SlideShare uma empresa Scribd logo
História
O Voleibol foi criado em 1895, pelo professor de Educação Física Willian George Morgan,
diretor do departamento de educação física associação cristã de moços (ACM) de Holyoke, em
Massachusetts, Estados Unidos.

Com o intuito de ser um jogo recreativo para senhores e incentivar a prática de atividades
físicas em quadras cobertas ; Impressas as primeiras regras em 1897, o jogo começou a ganhar
popularidade a partir de 1910, quando se construíram quadras em parques públicos de
diversas cidades americanas.
Na
primeira guerra mundial a Europa conheceu o novo esporte por intermédio de soldados
americanos. Em 1936, iniciou-se o movimento para a fundação de um órgão internacional de
Voleibol, congrega entidades nacionais para a orientação do esporte e promoção de
competições, a mais importante das quais é o campeonato mundial, realizado desde 1949. O
esporte passou a integrar a programação dos Jogos Olímpicos em 1964, no Japão. Introduzido
nas escolas, logo alcançou grande popularidade; Em 1947 foi fundada a Federação
Internacional de Voleibol (FIVB), que regulamentava o esporte em todo o mundo.
Não se sabe ao certo quando o Voleibol chegou ao Brasil. Há quem afirme que o
Colégio Marista de Pernambuco foi quem realizou a primeira partida de Voleibol em solo
Brasileiro. Hoje temos documentos que provam que o Voleibol foi introduzido no Brasil pela
Associação Cristã de Moços; No primeiro campeonato Sul-Americano de Voleibol promovido
pela confederação Brasileira de Desportos (CBD) em 1951, o Brasil ganhou os títulos nas
categorias Masculina e Feminina. Participando pela primeira vez de uma olimpíada, em 1964,
no Japão, a seleção brasileira de voleibol classificou-se em sétimo lugar na categoria
Masculina, Em Agosto de 1954, foi criada a confederação Brasileira de Voleibol, com a
finalidade de regulamentar a prática do esporte no país.
A primeira bola de voleibol foi uma câmara de bola de basquetebol. Mais tarde, Morgan
solicitou a firma A.G..Stalding&.Brothers a fabricação uma bola para o referido esporte.
Considerações sobre o voleibol

O Voleibol é um jogo em que os jogadores usam as mãos, porém só para tocar a bola.
Não é permitido carregar ou segurar bola. Controlada apenas por toques das as mãos, a bola
deve ser lançada para o campo adversário e vice- versa, por cima da rede separa os campos de
cada equipe.
O Voleibol inicia com a bola sendo lançada para o campo adversário por um jogador
que se coloca atrás da linha de fundo de seu campo. Este lançamento é chamado saque. O
direito ao primeiro saque. O direito ao primeiro saque à posse é decidido por sorteio.
O objetivo do jogo é fazer com que a bola caia no chão do campo adversário. Quando a equipe
adversária não consegue devolver a bola dentro da área do jogo (bola fora) ou quando,
utilizando até três toques, não consegue devolver a bola, a equipe que fez o lançamento marca
pontos.
Quando a equipe que saca erra, seu adversário adquire o direito ao saque, realizando antes
um rodizio das posições dos jogadores na quadra. Essa característica torna o voleibol um jogo
bastante dinâmico, em que todos devem saber atuar em todas as posições.
Para atingir os objetivos do jogo, é necessário que os atletas de uma equipe passem a bola
entre si, utilizando até três toques, de modo que a bola seja lançada para o campo adversário.
Uma partida de voleibol é disputada com 12 jogadores,6 cada equipe. cada equipe por vez
deve ser composta por 12 jogadores 6 em cada equipe que iniciam o jogo e 6 reserva que
normalmente, no decorrer do jogo substituem os jogadores.
Ao entrar em campo, 3 se colocam mais para o fundo da quadra. São os defensores.
O voleibol é jogado em sets. Quando uma das equipe atinge a contagem de 15 pontos, com
uma diferença mínima de dois pontos em relação ao adversário, completa-se nas partidas
oficiais disputam-se o melhor de cinco sets. Portanto, vence o jogo a equipe de ganhar 3 sets.
Uma partida de voleibol não termina empatada. Extraoficialmente pode ser realizadas partidas
disputando-se o melhor de 3 sets
Os jogos oficiais devem ser conduzidos por dois árbitros. 2 fiscais de linha e 1 anotador – são
chamados oficiais do voleibol. Os árbitros assinalam as violações e determinam as penalidades.
Os fiscais de linha auxiliam os árbitros. O anotador registra todas as ocorrências da partida
Em jogos internacionais são exigidos quatro fiscais de linha.
A quadra de voleibol deve medir 18 m x 9 m
De seguinte forma ela é organizada:
As linhas laterais e de fundo servempara indicar a área de jogo.
A linha central divide a quadra ao meio e indica a área de jogo de cada equipe.
A área de cada equipe, por sua vez, é dividida em zona de ataque e zona de defesa pela linha
de ataque.
A zona de ataque é o local onde são realizados os ataques. A zona de defesa é onde,
geralmente são divididos os saques.
A rede, devido à altura em que e colocada, exige dos jogadores um bom controle de bola.
As antenas servem para indicar se as bolas lançadas por cima da rede então dentro ou fora da
área de jogo.
A zona de saques limita a área de onde se executa o saque.
Técnicas do voleibol
A partida de voleibol é iniciada com um saque, vejamos como executar o saque:
O saque
O objetivo principal do saque é colocar a bola do jogo. Porém, quando bem executado,
colocado e forte ele se torna o meio mais rápido e simples de se converter o lançamento em
pontos.
O iniciante, porém, deve ser preocupar mais com a precisão e regularidade do saque, deixando
para adquirir maior potência quando já estiver maior domínio da técnica.
Saque por baixo
Para iniciante de voleibol, a posição indicada para saque é: pé esquerdo na frente, pernas
semiflexionadas e braço esquerdo segurando a bola à altura dos joelhos. Ao mesmo tempo em
que solta à bola com a mão esquerda, o jogador faz um movimento de baixo para cima com o
braço direito, tocando a bola com a mão aberta e os dedos unidos ou, ainda, com a mão
fechada.
A execução do saque exige muita atenção, pois os erros do saque são considerados infrações.
O jogador que saca deve estar fora da quadra, dentro da zona de saque. No momento da
execução nenhum jogador poderá estar foda quadra.
Através do saque a bola e envida para o campo adversário. Os jogadores que esperam receber
a bola devem manter-se em posição em posição de guarda ou de expectativa: pernas
semiflexionadas um pé mais para frente, o corpo um pouco inclinado para frente e as mãos
prontas para tocar a bola. Partindo dessa posição podem-se realizar todos os movimentos que
permitam controlas a bola atacando e defendendo.
Na recepção de bola o jogador quem estiver no ataque não deve ficar muito próximo à rede
pois assim não poderá rebater muitas e terá atuação bastante limitada com isso dará mais
trabalho aos companheiros, que terão de dar cobertura a uma área maior.
Recomendações para o saque
Coloque-se na zona de saque, com o corpo voltado para o centro da quadra do adversário.
Concentre-se antes de iniciar o saque
Ao soltar a bola, evite que ela vá muito alto.
Se, ao soltar a bola, perceber que a posição não está boa para golpeá-la, deixe que caísse no
chão e repita o lance.
Saque tênis
O saque estilo “tênis” é assim chamado porque o movimento feito pelo jogador é semelhante
ao do tenista para fazer o “serviço “.
Para executa-lo, o jogador se coloca atrás da linha final, de frente para a rede, pé esquerdo
adiantado (posição para que as pessoas que usam a mão direita para bater), pernas
semiflexionadas, braço esquerdo flexionado à frente do corpo, com a palma voltada pra cima
sustentado a bola. O outro braço estendido ao longo do corpo.
A bola é, então, lançada para o alto e para frente do corpo, atingindo uma altura de
aproximadamente 0,70 m da cabeça do executante. O braço direito é levantado flexionado
para o alto, acima da cabeça. A bola é batida acima da cabeça, com mão e os dedos para o
alto, acima da cabeça. A bola é batida acima da cabeça, com a mão e os dedos cerrados e
ligeiramente flexionados. O movimento do braço é rápido e o golpe é efetuado com “quebra
de pulso”. O tronco flexiona-se e o peso do corpo é transferido para a perna da frente,
avançando-se a perna de trás.
Toques De Bola
Toque de bola é a maneira como tocamos a bola no voleibol. Através de toque de bola
é que fazemos a recepção, o passe e o levantamento, de modo que o resultado ofensivo final
das jogadas dependerá de recebermos ou passarmos a bola com perfeição.
Quando recebe o saque, o jogador pode:
Tocar a bola imediatamente para o campo adversário;
Passá-la para um companheiro que, por sua vez, torna a passa-la para um terceiro
companheiro e este, então, toca-a para o campo adversário.
A bola não pode ser tocada mais que três vezes pela equipe e um mesmo jogador não pode ser
tocada mais que três vezes pela equipe e um mesmo jogador não pode tocá-la duas vezes em
seguida.
O jogador deve usar as mãos para tocar a bola. Porém a bola poderá tocar em
qualquer parte do copo sem que ocorra infração.
Dependendo de como a bola chega ao seu campo, o jogador pode empregar um tipo
de toque diferente para recebê-la e dominá-la melhor.
Toque de bola por cima
Para receber bolas altas com pouca velocidade utiliza-se toque de bola por cima.
O Contato com a bola é feito com as extremidades internas dos dedos e com maior
apoio dos indicadores e polegares.
O jogador deve usar as mãos para tocar a bola. Porém a bola poderá em qualquer parte do
corpo sem que ocorra infração.
Dependendo de como a bola chega ao seu campo, o jogador pode empregar um tipo de toque
diferente para recebê-la e dominá-la melhor.
Toque de bola por cima
Para receber bolas altas com pouca velocidade utiliza-se toque de bola por cima.
O contato com a bola é feito com as extremidades internas dos dedos e com maior apoio dos
indicadores e polegares.
Assim, para o toque por cima o jogador deve:
Calcular a trajetória da bola e colocar-se em posição de intercepta-la
Evitar separar demais os braços
Evitar bater a bola com as palmas da mão
Em seguida ao levantamento da bola, um terceiro jogador ainda pode utilizar o toque de bola
por cima para fazer um ataque.
Partindo da posição de guarda, como ele observa a trajetória da bola e se coloca em posição
para intercepta-la. No momento em que a bola está próxima, estende ao mesmo tempo as
pernas, o tronco e os braços, fazendo com que a bola seja arremessada com boa velocidade
para a quadra adversaria.
Desta maneira a bola passa para a quadra adversaria muito bem colocada.
Toque de bola por baixo ou manchete
Há ocasiões em que a bola chega com grande velocidade ou estamos em posição que nos
impede de toca-la por cima. Nestes casos, usamos o toque de bola por baixo, que também é
chamado manchete
Para fazer a manchete o jogador parte da posição de guarda, projeta os ombros e estende os
braços em direção à bola. Quando a bola toca o braço, o jogador estende as pernas.
Posição dos braços para a execução da manchete.
Ao executar a manchete evite:
Flexionar o tronco;
Separar os braços;
Flexionar os braços;
Fazer movimentos bruscos;
Manter os músculos contraídos;
Devido à ação defensiva mais rápida, com saque mais preciso e forte do voleibol
moderno, as equipes passaram a usar quase exclusivamente a manchete são os movimentos
que permitem o controle da bola no voleibol. Por isso, é importante treinar para dominar
perfeitamente suas técnicas de execução.
Teoria & Prática
A bola e sua trajetória
[...] Sempre que a bola é arremessada, ela segue um caminho, chamada trajetória, A trajetória
da bola pode ser em linha reta, como nos passes de peito do basquetebol, ou pode ser em
uma linha curva, como nos arremessos à cesta.
[...] No voleibol a bola deve seguir uma trajetória curva na preparação para o ataque. Porém
na cortada deve seguir em linha reta, pois assim chegará ao chão com maior velocidade.
Cortada
A cortada é um tipo de ataque muito utilizada pelos jogadores no voleibol. Consiste em
golpear a bola, rápida e violentamente, com uma das mãos, procurando fazê-la tocar em
quadra adversário.
A cortada estilo tênis: antes de mais nada o atleta deve permanecer atento a tudo que
se passa da quadra. Ao perceber que o levantador colocou a bola em sua direção ele dá uma
corrida em direção à bola. Esta é a fase da corrida.
Mantendo a velocidade, o atleta prepara-se para a impulsão. Esta é a fase da
aproximação.
Quando chega aproximadamente, a 1 metro da rede, faz uma parada brusca, colocando o pé
esquerdo à frente. Arrasta a perna direita junto da esquerda, flexionando-as enquanto leva os
braços para trás, simultaneamente e estende as pernas e eleva os braços, violentamente. Com
esses movimentos ganha impulsão e eleva-se no ar.
Nesta fase, chamada de flutuação, o jogador se projeta verticalmente no ar e levanta
os braços para manter o equilíbrio. Assim, mantém-se momentaneamente no ar.
Então, ainda no ar, o atleta faz uma pequena rotação do tronco para a direita, estende
o braço esquerdo para frente, enquanto leva o braço direito para trás. Desta maneira, preparase para bater na bola.
Assim que o jogador se aproxima da bola, estende o braço direito, batendo a bola de
cima para baixo, a bola é batida com a palma da mão, pouco acima e a frente da cabeça. O
jogador dá um tapa na bola, procurando enviá-la a uma parte desguarnecida da quadra
adversária.
Enquanto amortece a queda, flexionando as duas pernas, o atleta continua
observando a trajetória da bola, pois a equipe adversária pode defender a cortada e contra
atacar rapidamente.
Quando uma cortada não é feita com muita violência e a bola está alta, é possível fazer
a defesa com toque de bola por cima. Porém se a cortada foi violenta e/ou a bola está baixa, o
melhor é fazer defesa com uma manchete.
Bloqueio
Quando as cortadas são efetivadas junto à rede, é mais difícil fazer a defesa através do
toque da bola, porque o cortador pode bater a bola com mais violência e coloca-la bem mais
próxima da rede. Nestes casos, a melhor defesa é o bloqueio.
Para fazer o bloqueio, quando o jogador percebe que o adversário fara uma cortada
junto à rede, ele salta com os braços levantados, quase ao mesmo tempo em que o cortador, a
fim de impedir que a bola passe para a sua quadra.
Quando o bloqueio é feito por um jogador, temos o bloqueio simples; quando é feito
por dois jogadores, temos o bloqueio duplo por três jogadores, o bloqueio triplo.
Para que você possa aprender perfeitamente como se faz o bloqueio, vamos ver
separadamente cada uma das fases.
Na fase de preparação, o jogador está com os braços flexionados e as mãos acima dos
ombros. As palmas das mãos estão voltadas para frente e os dedos abertos, prontos para
interceptar a bola. O jogador deve observar atentamente a preparação dos adversários para o
ataque.
Ao perceber qual o jogador vai dar a cortada, o bloqueador se movimenta em direção a bola,
Flexionando as pernas e saltando logo depois que o cortador saltar. Esta é a Fase de impulsão.
A seguir vem à fase de elevação. O jogador salta e estende os braços para cima,
procurando interceptar a bola. Mantém os dedos abertos e a palma das mãos voltada para
frente.
Na elevação, o jogador deve ter cuidado para não tocar na rede e cometer uma infração.
O bloqueador deve estar bem atento, observar a bola e o movimento do cortador.
Percebendo para qual lado o adversário lançará a bola, faz o bloqueio com as mãos voltadas na
direção da bola.
O bloqueador deve saltar um pouco depois do cortador. Se saltar ao mesmo tempo, já
estará caindo quase a cortada for executada.
O bloqueador amortece a queda flexionando as duas pernas, procurando cair em posição de
guarda, pronto para qualquer outra intervenção.
Ao fazer um bloqueio, ele deve ser protegido pelos seus companheiros para não ser
enganado pelo atacante.
Quando o cortador percebe que o jogador adversário saltou para bloquear, ele pode
fingir que vai cortar e apenas toca a bola, desviando-a do bloqueador. Esta jogada recebe o
nome de bola largada.
Recomenda-se que um ou mais jogadores coloquem-se próximos do bloqueador a fim
defender as bolas largadas ou as bolas rebatidas no bloqueio. Esta é a cobertura do bloqueio.

