SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO
FACULDADE DE AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA
DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA E FITOSSANIDADE

Discentes: Amanda Ribeiro Correa
Maicon Bonatto
Docente: Aluísio Brigido Borba Filho
• Cerrado → problemas com acidez (excesso de Al e baixos
teores de Ca e Mg)
• 70% dos solos brasileiros
possuem acidez excessiva
Intemperismo
Correção da acidez do solo
→ aplicação no solo de materiais que neutralizam a acidez

↘

↙

+
↓
H2O

CaCo3, MgCo3 → Ca2+ + Mg2++Co32-

Co32-+H2O ↚ H Co3-+OHReação de Neutralização do solo com Calcário
Carbonatos de cálcio e magnésio

Óxidos e hidróxidos de cálcio e magnésio
Escórias de siderurgia
Calcário calcinado
Calcário “filler”
Margas
Magnesitas
• Insolubilização de Al e Mn tóxicos
• Fornecimento de Ca e Mg

• Aumento da disponibilidade e aproveitamento de nutrientes
• Aumento da atividade microbiana na decomposição da matéria
orgânica e fixação do N
• Diminuição da fixação de P
• Aumento da eficiência dos fertilizantes
Na qualidade do calcário deve-se considerar:
- Capacidade de neutralizar a acidez = PN ou VN
- Reatividade = ER ou RE (granulometria)

- Poder reativo de neutralização total = PRNT
- Conteúdo de Mg
Cálculo do PN:

RE
Legislação específica determina que:
95% do produto moído deve passar na peneira de 2 mm
(ABNT n° 10)
70% deve passar pela peneira de 0,84 mm (ABNT n° 20)
50% deve passar pela peneira de 0,30 mm (ABNT n° 50)
RE
Material retido na peneira ABNT:

n°>10 (>2mm)(A) contribui com 0% de reatividade
n° 10-20 (2-0,84 mm)(B) contribui com 20% de reatividade
n° 20-50 (0,84-0,30 mm) (C) contribui com 60% de reatividade
Material que passou pela peneira 50(D) contribui com 100% de
reatividade
PRNT

Pela legislação brasileira os calcários para serem
comercializados tem que ter valores mínimos:
PN = 67%
PRNT = 45%
CaO + MgO = 38%
Calagem e gessagem
Método do índice SMP (RS e SC)
Método do Al trocável, Ca e Mg (ES, MT, MG, MS, GO)

Método da saturação por bases (SP, MT, etc.)

→ Os métodos recomendam calcário considerando:
PRNT = 100%
Profundidade de incorporação 0-20 cm
em t/ha
Método do Al trocável, Ca e Mg
→ Teores de argila > 20%
NC (t.ha-1) = Al3+ x 2 + [2 - (Ca2+ + Mg2+)]

→ Teores de argila < 20%
NC (t.ha-1) = (2 x Al) valor
NC (t.ha-1) = [2 - (Ca + Mg)]

Método da saturação por bases (V%)
Deve ser jogado a lanço em toda a área de maneira homogênea
Após a implantação da cultura a aplicação deve ser feita em
cobertura
Pode ser feita em sulco de plantio ou
faixas para suprir Ca e Mg

Pode ser feita manual ou
Mecanicamente
Incorporação de 0-20 cm
Quando a distribuição do calcário for desuniforme, a sua
incorporação, por melhor que seja, não corrigirá esse defeito.
→Final do período chuvoso, anterior ao plantio
→Início da estação chuvosa, antes do plantio

O ideal é aplicar 2-3 meses antes do plantio
Deve ser aplicado em dose única
a) Definição da dose:
Análise química do solo
Método utilizado
Cultura e variedade
b)Aplicação do corretivo
Época de aplicação
Localização/homogeneidade
Profundidade de incorporação

c)Características do corretivo
Teor de Mgo
Reatividade
PRNT
Efeito residual
Calagem e gessagem
→ O uso do gesso começou na década de 70
→ Comparação de fontes de fosfatos (super simples e super
triplo)
→ Para cada tonelada de P são produzidos de 9,8 t até 11,9 t
de gesso
Características químicas do solo em profundidade e desenvolvimento radicular da cultura
do milho, em função da aplicação de duas fontes de fósforo em um Latossolo Vermelho
Escuro

