SlideShare uma empresa Scribd logo
Educação Positiva e
Infância.
Profª: Elaine Machado Chagas
elainemchagas@gmail.com
Coordenadora - Profª Mônica Portella
Roteiro
1.  Orientação e Treinamento de Pais;
2.  Princípios básicos;
3.  Avaliação;
4.  Talentos, Forças eVirtudes;
5.  Treinamento de Pais e Educação Positiva;
6.  Técnicas para aumentar emoções positivas em
crianças;
7. Rumo a descoberta da felicidade.
Orientação de Pais.
Histórico da Orientação de Pais
—  Surge na década de sessenta como mais uma
alternativa de intervenção aos enfoques
tradicionais da terapia infantil.
—  Passou a ser vista como fundamental no
processo de intervenção;
—  Atualmente atua principalmente na prevenção
de problemas comportamentais infantis.
Treinamento de Pais.
TERAPIA TRADICIONAL EDUCAÇÃO POSITIVA PARA PAIS
—  Minimizar problemas e/
ou traços negativos em
crianças apontados pelos
cuidadores.
—  Ajudar os cuidadores a
reconhecerem o lado
saudável das crianças e
criar uma metodologia
educativa que aumente
suas emoções positivas.
Princípios Básicos.
Princípios Básicos.
ü A emoção positiva cria e amplia recursos
intelectuais, físicos e sociais, abrindo a
cognição para o saudável, para os recursos
internos.
Princípios Básicos.
ü O aumento das emoções positivas dá
início a uma espiral ascendente dessas
emoções estimulando a exploração e
descobertas.
Princípios Básicos.
ü Os traços positivos demonstrados pelas
crianças são tão autênticos e reais quanto
os negativos.
Emoção
Positiva leva a
exploração e
descobertas
Que leva a
habilidade
Que leva a
descoberta
das Forças
Pessoais.
O poder da educação positiva
 
O que diferencia a educação positiva do
modelo antigo de educação?
A Educação Positiva:
•  tem suas ações focadas na prevenção.
•  encoraja e demonstra o amor, respeito e os
valores que os pais possuem;
•  permite que a criança se sinta no controle
(autonomia) e reconheça seus esforços bem
sucedidos.
Três Pilares de uma Educação Positiva.
Ø Primeiro: autoestima;
Ø Segundo: propriedade;
Ø Terceiro: controle emocional.
“Se eu me gosto e me aproprio de mim (me auto
conheço), desenvolvo meu auto controle e me
adequo ao meu tempo (enfrento as
adversidades)”
Hebe Goldfeld
Avaliação.
Quem sou eu enquanto Pai/Mãe?
v  Rastreador de erros ou rastreadores de
Talentos?
v O que desejo para o meu filho é o que
nele há de melhor?
Quem é meu filho?
—  Identificando Talentos;
—  Quais são as crenças e potencialidades;
O que mais devo avaliar?
—  Qual a expectativa dos
pais?
—  Os pais precisam de
psicoterapia?
—  A criança precisa de
psicoterapia?
—  Tem como trabalhar a
psicoterapia e Psicologia
Positiva
simultâneamente?
Questionário de avaliação.
Objetivo: avaliar de maneira simples o quanto
pais e filhos se conhecem e se interrelacionam.
Talentos.
IdentificandoTalentos
(crianças e pais).
—  O que gostava de
fazer quando
criança;
—  Desejos atuais – o
que te atrai;
—  Aprendizagem
rápida;
—  O que gera
satisfação.
Exercício com os pais:
1.  Selecione brincadeiras;
2.  Tente associá-las à lista de talentos;
3.  Use um termômetro para seu filho marcar o grau
de satisfação com aquela brincadeira;
4.  Busque outras alternativas de brincadeiras que ele
possa desenvolver seu possível talento.
Quem é meu filho?(Talentos, Forças, Pontos
fortes...)
O que eu posso fazer com isto?
(Metas e Proposta deVida)
Forças.
Maximizar as forças latentes
para o crescimento e desenvolvimento da
criança.
Identifique forças latentes
Descubra oportunidades
Praticar, praticar, praticar
Desenvolver e aprimorar
Expandir ao seu alcance
Implementar e
avaliar
Identificando forças latentes.
—  Preste atenção nas coisas que a criança sente
ânsia de fazer;
—  Preste atenção no que ela escolhe fazer no seu
tempo livre, como hobby ou passa tempo;
—  Pense em alguém que ela admira e por que
admira. Nossos heróis e heroínas fazem coisas
que pensamos em melhorar em nós mesmos.
Descobrindo a oportunidade
—  Aproveite as tarefas cotidianas para desenvolver
forças.
Pratique, pratique, pratique
—  Praticar e ter sucesso, é um indicador
muito bom de que encontramos uma força
latente.
Desenvolver e aprimorar
Ser um modelo de desenvolvimento e
aprimoramento de pontos fortes.
Expandir ao seu alcance.
—  Com a prática, as forças emergem
naturalmente.
Implementar e avaliar.
—  tivemos o resultado esperado?
—  o que aprendemos ao longo do tempo?
—  o que podemos melhorar através do
desenvolvimento dessa força?
A escala do uso de pontos fortes
As questões abaixo são sobre seus pontos fortes, ou seja, as coisas que
você é capaz de fazer melhor. Responda cada afirmação usando a escala
abaixo:
1
Discorda
Totalmente
2
Discorda
3
Discorda
Pouco
4
Nem
concorda
ou
discorda
5
Concorda
pouco
6
Concorda
7
Concorda
totalmente
1. Eu sou regularmente capaz de fazer melhor ____
2. Eu sempre desempenho meus pontos fortes ____
3. Eu sempre tento usar meus pontos fortes ____
4. Eu alcanço o que eu quero por usar meus pontos fortes ____
5. Eu uso meus pontos fortes todos os dias ____
6. Eu sou capaz de usar meus pontos fortes em muitas situações diferentes __
7. Eu uso meus pontos fortes para conseguir o que eu quero da vida ___
8. Meu trabalho me da muitas oportunidades porque eu uso meus pontos fortes
____
9. Minha vida me presenteia com muitas maneiras diferentes para usar meus
pontos fontes ____
Virtudes.
Virtudes e Forças.
1.Sabedoria e conhecimento
Criatividade
Curiosidade
Originalidade
Gosto pela aprendizagem
Empatia
2. Coragem
Autenticidade
Ousadia
Persistência
Entusiasmo
3. Bondade
Amor
Inteligência Social
4. Justiça
Equidade
Liderança
Trabalho de equipe
5.Moderação
Perdão
Modéstia
Prudência
Auto-controle
6.Transcedência
Apreciar a beleza e a excelência
Gratidão
Esperança
Peterson & Seligman, 2004, in Seligman,
Steen, Park and Peterson, 2005.
ModelandoVirtudes
É NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS QUE SE
REVELAM ASVIRTUDES DOS PAIS.
William Shakespeare
Exercício:
1.  Enumere as virtudes;
2.  Selecione personagens e heróis preferidos dos
seus filhos;
3.  Peça a criança para ligar as virtudes aos heróis;
4.  Escolha uma para exercitar durante a semana.
5.  Avalie o que aprendeu com o exercício.
Pessoas que usam suas Forças.
—  São mais felizes e confiantes;
—  Tem maior de autoestima;
—  Tem mais energia e vitalidade;
—  Tem menos estresse;
—  São mais passiveis de atingirem suas metas
—  Tem melhor desempenho no trabalho
—  São mais eficientes em se desenvolver.
Treinamento de Pais e Educação
Positiva.
Amor Incondicional:
“Filhos precisam ser amados porque são
filhos e não pelos seus comportamentos”
Elaine Chagas
Modelo Operacional de Amor
—  Estilo Seguro – adultos que descrevem
seus pais como cordiais, disponíves e
afetuosos.
—  Estilo Esquiva – adultos decrevem os pais
como frios, arredios e distantes.
—  Estilo Ansioso – adultos que descrevem
os pais como ansiosos e injustos.
Conhecer o desenvolvimento de
uma criança.
Aprender sobre os princípios básicos do
desenvolvimento infantil para entender as
necessidades específicas de cada fase.
Comunicação Positiva
As palavras marcam nossa vida! A boa
comunicação inclui ouvir.
Você conhece seu filho?
Envolvimento.
§  Pais precisam disponibilizar tempo para seus filhos;
§  Pais precisam modificar a forma como se envolvem
na medida em que os filhos crescem.
Envolvimento
—  Atividade com os pais: avaliar quanto
tempo do seu dia você disponibiliza para
a educação deles.
—  Atividade com os pais: separar em uma
folha de papel as atividades que fazem
com os filhos e atividades que fazem
para os filhos.
Usar Consequências Positivas:
Reforçar, Elogiar,Valorizar.
—  Reforços sociais: o mais usado, elogio para
amigos e parentes, abraços, bilhete
afetuoso, sorrisos, contato visual;
—  Atividades reforçadoras: atividades que
mais gosta (30 minutos a mais de
computador, ir tomar sorvete com os
colegas).
—  Reforço Material: pode ser simples
(bombom), lanche especial.
Reforço não é suborno – se você parar eu te dou o
chocolate!
OBS) O esforço deve ser mais importante que o
resultado.A nota não foi boa mas o esforço deve
ser levado em conta.
 
