SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Por "fonte do direito" designamos os processos ou meios em
virtude dos quais as regras jurídicas se positivam com legítima
força obrigatória, isto é, com vigência e eficácia no contexto de
uma estrutura normativa. O direito resulta de um complexo de
fatores que a Filosofia e a Sociologia estudam, mas se manifesta,
como ordenação vigente e eficaz, através de certas formas,
diríamos mesmo de certas fôrmas, ou estruturas normativas,
que são o processo legislativo, os usos e costumes jurídicos, a
atividade jurisdicional e o ato negocial. (MIGUEL REALE)
 À luz desse conceito, quatro são as fontes de direito,
porque quatro são as formas de poder: o processo
legislativo, expressão do Poder Legislativo; a jurisdição,
que corresponde ao Poder Judiciário; os usos e
costumes jurídicos, que exprimem o poder social, ou
seja, o poder decisório anônimo do povo; e, finalmente,
a fonte negociai, expressão do poder negocial ou da
autonomia da vontade.
 Cabe, nesse sentido, distinguir dois tipos de ordenamento
jurídico, o da tradição romanística (nações latinas e
germânicas) e o da tradição anglo-americana (common
law). A primeira caracteriza-se pelo Primado do processo
legislativo, com atribuição de valor secundário às demais
fontes do direito.
 Ao lado dessa tradição, que exagera e exacerba o elemento
legislativo, temos a tradição dos povos anglo-saxões, nos
quais o Direito se revela muito mais pelos usos e costumes e
pela jurisdição do que pelo trabalho abstrato e genérico dos
parlamentos. Trata-se, mais propriamente, de um Direito
misto, costumeiro e jurisprudencial. Se, na Inglaterra, há
necessidade de saber-se o que é lícito em matéria civil ou
comercial, não há um Código de Comércio ou Civil que o
diga, através de um ato de manifestação legislativa.
 O Direito é, ao contrário, coordenado e consolidado
em precedentes judiciais, isto é, segundo uma série de
decisões baseadas em usos e costumes prévios. Já o
Direito em vigor nas Nações latinas e latino-
americanas, assim como também na restante Europa
continental, funda-se, primordialmente, em
enunciados normativos elaborados através de órgãos
legislativos próprios.
CLASSIFICAÇÃO
FONTES ESTATAIS: LEIS, JURISPRUDÊNCIA,
PRINCÍPIOS, TRATADOS
FONTES NÃO ESTATAIS: COSTUME JURÍDICO E
A DOUTRINA
FONTES DO DIREITO OUTRA
CLASSIFICAÇÃO
 IMEDIATA: LEI
 MEDIATAS: ANALOGIA,
 COSTUMES,
 PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO,
 DOUTRINA,
 JURISPRUDÊNCIA,
 EQÜIDADE,
 TRATADOS INTERNACIONAIS,
 ATOS E NEGÓCIOS JURÍDICOS.
 NORMA JURÍDICA ESCRITA:
 CONSTITUIÇÃO FEDERAL
 LEIS COMPLEMENTARES;
 LEIS ORDINÁRIAS,
 MEDIDAS PROVISÓRIAS,
 LEIS DELEGADAS,
 DECRETOS LEGISLATIVOS,
 RESOLUÇÕES,
 DECRETOS REGULAMENTARES,
 OUTRAS NORMAS, TAIS COMO, PORTARIAS,
CIRCULARES, ORDENS DE SERVIÇO ETC.
 NÃO ESCRITA: COSTUME JURÍDICO
 a)Código Penal DECRETO-LEI N.º 2.848, DE 7
DE DEZEMBRO DE 1940
 Induzimento, instigação ou auxílio a suicídio
 Art. 122 - Induzir ou instigar alguém a suicidar-
se ou prestar-lhe auxílio para que o faça:
 Pena - reclusão, de 2 (dois) a 6 (seis) anos, se o
suicídio se consuma; ou reclusão, de 1 (um) a 3
(três) anos, se da tentativa de suicídio resulta
lesão corporal de natureza grave.
 b)Art. 84 - Compete privativamente ao Presidente da
República:
 VIII - celebrar tratados, convenções e atos
internacionais, sujeitos a referendo do Congresso
Nacional;
•CONJUNTO DAS DECISÕES DOS TRIBUNAIS A RESPEITO DO
MESMO ASSUNTO,
•OS JUÍZES INFERIORES NÃO ESTÃO VINCULADOS ÀS DECISÕES
DOS TRIBUNAIS SUPERIORES
•HÁ AMPLA LIBERDADE POR PARTE DOS JUÍZES, QUE DEVEM
DECIDIR DE ACORDO COM AS CISCUNSTÂNCIAS DO CASO E
COM SUA CONSCIÊNCIA.
•NÃO SE PODE ESQUECER QUE O JUIZ PARA JULGAR ,
NECESSITA DE PROVAS E ARGUMENTOS. E CLARO, SE JÁ EXISTIR