Fonte: Ritchey e outros (1980)
CaSo4.2H2O

{

CaO = 26-28%
S = 15-16%

Subproduto da indústria de fosfatados:
Fosfato natural
Objetivos :
Elevar V%
Neutralizar Al tóxico

Logo:
Crescimento da raiz
Absorção de água e nutrientes
Tolerância a veranicos
Calagem e gessagem
Calagem e gessagem
Calagem e gessagem
Calagem e gessagem
Culturas anuais

Culturas perenes
•Amostragem do solo nas profundidades de 20-40 cm e 40-60
• Culturas perenes de 60-80

Se :
→m% ≥ 20
→Ca ≤ 5 cmolc/dm3
Há probabilidade de resposta ao gesso
Conhecer o teor de argila
Culturas anuais

Culturas perenes
→ A lanço
→ Antes ou depois do calcário

→ Incorporado ou não
Calagem e gessagem
Calagem e gessagem

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fertilidade do Solo
Fertilidade do SoloFertilidade do Solo
Fertilidade do Solo
Gustavo Avila
 
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
AM Placas Ltda. Placas
 
FÓSFORO - P em solo e planta em condições do cerrado.
FÓSFORO - P em solo e planta em condições do cerrado.FÓSFORO - P em solo e planta em condições do cerrado.
FÓSFORO - P em solo e planta em condições do cerrado.
GETA - UFG
 
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIOMANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
Geagra UFG
 
Adubação
AdubaçãoAdubação
Nutrição e adubação do algodoeiro
Nutrição e adubação do algodoeiroNutrição e adubação do algodoeiro
Nutrição e adubação do algodoeiro
Geagra UFG
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
Geagra UFG
 
Aula 9 fertilidade dos solos
Aula 9   fertilidade dos solosAula 9   fertilidade dos solos
Aula 9 fertilidade dos solos
Jadson Belem de Moura
 
Col.agro 1 calculo da necessidade de calagem
Col.agro 1 calculo da necessidade de calagemCol.agro 1 calculo da necessidade de calagem
Col.agro 1 calculo da necessidade de calagem
gastao ney monte braga
 
Nutrição vegetal
Nutrição vegetalNutrição vegetal
Nutrição vegetal
Wilgner Landemberger
 
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Ariana Francielle
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
Geagra UFG
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
Lafaiete Sousa
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
Killer Max
 
Fertilidade do solo
Fertilidade do soloFertilidade do solo
Fertilidade do solo
Alfredo Cossa
 
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoFenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Geagra UFG
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
Geagra UFG
 
Agricultura geral aula 1 de_adubacao
Agricultura geral aula 1 de_adubacaoAgricultura geral aula 1 de_adubacao
Agricultura geral aula 1 de_adubacao
Emanuel Malai
 
Fertilizantes: Formulação e legislação
Fertilizantes: Formulação e legislaçãoFertilizantes: Formulação e legislação
Fertilizantes: Formulação e legislação
João Neto
 
Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Fertilidade do Solo
Fertilidade do SoloFertilidade do Solo
Fertilidade do Solo
 
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
 
FÓSFORO - P em solo e planta em condições do cerrado.
FÓSFORO - P em solo e planta em condições do cerrado.FÓSFORO - P em solo e planta em condições do cerrado.
FÓSFORO - P em solo e planta em condições do cerrado.
 
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIOMANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
 
Adubação
AdubaçãoAdubação
Adubação
 
Nutrição e adubação do algodoeiro
Nutrição e adubação do algodoeiroNutrição e adubação do algodoeiro
Nutrição e adubação do algodoeiro
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
 
Aula 9 fertilidade dos solos
Aula 9   fertilidade dos solosAula 9   fertilidade dos solos
Aula 9 fertilidade dos solos
 
Col.agro 1 calculo da necessidade de calagem
Col.agro 1 calculo da necessidade de calagemCol.agro 1 calculo da necessidade de calagem
Col.agro 1 calculo da necessidade de calagem
 
Nutrição vegetal
Nutrição vegetalNutrição vegetal
Nutrição vegetal
 
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
 
Fertilidade do solo
Fertilidade do soloFertilidade do solo
Fertilidade do solo
 
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoFenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
 
Agricultura geral aula 1 de_adubacao
Agricultura geral aula 1 de_adubacaoAgricultura geral aula 1 de_adubacao
Agricultura geral aula 1 de_adubacao
 
Fertilizantes: Formulação e legislação
Fertilizantes: Formulação e legislaçãoFertilizantes: Formulação e legislação
Fertilizantes: Formulação e legislação
 
Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.
 