Táticas do voleibol
Para o melhor entendimento técnico e tático das definições sobre os sistemas de jogo
adotados no voleibol, é necessário, em primeiro lugar, ter sempre presente as posições
que os atletas ocupam na quadra, de acordo com a definição da regra.

POSIÇÕES:
No momento em que a bola é golpeada pelo sacador, cada equipe deve estar
posicionada dentro de sua própria quadra na ordem de rotação (exceto o sacador).
A posição dos jogadores é numerada como na figura abaixo:

Posicionamento em quadra
A posição nº 1 chama-se defesa direita, e é a posição do saque.
A posição nº 2 chama-se saída de rede.
A posição nº 3 chama-se meio de rede.
A posição nº 4 chama-se entrada de rede.
A posição nº 5 chama-se defesa esquerda.
A posição nº 6 chama-se defesa central.
As posições 4, 3 e 2 são de ataque, portanto, somente os jogadores que as ocupam
podem atacar e bloquear dentro da zona de ataque.
As posições 1, 6 e 5 são de defesa, os jogadores que as ocupam não podem
bloquear, e só podem atacar se estiverem posicionados atrás da linha de ataque, na zona
de defesa.

Quando a equipe que não sacou vence o rali, ela realiza um rodízio no posicionamento
de seus jogadores e terá o direito de sacar. O rodizio é realizado no sentido horário.

Sentido do rodízio

Esse rodízio obrigatório faz que, no desenvolvimento da partida, cada jogador tenha que
ocupar cada uma das seis posições da quadra, fato que implica, pelo menos em tese, que
os jogadores dominem todos os fundamentos técnicos do jogo.
O posicionamento inicial (PI) será anotado em uma súmula apropriada, para que se
tenha controle dos rodízios e para que as equipes de arbitragem cumpram a regra do
posicionamento. Ela determina que, até o instante da execução de cada saque, todos os
jogadores das duas equipes respeitem seus posicionamentos de rodízio e estejam
ocupando sempre as suas posições. Após o golpe dado pelo sacador, os jogadores
poderão deixar os seus posicionamentos obrigatórios de rodízio.
LINHAS

DE

CORRESPONDÊNCIA:

É uma linha imaginária, que orienta o posicionamento dos jogadores antes da bola ser
golpeada pelo sacador. Esta linha deve seguir a orientação de ordem de posicionamento
da
seguinte
forma:

O jogador da posição 1 deverá estar atrás do jogador da posição 2 a direita do jogador da
posição 6;
O jogador da posição 3 deverá se posicionar entre os das posições 4 e 2 e à frente do
jogador da posição 6;
O jogador da posição 4 se posicionará a esquerda do jogador da posição 3 e à frente do
jogador da posição 5;
O jogador da posição 5 deverá estar atrás do jogador da posição 4 e à esquerda do
jogador da posição 6;
O jogador da posição 6 estará entre os das posições 5 e 1 e atrás do jogador da posição
3.
Posicionamento dos jogadores no momento do saque

Lembrem-se que somente os jogadores da linha de ataque (posições 2, 3 e 4) podem
participar normalmente das jogadas de rede (ataque e bloqueio). O jogador de defesa
(posições 5, 6 e 1), caso apoie os pés na zona de ataque, não poderá efetuar ataques com
a bola estando a uma altura superior à borda da rede. Para tanto, ele deverá saltar de trás
- antes da linha, ainda na zona de defesa - da linha de ataque, sem pisar nesta. Ele
também
não
poderá
em
qualquer
circunstância
realizar
bloqueios.
ZONA DE ATAQUE E DEFESA

SISTEMAS OFENSIVO:
Os sistemas de jogo utilizados nas táticas do voleibol, também são chamados de
sistemas ofensivos, pois levam em consideração a forma com a qual distribuem-se e
divide-se o número de atacantes e levantadores, entre os seis jogadores e quadra.

No voleibol, de acordo com o estudo tático, os jogadores são divididos em cortadores
ou
atacantes
e
levantadores.

Durante a partida, após a equipe se defender de um saque ou de uma ataque
adversário, o segundo jogador a tocar na bola geralmente executará o toque de
levantamento, que é uma preparação para o ataque. Os jogadores que, dentro de uma
equipe, melhor executam o toque de levantamento são chamados de levantadores. Para
essa função, é necessário que o jogador tenha um bom toque de bola, seja calmo e tenha
muita
iniciativa.

O jogador que tem a função de cortar e chamado de cortador ou atacante. Para essa
função, é necessário que o jogador tenha boa impulsão, seja observador e saiba enviar a
bola
de
maneira
que
o
adversário
não
possa
se
defender.
Os sistema táticos mais utilizados atualmente são o "6x6", o "3x3", o "4x2" simples,
"4x2" com infiltração e o "5x1".
O primeiro número indica o número de "cortadores" ou "atacantes" e o segundo número
o do(s) levantador(es).
Basicamente a escolha por um ou por outro sistema decorrerá do material humano à
disposição do técnico. Cabe ressaltar que uma série de fatores e de pré-requisitos técnicos
individuais dos atletas (fundamentos) e de aspectos táticos é que vai ser utilizado pelo
técnico para a escolha do sistema para a equipe.

Atualmente tem maior utilização nas equipes de alto nível o sistema "5x1", no qual há
uma verdadeira "especialização" dos atletas, ainda mais com a introdução do jogador
líbero, especializado em defesa, pois atua somente nas posições 5,6 e 1. A nível de
seleções nacionais a esmagadora maioria utiliza este sistema, à exceção da seleção
feminina de Cuba, que utiliza o sistema "4x2". Cabe ressaltar que a seleção Cubana é tricampeã Olímpica, o que prova que o sistema de jogo não determina, exclusivamente,
melhores ou piores resultados, mas sim a melhor combinação das qualidades individuais
dos atletas e sistema de jogo para uma equipe.

