SlideShare uma empresa Scribd logo
Sumário I
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Grelha-TQS
Manual de Comandos e Funções
Sumário
1. Introdução..................................................................................................................1
1.1. Visão geral do Grelha-TQS ..................................................................................2
1.2. Modelos e critérios ...............................................................................................4
1.3. Compatibilidade com o sistema Mix ....................................................................4
1.4. Geração de grelhas para projeto com protensão ...................................................4
2. Operação geral...........................................................................................................5
2.1. Chamando o sistema.............................................................................................5
2.2. Navegando na árvore de edifícios, painel esquerdo..............................................7
2.3. Esquema de planta, painel central.........................................................................8
2.4. Desenho selecionado no painel direito .................................................................8
2.5. Edição, visualização e impressão de listagens......................................................9
2.6. Edição de critérios ................................................................................................9
3. Menu Editar.............................................................................................................11
3.1. Critério de geração do modelo............................................................................11
3.1.1. Critérios gerais.............................................................................................11
3.1.2. Carregamentos.............................................................................................13
3.1.3. Lajes nervuradas..........................................................................................14
3.1.4. Lajes planas .................................................................................................16
3.1.5. Critérios de Grelha Não Linear....................................................................17
3.1.6. Combinações em concreto armado..............................................................19
3.1.7. Combinações em concreto protendido.........................................................20
3.1.8. Converter formato 7.0 .................................................................................22
3.2. Entrada Gráfica de Grelhas.................................................................................22
3.3. Dados de grelha ..................................................................................................23
3.4. Arquivo .GRE.....................................................................................................23
3.5. Arquivo qualquer................................................................................................24
4. Menu Processar .......................................................................................................25
4.1. Processar geração do modelo..............................................................................25
4.2. Extração de dados do desenho de grelha ............................................................26
4.3. Processamento dos esforços ...............................................................................27
4.3.1. Cálculo dos esforços via Resolvedor TQS ..................................................27
4.3.2. Cálculo de esforços via Resolvedor Mix®..................................................28
4.3.3. Processar Grelha Não Linear.......................................................................28
4.4. Análise dos esforços...........................................................................................29
4.5. Transferência de esforços ...................................................................................30
4.5.1. Transferência Grelha => CAD/Vigas..........................................................31
4.5.2. Transferência Grelha => CAD/Lajes...........................................................31
4.5.3. Transferência Elementos Finitos => CAD/Lajes.........................................31
II Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
4.5.4. Transferência Grelha => Lajes protendidas.................................................31
4.6. Conversão Grelha - Elementos finitos ................................................................31
5. Menu Visualizar.......................................................................................................32
5.1. Edição Gráfica ....................................................................................................32
5.2. Visualizar Geração do modelo............................................................................32
5.3. Visualizador de grelhas - Espacial......................................................................33
5.4. Grelha Não Linear - Espacial..............................................................................33
5.5. Análise Dinâmica................................................................................................34
5.6. Esforços ..............................................................................................................35
5.7. Análise de esforços (por carregamento)..............................................................35
5.8. Extração de dados do desenho de grelha.............................................................36
5.9. Visualização de erros..........................................................................................37
5.9.1. Como Inicializar o Visualizador de erros ....................................................37
5.9.2. Ambiente do Programa ................................................................................38
5.9.3. Como Atualizar a Lista de Erros..................................................................39
5.9.4. Como Configurar a Visualização.................................................................40
6. Seqüência de comandos para solução de grelha somente de vigas de um
pavimento .....................................................................................................................41
6.1. Listagem da geração do modelo só de vigas.......................................................42
6.2. Desenho de Verificação......................................................................................44
6.3. Pilar em Viga de Transição.................................................................................46
6.4. Processando a Grelha..........................................................................................46
6.5. Verificando Resultados.......................................................................................47
7. Seqüência de Comandos para Solução de Grelha de Vigas e Lajes Maciças......51
7.1. Geração do Modelo.............................................................................................51
7.2. Listagem da geração do modelo de grelha de lajes planas..................................53
7.3. Cálculo e Distribuição de Cargas........................................................................54
7.4. Principais características da entrada gráfica de grelha........................................54
7.4.1. Cargas Concentradas na Laje.......................................................................55
7.4.2. Cargas Distribuídas em Área Delimitada.....................................................56
7.4.3. Diferença de Peso Próprio do Capitel..........................................................57
7.5. Refinando o Modelo com a Entrada Gráfica de Grelhas ....................................57
7.6. Pavimento com laje a ser discretizada e com laje não discretizada. ...................58
8. Entendendo o Grelha Não-Linear..........................................................................60
8.1. O que é Não-Linearidade? ..................................................................................60
8.1.1. Análise Linear tradicionalmente adotada.....................................................61
8.1.2. Análise Não-Linear......................................................................................61
8.2. É muito importante considerar a não-linearidade?..............................................61
8.3. Para que serve o Grelha Não-Linear Física?.......................................................61
8.4. É difícil utilizar o Grelha Não-Linear Física?.....................................................62
8.4.1. Configuração de Critérios............................................................................62
8.4.2. Processamento .............................................................................................63
8.4.3. Visualização de Resultados..........................................................................63
Sumário III
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
8.5. Posso confiar no Grelha Não-Linear Física? ......................................................64
8.6. Porque é que numa análise não-linear quase sempre é necessário dividir o
carregamento total em incrementos de carga?...........................................................64
8.7. Como a fissuração do concreto é considerada no modelo? ................................66
8.8. Quais cálculos o programa faz em “apenas um clique”?....................................67
8.9. Um pouco mais de teoria? Bibliografia complementar?.....................................68
Grelha 01-comandos e funções
Introdução 1
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
1. Introdução
O CAD/Formas oferece ao engenheiro a opção de cálculo de pavimentos através de
análise matricial de grelhas ou elementos finitos. Os principais recursos deste sistema
são:
 Geração automática do modelo de grelha a partir dos dados da forma de concreto;
 Discretização de grelha de lajes maciças, planas com ou sem capitel, lajes
nervuradas, lajes pré-moldadas e com armadura convencional ou protendida. Lajes
e vigas trabalham solidariamente;
 Controle da grelha através da escolha de um dos vários modelos de apoios,
plastificações de apoios de vigas com pilares, plastificações de apoios de lajes
com vigas, plastificações em capitéis;
 Menu gráfico orientado para o lançamento do projeto executivo de formas de lajes
nervuradas e geração automática da grelha correspondente;
 Possibilidade de interação gráfica com o modelo gerado, com possibilidade de
alteração da geometria, carregamentos ou vinculações na grelha;
 Verificação de resultados através do Visualizador de Grelhas. Visualização
tridimensional de resultados selecionados, inclusive cortes. Visualização de
isovalores;
 Listagem de esforços por viga e pilar e análise dos cruzamentos de vigas
declarados no CAD/Formas;
 Transferência de esforços de grelha para o detalhamento de vigas no CAD/Vigas,
incluindo envoltórias. Combinação de esforços verticais calculados na grelha com
esforços horizontais de vento, vindos do pórtico espacial;
 Transferência de esforços de lajes para o CAD/Lajes, para o dimensionamento e
detalhamento de armadura convencional ou protendida;
 Interfaces abertas e documentadas para a transferência de esforços de e para
programas externos;
 Arquivo de dados compatível com o sistema Mix incluindo extensões para
elementos finitos tipo placa e possibilidade de geração de elementos de placa via
edição gráfica;
2 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
A análise matricial é efetuada pelo sistema Grelha-TQS. Os recursos deste sistema são:
 Entrada por arquivo formatado, entrada alfanumérica interativa e entrada gráfica
(arquivo de dados documentado no apêndice);
 Consideração de recalques nos apoios, apoios elásticos, apoios inclinados, efeito
de temperatura e pré-esforços;
 Combinação de carregamentos e envoltória;
 Capacidade para 32.000 nós e 64.000 barras (Versão Plena).
1.1. Visão geral do Grelha-TQS
Para a geração do modelo, o engenheiro definirá inicialmente critérios e casos de
carregamento a serem considerados. Mostraremos a definição destes critérios no
próximo capítulo.
A geração do modelo é dividida em etapas. As barras da grelha, correspondendo às
vigas, e também os apoios, são gerados automaticamente a partir da planta de formas e
não podem ser alterados, para que o sistema não perca a relação entre a grelha e a
planta de formas. As alterações das vigas e pilares devem ser feitas sempre na planta de
formas, antes da geração da grelha.
A geração da grelha de vigas é a primeira etapa do processamento. Se o objetivo é rodar
uma grelha constituída exclusivamente por vigas e apoios, após este processamento a
grelha estará pronta, podendo ser processada e os resultados transferidos
(opcionalmente) para detalhamento de vigas.
PLANTA DE
FORMAS
CRITERIOS
GERACAO DE
GRELHA DE
VIGAS
GRELHA DE
VIGAS
Introdução 3
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Caso o modelo de grelha deva incluir também as lajes, serão necessárias etapas
adicionais para chegarmos ao modelo de grelha. Através da geração do modelo de vigas
e lajes, geraremos um arquivo de grelha de vigas, e um desenho de dados, contendo as
barras de vigas e das lajes discretizadas:
PLANTA DE
FORMAS
CRITERIOS
GERACAO DE
GRELHA DE GRELHA DE
VIGASVIGAS E LAJES
DESENHO DE
DADOS DE
VIGAS E LAJESVIGAS E LAJES
GERACAO DE
DESENHO DE
Como são discretizadas as lajes? Para discretização automática poderemos usar o
programa orientado para lajes planas ou para lajes nervuradas. Em qualquer caso,
teremos como resultado um arquivo que descreve a grelha somente com as barras de
vigas, e um arquivo de desenho que inclui esquematicamente as barras das vigas mais
as lajes discretizadas. Estes dois arquivos serão efetivamente convertidos em um
arquivo completo de grelha com vigas e lajes após o processamento da extração gráfica
de grelhas:
GRELHA DEGRELHA DE
VIGAS
DESENHO DE
DADOS DE
VIGAS E LAJES
EXTRACAO
GRAFICA
DE GRELHAS VIGAS E LAJES
GRAFICA
DE GRELHAS
ENTRADA
Por que é necessário o processamento adicional de extração gráfica? A resposta é que
este processamento permite introduzir modificações importantes diretamente no modelo
de grelha, através da utilização do “Editor de Entrada Gráfica de Grelhas”. Podemos
alterar graficamente o desenho de dados da grelha, modificando carregamentos, seções
de barras, situações de contorno, introduzindo novos apoios, etc.
4 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
O “Editor de Entrada Gráfica de Grelhas” permite também a discretização das lajes
diretamente dentro do editor. Neste caso, geraremos apenas as grelhas de vigas, e
faremos a discretização exclusivamente através do editor gráfico.
1.2. Modelos e critérios
A definição dos diversos critérios que controlam o modelo estrutural e dos
carregamentos pode ser feita diretamente através de menus do gerenciador.
Mostraremos estes menus no próximo capítulo.
Embora não recomendada, para compatibilidade com dados de versões anteriores, é
possível a definição de critérios através da codificação de arquivos .LDF, usando a
seção GRELHA.
1.3. Compatibilidade com o sistema Mix
O Mix® é um versátil sistema de análise de estruturas reticuladas, desenvolvido pela
Pinheiro Medeiros Informática, que faz interface direta com o Grelha-TQS. Você pode
usar o Mix® com duas finalidades:
 Como uma alternativa na manipulação e processamento da grelha gerada pelo
Grelha-TQS. O Mix é compatível com o formato gerado pelo CAD/TQS, e o
CAD/TQS lê os esforços calculados pelo Mix®;
 Para o processamento de grelhas que além de barras, tenham discretização de
elementos finitos de placa. Os resultados do Mix® podem ser transferidos para o
dimensionamento e detalhamento de lajes através do CAD/Lajes. O “Editor de
Entrada Gráfica de Grelhas” permite construir um modelo de lajes discretizado
por placas.
1.4. Geração de grelhas para projeto com protensão
Nos projetos com detalhamento à protensão, o sistema de detalhamento espera certas
combinações de carregamento padronizadas, definidas na norma NBR-8681. Na versão
atual do sistema, a simples separação de cargas permanentes e acidentais no
CAD/Formas, já permite a geração automática das combinações de protensão.
Embora o menu de critérios e carregamentos de protensão faça parte do Grelha-TQS,
não será descrito aqui. Para maiores detalhes, veja o manual "CAD/Lajes - Projeto de
Lajes Protendidas".
Operação geral 5
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
2. Operação geral
Um único gerenciador agrega diversos sistemas CAD/TQS, com alguns comandos
comuns e outros específicos a cada sistema. Mostraremos os comandos específicos do
Grelha-TQS. Os principais comandos comuns são mostrados no manual “CAD/TQS –
Manual de Comandos e Funções Gerais”.
2.1. Chamando o sistema
O gerenciador CAD/TQS pode ser chamado através
de um ícone na área de trabalho ou do menu iniciar.
O gerenciador apresenta uma tela como esta:
Veja nesta tela:
6 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
 O menu principal, com as opções "Arquivo", "Editar", "Processar", "Visualizar",
"Plotagem" e "Ajuda". Todas as funções do gerenciador podem ser achadas neste
menu;
 A barra de ferramentas, com acesso às funções comuns mais utilizadas. Contém
comandos para editar um edifício, mudar o sistema (CAD/Formas, Grelha-TQS,
CAD/Vigas, etc) e comandos para manipular as janelas nos painéis centrais;
 Ícone Pasta: Este comando permite a mudança da pasta atual para qualquer outra
pasta, seja para processar o Grelha-TQS ou outro sistema do CAD/TQS;
 Três painéis contendo: a representação dos edifícios em forma de árvore
hierárquica, o esquema da planta atual co m a locação dos pilares, e um desenho
de entrada gráfica de grelha;
 Controles no painel direito para edição gráfica de desenhos de grelha;
 Uma área de status com informações do projetista, além do edifício, a pasta atual;
 Uma área de mensagens. Os programas executados emitem mensagens nesta área.
Do lado da área de mensagens dois botões permitem editar ou limpar o seu
conteúdo;
 Uma linha de status inferior, com uma ajuda rápida de cada comando e três
pequenos painéis que indicam o estado do gerenciador, o sistema e o desenho
atual no painel direito.
As opções "Arquivo", "Plotagem" e "Ajuda" são as mesmas para todos os sistemas
CAD/TQS. As opções "Editar", "Processar" e "Visualizar" são específicas do sistema
atual. O gerenciador trabalha sempre no modo de operação de um dos sistemas
CAD/TQS (o sistema atual).
Você pode mudar o sistema atual de
duas maneiras: a primeira, pelo menu
"Arquivo".
Uma maneira rápida de acessar um dos sistemas é através da barra de ferramentas. O
sistema atual fica com o botão correspondente apertado:
Operação geral 7
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
O conteúdo dos menus "Editar", "Processar" e "Visualizar" se altera dinamicamente
conforme o sistema atual, enquanto os demais menus, comuns a todos os sistemas
permanecem constantes. Para acompanhar os exemplos do manual, torne o Grelha-
TQSo sistema atual do gerenciador CAD/TQS.
2.2. Navegando na árvore de edifícios, painel
esquerdo
O comando "Arquivos" – "Edifício" – "Atual" permite a você navegar por todas as
pastas do edifício atual, assim como mudar para qualquer edifício dentro da árvore atual
de edifícios definida no gerenciador. Esta mesma operação pode ser feita diretamente
no painel esquerdo do gerenciador, que é um controle de árvore do Windows.
Neste painel estão representados todos os edifícios da
árvore atual, e por edifício, as diversas pastas, incluindo a
espacial, pilares, fundações, pavimentos, critérios de
projeto, etc. As pastas de pavimento por sua vez, podem
ter ramificações para vigas, critérios de projeto, desenhos,
etc.
A operação deste controle é intuitiva, bastando clicar
diretamente para expandir ou contrair os ramos da árvore.
Para entrar em qualquer pavimento ou pasta do edifício,
selecione com o mouse o pavimento desejado. O
gerenciador não apenas mudará a pasta atual para a
selecionada, como também tentará escolher um novo
sistema, dependendo da pasta
8 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Ao selecionar um novo sistema, se a pasta atual não for deste sistema, o gerenciador
tenta mudar para a próxima pasta que considerar mais adequada. Por exemplo, se você
está processando vigas, ao escolher o sistema Grelha-TQS, a pasta de um dos
pavimentos do edifício será automaticamente selecionada. Você pode verificar isto
diretamente em uma das linhas de status do gerenciador.
Caso necessário, a atualização da árvore de edifícios é feita com a tecla <F5> .
2.3. Esquema de planta, painel central
O painel central do gerenciador é reservado para desenho de esquema de plantas de
formas. Este desenho somente é realizado para plantas de formas processadas.
O desenho mostrado é visualizado, mas não pode ser diretamente editado. Utilize os
botões de manipulação de janelas da barra de ferramentas para mudar a janela da
imagem visualizada, ou os mesmos aceleradores de teclado padrão de edição gráfica
para mudança de janela, as teclas <F8> e <F11>
1
.
2.4. Desenho selecionado no painel direito
O painel direito do gerenciador é reservado para visualização de desenhos quaisquer da
pasta atual. Cada vez que você muda uma pasta de projeto, o gerenciador examina
todos os desenhos da pasta, escolhe um (de acordo com o sistema atual) e mostra. Além
disto, todos os desenhos da pasta são colocados dentro de uma lista de desenhos, com o
nome de cada desenho e um comentário a respeito do seu uso:
Basta escolher um desenho da lista para
mostrá-lo no painel direito. Assim como
no painel central, você pode usar os
controles de janela para observar melhor o
desenho.
Use o botão "DWG" neste painel para
editar o desenho desejado.
O editor gráfico carrega automaticamente
os menus correspondentes ao tipo de
desenho
1
Veja no manual "EAG – Editor de Aplicações Gráficas".
Operação geral 9
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
2.5. Edição, visualização e impressão de listagens
Todas as listagens geradas pelos sistemas são visualizadas através do editor EDITW.
Qualquer listagem visualizada pode ser impressa a partir do editor:
Este programa é um típico aplicativo de edição do Windows, que lê e grava arquivos
texto. Além dos controles de edição de textos do Windows, este editor tem comandos
específicos para formatar a listagem para 132 colunas em formulários de 8 ", e para
procurar mensagens de aviso e erro.
Se você deseja editar, visualizar ou imprimir uma listagem qualquer, chame-a através
do menu "Visualizar" ou através do comando "Arquivos" – "Utilidades" – "Edição /
Visualização de listagens" ou, ainda, clicando sobre a listagem desejada na árvore de
edifícios.
2.6. Edição de critérios
Critérios podem ser localizados na pasta geral de critérios, ou na pasta específica do
pavimento do edifício. O controle do arquivo de critérios a ser editado é feito através de
uma janela de diálogo que aparece antes da edição de qualquer arquivo.
10 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Menu Editar 11
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
3. Menu Editar
O menu “Editar” controla a digitação dos dados do modelo da grelha, possibilitando
inclusive uma edição interativa destes dados. É no menu “Editar” que serão realizadas
todas as parametrizações dos critérios de geração do modelo da grelha e as definições
dos casos de carregamentos.
3.1. Critério de geração do modelo
Posicionado o mouse sobre o comando “Critério de geração do modelo”, será acionadas
as opções de edição dos diversos arquivos de critérios que controlam a geração do
modelo de grelha:
3.1.1. Critérios gerais
Acione a seqüência de comando “Editar” – “Critério de geração do modelo” –
“Critérios Gerais”:
12 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Defina na janela “Critérios da geração de grelha”, a opção de edição, clique no botão
“OK” e o programa de edição dos “Critérios Gerais” será acionado, Veja no manual
“Grelha-TQS– Manual de Critérios de Projeto”, a descrição detalhada de todos os
critérios considerados para a montagem da grelha formada por barras de vigas e lajes,
rigidez dos apoios, inércia e materiais de vigas, etc.
 Comum a todos os projetos
Esta opção irá editar o arquivo de critérios de projetos comum a todos os projetos,
desde que não exista um arquivo de critérios na pasta onde o projeto será processado,
ou na pasta do edifício.
 Comum a todos os pavimentos
Menu Editar 13
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Esta opção irá editar o arquivo de critérios de projetos na pasta do edifício, neste caso
os critérios editados serão válidos para todos os pavimentos deste projeto, salvo nas
situações onde houver um arquivo de critério definido no pavimento.
 Específico deste pavimento
Esta opção irá editar o arquivo de critérios de projetos na pasta atual, neste caso os
critérios editados somente serão válidos para este projeto.
3.1.2. Carregamentos
Acione a seqüência de comando “Editar” – “Critério de geração do modelo” –
“Carregamentos”:
Defina na janela “Critérios casos de carregamento na grelha”, a opção de edição, clique
no botão “OK” e o programa de edição dos “Casos de Carregamento na Grelha” será
acionado. Veja no manual “Grelha-TQS– Manual de Critérios de Projeto”, a descrição
detalhada da definição destes casos de carregamentos.
14 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
 Comum a todos os projetos
Esta opção irá editar o arquivo de critérios de projetos comum a todos os projetos,
desde que não exista um arquivo de critérios na pasta onde o projeto será processado,
ou na pasta do edifício.
 Específico deste pavimento
Esta opção irá editar o arquivo de critérios de projetos na pasta atual, neste caso os
critérios editados somente serão válidos para este projeto.
3.1.3. Lajes nervuradas
Acione a seqüência de comando “Editar” – “Critério de geração do modelo” – “Lajes
nervuradas”:
Menu Editar 15
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Defina na janela “Critérios de geração de laje nervurada”, a opção de edição, clique no
botão “OK” e o programa de edição dos “Critérios para lajes nervuradas” será
acionado. Veja no manual “Grelha-TQS– Manual de Critérios de Projeto”, a descrição
detalhada de todos os critérios considerados para a montagem da grelha formada por
barras de vigas e barras discretizando as nervuras.
 Comum a todos os projetos
Esta opção irá editar o arquivo de critérios de projetos comum a todos os projetos,
desde que não exista um arquivo de critérios na pasta onde o projeto será processado,
ou na pasta do edifício.
 Comum a todos os pavimentos
16 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Esta opção irá editar o arquivo de critérios de projetos na pasta do edifício, neste caso
os critérios editados serão válidos para todos os pavimentos do projeto, salvo nas
situações onde houver um arquivo de critério definido no pavimento.
 Específico deste pavimento
Esta opção irá editar o arquivo de critérios de projetos na pasta atual, neste caso os
critérios editados somente serão válidos para este projeto.
3.1.4. Lajes planas
Acione a seqüência de comando “Editar” – “Critério de geração do modelo” – “Lajes
planas”:
Defina na janela “Critérios de geração de laje planas”, a opção de edição, clique no
botão “OK” e o programa de edição dos “Critérios para lajes planas” será acionado.
Veja no manual “Grelha-TQS– Manual de Critérios de Projeto”, a descrição detalhada
