SlideShare uma empresa Scribd logo
Auto Da Barca Do Inferno
O Frade – Cena VI
Características do Auto da Barca do Inferno
Peça teatral, escrita por Gil Vicente, num único ato, subdividido
em cenas marcadas pelos diálogos que o Anjo ou o Diabo travam com as
várias personagens.
O cenário desta peça consiste num cais, onde estão atracadas
duas barcas. Todos os mortos, têm passar por estas barcas, sendo julgados
e condenados à barca da Glória ou à barca do Inferno.
Cada personagem apresenta, através da fala, traços que
denunciam a sua condição social. A maior parte das personagens entram
na morte com os seus instrumentos terrenos, são subornáveis,
inconscientes e por causa dos seus pecados não atingem a salvação.
Percurso Cénico
Barca do
Inferno

Barca do
Paraíso

Entra na Barca
do Inferno
Personagens
Principais:

Figurante:

Frade

Mulher do Frade (Florença*)

Diabo
Joane ( Parvo)
* A intenção de Gil Vicente dar o nome de Florença à companheira do Frade é que
Florença representa uma cidade italiana considerada o berço do Renascimento mas
também critica o estrato social Clero (a qual pertence Frade) pois acreditava que este
era incapaz de pregar as três coisas mais importantes: a paz, a verdade e a fé .
Caracterização do Frade
Diabo
Acusações feitas
ao Frade:

Era mundano (dado aos prazeres do
mundo)
Desrespeitou os votos de castidade e
pobreza aos quais se submeteu quando
se tornou membro do clero
O facto de ser frade, logo teria um
acordo com Deus para ir para o Paraíso

Frade
Autodefesa:
Já tinha rezado muito salmos

Falas
Anjo
Não fala com o
Frade, uma vez
que:

Este não cumpriu os preceitos religiosos,
nem os votos aos quais se submeteu
Dedicava-se a uma vida mundana

Este pecou sob a capa da religião católica

Joane
Critica o Frade
por:

Viver amantizado com sua mulher
Ter um procedimento contrário aos seu
votos
Pensa que vai
para o Céu.
Porquê?

Surge com a espada, o casco, o
broquel e Florença pela mão.

ENTRADA NO INFERNO

1. Ser frade, logo teria um
acordo com Deus para ir para
o Paraíso

O anjo, com vergonha do seu réu, não
dirige a palavra ao Frade.

2. Já tinha rezado muitos salmos
enquanto vivia a sua vida terrena

O Diabo rapidamente o desengana,
acusando-o de má conduta e ócio.
Caracterização do Frade


Sabe dançar e esgrimir (qualidades típicas de um nobre)



É alegre, já que chega ao cais a cantar e a dançar



Levava uma vida boémia



Tal como os outros Frades não cumpriu o voto de castidade nem de pobreza, como se podia comprovar nas
suas palavras



Estava convencido que por ser membro da Igreja tem entrada direta no Paraíso



Autocaracteriza-se “cortesão” (frequentava a corte) o que contradiz com a sua classe
Venda de Indulgencias
(retirado do filme “Em Nome da Rosa”)
Incumprimento dos votos de castidade
(retirado do filme “Em Nome da Rosa”)
Excesso de Riqueza do Clero
(Incumprimento dos votos de pobreza)
Elementos Cénicos
Espada, Casco e Broquel: simbolizam
o Esgrima. Correspondem ao facto do
frade levar uma vida mundanal e não a
vida espiritual de um frade.

Mulher do Frade (Florença): simboliza a
infidelidade do Frade a Deus e à sua profissão.

Hábito: simboliza que ele
era um frade, apesar de
todos os pecados que
cometeu, e que Deus devia
por isso perdoá-lo
Destino
O frade foi condenado ao Inferno, entrando por isso na Barca do Diabo. Ao
contrário do fidalgo, que não pôde levar o pajem consigo para o Inferno, o Frade
levou consigo Florença uma vez que esta tinha pecado em conjunto com ele.
Processos de Cómico
Cómico de linguagem: “devoto padre marido” (v.417,
página 118)
Cómico de carácter: “Como? Por ser namorado, /e folgar
com ua mulher, / se há um frade de perder, / com tanto salmo
rezado?!...” (v.411, página 188) - pensava que a relação que
tinha com a moça seria perdoada pelas suas rezas
Cómico de situação: “ Vem um Frade com ua Moça pela
mão, e um broquel e ua espada na outra, e um casco debaixo
do capelo;…” (1º didascália, página 117) - A entrada do
Frade em cena com Situação a moça pela mão
Recursos Estilísticos
Ironia: “Fezeste bem, que é fermosa”, “Devoto padre”, “Dê…lição d‟esgrima/que é
cousa boa!”
Eufemismo: “Pera aquele fogo ardente…”
Antítese: “padre mundanal” ou “padre marido”

