SlideShare uma empresa Scribd logo
Herbicidas:
Inibidores de
PROTOX, ALS e
EPSPS
Ester Priscila
Sumário
• Introdução;
• Inibidores de PROTOX;
• Inibidores de ALS;
• Inibidores de EPSPS;
• Resistência de Plantas Daninhas.
Introdução
• Inibidores de Protox;
• Inibidores de ALS;
• Inibidores de EPSPS.
Fonte: Agrobase Portugal. Fonte: JornalOTropeiro. Fonte: JornalOTropeiro. Fonte: Pinterest.
• Comportamento no ambiente;
• Mecanismo de resistência;
• Ambiente condicional.
Introdução
Inibidores de PROTOX
Características dos Inibidores de
PROTOX
• Controle de Folhas Largas, Estreita e Ciperáceas;
• Baixa translocação;
• Aplicação em Pré e Pós-Emergência de Plantas
Daninhas;
• Ação dependente da luz;
• Alta adsorção às partículas do solo e resistentes à
lixiviação.
Características dos Inibidores de
PROTOX
•Produtos apresentam seletividade**;
•Ação rápida, 1 a 3 dias;
•Pode apresentar injúrias de moderadas a severas, mesmo
em espécies consideradas tolerantes.
Mecanismo e Modo de Ação
• Inibe a atuação da enzima Protoporfirinogênio
Oxidase (PROTOX);
• Protoporfirogênio Protoporfirina IX
• Acúmulo de Protoporfirogênio;
• Acúmulo de Protoporfirina IX;
• Produção de Oxigênio Singlet.
Mecanismo e Modo de Ação
Fonte:HRAC BR.
Grupos Químicos e Principais
Herbicidas Inibidores de PROTOX
Fonte: Arysta LifeScience .
Mecanismo e Modo de Ação
Planta tratada em pós-emergência:
Inicialmente folhas verde-escuras;
Após necrose foliar.
Pré-Emergência:
Necrose do tecido.
Fonte:ConevajrUFSC.
Produtos Comerciais
• Flex:
• Fomesafen;
• Ação não-sistêmica;
• Folha-larga;
• Feijão e Soja (pós-emergência) e Algodão (pré-
emergência);
• Intervalo de segurança;
• Período mínimo de 150 dias para plantio de milho e sorgo.
• Recomendação: 1 L/ha;
• 97,00 R$/L.
Produtos Comerciais
• Aurora:
• Carfentrazone;
• Ação não-sistêmica;
• Pós-emergência p.d. ;
• Trapoeraba e Corda-de-Viola;
• Diversas culturas;
• Dessecação (pré-colheita).
• Recomendação: 5 ml/ha;
• 36,75 R$/ha
• Flumizin:
• Flumioxazin;
• Ação não-sistêmica;
• Folha-larga e trapoeraba;
• Pré e Pós-emergência plantas daninhas e cultura
comercial;
• Soja e diversas culturas.
• Recomendação: 80-120 g/ha;
• 45 R$/ha.
Produtos Comerciais
Produtos Comerciais
• Cobra:
• Lactofen;
• Ação não-sistêmica;
• Folha-larga e trapoeraba;
• Soja;
• Pós-emergência p.d. e para a cultura.
Mecanismos de Resistência
• Proteção das espécies reativas de oxigênio:
• (1)
• SOD isoenzima presente no estroma e tilacóides;
• Ascorbato;
• Glutationa;
• (2)
• (3)
• Catalase, enzima localizada nos peroxissomos.
Inibidores de ALS
• Folhas largas e Folhas estreitas;
• Altamente efetivos em doses muito baixas;
• Maioria altamente seletiva;
• Persistência no solo;
• Baixo potencial toxicológico;
• Cuidados em relação a Carryover .
Características dos Inibidores
de ALS
• Inibem a atuação da ALS ( Acetolactato Sintase);
• ALS, participa da síntese da Leucina, Isoleucina e
Valina;
•
• Imidazolinonas;
• Sulfoniluréias;
• Triazolopirimidinas.
Mecanismo e Modo de Ação
Fonte: Conevajr UFSC.
Mecanismo e Modo de Ação
Fonte: Conevajr UFSC.
Grupos Químicos e Principais
Herbicidas Inibidores de ALS
Fonte: Arysta LifeScience.
• Paralisação de crescimento;
• Desenvolvimento de clorose internerval;
• Folhas em emergência manchadas e mal formadas;
• Resíduos no solo, inibe crescimento das raízes;
