SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
Fomos levados diretamente para a Oban. Tiraram o César e o [Carlos Nicolau] Danielli do
carro dando coronhadas, batendo. Eu vi que quem comandava a operação do alto da escada
era o Ustra [coronel reformado do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra]. Subi dois
degraus e disse: ‘Isso que vocês estão fazendo é um absurdo’. Ele disse: ‘Foda-se, sua
terrorista’, e bateu no meu rosto. Eu rolei no pátio. Aí, fui agarrada e arrastada para dentro.
A primeira forma de torturar foi me arrancar a roupa. Lembro-me que ainda tentava impedir
que tirassem a minha calcinha, que acabou sendo rasgada. Começaram com choque elétrico
e dando socos na minha cara. Com tanto choque e soco, teve uma hora que eu apaguei.
Quando recobrei a consciência, estava deitada, nua, numa cama de lona com um cara em
cima de mim, esfregando o meu seio. Era o Mangabeira [codinome do escrivão de polícia
de nome Gaeta], um torturador de lá. A impressão que eu tinha é de que estava sendo
estuprada. Aí começaram novas torturas. Me amarraram na cadeira do dragão, nua, e me
deram choque no ânus, na vagina, no umbigo, no seio, na boca, no ouvido. Fiquei nessa
cadeira, nua, e os caras se esfregavam em mim, se masturbavam em cima de mim. A gente
sentia muita sede e, quando eles davam água, estava com sal. Eles punham sal para você
sentir mais sede ainda. Depois fui para o pau de arara. Eles jogavam coca-cola no nariz.
Você fi cava nua como frango no açougue, e eles espetando seu pé, suas nádegas, falando
que era o soro da verdade. Mas com certeza a pior tortura foi ver meus fi lhos entrando na
sala quando eu estava na cadeira do dragão. Eu estava nua, toda urinada por conta dos
choques. Quando me viu, a Janaína perguntou: ‘Mãe, por que você está azul e o pai verde?’.
O Edson disse: ‘Ah, mãe, aqui a gente fica azul, né?’. Eles também me diziam que iam
matar as crianças. Chegaram a falar que a Janaína já estava morta dentro de um caixão.
• MARIAAMÉLIA DE ALMEIDA TELES, ex-militante do Partido
Comunista do Brasil (PCdoB), era professora de educação
artística quando foi presa em 28 de dezembro de 1972, em São
Paulo (SP). Hoje, vive na mesma cidade, é diretora da União de
Mulheres de São Paulo e integra a Comissão de Familiares de
Mortos e Desaparecidos Políticos. Recebeu o Prêmio Nacional de
Direitos Humanos 2008, na categoria Defensores de Direitos
Humanos.
CONCEITO: É  um  dos  regimes  não democráticos ou 
antidemocráticos, ou seja, governos onde não há participação 
popular,  ou  em  que  essa  participação  ocorre  de  maneira 
muito  restrita.  Na  ditadura,  o  poder  está  em  apenas  uma 
instância, ao contrário do que acontece na democracia, onde 
o  poder  está  em  várias  instâncias,  como  o legislativo,  o 
executivo e o judiciário
CARACTERÍSTICAS: Desenvolvimentismo  e  concentração 
de  renda  (aliança  entre  a  burocracia  técnica  estatal,  os 
grandes empresários estrangeiros e os grandes empresários 
nacionais)
O Brasil após o golpe:
•Esperava-se que João Goulart fizesse um contragolpe ( somente no
sul do país houve uma tentativa de impedir o golpe)
•Ranieri Mazzili (presidente da Câmara) assume interinamente.
•Poder de fato = Comando Supremo Revolucionário (exército),
formado por membros das três corporações (forças)
•Lema: Salvação Nacional
•A intervenção militar seria provisória (ideia defendida pelos
sorbonnes, os linha dura defendiam por um longo período) e tinha
como finalidade:
Restabelecer a ordem social;
Conter o avanço do comunismo e da corrupção
Retomar o crescimento econômico
Divisões entre os militares:
– SORBONNE: oriundos da ESG (Escola Superior de Guerra 1948),
intelectuais, veteranos da 2ª Guerra, próximos da UDN, alinhados
ideologicamente com os EUA, anticomunistas, partidários de um poder
executivo forte e soluções econômicas técnicas. Defendiam a
ampliação do poder armado no país, mas não consideram que o
