SlideShare uma empresa Scribd logo
Filosofia antiga
Filosofia Antiga
Pensamento Pré-socrático
      Prof. Aldenei Barros
  E.E. Prof.ª Sebastiana Braga
Introdução
Iniciemos esta viagem pelo tempo e investiguemos como a
consciência racional começou a suplantar a consciência mítica
na Grécia antiga, engendrando essa aventura do pensamento, a
filosofia, da qual derivaram todas as ciências.
Quem foram os principais atores desse processo inaugural?
O que buscavam, o que encontraram?
É o que veremos em seguida.
Pólis e Filosofia

A passagem do mito ao logos
Na história do pensamento ocidental, a filosofia nasce na Grécia
entre os séculos VII e VI a.C., promovendo a passagem do saber
mítico (alegórico) ao pensamento racional (logos).
Essa passagem ocorreu durante longo processo histórico, sem
um rompimento brusco e imediato com as formas de
conhecimentos utilizadas no passado.
Conforme analisa o historiador francês Pierre Grimal (1912-
1996) em A mitologia grega:
              O mito se opõe ao logos como a fantasia à razão,
como a palavra que narra à palavra que demonstra.
              Logos e mito são as duas metades da linguagem,
duas funções igualmente fundamentais da vida do espírito.
              O logos, sendo uma argumentação, pretende
convencer.
              O logos é verdadeiro, no caso de ser justo e
conforme à "lógica"; é falso quando dissimula alguma burla
secreta (sofisma).
Mas o mito tem por finalidade apenas a si mesmo.
             Acredita-se ou não nele, conforme a própria
vontade, mediante um ato de fé, caso pareça "belo" ou
verossímil, ou simplesmente porque se quer acreditar.
              O mito, assim, atrai em torno de si toda a parcela
do irracional existente no pensamento humano; por sua
própria natureza, é aparentado à arte, em todas as suas
criações.
              (p. 89).
Mitologia uma série de deuses (Zeus, Hera, Ares, Atena etc.),
Os gregos cultuavam
                    grega.
além de heróis ou semideuses (Teseu, Hércules, Perseu etc.).
Relatando a vida desses deuses e heróis e seu envolvimento com os
humanos, criaram uma rica mitologia, isto é, um conjunto de lendas e
crenças que, de modo simbólico, fornecem explicações para a realidade
universal.
Integra a mitologia grega grande número de "relatos maravilhosos" e de
lendas que inspiraram e ainda inspiram diversas obras artísticas ocidentais.
O mito de Édipo, rico em significados, é um exemplo disso.
 Na Antiguidade, foi utilizado pelo dramaturgo Sófocles (496-406 a.C.), na
tragédia Édipo rei, para uma reflexão sobre as questões da culpa e da
responsabilidade dos indivíduos perante as normas e os tabus
(comportamento que, dentro dos costumes de uma comunidade, é
considerado nocivo e perigoso, sendo por isso proibido a seus membros).
Pólis e razão
Retornemos a nosso tema, o nascimento da filosofia.
Segundo análise do historiador francês Jean-Pierre Vernant (1914-
2007), o momento histórico da Grécia antiga em que se afirma a
utilização do logos (a razão) para resolver os problemas da vida
estaria vinculado ao surgimento da pólis, cidade-Estado grega.
A pólis foi uma nova forma de organização social e política
desenvolvida entre os séculos VIII e VI a.C.
Nela, eram os cidadãos que dirigiam os destinos da cidade.
Como criação dos cidadãos, e não dos deuses, a pólis estava
organizada e podia ser explicada de forma racional, isto é, de
acordo com a razão.
Filosofia antiga
Tales de Mileto ( 640-546 a.C.)
           Segundo geralmente se acredita, pode ser
           considerado o primeiro filósofo de que se
           tem notícia. Foi um notável cientista, que
           conseguiu prever com exatidão um eclipse
           solar em 585 a.C.
           O princípio originador de todas as coisas,
           para Tales seria a água. E ia mais longe, ao
           afirmar que todas as coisas existentes no
           universo derivam da água.
Anaximandro (610-547a.C.)




   Anaximandro tomou uma direção oposta à de Tales. Enquanto Tales
   acreditava que todo o universo derivava de uma única substância material,
   Anaximandro ensinava que o princípio originador de todas as coisas era o
   apeiron. Embora não se conheça com exatidão a tradução exata,
   Anaximandro qualificava o apeiron como uma realidade indeterminada ou o
   infinito, ou ainda , o ilimitado , segundo algumas traduções de alguns
   fragmentos de seus escritos. Os atributos que o apeiron possui são,
   evidentemente, atributos de divindade, já que o mesmo é eterno, imortal,
   transcendental, imperecível e não-gerado. Podemos afirmar, que
   Anaximandro “chegou perto de um conceito de divindade”.
Anaxímenes (588-524 a.C.)
         Segundo o escritor Jostein Gaarder, para
         Anaxímenes, “o ar ou o sopro de ar era a
         substância básica de todas as coisas” (3). Segundo
         Anaximandro , todas as coisas eram produtos do ar
         e a ele retornavam , por um duplo movimento de
         condensação e rarefação. O ar se condensaria e se
         transformaria em água. Através da compressão, a
         água se transformaria em terra, a terra em fogo e
         assim por diante.
Pitágoras (c. 570-490 a.C.)