• E/ou arroxeamento foliar.
Mecanismo e Modo de Ação
Fonte: Conevajr UFSC.
• Imazaquim Ultra Nortox:
• Imidazolinonas*;
• Ação Sistêmica;
• Folhas Largas (Pré-emergência)
• Soja (Pré-emergência, após a semeadura);
• Plantio do milho após 300 dias;
• Não rotacionar com algodão.
• Recomendação: 1 L/ha;
• 23,00 R$/há.
Produtos Comerciais
• Clorimuron Master Nortox:
• Sulfoniluréia*;
• Ação Sistêmica;
• Folha larga e trapoeraba(Pós-emergência);
• Pós-emergência da cultura e pré-plantio;
• Período mínimo para realizar plantio de milho,
algodão e trigo.
• Recomendação: 80 g/ha;
• 47,00 R$/ha .
Produtos Comerciais
• Spider:
• Diclosulan;
• Folha larga (Pré-emergência);
• Soja (Pré-emergência, pré-semeadura);
• Não pode haver rotação posterior com girassol, sorgo
nem brássicas.
• Recomendação: 40 g/ha;
• 64,76 R$/ha .
Produtos Comerciais
Atenção às Misturas
• Imidazolinonas (Imazapyr, Imazaquin,
Imazethapyr)** + 2,4D = ERROR;
• Imazaquin + Glifosato;
• Imazethapyr + Glifosato;
• Imazapic + Imazapyr;
• Imazapic + Imazethapyr.
Mecanismos de Resistência
• Conversão rápida a compostos
inativos;
• Mutações da ALS, posições : Ala
122, Pro 197, Ala 205, Asp 376,
Arg 377, Trp 574, Ser 653 e Gly
654 .
Fonte:VetordeMarish,depositphotos.
Inibidores de EPSPS
• Bloqueio da enzima EPSPS;
• Glifosato;
• 1950;
• Herbicida mais utilizado no mundo;
• Amplo espectro de ação;
• Sistêmico;
• Atua apenas em pós-emergência;
• Não residual.
• Não-seletivo?
Inibidores da EPSPS
Mecanismo e Modo de Ação
Fonte: HRAC BR.
Mecanismo de Resistência
•Variabilidade Genética:
•Modificação do sítio de ação;
•Mutações no gene que codifica EPSPS;
•Super expressão de genes responsáveis
pela geração da enzima;
•Sequestro da molécula no apoplasto;
•Translocação do herbicida no
Planta;
Fonte: Vetor de Marish, depositphotos.
Daninhas Resistentes ao Glifosato
• Utilização massiva do
glifosato;
• Eficiência e baixo custo;
• Soja e milho;
• Custos de produção podem
subir em média, de 42 a 222%
- EMBRAPA;
• Doses maiores que as
recomendadas.
Fonte:Syngenta.
Daninhas Resistentes ao Glifosato
• Buva (Conyza bonariensis, C. canadensis e C.
sumatrensis) há registros de resistência também a
inidores da ALS,da PROTOX e FSI;
• Capim Amargoso (Digitaria insularis), também
registros de resistência a inibidores de ACCase;
• Azevém (Lolium multiflorum), ALS e ACCase
também.
Fonte: Fernando Adegas. Fonte: Concenço, Germani. Fonte: Minas Gramados.
Daninhas Resistentes ao Glifosato
• Capim-de-galinha (Eleusine indica), e a inibidores de
ACCase;
• Caruru-palmeri (Amaranthus palmeri), espécies A.
retroflexus e A. viridis, à inibidores de ALS e FSI,
retroflexus a PROTOX também;
Fonte: FNA em Nature Search. Fonte: Arnaldo Borges em IMAMT.
Fonte: Weedscience.org .
Manejo de Resistência
• Limite o número de aplicações de um único
mecanismo de ação;
• Aplique os herbicidas nas doses de registro e no
estágio de desenvolvimento da planta daninha
recomendado na bula;
• Utilize práticas alternativas de manejo de plantas
daninhas;
• Monitore os campos após a aplicação de herbicidas.
Obrigada!
Ester Priscila
Ester-pr@hotmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
Geagra UFG
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
Geagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
Geagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
CETEP, FTC, FASA..
 
