SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
GIL VICENTE
GIL VICENTE
♦ Não se sabe exatamente
quando e onde Gil Vicente
nasceu. Os poucos indícios
históricos registram seu
nascimento entre 1465 e 1470,
possivelmente em Guimarães,
cidade portuguesa rica em
artistas e artesãos. Foi ai que,
provavelmente, ele aprendeu o
ofício de ourives.
GIL VICENTE
♦ Gil Vicente viveu a maior parte
de sua vida em Lisboa, centro
comercial e cultural de
Portugal. De origem popular,
não se sabe onde adquiriu a
vasta e diferenciada cultura que
marcou sua obra – todas, ou
quase todas, afirmações sobre
a vida do dramaturgo são
suposições.
O teatro de Gil Vicente
♦ Em Portugal, o grande nome do
teatro no Humanismo (Século
XVI) é Gil Vicente. Em 71 anos
de vida, estima-se que tenha
escrito cerca de 44 peças.
Escrita em 1502, sua primeira
peça foi o Auto da visitação, em
homenagem à rainha D. Maria
pelo nascimento de seu filho, o
futuro rei D. João III.
O teatro de Gil Vicente
♦ A obra de Gil Vicente não
seguiu um padrão determinado.
Não há sinal de que conhecesse
o drama grego e não há registro
histórico de um teatro leigo
português pré-vicentino. Gil
Vicente é, portanto,
considerado o criador do teatro
em Portugal.
Teatro, crítica e humor
♦ Rico e variado, o teatro de Gil
Vicente compõe um painel da
época e do mundo em que
viveu, fazendo uma dramaturgia
crítica, ao mesmo tempo
satírica e moralizante. Ou seja,
as peças de Gil Vicente têm
caráter moralizante e procuram
tematizar os comportamentos
condenáveis e enaltecer as
virtudes.
Teatro, crítica e humor
♦ A religião católica é tomada
como referência para a
identificação das virtudes e dos
erros humanos. Mas, embora
critique o comportamento
mundano de membros da Igreja,
a formação medieval faz com
que as críticas de Gil Vicente
sejam sempre voltadas para os
indivíduos, jamais para as
instituições religiosas.
Teatro, crítica e humor
♦ Crítico mordaz, Gil Vicente não
se curvou ao seu tempo.
Bombardeou praticamente
todos os setores da sociedade,
poupando apenas as abstratas
noções de instituição. Criticou a
hipocrisia do clero, em nome da
fé cristã. Desbancou a tirania
da nobreza, em nome da justiça
social. Condenou a corrupção
dos burocrata, em defesa do
bem público.
Teatro, crítica e humor
♦ Gil Vicente foi um dramaturgo
privilegiado. Desenvolveu sua
arte com liberdade, sem se
preocupar com a sobrevivência
diária. Viveu com certa
tranqüilidade, protegido e
incentivado sob o regime de
mecenato pelas Cortes dos reis
de Portugal.
Teatro, crítica e humor
♦ Sem fazer distinção entre os
segmentos da sociedade, o
teatro vicentino coloca no
centro da cena erros de ricos e
pobres, nobres e plebeus. O
autor denuncia os exploradores
do povo, como o fidalgo, o
sapateiro e o agiota do Auto da
barca do inferno; ridiculariza os
velhos que se interessam por
mulheres mais jovens, na farsa
O velho da horta.
Teatro, crítica e humor
♦ Enfim, o teatro vicentino traça
um quadro animado da
sociedade portuguesa do século
XVI, procurando sempre, além
de divertir, estimular um
comportamento virtuoso.
Teatro, crítica e humor
♦ O objetivo do teatro crítico e
moralizante de Gil Vicente era
demonstrar como o ser humano
– independente de classe social,
raça, sexo ou religião – é
egoísta, falso, mentiroso,
orgulhoso e frágil diante dos
apelos da carne e do dinheiro.
Teatro, crítica e humor
♦ Um recurso muito explorado por
Gil Vicente é o uso de alegorias,
ou seja, de representações , por
meio de personagens ou
objetos, de idéias abstratas,
geralmente relacionadas aos
vícios e virtudes humanas.
As alegorias no teatro
vicentino
♦ As alegorias facilitam o
reconhecimento, por parte da
platéia, do vício ou da virtude a
que o texto quer fazer
referência. Assim, no Auto da
barca do inferno, o agiota traz
consigo uma bolsa cheia de
moedas que representa,
alegoricamente, a sua