Resposta bastante distinta na busca da arché veio de Pitágoras de Samos.
Profundo estudioso da matemática, Pitágoras defendeu a tese de que
todas as coisas são números.
Se para Pitágoras "tudo é número", isso quer dizer que o princípio
fundamental (a arché) seria a estrutura numérica, matemática, da
realidade.
 A diferença entre as coisas resultaria, essencialmente, de uma questão
de números.
Os pitagóricos entendiam, por exemplo, que os corpos eram
constituídos por pontos e a quantidade de pontos de um corpo definiria
suas propriedades.
Heráclito (535 – 475 a.C.)
        Assim como os pensadores de Mileto, Heráclito
        observava que a realidade é dinâmica e que a vida está
        em constante transformação.
        Mas, diferentemente dos milésios - que buscavam na
        mudança aquilo que permanece -, decidiu concentrar
        sua reflexão sobre o que muda.
        Assim, o filósofo dirá que tudo flui, nada persiste nem
        permanece o mesmo. O ser não é mais que o vir a
        ser. "Tu não podes descer duas vezes no mesmo rio,
        porque novas águas correm sobre ti" (HERÁCLITO,
        em SOUZA, Pré-socráticos, p. XXXI).
Parmênides de Eléia ( “a filosofia de ParmênidesC.)pode
        Segundo García Morente,
                                515-450 a. não
             ser compreendida se não se coloca em relação polêmica com
             a filosofia de Heráclito .(...) Parmênides, analisando a ideia
             mesma de devir, de fluir, de mudar, encontra nessa ideia o
             elemento de que o ser deixa de ser o que é para tornar-se
             outra coisa, e , ao mesmo tempo que se torna outra coisa,
             deixa de ser o que é para tornar-se outra coisa. Verifica-se,
             pois, que, dentro da ideia do devir, há uma contradição lógica:
             que o ser não é; que aquele que é não é, visto que o que é
             neste momento já não é neste momento , antes passa a ser
             outra coisa. (...)Como pode alguém compreender que o que
             é não seja, e , o que não é seja? (...)Temos, pois, que opor às
             contradições, aos absurdos, à ininteligibilidade da filosofia de
             Heráclito um princípio de razão, um princípio de pensamento
             que não possa nunca falhar. Qual será este princípio? Este: o
             ser é; o não ser não é.(...)As coisas tem um ser, este ser é. Se
             não tem ser, o não-ser não é” (9).
Zenão de Eléia (490-430 a.C.)
      Coube a Zenão, discípulo de Parmênides, elaborar a
      apologia ao pensamento do mestre, como Platão faria a
      respeito de Sócrates, alguns anos mais tardes.
      Russel Norman Champlin fez uma análise detalhada dos
      chamados paradoxos de Zenão. Trata-se de uma série de
      seis argumentos elaborados por Zenão, a fim de criticar a
      teoria heraclítica do movimento e assim, reafirmar a
      concepção parmenideana da imutabilidade do ser. Zenão
      tornou-se famoso por seu método de investigação filosófica
      conhecido como reductio ad absudum ( redução ao
      absurdo) outra regra consagrada da lógica.
Empédocles ( 490 – 430 a. C.)
      Ocupou-se em refutar a noção de que todas as coisas no universo
      vieram à tona através de um princípio. Segundo ele, não existe aquilo
      que podemos chama de “criação”, já que o que existe são ciclos
      eternos de começos e fins.
      Também introduz a idéia de que, ao invés do que ensinavam Tales,
      Anaximandro, Anaxímenes e Heráclito , não haveria um único
      “elemento primordial” e sim quatro elementos: terra, ar, fogo e água.
      Todos esses elementos seriam unidos pelo amor, o que equivale ao
      início de um novo ciclo, e separados por Conflito, ocasionando a
      separação dos elementos e também ao fim de um ciclo. Segundo ele,
      tal processo se repetiria eternamente.
      Apesar de oferecerem outras alternativas para a questão do princípio
      originador de todas as coisas, Anaxágoras e Empédocles não
      apresentaram uma solução satisfatória para a oposição existente
      entre ser e devir, razão pela qual, o filósofo Platão de Atenas e
      Sócrates, seu antecessor e mestre, retomarão o tema e a partir deste,
      constituirão uma nova escola filosófica: o idealismo.
Demócrito (460 – 370 a.C.)
     Demócrito foi o filósofo responsável - junto com seu mestre, Leucipo - pelo
     desenvolvimento de uma doutrina conhecida pelo nome de atomismo.
     Concordava com a necessidade de plenitude e unidade do ser (como havia
     afirmado Parmênides), mas não aceitava que o não ser (o movimento, a
     multiplicidade) fosse uma ilusão.
     Para ele, a experiência d’o movimento era justamente a prova da existência de
     um não ser, que em sua concepção era o vazio.
     Segundo sua doutrina, todas as coisas que formam a realidade são constituídas
     por partículas invisíveis (porque muito minúsculas) e indivisíveis.
     Denominou-as, por isso, átomos, palavra de origem grega que significa "não
     divisível" (a, negação; tomo, "parte, divisão").
     O átomo democrítico seria equivalente ao ser parmenídico: uno, pleno e
     eterno.
     No entanto, além dos átomos, Demócrito concebeu a noção de que toda a
     realidade é composta também do vazio, que representaria a ausência de ser (o
     não ser).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
Juliana Corvino de Araújo
 
