nos negócios relacionados a uma transação comercial.
Para violar a FCPA não é necessário que o valor troque de mãos. Uma oferta,
um esquema ou promessa de pagamento pode constituir uma violação.
O objetivo é evitar que as empresas encubram subornos e desencorajar práticas
fraudulentas. A FCPA exige que as companhias executem as seguintes atividades:
•Mantenham os livros e os registros de forma que reflitam com exatidão todas
as transações;
•Mantenham um sistema de controles contábeis internos.
A FCPA considera crime uma falha na manutenção de um sistema de controles
internos ou a falsificação dos livros e registros. Estes requerimentos podem ser
extensivos a qualquer pessoa que atue em nome da Companhia, na medida em
que a sua ação possa ocasionar que os livros e registros de uma subsidiária não
sejam exatos.
DESCRITIVO FCPA UK BRIBREY ACT LEI 12.846
Corrupção de funcionário
públicos estrangeiros
SIM SIM SIM
Corrupção de funcionário
públicos nacionais
NÃO SIM SIM
Alcance extraterritorial SIM SIM SIM
Dispositivos contábeis e de
controles internos
SIM NÃO NÃO
Outros Atos lesivos NÃO NÃO
SIM
inclui outros atos contra a administra;'ao p[ublica
(fraudes em licitacao, frustar competitividade em
licitacao)
Exceção para pagamento de
facilitação
SIM NÃO NÃO
Responsabilidade penal da
pessoal jurídica
SIM SIM NÃO
Responsabilidade objetiva NÃO
SIM
por "failure to prevent bribery"
SIM
Multas
Violação aos anticorrupção: multa de até
U$$ 2 milhões por violação.
Violação aos dispositivos contábeis:
multa de até U$$ 25 milhões por
violação.
Duas vezes o benefício obtivo ou
almejado.
ilimitada
Multa de ate 20% do faturamento bruto da pessoa
jurídica ou ate R$ 60 milhões de reais (não sendo
possível utilizar o critério de faturamento bruto)
Outras "sanções"
Declação de inidoneidade,
monitoramente, etc.
Declaração de inidoneidade
Publicação extraordinária da decisão condenatória,
suspensão ou interdição das atividades, podendo ter a
dissolução compulsória das atividades.
Crédito pela existência de
programas de Compliance
SIM
(U.S. Sentencing Guidelines)
SIM
(pode ser defesa absoluta para o
crime de "failure to prevent bribery"
SIM
Crédito por reporte voluntário e
cooperação
SIM
SIM
mas limitado
SIM
(redução em ate 2/3 do valor da multa e exclusão das
demais sanções)
COMPARATIVO DAS LEIS
Embora propinas e subornos sejam as formas mais facilmente reconhecíveis de corrupção, outras
práticas de negócios comuns (ou bens de valor) também podem ser consideradas corruptas se
envolverem um funcionário público.
Em caso de violação às leis anticorrupção, o que pode acontecer com a sua empresa?
Danos de imagem Monitoramento
governamental
Mudanças legislativas
Multas milionárias Redução do ROI Perda de confiança dos
investidores
CONSEQUÊNCIAS DA CORRUPÇÃO
CONSEQUÊNCIAS DA CORRUPÇÃO
CONSEQUÊNCIAS DA CORRUPÇÃO
CONSEQUÊNCIAS DA CORRUPÇÃO - continuação
Quem somos
Objetivos
Introdução
Lei 12.846/13
Lei anticorrupção
Lei da empresa limpa
Implicações e Sanções
Compliance
Benefícios
Contato

SUMÁRIO
Quem se aplica?
Todo tipo de empresa, representação, fundação e associação.
Alcance
Definição de ato de “corrupção” muito abrangente:
Inclui atos que atentem contra o patrimônio público nacional ou estrangeiro, contra os princípios da
administração pública ou contra compromissos internacionais assumidos pelo Brasil, inclusive, atos
de corrupção, fraudes em licitação e obstrução á investigações.
CONSEQUÊNCIAS DA CORRUPÇÃO
Responsabilização
Objetiva (independe de dolo ou culpa): Houve o atentado contra o patrimônio publico e houve
benefício da empresa.
Não exclui a responsabilidade individual de seus dirigentes ou administradores.
A Lei não prevê que o processo administrativo ou judicial resolva a situação do agente
corrupto ou corruptor pessoa física, que fica sujeito ao devido processo legal, administrativo e
criminal em separado .
LEI ANTICORRUPÇÃO (12.846/13)
A lei pune os seguintes atos lesivos contra a administração pública:
Prometer, oferecer ou dar, direta ou indiretamente, vantagem indevida a agente público, ou
terceira pessoa a ele relacionada;
Financiar, patrocinar ou de qualquer forma subvencionar a prática de atos ilícitos nos termos da
lei;
Utilizar-se de interposta pessoa física ou jurídica para ocultar ou dissimular seus reais interesses
ou a identidade dos beneficiários das infrações.
LEI ANTICORRUPÇÃO (12.846/13)
A lei também pune atos lesivos contra a Licitação Pública e Contratos com a Administração Pública.
Dentre eles:
Fraudar o caráter competitivo do procedimento licitatório;
Impedir, perturbar ou fraudar a realização de qualquer ato de procedimento licitatório;
Fraudar licitação pública ou contrato decorrente.
LEI ANTICORRUPÇÃO (12.846/13)
Quem somos
Objetivos
Introdução
Lei 12.846/13
Implicações e Sanções
Lei da Empresa Limpa
Acordo de Leniência
Decreto 8.420 Mar/15
Compliance
Benefícios
Contato

