SlideShare uma empresa Scribd logo
Unindo conhecimento em prol
Gessagem
Amanda Fernandes Silva
 O que é gesso agrícola;
 Importância;
 Benefícios;
 Reação no solo;
 Cálculo de gessagem e seus componentes;
 Opiniões técnicas;
 Conclusão;
 Referências bibliográficas.
Sumário
2
 O gesso (CaSO4.2H2O. – sulfato de cálcio) é um subproduto
da indústria de fertilizantes fosfatados;
 Reação: Rocha fosfatada+Ácido sulfúrico;
 Ácido fosfórico;
 1 tonelada de P2O5 → 4 toneladas de CaSO4.2H2O;
 Ca (16-20%) e S(13 a 17%).
O que é gesso agrícola?
3
 Gesso agrícola natural;
 Jazidas de gipsita;
 Maranhão, Ceará, Rio Grande do Norte e Pernambuco;
 Mesma reação no solo;
 Fosfogesso mais úmido.
O que é gesso agrícola?
4
 Não é um corretivo;
 O que é um condicionador de solo?
 Camadas subsuperficiais;
 ↑ Rapidamente às concentrações de Ca2+ e SO42– ;
 ↓ Toxidez de alumínio nas plantas;
 ↑ O sistema radicular.
Importância
5
Importância
6
Fonte: Nutrisafra, 2019. Fonte: Embrapa cerrados, 2019.
 Fornecer Cálcio e Enxofre;
 Neutralização do alumínio;
 Maior desenvolvimento do sistema radicular;
 Aumenta da resistência das plantas à veranicos.
Benefícios
7
Benefícios
8
Fonte: Revista Plantio direto, 2013.
Benefícios
9
Fonte: Embrapa, 2005.
 Produtividade das culturas anuais, submetidas a veranicos.
Benefícios
10
Fonte: Embrapa. 2005.
 (0-20)cm;
 Altera o pH;
 Ca e Mg;
 ↑ CTC;
 ↑ Ap. de nutrientes.
 (20-40)cm;
 Neutraliza Al³ ֗;
 Ca e S;
 ↑ Sistema radicular;
 ↑Abs. de água e nutrientes.
Calagem ≠ Gessagem
11
Gessagem NÃO substitui a calagem.
 1° Dissociação: CaSO4.2H2O Ca+2 + SO4
-2
 2° Movimento de íons :
Reação no solo
12
H2O
SO4
-2 Reage com os cátions Mg, Ca e K.
Ca+2 + SO4
-2 → CaSO4
0
Mg+2+ SO4
-2 → MgSO4
0
K++ SO4
-2 → KSO4
-
Fonte: SolloAgro, 2019.
 3° Complexação do Al;
 (AlSO4) é menos tóxicos;
 É pouco absorvido pelas plantas;
 Precipitação de sulfato de alumínio.
Reação no solo
13
Al3+SO4
-2 → AlSO4
-2 ↓
Fonte: SolloAgro, 2019.
Reação no solo
14
Fonte: Maissoja, 2015.
 Quando na análise do solo apresentar:
 Cálcio menor que 0,5 cmolc/dm3;
 Ca/CTC <30%;
 Alumínio maior que 0,5 cmolc/dm3;
 Saturação por alumínio maior que 20%;
 Saturação por bases (V%) menor que 35%.
Quando aplicar
15
Se o solo tiver pelo menos uma dessas característica é
recomendado a gessagem!!
16
 Método 1: baseado na textura do solo (Souza e Lobato, 2004);