de todos os critérios considerados para a montagem da grelha formada por barras de
vigas e barras discretizando as lajes maciças.
Menu Editar 17
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
 Comum a todos os projetos
Esta opção irá editar o arquivo de critérios de projetos comum a todos os projetos,
desde que não exista um arquivo de critérios na pasta onde o projeto será processado,
ou na pasta do edifício.
 Comum a todos os pavimentos
Esta opção irá editar o arquivo de critérios de projetos na pasta do edifício, neste caso
os critérios editados serão válidos para todos os pavimentos do projeto, salvo nas
situações onde houver um arquivo de critério definido no pavimento.
 Específico deste pavimento
Esta opção irá editar o arquivo de critérios de projetos na pasta atual, neste caso os
critérios editados somente serão válidos para este projeto.
3.1.5. Critérios de Grelha Não Linear
Acione a seqüência de comando “Editar” – “Critérios” – “Critério de Grelha Não
Linear”
18 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Defina na janela “Critérios de cálculo de grelha não linear”, a opção de edição, clique
no botão “OK” e o programa de edição dos “Critérios de cálculo de grelha não linear”
será acionado. Veja no manual “Grelha-TQS– Manual de Critérios de Projeto”, a
descrição detalhada de todos os critérios considerados para o cálculo não linear de
grelhas.
 Comum a todos os projetos
Esta opção irá editar o arquivo de critérios de cálculo de grelha não linear comum a
todos os projetos, desde que não exista um arquivo de critérios na pasta onde o projeto
será processado, ou na pasta do edifício.
 Comum a todos os pavimentos
Menu Editar 19
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Esta opção irá editar o arquivo de critérios de cálculo de grelha não linear na pasta do
edifício, neste caso os critérios editados serão válidos para todos os pavimentos do
projeto, salvo nas situações onde houver um arquivo de critério definido no pavimento.
 Específico deste pavimento
Esta opção irá editar o arquivo de critérios de cálculo de grelha não linear na pasta
atual, neste caso os critérios editados somente serão válidos para este pavimento.
Na ocasião da edição dos critérios de cálculo de grelha não linear, você também
encontrará ao lado de cada opção um ícone de ajuda, clique neste ícone e então será
acionada uma janela contendo explicações detalhadas sobre as aplicações do critério
editado.
3.1.6. Combinações em concreto armado
Acione a seqüência de comando “Editar” – “Critérios” – “Combinações em concreto
armado”
Defina na janela “Regras de geração de combinações”, a opção de edição, clique no
botão “OK” e o programa de edição das “Combinações de cálculo para grelhas” será
acionado. Veja no manual “Grelha-TQS– Manual de Critérios de Projeto”, a descrição
detalhada do funcionamento da janela de combinações para grelhas com elementos de
concreto armado.
20 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
 Comum a todos os projetos
Esta opção irá editar o arquivo de critérios de cálculo de grelha não linear comum a
todos os projetos, desde que não exista um arquivo de critérios na pasta onde o projeto
será processado, ou na pasta do edifício.
 Comum a todos os pavimentos
Esta opção irá editar o arquivo de critérios de cálculo de grelha não linear na pasta do
edifício, neste caso os critérios editados serão válidos para todos os pavimentos do
projeto, salvo nas situações onde houver um arquivo de critério definido no pavimento.
 Específico deste pavimento
Esta opção irá editar o arquivo de critérios de cálculo de grelha não linear na pasta
atual, neste caso os critérios editados somente serão válidos para este pavimento.
3.1.7. Combinações em concreto protendido
Acione a seqüência de comando “Editar” – “Critérios” – “Combinações em concreto
protendido”
Menu Editar 21
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Defina na janela “Regras de geração de combinações”, a opção de edição, clique no
botão “OK” e o programa de edição das “Combinações de cálculo para grelhas” será
acionado. Veja no manual “Grelha-TQS– Manual de Critérios de Projeto”, a descrição
detalhada do funcionamento da janela de combinações para grelhas com elementos de
concreto armado e protendido.
 Comum a todos os projetos
Esta opção irá editar o arquivo de critérios de cálculo de grelha não linear comum a
todos os projetos, desde que não exista um arquivo de critérios na pasta onde o projeto
será processado, ou na pasta do edifício.
22 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
 Comum a todos os pavimentos
Esta opção irá editar o arquivo de critérios de cálculo de grelha não linear na pasta do
edifício, neste caso os critérios editados serão válidos para todos os pavimentos do
projeto, salvo nas situações onde houver um arquivo de critério definido no pavimento.
 Específico deste pavimento
Esta opção irá editar o arquivo de critérios de cálculo de grelha não linear na pasta
atual, neste caso os critérios editados somente serão válidos para este pavimento.
3.1.8. Converter formato 7.0
Acione a seqüência de comando “Editar” – “Critério de geração do modelo” –
“Converter formato 7.0”, para atualizar o formato dos arquivos de critérios gerais e
carregamentos:
Na versão 7.0 os arquivos de critérios gerais e carregamentos na grelha têm outra
formatação (Disposição dos dados dentro do arquivo em formato texto). Este comando
converte automaticamente para a versão 9.0 estes arquivos
3.2. Entrada Gráfica de Grelhas
A seqüência de comandos “Editar” – “Entrada gráfica de grelhas”, aciona um editor
gráfico que constitui uma ferramenta que permite editar graficamente os dados das
barras das lajes, condições de apoios especiais e plastificação.
Menu Editar 23
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Explicações detalhadas sobre como utilizar o programa, “Entrada Gráfica de Grelha”,
encontram-se descritas no manual “Grelha-TQS– Manual de Entrada Gráfica de
Grelha”
Você também pode acionar
diretamente o desenho de
entrada gráfica de grelha,
na lista de desenhos do
diretório atual:
3.3. Dados de grelha
Com a da seqüência de comandos “Editar” – “Dados de grelha”, você pode editar os
modelos de grelha compostos por barras de vigas e lajes, restrições de apoios, etc,
gerados pelo sistema através do “Editor de Entrada Gráfica de Grelhas” a partir do
processamento do comando “Extração de dados do desenho de grelha” do menu
“Processar”.
Com este editor, você poderá criar novos
nós, barras, restrições, seções, materiais,
carregamentos, combinações, envoltórias,
alterando diretamente o arquivo de dados
da grelha (.GRE).
Além das cargas nas barras, o Grelha-TQS aceita também carga nos nós, efeito de
temperatura e a entrada direta de esforços de engastamento perfeito.
Veja no manual “Grelha-TQS– Manual de Edição de dados” como operar este editor.
3.4. Arquivo .GRE
Com a da seqüência de comandos “Editar” – “Arquivo .GRE”, você pode editar os
modelos de grelha compostos por barras de vigas e lajes, restrições de apoios, etc,
utilizando o editor de textos EDTW.
24 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Com o editor EDITW, você poderá criar
novos nós, barras, restrições, seções,
materiais, carregamentos, combinações,
envoltórias, alterando diretamente o
arquivo de dados da grelha (.GRE).
Porém será necessário conhecer a
formatação do arquivo .GRE
Veja no manual “Grelha-TQS– Manual de Edição de dados” a formatação com que os
arquivo .GRE são lidos e gerados.
3.5. Arquivo qualquer
A seqüência de comandos “Editar” – “Arquivo qualquer”, faz com que o gerenciador
apresente uma janela onde são mostrados todos os arquivos existentes na pasta atual,
selecione um deles e o editor EDITW será acionado com a edição do arquivo escolhido.
Menu Processar 25
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
4. Menu Processar
Definidos os critérios, será então possível gerar o modelo da grelha, executar o
processamento do modelo gerado e transferir os esforços provenientes do cálculo
realizado.
4.1. Processar geração do modelo
Execute a seqüência de comandos “Processar” – “Geração do modelo”:
O gerenciador irá acionar a janela “Opções de processamento de grelha”:
26 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
As definições das opções na janela mostrada acima, permitem a execução de todas as
etapas necessárias para o processamento de uma grelha:
 Gerar desenho de dados de grelha
Será gerada a chamada “Entrada gráfica de grelha”, um desenho em formato DWG,
onde será utilizada a escala 1:05, para medidas de desenhos em metro.
 Extração do desenho de grelha / geração do arquivo p/ processamento
Será realizada a extração da entrada gráfica de grelha, e então será gerado o arquivo
FORnnnnM.GRE, que é o arquivo FORnnnn.GRE implementado dos dados
referentes as barras que discretizam as lajes nervuradas e/ou planas definidas na
entrada gráfica de grelha.
 Processar a grelha – análise matricial
Processamento do modelo da grelha.
 Transferir esforços resultantes para dimensionamento de vigas
Transferência dos esforços provenientes do processamento do modelo da grelha, para
o dimensionamento e detalhamento das vigas do pavimento.
 Transferir esforços resultantes para dimensionamento de lajes
Transferência dos esforços provenientes do processamento do modelo da grelha, para
o dimensionamento e detalhamento das lajes do pavimento.
4.2. Extração de dados do desenho de grelha
Se você escolher calcular o pavimento utilizando a discretização pelo modelo de grelha
de vigas mais lajes planas, ou grelha de vigas mais lajes nervuradas. Será então
necessário executar a seqüência de comandos “Processar” – “Extração de dados do
desenho de grelha”:
Com a execução deste comando, será realizada a extração da entrada gráfica de
grelha, arquivo GREnnnn.DWG, e então será gerado o arquivo FORnnnnM.GRE, que
é o arquivo FORnnnn.GRE implementado dos dados referentes as barras que
discretizam as lajes nervuradas e/ou planas definidas na entrada gráfica de grelha.
Menu Processar 27
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Caso você esteja processando o uma grelha fora da seção
edifício, na ocasião da execução deste comando será
solicitado o número do projeto a ser processado.
4.3. Processamento dos esforços
Com o mouse repousado sobre o comando “Processamento de esforços”, do menu
“Processar”, é então acionado um novo menu:
O novo menu mostra quatro opções de processamento dos modelos de grelhas gerados
pelo Sistema, a seguir será mostrado o funcionamento de cada uma das opções.
4.3.1. Cálculo dos esforços via Resolvedor TQS
Execute a seqüência de comandos “Processar” – “Processamento dos esforços” –
“Cálculo de esforços – Resolvedor TQS”:
Será selecionado e processado o arquivo do modelo de grelha definido na pasta do
pavimento atual. Veja a seguir o nome de cada tipo de arquivo que poderá ser
executado em função do modelo escolhido:
 Grelha só de vigas, arquivo FORnnnn.GRE;
 Grelha de vigas mais lajes planas, arquivo FORnnnnM.GRE;
 Grelha de vigas mais lajes nervuradas, arquivo FORnnnnM.GRE.
28 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Após o processamento do modelo serão gerados alguns arquivos que são utilizados pelo
próprio Sistema CAD/TQS e um arquivo em forma de listagem, neste estarão listados
todos os dados do modelo da grelha processada assim como todos os resultados. Veja a
seguir o nome dos arquivos gerados em função do modelo processado:
 Grelha só de vigas, arquivo FORnnnn.LST;
 Grelha de vigas mais lajes planas, arquivo FORnnnnM. LST;
 Grelha de vigas mais lajes nervuradas, arquivo FORnnnnM. LST.
4.3.2. Cálculo de esforços via Resolvedor Mix®
Execute a seqüência de comandos “Processar” – “Processamento dos esforços” –
“Cálculo de esforços – Resolvedor MIX (R)”:
Uma das opções dos Sistemas integrados CAD/TQS, é solução por discretização das
lajes do pavimento com modelagem de elementos finitos de placas.
Se você adquiriu esta opção, ao ser acionado o comando “Esforços via Mix (R)”, será
selecionado e processado o arquivo do modelo discretizado por elementos finitos de
placas, existente na pasta do pavimento atual.
Caso não exista modelo discretizado por elemento finito de placa o resolvedor
processará o modelo existente.
4.3.3. Processar Grelha Não Linear
Execute a seqüência de comandos “Processar” – “Processamento dos esforços” –
“Grelha Não Linear”:
Menu Processar 29
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Será selecionado o arquivo do modelo de grelha definido na pasta do pavimento atual, e
ao processar este arquivo, o Sistema CAD/TQS lerá os “Critérios de Grelha Não
Linear” e processará a grelha conforme a parametrização destes critérios.
Veja a seguir o nome do arquivo do modelo de grelha, que será processado, este nome
estará definido no modelo escolhido:
 Grelha só de vigas, arquivo FORnnnn.GRE;
 Grelha de vigas mais lajes planas, arquivo FORnnnnM.GRE;
 Grelha de vigas mais lajes nervuradas, arquivo FORnnnnM.GRE.
Após o processamento do modelo serão gerados alguns arquivos que serão utilizados
pelo próprio Sistema CAD/TQS e um arquivo em forma de listagem, neste estarão
listados todos os dados do modelo da grelha processada assim como todos os
resultados. Veja a seguir o nome dos arquivos gerados em função do modelo
processado:
 Grelha só de vigas, arquivo FORnnnn.LST;
 Grelha de vigas mais lajes planas, arquivo FORnnnnN. LST;
 Grelha de vigas mais lajes nervuradas, arquivo FORnnnnN. LST.
4.4. Análise dos esforços
Com a grelha processada, você poderá executar a seqüência de comandos “Processar” –
“Análise de esforços” para obtenção de um arquivo .LST com a listagem dos esforços
solicitantes nas barras da grelha para um determinado carregamento:
Será gerada a listagem GREANAnn.LST,
onde nn é o número do caso de
carregamento solicitado na ocasião do
processamento do comando “Análise de
esforços”.
30 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
A escolha do carregamento é feita através da janela “Escolha do número do caso de
carregamento”, onde só poderá ser escolhido um caso por vez:
4.5. Transferência de esforços
Com a grelha processada e os esforços resultantes analisados, será então necessário
transferir os esforços para o dimensionamento e detalhamento das peças.
A janela “Transferência de esforços de grelha para lajes e vigas” será aberta. Nela é
escolhido o tipo de transferência desejada:
Menu Processar 31
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
4.5.1. Transferência Grelha => CAD/Vigas
Para que ocorra a transferência dos esforços provenientes do processamento do modelo
da grelha, para o dimensionamento e detalhamento das vigas do pavimento, execute a
seqüência de comandos “Processar” – “Transferência dos esforços” – “Grelha =>
CAD/Vigas”:
4.5.2. Transferência Grelha => CAD/Lajes
Para que ocorra a transferência dos esforços provenientes do processamento do modelo
da grelha, para o dimensionamento e detalhamento das lajes do pavimento, execute a
seqüência de comandos “Processar” – “Transferência dos esforços” – “Grelha =>
CAD/Lajes”:
4.5.3. Transferência Elementos Finitos => CAD/Lajes
Para que ocorra a transferência dos esforços provenientes do processamento via Mix(R)
de uma laje discretizada por elementos finitos de placas, execute a seqüência de
comandos “Processar” – “Transferência dos esforços” – “Elementos Finitos =>
CAD/Lajes”:
4.5.4. Transferência Grelha => Lajes protendidas
Para que ocorra a transferência dos esforços provenientes do processamento do modelo
da grelha, para o dimensionamento e detalhamento das lajes protendidas do pavimento,
execute a seqüência de comandos “Processar” – “Transferência dos esforços” – “Grelha
=> Lajes protendidas”:
4.6. Conversão Grelha - Elementos finitos
Você pode converter uma grelha formada por lajes e vigas em um modelo com placas,
através da seqüência de comandos “Processar” – “Conversão Grelha-Elementos
finitos”:
32 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
5. Menu Visualizar
O menu “Visualizar”, permite visualizar de forma interativa e gráfica os resultados dos
processamentos realizados pelo Grelha-TQS, além é claro de permitir a visualização
destes mesmos resultados em formato texto.
5.1. Edição Gráfica
A seqüência de comando “Visualizar” – “Edição Gráfica”, aciona o programa de edição
gráfica de desenhos, que permite gerar novos desenhos, visualizar e editar desenhos
existentes.
5.2. Visualizar Geração do modelo
A partir da seqüência de comandos: “Visualizar” – “Geração do modelo”, podemos
analisar um relatório que é criado durante o processamento da geração do modelo de
grelha.
Menu Visualizar 33
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Este relatório é visualizado através de um arquivo .LST, onde estão listados os critérios
de geração do modelo, elementos discretizados, detalhes sobre a discretização e um
resumo de cargas existentes no modelo de grelha.
5.3. Visualizador de grelhas - Espacial
A seqüência de comandos “Visualizar” – “Visualizador de grelhas - Espacial”, aciona o
programa “Visualizador de Grelha”, que permite, de forma interativa, visualizar, com
diferentes tipos de vistas, os esforços resultantes provenientes do processamento da
grelha:
Através deste visualizador você também
poderá ver os esforços e deslocamentos
em forma de curvas de isovalores.
Explicações detalhadas sobre como utilizar o programa, “Visualizador de Grelha”,
encontram-se descritas no manual “Grelha-TQS– Manual do Visualizador de Grelha”.
5.4. Grelha Não Linear - Espacial
A seqüência de comandos “Visualizar” – “Grelha não linear - Espacial”, aciona o
programa “Visualizador de Grelha Não Linear”.
34 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
O “Visualizador de Grelha Não-Linear” é um programa específico para analisar os
resultados do processamento de uma grelha considerando a não-linearidade física das
barras. Nele é possível, de forma interativa, visualizar os esforços resultantes
provenientes do processamento da grelha não linear, abertura de fissuras,
deslocamentos (totais e após construção das alvenarias) e visualização das flechas ao
longo da base de uma alvenaria.
Explicações detalhadas sobre como utilizar o programa “Visualizador de Grelha Não
Linear”, encontram-se descritas no manual “Grelha-TQS– Manual do Visualizador
Gráfico de Grelhas”.
5.5. Análise Dinâmica
Através da seqüência de comandos “Visualizar” – “Análise dinâmica”, pode-se acionar
o programa “Visualizador de Análise Dinâmica de grelhas”.
O Visualizador de Análise Dinâmica de grelhas permite, através de várias vistas,
analisar os modos de vibração provenientes da análise dinâmica da grelha do
pavimento. Também são apresentadas listagens com os valores de freqüências, massas
e fatores de participação desta análise.
Menu Visualizar 35
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Explicações detalhadas sobre como utilizar o programa “Visualizador de Análise
Dinâmica de grelhas”, encontram-se descritas no manual “Grelha-TQS– Manual do
Visualizador Gráfico de Grelhas”.
5.6. Esforços
O arquivo gerado a partir do processamento do comando “Esforços”, do menu
“Processar”, é a listagem “FORnnnn.LST”, ou a listagem FORnnnnM.LST. Esta
listagem poderá ser editada e/ou visualizada através do programa de edição de textos
“EDITW”, a partir da seqüência de comandos: “Visualizar” – “Processamento de
esforços”
Nesta listagem são apresentados os esforços, flechas e carregamentos para TODOS os
casos de carregamentos e para as combinações, além dos resultados da análise
dinâmica. Os elementos apresentados são controlados através dos “Critérios Gerais” da
grelha.
5.7. Análise de esforços (por carregamento)
O arquivo gerado a partir do processamento do comando “Análise de esforços (por
carregamento)”, do menu “Processar”, é a listagem “GREANAnn.LST”, esta listagem
poderá ser editada e/ou visualizada através do programa de edição de textos “EDITW”,
a partir da seqüência de comandos: “Visualizar” – “Análise de esforços (por
carregamento)”:
36 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Nesta listagem são apresentados os esforços solicitantes nas barras para um
determinado carregamento.
A escolha do carregamento é feita através da janela “Escolha do número do caso de
carregamento”, onde só poderá ser escolhido um caso por vez:
5.8. Extração de dados do desenho de grelha
A partir do processamento do comando “Extração de dados do desenho de grelha”, do
menu “Processar”, é gerada a listagem “GREEXT.LST”, esta listagem poderá ser
editada e/ou visualizada através do programa de edição de textos “EDITW”, a partir da
seqüência de comandos: “Visualizar” – “Extração de dados do desenho de grelha”
Nesta listagem são apresentadas as características da grelha extraída do desenho
GREnnnn.DWG, além de mensagens de aviso emitidas durante a extração dos dados.
Menu Visualizar 37
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
5.9. Visualização de erros
O Visualizador de Erros é um programa que apresenta de forma gráfica e organizada
os avisos/erros emitidos durante um processamento, seja ele global (Ex: Processamento
Global) ou local (Ex: Processamento de um Pavimento). A visualização de erros está
disponível em todos os sistemas CAD/TQS.
5.9.1. Como Inicializar o Visualizador de erros
Execute a seqüência de comandos: “Visualizar” – “Erros”:
38 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
5.9.2. Ambiente do Programa
O ambiente principal do Visualizador de Erros é composto por:
 Barra de ferramentas
Através da barra de ferramentas, você pode filtrar os erros referentes a um determinado
sistema (CAD/Formas, CAD/Vigas, ...) e atualizar a lista de erros mostrada ao lado.
Para visualizar todos os erros encontrados no seu edifício, clique no seguinte botão:
 Árvore do edifício
Através da árvore de edifício, você pode selecionar os erros de um pavimento
específico e atualizar a lista de erros mostrada ao lado.
 Lista de erros
Menu Visualizar 39
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Todos os erros são listados de maneira organizada segundo ao seu sistema e ao seu
pavimento. O erro atual, isto é, o erro que está sendo descrito na janela abaixo da lista,
é destacado na cor amarela. Se você clicar em cima do erro (linha da tabela), o
programa automaticamente mostra a sua descrição na janela abaixo.
 Janela gráfica
Na janela gráfica, é mostrado o desenho do pavimento selecionado na árvore
do edifício e a localização dos erros em planta. Os erros são representados
graficamente por um círculo, como mostrado ao lado.
O erro atual, isto é, o erro que está sendo descrito na janela abaixo da lista, é destacado
por um retângulo. Se você clicar em cima do erro (círculo), o programa
automaticamente mostra a sua descrição na janela ao lado.
 Descrição do erro
Todos os erros são descritos de forma clara e objetiva. Em algumas mensagens
inclusive, são mostrados alguns valores numéricos calculados durante o processamento.
 Barra de Status
Na barra de status inferior, é possível verificar a quantidade
total de erros. Além disso, em determinados erros você pode
acessar mais detalhes clicando no canto direito inferior.
5.9.3. Como Atualizar a Lista de Erros
Você pode executar um processamento mantendo o Visualizador de Erros aberto. No
entanto, a lista de erros não é atualizada automaticamente. Para atualizá-la, utilize a
barra de ferramentas ou a tecla de atalho F5.
40 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
5.9.4. Como Configurar a Visualização
Você pode configurar os parâmetros dos erros visualizados. Por exemplo: alterar as
cores das entidades da janela gráfica, filtrar erros com uma determinada classificação.
Para isto, clique no seguinte botão da barra de ferramentas:
Então será acionada a janela “Parâmetro de Visualização”:
Seqüência de comandos para solução de grelha somente de vigas de um pavimento 41
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
6. Seqüência de comandos para solução
de grelha somente de vigas de um
pavimento
O modelo mais simples de grelha é aquele formado somente por barras de vigas. Estas
barras são geradas com peso próprio, cargas declaradas sobre as vigas e cargas das
lajes, distribuídas por processo simplificado.
Se o Modelo Estrutural adotado para o edifício (dentro dos Dados do Edifício) for o 4
teremos:
O primeiro passo, para gerar grelhas de vigas, é definir o modelo do pavimento como
“Grelha somente de vigas”. Para pavimentos onde o modelo do pavimento já foi
definido como apenas de vigas, as lajes lançadas após esta adoção são
automaticamente definidas como não discretizadas na grelha. Para pavimentos onde o
modelo é diferente, é necessário alterar o modelo do pavimento, dentro dos Dados do
Edifício, e posteriormente definir todas as lajes como NÃO discretizadas na grelha,
dentro do Modelador Estrutural.
Processe a planta de formas e defina os critérios e carregamentos desejados,e depois
disto, faça a geração e processamento do modelo de grelha:
42 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Como se certificar dos critérios e
carregamentos usados? Visualize a
listagem GREFOR.LST gerada após este
processamento, com o comando:
6.1. Listagem da geração do modelo só de vigas
Ao acessarmos o comando “Visualizar” – “Geração do modelo”, para um modelo de
grelha somente de vigas, será criado um arquivo GREFOR.LST com dados sobre os
critérios utilizados para geração do modelo, além de outros dados que servem para
verificação do modelo do pavimento.
Inicialmente, na listagem GREFOR.LST, caso o arquivo geral de critérios de formas
tenha sido carregado, uma mensagem será emitida, informando o arquivo e diretório
lidos:
Critérios carregados: TQSTESTEPLACRITGRE.DAT
Arquivo de carregamentos....... CARRGRE.DAT
Destes arquivos são lidos parâmetros defaults para os critérios gerais. Estes, por sua
vez, podem ser redefinidos através do menu de critérios, sendo listados a seguir. Em
primeiro lugar, se o fck foi definido nos dados do edifício, ele será listado e usado no
cálculo do módulo de elasticidade:
Seqüência de comandos para solução de grelha somente de vigas de um pavimento 43
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
FCK definido no edificio
========================
Valor = 150.00 kgf/cm2
A seguir são apresentados os critérios efetivamente usados:
Criterios gerais
=================
Redutor de inércia a torção do comando TORÇÃO ... 1.00 ( REDTOR)
Inércia de calculo das vigas .................... Seção T
FCK do concreto, kgf/cm2 ........................ 150.00 ( FCK )
Fator VEC p/cálculo de E em função do FCK ....... 13700.00 ( VEC )
Módulo de elasticidade longitudinal ............. .2313E+07 ( ELALON)
Módulo de elasticidade transversal .............. .9637E+06 ( ELATRA)
Peso especifico do concreto ..................... 2.50 ( DESCON)
Coeficiente de poisson .......................... .20 ( POISSO)
Redutor de mola XY para pilares elasticos ....... 4.00 ( REDMOL)
Pe direito do piso .............................. 3.00
Redutor de mola Z para pilares elasticos ....... 1.00 ( REDMOZ)
Multip. da largura equiv de pilares elasticos ... 1.00 ( LEPMOL)
Fator de engastamento parcial das vigas ......... 1.00 ( ENGVIG)
Numero de carregamentos verticais ............... 1
Numero de combinacoes ........................... 0
Envoltoria definida ............................. Nao
Você deve conferir se o módulo de elasticidade é o esperado. Este módulo é
inversamente proporcional às flechas na grelha. Verifique também os coeficientes e
redutores, que afetam a inércia dos elementos e os coeficientes de mola.
A seguir vem a descrição de atributos de vigas, pilares e lajes:
Apoios elasticos independentes
==============================
P1 P2 P3 P4
Viga 1 apoio sobre pilar 1 Leqv .200 Lapo .500 Capo .200 Ang .00
