SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 45
Baixar para ler offline
Amigos pelo           parte 1




Vinho
Antonio Souto
acasouto@bol.com.br
2011
Olá “amigos pelo vinho”!

Esta apresentação surgiu da busca por informações sobre
os vários aspectos, técnicos, históricos, sociais, e outros,
que envolvem a degustação dos vinhos.
Entendo que ,para aqueles que já vêm a muito tempo
desfrutando dos prazeres do vinho, as informações desta
apresentação, em sua maioria, são básicas, mas não
menos importantes e essenciais.

Esta publicação é direcionada aos amigos
que estão, como eu, envolvidos de forma
Informal, mas prazerosa, com esse
maravilhoso mundo do vinho.
                                 Antonio Souto
“Deus apenas fez a água,
mas o homem
fez o vinho”
Victor Hugo
Enólogos/enófilos/sommelier

Enólogos são profissionais que estudaram
cientificamente sobre todos os processos associados ao
vinho em cursos superiores de enologia.
Os enófilos são apenas as pessoas que gostam de vinho e
procuram informações sobre essa bebida apenas por
curiosidade ou prazer.

Enologia é uma ciência que estuda os
aspectos relativos ao vinho desde o
plantio das uvas, análise do solo,
colheita, separação, produção até o
engarrafamento, envelhecimento
e venda.
Enólogos/enófilos/sommelier

O sommelier por sua vez, é o profissional especializado
em vinhos que trabalha em restaurantes orientando os
clientes sobre os vinhos disponíveis, elaborando as
cartas de vinho, harmonizando os pratos com os vinhos
da carta e cuidando
de todos os aspectos
relacionados ao vinho
nos restaurantes.




                                     Daniela Bravin, sommelière
Mulheres do vinho




  As sommelières Gabriela Monteleone, Debora Breginski, Daniela Bravin e
                            Giuliana Ferreira

A enciclopédia Larousse diz que o termo sommelier tem origem no
francês arcaico.A palavra designava o responsável por cuidar da
somme, bagagem gastronômica de bebidas e comidas que a
nobreza costumava carregar nas viagens.
uma bebida alcoólica
O vinho é, genericamente,
produzida por fermentação do sumo de
uva.
 A fermentação das uvas é feita por vários tipos de
leveduras que consomem os açúcares presentes nas
Uvas transformando-os em álcool.
Terroir
Quanto falamos em terroir, referimo-nos ao
ambiente em que as uvas crescem,
a composição e a drenagem do solo e do subsolo, o relevo,
a inclinação do terreno, o clima geral da região, o
microclima, a vegetação circundante, a incidência de
sol, a quantidade de chuvas e sua distribuição
ao longo do ano, etc.
Por que, ao escolhermos
um vinho, é tão importante
observar sua safra?




Parafraseando Quintana
Bastaria um gole de vinho para nos dar a eternidade.
Cada gole guarda um pedaço de tempo que traz em si a
história de uma safra, de um ano.
De ano para ano alguns
fatores, características do
terroir, podem variar muito, e
o vinho é muito sensível
a isso.



Estes fatores tornam uma safra muito
melhor (e que custe muito mais do que outra).
O ideal é consultar uma tabela de safras, elaborada por
especialistas, para avaliar a qualidade geral daquele
ano.
•Tabela de Safras 2010
por João Filipe Clemente
Excelente 10-9 / Muito boa8-7/ Boa 6-5 / Discreta 4-3 / Medíocre 2-1
O que é um vinho de guarda?
Quais os fatores de longevidade
de um vinho?
O “quanto mais velho, melhor” é um
mito.

Todo vinho cumpre um ciclo de vida, nasce,
muitas vezes tem uma educação em barris de
carvalho, evolui na garrafa até chegar a seu auge,
mantém esta maturidade por algum tempo e
depois decai, até ficar decrépito.

A expectativa de vida do vinho Vai de
poucos meses a até um século.

O que então faz essa diferença
e como identificá-la?
Vinhos de guarda são os que se prestam ao
longo envelhecimento.

Se o vinho for „de guarda‟,
tende a se harmonizar e
resolver a complexidade
com os anos.

Os fatores que conservam
os vinhos são o teor alcoólico,
os taninos e antocianos, a
acidez e a doçura.
Um vinho com grande potencial de envelhecimento
(muito álcool, muito tanino, boa acidez) quando muito
jovem, pode ser áspero, quase desagradável.

Precisa de tempo para que o tanino evolua e se perca de
maneira benéfica, harmonizando se com outros fatores

Para a maioria dos vinhos, o auge é: agora!
90% deles não melhoram depois de postos à venda.

Hoje, eles são cada vez mais
produzidos para serem
bebidos jovens.
A elaboração de um bom vinho requer tempo
(além de esforço, conhecimento e ajuda da natureza).

Ao sacarmos a rolha,
flagramos o resultado
Deste demorado e laborioso
processo, que pode ter
Começado décadas antes.
Vinhos varietais e vinhos de corte
Os vinhos feitos com apenas uma variedade de uva são
chamados varietais ou monocastas.
Já os vinhos elaborados com mais de uma uva são
chamados de vinhos de corte ou vinhos de “assemblage” .

Essa é a grande arte do enólogo.
Saber fazer os assemblages de
maneira a obter mais cor,
mais corpo, menos acidez,
mais equilíbrio.
Traduzir a personalidade da vinícola
e do terroir da região.
Que taça escolher?

