SlideShare uma empresa Scribd logo
Teoria Geral dos Contratos – Artigos 421 a 480 - Resumo
Aluno: Geraldo - Curso de Direito
Visite o Site: www.geraldofadipa.comunidades.net
Evolução histórica e conceito de contrato
 Principal alteração histórica foi a mudança da garantia. Antes estava centrada
na pessoa (indivíduo) e agora passa para a garantia patrimonial.
 Negócio jurídico envolve ajuste de vontades, de duas ou mais pessoas, de
cunho patrimonial (bem jurídico com valor econômico) ou não patrimonial
(social).
Portanto.
 Não regulamenta apenas direitos patrimoniais, mas também regulamenta
direitos extrapatrimonial. Por exemplo cessão de imagens, divórcio, etc.
 Na visão do direito moderno a análise dos requisitos extrapola o previsto
no artigo 104 CC levando em conta a visão social do contrato.
Estrutura do Contrato
 Contrato é a manifestação da vontade das partes e constitui um negócio
jurídico:
a) Bilateral quando envolve 2 partes.
b) Plurilateral quando envolve mais de 2 partes.
Contrato - Negócio Jurídico - Escada Ponteana
 Primeiro degrau. ⇒ O plano da existência. Onde estão os elementos
mínimos, os pressupostos de existência. Sem eles, o negócio não existe.
♦ Vontade
♦ Sujeito
♦ Objeto
♦ Forma
 Segundo degrau. ⇒O plano da validade.
♦ Vontade livre (sem vícios)
♦ Sujeitos capazes ou partes capazes
♦ Objeto lícito possível, determinado ou determinável
♦ Forma prescrita ou não defesa em lei.
Atenção. ⇒ Em regra a forma é livre, salvo de a lei instituir um ato formal para
a sua realização. Exemplo: Escritura pública para a compra de imóvel.
 Terceiro degrau. ⇒ O plano da eficácia. Estão as consequências do negócio
jurídico, seus efeitos práticos no caso concreto. Elementos acidentais
(condição, termo e encargo).
Condição. ⇒ Subordina sua eficácia a evento futuro e incerto. Ex. Dou-
lhe uma renda enquanto você estudar.
Termo. ⇒ Subordina sua eficácia a evento futuro e certo. Dou-lhe um
carro quando você passar no vestibular.
Encargo ou modo. ⇒ Ônus introduzido em ato de liberalidade. Dou-lhe
um terreno, desde que você construa um asilo.
CLASSIFICAÇÃO DOS CONTRATOS → Natureza Jurídica
Contratos Típicos x Contratos Atípicos
 Típicos ou nominados. ⇒ São aqueles tipificados em Lei, ou seja,
previstos e regulados no código Civil ou em ou em outra lei
(extravagante).
Exemplos.
⇒ Compra e venda, locação de imóveis, etc. (tipificados no Código Civil de
2002).
⇒ Contrato de incorporação imobiliária (regulado pela Lei nº 4.591/64).
Atenção. ⇒ Regras dispositivas estabelecidas em contratos típicos
(tipificados em lei) podem ser afastados por cláusulas expressas,
Desde que:
⇒ Não seja regra cogente (que devem ser integralmente cumpridas).
 Contratos atípicos ou inominados. ⇒ São aqueles que não se encontram
previstos em lei. Quando há conflito buscam regras em contratos
semelhantes (analogia), salvo se já houver cláusulas estabelecidas.
 Exemplo. ⇒ Arrendamento mercantil (leasing), factoring, etc.
Contratos Unilaterais x Contratos Bilaterais x Contratos Plurilaterais
 Unilaterais. ⇒ Obrigações unicamente para uma das partes, mesmo
envolvendo duas partes e duas declarações de vontade.
Exemplo. ⇒ Doação pura, mútuo, comodato, mandato, fiança.
 Bilaterais ou Sinalagmáticos. ⇒ Geram obrigações para ambos os
contratantes.
Exemplos. ⇒ Compra e venda, locação, contrato de transporte.
 Plurilaterais. ⇒ Contêm mais de duas partes ou seja há vários contratantes
trazendo direito e prestações na mesma proporção.
Exemplo. ⇒ Sociedade, consórcio, seguro de vida em grupo.
Contratos Gratuitos x Contratos Onerosos
 Gratuito. ⇒ São aqueles em que apenas uma das partes aufere benefício
ou vantagem. O sacrifício fica apenas para um dos contratantes.
Exemplo: ⇒ Doação pura, comodato.
Observação: ⇒ em regra os contratos unilaterais são gratuitos. Exceto
aqueles que contém encargos.
 Oneroso. ⇒ Sacrifício patrimonial para ambos contratantes. Impõem ônus
e ao mesmo tempo acarretam vantagens a ambas as partes.
Exemplo. ⇒ Compra e Venda
Observação. ⇒ em regra os contratos bilaterais são onerosos.
Contratos Consensual x Contratos Real
 Consensual. ⇒ Formado com acordo de vontades das partes. Não se exige
nenhuma outra solenidade.
Exemplo. ⇒ Compra e Venda de bens móveis, contrato de transporte.
 Real. ⇒ É o contrato que se forma com a entrega (tradição) da coisa. Com
a obrigação de restituir a coisa certa.
Exemplo. ⇒ Comodato. Quando se recebe a coisa (objeto real) inicia-se a
obrigação de restituir a mesma no final do contrato.
Atenção. ⇒ Este tipo de contrato inicia-se consensualmente no momento
da formação do contrato (proposta + Aceite) e torna-se real com a tradição
(entrega do objeto).
Contratos Execução Instantânea x Contratos Execução Diferida
 Execução Instantânea. ⇒ Contrato de execução imediata em que a solução
se efetua de uma só vez e por prestação única, tendo por efeito a extinção
cabal da obrigação.
Exemplo. ⇒ Compra à vista de um televisor. Entrega do objeto mediante o
pagamento.
 Execução Diferida. ⇒ Contrato de execução retardada em que a prestação
de uma das partes não se dá de um só vez, mas se prolonga (continua) no
tempo.
Exemplo. ⇒ Compra a prazo de um televisor. Entrega do objeto é imediata
por uma das partes, porem seu pagamento (outra parte) se prolonga no
tempo.
Atenção. ⇒ Neste caso o contrato só encerrara após o pagamento da última
prestação.
Observação. ⇒Trato sucessivo ou de execução continuada (artigo. 478,
CC) é o que sobrevive para ambos no tempo, com a persistência da
obrigação, muito embora ocorram soluções periódicas, até que, pelo
implemento de uma condição, ou decurso de um prazo, cessa o próprio
contrato.
Exemplo. ⇒ Locação de imóvel. As prestações de ambos contratantes
se prolongam no tempo.
Contrato Comutativo x Contrato Aleatório
 Contrato comutativo. ⇒ É o contrato em que os contratantes conhecem,
desde a sua formação, seus direitos e deveres.
Exemplo. ⇒ Compra e venda.
Observação. ⇒ Contratos de prestações equivalentes são considerados
comutativos apesar de oneroso para as partes ele não altera o seu
patrimonial (não há déficit patrimonial).
 Contrato Aleatório. ⇒ São contratos em que há presunção de álea (sorte),
ou seja um fator desconhecido.
Exemplo. ⇒ Pode decorrer da natureza do contrato. Seguro e jogo e aposta.
/ Pode decorrer da convenção entre as partes (artigos 458 e 459 do CC).
Venda de safra.
Observação. ⇒ Contrato aleatório "Emptio Spei" → Assunção de riscos
quanto a existência e quantidade.
Exemplo. ⇒ Contratação de um passeio de barco para ver uma grande
quantidade de golfinhos em alto mar. Mesmo que estes não apareçam,