—  Consistência
—  Paciência
—  Persistência
Apresentar regras, estratégias e
supervisionar comportamentos
Ser um modelo moral
—  Modelação: Envolve	
   a	
   observação,	
   a	
  
imitação	
   e	
   a	
   integração.	
   Aprendemos	
  
um	
   comportamento	
   e	
   este,	
   	
   passa	
   a	
  
fazer	
   parte	
   do	
   nosso	
   repertório	
   de	
  
respostas.
Atividade.
1.  ESCREVER que práticas parentais consideradas positivas e
negativas;
2.  PINTE o coração referente as situações positivas que viveram
enquanto filhos;
3.  PINTE o X referente as situações negativas que viveram
enquanto filhos.
Autoconhecimento
—  Estilos Parentais
—  Estilo Atributivo.
ESTILO	
  ATRIBUTIVO.
NÃO DIGA DIGA
—  Valeu Rodrigo!Você foi melhor que
sua irmã na prova.
—  Maria, você má.
—  Você sempre atrapalhando.
—  Você é uma relaxada.
—  Você sempre faz alguma coisa
errada!
—  Valeu Rodrigo!Você foi muito bem
na prova.
—  Maria, bater na sua irmã é errado.
—  Quando você me interrompe,
prejudica o meu trabalho, falamos em
30 minutos.
—  Você deixou sua roupa no chão.
—  Você errou esta questão, vamos
tentar comigo?
Educar para autonomia
Primeiro dê as raízes, depois as asas...
Técnicas para aumentar emoções
positivas em crianças
Dormindo com bebê.
Prática que contribui para criação de laços
sólidos de amor por prover uma vinculação
segura nos primeiros meses de vida. É a
matéria prima da vinculação segura.
Jogos Sincrônicos e Brinquedos
Formas simples de brincar que geram emoções positivas e
ajudam a criança a perceber que as suas ações podem
influenciar e controlar resultados importantes.
O “não”e o “sim”
—  O não precisa significar limites e perigos
reais;
—  Sinais de Perigo X Sinais de Segurança.
Elogios e Castigos.
—  Os elogios e castigos devem estar
direcionados aos comportamentos e não
à criança;
—  Os elogios devem ser na medida certa do
comportamento adequado.
Rivalidade entre irmãos.
—  Usar as forças para
minimizar os efeitos
da rivalidade entre
irmãos;
—  Fazer comparações
saudáveis;
—  Reconhecer as
potencialidades de
cada um.
Tesouros na hora de dormir.
Pais e filhos fazem uma contagem de bons e maus momentos
do dia. Isso estimula as crianças a pensarem positivamente e
estabelecerem metas para o dia seguinte.
Fazendo cumprir o combinado.
Definição de recompensas em troca de comportamentos
adequados ou enfrentamento de dificuldades.
Ø O quanto você confia em quem
comumente descumpre os combinados?
Resoluções de ano novo.
Incentivar as crianças a criarem metas positivas e
acompanharem seus desempenhos durante o ano.
Sem proibições e em cima de realizações positivas que
enriqueçam as forças.
RUMO À DESCOBERTA
DA FELICIDADE
O que torna uma criança feliz?
Quando os cuidadores:
— oferecem fontes de felicidade;
— criam circunstâncias ambientais que proporcionem
equilíbrio em suas vidas;
— Ajudam a entender o que o faz feliz:
Este teste não corresponde a uma visão filosófica ou
religiosa específica da felicidade, mas à felicidade normal,
tal como ela é percebida no seio da população a partir de
pesquisas estatísticas e estudos científicos.
Resultado:
1.Errado
Estudos realizados sobre ganhadores de grandes
quantias demonstram que, após o momento de
euforia inicial, eles não se sentem mais felizes.
Um ano depois, o lucro em termos de felicidade
geralmente já se esgotou.
2. Errado
Os dois são partes integrantes da felicidade,
como duas faces da mesma moeda
3. Certo
Pessoas que mantêm uma vida espiritual ativa
geralmente se dizem mais felizes do que os
ateus. Em compensação, o fato de seguir ou não
uma religião oficial não faz muita diferença.
4.Certo
A tendência a sentir emoções agradáveis é uma
questão de temperamento. Trata-se de uma
loteria genética. Mas é claro que podemos
modular estas predisposições.
 
