SlideShare uma empresa Scribd logo
Gestão pública contemporânea e os desafios 
para além de 2015 
Paulo de Tarso Almeida Paiva 
Gestão pública contemporânea e os desafios para além de 2015 1 
FE1403 
Na medida em que a economia brasileira se torna cada vez mais central no contexto global, crescem os desafios 
para a superação de gargalos e ampliação da competitividade nacional no cenário internacional. Para fazer frente 
a essas necessidades, empresas privadas e poder público precisam agir em um ambiente de grande sinergia. 
Nesse contexto, a FDC vem desenvolvendo soluções educacionais para o setor público, das esferas federal, 
estaduais e municipais, que vão desde a gestão por competência até soluções customizadas, atendendo às 
necessidades específicas de cada setor e tendo como premissa a agregração de valor para a sociedade. 
Este artigo é uma contribuição a essa reflexão. 
“Senhor, são os remos ou são as ondas o que dirige o meu barco?” 
Emílio Moura 
A sociedade brasileira tem pela frente uma 
oportunidade singular para buscar novos 
paradigmas de crescimento e ampliação do 
desenvolvimento econômico e social. Nas últimas 
décadas, o país enfrentou diversos desafios e vem 
passando por mudanças significativas, que precisam 
ser canalizadas para a construção de uma sociedade 
mais avançada e transformadora. 
Para isso, é preciso consolidar alguns conceitos 
do que podemos designar como “gestão pública 
contemporânea”, visando criar um ambiente propício aos 
avanços políticos, econômicos e sociais que desafiam o 
país a partir de 2015. 
Após experiências pouco enriquecedoras no passado, 
cujas origens remontam ao Estado Colonial e 
patrimonialista, notadamente absoluto, centralizado 
e interventor, sucedido mais tarde pelo Estado Novo, 
marcado por princípios burocráticos e corporativos, 
surgiu, bem mais recentemente, a perspectiva de 
implantação de uma terceira onda do gerenciamento da 
administração pública. 
Estamos, portanto, diante de uma grande oportunidade 
de implantar efetivamente, em escala nacional, uma 
gestão pública contemporânea, que parte de uma 
racionalidade bastante distinta de todas as experiências 
anteriores. 
Ela tem como pilar a concepção de um Estado eficiente 
e voltado para resultados, que utiliza ferramentas e 
conceitos oriundos da gestão privada, fazendo as 
adequações necessárias para a plena aplicação deles 
no âmbito público. 
Acreditamos, portanto, que a boa governança no 
setor público depende, fundamentalmente, de cinco 
premissas: 
•• transparência; 
•• eficiência da política fiscal; 
•• solidez das finanças públicas; 
•• eficácia nos resultados; 
•• eficiência na prestação de contas. 
Essas premissas já começam a se tornar realidade em 
função de algumas mudanças recentes que ocorrem 
na economia nacional, em decorrência do avanço da 
democracia brasileira, da consolidação dos mercados 
no país e, ainda, em função das próprias crises que 
assolaram a conjuntura mundial no final do século 
passado, o que proporcionou maior visibilidade às 
economias emergentes.
Vale salientar que esse novo cenário, propício à 
implantação de uma gestão pública contemporânea, 
decorre também de recentes criações de novos padrões 
e códigos de conduta no contexto macroeconômico, 
entre os quais, podemos destacar: 
•• Iniciativa do FMI, que estabeleceu novos 
procedimentos e padrões de melhores práticas 
de transparência para as políticas monetária, 
financeira e fiscal. 
•• Os acordos de Basileia, que implantaram novos 
padrões para a supervisão bancária em âmbito 
mundial. 
•• A aprovação, nos EUA, do Sarbanes-Oxley Act para 
o setor privado. 
•• A adoção, por parte das bolsas de valores, de 
práticas diferenciadas de governança corporativa 
(novo mercado). 
Por outro lado, também estão contribuindo para esse 
processo algumas experiências de reformas de gestão 
pública, que têm como referência a criação de um Fórum 
sobre a reinvenção de governos no âmbito das Nações 
Unidas. 
Algumas economias desenvolvidas já vinham introduzindo 
mudanças significativas na gestão pública desde os 
anos 1980, como ocorreu na Inglaterra, Austrália, Nova 
Zelândia, Canadá e Suécia. Mais recentemente, outras 
iniciativas nesse sentido surgiram no Chile, Costa Rica, 
Colômbia e Brasil. 
Podemos sintetizar, portanto, o conceito de “governo 
eficiente” com base em quatro pilares da boa governança 
no setor público: Reforma do Estado, Padrão de Gestão, 
Padrões Éticos de Comportamento e Implementação de 
Políticas Públicas. 
E esse paradigma inovador de gestão decorre da 
introdução de novos elementos na administração pública, 
como o planejamento estratégico, a boa formação de 
gestores públicos, a determinação de se implantarem 
gestões de mudança e de projetos e a criação de 
incentivos remuneratórios associados à consecução de 
resultados. 
É possível estabelecer que a gestão pública deve 
seguir padrões que garantam seu melhor desempenho, 
transparência e integridade. Nesse sentido, a divulgação 
periódica de indicadores de desempenho de execução 
fiscal e de resultados é importante para garantir a 
transparência e a integridade. 
Nesse processo, destacam-se dois imporantes 
procedimentos gerenciais: a avaliação e o 
acompanhamento do desempenho na execução 
de programas, políticas e projetos e a avaliação de 
resultados e impactos. 
Tudo isso dito, podemos, então, identificar alguns 
desafios a essa gestão pública contemporânea. O 
principal deles, sem dúvida, é conseguir conciliar os 
limites impostos pela Lei de Responsabilidade Fiscal 
com os programas, os projetos e as ações do governo. 
Os instrumentos para isso são a governança e a gestão, 
com base em ações eficazes de políticas públicas e de 
equilíbrio fiscal. 
Outros desafios não menos importantes: conciliar as 
políticas públicas com as restrições financeiras, fazer mais 
e melhor com menos, melhorar a qualidade dos serviços, 
otimizar o uso dos recursos financeiros e humanos e 
inovar nos processos e nas práticas de gestão. 
Os desafios para o futuro 
Uma vez estabelecidos os conceitos, as características e 
o cenário geral para a implantação de uma gestão pública 
contemporânea, podemos refletir sobre um contexto 
bastante real e de grande interesse da sociedade 
brasileira – os desafios a serem enfrentados pelo país 
a partir de 2015, quando se inicia um novo mandato 
presidencial no país, que emergirá das eleições de 
outubro próximo. 
Para que possamos estabelecer as bases da boa 
governança no futuro, a curto e a médio prazos, é preciso, 
contudo, lançar um olhar sobre a conjuntura política e 