devem os contratantes pagar o valor acordado (não houve a existência do
evento e em consequência não houve a quantidade).
Observação. ⇒ Contrato aleatório "Emptio Rei Sperratae" → Assunção de
riscos quanto a quantidade.
Exemplo. ⇒ Vende determinada coisa, porém com a incerteza quanto à
quantidade, dependendo, portanto, da futura produção. Se produzir mais
do que o esperado ou menos, o contratante já tem um preço fixo a pagar,
não havendo o direito de renegociação do valor em razão da quantidade.
Mas vale ressalta. ⇒ Que alguma coisa deve ser produzida, sob pena de
que se a quantidade for zero, o contratado ver-se obrigado a devolver o
valor pago, uma vez que a incerteza é quanto à quantidade e não quanto à
existência.
Emptio Spei Emptio Rei Sperratae
Incerteza quanto à existência. Incerteza quanto à quantidade.
O evento ocorre ou não. A venda é
da esperança que ocorra.
O evento deverá acontecer. As
quantidades é que são incertas.
Contrato Paritário x Contrato de Adesão
 Contrato Paritário. ⇒ Negociação do conteúdo do contrato em igualdade
de condições discutem o conteúdo do contrato.
 Contrato de Adesão. ⇒ Unilateralmente imposto por uma das partes, ou
seja, um dos contratantes predispõem unilateralmente o conteúdo do
contrato, cabe ao outro contratante aderir ou não.
a) Predisponente ou estipulante
b) Aderente
Atenção. ⇒ Como forma de tentar minimizar a diferença entre os
contratantes o Código Civil traz 2 regras:
1. Artigo 423. ⇒ Cláusulas ambíguas e cláusulas contraditórias a
interpretação será a favo do aderente.
2. Artigo 424. ⇒ Cláusulas renuncia antecipada de direitos causa
nulidade das cláusulas.
3.
Contrato Formal x Contrato Solene
 Contrato Formal. ⇒ Deve observar os requisitos formais previstos em
lei. → Artigo 104: a) Agente Capaz b) Objeto lícito c) Forma Prevista ou não
defesa em lei. → Artigo 107: Em regra é livre a manifestação de vontade, salvo
quando a lei expressamente exigir.
Atenção. → Artigo 108: Escritura pública imóveis valor superior a 30 vezes o
maior salário mínimo vigente no país. / → Artigo 819: Fiança por escrita não
admite interpretação extensiva.
 Contrato Solene. ⇒ Todo aquele para cuja validade, ou existência jurídica,
a lei exige forma especial. É o caso de casamento (solenidade pública),
adoção etc.
PROVA DO NEGÓCIO JURÍDICO - CONTRATO
Artigo 227. ⇒ Salvo os casos expressos, a prova exclusivamente testemunhal
só se admite nos negócios jurídicos cujo valor não ultrapasse o décuplo do
maior salário mínimo vigente no País ao tempo em que foram celebrados.
Revogado pela Lei n º 13.105, de 2015. ⇒ Parágrafo único. Qualquer que seja o
valor do negócio jurídico, a prova testemunhal é admissível como subsidiária
ou complementar da prova por escrito.
Conclusão. → Não há mais limitação de valor do contrato para utilização de
prova exclusivamente testemunhal.
⇒ "Como prova por escrito" entende-se por qualquer documentação que
comprove a celebração do contrato. Exemplo: Recibo, Cupom Fiscal.
Diferença entre Contrato e Instrumento Contratual.
 O contrato é o acordo de vontades entre duas ou mais pessoas. ⇒ Podem
ser duas pessoas físicas, duas pessoas jurídicas, ou uma pessoa física e
uma jurídica, ou outras combinações.
 O instrumento do contrato. ⇒ É aquele texto em que se descrevem as
partes. Credor e devedor, o objeto do contrato, o preço e as demais
cláusulas.
Então. ⇒ O contrato difere do instrumento do contrato porque, o contrato é
apenas a disposição de vontade de ambas as partes no sentido de contratar.
Já o instrumento é a descrição detalhada da disposição de vontade.
Lembrando. ⇒ Alguns contratos não exigem nenhuma formalidade, mas outros
só podem ser celebrados com eficácia se tiverem determinada forma.
Exemplificando. ⇒ bens imóveis e direitos hereditários só podem ser
negociados mediante escritura pública lavrada por tabelião.
Personalíssimo ou “intuitu personae". ⇒ São os contratos que a prestação só
pode ser cumprida pelo devedor, não sendo possível a sua transferência.
Somente os contratos personalíssimos são extintos com a morte. É chamado
assim “intuitu personae” (em razão da pessoa).
Exemplo. ⇒ Contrato de um ator famoso para gravar um filme, caso ele desista,
não aceitarei o filho no lugar dele. Quando a obrigação é de fazer um serviço
em geral o contrato é personalíssimo.
Não Personalíssimo ou impessoal. ⇒ São os contratos que a prestação pode
ser cumprida por outro (sem ser o devedor). Normalmente são os
contratos das obrigações de dar uma coisa. Se A me deve cem reais, não tem
problema que B ou C me paguem tais cem reais.
Atenção. ⇒ Pode também ocorrer a impessoalidade, como no caso de serviço
de pintura em um apartamento por um pintor. O cliente pode exigir que só ele
efetue a pintura.
PRINCÍPIOS DE DIREITO CONTRATUAL
Princípios Liberais do Contrato
Princípios Liberais do Contrato Princípios Sociais do Contrato
⇒ Autonomia Privada. Era chamada
de autonomia das vontades. Tal
princípio revela a liberdade de
contratar (contratar ou não) e a
liberdade contratual (Acerto paritário
do conteúdo).
⇒ Obrigatoriedade do Contrato.
Decorre da autonomia. Tudo que for
avençado (combinado) tem força de
lei ou seja força os contratantes ao
cumprimento. Pacta Sunt Servanda.
Atenção. Tal princípio atualmente é
relativizado por institutos como a
resolução por onerosidade excessiva
(artigos 478 à 480) e teoria da
imprevisão (artigo 317)
⇒ Função Social do contrato. Trata-
se de princípio de ordem pública, Ou
seja por aplicação cogente ou
obrigatória. Não pode ser afastado
por Cláusulas contratuais.
PRINCÍPIO DA FUNÇÃO SOCIAL DO CONTRATO
 Eficácia Interna da Função Social do contrato. ⇒ Interna. →Relação
entre os contratantes.
Enunciado 360 - Conselho Justiça Federal. ⇒ O princípio da função
social dos contratos também pode ter eficácia interna entre as partes
contratantes.
Objetivo. ⇒ Proteção do contratante vulnerável. Visa a proteção do mais
fraco de uma relação contratual.
Exemplo. ⇒ Aderente em um contrato de adesão.
Veja os artigos e enunciados.
⇒ Artigo 423 do Código Civil e Artigo 424 do Código Civil
⇒ Artigo 827 do Código Civil
⇒ Artigo 47 do Código de Defesa do Consumidor
⇒ Enunciado 172 e Enunciado 364 CFJ / STF
⇒ Enunciado 364 CFJ / STF
Atenção. ⇒ Principalmente com a nova visão, presente nos enunciados
das jornadas de Direito Civil, está sendo dado uma outra interpretação
a Súmula 355 do STF levando em consideração a função social do
contrato. Vedação a onerosidade excessiva.
Veja os artigos
⇒ Artigo 317 do Código Civil
⇒ Artigo 478 do Código Civil
⇒ Artigo 479 do Código Civil
⇒ Artigo 480 do Código Civil