SUMÁRIO
Caso não seja possível utilizar o critério do valor do faturamento bruto da pessoa jurídica, a multa será de R$
6.000,00 (seis mil reais) a R$ 60.000.000,00 (sessenta milhões de reais).
Sanções e punições
ADMINISTRATIVAS: multa, no valor de 0,1% (um décimo por cento) a 20% (vinte por cento) do
faturamento bruto do último exercício anterior ao da instauração do processo administrativo,
excluídos os tributos, a qual nunca será inferior à vantagem auferida;
LEI ANTICORRUPÇÃO (12.846/13)
Fonte: Controladoria Geral da União
A lei tem um parâmetro
muito importante: a punição
nunca será menor do que o
valor da vantagem auferida
de forma ilícita pela
empresa. Desta forma, o
decreto 8.420/2015
especifica o cálculo da multa
a partir do resultado da soma
e subtração de percentuais
incidentes sobre o
faturamento bruto da
empresa.
LEI ANTICORRUPÇÃO (12.846/13)
JUDICIAL: proibição de receber incentivos, subsídios, subvenções, doações ou empréstimos de
órgãos ou entidades públicas e de instituições financeiras públicas ou controladas pelo poder
público, pelo prazo mínimo de 1 (um) e máximo de 5 (cinco) anos;
- Perdimento dos bens, direitos ou valores que representem vantagem ou proveito direta ou
indiretamente obtidos da infração, ressalvado o direito do lesado ou de terceiro de boa-fé;
- Suspensão ou interdição parcial de suas atividades;
- Dissolução compulsória da pessoa jurídica.
LEI ANTICORRUPÇÃO (12.846/13)
O acordo de leniência pode ser celebrado com as pessoas jurídicas responsáveis pela prática dos
atos lesivos previstos na Lei Anticorrupção, e dos ilícitos administrativos previstos na Lei, com vistas
à isenção ou à atenuação das respectivas sanções, desde que colaborem efetivamente
com as investigações e o processo administrativo.
Compete à Controladoria-Geral da União celebrar acordos de leniência no âmbito do Poder
Executivo Federal e nos casos de atos lesivos contra a administração pública estrangeira. Para isso, a
empresa deve ajudar a identificar os demais envolvidos na infração, ceder informações (provas)
que comprovem o ilícito e reparar integralmente o dano financeiro.
ACORDO DE LENIÊNCIA
Requisitos
 Ser a primeira a manifestar interesse em cooperar para a apuração de ato lesivo específico,
quando tal circunstância for relevante;
 Cessar a prática da irregularidade investigada;
 Admitir a participação na infração;
 Cooperar com as investigações;
 Fornecer informações que comprovem a infração.
ACORDO DE LENIÊNCIA
Benefícios
 Isenção da obrigatoriedade de publicar a decisão punitiva;
 Isenção da proibição de receber de órgãos ou entidades públicos (inclusive bancos) incentivos,
subsídios, empréstimos, subvenções, doações, etc.;
 Redução da multa em até dois terços (2/3) do valor total;
 Isenção ou atenuação da proibição de contratar com a Administração Pública (declaração de
inidoneidade);
 Previsão de adoção de programa de integridade (compliance).
ACORDO DE LENIÊNCIA
Dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos
contra a administração pública, nacional ou estrangeira, e dá outras providências.
A apuração da responsabilidade administrativa de pessoa jurídica que possa resultar na aplicação
das sanções previstas no art. 6º da Lei nº 12.846, de 2013, será efetuada por meio de Processo
Administrativo de Responsabilização – PAR.
DECRETO 8.420 DE MARÇO DE 2015
Quem somos
Objetivos
Introdução
Lei 12.846/13
Implicações e Sanções
Compliance
Pilares do programa
Benefícios
Contato

SUMÁRIO
Por que ter o seu?
 Evitar que a empresa envolva-se em atos de corrupção;
 Aumento concreto do VALOR da empresa pois atos de corrupção estarão mitigados;
 Redução das penalidade previstas por leis brasileiras e estrangeiras e (FCPA, UK Bribery Act);
 Possibilidade de penalizar o parceiro comercial ou agente corruptor interno;
 Maior facilidade em identificar o ato de corrupção;
 Facilitação para obtenção de um Acordo de Leniência.
PILARES DE UM PROGRAMA DE COMPLIANCE
Avaliação de Risco
Monitoramento e
Auditoria
Alta
Administração
Comunicação e
Treinamento
Políticas e
Controles Internos
Investigação e
reporte (Helpline)
Due Diligene
Revisão periódica
do Programa AC
PILARES DE UM PROGRAMA DE COMPLIANCE
Elementos de um Programa
CÓDIGO DE CONDUTA
COMITÊ DE ÉTICA
Politicas e
Procedimentos
Canal de
Denúncias
Gestão de
Terceiros
Treinamentos
PILARES DE UM PROGRAMA DE COMPLIANCE
Código de conduta
Código de conduta é um conjunto de
regras para orientar e disciplinar a
conduta de um determinado grupo de
pessoas de acordo com os seus
princípios. É geralmente utilizado por
empresas., organizações,
Ética
Respeito
Transparência
Integridade
Cidadania
Lealdade
Responsabilidade
PILARES DE UM PROGRAMA DE COMPLIANCE
Comitê de Ética
 Responsável pela gestão, coordenação, e atualização do Programa de Compliance de acordo
com o Código de Conduta da Organização;
 Responsável por disseminar os normativos de Compliance para todos os colaboradores;
 Responsável por avaliar e decidir sobre as questões de Compliance;
 Independente;
 Autonomia adequada.
PILARES DE UM PROGRAMA DE COMPLIANCE
Políticas e Processos
 Extensão a todos os colaboradores e principais terceiros que tenham interação com o Poder
Público, empresas de consultoria, representantes comerciais, distribuidores, procuradores, etc.
 Deverão ser didáticos, no idioma local, e refletir ao máximo situações concretamente e
corriqueiramente vivenciadas, ilustradas a partir de exemplos práticos e estudos de casos
hipotéticos.
Deverão incluir:
 Procedimentos anticorrupção;
 Regras sobre brindes e presentes;
 Doações, Viagens, entretenimento e refeição;
 Contratação e utilização de terceiros; etc.
PILARES DE UM PROGRAMA DE COMPLIANCE
Canal de Denúncia
 Oferecer mecanismo que possibilitem o recebimento de denúncias (“hotlines”) de colaboradores
e de terceiros, mantendo-se a confidencialidade, anonimato e impedindo retaliações;
 Fiscalizar a pronta resposta às denúncias recebidas pelos canais de comunicação e “hotlines”.
As investigações devem ser executadas com respeito às leis aplicáveis, para que tenham
credibilidade e possam ser utilizadas como meio de prova.
PILARES DE UM PROGRAMA DE COMPLIANCE
Gestão de Terceiros
 Conjunto de ações adotadas para assegurar que os terceiros que atuem na Organização ou
em nome da Organização sigam as condutas éticas estabelecidas. Estas ações incluem:
• Inclusão de cláusulas de Compliance nos contratos.
• Dar ciência e aplicar treinamento referente ao Código de Conduta.
• Monitoramento constante da conduta exercida pelo terceiro.
• Realização de auditorias periódicas de Compliance.
 Customer Due Diligence;
 Supplier Due Diligence.
PILARES DE UM PROGRAMA DE COMPLIANCE
Treinamento
 Desenhados para disseminar a cultura ética e as políticas e procedimentos internos nos quais os
colaboradores de uma Organização deverão basear a sua atuação profissional.
 Aplicável a todos os colaboradores e terceiros que agem em nome da Organização.
 Deverão ser atualizados periodicamente.
 Manter registro dos treinamentos.
PILARES DE UM PROGRAMA DE COMPLIANCE
Glades Chuery
Gerente de Compliance
glades.chuery@nkauditoria.com.br
42
© 2015 NK. Todos os direitos reservados. Neste documento, “NK” refere-se à NK Consultoria, NK Contabilidade e NK Auditoria. Firma-membro da
INPACT International, com sede global em Londres e está presente em mais de 70 países.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Código de Ética Profissional do Administrador (CEPA) - Capítulo 2 Das Proibições
Código de Ética Profissional do Administrador (CEPA) - Capítulo 2 Das ProibiçõesCódigo de Ética Profissional do Administrador (CEPA) - Capítulo 2 Das Proibições
Código de Ética Profissional do Administrador (CEPA) - Capítulo 2 Das ProibiçõesMarynara Barros
 
