A Crise do Capitalismo nos Anos 30 . . .
A crise do capitalismo:  Superprodução <ul><li>Na década de 20, os EUA viveram um período de prosperidade económica para o...
O  crash  e a depressão económica   <ul><li>As acções não paravam de subir. Os especuladores recorriam ao crédito. Em Outu...
O “ciclo vicioso” da crise Falência dos Bancos Fim do crédito Desemprego Falência das empresas Diminuição do consumo Dimin...
A crise do capitalismo:  Superprodução <ul><li>A crise americana iniciada em 1929, teve uma dimensão mundial, com algumas ...
Mundialização da crise <ul><li>A crise de 29 estendeu-se, primeiro à Europa e depois ao resto do mundo.  </li></ul><ul><li...
Consequências do crash da bolsa CRASH DA BOLSA <ul><li>descida do valor das acções; </li></ul><ul><li>não reembolso dos em...
Os problemas sociais:  desemprego   <ul><li>A crise económica foi de imediato seguida por uma profunda crise social: </li>...
Actividades <ul><li>1 – Refere os factores que conduziram à crise de superprodução nos finais da década de 20. </li></ul><...
A intervenção do estado na economia:  New Deal <ul><li>A gravidade da crise levou os estados a intervir na economia. As pr...
Resultados da New Deal <ul><li>A aplicação das medidas teve como consequência: </li></ul><ul><ul><li>Aumento do emprego; <...
Actividades <ul><li>1 – Identifica o presidente americano que desenvolveu o New Deal. </li></ul><ul><li>2 – Refere as prin...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Crise 1929

81.263 visualizações

Publicada em

Documento de apoio às aulas de 9º ano.
http://historian.blogs.sapo.pt/

2 comentários
26 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
81.263
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
31.584
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.636
Comentários
2
Gostaram
26
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Crise 1929

