SlideShare uma empresa Scribd logo
Análise e sistematização
 Gil Vicente desenvolve o provérbio
“Mais quero asno que me leve que cavalo que me derrube”
 Teste à originalidade do dramaturgo, que desenvolve uma
história com princípio meio e fim, em que demonstra que é
preferível um asno que leve Inês às costas (i.e., que lhe
faça todas as vontades),
a um cavalo que a derrube (i.e., que a prive de liberdade e a
ameace).
marido bronco e ingénuo
Pêro Marques
marido “avisado” e “discreto”
Escudeiro Brás da Mata
Esta peça é uma das mais bem estruturadas de Gil Vicente
 Exposição: O monólogo inicial de Inês e o diálogo com a
mãe em que se apresentam as características da jovem e
os seus objetivos.
 Conflito: Desde a chegada de Lianor Vaz até ao
casamento com Pêro Marques.
 Desenlace: A partir do casamento com Pêro Marques até
ao final, que concretiza o tema da peça e o provérbio que a
determinou.
 Ponto de partida
Aspiração de Inês a libertar-se pelo casamento.
 Desenvolvimento
Proposta e recusa de casamento com Pêro Marques;
Casamento falhado com o escudeiro;
Casamento com Pêro Marques.
 Ponto de chegada
Concretização da aspiração de Inês.
 Inês Pereira – figura central da peça; pode classificar-se
como personagem modelada, já que sofre uma evolução
psicológica, decorrente da experiência e, reconsiderando a
sua posição inicial, aceita um segundo casamento
completamente fora das suas expetativas (“sobre quantos
mestres são /experiência dá lição”), mas também
como personagem plana, pois, o final da peça mostra-
nos, novamente, o caráter leviano de Inês, característica
principal, enquanto personagem tipo.
 Mãe – personagem secundária, que, em estreita ligação
com Inês, representa o contraponto da sua fantasia e
irresponsabilidade. Moderada, prudente e pragmática, a
Mãe manifesta a sua descrença em relação ao casamento
com o Escudeiro, antecipando alguns dos problemas que
virão a acontecer. Contudo, quando a filha opta por casar
com Brás da Mata, a Mãe desaparece, discretamente, sem
discussões, censuras ou vinganças, e ainda lhe oferece a
casa onde viviam. A filha aprenderá à sua custa.
 Pêro Marques – outra figura intimamente ligada a Inês;
representa na peça o papel de “asno” que leva a mulher às
costas, de visita a um antigo pretendente (o ermitão). É um
lavrador ingénuo e bronco, trabalhador e honesto, que tem
alguns bens. Oriundo do meio rural e desconhecedor de
algumas regras de convivência, cai no ridículo, não só pela
maneira como veste, mas também pela maneira de falar e
agir. É a personagem cómica da peça, que contrasta com
Inês (por quem é ridicularizado) e com o escudeiro.
 Lianor Vaz – é quem apresenta Pêro Marques a Inês,
através de uma carta. Mostra grande capacidade de
persuasão, experiência e oportunidade no desempenho do
seu papel de comadre casamenteira, quando, após a morte
do Escudeiro, regressa para relembrar Inês do seu anterior
pretendente.
 Escudeiro (Brás da Mata) – é uma figura muito importante
que contrasta flagrantemente com Pêro Marques (compare-
se a carta e o comportamento de Pêro Marques com o
discurso do Escudeiro, quando se apresentam a Inês).
Mostra-se elegante, culto e astuto.
É uma personagem com grande influência no desenrolar da
história, já que é o seu comportamento tirânico que vai
fazer com que Inês venha a aceitar Pêro para se vingar das
frustrações do primeiro casamento que ela idealizou e
falhou.
O Escudeiro, pobre e covarde, ostenta perante Inês
qualidades que não tem. Antes de casar apresenta-se como
um grande senhor, rico, culto e bem falante.