ganância.
Um teatro poético
♦ A linguagem da obra vicentina
apresenta uma fusão do teatro
com a poesia. Seus
personagens expressam-se em
versos. O padrão é a redondilha
maior, verso (7 sílabas) típico
de sua época. Sua rede textual
é formada, ainda, por
metáforas, trocadilhos, ironias,
rimas e metrificação
tradicionais.
Temas sacros e profanos
♦ O teatro de Gil Vicente reflete
tanto os costumes da época,
como na Farsa de Inês Pereira;
quanto o religioso alegórico,
como no Auto da Barca do
Inferno. Essa divisão
caracteriza a idéia de um
mundo em transição, própria do
período Humanista, pois é
centrada ora no homem, ora na
religião (Idade Média X
Renascimento).
A obra de Gil Vicente
♦ AUTOS PASTORIS (ÉCLOGAS):
Gênero a que pertence algumas
das primeiras obras do autor.
Algumas dessas peças têm
caráter religioso, como o Auto
pastoril português; outras,
profano, como o Auto pastoril
da serra da Estrela.
A obra de Gil Vicente
♦ AUTOS DE MORALIDADE:
♦ Gênero em que Gil Vicente se
celebrizou. Suas peças mais
conhecidas são autos de
moralidade, como é o caso da
Trilogia das barcas (Auto da
barca do inferno, Auto da barca
do purgatório e Auto da barca
da glória) e do Auto da alma.
A obra de Gil Vicente
♦ FARSAS:
♦ Peças de caráter crítico,
utilizam como personagens
tipos populares e desenvolvem-
se em torno de problemas da
sociedade. As mais populares
são a Farsa de Inês Pereira e a
Farsa do velho da horta.
OS COSTUMES
♦ Preocupado com a correção dos
costumes, Gil Vicente adotava
como lema uma famosa frase de
Plauto, dramaturgo latino:
“rindo, corrigem-se os
costumes”.
OS COSTUMES
♦ Gil Vicente escolhia como
argumento para uma peça uma
situação facilmente
reconhecida pela platéia, como
a do velho que se apaixona por
uma mulher muito jovem (O
velho da horta), para
ridicularizar o comportamento
condenado pelos valores da
época.
TEATRO EDUCATIVO
♦ O riso desencadeado pelas
cenas revelava que o público
identificava e censurava uma
conduta socialmente
inadequada. Assim, ao mesmo
tempo que as peças vicentinas
divertiam a nobreza, também
contribuíam para educá-la.
O Auto da barca do inferno
O Auto da barca do inferno
♦ No Auto da barca do inferno,
percebemos uma galeria de
tipos humanos satirizados por
Gil Vicente. Esses tipos são
passageiros de duas barcas:
uma delas é comandada pelo
Diabo, e a outra, por um Anjo.
Os passageiros, que estão
mortos, são submetidos a um
interrogatório, após o qual
embarcarão rumo ao Inferno ou
ao Paraíso (simulando o Juízo
Final).
O Auto da barca do inferno
♦ A maioria deles, condenada por
seu comportamento, vai para a
barca do Diabo, superlotando-a.
São eles: um fidalgo, um
sapateiro, uma alcoviteira, um
padre e sua amante, um judeu,
um enforcado, um agiota, um
corregedor e um procurador.
O Auto da barca do Inferno
♦ Apenas cinco passageiros – um
parvo (indivíduo tolo, simplório)
e quatro cavaleiros
(representando um único tipo) –
embarcam em companhia do
Anjo. O parvo foi aceito pelo
Anjo porque, se pecou em vida,
o fez sem consciência, sem
maldade. Já os quatro
cavaleiros irão para o Paraíso
porque morreram “pelejando por
Cristo”.
A farsa de Inês Pereira
A farsa de Inês Pereira
♦ O tema da Farsa de Inês Pereira
é dado pelo seguinte provérbio:
“Mais quero asno que me leve,
que cavalo que me derrube”. A
heroína, Inês Pereira, embora
pertença à classe popular,
sonha com um marido
“discreto”. Repele Pêro
Marques, filho dum camponês
rico, e casa com um escudeiro
pobre, mas pretensioso, que a
maltrata.
A farsa de Inês Pereira
♦ O marido, porém, morre na
África, e Inês, ensinada desta
vez pela dura experiência,
desposa Pêro Marques e
depressa aceita a corte dum
falso ermitão (monge). Para
cúmulo do embuste, é o novo
marido que a leva ao eremitério
e atravessa um rio com ela às
costas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoRaffaella Ergün
 