5. Errado
Pessoas que recorrem à cirurgia plástica não se consideram
mais felizes algum tempo depois da operação, salvo aquelas que
o fizeram para amenizar deformações graves.
6. Certo
A vida conjugal aumenta a felicidade a partir do momento em
que há respeito mútuo e intimidade (contatos satisfatório:
sexualidade, projetos em comum, etc). Esta vantagem pode, no
entanto, desaparecer com a chegada dos filhos.
7. Certo
A felicidade pode se construir. Ela não depende somente, mas
muito, dos nossos esforços (que equivalem a 40% do total,
segundo cientistas que estudam a questão).
Exercício:
Ah, se eu tivesse
O que lhe falta
para ser mais feliz?
Complete a seguinte
lista com o que, em
sua opinião, poderia
a u m e n t a r a s u a
felicidade.
1) Recorte numa revista
ou foto pessoal uma
imagem que simbolize a
felicidade para você e
cole-a aqui.
2) Não se deixe
influenciar pelas imagens
publicitárias, que
veiculam uma ideia
errada da felicidade
Uma visão da felicidade
Expulse os intrusos !
No desenho abaixo, pinte somente os elementos
propícios a aumentar a felicidade.
Lista das pequenas alegrias cotidianas a serem
saboreadas
—  Colocar um novo vaso de flores em casa;
—  Abrir a janela de manhã e ver o sol brilhar;
—  Assistir ao meu seriado favorito na televisão;
—  Tomar um sorvete no verão;
—  Ir nadar num rio junto com a família;
—  Dividir um prato de espaguete com os amigos sem-cerimônia;
—  Observar o voo das andorinhas na primavera;
—  Rever os colegas na segunda-feira e lhes contar sobre o fim de
semana;
—  Dar um passeio sem pressa;
—  Convidar alguém que nao encontra a muito tempo para um
passeio.
Dica: fazer com os filhos uma lista de pequenas alegrias
Tarefa: demonstre a sua gratidão!
Os benefícios da gratidão são incomensuráveis!
Expressar regularmente reconhecimento pelo o que você recebe e
vivencia pode ser qualificado como uma TERAPIA MILAGROSA.
Para as crianças e jovens: SEUS PAIS AJUDAMVOCÊ:
—  Ver o lado bom das coisas;
—  Perceber suas qualidades;
—  Valorizar o que tem;
—  Dar o melhor de si;
—  Construir boas relações;
—  Relaxar e se sentir feliz.
Tarefa: aprenda a perdoar!
“Perdoar não significa esquecer ou apagar; mas
sim, dependendo do caso, desistir de punir ou
odiar, e às vezes até de julgar.”
—  Consiste em desculpar o outro mesmo sem
negar a ofensa sofrida.
—  Perdoar é abdicar o ódio.
—  Perdoar é se desapegar da raiva.
VOCÊ PEDE DESCULPAS AO SEU FILHO?
Pessoas de quem tenho rancor e as quais eu
gostaria de perdoar:
-
-
-
-
-
Risque o nome delas quando você tiver
conseguindo perdoá-las.
EXERCÍCIO:
Exercício da carta de perdão
—  Pegue uma folha para redigir uma carta de
perdão.
—  Comece descrevendo detalhadamente a
dor que você sofreu. Explique por que
você ainda se sente magoado(a).
—  Diga o que você gostaria que a pessoa
tivesse feito no lugar daquilo que
aconteceu. Depois, conceda-lhe perdão
de forma explícita, demonstrando-lhe a
sua compreensão.
-  Eu perdôo o meu pai por ter sido
alcoólatra...
-  Eu perdôo aquele professor que me
rebaixou na frente da turma inteira...
-  Eu perdôo a infidelidade do meu marido
(da minha mulher)...
-  Eu perdôo meu filho por ter me
envergonhado.
Tarefa: Seja corajoso (a)!
“A verdadeira felicidade consiste em fazer os
outros felizes!
provérbio hindu
Pratique boas ações e constate o quanto isto
proporciona alegria a satisfação!
—  pague um refrigerante para um amigo;
—  lave a louça do jantar;
—  doe sangue;
—  visite uma pessoa doente;
—  ajude alguém a resolver um problema.
Faça uma lista de boas ações:
Minhas boas ações:
-
-
-
-
-
-
-
Ao ser generoso(a), você não somente muda o seu
olhar sobre si mesmo(a) e oferece bem-estar aos
outros, mas também provoca um turbilhão de efeitos
positivos ao seu redor.
Tarefa: desfrute os pequenos
prazeres da vida!
Parece fácil, mas não é! Por isto, todos devem assinar um
contrato a fim de ter certeza de que vai COLOCAR
EM PRÁTICA as tarefas combinadas.
CONTRATO DE FAMÍLIA
Nós ____________________________________, como membros dessa
família, nos comprometemos desde hoje e durante 1(um) mês
(exatamente 31 dias) a reservar pelo menos 5 (cinco) minutos por
dia para exercer uma atividade agradável.
Local e data: _____________________, ______/_____/____
Assinaturas
_______________________________________________________
— Faça perguntas sobre quais atividades o diverte e por
quê ele se diverte com elas;
— Observe, identifique e se interesse pelas atividades que
trazem mais prazer a ele;
— Encoraje-o a participar dessas atividades;
— Disponibilize seu tempo;
— Providencie recursos;
— Divida as experiências com ele.
Fazer e não fazer !
O que fazer com você.
—  Tenha prazer ao observar
os esforços do seu filho em
suas atividades;
—  Divirta-se durante as
atividades, acalme-se ,
relaxe, pense positivo, e
com energia quando estiver
assistindo uma atividade do
seu filho. Sua atitude
influencia no seu
desempenho e nas suas
emoções.
O que não fazer com você
—  Não seja você o
parâmetro de referência
nas atividades de seus
filhos
—  Não se preocupe tanto
em como ele se sairá e
não perca a perspectiva
da importância da
conquista do seu filho.
Fazer e não fazer!
Fazer com outros pais
—  Faça amizade com outros
pais.
—  Seja voluntário tanto quanto
puder. Muitas atividades
dependem do tempo e da
energia dos pais.
—  Trabalhar com outros pais
garante que todos se
comportem apropriadamente
nos eventos e atividades.
Não fazer com outros pais
—  Não faça inimizades com
outros pais.
—  Não fale sobre outros
pais, fale com eles – isto
é mais construtivo.
Fazer e não fazer!
Fazer com professores
—  Deixe o professor ensinar e
ofereça o suporte necessário;
—  Informe sobre algum
problema em casa que pode
afetar o desempenho do seu
filho;
—  Mostre interesse sobre seu
progresso;
—  Faça dos professores aliados.
—  Não interfira no
aprendizado;
—  Não trabalhe em
desacordo com eles;
—  Procure entender suas
razões para advertências.
Não fazer com professores
Atitudes de controle X Atitudes para o crescimento.
Chantagem emocional:
“se não fizer eu vou ficar
triste com você”
Culpa:
“como pode, depois de tudo
que fiz por você!”
Suborno:
“faz como eu falei que vai
valer a pena”
Troca emocional:
“vamos pensar em uma saída
boa pra nós dois”
Compromisso:
“eu estava pensando no
motivo que te levou a não
estar mais comprometido?”
Encorajamento:
“vamos lá, veja como se
sente, vamos ver como você
se sai”.
Atitudes de controle X Atitudes para o crescimento.
Através da força e
poder:
“cale a boca e faça o
que mandei”
Humilhação:
“quer que eu te faça
passar vergonha?”
Através do amor e
honestidade:
“não te faria correr
risco, te amo e não me
sinto confortável com
isso”
Afirmação:
“estarei do seu lado e
confio em você”
Sou sua companhia constante. Sou seu ajudante ou seu mais
pesado fardo. Posso te conduzir ao sucesso ou ao fracasso.
Estou completamente a seu dispor e sob suas ordens. A
maioria das coisas que precisar fazer pode passá-las a mim,
pois estarei apto e fazê-las rápida e corretamente.
É fácil lidar comigo – basta ser firme. Mostre-me exatamente
como quer que algo seja feito e depois de algumas lições, eu
o farei de maneira automática.
Não sou uma máquina, embora trabalhe com toda a precisão
de uma. Você pode me usar para vencer ou para perder e
isso não faz a menor diferança para mim.
Use-me, treine-me, seja firme comigo e eu contribuirei para
que você alcance qualquer objetivo seu, mas se esmoreçer
comigo, posso te destruir.
QUEM SOU EU?
EU SOU O HÁBITO!
1.  Quando se olhar no espelho, procure dizer algo
positivo ao seu respeito;
2.  Demostre apreciação pelo ponto de vista das
pessoas;
3.  Faça coisas que contradizem seus paradigmas
negativos;
4.  Pondere a respeito das interpretações que faz das
outras pessoas;
5.  Ocupe sua mente com coisas construtivas;
EXERCITANDO BONS
HÁBITOS:
Exercitando Bons Hábitos:
6.  Preste atenção nos programas que
assiste e nas músicas que escuta, elas
devem estar em conformidade com seus
valores;
7.  Procure ir sempre um pouco além do
que se propôs.
Exercitando Bons Hábitos:
8.  Quando estiver diante de uma situação
difícil pergunte a si mesmo:
“Qual das minhas potencialidades utilizarei
neste caso (gratidão, amor, honestidade,
lealdade)?”
Use-a e siga em frente!
Cuidem dos seus hábitos, de suas
palavras, suas escolhas. Seu filho(a) ou
qualquer outra criança pode estar
observando você!
Educaçãoo Positiva e Infância
OBRIGADA!
ELAINE MACHADO CHAGAS
elainemchagas@gmail.com
Cel: 8131 2701
Consultório: 3215 7784

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estabelecendo limites
Estabelecendo limitesEstabelecendo limites
Estabelecendo limites
Cras Macatuba
 
Gerir emoções
Gerir emoçõesGerir emoções
Gerir emoções
Oficina Psicologia
 
Saúde emocional
Saúde emocionalSaúde emocional
Saúde emocional
Alexsandro Prates
 
A importancia da auto estima na mulher graça
A importancia da auto estima na mulher  graçaA importancia da auto estima na mulher  graça
A importancia da auto estima na mulher graça
Liene Campos
 
Palestra ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolar
Palestra  ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolarPalestra  ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolar
Palestra ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolar
Anaí Peña
 
Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
Daniela Marckevitz
 
Reunião de pais educação infantil
Reunião de pais educação infantilReunião de pais educação infantil
Reunião de pais educação infantil
Jeovany Anjos
 
PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLAR
Cassia Dias
 
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...
Editora Moderna
 
Amar é acolher 1ª reunião
Amar é acolher 1ª reuniãoAmar é acolher 1ª reunião
Amar é acolher 1ª reunião
Simone Liberato CupcakeKids
 
Palestra Motivacional Ensino Médio
Palestra Motivacional Ensino MédioPalestra Motivacional Ensino Médio
Palestra Motivacional Ensino Médio
angelavbecker
 
