SlideShare uma empresa Scribd logo
ECR – INTEGRAÇÃO E EFICIÊNCIA AO CONSUMIDOR


                                                                                  Juliana Maria Lopes1

                                                                                  Fabio Roberto Pierre2

                                                                              Fernando Motta Delago3

RESUMO

O uso da Tecnologia da Informação (TI) como ferramenta de integração de processos e

facilitadora na adoção de novas práticas, já é bastante difundido pela comunidade empresarial.

Esta integração de processos passa agora para um segundo estágio fora dos limites das

organizações. O maior exemplo desta integração é o ECR - Efficient Consumer Response. O

presente trabalho tem como objetivo avaliar o impacto de TI, mais especificamente o uso de ECR

no processo de integração empresarial. A principal contribuição do trabalho é a identificação das

características, aplicações da tecnologia, aspectos facilitadores e obstáculos, em relação ao ECR.

Palavras-chave: ECR, Consumidor, Varejo, E-commerce.



            ECR - INTEGRATION AND EFFICIENCY TO CONSUMER



ABSTRACT

The use of Information's Technology (IT) as an integration tool of processes and easiness

adoption of new practical, already sufficiently is spread out by the enterprise community. This

integration of processes passes now to as period of training out the limits of the organizations.


1
  Tecnólogo em Ciência da Computação pela Universidade Anhembi Morumbi (2003) e Desenvolvimento de
Software pela FIAP – Faculdade de Informática e Administração Paulista (2004).
2
  Bacharel em Sistemas de Informação pela Universidade São Marcos (2002).
3
  Tecnólogo em Processamento de Dados pela FIAP – Faculdade de Administração Paulista (2000).
2



The biggest example of this integration is the ECR - Efficient Consumer Response. The present

work has as objective to evaluate the impact of IT, specifically the use of ECR in the process of

enterprise integration. The main contribution of this work is the identification of characteristics,

applications of technology, easiness aspects and obstacles, within relation to the ECR.

Key-Words: ECR, Consumer, Retail Trade, E-commerce.




1 INTRODUÇÃO



       Durante a década de 80, inúmeras transformações afetaram o relacionamento existente

entre as diversas organizações que operam ao longo de uma mesma cadeia de valor agregado. A

dramática reestruturação de empresas em busca de maiores níveis de qualidade e produtividade, a

globalização dos mercados e o surgimento de novas tecnologias de processamento e transmissão

de dados desempenha um papel fundamental na mudança das práticas tradicionais de negócios

entre duas empresas.

       Paralelamente a estas transformações, houve o deslocamento do poder de barganha da

indústria para o varejo em diversos setores, inclusive no setor alimentício, onde atualmente o elo

mais forte do canal de distribuição são os supermercados. É claro que todas estas transformações

acirrariam a tradicional rivalidade entre produtores e varejistas. No entanto, percebe-se que a

penetração cada vez mais rápida em novos mercados, ou a consolidação do market-share em

outros, passam cada vez mais pela adoção de novas estratégias de gestão da distribuição entre os

elos da cadeia de suprimentos.
3



2 CONCEITO

           De maneira ampla, o conceito de ECR (Efficient Consumer Response) engloba

ferramentas tecnológicas e ações práticas, com o objetivo de estreitar e aperfeiçoar o

relacionamento entre a indústria e o comércio, tendo a finalidade de prestar melhores serviços ao

cliente.

           Para a associação (ECR Brasil, 2004), o termo Efficient Consumer Response - ECR "é

uma estratégia em que o varejista, o distribuidor e o fornecedor trabalham muito próximos para

eliminar custos e excedentes da cadeia de abastecimento e melhor servir o consumidor".

           O verdadeiro objetivo do ECR é a criação de um sistema eficaz, no qual distribuidores e

fornecedores trabalhem em conjunto como aliados comerciais a fim de maximizar a satisfação do

consumidor e minimizar custos.




3 ORIGEM

           Segundo (WANKE, 2004) a estratégia básica do ECR teve origem no setor de alimentos

nos EUA. Fabricantes e supermercadistas se comprometeriam a cooperar em cinco áreas

principais: o compartilhamento de informações em tempo real, o gerenciamento de categorias, a

reposição contínua, o custeio baseado em atividades e a padronização.

           Historicamente, o conceito de Resposta Eficiente ao Consumidor remonta um movimento

iniciado nos Estados Unidos por volta 1992, quando suas redes de supermercados, através do

FMI - Food Marketing Institute (Instituto Americano de Supermercados), apresentaram o ECR

durante uma de suas conferências.

           Na prática, a filosofia de gestão teve seu pontapé inicial com a iniciativa promovida pelo

supermercadista norte-americano Wal-Mart. Na década de 80, a empresa iniciou a inserção de
4



uma série de conceitos como os de Supply Chain, parceria estratégica, gerência por categorias,

entre outros, que atualmente fazem parte do ECR.

       Com o propósito de resolver os problemas com reposição de produtos em gôndolas e de

atender à demanda de maneira eficaz, o Wal-Mart estreitou seu relacionamento com alguns de

seus fornecedores. A partir dali, iniciava-se um novo conceito de transformação das cadeias

produtivas das corporações, com o propósito de organizar o processo logístico através de

colaboração entre suas partes. Ao ECR, cabia a função de organizar processos desde a obtenção

da matéria-prima de produtos, até sua compilação, distribuição e venda.

       Com o crescimento de escala no mercado e o conseqüente aumento de competitividade, as

empresas se viram forçadas a aprimorar e agilizar a conclusão de suas transações, prestando

melhores serviços e eliminando custos e perdas de tempo nos ciclos de negócios.




4 PRÁTICAS E TÉCNICAS

       As práticas e técnicas utilizadas pelo ECR para alcançar o seu objetivo hoje são: Cross

Docking, Direct Store Delivery, Actived Based Management, Eletronic Data Interchange (EDI),

Reposição Contínua, Computer Assited Ordering, Gerenciamento por Categorias, Vendor

Mangement Inventory e Sistema de Recepção Eletrônica.

       Cross Docking são sistemas de distribuição nos quais produtos recebidos no depósito ou

no centro de distribuição (CD) não são armazenados, mas sim preparados para serem enviados

aos pontos de venda de destino.

       Direct Store Deliver (DSD) é um método de entrega dos produtos dos fabricantes

diretamente nas lojas, sem passar pelo distribuidor/atacadista ou CD do Varejo. O Inventário da

loja pode ser gerenciado pelo fornecedor com níveis variáveis de supervisão do varejista.
5



       Vendor Managed Inventory (VMI) é o estoque do cliente sendo gerenciado pelo

fornecedor. O varejo passa ao fornecedor as informações sobre o estoque e sobre as vendas e

previsão de vendas. O fornecedor é que por sua vez calcula as quantidades necessárias e avisa ao

cliente qual a quantidade que será enviada.

       O contra ponto ao VMI é o Retail Managed Inventory (RMI), ou seja, o modelo

tradicional no qual o varejo é que calcula as suas necessidades e envia um pedido para o

fornecedor.

       Computer Assited Ordering (CAO) é um sistema operado pelo distribuidor que gera

automaticamente pedidos de reposição quando as vendas causam redução a um nível pré-

determinado de estoque.

       Activity Based Costing ou Custeio Baseado em Atividades, de acordo com (ECR

BRASIL, 2004) , é uma metodologia de cálculo de custos. A grande diferença do ABC é que

diferentemente do modelo tradicional onde o foco são os custos gerados pela produção, o foco

passa a ser o custo das atividades e não o custo do produto.

       O Gerenciamento Baseado em Atividades é a maneira como uma empresa pode fazer uso

das informações do ABC para tomar decisões no que se refere à otimização do processo de

tomada de decisão. O ABM faz uso das informações do ABC para: reduzir custos, melhorar

eficiência e eficácia dos processos, melhorar a lucratividade e medir benefícios. O ABM tem

basicamente os seguintes objetivos: aumentar o valor recebido pelo cliente e melhorar os ganhos

da empresa. Estes objetivos são alcançados através do gerenciamento e a aperfeiçoamento das

atividades e dos processos através de uma interação entre o ABM e o ABC.

       A Reposição Contínua para (ECR Brasil, 2004), reposição contínua é a prática de parceria

entre membros do canal de distribuição que altera o tradicional processo de reposição de

mercadorias de geração de pedidos elaborados pelo distribuidor, baseado em quantidades
6



economicamente convenientes, para a reposição de produtos baseada em previsão de demanda

efetiva. Busca integrar, por meio de práticas distintas, o fluxo de informações.

       O gerenciamento por categoria, na visão de (ECR BRASIL, 2004), é um processo no qual

categorias de produtos (grupos) são gerenciadas como unidade estratégica de negócio, portanto

sendo avaliadas por resultados.

       De acordo com a (ECR BRASIL, 2004) o EDI é a troca automatizada, computador-a-

computador, de informações de negócios estruturas, entre uma empresa e seus parceiros

comerciais de acordo com um padrão reconhecido internacionalmente. O EDI é uma das

principias técnicas que viabiliza as transações eletrônicas entre as empresas.

       A integração entre os parceiros comerciais, no EDI, ocorre através de uma VAN - Value

Added Network ou Rede de Valor Adicionado, ou seja, uma empresa prestadora de serviços que

possui uma rede de comunicação de dados, viabilizando o EDI através da disponibilização e

gerenciamento da infra-estrutura de comunicação necessária. Esta infra-estrutura é composta de

recursos de hardware, software e comunicação.