Cada vinho possui características únicas
dependendo da uva com que é produzido

Diz-se que cada tipo de vinho
pede um tipo de taça,
os recipientes foram desenvolvidos
para conduzir o vinho para a boca e o
nariz de maneira a realçar cores,
aromas e sabores do fermentado,
o que Influencia no resultado.
Podemos ter uma menor variedade de taças
sem perder o prazer de beber vinho.

Modelos que não podem faltar em sua casa, são aqueles
adequados para os vinhos que gostamos de beber.
Taças de Vinho, sem elas não dá!
por João Filipe Clemente

Para degustar adequadamente um vinho é
importante que o mesmo seja tomado em taças
próprias.

 A taça adequada é fator essencial para quem se
aventura no mundo dos prazeres do vinho.

O importante é que a taça permita
uma boa oxigenação do vinho liberando
seus aromas de forma adequada.
Para nós mortais, basta ter taças para Bordeaux
já que esta atenderá a todos os tintos de forma
satisfatória, outra para vinhos brancos e uma
última para espumantes.

Se gostar dos caros e excelentes vinhos da
Borgonha (Bourgogne), inclua mais esta taça.

Meus amigos, então, ponham a mão no
bolso e invistam neste fator essencial
para aproveitar tudo o que um vinho
pode lhe dar.
Para vinhos tintos

O vinho tinto precisa de espaço para respirar,
pois tem aromas e sabores muito intensos.
Por isso, a taça tem corpo grande, fazendo com que se
libere toda a sua potência.
O formato também é ideal para que a bebida possa
"dançar".

lembrar que
ela deve ser preenchida até
um terço de sua capacidade.
Sirva cerca de 150ml
para que haja espaço para o vinho respirar e se abrir.

Taça muito cheia não é elegante e não permite
“circular” o vinho
As taças de vinho são formadas de um bojo e de uma haste,
que existe por alguma razão.
Se você a segurar pelo bojo, o calor de seu corpo esquentará o
vinho.

Desta forma, preferencialmente, não segure a taça pela base
do bojo, segure-a sempre pela haste

a não ser que você busque
uma mudança na
temperatura do vinho que,
porventura, tenha sido
servido muito frio.
Decantar um vinho
Existem dois grandes motivos para se decantar um vinho,
o primeiro é remover os sedimentos da garrafa
antiga e a segunda é deixar ventilar o vinho.

Usa-se o decanter para vinhos
tintos de safras mais antigas,
que precisam liberar seus aromas.

Para vinhos jovens o decanter é
usado para arejar e trazer os
aromas mais complexos.
Como decantar um vinho:
Se for para liberar os aromas do
vinho e não para separar os
sedimentos, apenas coloque
o vinho no decanter.

Sem movimentos bruscos, o
Vinho será observado pelo
pescoço da garrafa.
Como decantar um vinho:
Deixar o vinho de pé antes de abri-lo, para que os
sedimentos vão para o fundo da garrafa.

Incline bem o decanter de maneira que ele fique na
horizontal.
Contra a luz da vela, incline a garrafa de vinho
cuidadosamente passando o vinho da garrafa
para o decanter, observando
com a ajuda da vela.

Quando começar a passar os
sedimentos pare de decantar
o vinho.
LAVE SUAS TAÇAS
                            Para lavá-las, recomenda-se
                                            água morna
                              e uma quantidade
                            mínima de detergente
                                        líquido.
Se a taça não for bem enxaguada, o produto pode alterar
o sabor e o aroma do vinho e, no caso do Champagne,
impedirá que se formem as borbulhas.

Guardar os copos em um local completamente
livre de odores.
A rolha

Não devemos subestimar a importância da
rolha na qualidade do vinho.
A cortiça possui qualidades que até agora a tornaram
praticamente insubstituível: porosidade, leveza,
elasticidade, impermeabilidade e
 isolamento.

A cortiça para as rolhas é
produzida em Portugal.
Ela é a casca do sobreiro.
Uma rolha de má qualidade pode comprometer a qualidade
do vinho, transmitindo o desagradável e irreparável "sabor
de rolha“, conseqüência de pequenos parasitas , mofo, ou
ainda pelo cloro utilizado no alvejamento da rolha.

Ocorre do odor de rolhas ser fugaz, bastando descartar os
primeiros centilitros da bebida.
Daí o costume dos someliers em verificar pelo olfato a
qualidade da rolha antes de
colocar o vinho à prova.
O que observar nas rolhas
Com certeza os fabricantes de bons vinhos preferirão para
estes o tipo tradicional, de cortiça.

A rolha tem impresso o nome do fabricante, possivelmente
as armas da família, e alguns códigos.

Por esse motivo o deve-se
remover a ponta da capa
do gargalo e

abrir a garrafa na
presença do cliente.
Um problema com a rolha de cortiça é que elas
ressecam, perdem a aderência ao gargalo, e como
resultado o ar penetra na garrafa oxidando e inutilizando o
vinho.
Por esse motivo as garrafas não
podem ser guardadas em posição
vertical, nas adegas.


Ao comprar uma garrafa de vinho é conveniente fazer
pressão com o polegar sobre a rolha, para ver se ela
está firmemente presa, ou se resvala alguns milímetros
para dentro da garrafa, sinal de que a oxidação do vinho
com certeza já aconteceu.
Abrindo seu vinho

Sacando a rolha
como um soomelier
Como ler o rótulo

A leitura do rotulo e a fase mais importante de uma
aquisição.

Através do rotulo você vai ter informações primordiais : a
variedade das uvas, a safra que pertence, a vinícola que foi
produzida, grau alcoólico etc.
Não se pode julgar um vinho somente pelo
rótulo.