OUTRA DECISÃO QUE TRATE DO MESMO ASSUNTO, O FATO DE
O SEGUNDO JUIZ CONHECÊ-LA PODE NÃO INFLUENCIÁ-LO;
PORÉM SERÁ UM ELEMENTO DE GUIA PARA SUA PESQUISA.
 c)AGRAVO INTERNO. DIVÓRCIO LITIGIOSO.
GUARDA DE MENOR. ACUSAÇÕES MÚTUAS.
CRIANÇA OUVIDA EM JUÍZO, REFERINDO QUE
PREFERE PERMANECER COM O PAI. FATO
RELEVANTE, EMBORA NÃO DEFINITIVO.
PRINCÍPIO DA IMEDIATIDADE. MANUTENÇÃO,
POR ORA, DA DECISÃO AGRAVADA. RECURSO
IMPROVIDO. (Agravo Nº 70023964315, Oitava Câmara
Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Claudir
Fidelis Faccenda, Julgado em 15/05/2008)
 d)DIVÓRCIO LITIGIOSO. ALIMENTOS PROVISÓRIOS. FILHO
MENOR. ADEQUAÇÃO DO QUANTUM. PROVA. AGRAVO.
INOBSERVÂNCIA DO ART. 526 DO CPC. 1. Embora seja obrigatório o
atendimento da regra do art. 526 do CPC, o descumprimento, para
impedir o exame do recurso, deve ser não apenas argüido, mas
devidamente comprovado pela parte recorrida. 2. Os alimentos devem
ser fixados de forma a atender as necessidades do filho, assegurando-
lhe condições de vida assemelhadas às do pai, mas sem sobrecarregá-lo
em demasia. 3. Compete a ambos os genitores o dever de sustento do
filho e, enquanto a guardiã presta alimentos in natura ao filho que com
ela reside, cabe ao genitor prestar-lhe pensão in pecunia, em valor
suficiente para suprir-lhe as necessidades. 4. Mesmo que as condições
pessoais e econômicas do genitor sejam limitadas, deve ele contribuir
adequadamente para o sustento do menor. 5. É descabida a pretensão
do alimentante de ver os alimentos fixados em percentual sobre o
salário mínimo, quando ele possui ganho salarial certo, devendo o
encargo recair sobre percentual de seus rendimentos líquidos.
Conclusão nº 47 do Centro de Estudos deste Tribunal. 6. Os alimentos
provisórios podem ser revistos a qualquer tempo, bastando que
venham aos autos elementos de convicção que justifiquem a revisão.
Recurso desprovido. (SEGREDO DE JUSTIÇA) (Agravo de Instrumento
Nº 70021525621, Sétima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS,
Relator: Sérgio Fernando de Vasconcellos Chaves, Julgado em
12/03/2008)
http://www.stf.jus.br/portal/principal/principal.asp
http://www.tjba.jus.br/site/index.wsp
http://www.tre-ba.gov.br/default/default.do
http://www.trt5.jus.br/
http://www.stj.gov.br/portal_stj/publicacao/engine.wsp
Doutrina é o resultado do estudo que pensadores-
juristas e filósofos do Direito, fazem a respeito do direito.
A doutrina torna-se essencial para aclarar pontos,
estabelecer novos parâmetros, descobrir caminhos ainda não
pesquisados, apresentar soluções justas, enfim interpretar as
normas, pesquisar os fatos e propor alternativas, com vistas a
auxiliar a construção sempre necessária e constante do Estado
de Direito, com o aperfeiçoamento do sistema jurídico.
A questão da doutrina como fonte do direito não é
pacífica. Há aqueles que entendem que ela não pode ser fonte,
porque apenas descreve a autêntica fonte do direito, que são as
normas jurídicas, ou porque forma esquemas e modelos que
explicam o ordenamento jurídico por construções teóricas; ou
ainda, porque, quando muito, ela inspira o legislador para e na
produção das normas jurídicas.
 Muitos autores há que excluem a doutrina como fonte
do Direito, alegando que, por maior que seja a
dignidade de um mestre e por mais alto que seja o
prestígio intelectual de um jurisconsulto, os seus
ensinamentos jamais terão força bastante para revelar
a norma jurídica positiva que deva ser cumprida pelos
juízes ou pelas partes.
 e) De acordo com Diniz (2008) direito do
consumidor é um conjunto de normas (lei
n.8078/90) disciplinadoras das relações de
consumo existentes entre fornecedor e
consumidor, ou seja, da aquisição de bens ou de
serviços pelo destinatário final. (Compêndio de
Introdução à Ciência do Direito, 19.ed. São Paulo:
Saraiva, 2008