KRX .29167E+04 KRY .18667E+03
Viga 1 apoio sobre pilar 2 Leqv .200 Lapo .500 Capo .200 Ang .00
KRX .29167E+04 KRY .18667E+03
Viga 2 apoio sobre pilar 3 Leqv .200 Lapo .500 Capo .200 Ang .00
KRX .29167E+04 KRY .18667E+03
Viga 2 apoio sobre pilar 4 Leqv .200 Lapo .500 Capo .200 Ang .00
KRX .29167E+04 KRY .18667E+03
Modelo da forma:
Nos ................................... 4
Vigas ................................. 4
Pilares ............................... 4
Lajes ................................. 1
44 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Modelo da grelha:
Nos ................................... 8
Materiais ............................. 2
Secoes ................................ 3
Barras ................................ 8
Restricoes ............................ 8
Caso de carregamento .................. 1
===>>> Carregamento gerado pelo CAD/Formas - Lajes + PP + Alvenarias
Forcas nos nos ........................ 16
Carregamentos nas barras .............. 4
Somatoria de cargas verticais.(nos).... .71 tf
Somatoria de cargas verticais.(barras). 14.84 tf (so' vigas)
Note na somatória de cargas verticais, a observação (só vigas). Na geração de
modelos com vigas e lajes, a grelha inicialmente gerada tem somente vigas, e a carga
mostrada é só das vigas. Como neste modelo não há lajes discretizadas, a somatória de
cargas nas vigas inclui as lajes e deve ser próxima da carga no piso determinada pelo
processamento da planta de formas2
.
6.2. Desenho de Verificação
Após o processamento das plantas de formas, o desenho de verificação de dados da
grelha já pode ser gerado, através do comando “Processar” – “Geração do modelo” –
“Gerar desenho de dados da grelha”.
2
Pode haver uma diferença de até 4%, pois o CAD/Formas por simplificação lança
parte da carga direta das lajes no pilares também para as vigas.
Seqüência de comandos para solução de grelha somente de vigas de um pavimento 45
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Este desenho, no caso da discretização de lajes, serve também para a definição e a
modificação das barras das lajes, sendo extraído mais tarde dentro do gerenciador
Grelha-TQS. Veja um exemplo:
1.39 1.39
1.45
1.39 1.39
1.45
1.85
Os nós deste desenho são mostrados segundo a convenção:
RESTRICOES
NO' SEM APOIO
ARTICULADO
APOIO
ENGASTADO
APOIO
ELASTICO
e as cargas:
46 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
C3.00
.80
.86
PARCIAL, 0.80 tf/m
CARGA DISTRIBUIDA
NA EXTENSAO DA
CARGA DISTRIBUIDA
BARRA, 0.86 tf/m
CARGA CONCENTRADA
3 tf
O desenho da grelha pode ser observado com muitos mais recursos, através da janela de
Edição Gráfica. Veja o manual “Grelha-TQS– Manual de Entrada Gráfica de Grelhas”.
6.3. Pilar em Viga de Transição
No momento de geração da grelha, o CAD/Formas não conhece o valor da carga de um
pilar nascendo sobre uma viga de transição.
Quando o Modelo Estrutural utilizado no edifício for o 4, após um primeiro
processamento do pórtico espacial, para estimativa das cargas dos pilares de transição,
os modelos de grelhas são refeitos e recalculados, levando estas cargas em
consideração. Posteriormente, o pórtico espacial é processado novamente.
Alternativamente, você pode estimar esta carga, através do cálculo de um pórtico
espacial, ou do resumo geral de cargas nos pilares do CAD/Formas. Para isto, lance esta
carga no Modelador Estrutural como "Carga estimada no pilar". Esta carga passará a ser
gerada como carga concentrada na viga.
Nenhuma verificação é feita na carga estimada pelo
engenheiro no pilar. O engenheiro é responsável pelo valor da
carga e pela validação do modelo e resultados.
Neste caso, se você está definindo vários casos de carregamento, ou se existe a
separação automática de cargas permanentes e acidentais, então será necessário estimar
manualmente a carga do pilar para cada caso de carregamento diferente.
6.4. Processando a Grelha
A grelha de vigas já foi processada junto com a geração do modelo, mas podemos
também realizar o processamento de esforços no menu “Processar” – “Esforços”.
Dependendo da versão do CAD/TQS utilizada, o processamento poderá ser feito
através do “Resolvedor TQS” ou do “Resolvedor Mix (R)”:
Seqüência de comandos para solução de grelha somente de vigas de um pavimento 47
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
6.5. Verificando Resultados
O melhor meio de verificar resultados é através do Visualizador de Grelhas, Por
exemplo, para obter os momentos fletores My nas barras da grelha, entre primeiro no
visualizador:
Já dentro do visualizador de grelhas, selecione o caso de carregamento de interesse, em
seguida acione os ícones “Visualização espacial” e “Momentos MY, então o desenho
será regerado conforme a figura a seguir:
48 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
-.98
6.85
-.98
-.54
.47
-.54
-.98
6.85
-.98
-.54
.47
-.54
2.08
Ainda dentro do visualizador de grelhas, você poderá continuar a análise dos resultados,
visualizando os demais esforços, flechas, carregamentos, etc. Terminada a análise feche
o programa.
Voltando ao gerenciador do Grelha-TQS, você pode visualizar os mesmos resultados
em forma de listagem, a partir da seqüência de comandos “Visualizar” –
“Processamento de esforços”:
Seqüência de comandos para solução de grelha somente de vigas de um pavimento 49
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Esta é uma listagem de esforços, deslocamentos e carregamentos da grelha segundo a
numeração interna da grelha. Os elementos apresentados nesta listagem são controlados
através dos “Critérios Gerais” da grelha.
Um número interessante no final da listagem é a somatória de reações de apoio:
// REACOES DOS APOIOS //
NO MOMENTO X MOMENTO Y FORCA Z
2 .1033 -.9769 6.5876
8 .1033 .9769 6.5876
11 -.1033 -.9769 6.5876
13 -.1033 .9769 6.5876
------------
26.3505
Os momentos estão no sistema local do apoio, que pode embutir uma rotação em
relação ao sistema global. Verifique se a somatória de cargas no piso é a estimada.
A análise de esforços é uma listagem onde momentos fletores, forças cortantes, reações
de apoio e deslocamentos são mostrados por elemento da planta de formas.
Para obtê-la, primeiro faça o processamento, ilustrado a seguir:
Escolha um carregamento:
depois, no menu visualizar:
50 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
E escolha o carregamento novamente.
No menu processar, você pode também transferir os esforços obtidos nas vigas para o
CAD/Vigas. Entraremos em detalhes na transferência de esforços em outro capítulo.
Seqüência de Comandos para Solução de Grelha de Vigas e Lajes Maciças 51
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
7. Seqüência de Comandos para Solução
de Grelha de Vigas e Lajes Maciças
Para a geração de grelhas com lajes maciças discretizadas, serão necessários alguns
passos adicionais em relação à grelha somente de vigas:
 Selecione no modelador estrutural as lajes que serão discretizadas;
 Defina os critérios para a geração de lajes planas, onde definimos os parâmetros
para a discretização;
 Defina os critérios e os casos de carregamentos;
 Processe o comando de geração do modelo, criando o desenho de dados de grelha;
 Faça a extração gráfica do desenho de entrada gráfica de grelha;
 Processe o modelo gerado;
 Faça a analise do processamento;
 Transfira os esforços para as lajes e vigas.
7.1. Geração do Modelo
Antes de tudo, é necessário processar as plantas de formas do pavimento em que se
quer trabalhar. Depois de definidos os “Critérios Gerais” de grelha, podemos gerar o
modelo. No menu ”Processar”, acione o comando “Geração do modelo”:
Para edifício cujo Modelo Estrutura seja 4, a escolha do tipo de modelo do pavimento -
lajes nervuradas, planas ou grelha só de vigas - é feita diretamente durante a criação do
pavimento nos Dados do Edifício:
52 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
O menu seguinte apresentará o número do projeto deste pavimento e as opções de
processamento. Você pode gerar o desenho de dados da grelha, extrair o desenho e
obter o arquivo .GRE pronto para processamento, fazer a análise e transferir os esforços
resultantes, de uma vez utilizando as opções deste comando:
Seqüência de Comandos para Solução de Grelha de Vigas e Lajes Maciças 53
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Observe que no Modelo 4, as vigas devem ser dimensionadas a partir dos dados do
pórtico espacial, NÃO SENDO RECOMENDADA a transferência de esforços da
grelha para o dimensionamento das vigas
7.2. Listagem da geração do modelo de grelha de
lajes planas
Quando acionamos a geração do modelo de grelha de lajes planas, na verdade são
processados 2 programas: o primeiro, que gera o modelo somente de vigas (que vimos
no capítulo anterior) e o segundo, que faz a discretização e grava informações para
desenho, que é a geração automática da entrada gráfica de grelha da laje plana.
Os 2 programas geram informações que
são gravadas no mesmo arquivo,
GREFOR.LST, visualizados pelo comando
“Geração do modelo”.
As informações iniciais são as mesmas já
vistas no capítulo anterior. Agora, a carga
mostrada sobre as vigas não inclui mais a
cargas das lajes.
Um relatório com os parâmetros da discretização, e as cargas lançadas por lajes é
mostrado no final do arquivo:
Critérios de geração automática de lajes planas
===============================================
Arquivo de critérios .......................................
C:TQSTESTEPLALAJEPLAN.DAT
Considerar secao T nas lajes nervuradas..................... Sim
Divisor da inércia à torsão das barras da grelha............ 6.00
Criação de barras rígidas dentro do pilar................... Sim
Plastificação das extremidades das barras das lajes......... Nao
Plastificação do apoio em pilares no meio da laje........... Sim
Divisor de inércia à flexão do trecho plastificado.......... 40.00
Plastificação default da laje dentro de capiteis............ Nao
Divisor de inércia à flexão default de capiteis............. 2.00
Distância mínima de barra ao contorno....................... 10.00 cm
Criar apoio elástico independente da laje no pilar.......... Sim
Divisor do coef. de mola p/apoio elástico independente...... 4.00
Espaçamento entre barras verticais (cm)..................... 50.00
Espaçamento entre barras horizontais (cm)................... .00
Direção principal (graus)................................... .00
Origem X da malha (cm)...................................... .00
Origem Y da malha (cm)...................................... .00
54 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Geracao automatica de grelha em lajes planas
Laje Carga
lancada (tf)
L1 3.30
L2 3.36
L3 10.56
-------
17.22
Verifique se a carga lançada nas barras das vigas, mais a carga das lajes corresponde à
carga total do piso calculada pelo CAD/Formas.
7.3. Cálculo e Distribuição de Cargas
Para o cálculo de cargas, o sistema primeiro discretiza o modelo, laje por laje. A carga
de cada laje é calculada por um contorno passando pela face das vigas, e a carga total,
excetuando-se as cargas concentradas na laje, é dividida pelo comprimento total das
barras por laje. Como resultado, teremos uma carga por metro de barra, que será
lançada na grelha. Este procedimento vale para todos os carregamentos na grelha.
As cargas concentradas terão um tratamento diferente: elas são representadas
diretamente no desenho da grelha, e somente passarão para o modelo da grelha na etapa
de extração gráfica de grelha. Veja adiante como são representadas.
7.4. Principais características da entrada gráfica de
grelha
O desenho gerado, de nome GREnnnn.DWG, a partir da execução do comando “Geração
do modelo”, tem os mesmos elementos do desenho de grelha só de vigas, mais as barras
das lajes:
.5/.1c.168
.5/.1c.168
.5/.1c.168
.5/.1c.168
.5/.1c.168
.5/.1c.168
.5/.1c.168
.5/.1c.168
.5/.1c.168
.5/.1c.168
.5/.1c.168
.5/.1c.168
.5/.1c.168
.5/.1c.168
.5/.1c.168
.5/.1c.168
.5/.1c.168
.5/.1c.168 .5/.1c.2
TEXTO DE
IDENTIFICACAO
DA BARRA
As barras das lajes são geradas no nível 233, junto com textos de identificação. Estes
textos carregam informações de geometria e carregamentos nas barras. Toda alteração
feita nestes textos vai diretamente para o arquivo de grelhas gerado a partir da extração
gráfica de grelha para este desenho.
Seqüência de Comandos para Solução de Grelha de Vigas e Lajes Maciças 55
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
7.4.1. Cargas Concentradas na Laje
Cargas concentradas e distribuídas parciais sobre as lajes são transportadas para o
desenho de dados da grelha. Estas cargas são projetadas sobre as barras da laje, e
entram no modelo após a extração gráfica do desenho de grelha.
Alvenarias na planta de formas são discretizadas em cargas concentradas e gravadas no
desenho de grelha. Veja um exemplo de laje com uma carga distribuída parcial e uma
carga concentrada:
P1 P2
P5 P6
L1 h10 c.30
CC 0.5
CD
0.8
V1 12/40 c.50
V412/40c.50
V312/40c.50
V2 12/40 c.50
Após o processamento da planta de formas e geração do modelo de grelha, chegaremos
a um desenho de grelha como este:
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
1
2
3
3
4
5
3
6
7
8
3
9
10
11
3
12
.62
.62
CE.50
CE.30
CE.30
CE.30
CE.30
CE.30
CE.30
CE.30
.62
.62
.513/.1c.137
.513/.1c.137
.513/.1c.137
.513/.1c.137
.513/.1c.137
.513/.1c.137
.483/.1c.137
.483/.1c.137
.483/.1c.137
.483/.1c.137
.483/.1c.137
.483/.1c.137
.483/.1c.137
.483/.1c.137
.483/.1c.137
.483/.1c.137
.483/.1c.137
.483/.1c.137
56 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
A carga distribuída parcial de comprimento 2.62m foi dividida automaticamente em 7
cargas concentradas. Estas cargas não coincidem necessariamente com as barras da
grelha. Durante a extração gráfica da grelha, o Grelha-TQSprojetará as cargas sobre as
barras da laje que forem mais próximas. Assim, esquematicamente, as cargas serão
projetadas como no desenho a seguir:
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
1
3
4
6
79
1012
O editor gráfico reconhece a carga concentrada como um elemento comum de desenho,
podendo ser movido ou ter o valor da carga alterado (<SHF> <F6> no texto da carga).
7.4.2. Cargas Distribuídas em Área Delimitada
Estas cargas são discretizadas em cargas concentradas já dentro do CAD/Formas:
ARE .5
L1 h10 c.3
P1 P2
P3 P4
V1 20/50 c.8
V2 20/50 c.8
V320/50c.8
V420/50c.8
.08 .08 .08
.08 .08 .08
.08 .08 .08
Cada carga concentrada resultante entra como uma carga concentrada na grelha,
aplicando-se as regras já mostradas.
Seqüência de Comandos para Solução de Grelha de Vigas e Lajes Maciças 57
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
7.4.3. Diferença de Peso Próprio do Capitel
Quando o capitel tem espessura diferente da laje, o peso próprio por área é diferente.
Esta diferença é lançada como uma carga por área delimitada, resultando em cargas
concentradas, como no exemplo acima.
7.5. Refinando o Modelo com a Entrada Gráfica de
Grelhas
O modelo gerado pelo sistema pode e deve ser refinado pelo engenheiro. Este
refinamento é feito através do “Editor de Entrada Gráfica de Grelhas,” que mostramos
no manual “Grelha-TQS – Entrada Gráfica de Grelhas”.
Depois de gerado o desenho a partir do
gerenciador do Grelha-TQSpodemos alterar
a Entrada Gráfica através do “Editor de
Entrada Gráfica de Grelhas”:
A o modelo de grelha final será gerada após o processamento de extração. Você pode
acionar este processamento dentro do próprio editor, através da opção:
Você também pode acionar o
processamento de extração através do
gerenciador, através da opção:
58 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
Os dados de entrada deste processamento são o desenho da grelha (GREnnnn.DWG) e o
arquivo .GRE somente de vigas, (FOR0001.GRE). O arquivo resultante terá uma grelha
de vigas e lajes, com nome default igual ao da grelha original mais a letra M
(FOR0001M). Já podemos calcular os esforços solicitantes nesta grelha.
A extração gráfica gera também uma
listagem com alguns índices para
verificação, sendo o mais importante à
somatória de cargas. Veja esta listagem
através do menu:
Em caso de erros na extração,
faça o acerto na Entrada
Gráfica de Grelhas. Dentro do
menu : “E.Gráfica”, existe um
comando que aponta todas as
coordenadas com possíveis
problemas de extração.
7.6. Pavimento com laje a ser discretizada e com laje
não discretizada.
Você pode discretizar parte das lajes do piso e não discretizar outras. O Grelha-
TQSprocura manter a coerência na transferência de cargas para pilares neste caso.
No processo simplificado de distribuição de cargas, os apoios recebem quinhões de
cargas conforme as linhas de ruptura da laje. O CAD/Formas lança as seguintes cargas:
Seqüência de Comandos para Solução de Grelha de Vigas e Lajes Maciças 59
TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
3% 3%
CARGA DIRETA
NO PILAR
CARGA NA VIGA
A carga por metro calculada no trecho de laje sobre a viga começa 3% do vão antes da
face do apoio. O CAD/Formas também lança esta mesma carga por metro em todo o
trecho do pilar que faz parte do contorno3
.
Nas lajes discretizadas, as cargas da laje estão sobre as barras das lajes, sendo
distribuídas no processamento da grelha. Nas lajes não discretizadas, parte das cargas
são lançadas nas vigas de apoio. A parcela correspondente aos pilares é lançada como
carga concentrada no nó do pilar. Estas cargas afetam exclusivamente as reações de
apoio, sendo transferidas para o CAD/Vigas (sob comando do engenheiro) e depois
para o CAD/Pilar.
Nota: evite usar este modelo, se estiver trabalhando com pórtico espacial com
imposição de esforços vindos da grelha.
3
Uma vez que a carga neste trecho de 3% do vão é considerada duas vezes, atualmente
o CAD/Formas aumenta ligeiramente a carga do piso no modelo simplificado.
60 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
8. Entendendo o Grelha Não-Linear
Neste capítulo, será demonstrado de maneira clara e objetiva o que é e para que serve o
programa de grelha não-linear física.
Será utilizado o esquema de ‘Perguntas&Respostas’ com o intuito de deixar o texto
mais didático e menos “massante”. As seguintes questões serão respondidas:
 O que é Não-Linearidade?
 É muito importante considerar a Não-Linearidade?
 Para que serve o Grelha Não-Linear Física?
 É difícil utilizar o Grelha Não-Linear Física?
 Posso confiar no Grelha Não-Linear Física?
 Porque é que numa análise não-linear quase sempre é necessário dividir o
carregamento total em incrementos de carga?
 Como a fissuração do concreto é considerada no modelo?
 Quais cálculos o programa faz em “apenas um clique”?
 Um pouco mais de teoria? Bibliografia complementar?
8.1. O que é Não-Linearidade?
Na engenharia de estruturas, é muito comum ouvirmos os termos “Não-Linearidade
Física” e “Não-Linearidade Geométrica”.
De uma maneira muito simplificada, podemos dizer que a “Não-Linearidade Física”
trata-se da não proporcionalidade que ocorre entre as cargas aplicadas e os
deslocamentos de uma estrutura devido ao comportamento não-linear do material (no
caso, o concreto-armado).
Já na “Não-Linearidade Geométrica”, esta não-linearidade ocorre devido a
consideração de esforços adicionais que aparecem na estrutura deslocada (esforços de
segunda ordem).
Como podemos ver, embora a nomenclatura dos termos sejam parecidas, uma não tem
nada a ver com a outra.
Entendendo o Grelha Não-Linear 61
8.1.1. Análise Linear tradicionalmente adotada
Note que para qualquer carregamento N.P o deslocamento resultante N.d será sempre
proporcional. Isto é uma consideração básica adotada em qualquer programa de análise
estrutural.
8.1.2. Análise Não-Linear
.
Neste caso, a relação carga/deslocamento não é mais proporcional e os deslocamentos
tendem a aumentar.
8.2. É muito importante considerar a não-
linearidade?
A consideração da não-linearidade (tanto física como geométrica) pode ser relevante
em certos projetos. Isto depende de inúmeros fatores, tais como: o porte da estrutura, o
nível de solicitações atuantes, a armadura dimensionada e detalhada, etc.
Veja alguns aspectos que fazem com o que a consideração da não-linearidade seja
importante:
 concreto-armado é um material heterogêneo e não-linear;
 a cada dia os projetos estão cada vez mais complexos e as estruturas mais esbeltas;
 com o aparecimento de computadores cada vez mais velozes e programas cada
vez mais completos, o cálculo não-linear será muito comum nos projetos de agora
em diante.
8.3. Para que serve o Grelha Não-Linear Física?
Primeiro, responda a seguinte pergunta: “algum dia você já se questionou se a flecha
calculada para uma determinada laje estava correta?”
Se sua resposta for SIM, provavelmente o grelha não-linear será muito útil para você.
62 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
Neste programa, as flechas das lajes em serviço serão calculadas com muito mais
exatidão, pois será considerada a não-linearidade do concreto-armado devido à
fissuração do concreto. Vale lembrar que flechas excessivas podem inviabilizar
totalmente um projeto.
Você não precisará “adivinhar” onde e quanto deve ser a redução de inércia das barras
de uma grelha.
Uma observação: o grelha não-linear não é uma ferramenta de dimensionamento, ou
seja, seus esforços não são considerados no dimensionamento.
8.4. É difícil utilizar o Grelha Não-Linear Física?
O grelha Não-Linear é um módulo particular do sistema Grelha-TQSe a sua utilização é
muito fácil. Basicamente, existem três etapas principais:
8.4.1. Configuração de Critérios
Como em qualquer outro programa, a configuração correta dos critérios é fundamental
para que os resultados obtidos sejam coerentes. Para facilitar, no programa de edição,
cada critério é explicado com detalhes através dos botões de ajuda “?”.
Entendendo o Grelha Não-Linear 63
8.4.2. Processamento
Depois de configurado os critérios, para processar a grelha basta um clique.
8.4.3. Visualização de Resultados
Foi desenvolvido um visualizador especialmente para analisar os resultados obtidos no
processamento não-linear. Nele inclusive, existe uma animação que mostra como a laje
fissura gradativamente, bem como a evolução das flechas de acordo com o acréscimo
de cargas.
64 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
8.5. Posso confiar no Grelha Não-Linear Física?
Após a finalização do programa, foram feitos diversos testes de validação através de
comparações com teses já publicadas sobre este assunto. Inclusive, foi realizada
também uma comparação com um modelo experimental ensaiado em laboratório (leia
artigo TQS News no. 15 no site www.tqs.com.br).
8.6. Porque é que numa análise não-linear quase
sempre é necessário dividir o carregamento total em
incrementos de carga?
Imagine um arco. De uma forma aproximada ele pode ser representado por alguns
segmentos de reta, certo?
Entendendo o Grelha Não-Linear 65
Note que quanto maior o número de segmentos adotados maior será a precisão.
Analogamente, o comportamento não-linear de uma estrutura (ver gráfico da pergunta
número 1) pode então ser representado por uma série de segmentos lineares sucessivos.
Para isto, o carregamento total aplicado na estrutura é subdividido em N partes, que são
comumente chamados de “Incrementos de Carga”. Entre cada um destes incrementos, o
programa verifica a situação de cada uma das barras, isto é, se elas estão fissuradas ou
íntegras, e corrige seus dados através de uma formulação coerente. “É como se o
programa tentasse caminhar sobre a curva não-linear, ou seja, acompanhar o
comportamento real de uma estrutura”.
Como no caso do arco, quanto maior o número de segmentos, isto é, incrementos de
carga, mais precisa será a análise. Se o número de incrementos adotado for muito
pequeno, os resultados finais do processamento poderão ficar equivocados. Já, se o
número de incrementos for adequado, a flecha final será bem mais exata.
66 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
Observações: Quando o número de incrementos de carga é igual a 1 (NINC=1), trata-se
exatamente da análise linear tradicionalmente utilizada. Note que à medida que
aumentamos o número de incrementos, o deslocamento obtido fica mais próximo do
real.
8.7. Como a fissuração do concreto é considerada
no modelo?
Primeiramente, vamos relembrar algumas definições tradicionais:
 Estádio I : A peça de concreto-armado não apresenta nenhuma fissura e a
resistência à tração do concreto é considerada.
 Estádio II : Considerada a partir do instante em que a primeira fissura aparece no
concreto, que então tem sua resistência à tração desprezada.
 A rigidez de uma peça de concreto-armado é função do seu módulo de
elasticidade E e também de sua inércia I. Ou seja, função de EI.
 A medida que a fissuração aumenta, a rigidez da peça diminui.
Entendendo o Grelha Não-Linear 67
Através das 4 definições simples acima se pode afirmar que a diminuição de rigidez
provocada pela fissuração pode ser simulada tanto por uma redução de E, como por
uma redução de I. Basta lembrar que em muitos casos, a plastificação é muito bem
simulada através da imposição adequada de uma diminuição da inércia.
No modelo de grelha não-linear é adotada a variação de inércia para representar a
fissuração, ou seja, durante o processamento (mais precisamente entre cada incremento
de carga) o programa atualiza as inércias das barras de acordo com uma formulação
adequada.
Porque não utilizar a redução coerente do módulo E? Porque em termos
computacionais, a variação de inércia é mais fácil de ser implementada.
8.8. Quais cálculos o programa faz em “apenas um
clique”?
Na resposta da pergunta 4 (É difícil utilizar o Grelha Não-Linear Física?) foi colocado
que para processar um grelha considerando a não-linearidade era necessário dar apenas
um clique.
Pois bem, o que o programa então faz neste apenas um clique?
 Primeiramente, antes de iniciar o processo incremental o programa resolve a
grelha através de uma análise linear (Etapa linear).
 São montadas envoltórias de esforços atuantes da etapa linear.
 Com esta envoltória, são calculadas as armaduras necessárias para cada uma das
barras (sempre obedecendo a limites máximos e mínimos definidos através de
critérios).
 Inicia-se então o processamento não-linear. A estrutura é carregada
progressivamente, incremento a incremento, até atingir o carregamento total.
 A cada incremento o programa verifica quais barras já fissuraram e corrige suas
respectivas inércias.
 Finalmente, as flechas e os esforços finais resultam do acúmulo dos resultados de
cada um dos incrementos de carga.
68 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções
Uma observação: É possível controlar cada uma das etapas anteriores através de
configurações dos critérios de programa. Ex.: quantidade de armaduras, fatores de
redução à flexão e à torção, etc.
8.9. Um pouco mais de teoria? Bibliografia
complementar?
Normalmente, todas as teses, artigos ou livros que tratam do assunto não-linearidade
física em concreto-armado trazem todas as formulações de maneira bem clara. Porém,
destacam-se a seguir duas publicações:
 Tese de doutoramento
“Análise não-linear de pavimentos de edifícios de concreto através da analogia de
grelha” (1994)
Autor: Prof. Dr. Roberto Chust Carvalho
Orientador: Prof. Dr. Mounir Khalil El Debs
USP/Escola de Engenharia de São Carlos
 Artigo e-ABECE
“Avaliação da deformação de lajes nervuradas considerando a não-linearidade física:
comparação entre valores teóricos e experimentais” (2000)
Autores: Oliveira, R. S.; Araújo, D. L.; Corrêa, M. R. S.; Ramalho, M. A.
e-Artigos ABECE no. 004
TQS Informática Ltda
R. dos Pinheiros, 706 c/2 São Paulo SP 05422-001
Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
tqs@tqs.com.br www.tqs.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório de Estágio
Relatório de EstágioRelatório de Estágio
Relatório de Estágio
Jailson Alves da Nobrega
 