Aprender o que vai ler em um rótulo
poderá ajudá-lo a ter algumas indicações
sobre o que esperar de um determinado
vinho.
Como ler o rótulo

Informações freqüentes

•variedade da uva
•região produtora ou designação da origem
•safra
•condições tais como reserva, reserva pessoal,
seleção especial, seleção de
barril, indicam uma
distinção de qualidade.
•teor alcoólico do vinho
Vinho na temperatura certa é bem melhor
Ao degustar um vinho, há vários fatores que afetam
a nossa percepção e podem contribuir para que a
experiência seja otimizada em seus aromas e sabores.

Quanto mais gelado o vinho, mais são realçados a
acidez, o amargor e os taninos. Quanto mais quente,
mais o álcool se volatiliza e fica aparente.

Assim, se o vinho estiver abaixo da temperatura ideal
de consumo ficará muito duro; se estiver acima,
ficará alcoólico.
Vinhos tintos em geral devem ser degustados a
temperaturas mais elevadas para que os taninos não
se mostrem excessivamente adstringentes e amargos.
Quanto maior a carga tânica, maior deve ser a
temperatura de serviço, como regra.

Quanto mais aromaticamente complexo for o vinho,
devemos usar uma temperatura mais elevada.

Os vinhos brancos têm no seu frescor, proporcionado
pela acidez. Assim sendo, é essencial
que a temperatura de serviço seja mais
 baixa, tomando-se apenas o cuidado
de não resfriar demais, a ponto de
anular seus aromas.
Sugestões para aproveitar melhor o vinho
•Faça um curso de vinho
•Compre um rótulo mais caro
•Visite uma vinícola
•Harmonize vinho e comida
•Experimente rótulos de países diferentes
•Participe de uma degustação às cegas
•Compre taças adequadas e compare
•Beba mais vinho branco
•Arrisque um rosé
•Experimente um vinho doce
•Experimente um rótulo mais antigo
•Tome mais vinho nacional
•Monte sua confraria
•Deixe o preconceito de lado e prove vinhos com tampa de rosca
•Monte uma adega com um kit básico de vinhos
http://pt.wikipedia.org
http://revistaadega.uol.com.br
http://mundodovinho.wordpress.com
http://confrariadelvino.blogspot.com
http://colunistas.ig.com.br
http://www.cnpuv.embrapa.br
http://www.adegadovinho.com.br
http://estilomacho.blogspot.com
http://www.enoleigos.com.br
http://www.mistral.com.br
http://www.saintvinsaint.com.br
http://cellarexperts.com.br
http://comida.ig.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tecnicas de servico de bar
Tecnicas de servico de barTecnicas de servico de bar
Tecnicas de servico de barpedroaecc
 
A história do gin
A história do gin A história do gin
A história do gin Estrelar
 
The World of Wine & Spirits
The World of Wine & SpiritsThe World of Wine & Spirits
The World of Wine & SpiritsHEMANT SINGH
 
Processos unitários-e-operações-unitárias-cosméticos
Processos unitários-e-operações-unitárias-cosméticosProcessos unitários-e-operações-unitárias-cosméticos
Processos unitários-e-operações-unitárias-cosméticosCristyan Ribeiro
 
Aplicações da fermentação na indústria alimentar
Aplicações da fermentação na indústria alimentarAplicações da fermentação na indústria alimentar
Aplicações da fermentação na indústria alimentarPelo Siro
 
Rhone Valley - Guild of Sommeliers
Rhone Valley - Guild of SommeliersRhone Valley - Guild of Sommeliers
Rhone Valley - Guild of SommeliersBloggerUploads
 
Analise sensorial vinho_2011
Analise sensorial vinho_2011Analise sensorial vinho_2011
Analise sensorial vinho_2011Eduardo Noberto
 
E book-6-passos-para-se-tornar-um-expert-em-vinhos
E book-6-passos-para-se-tornar-um-expert-em-vinhosE book-6-passos-para-se-tornar-um-expert-em-vinhos
E book-6-passos-para-se-tornar-um-expert-em-vinhosMaryana Moreira
 
COZINHA_ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO.pdf
COZINHA_ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO.pdfCOZINHA_ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO.pdf
COZINHA_ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO.pdfCarlaTrindade24
 

Mais procurados (20)

Cerveja
CervejaCerveja
Cerveja
 
Introduction to Wine
Introduction to WineIntroduction to Wine
Introduction to Wine
 
Trabalho de vinhos
Trabalho de vinhosTrabalho de vinhos
Trabalho de vinhos
 
Produção de Cerveja
Produção de CervejaProdução de Cerveja
Produção de Cerveja
 
Tecnicas de servico de bar
Tecnicas de servico de barTecnicas de servico de bar
Tecnicas de servico de bar
 
A história do gin
A história do gin A história do gin
A história do gin
 
F & B Service Notes for 2nd Year Hotel Management Students: Chap 03. table wines
F & B Service Notes for 2nd Year Hotel Management Students: Chap 03. table winesF & B Service Notes for 2nd Year Hotel Management Students: Chap 03. table wines
F & B Service Notes for 2nd Year Hotel Management Students: Chap 03. table wines
 
The World of Wine & Spirits
The World of Wine & SpiritsThe World of Wine & Spirits
The World of Wine & Spirits
 
Processos unitários-e-operações-unitárias-cosméticos
Processos unitários-e-operações-unitárias-cosméticosProcessos unitários-e-operações-unitárias-cosméticos
Processos unitários-e-operações-unitárias-cosméticos
 