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Geagra UFG
 
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptx
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptxMecanismo de Ação dos Fungicidas .pptx
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptx
Geagra UFG
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
Geagra UFG
 
Inseticidas
InseticidasInseticidas
Inseticidas
Geagra UFG
 
Posicionamento de inseticidas na cultura da soja
Posicionamento de inseticidas na cultura da sojaPosicionamento de inseticidas na cultura da soja
Posicionamento de inseticidas na cultura da soja
Geagra UFG
 
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de DesenvolveComo a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
Geagra UFG
 
Fungicidas
FungicidasFungicidas
Fungicidas
Geagra UFG
 
Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.
Geagra UFG
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro
Geagra UFG
 
Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da Soja
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidasMecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidas
Geagra UFG
 
Aplicação de Herbicidas no Milho
Aplicação de Herbicidas no MilhoAplicação de Herbicidas no Milho
Aplicação de Herbicidas no Milho
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidasMecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidas
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
 
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
 
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptx
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptxMecanismo de Ação dos Fungicidas .pptx
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptx
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
 
Inseticidas
InseticidasInseticidas
Inseticidas
 
Posicionamento de inseticidas na cultura da soja
Posicionamento de inseticidas na cultura da sojaPosicionamento de inseticidas na cultura da soja
Posicionamento de inseticidas na cultura da soja
 
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de DesenvolveComo a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
 
Fungicidas
FungicidasFungicidas
Fungicidas
 
Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
 
Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro
 
Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da Soja
 
Mecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidasMecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidas
 
Aplicação de Herbicidas no Milho
Aplicação de Herbicidas no MilhoAplicação de Herbicidas no Milho
Aplicação de Herbicidas no Milho
 
Mecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidasMecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidas
 

Semelhante a HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )

Herbicidas inibidores da_als_protox_e_auxina
Herbicidas inibidores da_als_protox_e_auxinaHerbicidas inibidores da_als_protox_e_auxina
Herbicidas inibidores da_als_protox_e_auxina
GETA - UFG
 
Inseticidas: reguladores de crescimento e organofosforado
Inseticidas: reguladores de crescimento e organofosforadoInseticidas: reguladores de crescimento e organofosforado
Inseticidas: reguladores de crescimento e organofosforado
GETA - UFG
 
Ectoparasiticidas
EctoparasiticidasEctoparasiticidas
Ectoparasiticidas
Arthur Crimson
 
FARMACOLOGIA APLICADA A GERIATRIA AMBULATORIAL - 1.pdf
FARMACOLOGIA APLICADA A GERIATRIA AMBULATORIAL - 1.pdfFARMACOLOGIA APLICADA A GERIATRIA AMBULATORIAL - 1.pdf
FARMACOLOGIA APLICADA A GERIATRIA AMBULATORIAL - 1.pdf
Humberto Amadori
 