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Civil IV - direitos reais
Civil IV - direitos reaisCivil IV - direitos reais
Civil IV - direitos reais
direitoturmamanha
 
Elemen da ação
Elemen da açãoElemen da ação
Elemen da ação
Antonio Pereira
 
Processo do trabalho
Processo do trabalhoProcesso do trabalho
Processo do trabalho
Simone Freitas
 
Direito processual civil i aula 1 (1)
Direito processual civil i   aula 1 (1)Direito processual civil i   aula 1 (1)
Direito processual civil i aula 1 (1)
Caco Calaça
 
Extinção dos contratos
Extinção dos contratosExtinção dos contratos
Extinção dos contratos
Pitágoras
 
Civil - Aulas contratos
Civil - Aulas contratosCivil - Aulas contratos
Civil - Aulas contratos
direitoturmamanha
 
Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)
Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)
Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)
crisdupret
 
D. civil direito das coisas - introdução e posse
D. civil   direito das coisas - introdução e posseD. civil   direito das coisas - introdução e posse
D. civil direito das coisas - introdução e posse
Diana Sampaio
 
Aula 3 Obrigações
Aula 3   Obrigações Aula 3   Obrigações
Aula 3 Obrigações
Guido Cavalcanti
 
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos Administrativos
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos AdministrativosDireito Administrativo - Aula 3 - Atos Administrativos
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos Administrativos
Daniel Oliveira
 
Contratos aula 1 (1)
Contratos aula 1 (1)Contratos aula 1 (1)
Contratos aula 1 (1)
Kellen Eloisa
 
Processo civil revisão
Processo civil revisãoProcesso civil revisão
Processo civil revisão
Pitágoras
 
Direito civil ii
Direito civil iiDireito civil ii
Direito civil ii
railsoncsilva
 
Direito Civil IV - Aula 1 plano do curso, introdução, posse
Direito Civil IV - Aula 1   plano do curso, introdução, posseDireito Civil IV - Aula 1   plano do curso, introdução, posse
Direito Civil IV - Aula 1 plano do curso, introdução, posse
Jordano Santos Cerqueira
 
Arbitragem resumo
Arbitragem resumoArbitragem resumo
Arbitragem resumo
Pitágoras
 
Litisconsórcio, Assistência, Intervenção De Terceiros
Litisconsórcio, Assistência, Intervenção De TerceirosLitisconsórcio, Assistência, Intervenção De Terceiros
Litisconsórcio, Assistência, Intervenção De Terceiros
Antonio Pereira
 
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Direito penal iii dano
Direito penal iii   danoDireito penal iii   dano
Direito penal iii dano
Urbano Felix Pugliese
 