Aplicações da fermentação na indústria alimentar
Aplicações da fermentação na indústria alimentarAplicações da fermentação na indústria alimentar
Aplicações da fermentação na indústria alimentar
 
Elaboraçao de vinhos
Elaboraçao de vinhosElaboraçao de vinhos
Elaboraçao de vinhos
 
1 lesson Sommelier course
1 lesson Sommelier course1 lesson Sommelier course
1 lesson Sommelier course
 
Rhone Valley - Guild of Sommeliers
Rhone Valley - Guild of SommeliersRhone Valley - Guild of Sommeliers
Rhone Valley - Guild of Sommeliers
 
ENOLOGIA
ENOLOGIAENOLOGIA
ENOLOGIA
 
Analise sensorial vinho_2011
Analise sensorial vinho_2011Analise sensorial vinho_2011
Analise sensorial vinho_2011
 
Vinhos
VinhosVinhos
Vinhos
 
E book-6-passos-para-se-tornar-um-expert-em-vinhos
E book-6-passos-para-se-tornar-um-expert-em-vinhosE book-6-passos-para-se-tornar-um-expert-em-vinhos
E book-6-passos-para-se-tornar-um-expert-em-vinhos
 
COZINHA_ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO.pdf
COZINHA_ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO.pdfCOZINHA_ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO.pdf
COZINHA_ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO.pdf
 
Wine basics and grape varietals presentation final
Wine basics and grape varietals presentation finalWine basics and grape varietals presentation final
Wine basics and grape varietals presentation final
 
Enologia 1
Enologia 1Enologia 1
Enologia 1
 

Destaque

2º Aula De Vinhos Oficial
2º Aula De Vinhos Oficial2º Aula De Vinhos Oficial
2º Aula De Vinhos OficialAnderson Silva
 
Vinos de terroir tasting ny nov 2012
Vinos de terroir tasting ny nov 2012Vinos de terroir tasting ny nov 2012
Vinos de terroir tasting ny nov 2012winesofchileusa
 
Design e Território: Uma discussão de valor
Design e Território: Uma discussão de valorDesign e Território: Uma discussão de valor
Design e Território: Uma discussão de valorDeVry University
 
Como Escolher um Vinho
Como Escolher um VinhoComo Escolher um Vinho
Como Escolher um VinhoMarcelo Piuma
 
Vinhos mapamundi um
Vinhos mapamundi umVinhos mapamundi um
Vinhos mapamundi umMario Braile
 
2017 Oregon Wine Symposium | The Myth of Terroir and Understanding Your Site:...
2017 Oregon Wine Symposium | The Myth of Terroir and Understanding Your Site:...2017 Oregon Wine Symposium | The Myth of Terroir and Understanding Your Site:...
2017 Oregon Wine Symposium | The Myth of Terroir and Understanding Your Site:...Oregon Wine Board
 
Produção do chocolate- Da matéria-prima ao produto final
Produção do chocolate- Da matéria-prima ao produto finalProdução do chocolate- Da matéria-prima ao produto final
Produção do chocolate- Da matéria-prima ao produto finalJanielson Lima
 
Criar uma conta no slide share
Criar uma conta no slide shareCriar uma conta no slide share
Criar uma conta no slide sharebtizatto1
 
Semalim 2015 - Cacau e Chocolate
Semalim 2015 - Cacau e ChocolateSemalim 2015 - Cacau e Chocolate
Semalim 2015 - Cacau e ChocolateRenato Cossi
 

Destaque (15)

2º Aula De Vinhos Oficial
2º Aula De Vinhos Oficial2º Aula De Vinhos Oficial
2º Aula De Vinhos Oficial
 
Vinos de terroir tasting ny nov 2012
Vinos de terroir tasting ny nov 2012Vinos de terroir tasting ny nov 2012
Vinos de terroir tasting ny nov 2012
 
Design e Território: Uma discussão de valor
Design e Território: Uma discussão de valorDesign e Território: Uma discussão de valor
Design e Território: Uma discussão de valor
 
Como Escolher um Vinho
Como Escolher um VinhoComo Escolher um Vinho
Como Escolher um Vinho
 
Vinhos mapamundi um
Vinhos mapamundi umVinhos mapamundi um
Vinhos mapamundi um
 
Palestra 2010
Palestra 2010Palestra 2010
Palestra 2010
 
Vinho
VinhoVinho
Vinho
 
Vinho e Saúde
Vinho e SaúdeVinho e Saúde
Vinho e Saúde
 
2017 Oregon Wine Symposium | The Myth of Terroir and Understanding Your Site:...
2017 Oregon Wine Symposium | The Myth of Terroir and Understanding Your Site:...2017 Oregon Wine Symposium | The Myth of Terroir and Understanding Your Site:...
2017 Oregon Wine Symposium | The Myth of Terroir and Understanding Your Site:...
 