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

I.E.D - Classificação das Normas Jurídicas: Critérios Distintivos (3)
I.E.D - Classificação das Normas Jurídicas: Critérios Distintivos (3)I.E.D - Classificação das Normas Jurídicas: Critérios Distintivos (3)
I.E.D - Classificação das Normas Jurídicas: Critérios Distintivos (3)Diego Sampaio
 
Direito _ as fontes do direito
Direito _ as fontes do direitoDireito _ as fontes do direito
Direito _ as fontes do direitoRaquel Tavares
 
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...A. Rui Teixeira Santos
 
Faceli - Direito - 2° Período - Teoria Geral do Processo - Unidade II - Juris...
Faceli - Direito - 2° Período - Teoria Geral do Processo - Unidade II - Juris...Faceli - Direito - 2° Período - Teoria Geral do Processo - Unidade II - Juris...
Faceli - Direito - 2° Período - Teoria Geral do Processo - Unidade II - Juris...Jordano Santos Cerqueira
 
Teoria geral e princípios processuais corr.
Teoria geral e princípios processuais corr.Teoria geral e princípios processuais corr.
Teoria geral e princípios processuais corr.Amanda Melo
 
Apostila direito público e privado
Apostila  direito público e privadoApostila  direito público e privado
Apostila direito público e privadoJéssica Soares
 

Mais procurados (20)

Aula 20
Aula 20Aula 20
Aula 20
 
Fontes do direito
Fontes do direitoFontes do direito
Fontes do direito
 
Fontes de direito
Fontes de direitoFontes de direito
Fontes de direito
 
Fontes do direito 2011-1
Fontes do direito   2011-1Fontes do direito   2011-1
Fontes do direito 2011-1
 
Aula 11
Aula 11Aula 11
Aula 11
 
39 43-fontes-do-direito net
39 43-fontes-do-direito net39 43-fontes-do-direito net
39 43-fontes-do-direito net
 
Teoria geral do direito
Teoria geral do direitoTeoria geral do direito
Teoria geral do direito
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
Aula 9
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
 
Aplicação das leis no tempo
Aplicação das leis no tempoAplicação das leis no tempo
Aplicação das leis no tempo
 
I.E.D - Classificação das Normas Jurídicas: Critérios Distintivos (3)
I.E.D - Classificação das Normas Jurídicas: Critérios Distintivos (3)I.E.D - Classificação das Normas Jurídicas: Critérios Distintivos (3)
I.E.D - Classificação das Normas Jurídicas: Critérios Distintivos (3)
 
Direito _ as fontes do direito
Direito _ as fontes do direitoDireito _ as fontes do direito
Direito _ as fontes do direito
 
Ramos do direito publico
Ramos do direito publicoRamos do direito publico
Ramos do direito publico
 
TGP - Introdução
TGP - IntroduçãoTGP - Introdução
TGP - Introdução
 
Aula 15
Aula 15Aula 15
Aula 15
 
direito+costumeiro
 direito+costumeiro direito+costumeiro
direito+costumeiro
 
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
 
Faceli - Direito - 2° Período - Teoria Geral do Processo - Unidade II - Juris...
Faceli - Direito - 2° Período - Teoria Geral do Processo - Unidade II - Juris...Faceli - Direito - 2° Período - Teoria Geral do Processo - Unidade II - Juris...
Faceli - Direito - 2° Período - Teoria Geral do Processo - Unidade II - Juris...
 
Teoria geral e princípios processuais corr.
Teoria geral e princípios processuais corr.Teoria geral e princípios processuais corr.
Teoria geral e princípios processuais corr.
 
Apostila direito público e privado
Apostila  direito público e privadoApostila  direito público e privado
Apostila direito público e privado
 

Destaque

Poder Disciplinar
Poder DisciplinarPoder Disciplinar
Poder Disciplinarcarlosmor
 
26626748 teoria-geral-do-direito
26626748 teoria-geral-do-direito26626748 teoria-geral-do-direito
26626748 teoria-geral-do-direitounirio2011
 
Introdução ao Estudo do Direito (IED)
Introdução ao Estudo do Direito (IED)Introdução ao Estudo do Direito (IED)
Introdução ao Estudo do Direito (IED)brigidoh
 
Introdução ao estudo do direito aula
Introdução ao estudo do direito   aulaIntrodução ao estudo do direito   aula
Introdução ao estudo do direito aulajovenniu
 
Lei de introducao_ao_cc
Lei de introducao_ao_ccLei de introducao_ao_cc
Lei de introducao_ao_ccKATIANE MORAES
 
Entre a Filosofia e o Direito
Entre a Filosofia e o DireitoEntre a Filosofia e o Direito
Entre a Filosofia e o Direitodihbach
 