Semelhante a Calagem e gessagem

Adubacao de pastagens para altos rendimentos
Adubacao de pastagens para altos rendimentosAdubacao de pastagens para altos rendimentos
Adubacao de pastagens para altos rendimentos
JailsonSilvaSousa
 
cana-de-açúcar
cana-de-açúcarcana-de-açúcar
cana-de-açúcar
Djair Felix
 
Calagem e-gessagem-2012
Calagem e-gessagem-2012Calagem e-gessagem-2012
Calagem e-gessagem-2012
MELICIA GAVAZZA
 
Práticas agrícolas relacionadas à calagem do solo.pdf
Práticas agrícolas relacionadas à calagem do solo.pdfPráticas agrícolas relacionadas à calagem do solo.pdf
Práticas agrícolas relacionadas à calagem do solo.pdf
AnoChesi
 
Gessagem, Calagem e Acidez na Agricultura Engº Agrº João Luiz Bonfim Fzea-USP
Gessagem, Calagem e Acidez na Agricultura   Engº Agrº João Luiz Bonfim Fzea-USPGessagem, Calagem e Acidez na Agricultura   Engº Agrº João Luiz Bonfim Fzea-USP
Gessagem, Calagem e Acidez na Agricultura Engº Agrº João Luiz Bonfim Fzea-USP
João Bonfim
 
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRAPalestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
CETEP, FTC, FASA..
 
Recomendação de calagem e adubação mineral
Recomendação de calagem e adubação mineralRecomendação de calagem e adubação mineral
Recomendação de calagem e adubação mineral
Leidiane Fernandes
 
2 seminário - Micronutrientes (1).pptx
2 seminário - Micronutrientes (1).pptx2 seminário - Micronutrientes (1).pptx
2 seminário - Micronutrientes (1).pptx
WandercleysonSilva2
 
Adubação cafeeiro )
Adubação cafeeiro     )Adubação cafeeiro     )
Adubação cafeeiro )
Luis Deleprane
 
Análise de Solo e Recomendação para a cultura do milho (Safrinha)
Análise de Solo e Recomendação para a cultura do milho (Safrinha)Análise de Solo e Recomendação para a cultura do milho (Safrinha)
Análise de Solo e Recomendação para a cultura do milho (Safrinha)
Geagra UFG
 
Fertilidade e nutrição na cultura da soja
Fertilidade e nutrição na cultura da sojaFertilidade e nutrição na cultura da soja
Fertilidade e nutrição na cultura da soja
IFRO
 
Metais Pesados em Solos de Áreas Recuperadas
Metais Pesados em Solos de Áreas RecuperadasMetais Pesados em Solos de Áreas Recuperadas
Metais Pesados em Solos de Áreas Recuperadas
Fernando Basquiroto de Souza
 
João Herbert
João HerbertJoão Herbert
João Herbert
santofabio
 
Diagnóstico Nutricional E Adubação Da Videira Niagara Rosada
Diagnóstico Nutricional E Adubação Da Videira Niagara RosadaDiagnóstico Nutricional E Adubação Da Videira Niagara Rosada
Diagnóstico Nutricional E Adubação Da Videira Niagara Rosada
Agricultura Sao Paulo
 
Fertilidade do solo potássio
Fertilidade do solo   potássioFertilidade do solo   potássio
Fertilidade do solo potássio
Lindomar Souza Machado
 
Aula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lll
Aula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lllAula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lll
Aula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lll
Homero Alves de Lima
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na soja
Geagra UFG
 
Apostila calcario-02
Apostila calcario-02Apostila calcario-02
Apostila calcario-02
Edu Miranda
 
Rotacao de culturas 2
Rotacao de culturas 2 Rotacao de culturas 2
Rotacao de culturas 2
mvezzone
 
Slide tcc ii aproveitamento de rejeitos de magnesita
Slide tcc ii aproveitamento de rejeitos de magnesitaSlide tcc ii aproveitamento de rejeitos de magnesita
Slide tcc ii aproveitamento de rejeitos de magnesita
Ramon Dutra Lobo Lobo
 