Esquema síntese crónica de costumes os maias
Esquema síntese crónica de costumes   os maiasEsquema síntese crónica de costumes   os maias
Esquema síntese crónica de costumes os maiasPatricia Pereira
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Maria Góis
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaFernanda Monteiro
 
Teste frei luís de sousa 11º ano profissional gond
Teste frei luís de sousa 11º ano profissional gondTeste frei luís de sousa 11º ano profissional gond
Teste frei luís de sousa 11º ano profissional gondfatimamendonca64
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaLuisMagina
 
Teste poesia trovadoresca 10 ano
Teste poesia trovadoresca 10 anoTeste poesia trovadoresca 10 ano
Teste poesia trovadoresca 10 anoRonaldo Figo
 
Temáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verdeTemáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verdeMariaVerde1995
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"gracacruz
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesPaula Oliveira Cruz
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...FilipaFonseca
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaDina Baptista
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraDavid Caçador
 
Capítulo XVI - MC
Capítulo XVI - MCCapítulo XVI - MC
Capítulo XVI - MC12anogolega
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
 

Mais procurados (20)

Teste Luis de Camões
Teste Luis de CamõesTeste Luis de Camões
Teste Luis de Camões
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 
Esquema síntese crónica de costumes os maias
Esquema síntese crónica de costumes   os maiasEsquema síntese crónica de costumes   os maias
Esquema síntese crónica de costumes os maias
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação crítica
 
Teste frei luís de sousa 11º ano profissional gond
Teste frei luís de sousa 11º ano profissional gondTeste frei luís de sousa 11º ano profissional gond
Teste frei luís de sousa 11º ano profissional gond
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
 
Teste poesia trovadoresca 10 ano
Teste poesia trovadoresca 10 anoTeste poesia trovadoresca 10 ano
Teste poesia trovadoresca 10 ano
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
Temáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verdeTemáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verde
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Capítulo XVI - MC
Capítulo XVI - MCCapítulo XVI - MC
Capítulo XVI - MC
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Farsa de Inês Pereira
Farsa de Inês PereiraFarsa de Inês Pereira
Farsa de Inês Pereira
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 

Destaque

Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereirananasimao
 
Vida e Obra de Gil Vicente
Vida e Obra de Gil VicenteVida e Obra de Gil Vicente
Vida e Obra de Gil VicenteTiago Barata
 
A vida e a obra de Gil Vicente
A vida e a obra de Gil VicenteA vida e a obra de Gil Vicente
A vida e a obra de Gil VicenteNeuza Carvalho
 
Trabalho sobre gil vicente
Trabalho sobre gil vicenteTrabalho sobre gil vicente
Trabalho sobre gil vicentepaulafidalgo
 
Origem do teatro / Vida e Obra de Gil Vicente
Origem do teatro / Vida e Obra de Gil VicenteOrigem do teatro / Vida e Obra de Gil Vicente
Origem do teatro / Vida e Obra de Gil VicenteJoão Duarte
 
Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente
Auto da Barca do Inferno, de Gil VicenteAuto da Barca do Inferno, de Gil Vicente
Auto da Barca do Inferno, de Gil VicenteLurdes Augusto
 

Destaque (13)

Farsa de Inês Pereira
Farsa de Inês PereiraFarsa de Inês Pereira
Farsa de Inês Pereira
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereira
 