PARENTALIDADE Positiva - um guia para proteção de noss@s filh@s
PARENTALIDADE Positiva - um guia para proteção de noss@s filh@sPARENTALIDADE Positiva - um guia para proteção de noss@s filh@s
PARENTALIDADE Positiva - um guia para proteção de noss@s filh@s
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Sexualidade na educação infantil
Sexualidade na educação infantilSexualidade na educação infantil
Sexualidade na educação infantil
Mary Lopes
 
Parentalidade positiva
Parentalidade positivaParentalidade positiva
Parentalidade positiva
paulacruz971
 
Palestra "Nossos alunos e as competências socioemocionais" - Ciclo de eventos...
Palestra "Nossos alunos e as competências socioemocionais" - Ciclo de eventos...Palestra "Nossos alunos e as competências socioemocionais" - Ciclo de eventos...
Palestra "Nossos alunos e as competências socioemocionais" - Ciclo de eventos...
Editora Moderna
 
Palestra para pais
Palestra para paisPalestra para pais
Palestra para pais
Alfredo Leite
 
Apresentação Inteligência Emocional
Apresentação Inteligência EmocionalApresentação Inteligência Emocional
Apresentação Inteligência Emocional
anaediteaires
 
A família e a escola na formação integral
A família e a escola na formação integralA família e a escola na formação integral
A família e a escola na formação integral
Dianaricardo28
 
Abuso e exploração sexual de criança e adolescente
Abuso e exploração sexual de criança e adolescenteAbuso e exploração sexual de criança e adolescente
Abuso e exploração sexual de criança e adolescente
Luisa Sena
 
Reunião de pais e mestres : Alguns segredos da arte de educar!
Reunião de pais e mestres : Alguns segredos da arte de educar!Reunião de pais e mestres : Alguns segredos da arte de educar!
Reunião de pais e mestres : Alguns segredos da arte de educar!
Alzeni Araújo
 

Mais procurados (20)

Estabelecendo limites
Estabelecendo limitesEstabelecendo limites
Estabelecendo limites
 
Gerir emoções
Gerir emoçõesGerir emoções
Gerir emoções
 
Saúde emocional
Saúde emocionalSaúde emocional
Saúde emocional
 
A importancia da auto estima na mulher graça
A importancia da auto estima na mulher  graçaA importancia da auto estima na mulher  graça
A importancia da auto estima na mulher graça
 
Palestra ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolar
Palestra  ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolarPalestra  ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolar
Palestra ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolar
 
Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
 
Reunião de pais educação infantil
Reunião de pais educação infantilReunião de pais educação infantil
Reunião de pais educação infantil
 
PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLAR
 
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...
 
Amar é acolher 1ª reunião
Amar é acolher 1ª reuniãoAmar é acolher 1ª reunião
Amar é acolher 1ª reunião
 
Palestra Motivacional Ensino Médio
Palestra Motivacional Ensino MédioPalestra Motivacional Ensino Médio
Palestra Motivacional Ensino Médio
 
PARENTALIDADE Positiva - um guia para proteção de noss@s filh@s
PARENTALIDADE Positiva - um guia para proteção de noss@s filh@sPARENTALIDADE Positiva - um guia para proteção de noss@s filh@s
PARENTALIDADE Positiva - um guia para proteção de noss@s filh@s
 
Sexualidade na educação infantil
Sexualidade na educação infantilSexualidade na educação infantil
Sexualidade na educação infantil
 
Parentalidade positiva
Parentalidade positivaParentalidade positiva
Parentalidade positiva
 
Palestra "Nossos alunos e as competências socioemocionais" - Ciclo de eventos...
Palestra "Nossos alunos e as competências socioemocionais" - Ciclo de eventos...Palestra "Nossos alunos e as competências socioemocionais" - Ciclo de eventos...
Palestra "Nossos alunos e as competências socioemocionais" - Ciclo de eventos...
 
Palestra para pais
Palestra para paisPalestra para pais
Palestra para pais
 
Apresentação Inteligência Emocional
Apresentação Inteligência EmocionalApresentação Inteligência Emocional
Apresentação Inteligência Emocional
 
A família e a escola na formação integral
A família e a escola na formação integralA família e a escola na formação integral
A família e a escola na formação integral
 
Abuso e exploração sexual de criança e adolescente
Abuso e exploração sexual de criança e adolescenteAbuso e exploração sexual de criança e adolescente
Abuso e exploração sexual de criança e adolescente
 
Reunião de pais e mestres : Alguns segredos da arte de educar!
Reunião de pais e mestres : Alguns segredos da arte de educar!Reunião de pais e mestres : Alguns segredos da arte de educar!
Reunião de pais e mestres : Alguns segredos da arte de educar!
 

Semelhante a Educaçãoo Positiva e Infância

Disciplina positiva
Disciplina positivaDisciplina positiva
Disciplina positiva
Tamara Pina
 
LiçãO 06 Educando Os Filhos I
LiçãO 06 Educando Os Filhos ILiçãO 06 Educando Os Filhos I
LiçãO 06 Educando Os Filhos I
guest06a00c
 
I - Autoestima (1).pdf projeto e educação
I - Autoestima (1).pdf projeto e educaçãoI - Autoestima (1).pdf projeto e educação
I - Autoestima (1).pdf projeto e educação
arteiralaica
 
projeto Autoestima: Educação e valorização
projeto Autoestima: Educação e valorizaçãoprojeto Autoestima: Educação e valorização
projeto Autoestima: Educação e valorização
arteiralaica
 
cartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdfcartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdf
MarceloInacio18
 
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sSaúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
12 erros que os pais cometem
12 erros que os pais cometem12 erros que os pais cometem
12 erros que os pais cometem
Fatima Sarno Rodrigues
 
12 erros que os pais cometem
12 erros que os pais cometem12 erros que os pais cometem
12 erros que os pais cometem
Maud Lacerda Abreu
 
Cartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escolaCartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escola
Patrícia Müller
 
Modelo ludico e os pais
Modelo ludico   e os paisModelo ludico   e os pais
Modelo ludico e os pais
Marciane Missio
 
Os tipos de educando
Os tipos de educandoOs tipos de educando
Os tipos de educando
Kátia Rumbelsperger
 
Educação emocional na infância: resiliência e empatia
Educação emocional na infância: resiliência e empatiaEducação emocional na infância: resiliência e empatia
Educação emocional na infância: resiliência e empatia
CUIDADOS COM O CORPO
 
Psicologia e a chave para uma boa criacao dos filhos
Psicologia e a chave para uma boa criacao dos filhosPsicologia e a chave para uma boa criacao dos filhos
Psicologia e a chave para uma boa criacao dos filhos
Colégio Elisa Andreoli
 
Palestra sobre Transtorno Deficit de Atenção e Hiperatividade - TDAH
Palestra sobre Transtorno Deficit de Atenção e Hiperatividade - TDAHPalestra sobre Transtorno Deficit de Atenção e Hiperatividade - TDAH
Palestra sobre Transtorno Deficit de Atenção e Hiperatividade - TDAH
Raquel Magalhaes de Mello
 
Autoestima Infantil
Autoestima InfantilAutoestima Infantil
Autoestima Infantil
Maria Cristina Santos Araujo
 
Psicologia Positiva
Psicologia PositivaPsicologia Positiva
Psicologia Positiva
Nuno Levy
 
Relacionamento Entre Pais E Filhos
Relacionamento Entre Pais E FilhosRelacionamento Entre Pais E Filhos
Relacionamento Entre Pais E Filhos
Associação Espirita Lagos
 
E book - autismo 20171229 (1)
E book - autismo 20171229 (1)E book - autismo 20171229 (1)
E book - autismo 20171229 (1)
Adri Reis
 
Desafio 21 dias semana 3
Desafio 21 dias semana 3Desafio 21 dias semana 3
Desafio 21 dias semana 3
Daniele Bedin
 
familia afetiva.ppx mxnm.x,m,axmsmx sx smtx
familia afetiva.ppx mxnm.x,m,axmsmx sx smtxfamilia afetiva.ppx mxnm.x,m,axmsmx sx smtx
familia afetiva.ppx mxnm.x,m,axmsmx sx smtx
AuriceliaRosa
 

Semelhante a Educaçãoo Positiva e Infância (20)