Latim e o direito
Latim e o direito Latim e o direito
Latim e o direito Luci Bonini
 
Santo agostinho e são tomás de aquino 23 mmm
Santo agostinho e são tomás de aquino 23 mmmSanto agostinho e são tomás de aquino 23 mmm
Santo agostinho e são tomás de aquino 23 mmmAlexandre Misturini
 
Introdução ao Direito do Trabalho
Introdução ao Direito do TrabalhoIntrodução ao Direito do Trabalho
Introdução ao Direito do Trabalholilpercun
 
Resumo direito trabalho parte 1
Resumo direito trabalho parte 1Resumo direito trabalho parte 1
Resumo direito trabalho parte 1Geraldo Batista
 
Platão Sociedade Grega
Platão Sociedade GregaPlatão Sociedade Grega
Platão Sociedade GregaAlan
 
Princípios de direito do trabalho (1)
Princípios de direito do trabalho (1)Princípios de direito do trabalho (1)
Princípios de direito do trabalho (1)Leonardo Chagas
 
Sócrates e Platão
Sócrates e PlatãoSócrates e Platão
Sócrates e PlatãoErica Frau
 

Destaque (20)

Poder Disciplinar
Poder DisciplinarPoder Disciplinar
Poder Disciplinar
 
26626748 teoria-geral-do-direito
26626748 teoria-geral-do-direito26626748 teoria-geral-do-direito
26626748 teoria-geral-do-direito
 
Fontes do direito do trabalho
Fontes do direito do trabalhoFontes do direito do trabalho
Fontes do direito do trabalho
 
Introdução ao Estudo do Direito (IED)
Introdução ao Estudo do Direito (IED)Introdução ao Estudo do Direito (IED)
Introdução ao Estudo do Direito (IED)
 
Introdução ao estudo do direito aula
Introdução ao estudo do direito   aulaIntrodução ao estudo do direito   aula
Introdução ao estudo do direito aula
 
Lei de introducao_ao_cc
Lei de introducao_ao_ccLei de introducao_ao_cc
Lei de introducao_ao_cc
 
Entre a Filosofia e o Direito
Entre a Filosofia e o DireitoEntre a Filosofia e o Direito
Entre a Filosofia e o Direito
 
Direito do Trabalho
Direito do TrabalhoDireito do Trabalho
Direito do Trabalho
 
Latim e o direito
Latim e o direito Latim e o direito
Latim e o direito
 
Santo agostinho e são tomás de aquino 23 mmm
Santo agostinho e são tomás de aquino 23 mmmSanto agostinho e são tomás de aquino 23 mmm
Santo agostinho e são tomás de aquino 23 mmm
 
O que é direito
O que é direitoO que é direito
O que é direito
 
O latim
O latimO latim
O latim
 
Direito coletivo aula
Direito coletivo   aulaDireito coletivo   aula
Direito coletivo aula
 
Introdução ao Direito do Trabalho
Introdução ao Direito do TrabalhoIntrodução ao Direito do Trabalho
Introdução ao Direito do Trabalho
 
Curso-de-latim-completo
 Curso-de-latim-completo Curso-de-latim-completo
Curso-de-latim-completo
 
Direito economico
Direito economicoDireito economico
Direito economico
 
Resumo direito trabalho parte 1
Resumo direito trabalho parte 1Resumo direito trabalho parte 1
Resumo direito trabalho parte 1
 
Platão Sociedade Grega
Platão Sociedade GregaPlatão Sociedade Grega
Platão Sociedade Grega
 
Princípios de direito do trabalho (1)
Princípios de direito do trabalho (1)Princípios de direito do trabalho (1)
Princípios de direito do trabalho (1)
 
Sócrates e Platão
Sócrates e PlatãoSócrates e Platão
Sócrates e Platão
 

Semelhante a Fontes do Direito

Aula administração
Aula administraçãoAula administração
Aula administraçãoKarla Cardoso
 
Greco filho processo-penal
Greco filho processo-penalGreco filho processo-penal
Greco filho processo-penalAparecida Dantas
 
Coletânea de exercícios teoria geral do processo (1)
Coletânea de exercícios teoria geral do processo  (1)Coletânea de exercícios teoria geral do processo  (1)
Coletânea de exercícios teoria geral do processo (1)Leonardo Chagas
 
Aula 1 teoria geral do processo
Aula 1   teoria geral do processoAula 1   teoria geral do processo
Aula 1 teoria geral do processoWesley André
 
NOÇÕES DE DIREITO
NOÇÕES DE DIREITONOÇÕES DE DIREITO
NOÇÕES DE DIREITOURCAMP
 
Atos De Oficio - TJMG2012
Atos De Oficio - TJMG2012Atos De Oficio - TJMG2012
Atos De Oficio - TJMG2012ArturAMF
 