econômica do Brasil de hoje e do passado recente. 
Há duas leituras distintas sobre a conjuntura atual que 
podem ser ilustradas pelas respostas dos cenários “a” 
e “b” seguintes diante da seguinte indagação: 
Como você vê a economia brasileira hoje? 
Cenário a: você vê o Brasil assim? 
•• “O PIB, nos últimos anos, está crescendo, em 
média, 2% ao ano. Dada a expansão demográfica 
de 0,8%, a renda per capita está aumentando em 
1,2%, anualmente. 
•• As taxas de desemprego são as mais baixas já 
registradas pela Pesquisa Mensal de Empregos, 
e o nível do emprego formal como proporção do 
pessoal ocupado é o maior das últimas décadas. 
•• A inflação está dentro da meta, como costuma 
afirmar a presidente Dilma. 
•• A dívida pública líquida como proporção do PIB está 
abaixo de 40% e, convém lembrar, em passado não 
muito distante havia ultrapassado 60%. 
•• O país acumula reservas internacionais acima de 
370 bilhões de dólares. 
Gestão pública contemporânea e os desafios para além de 2015 2
•• A nova classe média tem acesso ao consumo como 
nunca antes nesse país. 
•• Enfim, a economia brasileira vai muito bem, 
obrigado”. 
Cenário b: ou você vê o país assim? 
•• “O crescimento é medíocre (e não há crises para 
servir como álibi). 
•• A inflação está perigosamente próxima de uma 
região escorregadia onde atolaram e afundaram 
alguns países vizinhos. 
•• As contas externas e fiscais permanecem 
flagrantemente fora de lugar. 
•• Há problemas setoriais com potencial explosivo 
(como no setor de energia, petróleo e também na 
mobilidade urbana). 
•• A produtividade estagnou há anos. 
•• E a confiança do investidor (nacional e estrangeiro) 
atingiu os piores níveis em muitos anos”. 
Há, no país, diferentes leituras do contexto econômico, 
como ilustrado nesses exemplos. O debate se torna mais 
profícuo na medida em que se analisam tais proposições. 
O que se percebe, contudo, é um cenário que transita 
entre os dois. Uma evidência disso é o recente 
rebaixamento do rating do país por parte da agência de 
classificação de risco Standard & Poors. 
Segundo a instituição, o rebaixamento se deu não 
em razão de risco imediato de default, mas por uma 
série de indicadores relacionados com a conjuntura do 
país. Os principais entraves macroeconômicos do país 
estão relacionados, para a agência, a problemas com 
a política fiscal, dificuldades de ajustes na economia 
em função das eleições de outubro, fragilidades nas 
contas externas, perspectiva de baixo crescimento 
do PIB em função de fatores cíclicos e estruturais e 
enfraquecimento da força de trabalho. Tudo isso num 
contexto de redução da capacidade de ação do governo 
face os entraves externos. 
Objetivamente, o fato é que a confiança nos fundamentos 
macroeconômicos do país estão se esvaindo, com base 
no que podemos definir como “a armadilha da renda 
média”. Isso ocorre, basicamente, pelos seguintes 
fatores: o país vive um baixo crescimento, na média 
de 2% ao ano; a taxa de investimentos (em relação ao 
PIB) ainda está aquém da necessária, a produtividade 
no país tem crescido também num ritmo baixo, a 
infraestrutura em geral é precária e insuficiente, as 
reformas microeconômicas (trabalhista, previdenciária e 
tributária) não ocorreram, e o programa de privativações 
é ainda incipiente e inadequado. Tudo isso no contexto 
de uma economia ainda muito fechada. 
O quadro seguinte demonstra como as estimativas de 
crescimento do Brasil até 2015, segundo avaliação 
do FMI, estão abaixo da média de outras nações que 
formam os BRICS, como China e Índia, ou mesmo 
outros países da América Latina, como Argentina, Chile, 
Colômbia e Peru. 
3 FDC Executive
Concomitantemente, o Brasil encontra-se na 56ª posição 
no ranking de competitividade do World Economic Forum. 
Segundo a instituição, os principais fatores que explicam 
esse fraco desempenho são a oferta inadequada de 
infraestrutura, a excessiva carga fiscal e de impostos 
em geral, a ineficiência da máquina administrativa 
governamental e o excesso de regulamentação das 
relações de trabalho. 
Pois bem, diante de um cenário como esse, cabe 
indagar: quais os principais desafios para o futuro? 
Acreditamos, inicialmente, que estamos diante de duas 
prioridades: recuperar a credibilidade governamental e 
desarmar a armadilha da renda média. 
Se formos levar em conta a agenda política e econômica 
nacional, podemos estabelecer 2015 como o ano de se 
promoverem as mudanças necessárias nesse contexto. 
A pergunta, então, é: quais as prioridades em termos de 
políticas públicas para o país? 
Em debates com empresários e especialistas, é comum 
listarmos algumas das ações prioritárias para se 
reestabelecer o crescimento econômico do país, como 
apresentado no quadro a seguir. Em quase todas as 
ocasiões, muito pouco se discorda sobre “o que fazer” 
para se alavancar a economia. A grande indagação, na 
verdade, é “como fazer?” 
Este é o ponto verdadeiramente crucial desta reflexão: 
como garantir a qualidade das “entregas” das políticas 
públicas. 
O que fazer para preparar o país 
para o crescimento econômico: 
•• Abrir a economia. 
•• Reduzir o Custo-Brasil. 
•• Ampliar a infraestrutura física. 
•• Aumentar a taxa de investimentos (I/PIB). 
•• Estimular os investimentos privados. 
•• Focar na qualidade da educação. 
•• Aumentar a produtividade. 
Para o país resgatar sua capacidade de investimento 
e de crescimento, implantando uma gestão pública 
contemporânea, é preciso, antes de tudo, superar um 
modelo de administração pública que muitas vezes não 
responde com a eficiência requerida para os avanços 
necessários. 
Nesse contexto, fica evidente a necessidade de o 
país encarar o desafio imediato de perseguir novos 
patamares de governança e de excelência gerencial – 
sempre tendo como base os valores de transparência, 
responsabilidade, equidade e prestação de contas. 
Como salientado, o fundamental, na atual conjuntura, 
não é mais buscar definir o que fazer, mas como fazer, 
ou como desenvolver as ações transformadoras da 
gestão pública. Sugerimos, para concluir, três iniciativas 
essenciais: 
•• Investir na escolha e na definição das políticas 
públicas necessárias, priorizando o planejamento 
estratégico, as metas e os resultados. 
•• Investir na capacidade institucional, com base na 
boa governança e na gestão de qualidade. 
•• Investir na capacidade gerencial, cujas referências 
devem ser o comprometimento com a missão, 
os valores e resultados, as competências, a 
meritocracia e a liderança. 
Gestão pública contemporânea e os desafios para além de 2015 4