Semelhante a Calagem e gessagem (20)

Adubacao de pastagens para altos rendimentos
Adubacao de pastagens para altos rendimentosAdubacao de pastagens para altos rendimentos
Adubacao de pastagens para altos rendimentos
 
cana-de-açúcar
cana-de-açúcarcana-de-açúcar
cana-de-açúcar
 
Calagem e-gessagem-2012
Calagem e-gessagem-2012Calagem e-gessagem-2012
Calagem e-gessagem-2012
 
Práticas agrícolas relacionadas à calagem do solo.pdf
Práticas agrícolas relacionadas à calagem do solo.pdfPráticas agrícolas relacionadas à calagem do solo.pdf
Práticas agrícolas relacionadas à calagem do solo.pdf
 
Gessagem, Calagem e Acidez na Agricultura Engº Agrº João Luiz Bonfim Fzea-USP
Gessagem, Calagem e Acidez na Agricultura   Engº Agrº João Luiz Bonfim Fzea-USPGessagem, Calagem e Acidez na Agricultura   Engº Agrº João Luiz Bonfim Fzea-USP
Gessagem, Calagem e Acidez na Agricultura Engº Agrº João Luiz Bonfim Fzea-USP
 
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRAPalestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
 
Recomendação de calagem e adubação mineral
Recomendação de calagem e adubação mineralRecomendação de calagem e adubação mineral
Recomendação de calagem e adubação mineral
 
2 seminário - Micronutrientes (1).pptx
2 seminário - Micronutrientes (1).pptx2 seminário - Micronutrientes (1).pptx
2 seminário - Micronutrientes (1).pptx
 
Adubação cafeeiro )
Adubação cafeeiro     )Adubação cafeeiro     )
Adubação cafeeiro )
 
Análise de Solo e Recomendação para a cultura do milho (Safrinha)
Análise de Solo e Recomendação para a cultura do milho (Safrinha)Análise de Solo e Recomendação para a cultura do milho (Safrinha)
Análise de Solo e Recomendação para a cultura do milho (Safrinha)
 
Fertilidade e nutrição na cultura da soja
Fertilidade e nutrição na cultura da sojaFertilidade e nutrição na cultura da soja
Fertilidade e nutrição na cultura da soja
 
Metais Pesados em Solos de Áreas Recuperadas
Metais Pesados em Solos de Áreas RecuperadasMetais Pesados em Solos de Áreas Recuperadas
Metais Pesados em Solos de Áreas Recuperadas
 
João Herbert
João HerbertJoão Herbert
João Herbert
 
Diagnóstico Nutricional E Adubação Da Videira Niagara Rosada
Diagnóstico Nutricional E Adubação Da Videira Niagara RosadaDiagnóstico Nutricional E Adubação Da Videira Niagara Rosada
Diagnóstico Nutricional E Adubação Da Videira Niagara Rosada
 
Fertilidade do solo potássio
Fertilidade do solo   potássioFertilidade do solo   potássio
Fertilidade do solo potássio
 
Aula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lll
Aula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lllAula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lll
Aula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lll
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na soja
 
Apostila calcario-02
Apostila calcario-02Apostila calcario-02
Apostila calcario-02
 
Rotacao de culturas 2
Rotacao de culturas 2 Rotacao de culturas 2
Rotacao de culturas 2
 
Slide tcc ii aproveitamento de rejeitos de magnesita
Slide tcc ii aproveitamento de rejeitos de magnesitaSlide tcc ii aproveitamento de rejeitos de magnesita
Slide tcc ii aproveitamento de rejeitos de magnesita
 