2. Slides. TGP.ppt
2. Slides. TGP.ppt2. Slides. TGP.ppt
2. Slides. TGP.pptssuserbb149e
 
Introdução ao processo civil academicos
Introdução ao processo civil   academicosIntrodução ao processo civil   academicos
Introdução ao processo civil academicoslilpercun
 
Introdução ao Processo Civil
Introdução ao Processo CivilIntrodução ao Processo Civil
Introdução ao Processo Civillilpercun
 
Justiça Comum X Especial
Justiça Comum X EspecialJustiça Comum X Especial
Justiça Comum X Especialstephany
 
Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Migração, Refúgi...
Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Migração, Refúgi...Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Migração, Refúgi...
Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Migração, Refúgi...Ministério da Justiça
 
Slides 1a. parte - daa
Slides   1a. parte - daaSlides   1a. parte - daa
Slides 1a. parte - daaandreascamargo
 
Eficiência no Processo Penal - Volume I
Eficiência no Processo Penal - Volume IEficiência no Processo Penal - Volume I
Eficiência no Processo Penal - Volume IRodrigo Tenorio
 
Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Direito à Integr...
Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Direito à Integr...Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Direito à Integr...
Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Direito à Integr...Ministério da Justiça
 
Apostila. direito processual_civil_darlan_barroso_-_curso_robortella
Apostila. direito processual_civil_darlan_barroso_-_curso_robortellaApostila. direito processual_civil_darlan_barroso_-_curso_robortella
Apostila. direito processual_civil_darlan_barroso_-_curso_robortellaPatricia Silva
 

Semelhante a Fontes do Direito (20)

Aula administração
Aula administraçãoAula administração
Aula administração
 
Greco filho processo-penal
Greco filho processo-penalGreco filho processo-penal
Greco filho processo-penal
 
parte especial
parte especial parte especial
parte especial
 
Apostila processo civil
Apostila processo civilApostila processo civil
Apostila processo civil
 
Coletânea de exercícios teoria geral do processo (1)
Coletânea de exercícios teoria geral do processo  (1)Coletânea de exercícios teoria geral do processo  (1)
Coletânea de exercícios teoria geral do processo (1)
 
Aula 1 teoria geral do processo
Aula 1   teoria geral do processoAula 1   teoria geral do processo
Aula 1 teoria geral do processo
 
NOÇÕES DE DIREITO
NOÇÕES DE DIREITONOÇÕES DE DIREITO
NOÇÕES DE DIREITO
 
Atos De Oficio - TJMG2012
Atos De Oficio - TJMG2012Atos De Oficio - TJMG2012
Atos De Oficio - TJMG2012
 
Alexandre e rafael revista sequencia-como os juízes decidem
Alexandre e rafael   revista sequencia-como os juízes decidemAlexandre e rafael   revista sequencia-como os juízes decidem
Alexandre e rafael revista sequencia-como os juízes decidem
 
2. Slides. TGP.ppt
2. Slides. TGP.ppt2. Slides. TGP.ppt
2. Slides. TGP.ppt
 
Introdução ao processo civil academicos
Introdução ao processo civil   academicosIntrodução ao processo civil   academicos
Introdução ao processo civil academicos
 
Introdução ao Processo Civil
Introdução ao Processo CivilIntrodução ao Processo Civil
Introdução ao Processo Civil
 
Justiça Comum X Especial
Justiça Comum X EspecialJustiça Comum X Especial
Justiça Comum X Especial
 
Apontamentos DPC
Apontamentos DPCApontamentos DPC
Apontamentos DPC
 
Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Migração, Refúgi...
Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Migração, Refúgi...Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Migração, Refúgi...
Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Migração, Refúgi...
 
Aula 01 tgp
Aula 01   tgpAula 01   tgp
Aula 01 tgp
 
Slides 1a. parte - daa
Slides   1a. parte - daaSlides   1a. parte - daa
Slides 1a. parte - daa
 
Eficiência no Processo Penal - Volume I
Eficiência no Processo Penal - Volume IEficiência no Processo Penal - Volume I
Eficiência no Processo Penal - Volume I
 
Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Direito à Integr...
Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Direito à Integr...Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Direito à Integr...
Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Direito à Integr...
 