Gil vicente
Gil vicenteGil vicente
Gil vicente
 
Vida e Obra de Gil Vicente
Vida e Obra de Gil VicenteVida e Obra de Gil Vicente
Vida e Obra de Gil Vicente
 
Gil Vicente - a vida e obra
Gil Vicente - a vida e obraGil Vicente - a vida e obra
Gil Vicente - a vida e obra
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 
Gil vicente -_slides_ii
Gil vicente -_slides_iiGil vicente -_slides_ii
Gil vicente -_slides_ii
 
Farsadeinespereira peça
Farsadeinespereira peçaFarsadeinespereira peça
Farsadeinespereira peça
 
A vida e a obra de Gil Vicente
A vida e a obra de Gil VicenteA vida e a obra de Gil Vicente
A vida e a obra de Gil Vicente
 
Trabalho sobre gil vicente
Trabalho sobre gil vicenteTrabalho sobre gil vicente
Trabalho sobre gil vicente
 
Origem do teatro / Vida e Obra de Gil Vicente
Origem do teatro / Vida e Obra de Gil VicenteOrigem do teatro / Vida e Obra de Gil Vicente
Origem do teatro / Vida e Obra de Gil Vicente
 
Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente
Auto da Barca do Inferno, de Gil VicenteAuto da Barca do Inferno, de Gil Vicente
Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente
 
As cantigas de amigo
As cantigas de amigoAs cantigas de amigo
As cantigas de amigo
 

Semelhante a Gil vicente e a farsa de ines pereira

Semelhante a Gil vicente e a farsa de ines pereira (20)

Biografia de Gil Vicente
Biografia de Gil VicenteBiografia de Gil Vicente
Biografia de Gil Vicente
 
Gil vicente
Gil vicenteGil vicente
Gil vicente
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
 
re_hca10_mod5_casopratico.pptx
re_hca10_mod5_casopratico.pptxre_hca10_mod5_casopratico.pptx
re_hca10_mod5_casopratico.pptx
 
Gil vicente ok
Gil vicente okGil vicente ok
Gil vicente ok
 
Humanismo português
Humanismo portuguêsHumanismo português
Humanismo português
 
Aprender sobre a vida e obra de Gil Vicente
Aprender sobre a vida e obra de Gil VicenteAprender sobre a vida e obra de Gil Vicente
Aprender sobre a vida e obra de Gil Vicente
 
Gil vicente
Gil vicenteGil vicente
Gil vicente
 
Humanismo
Humanismo Humanismo
Humanismo
 
Gil vicente -_slides_ii
Gil vicente -_slides_iiGil vicente -_slides_ii
Gil vicente -_slides_ii
 
Humanismo aula 1
Humanismo aula 1Humanismo aula 1
Humanismo aula 1
 
Taylane - gil vicente
Taylane - gil vicenteTaylane - gil vicente
Taylane - gil vicente
 
Romantismo 2.0
Romantismo 2.0Romantismo 2.0
Romantismo 2.0
 
Texto sobre a vida e obre de gil vicente
Texto sobre a vida e obre de gil vicenteTexto sobre a vida e obre de gil vicente
Texto sobre a vida e obre de gil vicente
 
Aps
ApsAps
Aps
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
farsa_ines_pereira.pptx
farsa_ines_pereira.pptxfarsa_ines_pereira.pptx
farsa_ines_pereira.pptx
 
Farsa Inês Pereira
Farsa Inês PereiraFarsa Inês Pereira
Farsa Inês Pereira
 
451429231-farsa-inessss-pereira-ppt.pptx
451429231-farsa-inessss-pereira-ppt.pptx451429231-farsa-inessss-pereira-ppt.pptx
451429231-farsa-inessss-pereira-ppt.pptx
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 