Platão e Aristóteles
Platão e AristótelesPlatão e Aristóteles
Platão e Aristóteles
Tércio De Santana
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Leandro Nazareth Souto
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
Professor Marcelo
 
ética aristotélica
ética aristotélicaética aristotélica
ética aristotélica
marifonseca
 
Racionalismo x Empirismo
Racionalismo x EmpirismoRacionalismo x Empirismo
Racionalismo x Empirismo
Leonardo Leitão
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
Alison Nunes
 
Cap 2 os filosofos da natureza - postar
Cap 2   os filosofos da natureza - postarCap 2   os filosofos da natureza - postar
Cap 2 os filosofos da natureza - postar
José Ferreira Júnior
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da Filosofia
O Camaleão
 
Mito e Filosofia
Mito e FilosofiaMito e Filosofia
Mito e Filosofia
Jailson Lima
 
Aula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
Aula 04 e 05 - Os Pré-SocráticosAula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
Aula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
Claudio Henrique Ramos Sales
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
Erica Frau
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
William Ananias
 
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia ContemporâneaAula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Rafael Oliveira
 
Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1
iranildespm
 
História da filosofia antiga
História da filosofia antigaHistória da filosofia antiga
História da filosofia antiga
rafaforte
 
Filosofia e Mito
Filosofia e MitoFilosofia e Mito
Filosofia e Mito
BandeiradeMello
 
Cap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia HelenísticaCap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia Helenística
José Ferreira Júnior
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Sócrates
SócratesSócrates

Mais procurados (20)

Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
 
Platão e Aristóteles
Platão e AristótelesPlatão e Aristóteles
Platão e Aristóteles
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
ética aristotélica
ética aristotélicaética aristotélica
ética aristotélica
 
Racionalismo x Empirismo
Racionalismo x EmpirismoRacionalismo x Empirismo
Racionalismo x Empirismo
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
 
Cap 2 os filosofos da natureza - postar
Cap 2   os filosofos da natureza - postarCap 2   os filosofos da natureza - postar
Cap 2 os filosofos da natureza - postar
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da Filosofia
 
Mito e Filosofia
Mito e FilosofiaMito e Filosofia
Mito e Filosofia
 
Aula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
Aula 04 e 05 - Os Pré-SocráticosAula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
Aula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
 
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia ContemporâneaAula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
 
Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1
 
História da filosofia antiga
História da filosofia antigaHistória da filosofia antiga
História da filosofia antiga
 
Filosofia e Mito
Filosofia e MitoFilosofia e Mito
Filosofia e Mito
 
Cap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia HelenísticaCap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia Helenística
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
 

Destaque

Filosofia antiga
Filosofia antigaFilosofia antiga
Filosofia antiga
possidoniojunior
 
Apresentação de Filosofia
Apresentação de FilosofiaApresentação de Filosofia
Apresentação de Filosofia
Leandro Amorim
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
Silvia Cintra
 
Exercícios Espirituais da Antiguidade: Filosofia como modo de vida.
Exercícios Espirituais da Antiguidade:   Filosofia como modo de vida.Exercícios Espirituais da Antiguidade:   Filosofia como modo de vida.
Exercícios Espirituais da Antiguidade: Filosofia como modo de vida.
Claiton Prinzo
 
Quórum de sumo sacerdotes
Quórum de sumo sacerdotesQuórum de sumo sacerdotes
Quórum de sumo sacerdotes
Arlindo Moreira
 
Livro de Mórmon
Livro de Mórmon Livro de Mórmon
Livro de Mórmon
Michael Santos
 
Filosofia da razão à modernidade - nosso tempo
Filosofia da razão à modernidade -  nosso tempoFilosofia da razão à modernidade -  nosso tempo
Filosofia da razão à modernidade - nosso tempo
Luci Bonini
 