 Escudeiro (continuação)
Pobre e covarde, ostenta perante Inês qualidades que não
tem. Antes de casar apresenta-se como um grande senhor,
rico, culto e bem falante.
Depois de casar, revela-se um tirano mesquinho que deixa
a esposa à guarda do criado e parte para África com o
objetivo de ser armado cavaleiro, onde acaba por ser morto
por um mouro pastor, quando desertava de uma batalha.
 Moço – personagem que contribui para a denúncia do
verdadeiro caráter do Escudeiro e da sua condição
financeira.
 Judeus casamenteiros – são quem apresenta o Escudeiro a
Inês. Preocupados em receber o seu dinheiro, empenham-
se em elogiar os méritos do Escudeiro perante Inês e as
qualidades desta , perante aquele. São desonestos, falsos
e materialistas.
 Esta peça é uma visão crítica de tipos e fenómenos da
época. A crítica à sociedade do tempo de Gil Vicente é
conseguida com recurso à ironia, à criação de
personagens-tipo e ao cómico.
 A ironia está presente em variadas situações:
• No diálogo inicial entre Inês e a Mãe;
• No diálogo entre a Mãe e Lianor Vaz, quando esta conta o que lhe
acontecera na vinha;
• Na reação de Inês à carte de Pêro Marques;
• No diálogo entre Pêro e Inês (falas de Inês)
• Nas respostas e apartes do Moço, quando fala com o Escudeiro;
• Nas falas de Inês, quando o Escudeiro parte para África;
• No diálogo de Inês com Lianor , após a sua viuvez.
Personagens-tipo
 Inês: moça do povo, casadoira, que pretende ascender
socialmente; preguiçosa; ambiciosa; fantasiosa e leviana.
 Mãe: pragmática e materialista, quer ver a filha bem
“arrumada” com um marido com estabilidade económica,
desprezando ideais de amor, sonhos ou caprichos.
 Lianor Vaz: alcoviteira
 Pêro Marques: homem do campo com pouca educação; o
asno, o inadaptado à sociedade; objeto de vingança de
Inês.
Personagens-tipo
 Escudeiro: a baixa nobreza em degradação, faminta e
pelintra;
 Judeus: mundo da aldrabice e do interesse monetário;
 Ermitão: clero leviano que esquece os seus deveres e a
sua moral;
 Moço: classe servente (povo)
 Cómico de Caráter
• Ex.: concretiza-se nas figuras de Pêro Marques
(provinciano e bronco nitidamente deslocado junto de
Inês e da Mãe) e do Escudeiro pobre e cobarde mas
dissimulando na elegância do seu discurso, na variedade
das suas prendas (canta e toca) e na fanfarronice solene
todas as suas fraquezas e misérias.
 Cómico de Situação
• Ex.: quando Pêro Marques se senta na cadeira ao
contrário e de costas para Inês e para a Mãe;
• na fala dos Judeus casamenteiros, que, na sua
sofreguidão e calculismo para conseguirem casar Inês
com o Escudeiro, se interrompem, repetem e atropelam
constantemente ;
• no episódio final quando Pêro Marques, descalço,
transporta Inês às costas, mais duas lousas que lhe
agradam e para cúmulo, aceita cantar uma cantiga que o
apelida de "marido cuco".
 Cómico de Linguagem
• Ex.: quando Pêro Marques entra com a sua linguagem
recheada de termos e expressões provincianas;
• quando os Judeus produzem o seu discurso repetitivo e
arrastado ;
• quando Inês se refere a Pêro Marques dizendo "Ei-lo se vem
penteando/será com algum ancinho?";
• na ironia do Moço desmascarando a pelintrice do Escudeiro.
• Nos trocadilhos (quando Pêro Marques diz que seu é o “mor
gado” e a Mãe pensa que ele é morgado; quando Inês
pergunta a Pêro se pode sair e ele pensa que ela se refere a
“evacuar”)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
Bruno Freitas
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
Dina Baptista
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Catarina Castro
 
Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumo
Gijasilvelitz 2
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
Helena Coutinho
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. i
ameliapadrao
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Samuel Neves
 
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º anoAnálise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Fatima Mendonca
 
Canto v 92_100
Canto v 92_100Canto v 92_100
Canto v 92_100
Maria Teresa Soveral
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
nando_reis
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonte
Helena Coutinho
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Lurdes Augusto
 
OCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsxOCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsx
Cátia Ramalhinho
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadoresSermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
Renata Antunes
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
gracacruz
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
Margarida Rodrigues
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
António Aragão
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Lurdes Augusto
 
Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura ClássicaFrei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
nelsonalves70
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
Paula Oliveira Cruz
 

Mais procurados (20)

Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
 
Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumo
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. i
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
 
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º anoAnálise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
 
Canto v 92_100
Canto v 92_100Canto v 92_100
Canto v 92_100
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonte
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
 
OCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsxOCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsx
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadoresSermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
 
Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura ClássicaFrei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
 

Semelhante a Auto de inês pereira

49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf
49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf
49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf
MarianaAlmeida674808
 
Farsadeinespereira
FarsadeinespereiraFarsadeinespereira
Farsadeinespereira
Diana Oliveira
 
Auto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês PereiraAuto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês Pereira
nanasimao
 
Resumo exame.docx
Resumo exame.docxResumo exame.docx
Resumo exame.docx
CarolinaRodrigues818742
 
resumo das obras de pt.pdf
resumo das obras de pt.pdfresumo das obras de pt.pdf
resumo das obras de pt.pdf
Margarida347059
 
Literaturaportuguesa
LiteraturaportuguesaLiteraturaportuguesa
Literaturaportuguesa
Conceicao Mousinho
 
Resumos de literaturaportuguesa
Resumos de literaturaportuguesaResumos de literaturaportuguesa
Resumos de literaturaportuguesa
Rosário Pinto
 
A escrava isaura
A escrava isauraA escrava isaura
A escrava isaura
franciellycruz15
 
A escrava isaura
A escrava isauraA escrava isaura
A escrava isaura
franciellycruz15
 
A Farsa de Inês.docx
A Farsa de Inês.docxA Farsa de Inês.docx
A Farsa de Inês.docx
HELENAFERREIRA976148
 
A escrava isaura
A escrava isauraA escrava isaura
A escrava isaura
xtryui
 
Powerp. gil vicente
Powerp. gil vicentePowerp. gil vicente
Powerp. gil vicente
Marta Ferreira
 
Inocência-Visconde de Taunay
Inocência-Visconde de TaunayInocência-Visconde de Taunay
Inocência-Visconde de Taunay
Ragloferreira
 
A escrava isaura
A escrava isaura A escrava isaura
A escrava isaura
Mônica Lins
 
Eça de Queiroz
Eça de QueirozEça de Queiroz
Eça de Queiroz
Flavio Maia Custodio
 
Resumo de Livros
Resumo de LivrosResumo de Livros
Resumo de Livros
Edmilson Suaris de Souza
 
Bernardo guimarães
Bernardo guimarãesBernardo guimarães
Bernardo guimarães
Evandro Correa
 
Lima barreto
Lima barretoLima barreto
Lima barreto
Maria das Dores Justo
 
Resumo lit. infantil
Resumo lit. infantilResumo lit. infantil
Resumo lit. infantil
Andrea Rocha
 
04 Til - José de Alencar1872-pwsf
04   Til - José de Alencar1872-pwsf04   Til - José de Alencar1872-pwsf
04 Til - José de Alencar1872-pwsf
Welington Fernandes
 

Semelhante a Auto de inês pereira (20)

49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf
49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf
49461743-A-Farsa-de-Ines-Pereira-analise.pdf
 
Farsadeinespereira
FarsadeinespereiraFarsadeinespereira
Farsadeinespereira
 
Auto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês PereiraAuto/ Farsa de Inês Pereira
Auto/ Farsa de Inês Pereira
 
Resumo exame.docx
Resumo exame.docxResumo exame.docx
Resumo exame.docx
 
resumo das obras de pt.pdf
resumo das obras de pt.pdfresumo das obras de pt.pdf
resumo das obras de pt.pdf
 
Literaturaportuguesa
LiteraturaportuguesaLiteraturaportuguesa
Literaturaportuguesa
 
Resumos de literaturaportuguesa
Resumos de literaturaportuguesaResumos de literaturaportuguesa
Resumos de literaturaportuguesa
 
A escrava isaura
A escrava isauraA escrava isaura
A escrava isaura
 
A escrava isaura
A escrava isauraA escrava isaura
A escrava isaura
 
A Farsa de Inês.docx
A Farsa de Inês.docxA Farsa de Inês.docx
A Farsa de Inês.docx
 
A escrava isaura
A escrava isauraA escrava isaura
A escrava isaura
 
Powerp. gil vicente
Powerp. gil vicentePowerp. gil vicente
Powerp. gil vicente
 
Inocência-Visconde de Taunay
Inocência-Visconde de TaunayInocência-Visconde de Taunay
Inocência-Visconde de Taunay
 