Princípios fundamentais da administração pública
Princípios fundamentais da administração públicaPrincípios fundamentais da administração pública
Princípios fundamentais da administração públicaJaqueline dos Santos
 
Direito empresarial
Direito empresarialDireito empresarial
Direito empresarialElder Leite
 
Ética Empresarial
Ética EmpresarialÉtica Empresarial
Ética EmpresarialKarina Rocha
 
Modelo Burocrático de Organização
Modelo Burocrático de OrganizaçãoModelo Burocrático de Organização
Modelo Burocrático de OrganizaçãoAlexandre Di Salvo
 
Sociedade limitada apresentação
Sociedade limitada apresentaçãoSociedade limitada apresentação
Sociedade limitada apresentaçãorihannaprincess
 
Introdução à Legislação Empresarial
Introdução à Legislação EmpresarialIntrodução à Legislação Empresarial
Introdução à Legislação EmpresarialEliseu Fortolan
 
Conscientização sobre a Segurança da Informação
Conscientização sobre a Segurança da InformaçãoConscientização sobre a Segurança da Informação
Conscientização sobre a Segurança da InformaçãoJean Israel B. Feijó
 
Fundamentos De Burocracia
Fundamentos De BurocraciaFundamentos De Burocracia
Fundamentos De BurocraciaMarcos Mendes
 

Mais procurados (20)

Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Aula 13
Aula 13Aula 13
Aula 13
 
Código de Ética Profissional do Administrador (CEPA) - Capítulo 2 Das Proibições
Código de Ética Profissional do Administrador (CEPA) - Capítulo 2 Das ProibiçõesCódigo de Ética Profissional do Administrador (CEPA) - Capítulo 2 Das Proibições
Código de Ética Profissional do Administrador (CEPA) - Capítulo 2 Das Proibições
 
Princípios fundamentais da administração pública
Princípios fundamentais da administração públicaPrincípios fundamentais da administração pública
Princípios fundamentais da administração pública
 
Etica profissional
Etica profissionalEtica profissional
Etica profissional
 
Direito empresarial
Direito empresarialDireito empresarial
Direito empresarial
 
O Clima Organizacional e Seus Conflitos
O Clima Organizacional e Seus ConflitosO Clima Organizacional e Seus Conflitos
O Clima Organizacional e Seus Conflitos
 
Ética Empresarial
Ética EmpresarialÉtica Empresarial
Ética Empresarial
 
Aula 1 - Introdução a Segurança da Informação
Aula 1 - Introdução a Segurança da InformaçãoAula 1 - Introdução a Segurança da Informação
Aula 1 - Introdução a Segurança da Informação
 
Etiqueta profissional
Etiqueta profissionalEtiqueta profissional
Etiqueta profissional
 
Modelo Burocrático de Organização
Modelo Burocrático de OrganizaçãoModelo Burocrático de Organização
Modelo Burocrático de Organização
 
Sociedade limitada apresentação
Sociedade limitada apresentaçãoSociedade limitada apresentação
Sociedade limitada apresentação
 
Pessoa Jurídica
Pessoa JurídicaPessoa Jurídica
Pessoa Jurídica
 
Introdução à Legislação Empresarial
Introdução à Legislação EmpresarialIntrodução à Legislação Empresarial
Introdução à Legislação Empresarial
 
Conscientização sobre a Segurança da Informação
Conscientização sobre a Segurança da InformaçãoConscientização sobre a Segurança da Informação
Conscientização sobre a Segurança da Informação
 
Governança Corporativa
Governança CorporativaGovernança Corporativa
Governança Corporativa
 
Rotinas administrativas
Rotinas administrativasRotinas administrativas
Rotinas administrativas
 
Fundamentos De Burocracia
Fundamentos De BurocraciaFundamentos De Burocracia
Fundamentos De Burocracia
 
Compliance: principais benefícios e geração de valor para as empresas
Compliance: principais benefícios e geração de valor para as empresasCompliance: principais benefícios e geração de valor para as empresas
Compliance: principais benefícios e geração de valor para as empresas
 
Apresentacao lei-acesso-informacao
Apresentacao lei-acesso-informacaoApresentacao lei-acesso-informacao
Apresentacao lei-acesso-informacao
 

Destaque

Apresentação Vallya
Apresentação VallyaApresentação Vallya
Apresentação VallyaVallya
 
Entenda a Lei Anticorrupção
Entenda a Lei AnticorrupçãoEntenda a Lei Anticorrupção
Entenda a Lei AnticorrupçãoVallya
 