  1. 1. A Crise do Capitalismo nos Anos 30 . . .
  2. 2. A crise do capitalismo: Superprodução <ul><li>Na década de 20, os EUA viveram um período de prosperidade económica para o qual contribuíram os seguintes factores: </li></ul><ul><ul><li>crescimento de novas indústrias como a automóvel, química…; </li></ul></ul><ul><ul><li>aumento da produção devido à aplicação de novos métodos de produção e aos progressos técnicos; </li></ul></ul><ul><ul><li>desenvolvimento da agricultura com a mecanização. </li></ul></ul><ul><li>Este crescimento económico provocou um excesso de optimismo nos investidores. Na Bolsa de Nova Iorque, os títulos eram vendidos a preços muito altos, todos arriscavam investir na bolsa. Algumas pessoas chegavam a pedir empréstimos para investir. Como resultado da grande procura de acções, a cotação das empresas subia sem, contudo, terem aumentado os seus lucros. Era assim uma prosperidade frágil, falsa. </li></ul><ul><li>Entre 1924 e 1929 alguns sectores da indústria e da agricultura começaram a dar sinais de crise. A Mecanização e os novos métodos de produção levaram à saturação dos mercados e consequentemente a uma baixa dos preços = DEFLAÇÃO . A OFERTA tornou-se MAIOR do que a PROCURA = CRISE DE SUPERPRODUÇÃO </li></ul>
  3. 3. O crash e a depressão económica <ul><li>As acções não paravam de subir. Os especuladores recorriam ao crédito. Em Outubro de 1929 as acções começavam a descer. O pânico apoderou-se dos investidores que tentam vender a qualquer preço. </li></ul><ul><li>Em 24 de Outubro de 1929, a chamada Quinta-feira Negra, dá-se o Crash na Bolsa de Wall Street. Nesse dia numerosos accionistas tentaram vender as suas acções, fazendo com que o seu valor baixasse abruptamente, não havendo um único comprador. </li></ul><ul><li>A Bolsa entra em ruptura . À falência dos accionistas seguiu-se a falência dos bancos , uma vez que os especuladores não tinham como pagar os empréstimos. </li></ul><ul><li>A crise alastrou rapidamente levando à falência as empresas ; </li></ul><ul><li>Aumentou o desemprego , diminuiu o consumo … Entrou-se assim num ciclo de crise em que crise gera crise… </li></ul><ul><li>As famílias que viviam bem, perderam os seus bens e viram-se em casa sem trabalho e sem meios de subsistência; </li></ul><ul><li>O desemprego levou a situações de fome. </li></ul>
  4. 4. O “ciclo vicioso” da crise Falência dos Bancos Fim do crédito Desemprego Falência das empresas Diminuição do consumo Diminuição da procura Falência das empresas
  5. 5. A crise do capitalismo: Superprodução <ul><li>A crise americana iniciada em 1929, teve uma dimensão mundial, com algumas excepções, como é o caso da URSS; </li></ul><ul><li>Foi uma crise diferente das que até então ocorreram, porque se fez sentir em todos sectores da economia e porque foi devida à SUPERPRODUÇÃO . Não foi uma crise provocada pela subida de preços e pela quebra do poder de compra, como era habitual, mas ao contrário, ficou a dever-se à DEFLAÇÃO; </li></ul><ul><li>Esta crise pôs em causa o capitalismo liberal, que assentava na ideia de que os problemas económicos se resolveriam por eles mesmos, isto é sem intervenção do estado e pôs em causa a crença na capacidade das economias fazerem crescer continuamente a produção. </li></ul>
  6. 6. Mundialização da crise <ul><li>A crise de 29 estendeu-se, primeiro à Europa e depois ao resto do mundo. </li></ul><ul><li>Como? </li></ul><ul><ul><li>Os EUA reduziram as suas importações da Europa, provocando a falência de muitas empresas; </li></ul></ul><ul><ul><li>Retiraram os capitais que tinham aplicado em bancos e empresas estrangeiras. </li></ul></ul><ul><li>Resto do mundo: Como? </li></ul><ul><ul><li>A Europa e os EUA, em crise, deixam de comprar matérias-primas aos países e às colónias de África, da Ásia, da América Latina; (no Brasil provocou a ruína dos produtores de café que foi lançado ao mar ou aproveitado para combustível das locomotivas) </li></ul></ul>
  7. 7. Consequências do crash da bolsa CRASH DA BOLSA <ul><li>descida do valor das acções; </li></ul><ul><li>não reembolso dos empréstimos feitos aos especuladores; </li></ul><ul><li>levantamento maciço de capitais e de depósitos. </li></ul>Levantamento de capitais investidos no estrangeiro Suspensão do crédito Falência dos bancos A crise generaliza-se na Europa, no resto do mundo capitalista e nas colónias. ao consumo diminuição do consumo <ul><li>aumento dos stocks </li></ul><ul><li>baixa generalizada dos preços </li></ul>Falência e contracção da produção às empresas Dificuldades financeiras com as empresas Paragem dos investimentos redução dos negócios e dos lucros das empresas desemprego