       Para que a troca de informações entre as empresa possa ocorrer de maneira transparente e

segura, é necessária a definição de padrões no formato dos documentos. O formato geralmente

usado é o padrão EDIFACT, que define regras de formatações dos documentos eletrônicos que

circulam na VAN. A integração com os sistemas internos das organizações, é feita através de

uma interface, que faz a tradução do documento eletrônico tanto no momento de envio quanto no

momento de recepção.
7



5 ESTRATÉGIAS DO ECR

       Como o objetivo do ECR é retirar da cadeia de abastecimentos as atividades que não

agregam valor, é necessário então, a definição de estratégias para se alcançar este objetivo. Dessa

maneira, as estratégias básicas do ECR de acordo com (ECR Brasil, 2004) são as seguintes:

•   Reposição Eficiente de Produtos: que tem como meta otimizar o tempo e o custo do sistema

    de reposição, baseando-se na demanda real dos consumidores, reduzindo o nível de estoque e

    os tempos de ciclo ao longo de toda a cadeia.

•   Sortimento Eficiente de Produtos: otimizar os estoques e espaços da loja na interface com o

    consumidor, ou seja, estabelecer o mix ideal de mercadorias que satisfaça às necessidades do

    conjunto de consumidores de determinada loja obtendo, com isso, aumento no volume de

    vendas, na rentabilidade e no giro dos estoques.

•   Introdução Eficiente de Produtos: maximizar a eficácia do desenvolvimento e lançamento

    de novos produtos. Através do trabalho conjunto entre fornecedores e varejistas, visando

    otimizar investimentos em pesquisa, desenvolvimento e lançamento de produtos.

•   Promoção Eficiente de Produtos: maximizar a eficiência de todo o sistema de promoção de

    venda ao varejo e ao consumidor final.




6 ECR E TECNOLOGIA

       Uma das tecnologias mais interessantes da última década é o RFID (Radio Frequency

Identification) que promete revolucionar o modo que se movimentam e se compram as

mercadorias no varejo.
8



       O dispositivo é baseado em um microchip que armazena dados e se comunica por meio de

ondas de rádio com um aparelho leitor. Uma etiqueta eletrônica inteligente que guarda

informações sobre o produto.

       Os sistemas RFIDs começaram sua caminhada durante a II Guerra Mundial, quando os

aliados utilizaram aparelhos deste tipo para distinguir seus próprios aviões dos inimigos. Mas a

invenção saltou do campo militar para o industrial na década de 90, quando o Massachussets

Institute of Technology o aperfeiçoou e elaborou o código com o qual as informações são

armazenadas em chips.

       Isso irá revolucionar, até mesmo o consumo, pois tais etiquetas podem conter informações

de, por exemplo, quanto tempo devo manter essa comida congelada para obter o melhor sabor

nesse produto. O RFID promete agilizar os processos de estoque e compra do varejo, do mesmo

modo que o código de barra o fez nos anos 80.

       A tecnologia RFID já é usada tanto para localizar e identificar cabeças de gado ao ar livre

como para encontrar livros nas bibliotecas.



7 BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO ECR

       Como se pode notar, o consumidor será o primeiro beneficiado do ECR. Isto representa

diminuição na diferença dos custos entre o atacado e o varejo (seja virtual ou não), e os estoques

serão movimentados mais rapidamente, desde a embalagem até a verificação final do produto,

antes de ir para o consumidor.

       Observe a tabela abaixo, que representa as economias feitas com ECR, referentes aos

Estados Unidos.
9



      Estratégia          Economia        Ganho        Economia          Área de Maior Impacto

                          de Custo      Financeiro       Total
  Variedade da loja         1,3%           0,2%          1,5%      Vendas e Margem bruta por metro

                                                                   quadrado aumentam, cresce o giro de

                                                                   estoque.
 Reposição Eficiente        2,8%           1,3%          4,1%      Pedidos       automatizados,       danos

                                                                   reduzidos e diminuição dos estoques.
 Promoção Eficiente         3,5%           0,8%          4,3%      Eficiência da Loja Virtual, no

                                                                   transporte,      administração         e

                                                                   manufatura.
Introdução Eficiente do     0,9%             -           0,9%      Diminuição      de   introduções    mal

       Produto                                                     sucedidas, produtos de melhor valor.
       TOTAL              8,5%          2,3%             10,8%     -
         (Fonte: Associação ECR Brasil, 2004)

         Existem ainda outras vantagens que são chamadas de intangíveis, pois de certo modo não

  podem ser medidas (são subjetivas), mas possuem um valor significativo para os participantes do

  sistema:

  •   Consumidor: aumento das opções de produtos e conveniência, redução da quantidade de

      itens em falta, produtos mais atualizados ou frescos (se perecíveis).

  •   Loja Virtual: aumento da lealdade do consumidor, melhora do relacionamento com o

      fornecedor.

  •   Fornecedor: redução na quantidade de produtos em falta, aumento da integridade da marca,

      melhora do relacionamento com a loja.
10




8 OBSTÁCULOS AO ECR

       Um dos maiores problemas que atrapalham a implementação do ECR não são as

implementações técnicas ou financeiras, mas sim as organizacionais. É um pouco complicado

mudar a mentalidade das pessoas, para direcionarem suas tarefas de um modo otimizado.

       A estrutura organizacional vertical, de cima para baixo, na qual cada função é

desempenhada separadamente e avaliada independentemente, é a maior barreira, pois cada

mudança ocasionada pela implementação de um sistema de ECR cruza as fronteiras funcionais.

       Os sistemas de avaliação em uso também são uma falha, pois todos têm sido direcionados

para as partes individuais do sistema, enquanto o sistema como um todo não é observado.

       Mudar esta mentalidade leva um pouco de tempo e esforço, mas não é impossível. Basta

que as lideranças de cada setor se comprometam em quebrar tais barreiras organizacionais,

culturais e funcionais, que impedem o progresso de criar pontes com os clientes, fornecedores e

intermediários, que levarão a novas relações de trabalho.




9 COMO DAR INÍCIO

       Uma maneira eficaz de iniciar o ECR pode ser descrita da seguinte forma:

•   Selecionar os parceiros para as alianças iniciais;

•   Selecionar as empresas que devem ser aliadas em seu projeto de ECR, e reunir-se com os

    representantes de cada área funcional dos aliados, para discutir e iniciar o ECR.

       No início da empresa, cerca de duas a quatro alianças são recomendadas. Este processo

leva um tempo, cerca de nove a doze meses de esforço contínuo, mas que pode trazer bons

resultados, essenciais para fortalecer ainda mais as alianças:
11



•   Aumento da eficiência da carga e descarga de caminhões;

•   Redução de danos;

•   Reposição contínua gerenciada pelo fornecedor.

•   Mostrar que a mudança será iniciada.

       Para muitas empresas, fornecedores e clientes não são considerados aliados, mas sim

inimigos. Esta concepção deve ser mudada. Criar um clima de cooperativismo requer educação e

comunicação, bem como podem ser incluídos sistemas de recompensa. Estas atitudes devem

partir dos líderes da organização, que devem demonstrar o seu comprometimento pessoal.

Incentivar programas de investimento em Tecnologia da Informação.

       Embora este incentivo não seja extremamente necessário, pois muitas empresas

conseguem benefícios sem investir na TI (Tecnologia de Informação), as companhias com

maiores desenvolvimentos nesta área possuirão vantagens competitivas em relação aos

concorrentes.

       Estes sistemas gerenciarão grande parte das funções de reposição, diminuindo o número

de pessoas necessárias a estas atividades e liberando-as para outras áreas, como por exemplo,

desenvolvimento de produtos, serviços e sistemas. Acredita-se que as companhias que possuam o

ECR conseguirão integrar totalmente o sistema com os fornecedores, sem o uso de papéis, dentro

de cinco anos.

10 CONCLUSÃO

       Não custou muito para que as empresas percebessem que a aplicação do ECR não estava

vinculada à idéia simplista de pura adoção de novas tecnologias.

       Já se mostrava clara a noção de que as soluções não eram suficientes para resolver os

problemas de um dado setor. Pela característica de reestruturação que o ECR impõe nas
12



corporações, o conceito acaba por inserir, inevitavelmente, mudanças de comportamento, culturas

e processos organizacionais, envolvendo não apenas os profissionais de uma empresa, mas de

toda a sua cadeia.

       Cabe ao ECR trabalhar junto à base produtiva de um setor, reduzindo ou mesmo

eliminando fases que possam obstruir o acesso do cliente ao produto ou serviço. Desta maneira,

torna-se vital a troca de informações, muitas vezes, estratégicas, entre os parceiros envolvidos.

       De certo modo, o ambiente proporcionado pela aplicação do conceito e das tecnologias é

passo importante para o tão proclamado comércio colaborativo, haja vista que sua realização

implica em compartilhar informações com fornecedores, fabricantes e prestadores de serviços

diversos.

       No final de 2001, uma pesquisa realizada pela ABRAS (Associação Brasileira de

Supermercados) constatou que grande parte da concorrência existente entre os supermercados

estava baseada no preço, uma das principais razões que levava o consumidor a trocar de

supermercado. Logo, para ter preços mais competitivos, as redes de varejo elaboraram esquemas

que envolviam colaboração, com o desafio de quebrar barreiras culturais. Assim, a empresa passa

a contar com maior agilidade em suas tomadas de decisões, adquirindo, entre outros resultados,

ajuste perfeito entre a demanda de mercado e o estoque disponível.