Para que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena Chauí
Para que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena ChauíPara que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena Chauí
Para que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena Chauí
Contatonalua
 
Slides 1 ano
Slides   1 anoSlides   1 ano
Slides 1 ano
Victor França
 
Treinamento para presidência do quórum de élderes
Treinamento para presidência do quórum de élderesTreinamento para presidência do quórum de élderes
Treinamento para presidência do quórum de élderes
Marcio Roberto Patelli
 
Por que devo ser um mestre familiar ?
Por que devo ser um mestre familiar ?Por que devo ser um mestre familiar ?
Por que devo ser um mestre familiar ?
Rosano Lima
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Juizo Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Juizo MoralSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Juizo Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Juizo Moral
Turma Olímpica
 
A influência cultural grega no mundo moderno
A influência cultural grega no mundo modernoA influência cultural grega no mundo moderno
A influência cultural grega no mundo moderno
Luciane
 
Como viver para ser feliz
Como viver para ser felizComo viver para ser feliz
Como viver para ser feliz
Aldenei Barros
 
Aula de filosofia antiga parmênides de eléia
Aula de filosofia antiga parmênides de eléiaAula de filosofia antiga parmênides de eléia
Aula de filosofia antiga parmênides de eléia
Leandro Nazareth Souto
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
PriscillaTomazi2015
 
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade Média
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade MédiaFilosofia: pós socráticos, cristianismo e idade Média
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade Média
Luci Bonini
 
Filosofia e felicidade slide
Filosofia e felicidade slideFilosofia e felicidade slide
Filosofia e felicidade slide
Daniel Filosofo
 
Filosofia passagem do mito para a razão
Filosofia passagem do mito para a razãoFilosofia passagem do mito para a razão
Filosofia passagem do mito para a razão
Luanna Karolyne
 
Cap.02 A dúvida aula de filosofia 1º ano ensino medio
Cap.02 A dúvida aula de filosofia 1º ano ensino medioCap.02 A dúvida aula de filosofia 1º ano ensino medio
Cap.02 A dúvida aula de filosofia 1º ano ensino medio
Jocelia Sousa
 

Destaque (20)

Filosofia antiga
Filosofia antigaFilosofia antiga
Filosofia antiga
 
Apresentação de Filosofia
Apresentação de FilosofiaApresentação de Filosofia
Apresentação de Filosofia
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
 
Exercícios Espirituais da Antiguidade: Filosofia como modo de vida.
Exercícios Espirituais da Antiguidade:   Filosofia como modo de vida.Exercícios Espirituais da Antiguidade:   Filosofia como modo de vida.
Exercícios Espirituais da Antiguidade: Filosofia como modo de vida.
 
Quórum de sumo sacerdotes
Quórum de sumo sacerdotesQuórum de sumo sacerdotes
Quórum de sumo sacerdotes
 
Livro de Mórmon
Livro de Mórmon Livro de Mórmon
Livro de Mórmon
 
Filosofia da razão à modernidade - nosso tempo
Filosofia da razão à modernidade -  nosso tempoFilosofia da razão à modernidade -  nosso tempo
Filosofia da razão à modernidade - nosso tempo
 
Para que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena Chauí
Para que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena ChauíPara que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena Chauí
Para que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena Chauí
 
Slides 1 ano
Slides   1 anoSlides   1 ano
Slides 1 ano
 
Treinamento para presidência do quórum de élderes
Treinamento para presidência do quórum de élderesTreinamento para presidência do quórum de élderes
Treinamento para presidência do quórum de élderes
 
Por que devo ser um mestre familiar ?
Por que devo ser um mestre familiar ?Por que devo ser um mestre familiar ?
Por que devo ser um mestre familiar ?
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Juizo Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Juizo MoralSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Juizo Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Juizo Moral
 
A influência cultural grega no mundo moderno
A influência cultural grega no mundo modernoA influência cultural grega no mundo moderno
A influência cultural grega no mundo moderno
 
Como viver para ser feliz
Como viver para ser felizComo viver para ser feliz
Como viver para ser feliz
 
Aula de filosofia antiga parmênides de eléia
Aula de filosofia antiga parmênides de eléiaAula de filosofia antiga parmênides de eléia
Aula de filosofia antiga parmênides de eléia
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade Média
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade MédiaFilosofia: pós socráticos, cristianismo e idade Média
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade Média
 
Filosofia e felicidade slide
Filosofia e felicidade slideFilosofia e felicidade slide
Filosofia e felicidade slide
 
Filosofia passagem do mito para a razão
Filosofia passagem do mito para a razãoFilosofia passagem do mito para a razão
Filosofia passagem do mito para a razão
 
Cap.02 A dúvida aula de filosofia 1º ano ensino medio
Cap.02 A dúvida aula de filosofia 1º ano ensino medioCap.02 A dúvida aula de filosofia 1º ano ensino medio
Cap.02 A dúvida aula de filosofia 1º ano ensino medio
 