Comparação: “Tão bem guardado como a palha n‟albarda”
Objetivo
Com esta crítica, Gil Vicente pretende não só criticar um indivíduo mas sim
toda uma classe social (personagem tipo), o Clero. O dramaturgo elabora esta crítica
para mostrar que é um hábito comum entre os membros do Clero quebrarem os votos
de castidade e terem mulher. Uma vez que a maior parte dos frades não tinha vocação,
só se juntavam a esta classe social para terem uma vida devassa. Deste modo
consegue satirizar, através do cómico, os defeitos desta classe social. Esta critica tem
o intuito didático, seguindo assim a máxima de Gil Vicente “ RIDENDO CASTIGAT
MORES” (a rir se corrigem os costumes).
Quadro Síntese
………………
…Exercícios….
.
Soluções dos exercícios

1. Este provérbio significa que apesar de alguém se “disfarçar” de algo não quer dizer que o seja, isto
é, não podemos julgar ninguém pelas aparências. Podemos associá-lo ao Frade porque ele vestia-se de
acordo com a sua profissão, vivia num convento, rezava e acreditava em Deus mas profanava contra a
sua religião, uma vez que tinha mulher (Florença), acusava os seus colegas de profissão de fazerem o
mesmo („E eles fazem outro tanto‟, v.385, página 117), e ainda mostrava que vivia uma vida luxuosa e
cortesã pelo facto de saber esgrima e o tordião.
2.

2.1. O facto de o Frade entrar em cena com a espada, o casco e o broquel (equipamentos de
esgrima) e a dançar o tordião, quando naquela altura a arte de esgrimir e dançar pertenciam
unicamente aos elementos da corte.
2.2. O Frade achava que por se ter dedicado à vida católica e ter rezado muitos salmos na sua
vida terrena tinha uma espécie de contrato com Deus e que este lhe daria um lugar no céu.

3. Cómico de carácter: “Como? Por ser namorado, /e folgar com ua mulher, / se há um frade de perder,
/ com tanto salmo rezado?!...” (v.411, página 188) e Cómico de situação: “ Vem um Frade com ua Moça
pela mão, e um broquel e ua espada na outra, e um casco debaixo do capelo;…” (1º didascália, página
117)
Soluções dos exercícios
4.
4.1. O anjo sentiu vergonha dos comportamentos do Frade, já que o mesmo pecou sob a capa da
religião católica.
5. A acusação que o Parvo lhe faz é a de viver amantizado com a sua mulher e, por isso, ter um
procedimento contrário aos seus votos.
6.
6.1.“…em lugar de praticar a austeridade, a pobreza e a renúncia ao mundo, busca a riqueza e os
prazeres, é espadachim, blasfema, tem mulher e prole, ambiciona honras e cargos, procedendo com se a
ordenação sacerdotal o imunizasse contra os castigos que Deus tem reservados para os pecadores.”
Realizado por:
-Alice Ribeiro/ nº2
-Ana Couto/ nº5
-Beatriz Campos/ nº 8
-Elsa Guedes/ nº 11

-Inês Silva/ nº 14
9ºD - 2013/2014

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O corregedor e o procurador - Português 9º ano
O corregedor e o procurador - Português 9º anoO corregedor e o procurador - Português 9º ano
O corregedor e o procurador - Português 9º ano
Gabriel Lima
 
A alcoviteira
A alcoviteiraA alcoviteira
A alcoviteira
ElisabeteMarques
 
O fidalgo
O fidalgoO fidalgo
O fidalgo
annapasilva
 
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticosAuto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
Ana Paula
 
Abi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursosAbi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursos
Teresa Cabrita
 
Alcoviteira
AlcoviteiraAlcoviteira
Alcoviteira
ElisabeteMarques
 
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedorAutodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
Francisco Teixeira
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
claudiagandra
 
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Maria João Lima
 
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesaAuto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
António Fernandes
 
Cena do onzeneiro
Cena do onzeneiroCena do onzeneiro
Cena do onzeneiro
José Ferreira
 
Cena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
Cena do Enforcado - Auto da Barca do InfernoCena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
Cena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
Toninho Mata
 