Vinhos
VinhosVinhos
Vinhos
 
Vinho
VinhoVinho
Vinho
 
Produção do chocolate- Da matéria-prima ao produto final
Produção do chocolate- Da matéria-prima ao produto finalProdução do chocolate- Da matéria-prima ao produto final
Produção do chocolate- Da matéria-prima ao produto final
 
Criar uma conta no slide share
Criar uma conta no slide shareCriar uma conta no slide share
Criar uma conta no slide share
 
Semalim 2015 - Cacau e Chocolate
Semalim 2015 - Cacau e ChocolateSemalim 2015 - Cacau e Chocolate
Semalim 2015 - Cacau e Chocolate
 
apostila-de-receitas-completo-culinaria-senac
 apostila-de-receitas-completo-culinaria-senac apostila-de-receitas-completo-culinaria-senac
apostila-de-receitas-completo-culinaria-senac
 

Semelhante a Falando de vinho parte 1

Newsletter licinia de campos 39 como servir vinho
Newsletter licinia de campos 39   como servir vinhoNewsletter licinia de campos 39   como servir vinho
Newsletter licinia de campos 39 como servir vinhoMarcos Azevedo
 
Doidos por Vinho.pdf
Doidos por Vinho.pdfDoidos por Vinho.pdf
Doidos por Vinho.pdfCjaneiro2
 
Confraria pane, vinum et caseus 3o encontro
Confraria pane, vinum et caseus 3o encontroConfraria pane, vinum et caseus 3o encontro
Confraria pane, vinum et caseus 3o encontroFabio Barnes
 
auladevinhosoficial 12740544693085-phpapp01
auladevinhosoficial 12740544693085-phpapp01auladevinhosoficial 12740544693085-phpapp01
auladevinhosoficial 12740544693085-phpapp01Antonio Olim
 
guia-degustacao-de-vinhos.pdf
guia-degustacao-de-vinhos.pdfguia-degustacao-de-vinhos.pdf
guia-degustacao-de-vinhos.pdfRoberto Junior
 
Simonsig apresentação de slide
Simonsig apresentação de slideSimonsig apresentação de slide
Simonsig apresentação de slidePacific Importados
 
Curso basicodevinhos
Curso basicodevinhosCurso basicodevinhos
Curso basicodevinhosJoe Superb
 
Apresentação dc mediterranea
Apresentação dc mediterraneaApresentação dc mediterranea
Apresentação dc mediterranealukzadosite
 
Apresentação dc mediterranea
Apresentação dc mediterraneaApresentação dc mediterranea
Apresentação dc mediterranealukzadosite
 
Aul aharmonizacao
Aul aharmonizacaoAul aharmonizacao
Aul aharmonizacaosulivancruz
 

Semelhante a Falando de vinho parte 1 (20)

História do vinho
História do vinhoHistória do vinho
História do vinho
 
Newsletter licinia de campos 39 como servir vinho
Newsletter licinia de campos 39   como servir vinhoNewsletter licinia de campos 39   como servir vinho
Newsletter licinia de campos 39 como servir vinho
 
VINHOS E MITOS
VINHOS E MITOSVINHOS E MITOS
VINHOS E MITOS
 
Doidos por Vinho.pdf
Doidos por Vinho.pdfDoidos por Vinho.pdf
Doidos por Vinho.pdf
 
Confraria pane, vinum et caseus 3o encontro
Confraria pane, vinum et caseus 3o encontroConfraria pane, vinum et caseus 3o encontro
Confraria pane, vinum et caseus 3o encontro
 
A arte de beber vinho
A arte de beber vinhoA arte de beber vinho
A arte de beber vinho
 
Aula21 cesjf
Aula21 cesjfAula21 cesjf
Aula21 cesjf
 
Enologia
EnologiaEnologia
Enologia
 
Vinhos
VinhosVinhos
Vinhos
 
Vinhos
VinhosVinhos
Vinhos
 
Cerveja Svyturys
Cerveja SvyturysCerveja Svyturys
Cerveja Svyturys
 
auladevinhosoficial 12740544693085-phpapp01
auladevinhosoficial 12740544693085-phpapp01auladevinhosoficial 12740544693085-phpapp01
auladevinhosoficial 12740544693085-phpapp01
 
guia-degustacao-de-vinhos.pdf
guia-degustacao-de-vinhos.pdfguia-degustacao-de-vinhos.pdf
guia-degustacao-de-vinhos.pdf
 
Simonsig apresentação de slide
Simonsig apresentação de slideSimonsig apresentação de slide
Simonsig apresentação de slide
 
Enologia 2
Enologia 2Enologia 2
Enologia 2
 
AeB Srviço de Vinhos
AeB Srviço de VinhosAeB Srviço de Vinhos
AeB Srviço de Vinhos
 
Curso basicodevinhos
Curso basicodevinhosCurso basicodevinhos
Curso basicodevinhos
 
Apresentação dc mediterranea
Apresentação dc mediterraneaApresentação dc mediterranea
Apresentação dc mediterranea
 
Apresentação dc mediterranea
Apresentação dc mediterraneaApresentação dc mediterranea
Apresentação dc mediterranea
 
Aul aharmonizacao
Aul aharmonizacaoAul aharmonizacao
Aul aharmonizacao
 

Mais de Antonio Souto

Cardiac and respiratory support 2017 [modo de compatibilidade]
Cardiac and respiratory support 2017 [modo de compatibilidade]Cardiac and respiratory support 2017 [modo de compatibilidade]
Cardiac and respiratory support 2017 [modo de compatibilidade]Antonio Souto
 
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015Antonio Souto
 
Neonatal lung injury
Neonatal lung injuryNeonatal lung injury
Neonatal lung injuryAntonio Souto
 
Exposição tóxica na criança
Exposição tóxica na criançaExposição tóxica na criança
Exposição tóxica na criançaAntonio Souto
 
Scorpion envenomation
Scorpion envenomationScorpion envenomation
Scorpion envenomationAntonio Souto
 
Congenital heart disease II
Congenital heart disease IICongenital heart disease II
Congenital heart disease IIAntonio Souto
 
Suporte básico de vida em pediatria 2013
Suporte básico de vida em pediatria 2013Suporte básico de vida em pediatria 2013
Suporte básico de vida em pediatria 2013Antonio Souto
 
Congenital heart disease 2013
Congenital heart disease 2013Congenital heart disease 2013
Congenital heart disease 2013Antonio Souto
 