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão de pessoas na administração pública
Gestão de pessoas na administração públicaGestão de pessoas na administração pública
Gestão de pessoas na administração pública
Felipe Yoshita
 
Evolução da administração pública
Evolução da administração públicaEvolução da administração pública
Evolução da administração pública
Thiago Lima
 
Pcdf 2013
Pcdf   2013Pcdf   2013
Pcdf 2013
Suelen Resende
 
20080627 a formacao_do_estado_reg
20080627 a formacao_do_estado_reg20080627 a formacao_do_estado_reg
20080627 a formacao_do_estado_reg
grazi87
 
Gerencialismo e gestão social
Gerencialismo e gestão socialGerencialismo e gestão social
Gerencialismo e gestão social
Flaviana Nascimento
 
Artigo administracao administracao_publica
Artigo administracao administracao_publicaArtigo administracao administracao_publica
Artigo administracao administracao_publica
drm2003
 
Iscsp diferenças entre o sector público e o sector privado luis vidigal 1
Iscsp diferenças entre o sector público e o sector privado   luis vidigal 1Iscsp diferenças entre o sector público e o sector privado   luis vidigal 1
Iscsp diferenças entre o sector público e o sector privado luis vidigal 1
Luis Vidigal
 
As os e o sus conferência nacional de saúde on
As os e o sus conferência nacional de saúde onAs os e o sus conferência nacional de saúde on
As os e o sus conferência nacional de saúde on
Walter Rorschach
 
Dilemas da adm publica
Dilemas da adm publicaDilemas da adm publica
Dilemas da adm publica
Valmor Cardoso
 
Administração pública
Administração públicaAdministração pública
Administração pública
Bruno Acs
 
Oficina AdministraçãO PúBlica E Sociedade
Oficina AdministraçãO PúBlica E SociedadeOficina AdministraçãO PúBlica E Sociedade
Oficina AdministraçãO PúBlica E Sociedade
Simone Elisa Heitor
 
Justiça fiscal para reduzir a desigualdade na América Latina e no Caribe
Justiça fiscal para reduzir a desigualdade na América Latina e no CaribeJustiça fiscal para reduzir a desigualdade na América Latina e no Caribe
Justiça fiscal para reduzir a desigualdade na América Latina e no Caribe
Oxfam Brasil
 
Setor público não estatal : avanços e desafios
Setor público não estatal : avanços e desafiosSetor público não estatal : avanços e desafios
Setor público não estatal : avanços e desafios
Jackson De Toni
 
Nogueira (1)
Nogueira (1)Nogueira (1)
Nogueira (1)
Ron Aldo
 
El - 2004 - estado e desenvolvimento econômico
El - 2004 - estado e desenvolvimento econômicoEl - 2004 - estado e desenvolvimento econômico
El - 2004 - estado e desenvolvimento econômico
Delta Economics & Finance
 
Administração pública e privada
Administração pública e privadaAdministração pública e privada
Administração pública e privada
Lowrrayny Franchesca
 
2012 diferenças entre o sector público e o sector privado - luis vidigal 1
2012   diferenças entre o sector público e o sector privado - luis vidigal 12012   diferenças entre o sector público e o sector privado - luis vidigal 1
2012 diferenças entre o sector público e o sector privado - luis vidigal 1
Luis Vidigal
 
Controle social e a transparência da administracao publica brasileira
Controle social e a transparência da administracao publica brasileiraControle social e a transparência da administracao publica brasileira
Controle social e a transparência da administracao publica brasileira
Ricardo Brandão Broker
 

Mais procurados (18)

Gestão de pessoas na administração pública
Gestão de pessoas na administração públicaGestão de pessoas na administração pública
Gestão de pessoas na administração pública
 
Evolução da administração pública
Evolução da administração públicaEvolução da administração pública
Evolução da administração pública
 
Pcdf 2013
Pcdf   2013Pcdf   2013
Pcdf 2013
 
20080627 a formacao_do_estado_reg
20080627 a formacao_do_estado_reg20080627 a formacao_do_estado_reg
20080627 a formacao_do_estado_reg
 
Gerencialismo e gestão social
Gerencialismo e gestão socialGerencialismo e gestão social
Gerencialismo e gestão social
 
Artigo administracao administracao_publica
Artigo administracao administracao_publicaArtigo administracao administracao_publica
Artigo administracao administracao_publica
 
Iscsp diferenças entre o sector público e o sector privado luis vidigal 1
Iscsp diferenças entre o sector público e o sector privado   luis vidigal 1Iscsp diferenças entre o sector público e o sector privado   luis vidigal 1
Iscsp diferenças entre o sector público e o sector privado luis vidigal 1
 
As os e o sus conferência nacional de saúde on
As os e o sus conferência nacional de saúde onAs os e o sus conferência nacional de saúde on
As os e o sus conferência nacional de saúde on
 
Dilemas da adm publica
Dilemas da adm publicaDilemas da adm publica
Dilemas da adm publica
 
Administração pública
Administração públicaAdministração pública
Administração pública
 
Oficina AdministraçãO PúBlica E Sociedade
Oficina AdministraçãO PúBlica E SociedadeOficina AdministraçãO PúBlica E Sociedade
Oficina AdministraçãO PúBlica E Sociedade
 
Justiça fiscal para reduzir a desigualdade na América Latina e no Caribe
Justiça fiscal para reduzir a desigualdade na América Latina e no CaribeJustiça fiscal para reduzir a desigualdade na América Latina e no Caribe
Justiça fiscal para reduzir a desigualdade na América Latina e no Caribe
 
Setor público não estatal : avanços e desafios
Setor público não estatal : avanços e desafiosSetor público não estatal : avanços e desafios
Setor público não estatal : avanços e desafios
 
Nogueira (1)
Nogueira (1)Nogueira (1)
Nogueira (1)
 
El - 2004 - estado e desenvolvimento econômico
El - 2004 - estado e desenvolvimento econômicoEl - 2004 - estado e desenvolvimento econômico
El - 2004 - estado e desenvolvimento econômico
 
Administração pública e privada
Administração pública e privadaAdministração pública e privada
Administração pública e privada
 
2012 diferenças entre o sector público e o sector privado - luis vidigal 1
2012   diferenças entre o sector público e o sector privado - luis vidigal 12012   diferenças entre o sector público e o sector privado - luis vidigal 1
2012 diferenças entre o sector público e o sector privado - luis vidigal 1
 