 Culturas anuais: NG = 50 x argila (%);
 Culturas perenes: NG = 75 x argila (%).
Cálculo de gessagem
17
Fonte: Sousa, Lobato, Rein, 2005.
 Método 2: Saturação por bases (V) e CTC nas camadas
subsuperficiais (Vitti et al., 2008);
 NG = [(V2-V1) x CTC] / 500.
Cálculo de gessagem
18
 Método 3: Saturação por bases (V%) e CTC (Demattê,1986).
Cálculo de gessagem
19
Fonte: Demattê, 1986.
 Método 4:Leva em conta CTCef (Caires e Guimarães, 2018);
 Saturação por Ca < 54%;
 ↑ Saturação por Ca para 60% da CTCef;
 NG=(0,6xCTCef – Ca)x6,4;
 CTCef=(Ca+Mg+K+Al).
Cálculo de gessagem
20
 Dados: Argila=23%; V2=50%; V1=28,93%; CTC=30,94.
 1° Método:
 NG= 50 x % Argila;
 NG=50 x 23= 1,15 t/ha.
Calculando
21
 Dados: Argila=23%; V2=50%; V1=28,93%; CTC=30,94.
 2° Método:
 NG= (V2-V1) x CTC/500;
 NG=(50-28,93) x 30,94/500= 1,3 t/ha.
Calculando
22
 Dados: Argila=23%; V2=50%; V1=28,93%; CTC=30,94.
Calculando
23
Fonte: Demattê,1986.
● NG= 1,5 t/ha.
 Dados: Ca=0,8; CTCef=1,14;
 4° Método:
 Saturação por Ca= (Ca/CTCef)x100;
 Saturação por Ca=70%;
NÃO atende o requisito!!!
Calculando
24
Mecanização
25
Fonte: SENAR, 2017. Fonte: SENAR, 2017. Fonte: SENAR, 2017.
● Distribuidor de corretivos de arrasto.
 Catalão – Nutrigesso R$ 97,00 (tonelada);
 R$ 80 a R$150,00;
 Reservar pelo menos um ano antes;
 Planejamento agrícola.
Quanto ao gesso
26
 Gessagem depois da calagem;
 Corrigir a acidez do solo;
 ↑ pH;
 ↓ Adsorção de sulfato.
Quando aplicar?
27
Nunca fazer gessagem antes da calagem!!
 CESB (Comitê Estratégico Soja Brasil).
Curiosidade
28
Fonte: CESB, 2020.
 É um grande aliado do agricultor;
 Embasada em análise de solo criteriosa;
 Não substitui calcário;
 Um custo a mais, porém, melhor produtividade.
Considerações finais
29
 GESSAGEM: Tudo que você precisa saber sobre essa pratica
agrícola. Lavoura10. Disponível em:
<https://blog.aegro.com.br/gessagem/>. Acesso em 09 de outubro
de 2020.
 SOUSA, D.M.G; LOBATO, E; REIN, T.A.; Uso do gesso agrícola
nos solos do cerrado. Disponível em:
<https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/568533/1/ci
rtec32.pdf>. Acesso em: 07 de outubro de 2020.
Referências bibliográficas
30
Unindo conhecimento em prol
Amanda Fernandes Silva
Afernandes@discente.ufg.br
Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Análise de solos
Análise de solosAnálise de solos
Análise de solos
mvezzone
 