SISTEMA "6x6":
No sistema de jogo 6x6, todos os jogadores ocupam a função de levantadores e
atacantes, não havendo a especialização por funções e posições. A zona de
levantamento é a posição 3, dessa forma, no rodízio de saque, quando um jogador estiver
nesta posição, realizará a função de levantador, tendo nas outras posições da zona
ofensiva
a
função
de
cortador.
Este é o sistema mais utilizado pelos iniciantes, pela sua facilidade de compreensão
e assimilação, pois não ocorrem as trocas de posições e infiltrações que fazem parte da
especialização, podendo então, vivenciar todos os fundamentos de forma completa e em
todas
as
posições
das
zonas
ofensivas
e
defensivas.
Sistema 6x6

SISTEMA "3x3":
Neste sistema são três cortadores e três levantadores. Na posição inicial deste sistema,
a distribuição dos jogadores é realizada intercalando-se um levantador e um cortador . Na
atualidade, esse sistema não é mais utilizado devido às dificuldades e deficiências na
armação tática, principalmente no sistema ofensivo. Com o rodízio de jogo, irá coincidir a
presença de dois levantadores e um cortador na rede, sendo esta a maior deficiência no
sistema ofensivo, no qual, por meio de uma troca de posições, um deles poderá realizar a
função
de
atacante.

Serve para equipes com deficiência na habilidade dos atletas, ou para iniciantes, devido
ä facilidade de implementação e desnecessidade de trocas e de infiltração.
Sistema 3x3

SISTEMA "4x2" simples:
Neste sistema, o avanço da especialização das funções dos jogadores dentro da zona
ofensiva e defensiva fica mais evidente e funcional. Os locais de atuação dos jogadores
são qualificados como "zonas de responsabilidade predeterminadas", em que podemos
verificar distintamente as funções de quatro atacantes e dois levantadores. As trocas
realizadas visam uma melhor disposição, equilíbrio e fortalecimento dos sistemas, por
meio das habilidades técnicas e características individuais dos jogadores.
A zona de levantamento é na posição 2. Neste sistema, podemos distinguir dois
posicionamentos
táticos
bem
específicos.

1º

Posicionamento:

A Posição Inicial (PI) - relacionada ao posicionamento dos jogadores no rodízio de saque
para a formação do Sistema de Recepção e de Ataque
2º Posicionamento:
A Posição Final (PF) - relacionada com as trocas de posições, quando os jogadores
deslocam-se para a sua Posição de Especialidade para comporem o Sistema Defensivo.
As funções de acordo com as Zonas de Responsabilidades Predeterminadas estão
assim divididas:
P = 2 atacantes de ponta - atuam nas posições 4 e 5;
M = 2 atacantes de meio - atuam nas posições 3 e 6;
L = 2 levantadores - atuam nas posições 1 e 2.

A posição inicial dos jogadores deve ser oposta por funções, para que tenhamos
sempre, em ambas as zonas, um levantador, um atacante de meio e um de ponta. Então
teremos uma levantador na posição 2 e outro na posição 5, um atacante de meio na
posição 3 e outro na posição 6 e um atacante de ponta na posição 4 e outro na posição 1.
Sistema 4x2 simples Posição Inicial com levantamento na posição 2
Para que cada jogador atue na sua área de especialidade será necessário o uso de
trocas de posicionamento entre os jogadores logo após o saque adversário. Como a regra
não permite a troca antecipada e não se deve prejudicar o sistema de recepção, apenas o
levantador realiza a troca de posição, simultaneamente o golpe de saque, indo ocupar a
Zona de levantamento, e os demais jogadores devem aguardar a efetivação do ataque
para logo após realizarem as trocas de posições, dirigindo-se para a sua posição de
especialização, construindo a Posição final dentro do rodízio. Os jogadores permanecem
nesta posição durante o rally até a definição do ponto, voltando em seguida às suas
posições
de
rodízio
de
saque.
4x2 simples - trocas de posicionamento
Sistema 4x2 simples Posição Final com levantamento na posição 2

Nas formações de rodízio com saque a favor as trocas são realizadas simultaneamente
ao momento do saque, dirigindo-se então os jogadores para atuarem em suas posições de
especialidade
durante
todo
o
rally,
até
a
definição
do
ponto.

SISTEMA "4x2" com infiltração:
Comparando-o com o sistema 4x2 simples, temos duas mudanças básicas:
1º - A infiltração: A distribuição das bolas nos levantamentos está sob a responsabilidade
do levantador, que ocupa a zona defensiva (posições 1, 6 e 5), e "infiltra" entre os
atacantes para efetivar sua distribuição, seja na formação do Sistema de Recepção ou do
Sistema Defensivo.
2º - A Zona de Levantamento: Em virtude de sempre haver três atacantes na Zona
Ofensiva, a Zona de Levantamento é na posição 2 1/2, ou seja, entre os atacantes das
posições 2 e 3.
As funções, de acordo com as zonas de responsabilidade predeterminadas, em
relação à especialidade, estão assim divididas:
P = 2 atacantes de ponta - atuam nas posições 5 e 4;
M = 2 atacantes de meio - atuam nas posições 3 e 6;
L/O = 2 levantadores / Opostos - atuam pela posição 2, como atacantes e pela posição 1
como levantadores.
O levantador/atacante que está na Zona Ofensiva, ocupando-se da função de
atacante, é chamado de Oposto ("O") ou Saída, sendo sua posição final a P2.
Na posição inicial um levantador/oposto estará na zona defensiva na posição 1 e o
outro na posição 4, os pontas nas posições 2 e 5 e os meios nas posições 3 e 6.

4x2 com infiltração - posição inicial
4x2 com infiltração - trocas de posicionamento.
Na posição final, efetuada após o saque do adversário ou a favor, cada jogador
ocupará a sua posição de especialidade, sendo, os pontas nas posições 4 e 5, os meios
nas posições 3 e 6 e os levantadores/oposto como atacante na posição 2 e como
levantador na posição .
4x2 com infiltração - posição final
Na formação do Sistema de Recepção para o saque do adversário, como o levantador
da Zona Defensiva não participa deste sistema, deverá realizar a infiltração, procurando
"esconder-se" do saque adversário ocupando o espaço logo atrás do seu jogador
correspondente, quer dizer, quando estiver na posição 1, estará logo atrás do jogador da
posição 2; quando estiver na posição 6 estará logo atrás do jogador da posição 3; na
posição 5, ocupará o espaço logo atrás do jogador 4.
4x2 com infiltração - infiltração na recepção do saque adversário

Na função de levantador, depois de infiltrar, realizar o levantamento e aguardar a
efetivação do ataque, deverá ir para a sua posição final, a posição 1, infiltrando por esta
posição para efetuar os levantamentos, até o término do rally.
Na situação do saque a favor para compor o sistema defensivo, o levantador deverá
primeiramente realizar a troca de posição para a posição 1 e somente "infiltrará" depois da
1ª ação defensiva da sua equipe, e se for ele que realizará a 1ª ação defensiva, o
levantador que atua como atacante na zona ofensiva ou o atacante de meio serão os
responsáveis pelo levantamento.
A fim de não comprometer o sistema de recepção, no momento do saque
adversário, enquanto o levantador realiza a infiltração, os demais jogadores permanecem
em suas posições para definirem seus ataques nos locais preestabelecidos no sistema de
ataque, para depois realizarem as trocas de posições, dirigindo-se as posições de
especialização, a posição final, permanecendo nesta posição até o final do rally.
Na formação do sistema defensivo, com saque a favor, todos os jogadores realizam
simultaneamente as trocas de posições no momento do saque, dentro das suas
respectivas zonas, dirigindo-se então para a sua posição final.
SISTEMA "5x1":
Cinco atacantes e um levantador. Sistema atualmente utilizado pela esmagadora maioria
das equipes de alto nível, sejam seleções nacionais ou clubes. A adoção deste sistema
necessita das infiltrações, especialização dos jogadores e conseqüente maior habilidade
individual para o sistema ser bem utilizado, pois é o mais difícil.

Didaticamente, podemos dizer que o sistema 5x1 é a junção do sistema 4x2 simples
com o sistema 4x2 com infiltração. Com o levantador estando na zona ofensiva, atuará
como no sistema 4x2 simples, realizando as trocas de posições e indo ocupar a zona de
levantamento na posição 2, porém, quando nas posições da zona defensiva, procederá
como no 4x2 com infiltração, realizando a infiltração e indo ocupar a zona de levantamento
na
posição
2
1/2.

A atuação de somente um levantador é o que mais caracteriza o sistema 5x1. O oposto
recebe a função de ser mais um atacante. Quando o levantador esta na zona ofensiva,
ficando então com dois atacantes na rede, a utilização do ataque atrás da linha de 3
metros (ataque de fundo), principalmente na posição 1, é o desafogo do levantador.

As funções, de acordo com as zonas de responsabilidade predeterminadas, em relação
à
especialidade,
estão
assim
divididas:

P = 2 atacantes de ponta - atuam nas posições 4 e 5;
M = 2 atacantes de meio - atuam nas posições 3 e 6;
O = 1 atacante de saída ou oposto - atua nas posições 1 e 2;
L = 1 levantador - atua pelas posições 1 e 2.
5x1 posição inicial

Na recepção do saque adversário, como a troca de posições antecipada infringiria a regra
e comprometeria o sistema de recepção, somente o levantador realiza a troca, quando
posicionado na zona ofensiva, e a infiltração, quando posicionado na zona defensiva,
simultaneamente ao golpe do saque, enquanto os demais jogadores aguardam a
efetivação do ataque nas posições em que se encontram, para depois realizarem as trocas
para a sua posição de especialização, que será a sua posição final.
5x1 posição final
O levantador, depois de infiltrar, realizar o levantamento e aguardar a efetivação do
ataque, deverá ir para a sua posição final, a posição 1, infiltrando por esta posição para
efetuar os levantamentos, até o término do rally. Quando na zona defensiva na posição 5
ou 6, realizará a troca para a posição 1, sistema defensivo, infiltrando depois da 1ª ação
defensiva da sua equipe, e caso seja ele que realize a 1ª ação defensiva, o jogador de
meio, será o mais indicado para realizar o levantamento aos demais atacantes.
SISTEMAS DE RECEPÇÃO DE
SAQUE:
A recepção do saque é o primeiro elemento de jogo que se realiza dentro da sequência
"recepção - levantamento - finalização". Isso significa que é, portanto, o primeiro contato
que uma equipe tem para construir o seu ataque e recuperar o saque.
A importância de uma boa recepção de saque, encontra-se na construção de um ataque
bem-sucedido, uma vez que se a recepção for mal feita, a bola não vai chegar ao
levantador nas condições certas para organizar um ataque efetivo.

O gesto técnico mais utilizado na recepção é a manchete.
Sistemas de recepção são estruturas ou sistemas que são utilizados para neutralizar o
saque do adversário enviando a bola para o levantador nas melhores condições possíveis
para a execução do levantamento, possibilitando a realização de uma finalização mais
precisa e eficiente.

Sistema de recepção em "W":
O sistema de recepção utilizado por equipes iniciantes é o sistema de
5 jogadores em "W", porque é a maneira mais fácil de proteger os espaços de
quadra das ações de saque do adversário.

Neste sistema cada jogador (posições #1, #2, #4, #5 e #6) é responsável pela recepção
da bola numa área correspondente a um circulo com o raio de 2 metros à sua volta. Neste
sistema o jogador da posição 3 não deverá participar nas tarefas de recepção, ficando
desta forma disponível para a realização do passe.
Dependendo do tipo de saque do adversário, flutuante ou com efeito, a
posição dos jogadores deverá ser recuada (para recepção de um saque mais
potente) ou mais avançada (para recepção de um saque flutuante).