Apostila química aplicada (petrobras)
Apostila química aplicada (petrobras)Apostila química aplicada (petrobras)
Apostila química aplicada (petrobras)
Sayonara Silva
 
RELATÓRIO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO DE CAMPO I
RELATÓRIO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO DE CAMPO IRELATÓRIO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO DE CAMPO I
RELATÓRIO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO DE CAMPO I
Ezequias Guimaraes
 
Nbr 11578 cimento portland composto
Nbr 11578   cimento portland compostoNbr 11578   cimento portland composto
Nbr 11578 cimento portland composto
profNICODEMOS
 
Sapatas
SapatasSapatas
Sapatas
Jailson1212
 
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio beco
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio becoEstruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio beco
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio beco
Jonatas Ramos
 
Tabelas rusch
Tabelas ruschTabelas rusch
Tabelas rusch
Rodrigo Flores
 
Estruturas de Aço e Madeira
Estruturas de Aço e MadeiraEstruturas de Aço e Madeira
Estruturas de Aço e Madeira
marcopesoa
 
Cargas em vigas
Cargas em vigasCargas em vigas
Cargas em vigas
EDER OLIVEIRA
 
Ec3 parte 3
Ec3   parte 3Ec3   parte 3
Ec3 parte 3
Sandra Pinto
 
Dimensionamento de pilares
Dimensionamento de pilaresDimensionamento de pilares
Dimensionamento de pilares
Cesar Silva Campelo
 
Formas 03-critérios de projeto
Formas 03-critérios de projetoFormas 03-critérios de projeto
Formas 03-critérios de projeto
Anderson Ricardo Cunha
 
11aula escoamento
11aula escoamento11aula escoamento
11aula escoamento
Rafael M Salles
 
113 codigo de-praticas_n_01 alvenaria ércio thomas
113 codigo de-praticas_n_01 alvenaria ércio thomas113 codigo de-praticas_n_01 alvenaria ércio thomas
113 codigo de-praticas_n_01 alvenaria ércio thomas
luciano schadler
 
2 E Estruturas BáSicas Rede Tradicional 16 11 2005
2 E Estruturas BáSicas Rede Tradicional 16 11 20052 E Estruturas BáSicas Rede Tradicional 16 11 2005
2 E Estruturas BáSicas Rede Tradicional 16 11 2005
Santos de Castro
 
Apostila curso-hec-ras
Apostila curso-hec-rasApostila curso-hec-ras
Apostila curso-hec-ras
JorgeLuisPlasenciaVa
 
Unesp cap. 1 - sapatas
Unesp   cap. 1 - sapatasUnesp   cap. 1 - sapatas
Unesp cap. 1 - sapatas
Marcelo Rodrigues Leão Silva
 
945 gcl
945 gcl945 gcl
1º lista de exercício avaliativo sobre cimento e aglomerantes
1º lista de exercício avaliativo sobre cimento e aglomerantes1º lista de exercício avaliativo sobre cimento e aglomerantes
1º lista de exercício avaliativo sobre cimento e aglomerantes
profNICODEMOS
 
Dominios
DominiosDominios
Dominios
Gerson Justino
 

Mais procurados (20)

Relatório de Estágio
Relatório de EstágioRelatório de Estágio
Relatório de Estágio
 
Apostila química aplicada (petrobras)
Apostila química aplicada (petrobras)Apostila química aplicada (petrobras)
Apostila química aplicada (petrobras)
 
RELATÓRIO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO DE CAMPO I
RELATÓRIO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO DE CAMPO IRELATÓRIO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO DE CAMPO I
RELATÓRIO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO DE CAMPO I
 
Nbr 11578 cimento portland composto
Nbr 11578   cimento portland compostoNbr 11578   cimento portland composto
Nbr 11578 cimento portland composto
 
Sapatas
SapatasSapatas
Sapatas
 
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio beco
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio becoEstruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio beco
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio beco
 
Tabelas rusch
Tabelas ruschTabelas rusch
Tabelas rusch
 
Estruturas de Aço e Madeira
Estruturas de Aço e MadeiraEstruturas de Aço e Madeira
Estruturas de Aço e Madeira
 
Cargas em vigas
Cargas em vigasCargas em vigas
Cargas em vigas
 
Ec3 parte 3
Ec3   parte 3Ec3   parte 3
Ec3 parte 3
 
Dimensionamento de pilares
Dimensionamento de pilaresDimensionamento de pilares
Dimensionamento de pilares
 
Formas 03-critérios de projeto
Formas 03-critérios de projetoFormas 03-critérios de projeto
Formas 03-critérios de projeto
 
11aula escoamento
11aula escoamento11aula escoamento
11aula escoamento
 
113 codigo de-praticas_n_01 alvenaria ércio thomas
113 codigo de-praticas_n_01 alvenaria ércio thomas113 codigo de-praticas_n_01 alvenaria ércio thomas
113 codigo de-praticas_n_01 alvenaria ércio thomas
 
2 E Estruturas BáSicas Rede Tradicional 16 11 2005
2 E Estruturas BáSicas Rede Tradicional 16 11 20052 E Estruturas BáSicas Rede Tradicional 16 11 2005
2 E Estruturas BáSicas Rede Tradicional 16 11 2005
 
Apostila curso-hec-ras
Apostila curso-hec-rasApostila curso-hec-ras
Apostila curso-hec-ras
 
Unesp cap. 1 - sapatas
Unesp   cap. 1 - sapatasUnesp   cap. 1 - sapatas
Unesp cap. 1 - sapatas
 
945 gcl
945 gcl945 gcl
945 gcl
 
1º lista de exercício avaliativo sobre cimento e aglomerantes
1º lista de exercício avaliativo sobre cimento e aglomerantes1º lista de exercício avaliativo sobre cimento e aglomerantes
1º lista de exercício avaliativo sobre cimento e aglomerantes
 
Dominios
DominiosDominios
Dominios
 

Destaque

Grelha de controlo
Grelha de controloGrelha de controlo
Grelha de controlo
Universidade Federal do Ceará
 
Grelha de avaliação de diagnóstico
Grelha de avaliação de diagnósticoGrelha de avaliação de diagnóstico
Grelha de avaliação de diagnóstico
Aida Martins
 
Grelha de avaliação aula assistida
Grelha de avaliação aula assistidaGrelha de avaliação aula assistida
Grelha de avaliação aula assistida
Ana Paula Guerra
 
Grelha de analise de conteudo_matriz-lisete_lapa
Grelha de analise de conteudo_matriz-lisete_lapaGrelha de analise de conteudo_matriz-lisete_lapa
Grelha de analise de conteudo_matriz-lisete_lapa
Maria Lapa
 
Grelha ava exp_oral
Grelha ava exp_oralGrelha ava exp_oral
Grelha ava exp_oral
Viviana Azevedo
 
Grelha de avaliação de competências
Grelha de avaliação de competênciasGrelha de avaliação de competências
Grelha de avaliação de competências
joaomengo
 
Grelha de reg aval metas de port 1parteturma
Grelha de reg aval  metas de port 1parteturmaGrelha de reg aval  metas de port 1parteturma
Grelha de reg aval metas de port 1parteturma
Marta Isabel
 
IDF - Critérios de Avaliação - 2013/2014
IDF - Critérios de Avaliação - 2013/2014IDF - Critérios de Avaliação - 2013/2014
IDF - Critérios de Avaliação - 2013/2014
André Ferreira Freitas
 
Grelha de Observação dos Alunos na Atividade
Grelha de Observação dos Alunos na AtividadeGrelha de Observação dos Alunos na Atividade
Grelha de Observação dos Alunos na Atividade
Luisa Lamas
 
Grelha nova 2
Grelha nova 2Grelha nova 2
Grelha nova 2
Maria Alves
 
Grelha de avaliação de competências
Grelha de avaliação de competênciasGrelha de avaliação de competências
Grelha de avaliação de competências
joaomengo
 
Conceitos e Estrutura - FAU-USP
Conceitos e Estrutura - FAU-USPConceitos e Estrutura - FAU-USP
Conceitos e Estrutura - FAU-USP
Rafael Kerst
 
Exemplos 02-manual de exemplos passo a passo
Exemplos 02-manual de exemplos passo a passoExemplos 02-manual de exemplos passo a passo
Exemplos 02-manual de exemplos passo a passo
Anderson Ricardo Cunha
 
Avaliação da expressão oral
Avaliação da expressão oralAvaliação da expressão oral
Avaliação da expressão oral
vandacamacho
 
Grelha avaliação apresentações orais
Grelha avaliação apresentações oraisGrelha avaliação apresentações orais
Grelha avaliação apresentações orais
Diogo Tavares
 
Grelha de avaliação dos trabalhos vazia
Grelha de avaliação dos trabalhos vaziaGrelha de avaliação dos trabalhos vazia
Grelha de avaliação dos trabalhos vazia
Sara Costa
 
Grelha de avaliação
Grelha de avaliaçãoGrelha de avaliação
Grelha de avaliação
isa
 
Grelha de registo
Grelha de registoGrelha de registo
Grelha de registo
Anabelafernandes
 
Lajes
LajesLajes
Avaliação Escolar
Avaliação EscolarAvaliação Escolar
Avaliação Escolar
Cursos Profissionalizantes
 

Destaque (20)

Grelha de controlo
Grelha de controloGrelha de controlo
Grelha de controlo
 
Grelha de avaliação de diagnóstico
Grelha de avaliação de diagnósticoGrelha de avaliação de diagnóstico
Grelha de avaliação de diagnóstico
 
Grelha de avaliação aula assistida
Grelha de avaliação aula assistidaGrelha de avaliação aula assistida
Grelha de avaliação aula assistida
 
Grelha de analise de conteudo_matriz-lisete_lapa
Grelha de analise de conteudo_matriz-lisete_lapaGrelha de analise de conteudo_matriz-lisete_lapa
Grelha de analise de conteudo_matriz-lisete_lapa
 
Grelha ava exp_oral
Grelha ava exp_oralGrelha ava exp_oral
Grelha ava exp_oral
 
Grelha de avaliação de competências
Grelha de avaliação de competênciasGrelha de avaliação de competências
Grelha de avaliação de competências
 
Grelha de reg aval metas de port 1parteturma
Grelha de reg aval  metas de port 1parteturmaGrelha de reg aval  metas de port 1parteturma
Grelha de reg aval metas de port 1parteturma
 
IDF - Critérios de Avaliação - 2013/2014
IDF - Critérios de Avaliação - 2013/2014IDF - Critérios de Avaliação - 2013/2014
IDF - Critérios de Avaliação - 2013/2014
 
Grelha de Observação dos Alunos na Atividade
Grelha de Observação dos Alunos na AtividadeGrelha de Observação dos Alunos na Atividade
Grelha de Observação dos Alunos na Atividade
 
Grelha nova 2
Grelha nova 2Grelha nova 2
Grelha nova 2
 
Grelha de avaliação de competências
Grelha de avaliação de competênciasGrelha de avaliação de competências
Grelha de avaliação de competências
 
Conceitos e Estrutura - FAU-USP
Conceitos e Estrutura - FAU-USPConceitos e Estrutura - FAU-USP
Conceitos e Estrutura - FAU-USP
 
Exemplos 02-manual de exemplos passo a passo
Exemplos 02-manual de exemplos passo a passoExemplos 02-manual de exemplos passo a passo
Exemplos 02-manual de exemplos passo a passo
 
Avaliação da expressão oral
Avaliação da expressão oralAvaliação da expressão oral
Avaliação da expressão oral
 
Grelha avaliação apresentações orais
Grelha avaliação apresentações oraisGrelha avaliação apresentações orais
Grelha avaliação apresentações orais
 
Grelha de avaliação dos trabalhos vazia
Grelha de avaliação dos trabalhos vaziaGrelha de avaliação dos trabalhos vazia
Grelha de avaliação dos trabalhos vazia
 
Grelha de avaliação
Grelha de avaliaçãoGrelha de avaliação
Grelha de avaliação
 
Grelha de registo
Grelha de registoGrelha de registo
Grelha de registo
 
Lajes
LajesLajes
Lajes
 
Avaliação Escolar
Avaliação EscolarAvaliação Escolar
Avaliação Escolar
 

Semelhante a Grelha 01-comandos e funções

Grelha 05-visualizador gráfico de grelhas
Grelha 05-visualizador gráfico de grelhasGrelha 05-visualizador gráfico de grelhas
Grelha 05-visualizador gráfico de grelhas
Anderson Ricardo Cunha
 