Recursos
RecursosRecursos
Recursos
Juuh Rodrigues
 
Aula 11 - Controle De Constitucionalidade
Aula 11 - Controle De ConstitucionalidadeAula 11 - Controle De Constitucionalidade
Aula 11 - Controle De Constitucionalidade
Tércio De Santana
 

Mais procurados (20)

Civil IV - direitos reais
Civil IV - direitos reaisCivil IV - direitos reais
Civil IV - direitos reais
 
Elemen da ação
Elemen da açãoElemen da ação
Elemen da ação
 
Processo do trabalho
Processo do trabalhoProcesso do trabalho
Processo do trabalho
 
Direito processual civil i aula 1 (1)
Direito processual civil i   aula 1 (1)Direito processual civil i   aula 1 (1)
Direito processual civil i aula 1 (1)
 
Extinção dos contratos
Extinção dos contratosExtinção dos contratos
Extinção dos contratos
 
Civil - Aulas contratos
Civil - Aulas contratosCivil - Aulas contratos
Civil - Aulas contratos
 
Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)
Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)
Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)
 
D. civil direito das coisas - introdução e posse
D. civil   direito das coisas - introdução e posseD. civil   direito das coisas - introdução e posse
D. civil direito das coisas - introdução e posse
 
Aula 3 Obrigações
Aula 3   Obrigações Aula 3   Obrigações
Aula 3 Obrigações
 
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos Administrativos
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos AdministrativosDireito Administrativo - Aula 3 - Atos Administrativos
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos Administrativos
 
Contratos aula 1 (1)
Contratos aula 1 (1)Contratos aula 1 (1)
Contratos aula 1 (1)
 
Processo civil revisão
Processo civil revisãoProcesso civil revisão
Processo civil revisão
 
Direito civil ii
Direito civil iiDireito civil ii
Direito civil ii
 
Direito Civil IV - Aula 1 plano do curso, introdução, posse
Direito Civil IV - Aula 1   plano do curso, introdução, posseDireito Civil IV - Aula 1   plano do curso, introdução, posse
Direito Civil IV - Aula 1 plano do curso, introdução, posse
 
Arbitragem resumo
Arbitragem resumoArbitragem resumo
Arbitragem resumo
 
Litisconsórcio, Assistência, Intervenção De Terceiros
Litisconsórcio, Assistência, Intervenção De TerceirosLitisconsórcio, Assistência, Intervenção De Terceiros
Litisconsórcio, Assistência, Intervenção De Terceiros
 
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
 
Direito penal iii dano
Direito penal iii   danoDireito penal iii   dano
Direito penal iii dano
 
Recursos
RecursosRecursos
Recursos
 
Aula 11 - Controle De Constitucionalidade
Aula 11 - Controle De ConstitucionalidadeAula 11 - Controle De Constitucionalidade
Aula 11 - Controle De Constitucionalidade
 

Semelhante a Teoria geral dos contratos

Apostila compra e venda
Apostila compra e vendaApostila compra e venda
Apostila compra e venda
zeramento contabil
 
Resumo de civil
Resumo de civilResumo de civil
Resumo de civil
Indira Velasco
 
Contratos classificacao-dos-contratos
Contratos classificacao-dos-contratosContratos classificacao-dos-contratos
Contratos classificacao-dos-contratos
Francinildo R. Fonseca Froz
 
Contratos
ContratosContratos
Contratos
Yara Souto Maior
 
Resumo codigo civil
Resumo codigo civilResumo codigo civil
Resumo codigo civil
Felipe Lopes
 
Apostilacompraevenda 100805055844-phpapp01
Apostilacompraevenda 100805055844-phpapp01Apostilacompraevenda 100805055844-phpapp01
Apostilacompraevenda 100805055844-phpapp01
Antonio Maciel Alves Maciel Junior
 
Apostilacompraevenda 100805055844-phpapp01 (1)
Apostilacompraevenda 100805055844-phpapp01 (1)Apostilacompraevenda 100805055844-phpapp01 (1)
Apostilacompraevenda 100805055844-phpapp01 (1)
Antonio Maciel Alves Maciel Junior
 
EbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdf
EbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdfEbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdf
EbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdf
LucianoGomes666250
 
Leasing
LeasingLeasing
Leasing
09108303
 
Aula%2007
Aula%2007Aula%2007
Aula%2007
Evelyn Wallace
 
Contratos De Arras
Contratos De ArrasContratos De Arras
Contratos De Arras
edeciofilho
 
Apresentao Contratos ISEG - 06.05.2022.pdf
Apresentao Contratos ISEG - 06.05.2022.pdfApresentao Contratos ISEG - 06.05.2022.pdf
Apresentao Contratos ISEG - 06.05.2022.pdf
PedroAlves798178
 
Da compra e venda
Da compra e vendaDa compra e venda
Da compra e venda
reginaldovieira2011
 
Classificação dos contratos - CIVIL 3
Classificação dos contratos  - CIVIL 3Classificação dos contratos  - CIVIL 3
Classificação dos contratos - CIVIL 3
tuliomedeiross
 
A Transmissibilidade Da Cl Usula Arbitral Diante Da Cess O De Posi O Contratual
A Transmissibilidade Da Cl Usula Arbitral Diante Da Cess O De Posi  O ContratualA Transmissibilidade Da Cl Usula Arbitral Diante Da Cess O De Posi  O Contratual
A Transmissibilidade Da Cl Usula Arbitral Diante Da Cess O De Posi O Contratual
Jennifer Strong
 
regime juridico transcrição das aulas TGDC II
regime juridico transcrição das aulas TGDC IIregime juridico transcrição das aulas TGDC II
regime juridico transcrição das aulas TGDC II
spopozuda1
 
Contratos de Transação (Teoria Geral dos Contratos - Direito Civil III)
Contratos de Transação (Teoria Geral dos Contratos - Direito Civil III)Contratos de Transação (Teoria Geral dos Contratos - Direito Civil III)
Contratos de Transação (Teoria Geral dos Contratos - Direito Civil III)
Helíssia Coimbra
 