Controle social e a transparência da administracao publica brasileira
Controle social e a transparência da administracao publica brasileiraControle social e a transparência da administracao publica brasileira
Controle social e a transparência da administracao publica brasileira
 

Destaque

Desafios da gestao publica contemporanea
Desafios da gestao publica contemporaneaDesafios da gestao publica contemporanea
Desafios da gestao publica contemporanea
fonacrj
 
Novos paradigmas gestao publica - Prof. Cleverson Tabajara
Novos paradigmas gestao publica - Prof. Cleverson TabajaraNovos paradigmas gestao publica - Prof. Cleverson Tabajara
Novos paradigmas gestao publica - Prof. Cleverson Tabajara
IFSC
 
Apresentação fonac
Apresentação fonacApresentação fonac
Apresentação fonac
fonacrj
 
Questoes da lei_8.112
Questoes da lei_8.112Questoes da lei_8.112
Questoes da lei_8.112
lucasjatem
 
Workshop Automação de Processos
Workshop  Automação de ProcessosWorkshop  Automação de Processos
Workshop Automação de Processos
EloGroup
 
TCE/PE - Governança de processos para melhoria da gestão pública a experiênci...
TCE/PE - Governança de processos para melhoria da gestão pública a experiênci...TCE/PE - Governança de processos para melhoria da gestão pública a experiênci...
TCE/PE - Governança de processos para melhoria da gestão pública a experiênci...
EloGroup
 
Workshop Compras Públicas
Workshop   Compras PúblicasWorkshop   Compras Públicas
Workshop Compras Públicas
EloGroup
 
Workshop Organização
Workshop   OrganizaçãoWorkshop   Organização
Workshop Organização
EloGroup
 
Workshop Redesenho de Serviços Públicos
Workshop   Redesenho de Serviços PúblicosWorkshop   Redesenho de Serviços Públicos
Workshop Redesenho de Serviços Públicos
EloGroup
 
A empresa no século 21 atualizado 03.12
A empresa no século 21 atualizado  03.12A empresa no século 21 atualizado  03.12
A empresa no século 21 atualizado 03.12
Luizalulu
 
MP - Transformando Organizações Públicas:O impacto da governança na melhoria ...
MP - Transformando Organizações Públicas:O impacto da governança na melhoria ...MP - Transformando Organizações Públicas:O impacto da governança na melhoria ...
MP - Transformando Organizações Públicas:O impacto da governança na melhoria ...
EloGroup
 
Workshop Estratégia
Workshop   EstratégiaWorkshop   Estratégia
Workshop Estratégia
EloGroup
 
Workshop dimensionamento
Workshop   dimensionamentoWorkshop   dimensionamento
Workshop dimensionamento
EloGroup
 
Workshop Gestão Integrada
Workshop   Gestão IntegradaWorkshop   Gestão Integrada
Workshop Gestão Integrada
EloGroup
 
Governança na Gestão Pública
Governança na Gestão PúblicaGovernança na Gestão Pública
Governança na Gestão Pública
Luis Nassif
 
Organização Contemporânea 3
Organização Contemporânea 3Organização Contemporânea 3
Organização Contemporânea 3
Future Press, E-Press, Presentations,
 
Apresentação Governança Gestão Pública Atual Empreendedor 2008 311008
Apresentação Governança Gestão Pública Atual Empreendedor 2008 311008Apresentação Governança Gestão Pública Atual Empreendedor 2008 311008
Apresentação Governança Gestão Pública Atual Empreendedor 2008 311008
João Bezerra Magalhães Neto
 
Gestão estratégica da qualidade na Administração Pública
Gestão estratégica da qualidade na Administração PúblicaGestão estratégica da qualidade na Administração Pública
Gestão estratégica da qualidade na Administração Pública
José Claudio Dos Santos Júnior
 
Governança corporativa na Administração Pública - Diógenes L. Neto - MSc, MPA...
Governança corporativa na Administração Pública - Diógenes L. Neto - MSc, MPA...Governança corporativa na Administração Pública - Diógenes L. Neto - MSc, MPA...
Governança corporativa na Administração Pública - Diógenes L. Neto - MSc, MPA...
Col Diógenes Lima Neto (MSc, MPA, MBA)
 
Os desafios da administração estratégica de empresas no século xxi
Os desafios da administração estratégica de empresas no século xxiOs desafios da administração estratégica de empresas no século xxi
Os desafios da administração estratégica de empresas no século xxi
Fernando Alcoforado
 

Destaque (20)

Desafios da gestao publica contemporanea
Desafios da gestao publica contemporaneaDesafios da gestao publica contemporanea
Desafios da gestao publica contemporanea
 
Novos paradigmas gestao publica - Prof. Cleverson Tabajara
Novos paradigmas gestao publica - Prof. Cleverson TabajaraNovos paradigmas gestao publica - Prof. Cleverson Tabajara
Novos paradigmas gestao publica - Prof. Cleverson Tabajara
 
Apresentação fonac
Apresentação fonacApresentação fonac
Apresentação fonac
 
Questoes da lei_8.112
Questoes da lei_8.112Questoes da lei_8.112
Questoes da lei_8.112
 
Workshop Automação de Processos
Workshop  Automação de ProcessosWorkshop  Automação de Processos
Workshop Automação de Processos
 
TCE/PE - Governança de processos para melhoria da gestão pública a experiênci...
TCE/PE - Governança de processos para melhoria da gestão pública a experiênci...TCE/PE - Governança de processos para melhoria da gestão pública a experiênci...
TCE/PE - Governança de processos para melhoria da gestão pública a experiênci...
 
Workshop Compras Públicas
Workshop   Compras PúblicasWorkshop   Compras Públicas
Workshop Compras Públicas
 
Workshop Organização
Workshop   OrganizaçãoWorkshop   Organização
Workshop Organização
 
Workshop Redesenho de Serviços Públicos
Workshop   Redesenho de Serviços PúblicosWorkshop   Redesenho de Serviços Públicos
Workshop Redesenho de Serviços Públicos
 
A empresa no século 21 atualizado 03.12
A empresa no século 21 atualizado  03.12A empresa no século 21 atualizado  03.12
A empresa no século 21 atualizado 03.12
 
MP - Transformando Organizações Públicas:O impacto da governança na melhoria ...
MP - Transformando Organizações Públicas:O impacto da governança na melhoria ...MP - Transformando Organizações Públicas:O impacto da governança na melhoria ...
MP - Transformando Organizações Públicas:O impacto da governança na melhoria ...
 