Apostila. direito processual_civil_darlan_barroso_-_curso_robortella
Apostila. direito processual_civil_darlan_barroso_-_curso_robortellaApostila. direito processual_civil_darlan_barroso_-_curso_robortella
Apostila. direito processual_civil_darlan_barroso_-_curso_robortella
 

Mais de Douglas Barreto

Conceitos básicos de genética
Conceitos básicos de genéticaConceitos básicos de genética
Conceitos básicos de genéticaDouglas Barreto
 
Sociologia geral e jurídica - O que é sociologia? 2014
Sociologia geral e jurídica - O que é sociologia? 2014Sociologia geral e jurídica - O que é sociologia? 2014
Sociologia geral e jurídica - O que é sociologia? 2014Douglas Barreto
 
Sociologia geral e jurídica - Karl Marx 2014
Sociologia geral e jurídica - Karl Marx 2014Sociologia geral e jurídica - Karl Marx 2014
Sociologia geral e jurídica - Karl Marx 2014Douglas Barreto
 
Sociologia geral e jurídica - Interação Social 2014
Sociologia geral e jurídica -  Interação Social 2014Sociologia geral e jurídica -  Interação Social 2014
Sociologia geral e jurídica - Interação Social 2014Douglas Barreto
 
Sociologia geral e jurídica - Emile Durkheim 2014
Sociologia geral e jurídica - Emile Durkheim 2014Sociologia geral e jurídica - Emile Durkheim 2014
Sociologia geral e jurídica - Emile Durkheim 2014Douglas Barreto
 
Sociologia Geral e Jurídica - Cultura e Sociedade 2014
Sociologia Geral e Jurídica - Cultura e Sociedade 2014Sociologia Geral e Jurídica - Cultura e Sociedade 2014
Sociologia Geral e Jurídica - Cultura e Sociedade 2014Douglas Barreto
 
Sociedade em Estado Bruto
Sociedade em Estado BrutoSociedade em Estado Bruto
Sociedade em Estado BrutoDouglas Barreto
 
Sociologia geral e jurídica - Perspectivas Teóricas 2014
Sociologia geral e jurídica - Perspectivas Teóricas 2014Sociologia geral e jurídica - Perspectivas Teóricas 2014
Sociologia geral e jurídica - Perspectivas Teóricas 2014Douglas Barreto
 
Sobre escrever - lucilia garcez
Sobre escrever - lucilia garcezSobre escrever - lucilia garcez
Sobre escrever - lucilia garcezDouglas Barreto
 
Trabalho na sociedade moderna capitalista
Trabalho na sociedade moderna capitalistaTrabalho na sociedade moderna capitalista
Trabalho na sociedade moderna capitalistaDouglas Barreto
 
Conflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médioConflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médioDouglas Barreto
 
A critica da_razao_pratica
A critica da_razao_praticaA critica da_razao_pratica
A critica da_razao_praticaDouglas Barreto
 

Mais de Douglas Barreto (20)

Conceitos básicos de genética
Conceitos básicos de genéticaConceitos básicos de genética
Conceitos básicos de genética
 
Sociologia geral e jurídica - O que é sociologia? 2014
Sociologia geral e jurídica - O que é sociologia? 2014Sociologia geral e jurídica - O que é sociologia? 2014
Sociologia geral e jurídica - O que é sociologia? 2014
 
Sociologia geral e jurídica - Karl Marx 2014
Sociologia geral e jurídica - Karl Marx 2014Sociologia geral e jurídica - Karl Marx 2014
Sociologia geral e jurídica - Karl Marx 2014
 
Sociologia geral e jurídica - Interação Social 2014
Sociologia geral e jurídica -  Interação Social 2014Sociologia geral e jurídica -  Interação Social 2014
Sociologia geral e jurídica - Interação Social 2014
 
Sociologia geral e jurídica - Emile Durkheim 2014
Sociologia geral e jurídica - Emile Durkheim 2014Sociologia geral e jurídica - Emile Durkheim 2014
Sociologia geral e jurídica - Emile Durkheim 2014
 
Sociologia Geral e Jurídica - Cultura e Sociedade 2014
Sociologia Geral e Jurídica - Cultura e Sociedade 2014Sociologia Geral e Jurídica - Cultura e Sociedade 2014
Sociologia Geral e Jurídica - Cultura e Sociedade 2014
 
Sociedade em Estado Bruto
Sociedade em Estado BrutoSociedade em Estado Bruto
Sociedade em Estado Bruto
 
Sociologia geral e jurídica - Perspectivas Teóricas 2014
Sociologia geral e jurídica - Perspectivas Teóricas 2014Sociologia geral e jurídica - Perspectivas Teóricas 2014
Sociologia geral e jurídica - Perspectivas Teóricas 2014
 
Teoria Geral do Direito
Teoria Geral do DireitoTeoria Geral do Direito
Teoria Geral do Direito
 
Sobre escrever - lucilia garcez
Sobre escrever - lucilia garcezSobre escrever - lucilia garcez
Sobre escrever - lucilia garcez
 
Trabalho na sociedade moderna capitalista
Trabalho na sociedade moderna capitalistaTrabalho na sociedade moderna capitalista
Trabalho na sociedade moderna capitalista
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
Futurismo
FuturismoFuturismo
Futurismo
 
A prosa de 30
A prosa de 30A prosa de 30
A prosa de 30
 
Revolta da chibata
Revolta da chibataRevolta da chibata
Revolta da chibata
 
Conflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médioConflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médio
 