Último

o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 

Último (20)

o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 

Gil vicente e a farsa de ines pereira

  • 2. GIL VICENTE ♦ Não se sabe exatamente quando e onde Gil Vicente nasceu. Os poucos indícios históricos registram seu nascimento entre 1465 e 1470, possivelmente em Guimarães, cidade portuguesa rica em artistas e artesãos. Foi ai que, provavelmente, ele aprendeu o ofício de ourives.
  • 3. GIL VICENTE ♦ Gil Vicente viveu a maior parte de sua vida em Lisboa, centro comercial e cultural de Portugal. De origem popular, não se sabe onde adquiriu a vasta e diferenciada cultura que marcou sua obra – todas, ou quase todas, afirmações sobre a vida do dramaturgo são suposições.
  • 4. O teatro de Gil Vicente ♦ Em Portugal, o grande nome do teatro no Humanismo (Século XVI) é Gil Vicente. Em 71 anos de vida, estima-se que tenha escrito cerca de 44 peças. Escrita em 1502, sua primeira peça foi o Auto da visitação, em homenagem à rainha D. Maria pelo nascimento de seu filho, o futuro rei D. João III.
  • 5. O teatro de Gil Vicente ♦ A obra de Gil Vicente não seguiu um padrão determinado. Não há sinal de que conhecesse o drama grego e não há registro histórico de um teatro leigo português pré-vicentino. Gil Vicente é, portanto, considerado o criador do teatro em Portugal.
  • 6. Teatro, crítica e humor ♦ Rico e variado, o teatro de Gil Vicente compõe um painel da época e do mundo em que viveu, fazendo uma dramaturgia crítica, ao mesmo tempo satírica e moralizante. Ou seja, as peças de Gil Vicente têm caráter moralizante e procuram tematizar os comportamentos condenáveis e enaltecer as virtudes.
  • 7. Teatro, crítica e humor ♦ A religião católica é tomada como referência para a identificação das virtudes e dos erros humanos. Mas, embora critique o comportamento mundano de membros da Igreja, a formação medieval faz com que as críticas de Gil Vicente sejam sempre voltadas para os indivíduos, jamais para as instituições religiosas.
  • 8. Teatro, crítica e humor ♦ Crítico mordaz, Gil Vicente não se curvou ao seu tempo. Bombardeou praticamente todos os setores da sociedade, poupando apenas as abstratas noções de instituição. Criticou a hipocrisia do clero, em nome da fé cristã. Desbancou a tirania da nobreza, em nome da justiça social. Condenou a corrupção dos burocrata, em defesa do bem público.
  • 9. Teatro, crítica e humor ♦ Gil Vicente foi um dramaturgo privilegiado. Desenvolveu sua arte com liberdade, sem se preocupar com a sobrevivência diária. Viveu com certa tranqüilidade, protegido e incentivado sob o regime de mecenato pelas Cortes dos reis de Portugal.
  • 10. Teatro, crítica e humor ♦ Sem fazer distinção entre os segmentos da sociedade, o teatro vicentino coloca no centro da cena erros de ricos e pobres, nobres e plebeus. O autor denuncia os exploradores do povo, como o fidalgo, o sapateiro e o agiota do Auto da barca do inferno; ridiculariza os velhos que se interessam por mulheres mais jovens, na farsa O velho da horta.
  • 11. Teatro, crítica e humor ♦ Enfim, o teatro vicentino traça um quadro animado da sociedade portuguesa do século XVI, procurando sempre, além de divertir, estimular um comportamento virtuoso.
  • 12. Teatro, crítica e humor ♦ O objetivo do teatro crítico e moralizante de Gil Vicente era demonstrar como o ser humano – independente de classe social, raça, sexo ou religião – é egoísta, falso, mentiroso, orgulhoso e frágil diante dos apelos da carne e do dinheiro.
  • 13. Teatro, crítica e humor ♦ Um recurso muito explorado por Gil Vicente é o uso de alegorias, ou seja, de representações , por meio de personagens ou objetos, de idéias abstratas, geralmente relacionadas aos vícios e virtudes humanas.
  • 14. As alegorias no teatro vicentino ♦ As alegorias facilitam o reconhecimento, por parte da platéia, do vício ou da virtude a que o texto quer fazer referência. Assim, no Auto da barca do inferno, o agiota traz consigo uma bolsa cheia de moedas que representa, alegoricamente, a sua ganância.