Semelhante a Filosofia antiga

Trabalho de Filosofia (2° Ano)
Trabalho de Filosofia (2° Ano)Trabalho de Filosofia (2° Ano)
Trabalho de Filosofia (2° Ano)
Pedro Freitas
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
kaio19
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
kaio19
 
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição HumanaEvolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Iuri Guedes
 
Periodos da filosofia
Periodos da filosofiaPeriodos da filosofia
Periodos da filosofia
Raquel Carvalheiro
 
2 cap.13
2 cap.132 cap.13
2 cap.13
edna2
 
Periodo Naturalista ou Pre-socratica
Periodo Naturalista ou Pre-socraticaPeriodo Naturalista ou Pre-socratica
Periodo Naturalista ou Pre-socratica
Bruno Miguel
 
Os-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.ppt
Os-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.pptOs-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.ppt
Os-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.ppt
AnnisBrit
 
Os-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.ppt
Os-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.pptOs-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.ppt
Os-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.ppt
NathanDosSantos7
 
Os-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.ppt
Os-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.pptOs-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.ppt
Os-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.ppt
mariadorosariopereir2
 
Pré-socraticos.pptx
Pré-socraticos.pptxPré-socraticos.pptx
Pré-socraticos.pptx
Luziane Santos
 
A ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docx
A ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docxA ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docx
A ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docx
Alynne Souto
 
Filosofia antiga
Filosofia antigaFilosofia antiga
Filosofia antiga
superuzer
 
Pré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos
Pré-Socráticos - Os Primeiros FilósofosPré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos
Pré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos
Bruno Carrasco
 
Origem e divisão da filosofia
Origem e divisão da filosofiaOrigem e divisão da filosofia
Origem e divisão da filosofia
Colégio Tiradentes III
 
Trabalho de antropologia
Trabalho de antropologiaTrabalho de antropologia
Trabalho de antropologia
PSIFCA
 
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros Filósofos
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros FilósofosFilosofia 01 - Do mito aos Primeiros Filósofos
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros Filósofos
Diego Bian Filo Moreira
 
A metafísica na época clássica
A metafísica na época clássicaA metafísica na época clássica
A metafísica na época clássica
maria bertoldi
 
Etec filosofia
Etec filosofiaEtec filosofia
Etec filosofia
vera barbosa
 
2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx
FlavioCandido8
 

Semelhante a Filosofia antiga (20)

Trabalho de Filosofia (2° Ano)
Trabalho de Filosofia (2° Ano)Trabalho de Filosofia (2° Ano)
Trabalho de Filosofia (2° Ano)
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
 
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição HumanaEvolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
 
Periodos da filosofia
Periodos da filosofiaPeriodos da filosofia
Periodos da filosofia
 
2 cap.13
2 cap.132 cap.13
2 cap.13
 
Periodo Naturalista ou Pre-socratica
Periodo Naturalista ou Pre-socraticaPeriodo Naturalista ou Pre-socratica
Periodo Naturalista ou Pre-socratica
 
Os-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.ppt
Os-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.pptOs-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.ppt
Os-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.ppt
 
Os-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.ppt
Os-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.pptOs-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.ppt
Os-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.ppt
 
Os-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.ppt
Os-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.pptOs-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.ppt
Os-pre-socraticos-e-o-conceito-de-mundo-.ppt
 
Pré-socraticos.pptx
Pré-socraticos.pptxPré-socraticos.pptx
Pré-socraticos.pptx
 
A ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docx
A ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docxA ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docx
A ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docx
 
Filosofia antiga
Filosofia antigaFilosofia antiga
Filosofia antiga
 
Pré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos
Pré-Socráticos - Os Primeiros FilósofosPré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos
Pré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos
 
Origem e divisão da filosofia
Origem e divisão da filosofiaOrigem e divisão da filosofia
Origem e divisão da filosofia
 
Trabalho de antropologia
Trabalho de antropologiaTrabalho de antropologia
Trabalho de antropologia
 
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros Filósofos
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros FilósofosFilosofia 01 - Do mito aos Primeiros Filósofos
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros Filósofos
 
A metafísica na época clássica
A metafísica na época clássicaA metafísica na época clássica
A metafísica na época clássica
 
Etec filosofia
Etec filosofiaEtec filosofia
Etec filosofia
 
2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx
 

Mais de Aldenei Barros

Curso de teologia
Curso de teologiaCurso de teologia
Curso de teologia
Aldenei Barros
 
Desigualdades de várias ordens
Desigualdades de várias ordensDesigualdades de várias ordens
Desigualdades de várias ordens
Aldenei Barros
 
Qual é a sua tribo
Qual é a sua triboQual é a sua tribo
Qual é a sua tribo
Aldenei Barros
 