       Tendo como objetivo a diminuição de tempo e a redução de custos nas diversas fases da

cadeia produtiva, o ECR se caracteriza por algumas etapas de evolução. Conceitualmente, o ECR

é uma filosofia que pressupõe a colaboração entre as partes, com o objetivo de proporcionar

melhores serviços ao consumidor final. Para atingi-lo, alguns procedimentos são adotados e

divididos em seis ferramentas: gerenciamento por categoria, custeio baseado em atividade

(ABCosting), processos financeiros (troca eletrônica de dados com bancos), padronização,
13



reposição automática de mercadorias e comércio eletrônico (troca eletrônica de dados para o

Supply Chain).

       Pela própria natureza de organização da cadeia, o ECR tem grande proximidade com as

soluções de Supply Chain. Contudo, nota-se que o conceito engloba outras variáveis. Cabe ao

Supply Chain suportar a parte "física" do ECR. Além desta, haverá a parte de gerenciamento de

categorias, implantação de novos produtos, sortimentos eficientes, recepção eficiente, reposição e

introdução de produtos. Tais atribuições englobam diversas áreas do gerenciamento, sendo

Supply Chain, conceitos de gestão financeira, área de projeto de produto e de Marketing.

Pelo conceito, não é necessário que uma empresa decida implementá-lo em sua totalidade. Tal

qual um produto modular de gestão corporativa, o ECR pode ser realizado em fases, integrando

parceiros de produtos. Na maior das vezes, aquele que detém os métodos mais avançados de

organização e tecnologia, irá ditar o padrão a ser adotado pela cadeia. Ocorre que, em

determinadas situações, dois ou mais parceiros querem brigar pela adequação conforme seus

processos já adquiridos, o que impede o funcionamento do ECR.

       Algumas ações caracterizam a maneira de se iniciar a implementação do ECR. O que as

experiências já demonstraram pode ser dimensionado em duas atitudes centrais. Primeiro, a

mudança na empresa deve-se criar um clima de alterações. Ainda há muitos casos onde

fornecedores e clientes são enxergados como adversários, e não parceiros. Segundo, os

investimentos em TI, soluções e ferramentas de apoio aos processos, como Web Services e

Supply Chain.

       As tecnologias, somadas a aplicações de processos, fundamentam o ECR. Embora tenha

nascido dentro da realidade supermercadista, o ECR demonstra que pode ser extremamente útil a

diversos segmentos. Bons exemplos são as redes de lojas de departamento e conveniência, o setor

eletroeletrônico e a área de construção civil. Em tempos onde o discurso comum do mundo
14



corporativo volta-se ao enxugamento de estruturas e potencialização total de tudo o que já foi

implementado, o ECR tem lugar de destaque. Isto se deve não apenas pela otimização dos

recursos que oferece, mas pela conseqüente melhora do atendimento prestado ao cliente.



11 REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS



AGÊNCIA EFE, Diga adeus ao código de barras, Disponível em http://tecnologia.terra.com.br/

interna/0,,OI552554-EI4803,00.html.

BETHLEM, A. Estratégia empresarial. São Paulo: Atlas, 1998. p. 2.

BRUNER, RICK E., Net Results: o marketing eficaz na web, Quark Books, 2000, pg.333-373.

CZAPSKI,        Cláudio,     Relações       na       medida      certa,      Disponível     em

http://www.emobile.com.br/entrevistas.asp?pidInformacao=3205, 2005.

EAN BRASIL, Associação Brasileira de Automação, Dados do Mercado. Disponível em

http//www.eanbrasil.org.br, 24/10/2004.

ECR    BRASIL,      ABCosting     Custeio       Baseado   Em   Atividades,     Disponível   em

http://www.ecrbrasil.com.br, São Paulo, 2004.

ECR BRASIL, ECR Visão Geral, Disponível em http://www.ecrbrasil.com.br, São Paulo, 2004.

ECR BRASIL, EDI. Disponível em http://www.ecrbrasil.com.br, São Paulo, 2004.

ECR BRASIL, Gerenciamento Por Categorias, Disponível em http://www.ecrbrasil.com.br,

São Paulo, 2004.

ECR BRASIL, Padronização, Disponível em http://www.ecrbrasil.com.br, São Paulo, 2004.

ECR      BRASIL,      Reposição       Contínua       de   Mercadorias,       Disponível     em

http://www.ecrbrasil.com.br, São Paulo, 2004.
15



FLEURY, A., FLEURY, M.T. L. Estratégias empresariais e formação de competências, São

Paulo: Atlas, 2000. p. 3.

GONÇALVES, J. P, O Caminho Para o Futuro no Varejo , ERA Light, v. 2, no 4, , 1995,

pg.54-56.

GUIA DE COMÉRCIO ELETRÔNICO, Capitulo 4 – Tecnologias e Sistemas de Apoio,

Disponível        em        http://inf.unochapeco.rct-sc.br/docs/conectiva/e-commerce/html-ferr-

e_commerce/x1419.html, 2005.

KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. A estratégia em ação. Rio de Janeiro: Campos, 1972. p. 2.

LOJAS DO FUTURO, Disponível em http://www.novomeio.com.br/novo/jornal120/gestao.asp,

2005.

PORTER, Michael E. Estratégia competitiva. Rio de Janeiro: Campus, 1986. p. 2.

SEVERO,J.,        Vinte     e    uma      questões      sobre     ECR,       Disponível     em

http://www.portaldelogistica.adm.br/tema5.html, 2005.

WANKE, P FLEURY, P. F.; FIGUEIREDO, K. F, Logística e Gerenciamento da Cadeia de

Suprimentos. Coleção COPPEAD de Administração. Atlas, São Paulo, 2004.

WANKE, P FLEURY, P. F.; FIGUEIREDO, K. F, Logística Empresarial - A Perspectiva

Brasileira. Coleção COPPEAD de Administração. Atlas, São Paulo, 2000.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
RichardSariaZacarias
 
Ativo, passivo e patrimônio liquido
Ativo, passivo e patrimônio liquidoAtivo, passivo e patrimônio liquido
Ativo, passivo e patrimônio liquido
Home Office Oxe!
 
Logistica respostas dos exercicios
Logistica respostas dos exerciciosLogistica respostas dos exercicios
Logistica respostas dos exercicios
Fernanda do Nascimento Reis
 
Departamentalizacao
DepartamentalizacaoDepartamentalizacao
Departamentalizacao
Ivaldo Pina
 
2 slides - gestão de estoques
2   slides - gestão de estoques2   slides - gestão de estoques
2 slides - gestão de estoques
Caio Roberto de Souza Filho
 
Aula21082020 ferramentas de estoque
Aula21082020 ferramentas de estoqueAula21082020 ferramentas de estoque
Aula21082020 ferramentas de estoque
RicardoSilva562385
 
Aula de controle de estoques
Aula de controle de estoquesAula de controle de estoques
Aula de controle de estoques
Moises Ribeiro
 
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Diego Lopes
 
Gestão da estratégia empresarial
Gestão da estratégia empresarialGestão da estratégia empresarial
Gestão da estratégia empresarial
Universidade Pedagogica
 
Direitos e deveres do consumidor
Direitos e deveres do consumidorDireitos e deveres do consumidor
Direitos e deveres do consumidor
turmab
 
Questões multipla escolha segmentação
Questões multipla escolha segmentaçãoQuestões multipla escolha segmentação
Questões multipla escolha segmentação
Moises Ribeiro
 
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp0261321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
Sheila Moreira Bezerra
 
Logística e distribuição
Logística e distribuiçãoLogística e distribuição
Logística e distribuição
Gilberto Freitas
 
Circuito da documentação modulo 14 tatiana, monica, tiago
Circuito da documentação modulo 14 tatiana, monica, tiagoCircuito da documentação modulo 14 tatiana, monica, tiago
Circuito da documentação modulo 14 tatiana, monica, tiago
11CPTS
 
Aplicações Informáticas para a Gestão de Empresas (11º Poliempreende 2013/2013)
Aplicações Informáticas para a Gestão de Empresas (11º Poliempreende 2013/2013)Aplicações Informáticas para a Gestão de Empresas (11º Poliempreende 2013/2013)
Aplicações Informáticas para a Gestão de Empresas (11º Poliempreende 2013/2013)
Vitor Gonçalves
 
Apresentação logistica final
Apresentação logistica finalApresentação logistica final
Apresentação logistica final
aribeiro2013
 
Inventário
InventárioInventário
Inventário
Carlalouro
 
Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...
Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...
Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...
Daniel Camargos Frade
 
Aprovisionamento
Aprovisionamento   Aprovisionamento
Aprovisionamento
Ines Soares
 
Aula Compras
Aula ComprasAula Compras
Aula Compras
Wilian Gatti Jr
 

Mais procurados (20)

Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
 
Ativo, passivo e patrimônio liquido
Ativo, passivo e patrimônio liquidoAtivo, passivo e patrimônio liquido
Ativo, passivo e patrimônio liquido
 
Logistica respostas dos exercicios
Logistica respostas dos exerciciosLogistica respostas dos exercicios
Logistica respostas dos exercicios
 
Departamentalizacao
DepartamentalizacaoDepartamentalizacao
Departamentalizacao
 
2 slides - gestão de estoques
2   slides - gestão de estoques2   slides - gestão de estoques
2 slides - gestão de estoques
 
Aula21082020 ferramentas de estoque
Aula21082020 ferramentas de estoqueAula21082020 ferramentas de estoque
Aula21082020 ferramentas de estoque
 
Aula de controle de estoques
Aula de controle de estoquesAula de controle de estoques
Aula de controle de estoques
 
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
 
Gestão da estratégia empresarial
Gestão da estratégia empresarialGestão da estratégia empresarial
Gestão da estratégia empresarial
 
Direitos e deveres do consumidor
Direitos e deveres do consumidorDireitos e deveres do consumidor
Direitos e deveres do consumidor
 
Questões multipla escolha segmentação
Questões multipla escolha segmentaçãoQuestões multipla escolha segmentação
Questões multipla escolha segmentação
 
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp0261321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
 
Logística e distribuição
Logística e distribuiçãoLogística e distribuição
Logística e distribuição
 
Circuito da documentação modulo 14 tatiana, monica, tiago
Circuito da documentação modulo 14 tatiana, monica, tiagoCircuito da documentação modulo 14 tatiana, monica, tiago
Circuito da documentação modulo 14 tatiana, monica, tiago
 
Aplicações Informáticas para a Gestão de Empresas (11º Poliempreende 2013/2013)
Aplicações Informáticas para a Gestão de Empresas (11º Poliempreende 2013/2013)Aplicações Informáticas para a Gestão de Empresas (11º Poliempreende 2013/2013)
Aplicações Informáticas para a Gestão de Empresas (11º Poliempreende 2013/2013)
 
Apresentação logistica final
Apresentação logistica finalApresentação logistica final
Apresentação logistica final
 
Inventário
InventárioInventário
Inventário
 
Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...
Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...
Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...
 