Compraevenda Xx
Compraevenda XxCompraevenda Xx
Compraevenda Xx
Marcos Alves
 
Venda sob condição suspensiva xlii encontro nacional
Venda sob condição suspensiva   xlii encontro nacionalVenda sob condição suspensiva   xlii encontro nacional
Venda sob condição suspensiva xlii encontro nacional
IRIB
 
Direito civil
Direito civilDireito civil

Semelhante a Teoria geral dos contratos (20)

Apostila compra e venda
Apostila compra e vendaApostila compra e venda
Apostila compra e venda
 
Resumo de civil
Resumo de civilResumo de civil
Resumo de civil
 
Contratos classificacao-dos-contratos
Contratos classificacao-dos-contratosContratos classificacao-dos-contratos
Contratos classificacao-dos-contratos
 
Contratos
ContratosContratos
Contratos
 
Resumo codigo civil
Resumo codigo civilResumo codigo civil
Resumo codigo civil
 
Apostilacompraevenda 100805055844-phpapp01
Apostilacompraevenda 100805055844-phpapp01Apostilacompraevenda 100805055844-phpapp01
Apostilacompraevenda 100805055844-phpapp01
 
Apostilacompraevenda 100805055844-phpapp01 (1)
Apostilacompraevenda 100805055844-phpapp01 (1)Apostilacompraevenda 100805055844-phpapp01 (1)
Apostilacompraevenda 100805055844-phpapp01 (1)
 
EbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdf
EbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdfEbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdf
EbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdf
 
Leasing
LeasingLeasing
Leasing
 
Aula%2007
Aula%2007Aula%2007
Aula%2007
 
Contratos De Arras
Contratos De ArrasContratos De Arras
Contratos De Arras
 
Apresentao Contratos ISEG - 06.05.2022.pdf
Apresentao Contratos ISEG - 06.05.2022.pdfApresentao Contratos ISEG - 06.05.2022.pdf
Apresentao Contratos ISEG - 06.05.2022.pdf
 
Da compra e venda
Da compra e vendaDa compra e venda
Da compra e venda
 
Classificação dos contratos - CIVIL 3
Classificação dos contratos  - CIVIL 3Classificação dos contratos  - CIVIL 3
Classificação dos contratos - CIVIL 3
 
A Transmissibilidade Da Cl Usula Arbitral Diante Da Cess O De Posi O Contratual
A Transmissibilidade Da Cl Usula Arbitral Diante Da Cess O De Posi  O ContratualA Transmissibilidade Da Cl Usula Arbitral Diante Da Cess O De Posi  O Contratual
A Transmissibilidade Da Cl Usula Arbitral Diante Da Cess O De Posi O Contratual
 
regime juridico transcrição das aulas TGDC II
regime juridico transcrição das aulas TGDC IIregime juridico transcrição das aulas TGDC II
regime juridico transcrição das aulas TGDC II
 
Contratos de Transação (Teoria Geral dos Contratos - Direito Civil III)
Contratos de Transação (Teoria Geral dos Contratos - Direito Civil III)Contratos de Transação (Teoria Geral dos Contratos - Direito Civil III)
Contratos de Transação (Teoria Geral dos Contratos - Direito Civil III)
 
Compraevenda Xx
Compraevenda XxCompraevenda Xx
Compraevenda Xx
 
Venda sob condição suspensiva xlii encontro nacional
Venda sob condição suspensiva   xlii encontro nacionalVenda sob condição suspensiva   xlii encontro nacional
Venda sob condição suspensiva xlii encontro nacional
 
Direito civil
Direito civilDireito civil
Direito civil
 

Mais de Pitágoras

Viagem pela estrada de ferro leopoldina
Viagem pela estrada de ferro leopoldinaViagem pela estrada de ferro leopoldina
Viagem pela estrada de ferro leopoldina
Pitágoras
 
Caminhonete do senhor filomeno
Caminhonete do senhor filomenoCaminhonete do senhor filomeno
Caminhonete do senhor filomeno
Pitágoras
 
Tio Altivo
Tio AltivoTio Altivo
Tio Altivo
Pitágoras
 
Bom crioulo
Bom criouloBom crioulo
Bom crioulo
Pitágoras
 
Estorias do vo jaco
Estorias do vo jacoEstorias do vo jaco
Estorias do vo jaco
Pitágoras
 
Bom jesus nos meus tempos de crianca
Bom jesus nos meus  tempos de criancaBom jesus nos meus  tempos de crianca
Bom jesus nos meus tempos de crianca
Pitágoras
 
Familia batista
Familia batistaFamilia batista
Familia batista
Pitágoras
 
Meus avos maternos
Meus avos maternosMeus avos maternos
Meus avos maternos
Pitágoras
 
Familia paterna os genuinos
Familia paterna os genuinosFamilia paterna os genuinos
Familia paterna os genuinos
Pitágoras
 
As terras de francisco jacob
As terras de francisco jacobAs terras de francisco jacob
As terras de francisco jacob
Pitágoras
 
Curso de direito penal
Curso de direito penalCurso de direito penal
Curso de direito penal
Pitágoras
 
Atividade discursiva ava adocao homoafetiva
Atividade discursiva ava adocao homoafetivaAtividade discursiva ava adocao homoafetiva
Atividade discursiva ava adocao homoafetiva
Pitágoras
 
Atividade discursiva ava john locke
Atividade discursiva ava john lockeAtividade discursiva ava john locke
Atividade discursiva ava john locke
Pitágoras
 
Atividade discursiva ava alienacao parental
Atividade discursiva ava alienacao parentalAtividade discursiva ava alienacao parental
Atividade discursiva ava alienacao parental
Pitágoras
 
Direito constitucional competencias
Direito constitucional competenciasDireito constitucional competencias
Direito constitucional competencias
Pitágoras
 
Direito constitucional introducao
Direito constitucional introducaoDireito constitucional introducao
Direito constitucional introducao
Pitágoras
 
Perspectivas sociologicas
Perspectivas sociologicasPerspectivas sociologicas
Perspectivas sociologicas
Pitágoras
 