É o principal sistema utilizado em equipes iniciantes pela facilidade de
ensino, e o grau de participação de todos os jogadores.

A evolução dos sistemas de recepção tem o intuito de diminuir o número de
receptores, devido os seguintes motivos:
A) Remoção
de
um receptor fraco;
B) Proteção de um atacante da ação de saque do adversário;
C) Sobrecarregar uma determinada área da quadra com vários finalizadores;
D) Facilitar a penetração, aproximando o levantador da rede, facilitando a
sua passagem para
a zona
de
levantamento;
E) Mais
liberdade para
realizar
a recepção;
F) Executar ataques mais rápidos e reduzir as zonas de interferência.
Sistemas de recepção em semicírculo:

Neste sistema cada jogador (posições #1, #2, #4, #5 e #6 ou “1, #2, #4 e #5) é
responsável pela recepção da bola numa área correspondente a uma fatia de terrena que
vai desde a linha central até à linha de fundo.

Sistemas com 4 receptores:

Este tipo de recepção é geralmente organizado para
levantador quanto um atacante. Existem duas variantes:

liberar tanto o
1) Estrutura em semicírculo: 2 + 2, onde 2 receptores são os principais e 2
receptores são assistentes.

2) Estrutura do diamante: 3 +1.
Sistemas com 3 receptores:

O levantador, o atacante de meio e o atacante oposto são
liberados, portanto, as ações de recepção do saque adversário ficam sempre
sob
a
responsabilidade
dos dois
receptores principais mais
o
defensor central. A estrutura geralmente tem a forma de "V" ou "V" invertido.
Sistema 2 receptores:

Este é o mais utilizado por equipes masculinas nacionais ou
internacionais com saque flutuante do adversário. Nele as recepções devem
ser muito precisas.
Os pontas são os responsáveis pela recepção, e os atacantes de meio e o oposto são
protegidos, para que se preocupem somente com seus ataques.
Com o advento da função de líbero houve um fortalecimento maior neste
posicionamento devido à especialidade deste jogador, que participa com os pontas neste
rodízio.

SISTEMA DEFENSIVO
Sistemas de Defesa ou Sistemas Defensivos podem ser entendidos como a forma como
uma equipe se organiza para neutralizar um ataque adversário e na medida do possível,
preparar seu próprio contra ataque.
Normalmente são ações conjugadas de bloqueio e defesa de campo, que exigem alto
grau de sincronismo entre estas ações de jogo.
Como dispomos de apenas 6 jogadores em quadra, temos que ter claro que nenhuma
formação defensiva ocupará todas as áreas da quadra.
É uma ação de tática coletiva que depende da tática individual, da capacidade de leitura
de jogo, pois trabalha com áreas de responsabilidade específicas e se possível com a
análise da incidência do ataque adversário.
O segredo é partir de uma posição que coloque os jogadores nas regiões onde há maior
probabilidade de ataques fortes (bloqueio e linhas de ataque) e ainda favoreçam a pronta
ação para outros tipos de ataque, como largadas, exploradas, ataques de meia força, etc.
A primeira decisão a ser tomada é o posicionamento dos jogadores da defesa de campo
(P1, P6 e P5) antes da ação do levantador adversário, que na verdade é quando se define
de onde virá este ataque.
Temos então o que podemos chamar de POSIÇÃO PREPARATÓRIA, POSIÇÃO
BÁSICA, POSIÇÃO DE ESPERA ou POSIÇÃO DE PARTIDA para a defesa. Existem
basicamente duas situações definidas bem claramente, e uma terceira que é intermediária
entre as duas:
com Centro Avançado
com Centro Recuado
com Centro em Linha

Basicamente após as trocas de posição por especialização, se toma uma das Posições
Preparatórias para Defesa, ou Posições Básicas para Defesa ou Posições de Espera para
Defesa. Definido o levantamento do adversário, teremos que adotar uma posição tática
coletiva que corresponde ao Sistema Defensivo propriamente dito.

Estes Sistemas Defensivos variam em função da Posição Inicial e do Número de
Bloqueadores.

•Podemos ter:
–A partir do Centro Avançado:
•Bloqueio Simples;
•Bloqueio Duplo ou Quadrado Clássico.
–A Partir do Centro Recuado:
•Semi Círculo com Bloqueio Simples;
•Semi Círculo com Bloqueio Duplo;
•Quadrado com Bloqueio Duplo Triplo;
A História, Fundamentos do Voleibol, Etc
A História, Fundamentos do Voleibol, Etc
A História, Fundamentos do Voleibol, Etc
A História, Fundamentos do Voleibol, Etc

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Voleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoioVoleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoio
Inês Ré
 
Voleibol trabalho
Voleibol trabalhoVoleibol trabalho
Voleibol trabalho
Historiando
 
Voleibol
Voleibol Voleibol
Voleibol
Sara Pereira
 
Andebol.ppt
Andebol.pptAndebol.ppt
Voleibol
VoleibolVoleibol
Andebol
AndebolAndebol
Andebol
ana pinho
 
Andebol - Nível Elementar
Andebol  - Nível ElementarAndebol  - Nível Elementar
Andebol - Nível Elementar
Maria João Vasconcelos
 
Andebol - tudo
Andebol - tudoAndebol - tudo
Andebol - tudo
HugoSousa93
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
Nicollas Villar
 
A Historia do Voleibol
A Historia do Voleibol A Historia do Voleibol
A Historia do Voleibol
Patricia Ferreira
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
Bernardo Matos
 
Voleibol na escola
Voleibol na escolaVoleibol na escola
Voleibol na escola
evandrolhp
 
Basquete 1
Basquete 1Basquete 1
Basquete 1
Nilceia Sc
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
smigano
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
Marcia Barbosa
 
Voleibol, regras e fundamentos
Voleibol, regras e fundamentosVoleibol, regras e fundamentos
Voleibol, regras e fundamentos
Prof. Saulo Bezerra
 
A defesa no jogo de handebol
A defesa no jogo de handebolA defesa no jogo de handebol
A defesa no jogo de handebol
Balonmano
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
Luis
 
O Basquete
O BasqueteO Basquete
O Basquete
Aandréa Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Voleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoioVoleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoio
 
Voleibol trabalho
Voleibol trabalhoVoleibol trabalho
Voleibol trabalho
 
Voleibol
Voleibol Voleibol
Voleibol
 
Andebol.ppt
Andebol.pptAndebol.ppt
Andebol.ppt
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
 
Andebol
AndebolAndebol
Andebol
 
Andebol - Nível Elementar
Andebol  - Nível ElementarAndebol  - Nível Elementar
Andebol - Nível Elementar
 
Andebol - tudo
Andebol - tudoAndebol - tudo
Andebol - tudo
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
 
A Historia do Voleibol
A Historia do Voleibol A Historia do Voleibol
A Historia do Voleibol
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
 
Voleibol na escola
Voleibol na escolaVoleibol na escola
Voleibol na escola
 
Basquete 1
Basquete 1Basquete 1
Basquete 1
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
 
Voleibol, regras e fundamentos
Voleibol, regras e fundamentosVoleibol, regras e fundamentos
Voleibol, regras e fundamentos
 
A defesa no jogo de handebol
A defesa no jogo de handebolA defesa no jogo de handebol
A defesa no jogo de handebol
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
 
O Basquete
O BasqueteO Basquete
O Basquete
 

Semelhante a A História, Fundamentos do Voleibol, Etc

seminário sobre Voleibol
seminário sobre Voleibol seminário sobre Voleibol
seminário sobre Voleibol
Ronaldo Junior
 
Voleibol 7º Ano.pptx
Voleibol 7º Ano.pptxVoleibol 7º Ano.pptx
Voleibol 7º Ano.pptx
Jean de Sousa
 
Voleibol&futebol&atletismo 18 valores
Voleibol&futebol&atletismo 18 valoresVoleibol&futebol&atletismo 18 valores
Voleibol&futebol&atletismo 18 valores
Diogo Malafaia
 
TÉCNICAS DO VOLEIBOL DO VOLEIBOL ens. Fund..pptx
TÉCNICAS DO VOLEIBOL DO VOLEIBOL ens. Fund..pptxTÉCNICAS DO VOLEIBOL DO VOLEIBOL ens. Fund..pptx
TÉCNICAS DO VOLEIBOL DO VOLEIBOL ens. Fund..pptx
Raquel Pinheiro
 
Andebol2
Andebol2Andebol2
Andebol2
Albino217
 
Voleibol Stefano112345675454443333222222222344
Voleibol Stefano112345675454443333222222222344Voleibol Stefano112345675454443333222222222344
Voleibol Stefano112345675454443333222222222344
SilvaStefano
 
O basquete
O basquete O basquete
O basquete
Anna Ramos
 
Apostila de Voleibol
Apostila de VoleibolApostila de Voleibol
Apostila de Voleibol
Sérgio Amaral
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
Rayana Fialho
 
Regras do Basquete
Regras do BasqueteRegras do Basquete
Regras do Basquete
tv2aetabua
 
Toque volei
Toque   voleiToque   volei
Toque volei
Wellinton Prestes
 
Ativ 3 rosilde
Ativ 3 rosildeAtiv 3 rosilde
Ativ 3 rosilde
rosildeaires
 
Ativ 3 rosilde
Ativ 3 rosildeAtiv 3 rosilde
Ativ 3 rosilde
rosildeaires
 
Educação Física
Educação FísicaEducação Física
Educação Física
TatianaSilva205
 
This is BASKETBALL!
This is BASKETBALL!This is BASKETBALL!
This is BASKETBALL!
Jocasta Luiza
 
Basquetebol material de basquetebol (1)
Basquetebol   material de basquetebol (1)Basquetebol   material de basquetebol (1)
Basquetebol material de basquetebol (1)
Andre Souza
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
Helder Ribeiro
 
O Volley Bal Melissa
O Volley Bal MelissaO Volley Bal Melissa
O Volley Bal Melissa
heldercm
 
Handebol
Handebol Handebol
Handebol
Daniele Gomes
 
EDUCAÇÃO FÍSICA- TUDO SOBRE O BASQUETE
EDUCAÇÃO FÍSICA- TUDO SOBRE O BASQUETEEDUCAÇÃO FÍSICA- TUDO SOBRE O BASQUETE
EDUCAÇÃO FÍSICA- TUDO SOBRE O BASQUETE
Jaicinha
 

Semelhante a A História, Fundamentos do Voleibol, Etc (20)

seminário sobre Voleibol
seminário sobre Voleibol seminário sobre Voleibol
seminário sobre Voleibol
 
Voleibol 7º Ano.pptx
Voleibol 7º Ano.pptxVoleibol 7º Ano.pptx
Voleibol 7º Ano.pptx
 
Voleibol&futebol&atletismo 18 valores
Voleibol&futebol&atletismo 18 valoresVoleibol&futebol&atletismo 18 valores
Voleibol&futebol&atletismo 18 valores
 
TÉCNICAS DO VOLEIBOL DO VOLEIBOL ens. Fund..pptx
TÉCNICAS DO VOLEIBOL DO VOLEIBOL ens. Fund..pptxTÉCNICAS DO VOLEIBOL DO VOLEIBOL ens. Fund..pptx
TÉCNICAS DO VOLEIBOL DO VOLEIBOL ens. Fund..pptx
 
Andebol2
Andebol2Andebol2
Andebol2
 
Voleibol Stefano112345675454443333222222222344
Voleibol Stefano112345675454443333222222222344Voleibol Stefano112345675454443333222222222344
Voleibol Stefano112345675454443333222222222344
 
O basquete
O basquete O basquete
O basquete
 
Apostila de Voleibol
Apostila de VoleibolApostila de Voleibol
Apostila de Voleibol
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
 
Regras do Basquete
Regras do BasqueteRegras do Basquete
Regras do Basquete
 
Toque volei
Toque   voleiToque   volei
Toque volei
 
Ativ 3 rosilde
Ativ 3 rosildeAtiv 3 rosilde
Ativ 3 rosilde
 
Ativ 3 rosilde
Ativ 3 rosildeAtiv 3 rosilde
Ativ 3 rosilde
 
Educação Física
Educação FísicaEducação Física
Educação Física
 
This is BASKETBALL!
This is BASKETBALL!This is BASKETBALL!
This is BASKETBALL!
 