governo estivesse nas mãos de militares, defendiam que setores como
transporte, comunicação e planejamento ficassem com os militares.
– LINHA DURA: também anticomunistas, sem ligações diretas com os
EUA, nacionalistas, avessos a políticos e a qualquer tipo de
democracia. Defendiam no controle direto do Poder Executivo.
QUEM APOIOU O GOLPE
Empresariado brasileiro: temiam uma guinada de Jango à esquerda
e rejeitavam as reformas nacionalistas e estatizantes que o então
presidente defendia:
Classe média: reagia a proximidade de Jango com os sindicatos e
os movimentos sociais:
A UDN: adversária do trabalhismo de Getúlio Vargas e Jango;
Setores conservadores da sociedade:
EUA: oferecia suporte político aos golpistas
REVOLUÇÃO REDENTORA OU GOLPE?
MÉDICI GEISEL
FIGUEIREDOCOSTA E SILVA
CASTELLO BRANCO
09/04/1964: Ato Institucional nº 1 (AI – 1) (Junta militar liderada general
Arthur da Costa e Silva, brigadeiro Francisco Correia de Mello e o
almirante Augusto Rademaker – Comando Supremo da Revolução )
• Demissão de funcionários públicos (civis ou militares) leais ao antigo
governo.
• Os militares podiam suspender por 10 anos mandatos legislativos, juízes e
funcionários públicos (dos opositores);
•Prisões de opositores.
•Lei Suplicy de Lacerda colocou a UNE na ilegalidade ( a sede no RJ foi
invadida e incendiada)
•As universidades foram invadidas, professores afastados
•A CGT foi extinta
•Decretar estado de sítio sem a aprovação do senado
•Eleições indiretas para presidente.
OS PRIMEIROS ANOS DO REGIME
A Ditadura nesse momento tentava mascarar, com atos
legais, suas medidas de exceção. Castello Branco, por exemplo,
não reconhecia publicamente as perseguições políticas e a
formação de um forte aparelho de vigilância.
06/1964 – criação do SNI (Serviço Nacional de Informação):
centralizava as atividades de inteligência e informações ,
acumulando fichas de suspeitos de manterem atividades
contrárias ao regime
O governo CASTELLO BRANCO (Sorbonne 1964 – 1967):
• PAEG (Plano de Ação Econômica do Governo):
 Roberto Campos no Ministério do Planejamento e Otávio Gouveia de
Bulhões, no Ministério da Fazenda ( Tratar da crise econômica)
 2 partes – 1ª eliminar a inflação e normalizar o sistema financeiro
internacional e a 2ª estimular o crescimento econômico
– Corte de gastos e subsídios (diminuir o déficit público)
– Combater a inflação
– Aumento de tarifas e impostos.
– Fim da Lei da Estabilidade.
– Criação do FGTS
– Aumento salarial (1X ao ano) abaixo da inflação.
– Restrição de crédito.
– Arrocho salarial, recessão e desemprego.
• Revogação da Lei de Remessa de Lucros (1962).
• Desvalorização monetária (cruzeiro novo).
– Compra de empresas nacionais por estrangeiras.
(oligopólios)
• Renegociação da dívida externa com o FMI
• Novos empréstimos.
• Aproximação cada vez maior com EUA.
– “O que é bom para os EUA é bom para o
Brasil” (Juracy Magalhães – Ministro das
Relações Exteriores)
EFEITOS DO PLANO ECONÔMICO:
• Jul/64 prorrogação do mandato presidencial até mar/67 (deveria ter sido
até 31/01/66)
• Os candidatos (Carlos Lacerda e Ademar Barros) reagiram
• Insatisfação popular
• 1965: eleições em 11 Estados.
– Candidatos governistas perdem em vários (Guanabara e em Minas
Gerais)
– Os linha dura pressionam Castelo, exigindo uma intervenção
• 27/Out/65 – AI – 2: Bipartidarismo
– Extinção dos antigos partidos.
– ARENA (Aliança Renovadora Nacional) – partido do governo.
– MDB (Movimento Democrático Brasileiro) – oposição ao governo.
– Autorização para fechar órgãos legislativos.
– Eleições indiretas para presidente
– Baixar decretos-lei sobre questões de segurança nacional
O BIPARTIDARISMO:
• Fev/66 – AI-3: Eleições indiretas para
governadores e delegou ao mesmos
indicação de prefeitos de capitais e cidades
estratégicas.
• Os cidadãos perdem seu poder de voto
• Dez/66 – AI 4: Elaborar uma
Constituição
• Tentativa frustrada de formação de uma
frente oposicionista composta por antigos
rivais: Carlos Lacerda, Juscelino