Palestra Representação Institucional - Lobby, por Eduardo Carlos Ricardo - ...
Palestra Representação Institucional -   Lobby, por Eduardo Carlos Ricardo - ...Palestra Representação Institucional -   Lobby, por Eduardo Carlos Ricardo - ...
Palestra Representação Institucional - Lobby, por Eduardo Carlos Ricardo - ...Confederação Nacional da Indústria
 
ACI's FCPA & Anti-Corruption for the Life Sciences Industry
ACI's FCPA & Anti-Corruption for the Life Sciences IndustryACI's FCPA & Anti-Corruption for the Life Sciences Industry
ACI's FCPA & Anti-Corruption for the Life Sciences IndustryRachel Hamilton
 
PLHIS Ijuí: Audiência Pública Etapa 2 - Diagnóstico
PLHIS Ijuí: Audiência Pública Etapa 2 - DiagnósticoPLHIS Ijuí: Audiência Pública Etapa 2 - Diagnóstico
PLHIS Ijuí: Audiência Pública Etapa 2 - Diagnóstico3C Arquitetura e Urbanismo
 
Aulas de matematica financeira (series uniformes)
Aulas de matematica financeira (series uniformes)Aulas de matematica financeira (series uniformes)
Aulas de matematica financeira (series uniformes)Adriano Bruni
 
Spss 00 Apresentacao
Spss 00 ApresentacaoSpss 00 Apresentacao
Spss 00 ApresentacaoAdriano Bruni
 
Spss 07 Hipoteses Nao Par
Spss 07 Hipoteses Nao ParSpss 07 Hipoteses Nao Par
Spss 07 Hipoteses Nao ParAdriano Bruni
 
Acofi cap07 lucratividade
Acofi cap07 lucratividadeAcofi cap07 lucratividade
Acofi cap07 lucratividadeAdriano Bruni
 
Spss 06 Hipoteses Par
Spss 06 Hipoteses ParSpss 06 Hipoteses Par
Spss 06 Hipoteses ParAdriano Bruni
 
Cartilha Contra a Corrupção
Cartilha Contra a CorrupçãoCartilha Contra a Corrupção
Cartilha Contra a CorrupçãoAna Paula Paixão
 
Aulas de Investimentos (selecao de investimentos
Aulas de Investimentos (selecao de investimentosAulas de Investimentos (selecao de investimentos
Aulas de Investimentos (selecao de investimentosAdriano Bruni
 

Destaque (20)

As implicações da lei anticorrupção
As implicações da lei anticorrupçãoAs implicações da lei anticorrupção
As implicações da lei anticorrupção
 
Apresentação Vallya
Apresentação VallyaApresentação Vallya
Apresentação Vallya
 
Entenda a Lei Anticorrupção
Entenda a Lei AnticorrupçãoEntenda a Lei Anticorrupção
Entenda a Lei Anticorrupção
 
Palestra Representação Institucional - Lobby, por Eduardo Carlos Ricardo - ...
Palestra Representação Institucional -   Lobby, por Eduardo Carlos Ricardo - ...Palestra Representação Institucional -   Lobby, por Eduardo Carlos Ricardo - ...
Palestra Representação Institucional - Lobby, por Eduardo Carlos Ricardo - ...
 
ACI's FCPA & Anti-Corruption for the Life Sciences Industry
ACI's FCPA & Anti-Corruption for the Life Sciences IndustryACI's FCPA & Anti-Corruption for the Life Sciences Industry
ACI's FCPA & Anti-Corruption for the Life Sciences Industry
 
PLHIS Ijuí: Audiência Pública Etapa 2 - Diagnóstico
PLHIS Ijuí: Audiência Pública Etapa 2 - DiagnósticoPLHIS Ijuí: Audiência Pública Etapa 2 - Diagnóstico
PLHIS Ijuí: Audiência Pública Etapa 2 - Diagnóstico
 
Combate à Corrupção
Combate à CorrupçãoCombate à Corrupção
Combate à Corrupção
 
Aulas de matematica financeira (series uniformes)
Aulas de matematica financeira (series uniformes)Aulas de matematica financeira (series uniformes)
Aulas de matematica financeira (series uniformes)
 
Spss 00 Apresentacao
Spss 00 ApresentacaoSpss 00 Apresentacao
Spss 00 Apresentacao
 
Spss 02 Explorando
Spss 02 ExplorandoSpss 02 Explorando
Spss 02 Explorando
 
Spss 07 Hipoteses Nao Par
Spss 07 Hipoteses Nao ParSpss 07 Hipoteses Nao Par
Spss 07 Hipoteses Nao Par
 
Acofi cap07 lucratividade
Acofi cap07 lucratividadeAcofi cap07 lucratividade
Acofi cap07 lucratividade
 
Spss 06 Hipoteses Par
Spss 06 Hipoteses ParSpss 06 Hipoteses Par
Spss 06 Hipoteses Par
 
Spss 04 Medidas
Spss 04 MedidasSpss 04 Medidas
Spss 04 Medidas
 
Spss 08 Regressao
Spss 08 RegressaoSpss 08 Regressao
Spss 08 Regressao
 
Corrupção
CorrupçãoCorrupção
Corrupção
 
Spss 05 Estimando
Spss 05 EstimandoSpss 05 Estimando
Spss 05 Estimando
 
Cartilha Contra a Corrupção
Cartilha Contra a CorrupçãoCartilha Contra a Corrupção
Cartilha Contra a Corrupção
 
Aulas de Investimentos (selecao de investimentos
Aulas de Investimentos (selecao de investimentosAulas de Investimentos (selecao de investimentos
Aulas de Investimentos (selecao de investimentos
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 

Semelhante a Lei Anticorrupção, e as implicações para as empresas

8ª CONSEGURO - ISABEL FRANCO
8ª CONSEGURO - ISABEL FRANCO8ª CONSEGURO - ISABEL FRANCO
8ª CONSEGURO - ISABEL FRANCOCNseg
 
Compliance Anticorrupção: Atuação e Responsabilidades do Contabilista
Compliance Anticorrupção: Atuação e Responsabilidades do ContabilistaCompliance Anticorrupção: Atuação e Responsabilidades do Contabilista
Compliance Anticorrupção: Atuação e Responsabilidades do ContabilistaMiguel Teixeira Filho
 
