Fertilidade do Solo

10.167 visualizações

Publicada em

0 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.167
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
877
Comentários
0
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fertilidade do Solo

  1. 1. FERTILIDADE DO SOLO, CORREÇÃO E MANUTENÇÃONome Gustavo Ávila 1
  2. 2. Formação do Solo 2
  3. 3. COMPOSIÇÃO DO SOLO 3
  4. 4. COMPOSIÇÃO DO SOLO 4
  5. 5. Acidez ativa H+ ou seja, na solução do solo, na forma de H+ e é expressa em valores de pH PH = -log (H+) = log Acidez Potencial H+ + Al3+ Acidez Trocável: Íon Al3+ ligado à fase sólida do solo, através de força eletrostática. Acidez Potencial: Íons H + e Al3+ ligados à fase sólida do solo, na forma não dissociada 5
  6. 6. 6
  7. 7. Acidez do solo Cultivo do solo Lixiviação de Cátions Solos mais Acidos 7
  8. 8. Origem da Acidez do SoloAdição de Ânios Remoção de Cations Acidificação Origem da Acidez dos Solos  Material de origem pobre em bases  Processo de formação do solo favorecendo a remoção das bases (cerrado)  Pluviosidade elevada (arrastamento)  Adubos nitrogenados  Mineralização da Matéria Orgânica 8
  9. 9. Acidez de Solo 9
  10. 10. Acidez de Solo 10
  11. 11. NUTRIENTES ESPECIAIS PARA AS PLANTAS 16* elementos químicos são considerados essenciais para o crescimento das plantas: Minerais (fornecidos pelo solo) Macronutrientes primários: Não minerais: N, P e K C, H e O Macronutrientes secundários: Retirados da atmosfera e da água! Ca, Mg e S Micronutrientes: B, Cl, Cu, Fe, Mn, Mo e ZnSi- gramíneas Co-leguminosas Se - pastagens *específicos/em estudoNi- ? 11
  12. 12. Porporção de C H O e minerais ( Malavolta, 1980) 12
  13. 13. Efeito do Ph na disponibilidade de Nutrientes Ferro Cobre Faixa adequada para a maioria das Manganês Zinco culturas Molibdênio CloroDisponibilidade crescente Fósforo Nitrogênio Enxofre Boro Potássio Cálcio Magnésio Alumínio 5.0 6.0 6.5 7.0 8.0 pH 13
  14. 14. Relação entre produção de grãos de soja e saturação por bases da camada arável do solo na região dos cerrados. Embrapa CerradosSaturação em bases Redimentos (%) (sacos ha-1) (kg ha-1) 20 45,0 2700 28 47,0 2840 35 54,1 3250 45 55,0 3300 50 58,3 3500 55 56,6 3400 60 51,6 3100 70 46,6 2800 80 41,6 2500 Fonte: Sousa, et al. (1985) 14
  15. 15. Neutralização da Acidez 15
  16. 16. Processo de neutralização da acidezSolos Acidos Potencial produtivoCultura de BaixaProdutividade 16
  17. 17. Processo de neutralização da acidez Substancias – LiberamCorreção da Hidroxilas (OH)-Acidez do solo Mais Utilizado Calcário Solubilização e DissociaçãoCaCO3 + H2O Ca2+ + HCO3- + OH- Neutralização do H+HCO3- + H+ H2CO3 CO2 + H2OOH- + H+ H2O Insolubilização do Alumínio tóxico Al3+ + 3 OH- Al(OH)3 - insolúvel 17
  18. 18. Exemplo da Amostragem de solo usando fotografia deSatélite 18
  19. 19. Amostragem do Solo 19
  20. 20. Amostragem SPDP Recomendação da pesquisa: coleta transversal de Centro a Centro das entre-linhas (5 x 10 cm)! Inconveniente: “caminhão” de terra!Foto: gentileza Dr. Dirceu Gassen 20
  21. 21. Sistema SPDP Trado confeccionado artesanalmente, com cano d’água de ½ polegada, vasado, marcado a cada 5cm, permitindo estratificação da amostra e com acabamento niquelado, para evitar contaminação!Foto: gentileza Dr. Dirceu Gassen 21
  22. 22. Calagem Nessa faixa de nutrientes (N, P, Ca, Mg, S, B) encontra-se em disponibilidade máxima (Mo, Fe,O pH em torno de 6.0 Cu, Mn, Zn), ao passo que o (Al) tóxico se reduza no mínimo. A calagem em solos ácidos redunda em grande benefício para a cultura da soja, aumentando lhe a capacidade produtiva. 22
  23. 23. Efeito da CalagemTabela 1. Efeito da calagem nos rendimentos de grãos de soja em variosestados do BrasilCalagem Estados RS1 SC2 PR3 SP3 GO4 MG5 Kg/ haSem 1930 1860 1120 1590 1520 1080Com 3110 2260 2860 2100 2660 2080Aum% (61) (20) (115) (32) (75) (93)1 Médias de 5 a 7 anos; 2 médias de 2 anos; 3mèdias de 3 anos; 4 médiasde 1 ano; 5 média de 1 ano e 4 locais (Fonte vários autores) 23