Disciplina positiva
Disciplina positivaDisciplina positiva
Disciplina positiva
 
LiçãO 06 Educando Os Filhos I
LiçãO 06 Educando Os Filhos ILiçãO 06 Educando Os Filhos I
LiçãO 06 Educando Os Filhos I
 
I - Autoestima (1).pdf projeto e educação
I - Autoestima (1).pdf projeto e educaçãoI - Autoestima (1).pdf projeto e educação
I - Autoestima (1).pdf projeto e educação
 
projeto Autoestima: Educação e valorização
projeto Autoestima: Educação e valorizaçãoprojeto Autoestima: Educação e valorização
projeto Autoestima: Educação e valorização
 
cartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdfcartilhasaudementalnaescola.pdf
cartilhasaudementalnaescola.pdf
 
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sSaúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
 
12 erros que os pais cometem
12 erros que os pais cometem12 erros que os pais cometem
12 erros que os pais cometem
 
12 erros que os pais cometem
12 erros que os pais cometem12 erros que os pais cometem
12 erros que os pais cometem
 
Cartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escolaCartilha saudementalna escola
Cartilha saudementalna escola
 
Modelo ludico e os pais
Modelo ludico   e os paisModelo ludico   e os pais
Modelo ludico e os pais
 
Os tipos de educando
Os tipos de educandoOs tipos de educando
Os tipos de educando
 
Educação emocional na infância: resiliência e empatia
Educação emocional na infância: resiliência e empatiaEducação emocional na infância: resiliência e empatia
Educação emocional na infância: resiliência e empatia
 
Psicologia e a chave para uma boa criacao dos filhos
Psicologia e a chave para uma boa criacao dos filhosPsicologia e a chave para uma boa criacao dos filhos
Psicologia e a chave para uma boa criacao dos filhos
 
Palestra sobre Transtorno Deficit de Atenção e Hiperatividade - TDAH
Palestra sobre Transtorno Deficit de Atenção e Hiperatividade - TDAHPalestra sobre Transtorno Deficit de Atenção e Hiperatividade - TDAH
Palestra sobre Transtorno Deficit de Atenção e Hiperatividade - TDAH
 
Autoestima Infantil
Autoestima InfantilAutoestima Infantil
Autoestima Infantil
 
Psicologia Positiva
Psicologia PositivaPsicologia Positiva
Psicologia Positiva
 
Relacionamento Entre Pais E Filhos
Relacionamento Entre Pais E FilhosRelacionamento Entre Pais E Filhos
Relacionamento Entre Pais E Filhos
 
E book - autismo 20171229 (1)
E book - autismo 20171229 (1)E book - autismo 20171229 (1)
E book - autismo 20171229 (1)
 
Desafio 21 dias semana 3
Desafio 21 dias semana 3Desafio 21 dias semana 3
Desafio 21 dias semana 3
 
familia afetiva.ppx mxnm.x,m,axmsmx sx smtx
familia afetiva.ppx mxnm.x,m,axmsmx sx smtxfamilia afetiva.ppx mxnm.x,m,axmsmx sx smtx
familia afetiva.ppx mxnm.x,m,axmsmx sx smtx
 

Mais de psimais

Psi+ e o futebol
Psi+ e o futebolPsi+ e o futebol
Psi+ e o futebol
psimais
 
Programa de Manutenção de Ganhos - Algumas dicas e estratégias
Programa de Manutenção de Ganhos - Algumas dicas e estratégiasPrograma de Manutenção de Ganhos - Algumas dicas e estratégias
Programa de Manutenção de Ganhos - Algumas dicas e estratégias
psimais
 
Introdução ao THS - Treinamento em Habilidades Sociais: Teoria e Prática
Introdução ao THS - Treinamento em Habilidades Sociais: Teoria e PráticaIntrodução ao THS - Treinamento em Habilidades Sociais: Teoria e Prática
Introdução ao THS - Treinamento em Habilidades Sociais: Teoria e Prática
psimais
 
Prevenção Primária e Secundária
Prevenção Primária e SecundáriaPrevenção Primária e Secundária
Prevenção Primária e Secundária
psimais
 
Desfrutar as Alegrias da Vida
Desfrutar as Alegrias da VidaDesfrutar as Alegrias da Vida
Desfrutar as Alegrias da Vida
psimais
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
psimais
 
Reabilitação de Memória
Reabilitação de MemóriaReabilitação de Memória
Reabilitação de Memória
psimais
 
Aplicacões do Processo de Coaching III
Aplicacões do Processo de Coaching IIIAplicacões do Processo de Coaching III
Aplicacões do Processo de Coaching III
psimais
 
Perfis de Motivação
Perfis de MotivaçãoPerfis de Motivação
Perfis de Motivação
psimais
 
Exercícios de Crenças
Exercícios de CrençasExercícios de Crenças
Exercícios de Crenças
psimais
 
Psicologia Positiva e os Movimentos que Mudaram a Humanidade
Psicologia Positiva e os Movimentos que Mudaram a HumanidadePsicologia Positiva e os Movimentos que Mudaram a Humanidade
Psicologia Positiva e os Movimentos que Mudaram a Humanidade
psimais
 
Qualidade de Vida e Bem-Estar Subjetivo
Qualidade de Vida e Bem-Estar SubjetivoQualidade de Vida e Bem-Estar Subjetivo
Qualidade de Vida e Bem-Estar Subjetivo
psimais
 
Modelo dos 5Cs - Otimismo em Relação ao Futuro
Modelo dos 5Cs - Otimismo em Relação ao FuturoModelo dos 5Cs - Otimismo em Relação ao Futuro
Modelo dos 5Cs - Otimismo em Relação ao Futuro
psimais
 
Estrategias de Relaxamento para Crianças
Estrategias de Relaxamento para CriançasEstrategias de Relaxamento para Crianças
Estrategias de Relaxamento para Crianças
psimais
 
Coaching Comportamental
Coaching ComportamentalCoaching Comportamental
Coaching Comportamental
psimais
 
Estratégias Cognitivas Aplicadas ao Coaching
Estratégias Cognitivas Aplicadas ao CoachingEstratégias Cognitivas Aplicadas ao Coaching
Estratégias Cognitivas Aplicadas ao Coaching
psimais
 
Técnica do Bastão para Melhorar a Comunicação
Técnica do Bastão para Melhorar a ComunicaçãoTécnica do Bastão para Melhorar a Comunicação
Técnica do Bastão para Melhorar a Comunicação
psimais
 
Técnica da Escuta Ativa
Técnica da Escuta AtivaTécnica da Escuta Ativa
Técnica da Escuta Ativa
psimais
 
Processo REACH - Releitura do Passado
Processo REACH - Releitura do PassadoProcesso REACH - Releitura do Passado
Processo REACH - Releitura do Passado
psimais
 
Técnicas de ACC's
Técnicas de ACC'sTécnicas de ACC's
Técnicas de ACC's
psimais
 

Mais de psimais (20)

Psi+ e o futebol
Psi+ e o futebolPsi+ e o futebol
Psi+ e o futebol
 
Programa de Manutenção de Ganhos - Algumas dicas e estratégias
Programa de Manutenção de Ganhos - Algumas dicas e estratégiasPrograma de Manutenção de Ganhos - Algumas dicas e estratégias
Programa de Manutenção de Ganhos - Algumas dicas e estratégias
 
Introdução ao THS - Treinamento em Habilidades Sociais: Teoria e Prática
Introdução ao THS - Treinamento em Habilidades Sociais: Teoria e PráticaIntrodução ao THS - Treinamento em Habilidades Sociais: Teoria e Prática
Introdução ao THS - Treinamento em Habilidades Sociais: Teoria e Prática
 
Prevenção Primária e Secundária
Prevenção Primária e SecundáriaPrevenção Primária e Secundária
Prevenção Primária e Secundária
 
Desfrutar as Alegrias da Vida
Desfrutar as Alegrias da VidaDesfrutar as Alegrias da Vida
Desfrutar as Alegrias da Vida
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
 
Reabilitação de Memória
Reabilitação de MemóriaReabilitação de Memória
Reabilitação de Memória
 
Aplicacões do Processo de Coaching III
Aplicacões do Processo de Coaching IIIAplicacões do Processo de Coaching III
Aplicacões do Processo de Coaching III
 