Auto da Barca do Inferno-Judeu
Auto da Barca do Inferno-JudeuAuto da Barca do Inferno-Judeu
Auto da Barca do Inferno-Judeu
Pedro Lucas
 
Auto da barca do Inferno
Auto da barca do InfernoAuto da barca do Inferno
Auto da barca do Inferno
Margarida Ramos
 
Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"
Inês Moreira
 
Adamastor
AdamastorAdamastor
Adamastor
sin3stesia
 
Cena Fidalgo
Cena FidalgoCena Fidalgo
Cena Fidalgo
Fernanda Soares
 
O Frade- Auto da Barca do Inferno
O Frade- Auto da Barca do InfernoO Frade- Auto da Barca do Inferno
O Frade- Auto da Barca do Inferno
MariaMota77
 
Auto da barca do inferno - judeu
Auto da barca do inferno - judeuAuto da barca do inferno - judeu
Auto da barca do inferno - judeu
BeatrizMarques25
 
Auto da barca do inferno análise global
Auto da barca do inferno  análise globalAuto da barca do inferno  análise global
Auto da barca do inferno análise global
Carla Scala
 

Mais procurados (20)

O corregedor e o procurador - Português 9º ano
O corregedor e o procurador - Português 9º anoO corregedor e o procurador - Português 9º ano
O corregedor e o procurador - Português 9º ano
 
A alcoviteira
A alcoviteiraA alcoviteira
A alcoviteira
 
O fidalgo
O fidalgoO fidalgo
O fidalgo
 
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticosAuto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
 
Abi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursosAbi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursos
 
Alcoviteira
AlcoviteiraAlcoviteira
Alcoviteira
 
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedorAutodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
 
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesaAuto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
 
Cena do onzeneiro
Cena do onzeneiroCena do onzeneiro
Cena do onzeneiro
 
Cena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
Cena do Enforcado - Auto da Barca do InfernoCena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
Cena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
 
Auto da Barca do Inferno-Judeu
Auto da Barca do Inferno-JudeuAuto da Barca do Inferno-Judeu
Auto da Barca do Inferno-Judeu
 
Auto da barca do Inferno
Auto da barca do InfernoAuto da barca do Inferno
Auto da barca do Inferno
 
Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"
 
Adamastor
AdamastorAdamastor
Adamastor
 
Cena Fidalgo
Cena FidalgoCena Fidalgo
Cena Fidalgo
 
O Frade- Auto da Barca do Inferno
O Frade- Auto da Barca do InfernoO Frade- Auto da Barca do Inferno
O Frade- Auto da Barca do Inferno
 
Auto da barca do inferno - judeu
Auto da barca do inferno - judeuAuto da barca do inferno - judeu
Auto da barca do inferno - judeu
 
Auto da barca do inferno análise global
Auto da barca do inferno  análise globalAuto da barca do inferno  análise global
Auto da barca do inferno análise global
 

Destaque

Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_ppt
Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_pptAuto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_ppt
Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_ppt
sin3stesia
 
Cena do frade de "Auto da Barca do Inferno" em banda desenhada
Cena do frade de "Auto da Barca do Inferno" em banda desenhadaCena do frade de "Auto da Barca do Inferno" em banda desenhada
Cena do frade de "Auto da Barca do Inferno" em banda desenhada
School help
 
Auto da barca do inferno: Frade
Auto da barca do inferno: FradeAuto da barca do inferno: Frade
Auto da barca do inferno: Frade
David Caçador
 
Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.
Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.
Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.
Catarina Faria
 
D9 abi 113_c5_sapateiro
D9 abi 113_c5_sapateiroD9 abi 113_c5_sapateiro
D9 abi 113_c5_sapateiro
miguelribeiro
 
Auto da barca do inferno - texto expositivo
Auto da barca do inferno - texto expositivoAuto da barca do inferno - texto expositivo
Auto da barca do inferno - texto expositivo
franciscaf
 
Auto da Barca do Inferno
Auto da Barca do InfernoAuto da Barca do Inferno
Auto da Barca do Inferno
Rosalina Simão Nunes
 
Alcoviteira
AlcoviteiraAlcoviteira
Alcoviteira
Delfina Vernuccio
 
Argumento A Barca
Argumento A BarcaArgumento A Barca
Argumento A Barca
José Ferreira
 
Onzeneiro
OnzeneiroOnzeneiro

Destaque (10)

Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_ppt
Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_pptAuto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_ppt
Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_ppt
 
Cena do frade de "Auto da Barca do Inferno" em banda desenhada
Cena do frade de "Auto da Barca do Inferno" em banda desenhadaCena do frade de "Auto da Barca do Inferno" em banda desenhada
Cena do frade de "Auto da Barca do Inferno" em banda desenhada
 
Auto da barca do inferno: Frade
Auto da barca do inferno: FradeAuto da barca do inferno: Frade
Auto da barca do inferno: Frade
 
Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.
Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.
Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.
 