Fertilidade do Solo
Fertilidade do SoloFertilidade do Solo
Fertilidade do Solo
Gustavo Avila
 
Tomate
TomateTomate
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
AM Placas Ltda. Placas
 
Substrato
SubstratoSubstrato
Nutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milhoNutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milho
Geagra UFG
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
Geagra UFG
 
1° aula fertilizantes
1° aula   fertilizantes1° aula   fertilizantes
1° aula fertilizantes
Fernanda de Sousa Fernandes
 
Adubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e FoliarAdubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e Foliar
Geagra UFG
 
Nutrição mineral de plantas. O metabolismo do nitrogênio. Parte 2.1 O Enxof...
Nutrição mineral de plantas. O metabolismo do nitrogênio. Parte 2.1   O Enxof...Nutrição mineral de plantas. O metabolismo do nitrogênio. Parte 2.1   O Enxof...
Nutrição mineral de plantas. O metabolismo do nitrogênio. Parte 2.1 O Enxof...
Tiago Firmino Boaventura de Oliveira
 
Fertilidade do solo
Fertilidade do soloFertilidade do solo
Fertilidade do solo
Alfredo Cossa
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIROFENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
Geagra UFG
 
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Geagra UFG
 
Adubação cafeeiro )
Adubação cafeeiro     )Adubação cafeeiro     )
Adubação cafeeiro )
Luis Deleprane
 
Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.
Leandro Araujo
 
11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIOMANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
Geagra UFG
 
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 003
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 003Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 003
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 003
Giovani de Oliveira Arieira
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da soja
Geagra UFG
 
Fitopatologia
FitopatologiaFitopatologia
Fitopatologia
Jadson Belem de Moura
 

Mais procurados (20)

Análise de solos
Análise de solosAnálise de solos
Análise de solos
 
Fertilidade do Solo
Fertilidade do SoloFertilidade do Solo
Fertilidade do Solo
 
Tomate
TomateTomate
Tomate
 
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
 
Substrato
SubstratoSubstrato
Substrato
 
Nutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milhoNutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milho
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
 
1° aula fertilizantes
1° aula   fertilizantes1° aula   fertilizantes
1° aula fertilizantes
 
Adubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e FoliarAdubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e Foliar
 
Nutrição mineral de plantas. O metabolismo do nitrogênio. Parte 2.1 O Enxof...
Nutrição mineral de plantas. O metabolismo do nitrogênio. Parte 2.1   O Enxof...Nutrição mineral de plantas. O metabolismo do nitrogênio. Parte 2.1   O Enxof...
Nutrição mineral de plantas. O metabolismo do nitrogênio. Parte 2.1 O Enxof...
 
Fertilidade do solo
Fertilidade do soloFertilidade do solo
Fertilidade do solo
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIROFENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
 
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
 
Adubação cafeeiro )
Adubação cafeeiro     )Adubação cafeeiro     )
Adubação cafeeiro )
 
Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.
 
11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo
 
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIOMANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
 
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 003
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 003Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 003
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 003
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da soja
 
Fitopatologia
FitopatologiaFitopatologia
Fitopatologia
 

Semelhante a Gessagem

Apostila calcario-02
Apostila calcario-02Apostila calcario-02
Apostila calcario-02
Edu Miranda
 
Calagem e-gessagem-2012
Calagem e-gessagem-2012Calagem e-gessagem-2012
Calagem e-gessagem-2012
MELICIA GAVAZZA
 
Gravimetria dos precipitados, Química analitica
Gravimetria dos precipitados, Química analiticaGravimetria dos precipitados, Química analitica
Gravimetria dos precipitados, Química analitica
Emanuel Fraca
 
Apostila calcario 02
Apostila   calcario 02Apostila   calcario 02
Apostila calcario 02
homertc
 
cana-de-açúcar
cana-de-açúcarcana-de-açúcar
cana-de-açúcar
Djair Felix
 
Metais Pesados em Solos de Áreas Recuperadas
Metais Pesados em Solos de Áreas RecuperadasMetais Pesados em Solos de Áreas Recuperadas
Metais Pesados em Solos de Áreas Recuperadas
Fernando Basquiroto de Souza
 
Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja
Geagra UFG
 
RECOMENDACAO DE ADUBOS CORRETIVOS.pdf
RECOMENDACAO DE ADUBOS CORRETIVOS.pdfRECOMENDACAO DE ADUBOS CORRETIVOS.pdf
RECOMENDACAO DE ADUBOS CORRETIVOS.pdf
AlessonLelis
 
! Aula pratica 4 calagem teorica
! Aula pratica 4 calagem teorica! Aula pratica 4 calagem teorica
! Aula pratica 4 calagem teorica
mano_iker
 
calagem teorica
calagem teoricacalagem teorica
calagem teorica
Rafael Oliveira
 
Novidades na Utilização de Corretivos do Solo - Dr Bernardo Van Raij
Novidades na Utilização de Corretivos do Solo - Dr Bernardo Van RaijNovidades na Utilização de Corretivos do Solo - Dr Bernardo Van Raij
Novidades na Utilização de Corretivos do Solo - Dr Bernardo Van Raij
Revista Cafeicultura
 
56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor
56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor
56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor
Concurseiro De Plantão
 