Aprovisionamento
Aprovisionamento   Aprovisionamento
Aprovisionamento
 
Aula Compras
Aula ComprasAula Compras
Aula Compras
 

Destaque

Aplog Ajs Ecr 13 5 09 Col Log
Aplog Ajs Ecr 13 5 09 Col LogAplog Ajs Ecr 13 5 09 Col Log
Aplog Ajs Ecr 13 5 09 Col Log
arturmjs
 
Evolução dos sistemas de informação
Evolução dos sistemas de informaçãoEvolução dos sistemas de informação
Evolução dos sistemas de informação
Pâmela Nogueira da Silva
 
Cadeia de suprimentos
Cadeia de suprimentosCadeia de suprimentos
Cadeia de suprimentos
Felippi Perez
 
Logística e Negócio Electrónico
Logística e Negócio ElectrónicoLogística e Negócio Electrónico
Logística e Negócio Electrónico
nesi
 
Sistema de informacion
Sistema de informacionSistema de informacion
Sistema de informacion
jeshusanz123
 
Comunicación digital
Comunicación digitalComunicación digital
Comunicación digital
irene
 
Fundamentos de Logística
Fundamentos de LogísticaFundamentos de Logística
Fundamentos de Logística
Anfered Construcciones S.A de C.V.
 
Flujograma sistema de informacion gerencial
Flujograma sistema de informacion gerencialFlujograma sistema de informacion gerencial
Flujograma sistema de informacion gerencial
reycroce
 
Gestão da Cadeia de Suprimentos - E-Commerce
Gestão da Cadeia de Suprimentos - E-CommerceGestão da Cadeia de Suprimentos - E-Commerce
Gestão da Cadeia de Suprimentos - E-Commerce
Valdir Junior
 
Apresentação João Areias
Apresentação João AreiasApresentação João Areias
Apresentação João Areias
João Areias
 
Administração de Sistemas de Informação - aula 3
Administração de Sistemas de Informação - aula 3Administração de Sistemas de Informação - aula 3
Administração de Sistemas de Informação - aula 3
Paulo Sérgio Ramão
 
Actividade 2
Actividade  2Actividade  2
Actividade 2
António Silvano
 
Powerpoint
PowerpointPowerpoint
Powerpoint
guest19b2b3
 
Comércio Eletrônico
Comércio EletrônicoComércio Eletrônico
Comércio Eletrônico
César Augusto Pereira
 
Quick response and ECR
Quick response and ECRQuick response and ECR
Quick response and ECR
Petch Siripataravanich
 
EDI, intercambio electrónico de datos. Elaborado por: Carolina Bodero
EDI, intercambio electrónico de datos. Elaborado por: Carolina BoderoEDI, intercambio electrónico de datos. Elaborado por: Carolina Bodero
EDI, intercambio electrónico de datos. Elaborado por: Carolina Bodero
cabodero76
 
A nova contabilidade social leda maria paulani e marcio bobik braga-opt
A nova contabilidade social   leda maria paulani e marcio bobik braga-optA nova contabilidade social   leda maria paulani e marcio bobik braga-opt
A nova contabilidade social leda maria paulani e marcio bobik braga-opt
Herval Vieira
 
Sistemas Informaticos
Sistemas InformaticosSistemas Informaticos
Sistemas Informaticos
guest946ee6d
 
EDI (intercambio electronico de datos)
EDI (intercambio electronico de datos)EDI (intercambio electronico de datos)
EDI (intercambio electronico de datos)
champurrada
 

Destaque (20)

Aplog Ajs Ecr 13 5 09 Col Log
Aplog Ajs Ecr 13 5 09 Col LogAplog Ajs Ecr 13 5 09 Col Log
Aplog Ajs Ecr 13 5 09 Col Log
 
Evolução dos sistemas de informação
Evolução dos sistemas de informaçãoEvolução dos sistemas de informação
Evolução dos sistemas de informação
 
Cadeia de suprimentos
Cadeia de suprimentosCadeia de suprimentos
Cadeia de suprimentos
 
Logística e Negócio Electrónico
Logística e Negócio ElectrónicoLogística e Negócio Electrónico
Logística e Negócio Electrónico
 
Pipe
PipePipe
Pipe
 
Sistema de informacion
Sistema de informacionSistema de informacion
Sistema de informacion
 
Comunicación digital
Comunicación digitalComunicación digital
Comunicación digital
 
Fundamentos de Logística
Fundamentos de LogísticaFundamentos de Logística
Fundamentos de Logística
 
Flujograma sistema de informacion gerencial
Flujograma sistema de informacion gerencialFlujograma sistema de informacion gerencial
Flujograma sistema de informacion gerencial
 
Gestão da Cadeia de Suprimentos - E-Commerce
Gestão da Cadeia de Suprimentos - E-CommerceGestão da Cadeia de Suprimentos - E-Commerce
Gestão da Cadeia de Suprimentos - E-Commerce
 
Apresentação João Areias
Apresentação João AreiasApresentação João Areias
Apresentação João Areias
 
Administração de Sistemas de Informação - aula 3
Administração de Sistemas de Informação - aula 3Administração de Sistemas de Informação - aula 3
Administração de Sistemas de Informação - aula 3
 
Actividade 2
Actividade  2Actividade  2
Actividade 2
 
Powerpoint
PowerpointPowerpoint
Powerpoint
 
Comércio Eletrônico
Comércio EletrônicoComércio Eletrônico
Comércio Eletrônico
 
Quick response and ECR
Quick response and ECRQuick response and ECR
Quick response and ECR
 
EDI, intercambio electrónico de datos. Elaborado por: Carolina Bodero
EDI, intercambio electrónico de datos. Elaborado por: Carolina BoderoEDI, intercambio electrónico de datos. Elaborado por: Carolina Bodero
EDI, intercambio electrónico de datos. Elaborado por: Carolina Bodero
 
A nova contabilidade social leda maria paulani e marcio bobik braga-opt
A nova contabilidade social   leda maria paulani e marcio bobik braga-optA nova contabilidade social   leda maria paulani e marcio bobik braga-opt
A nova contabilidade social leda maria paulani e marcio bobik braga-opt
 
Sistemas Informaticos
Sistemas InformaticosSistemas Informaticos
Sistemas Informaticos
 
EDI (intercambio electronico de datos)
EDI (intercambio electronico de datos)EDI (intercambio electronico de datos)
EDI (intercambio electronico de datos)
 

Semelhante a ECR - Integração e Eficiência Ao Consumidor

Logística
LogísticaLogística
Logística
sergiogfc
 
Unidade 2 - DA INFORMAÇÃO, E-COMMERCE E E-- SLIDE AULA 2.pdf
Unidade 2 - DA INFORMAÇÃO, E-COMMERCE E E-- SLIDE AULA 2.pdfUnidade 2 - DA INFORMAÇÃO, E-COMMERCE E E-- SLIDE AULA 2.pdf
Unidade 2 - DA INFORMAÇÃO, E-COMMERCE E E-- SLIDE AULA 2.pdf
ClaudiaSiano
 
O modelo CPFR Lean SCM
O modelo CPFR Lean SCMO modelo CPFR Lean SCM
O modelo CPFR Lean SCM
CLT Valuebased Services
 
Supply Chain Management
Supply Chain ManagementSupply Chain Management
Supply Chain Management
victor2888
 
Prointer parcial
Prointer parcialProinter parcial
Prointer parcial
Ana Paula
 
Unidade ii.3 estrategias e terceirização
Unidade ii.3 estrategias e terceirizaçãoUnidade ii.3 estrategias e terceirização
Unidade ii.3 estrategias e terceirização
Daniel Moura
 
O USO DA FERRAMENTA GERENCIAMENTO POR CATEGORIA NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIM...
O USO DA FERRAMENTA GERENCIAMENTO POR CATEGORIA NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIM...O USO DA FERRAMENTA GERENCIAMENTO POR CATEGORIA NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIM...
O USO DA FERRAMENTA GERENCIAMENTO POR CATEGORIA NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIM...
Hytalo Rafael
 