D9 abi 113_c5_sapateiro
D9 abi 113_c5_sapateiroD9 abi 113_c5_sapateiro
D9 abi 113_c5_sapateiro
 
Auto da barca do inferno - texto expositivo
Auto da barca do inferno - texto expositivoAuto da barca do inferno - texto expositivo
Auto da barca do inferno - texto expositivo
 
Auto da Barca do Inferno
Auto da Barca do InfernoAuto da Barca do Inferno
Auto da Barca do Inferno
 
Alcoviteira
AlcoviteiraAlcoviteira
Alcoviteira
 
Argumento A Barca
Argumento A BarcaArgumento A Barca
Argumento A Barca
 
Onzeneiro
OnzeneiroOnzeneiro
Onzeneiro
 

Semelhante a Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade

Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
AnaRita9
 
Auto da barca do inferno ppt bom
Auto da barca do inferno ppt bomAuto da barca do inferno ppt bom
Auto da barca do inferno ppt bom
paulaoliveiraoliveir2
 
D9 abi 117_c6_frade
D9 abi 117_c6_fradeD9 abi 117_c6_frade
D9 abi 117_c6_frade
miguelribeiro
 
Barca gvicente
Barca gvicenteBarca gvicente
Barca gvicente
Vinicius O Resiliente
 
Auto Da Barca Do Inferno Cena do Frade
Auto Da Barca Do Inferno Cena do FradeAuto Da Barca Do Inferno Cena do Frade
Auto Da Barca Do Inferno Cena do Frade
Delfina Vernuccio
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
Bruna Silva
 
Auto da barca do inferno - Fidalgo
Auto da barca do inferno - FidalgoAuto da barca do inferno - Fidalgo
Auto da barca do inferno - Fidalgo
Bruna Silva
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
Bruna Silva
 
Auto da barca analise completa
Auto da barca   analise completaAuto da barca   analise completa
Auto da barca analise completa
William Ferraz
 
Auto da barca do inferno frade
Auto da barca do inferno fradeAuto da barca do inferno frade
Auto da barca do inferno frade
paulaoliveiraoliveir2
 
Gil Vicente
Gil VicenteGil Vicente
Gil Vicente
Cláudia Heloísa
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
paulaoliveiraoliveir2
 
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
Gil vicente aula
Gil vicente aulaGil vicente aula
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
O frade convertido
O frade convertidoO frade convertido
O frade convertido
farruscos
 
Resumo barcainferno
Resumo barcainfernoResumo barcainferno
Resumo barcainferno
Inês Barão
 
Trabalho de AP do 3º Período
Trabalho de AP do 3º PeríodoTrabalho de AP do 3º Período
Trabalho de AP do 3º Período
anafilipasampaiofreitas
 
Quadros de Sistematização do ABI_final.pptx
Quadros de Sistematização do ABI_final.pptxQuadros de Sistematização do ABI_final.pptx
Quadros de Sistematização do ABI_final.pptx
Lara Silva
 
Auto da-barca-do-inferno
Auto da-barca-do-inferno Auto da-barca-do-inferno
Auto da-barca-do-inferno
Diógenes Zigar
 

Semelhante a Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade (20)

Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Auto da barca do inferno ppt bom
Auto da barca do inferno ppt bomAuto da barca do inferno ppt bom
Auto da barca do inferno ppt bom
 
D9 abi 117_c6_frade
D9 abi 117_c6_fradeD9 abi 117_c6_frade
D9 abi 117_c6_frade
 
Barca gvicente
Barca gvicenteBarca gvicente
Barca gvicente
 
Auto Da Barca Do Inferno Cena do Frade
Auto Da Barca Do Inferno Cena do FradeAuto Da Barca Do Inferno Cena do Frade
Auto Da Barca Do Inferno Cena do Frade
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Auto da barca do inferno - Fidalgo
Auto da barca do inferno - FidalgoAuto da barca do inferno - Fidalgo
Auto da barca do inferno - Fidalgo
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Auto da barca analise completa
Auto da barca   analise completaAuto da barca   analise completa
Auto da barca analise completa
 