Longevidade
LongevidadeLongevidade
Longevidade
Deborah Gonçalves
 
Fitohormônios - Estrigolactonas
Fitohormônios - EstrigolactonasFitohormônios - Estrigolactonas
Anti-Fúngicos.pptx
Anti-Fúngicos.pptxAnti-Fúngicos.pptx
Anti-Fúngicos.pptx
derDaniel4
 
Apresentação1 (1)
Apresentação1 (1)Apresentação1 (1)
Apresentação1 (1)
Marina Lopes
 
Aulauergs 120606185224-phpapp02
Aulauergs 120606185224-phpapp02Aulauergs 120606185224-phpapp02
Aulauergs 120606185224-phpapp02
Leriaagro
 
Anabolizantes (1)
Anabolizantes (1)Anabolizantes (1)
Anabolizantes (1)
dalvinhabiomania
 
Hormônios vegetais e suas principais funções
Hormônios vegetais e suas principais funçõesHormônios vegetais e suas principais funções
Hormônios vegetais e suas principais funções
camilasantos195061
 
Estudos de geriatria em cães
Estudos de geriatria em cãesEstudos de geriatria em cães
Estudos de geriatria em cães
Leonora Mello
 
farmacologia macrolídeos slaids sobre osantibioticos mais utilizado na farmac...
farmacologia macrolídeos slaids sobre osantibioticos mais utilizado na farmac...farmacologia macrolídeos slaids sobre osantibioticos mais utilizado na farmac...
farmacologia macrolídeos slaids sobre osantibioticos mais utilizado na farmac...
DarlenyPereira1
 
Aula1 proteinas
Aula1 proteinasAula1 proteinas
Aula1 proteinas
Adila Trubat
 
ICSA29 - Proteínas plasmáticas
ICSA29 - Proteínas plasmáticasICSA29 - Proteínas plasmáticas
ICSA29 - Proteínas plasmáticas
Ricardo Portela
 
aula1-plantasmedicinais.pdf
aula1-plantasmedicinais.pdfaula1-plantasmedicinais.pdf
aula1-plantasmedicinais.pdf
FrancielleSampaio1
 
09-22-18-aula1-plantasmedicinais.pdf
09-22-18-aula1-plantasmedicinais.pdf09-22-18-aula1-plantasmedicinais.pdf
09-22-18-aula1-plantasmedicinais.pdf
ThiagoMenezes85
 
02 etiopatogãšnese das lesã•es
02 etiopatogãšnese das lesã•es02 etiopatogãšnese das lesã•es
02 etiopatogãšnese das lesã•es
Gildo Crispim
 
farmacodinamica.pdf
farmacodinamica.pdffarmacodinamica.pdf
farmacodinamica.pdf
IngridSoares59
 
corticosteróides 2018 (3).pptx
corticosteróides 2018 (3).pptxcorticosteróides 2018 (3).pptx
corticosteróides 2018 (3).pptx
JAQUELINE549534
 

Semelhante a HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS ) (20)

Herbicidas inibidores da_als_protox_e_auxina
Herbicidas inibidores da_als_protox_e_auxinaHerbicidas inibidores da_als_protox_e_auxina
Herbicidas inibidores da_als_protox_e_auxina
 
Inseticidas: reguladores de crescimento e organofosforado
Inseticidas: reguladores de crescimento e organofosforadoInseticidas: reguladores de crescimento e organofosforado
Inseticidas: reguladores de crescimento e organofosforado
 
Ectoparasiticidas
EctoparasiticidasEctoparasiticidas
Ectoparasiticidas
 
FARMACOLOGIA APLICADA A GERIATRIA AMBULATORIAL - 1.pdf
FARMACOLOGIA APLICADA A GERIATRIA AMBULATORIAL - 1.pdfFARMACOLOGIA APLICADA A GERIATRIA AMBULATORIAL - 1.pdf
FARMACOLOGIA APLICADA A GERIATRIA AMBULATORIAL - 1.pdf
 
Longevidade
LongevidadeLongevidade
Longevidade
 
Fitohormônios - Estrigolactonas
Fitohormônios - EstrigolactonasFitohormônios - Estrigolactonas
Fitohormônios - Estrigolactonas
 