Logistica Servico Cliente Mundo Logistica
Logistica Servico Cliente Mundo LogisticaLogistica Servico Cliente Mundo Logistica
Logistica Servico Cliente Mundo Logistica
Paulo Roberto Bertaglia
 
Estudo de caso - implantacao de solucao para tratamento de informacoes logist...
Estudo de caso - implantacao de solucao para tratamento de informacoes logist...Estudo de caso - implantacao de solucao para tratamento de informacoes logist...
Estudo de caso - implantacao de solucao para tratamento de informacoes logist...
André Aranha
 
Estrategias e-gestao-de-logistica
Estrategias e-gestao-de-logisticaEstrategias e-gestao-de-logistica
Estrategias e-gestao-de-logistica
Flávio Saraiva
 
Sobre ERP CRM e Supply Chain
Sobre ERP CRM e Supply ChainSobre ERP CRM e Supply Chain
Sobre ERP CRM e Supply Chain
Claudio Barbosa
 
PSI - ERP, CRM e Supply Chain
PSI - ERP, CRM e Supply ChainPSI - ERP, CRM e Supply Chain
PSI - ERP, CRM e Supply Chain
Claudio Barbosa
 
Gestao de cadeia de suprimento
Gestao de cadeia de suprimentoGestao de cadeia de suprimento
Gestao de cadeia de suprimento
Universidade Pedagogica
 
Supply Chain Management Professor Danilo Pires
Supply Chain Management Professor Danilo PiresSupply Chain Management Professor Danilo Pires
Supply Chain Management Professor Danilo Pires
Danilo Pires
 
Cadeia textil
Cadeia textilCadeia textil
Cadeia textil
Carlos Eduardo
 
Sistemas de Gestão FEI
Sistemas de Gestão FEISistemas de Gestão FEI
Sistemas de Gestão FEI
Brunomaglione
 
Trabalho sistemas de gestão fei mateus_cozer 2012
Trabalho sistemas de gestão  fei mateus_cozer 2012Trabalho sistemas de gestão  fei mateus_cozer 2012
Trabalho sistemas de gestão fei mateus_cozer 2012
z133014
 
E-Procurement & Supply Chain Management
E-Procurement & Supply Chain ManagementE-Procurement & Supply Chain Management
E-Procurement & Supply Chain Management
Thiago Andress
 
Introdução à SCM
Introdução à SCMIntrodução à SCM
Introdução à SCM
CLT Valuebased Services
 
Competição entre cadeias de suprimentos
Competição entre cadeias de suprimentosCompetição entre cadeias de suprimentos
Competição entre cadeias de suprimentos
Ricardo Domingues
 

Semelhante a ECR - Integração e Eficiência Ao Consumidor (20)

Logística
LogísticaLogística
Logística
 
Unidade 2 - DA INFORMAÇÃO, E-COMMERCE E E-- SLIDE AULA 2.pdf
Unidade 2 - DA INFORMAÇÃO, E-COMMERCE E E-- SLIDE AULA 2.pdfUnidade 2 - DA INFORMAÇÃO, E-COMMERCE E E-- SLIDE AULA 2.pdf
Unidade 2 - DA INFORMAÇÃO, E-COMMERCE E E-- SLIDE AULA 2.pdf
 
O modelo CPFR Lean SCM
O modelo CPFR Lean SCMO modelo CPFR Lean SCM
O modelo CPFR Lean SCM
 
Supply Chain Management
Supply Chain ManagementSupply Chain Management
Supply Chain Management
 
Prointer parcial
Prointer parcialProinter parcial
Prointer parcial
 
Unidade ii.3 estrategias e terceirização
Unidade ii.3 estrategias e terceirizaçãoUnidade ii.3 estrategias e terceirização
Unidade ii.3 estrategias e terceirização
 
O USO DA FERRAMENTA GERENCIAMENTO POR CATEGORIA NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIM...
O USO DA FERRAMENTA GERENCIAMENTO POR CATEGORIA NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIM...O USO DA FERRAMENTA GERENCIAMENTO POR CATEGORIA NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIM...
O USO DA FERRAMENTA GERENCIAMENTO POR CATEGORIA NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIM...
 
Logistica Servico Cliente Mundo Logistica
Logistica Servico Cliente Mundo LogisticaLogistica Servico Cliente Mundo Logistica
Logistica Servico Cliente Mundo Logistica
 
Estudo de caso - implantacao de solucao para tratamento de informacoes logist...
Estudo de caso - implantacao de solucao para tratamento de informacoes logist...Estudo de caso - implantacao de solucao para tratamento de informacoes logist...
Estudo de caso - implantacao de solucao para tratamento de informacoes logist...
 
Estrategias e-gestao-de-logistica
Estrategias e-gestao-de-logisticaEstrategias e-gestao-de-logistica
Estrategias e-gestao-de-logistica
 
Sobre ERP CRM e Supply Chain
Sobre ERP CRM e Supply ChainSobre ERP CRM e Supply Chain
Sobre ERP CRM e Supply Chain
 
PSI - ERP, CRM e Supply Chain
PSI - ERP, CRM e Supply ChainPSI - ERP, CRM e Supply Chain
PSI - ERP, CRM e Supply Chain
 
Gestao de cadeia de suprimento
Gestao de cadeia de suprimentoGestao de cadeia de suprimento
Gestao de cadeia de suprimento
 
Supply Chain Management Professor Danilo Pires
Supply Chain Management Professor Danilo PiresSupply Chain Management Professor Danilo Pires
Supply Chain Management Professor Danilo Pires
 
Cadeia textil
Cadeia textilCadeia textil
Cadeia textil
 
Sistemas de Gestão FEI
Sistemas de Gestão FEISistemas de Gestão FEI
Sistemas de Gestão FEI
 
Trabalho sistemas de gestão fei mateus_cozer 2012
Trabalho sistemas de gestão  fei mateus_cozer 2012Trabalho sistemas de gestão  fei mateus_cozer 2012
Trabalho sistemas de gestão fei mateus_cozer 2012
 
E-Procurement & Supply Chain Management
E-Procurement & Supply Chain ManagementE-Procurement & Supply Chain Management
E-Procurement & Supply Chain Management
 
Introdução à SCM
Introdução à SCMIntrodução à SCM
Introdução à SCM
 
Competição entre cadeias de suprimentos
Competição entre cadeias de suprimentosCompetição entre cadeias de suprimentos
Competição entre cadeias de suprimentos
 

Mais de Juliana Maria Lopes

Análise estratégica de Sites
Análise estratégica de SitesAnálise estratégica de Sites
Análise estratégica de Sites
Juliana Maria Lopes
 
Alinhamento Estratégico - Adequação e Integração Funcional
Alinhamento Estratégico -  Adequação e Integração FuncionalAlinhamento Estratégico -  Adequação e Integração Funcional
Alinhamento Estratégico - Adequação e Integração Funcional
Juliana Maria Lopes
 
A ponte mágica resenha
A ponte mágica   resenhaA ponte mágica   resenha
A ponte mágica resenha
Juliana Maria Lopes
 
Case braslo - arquitetura de sistemas
Case   braslo - arquitetura de sistemasCase   braslo - arquitetura de sistemas
Case braslo - arquitetura de sistemas
Juliana Maria Lopes
 
Apresentação implantando um erp com sucesso
Apresentação   implantando um erp com sucessoApresentação   implantando um erp com sucesso
Apresentação implantando um erp com sucesso
Juliana Maria Lopes
 
Análise estratégica de sites(1)
Análise estratégica de sites(1)Análise estratégica de sites(1)
Análise estratégica de sites(1)
Juliana Maria Lopes
 
Alinhamento estratégico adequaçãoeintegraçãofuncional
Alinhamento estratégico adequaçãoeintegraçãofuncionalAlinhamento estratégico adequaçãoeintegraçãofuncional
Alinhamento estratégico adequaçãoeintegraçãofuncional
Juliana Maria Lopes
 
A ponte mágica resenha
A ponte mágica   resenhaA ponte mágica   resenha
A ponte mágica resenha
Juliana Maria Lopes
 
Slides braslo - arquitetura de sistemas
Slides   braslo - arquitetura de sistemasSlides   braslo - arquitetura de sistemas
Slides braslo - arquitetura de sistemas
Juliana Maria Lopes
 
Certificado Graduação Fiap - Juliana Maria Lopes
Certificado Graduação Fiap - Juliana Maria LopesCertificado Graduação Fiap - Juliana Maria Lopes
Certificado Graduação Fiap - Juliana Maria Lopes
Juliana Maria Lopes
 
Certificado Graduação Anhembi Morumbi - Juliana Maria Lopes
Certificado Graduação Anhembi Morumbi - Juliana Maria LopesCertificado Graduação Anhembi Morumbi - Juliana Maria Lopes
Certificado Graduação Anhembi Morumbi - Juliana Maria Lopes
Juliana Maria Lopes
 
Certificado Itil - Juliana Maria Lopes
Certificado Itil - Juliana Maria LopesCertificado Itil - Juliana Maria Lopes
Certificado Itil - Juliana Maria Lopes
Juliana Maria Lopes
 
Cost Based Oracle Fundamentals
Cost Based Oracle FundamentalsCost Based Oracle Fundamentals
Cost Based Oracle Fundamentals
Juliana Maria Lopes
 
Certificado Cobit - Juliana Maria Lopes
Certificado Cobit - Juliana Maria LopesCertificado Cobit - Juliana Maria Lopes
Certificado Cobit - Juliana Maria Lopes
Juliana Maria Lopes
 