Aula 12 - Volumetria de Precipitação 2.pptx
Aula 12 - Volumetria de Precipitação 2.pptxAula 12 - Volumetria de Precipitação 2.pptx
Aula 12 - Volumetria de Precipitação 2.pptx
BiancaFerreira586790
 
2 efeito do calcário líquido, cal virgem dolomítica e calcário comum na cor...
2   efeito do calcário líquido, cal virgem dolomítica e calcário comum na cor...2   efeito do calcário líquido, cal virgem dolomítica e calcário comum na cor...
2 efeito do calcário líquido, cal virgem dolomítica e calcário comum na cor...
Fulvio Frias
 
Tipos fertilizantes npk
Tipos fertilizantes npkTipos fertilizantes npk
Tipos fertilizantes npk
Fernanda de Sousa Fernandes
 
Prova fert2011
Prova fert2011Prova fert2011
Apostila de cursinho estequiometria e gases (2)
Apostila de cursinho estequiometria e gases (2)Apostila de cursinho estequiometria e gases (2)
Apostila de cursinho estequiometria e gases (2)
Leonidas3112
 
Leis ponderais 2
Leis ponderais 2Leis ponderais 2
Leis ponderais 2
Charles Qmc
 
Preparo do solo e adubação do sorgo
Preparo do solo e adubação do sorgoPreparo do solo e adubação do sorgo
Preparo do solo e adubação do sorgo
Geagra UFG
 
Gold on Rutile Catalyst for WGS by treatment.ppt
Gold on Rutile Catalyst for WGS by treatment.pptGold on Rutile Catalyst for WGS by treatment.ppt
Gold on Rutile Catalyst for WGS by treatment.ppt
Leonardo Maciel
 

Semelhante a Gessagem (20)

Apostila calcario-02
Apostila calcario-02Apostila calcario-02
Apostila calcario-02
 
Calagem e-gessagem-2012
Calagem e-gessagem-2012Calagem e-gessagem-2012
Calagem e-gessagem-2012
 
Gravimetria dos precipitados, Química analitica
Gravimetria dos precipitados, Química analiticaGravimetria dos precipitados, Química analitica
Gravimetria dos precipitados, Química analitica
 
Apostila calcario 02
Apostila   calcario 02Apostila   calcario 02
Apostila calcario 02
 
cana-de-açúcar
cana-de-açúcarcana-de-açúcar
cana-de-açúcar
 
Metais Pesados em Solos de Áreas Recuperadas
Metais Pesados em Solos de Áreas RecuperadasMetais Pesados em Solos de Áreas Recuperadas
Metais Pesados em Solos de Áreas Recuperadas
 
Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja
 
RECOMENDACAO DE ADUBOS CORRETIVOS.pdf
RECOMENDACAO DE ADUBOS CORRETIVOS.pdfRECOMENDACAO DE ADUBOS CORRETIVOS.pdf
RECOMENDACAO DE ADUBOS CORRETIVOS.pdf
 
! Aula pratica 4 calagem teorica
! Aula pratica 4 calagem teorica! Aula pratica 4 calagem teorica
! Aula pratica 4 calagem teorica
 
calagem teorica
calagem teoricacalagem teorica
calagem teorica
 
Novidades na Utilização de Corretivos do Solo - Dr Bernardo Van Raij
Novidades na Utilização de Corretivos do Solo - Dr Bernardo Van RaijNovidades na Utilização de Corretivos do Solo - Dr Bernardo Van Raij
Novidades na Utilização de Corretivos do Solo - Dr Bernardo Van Raij
 
56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor
56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor
56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor
 
Aula 12 - Volumetria de Precipitação 2.pptx
Aula 12 - Volumetria de Precipitação 2.pptxAula 12 - Volumetria de Precipitação 2.pptx
Aula 12 - Volumetria de Precipitação 2.pptx
 
2 efeito do calcário líquido, cal virgem dolomítica e calcário comum na cor...
2   efeito do calcário líquido, cal virgem dolomítica e calcário comum na cor...2   efeito do calcário líquido, cal virgem dolomítica e calcário comum na cor...
2 efeito do calcário líquido, cal virgem dolomítica e calcário comum na cor...
 