Último

Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 

Calagem e gessagem

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA E FITOSSANIDADE Discentes: Amanda Ribeiro Correa Maicon Bonatto Docente: Aluísio Brigido Borba Filho
  • 2. • Cerrado → problemas com acidez (excesso de Al e baixos teores de Ca e Mg) • 70% dos solos brasileiros possuem acidez excessiva Intemperismo
  • 3. Correção da acidez do solo → aplicação no solo de materiais que neutralizam a acidez ↘ ↙ + ↓
  • 4. H2O CaCo3, MgCo3 → Ca2+ + Mg2++Co32- Co32-+H2O ↚ H Co3-+OHReação de Neutralização do solo com Calcário
  • 5. Carbonatos de cálcio e magnésio Óxidos e hidróxidos de cálcio e magnésio Escórias de siderurgia Calcário calcinado Calcário “filler” Margas Magnesitas
  • 6. • Insolubilização de Al e Mn tóxicos • Fornecimento de Ca e Mg • Aumento da disponibilidade e aproveitamento de nutrientes • Aumento da atividade microbiana na decomposição da matéria orgânica e fixação do N • Diminuição da fixação de P • Aumento da eficiência dos fertilizantes
  • 7. Na qualidade do calcário deve-se considerar: - Capacidade de neutralizar a acidez = PN ou VN - Reatividade = ER ou RE (granulometria) - Poder reativo de neutralização total = PRNT - Conteúdo de Mg
  • 8. Cálculo do PN: RE Legislação específica determina que: 95% do produto moído deve passar na peneira de 2 mm (ABNT n° 10) 70% deve passar pela peneira de 0,84 mm (ABNT n° 20) 50% deve passar pela peneira de 0,30 mm (ABNT n° 50)
  • 9. RE Material retido na peneira ABNT: n°>10 (>2mm)(A) contribui com 0% de reatividade n° 10-20 (2-0,84 mm)(B) contribui com 20% de reatividade n° 20-50 (0,84-0,30 mm) (C) contribui com 60% de reatividade Material que passou pela peneira 50(D) contribui com 100% de reatividade
  • 10. PRNT Pela legislação brasileira os calcários para serem comercializados tem que ter valores mínimos: PN = 67% PRNT = 45% CaO + MgO = 38%
  • 12. Método do índice SMP (RS e SC) Método do Al trocável, Ca e Mg (ES, MT, MG, MS, GO) Método da saturação por bases (SP, MT, etc.) → Os métodos recomendam calcário considerando: PRNT = 100% Profundidade de incorporação 0-20 cm em t/ha
  • 13. Método do Al trocável, Ca e Mg → Teores de argila > 20% NC (t.ha-1) = Al3+ x 2 + [2 - (Ca2+ + Mg2+)] → Teores de argila < 20% NC (t.ha-1) = (2 x Al) valor NC (t.ha-1) = [2 - (Ca + Mg)] Método da saturação por bases (V%)
  • 14. Deve ser jogado a lanço em toda a área de maneira homogênea Após a implantação da cultura a aplicação deve ser feita em cobertura Pode ser feita em sulco de plantio ou faixas para suprir Ca e Mg Pode ser feita manual ou Mecanicamente Incorporação de 0-20 cm
  • 15. Quando a distribuição do calcário for desuniforme, a sua incorporação, por melhor que seja, não corrigirá esse defeito.
  • 16. →Final do período chuvoso, anterior ao plantio →Início da estação chuvosa, antes do plantio O ideal é aplicar 2-3 meses antes do plantio Deve ser aplicado em dose única
  • 17. a) Definição da dose: Análise química do solo Método utilizado Cultura e variedade b)Aplicação do corretivo Época de aplicação Localização/homogeneidade Profundidade de incorporação c)Características do corretivo Teor de Mgo Reatividade PRNT Efeito residual
  • 19. → O uso do gesso começou na década de 70 → Comparação de fontes de fosfatos (super simples e super triplo) → Para cada tonelada de P são produzidos de 9,8 t até 11,9 t de gesso
  • 20. Características químicas do solo em profundidade e desenvolvimento radicular da cultura do milho, em função da aplicação de duas fontes de fósforo em um Latossolo Vermelho Escuro Fonte: Ritchey e outros (1980)
  • 21. CaSo4.2H2O { CaO = 26-28% S = 15-16% Subproduto da indústria de fosfatados: Fosfato natural
  • 22. Objetivos : Elevar V% Neutralizar Al tóxico Logo: Crescimento da raiz Absorção de água e nutrientes Tolerância a veranicos
  • 28. •Amostragem do solo nas profundidades de 20-40 cm e 40-60 • Culturas perenes de 60-80 Se : →m% ≥ 20 →Ca ≤ 5 cmolc/dm3 Há probabilidade de resposta ao gesso
  • 29. Conhecer o teor de argila Culturas anuais Culturas perenes
  • 30. → A lanço → Antes ou depois do calcário → Incorporado ou não