Ideologia e alienação
Ideologia e alienaçãoIdeologia e alienação
Ideologia e alienação
 
David hume
David humeDavid hume
David hume
 
A critica da_razao_pratica
A critica da_razao_praticaA critica da_razao_pratica
A critica da_razao_pratica
 

Último

Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)Centro Jacques Delors
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Centro Jacques Delors
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreLeandroLima265595
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfbragamoysesaline
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 

Último (20)

Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 

Fontes do Direito

  • 1. Por "fonte do direito" designamos os processos ou meios em virtude dos quais as regras jurídicas se positivam com legítima força obrigatória, isto é, com vigência e eficácia no contexto de uma estrutura normativa. O direito resulta de um complexo de fatores que a Filosofia e a Sociologia estudam, mas se manifesta, como ordenação vigente e eficaz, através de certas formas, diríamos mesmo de certas fôrmas, ou estruturas normativas, que são o processo legislativo, os usos e costumes jurídicos, a atividade jurisdicional e o ato negocial. (MIGUEL REALE)
  • 2.  À luz desse conceito, quatro são as fontes de direito, porque quatro são as formas de poder: o processo legislativo, expressão do Poder Legislativo; a jurisdição, que corresponde ao Poder Judiciário; os usos e costumes jurídicos, que exprimem o poder social, ou seja, o poder decisório anônimo do povo; e, finalmente, a fonte negociai, expressão do poder negocial ou da autonomia da vontade.
  • 3.  Cabe, nesse sentido, distinguir dois tipos de ordenamento jurídico, o da tradição romanística (nações latinas e germânicas) e o da tradição anglo-americana (common law). A primeira caracteriza-se pelo Primado do processo legislativo, com atribuição de valor secundário às demais fontes do direito.  Ao lado dessa tradição, que exagera e exacerba o elemento legislativo, temos a tradição dos povos anglo-saxões, nos quais o Direito se revela muito mais pelos usos e costumes e pela jurisdição do que pelo trabalho abstrato e genérico dos parlamentos. Trata-se, mais propriamente, de um Direito misto, costumeiro e jurisprudencial. Se, na Inglaterra, há necessidade de saber-se o que é lícito em matéria civil ou comercial, não há um Código de Comércio ou Civil que o diga, através de um ato de manifestação legislativa.
  • 4.  O Direito é, ao contrário, coordenado e consolidado em precedentes judiciais, isto é, segundo uma série de decisões baseadas em usos e costumes prévios. Já o Direito em vigor nas Nações latinas e latino- americanas, assim como também na restante Europa continental, funda-se, primordialmente, em enunciados normativos elaborados através de órgãos legislativos próprios.
  • 5. CLASSIFICAÇÃO FONTES ESTATAIS: LEIS, JURISPRUDÊNCIA, PRINCÍPIOS, TRATADOS FONTES NÃO ESTATAIS: COSTUME JURÍDICO E A DOUTRINA
  • 6. FONTES DO DIREITO OUTRA CLASSIFICAÇÃO  IMEDIATA: LEI  MEDIATAS: ANALOGIA,  COSTUMES,  PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO,  DOUTRINA,  JURISPRUDÊNCIA,  EQÜIDADE,  TRATADOS INTERNACIONAIS,  ATOS E NEGÓCIOS JURÍDICOS.
  • 7.  NORMA JURÍDICA ESCRITA:  CONSTITUIÇÃO FEDERAL  LEIS COMPLEMENTARES;  LEIS ORDINÁRIAS,  MEDIDAS PROVISÓRIAS,  LEIS DELEGADAS,  DECRETOS LEGISLATIVOS,  RESOLUÇÕES,  DECRETOS REGULAMENTARES,  OUTRAS NORMAS, TAIS COMO, PORTARIAS, CIRCULARES, ORDENS DE SERVIÇO ETC.  NÃO ESCRITA: COSTUME JURÍDICO
  • 8.  a)Código Penal DECRETO-LEI N.º 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940  Induzimento, instigação ou auxílio a suicídio  Art. 122 - Induzir ou instigar alguém a suicidar- se ou prestar-lhe auxílio para que o faça:  Pena - reclusão, de 2 (dois) a 6 (seis) anos, se o suicídio se consuma; ou reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos, se da tentativa de suicídio resulta lesão corporal de natureza grave.
  • 9.  b)Art. 84 - Compete privativamente ao Presidente da República:  VIII - celebrar tratados, convenções e atos internacionais, sujeitos a referendo do Congresso Nacional;