Previdenciario aposentadorias
Previdenciario aposentadoriasPrevidenciario aposentadorias
Previdenciario aposentadorias
Pitágoras
 
Processo penal resumo provas no processo penal
Processo penal resumo provas no processo penalProcesso penal resumo provas no processo penal
Processo penal resumo provas no processo penal
Pitágoras
 
Filosofia grega resumo aula
Filosofia grega resumo aulaFilosofia grega resumo aula
Filosofia grega resumo aula
Pitágoras
 

Mais de Pitágoras (20)

Viagem pela estrada de ferro leopoldina
Viagem pela estrada de ferro leopoldinaViagem pela estrada de ferro leopoldina
Viagem pela estrada de ferro leopoldina
 
Caminhonete do senhor filomeno
Caminhonete do senhor filomenoCaminhonete do senhor filomeno
Caminhonete do senhor filomeno
 
Tio Altivo
Tio AltivoTio Altivo
Tio Altivo
 
Bom crioulo
Bom criouloBom crioulo
Bom crioulo
 
Estorias do vo jaco
Estorias do vo jacoEstorias do vo jaco
Estorias do vo jaco
 
Bom jesus nos meus tempos de crianca
Bom jesus nos meus  tempos de criancaBom jesus nos meus  tempos de crianca
Bom jesus nos meus tempos de crianca
 
Familia batista
Familia batistaFamilia batista
Familia batista
 
Meus avos maternos
Meus avos maternosMeus avos maternos
Meus avos maternos
 
Familia paterna os genuinos
Familia paterna os genuinosFamilia paterna os genuinos
Familia paterna os genuinos
 
As terras de francisco jacob
As terras de francisco jacobAs terras de francisco jacob
As terras de francisco jacob
 
Curso de direito penal
Curso de direito penalCurso de direito penal
Curso de direito penal
 
Atividade discursiva ava adocao homoafetiva
Atividade discursiva ava adocao homoafetivaAtividade discursiva ava adocao homoafetiva
Atividade discursiva ava adocao homoafetiva
 
Atividade discursiva ava john locke
Atividade discursiva ava john lockeAtividade discursiva ava john locke
Atividade discursiva ava john locke
 
Atividade discursiva ava alienacao parental
Atividade discursiva ava alienacao parentalAtividade discursiva ava alienacao parental
Atividade discursiva ava alienacao parental
 
Direito constitucional competencias
Direito constitucional competenciasDireito constitucional competencias
Direito constitucional competencias
 
Direito constitucional introducao
Direito constitucional introducaoDireito constitucional introducao
Direito constitucional introducao
 
Perspectivas sociologicas
Perspectivas sociologicasPerspectivas sociologicas
Perspectivas sociologicas
 
Previdenciario aposentadorias
Previdenciario aposentadoriasPrevidenciario aposentadorias
Previdenciario aposentadorias
 
Processo penal resumo provas no processo penal
Processo penal resumo provas no processo penalProcesso penal resumo provas no processo penal
Processo penal resumo provas no processo penal
 
Filosofia grega resumo aula
Filosofia grega resumo aulaFilosofia grega resumo aula
Filosofia grega resumo aula
 