Tipos fertilizantes npk
Tipos fertilizantes npkTipos fertilizantes npk
Tipos fertilizantes npk
 
Prova fert2011
Prova fert2011Prova fert2011
Prova fert2011
 
Apostila de cursinho estequiometria e gases (2)
Apostila de cursinho estequiometria e gases (2)Apostila de cursinho estequiometria e gases (2)
Apostila de cursinho estequiometria e gases (2)
 
Leis ponderais 2
Leis ponderais 2Leis ponderais 2
Leis ponderais 2
 
Preparo do solo e adubação do sorgo
Preparo do solo e adubação do sorgoPreparo do solo e adubação do sorgo
Preparo do solo e adubação do sorgo
 
Gold on Rutile Catalyst for WGS by treatment.ppt
Gold on Rutile Catalyst for WGS by treatment.pptGold on Rutile Catalyst for WGS by treatment.ppt
Gold on Rutile Catalyst for WGS by treatment.ppt
 

Mais de Geagra UFG

Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison TeixeiraMecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Geagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptxMecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
Geagra UFG
 
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptxAPRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
Geagra UFG
 
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
Geagra UFG
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
Geagra UFG
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
Geagra UFG
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Geagra UFG
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
Geagra UFG
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
Geagra UFG
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
Geagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
Geagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison TeixeiraMecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptxMecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
 
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptxAPRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
 