Aula 3 – teoria geral do direito empresarial
Aula 3 – teoria geral do direito empresarialAula 3 – teoria geral do direito empresarial
Aula 3 – teoria geral do direito empresarialSidney Rego
 
Compliance e Ética Corporativa
Compliance e Ética CorporativaCompliance e Ética Corporativa
Compliance e Ética CorporativaVanessa Vaccari
 
Palestra - Tema: Prevenção a Crimes de Lavagem de Dinheiro.
Palestra - Tema: Prevenção a Crimes de Lavagem de Dinheiro.Palestra - Tema: Prevenção a Crimes de Lavagem de Dinheiro.
Palestra - Tema: Prevenção a Crimes de Lavagem de Dinheiro.SESCAP TO
 
A Nova Lei Brasileira Anticorrupção - Um novo risco de Compliance para as Emp...
A Nova Lei Brasileira Anticorrupção - Um novo risco de Compliance para as Emp...A Nova Lei Brasileira Anticorrupção - Um novo risco de Compliance para as Emp...
A Nova Lei Brasileira Anticorrupção - Um novo risco de Compliance para as Emp...Miguel Teixeira Filho
 
Direito Tributário e Direito Privado: Planejamento Tributário
Direito Tributário e Direito Privado: Planejamento TributárioDireito Tributário e Direito Privado: Planejamento Tributário
Direito Tributário e Direito Privado: Planejamento TributárioCláudio Colnago
 
Icts palestra anticorrupcao mar2014
Icts palestra anticorrupcao mar2014Icts palestra anticorrupcao mar2014
Icts palestra anticorrupcao mar2014Fredrik Boëthius
 
Lei Anticorrupção e compliance.pptx
Lei Anticorrupção e compliance.pptxLei Anticorrupção e compliance.pptx
Lei Anticorrupção e compliance.pptxssuser2ceaf21
 
Compliance – Manual de boas práticas em condomínios
Compliance – Manual de boas práticas em condomíniosCompliance – Manual de boas práticas em condomínios
Compliance – Manual de boas práticas em condomíniossindiconet
 
CGU - cartilha Programa de Integridade: diretrizes para empresas privadas
CGU - cartilha Programa de Integridade: diretrizes para empresas privadasCGU - cartilha Programa de Integridade: diretrizes para empresas privadas
CGU - cartilha Programa de Integridade: diretrizes para empresas privadasGilberto C Porto
 

Semelhante a Lei Anticorrupção, e as implicações para as empresas (20)

Cartilha Lei Anticorrupção
Cartilha Lei AnticorrupçãoCartilha Lei Anticorrupção
Cartilha Lei Anticorrupção
 
Manual anticorrupção
Manual anticorrupçãoManual anticorrupção
Manual anticorrupção
 
Prevenção à Corrupção Empresarial – A Nova Lei Anticorrupção
Prevenção à Corrupção Empresarial – A Nova Lei AnticorrupçãoPrevenção à Corrupção Empresarial – A Nova Lei Anticorrupção
Prevenção à Corrupção Empresarial – A Nova Lei Anticorrupção
 
8ª CONSEGURO - ISABEL FRANCO
8ª CONSEGURO - ISABEL FRANCO8ª CONSEGURO - ISABEL FRANCO
8ª CONSEGURO - ISABEL FRANCO
 
Compliance Anticorrupção: Atuação e Responsabilidades do Contabilista
Compliance Anticorrupção: Atuação e Responsabilidades do ContabilistaCompliance Anticorrupção: Atuação e Responsabilidades do Contabilista
Compliance Anticorrupção: Atuação e Responsabilidades do Contabilista
 
Complaice
ComplaiceComplaice
Complaice
 
Aula 3 – teoria geral do direito empresarial
Aula 3 – teoria geral do direito empresarialAula 3 – teoria geral do direito empresarial
Aula 3 – teoria geral do direito empresarial
 
Montarempresa
MontarempresaMontarempresa
Montarempresa
 
Compliance e Ética Corporativa
Compliance e Ética CorporativaCompliance e Ética Corporativa
Compliance e Ética Corporativa
 
Palestra - Tema: Prevenção a Crimes de Lavagem de Dinheiro.
Palestra - Tema: Prevenção a Crimes de Lavagem de Dinheiro.Palestra - Tema: Prevenção a Crimes de Lavagem de Dinheiro.
Palestra - Tema: Prevenção a Crimes de Lavagem de Dinheiro.
 
A Nova Lei Brasileira Anticorrupção - Um novo risco de Compliance para as Emp...
A Nova Lei Brasileira Anticorrupção - Um novo risco de Compliance para as Emp...A Nova Lei Brasileira Anticorrupção - Um novo risco de Compliance para as Emp...
A Nova Lei Brasileira Anticorrupção - Um novo risco de Compliance para as Emp...
 
Direito Tributário e Direito Privado: Planejamento Tributário
Direito Tributário e Direito Privado: Planejamento TributárioDireito Tributário e Direito Privado: Planejamento Tributário
Direito Tributário e Direito Privado: Planejamento Tributário
 
Compliance
ComplianceCompliance
Compliance
 
Icts palestra anticorrupcao mar2014
Icts palestra anticorrupcao mar2014Icts palestra anticorrupcao mar2014
Icts palestra anticorrupcao mar2014
 
Empresarial 4
Empresarial 4Empresarial 4
Empresarial 4
 
Lei Anticorrupção e compliance.pptx
Lei Anticorrupção e compliance.pptxLei Anticorrupção e compliance.pptx
Lei Anticorrupção e compliance.pptx
 
SIMPLES NACIONAL2.pptx
SIMPLES NACIONAL2.pptxSIMPLES NACIONAL2.pptx
SIMPLES NACIONAL2.pptx
 
Botelho & Botelho: Palestra sobre Simples TI
Botelho & Botelho: Palestra sobre Simples TI Botelho & Botelho: Palestra sobre Simples TI
Botelho & Botelho: Palestra sobre Simples TI
 
Compliance – Manual de boas práticas em condomínios
Compliance – Manual de boas práticas em condomíniosCompliance – Manual de boas práticas em condomínios
Compliance – Manual de boas práticas em condomínios
 