O ser humano
O ser humanoO ser humano
O ser humano
Aldenei Barros
 
Sonhos de consumo
Sonhos de consumoSonhos de consumo
Sonhos de consumo
Aldenei Barros
 
Sonhos de civilização
Sonhos de civilizaçãoSonhos de civilização
Sonhos de civilização
Aldenei Barros
 
Materialismo versus Idealismo
Materialismo versus IdealismoMaterialismo versus Idealismo
Materialismo versus Idealismo
Aldenei Barros
 
O brasil ainda é católico
O brasil ainda é católicoO brasil ainda é católico
O brasil ainda é católico
Aldenei Barros
 
Do mito à ciência
Do mito à ciênciaDo mito à ciência
Do mito à ciência
Aldenei Barros
 
A filosofia antiga clássica greco_romana
A filosofia antiga clássica greco_romanaA filosofia antiga clássica greco_romana
A filosofia antiga clássica greco_romana
Aldenei Barros
 
As muitas faces do poder
As  muitas faces do poderAs  muitas faces do poder
As muitas faces do poder
Aldenei Barros
 
Nas mãos do oleiro
Nas mãos do oleiroNas mãos do oleiro
Nas mãos do oleiro
Aldenei Barros
 
O mundo
O mundoO mundo
O que é sociologia
O que é sociologiaO que é sociologia
O que é sociologia
Aldenei Barros
 
Liberdade ou segurança
Liberdade ou segurançaLiberdade ou segurança
Liberdade ou segurança
Aldenei Barros
 
Divisão da história da filosofia
Divisão da história da filosofiaDivisão da história da filosofia
Divisão da história da filosofia
Aldenei Barros
 
Grandes áreas do filosofar
Grandes áreas do filosofarGrandes áreas do filosofar
Grandes áreas do filosofar
Aldenei Barros
 
Dogmatismo
DogmatismoDogmatismo
Dogmatismo
Aldenei Barros
 
A verdade
A verdadeA verdade
A verdade
Aldenei Barros
 
Lingua Hebraica VI
Lingua Hebraica VILingua Hebraica VI
Lingua Hebraica VI
Aldenei Barros
 

Mais de Aldenei Barros (20)

Curso de teologia
Curso de teologiaCurso de teologia
Curso de teologia
 
Desigualdades de várias ordens
Desigualdades de várias ordensDesigualdades de várias ordens
Desigualdades de várias ordens
 
Qual é a sua tribo
Qual é a sua triboQual é a sua tribo
Qual é a sua tribo
 
O ser humano
O ser humanoO ser humano
O ser humano
 
Sonhos de consumo
Sonhos de consumoSonhos de consumo
Sonhos de consumo
 
Sonhos de civilização
Sonhos de civilizaçãoSonhos de civilização
Sonhos de civilização
 
Materialismo versus Idealismo
Materialismo versus IdealismoMaterialismo versus Idealismo
Materialismo versus Idealismo
 
O brasil ainda é católico
O brasil ainda é católicoO brasil ainda é católico
O brasil ainda é católico
 
Do mito à ciência
Do mito à ciênciaDo mito à ciência
Do mito à ciência
 
A filosofia antiga clássica greco_romana
A filosofia antiga clássica greco_romanaA filosofia antiga clássica greco_romana
A filosofia antiga clássica greco_romana
 
As muitas faces do poder
As  muitas faces do poderAs  muitas faces do poder
As muitas faces do poder
 
Nas mãos do oleiro
Nas mãos do oleiroNas mãos do oleiro
Nas mãos do oleiro
 
O mundo
O mundoO mundo
O mundo
 
O que é sociologia
O que é sociologiaO que é sociologia
O que é sociologia
 
Liberdade ou segurança
Liberdade ou segurançaLiberdade ou segurança
Liberdade ou segurança
 
Divisão da história da filosofia
Divisão da história da filosofiaDivisão da história da filosofia
Divisão da história da filosofia
 
Grandes áreas do filosofar
Grandes áreas do filosofarGrandes áreas do filosofar
Grandes áreas do filosofar
 
Dogmatismo
DogmatismoDogmatismo
Dogmatismo
 
A verdade
A verdadeA verdade
A verdade
 
Lingua Hebraica VI
Lingua Hebraica VILingua Hebraica VI
Lingua Hebraica VI
 

Último

Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 

Último (20)

Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 

Filosofia antiga

  • 2. Filosofia Antiga Pensamento Pré-socrático Prof. Aldenei Barros E.E. Prof.ª Sebastiana Braga
  • 3. Introdução Iniciemos esta viagem pelo tempo e investiguemos como a consciência racional começou a suplantar a consciência mítica na Grécia antiga, engendrando essa aventura do pensamento, a filosofia, da qual derivaram todas as ciências. Quem foram os principais atores desse processo inaugural? O que buscavam, o que encontraram? É o que veremos em seguida.
  • 4. Pólis e Filosofia A passagem do mito ao logos
  • 5. Na história do pensamento ocidental, a filosofia nasce na Grécia entre os séculos VII e VI a.C., promovendo a passagem do saber mítico (alegórico) ao pensamento racional (logos). Essa passagem ocorreu durante longo processo histórico, sem um rompimento brusco e imediato com as formas de conhecimentos utilizadas no passado.
  • 6. Conforme analisa o historiador francês Pierre Grimal (1912- 1996) em A mitologia grega: O mito se opõe ao logos como a fantasia à razão, como a palavra que narra à palavra que demonstra. Logos e mito são as duas metades da linguagem, duas funções igualmente fundamentais da vida do espírito. O logos, sendo uma argumentação, pretende convencer. O logos é verdadeiro, no caso de ser justo e conforme à "lógica"; é falso quando dissimula alguma burla secreta (sofisma).
  • 7. Mas o mito tem por finalidade apenas a si mesmo. Acredita-se ou não nele, conforme a própria vontade, mediante um ato de fé, caso pareça "belo" ou verossímil, ou simplesmente porque se quer acreditar. O mito, assim, atrai em torno de si toda a parcela do irracional existente no pensamento humano; por sua própria natureza, é aparentado à arte, em todas as suas criações. (p. 89).
  • 8. Mitologia uma série de deuses (Zeus, Hera, Ares, Atena etc.), Os gregos cultuavam grega. além de heróis ou semideuses (Teseu, Hércules, Perseu etc.). Relatando a vida desses deuses e heróis e seu envolvimento com os humanos, criaram uma rica mitologia, isto é, um conjunto de lendas e crenças que, de modo simbólico, fornecem explicações para a realidade universal. Integra a mitologia grega grande número de "relatos maravilhosos" e de lendas que inspiraram e ainda inspiram diversas obras artísticas ocidentais. O mito de Édipo, rico em significados, é um exemplo disso. Na Antiguidade, foi utilizado pelo dramaturgo Sófocles (496-406 a.C.), na tragédia Édipo rei, para uma reflexão sobre as questões da culpa e da responsabilidade dos indivíduos perante as normas e os tabus (comportamento que, dentro dos costumes de uma comunidade, é considerado nocivo e perigoso, sendo por isso proibido a seus membros).
  • 9. Pólis e razão Retornemos a nosso tema, o nascimento da filosofia. Segundo análise do historiador francês Jean-Pierre Vernant (1914- 2007), o momento histórico da Grécia antiga em que se afirma a utilização do logos (a razão) para resolver os problemas da vida estaria vinculado ao surgimento da pólis, cidade-Estado grega. A pólis foi uma nova forma de organização social e política desenvolvida entre os séculos VIII e VI a.C. Nela, eram os cidadãos que dirigiam os destinos da cidade. Como criação dos cidadãos, e não dos deuses, a pólis estava organizada e podia ser explicada de forma racional, isto é, de acordo com a razão.
  • 11. Tales de Mileto ( 640-546 a.C.) Segundo geralmente se acredita, pode ser considerado o primeiro filósofo de que se tem notícia. Foi um notável cientista, que conseguiu prever com exatidão um eclipse solar em 585 a.C. O princípio originador de todas as coisas, para Tales seria a água. E ia mais longe, ao afirmar que todas as coisas existentes no universo derivam da água.
  • 12. Anaximandro (610-547a.C.) Anaximandro tomou uma direção oposta à de Tales. Enquanto Tales acreditava que todo o universo derivava de uma única substância material, Anaximandro ensinava que o princípio originador de todas as coisas era o apeiron. Embora não se conheça com exatidão a tradução exata, Anaximandro qualificava o apeiron como uma realidade indeterminada ou o infinito, ou ainda , o ilimitado , segundo algumas traduções de alguns fragmentos de seus escritos. Os atributos que o apeiron possui são, evidentemente, atributos de divindade, já que o mesmo é eterno, imortal, transcendental, imperecível e não-gerado. Podemos afirmar, que Anaximandro “chegou perto de um conceito de divindade”.
  • 13. Anaxímenes (588-524 a.C.) Segundo o escritor Jostein Gaarder, para Anaxímenes, “o ar ou o sopro de ar era a substância básica de todas as coisas” (3). Segundo Anaximandro , todas as coisas eram produtos do ar e a ele retornavam , por um duplo movimento de condensação e rarefação. O ar se condensaria e se transformaria em água. Através da compressão, a água se transformaria em terra, a terra em fogo e assim por diante.