Basquetebol material de basquetebol (1)
Basquetebol   material de basquetebol (1)Basquetebol   material de basquetebol (1)
Basquetebol material de basquetebol (1)
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
 
O Volley Bal Melissa
O Volley Bal MelissaO Volley Bal Melissa
O Volley Bal Melissa
 
Handebol
Handebol Handebol
Handebol
 
EDUCAÇÃO FÍSICA- TUDO SOBRE O BASQUETE
EDUCAÇÃO FÍSICA- TUDO SOBRE O BASQUETEEDUCAÇÃO FÍSICA- TUDO SOBRE O BASQUETE
EDUCAÇÃO FÍSICA- TUDO SOBRE O BASQUETE
 

Mais de Paulo Otávio Cardoso Borges

Podcasts na Aula de Literatura
Podcasts na Aula de LiteraturaPodcasts na Aula de Literatura
Podcasts na Aula de Literatura
Paulo Otávio Cardoso Borges
 
Revisão Geral Ciências Humanas
Revisão Geral Ciências Humanas Revisão Geral Ciências Humanas
Revisão Geral Ciências Humanas
Paulo Otávio Cardoso Borges
 
Sociologia mudancas sociais
Sociologia mudancas sociaisSociologia mudancas sociais
Sociologia mudancas sociais
Paulo Otávio Cardoso Borges
 
Principais Blocos Eonômicos do Continente Americano
Principais Blocos Eonômicos do Continente AmericanoPrincipais Blocos Eonômicos do Continente Americano
Principais Blocos Eonômicos do Continente Americano
Paulo Otávio Cardoso Borges
 
Principais Blocos Eonômicos do Continente Americano
Principais Blocos Eonômicos do Continente AmericanoPrincipais Blocos Eonômicos do Continente Americano
Principais Blocos Eonômicos do Continente Americano
Paulo Otávio Cardoso Borges
 
Até o Ultimo Suspiro
Até o Ultimo SuspiroAté o Ultimo Suspiro
Até o Ultimo Suspiro
Paulo Otávio Cardoso Borges
 
Teatro curso de secretariado
Teatro curso de secretariadoTeatro curso de secretariado
Teatro curso de secretariado
Paulo Otávio Cardoso Borges
 
Pauta 4 euclides da cunha
Pauta 4   euclides da cunhaPauta 4   euclides da cunha
Pauta 4 euclides da cunha
Paulo Otávio Cardoso Borges
 
Pauta 3 graça aranha
Pauta 3   graça aranhaPauta 3   graça aranha
Pauta 3 graça aranha
Paulo Otávio Cardoso Borges
 
Pauta 2 aspectos centrais pré modernismo
Pauta 2 aspectos centrais pré modernismoPauta 2 aspectos centrais pré modernismo
Pauta 2 aspectos centrais pré modernismo
Paulo Otávio Cardoso Borges
 
Contexto Histórico
Contexto HistóricoContexto Histórico
Contexto Histórico
Paulo Otávio Cardoso Borges
 
Literatura do pré modernismo
Literatura do pré modernismoLiteratura do pré modernismo
Literatura do pré modernismo
Paulo Otávio Cardoso Borges
 
Folcore
FolcoreFolcore
Uso de Podcasts Como Recurso Didático
Uso de Podcasts Como Recurso Didático Uso de Podcasts Como Recurso Didático
Uso de Podcasts Como Recurso Didático
Paulo Otávio Cardoso Borges
 
REVOLUÇÃO FRANCESA EM IMAGENS
REVOLUÇÃO FRANCESA EM IMAGENSREVOLUÇÃO FRANCESA EM IMAGENS
REVOLUÇÃO FRANCESA EM IMAGENS
Paulo Otávio Cardoso Borges
 
O Mito De Narciso
O Mito De NarcisoO Mito De Narciso
O Mito De Narciso
Paulo Otávio Cardoso Borges
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte Grega
Arte GregaArte Grega

Mais de Paulo Otávio Cardoso Borges (18)

Podcasts na Aula de Literatura
Podcasts na Aula de LiteraturaPodcasts na Aula de Literatura
Podcasts na Aula de Literatura
 
Revisão Geral Ciências Humanas
Revisão Geral Ciências Humanas Revisão Geral Ciências Humanas
Revisão Geral Ciências Humanas
 
Sociologia mudancas sociais
Sociologia mudancas sociaisSociologia mudancas sociais
Sociologia mudancas sociais
 
Principais Blocos Eonômicos do Continente Americano
Principais Blocos Eonômicos do Continente AmericanoPrincipais Blocos Eonômicos do Continente Americano
Principais Blocos Eonômicos do Continente Americano
 
Principais Blocos Eonômicos do Continente Americano
Principais Blocos Eonômicos do Continente AmericanoPrincipais Blocos Eonômicos do Continente Americano
Principais Blocos Eonômicos do Continente Americano
 
Até o Ultimo Suspiro
Até o Ultimo SuspiroAté o Ultimo Suspiro
Até o Ultimo Suspiro
 
Teatro curso de secretariado
Teatro curso de secretariadoTeatro curso de secretariado
Teatro curso de secretariado
 
Pauta 4 euclides da cunha
Pauta 4   euclides da cunhaPauta 4   euclides da cunha
Pauta 4 euclides da cunha
 
Pauta 3 graça aranha
Pauta 3   graça aranhaPauta 3   graça aranha
Pauta 3 graça aranha
 
Pauta 2 aspectos centrais pré modernismo
Pauta 2 aspectos centrais pré modernismoPauta 2 aspectos centrais pré modernismo
Pauta 2 aspectos centrais pré modernismo
 
Contexto Histórico
Contexto HistóricoContexto Histórico
Contexto Histórico
 
Literatura do pré modernismo
Literatura do pré modernismoLiteratura do pré modernismo
Literatura do pré modernismo
 
Folcore
FolcoreFolcore
Folcore
 
Uso de Podcasts Como Recurso Didático
Uso de Podcasts Como Recurso Didático Uso de Podcasts Como Recurso Didático
Uso de Podcasts Como Recurso Didático
 
REVOLUÇÃO FRANCESA EM IMAGENS
REVOLUÇÃO FRANCESA EM IMAGENSREVOLUÇÃO FRANCESA EM IMAGENS
REVOLUÇÃO FRANCESA EM IMAGENS
 
O Mito De Narciso
O Mito De NarcisoO Mito De Narciso
O Mito De Narciso
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 

Último

IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 

Último (20)

TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 

A História, Fundamentos do Voleibol, Etc

  • 1. História O Voleibol foi criado em 1895, pelo professor de Educação Física Willian George Morgan, diretor do departamento de educação física associação cristã de moços (ACM) de Holyoke, em Massachusetts, Estados Unidos. Com o intuito de ser um jogo recreativo para senhores e incentivar a prática de atividades físicas em quadras cobertas ; Impressas as primeiras regras em 1897, o jogo começou a ganhar popularidade a partir de 1910, quando se construíram quadras em parques públicos de diversas cidades americanas. Na primeira guerra mundial a Europa conheceu o novo esporte por intermédio de soldados americanos. Em 1936, iniciou-se o movimento para a fundação de um órgão internacional de Voleibol, congrega entidades nacionais para a orientação do esporte e promoção de competições, a mais importante das quais é o campeonato mundial, realizado desde 1949. O esporte passou a integrar a programação dos Jogos Olímpicos em 1964, no Japão. Introduzido nas escolas, logo alcançou grande popularidade; Em 1947 foi fundada a Federação Internacional de Voleibol (FIVB), que regulamentava o esporte em todo o mundo. Não se sabe ao certo quando o Voleibol chegou ao Brasil. Há quem afirme que o Colégio Marista de Pernambuco foi quem realizou a primeira partida de Voleibol em solo Brasileiro. Hoje temos documentos que provam que o Voleibol foi introduzido no Brasil pela Associação Cristã de Moços; No primeiro campeonato Sul-Americano de Voleibol promovido pela confederação Brasileira de Desportos (CBD) em 1951, o Brasil ganhou os títulos nas categorias Masculina e Feminina. Participando pela primeira vez de uma olimpíada, em 1964, no Japão, a seleção brasileira de voleibol classificou-se em sétimo lugar na categoria Masculina, Em Agosto de 1954, foi criada a confederação Brasileira de Voleibol, com a finalidade de regulamentar a prática do esporte no país. A primeira bola de voleibol foi uma câmara de bola de basquetebol. Mais tarde, Morgan solicitou a firma A.G..Stalding&.Brothers a fabricação uma bola para o referido esporte.
  • 2. Considerações sobre o voleibol O Voleibol é um jogo em que os jogadores usam as mãos, porém só para tocar a bola. Não é permitido carregar ou segurar bola. Controlada apenas por toques das as mãos, a bola deve ser lançada para o campo adversário e vice- versa, por cima da rede separa os campos de cada equipe.
  • 3. O Voleibol inicia com a bola sendo lançada para o campo adversário por um jogador que se coloca atrás da linha de fundo de seu campo. Este lançamento é chamado saque. O direito ao primeiro saque. O direito ao primeiro saque à posse é decidido por sorteio. O objetivo do jogo é fazer com que a bola caia no chão do campo adversário. Quando a equipe adversária não consegue devolver a bola dentro da área do jogo (bola fora) ou quando, utilizando até três toques, não consegue devolver a bola, a equipe que fez o lançamento marca pontos. Quando a equipe que saca erra, seu adversário adquire o direito ao saque, realizando antes um rodizio das posições dos jogadores na quadra. Essa característica torna o voleibol um jogo bastante dinâmico, em que todos devem saber atuar em todas as posições. Para atingir os objetivos do jogo, é necessário que os atletas de uma equipe passem a bola entre si, utilizando até três toques, de modo que a bola seja lançada para o campo adversário. Uma partida de voleibol é disputada com 12 jogadores,6 cada equipe. cada equipe por vez deve ser composta por 12 jogadores 6 em cada equipe que iniciam o jogo e 6 reserva que normalmente, no decorrer do jogo substituem os jogadores. Ao entrar em campo, 3 se colocam mais para o fundo da quadra. São os defensores. O voleibol é jogado em sets. Quando uma das equipe atinge a contagem de 15 pontos, com uma diferença mínima de dois pontos em relação ao adversário, completa-se nas partidas oficiais disputam-se o melhor de cinco sets. Portanto, vence o jogo a equipe de ganhar 3 sets. Uma partida de voleibol não termina empatada. Extraoficialmente pode ser realizadas partidas disputando-se o melhor de 3 sets Os jogos oficiais devem ser conduzidos por dois árbitros. 2 fiscais de linha e 1 anotador – são chamados oficiais do voleibol. Os árbitros assinalam as violações e determinam as penalidades. Os fiscais de linha auxiliam os árbitros. O anotador registra todas as ocorrências da partida Em jogos internacionais são exigidos quatro fiscais de linha. A quadra de voleibol deve medir 18 m x 9 m De seguinte forma ela é organizada: As linhas laterais e de fundo servempara indicar a área de jogo. A linha central divide a quadra ao meio e indica a área de jogo de cada equipe. A área de cada equipe, por sua vez, é dividida em zona de ataque e zona de defesa pela linha de ataque. A zona de ataque é o local onde são realizados os ataques. A zona de defesa é onde, geralmente são divididos os saques. A rede, devido à altura em que e colocada, exige dos jogadores um bom controle de bola. As antenas servem para indicar se as bolas lançadas por cima da rede então dentro ou fora da área de jogo. A zona de saques limita a área de onde se executa o saque. Técnicas do voleibol A partida de voleibol é iniciada com um saque, vejamos como executar o saque: O saque
  • 4. O objetivo principal do saque é colocar a bola do jogo. Porém, quando bem executado, colocado e forte ele se torna o meio mais rápido e simples de se converter o lançamento em pontos. O iniciante, porém, deve ser preocupar mais com a precisão e regularidade do saque, deixando para adquirir maior potência quando já estiver maior domínio da técnica. Saque por baixo Para iniciante de voleibol, a posição indicada para saque é: pé esquerdo na frente, pernas semiflexionadas e braço esquerdo segurando a bola à altura dos joelhos. Ao mesmo tempo em que solta à bola com a mão esquerda, o jogador faz um movimento de baixo para cima com o braço direito, tocando a bola com a mão aberta e os dedos unidos ou, ainda, com a mão fechada. A execução do saque exige muita atenção, pois os erros do saque são considerados infrações. O jogador que saca deve estar fora da quadra, dentro da zona de saque. No momento da execução nenhum jogador poderá estar foda quadra. Através do saque a bola e envida para o campo adversário. Os jogadores que esperam receber a bola devem manter-se em posição em posição de guarda ou de expectativa: pernas semiflexionadas um pé mais para frente, o corpo um pouco inclinado para frente e as mãos prontas para tocar a bola. Partindo dessa posição podem-se realizar todos os movimentos que permitam controlas a bola atacando e defendendo. Na recepção de bola o jogador quem estiver no ataque não deve ficar muito próximo à rede pois assim não poderá rebater muitas e terá atuação bastante limitada com isso dará mais trabalho aos companheiros, que terão de dar cobertura a uma área maior. Recomendações para o saque Coloque-se na zona de saque, com o corpo voltado para o centro da quadra do adversário. Concentre-se antes de iniciar o saque Ao soltar a bola, evite que ela vá muito alto. Se, ao soltar a bola, perceber que a posição não está boa para golpeá-la, deixe que caísse no chão e repita o lance. Saque tênis O saque estilo “tênis” é assim chamado porque o movimento feito pelo jogador é semelhante ao do tenista para fazer o “serviço “. Para executa-lo, o jogador se coloca atrás da linha final, de frente para a rede, pé esquerdo adiantado (posição para que as pessoas que usam a mão direita para bater), pernas semiflexionadas, braço esquerdo flexionado à frente do corpo, com a palma voltada pra cima sustentado a bola. O outro braço estendido ao longo do corpo. A bola é, então, lançada para o alto e para frente do corpo, atingindo uma altura de aproximadamente 0,70 m da cabeça do executante. O braço direito é levantado flexionado para o alto, acima da cabeça. A bola é batida acima da cabeça, com mão e os dedos para o alto, acima da cabeça. A bola é batida acima da cabeça, com a mão e os dedos cerrados e ligeiramente flexionados. O movimento do braço é rápido e o golpe é efetuado com “quebra de pulso”. O tronco flexiona-se e o peso do corpo é transferido para a perna da frente, avançando-se a perna de trás. Toques De Bola
  • 5. Toque de bola é a maneira como tocamos a bola no voleibol. Através de toque de bola é que fazemos a recepção, o passe e o levantamento, de modo que o resultado ofensivo final das jogadas dependerá de recebermos ou passarmos a bola com perfeição. Quando recebe o saque, o jogador pode: Tocar a bola imediatamente para o campo adversário; Passá-la para um companheiro que, por sua vez, torna a passa-la para um terceiro companheiro e este, então, toca-a para o campo adversário. A bola não pode ser tocada mais que três vezes pela equipe e um mesmo jogador não pode ser tocada mais que três vezes pela equipe e um mesmo jogador não pode tocá-la duas vezes em seguida. O jogador deve usar as mãos para tocar a bola. Porém a bola poderá tocar em qualquer parte do copo sem que ocorra infração. Dependendo de como a bola chega ao seu campo, o jogador pode empregar um tipo de toque diferente para recebê-la e dominá-la melhor. Toque de bola por cima Para receber bolas altas com pouca velocidade utiliza-se toque de bola por cima. O Contato com a bola é feito com as extremidades internas dos dedos e com maior apoio dos indicadores e polegares. O jogador deve usar as mãos para tocar a bola. Porém a bola poderá em qualquer parte do corpo sem que ocorra infração. Dependendo de como a bola chega ao seu campo, o jogador pode empregar um tipo de toque diferente para recebê-la e dominá-la melhor. Toque de bola por cima Para receber bolas altas com pouca velocidade utiliza-se toque de bola por cima. O contato com a bola é feito com as extremidades internas dos dedos e com maior apoio dos indicadores e polegares. Assim, para o toque por cima o jogador deve: Calcular a trajetória da bola e colocar-se em posição de intercepta-la Evitar separar demais os braços Evitar bater a bola com as palmas da mão Em seguida ao levantamento da bola, um terceiro jogador ainda pode utilizar o toque de bola por cima para fazer um ataque. Partindo da posição de guarda, como ele observa a trajetória da bola e se coloca em posição para intercepta-la. No momento em que a bola está próxima, estende ao mesmo tempo as pernas, o tronco e os braços, fazendo com que a bola seja arremessada com boa velocidade para a quadra adversaria. Desta maneira a bola passa para a quadra adversaria muito bem colocada. Toque de bola por baixo ou manchete
  • 6. Há ocasiões em que a bola chega com grande velocidade ou estamos em posição que nos impede de toca-la por cima. Nestes casos, usamos o toque de bola por baixo, que também é chamado manchete Para fazer a manchete o jogador parte da posição de guarda, projeta os ombros e estende os braços em direção à bola. Quando a bola toca o braço, o jogador estende as pernas. Posição dos braços para a execução da manchete. Ao executar a manchete evite: Flexionar o tronco; Separar os braços; Flexionar os braços; Fazer movimentos bruscos; Manter os músculos contraídos; Devido à ação defensiva mais rápida, com saque mais preciso e forte do voleibol moderno, as equipes passaram a usar quase exclusivamente a manchete são os movimentos que permitem o controle da bola no voleibol. Por isso, é importante treinar para dominar perfeitamente suas técnicas de execução. Teoria & Prática A bola e sua trajetória [...] Sempre que a bola é arremessada, ela segue um caminho, chamada trajetória, A trajetória da bola pode ser em linha reta, como nos passes de peito do basquetebol, ou pode ser em uma linha curva, como nos arremessos à cesta. [...] No voleibol a bola deve seguir uma trajetória curva na preparação para o ataque. Porém na cortada deve seguir em linha reta, pois assim chegará ao chão com maior velocidade. Cortada A cortada é um tipo de ataque muito utilizada pelos jogadores no voleibol. Consiste em golpear a bola, rápida e violentamente, com uma das mãos, procurando fazê-la tocar em quadra adversário. A cortada estilo tênis: antes de mais nada o atleta deve permanecer atento a tudo que se passa da quadra. Ao perceber que o levantador colocou a bola em sua direção ele dá uma corrida em direção à bola. Esta é a fase da corrida. Mantendo a velocidade, o atleta prepara-se para a impulsão. Esta é a fase da aproximação. Quando chega aproximadamente, a 1 metro da rede, faz uma parada brusca, colocando o pé esquerdo à frente. Arrasta a perna direita junto da esquerda, flexionando-as enquanto leva os braços para trás, simultaneamente e estende as pernas e eleva os braços, violentamente. Com esses movimentos ganha impulsão e eleva-se no ar.