  • 10. •CONJUNTO DAS DECISÕES DOS TRIBUNAIS A RESPEITO DO MESMO ASSUNTO, •OS JUÍZES INFERIORES NÃO ESTÃO VINCULADOS ÀS DECISÕES DOS TRIBUNAIS SUPERIORES •HÁ AMPLA LIBERDADE POR PARTE DOS JUÍZES, QUE DEVEM DECIDIR DE ACORDO COM AS CISCUNSTÂNCIAS DO CASO E COM SUA CONSCIÊNCIA. •NÃO SE PODE ESQUECER QUE O JUIZ PARA JULGAR , NECESSITA DE PROVAS E ARGUMENTOS. E CLARO, SE JÁ EXISTIR OUTRA DECISÃO QUE TRATE DO MESMO ASSUNTO, O FATO DE O SEGUNDO JUIZ CONHECÊ-LA PODE NÃO INFLUENCIÁ-LO; PORÉM SERÁ UM ELEMENTO DE GUIA PARA SUA PESQUISA.
  • 11.  c)AGRAVO INTERNO. DIVÓRCIO LITIGIOSO. GUARDA DE MENOR. ACUSAÇÕES MÚTUAS. CRIANÇA OUVIDA EM JUÍZO, REFERINDO QUE PREFERE PERMANECER COM O PAI. FATO RELEVANTE, EMBORA NÃO DEFINITIVO. PRINCÍPIO DA IMEDIATIDADE. MANUTENÇÃO, POR ORA, DA DECISÃO AGRAVADA. RECURSO IMPROVIDO. (Agravo Nº 70023964315, Oitava Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Claudir Fidelis Faccenda, Julgado em 15/05/2008)
  • 12.  d)DIVÓRCIO LITIGIOSO. ALIMENTOS PROVISÓRIOS. FILHO MENOR. ADEQUAÇÃO DO QUANTUM. PROVA. AGRAVO. INOBSERVÂNCIA DO ART. 526 DO CPC. 1. Embora seja obrigatório o atendimento da regra do art. 526 do CPC, o descumprimento, para impedir o exame do recurso, deve ser não apenas argüido, mas devidamente comprovado pela parte recorrida. 2. Os alimentos devem ser fixados de forma a atender as necessidades do filho, assegurando- lhe condições de vida assemelhadas às do pai, mas sem sobrecarregá-lo em demasia. 3. Compete a ambos os genitores o dever de sustento do filho e, enquanto a guardiã presta alimentos in natura ao filho que com ela reside, cabe ao genitor prestar-lhe pensão in pecunia, em valor suficiente para suprir-lhe as necessidades. 4. Mesmo que as condições pessoais e econômicas do genitor sejam limitadas, deve ele contribuir adequadamente para o sustento do menor. 5. É descabida a pretensão do alimentante de ver os alimentos fixados em percentual sobre o salário mínimo, quando ele possui ganho salarial certo, devendo o encargo recair sobre percentual de seus rendimentos líquidos. Conclusão nº 47 do Centro de Estudos deste Tribunal. 6. Os alimentos provisórios podem ser revistos a qualquer tempo, bastando que venham aos autos elementos de convicção que justifiquem a revisão. Recurso desprovido. (SEGREDO DE JUSTIÇA) (Agravo de Instrumento Nº 70021525621, Sétima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Sérgio Fernando de Vasconcellos Chaves, Julgado em 12/03/2008)
  • 14. Doutrina é o resultado do estudo que pensadores- juristas e filósofos do Direito, fazem a respeito do direito. A doutrina torna-se essencial para aclarar pontos, estabelecer novos parâmetros, descobrir caminhos ainda não pesquisados, apresentar soluções justas, enfim interpretar as normas, pesquisar os fatos e propor alternativas, com vistas a auxiliar a construção sempre necessária e constante do Estado de Direito, com o aperfeiçoamento do sistema jurídico. A questão da doutrina como fonte do direito não é pacífica. Há aqueles que entendem que ela não pode ser fonte, porque apenas descreve a autêntica fonte do direito, que são as normas jurídicas, ou porque forma esquemas e modelos que explicam o ordenamento jurídico por construções teóricas; ou ainda, porque, quando muito, ela inspira o legislador para e na produção das normas jurídicas.
  • 15.  Muitos autores há que excluem a doutrina como fonte do Direito, alegando que, por maior que seja a dignidade de um mestre e por mais alto que seja o prestígio intelectual de um jurisconsulto, os seus ensinamentos jamais terão força bastante para revelar a norma jurídica positiva que deva ser cumprida pelos juízes ou pelas partes.
  • 16.  e) De acordo com Diniz (2008) direito do consumidor é um conjunto de normas (lei n.8078/90) disciplinadoras das relações de consumo existentes entre fornecedor e consumidor, ou seja, da aquisição de bens ou de serviços pelo destinatário final. (Compêndio de Introdução à Ciência do Direito, 19.ed. São Paulo: Saraiva, 2008