Auto da barca do inferno frade
Auto da barca do inferno fradeAuto da barca do inferno frade
Auto da barca do inferno frade
 
Gil Vicente
Gil VicenteGil Vicente
Gil Vicente
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgate
 
Gil vicente aula
Gil vicente aulaGil vicente aula
Gil vicente aula
 
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgate
 
O frade convertido
O frade convertidoO frade convertido
O frade convertido
 
Resumo barcainferno
Resumo barcainfernoResumo barcainferno
Resumo barcainferno
 
Trabalho de AP do 3º Período
Trabalho de AP do 3º PeríodoTrabalho de AP do 3º Período
Trabalho de AP do 3º Período
 
Quadros de Sistematização do ABI_final.pptx
Quadros de Sistematização do ABI_final.pptxQuadros de Sistematização do ABI_final.pptx
Quadros de Sistematização do ABI_final.pptx
 
Auto da-barca-do-inferno
Auto da-barca-do-inferno Auto da-barca-do-inferno
Auto da-barca-do-inferno
 

Último

Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 

Último (20)

Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 

Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade

  • 1. Auto Da Barca Do Inferno O Frade – Cena VI
  • 2. Características do Auto da Barca do Inferno Peça teatral, escrita por Gil Vicente, num único ato, subdividido em cenas marcadas pelos diálogos que o Anjo ou o Diabo travam com as várias personagens. O cenário desta peça consiste num cais, onde estão atracadas duas barcas. Todos os mortos, têm passar por estas barcas, sendo julgados e condenados à barca da Glória ou à barca do Inferno. Cada personagem apresenta, através da fala, traços que denunciam a sua condição social. A maior parte das personagens entram na morte com os seus instrumentos terrenos, são subornáveis, inconscientes e por causa dos seus pecados não atingem a salvação.
  • 3. Percurso Cénico Barca do Inferno Barca do Paraíso Entra na Barca do Inferno
  • 4. Personagens Principais: Figurante: Frade Mulher do Frade (Florença*) Diabo Joane ( Parvo) * A intenção de Gil Vicente dar o nome de Florença à companheira do Frade é que Florença representa uma cidade italiana considerada o berço do Renascimento mas também critica o estrato social Clero (a qual pertence Frade) pois acreditava que este era incapaz de pregar as três coisas mais importantes: a paz, a verdade e a fé .
  • 5. Caracterização do Frade Diabo Acusações feitas ao Frade: Era mundano (dado aos prazeres do mundo) Desrespeitou os votos de castidade e pobreza aos quais se submeteu quando se tornou membro do clero O facto de ser frade, logo teria um acordo com Deus para ir para o Paraíso Frade Autodefesa: Já tinha rezado muito salmos Falas Anjo Não fala com o Frade, uma vez que: Este não cumpriu os preceitos religiosos, nem os votos aos quais se submeteu Dedicava-se a uma vida mundana Este pecou sob a capa da religião católica Joane Critica o Frade por: Viver amantizado com sua mulher Ter um procedimento contrário aos seu votos
  • 6. Pensa que vai para o Céu. Porquê? Surge com a espada, o casco, o broquel e Florença pela mão. ENTRADA NO INFERNO 1. Ser frade, logo teria um acordo com Deus para ir para o Paraíso O anjo, com vergonha do seu réu, não dirige a palavra ao Frade. 2. Já tinha rezado muitos salmos enquanto vivia a sua vida terrena O Diabo rapidamente o desengana, acusando-o de má conduta e ócio.
  • 7. Caracterização do Frade  Sabe dançar e esgrimir (qualidades típicas de um nobre)  É alegre, já que chega ao cais a cantar e a dançar  Levava uma vida boémia  Tal como os outros Frades não cumpriu o voto de castidade nem de pobreza, como se podia comprovar nas suas palavras  Estava convencido que por ser membro da Igreja tem entrada direta no Paraíso  Autocaracteriza-se “cortesão” (frequentava a corte) o que contradiz com a sua classe
  • 8. Venda de Indulgencias (retirado do filme “Em Nome da Rosa”)
  • 9. Incumprimento dos votos de castidade (retirado do filme “Em Nome da Rosa”)
  • 10. Excesso de Riqueza do Clero (Incumprimento dos votos de pobreza)