Workshop Estratégia
Workshop   EstratégiaWorkshop   Estratégia
Workshop Estratégia
 
Workshop dimensionamento
Workshop   dimensionamentoWorkshop   dimensionamento
Workshop dimensionamento
 
Workshop Gestão Integrada
Workshop   Gestão IntegradaWorkshop   Gestão Integrada
Workshop Gestão Integrada
 
Governança na Gestão Pública
Governança na Gestão PúblicaGovernança na Gestão Pública
Governança na Gestão Pública
 
Organização Contemporânea 3
Organização Contemporânea 3Organização Contemporânea 3
Organização Contemporânea 3
 
Apresentação Governança Gestão Pública Atual Empreendedor 2008 311008
Apresentação Governança Gestão Pública Atual Empreendedor 2008 311008Apresentação Governança Gestão Pública Atual Empreendedor 2008 311008
Apresentação Governança Gestão Pública Atual Empreendedor 2008 311008
 
Gestão estratégica da qualidade na Administração Pública
Gestão estratégica da qualidade na Administração PúblicaGestão estratégica da qualidade na Administração Pública
Gestão estratégica da qualidade na Administração Pública
 
Governança corporativa na Administração Pública - Diógenes L. Neto - MSc, MPA...
Governança corporativa na Administração Pública - Diógenes L. Neto - MSc, MPA...Governança corporativa na Administração Pública - Diógenes L. Neto - MSc, MPA...
Governança corporativa na Administração Pública - Diógenes L. Neto - MSc, MPA...
 
Os desafios da administração estratégica de empresas no século xxi
Os desafios da administração estratégica de empresas no século xxiOs desafios da administração estratégica de empresas no século xxi
Os desafios da administração estratégica de empresas no século xxi
 

Semelhante a Gestão pública contemporânea e os desafios para além de 2015

El - 2002 - nova ordem econômica
El - 2002 - nova ordem econômicaEl - 2002 - nova ordem econômica
El - 2002 - nova ordem econômica
Delta Economics & Finance
 
Bases para o crescimento
Bases para o crescimentoBases para o crescimento
Bases para o crescimento
Paulo Nobre
 
Discurso Armando Monteiro no Ministério do Desenvolvimento
Discurso Armando Monteiro no Ministério do DesenvolvimentoDiscurso Armando Monteiro no Ministério do Desenvolvimento
Discurso Armando Monteiro no Ministério do Desenvolvimento
Paulo Veras
 
PSD
PSDPSD
Programa eleitoral psd
Programa eleitoral psdPrograma eleitoral psd
Programa eleitoral psd
Nucleo PSD de Leça do Balio
 
GoOnFair- 2016 Estratégia econômica para o Brasil | Goon - Evolução em Gest...
GoOnFair- 2016 Estratégia econômica para o Brasil | Goon - Evolução em Gest...GoOnFair- 2016 Estratégia econômica para o Brasil | Goon - Evolução em Gest...
GoOnFair- 2016 Estratégia econômica para o Brasil | Goon - Evolução em Gest...
GoOn Consulting
 
GoOn- Evolução em Gestão de Riscos de Crédito | GoOnFair - 2016. Estratégia ...
GoOn- Evolução em Gestão de Riscos de Crédito | GoOnFair - 2016. Estratégia ...GoOn- Evolução em Gestão de Riscos de Crédito | GoOnFair - 2016. Estratégia ...
GoOn- Evolução em Gestão de Riscos de Crédito | GoOnFair - 2016. Estratégia ...
GoOn Consulting
 
Inova em Foco - Dez/2014 - Desafios Econômicos para o Ano Novo
Inova em Foco - Dez/2014 - Desafios Econômicos para o Ano NovoInova em Foco - Dez/2014 - Desafios Econômicos para o Ano Novo
Inova em Foco - Dez/2014 - Desafios Econômicos para o Ano Novo
Inova Business School
 
PEC 241 - Austeridade
PEC 241 - AusteridadePEC 241 - Austeridade
PEC 241 - Austeridade
Carlos Eduardo
 
Administração financeira e orçamentária pg176
Administração financeira e orçamentária pg176Administração financeira e orçamentária pg176
Administração financeira e orçamentária pg176
kisb1337
 
Discurso de posse do ministro Nelson Barbosa
Discurso de posse do ministro Nelson BarbosaDiscurso de posse do ministro Nelson Barbosa
Discurso de posse do ministro Nelson Barbosa
Palácio do Planalto
 
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
A economia brasileira os desafios do restante da decada nov 2013
A economia brasileira os desafios do restante da decada  nov 2013A economia brasileira os desafios do restante da decada  nov 2013
A economia brasileira os desafios do restante da decada nov 2013
Paulohartung
 
Entrevista Dilma Rousseff 1
Entrevista  Dilma Rousseff 1Entrevista  Dilma Rousseff 1
Entrevista Dilma Rousseff 1
guest6f3978
 
Case day horc
Case day horcCase day horc
Case day horc
Lourival Cunha
 
Administração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentáriaAdministração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentária
Lindomar Pereira
 
Boletim Schmitz Auditores 01
Boletim Schmitz Auditores 01Boletim Schmitz Auditores 01
Boletim Schmitz Auditores 01
Marcus Vinicius Schmitz Feijó
 
Resoluçãoo PSB
Resoluçãoo PSBResoluçãoo PSB
Resoluçãoo PSB
Anna Tiago
 
O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...
O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...
O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...
Fernando Alcoforado
 
El - 2006 - pilares macroeconômicos
El - 2006 - pilares macroeconômicosEl - 2006 - pilares macroeconômicos
El - 2006 - pilares macroeconômicos
Delta Economics & Finance
 

Semelhante a Gestão pública contemporânea e os desafios para além de 2015 (20)

El - 2002 - nova ordem econômica
El - 2002 - nova ordem econômicaEl - 2002 - nova ordem econômica
El - 2002 - nova ordem econômica
 
Bases para o crescimento
Bases para o crescimentoBases para o crescimento
Bases para o crescimento
 
Discurso Armando Monteiro no Ministério do Desenvolvimento
Discurso Armando Monteiro no Ministério do DesenvolvimentoDiscurso Armando Monteiro no Ministério do Desenvolvimento
Discurso Armando Monteiro no Ministério do Desenvolvimento
 
PSD
PSDPSD
PSD
 
Programa eleitoral psd
Programa eleitoral psdPrograma eleitoral psd
Programa eleitoral psd
 
GoOnFair- 2016 Estratégia econômica para o Brasil | Goon - Evolução em Gest...
GoOnFair- 2016 Estratégia econômica para o Brasil | Goon - Evolução em Gest...GoOnFair- 2016 Estratégia econômica para o Brasil | Goon - Evolução em Gest...
GoOnFair- 2016 Estratégia econômica para o Brasil | Goon - Evolução em Gest...
 