Perfis de Motivação
Perfis de MotivaçãoPerfis de Motivação
Perfis de Motivação
 
Exercícios de Crenças
Exercícios de CrençasExercícios de Crenças
Exercícios de Crenças
 
Psicologia Positiva e os Movimentos que Mudaram a Humanidade
Psicologia Positiva e os Movimentos que Mudaram a HumanidadePsicologia Positiva e os Movimentos que Mudaram a Humanidade
Psicologia Positiva e os Movimentos que Mudaram a Humanidade
 
Qualidade de Vida e Bem-Estar Subjetivo
Qualidade de Vida e Bem-Estar SubjetivoQualidade de Vida e Bem-Estar Subjetivo
Qualidade de Vida e Bem-Estar Subjetivo
 
Modelo dos 5Cs - Otimismo em Relação ao Futuro
Modelo dos 5Cs - Otimismo em Relação ao FuturoModelo dos 5Cs - Otimismo em Relação ao Futuro
Modelo dos 5Cs - Otimismo em Relação ao Futuro
 
Estrategias de Relaxamento para Crianças
Estrategias de Relaxamento para CriançasEstrategias de Relaxamento para Crianças
Estrategias de Relaxamento para Crianças
 
Coaching Comportamental
Coaching ComportamentalCoaching Comportamental
Coaching Comportamental
 
Estratégias Cognitivas Aplicadas ao Coaching
Estratégias Cognitivas Aplicadas ao CoachingEstratégias Cognitivas Aplicadas ao Coaching
Estratégias Cognitivas Aplicadas ao Coaching
 
Técnica do Bastão para Melhorar a Comunicação
Técnica do Bastão para Melhorar a ComunicaçãoTécnica do Bastão para Melhorar a Comunicação
Técnica do Bastão para Melhorar a Comunicação
 
Técnica da Escuta Ativa
Técnica da Escuta AtivaTécnica da Escuta Ativa
Técnica da Escuta Ativa
 
Processo REACH - Releitura do Passado
Processo REACH - Releitura do PassadoProcesso REACH - Releitura do Passado
Processo REACH - Releitura do Passado
 