Choque séptico 2013
Choque séptico 2013Choque séptico 2013
Choque séptico 2013Antonio Souto
 
Reanimação cardiopulmonar 2013
Reanimação cardiopulmonar 2013Reanimação cardiopulmonar 2013
Reanimação cardiopulmonar 2013Antonio Souto
 
Disfunção respiratória
Disfunção respiratóriaDisfunção respiratória
Disfunção respiratóriaAntonio Souto
 
Noradrenalina no choque séptico
Noradrenalina no choque sépticoNoradrenalina no choque séptico
Noradrenalina no choque sépticoAntonio Souto
 
Distúrbio acido básico
Distúrbio acido básicoDistúrbio acido básico
Distúrbio acido básicoAntonio Souto
 
Trauma cranioencefálico na criança
Trauma cranioencefálico na criançaTrauma cranioencefálico na criança
Trauma cranioencefálico na criançaAntonio Souto
 
Protocolo de emergência pediátrica
Protocolo de emergência pediátricaProtocolo de emergência pediátrica
Protocolo de emergência pediátricaAntonio Souto
 
Conduta médica na unidade de emergência
Conduta médica na unidade de emergênciaConduta médica na unidade de emergência
Conduta médica na unidade de emergênciaAntonio Souto
 

Mais de Antonio Souto (20)

Cardiac and respiratory support 2017 [modo de compatibilidade]
Cardiac and respiratory support 2017 [modo de compatibilidade]Cardiac and respiratory support 2017 [modo de compatibilidade]
Cardiac and respiratory support 2017 [modo de compatibilidade]
 
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
 
Neonatal lung injury
Neonatal lung injuryNeonatal lung injury
Neonatal lung injury
 
Exposição tóxica na criança
Exposição tóxica na criançaExposição tóxica na criança
Exposição tóxica na criança
 
Scorpion envenomation
Scorpion envenomationScorpion envenomation
Scorpion envenomation
 
Congenital heart disease II
Congenital heart disease IICongenital heart disease II
Congenital heart disease II
 
Suporte básico de vida em pediatria 2013
Suporte básico de vida em pediatria 2013Suporte básico de vida em pediatria 2013
Suporte básico de vida em pediatria 2013
 
Congenital heart disease 2013
Congenital heart disease 2013Congenital heart disease 2013
Congenital heart disease 2013
 
Choque séptico 2013
Choque séptico 2013Choque séptico 2013
Choque séptico 2013
 
Reanimação cardiopulmonar 2013
Reanimação cardiopulmonar 2013Reanimação cardiopulmonar 2013
Reanimação cardiopulmonar 2013
 
Disfunção respiratória
Disfunção respiratóriaDisfunção respiratória
Disfunção respiratória
 
Noradrenalina no choque séptico
Noradrenalina no choque sépticoNoradrenalina no choque séptico
Noradrenalina no choque séptico
 
Distúrbio acido básico
Distúrbio acido básicoDistúrbio acido básico
Distúrbio acido básico
 
Trauma cranioencefálico na criança
Trauma cranioencefálico na criançaTrauma cranioencefálico na criança
Trauma cranioencefálico na criança
 
Protocolos NICU
Protocolos NICUProtocolos NICU
Protocolos NICU
 
Protocolo de emergência pediátrica
Protocolo de emergência pediátricaProtocolo de emergência pediátrica
Protocolo de emergência pediátrica
 
Ards ali
Ards aliArds ali
Ards ali
 
XII copati
XII copatiXII copati
XII copati
 
Conduta médica na unidade de emergência
Conduta médica na unidade de emergênciaConduta médica na unidade de emergência
Conduta médica na unidade de emergência
 