  24. 24. Entendendo a linguagem dos resultadosNovas unidades – SI (sistema international)! cmolc/L = meq/L = me/100g cmolc/dm3 = meq/100cm3  mmolc/L = cmolc/L x 10 mg/L = mg/kg = mg/dm3 = ppm  % MO = C% x 1,72 %MO x 10 = mg/L de MO pH em CaCl2 + 0,6 = pH em água 24
  25. 25. Ref. Referência do Cliente pH P K Na Ca2+ Mg2+ Al3+ H+AlLab. H2O mg/dm3 cmolc/dm3131-/04 Gleba da Lagoa 5,6 2,1 123 - 3,9 1,2 0,7 5,6132-/04 Ipê Roxo 5,6 14,5 232 - 3,5 0,8 0,2 3,6133-/04 Cerrado 4,8 18,8 85 - 0,8 0,4 3,0 11,0134-/04 Gleba da Mangueira 5,8 7,1 123 - 3,9 1,4 0,1 2,9135-/04 Gleba Da Chácara 5,9 12,2 117 - 4,4 1,3 0,1 2,3Ref. SB (t) (T) V m MO P-rem Areia Silte ArgilaLab. cmolc/dm3 % dag/kg mg/L G/kg-1131-/04 5,4 6,1 11,0 49,2 11 3,1 15,2 - - -132-/04 4,9 5,1 8,5 57,6 4 2,0 34,4 208,6 484,2 307,2133-/04 1,4 4,4 12,4 11,4 68 2,4 8,3 - - -134-/04 5,6 5,7 8,5 65,9 2 1,6 9,0 - - -135-/04 6,0 6,1 8,3 72,3 2 1,2 32,4 - - - 25
  26. 26. INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA ANÁLISE DESOLO Classificação dos valores de pH e dos teores de matéria orgânica Matéria Orgânica Classes pH em água g/L Muito baixo 5 - Baixo 5,1 - 5,5 25 Médio 5,6 - 6,0 - SPDP 26 - 50 Suficiente - - Alto > 6,0 >50 26
  27. 27. Correção da acidez de solo 27
  28. 28. Qualidade do Corretivo 28
  29. 29. Qualidade do Calcario PN (%) x RE (%) “O percentual de neutralização doPRNT (%)= corretivo que neutraliza a acidez 100 dos solos num período de 3 meses” LEGISLAÇÃO BRASILEIRAPN = (% CaO x 1,78) + (% MgO x 2,50) EXIGE PN > 67%PN=poder de neutralização x = % Material Retido Peneira 20 RE = 0,2x + 0,6y + z y = % Material Retido Peneira 50 z = % Material Passa Peneira 50RE (%) CORRETIVO 0 - - - - Nossa legislação exige que: 20 - --- - - -  100% passe na peneira 10 (2 mm) 60 --- --------  70% passe na peneira 20 (0,84 mm) 100 -----  50% passe na peneira 50 (0,30 mm)RE=reatividade (%) 29
  30. 30. Tempo de reação do Calcário 30
  31. 31. Calculo de relatividade do Calcário 31
  32. 32. Calculo de relatividade do Calcário 32
  33. 33. Quantidade de Calcário Necessario para a Cultura da Soja Solos acidos são Limitantes a produção de SojaCalagem Quantidade de Calcario ? V% é de 50%. NC = Y [Al 3+ - (20 x T )] + 2 – (Ca2+ + Mg2+ )] 100 33
  34. 34. Calagem no sistema PD Lavouras sob PD que não receberam calcário em superfície:Amostragem - 0 a 20cm Calagem quando:  pH SMP < 6,0 OU  saturação de bases < 50%Quanto aplicar:  25% da dose SMP para pH 6,0 Reamostrar:  após 3 anos, na camada de 0 a10cm 34
  35. 35. Calagem no sistema PDLavouras sob PD que já receberam calcário emsuperfície: Amostragem: 0 a 10cm Calagem quando: pH SMP < 5,5 OU saturação de bases < 50% Quanto aplicar: 25% da dose para pH 6,0 Reamostrar: após 3 anos, na camada de 0 a 10cm 35
  36. 36. Calagem no sistema PD Resumo : Amostragem inicial - 0 a 20cm Reamostragens posteriores - 0 a 10cm Levar em conta valor V% = saturação de bases na CTC, e nãoapenas o pH! Não reamostrar/reaplicar calcário em intervalos menores do que 3anos Não exceder 2t/ha (PRNT 100%) por aplicação! À lanço, na superfície. Aplicar pelo menos 6 meses antes do plantio 36
  37. 37. Recomendação1. Os critérios de recomendacão de calagem são variáveis. A calagem está condicionada ao comportamento dos índices de acidez nos solos.2. Assim, para obter uma correta recomendação da quantidade de calcário a ser aplicada no solo, é necessária uma amostragem representativa do solo considerado, uma adequada interpretação da análise de solo,3. A recomendação de calcário calibrada para a região de cultivo e considerar as condições climáticas, forma de manejo do solo e o histórico de produção dos cultivos da área estudada. 37
  38. 38. A mente que se abre a uma novaidéia jamais voltará ao seutamanho original… Albert Einstein 38
  39. 39. 39
  40. 40. 40
  41. 41. 41
  42. 42. 42

×