Kubitschek e João Goulart – FRENTE
AMPLA.
• Em 1968 foi posto na ilegalidade
•Constituição de 1967:
– Fortalecimento do Executivo.
– Emendas constitucionais a cargo
exclusivo do presidente.
– Incorporação de Atos
Institucionais.
– Restringi o direito à greve
•Doutrina de Segurança Nacional –
defesa da pátria contra o “perigo
comunista” (repressão consentida).
•Repressão contra entidades sociais
•Pena de morte para crimes de segurança
nacional
4 - O governo COSTA E SILVA (Linha Dura 1967 – 1969):
• Manifestações de protesto( estudantes, operários
políticos de oposição e padres – progressistas)
– Oposição ao acordo MEC-USAID.
– Assassinato do estudante Édson Luís
(RJ mar/68) em confronto com a polícia.
• Passeata dos 100 mil (RJ jul/68).
• Greves em Osasco (SP), Contagem e
Belo Horizonte (MG).
• Crítica dos parlamentares ( o governo ameaçou
Suspender as imunidades, enquadrando-os na LSN)
• Ampla repressão do governo.
MANIFESTAÇÕES CONTRA O GOVERNO:
Estudante Édson Luís
Missa de 7º dia de Édson Luís
Greve em Contagem - MG
Passeata dos
100 mil
Manifestação
estudantil
Atritos entre estudantes da USP (oposição aos
militares) e MACKENZIE (conservadores e anti-
comunistas)
CCC = Comando de
Caça aos Comunistas
BATALHA DA MARIA ANTÔNIA
A REPRESSÃO DO GOVERNO:
A REAÇÃO
 Junho de 68 - militantes de um grupo guerrilheiro, a Vanguarda
Popular Revolucionária (VPR), lançaram uma camionete com 50
quilos de dinamite contra o portão do quartel-general do 2º
Exército, em São Paulo.
 A explosão matou um soldado de 18 anos que estava de guarda,
Mário Kozel Filho, e inflamou os militares.
 "Isso é um tumor”, reagiu o general Manoel Carvalho de Lisboa,
comandante da área. “É a onda vermelha que pretende tomar o
poder à força.”
Deputado Márcio Moreira Alves MDB
Discursou contra os militares,
acusando-os de violências.
Propôs o boicote a parada
militar de 07 de setembro
• Dez/68: AI – 5:
– Maior instrumento de repressão da ditadura militar.
– Pretexto: discurso do deputado Márcio Moreira Alves, acusado
pelos de abusar dos direitos individuais e políticos, praticando
“ atentado à ordem democrática”
– Fechamento do Poder Legislativo (presidente assume sua
função).
– Suspensão dos direitos políticos e individuais (HÁBEAS
CORPUS).
– Intervenção em Estados e municípios.
– Permissão para cassar mandatos, demitir, prender, editar leis.
– Prazo de validade indeterminado.
– Confisco de bens como punição por corrupção
Crítica a intensa repressão e perseguição das pessoas consideradas uma ameaça
• Início da ação armada contra o governo:
– ALN, MR-8, VPR, VAR-PALMARES
– Guerrilha urbana (seqüestros de embaixadores e diplomatas
estrangeiros, assaltos a banco).
– Guerrilha rural (Araguaia–PA, MA e GO)
Marighella - ALN
Capitão Carlos Lamarca
VAR - PALMARES
A GUERRILHA DE ESQUERDA:
Assista!!!
C. B. Elbrick –
embaixador dos EUA
seqüestrado pelo MR-8
e ALN em troca da
soltura de presos
políticos.
Prisioneiros
libertados em
troca do
embaixador
alemão.
• REPRESSÃO DO GOVERNO
Sob o comando do SNI ( Serviço Nacional de Informações), as
secretárias estaduais de Segurança e seus Dops ( Departamentos
de Ordem Política e Social) e as Forças Armadas se uniram no
combate à oposição.
O Exército criou duas forças especiais: o DOI ( Destacamento de
Operações e Informações) e o CODI ( Centro de Operações de
Defesa), responsáveis pela Operação Bandeirantes ( Oban),
intuito caçar os opositores.
Obs. Ligadas ao governo e financiada por empresários
• Ago/69: Costa e Silva adoece e é afastado.
• Vice Pedro Aleixo é impedido de assumir.
• Ago-out/1969 – Junta militar assume o
poder e escolhe novo presidente.
• Out/1969 reabertura do Congresso
JUNTA
MILITAR
BOLETIM MÉDICO
DE COSTA E SILVA
5 - O governo E. G. MÉDICI (Linha Dura 1969 – 1974):
• Auge da ditadura.
• Binômio SEGURANÇA X DESENVOLVIMENTO
Exército Tecnocratas
• Prisões, torturas, assassinatos
(“desaparecidos”).
• Repressão intensa e eliminação da
guerrilha de esquerda
Assassinato de Marighella
Pau de arara