Formas 02-modelador estrutural
Formas 02-modelador estruturalFormas 02-modelador estrutural
Formas 02-modelador estrutural
Anderson Ricardo Cunha
 
Apostila completa de project 2007
Apostila completa de project 2007Apostila completa de project 2007
Apostila completa de project 2007
dudubranco
 
Apostila ms project 2007
Apostila ms project 2007Apostila ms project 2007
Apostila ms project 2007
Renan Miranda
 
Pilar 02-edição dados
Pilar 02-edição dadosPilar 02-edição dados
Pilar 02-edição dados
Anderson Ricardo Cunha
 
IOB Guia Prático do eSocial – Orientações Gerais e Principais Eventos
IOB Guia Prático do eSocial – Orientações Gerais e Principais EventosIOB Guia Prático do eSocial – Orientações Gerais e Principais Eventos
IOB Guia Prático do eSocial – Orientações Gerais e Principais Eventos
IOB News
 
Apostila de proje cad
Apostila de proje cadApostila de proje cad
Apostila de proje cad
Caliandra Desenhos
 
Lajes 05-manual de lajes treliçadas
Lajes 05-manual de lajes treliçadasLajes 05-manual de lajes treliçadas
Lajes 05-manual de lajes treliçadas
Anderson Ricardo Cunha
 
Apostila introducao informatica
Apostila introducao informaticaApostila introducao informatica
Apostila introducao informatica
Gabriel Sipriano
 
Apostila introducao informatica_mar2007
Apostila introducao informatica_mar2007Apostila introducao informatica_mar2007
Apostila introducao informatica_mar2007
chivas_jazz_team
 
Grelha 04-edição de dados
Grelha 04-edição de dadosGrelha 04-edição de dados
Grelha 04-edição de dados
Anderson Ricardo Cunha
 
Apostila -curso_software_qi_hidrossanitario_-_completo
Apostila  -curso_software_qi_hidrossanitario_-_completoApostila  -curso_software_qi_hidrossanitario_-_completo
Apostila -curso_software_qi_hidrossanitario_-_completo
Jean Gabriel
 
Trabalho de redes
Trabalho de redesTrabalho de redes
Trabalho de redes
vascomcgalvao
 
Pca conservação auditiva
Pca conservação auditivaPca conservação auditiva
Pca conservação auditiva
Alex Vieira
 
Livro aberto aprendendo a programar na linguagem c
Livro aberto aprendendo a programar na linguagem cLivro aberto aprendendo a programar na linguagem c
Livro aberto aprendendo a programar na linguagem c
Luis Henrique Chagas Leite
 
Curso completo de simocode 3 uf70 revisao 2
Curso completo de simocode 3 uf70 revisao 2Curso completo de simocode 3 uf70 revisao 2
Curso completo de simocode 3 uf70 revisao 2
confidencial
 
Apostilade projecad copy
Apostilade projecad copyApostilade projecad copy
Apostilade projecad copy
Monique Santos
 
Linguagem de Programação Pascal
Linguagem de Programação PascalLinguagem de Programação Pascal
Linguagem de Programação Pascal
Marcus Vinicius
 
2189 lógica de programação
2189 lógica de programação2189 lógica de programação
2189 lógica de programação
Marcos Souza
 
ifm vse004
ifm vse004ifm vse004

Semelhante a Grelha 01-comandos e funções (20)

Grelha 05-visualizador gráfico de grelhas
Grelha 05-visualizador gráfico de grelhasGrelha 05-visualizador gráfico de grelhas
Grelha 05-visualizador gráfico de grelhas
 
Formas 02-modelador estrutural
Formas 02-modelador estruturalFormas 02-modelador estrutural
Formas 02-modelador estrutural
 
Apostila completa de project 2007
Apostila completa de project 2007Apostila completa de project 2007
Apostila completa de project 2007
 
Apostila ms project 2007
Apostila ms project 2007Apostila ms project 2007
Apostila ms project 2007
 
Pilar 02-edição dados
Pilar 02-edição dadosPilar 02-edição dados
Pilar 02-edição dados
 
IOB Guia Prático do eSocial – Orientações Gerais e Principais Eventos
IOB Guia Prático do eSocial – Orientações Gerais e Principais EventosIOB Guia Prático do eSocial – Orientações Gerais e Principais Eventos
IOB Guia Prático do eSocial – Orientações Gerais e Principais Eventos
 
Apostila de proje cad
Apostila de proje cadApostila de proje cad
Apostila de proje cad
 
Lajes 05-manual de lajes treliçadas
Lajes 05-manual de lajes treliçadasLajes 05-manual de lajes treliçadas
Lajes 05-manual de lajes treliçadas
 
Apostila introducao informatica
Apostila introducao informaticaApostila introducao informatica
Apostila introducao informatica
 
Apostila introducao informatica_mar2007
Apostila introducao informatica_mar2007Apostila introducao informatica_mar2007
Apostila introducao informatica_mar2007
 
Grelha 04-edição de dados
Grelha 04-edição de dadosGrelha 04-edição de dados
Grelha 04-edição de dados
 
Apostila -curso_software_qi_hidrossanitario_-_completo
Apostila  -curso_software_qi_hidrossanitario_-_completoApostila  -curso_software_qi_hidrossanitario_-_completo
Apostila -curso_software_qi_hidrossanitario_-_completo
 
Trabalho de redes
Trabalho de redesTrabalho de redes
Trabalho de redes
 
Pca conservação auditiva
Pca conservação auditivaPca conservação auditiva
Pca conservação auditiva
 
Livro aberto aprendendo a programar na linguagem c
Livro aberto aprendendo a programar na linguagem cLivro aberto aprendendo a programar na linguagem c
Livro aberto aprendendo a programar na linguagem c
 
Curso completo de simocode 3 uf70 revisao 2
Curso completo de simocode 3 uf70 revisao 2Curso completo de simocode 3 uf70 revisao 2
Curso completo de simocode 3 uf70 revisao 2
 
Apostilade projecad copy
Apostilade projecad copyApostilade projecad copy
Apostilade projecad copy
 
Linguagem de Programação Pascal
Linguagem de Programação PascalLinguagem de Programação Pascal
Linguagem de Programação Pascal
 
2189 lógica de programação
2189 lógica de programação2189 lógica de programação
2189 lógica de programação
 
ifm vse004
ifm vse004ifm vse004
ifm vse004
 

Mais de Anderson Ricardo Cunha

Vigas 05-teórico
Vigas 05-teóricoVigas 05-teórico
Vigas 05-teórico
Anderson Ricardo Cunha
 
Vigas 04-edição rápida de armaduras
Vigas 04-edição rápida de armadurasVigas 04-edição rápida de armaduras
Vigas 04-edição rápida de armaduras
Anderson Ricardo Cunha
 
Vigas 03-critérios de projeto
Vigas 03-critérios de projetoVigas 03-critérios de projeto
Vigas 03-critérios de projeto
Anderson Ricardo Cunha
 
Vigas 02-edição de dados
Vigas 02-edição de dadosVigas 02-edição de dados
Vigas 02-edição de dados
Anderson Ricardo Cunha
 
Vigas 01-comandos e funções
Vigas 01-comandos e funçõesVigas 01-comandos e funções
Vigas 01-comandos e funções
Anderson Ricardo Cunha
 
Tqs epp-home-04-guia rápido de operação
Tqs epp-home-04-guia rápido de operaçãoTqs epp-home-04-guia rápido de operação
Tqs epp-home-04-guia rápido de operação
Anderson Ricardo Cunha
 
Tqs epp-home-03-edificações de pequeno porte
Tqs epp-home-03-edificações de pequeno porteTqs epp-home-03-edificações de pequeno porte
Tqs epp-home-03-edificações de pequeno porte
Anderson Ricardo Cunha
 
Tqs epp-02-guia rápido de operação
Tqs epp-02-guia rápido de operaçãoTqs epp-02-guia rápido de operação
Tqs epp-02-guia rápido de operação
Anderson Ricardo Cunha
 
Tqs 07-escadas tqs
Tqs 07-escadas tqsTqs 07-escadas tqs
Tqs 07-escadas tqs
Anderson Ricardo Cunha
 
Tqs 05-guia rápido de operação
Tqs 05-guia rápido de operaçãoTqs 05-guia rápido de operação
Tqs 05-guia rápido de operação
Anderson Ricardo Cunha
 
Tqs 04-conceitos e modelos
Tqs 04-conceitos e modelosTqs 04-conceitos e modelos
Tqs 04-conceitos e modelos
Anderson Ricardo Cunha
 
Tqs 03-edição de plantas e plotagem
Tqs 03-edição de plantas e plotagemTqs 03-edição de plantas e plotagem
Tqs 03-edição de plantas e plotagem
Anderson Ricardo Cunha
 
Tqs 02-eag editor de aplicações gráficas
Tqs 02-eag editor de aplicações gráficasTqs 02-eag editor de aplicações gráficas
Tqs 02-eag editor de aplicações gráficas
Anderson Ricardo Cunha
 
Tqs 01-epp-edificações de pequeno porte
Tqs 01-epp-edificações de pequeno porteTqs 01-epp-edificações de pequeno porte
Tqs 01-epp-edificações de pequeno porte
Anderson Ricardo Cunha
 
Tqs 01-comandos e funções gerais
Tqs 01-comandos e funções geraisTqs 01-comandos e funções gerais
Tqs 01-comandos e funções gerais
Anderson Ricardo Cunha
 
Sises estrut-03-manual de exemplos
Sises estrut-03-manual de exemplosSises estrut-03-manual de exemplos
Sises estrut-03-manual de exemplos
Anderson Ricardo Cunha
 
Sises estrut-01-manual de utilização
Sises estrut-01-manual de utilizaçãoSises estrut-01-manual de utilização
Sises estrut-01-manual de utilização
Anderson Ricardo Cunha
 
Pórtico 01-pórtico tqs
Pórtico 01-pórtico tqsPórtico 01-pórtico tqs
Pórtico 01-pórtico tqs
Anderson Ricardo Cunha
 
Pilar 05-teórico
Pilar 05-teóricoPilar 05-teórico
Pilar 05-teórico
Anderson Ricardo Cunha
 
Pilar 04-editor de geometria
Pilar 04-editor de geometriaPilar 04-editor de geometria
Pilar 04-editor de geometria
Anderson Ricardo Cunha
 

Mais de Anderson Ricardo Cunha (20)

Vigas 05-teórico
Vigas 05-teóricoVigas 05-teórico
Vigas 05-teórico
 
Vigas 04-edição rápida de armaduras
Vigas 04-edição rápida de armadurasVigas 04-edição rápida de armaduras
Vigas 04-edição rápida de armaduras
 
Vigas 03-critérios de projeto
Vigas 03-critérios de projetoVigas 03-critérios de projeto
Vigas 03-critérios de projeto
 
Vigas 02-edição de dados
Vigas 02-edição de dadosVigas 02-edição de dados
Vigas 02-edição de dados
 
Vigas 01-comandos e funções
Vigas 01-comandos e funçõesVigas 01-comandos e funções
Vigas 01-comandos e funções
 
Tqs epp-home-04-guia rápido de operação
Tqs epp-home-04-guia rápido de operaçãoTqs epp-home-04-guia rápido de operação
Tqs epp-home-04-guia rápido de operação
 
Tqs epp-home-03-edificações de pequeno porte
Tqs epp-home-03-edificações de pequeno porteTqs epp-home-03-edificações de pequeno porte
Tqs epp-home-03-edificações de pequeno porte
 
Tqs epp-02-guia rápido de operação
Tqs epp-02-guia rápido de operaçãoTqs epp-02-guia rápido de operação
Tqs epp-02-guia rápido de operação
 
Tqs 07-escadas tqs
Tqs 07-escadas tqsTqs 07-escadas tqs
Tqs 07-escadas tqs
 
Tqs 05-guia rápido de operação
Tqs 05-guia rápido de operaçãoTqs 05-guia rápido de operação
Tqs 05-guia rápido de operação
 
Tqs 04-conceitos e modelos
Tqs 04-conceitos e modelosTqs 04-conceitos e modelos
Tqs 04-conceitos e modelos
 
Tqs 03-edição de plantas e plotagem
Tqs 03-edição de plantas e plotagemTqs 03-edição de plantas e plotagem
Tqs 03-edição de plantas e plotagem
 
Tqs 02-eag editor de aplicações gráficas
Tqs 02-eag editor de aplicações gráficasTqs 02-eag editor de aplicações gráficas
Tqs 02-eag editor de aplicações gráficas
 
Tqs 01-epp-edificações de pequeno porte
Tqs 01-epp-edificações de pequeno porteTqs 01-epp-edificações de pequeno porte
Tqs 01-epp-edificações de pequeno porte
 
Tqs 01-comandos e funções gerais
Tqs 01-comandos e funções geraisTqs 01-comandos e funções gerais
Tqs 01-comandos e funções gerais
 
Sises estrut-03-manual de exemplos
Sises estrut-03-manual de exemplosSises estrut-03-manual de exemplos
Sises estrut-03-manual de exemplos
 
Sises estrut-01-manual de utilização
Sises estrut-01-manual de utilizaçãoSises estrut-01-manual de utilização
Sises estrut-01-manual de utilização
 
Pórtico 01-pórtico tqs
Pórtico 01-pórtico tqsPórtico 01-pórtico tqs
Pórtico 01-pórtico tqs
 
Pilar 05-teórico
Pilar 05-teóricoPilar 05-teórico
Pilar 05-teórico
 
Pilar 04-editor de geometria
Pilar 04-editor de geometriaPilar 04-editor de geometria
Pilar 04-editor de geometria
 

Último

Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdfPurificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Claudinei Machado
 
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso PraticoTerraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Vias & Rodovias
 
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdfApostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Elpidiotapejara
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Vias & Rodovias
 
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptxConcreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
BuscaApto
 
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
YgorRodrigues11
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Vias & Rodovias
 

Último (7)

Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdfPurificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
 
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso PraticoTerraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
 
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdfApostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
 
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptxConcreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
 