Cobit 4.1 - PO10
Cobit 4.1 - PO10Cobit 4.1 - PO10
Cobit 4.1 - PO10
Juliana Maria Lopes
 
Cobit 4.1 - DS2
Cobit 4.1 - DS2Cobit 4.1 - DS2
Cobit 4.1 - DS2
Juliana Maria Lopes
 
Comprovante Cobit - Juliana Maria Lopes
Comprovante Cobit - Juliana  Maria  LopesComprovante Cobit - Juliana  Maria  Lopes
Comprovante Cobit - Juliana Maria Lopes
Juliana Maria Lopes
 
Testes Funcionais
Testes FuncionaisTestes Funcionais
Testes Funcionais
Juliana Maria Lopes
 
Apresentação de Business Intelligence
Apresentação de Business IntelligenceApresentação de Business Intelligence
Apresentação de Business Intelligence
Juliana Maria Lopes
 
Artigo Estadao De Olho Na Web
Artigo Estadao De Olho Na WebArtigo Estadao De Olho Na Web
Artigo Estadao De Olho Na Web
Juliana Maria Lopes
 

Mais de Juliana Maria Lopes (20)

Análise estratégica de Sites
Análise estratégica de SitesAnálise estratégica de Sites
Análise estratégica de Sites
 
Alinhamento Estratégico - Adequação e Integração Funcional
Alinhamento Estratégico -  Adequação e Integração FuncionalAlinhamento Estratégico -  Adequação e Integração Funcional
Alinhamento Estratégico - Adequação e Integração Funcional
 
A ponte mágica resenha
A ponte mágica   resenhaA ponte mágica   resenha
A ponte mágica resenha
 
Case braslo - arquitetura de sistemas
Case   braslo - arquitetura de sistemasCase   braslo - arquitetura de sistemas
Case braslo - arquitetura de sistemas
 
Apresentação implantando um erp com sucesso
Apresentação   implantando um erp com sucessoApresentação   implantando um erp com sucesso
Apresentação implantando um erp com sucesso
 
Análise estratégica de sites(1)
Análise estratégica de sites(1)Análise estratégica de sites(1)
Análise estratégica de sites(1)
 
Alinhamento estratégico adequaçãoeintegraçãofuncional
Alinhamento estratégico adequaçãoeintegraçãofuncionalAlinhamento estratégico adequaçãoeintegraçãofuncional
Alinhamento estratégico adequaçãoeintegraçãofuncional
 
A ponte mágica resenha
A ponte mágica   resenhaA ponte mágica   resenha
A ponte mágica resenha
 
Slides braslo - arquitetura de sistemas
Slides   braslo - arquitetura de sistemasSlides   braslo - arquitetura de sistemas
Slides braslo - arquitetura de sistemas
 
Certificado Graduação Fiap - Juliana Maria Lopes
Certificado Graduação Fiap - Juliana Maria LopesCertificado Graduação Fiap - Juliana Maria Lopes
Certificado Graduação Fiap - Juliana Maria Lopes
 
Certificado Graduação Anhembi Morumbi - Juliana Maria Lopes
Certificado Graduação Anhembi Morumbi - Juliana Maria LopesCertificado Graduação Anhembi Morumbi - Juliana Maria Lopes
Certificado Graduação Anhembi Morumbi - Juliana Maria Lopes
 
Certificado Itil - Juliana Maria Lopes
Certificado Itil - Juliana Maria LopesCertificado Itil - Juliana Maria Lopes
Certificado Itil - Juliana Maria Lopes
 
Cost Based Oracle Fundamentals
Cost Based Oracle FundamentalsCost Based Oracle Fundamentals
Cost Based Oracle Fundamentals
 
Certificado Cobit - Juliana Maria Lopes
Certificado Cobit - Juliana Maria LopesCertificado Cobit - Juliana Maria Lopes
Certificado Cobit - Juliana Maria Lopes
 
Cobit 4.1 - PO10
Cobit 4.1 - PO10Cobit 4.1 - PO10
Cobit 4.1 - PO10
 
Cobit 4.1 - DS2
Cobit 4.1 - DS2Cobit 4.1 - DS2
Cobit 4.1 - DS2
 
Comprovante Cobit - Juliana Maria Lopes
Comprovante Cobit - Juliana  Maria  LopesComprovante Cobit - Juliana  Maria  Lopes
Comprovante Cobit - Juliana Maria Lopes
 
Testes Funcionais
Testes FuncionaisTestes Funcionais
Testes Funcionais
 
Apresentação de Business Intelligence
Apresentação de Business IntelligenceApresentação de Business Intelligence
Apresentação de Business Intelligence
 
Artigo Estadao De Olho Na Web
Artigo Estadao De Olho Na WebArtigo Estadao De Olho Na Web
Artigo Estadao De Olho Na Web
 

Último

1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
menesabi
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
Daniel273024
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LucliaMartins5
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 

Último (20)