A escrava isaura
A escrava isaura A escrava isaura
A escrava isaura
 
Eça de Queiroz
Eça de QueirozEça de Queiroz
Eça de Queiroz
 
Resumo de Livros
Resumo de LivrosResumo de Livros
Resumo de Livros
 
Bernardo guimarães
Bernardo guimarãesBernardo guimarães
Bernardo guimarães
 
Lima barreto
Lima barretoLima barreto
Lima barreto
 
Resumo lit. infantil
Resumo lit. infantilResumo lit. infantil
Resumo lit. infantil
 
04 Til - José de Alencar1872-pwsf
04   Til - José de Alencar1872-pwsf04   Til - José de Alencar1872-pwsf
04 Til - José de Alencar1872-pwsf
 

Mais de nanasimao

Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JCHábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
nanasimao
 
Sermão de Santo António aos peixes
Sermão de Santo António aos peixes Sermão de Santo António aos peixes
Sermão de Santo António aos peixes
nanasimao
 
Cultura em Portugal
Cultura em PortugalCultura em Portugal
Cultura em Portugal
nanasimao
 
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da NaturezaA Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
nanasimao
 
Gótico Europeu
Gótico EuropeuGótico Europeu
Gótico Europeu
nanasimao
 
Breve análise da Síria e Filândia
Breve análise da Síria e FilândiaBreve análise da Síria e Filândia
Breve análise da Síria e Filândia
nanasimao
 
Freedom House
Freedom HouseFreedom House
Freedom House
nanasimao
 
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís FelipeA imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
nanasimao
 
Operação Lex
Operação LexOperação Lex
Operação Lex
nanasimao
 
Os telemóveis no mundo contemporâneo
Os telemóveis no mundo contemporâneoOs telemóveis no mundo contemporâneo
Os telemóveis no mundo contemporâneo
nanasimao
 
13 Reasons Why
13 Reasons Why 13 Reasons Why
13 Reasons Why
nanasimao
 
Rede Globo
Rede GloboRede Globo
Rede Globo
nanasimao
 
Ameaças e oportunidades num mundo multipolar
Ameaças e oportunidades num mundo multipolarAmeaças e oportunidades num mundo multipolar
Ameaças e oportunidades num mundo multipolar
nanasimao
 
Energia nuclear
Energia nuclearEnergia nuclear
Energia nuclear
nanasimao
 
A poluição dos mares e solos temas
A poluição dos mares e solos temas A poluição dos mares e solos temas
A poluição dos mares e solos temas
nanasimao
 
Jornal- O Districto de portalegre
Jornal- O Districto de portalegre  Jornal- O Districto de portalegre
Jornal- O Districto de portalegre
nanasimao
 
A propaganda Nazi
A propaganda Nazi A propaganda Nazi
A propaganda Nazi
nanasimao
 
Karl Blossfeldt
Karl BlossfeldtKarl Blossfeldt
Karl Blossfeldt
nanasimao
 
A publicidade: Persuação e Manipulação
A publicidade: Persuação e ManipulaçãoA publicidade: Persuação e Manipulação
A publicidade: Persuação e Manipulação
nanasimao
 
A imprensa na 2ª metade do século XIX
A imprensa na 2ª metade do século XIXA imprensa na 2ª metade do século XIX
A imprensa na 2ª metade do século XIX
nanasimao
 

Mais de nanasimao (20)

Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JCHábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
Hábitos de Leitura de Notícias dos Estudantes de JC
 
Sermão de Santo António aos peixes
Sermão de Santo António aos peixes Sermão de Santo António aos peixes
Sermão de Santo António aos peixes
 
Cultura em Portugal
Cultura em PortugalCultura em Portugal
Cultura em Portugal
 
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da NaturezaA Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
A Revolução cientifica e o conhecimento do Homem e da Natureza
 
Gótico Europeu
Gótico EuropeuGótico Europeu
Gótico Europeu
 
Breve análise da Síria e Filândia
Breve análise da Síria e FilândiaBreve análise da Síria e Filândia
Breve análise da Síria e Filândia
 
Freedom House
Freedom HouseFreedom House
Freedom House
 
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís FelipeA imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
 
Operação Lex
Operação LexOperação Lex
Operação Lex
 
Os telemóveis no mundo contemporâneo
Os telemóveis no mundo contemporâneoOs telemóveis no mundo contemporâneo
Os telemóveis no mundo contemporâneo
 