CGU - cartilha Programa de Integridade: diretrizes para empresas privadas
CGU - cartilha Programa de Integridade: diretrizes para empresas privadasCGU - cartilha Programa de Integridade: diretrizes para empresas privadas
CGU - cartilha Programa de Integridade: diretrizes para empresas privadas
 

Mais de Conselho Regional de Administração de São Paulo

Mais de Conselho Regional de Administração de São Paulo (20)

Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SPResponsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
 
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
 
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃOCOMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
 
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistasWebinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
 
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no BrasilAdministrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
 
Ambiente favorável ao autodesenvolvimento
Ambiente favorável ao autodesenvolvimentoAmbiente favorável ao autodesenvolvimento
Ambiente favorável ao autodesenvolvimento
 
Compliance no setor de energia
Compliance no setor de energiaCompliance no setor de energia
Compliance no setor de energia
 
A tributação na estruturação societária das empresas familiares
A tributação na estruturação societária das empresas familiaresA tributação na estruturação societária das empresas familiares
A tributação na estruturação societária das empresas familiares
 
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
 
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia HospitalarDimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
 
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimentoAcolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
 
Legislação Sanitária e Ambiental
Legislação Sanitária e AmbientalLegislação Sanitária e Ambiental
Legislação Sanitária e Ambiental
 
Logística 4.0: oportunidades e desafios
Logística 4.0: oportunidades e desafiosLogística 4.0: oportunidades e desafios
Logística 4.0: oportunidades e desafios
 
Como ser o lider que o mercado espera
Como ser o lider que o mercado esperaComo ser o lider que o mercado espera
Como ser o lider que o mercado espera
 
Coaching em grupos
Coaching em gruposCoaching em grupos
Coaching em grupos
 
Mediação: onde estamos e para onde vamos?
Mediação: onde estamos e para onde vamos?Mediação: onde estamos e para onde vamos?
Mediação: onde estamos e para onde vamos?
 
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
 
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
 
As organizações estão doentes: como mudar este cenário
As organizações estão doentes: como mudar este cenárioAs organizações estão doentes: como mudar este cenário
As organizações estão doentes: como mudar este cenário
 