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
 

Grelha 01-comandos e funções

  • 1. Sumário I TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Grelha-TQS Manual de Comandos e Funções Sumário 1. Introdução..................................................................................................................1 1.1. Visão geral do Grelha-TQS ..................................................................................2 1.2. Modelos e critérios ...............................................................................................4 1.3. Compatibilidade com o sistema Mix ....................................................................4 1.4. Geração de grelhas para projeto com protensão ...................................................4 2. Operação geral...........................................................................................................5 2.1. Chamando o sistema.............................................................................................5 2.2. Navegando na árvore de edifícios, painel esquerdo..............................................7 2.3. Esquema de planta, painel central.........................................................................8 2.4. Desenho selecionado no painel direito .................................................................8 2.5. Edição, visualização e impressão de listagens......................................................9 2.6. Edição de critérios ................................................................................................9 3. Menu Editar.............................................................................................................11 3.1. Critério de geração do modelo............................................................................11 3.1.1. Critérios gerais.............................................................................................11 3.1.2. Carregamentos.............................................................................................13 3.1.3. Lajes nervuradas..........................................................................................14 3.1.4. Lajes planas .................................................................................................16 3.1.5. Critérios de Grelha Não Linear....................................................................17 3.1.6. Combinações em concreto armado..............................................................19 3.1.7. Combinações em concreto protendido.........................................................20 3.1.8. Converter formato 7.0 .................................................................................22 3.2. Entrada Gráfica de Grelhas.................................................................................22 3.3. Dados de grelha ..................................................................................................23 3.4. Arquivo .GRE.....................................................................................................23 3.5. Arquivo qualquer................................................................................................24 4. Menu Processar .......................................................................................................25 4.1. Processar geração do modelo..............................................................................25 4.2. Extração de dados do desenho de grelha ............................................................26 4.3. Processamento dos esforços ...............................................................................27 4.3.1. Cálculo dos esforços via Resolvedor TQS ..................................................27 4.3.2. Cálculo de esforços via Resolvedor Mix®..................................................28 4.3.3. Processar Grelha Não Linear.......................................................................28 4.4. Análise dos esforços...........................................................................................29 4.5. Transferência de esforços ...................................................................................30 4.5.1. Transferência Grelha => CAD/Vigas..........................................................31 4.5.2. Transferência Grelha => CAD/Lajes...........................................................31 4.5.3. Transferência Elementos Finitos => CAD/Lajes.........................................31
  • 2. II Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 4.5.4. Transferência Grelha => Lajes protendidas.................................................31 4.6. Conversão Grelha - Elementos finitos ................................................................31 5. Menu Visualizar.......................................................................................................32 5.1. Edição Gráfica ....................................................................................................32 5.2. Visualizar Geração do modelo............................................................................32 5.3. Visualizador de grelhas - Espacial......................................................................33 5.4. Grelha Não Linear - Espacial..............................................................................33 5.5. Análise Dinâmica................................................................................................34 5.6. Esforços ..............................................................................................................35 5.7. Análise de esforços (por carregamento)..............................................................35 5.8. Extração de dados do desenho de grelha.............................................................36 5.9. Visualização de erros..........................................................................................37 5.9.1. Como Inicializar o Visualizador de erros ....................................................37 5.9.2. Ambiente do Programa ................................................................................38 5.9.3. Como Atualizar a Lista de Erros..................................................................39 5.9.4. Como Configurar a Visualização.................................................................40 6. Seqüência de comandos para solução de grelha somente de vigas de um pavimento .....................................................................................................................41 6.1. Listagem da geração do modelo só de vigas.......................................................42 6.2. Desenho de Verificação......................................................................................44 6.3. Pilar em Viga de Transição.................................................................................46 6.4. Processando a Grelha..........................................................................................46 6.5. Verificando Resultados.......................................................................................47 7. Seqüência de Comandos para Solução de Grelha de Vigas e Lajes Maciças......51 7.1. Geração do Modelo.............................................................................................51 7.2. Listagem da geração do modelo de grelha de lajes planas..................................53 7.3. Cálculo e Distribuição de Cargas........................................................................54 7.4. Principais características da entrada gráfica de grelha........................................54 7.4.1. Cargas Concentradas na Laje.......................................................................55 7.4.2. Cargas Distribuídas em Área Delimitada.....................................................56 7.4.3. Diferença de Peso Próprio do Capitel..........................................................57 7.5. Refinando o Modelo com a Entrada Gráfica de Grelhas ....................................57 7.6. Pavimento com laje a ser discretizada e com laje não discretizada. ...................58 8. Entendendo o Grelha Não-Linear..........................................................................60 8.1. O que é Não-Linearidade? ..................................................................................60 8.1.1. Análise Linear tradicionalmente adotada.....................................................61 8.1.2. Análise Não-Linear......................................................................................61 8.2. É muito importante considerar a não-linearidade?..............................................61 8.3. Para que serve o Grelha Não-Linear Física?.......................................................61 8.4. É difícil utilizar o Grelha Não-Linear Física?.....................................................62 8.4.1. Configuração de Critérios............................................................................62 8.4.2. Processamento .............................................................................................63 8.4.3. Visualização de Resultados..........................................................................63
  • 3. Sumário III TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 8.5. Posso confiar no Grelha Não-Linear Física? ......................................................64 8.6. Porque é que numa análise não-linear quase sempre é necessário dividir o carregamento total em incrementos de carga?...........................................................64 8.7. Como a fissuração do concreto é considerada no modelo? ................................66 8.8. Quais cálculos o programa faz em “apenas um clique”?....................................67 8.9. Um pouco mais de teoria? Bibliografia complementar?.....................................68
  • 5. Introdução 1 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 1. Introdução O CAD/Formas oferece ao engenheiro a opção de cálculo de pavimentos através de análise matricial de grelhas ou elementos finitos. Os principais recursos deste sistema são:  Geração automática do modelo de grelha a partir dos dados da forma de concreto;  Discretização de grelha de lajes maciças, planas com ou sem capitel, lajes nervuradas, lajes pré-moldadas e com armadura convencional ou protendida. Lajes e vigas trabalham solidariamente;  Controle da grelha através da escolha de um dos vários modelos de apoios, plastificações de apoios de vigas com pilares, plastificações de apoios de lajes com vigas, plastificações em capitéis;  Menu gráfico orientado para o lançamento do projeto executivo de formas de lajes nervuradas e geração automática da grelha correspondente;  Possibilidade de interação gráfica com o modelo gerado, com possibilidade de alteração da geometria, carregamentos ou vinculações na grelha;  Verificação de resultados através do Visualizador de Grelhas. Visualização tridimensional de resultados selecionados, inclusive cortes. Visualização de isovalores;  Listagem de esforços por viga e pilar e análise dos cruzamentos de vigas declarados no CAD/Formas;  Transferência de esforços de grelha para o detalhamento de vigas no CAD/Vigas, incluindo envoltórias. Combinação de esforços verticais calculados na grelha com esforços horizontais de vento, vindos do pórtico espacial;  Transferência de esforços de lajes para o CAD/Lajes, para o dimensionamento e detalhamento de armadura convencional ou protendida;  Interfaces abertas e documentadas para a transferência de esforços de e para programas externos;  Arquivo de dados compatível com o sistema Mix incluindo extensões para elementos finitos tipo placa e possibilidade de geração de elementos de placa via edição gráfica;
  • 6. 2 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 A análise matricial é efetuada pelo sistema Grelha-TQS. Os recursos deste sistema são:  Entrada por arquivo formatado, entrada alfanumérica interativa e entrada gráfica (arquivo de dados documentado no apêndice);  Consideração de recalques nos apoios, apoios elásticos, apoios inclinados, efeito de temperatura e pré-esforços;  Combinação de carregamentos e envoltória;  Capacidade para 32.000 nós e 64.000 barras (Versão Plena). 1.1. Visão geral do Grelha-TQS Para a geração do modelo, o engenheiro definirá inicialmente critérios e casos de carregamento a serem considerados. Mostraremos a definição destes critérios no próximo capítulo. A geração do modelo é dividida em etapas. As barras da grelha, correspondendo às vigas, e também os apoios, são gerados automaticamente a partir da planta de formas e não podem ser alterados, para que o sistema não perca a relação entre a grelha e a planta de formas. As alterações das vigas e pilares devem ser feitas sempre na planta de formas, antes da geração da grelha. A geração da grelha de vigas é a primeira etapa do processamento. Se o objetivo é rodar uma grelha constituída exclusivamente por vigas e apoios, após este processamento a grelha estará pronta, podendo ser processada e os resultados transferidos (opcionalmente) para detalhamento de vigas. PLANTA DE FORMAS CRITERIOS GERACAO DE GRELHA DE VIGAS GRELHA DE VIGAS
  • 7. Introdução 3 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Caso o modelo de grelha deva incluir também as lajes, serão necessárias etapas adicionais para chegarmos ao modelo de grelha. Através da geração do modelo de vigas e lajes, geraremos um arquivo de grelha de vigas, e um desenho de dados, contendo as barras de vigas e das lajes discretizadas: PLANTA DE FORMAS CRITERIOS GERACAO DE GRELHA DE GRELHA DE VIGASVIGAS E LAJES DESENHO DE DADOS DE VIGAS E LAJESVIGAS E LAJES GERACAO DE DESENHO DE Como são discretizadas as lajes? Para discretização automática poderemos usar o programa orientado para lajes planas ou para lajes nervuradas. Em qualquer caso, teremos como resultado um arquivo que descreve a grelha somente com as barras de vigas, e um arquivo de desenho que inclui esquematicamente as barras das vigas mais as lajes discretizadas. Estes dois arquivos serão efetivamente convertidos em um arquivo completo de grelha com vigas e lajes após o processamento da extração gráfica de grelhas: GRELHA DEGRELHA DE VIGAS DESENHO DE DADOS DE VIGAS E LAJES EXTRACAO GRAFICA DE GRELHAS VIGAS E LAJES GRAFICA DE GRELHAS ENTRADA Por que é necessário o processamento adicional de extração gráfica? A resposta é que este processamento permite introduzir modificações importantes diretamente no modelo de grelha, através da utilização do “Editor de Entrada Gráfica de Grelhas”. Podemos alterar graficamente o desenho de dados da grelha, modificando carregamentos, seções de barras, situações de contorno, introduzindo novos apoios, etc.
  • 8. 4 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 O “Editor de Entrada Gráfica de Grelhas” permite também a discretização das lajes diretamente dentro do editor. Neste caso, geraremos apenas as grelhas de vigas, e faremos a discretização exclusivamente através do editor gráfico. 1.2. Modelos e critérios A definição dos diversos critérios que controlam o modelo estrutural e dos carregamentos pode ser feita diretamente através de menus do gerenciador. Mostraremos estes menus no próximo capítulo. Embora não recomendada, para compatibilidade com dados de versões anteriores, é possível a definição de critérios através da codificação de arquivos .LDF, usando a seção GRELHA. 1.3. Compatibilidade com o sistema Mix O Mix® é um versátil sistema de análise de estruturas reticuladas, desenvolvido pela Pinheiro Medeiros Informática, que faz interface direta com o Grelha-TQS. Você pode usar o Mix® com duas finalidades:  Como uma alternativa na manipulação e processamento da grelha gerada pelo Grelha-TQS. O Mix é compatível com o formato gerado pelo CAD/TQS, e o CAD/TQS lê os esforços calculados pelo Mix®;  Para o processamento de grelhas que além de barras, tenham discretização de elementos finitos de placa. Os resultados do Mix® podem ser transferidos para o dimensionamento e detalhamento de lajes através do CAD/Lajes. O “Editor de Entrada Gráfica de Grelhas” permite construir um modelo de lajes discretizado por placas. 1.4. Geração de grelhas para projeto com protensão Nos projetos com detalhamento à protensão, o sistema de detalhamento espera certas combinações de carregamento padronizadas, definidas na norma NBR-8681. Na versão atual do sistema, a simples separação de cargas permanentes e acidentais no CAD/Formas, já permite a geração automática das combinações de protensão. Embora o menu de critérios e carregamentos de protensão faça parte do Grelha-TQS, não será descrito aqui. Para maiores detalhes, veja o manual "CAD/Lajes - Projeto de Lajes Protendidas".
  • 9. Operação geral 5 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 2. Operação geral Um único gerenciador agrega diversos sistemas CAD/TQS, com alguns comandos comuns e outros específicos a cada sistema. Mostraremos os comandos específicos do Grelha-TQS. Os principais comandos comuns são mostrados no manual “CAD/TQS – Manual de Comandos e Funções Gerais”. 2.1. Chamando o sistema O gerenciador CAD/TQS pode ser chamado através de um ícone na área de trabalho ou do menu iniciar. O gerenciador apresenta uma tela como esta: Veja nesta tela:
  • 10. 6 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798  O menu principal, com as opções "Arquivo", "Editar", "Processar", "Visualizar", "Plotagem" e "Ajuda". Todas as funções do gerenciador podem ser achadas neste menu;  A barra de ferramentas, com acesso às funções comuns mais utilizadas. Contém comandos para editar um edifício, mudar o sistema (CAD/Formas, Grelha-TQS, CAD/Vigas, etc) e comandos para manipular as janelas nos painéis centrais;  Ícone Pasta: Este comando permite a mudança da pasta atual para qualquer outra pasta, seja para processar o Grelha-TQS ou outro sistema do CAD/TQS;  Três painéis contendo: a representação dos edifícios em forma de árvore hierárquica, o esquema da planta atual co m a locação dos pilares, e um desenho de entrada gráfica de grelha;  Controles no painel direito para edição gráfica de desenhos de grelha;  Uma área de status com informações do projetista, além do edifício, a pasta atual;  Uma área de mensagens. Os programas executados emitem mensagens nesta área. Do lado da área de mensagens dois botões permitem editar ou limpar o seu conteúdo;  Uma linha de status inferior, com uma ajuda rápida de cada comando e três pequenos painéis que indicam o estado do gerenciador, o sistema e o desenho atual no painel direito. As opções "Arquivo", "Plotagem" e "Ajuda" são as mesmas para todos os sistemas CAD/TQS. As opções "Editar", "Processar" e "Visualizar" são específicas do sistema atual. O gerenciador trabalha sempre no modo de operação de um dos sistemas CAD/TQS (o sistema atual). Você pode mudar o sistema atual de duas maneiras: a primeira, pelo menu "Arquivo". Uma maneira rápida de acessar um dos sistemas é através da barra de ferramentas. O sistema atual fica com o botão correspondente apertado:
  • 11. Operação geral 7 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 O conteúdo dos menus "Editar", "Processar" e "Visualizar" se altera dinamicamente conforme o sistema atual, enquanto os demais menus, comuns a todos os sistemas permanecem constantes. Para acompanhar os exemplos do manual, torne o Grelha- TQSo sistema atual do gerenciador CAD/TQS. 2.2. Navegando na árvore de edifícios, painel esquerdo O comando "Arquivos" – "Edifício" – "Atual" permite a você navegar por todas as pastas do edifício atual, assim como mudar para qualquer edifício dentro da árvore atual de edifícios definida no gerenciador. Esta mesma operação pode ser feita diretamente no painel esquerdo do gerenciador, que é um controle de árvore do Windows. Neste painel estão representados todos os edifícios da árvore atual, e por edifício, as diversas pastas, incluindo a espacial, pilares, fundações, pavimentos, critérios de projeto, etc. As pastas de pavimento por sua vez, podem ter ramificações para vigas, critérios de projeto, desenhos, etc. A operação deste controle é intuitiva, bastando clicar diretamente para expandir ou contrair os ramos da árvore. Para entrar em qualquer pavimento ou pasta do edifício, selecione com o mouse o pavimento desejado. O gerenciador não apenas mudará a pasta atual para a selecionada, como também tentará escolher um novo sistema, dependendo da pasta
  • 12. 8 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Ao selecionar um novo sistema, se a pasta atual não for deste sistema, o gerenciador tenta mudar para a próxima pasta que considerar mais adequada. Por exemplo, se você está processando vigas, ao escolher o sistema Grelha-TQS, a pasta de um dos pavimentos do edifício será automaticamente selecionada. Você pode verificar isto diretamente em uma das linhas de status do gerenciador. Caso necessário, a atualização da árvore de edifícios é feita com a tecla <F5> . 2.3. Esquema de planta, painel central O painel central do gerenciador é reservado para desenho de esquema de plantas de formas. Este desenho somente é realizado para plantas de formas processadas. O desenho mostrado é visualizado, mas não pode ser diretamente editado. Utilize os botões de manipulação de janelas da barra de ferramentas para mudar a janela da imagem visualizada, ou os mesmos aceleradores de teclado padrão de edição gráfica para mudança de janela, as teclas <F8> e <F11> 1 . 2.4. Desenho selecionado no painel direito O painel direito do gerenciador é reservado para visualização de desenhos quaisquer da pasta atual. Cada vez que você muda uma pasta de projeto, o gerenciador examina todos os desenhos da pasta, escolhe um (de acordo com o sistema atual) e mostra. Além disto, todos os desenhos da pasta são colocados dentro de uma lista de desenhos, com o nome de cada desenho e um comentário a respeito do seu uso: Basta escolher um desenho da lista para mostrá-lo no painel direito. Assim como no painel central, você pode usar os controles de janela para observar melhor o desenho. Use o botão "DWG" neste painel para editar o desenho desejado. O editor gráfico carrega automaticamente os menus correspondentes ao tipo de desenho 1 Veja no manual "EAG – Editor de Aplicações Gráficas".
  • 13. Operação geral 9 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 2.5. Edição, visualização e impressão de listagens Todas as listagens geradas pelos sistemas são visualizadas através do editor EDITW. Qualquer listagem visualizada pode ser impressa a partir do editor: Este programa é um típico aplicativo de edição do Windows, que lê e grava arquivos texto. Além dos controles de edição de textos do Windows, este editor tem comandos específicos para formatar a listagem para 132 colunas em formulários de 8 ", e para procurar mensagens de aviso e erro. Se você deseja editar, visualizar ou imprimir uma listagem qualquer, chame-a através do menu "Visualizar" ou através do comando "Arquivos" – "Utilidades" – "Edição / Visualização de listagens" ou, ainda, clicando sobre a listagem desejada na árvore de edifícios. 2.6. Edição de critérios Critérios podem ser localizados na pasta geral de critérios, ou na pasta específica do pavimento do edifício. O controle do arquivo de critérios a ser editado é feito através de uma janela de diálogo que aparece antes da edição de qualquer arquivo.
  • 14. 10 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798
  • 15. Menu Editar 11 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 3. Menu Editar O menu “Editar” controla a digitação dos dados do modelo da grelha, possibilitando inclusive uma edição interativa destes dados. É no menu “Editar” que serão realizadas todas as parametrizações dos critérios de geração do modelo da grelha e as definições dos casos de carregamentos. 3.1. Critério de geração do modelo Posicionado o mouse sobre o comando “Critério de geração do modelo”, será acionadas as opções de edição dos diversos arquivos de critérios que controlam a geração do modelo de grelha: 3.1.1. Critérios gerais Acione a seqüência de comando “Editar” – “Critério de geração do modelo” – “Critérios Gerais”:
  • 16. 12 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Defina na janela “Critérios da geração de grelha”, a opção de edição, clique no botão “OK” e o programa de edição dos “Critérios Gerais” será acionado, Veja no manual “Grelha-TQS– Manual de Critérios de Projeto”, a descrição detalhada de todos os critérios considerados para a montagem da grelha formada por barras de vigas e lajes, rigidez dos apoios, inércia e materiais de vigas, etc.  Comum a todos os projetos Esta opção irá editar o arquivo de critérios de projetos comum a todos os projetos, desde que não exista um arquivo de critérios na pasta onde o projeto será processado, ou na pasta do edifício.  Comum a todos os pavimentos
  • 17. Menu Editar 13 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Esta opção irá editar o arquivo de critérios de projetos na pasta do edifício, neste caso os critérios editados serão válidos para todos os pavimentos deste projeto, salvo nas situações onde houver um arquivo de critério definido no pavimento.  Específico deste pavimento Esta opção irá editar o arquivo de critérios de projetos na pasta atual, neste caso os critérios editados somente serão válidos para este projeto. 3.1.2. Carregamentos Acione a seqüência de comando “Editar” – “Critério de geração do modelo” – “Carregamentos”: Defina na janela “Critérios casos de carregamento na grelha”, a opção de edição, clique no botão “OK” e o programa de edição dos “Casos de Carregamento na Grelha” será acionado. Veja no manual “Grelha-TQS– Manual de Critérios de Projeto”, a descrição detalhada da definição destes casos de carregamentos.
  • 18. 14 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798  Comum a todos os projetos Esta opção irá editar o arquivo de critérios de projetos comum a todos os projetos, desde que não exista um arquivo de critérios na pasta onde o projeto será processado, ou na pasta do edifício.  Específico deste pavimento Esta opção irá editar o arquivo de critérios de projetos na pasta atual, neste caso os critérios editados somente serão válidos para este projeto. 3.1.3. Lajes nervuradas Acione a seqüência de comando “Editar” – “Critério de geração do modelo” – “Lajes nervuradas”:
  • 19. Menu Editar 15 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Defina na janela “Critérios de geração de laje nervurada”, a opção de edição, clique no botão “OK” e o programa de edição dos “Critérios para lajes nervuradas” será acionado. Veja no manual “Grelha-TQS– Manual de Critérios de Projeto”, a descrição detalhada de todos os critérios considerados para a montagem da grelha formada por barras de vigas e barras discretizando as nervuras.  Comum a todos os projetos Esta opção irá editar o arquivo de critérios de projetos comum a todos os projetos, desde que não exista um arquivo de critérios na pasta onde o projeto será processado, ou na pasta do edifício.  Comum a todos os pavimentos
  • 20. 16 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Esta opção irá editar o arquivo de critérios de projetos na pasta do edifício, neste caso os critérios editados serão válidos para todos os pavimentos do projeto, salvo nas situações onde houver um arquivo de critério definido no pavimento.  Específico deste pavimento Esta opção irá editar o arquivo de critérios de projetos na pasta atual, neste caso os critérios editados somente serão válidos para este projeto. 3.1.4. Lajes planas Acione a seqüência de comando “Editar” – “Critério de geração do modelo” – “Lajes planas”: Defina na janela “Critérios de geração de laje planas”, a opção de edição, clique no botão “OK” e o programa de edição dos “Critérios para lajes planas” será acionado. Veja no manual “Grelha-TQS– Manual de Critérios de Projeto”, a descrição detalhada de todos os critérios considerados para a montagem da grelha formada por barras de vigas e barras discretizando as lajes maciças.