13 Reasons Why
13 Reasons Why 13 Reasons Why
13 Reasons Why
 
Rede Globo
Rede GloboRede Globo
Rede Globo
 
Ameaças e oportunidades num mundo multipolar
Ameaças e oportunidades num mundo multipolarAmeaças e oportunidades num mundo multipolar
Ameaças e oportunidades num mundo multipolar
 
Energia nuclear
Energia nuclearEnergia nuclear
Energia nuclear
 
A poluição dos mares e solos temas
A poluição dos mares e solos temas A poluição dos mares e solos temas
A poluição dos mares e solos temas
 
Jornal- O Districto de portalegre
Jornal- O Districto de portalegre  Jornal- O Districto de portalegre
Jornal- O Districto de portalegre
 
A propaganda Nazi
A propaganda Nazi A propaganda Nazi
A propaganda Nazi
 
Karl Blossfeldt
Karl BlossfeldtKarl Blossfeldt
Karl Blossfeldt
 
A publicidade: Persuação e Manipulação
A publicidade: Persuação e ManipulaçãoA publicidade: Persuação e Manipulação
A publicidade: Persuação e Manipulação
 
A imprensa na 2ª metade do século XIX
A imprensa na 2ª metade do século XIXA imprensa na 2ª metade do século XIX
A imprensa na 2ª metade do século XIX
 