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
 

Lei Anticorrupção, e as implicações para as empresas

  • 1. ADVISORY . AUDIT . OUTSOURCING . TAX
  • 2.      LEI ANTICORRUPÇÃO 12.846/13 AS IMPLICAÇÕES DA LEI PARA AS EMPRESAS
  • 4. QUEM SOMOS A NK provê serviços de qualidade, confiança e segurança, garantindo total sigilo de informações. Atuando em quatro áreas distintas que oferecem soluções completas, da concepção do projeto à implantação de sistemas e resoluções: ADVISORY, AUDIT, OUTSOURCING E TAX. Desde 1977 no mercado, contamos com profissionais qualificados, trabalhando de maneira integrada, garantindo a qualidade e a excelência dos serviços prestados. Entre os clientes das firmas que compõe nosso network estão multinacionais, com atuação em variados setores. Nossa proposta não se restringe apenas em cumprir burocraticamente os trâmites convencionais, mas sim buscar, através da atualização constante, os melhores métodos para o crescimento eficiente e econômico dos nossos clientes.
  • 6. OBJETIVO Apresentar a Lei anticorrupção, mostrar cenário global e novas soluções.
  • 7. Quem somos Objetivos Introdução Lei 12.846/13 Implicações e Sanções Compliance Benefícios Contato  SUMÁRIO
  • 8. MAPA GLOBAL DA CORRUPÇÃO
  • 9. Fonte: Transparência Internacional Pesquisa 2013/2014 1º Dinamarca 2º Finlândia 3º Nova Zelândia 4º Suécia 5º Noruega 6º Suíça 7º Singapura 8º Holanda 9º Luxemburgo 10º Canadá 11º Austrália 12º Alemanha 12º Islândia 14º Reino Unido 15º Bélgica 15º Japão 17º Barbados 17º Hong Kong 17º Irlanda 17º Estados Unidos 21º Chile 21º Urugai MAPA GLOBAL DA CORRUPÇÃO
  • 10. No âmbito do Direito Internacional Público, o Brasil já havia se comprometido a responsabilizar de maneira ampla e universal pessoas jurídicas por atos de corrupção pública, ao ratificar : (i) a Convenção sobre o Combate da Corrupção de Funcionários Públicos Estrangeiros em Transações Comerciais Internacionais, da Organização para o Cooperação e o Desenvolvimento Econômico OCDE, de 1997, (Decreto nº 3.678, de 2000) (ii) Convenção Internacional das Nações Unidades Contra a Corrupção, de 2003 (Decreto nº 5.697, de 2006). CENÁRIO GLOBAL
  • 11. FCPA Lei anticorrupção dos USA UK Bribery Act Lei anticorrupção Reino Unido OCDE Combate da Corrupção de Funcionários Públicos Estrangeiros em Transações Comerciais Internacionais Nações Unidas CENÁRIO GLOBAL
  • 12. COMPARATIVO DAS LEIS FCPA – FOREING CORRUPT PRACTIES ACT LEI 12.846 ANTICORRUPÇÃO CONTROLES CONTÁBEIS INTERNOS E MANUTENÇÃO DE REGISTROS SEÇÃO Principais Aspectos Proíbe dar ou oferecer qualquer tipo de benefício de valor a um “funcionário público estrangeiro” com a intenção de obter ou reter negócios, ou obter vantagem nos negócios relacionados a uma transação comercial. Para violar a FCPA não é necessário que o valor troque de mãos. Uma oferta, um esquema ou promessa de pagamento pode constituir uma violação. O objetivo é evitar que as empresas encubram subornos e desencorajar práticas fraudulentas. A FCPA exige que as companhias executem as seguintes atividades: •Mantenham os livros e os registros de forma que reflitam com exatidão todas as transações; •Mantenham um sistema de controles contábeis internos. A FCPA considera crime uma falha na manutenção de um sistema de controles internos ou a falsificação dos livros e registros. Estes requerimentos podem ser extensivos a qualquer pessoa que atue em nome da Companhia, na medida em que a sua ação possa ocasionar que os livros e registros de uma subsidiária não sejam exatos.
  • 13. DESCRITIVO FCPA UK BRIBREY ACT LEI 12.846 Corrupção de funcionário públicos estrangeiros SIM SIM SIM Corrupção de funcionário públicos nacionais NÃO SIM SIM Alcance extraterritorial SIM SIM SIM Dispositivos contábeis e de controles internos SIM NÃO NÃO Outros Atos lesivos NÃO NÃO SIM inclui outros atos contra a administra;'ao p[ublica (fraudes em licitacao, frustar competitividade em licitacao) Exceção para pagamento de facilitação SIM NÃO NÃO Responsabilidade penal da pessoal jurídica SIM SIM NÃO Responsabilidade objetiva NÃO SIM por "failure to prevent bribery" SIM Multas Violação aos anticorrupção: multa de até U$$ 2 milhões por violação. Violação aos dispositivos contábeis: multa de até U$$ 25 milhões por violação. Duas vezes o benefício obtivo ou almejado. ilimitada Multa de ate 20% do faturamento bruto da pessoa jurídica ou ate R$ 60 milhões de reais (não sendo possível utilizar o critério de faturamento bruto) Outras "sanções" Declação de inidoneidade, monitoramente, etc. Declaração de inidoneidade Publicação extraordinária da decisão condenatória, suspensão ou interdição das atividades, podendo ter a dissolução compulsória das atividades. Crédito pela existência de programas de Compliance SIM (U.S. Sentencing Guidelines) SIM (pode ser defesa absoluta para o crime de "failure to prevent bribery" SIM Crédito por reporte voluntário e cooperação SIM SIM mas limitado SIM (redução em ate 2/3 do valor da multa e exclusão das demais sanções) COMPARATIVO DAS LEIS
  • 14. Embora propinas e subornos sejam as formas mais facilmente reconhecíveis de corrupção, outras práticas de negócios comuns (ou bens de valor) também podem ser consideradas corruptas se envolverem um funcionário público. Em caso de violação às leis anticorrupção, o que pode acontecer com a sua empresa? Danos de imagem Monitoramento governamental Mudanças legislativas Multas milionárias Redução do ROI Perda de confiança dos investidores CONSEQUÊNCIAS DA CORRUPÇÃO
  • 17. CONSEQUÊNCIAS DA CORRUPÇÃO - continuação
  • 18. Quem somos Objetivos Introdução Lei 12.846/13 Lei anticorrupção Lei da empresa limpa Implicações e Sanções Compliance Benefícios Contato  SUMÁRIO
  • 19. Quem se aplica? Todo tipo de empresa, representação, fundação e associação. Alcance Definição de ato de “corrupção” muito abrangente: Inclui atos que atentem contra o patrimônio público nacional ou estrangeiro, contra os princípios da administração pública ou contra compromissos internacionais assumidos pelo Brasil, inclusive, atos de corrupção, fraudes em licitação e obstrução á investigações. CONSEQUÊNCIAS DA CORRUPÇÃO
  • 20. Responsabilização Objetiva (independe de dolo ou culpa): Houve o atentado contra o patrimônio publico e houve benefício da empresa. Não exclui a responsabilidade individual de seus dirigentes ou administradores. A Lei não prevê que o processo administrativo ou judicial resolva a situação do agente corrupto ou corruptor pessoa física, que fica sujeito ao devido processo legal, administrativo e criminal em separado . LEI ANTICORRUPÇÃO (12.846/13)
  • 21. A lei pune os seguintes atos lesivos contra a administração pública: Prometer, oferecer ou dar, direta ou indiretamente, vantagem indevida a agente público, ou terceira pessoa a ele relacionada; Financiar, patrocinar ou de qualquer forma subvencionar a prática de atos ilícitos nos termos da lei; Utilizar-se de interposta pessoa física ou jurídica para ocultar ou dissimular seus reais interesses ou a identidade dos beneficiários das infrações. LEI ANTICORRUPÇÃO (12.846/13)
  • 22. A lei também pune atos lesivos contra a Licitação Pública e Contratos com a Administração Pública. Dentre eles: Fraudar o caráter competitivo do procedimento licitatório; Impedir, perturbar ou fraudar a realização de qualquer ato de procedimento licitatório; Fraudar licitação pública ou contrato decorrente. LEI ANTICORRUPÇÃO (12.846/13)