  • 7. Nesta fase, chamada de flutuação, o jogador se projeta verticalmente no ar e levanta os braços para manter o equilíbrio. Assim, mantém-se momentaneamente no ar. Então, ainda no ar, o atleta faz uma pequena rotação do tronco para a direita, estende o braço esquerdo para frente, enquanto leva o braço direito para trás. Desta maneira, preparase para bater na bola. Assim que o jogador se aproxima da bola, estende o braço direito, batendo a bola de cima para baixo, a bola é batida com a palma da mão, pouco acima e a frente da cabeça. O jogador dá um tapa na bola, procurando enviá-la a uma parte desguarnecida da quadra adversária. Enquanto amortece a queda, flexionando as duas pernas, o atleta continua observando a trajetória da bola, pois a equipe adversária pode defender a cortada e contra atacar rapidamente. Quando uma cortada não é feita com muita violência e a bola está alta, é possível fazer a defesa com toque de bola por cima. Porém se a cortada foi violenta e/ou a bola está baixa, o melhor é fazer defesa com uma manchete. Bloqueio Quando as cortadas são efetivadas junto à rede, é mais difícil fazer a defesa através do toque da bola, porque o cortador pode bater a bola com mais violência e coloca-la bem mais próxima da rede. Nestes casos, a melhor defesa é o bloqueio. Para fazer o bloqueio, quando o jogador percebe que o adversário fara uma cortada junto à rede, ele salta com os braços levantados, quase ao mesmo tempo em que o cortador, a fim de impedir que a bola passe para a sua quadra. Quando o bloqueio é feito por um jogador, temos o bloqueio simples; quando é feito por dois jogadores, temos o bloqueio duplo por três jogadores, o bloqueio triplo. Para que você possa aprender perfeitamente como se faz o bloqueio, vamos ver separadamente cada uma das fases. Na fase de preparação, o jogador está com os braços flexionados e as mãos acima dos ombros. As palmas das mãos estão voltadas para frente e os dedos abertos, prontos para interceptar a bola. O jogador deve observar atentamente a preparação dos adversários para o ataque. Ao perceber qual o jogador vai dar a cortada, o bloqueador se movimenta em direção a bola, Flexionando as pernas e saltando logo depois que o cortador saltar. Esta é a Fase de impulsão. A seguir vem à fase de elevação. O jogador salta e estende os braços para cima, procurando interceptar a bola. Mantém os dedos abertos e a palma das mãos voltada para frente. Na elevação, o jogador deve ter cuidado para não tocar na rede e cometer uma infração. O bloqueador deve estar bem atento, observar a bola e o movimento do cortador. Percebendo para qual lado o adversário lançará a bola, faz o bloqueio com as mãos voltadas na direção da bola.
  • 8. O bloqueador deve saltar um pouco depois do cortador. Se saltar ao mesmo tempo, já estará caindo quase a cortada for executada. O bloqueador amortece a queda flexionando as duas pernas, procurando cair em posição de guarda, pronto para qualquer outra intervenção. Ao fazer um bloqueio, ele deve ser protegido pelos seus companheiros para não ser enganado pelo atacante. Quando o cortador percebe que o jogador adversário saltou para bloquear, ele pode fingir que vai cortar e apenas toca a bola, desviando-a do bloqueador. Esta jogada recebe o nome de bola largada. Recomenda-se que um ou mais jogadores coloquem-se próximos do bloqueador a fim defender as bolas largadas ou as bolas rebatidas no bloqueio. Esta é a cobertura do bloqueio. Táticas do voleibol
  • 9. Para o melhor entendimento técnico e tático das definições sobre os sistemas de jogo adotados no voleibol, é necessário, em primeiro lugar, ter sempre presente as posições que os atletas ocupam na quadra, de acordo com a definição da regra. POSIÇÕES: No momento em que a bola é golpeada pelo sacador, cada equipe deve estar posicionada dentro de sua própria quadra na ordem de rotação (exceto o sacador). A posição dos jogadores é numerada como na figura abaixo: Posicionamento em quadra A posição nº 1 chama-se defesa direita, e é a posição do saque. A posição nº 2 chama-se saída de rede. A posição nº 3 chama-se meio de rede. A posição nº 4 chama-se entrada de rede. A posição nº 5 chama-se defesa esquerda. A posição nº 6 chama-se defesa central. As posições 4, 3 e 2 são de ataque, portanto, somente os jogadores que as ocupam
  • 10. podem atacar e bloquear dentro da zona de ataque. As posições 1, 6 e 5 são de defesa, os jogadores que as ocupam não podem bloquear, e só podem atacar se estiverem posicionados atrás da linha de ataque, na zona de defesa. Quando a equipe que não sacou vence o rali, ela realiza um rodízio no posicionamento de seus jogadores e terá o direito de sacar. O rodizio é realizado no sentido horário. Sentido do rodízio Esse rodízio obrigatório faz que, no desenvolvimento da partida, cada jogador tenha que ocupar cada uma das seis posições da quadra, fato que implica, pelo menos em tese, que os jogadores dominem todos os fundamentos técnicos do jogo. O posicionamento inicial (PI) será anotado em uma súmula apropriada, para que se tenha controle dos rodízios e para que as equipes de arbitragem cumpram a regra do posicionamento. Ela determina que, até o instante da execução de cada saque, todos os jogadores das duas equipes respeitem seus posicionamentos de rodízio e estejam ocupando sempre as suas posições. Após o golpe dado pelo sacador, os jogadores poderão deixar os seus posicionamentos obrigatórios de rodízio.
  • 11. LINHAS DE CORRESPONDÊNCIA: É uma linha imaginária, que orienta o posicionamento dos jogadores antes da bola ser golpeada pelo sacador. Esta linha deve seguir a orientação de ordem de posicionamento da seguinte forma: O jogador da posição 1 deverá estar atrás do jogador da posição 2 a direita do jogador da posição 6; O jogador da posição 3 deverá se posicionar entre os das posições 4 e 2 e à frente do jogador da posição 6; O jogador da posição 4 se posicionará a esquerda do jogador da posição 3 e à frente do jogador da posição 5; O jogador da posição 5 deverá estar atrás do jogador da posição 4 e à esquerda do jogador da posição 6; O jogador da posição 6 estará entre os das posições 5 e 1 e atrás do jogador da posição 3.
  • 12. Posicionamento dos jogadores no momento do saque Lembrem-se que somente os jogadores da linha de ataque (posições 2, 3 e 4) podem participar normalmente das jogadas de rede (ataque e bloqueio). O jogador de defesa (posições 5, 6 e 1), caso apoie os pés na zona de ataque, não poderá efetuar ataques com a bola estando a uma altura superior à borda da rede. Para tanto, ele deverá saltar de trás - antes da linha, ainda na zona de defesa - da linha de ataque, sem pisar nesta. Ele também não poderá em qualquer circunstância realizar bloqueios.
  • 13. ZONA DE ATAQUE E DEFESA SISTEMAS OFENSIVO: Os sistemas de jogo utilizados nas táticas do voleibol, também são chamados de sistemas ofensivos, pois levam em consideração a forma com a qual distribuem-se e divide-se o número de atacantes e levantadores, entre os seis jogadores e quadra. No voleibol, de acordo com o estudo tático, os jogadores são divididos em cortadores ou atacantes e levantadores. Durante a partida, após a equipe se defender de um saque ou de uma ataque adversário, o segundo jogador a tocar na bola geralmente executará o toque de levantamento, que é uma preparação para o ataque. Os jogadores que, dentro de uma equipe, melhor executam o toque de levantamento são chamados de levantadores. Para essa função, é necessário que o jogador tenha um bom toque de bola, seja calmo e tenha muita iniciativa. O jogador que tem a função de cortar e chamado de cortador ou atacante. Para essa
  • 14. função, é necessário que o jogador tenha boa impulsão, seja observador e saiba enviar a bola de maneira que o adversário não possa se defender. Os sistema táticos mais utilizados atualmente são o "6x6", o "3x3", o "4x2" simples, "4x2" com infiltração e o "5x1". O primeiro número indica o número de "cortadores" ou "atacantes" e o segundo número o do(s) levantador(es). Basicamente a escolha por um ou por outro sistema decorrerá do material humano à disposição do técnico. Cabe ressaltar que uma série de fatores e de pré-requisitos técnicos individuais dos atletas (fundamentos) e de aspectos táticos é que vai ser utilizado pelo técnico para a escolha do sistema para a equipe. Atualmente tem maior utilização nas equipes de alto nível o sistema "5x1", no qual há uma verdadeira "especialização" dos atletas, ainda mais com a introdução do jogador líbero, especializado em defesa, pois atua somente nas posições 5,6 e 1. A nível de seleções nacionais a esmagadora maioria utiliza este sistema, à exceção da seleção feminina de Cuba, que utiliza o sistema "4x2". Cabe ressaltar que a seleção Cubana é tricampeã Olímpica, o que prova que o sistema de jogo não determina, exclusivamente, melhores ou piores resultados, mas sim a melhor combinação das qualidades individuais dos atletas e sistema de jogo para uma equipe. SISTEMA "6x6": No sistema de jogo 6x6, todos os jogadores ocupam a função de levantadores e atacantes, não havendo a especialização por funções e posições. A zona de levantamento é a posição 3, dessa forma, no rodízio de saque, quando um jogador estiver nesta posição, realizará a função de levantador, tendo nas outras posições da zona ofensiva a função de cortador. Este é o sistema mais utilizado pelos iniciantes, pela sua facilidade de compreensão e assimilação, pois não ocorrem as trocas de posições e infiltrações que fazem parte da especialização, podendo então, vivenciar todos os fundamentos de forma completa e em todas as posições das zonas ofensivas e defensivas.
  • 15. Sistema 6x6 SISTEMA "3x3": Neste sistema são três cortadores e três levantadores. Na posição inicial deste sistema, a distribuição dos jogadores é realizada intercalando-se um levantador e um cortador . Na atualidade, esse sistema não é mais utilizado devido às dificuldades e deficiências na armação tática, principalmente no sistema ofensivo. Com o rodízio de jogo, irá coincidir a presença de dois levantadores e um cortador na rede, sendo esta a maior deficiência no sistema ofensivo, no qual, por meio de uma troca de posições, um deles poderá realizar a função de atacante. Serve para equipes com deficiência na habilidade dos atletas, ou para iniciantes, devido ä facilidade de implementação e desnecessidade de trocas e de infiltração.
  • 16. Sistema 3x3 SISTEMA "4x2" simples: Neste sistema, o avanço da especialização das funções dos jogadores dentro da zona ofensiva e defensiva fica mais evidente e funcional. Os locais de atuação dos jogadores são qualificados como "zonas de responsabilidade predeterminadas", em que podemos verificar distintamente as funções de quatro atacantes e dois levantadores. As trocas realizadas visam uma melhor disposição, equilíbrio e fortalecimento dos sistemas, por meio das habilidades técnicas e características individuais dos jogadores. A zona de levantamento é na posição 2. Neste sistema, podemos distinguir dois posicionamentos táticos bem específicos. 1º Posicionamento: A Posição Inicial (PI) - relacionada ao posicionamento dos jogadores no rodízio de saque para a formação do Sistema de Recepção e de Ataque 2º Posicionamento: A Posição Final (PF) - relacionada com as trocas de posições, quando os jogadores deslocam-se para a sua Posição de Especialidade para comporem o Sistema Defensivo.
  • 17. As funções de acordo com as Zonas de Responsabilidades Predeterminadas estão assim divididas: P = 2 atacantes de ponta - atuam nas posições 4 e 5; M = 2 atacantes de meio - atuam nas posições 3 e 6; L = 2 levantadores - atuam nas posições 1 e 2. A posição inicial dos jogadores deve ser oposta por funções, para que tenhamos sempre, em ambas as zonas, um levantador, um atacante de meio e um de ponta. Então teremos uma levantador na posição 2 e outro na posição 5, um atacante de meio na posição 3 e outro na posição 6 e um atacante de ponta na posição 4 e outro na posição 1.