Técnicas de ACC's
Técnicas de ACC'sTécnicas de ACC's
Técnicas de ACC's
 

Último

A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 

Educaçãoo Positiva e Infância

  • 1. Educação Positiva e Infância. Profª: Elaine Machado Chagas elainemchagas@gmail.com Coordenadora - Profª Mônica Portella
  • 2. Roteiro 1.  Orientação e Treinamento de Pais; 2.  Princípios básicos; 3.  Avaliação; 4.  Talentos, Forças eVirtudes; 5.  Treinamento de Pais e Educação Positiva; 6.  Técnicas para aumentar emoções positivas em crianças; 7. Rumo a descoberta da felicidade.
  • 4. Histórico da Orientação de Pais —  Surge na década de sessenta como mais uma alternativa de intervenção aos enfoques tradicionais da terapia infantil. —  Passou a ser vista como fundamental no processo de intervenção; —  Atualmente atua principalmente na prevenção de problemas comportamentais infantis.
  • 5. Treinamento de Pais. TERAPIA TRADICIONAL EDUCAÇÃO POSITIVA PARA PAIS —  Minimizar problemas e/ ou traços negativos em crianças apontados pelos cuidadores. —  Ajudar os cuidadores a reconhecerem o lado saudável das crianças e criar uma metodologia educativa que aumente suas emoções positivas.
  • 7. Princípios Básicos. ü A emoção positiva cria e amplia recursos intelectuais, físicos e sociais, abrindo a cognição para o saudável, para os recursos internos.
  • 8. Princípios Básicos. ü O aumento das emoções positivas dá início a uma espiral ascendente dessas emoções estimulando a exploração e descobertas.
  • 9. Princípios Básicos. ü Os traços positivos demonstrados pelas crianças são tão autênticos e reais quanto os negativos.
  • 10. Emoção Positiva leva a exploração e descobertas Que leva a habilidade Que leva a descoberta das Forças Pessoais.
  • 11. O poder da educação positiva   O que diferencia a educação positiva do modelo antigo de educação?
  • 12. A Educação Positiva: •  tem suas ações focadas na prevenção. •  encoraja e demonstra o amor, respeito e os valores que os pais possuem; •  permite que a criança se sinta no controle (autonomia) e reconheça seus esforços bem sucedidos.
  • 13. Três Pilares de uma Educação Positiva. Ø Primeiro: autoestima; Ø Segundo: propriedade; Ø Terceiro: controle emocional. “Se eu me gosto e me aproprio de mim (me auto conheço), desenvolvo meu auto controle e me adequo ao meu tempo (enfrento as adversidades)” Hebe Goldfeld
  • 15. Quem sou eu enquanto Pai/Mãe? v  Rastreador de erros ou rastreadores de Talentos? v O que desejo para o meu filho é o que nele há de melhor?
  • 16. Quem é meu filho? —  Identificando Talentos; —  Quais são as crenças e potencialidades;
  • 17. O que mais devo avaliar? —  Qual a expectativa dos pais? —  Os pais precisam de psicoterapia? —  A criança precisa de psicoterapia? —  Tem como trabalhar a psicoterapia e Psicologia Positiva simultâneamente?
  • 18. Questionário de avaliação. Objetivo: avaliar de maneira simples o quanto pais e filhos se conhecem e se interrelacionam.
  • 20. IdentificandoTalentos (crianças e pais). —  O que gostava de fazer quando criança; —  Desejos atuais – o que te atrai; —  Aprendizagem rápida; —  O que gera satisfação.
  • 21. Exercício com os pais: 1.  Selecione brincadeiras; 2.  Tente associá-las à lista de talentos; 3.  Use um termômetro para seu filho marcar o grau de satisfação com aquela brincadeira; 4.  Busque outras alternativas de brincadeiras que ele possa desenvolver seu possível talento.
  • 22. Quem é meu filho?(Talentos, Forças, Pontos fortes...) O que eu posso fazer com isto? (Metas e Proposta deVida)
  • 24. Maximizar as forças latentes para o crescimento e desenvolvimento da criança. Identifique forças latentes Descubra oportunidades Praticar, praticar, praticar Desenvolver e aprimorar Expandir ao seu alcance Implementar e avaliar
  • 25. Identificando forças latentes. —  Preste atenção nas coisas que a criança sente ânsia de fazer; —  Preste atenção no que ela escolhe fazer no seu tempo livre, como hobby ou passa tempo; —  Pense em alguém que ela admira e por que admira. Nossos heróis e heroínas fazem coisas que pensamos em melhorar em nós mesmos.
  • 26. Descobrindo a oportunidade —  Aproveite as tarefas cotidianas para desenvolver forças.
  • 27. Pratique, pratique, pratique —  Praticar e ter sucesso, é um indicador muito bom de que encontramos uma força latente.
  • 28. Desenvolver e aprimorar Ser um modelo de desenvolvimento e aprimoramento de pontos fortes.
  • 29. Expandir ao seu alcance. —  Com a prática, as forças emergem naturalmente.
  • 30. Implementar e avaliar. —  tivemos o resultado esperado? —  o que aprendemos ao longo do tempo? —  o que podemos melhorar através do desenvolvimento dessa força?
  • 31. A escala do uso de pontos fortes As questões abaixo são sobre seus pontos fortes, ou seja, as coisas que você é capaz de fazer melhor. Responda cada afirmação usando a escala abaixo: 1 Discorda Totalmente 2 Discorda 3 Discorda Pouco 4 Nem concorda ou discorda 5 Concorda pouco 6 Concorda 7 Concorda totalmente 1. Eu sou regularmente capaz de fazer melhor ____ 2. Eu sempre desempenho meus pontos fortes ____ 3. Eu sempre tento usar meus pontos fortes ____ 4. Eu alcanço o que eu quero por usar meus pontos fortes ____ 5. Eu uso meus pontos fortes todos os dias ____ 6. Eu sou capaz de usar meus pontos fortes em muitas situações diferentes __ 7. Eu uso meus pontos fortes para conseguir o que eu quero da vida ___ 8. Meu trabalho me da muitas oportunidades porque eu uso meus pontos fortes ____ 9. Minha vida me presenteia com muitas maneiras diferentes para usar meus pontos fontes ____
  • 33. Virtudes e Forças. 1.Sabedoria e conhecimento Criatividade Curiosidade Originalidade Gosto pela aprendizagem Empatia 2. Coragem Autenticidade Ousadia Persistência Entusiasmo
  • 34. 3. Bondade Amor Inteligência Social 4. Justiça Equidade Liderança Trabalho de equipe 5.Moderação Perdão Modéstia Prudência Auto-controle 6.Transcedência Apreciar a beleza e a excelência Gratidão Esperança Peterson & Seligman, 2004, in Seligman, Steen, Park and Peterson, 2005.
  • 35. ModelandoVirtudes É NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS QUE SE REVELAM ASVIRTUDES DOS PAIS. William Shakespeare Exercício: 1.  Enumere as virtudes; 2.  Selecione personagens e heróis preferidos dos seus filhos; 3.  Peça a criança para ligar as virtudes aos heróis; 4.  Escolha uma para exercitar durante a semana. 5.  Avalie o que aprendeu com o exercício.
  • 36. Pessoas que usam suas Forças. —  São mais felizes e confiantes; —  Tem maior de autoestima; —  Tem mais energia e vitalidade; —  Tem menos estresse; —  São mais passiveis de atingirem suas metas —  Tem melhor desempenho no trabalho —  São mais eficientes em se desenvolver.
  • 37. Treinamento de Pais e Educação Positiva.
  • 38. Amor Incondicional: “Filhos precisam ser amados porque são filhos e não pelos seus comportamentos” Elaine Chagas
  • 39. Modelo Operacional de Amor —  Estilo Seguro – adultos que descrevem seus pais como cordiais, disponíves e afetuosos. —  Estilo Esquiva – adultos decrevem os pais como frios, arredios e distantes. —  Estilo Ansioso – adultos que descrevem os pais como ansiosos e injustos.
  • 40. Conhecer o desenvolvimento de uma criança. Aprender sobre os princípios básicos do desenvolvimento infantil para entender as necessidades específicas de cada fase.
  • 41. Comunicação Positiva As palavras marcam nossa vida! A boa comunicação inclui ouvir. Você conhece seu filho?
  • 42. Envolvimento. §  Pais precisam disponibilizar tempo para seus filhos; §  Pais precisam modificar a forma como se envolvem na medida em que os filhos crescem.
  • 43. Envolvimento —  Atividade com os pais: avaliar quanto tempo do seu dia você disponibiliza para a educação deles. —  Atividade com os pais: separar em uma folha de papel as atividades que fazem com os filhos e atividades que fazem para os filhos.
  • 44. Usar Consequências Positivas: Reforçar, Elogiar,Valorizar. —  Reforços sociais: o mais usado, elogio para amigos e parentes, abraços, bilhete afetuoso, sorrisos, contato visual; —  Atividades reforçadoras: atividades que mais gosta (30 minutos a mais de computador, ir tomar sorvete com os colegas).
  • 45. —  Reforço Material: pode ser simples (bombom), lanche especial. Reforço não é suborno – se você parar eu te dou o chocolate! OBS) O esforço deve ser mais importante que o resultado.A nota não foi boa mas o esforço deve ser levado em conta.  
  • 46. —  Consistência —  Paciência —  Persistência Apresentar regras, estratégias e supervisionar comportamentos
  • 47. Ser um modelo moral —  Modelação: Envolve   a   observação,   a   imitação   e   a   integração.   Aprendemos   um   comportamento   e   este,     passa   a   fazer   parte   do   nosso   repertório   de   respostas.
  • 48. Atividade. 1.  ESCREVER que práticas parentais consideradas positivas e negativas; 2.  PINTE o coração referente as situações positivas que viveram enquanto filhos; 3.  PINTE o X referente as situações negativas que viveram enquanto filhos.
  • 50. ESTILO  ATRIBUTIVO. NÃO DIGA DIGA —  Valeu Rodrigo!Você foi melhor que sua irmã na prova. —  Maria, você má. —  Você sempre atrapalhando. —  Você é uma relaxada. —  Você sempre faz alguma coisa errada! —  Valeu Rodrigo!Você foi muito bem na prova. —  Maria, bater na sua irmã é errado. —  Quando você me interrompe, prejudica o meu trabalho, falamos em 30 minutos. —  Você deixou sua roupa no chão. —  Você errou esta questão, vamos tentar comigo?
  • 51. Educar para autonomia Primeiro dê as raízes, depois as asas...
  • 52. Técnicas para aumentar emoções positivas em crianças
  • 53. Dormindo com bebê. Prática que contribui para criação de laços sólidos de amor por prover uma vinculação segura nos primeiros meses de vida. É a matéria prima da vinculação segura.
  • 54. Jogos Sincrônicos e Brinquedos Formas simples de brincar que geram emoções positivas e ajudam a criança a perceber que as suas ações podem influenciar e controlar resultados importantes.
  • 55. O “não”e o “sim” —  O não precisa significar limites e perigos reais; —  Sinais de Perigo X Sinais de Segurança.
  • 56. Elogios e Castigos. —  Os elogios e castigos devem estar direcionados aos comportamentos e não à criança; —  Os elogios devem ser na medida certa do comportamento adequado.
  • 57. Rivalidade entre irmãos. —  Usar as forças para minimizar os efeitos da rivalidade entre irmãos; —  Fazer comparações saudáveis; —  Reconhecer as potencialidades de cada um.