  • 23. Quem somos Objetivos Introdução Lei 12.846/13 Implicações e Sanções Lei da Empresa Limpa Acordo de Leniência Decreto 8.420 Mar/15 Compliance Benefícios Contato  SUMÁRIO
  • 24. Caso não seja possível utilizar o critério do valor do faturamento bruto da pessoa jurídica, a multa será de R$ 6.000,00 (seis mil reais) a R$ 60.000.000,00 (sessenta milhões de reais). Sanções e punições ADMINISTRATIVAS: multa, no valor de 0,1% (um décimo por cento) a 20% (vinte por cento) do faturamento bruto do último exercício anterior ao da instauração do processo administrativo, excluídos os tributos, a qual nunca será inferior à vantagem auferida; LEI ANTICORRUPÇÃO (12.846/13)
  • 25. Fonte: Controladoria Geral da União A lei tem um parâmetro muito importante: a punição nunca será menor do que o valor da vantagem auferida de forma ilícita pela empresa. Desta forma, o decreto 8.420/2015 especifica o cálculo da multa a partir do resultado da soma e subtração de percentuais incidentes sobre o faturamento bruto da empresa. LEI ANTICORRUPÇÃO (12.846/13)
  • 26. JUDICIAL: proibição de receber incentivos, subsídios, subvenções, doações ou empréstimos de órgãos ou entidades públicas e de instituições financeiras públicas ou controladas pelo poder público, pelo prazo mínimo de 1 (um) e máximo de 5 (cinco) anos; - Perdimento dos bens, direitos ou valores que representem vantagem ou proveito direta ou indiretamente obtidos da infração, ressalvado o direito do lesado ou de terceiro de boa-fé; - Suspensão ou interdição parcial de suas atividades; - Dissolução compulsória da pessoa jurídica. LEI ANTICORRUPÇÃO (12.846/13)
  • 27. O acordo de leniência pode ser celebrado com as pessoas jurídicas responsáveis pela prática dos atos lesivos previstos na Lei Anticorrupção, e dos ilícitos administrativos previstos na Lei, com vistas à isenção ou à atenuação das respectivas sanções, desde que colaborem efetivamente com as investigações e o processo administrativo. Compete à Controladoria-Geral da União celebrar acordos de leniência no âmbito do Poder Executivo Federal e nos casos de atos lesivos contra a administração pública estrangeira. Para isso, a empresa deve ajudar a identificar os demais envolvidos na infração, ceder informações (provas) que comprovem o ilícito e reparar integralmente o dano financeiro. ACORDO DE LENIÊNCIA
  • 28. Requisitos  Ser a primeira a manifestar interesse em cooperar para a apuração de ato lesivo específico, quando tal circunstância for relevante;  Cessar a prática da irregularidade investigada;  Admitir a participação na infração;  Cooperar com as investigações;  Fornecer informações que comprovem a infração. ACORDO DE LENIÊNCIA
  • 29. Benefícios  Isenção da obrigatoriedade de publicar a decisão punitiva;  Isenção da proibição de receber de órgãos ou entidades públicos (inclusive bancos) incentivos, subsídios, empréstimos, subvenções, doações, etc.;  Redução da multa em até dois terços (2/3) do valor total;  Isenção ou atenuação da proibição de contratar com a Administração Pública (declaração de inidoneidade);  Previsão de adoção de programa de integridade (compliance). ACORDO DE LENIÊNCIA
  • 30. Dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira, e dá outras providências. A apuração da responsabilidade administrativa de pessoa jurídica que possa resultar na aplicação das sanções previstas no art. 6º da Lei nº 12.846, de 2013, será efetuada por meio de Processo Administrativo de Responsabilização – PAR. DECRETO 8.420 DE MARÇO DE 2015
  • 31. Quem somos Objetivos Introdução Lei 12.846/13 Implicações e Sanções Compliance Pilares do programa Benefícios Contato  SUMÁRIO
  • 32. Por que ter o seu?  Evitar que a empresa envolva-se em atos de corrupção;  Aumento concreto do VALOR da empresa pois atos de corrupção estarão mitigados;  Redução das penalidade previstas por leis brasileiras e estrangeiras e (FCPA, UK Bribery Act);  Possibilidade de penalizar o parceiro comercial ou agente corruptor interno;  Maior facilidade em identificar o ato de corrupção;  Facilitação para obtenção de um Acordo de Leniência. PILARES DE UM PROGRAMA DE COMPLIANCE
  • 33. Avaliação de Risco Monitoramento e Auditoria Alta Administração Comunicação e Treinamento Políticas e Controles Internos Investigação e reporte (Helpline) Due Diligene Revisão periódica do Programa AC PILARES DE UM PROGRAMA DE COMPLIANCE
  • 34. Elementos de um Programa CÓDIGO DE CONDUTA COMITÊ DE ÉTICA Politicas e Procedimentos Canal de Denúncias Gestão de Terceiros Treinamentos PILARES DE UM PROGRAMA DE COMPLIANCE
  • 35. Código de conduta Código de conduta é um conjunto de regras para orientar e disciplinar a conduta de um determinado grupo de pessoas de acordo com os seus princípios. É geralmente utilizado por empresas., organizações, Ética Respeito Transparência Integridade Cidadania Lealdade Responsabilidade PILARES DE UM PROGRAMA DE COMPLIANCE
  • 36. Comitê de Ética  Responsável pela gestão, coordenação, e atualização do Programa de Compliance de acordo com o Código de Conduta da Organização;  Responsável por disseminar os normativos de Compliance para todos os colaboradores;  Responsável por avaliar e decidir sobre as questões de Compliance;  Independente;  Autonomia adequada. PILARES DE UM PROGRAMA DE COMPLIANCE
  • 37. Políticas e Processos  Extensão a todos os colaboradores e principais terceiros que tenham interação com o Poder Público, empresas de consultoria, representantes comerciais, distribuidores, procuradores, etc.  Deverão ser didáticos, no idioma local, e refletir ao máximo situações concretamente e corriqueiramente vivenciadas, ilustradas a partir de exemplos práticos e estudos de casos hipotéticos. Deverão incluir:  Procedimentos anticorrupção;  Regras sobre brindes e presentes;  Doações, Viagens, entretenimento e refeição;  Contratação e utilização de terceiros; etc. PILARES DE UM PROGRAMA DE COMPLIANCE
  • 38. Canal de Denúncia  Oferecer mecanismo que possibilitem o recebimento de denúncias (“hotlines”) de colaboradores e de terceiros, mantendo-se a confidencialidade, anonimato e impedindo retaliações;  Fiscalizar a pronta resposta às denúncias recebidas pelos canais de comunicação e “hotlines”. As investigações devem ser executadas com respeito às leis aplicáveis, para que tenham credibilidade e possam ser utilizadas como meio de prova. PILARES DE UM PROGRAMA DE COMPLIANCE
  • 39. Gestão de Terceiros  Conjunto de ações adotadas para assegurar que os terceiros que atuem na Organização ou em nome da Organização sigam as condutas éticas estabelecidas. Estas ações incluem: • Inclusão de cláusulas de Compliance nos contratos. • Dar ciência e aplicar treinamento referente ao Código de Conduta. • Monitoramento constante da conduta exercida pelo terceiro. • Realização de auditorias periódicas de Compliance.  Customer Due Diligence;  Supplier Due Diligence. PILARES DE UM PROGRAMA DE COMPLIANCE
  • 40. Treinamento  Desenhados para disseminar a cultura ética e as políticas e procedimentos internos nos quais os colaboradores de uma Organização deverão basear a sua atuação profissional.  Aplicável a todos os colaboradores e terceiros que agem em nome da Organização.  Deverão ser atualizados periodicamente.  Manter registro dos treinamentos. PILARES DE UM PROGRAMA DE COMPLIANCE
  • 41. Glades Chuery Gerente de Compliance glades.chuery@nkauditoria.com.br
  • 42. 42 © 2015 NK. Todos os direitos reservados. Neste documento, “NK” refere-se à NK Consultoria, NK Contabilidade e NK Auditoria. Firma-membro da INPACT International, com sede global em Londres e está presente em mais de 70 países.