1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 

ECR - Integração e Eficiência Ao Consumidor

  • 1. ECR – INTEGRAÇÃO E EFICIÊNCIA AO CONSUMIDOR Juliana Maria Lopes1 Fabio Roberto Pierre2 Fernando Motta Delago3 RESUMO O uso da Tecnologia da Informação (TI) como ferramenta de integração de processos e facilitadora na adoção de novas práticas, já é bastante difundido pela comunidade empresarial. Esta integração de processos passa agora para um segundo estágio fora dos limites das organizações. O maior exemplo desta integração é o ECR - Efficient Consumer Response. O presente trabalho tem como objetivo avaliar o impacto de TI, mais especificamente o uso de ECR no processo de integração empresarial. A principal contribuição do trabalho é a identificação das características, aplicações da tecnologia, aspectos facilitadores e obstáculos, em relação ao ECR. Palavras-chave: ECR, Consumidor, Varejo, E-commerce. ECR - INTEGRATION AND EFFICIENCY TO CONSUMER ABSTRACT The use of Information's Technology (IT) as an integration tool of processes and easiness adoption of new practical, already sufficiently is spread out by the enterprise community. This integration of processes passes now to as period of training out the limits of the organizations. 1 Tecnólogo em Ciência da Computação pela Universidade Anhembi Morumbi (2003) e Desenvolvimento de Software pela FIAP – Faculdade de Informática e Administração Paulista (2004). 2 Bacharel em Sistemas de Informação pela Universidade São Marcos (2002). 3 Tecnólogo em Processamento de Dados pela FIAP – Faculdade de Administração Paulista (2000).
  • 2. 2 The biggest example of this integration is the ECR - Efficient Consumer Response. The present work has as objective to evaluate the impact of IT, specifically the use of ECR in the process of enterprise integration. The main contribution of this work is the identification of characteristics, applications of technology, easiness aspects and obstacles, within relation to the ECR. Key-Words: ECR, Consumer, Retail Trade, E-commerce. 1 INTRODUÇÃO Durante a década de 80, inúmeras transformações afetaram o relacionamento existente entre as diversas organizações que operam ao longo de uma mesma cadeia de valor agregado. A dramática reestruturação de empresas em busca de maiores níveis de qualidade e produtividade, a globalização dos mercados e o surgimento de novas tecnologias de processamento e transmissão de dados desempenha um papel fundamental na mudança das práticas tradicionais de negócios entre duas empresas. Paralelamente a estas transformações, houve o deslocamento do poder de barganha da indústria para o varejo em diversos setores, inclusive no setor alimentício, onde atualmente o elo mais forte do canal de distribuição são os supermercados. É claro que todas estas transformações acirrariam a tradicional rivalidade entre produtores e varejistas. No entanto, percebe-se que a penetração cada vez mais rápida em novos mercados, ou a consolidação do market-share em outros, passam cada vez mais pela adoção de novas estratégias de gestão da distribuição entre os elos da cadeia de suprimentos.
  • 3. 3 2 CONCEITO De maneira ampla, o conceito de ECR (Efficient Consumer Response) engloba ferramentas tecnológicas e ações práticas, com o objetivo de estreitar e aperfeiçoar o relacionamento entre a indústria e o comércio, tendo a finalidade de prestar melhores serviços ao cliente. Para a associação (ECR Brasil, 2004), o termo Efficient Consumer Response - ECR "é uma estratégia em que o varejista, o distribuidor e o fornecedor trabalham muito próximos para eliminar custos e excedentes da cadeia de abastecimento e melhor servir o consumidor". O verdadeiro objetivo do ECR é a criação de um sistema eficaz, no qual distribuidores e fornecedores trabalhem em conjunto como aliados comerciais a fim de maximizar a satisfação do consumidor e minimizar custos. 3 ORIGEM Segundo (WANKE, 2004) a estratégia básica do ECR teve origem no setor de alimentos nos EUA. Fabricantes e supermercadistas se comprometeriam a cooperar em cinco áreas principais: o compartilhamento de informações em tempo real, o gerenciamento de categorias, a reposição contínua, o custeio baseado em atividades e a padronização. Historicamente, o conceito de Resposta Eficiente ao Consumidor remonta um movimento iniciado nos Estados Unidos por volta 1992, quando suas redes de supermercados, através do FMI - Food Marketing Institute (Instituto Americano de Supermercados), apresentaram o ECR durante uma de suas conferências. Na prática, a filosofia de gestão teve seu pontapé inicial com a iniciativa promovida pelo supermercadista norte-americano Wal-Mart. Na década de 80, a empresa iniciou a inserção de
  • 4. 4 uma série de conceitos como os de Supply Chain, parceria estratégica, gerência por categorias, entre outros, que atualmente fazem parte do ECR. Com o propósito de resolver os problemas com reposição de produtos em gôndolas e de atender à demanda de maneira eficaz, o Wal-Mart estreitou seu relacionamento com alguns de seus fornecedores. A partir dali, iniciava-se um novo conceito de transformação das cadeias produtivas das corporações, com o propósito de organizar o processo logístico através de colaboração entre suas partes. Ao ECR, cabia a função de organizar processos desde a obtenção da matéria-prima de produtos, até sua compilação, distribuição e venda. Com o crescimento de escala no mercado e o conseqüente aumento de competitividade, as empresas se viram forçadas a aprimorar e agilizar a conclusão de suas transações, prestando melhores serviços e eliminando custos e perdas de tempo nos ciclos de negócios. 4 PRÁTICAS E TÉCNICAS As práticas e técnicas utilizadas pelo ECR para alcançar o seu objetivo hoje são: Cross Docking, Direct Store Delivery, Actived Based Management, Eletronic Data Interchange (EDI), Reposição Contínua, Computer Assited Ordering, Gerenciamento por Categorias, Vendor Mangement Inventory e Sistema de Recepção Eletrônica. Cross Docking são sistemas de distribuição nos quais produtos recebidos no depósito ou no centro de distribuição (CD) não são armazenados, mas sim preparados para serem enviados aos pontos de venda de destino. Direct Store Deliver (DSD) é um método de entrega dos produtos dos fabricantes diretamente nas lojas, sem passar pelo distribuidor/atacadista ou CD do Varejo. O Inventário da loja pode ser gerenciado pelo fornecedor com níveis variáveis de supervisão do varejista.
  • 5. 5 Vendor Managed Inventory (VMI) é o estoque do cliente sendo gerenciado pelo fornecedor. O varejo passa ao fornecedor as informações sobre o estoque e sobre as vendas e previsão de vendas. O fornecedor é que por sua vez calcula as quantidades necessárias e avisa ao cliente qual a quantidade que será enviada. O contra ponto ao VMI é o Retail Managed Inventory (RMI), ou seja, o modelo tradicional no qual o varejo é que calcula as suas necessidades e envia um pedido para o fornecedor. Computer Assited Ordering (CAO) é um sistema operado pelo distribuidor que gera automaticamente pedidos de reposição quando as vendas causam redução a um nível pré- determinado de estoque. Activity Based Costing ou Custeio Baseado em Atividades, de acordo com (ECR BRASIL, 2004) , é uma metodologia de cálculo de custos. A grande diferença do ABC é que diferentemente do modelo tradicional onde o foco são os custos gerados pela produção, o foco passa a ser o custo das atividades e não o custo do produto. O Gerenciamento Baseado em Atividades é a maneira como uma empresa pode fazer uso das informações do ABC para tomar decisões no que se refere à otimização do processo de tomada de decisão. O ABM faz uso das informações do ABC para: reduzir custos, melhorar eficiência e eficácia dos processos, melhorar a lucratividade e medir benefícios. O ABM tem basicamente os seguintes objetivos: aumentar o valor recebido pelo cliente e melhorar os ganhos da empresa. Estes objetivos são alcançados através do gerenciamento e a aperfeiçoamento das atividades e dos processos através de uma interação entre o ABM e o ABC. A Reposição Contínua para (ECR Brasil, 2004), reposição contínua é a prática de parceria entre membros do canal de distribuição que altera o tradicional processo de reposição de mercadorias de geração de pedidos elaborados pelo distribuidor, baseado em quantidades
  • 6. 6 economicamente convenientes, para a reposição de produtos baseada em previsão de demanda efetiva. Busca integrar, por meio de práticas distintas, o fluxo de informações. O gerenciamento por categoria, na visão de (ECR BRASIL, 2004), é um processo no qual categorias de produtos (grupos) são gerenciadas como unidade estratégica de negócio, portanto sendo avaliadas por resultados. De acordo com a (ECR BRASIL, 2004) o EDI é a troca automatizada, computador-a- computador, de informações de negócios estruturas, entre uma empresa e seus parceiros comerciais de acordo com um padrão reconhecido internacionalmente. O EDI é uma das principias técnicas que viabiliza as transações eletrônicas entre as empresas. A integração entre os parceiros comerciais, no EDI, ocorre através de uma VAN - Value Added Network ou Rede de Valor Adicionado, ou seja, uma empresa prestadora de serviços que possui uma rede de comunicação de dados, viabilizando o EDI através da disponibilização e gerenciamento da infra-estrutura de comunicação necessária. Esta infra-estrutura é composta de recursos de hardware, software e comunicação. Para que a troca de informações entre as empresa possa ocorrer de maneira transparente e segura, é necessária a definição de padrões no formato dos documentos. O formato geralmente usado é o padrão EDIFACT, que define regras de formatações dos documentos eletrônicos que circulam na VAN. A integração com os sistemas internos das organizações, é feita através de uma interface, que faz a tradução do documento eletrônico tanto no momento de envio quanto no momento de recepção.
  • 7. 7 5 ESTRATÉGIAS DO ECR Como o objetivo do ECR é retirar da cadeia de abastecimentos as atividades que não agregam valor, é necessário então, a definição de estratégias para se alcançar este objetivo. Dessa maneira, as estratégias básicas do ECR de acordo com (ECR Brasil, 2004) são as seguintes: • Reposição Eficiente de Produtos: que tem como meta otimizar o tempo e o custo do sistema de reposição, baseando-se na demanda real dos consumidores, reduzindo o nível de estoque e os tempos de ciclo ao longo de toda a cadeia. • Sortimento Eficiente de Produtos: otimizar os estoques e espaços da loja na interface com o consumidor, ou seja, estabelecer o mix ideal de mercadorias que satisfaça às necessidades do conjunto de consumidores de determinada loja obtendo, com isso, aumento no volume de vendas, na rentabilidade e no giro dos estoques. • Introdução Eficiente de Produtos: maximizar a eficácia do desenvolvimento e lançamento de novos produtos. Através do trabalho conjunto entre fornecedores e varejistas, visando otimizar investimentos em pesquisa, desenvolvimento e lançamento de produtos. • Promoção Eficiente de Produtos: maximizar a eficiência de todo o sistema de promoção de venda ao varejo e ao consumidor final. 6 ECR E TECNOLOGIA Uma das tecnologias mais interessantes da última década é o RFID (Radio Frequency Identification) que promete revolucionar o modo que se movimentam e se compram as mercadorias no varejo.