  • 14. Pitágoras (c. 570-490 a.C.) Resposta bastante distinta na busca da arché veio de Pitágoras de Samos. Profundo estudioso da matemática, Pitágoras defendeu a tese de que todas as coisas são números. Se para Pitágoras "tudo é número", isso quer dizer que o princípio fundamental (a arché) seria a estrutura numérica, matemática, da realidade. A diferença entre as coisas resultaria, essencialmente, de uma questão de números. Os pitagóricos entendiam, por exemplo, que os corpos eram constituídos por pontos e a quantidade de pontos de um corpo definiria suas propriedades.
  • 15. Heráclito (535 – 475 a.C.) Assim como os pensadores de Mileto, Heráclito observava que a realidade é dinâmica e que a vida está em constante transformação. Mas, diferentemente dos milésios - que buscavam na mudança aquilo que permanece -, decidiu concentrar sua reflexão sobre o que muda. Assim, o filósofo dirá que tudo flui, nada persiste nem permanece o mesmo. O ser não é mais que o vir a ser. "Tu não podes descer duas vezes no mesmo rio, porque novas águas correm sobre ti" (HERÁCLITO, em SOUZA, Pré-socráticos, p. XXXI).
  • 16. Parmênides de Eléia ( “a filosofia de ParmênidesC.)pode Segundo García Morente, 515-450 a. não ser compreendida se não se coloca em relação polêmica com a filosofia de Heráclito .(...) Parmênides, analisando a ideia mesma de devir, de fluir, de mudar, encontra nessa ideia o elemento de que o ser deixa de ser o que é para tornar-se outra coisa, e , ao mesmo tempo que se torna outra coisa, deixa de ser o que é para tornar-se outra coisa. Verifica-se, pois, que, dentro da ideia do devir, há uma contradição lógica: que o ser não é; que aquele que é não é, visto que o que é neste momento já não é neste momento , antes passa a ser outra coisa. (...)Como pode alguém compreender que o que é não seja, e , o que não é seja? (...)Temos, pois, que opor às contradições, aos absurdos, à ininteligibilidade da filosofia de Heráclito um princípio de razão, um princípio de pensamento que não possa nunca falhar. Qual será este princípio? Este: o ser é; o não ser não é.(...)As coisas tem um ser, este ser é. Se não tem ser, o não-ser não é” (9).
  • 17. Zenão de Eléia (490-430 a.C.) Coube a Zenão, discípulo de Parmênides, elaborar a apologia ao pensamento do mestre, como Platão faria a respeito de Sócrates, alguns anos mais tardes. Russel Norman Champlin fez uma análise detalhada dos chamados paradoxos de Zenão. Trata-se de uma série de seis argumentos elaborados por Zenão, a fim de criticar a teoria heraclítica do movimento e assim, reafirmar a concepção parmenideana da imutabilidade do ser. Zenão tornou-se famoso por seu método de investigação filosófica conhecido como reductio ad absudum ( redução ao absurdo) outra regra consagrada da lógica.
  • 18. Empédocles ( 490 – 430 a. C.) Ocupou-se em refutar a noção de que todas as coisas no universo vieram à tona através de um princípio. Segundo ele, não existe aquilo que podemos chama de “criação”, já que o que existe são ciclos eternos de começos e fins. Também introduz a idéia de que, ao invés do que ensinavam Tales, Anaximandro, Anaxímenes e Heráclito , não haveria um único “elemento primordial” e sim quatro elementos: terra, ar, fogo e água. Todos esses elementos seriam unidos pelo amor, o que equivale ao início de um novo ciclo, e separados por Conflito, ocasionando a separação dos elementos e também ao fim de um ciclo. Segundo ele, tal processo se repetiria eternamente. Apesar de oferecerem outras alternativas para a questão do princípio originador de todas as coisas, Anaxágoras e Empédocles não apresentaram uma solução satisfatória para a oposição existente entre ser e devir, razão pela qual, o filósofo Platão de Atenas e Sócrates, seu antecessor e mestre, retomarão o tema e a partir deste, constituirão uma nova escola filosófica: o idealismo.
  • 19. Demócrito (460 – 370 a.C.) Demócrito foi o filósofo responsável - junto com seu mestre, Leucipo - pelo desenvolvimento de uma doutrina conhecida pelo nome de atomismo. Concordava com a necessidade de plenitude e unidade do ser (como havia afirmado Parmênides), mas não aceitava que o não ser (o movimento, a multiplicidade) fosse uma ilusão. Para ele, a experiência d’o movimento era justamente a prova da existência de um não ser, que em sua concepção era o vazio. Segundo sua doutrina, todas as coisas que formam a realidade são constituídas por partículas invisíveis (porque muito minúsculas) e indivisíveis. Denominou-as, por isso, átomos, palavra de origem grega que significa "não divisível" (a, negação; tomo, "parte, divisão"). O átomo democrítico seria equivalente ao ser parmenídico: uno, pleno e eterno. No entanto, além dos átomos, Demócrito concebeu a noção de que toda a realidade é composta também do vazio, que representaria a ausência de ser (o não ser).