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resistência e repressão na ditadura militar
Resistência  e repressão na ditadura militarResistência  e repressão na ditadura militar
Resistência e repressão na ditadura militarHernane Freitas
 
Ditadura militar ( 1964 1985 )trabalho
Ditadura militar ( 1964   1985 )trabalhoDitadura militar ( 1964   1985 )trabalho
Ditadura militar ( 1964 1985 )trabalhoNilmaguimaraes
 
Brasil ditadura militar 1964 1985
Brasil ditadura militar 1964 1985Brasil ditadura militar 1964 1985
Brasil ditadura militar 1964 1985dmflores21
 
Ditadura militar no Brasil
Ditadura militar no BrasilDitadura militar no Brasil
Ditadura militar no BrasilLidia Araujo
 
1964 1974- ditadura militar
1964 1974- ditadura militar1964 1974- ditadura militar
1964 1974- ditadura militarLuis Bonfim
 
[c7s] Aula sobre Ditadura Militar
[c7s] Aula sobre Ditadura Militar[c7s] Aula sobre Ditadura Militar
[c7s] Aula sobre Ditadura Militar7 de Setembro
 
Ditadura Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Ditadura Militar no Brasil - Prof. Altair AguilarDitadura Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Ditadura Militar no Brasil - Prof. Altair AguilarAltair Moisés Aguilar
 
Slide sobre ditadura
Slide sobre ditaduraSlide sobre ditadura
Slide sobre ditaduraMaria Eduarda
 
Ditadura militar 64.filé
Ditadura militar 64.filéDitadura militar 64.filé
Ditadura militar 64.filémundica broda
 
Repressão e resistência
Repressão e resistênciaRepressão e resistência
Repressão e resistênciaOlívia Soares
 
Ditadura tortura e resistencia ( armada e movimentos sociais)
Ditadura   tortura e resistencia ( armada e movimentos sociais)Ditadura   tortura e resistencia ( armada e movimentos sociais)
Ditadura tortura e resistencia ( armada e movimentos sociais)Lola Lisbeth
 
Ditadura militar - 3M3 - G3
Ditadura militar - 3M3 - G3Ditadura militar - 3M3 - G3
Ditadura militar - 3M3 - G3wesley93
 

Mais procurados (20)

Trabalho ditadura
Trabalho ditaduraTrabalho ditadura
Trabalho ditadura
 
Resistência e repressão na ditadura militar
Resistência  e repressão na ditadura militarResistência  e repressão na ditadura militar
Resistência e repressão na ditadura militar
 
Ditadura militar ( 1964 1985 )trabalho
Ditadura militar ( 1964   1985 )trabalhoDitadura militar ( 1964   1985 )trabalho
Ditadura militar ( 1964 1985 )trabalho
 
Brasil ditadura militar 1964 1985
Brasil ditadura militar 1964 1985Brasil ditadura militar 1964 1985
Brasil ditadura militar 1964 1985
 
Ditadura militar no Brasil
Ditadura militar no BrasilDitadura militar no Brasil
Ditadura militar no Brasil
 