  • 18. Sistema 4x2 simples Posição Inicial com levantamento na posição 2 Para que cada jogador atue na sua área de especialidade será necessário o uso de trocas de posicionamento entre os jogadores logo após o saque adversário. Como a regra não permite a troca antecipada e não se deve prejudicar o sistema de recepção, apenas o levantador realiza a troca de posição, simultaneamente o golpe de saque, indo ocupar a Zona de levantamento, e os demais jogadores devem aguardar a efetivação do ataque para logo após realizarem as trocas de posições, dirigindo-se para a sua posição de especialização, construindo a Posição final dentro do rodízio. Os jogadores permanecem nesta posição durante o rally até a definição do ponto, voltando em seguida às suas posições de rodízio de saque.
  • 19. 4x2 simples - trocas de posicionamento
  • 20. Sistema 4x2 simples Posição Final com levantamento na posição 2 Nas formações de rodízio com saque a favor as trocas são realizadas simultaneamente ao momento do saque, dirigindo-se então os jogadores para atuarem em suas posições de especialidade durante todo o rally, até a definição do ponto. SISTEMA "4x2" com infiltração: Comparando-o com o sistema 4x2 simples, temos duas mudanças básicas: 1º - A infiltração: A distribuição das bolas nos levantamentos está sob a responsabilidade do levantador, que ocupa a zona defensiva (posições 1, 6 e 5), e "infiltra" entre os atacantes para efetivar sua distribuição, seja na formação do Sistema de Recepção ou do Sistema Defensivo. 2º - A Zona de Levantamento: Em virtude de sempre haver três atacantes na Zona Ofensiva, a Zona de Levantamento é na posição 2 1/2, ou seja, entre os atacantes das posições 2 e 3. As funções, de acordo com as zonas de responsabilidade predeterminadas, em relação à especialidade, estão assim divididas: P = 2 atacantes de ponta - atuam nas posições 5 e 4;
  • 21. M = 2 atacantes de meio - atuam nas posições 3 e 6; L/O = 2 levantadores / Opostos - atuam pela posição 2, como atacantes e pela posição 1 como levantadores. O levantador/atacante que está na Zona Ofensiva, ocupando-se da função de atacante, é chamado de Oposto ("O") ou Saída, sendo sua posição final a P2. Na posição inicial um levantador/oposto estará na zona defensiva na posição 1 e o outro na posição 4, os pontas nas posições 2 e 5 e os meios nas posições 3 e 6. 4x2 com infiltração - posição inicial
  • 22. 4x2 com infiltração - trocas de posicionamento. Na posição final, efetuada após o saque do adversário ou a favor, cada jogador ocupará a sua posição de especialidade, sendo, os pontas nas posições 4 e 5, os meios nas posições 3 e 6 e os levantadores/oposto como atacante na posição 2 e como levantador na posição .
  • 23. 4x2 com infiltração - posição final Na formação do Sistema de Recepção para o saque do adversário, como o levantador da Zona Defensiva não participa deste sistema, deverá realizar a infiltração, procurando "esconder-se" do saque adversário ocupando o espaço logo atrás do seu jogador correspondente, quer dizer, quando estiver na posição 1, estará logo atrás do jogador da posição 2; quando estiver na posição 6 estará logo atrás do jogador da posição 3; na posição 5, ocupará o espaço logo atrás do jogador 4.
  • 24. 4x2 com infiltração - infiltração na recepção do saque adversário Na função de levantador, depois de infiltrar, realizar o levantamento e aguardar a efetivação do ataque, deverá ir para a sua posição final, a posição 1, infiltrando por esta posição para efetuar os levantamentos, até o término do rally. Na situação do saque a favor para compor o sistema defensivo, o levantador deverá primeiramente realizar a troca de posição para a posição 1 e somente "infiltrará" depois da 1ª ação defensiva da sua equipe, e se for ele que realizará a 1ª ação defensiva, o levantador que atua como atacante na zona ofensiva ou o atacante de meio serão os responsáveis pelo levantamento. A fim de não comprometer o sistema de recepção, no momento do saque adversário, enquanto o levantador realiza a infiltração, os demais jogadores permanecem em suas posições para definirem seus ataques nos locais preestabelecidos no sistema de ataque, para depois realizarem as trocas de posições, dirigindo-se as posições de especialização, a posição final, permanecendo nesta posição até o final do rally. Na formação do sistema defensivo, com saque a favor, todos os jogadores realizam simultaneamente as trocas de posições no momento do saque, dentro das suas respectivas zonas, dirigindo-se então para a sua posição final. SISTEMA "5x1": Cinco atacantes e um levantador. Sistema atualmente utilizado pela esmagadora maioria
  • 25. das equipes de alto nível, sejam seleções nacionais ou clubes. A adoção deste sistema necessita das infiltrações, especialização dos jogadores e conseqüente maior habilidade individual para o sistema ser bem utilizado, pois é o mais difícil. Didaticamente, podemos dizer que o sistema 5x1 é a junção do sistema 4x2 simples com o sistema 4x2 com infiltração. Com o levantador estando na zona ofensiva, atuará como no sistema 4x2 simples, realizando as trocas de posições e indo ocupar a zona de levantamento na posição 2, porém, quando nas posições da zona defensiva, procederá como no 4x2 com infiltração, realizando a infiltração e indo ocupar a zona de levantamento na posição 2 1/2. A atuação de somente um levantador é o que mais caracteriza o sistema 5x1. O oposto recebe a função de ser mais um atacante. Quando o levantador esta na zona ofensiva, ficando então com dois atacantes na rede, a utilização do ataque atrás da linha de 3 metros (ataque de fundo), principalmente na posição 1, é o desafogo do levantador. As funções, de acordo com as zonas de responsabilidade predeterminadas, em relação à especialidade, estão assim divididas: P = 2 atacantes de ponta - atuam nas posições 4 e 5; M = 2 atacantes de meio - atuam nas posições 3 e 6; O = 1 atacante de saída ou oposto - atua nas posições 1 e 2; L = 1 levantador - atua pelas posições 1 e 2.
  • 26. 5x1 posição inicial Na recepção do saque adversário, como a troca de posições antecipada infringiria a regra e comprometeria o sistema de recepção, somente o levantador realiza a troca, quando posicionado na zona ofensiva, e a infiltração, quando posicionado na zona defensiva, simultaneamente ao golpe do saque, enquanto os demais jogadores aguardam a efetivação do ataque nas posições em que se encontram, para depois realizarem as trocas para a sua posição de especialização, que será a sua posição final.
  • 27. 5x1 posição final O levantador, depois de infiltrar, realizar o levantamento e aguardar a efetivação do ataque, deverá ir para a sua posição final, a posição 1, infiltrando por esta posição para efetuar os levantamentos, até o término do rally. Quando na zona defensiva na posição 5 ou 6, realizará a troca para a posição 1, sistema defensivo, infiltrando depois da 1ª ação defensiva da sua equipe, e caso seja ele que realize a 1ª ação defensiva, o jogador de meio, será o mais indicado para realizar o levantamento aos demais atacantes.
  • 28. SISTEMAS DE RECEPÇÃO DE SAQUE: A recepção do saque é o primeiro elemento de jogo que se realiza dentro da sequência "recepção - levantamento - finalização". Isso significa que é, portanto, o primeiro contato que uma equipe tem para construir o seu ataque e recuperar o saque. A importância de uma boa recepção de saque, encontra-se na construção de um ataque bem-sucedido, uma vez que se a recepção for mal feita, a bola não vai chegar ao levantador nas condições certas para organizar um ataque efetivo. O gesto técnico mais utilizado na recepção é a manchete. Sistemas de recepção são estruturas ou sistemas que são utilizados para neutralizar o saque do adversário enviando a bola para o levantador nas melhores condições possíveis para a execução do levantamento, possibilitando a realização de uma finalização mais precisa e eficiente. Sistema de recepção em "W":
  • 29. O sistema de recepção utilizado por equipes iniciantes é o sistema de 5 jogadores em "W", porque é a maneira mais fácil de proteger os espaços de quadra das ações de saque do adversário. Neste sistema cada jogador (posições #1, #2, #4, #5 e #6) é responsável pela recepção da bola numa área correspondente a um circulo com o raio de 2 metros à sua volta. Neste sistema o jogador da posição 3 não deverá participar nas tarefas de recepção, ficando desta forma disponível para a realização do passe.
  • 30. Dependendo do tipo de saque do adversário, flutuante ou com efeito, a posição dos jogadores deverá ser recuada (para recepção de um saque mais potente) ou mais avançada (para recepção de um saque flutuante). É o principal sistema utilizado em equipes iniciantes pela facilidade de ensino, e o grau de participação de todos os jogadores. A evolução dos sistemas de recepção tem o intuito de diminuir o número de receptores, devido os seguintes motivos: A) Remoção de um receptor fraco; B) Proteção de um atacante da ação de saque do adversário; C) Sobrecarregar uma determinada área da quadra com vários finalizadores; D) Facilitar a penetração, aproximando o levantador da rede, facilitando a sua passagem para a zona de levantamento; E) Mais liberdade para realizar a recepção; F) Executar ataques mais rápidos e reduzir as zonas de interferência.
  • 31. Sistemas de recepção em semicírculo: Neste sistema cada jogador (posições #1, #2, #4, #5 e #6 ou “1, #2, #4 e #5) é responsável pela recepção da bola numa área correspondente a uma fatia de terrena que vai desde a linha central até à linha de fundo. Sistemas com 4 receptores: Este tipo de recepção é geralmente organizado para levantador quanto um atacante. Existem duas variantes: liberar tanto o
  • 32. 1) Estrutura em semicírculo: 2 + 2, onde 2 receptores são os principais e 2 receptores são assistentes. 2) Estrutura do diamante: 3 +1.
  • 33. Sistemas com 3 receptores: O levantador, o atacante de meio e o atacante oposto são liberados, portanto, as ações de recepção do saque adversário ficam sempre sob a responsabilidade dos dois receptores principais mais o defensor central. A estrutura geralmente tem a forma de "V" ou "V" invertido.
  • 34. Sistema 2 receptores: Este é o mais utilizado por equipes masculinas nacionais ou internacionais com saque flutuante do adversário. Nele as recepções devem ser muito precisas. Os pontas são os responsáveis pela recepção, e os atacantes de meio e o oposto são protegidos, para que se preocupem somente com seus ataques. Com o advento da função de líbero houve um fortalecimento maior neste posicionamento devido à especialidade deste jogador, que participa com os pontas neste rodízio. SISTEMA DEFENSIVO
  • 35. Sistemas de Defesa ou Sistemas Defensivos podem ser entendidos como a forma como uma equipe se organiza para neutralizar um ataque adversário e na medida do possível, preparar seu próprio contra ataque. Normalmente são ações conjugadas de bloqueio e defesa de campo, que exigem alto grau de sincronismo entre estas ações de jogo. Como dispomos de apenas 6 jogadores em quadra, temos que ter claro que nenhuma formação defensiva ocupará todas as áreas da quadra. É uma ação de tática coletiva que depende da tática individual, da capacidade de leitura de jogo, pois trabalha com áreas de responsabilidade específicas e se possível com a análise da incidência do ataque adversário. O segredo é partir de uma posição que coloque os jogadores nas regiões onde há maior probabilidade de ataques fortes (bloqueio e linhas de ataque) e ainda favoreçam a pronta ação para outros tipos de ataque, como largadas, exploradas, ataques de meia força, etc. A primeira decisão a ser tomada é o posicionamento dos jogadores da defesa de campo (P1, P6 e P5) antes da ação do levantador adversário, que na verdade é quando se define de onde virá este ataque. Temos então o que podemos chamar de POSIÇÃO PREPARATÓRIA, POSIÇÃO BÁSICA, POSIÇÃO DE ESPERA ou POSIÇÃO DE PARTIDA para a defesa. Existem basicamente duas situações definidas bem claramente, e uma terceira que é intermediária entre as duas: com Centro Avançado com Centro Recuado com Centro em Linha Basicamente após as trocas de posição por especialização, se toma uma das Posições Preparatórias para Defesa, ou Posições Básicas para Defesa ou Posições de Espera para Defesa. Definido o levantamento do adversário, teremos que adotar uma posição tática coletiva que corresponde ao Sistema Defensivo propriamente dito. Estes Sistemas Defensivos variam em função da Posição Inicial e do Número de Bloqueadores. •Podemos ter: –A partir do Centro Avançado: •Bloqueio Simples;
  • 36. •Bloqueio Duplo ou Quadrado Clássico. –A Partir do Centro Recuado: •Semi Círculo com Bloqueio Simples; •Semi Círculo com Bloqueio Duplo; •Quadrado com Bloqueio Duplo Triplo;