  • 21. Menu Editar 17 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798  Comum a todos os projetos Esta opção irá editar o arquivo de critérios de projetos comum a todos os projetos, desde que não exista um arquivo de critérios na pasta onde o projeto será processado, ou na pasta do edifício.  Comum a todos os pavimentos Esta opção irá editar o arquivo de critérios de projetos na pasta do edifício, neste caso os critérios editados serão válidos para todos os pavimentos do projeto, salvo nas situações onde houver um arquivo de critério definido no pavimento.  Específico deste pavimento Esta opção irá editar o arquivo de critérios de projetos na pasta atual, neste caso os critérios editados somente serão válidos para este projeto. 3.1.5. Critérios de Grelha Não Linear Acione a seqüência de comando “Editar” – “Critérios” – “Critério de Grelha Não Linear”
  • 22. 18 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Defina na janela “Critérios de cálculo de grelha não linear”, a opção de edição, clique no botão “OK” e o programa de edição dos “Critérios de cálculo de grelha não linear” será acionado. Veja no manual “Grelha-TQS– Manual de Critérios de Projeto”, a descrição detalhada de todos os critérios considerados para o cálculo não linear de grelhas.  Comum a todos os projetos Esta opção irá editar o arquivo de critérios de cálculo de grelha não linear comum a todos os projetos, desde que não exista um arquivo de critérios na pasta onde o projeto será processado, ou na pasta do edifício.  Comum a todos os pavimentos
  • 23. Menu Editar 19 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Esta opção irá editar o arquivo de critérios de cálculo de grelha não linear na pasta do edifício, neste caso os critérios editados serão válidos para todos os pavimentos do projeto, salvo nas situações onde houver um arquivo de critério definido no pavimento.  Específico deste pavimento Esta opção irá editar o arquivo de critérios de cálculo de grelha não linear na pasta atual, neste caso os critérios editados somente serão válidos para este pavimento. Na ocasião da edição dos critérios de cálculo de grelha não linear, você também encontrará ao lado de cada opção um ícone de ajuda, clique neste ícone e então será acionada uma janela contendo explicações detalhadas sobre as aplicações do critério editado. 3.1.6. Combinações em concreto armado Acione a seqüência de comando “Editar” – “Critérios” – “Combinações em concreto armado” Defina na janela “Regras de geração de combinações”, a opção de edição, clique no botão “OK” e o programa de edição das “Combinações de cálculo para grelhas” será acionado. Veja no manual “Grelha-TQS– Manual de Critérios de Projeto”, a descrição detalhada do funcionamento da janela de combinações para grelhas com elementos de concreto armado.
  • 24. 20 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798  Comum a todos os projetos Esta opção irá editar o arquivo de critérios de cálculo de grelha não linear comum a todos os projetos, desde que não exista um arquivo de critérios na pasta onde o projeto será processado, ou na pasta do edifício.  Comum a todos os pavimentos Esta opção irá editar o arquivo de critérios de cálculo de grelha não linear na pasta do edifício, neste caso os critérios editados serão válidos para todos os pavimentos do projeto, salvo nas situações onde houver um arquivo de critério definido no pavimento.  Específico deste pavimento Esta opção irá editar o arquivo de critérios de cálculo de grelha não linear na pasta atual, neste caso os critérios editados somente serão válidos para este pavimento. 3.1.7. Combinações em concreto protendido Acione a seqüência de comando “Editar” – “Critérios” – “Combinações em concreto protendido”
  • 25. Menu Editar 21 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Defina na janela “Regras de geração de combinações”, a opção de edição, clique no botão “OK” e o programa de edição das “Combinações de cálculo para grelhas” será acionado. Veja no manual “Grelha-TQS– Manual de Critérios de Projeto”, a descrição detalhada do funcionamento da janela de combinações para grelhas com elementos de concreto armado e protendido.  Comum a todos os projetos Esta opção irá editar o arquivo de critérios de cálculo de grelha não linear comum a todos os projetos, desde que não exista um arquivo de critérios na pasta onde o projeto será processado, ou na pasta do edifício.
  • 26. 22 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798  Comum a todos os pavimentos Esta opção irá editar o arquivo de critérios de cálculo de grelha não linear na pasta do edifício, neste caso os critérios editados serão válidos para todos os pavimentos do projeto, salvo nas situações onde houver um arquivo de critério definido no pavimento.  Específico deste pavimento Esta opção irá editar o arquivo de critérios de cálculo de grelha não linear na pasta atual, neste caso os critérios editados somente serão válidos para este pavimento. 3.1.8. Converter formato 7.0 Acione a seqüência de comando “Editar” – “Critério de geração do modelo” – “Converter formato 7.0”, para atualizar o formato dos arquivos de critérios gerais e carregamentos: Na versão 7.0 os arquivos de critérios gerais e carregamentos na grelha têm outra formatação (Disposição dos dados dentro do arquivo em formato texto). Este comando converte automaticamente para a versão 9.0 estes arquivos 3.2. Entrada Gráfica de Grelhas A seqüência de comandos “Editar” – “Entrada gráfica de grelhas”, aciona um editor gráfico que constitui uma ferramenta que permite editar graficamente os dados das barras das lajes, condições de apoios especiais e plastificação.
  • 27. Menu Editar 23 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Explicações detalhadas sobre como utilizar o programa, “Entrada Gráfica de Grelha”, encontram-se descritas no manual “Grelha-TQS– Manual de Entrada Gráfica de Grelha” Você também pode acionar diretamente o desenho de entrada gráfica de grelha, na lista de desenhos do diretório atual: 3.3. Dados de grelha Com a da seqüência de comandos “Editar” – “Dados de grelha”, você pode editar os modelos de grelha compostos por barras de vigas e lajes, restrições de apoios, etc, gerados pelo sistema através do “Editor de Entrada Gráfica de Grelhas” a partir do processamento do comando “Extração de dados do desenho de grelha” do menu “Processar”. Com este editor, você poderá criar novos nós, barras, restrições, seções, materiais, carregamentos, combinações, envoltórias, alterando diretamente o arquivo de dados da grelha (.GRE). Além das cargas nas barras, o Grelha-TQS aceita também carga nos nós, efeito de temperatura e a entrada direta de esforços de engastamento perfeito. Veja no manual “Grelha-TQS– Manual de Edição de dados” como operar este editor. 3.4. Arquivo .GRE Com a da seqüência de comandos “Editar” – “Arquivo .GRE”, você pode editar os modelos de grelha compostos por barras de vigas e lajes, restrições de apoios, etc, utilizando o editor de textos EDTW.
  • 28. 24 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Com o editor EDITW, você poderá criar novos nós, barras, restrições, seções, materiais, carregamentos, combinações, envoltórias, alterando diretamente o arquivo de dados da grelha (.GRE). Porém será necessário conhecer a formatação do arquivo .GRE Veja no manual “Grelha-TQS– Manual de Edição de dados” a formatação com que os arquivo .GRE são lidos e gerados. 3.5. Arquivo qualquer A seqüência de comandos “Editar” – “Arquivo qualquer”, faz com que o gerenciador apresente uma janela onde são mostrados todos os arquivos existentes na pasta atual, selecione um deles e o editor EDITW será acionado com a edição do arquivo escolhido.
  • 29. Menu Processar 25 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 4. Menu Processar Definidos os critérios, será então possível gerar o modelo da grelha, executar o processamento do modelo gerado e transferir os esforços provenientes do cálculo realizado. 4.1. Processar geração do modelo Execute a seqüência de comandos “Processar” – “Geração do modelo”: O gerenciador irá acionar a janela “Opções de processamento de grelha”:
  • 30. 26 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 As definições das opções na janela mostrada acima, permitem a execução de todas as etapas necessárias para o processamento de uma grelha:  Gerar desenho de dados de grelha Será gerada a chamada “Entrada gráfica de grelha”, um desenho em formato DWG, onde será utilizada a escala 1:05, para medidas de desenhos em metro.  Extração do desenho de grelha / geração do arquivo p/ processamento Será realizada a extração da entrada gráfica de grelha, e então será gerado o arquivo FORnnnnM.GRE, que é o arquivo FORnnnn.GRE implementado dos dados referentes as barras que discretizam as lajes nervuradas e/ou planas definidas na entrada gráfica de grelha.  Processar a grelha – análise matricial Processamento do modelo da grelha.  Transferir esforços resultantes para dimensionamento de vigas Transferência dos esforços provenientes do processamento do modelo da grelha, para o dimensionamento e detalhamento das vigas do pavimento.  Transferir esforços resultantes para dimensionamento de lajes Transferência dos esforços provenientes do processamento do modelo da grelha, para o dimensionamento e detalhamento das lajes do pavimento. 4.2. Extração de dados do desenho de grelha Se você escolher calcular o pavimento utilizando a discretização pelo modelo de grelha de vigas mais lajes planas, ou grelha de vigas mais lajes nervuradas. Será então necessário executar a seqüência de comandos “Processar” – “Extração de dados do desenho de grelha”: Com a execução deste comando, será realizada a extração da entrada gráfica de grelha, arquivo GREnnnn.DWG, e então será gerado o arquivo FORnnnnM.GRE, que é o arquivo FORnnnn.GRE implementado dos dados referentes as barras que discretizam as lajes nervuradas e/ou planas definidas na entrada gráfica de grelha.
  • 31. Menu Processar 27 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Caso você esteja processando o uma grelha fora da seção edifício, na ocasião da execução deste comando será solicitado o número do projeto a ser processado. 4.3. Processamento dos esforços Com o mouse repousado sobre o comando “Processamento de esforços”, do menu “Processar”, é então acionado um novo menu: O novo menu mostra quatro opções de processamento dos modelos de grelhas gerados pelo Sistema, a seguir será mostrado o funcionamento de cada uma das opções. 4.3.1. Cálculo dos esforços via Resolvedor TQS Execute a seqüência de comandos “Processar” – “Processamento dos esforços” – “Cálculo de esforços – Resolvedor TQS”: Será selecionado e processado o arquivo do modelo de grelha definido na pasta do pavimento atual. Veja a seguir o nome de cada tipo de arquivo que poderá ser executado em função do modelo escolhido:  Grelha só de vigas, arquivo FORnnnn.GRE;  Grelha de vigas mais lajes planas, arquivo FORnnnnM.GRE;  Grelha de vigas mais lajes nervuradas, arquivo FORnnnnM.GRE.
  • 32. 28 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Após o processamento do modelo serão gerados alguns arquivos que são utilizados pelo próprio Sistema CAD/TQS e um arquivo em forma de listagem, neste estarão listados todos os dados do modelo da grelha processada assim como todos os resultados. Veja a seguir o nome dos arquivos gerados em função do modelo processado:  Grelha só de vigas, arquivo FORnnnn.LST;  Grelha de vigas mais lajes planas, arquivo FORnnnnM. LST;  Grelha de vigas mais lajes nervuradas, arquivo FORnnnnM. LST. 4.3.2. Cálculo de esforços via Resolvedor Mix® Execute a seqüência de comandos “Processar” – “Processamento dos esforços” – “Cálculo de esforços – Resolvedor MIX (R)”: Uma das opções dos Sistemas integrados CAD/TQS, é solução por discretização das lajes do pavimento com modelagem de elementos finitos de placas. Se você adquiriu esta opção, ao ser acionado o comando “Esforços via Mix (R)”, será selecionado e processado o arquivo do modelo discretizado por elementos finitos de placas, existente na pasta do pavimento atual. Caso não exista modelo discretizado por elemento finito de placa o resolvedor processará o modelo existente. 4.3.3. Processar Grelha Não Linear Execute a seqüência de comandos “Processar” – “Processamento dos esforços” – “Grelha Não Linear”:
  • 33. Menu Processar 29 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Será selecionado o arquivo do modelo de grelha definido na pasta do pavimento atual, e ao processar este arquivo, o Sistema CAD/TQS lerá os “Critérios de Grelha Não Linear” e processará a grelha conforme a parametrização destes critérios. Veja a seguir o nome do arquivo do modelo de grelha, que será processado, este nome estará definido no modelo escolhido:  Grelha só de vigas, arquivo FORnnnn.GRE;  Grelha de vigas mais lajes planas, arquivo FORnnnnM.GRE;  Grelha de vigas mais lajes nervuradas, arquivo FORnnnnM.GRE. Após o processamento do modelo serão gerados alguns arquivos que serão utilizados pelo próprio Sistema CAD/TQS e um arquivo em forma de listagem, neste estarão listados todos os dados do modelo da grelha processada assim como todos os resultados. Veja a seguir o nome dos arquivos gerados em função do modelo processado:  Grelha só de vigas, arquivo FORnnnn.LST;  Grelha de vigas mais lajes planas, arquivo FORnnnnN. LST;  Grelha de vigas mais lajes nervuradas, arquivo FORnnnnN. LST. 4.4. Análise dos esforços Com a grelha processada, você poderá executar a seqüência de comandos “Processar” – “Análise de esforços” para obtenção de um arquivo .LST com a listagem dos esforços solicitantes nas barras da grelha para um determinado carregamento: Será gerada a listagem GREANAnn.LST, onde nn é o número do caso de carregamento solicitado na ocasião do processamento do comando “Análise de esforços”.
  • 34. 30 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 A escolha do carregamento é feita através da janela “Escolha do número do caso de carregamento”, onde só poderá ser escolhido um caso por vez: 4.5. Transferência de esforços Com a grelha processada e os esforços resultantes analisados, será então necessário transferir os esforços para o dimensionamento e detalhamento das peças. A janela “Transferência de esforços de grelha para lajes e vigas” será aberta. Nela é escolhido o tipo de transferência desejada:
  • 35. Menu Processar 31 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 4.5.1. Transferência Grelha => CAD/Vigas Para que ocorra a transferência dos esforços provenientes do processamento do modelo da grelha, para o dimensionamento e detalhamento das vigas do pavimento, execute a seqüência de comandos “Processar” – “Transferência dos esforços” – “Grelha => CAD/Vigas”: 4.5.2. Transferência Grelha => CAD/Lajes Para que ocorra a transferência dos esforços provenientes do processamento do modelo da grelha, para o dimensionamento e detalhamento das lajes do pavimento, execute a seqüência de comandos “Processar” – “Transferência dos esforços” – “Grelha => CAD/Lajes”: 4.5.3. Transferência Elementos Finitos => CAD/Lajes Para que ocorra a transferência dos esforços provenientes do processamento via Mix(R) de uma laje discretizada por elementos finitos de placas, execute a seqüência de comandos “Processar” – “Transferência dos esforços” – “Elementos Finitos => CAD/Lajes”: 4.5.4. Transferência Grelha => Lajes protendidas Para que ocorra a transferência dos esforços provenientes do processamento do modelo da grelha, para o dimensionamento e detalhamento das lajes protendidas do pavimento, execute a seqüência de comandos “Processar” – “Transferência dos esforços” – “Grelha => Lajes protendidas”: 4.6. Conversão Grelha - Elementos finitos Você pode converter uma grelha formada por lajes e vigas em um modelo com placas, através da seqüência de comandos “Processar” – “Conversão Grelha-Elementos finitos”:
  • 36. 32 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 5. Menu Visualizar O menu “Visualizar”, permite visualizar de forma interativa e gráfica os resultados dos processamentos realizados pelo Grelha-TQS, além é claro de permitir a visualização destes mesmos resultados em formato texto. 5.1. Edição Gráfica A seqüência de comando “Visualizar” – “Edição Gráfica”, aciona o programa de edição gráfica de desenhos, que permite gerar novos desenhos, visualizar e editar desenhos existentes. 5.2. Visualizar Geração do modelo A partir da seqüência de comandos: “Visualizar” – “Geração do modelo”, podemos analisar um relatório que é criado durante o processamento da geração do modelo de grelha.
  • 37. Menu Visualizar 33 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Este relatório é visualizado através de um arquivo .LST, onde estão listados os critérios de geração do modelo, elementos discretizados, detalhes sobre a discretização e um resumo de cargas existentes no modelo de grelha. 5.3. Visualizador de grelhas - Espacial A seqüência de comandos “Visualizar” – “Visualizador de grelhas - Espacial”, aciona o programa “Visualizador de Grelha”, que permite, de forma interativa, visualizar, com diferentes tipos de vistas, os esforços resultantes provenientes do processamento da grelha: Através deste visualizador você também poderá ver os esforços e deslocamentos em forma de curvas de isovalores. Explicações detalhadas sobre como utilizar o programa, “Visualizador de Grelha”, encontram-se descritas no manual “Grelha-TQS– Manual do Visualizador de Grelha”. 5.4. Grelha Não Linear - Espacial A seqüência de comandos “Visualizar” – “Grelha não linear - Espacial”, aciona o programa “Visualizador de Grelha Não Linear”.
  • 38. 34 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 O “Visualizador de Grelha Não-Linear” é um programa específico para analisar os resultados do processamento de uma grelha considerando a não-linearidade física das barras. Nele é possível, de forma interativa, visualizar os esforços resultantes provenientes do processamento da grelha não linear, abertura de fissuras, deslocamentos (totais e após construção das alvenarias) e visualização das flechas ao longo da base de uma alvenaria. Explicações detalhadas sobre como utilizar o programa “Visualizador de Grelha Não Linear”, encontram-se descritas no manual “Grelha-TQS– Manual do Visualizador Gráfico de Grelhas”. 5.5. Análise Dinâmica Através da seqüência de comandos “Visualizar” – “Análise dinâmica”, pode-se acionar o programa “Visualizador de Análise Dinâmica de grelhas”. O Visualizador de Análise Dinâmica de grelhas permite, através de várias vistas, analisar os modos de vibração provenientes da análise dinâmica da grelha do pavimento. Também são apresentadas listagens com os valores de freqüências, massas e fatores de participação desta análise.
  • 39. Menu Visualizar 35 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Explicações detalhadas sobre como utilizar o programa “Visualizador de Análise Dinâmica de grelhas”, encontram-se descritas no manual “Grelha-TQS– Manual do Visualizador Gráfico de Grelhas”. 5.6. Esforços O arquivo gerado a partir do processamento do comando “Esforços”, do menu “Processar”, é a listagem “FORnnnn.LST”, ou a listagem FORnnnnM.LST. Esta listagem poderá ser editada e/ou visualizada através do programa de edição de textos “EDITW”, a partir da seqüência de comandos: “Visualizar” – “Processamento de esforços” Nesta listagem são apresentados os esforços, flechas e carregamentos para TODOS os casos de carregamentos e para as combinações, além dos resultados da análise dinâmica. Os elementos apresentados são controlados através dos “Critérios Gerais” da grelha. 5.7. Análise de esforços (por carregamento) O arquivo gerado a partir do processamento do comando “Análise de esforços (por carregamento)”, do menu “Processar”, é a listagem “GREANAnn.LST”, esta listagem poderá ser editada e/ou visualizada através do programa de edição de textos “EDITW”, a partir da seqüência de comandos: “Visualizar” – “Análise de esforços (por carregamento)”:
  • 40. 36 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Nesta listagem são apresentados os esforços solicitantes nas barras para um determinado carregamento. A escolha do carregamento é feita através da janela “Escolha do número do caso de carregamento”, onde só poderá ser escolhido um caso por vez: 5.8. Extração de dados do desenho de grelha A partir do processamento do comando “Extração de dados do desenho de grelha”, do menu “Processar”, é gerada a listagem “GREEXT.LST”, esta listagem poderá ser editada e/ou visualizada através do programa de edição de textos “EDITW”, a partir da seqüência de comandos: “Visualizar” – “Extração de dados do desenho de grelha” Nesta listagem são apresentadas as características da grelha extraída do desenho GREnnnn.DWG, além de mensagens de aviso emitidas durante a extração dos dados.
  • 41. Menu Visualizar 37 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 5.9. Visualização de erros O Visualizador de Erros é um programa que apresenta de forma gráfica e organizada os avisos/erros emitidos durante um processamento, seja ele global (Ex: Processamento Global) ou local (Ex: Processamento de um Pavimento). A visualização de erros está disponível em todos os sistemas CAD/TQS. 5.9.1. Como Inicializar o Visualizador de erros Execute a seqüência de comandos: “Visualizar” – “Erros”:
  • 42. 38 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 5.9.2. Ambiente do Programa O ambiente principal do Visualizador de Erros é composto por:  Barra de ferramentas Através da barra de ferramentas, você pode filtrar os erros referentes a um determinado sistema (CAD/Formas, CAD/Vigas, ...) e atualizar a lista de erros mostrada ao lado. Para visualizar todos os erros encontrados no seu edifício, clique no seguinte botão:  Árvore do edifício Através da árvore de edifício, você pode selecionar os erros de um pavimento específico e atualizar a lista de erros mostrada ao lado.  Lista de erros
  • 43. Menu Visualizar 39 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Todos os erros são listados de maneira organizada segundo ao seu sistema e ao seu pavimento. O erro atual, isto é, o erro que está sendo descrito na janela abaixo da lista, é destacado na cor amarela. Se você clicar em cima do erro (linha da tabela), o programa automaticamente mostra a sua descrição na janela abaixo.  Janela gráfica Na janela gráfica, é mostrado o desenho do pavimento selecionado na árvore do edifício e a localização dos erros em planta. Os erros são representados graficamente por um círculo, como mostrado ao lado. O erro atual, isto é, o erro que está sendo descrito na janela abaixo da lista, é destacado por um retângulo. Se você clicar em cima do erro (círculo), o programa automaticamente mostra a sua descrição na janela ao lado.  Descrição do erro Todos os erros são descritos de forma clara e objetiva. Em algumas mensagens inclusive, são mostrados alguns valores numéricos calculados durante o processamento.  Barra de Status Na barra de status inferior, é possível verificar a quantidade total de erros. Além disso, em determinados erros você pode acessar mais detalhes clicando no canto direito inferior. 5.9.3. Como Atualizar a Lista de Erros Você pode executar um processamento mantendo o Visualizador de Erros aberto. No entanto, a lista de erros não é atualizada automaticamente. Para atualizá-la, utilize a barra de ferramentas ou a tecla de atalho F5.
  • 44. 40 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 5.9.4. Como Configurar a Visualização Você pode configurar os parâmetros dos erros visualizados. Por exemplo: alterar as cores das entidades da janela gráfica, filtrar erros com uma determinada classificação. Para isto, clique no seguinte botão da barra de ferramentas: Então será acionada a janela “Parâmetro de Visualização”:
  • 45. Seqüência de comandos para solução de grelha somente de vigas de um pavimento 41 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 6. Seqüência de comandos para solução de grelha somente de vigas de um pavimento O modelo mais simples de grelha é aquele formado somente por barras de vigas. Estas barras são geradas com peso próprio, cargas declaradas sobre as vigas e cargas das lajes, distribuídas por processo simplificado. Se o Modelo Estrutural adotado para o edifício (dentro dos Dados do Edifício) for o 4 teremos: O primeiro passo, para gerar grelhas de vigas, é definir o modelo do pavimento como “Grelha somente de vigas”. Para pavimentos onde o modelo do pavimento já foi definido como apenas de vigas, as lajes lançadas após esta adoção são automaticamente definidas como não discretizadas na grelha. Para pavimentos onde o modelo é diferente, é necessário alterar o modelo do pavimento, dentro dos Dados do Edifício, e posteriormente definir todas as lajes como NÃO discretizadas na grelha, dentro do Modelador Estrutural. Processe a planta de formas e defina os critérios e carregamentos desejados,e depois disto, faça a geração e processamento do modelo de grelha:
  • 46. 42 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Como se certificar dos critérios e carregamentos usados? Visualize a listagem GREFOR.LST gerada após este processamento, com o comando: 6.1. Listagem da geração do modelo só de vigas Ao acessarmos o comando “Visualizar” – “Geração do modelo”, para um modelo de grelha somente de vigas, será criado um arquivo GREFOR.LST com dados sobre os critérios utilizados para geração do modelo, além de outros dados que servem para verificação do modelo do pavimento. Inicialmente, na listagem GREFOR.LST, caso o arquivo geral de critérios de formas tenha sido carregado, uma mensagem será emitida, informando o arquivo e diretório lidos: Critérios carregados: TQSTESTEPLACRITGRE.DAT Arquivo de carregamentos....... CARRGRE.DAT Destes arquivos são lidos parâmetros defaults para os critérios gerais. Estes, por sua vez, podem ser redefinidos através do menu de critérios, sendo listados a seguir. Em primeiro lugar, se o fck foi definido nos dados do edifício, ele será listado e usado no cálculo do módulo de elasticidade:
  • 47. Seqüência de comandos para solução de grelha somente de vigas de um pavimento 43 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 FCK definido no edificio ======================== Valor = 150.00 kgf/cm2 A seguir são apresentados os critérios efetivamente usados: Criterios gerais ================= Redutor de inércia a torção do comando TORÇÃO ... 1.00 ( REDTOR) Inércia de calculo das vigas .................... Seção T FCK do concreto, kgf/cm2 ........................ 150.00 ( FCK ) Fator VEC p/cálculo de E em função do FCK ....... 13700.00 ( VEC ) Módulo de elasticidade longitudinal ............. .2313E+07 ( ELALON) Módulo de elasticidade transversal .............. .9637E+06 ( ELATRA) Peso especifico do concreto ..................... 2.50 ( DESCON) Coeficiente de poisson .......................... .20 ( POISSO) Redutor de mola XY para pilares elasticos ....... 4.00 ( REDMOL) Pe direito do piso .............................. 3.00 Redutor de mola Z para pilares elasticos ....... 1.00 ( REDMOZ) Multip. da largura equiv de pilares elasticos ... 1.00 ( LEPMOL) Fator de engastamento parcial das vigas ......... 1.00 ( ENGVIG) Numero de carregamentos verticais ............... 1 Numero de combinacoes ........................... 0 Envoltoria definida ............................. Nao Você deve conferir se o módulo de elasticidade é o esperado. Este módulo é inversamente proporcional às flechas na grelha. Verifique também os coeficientes e redutores, que afetam a inércia dos elementos e os coeficientes de mola. A seguir vem a descrição de atributos de vigas, pilares e lajes: Apoios elasticos independentes ============================== P1 P2 P3 P4 Viga 1 apoio sobre pilar 1 Leqv .200 Lapo .500 Capo .200 Ang .00 KRX .29167E+04 KRY .18667E+03 Viga 1 apoio sobre pilar 2 Leqv .200 Lapo .500 Capo .200 Ang .00 KRX .29167E+04 KRY .18667E+03 Viga 2 apoio sobre pilar 3 Leqv .200 Lapo .500 Capo .200 Ang .00 KRX .29167E+04 KRY .18667E+03 Viga 2 apoio sobre pilar 4 Leqv .200 Lapo .500 Capo .200 Ang .00 KRX .29167E+04 KRY .18667E+03 Modelo da forma: Nos ................................... 4 Vigas ................................. 4 Pilares ............................... 4 Lajes ................................. 1