  • 11. Elementos Cénicos Espada, Casco e Broquel: simbolizam o Esgrima. Correspondem ao facto do frade levar uma vida mundanal e não a vida espiritual de um frade. Mulher do Frade (Florença): simboliza a infidelidade do Frade a Deus e à sua profissão. Hábito: simboliza que ele era um frade, apesar de todos os pecados que cometeu, e que Deus devia por isso perdoá-lo
  • 12. Destino O frade foi condenado ao Inferno, entrando por isso na Barca do Diabo. Ao contrário do fidalgo, que não pôde levar o pajem consigo para o Inferno, o Frade levou consigo Florença uma vez que esta tinha pecado em conjunto com ele.
  • 13. Processos de Cómico Cómico de linguagem: “devoto padre marido” (v.417, página 118) Cómico de carácter: “Como? Por ser namorado, /e folgar com ua mulher, / se há um frade de perder, / com tanto salmo rezado?!...” (v.411, página 188) - pensava que a relação que tinha com a moça seria perdoada pelas suas rezas Cómico de situação: “ Vem um Frade com ua Moça pela mão, e um broquel e ua espada na outra, e um casco debaixo do capelo;…” (1º didascália, página 117) - A entrada do Frade em cena com Situação a moça pela mão
  • 14. Recursos Estilísticos Ironia: “Fezeste bem, que é fermosa”, “Devoto padre”, “Dê…lição d‟esgrima/que é cousa boa!” Eufemismo: “Pera aquele fogo ardente…” Antítese: “padre mundanal” ou “padre marido” Comparação: “Tão bem guardado como a palha n‟albarda”
  • 15. Objetivo Com esta crítica, Gil Vicente pretende não só criticar um indivíduo mas sim toda uma classe social (personagem tipo), o Clero. O dramaturgo elabora esta crítica para mostrar que é um hábito comum entre os membros do Clero quebrarem os votos de castidade e terem mulher. Uma vez que a maior parte dos frades não tinha vocação, só se juntavam a esta classe social para terem uma vida devassa. Deste modo consegue satirizar, através do cómico, os defeitos desta classe social. Esta critica tem o intuito didático, seguindo assim a máxima de Gil Vicente “ RIDENDO CASTIGAT MORES” (a rir se corrigem os costumes).
  • 17. ……………… …Exercícios…. . Soluções dos exercícios 1. Este provérbio significa que apesar de alguém se “disfarçar” de algo não quer dizer que o seja, isto é, não podemos julgar ninguém pelas aparências. Podemos associá-lo ao Frade porque ele vestia-se de acordo com a sua profissão, vivia num convento, rezava e acreditava em Deus mas profanava contra a sua religião, uma vez que tinha mulher (Florença), acusava os seus colegas de profissão de fazerem o mesmo („E eles fazem outro tanto‟, v.385, página 117), e ainda mostrava que vivia uma vida luxuosa e cortesã pelo facto de saber esgrima e o tordião. 2. 2.1. O facto de o Frade entrar em cena com a espada, o casco e o broquel (equipamentos de esgrima) e a dançar o tordião, quando naquela altura a arte de esgrimir e dançar pertenciam unicamente aos elementos da corte. 2.2. O Frade achava que por se ter dedicado à vida católica e ter rezado muitos salmos na sua vida terrena tinha uma espécie de contrato com Deus e que este lhe daria um lugar no céu. 3. Cómico de carácter: “Como? Por ser namorado, /e folgar com ua mulher, / se há um frade de perder, / com tanto salmo rezado?!...” (v.411, página 188) e Cómico de situação: “ Vem um Frade com ua Moça pela mão, e um broquel e ua espada na outra, e um casco debaixo do capelo;…” (1º didascália, página 117)
  • 18. Soluções dos exercícios 4. 4.1. O anjo sentiu vergonha dos comportamentos do Frade, já que o mesmo pecou sob a capa da religião católica. 5. A acusação que o Parvo lhe faz é a de viver amantizado com a sua mulher e, por isso, ter um procedimento contrário aos seus votos. 6. 6.1.“…em lugar de praticar a austeridade, a pobreza e a renúncia ao mundo, busca a riqueza e os prazeres, é espadachim, blasfema, tem mulher e prole, ambiciona honras e cargos, procedendo com se a ordenação sacerdotal o imunizasse contra os castigos que Deus tem reservados para os pecadores.”
  • 19. Realizado por: -Alice Ribeiro/ nº2 -Ana Couto/ nº5 -Beatriz Campos/ nº 8 -Elsa Guedes/ nº 11 -Inês Silva/ nº 14 9ºD - 2013/2014