Choque séptico
Choque sépticoChoque séptico
Choque séptico
 

Falando de vinho parte 1

  • 1. Amigos pelo parte 1 Vinho Antonio Souto acasouto@bol.com.br 2011
  • 2. Olá “amigos pelo vinho”! Esta apresentação surgiu da busca por informações sobre os vários aspectos, técnicos, históricos, sociais, e outros, que envolvem a degustação dos vinhos. Entendo que ,para aqueles que já vêm a muito tempo desfrutando dos prazeres do vinho, as informações desta apresentação, em sua maioria, são básicas, mas não menos importantes e essenciais. Esta publicação é direcionada aos amigos que estão, como eu, envolvidos de forma Informal, mas prazerosa, com esse maravilhoso mundo do vinho. Antonio Souto
  • 3. “Deus apenas fez a água, mas o homem fez o vinho” Victor Hugo
  • 4. Enólogos/enófilos/sommelier Enólogos são profissionais que estudaram cientificamente sobre todos os processos associados ao vinho em cursos superiores de enologia. Os enófilos são apenas as pessoas que gostam de vinho e procuram informações sobre essa bebida apenas por curiosidade ou prazer. Enologia é uma ciência que estuda os aspectos relativos ao vinho desde o plantio das uvas, análise do solo, colheita, separação, produção até o engarrafamento, envelhecimento e venda.
  • 5. Enólogos/enófilos/sommelier O sommelier por sua vez, é o profissional especializado em vinhos que trabalha em restaurantes orientando os clientes sobre os vinhos disponíveis, elaborando as cartas de vinho, harmonizando os pratos com os vinhos da carta e cuidando de todos os aspectos relacionados ao vinho nos restaurantes. Daniela Bravin, sommelière
  • 6. Mulheres do vinho As sommelières Gabriela Monteleone, Debora Breginski, Daniela Bravin e Giuliana Ferreira A enciclopédia Larousse diz que o termo sommelier tem origem no francês arcaico.A palavra designava o responsável por cuidar da somme, bagagem gastronômica de bebidas e comidas que a nobreza costumava carregar nas viagens.
  • 7. uma bebida alcoólica O vinho é, genericamente, produzida por fermentação do sumo de uva. A fermentação das uvas é feita por vários tipos de leveduras que consomem os açúcares presentes nas Uvas transformando-os em álcool.
  • 8. Terroir Quanto falamos em terroir, referimo-nos ao ambiente em que as uvas crescem, a composição e a drenagem do solo e do subsolo, o relevo, a inclinação do terreno, o clima geral da região, o microclima, a vegetação circundante, a incidência de sol, a quantidade de chuvas e sua distribuição ao longo do ano, etc.
  • 9. Por que, ao escolhermos um vinho, é tão importante observar sua safra? Parafraseando Quintana Bastaria um gole de vinho para nos dar a eternidade. Cada gole guarda um pedaço de tempo que traz em si a história de uma safra, de um ano.
  • 10. De ano para ano alguns fatores, características do terroir, podem variar muito, e o vinho é muito sensível a isso. Estes fatores tornam uma safra muito melhor (e que custe muito mais do que outra). O ideal é consultar uma tabela de safras, elaborada por especialistas, para avaliar a qualidade geral daquele ano.
  • 11. •Tabela de Safras 2010 por João Filipe Clemente Excelente 10-9 / Muito boa8-7/ Boa 6-5 / Discreta 4-3 / Medíocre 2-1
  • 12. O que é um vinho de guarda? Quais os fatores de longevidade de um vinho?
  • 13. O “quanto mais velho, melhor” é um mito. Todo vinho cumpre um ciclo de vida, nasce, muitas vezes tem uma educação em barris de carvalho, evolui na garrafa até chegar a seu auge, mantém esta maturidade por algum tempo e depois decai, até ficar decrépito. A expectativa de vida do vinho Vai de poucos meses a até um século. O que então faz essa diferença e como identificá-la?
  • 14. Vinhos de guarda são os que se prestam ao longo envelhecimento. Se o vinho for „de guarda‟, tende a se harmonizar e resolver a complexidade com os anos. Os fatores que conservam os vinhos são o teor alcoólico, os taninos e antocianos, a acidez e a doçura.
  • 15. Um vinho com grande potencial de envelhecimento (muito álcool, muito tanino, boa acidez) quando muito jovem, pode ser áspero, quase desagradável. Precisa de tempo para que o tanino evolua e se perca de maneira benéfica, harmonizando se com outros fatores Para a maioria dos vinhos, o auge é: agora! 90% deles não melhoram depois de postos à venda. Hoje, eles são cada vez mais produzidos para serem bebidos jovens.
  • 16. A elaboração de um bom vinho requer tempo (além de esforço, conhecimento e ajuda da natureza). Ao sacarmos a rolha, flagramos o resultado Deste demorado e laborioso processo, que pode ter Começado décadas antes.
  • 17. Vinhos varietais e vinhos de corte Os vinhos feitos com apenas uma variedade de uva são chamados varietais ou monocastas. Já os vinhos elaborados com mais de uma uva são chamados de vinhos de corte ou vinhos de “assemblage” . Essa é a grande arte do enólogo. Saber fazer os assemblages de maneira a obter mais cor, mais corpo, menos acidez, mais equilíbrio. Traduzir a personalidade da vinícola e do terroir da região.
  • 18. Que taça escolher? Cada vinho possui características únicas dependendo da uva com que é produzido Diz-se que cada tipo de vinho pede um tipo de taça, os recipientes foram desenvolvidos para conduzir o vinho para a boca e o nariz de maneira a realçar cores, aromas e sabores do fermentado, o que Influencia no resultado.
  • 19. Podemos ter uma menor variedade de taças sem perder o prazer de beber vinho. Modelos que não podem faltar em sua casa, são aqueles adequados para os vinhos que gostamos de beber.
  • 20. Taças de Vinho, sem elas não dá! por João Filipe Clemente Para degustar adequadamente um vinho é importante que o mesmo seja tomado em taças próprias. A taça adequada é fator essencial para quem se aventura no mundo dos prazeres do vinho. O importante é que a taça permita uma boa oxigenação do vinho liberando seus aromas de forma adequada.
  • 21. Para nós mortais, basta ter taças para Bordeaux já que esta atenderá a todos os tintos de forma satisfatória, outra para vinhos brancos e uma última para espumantes. Se gostar dos caros e excelentes vinhos da Borgonha (Bourgogne), inclua mais esta taça. Meus amigos, então, ponham a mão no bolso e invistam neste fator essencial para aproveitar tudo o que um vinho pode lhe dar.