  • 48. 44 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Modelo da grelha: Nos ................................... 8 Materiais ............................. 2 Secoes ................................ 3 Barras ................................ 8 Restricoes ............................ 8 Caso de carregamento .................. 1 ===>>> Carregamento gerado pelo CAD/Formas - Lajes + PP + Alvenarias Forcas nos nos ........................ 16 Carregamentos nas barras .............. 4 Somatoria de cargas verticais.(nos).... .71 tf Somatoria de cargas verticais.(barras). 14.84 tf (so' vigas) Note na somatória de cargas verticais, a observação (só vigas). Na geração de modelos com vigas e lajes, a grelha inicialmente gerada tem somente vigas, e a carga mostrada é só das vigas. Como neste modelo não há lajes discretizadas, a somatória de cargas nas vigas inclui as lajes e deve ser próxima da carga no piso determinada pelo processamento da planta de formas2 . 6.2. Desenho de Verificação Após o processamento das plantas de formas, o desenho de verificação de dados da grelha já pode ser gerado, através do comando “Processar” – “Geração do modelo” – “Gerar desenho de dados da grelha”. 2 Pode haver uma diferença de até 4%, pois o CAD/Formas por simplificação lança parte da carga direta das lajes no pilares também para as vigas.
  • 49. Seqüência de comandos para solução de grelha somente de vigas de um pavimento 45 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Este desenho, no caso da discretização de lajes, serve também para a definição e a modificação das barras das lajes, sendo extraído mais tarde dentro do gerenciador Grelha-TQS. Veja um exemplo: 1.39 1.39 1.45 1.39 1.39 1.45 1.85 Os nós deste desenho são mostrados segundo a convenção: RESTRICOES NO' SEM APOIO ARTICULADO APOIO ENGASTADO APOIO ELASTICO e as cargas:
  • 50. 46 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 C3.00 .80 .86 PARCIAL, 0.80 tf/m CARGA DISTRIBUIDA NA EXTENSAO DA CARGA DISTRIBUIDA BARRA, 0.86 tf/m CARGA CONCENTRADA 3 tf O desenho da grelha pode ser observado com muitos mais recursos, através da janela de Edição Gráfica. Veja o manual “Grelha-TQS– Manual de Entrada Gráfica de Grelhas”. 6.3. Pilar em Viga de Transição No momento de geração da grelha, o CAD/Formas não conhece o valor da carga de um pilar nascendo sobre uma viga de transição. Quando o Modelo Estrutural utilizado no edifício for o 4, após um primeiro processamento do pórtico espacial, para estimativa das cargas dos pilares de transição, os modelos de grelhas são refeitos e recalculados, levando estas cargas em consideração. Posteriormente, o pórtico espacial é processado novamente. Alternativamente, você pode estimar esta carga, através do cálculo de um pórtico espacial, ou do resumo geral de cargas nos pilares do CAD/Formas. Para isto, lance esta carga no Modelador Estrutural como "Carga estimada no pilar". Esta carga passará a ser gerada como carga concentrada na viga. Nenhuma verificação é feita na carga estimada pelo engenheiro no pilar. O engenheiro é responsável pelo valor da carga e pela validação do modelo e resultados. Neste caso, se você está definindo vários casos de carregamento, ou se existe a separação automática de cargas permanentes e acidentais, então será necessário estimar manualmente a carga do pilar para cada caso de carregamento diferente. 6.4. Processando a Grelha A grelha de vigas já foi processada junto com a geração do modelo, mas podemos também realizar o processamento de esforços no menu “Processar” – “Esforços”. Dependendo da versão do CAD/TQS utilizada, o processamento poderá ser feito através do “Resolvedor TQS” ou do “Resolvedor Mix (R)”:
  • 51. Seqüência de comandos para solução de grelha somente de vigas de um pavimento 47 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 6.5. Verificando Resultados O melhor meio de verificar resultados é através do Visualizador de Grelhas, Por exemplo, para obter os momentos fletores My nas barras da grelha, entre primeiro no visualizador: Já dentro do visualizador de grelhas, selecione o caso de carregamento de interesse, em seguida acione os ícones “Visualização espacial” e “Momentos MY, então o desenho será regerado conforme a figura a seguir:
  • 52. 48 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 -.98 6.85 -.98 -.54 .47 -.54 -.98 6.85 -.98 -.54 .47 -.54 2.08 Ainda dentro do visualizador de grelhas, você poderá continuar a análise dos resultados, visualizando os demais esforços, flechas, carregamentos, etc. Terminada a análise feche o programa. Voltando ao gerenciador do Grelha-TQS, você pode visualizar os mesmos resultados em forma de listagem, a partir da seqüência de comandos “Visualizar” – “Processamento de esforços”:
  • 53. Seqüência de comandos para solução de grelha somente de vigas de um pavimento 49 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Esta é uma listagem de esforços, deslocamentos e carregamentos da grelha segundo a numeração interna da grelha. Os elementos apresentados nesta listagem são controlados através dos “Critérios Gerais” da grelha. Um número interessante no final da listagem é a somatória de reações de apoio: // REACOES DOS APOIOS // NO MOMENTO X MOMENTO Y FORCA Z 2 .1033 -.9769 6.5876 8 .1033 .9769 6.5876 11 -.1033 -.9769 6.5876 13 -.1033 .9769 6.5876 ------------ 26.3505 Os momentos estão no sistema local do apoio, que pode embutir uma rotação em relação ao sistema global. Verifique se a somatória de cargas no piso é a estimada. A análise de esforços é uma listagem onde momentos fletores, forças cortantes, reações de apoio e deslocamentos são mostrados por elemento da planta de formas. Para obtê-la, primeiro faça o processamento, ilustrado a seguir: Escolha um carregamento: depois, no menu visualizar:
  • 54. 50 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 E escolha o carregamento novamente. No menu processar, você pode também transferir os esforços obtidos nas vigas para o CAD/Vigas. Entraremos em detalhes na transferência de esforços em outro capítulo.
  • 55. Seqüência de Comandos para Solução de Grelha de Vigas e Lajes Maciças 51 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 7. Seqüência de Comandos para Solução de Grelha de Vigas e Lajes Maciças Para a geração de grelhas com lajes maciças discretizadas, serão necessários alguns passos adicionais em relação à grelha somente de vigas:  Selecione no modelador estrutural as lajes que serão discretizadas;  Defina os critérios para a geração de lajes planas, onde definimos os parâmetros para a discretização;  Defina os critérios e os casos de carregamentos;  Processe o comando de geração do modelo, criando o desenho de dados de grelha;  Faça a extração gráfica do desenho de entrada gráfica de grelha;  Processe o modelo gerado;  Faça a analise do processamento;  Transfira os esforços para as lajes e vigas. 7.1. Geração do Modelo Antes de tudo, é necessário processar as plantas de formas do pavimento em que se quer trabalhar. Depois de definidos os “Critérios Gerais” de grelha, podemos gerar o modelo. No menu ”Processar”, acione o comando “Geração do modelo”: Para edifício cujo Modelo Estrutura seja 4, a escolha do tipo de modelo do pavimento - lajes nervuradas, planas ou grelha só de vigas - é feita diretamente durante a criação do pavimento nos Dados do Edifício:
  • 56. 52 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 O menu seguinte apresentará o número do projeto deste pavimento e as opções de processamento. Você pode gerar o desenho de dados da grelha, extrair o desenho e obter o arquivo .GRE pronto para processamento, fazer a análise e transferir os esforços resultantes, de uma vez utilizando as opções deste comando:
  • 57. Seqüência de Comandos para Solução de Grelha de Vigas e Lajes Maciças 53 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Observe que no Modelo 4, as vigas devem ser dimensionadas a partir dos dados do pórtico espacial, NÃO SENDO RECOMENDADA a transferência de esforços da grelha para o dimensionamento das vigas 7.2. Listagem da geração do modelo de grelha de lajes planas Quando acionamos a geração do modelo de grelha de lajes planas, na verdade são processados 2 programas: o primeiro, que gera o modelo somente de vigas (que vimos no capítulo anterior) e o segundo, que faz a discretização e grava informações para desenho, que é a geração automática da entrada gráfica de grelha da laje plana. Os 2 programas geram informações que são gravadas no mesmo arquivo, GREFOR.LST, visualizados pelo comando “Geração do modelo”. As informações iniciais são as mesmas já vistas no capítulo anterior. Agora, a carga mostrada sobre as vigas não inclui mais a cargas das lajes. Um relatório com os parâmetros da discretização, e as cargas lançadas por lajes é mostrado no final do arquivo: Critérios de geração automática de lajes planas =============================================== Arquivo de critérios ....................................... C:TQSTESTEPLALAJEPLAN.DAT Considerar secao T nas lajes nervuradas..................... Sim Divisor da inércia à torsão das barras da grelha............ 6.00 Criação de barras rígidas dentro do pilar................... Sim Plastificação das extremidades das barras das lajes......... Nao Plastificação do apoio em pilares no meio da laje........... Sim Divisor de inércia à flexão do trecho plastificado.......... 40.00 Plastificação default da laje dentro de capiteis............ Nao Divisor de inércia à flexão default de capiteis............. 2.00 Distância mínima de barra ao contorno....................... 10.00 cm Criar apoio elástico independente da laje no pilar.......... Sim Divisor do coef. de mola p/apoio elástico independente...... 4.00 Espaçamento entre barras verticais (cm)..................... 50.00 Espaçamento entre barras horizontais (cm)................... .00 Direção principal (graus)................................... .00 Origem X da malha (cm)...................................... .00 Origem Y da malha (cm)...................................... .00
  • 58. 54 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Geracao automatica de grelha em lajes planas Laje Carga lancada (tf) L1 3.30 L2 3.36 L3 10.56 ------- 17.22 Verifique se a carga lançada nas barras das vigas, mais a carga das lajes corresponde à carga total do piso calculada pelo CAD/Formas. 7.3. Cálculo e Distribuição de Cargas Para o cálculo de cargas, o sistema primeiro discretiza o modelo, laje por laje. A carga de cada laje é calculada por um contorno passando pela face das vigas, e a carga total, excetuando-se as cargas concentradas na laje, é dividida pelo comprimento total das barras por laje. Como resultado, teremos uma carga por metro de barra, que será lançada na grelha. Este procedimento vale para todos os carregamentos na grelha. As cargas concentradas terão um tratamento diferente: elas são representadas diretamente no desenho da grelha, e somente passarão para o modelo da grelha na etapa de extração gráfica de grelha. Veja adiante como são representadas. 7.4. Principais características da entrada gráfica de grelha O desenho gerado, de nome GREnnnn.DWG, a partir da execução do comando “Geração do modelo”, tem os mesmos elementos do desenho de grelha só de vigas, mais as barras das lajes: .5/.1c.168 .5/.1c.168 .5/.1c.168 .5/.1c.168 .5/.1c.168 .5/.1c.168 .5/.1c.168 .5/.1c.168 .5/.1c.168 .5/.1c.168 .5/.1c.168 .5/.1c.168 .5/.1c.168 .5/.1c.168 .5/.1c.168 .5/.1c.168 .5/.1c.168 .5/.1c.168 .5/.1c.2 TEXTO DE IDENTIFICACAO DA BARRA As barras das lajes são geradas no nível 233, junto com textos de identificação. Estes textos carregam informações de geometria e carregamentos nas barras. Toda alteração feita nestes textos vai diretamente para o arquivo de grelhas gerado a partir da extração gráfica de grelha para este desenho.
  • 59. Seqüência de Comandos para Solução de Grelha de Vigas e Lajes Maciças 55 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 7.4.1. Cargas Concentradas na Laje Cargas concentradas e distribuídas parciais sobre as lajes são transportadas para o desenho de dados da grelha. Estas cargas são projetadas sobre as barras da laje, e entram no modelo após a extração gráfica do desenho de grelha. Alvenarias na planta de formas são discretizadas em cargas concentradas e gravadas no desenho de grelha. Veja um exemplo de laje com uma carga distribuída parcial e uma carga concentrada: P1 P2 P5 P6 L1 h10 c.30 CC 0.5 CD 0.8 V1 12/40 c.50 V412/40c.50 V312/40c.50 V2 12/40 c.50 Após o processamento da planta de formas e geração do modelo de grelha, chegaremos a um desenho de grelha como este: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 1 2 3 3 4 5 3 6 7 8 3 9 10 11 3 12 .62 .62 CE.50 CE.30 CE.30 CE.30 CE.30 CE.30 CE.30 CE.30 .62 .62 .513/.1c.137 .513/.1c.137 .513/.1c.137 .513/.1c.137 .513/.1c.137 .513/.1c.137 .483/.1c.137 .483/.1c.137 .483/.1c.137 .483/.1c.137 .483/.1c.137 .483/.1c.137 .483/.1c.137 .483/.1c.137 .483/.1c.137 .483/.1c.137 .483/.1c.137 .483/.1c.137
  • 60. 56 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 A carga distribuída parcial de comprimento 2.62m foi dividida automaticamente em 7 cargas concentradas. Estas cargas não coincidem necessariamente com as barras da grelha. Durante a extração gráfica da grelha, o Grelha-TQSprojetará as cargas sobre as barras da laje que forem mais próximas. Assim, esquematicamente, as cargas serão projetadas como no desenho a seguir: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 1 3 4 6 79 1012 O editor gráfico reconhece a carga concentrada como um elemento comum de desenho, podendo ser movido ou ter o valor da carga alterado (<SHF> <F6> no texto da carga). 7.4.2. Cargas Distribuídas em Área Delimitada Estas cargas são discretizadas em cargas concentradas já dentro do CAD/Formas: ARE .5 L1 h10 c.3 P1 P2 P3 P4 V1 20/50 c.8 V2 20/50 c.8 V320/50c.8 V420/50c.8 .08 .08 .08 .08 .08 .08 .08 .08 .08 Cada carga concentrada resultante entra como uma carga concentrada na grelha, aplicando-se as regras já mostradas.
  • 61. Seqüência de Comandos para Solução de Grelha de Vigas e Lajes Maciças 57 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 7.4.3. Diferença de Peso Próprio do Capitel Quando o capitel tem espessura diferente da laje, o peso próprio por área é diferente. Esta diferença é lançada como uma carga por área delimitada, resultando em cargas concentradas, como no exemplo acima. 7.5. Refinando o Modelo com a Entrada Gráfica de Grelhas O modelo gerado pelo sistema pode e deve ser refinado pelo engenheiro. Este refinamento é feito através do “Editor de Entrada Gráfica de Grelhas,” que mostramos no manual “Grelha-TQS – Entrada Gráfica de Grelhas”. Depois de gerado o desenho a partir do gerenciador do Grelha-TQSpodemos alterar a Entrada Gráfica através do “Editor de Entrada Gráfica de Grelhas”: A o modelo de grelha final será gerada após o processamento de extração. Você pode acionar este processamento dentro do próprio editor, através da opção: Você também pode acionar o processamento de extração através do gerenciador, através da opção:
  • 62. 58 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 Os dados de entrada deste processamento são o desenho da grelha (GREnnnn.DWG) e o arquivo .GRE somente de vigas, (FOR0001.GRE). O arquivo resultante terá uma grelha de vigas e lajes, com nome default igual ao da grelha original mais a letra M (FOR0001M). Já podemos calcular os esforços solicitantes nesta grelha. A extração gráfica gera também uma listagem com alguns índices para verificação, sendo o mais importante à somatória de cargas. Veja esta listagem através do menu: Em caso de erros na extração, faça o acerto na Entrada Gráfica de Grelhas. Dentro do menu : “E.Gráfica”, existe um comando que aponta todas as coordenadas com possíveis problemas de extração. 7.6. Pavimento com laje a ser discretizada e com laje não discretizada. Você pode discretizar parte das lajes do piso e não discretizar outras. O Grelha- TQSprocura manter a coerência na transferência de cargas para pilares neste caso. No processo simplificado de distribuição de cargas, os apoios recebem quinhões de cargas conforme as linhas de ruptura da laje. O CAD/Formas lança as seguintes cargas:
  • 63. Seqüência de Comandos para Solução de Grelha de Vigas e Lajes Maciças 59 TQS Informática Ltda Rua dos Pinheiros 706 c/2 05422-001 São Paulo SP Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 3% 3% CARGA DIRETA NO PILAR CARGA NA VIGA A carga por metro calculada no trecho de laje sobre a viga começa 3% do vão antes da face do apoio. O CAD/Formas também lança esta mesma carga por metro em todo o trecho do pilar que faz parte do contorno3 . Nas lajes discretizadas, as cargas da laje estão sobre as barras das lajes, sendo distribuídas no processamento da grelha. Nas lajes não discretizadas, parte das cargas são lançadas nas vigas de apoio. A parcela correspondente aos pilares é lançada como carga concentrada no nó do pilar. Estas cargas afetam exclusivamente as reações de apoio, sendo transferidas para o CAD/Vigas (sob comando do engenheiro) e depois para o CAD/Pilar. Nota: evite usar este modelo, se estiver trabalhando com pórtico espacial com imposição de esforços vindos da grelha. 3 Uma vez que a carga neste trecho de 3% do vão é considerada duas vezes, atualmente o CAD/Formas aumenta ligeiramente a carga do piso no modelo simplificado.
  • 64. 60 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções 8. Entendendo o Grelha Não-Linear Neste capítulo, será demonstrado de maneira clara e objetiva o que é e para que serve o programa de grelha não-linear física. Será utilizado o esquema de ‘Perguntas&Respostas’ com o intuito de deixar o texto mais didático e menos “massante”. As seguintes questões serão respondidas:  O que é Não-Linearidade?  É muito importante considerar a Não-Linearidade?  Para que serve o Grelha Não-Linear Física?  É difícil utilizar o Grelha Não-Linear Física?  Posso confiar no Grelha Não-Linear Física?  Porque é que numa análise não-linear quase sempre é necessário dividir o carregamento total em incrementos de carga?  Como a fissuração do concreto é considerada no modelo?  Quais cálculos o programa faz em “apenas um clique”?  Um pouco mais de teoria? Bibliografia complementar? 8.1. O que é Não-Linearidade? Na engenharia de estruturas, é muito comum ouvirmos os termos “Não-Linearidade Física” e “Não-Linearidade Geométrica”. De uma maneira muito simplificada, podemos dizer que a “Não-Linearidade Física” trata-se da não proporcionalidade que ocorre entre as cargas aplicadas e os deslocamentos de uma estrutura devido ao comportamento não-linear do material (no caso, o concreto-armado). Já na “Não-Linearidade Geométrica”, esta não-linearidade ocorre devido a consideração de esforços adicionais que aparecem na estrutura deslocada (esforços de segunda ordem). Como podemos ver, embora a nomenclatura dos termos sejam parecidas, uma não tem nada a ver com a outra.
  • 65. Entendendo o Grelha Não-Linear 61 8.1.1. Análise Linear tradicionalmente adotada Note que para qualquer carregamento N.P o deslocamento resultante N.d será sempre proporcional. Isto é uma consideração básica adotada em qualquer programa de análise estrutural. 8.1.2. Análise Não-Linear . Neste caso, a relação carga/deslocamento não é mais proporcional e os deslocamentos tendem a aumentar. 8.2. É muito importante considerar a não- linearidade? A consideração da não-linearidade (tanto física como geométrica) pode ser relevante em certos projetos. Isto depende de inúmeros fatores, tais como: o porte da estrutura, o nível de solicitações atuantes, a armadura dimensionada e detalhada, etc. Veja alguns aspectos que fazem com o que a consideração da não-linearidade seja importante:  concreto-armado é um material heterogêneo e não-linear;  a cada dia os projetos estão cada vez mais complexos e as estruturas mais esbeltas;  com o aparecimento de computadores cada vez mais velozes e programas cada vez mais completos, o cálculo não-linear será muito comum nos projetos de agora em diante. 8.3. Para que serve o Grelha Não-Linear Física? Primeiro, responda a seguinte pergunta: “algum dia você já se questionou se a flecha calculada para uma determinada laje estava correta?” Se sua resposta for SIM, provavelmente o grelha não-linear será muito útil para você.
  • 66. 62 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções Neste programa, as flechas das lajes em serviço serão calculadas com muito mais exatidão, pois será considerada a não-linearidade do concreto-armado devido à fissuração do concreto. Vale lembrar que flechas excessivas podem inviabilizar totalmente um projeto. Você não precisará “adivinhar” onde e quanto deve ser a redução de inércia das barras de uma grelha. Uma observação: o grelha não-linear não é uma ferramenta de dimensionamento, ou seja, seus esforços não são considerados no dimensionamento. 8.4. É difícil utilizar o Grelha Não-Linear Física? O grelha Não-Linear é um módulo particular do sistema Grelha-TQSe a sua utilização é muito fácil. Basicamente, existem três etapas principais: 8.4.1. Configuração de Critérios Como em qualquer outro programa, a configuração correta dos critérios é fundamental para que os resultados obtidos sejam coerentes. Para facilitar, no programa de edição, cada critério é explicado com detalhes através dos botões de ajuda “?”.
  • 67. Entendendo o Grelha Não-Linear 63 8.4.2. Processamento Depois de configurado os critérios, para processar a grelha basta um clique. 8.4.3. Visualização de Resultados Foi desenvolvido um visualizador especialmente para analisar os resultados obtidos no processamento não-linear. Nele inclusive, existe uma animação que mostra como a laje fissura gradativamente, bem como a evolução das flechas de acordo com o acréscimo de cargas.
  • 68. 64 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções 8.5. Posso confiar no Grelha Não-Linear Física? Após a finalização do programa, foram feitos diversos testes de validação através de comparações com teses já publicadas sobre este assunto. Inclusive, foi realizada também uma comparação com um modelo experimental ensaiado em laboratório (leia artigo TQS News no. 15 no site www.tqs.com.br). 8.6. Porque é que numa análise não-linear quase sempre é necessário dividir o carregamento total em incrementos de carga? Imagine um arco. De uma forma aproximada ele pode ser representado por alguns segmentos de reta, certo?
  • 69. Entendendo o Grelha Não-Linear 65 Note que quanto maior o número de segmentos adotados maior será a precisão. Analogamente, o comportamento não-linear de uma estrutura (ver gráfico da pergunta número 1) pode então ser representado por uma série de segmentos lineares sucessivos. Para isto, o carregamento total aplicado na estrutura é subdividido em N partes, que são comumente chamados de “Incrementos de Carga”. Entre cada um destes incrementos, o programa verifica a situação de cada uma das barras, isto é, se elas estão fissuradas ou íntegras, e corrige seus dados através de uma formulação coerente. “É como se o programa tentasse caminhar sobre a curva não-linear, ou seja, acompanhar o comportamento real de uma estrutura”. Como no caso do arco, quanto maior o número de segmentos, isto é, incrementos de carga, mais precisa será a análise. Se o número de incrementos adotado for muito pequeno, os resultados finais do processamento poderão ficar equivocados. Já, se o número de incrementos for adequado, a flecha final será bem mais exata.
  • 70. 66 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções Observações: Quando o número de incrementos de carga é igual a 1 (NINC=1), trata-se exatamente da análise linear tradicionalmente utilizada. Note que à medida que aumentamos o número de incrementos, o deslocamento obtido fica mais próximo do real. 8.7. Como a fissuração do concreto é considerada no modelo? Primeiramente, vamos relembrar algumas definições tradicionais:  Estádio I : A peça de concreto-armado não apresenta nenhuma fissura e a resistência à tração do concreto é considerada.  Estádio II : Considerada a partir do instante em que a primeira fissura aparece no concreto, que então tem sua resistência à tração desprezada.  A rigidez de uma peça de concreto-armado é função do seu módulo de elasticidade E e também de sua inércia I. Ou seja, função de EI.  A medida que a fissuração aumenta, a rigidez da peça diminui.
  • 71. Entendendo o Grelha Não-Linear 67 Através das 4 definições simples acima se pode afirmar que a diminuição de rigidez provocada pela fissuração pode ser simulada tanto por uma redução de E, como por uma redução de I. Basta lembrar que em muitos casos, a plastificação é muito bem simulada através da imposição adequada de uma diminuição da inércia. No modelo de grelha não-linear é adotada a variação de inércia para representar a fissuração, ou seja, durante o processamento (mais precisamente entre cada incremento de carga) o programa atualiza as inércias das barras de acordo com uma formulação adequada. Porque não utilizar a redução coerente do módulo E? Porque em termos computacionais, a variação de inércia é mais fácil de ser implementada. 8.8. Quais cálculos o programa faz em “apenas um clique”? Na resposta da pergunta 4 (É difícil utilizar o Grelha Não-Linear Física?) foi colocado que para processar um grelha considerando a não-linearidade era necessário dar apenas um clique. Pois bem, o que o programa então faz neste apenas um clique?  Primeiramente, antes de iniciar o processo incremental o programa resolve a grelha através de uma análise linear (Etapa linear).  São montadas envoltórias de esforços atuantes da etapa linear.  Com esta envoltória, são calculadas as armaduras necessárias para cada uma das barras (sempre obedecendo a limites máximos e mínimos definidos através de critérios).  Inicia-se então o processamento não-linear. A estrutura é carregada progressivamente, incremento a incremento, até atingir o carregamento total.  A cada incremento o programa verifica quais barras já fissuraram e corrige suas respectivas inércias.  Finalmente, as flechas e os esforços finais resultam do acúmulo dos resultados de cada um dos incrementos de carga.
  • 72. 68 Grelha-TQS – Manual de Comandos e Funções Uma observação: É possível controlar cada uma das etapas anteriores através de configurações dos critérios de programa. Ex.: quantidade de armaduras, fatores de redução à flexão e à torção, etc. 8.9. Um pouco mais de teoria? Bibliografia complementar? Normalmente, todas as teses, artigos ou livros que tratam do assunto não-linearidade física em concreto-armado trazem todas as formulações de maneira bem clara. Porém, destacam-se a seguir duas publicações:  Tese de doutoramento “Análise não-linear de pavimentos de edifícios de concreto através da analogia de grelha” (1994) Autor: Prof. Dr. Roberto Chust Carvalho Orientador: Prof. Dr. Mounir Khalil El Debs USP/Escola de Engenharia de São Carlos  Artigo e-ABECE “Avaliação da deformação de lajes nervuradas considerando a não-linearidade física: comparação entre valores teóricos e experimentais” (2000) Autores: Oliveira, R. S.; Araújo, D. L.; Corrêa, M. R. S.; Ramalho, M. A. e-Artigos ABECE no. 004
  • 73. TQS Informática Ltda R. dos Pinheiros, 706 c/2 São Paulo SP 05422-001 Tel (011) 3083-2722 Fax (011) 3083-2798 tqs@tqs.com.br www.tqs.com.br