Anti-Fúngicos.pptx
Anti-Fúngicos.pptxAnti-Fúngicos.pptx
Anti-Fúngicos.pptx
 
Apresentação1 (1)
Apresentação1 (1)Apresentação1 (1)
Apresentação1 (1)
 
Aulauergs 120606185224-phpapp02
Aulauergs 120606185224-phpapp02Aulauergs 120606185224-phpapp02
Aulauergs 120606185224-phpapp02
 
Anabolizantes (1)
Anabolizantes (1)Anabolizantes (1)
Anabolizantes (1)
 
Hormônios vegetais e suas principais funções
Hormônios vegetais e suas principais funçõesHormônios vegetais e suas principais funções
Hormônios vegetais e suas principais funções
 
Estudos de geriatria em cães
Estudos de geriatria em cãesEstudos de geriatria em cães
Estudos de geriatria em cães
 
farmacologia macrolídeos slaids sobre osantibioticos mais utilizado na farmac...
farmacologia macrolídeos slaids sobre osantibioticos mais utilizado na farmac...farmacologia macrolídeos slaids sobre osantibioticos mais utilizado na farmac...
farmacologia macrolídeos slaids sobre osantibioticos mais utilizado na farmac...
 
Aula1 proteinas
Aula1 proteinasAula1 proteinas
Aula1 proteinas
 
ICSA29 - Proteínas plasmáticas
ICSA29 - Proteínas plasmáticasICSA29 - Proteínas plasmáticas
ICSA29 - Proteínas plasmáticas
 
aula1-plantasmedicinais.pdf
aula1-plantasmedicinais.pdfaula1-plantasmedicinais.pdf
aula1-plantasmedicinais.pdf
 
09-22-18-aula1-plantasmedicinais.pdf
09-22-18-aula1-plantasmedicinais.pdf09-22-18-aula1-plantasmedicinais.pdf
09-22-18-aula1-plantasmedicinais.pdf
 
02 etiopatogãšnese das lesã•es
02 etiopatogãšnese das lesã•es02 etiopatogãšnese das lesã•es
02 etiopatogãšnese das lesã•es
 
farmacodinamica.pdf
farmacodinamica.pdffarmacodinamica.pdf
farmacodinamica.pdf
 
corticosteróides 2018 (3).pptx
corticosteróides 2018 (3).pptxcorticosteróides 2018 (3).pptx
corticosteróides 2018 (3).pptx
 

Mais de Geagra UFG

Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison TeixeiraMecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Geagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptxMecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
Geagra UFG
 
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptxAPRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
Geagra UFG
 
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
Geagra UFG
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
Geagra UFG
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
Geagra UFG
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Geagra UFG
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
Geagra UFG
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
Geagra UFG
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
Geagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
Geagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison TeixeiraMecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptxMecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
Mecanismo de ação dos herbicidas slide.pptx
 
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptxAPRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
 
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
 

Último

Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptxConcreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
BuscaApto
 
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdfPurificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Claudinei Machado
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Vias & Rodovias
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Vias & Rodovias
 
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
YgorRodrigues11
 
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdfApostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Elpidiotapejara
 
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso PraticoTerraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Vias & Rodovias
 

Último (7)

Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptxConcreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
 
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdfPurificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
 
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
 
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdfApostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
 
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso PraticoTerraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
 

HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )

  • 1. Herbicidas: Inibidores de PROTOX, ALS e EPSPS Ester Priscila
  • 2. Sumário • Introdução; • Inibidores de PROTOX; • Inibidores de ALS; • Inibidores de EPSPS; • Resistência de Plantas Daninhas.
  • 3. Introdução • Inibidores de Protox; • Inibidores de ALS; • Inibidores de EPSPS. Fonte: Agrobase Portugal. Fonte: JornalOTropeiro. Fonte: JornalOTropeiro. Fonte: Pinterest.
  • 4. • Comportamento no ambiente; • Mecanismo de resistência; • Ambiente condicional. Introdução
  • 6. Características dos Inibidores de PROTOX • Controle de Folhas Largas, Estreita e Ciperáceas; • Baixa translocação; • Aplicação em Pré e Pós-Emergência de Plantas Daninhas; • Ação dependente da luz; • Alta adsorção às partículas do solo e resistentes à lixiviação.
  • 7. Características dos Inibidores de PROTOX •Produtos apresentam seletividade**; •Ação rápida, 1 a 3 dias; •Pode apresentar injúrias de moderadas a severas, mesmo em espécies consideradas tolerantes.
  • 8. Mecanismo e Modo de Ação • Inibe a atuação da enzima Protoporfirinogênio Oxidase (PROTOX); • Protoporfirogênio Protoporfirina IX • Acúmulo de Protoporfirogênio; • Acúmulo de Protoporfirina IX; • Produção de Oxigênio Singlet.
  • 9. Mecanismo e Modo de Ação Fonte:HRAC BR.
  • 10. Grupos Químicos e Principais Herbicidas Inibidores de PROTOX Fonte: Arysta LifeScience .
  • 11. Mecanismo e Modo de Ação Planta tratada em pós-emergência: Inicialmente folhas verde-escuras; Após necrose foliar. Pré-Emergência: Necrose do tecido. Fonte:ConevajrUFSC.
  • 12. Produtos Comerciais • Flex: • Fomesafen; • Ação não-sistêmica; • Folha-larga; • Feijão e Soja (pós-emergência) e Algodão (pré- emergência); • Intervalo de segurança; • Período mínimo de 150 dias para plantio de milho e sorgo. • Recomendação: 1 L/ha; • 97,00 R$/L.
  • 13. Produtos Comerciais • Aurora: • Carfentrazone; • Ação não-sistêmica; • Pós-emergência p.d. ; • Trapoeraba e Corda-de-Viola; • Diversas culturas; • Dessecação (pré-colheita). • Recomendação: 5 ml/ha; • 36,75 R$/ha
  • 14. • Flumizin: • Flumioxazin; • Ação não-sistêmica; • Folha-larga e trapoeraba; • Pré e Pós-emergência plantas daninhas e cultura comercial; • Soja e diversas culturas. • Recomendação: 80-120 g/ha; • 45 R$/ha. Produtos Comerciais
  • 15. Produtos Comerciais • Cobra: • Lactofen; • Ação não-sistêmica; • Folha-larga e trapoeraba; • Soja; • Pós-emergência p.d. e para a cultura.
  • 16. Mecanismos de Resistência • Proteção das espécies reativas de oxigênio: • (1) • SOD isoenzima presente no estroma e tilacóides; • Ascorbato; • Glutationa; • (2)
  • 17. • (3) • Catalase, enzima localizada nos peroxissomos.
  • 19. • Folhas largas e Folhas estreitas; • Altamente efetivos em doses muito baixas; • Maioria altamente seletiva; • Persistência no solo; • Baixo potencial toxicológico; • Cuidados em relação a Carryover . Características dos Inibidores de ALS
  • 20. • Inibem a atuação da ALS ( Acetolactato Sintase); • ALS, participa da síntese da Leucina, Isoleucina e Valina; • • Imidazolinonas; • Sulfoniluréias; • Triazolopirimidinas. Mecanismo e Modo de Ação Fonte: Conevajr UFSC.
  • 21. Mecanismo e Modo de Ação Fonte: Conevajr UFSC.
  • 22. Grupos Químicos e Principais Herbicidas Inibidores de ALS Fonte: Arysta LifeScience.