GoOn- Evolução em Gestão de Riscos de Crédito | GoOnFair - 2016. Estratégia ...
GoOn- Evolução em Gestão de Riscos de Crédito | GoOnFair - 2016. Estratégia ...GoOn- Evolução em Gestão de Riscos de Crédito | GoOnFair - 2016. Estratégia ...
GoOn- Evolução em Gestão de Riscos de Crédito | GoOnFair - 2016. Estratégia ...
 
Inova em Foco - Dez/2014 - Desafios Econômicos para o Ano Novo
Inova em Foco - Dez/2014 - Desafios Econômicos para o Ano NovoInova em Foco - Dez/2014 - Desafios Econômicos para o Ano Novo
Inova em Foco - Dez/2014 - Desafios Econômicos para o Ano Novo
 
PEC 241 - Austeridade
PEC 241 - AusteridadePEC 241 - Austeridade
PEC 241 - Austeridade
 
Administração financeira e orçamentária pg176
Administração financeira e orçamentária pg176Administração financeira e orçamentária pg176
Administração financeira e orçamentária pg176
 
Discurso de posse do ministro Nelson Barbosa
Discurso de posse do ministro Nelson BarbosaDiscurso de posse do ministro Nelson Barbosa
Discurso de posse do ministro Nelson Barbosa
 
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
A economia brasileira os desafios do restante da decada nov 2013
A economia brasileira os desafios do restante da decada  nov 2013A economia brasileira os desafios do restante da decada  nov 2013
A economia brasileira os desafios do restante da decada nov 2013
 
Entrevista Dilma Rousseff 1
Entrevista  Dilma Rousseff 1Entrevista  Dilma Rousseff 1
Entrevista Dilma Rousseff 1
 
Case day horc
Case day horcCase day horc
Case day horc
 
Administração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentáriaAdministração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentária
 
Boletim Schmitz Auditores 01
Boletim Schmitz Auditores 01Boletim Schmitz Auditores 01
Boletim Schmitz Auditores 01
 
Resoluçãoo PSB
Resoluçãoo PSBResoluçãoo PSB
Resoluçãoo PSB
 
O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...
O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...
O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...
 
El - 2006 - pilares macroeconômicos
El - 2006 - pilares macroeconômicosEl - 2006 - pilares macroeconômicos
El - 2006 - pilares macroeconômicos
 

Mais de Fundação Dom Cabral - FDC

Gestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no Brasil
Gestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no BrasilGestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no Brasil
Gestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no Brasil
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Revista Melhor: programa RH Triple A FDC
Revista Melhor: programa RH Triple A FDCRevista Melhor: programa RH Triple A FDC
Revista Melhor: programa RH Triple A FDC
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Introdução ao estudo da liderança
Introdução ao estudo da liderançaIntrodução ao estudo da liderança
Introdução ao estudo da liderança
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Da transformação à maturidade digital
Da transformação à maturidade digitalDa transformação à maturidade digital
Da transformação à maturidade digital
Fundação Dom Cabral - FDC
 
PILT FDC 2018
PILT FDC 2018PILT FDC 2018
Personality insights 2017
Personality insights 2017Personality insights 2017
Personality insights 2017
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?
Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?
Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresas
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresasNovos paradigmas que impactam pequenas e médias empresas
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresas
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Governança e sustentabilidade
Governança e sustentabilidadeGovernança e sustentabilidade
Governança e sustentabilidade
Fundação Dom Cabral - FDC
 
A representação da mulher na música popular brasileira
A representação da mulher na música popular brasileiraA representação da mulher na música popular brasileira
A representação da mulher na música popular brasileira
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Comércio internacional no século XXI: alternativas para o Brasil
Comércio internacional no século XXI:  alternativas para o BrasilComércio internacional no século XXI:  alternativas para o Brasil
Comércio internacional no século XXI: alternativas para o Brasil
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Digitalização e Capital Humano - Pesquisa FDC
Digitalização e Capital Humano - Pesquisa FDCDigitalização e Capital Humano - Pesquisa FDC
Digitalização e Capital Humano - Pesquisa FDC
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Nota trimestral de conjuntura
Nota trimestral de conjunturaNota trimestral de conjuntura
Nota trimestral de conjuntura
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Mulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderança
Mulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderançaMulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderança
Mulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderança
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Construindo uma organização de livre desempenho
Construindo uma organização de livre desempenhoConstruindo uma organização de livre desempenho
Construindo uma organização de livre desempenho
Fundação Dom Cabral - FDC
 
A era do consumo compartilhado
A era do consumo compartilhadoA era do consumo compartilhado
A era do consumo compartilhado
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Os estímulos necessários para a inovação
Os estímulos necessários para a inovaçãoOs estímulos necessários para a inovação
Os estímulos necessários para a inovação
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Learning Journey - Schulich Canada
Learning Journey - Schulich CanadaLearning Journey - Schulich Canada
Learning Journey - Schulich Canada
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0
Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0
Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0
Fundação Dom Cabral - FDC
 

Mais de Fundação Dom Cabral - FDC (20)

Gestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no Brasil
Gestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no BrasilGestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no Brasil
Gestão Contemporânea de Marketing – um olhar pelos executivos no Brasil
 
Revista Melhor: programa RH Triple A FDC
Revista Melhor: programa RH Triple A FDCRevista Melhor: programa RH Triple A FDC
Revista Melhor: programa RH Triple A FDC
 
Introdução ao estudo da liderança
Introdução ao estudo da liderançaIntrodução ao estudo da liderança
Introdução ao estudo da liderança
 
Da transformação à maturidade digital
Da transformação à maturidade digitalDa transformação à maturidade digital
Da transformação à maturidade digital
 
PILT FDC 2018
PILT FDC 2018PILT FDC 2018
PILT FDC 2018
 
Personality insights 2017
Personality insights 2017Personality insights 2017
Personality insights 2017
 
Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?
Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?
Mindset de crescimento: como atuar em um mundo de incertezas?
 