Auto de inês pereira

  • 2.  Gil Vicente desenvolve o provérbio “Mais quero asno que me leve que cavalo que me derrube”  Teste à originalidade do dramaturgo, que desenvolve uma história com princípio meio e fim, em que demonstra que é preferível um asno que leve Inês às costas (i.e., que lhe faça todas as vontades), a um cavalo que a derrube (i.e., que a prive de liberdade e a ameace). marido bronco e ingénuo Pêro Marques marido “avisado” e “discreto” Escudeiro Brás da Mata
  • 3. Esta peça é uma das mais bem estruturadas de Gil Vicente  Exposição: O monólogo inicial de Inês e o diálogo com a mãe em que se apresentam as características da jovem e os seus objetivos.  Conflito: Desde a chegada de Lianor Vaz até ao casamento com Pêro Marques.  Desenlace: A partir do casamento com Pêro Marques até ao final, que concretiza o tema da peça e o provérbio que a determinou.
  • 4.  Ponto de partida Aspiração de Inês a libertar-se pelo casamento.  Desenvolvimento Proposta e recusa de casamento com Pêro Marques; Casamento falhado com o escudeiro; Casamento com Pêro Marques.  Ponto de chegada Concretização da aspiração de Inês.
  • 5.  Inês Pereira – figura central da peça; pode classificar-se como personagem modelada, já que sofre uma evolução psicológica, decorrente da experiência e, reconsiderando a sua posição inicial, aceita um segundo casamento completamente fora das suas expetativas (“sobre quantos mestres são /experiência dá lição”), mas também como personagem plana, pois, o final da peça mostra- nos, novamente, o caráter leviano de Inês, característica principal, enquanto personagem tipo.
  • 6.  Mãe – personagem secundária, que, em estreita ligação com Inês, representa o contraponto da sua fantasia e irresponsabilidade. Moderada, prudente e pragmática, a Mãe manifesta a sua descrença em relação ao casamento com o Escudeiro, antecipando alguns dos problemas que virão a acontecer. Contudo, quando a filha opta por casar com Brás da Mata, a Mãe desaparece, discretamente, sem discussões, censuras ou vinganças, e ainda lhe oferece a casa onde viviam. A filha aprenderá à sua custa.
  • 7.  Pêro Marques – outra figura intimamente ligada a Inês; representa na peça o papel de “asno” que leva a mulher às costas, de visita a um antigo pretendente (o ermitão). É um lavrador ingénuo e bronco, trabalhador e honesto, que tem alguns bens. Oriundo do meio rural e desconhecedor de algumas regras de convivência, cai no ridículo, não só pela maneira como veste, mas também pela maneira de falar e agir. É a personagem cómica da peça, que contrasta com Inês (por quem é ridicularizado) e com o escudeiro.
  • 8.  Lianor Vaz – é quem apresenta Pêro Marques a Inês, através de uma carta. Mostra grande capacidade de persuasão, experiência e oportunidade no desempenho do seu papel de comadre casamenteira, quando, após a morte do Escudeiro, regressa para relembrar Inês do seu anterior pretendente.
  • 9.  Escudeiro (Brás da Mata) – é uma figura muito importante que contrasta flagrantemente com Pêro Marques (compare- se a carta e o comportamento de Pêro Marques com o discurso do Escudeiro, quando se apresentam a Inês). Mostra-se elegante, culto e astuto. É uma personagem com grande influência no desenrolar da história, já que é o seu comportamento tirânico que vai fazer com que Inês venha a aceitar Pêro para se vingar das frustrações do primeiro casamento que ela idealizou e falhou. O Escudeiro, pobre e covarde, ostenta perante Inês qualidades que não tem. Antes de casar apresenta-se como um grande senhor, rico, culto e bem falante.
  • 10.  Escudeiro (continuação) Pobre e covarde, ostenta perante Inês qualidades que não tem. Antes de casar apresenta-se como um grande senhor, rico, culto e bem falante. Depois de casar, revela-se um tirano mesquinho que deixa a esposa à guarda do criado e parte para África com o objetivo de ser armado cavaleiro, onde acaba por ser morto por um mouro pastor, quando desertava de uma batalha.
  • 11.  Moço – personagem que contribui para a denúncia do verdadeiro caráter do Escudeiro e da sua condição financeira.  Judeus casamenteiros – são quem apresenta o Escudeiro a Inês. Preocupados em receber o seu dinheiro, empenham- se em elogiar os méritos do Escudeiro perante Inês e as qualidades desta , perante aquele. São desonestos, falsos e materialistas.
  • 12.  Esta peça é uma visão crítica de tipos e fenómenos da época. A crítica à sociedade do tempo de Gil Vicente é conseguida com recurso à ironia, à criação de personagens-tipo e ao cómico.  A ironia está presente em variadas situações: • No diálogo inicial entre Inês e a Mãe; • No diálogo entre a Mãe e Lianor Vaz, quando esta conta o que lhe acontecera na vinha; • Na reação de Inês à carte de Pêro Marques; • No diálogo entre Pêro e Inês (falas de Inês) • Nas respostas e apartes do Moço, quando fala com o Escudeiro; • Nas falas de Inês, quando o Escudeiro parte para África; • No diálogo de Inês com Lianor , após a sua viuvez.
  • 13. Personagens-tipo  Inês: moça do povo, casadoira, que pretende ascender socialmente; preguiçosa; ambiciosa; fantasiosa e leviana.  Mãe: pragmática e materialista, quer ver a filha bem “arrumada” com um marido com estabilidade económica, desprezando ideais de amor, sonhos ou caprichos.  Lianor Vaz: alcoviteira  Pêro Marques: homem do campo com pouca educação; o asno, o inadaptado à sociedade; objeto de vingança de Inês.
  • 14. Personagens-tipo  Escudeiro: a baixa nobreza em degradação, faminta e pelintra;  Judeus: mundo da aldrabice e do interesse monetário;  Ermitão: clero leviano que esquece os seus deveres e a sua moral;  Moço: classe servente (povo)
  • 15.  Cómico de Caráter • Ex.: concretiza-se nas figuras de Pêro Marques (provinciano e bronco nitidamente deslocado junto de Inês e da Mãe) e do Escudeiro pobre e cobarde mas dissimulando na elegância do seu discurso, na variedade das suas prendas (canta e toca) e na fanfarronice solene todas as suas fraquezas e misérias.
  • 16.  Cómico de Situação • Ex.: quando Pêro Marques se senta na cadeira ao contrário e de costas para Inês e para a Mãe; • na fala dos Judeus casamenteiros, que, na sua sofreguidão e calculismo para conseguirem casar Inês com o Escudeiro, se interrompem, repetem e atropelam constantemente ; • no episódio final quando Pêro Marques, descalço, transporta Inês às costas, mais duas lousas que lhe agradam e para cúmulo, aceita cantar uma cantiga que o apelida de "marido cuco".
  • 17.  Cómico de Linguagem • Ex.: quando Pêro Marques entra com a sua linguagem recheada de termos e expressões provincianas; • quando os Judeus produzem o seu discurso repetitivo e arrastado ; • quando Inês se refere a Pêro Marques dizendo "Ei-lo se vem penteando/será com algum ancinho?"; • na ironia do Moço desmascarando a pelintrice do Escudeiro. • Nos trocadilhos (quando Pêro Marques diz que seu é o “mor gado” e a Mãe pensa que ele é morgado; quando Inês pergunta a Pêro se pode sair e ele pensa que ela se refere a “evacuar”)