  8. 8. Os problemas sociais: desemprego <ul><li>A crise económica foi de imediato seguida por uma profunda crise social: </li></ul><ul><ul><li>despedimentos em massa; </li></ul></ul><ul><ul><li>muita mão-de-obra disponível que se oferecia para trabalhar por baixos salários; </li></ul></ul><ul><ul><li>as entidades empregadoras não conseguiam escoar a produção e, paradoxalmente , destroem os stocks para tentarem aumentar os preços de venda dos produtos; </li></ul></ul><ul><ul><li>milhões de trabalhadores ficam sem emprego e na miséria, sem quaisquer subsídio; </li></ul></ul><ul><ul><li>cresceu a mendicidade, a criminalidade, a prostituição, os suicídios e os antagonismos sociais; </li></ul></ul><ul><ul><li>a falência dos bancos trouxe a ruína de milhões de pequenos investidores e reformados que ficaram sem as suas poupanças. </li></ul></ul><ul><li>Os vários sectores económicos e toda a população, reclamam do estado uma urgente intervenção económica e social; </li></ul><ul><li>Rapidamente, a crise económica e social se converte, igualmente, numa crise política. </li></ul>
  9. 9. Actividades <ul><li>1 – Refere os factores que conduziram à crise de superprodução nos finais da década de 20. </li></ul><ul><li>2 – Explica como se deu o crash na Bolsa de nova Iorque. </li></ul><ul><li>3 – Relaciona a crise na Bolsa de Nova Iorque com o desmoronamento da economia que se verificou a seguir. </li></ul><ul><li>4 – Caracteriza a situação social provocada pela crise económica. </li></ul><ul><li>5 – Justifica a mundialização da crise. </li></ul><ul><li>6 - Pensa: …” destroem os stocks para tentarem aumentar os preços de venda dos produtos” </li></ul><ul><li>De que forma as políticas económicas actuais, nomeadamente na União Europeia, procuram evitar esta situação? </li></ul><ul><li>7 – Pensa e comenta: </li></ul><ul><li>O capitalismo e o desenvolvimento económico dependem muito do recurso ao crédito. Seria impossível a criação de algumas empresas sem a ajuda do crédito bancário. Contudo, quando se abusa do recurso ao crédito, sobretudo para aplicar em actividades não lucrativas (férias, produtos de consumo diário…), as consequências são muitas vezes trágicas… </li></ul>
  10. 10. A intervenção do estado na economia: New Deal <ul><li>A gravidade da crise levou os estados a intervir na economia. As primeiras medidas foram a redução das importações e o fomento das exportações. </li></ul><ul><li>Nos EUA foi posto em prática, por Franklin Roosevelt, uma política de combate à crise, a New Deal: </li></ul><ul><ul><li>Defendia a intervenção do estado na economia, tentando aumentar o consumo e dinamizar a economia. </li></ul></ul><ul><ul><li>Para tal tentou diminuir o desemprego e aumentar o poder de compra. </li></ul></ul><ul><li>Como? </li></ul><ul><ul><li>Na indústria: limitou os níveis de produção, fixou preços mínimos para os produtos, baixou as taxas de juro do crédito bancário e diminuiu os impostos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Combate ao desemprego: desenvolveu um programa de obras públicas, barragens, estradas, edifícios públicos, etc; desta forma criavam-se novos postos de trabalho e relançavam-se as empresas; </li></ul></ul><ul><ul><li>Domínio social: foi fixado o salário mínimo, 40h de trabalho semanal, criado o subsídio de desemprego, de doença, de invalidez e a reforma na velhice. </li></ul></ul>
  11. 11. Resultados da New Deal <ul><li>A aplicação das medidas teve como consequência: </li></ul><ul><ul><li>Aumento do emprego; </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento do poder de compra; </li></ul></ul><ul><ul><li>Retoma do consumo. </li></ul></ul><ul><li>A crise era um “ciclo vicioso negativo” a New Deal transformou-se num “ ciclo de prosperidade”. </li></ul><ul><li>Com o aumento da procura, deu-se um aumento da produção, as fábricas voltaram a trabalhar e a contratar novos trabalhadores. </li></ul><ul><li>Na Europa </li></ul><ul><ul><li>A Grã-Bretanha e a França aplicaram medidas semelhantes às dos EUA, com igual sucesso. </li></ul></ul><ul><ul><li>Na Itália, Alemanha e Portugal, estas medidas não surtiram efeito. Os governos foram considerados incapazes de resolver a situação e, consequentemente, o poder foi tomado por DITADORES. </li></ul></ul>
  12. 12. Actividades <ul><li>1 – Identifica o presidente americano que desenvolveu o New Deal. </li></ul><ul><li>2 – Refere as principais medidas do New Deal. </li></ul><ul><li>3 – Indica as medidas tomadas nos EUA para fazer face ao problema do desemprego. </li></ul><ul><li>4 – Explica o ciclo de prosperidade iniciado com a aplicação da New Deal. </li></ul><ul><li>5 – Avalia o resultado das medidas tomadas pelos principais países europeus para recuperar da crise. </li></ul><ul><li>Doc. elaborado pela prof. Margarida Moreira </li></ul>

×