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresas
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresasNovos paradigmas que impactam pequenas e médias empresas
Novos paradigmas que impactam pequenas e médias empresas
 
Governança e sustentabilidade
Governança e sustentabilidadeGovernança e sustentabilidade
Governança e sustentabilidade
 
A representação da mulher na música popular brasileira
A representação da mulher na música popular brasileiraA representação da mulher na música popular brasileira
A representação da mulher na música popular brasileira
 
Comércio internacional no século XXI: alternativas para o Brasil
Comércio internacional no século XXI:  alternativas para o BrasilComércio internacional no século XXI:  alternativas para o Brasil
Comércio internacional no século XXI: alternativas para o Brasil
 
Digitalização e Capital Humano - Pesquisa FDC
Digitalização e Capital Humano - Pesquisa FDCDigitalização e Capital Humano - Pesquisa FDC
Digitalização e Capital Humano - Pesquisa FDC
 
Nota trimestral de conjuntura
Nota trimestral de conjunturaNota trimestral de conjuntura
Nota trimestral de conjuntura
 
Mulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderança
Mulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderançaMulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderança
Mulheres gestoras: potencialidades do feminino no processo de liderança
 
Construindo uma organização de livre desempenho
Construindo uma organização de livre desempenhoConstruindo uma organização de livre desempenho
Construindo uma organização de livre desempenho
 
A era do consumo compartilhado
A era do consumo compartilhadoA era do consumo compartilhado
A era do consumo compartilhado
 
Os estímulos necessários para a inovação
Os estímulos necessários para a inovaçãoOs estímulos necessários para a inovação
Os estímulos necessários para a inovação
 
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
Reclamação do consumidor: oportunidade para novos negócios
 
Learning Journey - Schulich Canada
Learning Journey - Schulich CanadaLearning Journey - Schulich Canada
Learning Journey - Schulich Canada
 
Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0
Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0
Relatório Caminhos para a produtividade - Indústria 4.0
 