Teoria geral dos contratos

  • 1. Teoria Geral dos Contratos – Artigos 421 a 480 - Resumo Aluno: Geraldo - Curso de Direito Visite o Site: www.geraldofadipa.comunidades.net Evolução histórica e conceito de contrato  Principal alteração histórica foi a mudança da garantia. Antes estava centrada na pessoa (indivíduo) e agora passa para a garantia patrimonial.  Negócio jurídico envolve ajuste de vontades, de duas ou mais pessoas, de cunho patrimonial (bem jurídico com valor econômico) ou não patrimonial (social). Portanto.  Não regulamenta apenas direitos patrimoniais, mas também regulamenta direitos extrapatrimonial. Por exemplo cessão de imagens, divórcio, etc.  Na visão do direito moderno a análise dos requisitos extrapola o previsto no artigo 104 CC levando em conta a visão social do contrato. Estrutura do Contrato  Contrato é a manifestação da vontade das partes e constitui um negócio jurídico: a) Bilateral quando envolve 2 partes. b) Plurilateral quando envolve mais de 2 partes. Contrato - Negócio Jurídico - Escada Ponteana  Primeiro degrau. ⇒ O plano da existência. Onde estão os elementos mínimos, os pressupostos de existência. Sem eles, o negócio não existe. ♦ Vontade ♦ Sujeito ♦ Objeto ♦ Forma  Segundo degrau. ⇒O plano da validade. ♦ Vontade livre (sem vícios) ♦ Sujeitos capazes ou partes capazes ♦ Objeto lícito possível, determinado ou determinável ♦ Forma prescrita ou não defesa em lei.
  • 2. Atenção. ⇒ Em regra a forma é livre, salvo de a lei instituir um ato formal para a sua realização. Exemplo: Escritura pública para a compra de imóvel.  Terceiro degrau. ⇒ O plano da eficácia. Estão as consequências do negócio jurídico, seus efeitos práticos no caso concreto. Elementos acidentais (condição, termo e encargo). Condição. ⇒ Subordina sua eficácia a evento futuro e incerto. Ex. Dou- lhe uma renda enquanto você estudar. Termo. ⇒ Subordina sua eficácia a evento futuro e certo. Dou-lhe um carro quando você passar no vestibular. Encargo ou modo. ⇒ Ônus introduzido em ato de liberalidade. Dou-lhe um terreno, desde que você construa um asilo. CLASSIFICAÇÃO DOS CONTRATOS → Natureza Jurídica Contratos Típicos x Contratos Atípicos  Típicos ou nominados. ⇒ São aqueles tipificados em Lei, ou seja, previstos e regulados no código Civil ou em ou em outra lei (extravagante). Exemplos. ⇒ Compra e venda, locação de imóveis, etc. (tipificados no Código Civil de 2002). ⇒ Contrato de incorporação imobiliária (regulado pela Lei nº 4.591/64). Atenção. ⇒ Regras dispositivas estabelecidas em contratos típicos (tipificados em lei) podem ser afastados por cláusulas expressas, Desde que: ⇒ Não seja regra cogente (que devem ser integralmente cumpridas).  Contratos atípicos ou inominados. ⇒ São aqueles que não se encontram previstos em lei. Quando há conflito buscam regras em contratos semelhantes (analogia), salvo se já houver cláusulas estabelecidas.  Exemplo. ⇒ Arrendamento mercantil (leasing), factoring, etc.
  • 3. Contratos Unilaterais x Contratos Bilaterais x Contratos Plurilaterais  Unilaterais. ⇒ Obrigações unicamente para uma das partes, mesmo envolvendo duas partes e duas declarações de vontade. Exemplo. ⇒ Doação pura, mútuo, comodato, mandato, fiança.  Bilaterais ou Sinalagmáticos. ⇒ Geram obrigações para ambos os contratantes. Exemplos. ⇒ Compra e venda, locação, contrato de transporte.  Plurilaterais. ⇒ Contêm mais de duas partes ou seja há vários contratantes trazendo direito e prestações na mesma proporção. Exemplo. ⇒ Sociedade, consórcio, seguro de vida em grupo. Contratos Gratuitos x Contratos Onerosos  Gratuito. ⇒ São aqueles em que apenas uma das partes aufere benefício ou vantagem. O sacrifício fica apenas para um dos contratantes. Exemplo: ⇒ Doação pura, comodato. Observação: ⇒ em regra os contratos unilaterais são gratuitos. Exceto aqueles que contém encargos.  Oneroso. ⇒ Sacrifício patrimonial para ambos contratantes. Impõem ônus e ao mesmo tempo acarretam vantagens a ambas as partes. Exemplo. ⇒ Compra e Venda Observação. ⇒ em regra os contratos bilaterais são onerosos. Contratos Consensual x Contratos Real  Consensual. ⇒ Formado com acordo de vontades das partes. Não se exige nenhuma outra solenidade. Exemplo. ⇒ Compra e Venda de bens móveis, contrato de transporte.  Real. ⇒ É o contrato que se forma com a entrega (tradição) da coisa. Com a obrigação de restituir a coisa certa. Exemplo. ⇒ Comodato. Quando se recebe a coisa (objeto real) inicia-se a obrigação de restituir a mesma no final do contrato. Atenção. ⇒ Este tipo de contrato inicia-se consensualmente no momento da formação do contrato (proposta + Aceite) e torna-se real com a tradição (entrega do objeto).
  • 4. Contratos Execução Instantânea x Contratos Execução Diferida  Execução Instantânea. ⇒ Contrato de execução imediata em que a solução se efetua de uma só vez e por prestação única, tendo por efeito a extinção cabal da obrigação. Exemplo. ⇒ Compra à vista de um televisor. Entrega do objeto mediante o pagamento.  Execução Diferida. ⇒ Contrato de execução retardada em que a prestação de uma das partes não se dá de um só vez, mas se prolonga (continua) no tempo. Exemplo. ⇒ Compra a prazo de um televisor. Entrega do objeto é imediata por uma das partes, porem seu pagamento (outra parte) se prolonga no tempo. Atenção. ⇒ Neste caso o contrato só encerrara após o pagamento da última prestação. Observação. ⇒Trato sucessivo ou de execução continuada (artigo. 478, CC) é o que sobrevive para ambos no tempo, com a persistência da obrigação, muito embora ocorram soluções periódicas, até que, pelo implemento de uma condição, ou decurso de um prazo, cessa o próprio contrato. Exemplo. ⇒ Locação de imóvel. As prestações de ambos contratantes se prolongam no tempo. Contrato Comutativo x Contrato Aleatório  Contrato comutativo. ⇒ É o contrato em que os contratantes conhecem, desde a sua formação, seus direitos e deveres. Exemplo. ⇒ Compra e venda. Observação. ⇒ Contratos de prestações equivalentes são considerados comutativos apesar de oneroso para as partes ele não altera o seu patrimonial (não há déficit patrimonial).  Contrato Aleatório. ⇒ São contratos em que há presunção de álea (sorte), ou seja um fator desconhecido. Exemplo. ⇒ Pode decorrer da natureza do contrato. Seguro e jogo e aposta. / Pode decorrer da convenção entre as partes (artigos 458 e 459 do CC). Venda de safra. Observação. ⇒ Contrato aleatório "Emptio Spei" → Assunção de riscos quanto a existência e quantidade. Exemplo. ⇒ Contratação de um passeio de barco para ver uma grande quantidade de golfinhos em alto mar. Mesmo que estes não apareçam,