  • 58. Tesouros na hora de dormir. Pais e filhos fazem uma contagem de bons e maus momentos do dia. Isso estimula as crianças a pensarem positivamente e estabelecerem metas para o dia seguinte.
  • 59. Fazendo cumprir o combinado. Definição de recompensas em troca de comportamentos adequados ou enfrentamento de dificuldades. Ø O quanto você confia em quem comumente descumpre os combinados?
  • 60. Resoluções de ano novo. Incentivar as crianças a criarem metas positivas e acompanharem seus desempenhos durante o ano. Sem proibições e em cima de realizações positivas que enriqueçam as forças.
  • 61. RUMO À DESCOBERTA DA FELICIDADE
  • 62. O que torna uma criança feliz? Quando os cuidadores: — oferecem fontes de felicidade; — criam circunstâncias ambientais que proporcionem equilíbrio em suas vidas; — Ajudam a entender o que o faz feliz:
  • 63. Este teste não corresponde a uma visão filosófica ou religiosa específica da felicidade, mas à felicidade normal, tal como ela é percebida no seio da população a partir de pesquisas estatísticas e estudos científicos.
  • 64. Resultado: 1.Errado Estudos realizados sobre ganhadores de grandes quantias demonstram que, após o momento de euforia inicial, eles não se sentem mais felizes. Um ano depois, o lucro em termos de felicidade geralmente já se esgotou. 2. Errado Os dois são partes integrantes da felicidade, como duas faces da mesma moeda
  • 65. 3. Certo Pessoas que mantêm uma vida espiritual ativa geralmente se dizem mais felizes do que os ateus. Em compensação, o fato de seguir ou não uma religião oficial não faz muita diferença. 4.Certo A tendência a sentir emoções agradáveis é uma questão de temperamento. Trata-se de uma loteria genética. Mas é claro que podemos modular estas predisposições.  
  • 66. 5. Errado Pessoas que recorrem à cirurgia plástica não se consideram mais felizes algum tempo depois da operação, salvo aquelas que o fizeram para amenizar deformações graves. 6. Certo A vida conjugal aumenta a felicidade a partir do momento em que há respeito mútuo e intimidade (contatos satisfatório: sexualidade, projetos em comum, etc). Esta vantagem pode, no entanto, desaparecer com a chegada dos filhos. 7. Certo A felicidade pode se construir. Ela não depende somente, mas muito, dos nossos esforços (que equivalem a 40% do total, segundo cientistas que estudam a questão).
  • 67. Exercício: Ah, se eu tivesse O que lhe falta para ser mais feliz? Complete a seguinte lista com o que, em sua opinião, poderia a u m e n t a r a s u a felicidade.
  • 68. 1) Recorte numa revista ou foto pessoal uma imagem que simbolize a felicidade para você e cole-a aqui. 2) Não se deixe influenciar pelas imagens publicitárias, que veiculam uma ideia errada da felicidade Uma visão da felicidade
  • 69. Expulse os intrusos ! No desenho abaixo, pinte somente os elementos propícios a aumentar a felicidade.
  • 70. Lista das pequenas alegrias cotidianas a serem saboreadas —  Colocar um novo vaso de flores em casa; —  Abrir a janela de manhã e ver o sol brilhar; —  Assistir ao meu seriado favorito na televisão; —  Tomar um sorvete no verão; —  Ir nadar num rio junto com a família; —  Dividir um prato de espaguete com os amigos sem-cerimônia; —  Observar o voo das andorinhas na primavera; —  Rever os colegas na segunda-feira e lhes contar sobre o fim de semana; —  Dar um passeio sem pressa; —  Convidar alguém que nao encontra a muito tempo para um passeio. Dica: fazer com os filhos uma lista de pequenas alegrias
  • 71. Tarefa: demonstre a sua gratidão! Os benefícios da gratidão são incomensuráveis! Expressar regularmente reconhecimento pelo o que você recebe e vivencia pode ser qualificado como uma TERAPIA MILAGROSA. Para as crianças e jovens: SEUS PAIS AJUDAMVOCÊ: —  Ver o lado bom das coisas; —  Perceber suas qualidades; —  Valorizar o que tem; —  Dar o melhor de si; —  Construir boas relações; —  Relaxar e se sentir feliz.
  • 72. Tarefa: aprenda a perdoar! “Perdoar não significa esquecer ou apagar; mas sim, dependendo do caso, desistir de punir ou odiar, e às vezes até de julgar.” —  Consiste em desculpar o outro mesmo sem negar a ofensa sofrida. —  Perdoar é abdicar o ódio. —  Perdoar é se desapegar da raiva. VOCÊ PEDE DESCULPAS AO SEU FILHO?
  • 73. Pessoas de quem tenho rancor e as quais eu gostaria de perdoar: - - - - - Risque o nome delas quando você tiver conseguindo perdoá-las. EXERCÍCIO:
  • 74. Exercício da carta de perdão —  Pegue uma folha para redigir uma carta de perdão. —  Comece descrevendo detalhadamente a dor que você sofreu. Explique por que você ainda se sente magoado(a). —  Diga o que você gostaria que a pessoa tivesse feito no lugar daquilo que aconteceu. Depois, conceda-lhe perdão de forma explícita, demonstrando-lhe a sua compreensão.
  • 75. -  Eu perdôo o meu pai por ter sido alcoólatra... -  Eu perdôo aquele professor que me rebaixou na frente da turma inteira... -  Eu perdôo a infidelidade do meu marido (da minha mulher)... -  Eu perdôo meu filho por ter me envergonhado.
  • 76. Tarefa: Seja corajoso (a)! “A verdadeira felicidade consiste em fazer os outros felizes! provérbio hindu Pratique boas ações e constate o quanto isto proporciona alegria a satisfação! —  pague um refrigerante para um amigo; —  lave a louça do jantar; —  doe sangue; —  visite uma pessoa doente; —  ajude alguém a resolver um problema.
  • 77. Faça uma lista de boas ações: Minhas boas ações: - - - - - - - Ao ser generoso(a), você não somente muda o seu olhar sobre si mesmo(a) e oferece bem-estar aos outros, mas também provoca um turbilhão de efeitos positivos ao seu redor.
  • 78. Tarefa: desfrute os pequenos prazeres da vida! Parece fácil, mas não é! Por isto, todos devem assinar um contrato a fim de ter certeza de que vai COLOCAR EM PRÁTICA as tarefas combinadas. CONTRATO DE FAMÍLIA Nós ____________________________________, como membros dessa família, nos comprometemos desde hoje e durante 1(um) mês (exatamente 31 dias) a reservar pelo menos 5 (cinco) minutos por dia para exercer uma atividade agradável. Local e data: _____________________, ______/_____/____ Assinaturas _______________________________________________________
  • 79. — Faça perguntas sobre quais atividades o diverte e por quê ele se diverte com elas; — Observe, identifique e se interesse pelas atividades que trazem mais prazer a ele; — Encoraje-o a participar dessas atividades; — Disponibilize seu tempo; — Providencie recursos; — Divida as experiências com ele.
  • 80. Fazer e não fazer ! O que fazer com você. —  Tenha prazer ao observar os esforços do seu filho em suas atividades; —  Divirta-se durante as atividades, acalme-se , relaxe, pense positivo, e com energia quando estiver assistindo uma atividade do seu filho. Sua atitude influencia no seu desempenho e nas suas emoções. O que não fazer com você —  Não seja você o parâmetro de referência nas atividades de seus filhos —  Não se preocupe tanto em como ele se sairá e não perca a perspectiva da importância da conquista do seu filho.
  • 81. Fazer e não fazer! Fazer com outros pais —  Faça amizade com outros pais. —  Seja voluntário tanto quanto puder. Muitas atividades dependem do tempo e da energia dos pais. —  Trabalhar com outros pais garante que todos se comportem apropriadamente nos eventos e atividades. Não fazer com outros pais —  Não faça inimizades com outros pais. —  Não fale sobre outros pais, fale com eles – isto é mais construtivo.
  • 82. Fazer e não fazer! Fazer com professores —  Deixe o professor ensinar e ofereça o suporte necessário; —  Informe sobre algum problema em casa que pode afetar o desempenho do seu filho; —  Mostre interesse sobre seu progresso; —  Faça dos professores aliados. —  Não interfira no aprendizado; —  Não trabalhe em desacordo com eles; —  Procure entender suas razões para advertências. Não fazer com professores
  • 83. Atitudes de controle X Atitudes para o crescimento. Chantagem emocional: “se não fizer eu vou ficar triste com você” Culpa: “como pode, depois de tudo que fiz por você!” Suborno: “faz como eu falei que vai valer a pena” Troca emocional: “vamos pensar em uma saída boa pra nós dois” Compromisso: “eu estava pensando no motivo que te levou a não estar mais comprometido?” Encorajamento: “vamos lá, veja como se sente, vamos ver como você se sai”.
  • 84. Atitudes de controle X Atitudes para o crescimento. Através da força e poder: “cale a boca e faça o que mandei” Humilhação: “quer que eu te faça passar vergonha?” Através do amor e honestidade: “não te faria correr risco, te amo e não me sinto confortável com isso” Afirmação: “estarei do seu lado e confio em você”
  • 85. Sou sua companhia constante. Sou seu ajudante ou seu mais pesado fardo. Posso te conduzir ao sucesso ou ao fracasso. Estou completamente a seu dispor e sob suas ordens. A maioria das coisas que precisar fazer pode passá-las a mim, pois estarei apto e fazê-las rápida e corretamente. É fácil lidar comigo – basta ser firme. Mostre-me exatamente como quer que algo seja feito e depois de algumas lições, eu o farei de maneira automática. Não sou uma máquina, embora trabalhe com toda a precisão de uma. Você pode me usar para vencer ou para perder e isso não faz a menor diferança para mim. Use-me, treine-me, seja firme comigo e eu contribuirei para que você alcance qualquer objetivo seu, mas se esmoreçer comigo, posso te destruir.
  • 87. EU SOU O HÁBITO!
  • 88. 1.  Quando se olhar no espelho, procure dizer algo positivo ao seu respeito; 2.  Demostre apreciação pelo ponto de vista das pessoas; 3.  Faça coisas que contradizem seus paradigmas negativos; 4.  Pondere a respeito das interpretações que faz das outras pessoas; 5.  Ocupe sua mente com coisas construtivas; EXERCITANDO BONS HÁBITOS:
  • 89. Exercitando Bons Hábitos: 6.  Preste atenção nos programas que assiste e nas músicas que escuta, elas devem estar em conformidade com seus valores; 7.  Procure ir sempre um pouco além do que se propôs.
  • 90. Exercitando Bons Hábitos: 8.  Quando estiver diante de uma situação difícil pergunte a si mesmo: “Qual das minhas potencialidades utilizarei neste caso (gratidão, amor, honestidade, lealdade)?” Use-a e siga em frente!
  • 91. Cuidem dos seus hábitos, de suas palavras, suas escolhas. Seu filho(a) ou qualquer outra criança pode estar observando você!