Gestão pública contemporânea e os desafios para além de 2015

  • 1. Gestão pública contemporânea e os desafios para além de 2015 Paulo de Tarso Almeida Paiva Gestão pública contemporânea e os desafios para além de 2015 1 FE1403 Na medida em que a economia brasileira se torna cada vez mais central no contexto global, crescem os desafios para a superação de gargalos e ampliação da competitividade nacional no cenário internacional. Para fazer frente a essas necessidades, empresas privadas e poder público precisam agir em um ambiente de grande sinergia. Nesse contexto, a FDC vem desenvolvendo soluções educacionais para o setor público, das esferas federal, estaduais e municipais, que vão desde a gestão por competência até soluções customizadas, atendendo às necessidades específicas de cada setor e tendo como premissa a agregração de valor para a sociedade. Este artigo é uma contribuição a essa reflexão. “Senhor, são os remos ou são as ondas o que dirige o meu barco?” Emílio Moura A sociedade brasileira tem pela frente uma oportunidade singular para buscar novos paradigmas de crescimento e ampliação do desenvolvimento econômico e social. Nas últimas décadas, o país enfrentou diversos desafios e vem passando por mudanças significativas, que precisam ser canalizadas para a construção de uma sociedade mais avançada e transformadora. Para isso, é preciso consolidar alguns conceitos do que podemos designar como “gestão pública contemporânea”, visando criar um ambiente propício aos avanços políticos, econômicos e sociais que desafiam o país a partir de 2015. Após experiências pouco enriquecedoras no passado, cujas origens remontam ao Estado Colonial e patrimonialista, notadamente absoluto, centralizado e interventor, sucedido mais tarde pelo Estado Novo, marcado por princípios burocráticos e corporativos, surgiu, bem mais recentemente, a perspectiva de implantação de uma terceira onda do gerenciamento da administração pública. Estamos, portanto, diante de uma grande oportunidade de implantar efetivamente, em escala nacional, uma gestão pública contemporânea, que parte de uma racionalidade bastante distinta de todas as experiências anteriores. Ela tem como pilar a concepção de um Estado eficiente e voltado para resultados, que utiliza ferramentas e conceitos oriundos da gestão privada, fazendo as adequações necessárias para a plena aplicação deles no âmbito público. Acreditamos, portanto, que a boa governança no setor público depende, fundamentalmente, de cinco premissas: •• transparência; •• eficiência da política fiscal; •• solidez das finanças públicas; •• eficácia nos resultados; •• eficiência na prestação de contas. Essas premissas já começam a se tornar realidade em função de algumas mudanças recentes que ocorrem na economia nacional, em decorrência do avanço da democracia brasileira, da consolidação dos mercados no país e, ainda, em função das próprias crises que assolaram a conjuntura mundial no final do século passado, o que proporcionou maior visibilidade às economias emergentes.
  • 2. Vale salientar que esse novo cenário, propício à implantação de uma gestão pública contemporânea, decorre também de recentes criações de novos padrões e códigos de conduta no contexto macroeconômico, entre os quais, podemos destacar: •• Iniciativa do FMI, que estabeleceu novos procedimentos e padrões de melhores práticas de transparência para as políticas monetária, financeira e fiscal. •• Os acordos de Basileia, que implantaram novos padrões para a supervisão bancária em âmbito mundial. •• A aprovação, nos EUA, do Sarbanes-Oxley Act para o setor privado. •• A adoção, por parte das bolsas de valores, de práticas diferenciadas de governança corporativa (novo mercado). Por outro lado, também estão contribuindo para esse processo algumas experiências de reformas de gestão pública, que têm como referência a criação de um Fórum sobre a reinvenção de governos no âmbito das Nações Unidas. Algumas economias desenvolvidas já vinham introduzindo mudanças significativas na gestão pública desde os anos 1980, como ocorreu na Inglaterra, Austrália, Nova Zelândia, Canadá e Suécia. Mais recentemente, outras iniciativas nesse sentido surgiram no Chile, Costa Rica, Colômbia e Brasil. Podemos sintetizar, portanto, o conceito de “governo eficiente” com base em quatro pilares da boa governança no setor público: Reforma do Estado, Padrão de Gestão, Padrões Éticos de Comportamento e Implementação de Políticas Públicas. E esse paradigma inovador de gestão decorre da introdução de novos elementos na administração pública, como o planejamento estratégico, a boa formação de gestores públicos, a determinação de se implantarem gestões de mudança e de projetos e a criação de incentivos remuneratórios associados à consecução de resultados. É possível estabelecer que a gestão pública deve seguir padrões que garantam seu melhor desempenho, transparência e integridade. Nesse sentido, a divulgação periódica de indicadores de desempenho de execução fiscal e de resultados é importante para garantir a transparência e a integridade. Nesse processo, destacam-se dois imporantes procedimentos gerenciais: a avaliação e o acompanhamento do desempenho na execução de programas, políticas e projetos e a avaliação de resultados e impactos. Tudo isso dito, podemos, então, identificar alguns desafios a essa gestão pública contemporânea. O principal deles, sem dúvida, é conseguir conciliar os limites impostos pela Lei de Responsabilidade Fiscal com os programas, os projetos e as ações do governo. Os instrumentos para isso são a governança e a gestão, com base em ações eficazes de políticas públicas e de equilíbrio fiscal. Outros desafios não menos importantes: conciliar as políticas públicas com as restrições financeiras, fazer mais e melhor com menos, melhorar a qualidade dos serviços, otimizar o uso dos recursos financeiros e humanos e inovar nos processos e nas práticas de gestão. Os desafios para o futuro Uma vez estabelecidos os conceitos, as características e o cenário geral para a implantação de uma gestão pública contemporânea, podemos refletir sobre um contexto bastante real e de grande interesse da sociedade brasileira – os desafios a serem enfrentados pelo país a partir de 2015, quando se inicia um novo mandato presidencial no país, que emergirá das eleições de outubro próximo. Para que possamos estabelecer as bases da boa governança no futuro, a curto e a médio prazos, é preciso, contudo, lançar um olhar sobre a conjuntura política e econômica do Brasil de hoje e do passado recente. Há duas leituras distintas sobre a conjuntura atual que podem ser ilustradas pelas respostas dos cenários “a” e “b” seguintes diante da seguinte indagação: Como você vê a economia brasileira hoje? Cenário a: você vê o Brasil assim? •• “O PIB, nos últimos anos, está crescendo, em média, 2% ao ano. Dada a expansão demográfica de 0,8%, a renda per capita está aumentando em 1,2%, anualmente. •• As taxas de desemprego são as mais baixas já registradas pela Pesquisa Mensal de Empregos, e o nível do emprego formal como proporção do pessoal ocupado é o maior das últimas décadas. •• A inflação está dentro da meta, como costuma afirmar a presidente Dilma. •• A dívida pública líquida como proporção do PIB está abaixo de 40% e, convém lembrar, em passado não muito distante havia ultrapassado 60%. •• O país acumula reservas internacionais acima de 370 bilhões de dólares. Gestão pública contemporânea e os desafios para além de 2015 2
  • 3. •• A nova classe média tem acesso ao consumo como nunca antes nesse país. •• Enfim, a economia brasileira vai muito bem, obrigado”. Cenário b: ou você vê o país assim? •• “O crescimento é medíocre (e não há crises para servir como álibi). •• A inflação está perigosamente próxima de uma região escorregadia onde atolaram e afundaram alguns países vizinhos. •• As contas externas e fiscais permanecem flagrantemente fora de lugar. •• Há problemas setoriais com potencial explosivo (como no setor de energia, petróleo e também na mobilidade urbana). •• A produtividade estagnou há anos. •• E a confiança do investidor (nacional e estrangeiro) atingiu os piores níveis em muitos anos”. Há, no país, diferentes leituras do contexto econômico, como ilustrado nesses exemplos. O debate se torna mais profícuo na medida em que se analisam tais proposições. O que se percebe, contudo, é um cenário que transita entre os dois. Uma evidência disso é o recente rebaixamento do rating do país por parte da agência de classificação de risco Standard & Poors. Segundo a instituição, o rebaixamento se deu não em razão de risco imediato de default, mas por uma série de indicadores relacionados com a conjuntura do país. Os principais entraves macroeconômicos do país estão relacionados, para a agência, a problemas com a política fiscal, dificuldades de ajustes na economia em função das eleições de outubro, fragilidades nas contas externas, perspectiva de baixo crescimento do PIB em função de fatores cíclicos e estruturais e enfraquecimento da força de trabalho. Tudo isso num contexto de redução da capacidade de ação do governo face os entraves externos. Objetivamente, o fato é que a confiança nos fundamentos macroeconômicos do país estão se esvaindo, com base no que podemos definir como “a armadilha da renda média”. Isso ocorre, basicamente, pelos seguintes fatores: o país vive um baixo crescimento, na média de 2% ao ano; a taxa de investimentos (em relação ao PIB) ainda está aquém da necessária, a produtividade no país tem crescido também num ritmo baixo, a infraestrutura em geral é precária e insuficiente, as reformas microeconômicas (trabalhista, previdenciária e tributária) não ocorreram, e o programa de privativações é ainda incipiente e inadequado. Tudo isso no contexto de uma economia ainda muito fechada. O quadro seguinte demonstra como as estimativas de crescimento do Brasil até 2015, segundo avaliação do FMI, estão abaixo da média de outras nações que formam os BRICS, como China e Índia, ou mesmo outros países da América Latina, como Argentina, Chile, Colômbia e Peru. 3 FDC Executive
  • 4. Concomitantemente, o Brasil encontra-se na 56ª posição no ranking de competitividade do World Economic Forum. Segundo a instituição, os principais fatores que explicam esse fraco desempenho são a oferta inadequada de infraestrutura, a excessiva carga fiscal e de impostos em geral, a ineficiência da máquina administrativa governamental e o excesso de regulamentação das relações de trabalho. Pois bem, diante de um cenário como esse, cabe indagar: quais os principais desafios para o futuro? Acreditamos, inicialmente, que estamos diante de duas prioridades: recuperar a credibilidade governamental e desarmar a armadilha da renda média. Se formos levar em conta a agenda política e econômica nacional, podemos estabelecer 2015 como o ano de se promoverem as mudanças necessárias nesse contexto. A pergunta, então, é: quais as prioridades em termos de políticas públicas para o país? Em debates com empresários e especialistas, é comum listarmos algumas das ações prioritárias para se reestabelecer o crescimento econômico do país, como apresentado no quadro a seguir. Em quase todas as ocasiões, muito pouco se discorda sobre “o que fazer” para se alavancar a economia. A grande indagação, na verdade, é “como fazer?” Este é o ponto verdadeiramente crucial desta reflexão: como garantir a qualidade das “entregas” das políticas públicas. O que fazer para preparar o país para o crescimento econômico: •• Abrir a economia. •• Reduzir o Custo-Brasil. •• Ampliar a infraestrutura física. •• Aumentar a taxa de investimentos (I/PIB). •• Estimular os investimentos privados. •• Focar na qualidade da educação. •• Aumentar a produtividade. Para o país resgatar sua capacidade de investimento e de crescimento, implantando uma gestão pública contemporânea, é preciso, antes de tudo, superar um modelo de administração pública que muitas vezes não responde com a eficiência requerida para os avanços necessários. Nesse contexto, fica evidente a necessidade de o país encarar o desafio imediato de perseguir novos patamares de governança e de excelência gerencial – sempre tendo como base os valores de transparência, responsabilidade, equidade e prestação de contas. Como salientado, o fundamental, na atual conjuntura, não é mais buscar definir o que fazer, mas como fazer, ou como desenvolver as ações transformadoras da gestão pública. Sugerimos, para concluir, três iniciativas essenciais: •• Investir na escolha e na definição das políticas públicas necessárias, priorizando o planejamento estratégico, as metas e os resultados. •• Investir na capacidade institucional, com base na boa governança e na gestão de qualidade. •• Investir na capacidade gerencial, cujas referências devem ser o comprometimento com a missão, os valores e resultados, as competências, a meritocracia e a liderança. Gestão pública contemporânea e os desafios para além de 2015 4