  • 22.
  • 23. Para vinhos tintos O vinho tinto precisa de espaço para respirar, pois tem aromas e sabores muito intensos. Por isso, a taça tem corpo grande, fazendo com que se libere toda a sua potência. O formato também é ideal para que a bebida possa "dançar". lembrar que ela deve ser preenchida até um terço de sua capacidade.
  • 24. Sirva cerca de 150ml para que haja espaço para o vinho respirar e se abrir. Taça muito cheia não é elegante e não permite “circular” o vinho
  • 25. As taças de vinho são formadas de um bojo e de uma haste, que existe por alguma razão. Se você a segurar pelo bojo, o calor de seu corpo esquentará o vinho. Desta forma, preferencialmente, não segure a taça pela base do bojo, segure-a sempre pela haste a não ser que você busque uma mudança na temperatura do vinho que, porventura, tenha sido servido muito frio.
  • 26. Decantar um vinho Existem dois grandes motivos para se decantar um vinho, o primeiro é remover os sedimentos da garrafa antiga e a segunda é deixar ventilar o vinho. Usa-se o decanter para vinhos tintos de safras mais antigas, que precisam liberar seus aromas. Para vinhos jovens o decanter é usado para arejar e trazer os aromas mais complexos.
  • 27. Como decantar um vinho: Se for para liberar os aromas do vinho e não para separar os sedimentos, apenas coloque o vinho no decanter. Sem movimentos bruscos, o Vinho será observado pelo pescoço da garrafa.
  • 28. Como decantar um vinho: Deixar o vinho de pé antes de abri-lo, para que os sedimentos vão para o fundo da garrafa. Incline bem o decanter de maneira que ele fique na horizontal. Contra a luz da vela, incline a garrafa de vinho cuidadosamente passando o vinho da garrafa para o decanter, observando com a ajuda da vela. Quando começar a passar os sedimentos pare de decantar o vinho.
  • 29.
  • 30. LAVE SUAS TAÇAS Para lavá-las, recomenda-se água morna e uma quantidade mínima de detergente líquido. Se a taça não for bem enxaguada, o produto pode alterar o sabor e o aroma do vinho e, no caso do Champagne, impedirá que se formem as borbulhas. Guardar os copos em um local completamente livre de odores.
  • 31. A rolha Não devemos subestimar a importância da rolha na qualidade do vinho. A cortiça possui qualidades que até agora a tornaram praticamente insubstituível: porosidade, leveza, elasticidade, impermeabilidade e isolamento. A cortiça para as rolhas é produzida em Portugal. Ela é a casca do sobreiro.
  • 32. Uma rolha de má qualidade pode comprometer a qualidade do vinho, transmitindo o desagradável e irreparável "sabor de rolha“, conseqüência de pequenos parasitas , mofo, ou ainda pelo cloro utilizado no alvejamento da rolha. Ocorre do odor de rolhas ser fugaz, bastando descartar os primeiros centilitros da bebida. Daí o costume dos someliers em verificar pelo olfato a qualidade da rolha antes de colocar o vinho à prova.
  • 33. O que observar nas rolhas Com certeza os fabricantes de bons vinhos preferirão para estes o tipo tradicional, de cortiça. A rolha tem impresso o nome do fabricante, possivelmente as armas da família, e alguns códigos. Por esse motivo o deve-se remover a ponta da capa do gargalo e abrir a garrafa na presença do cliente.
  • 34. Um problema com a rolha de cortiça é que elas ressecam, perdem a aderência ao gargalo, e como resultado o ar penetra na garrafa oxidando e inutilizando o vinho. Por esse motivo as garrafas não podem ser guardadas em posição vertical, nas adegas. Ao comprar uma garrafa de vinho é conveniente fazer pressão com o polegar sobre a rolha, para ver se ela está firmemente presa, ou se resvala alguns milímetros para dentro da garrafa, sinal de que a oxidação do vinho com certeza já aconteceu.
  • 35. Abrindo seu vinho Sacando a rolha como um soomelier
  • 36. Como ler o rótulo A leitura do rotulo e a fase mais importante de uma aquisição. Através do rotulo você vai ter informações primordiais : a variedade das uvas, a safra que pertence, a vinícola que foi produzida, grau alcoólico etc. Não se pode julgar um vinho somente pelo rótulo. Aprender o que vai ler em um rótulo poderá ajudá-lo a ter algumas indicações sobre o que esperar de um determinado vinho.
  • 37. Como ler o rótulo Informações freqüentes •variedade da uva •região produtora ou designação da origem •safra •condições tais como reserva, reserva pessoal, seleção especial, seleção de barril, indicam uma distinção de qualidade. •teor alcoólico do vinho
  • 38.
  • 39.
  • 40. Vinho na temperatura certa é bem melhor Ao degustar um vinho, há vários fatores que afetam a nossa percepção e podem contribuir para que a experiência seja otimizada em seus aromas e sabores. Quanto mais gelado o vinho, mais são realçados a acidez, o amargor e os taninos. Quanto mais quente, mais o álcool se volatiliza e fica aparente. Assim, se o vinho estiver abaixo da temperatura ideal de consumo ficará muito duro; se estiver acima, ficará alcoólico.
  • 41. Vinhos tintos em geral devem ser degustados a temperaturas mais elevadas para que os taninos não se mostrem excessivamente adstringentes e amargos. Quanto maior a carga tânica, maior deve ser a temperatura de serviço, como regra. Quanto mais aromaticamente complexo for o vinho, devemos usar uma temperatura mais elevada. Os vinhos brancos têm no seu frescor, proporcionado pela acidez. Assim sendo, é essencial que a temperatura de serviço seja mais baixa, tomando-se apenas o cuidado de não resfriar demais, a ponto de anular seus aromas.
  • 42.
  • 43. Sugestões para aproveitar melhor o vinho •Faça um curso de vinho •Compre um rótulo mais caro •Visite uma vinícola •Harmonize vinho e comida •Experimente rótulos de países diferentes •Participe de uma degustação às cegas •Compre taças adequadas e compare •Beba mais vinho branco •Arrisque um rosé •Experimente um vinho doce •Experimente um rótulo mais antigo •Tome mais vinho nacional •Monte sua confraria •Deixe o preconceito de lado e prove vinhos com tampa de rosca •Monte uma adega com um kit básico de vinhos
  • 44.