  • 5. devem os contratantes pagar o valor acordado (não houve a existência do evento e em consequência não houve a quantidade). Observação. ⇒ Contrato aleatório "Emptio Rei Sperratae" → Assunção de riscos quanto a quantidade. Exemplo. ⇒ Vende determinada coisa, porém com a incerteza quanto à quantidade, dependendo, portanto, da futura produção. Se produzir mais do que o esperado ou menos, o contratante já tem um preço fixo a pagar, não havendo o direito de renegociação do valor em razão da quantidade. Mas vale ressalta. ⇒ Que alguma coisa deve ser produzida, sob pena de que se a quantidade for zero, o contratado ver-se obrigado a devolver o valor pago, uma vez que a incerteza é quanto à quantidade e não quanto à existência. Emptio Spei Emptio Rei Sperratae Incerteza quanto à existência. Incerteza quanto à quantidade. O evento ocorre ou não. A venda é da esperança que ocorra. O evento deverá acontecer. As quantidades é que são incertas. Contrato Paritário x Contrato de Adesão  Contrato Paritário. ⇒ Negociação do conteúdo do contrato em igualdade de condições discutem o conteúdo do contrato.  Contrato de Adesão. ⇒ Unilateralmente imposto por uma das partes, ou seja, um dos contratantes predispõem unilateralmente o conteúdo do contrato, cabe ao outro contratante aderir ou não. a) Predisponente ou estipulante b) Aderente Atenção. ⇒ Como forma de tentar minimizar a diferença entre os contratantes o Código Civil traz 2 regras: 1. Artigo 423. ⇒ Cláusulas ambíguas e cláusulas contraditórias a interpretação será a favo do aderente. 2. Artigo 424. ⇒ Cláusulas renuncia antecipada de direitos causa nulidade das cláusulas. 3. Contrato Formal x Contrato Solene  Contrato Formal. ⇒ Deve observar os requisitos formais previstos em lei. → Artigo 104: a) Agente Capaz b) Objeto lícito c) Forma Prevista ou não
  • 6. defesa em lei. → Artigo 107: Em regra é livre a manifestação de vontade, salvo quando a lei expressamente exigir. Atenção. → Artigo 108: Escritura pública imóveis valor superior a 30 vezes o maior salário mínimo vigente no país. / → Artigo 819: Fiança por escrita não admite interpretação extensiva.  Contrato Solene. ⇒ Todo aquele para cuja validade, ou existência jurídica, a lei exige forma especial. É o caso de casamento (solenidade pública), adoção etc. PROVA DO NEGÓCIO JURÍDICO - CONTRATO Artigo 227. ⇒ Salvo os casos expressos, a prova exclusivamente testemunhal só se admite nos negócios jurídicos cujo valor não ultrapasse o décuplo do maior salário mínimo vigente no País ao tempo em que foram celebrados. Revogado pela Lei n º 13.105, de 2015. ⇒ Parágrafo único. Qualquer que seja o valor do negócio jurídico, a prova testemunhal é admissível como subsidiária ou complementar da prova por escrito. Conclusão. → Não há mais limitação de valor do contrato para utilização de prova exclusivamente testemunhal. ⇒ "Como prova por escrito" entende-se por qualquer documentação que comprove a celebração do contrato. Exemplo: Recibo, Cupom Fiscal. Diferença entre Contrato e Instrumento Contratual.  O contrato é o acordo de vontades entre duas ou mais pessoas. ⇒ Podem ser duas pessoas físicas, duas pessoas jurídicas, ou uma pessoa física e uma jurídica, ou outras combinações.  O instrumento do contrato. ⇒ É aquele texto em que se descrevem as partes. Credor e devedor, o objeto do contrato, o preço e as demais cláusulas. Então. ⇒ O contrato difere do instrumento do contrato porque, o contrato é apenas a disposição de vontade de ambas as partes no sentido de contratar. Já o instrumento é a descrição detalhada da disposição de vontade. Lembrando. ⇒ Alguns contratos não exigem nenhuma formalidade, mas outros só podem ser celebrados com eficácia se tiverem determinada forma. Exemplificando. ⇒ bens imóveis e direitos hereditários só podem ser negociados mediante escritura pública lavrada por tabelião.
  • 7. Personalíssimo ou “intuitu personae". ⇒ São os contratos que a prestação só pode ser cumprida pelo devedor, não sendo possível a sua transferência. Somente os contratos personalíssimos são extintos com a morte. É chamado assim “intuitu personae” (em razão da pessoa). Exemplo. ⇒ Contrato de um ator famoso para gravar um filme, caso ele desista, não aceitarei o filho no lugar dele. Quando a obrigação é de fazer um serviço em geral o contrato é personalíssimo. Não Personalíssimo ou impessoal. ⇒ São os contratos que a prestação pode ser cumprida por outro (sem ser o devedor). Normalmente são os contratos das obrigações de dar uma coisa. Se A me deve cem reais, não tem problema que B ou C me paguem tais cem reais. Atenção. ⇒ Pode também ocorrer a impessoalidade, como no caso de serviço de pintura em um apartamento por um pintor. O cliente pode exigir que só ele efetue a pintura. PRINCÍPIOS DE DIREITO CONTRATUAL Princípios Liberais do Contrato Princípios Liberais do Contrato Princípios Sociais do Contrato ⇒ Autonomia Privada. Era chamada de autonomia das vontades. Tal princípio revela a liberdade de contratar (contratar ou não) e a liberdade contratual (Acerto paritário do conteúdo). ⇒ Obrigatoriedade do Contrato. Decorre da autonomia. Tudo que for avençado (combinado) tem força de lei ou seja força os contratantes ao cumprimento. Pacta Sunt Servanda. Atenção. Tal princípio atualmente é relativizado por institutos como a resolução por onerosidade excessiva (artigos 478 à 480) e teoria da imprevisão (artigo 317) ⇒ Função Social do contrato. Trata- se de princípio de ordem pública, Ou seja por aplicação cogente ou obrigatória. Não pode ser afastado por Cláusulas contratuais.
  • 8. PRINCÍPIO DA FUNÇÃO SOCIAL DO CONTRATO  Eficácia Interna da Função Social do contrato. ⇒ Interna. →Relação entre os contratantes. Enunciado 360 - Conselho Justiça Federal. ⇒ O princípio da função social dos contratos também pode ter eficácia interna entre as partes contratantes. Objetivo. ⇒ Proteção do contratante vulnerável. Visa a proteção do mais fraco de uma relação contratual. Exemplo. ⇒ Aderente em um contrato de adesão. Veja os artigos e enunciados. ⇒ Artigo 423 do Código Civil e Artigo 424 do Código Civil ⇒ Artigo 827 do Código Civil ⇒ Artigo 47 do Código de Defesa do Consumidor ⇒ Enunciado 172 e Enunciado 364 CFJ / STF ⇒ Enunciado 364 CFJ / STF Atenção. ⇒ Principalmente com a nova visão, presente nos enunciados das jornadas de Direito Civil, está sendo dado uma outra interpretação a Súmula 355 do STF levando em consideração a função social do contrato. Vedação a onerosidade excessiva. Veja os artigos ⇒ Artigo 317 do Código Civil ⇒ Artigo 478 do Código Civil ⇒ Artigo 479 do Código Civil ⇒ Artigo 480 do Código Civil