  • 15. Um teatro poético ♦ A linguagem da obra vicentina apresenta uma fusão do teatro com a poesia. Seus personagens expressam-se em versos. O padrão é a redondilha maior, verso (7 sílabas) típico de sua época. Sua rede textual é formada, ainda, por metáforas, trocadilhos, ironias, rimas e metrificação tradicionais.
  • 16. Temas sacros e profanos ♦ O teatro de Gil Vicente reflete tanto os costumes da época, como na Farsa de Inês Pereira; quanto o religioso alegórico, como no Auto da Barca do Inferno. Essa divisão caracteriza a idéia de um mundo em transição, própria do período Humanista, pois é centrada ora no homem, ora na religião (Idade Média X Renascimento).
  • 17. A obra de Gil Vicente ♦ AUTOS PASTORIS (ÉCLOGAS): Gênero a que pertence algumas das primeiras obras do autor. Algumas dessas peças têm caráter religioso, como o Auto pastoril português; outras, profano, como o Auto pastoril da serra da Estrela.
  • 18. A obra de Gil Vicente ♦ AUTOS DE MORALIDADE: ♦ Gênero em que Gil Vicente se celebrizou. Suas peças mais conhecidas são autos de moralidade, como é o caso da Trilogia das barcas (Auto da barca do inferno, Auto da barca do purgatório e Auto da barca da glória) e do Auto da alma.
  • 19. A obra de Gil Vicente ♦ FARSAS: ♦ Peças de caráter crítico, utilizam como personagens tipos populares e desenvolvem- se em torno de problemas da sociedade. As mais populares são a Farsa de Inês Pereira e a Farsa do velho da horta.
  • 20. OS COSTUMES ♦ Preocupado com a correção dos costumes, Gil Vicente adotava como lema uma famosa frase de Plauto, dramaturgo latino: “rindo, corrigem-se os costumes”.
  • 21. OS COSTUMES ♦ Gil Vicente escolhia como argumento para uma peça uma situação facilmente reconhecida pela platéia, como a do velho que se apaixona por uma mulher muito jovem (O velho da horta), para ridicularizar o comportamento condenado pelos valores da época.
  • 22. TEATRO EDUCATIVO ♦ O riso desencadeado pelas cenas revelava que o público identificava e censurava uma conduta socialmente inadequada. Assim, ao mesmo tempo que as peças vicentinas divertiam a nobreza, também contribuíam para educá-la.
  • 23. O Auto da barca do inferno
  • 24. O Auto da barca do inferno ♦ No Auto da barca do inferno, percebemos uma galeria de tipos humanos satirizados por Gil Vicente. Esses tipos são passageiros de duas barcas: uma delas é comandada pelo Diabo, e a outra, por um Anjo. Os passageiros, que estão mortos, são submetidos a um interrogatório, após o qual embarcarão rumo ao Inferno ou ao Paraíso (simulando o Juízo Final).
  • 25. O Auto da barca do inferno ♦ A maioria deles, condenada por seu comportamento, vai para a barca do Diabo, superlotando-a. São eles: um fidalgo, um sapateiro, uma alcoviteira, um padre e sua amante, um judeu, um enforcado, um agiota, um corregedor e um procurador.
  • 26. O Auto da barca do Inferno ♦ Apenas cinco passageiros – um parvo (indivíduo tolo, simplório) e quatro cavaleiros (representando um único tipo) – embarcam em companhia do Anjo. O parvo foi aceito pelo Anjo porque, se pecou em vida, o fez sem consciência, sem maldade. Já os quatro cavaleiros irão para o Paraíso porque morreram “pelejando por Cristo”.
  • 27. A farsa de Inês Pereira
  • 28. A farsa de Inês Pereira ♦ O tema da Farsa de Inês Pereira é dado pelo seguinte provérbio: “Mais quero asno que me leve, que cavalo que me derrube”. A heroína, Inês Pereira, embora pertença à classe popular, sonha com um marido “discreto”. Repele Pêro Marques, filho dum camponês rico, e casa com um escudeiro pobre, mas pretensioso, que a maltrata.
  • 29. A farsa de Inês Pereira ♦ O marido, porém, morre na África, e Inês, ensinada desta vez pela dura experiência, desposa Pêro Marques e depressa aceita a corte dum falso ermitão (monge). Para cúmulo do embuste, é o novo marido que a leva ao eremitério e atravessa um rio com ela às costas.