  • 8. 8 O dispositivo é baseado em um microchip que armazena dados e se comunica por meio de ondas de rádio com um aparelho leitor. Uma etiqueta eletrônica inteligente que guarda informações sobre o produto. Os sistemas RFIDs começaram sua caminhada durante a II Guerra Mundial, quando os aliados utilizaram aparelhos deste tipo para distinguir seus próprios aviões dos inimigos. Mas a invenção saltou do campo militar para o industrial na década de 90, quando o Massachussets Institute of Technology o aperfeiçoou e elaborou o código com o qual as informações são armazenadas em chips. Isso irá revolucionar, até mesmo o consumo, pois tais etiquetas podem conter informações de, por exemplo, quanto tempo devo manter essa comida congelada para obter o melhor sabor nesse produto. O RFID promete agilizar os processos de estoque e compra do varejo, do mesmo modo que o código de barra o fez nos anos 80. A tecnologia RFID já é usada tanto para localizar e identificar cabeças de gado ao ar livre como para encontrar livros nas bibliotecas. 7 BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO ECR Como se pode notar, o consumidor será o primeiro beneficiado do ECR. Isto representa diminuição na diferença dos custos entre o atacado e o varejo (seja virtual ou não), e os estoques serão movimentados mais rapidamente, desde a embalagem até a verificação final do produto, antes de ir para o consumidor. Observe a tabela abaixo, que representa as economias feitas com ECR, referentes aos Estados Unidos.
  • 9. 9 Estratégia Economia Ganho Economia Área de Maior Impacto de Custo Financeiro Total Variedade da loja 1,3% 0,2% 1,5% Vendas e Margem bruta por metro quadrado aumentam, cresce o giro de estoque. Reposição Eficiente 2,8% 1,3% 4,1% Pedidos automatizados, danos reduzidos e diminuição dos estoques. Promoção Eficiente 3,5% 0,8% 4,3% Eficiência da Loja Virtual, no transporte, administração e manufatura. Introdução Eficiente do 0,9% - 0,9% Diminuição de introduções mal Produto sucedidas, produtos de melhor valor. TOTAL 8,5% 2,3% 10,8% - (Fonte: Associação ECR Brasil, 2004) Existem ainda outras vantagens que são chamadas de intangíveis, pois de certo modo não podem ser medidas (são subjetivas), mas possuem um valor significativo para os participantes do sistema: • Consumidor: aumento das opções de produtos e conveniência, redução da quantidade de itens em falta, produtos mais atualizados ou frescos (se perecíveis). • Loja Virtual: aumento da lealdade do consumidor, melhora do relacionamento com o fornecedor. • Fornecedor: redução na quantidade de produtos em falta, aumento da integridade da marca, melhora do relacionamento com a loja.
  • 10. 10 8 OBSTÁCULOS AO ECR Um dos maiores problemas que atrapalham a implementação do ECR não são as implementações técnicas ou financeiras, mas sim as organizacionais. É um pouco complicado mudar a mentalidade das pessoas, para direcionarem suas tarefas de um modo otimizado. A estrutura organizacional vertical, de cima para baixo, na qual cada função é desempenhada separadamente e avaliada independentemente, é a maior barreira, pois cada mudança ocasionada pela implementação de um sistema de ECR cruza as fronteiras funcionais. Os sistemas de avaliação em uso também são uma falha, pois todos têm sido direcionados para as partes individuais do sistema, enquanto o sistema como um todo não é observado. Mudar esta mentalidade leva um pouco de tempo e esforço, mas não é impossível. Basta que as lideranças de cada setor se comprometam em quebrar tais barreiras organizacionais, culturais e funcionais, que impedem o progresso de criar pontes com os clientes, fornecedores e intermediários, que levarão a novas relações de trabalho. 9 COMO DAR INÍCIO Uma maneira eficaz de iniciar o ECR pode ser descrita da seguinte forma: • Selecionar os parceiros para as alianças iniciais; • Selecionar as empresas que devem ser aliadas em seu projeto de ECR, e reunir-se com os representantes de cada área funcional dos aliados, para discutir e iniciar o ECR. No início da empresa, cerca de duas a quatro alianças são recomendadas. Este processo leva um tempo, cerca de nove a doze meses de esforço contínuo, mas que pode trazer bons resultados, essenciais para fortalecer ainda mais as alianças:
  • 11. 11 • Aumento da eficiência da carga e descarga de caminhões; • Redução de danos; • Reposição contínua gerenciada pelo fornecedor. • Mostrar que a mudança será iniciada. Para muitas empresas, fornecedores e clientes não são considerados aliados, mas sim inimigos. Esta concepção deve ser mudada. Criar um clima de cooperativismo requer educação e comunicação, bem como podem ser incluídos sistemas de recompensa. Estas atitudes devem partir dos líderes da organização, que devem demonstrar o seu comprometimento pessoal. Incentivar programas de investimento em Tecnologia da Informação. Embora este incentivo não seja extremamente necessário, pois muitas empresas conseguem benefícios sem investir na TI (Tecnologia de Informação), as companhias com maiores desenvolvimentos nesta área possuirão vantagens competitivas em relação aos concorrentes. Estes sistemas gerenciarão grande parte das funções de reposição, diminuindo o número de pessoas necessárias a estas atividades e liberando-as para outras áreas, como por exemplo, desenvolvimento de produtos, serviços e sistemas. Acredita-se que as companhias que possuam o ECR conseguirão integrar totalmente o sistema com os fornecedores, sem o uso de papéis, dentro de cinco anos. 10 CONCLUSÃO Não custou muito para que as empresas percebessem que a aplicação do ECR não estava vinculada à idéia simplista de pura adoção de novas tecnologias. Já se mostrava clara a noção de que as soluções não eram suficientes para resolver os problemas de um dado setor. Pela característica de reestruturação que o ECR impõe nas
  • 12. 12 corporações, o conceito acaba por inserir, inevitavelmente, mudanças de comportamento, culturas e processos organizacionais, envolvendo não apenas os profissionais de uma empresa, mas de toda a sua cadeia. Cabe ao ECR trabalhar junto à base produtiva de um setor, reduzindo ou mesmo eliminando fases que possam obstruir o acesso do cliente ao produto ou serviço. Desta maneira, torna-se vital a troca de informações, muitas vezes, estratégicas, entre os parceiros envolvidos. De certo modo, o ambiente proporcionado pela aplicação do conceito e das tecnologias é passo importante para o tão proclamado comércio colaborativo, haja vista que sua realização implica em compartilhar informações com fornecedores, fabricantes e prestadores de serviços diversos. No final de 2001, uma pesquisa realizada pela ABRAS (Associação Brasileira de Supermercados) constatou que grande parte da concorrência existente entre os supermercados estava baseada no preço, uma das principais razões que levava o consumidor a trocar de supermercado. Logo, para ter preços mais competitivos, as redes de varejo elaboraram esquemas que envolviam colaboração, com o desafio de quebrar barreiras culturais. Assim, a empresa passa a contar com maior agilidade em suas tomadas de decisões, adquirindo, entre outros resultados, ajuste perfeito entre a demanda de mercado e o estoque disponível. Tendo como objetivo a diminuição de tempo e a redução de custos nas diversas fases da cadeia produtiva, o ECR se caracteriza por algumas etapas de evolução. Conceitualmente, o ECR é uma filosofia que pressupõe a colaboração entre as partes, com o objetivo de proporcionar melhores serviços ao consumidor final. Para atingi-lo, alguns procedimentos são adotados e divididos em seis ferramentas: gerenciamento por categoria, custeio baseado em atividade (ABCosting), processos financeiros (troca eletrônica de dados com bancos), padronização,
  • 13. 13 reposição automática de mercadorias e comércio eletrônico (troca eletrônica de dados para o Supply Chain). Pela própria natureza de organização da cadeia, o ECR tem grande proximidade com as soluções de Supply Chain. Contudo, nota-se que o conceito engloba outras variáveis. Cabe ao Supply Chain suportar a parte "física" do ECR. Além desta, haverá a parte de gerenciamento de categorias, implantação de novos produtos, sortimentos eficientes, recepção eficiente, reposição e introdução de produtos. Tais atribuições englobam diversas áreas do gerenciamento, sendo Supply Chain, conceitos de gestão financeira, área de projeto de produto e de Marketing. Pelo conceito, não é necessário que uma empresa decida implementá-lo em sua totalidade. Tal qual um produto modular de gestão corporativa, o ECR pode ser realizado em fases, integrando parceiros de produtos. Na maior das vezes, aquele que detém os métodos mais avançados de organização e tecnologia, irá ditar o padrão a ser adotado pela cadeia. Ocorre que, em determinadas situações, dois ou mais parceiros querem brigar pela adequação conforme seus processos já adquiridos, o que impede o funcionamento do ECR. Algumas ações caracterizam a maneira de se iniciar a implementação do ECR. O que as experiências já demonstraram pode ser dimensionado em duas atitudes centrais. Primeiro, a mudança na empresa deve-se criar um clima de alterações. Ainda há muitos casos onde fornecedores e clientes são enxergados como adversários, e não parceiros. Segundo, os investimentos em TI, soluções e ferramentas de apoio aos processos, como Web Services e Supply Chain. As tecnologias, somadas a aplicações de processos, fundamentam o ECR. Embora tenha nascido dentro da realidade supermercadista, o ECR demonstra que pode ser extremamente útil a diversos segmentos. Bons exemplos são as redes de lojas de departamento e conveniência, o setor eletroeletrônico e a área de construção civil. Em tempos onde o discurso comum do mundo
  • 14. 14 corporativo volta-se ao enxugamento de estruturas e potencialização total de tudo o que já foi implementado, o ECR tem lugar de destaque. Isto se deve não apenas pela otimização dos recursos que oferece, mas pela conseqüente melhora do atendimento prestado ao cliente. 11 REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS AGÊNCIA EFE, Diga adeus ao código de barras, Disponível em http://tecnologia.terra.com.br/ interna/0,,OI552554-EI4803,00.html. BETHLEM, A. Estratégia empresarial. São Paulo: Atlas, 1998. p. 2. BRUNER, RICK E., Net Results: o marketing eficaz na web, Quark Books, 2000, pg.333-373. CZAPSKI, Cláudio, Relações na medida certa, Disponível em http://www.emobile.com.br/entrevistas.asp?pidInformacao=3205, 2005. EAN BRASIL, Associação Brasileira de Automação, Dados do Mercado. Disponível em http//www.eanbrasil.org.br, 24/10/2004. ECR BRASIL, ABCosting Custeio Baseado Em Atividades, Disponível em http://www.ecrbrasil.com.br, São Paulo, 2004. ECR BRASIL, ECR Visão Geral, Disponível em http://www.ecrbrasil.com.br, São Paulo, 2004. ECR BRASIL, EDI. Disponível em http://www.ecrbrasil.com.br, São Paulo, 2004. ECR BRASIL, Gerenciamento Por Categorias, Disponível em http://www.ecrbrasil.com.br, São Paulo, 2004. ECR BRASIL, Padronização, Disponível em http://www.ecrbrasil.com.br, São Paulo, 2004. ECR BRASIL, Reposição Contínua de Mercadorias, Disponível em http://www.ecrbrasil.com.br, São Paulo, 2004.
  • 15. 15 FLEURY, A., FLEURY, M.T. L. Estratégias empresariais e formação de competências, São Paulo: Atlas, 2000. p. 3. GONÇALVES, J. P, O Caminho Para o Futuro no Varejo , ERA Light, v. 2, no 4, , 1995, pg.54-56. GUIA DE COMÉRCIO ELETRÔNICO, Capitulo 4 – Tecnologias e Sistemas de Apoio, Disponível em http://inf.unochapeco.rct-sc.br/docs/conectiva/e-commerce/html-ferr- e_commerce/x1419.html, 2005. KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. A estratégia em ação. Rio de Janeiro: Campos, 1972. p. 2. LOJAS DO FUTURO, Disponível em http://www.novomeio.com.br/novo/jornal120/gestao.asp, 2005. PORTER, Michael E. Estratégia competitiva. Rio de Janeiro: Campus, 1986. p. 2. SEVERO,J., Vinte e uma questões sobre ECR, Disponível em http://www.portaldelogistica.adm.br/tema5.html, 2005. WANKE, P FLEURY, P. F.; FIGUEIREDO, K. F, Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Coleção COPPEAD de Administração. Atlas, São Paulo, 2004. WANKE, P FLEURY, P. F.; FIGUEIREDO, K. F, Logística Empresarial - A Perspectiva Brasileira. Coleção COPPEAD de Administração. Atlas, São Paulo, 2000.