  • 23. • Paralisação de crescimento; • Desenvolvimento de clorose internerval; • Folhas em emergência manchadas e mal formadas; • Resíduos no solo, inibe crescimento das raízes; • E/ou arroxeamento foliar. Mecanismo e Modo de Ação Fonte: Conevajr UFSC.
  • 24. • Imazaquim Ultra Nortox: • Imidazolinonas*; • Ação Sistêmica; • Folhas Largas (Pré-emergência) • Soja (Pré-emergência, após a semeadura); • Plantio do milho após 300 dias; • Não rotacionar com algodão. • Recomendação: 1 L/ha; • 23,00 R$/há. Produtos Comerciais
  • 25. • Clorimuron Master Nortox: • Sulfoniluréia*; • Ação Sistêmica; • Folha larga e trapoeraba(Pós-emergência); • Pós-emergência da cultura e pré-plantio; • Período mínimo para realizar plantio de milho, algodão e trigo. • Recomendação: 80 g/ha; • 47,00 R$/ha . Produtos Comerciais
  • 26. • Spider: • Diclosulan; • Folha larga (Pré-emergência); • Soja (Pré-emergência, pré-semeadura); • Não pode haver rotação posterior com girassol, sorgo nem brássicas. • Recomendação: 40 g/ha; • 64,76 R$/ha . Produtos Comerciais
  • 27. Atenção às Misturas • Imidazolinonas (Imazapyr, Imazaquin, Imazethapyr)** + 2,4D = ERROR; • Imazaquin + Glifosato; • Imazethapyr + Glifosato; • Imazapic + Imazapyr; • Imazapic + Imazethapyr.
  • 28. Mecanismos de Resistência • Conversão rápida a compostos inativos; • Mutações da ALS, posições : Ala 122, Pro 197, Ala 205, Asp 376, Arg 377, Trp 574, Ser 653 e Gly 654 . Fonte:VetordeMarish,depositphotos.
  • 30. • Bloqueio da enzima EPSPS; • Glifosato; • 1950; • Herbicida mais utilizado no mundo; • Amplo espectro de ação; • Sistêmico; • Atua apenas em pós-emergência; • Não residual. • Não-seletivo? Inibidores da EPSPS
  • 31. Mecanismo e Modo de Ação Fonte: HRAC BR.
  • 32. Mecanismo de Resistência •Variabilidade Genética: •Modificação do sítio de ação; •Mutações no gene que codifica EPSPS; •Super expressão de genes responsáveis pela geração da enzima; •Sequestro da molécula no apoplasto; •Translocação do herbicida no Planta; Fonte: Vetor de Marish, depositphotos.
  • 33. Daninhas Resistentes ao Glifosato • Utilização massiva do glifosato; • Eficiência e baixo custo; • Soja e milho; • Custos de produção podem subir em média, de 42 a 222% - EMBRAPA; • Doses maiores que as recomendadas. Fonte:Syngenta.
  • 34. Daninhas Resistentes ao Glifosato • Buva (Conyza bonariensis, C. canadensis e C. sumatrensis) há registros de resistência também a inidores da ALS,da PROTOX e FSI; • Capim Amargoso (Digitaria insularis), também registros de resistência a inibidores de ACCase; • Azevém (Lolium multiflorum), ALS e ACCase também. Fonte: Fernando Adegas. Fonte: Concenço, Germani. Fonte: Minas Gramados.
  • 35. Daninhas Resistentes ao Glifosato • Capim-de-galinha (Eleusine indica), e a inibidores de ACCase; • Caruru-palmeri (Amaranthus palmeri), espécies A. retroflexus e A. viridis, à inibidores de ALS e FSI, retroflexus a PROTOX também; Fonte: FNA em Nature Search. Fonte: Arnaldo Borges em IMAMT.
  • 37. Manejo de Resistência • Limite o número de aplicações de um único mecanismo de ação; • Aplique os herbicidas nas doses de registro e no estágio de desenvolvimento da planta daninha recomendado na bula; • Utilize práticas alternativas de manejo de plantas daninhas; • Monitore os campos após a aplicação de herbicidas.