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
 

Gessagem

  • 1. Unindo conhecimento em prol Gessagem Amanda Fernandes Silva
  • 2.  O que é gesso agrícola;  Importância;  Benefícios;  Reação no solo;  Cálculo de gessagem e seus componentes;  Opiniões técnicas;  Conclusão;  Referências bibliográficas. Sumário 2
  • 3.  O gesso (CaSO4.2H2O. – sulfato de cálcio) é um subproduto da indústria de fertilizantes fosfatados;  Reação: Rocha fosfatada+Ácido sulfúrico;  Ácido fosfórico;  1 tonelada de P2O5 → 4 toneladas de CaSO4.2H2O;  Ca (16-20%) e S(13 a 17%). O que é gesso agrícola? 3
  • 4.  Gesso agrícola natural;  Jazidas de gipsita;  Maranhão, Ceará, Rio Grande do Norte e Pernambuco;  Mesma reação no solo;  Fosfogesso mais úmido. O que é gesso agrícola? 4
  • 5.  Não é um corretivo;  O que é um condicionador de solo?  Camadas subsuperficiais;  ↑ Rapidamente às concentrações de Ca2+ e SO42– ;  ↓ Toxidez de alumínio nas plantas;  ↑ O sistema radicular. Importância 5
  • 6. Importância 6 Fonte: Nutrisafra, 2019. Fonte: Embrapa cerrados, 2019.
  • 7.  Fornecer Cálcio e Enxofre;  Neutralização do alumínio;  Maior desenvolvimento do sistema radicular;  Aumenta da resistência das plantas à veranicos. Benefícios 7
  • 10.  Produtividade das culturas anuais, submetidas a veranicos. Benefícios 10 Fonte: Embrapa. 2005.
  • 11.  (0-20)cm;  Altera o pH;  Ca e Mg;  ↑ CTC;  ↑ Ap. de nutrientes.  (20-40)cm;  Neutraliza Al³ ֗;  Ca e S;  ↑ Sistema radicular;  ↑Abs. de água e nutrientes. Calagem ≠ Gessagem 11 Gessagem NÃO substitui a calagem.
  • 12.  1° Dissociação: CaSO4.2H2O Ca+2 + SO4 -2  2° Movimento de íons : Reação no solo 12 H2O SO4 -2 Reage com os cátions Mg, Ca e K. Ca+2 + SO4 -2 → CaSO4 0 Mg+2+ SO4 -2 → MgSO4 0 K++ SO4 -2 → KSO4 - Fonte: SolloAgro, 2019.
  • 13.  3° Complexação do Al;  (AlSO4) é menos tóxicos;  É pouco absorvido pelas plantas;  Precipitação de sulfato de alumínio. Reação no solo 13 Al3+SO4 -2 → AlSO4 -2 ↓ Fonte: SolloAgro, 2019.
  • 14. Reação no solo 14 Fonte: Maissoja, 2015.
  • 15.  Quando na análise do solo apresentar:  Cálcio menor que 0,5 cmolc/dm3;  Ca/CTC <30%;  Alumínio maior que 0,5 cmolc/dm3;  Saturação por alumínio maior que 20%;  Saturação por bases (V%) menor que 35%. Quando aplicar 15 Se o solo tiver pelo menos uma dessas característica é recomendado a gessagem!!
  • 16. 16
  • 17.  Método 1: baseado na textura do solo (Souza e Lobato, 2004);  Culturas anuais: NG = 50 x argila (%);  Culturas perenes: NG = 75 x argila (%). Cálculo de gessagem 17 Fonte: Sousa, Lobato, Rein, 2005.
  • 18.  Método 2: Saturação por bases (V) e CTC nas camadas subsuperficiais (Vitti et al., 2008);  NG = [(V2-V1) x CTC] / 500. Cálculo de gessagem 18
  • 19.  Método 3: Saturação por bases (V%) e CTC (Demattê,1986). Cálculo de gessagem 19 Fonte: Demattê, 1986.
  • 20.  Método 4:Leva em conta CTCef (Caires e Guimarães, 2018);  Saturação por Ca < 54%;  ↑ Saturação por Ca para 60% da CTCef;  NG=(0,6xCTCef – Ca)x6,4;  CTCef=(Ca+Mg+K+Al). Cálculo de gessagem 20
  • 21.  Dados: Argila=23%; V2=50%; V1=28,93%; CTC=30,94.  1° Método:  NG= 50 x % Argila;  NG=50 x 23= 1,15 t/ha. Calculando 21
  • 22.  Dados: Argila=23%; V2=50%; V1=28,93%; CTC=30,94.  2° Método:  NG= (V2-V1) x CTC/500;  NG=(50-28,93) x 30,94/500= 1,3 t/ha. Calculando 22
  • 23.  Dados: Argila=23%; V2=50%; V1=28,93%; CTC=30,94. Calculando 23 Fonte: Demattê,1986. ● NG= 1,5 t/ha.
  • 24.  Dados: Ca=0,8; CTCef=1,14;  4° Método:  Saturação por Ca= (Ca/CTCef)x100;  Saturação por Ca=70%; NÃO atende o requisito!!! Calculando 24
  • 25. Mecanização 25 Fonte: SENAR, 2017. Fonte: SENAR, 2017. Fonte: SENAR, 2017. ● Distribuidor de corretivos de arrasto.
  • 26.  Catalão – Nutrigesso R$ 97,00 (tonelada);  R$ 80 a R$150,00;  Reservar pelo menos um ano antes;  Planejamento agrícola. Quanto ao gesso 26
  • 27.  Gessagem depois da calagem;  Corrigir a acidez do solo;  ↑ pH;  ↓ Adsorção de sulfato. Quando aplicar? 27 Nunca fazer gessagem antes da calagem!!
  • 28.  CESB (Comitê Estratégico Soja Brasil). Curiosidade 28 Fonte: CESB, 2020.
  • 29.  É um grande aliado do agricultor;  Embasada em análise de solo criteriosa;  Não substitui calcário;  Um custo a mais, porém, melhor produtividade. Considerações finais 29
  • 30.  GESSAGEM: Tudo que você precisa saber sobre essa pratica agrícola. Lavoura10. Disponível em: <https://blog.aegro.com.br/gessagem/>. Acesso em 09 de outubro de 2020.  SOUSA, D.M.G; LOBATO, E; REIN, T.A.; Uso do gesso agrícola nos solos do cerrado. Disponível em: <https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/568533/1/ci rtec32.pdf>. Acesso em: 07 de outubro de 2020. Referências bibliográficas 30
  • 31. Unindo conhecimento em prol Amanda Fernandes Silva Afernandes@discente.ufg.br Obrigada!