Ditadura Militar 1964
Ditadura Militar 1964Ditadura Militar 1964
Ditadura Militar 1964
 
1964 1974- ditadura militar
1964 1974- ditadura militar1964 1974- ditadura militar
1964 1974- ditadura militar
 
[c7s] Aula sobre Ditadura Militar
[c7s] Aula sobre Ditadura Militar[c7s] Aula sobre Ditadura Militar
[c7s] Aula sobre Ditadura Militar
 
Ditadura Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Ditadura Militar no Brasil - Prof. Altair AguilarDitadura Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Ditadura Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
 
A ditadura militar e a educacao no brasil revisado
A ditadura militar e a educacao no brasil revisadoA ditadura militar e a educacao no brasil revisado
A ditadura militar e a educacao no brasil revisado
 
Governo figueiredo
Governo figueiredoGoverno figueiredo
Governo figueiredo
 
Slide sobre ditadura
Slide sobre ditaduraSlide sobre ditadura
Slide sobre ditadura
 
Ditadura militar 64.filé
Ditadura militar 64.filéDitadura militar 64.filé
Ditadura militar 64.filé
 
Ditadura no brasil 2 parte
Ditadura no brasil   2  parteDitadura no brasil   2  parte
Ditadura no brasil 2 parte
 
Repressão e resistência
Repressão e resistênciaRepressão e resistência
Repressão e resistência
 
Ditaduramilitar
DitaduramilitarDitaduramilitar
Ditaduramilitar
 
Regime militar
Regime militarRegime militar
Regime militar
 
Ditadura tortura e resistencia ( armada e movimentos sociais)
Ditadura   tortura e resistencia ( armada e movimentos sociais)Ditadura   tortura e resistencia ( armada e movimentos sociais)
Ditadura tortura e resistencia ( armada e movimentos sociais)
 
Ditadura militar - 3M3 - G3
Ditadura militar - 3M3 - G3Ditadura militar - 3M3 - G3
Ditadura militar - 3M3 - G3
 
A ditadura militar
A ditadura militarA ditadura militar
A ditadura militar
 

Semelhante a Torturas e violências contra militante do PCdoB na ditadura militar brasileira

Ditadura civil-Militar.pptx
Ditadura civil-Militar.pptxDitadura civil-Militar.pptx
Ditadura civil-Militar.pptxWirlanPaje2
 
A ditadura militar no Brasil
A ditadura militar no BrasilA ditadura militar no Brasil
A ditadura militar no BrasilMatheus Kielek
 
Ditadura militar 1964 1985
Ditadura militar 1964 1985Ditadura militar 1964 1985
Ditadura militar 1964 1985luciana
 
A ditadura militar brasileira
A ditadura militar brasileiraA ditadura militar brasileira
A ditadura militar brasileiraGabriel Feitosa
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e RedemocratizaçãoDaniel Alves Bronstrup
 
A Ditadura Militar No Brasil
A Ditadura Militar No BrasilA Ditadura Militar No Brasil
A Ditadura Militar No Brasilbrunourbino
 
3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptx
3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptx3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptx
3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptxRobsonAbreuProfessor
 
3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasilDaniel Alves Bronstrup
 
3º ano - Ditadura Militar e República Nova.
3º ano - Ditadura Militar e República Nova.3º ano - Ditadura Militar e República Nova.
3º ano - Ditadura Militar e República Nova.Daniel Alves Bronstrup
 
Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.João Medeiros
 

Semelhante a Torturas e violências contra militante do PCdoB na ditadura militar brasileira (20)

Ditadura civil-Militar.pptx
Ditadura civil-Militar.pptxDitadura civil-Militar.pptx
Ditadura civil-Militar.pptx
 
Brasil ditadura militar 1964 a 1985 pdf
Brasil ditadura militar 1964 a 1985   pdfBrasil ditadura militar 1964 a 1985   pdf
Brasil ditadura militar 1964 a 1985 pdf
 
Ditadura militar no Brasil
Ditadura militar no BrasilDitadura militar no Brasil
Ditadura militar no Brasil
 
Música popular brasileira
Música popular brasileiraMúsica popular brasileira
Música popular brasileira
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
A ditadura militar no Brasil
A ditadura militar no BrasilA ditadura militar no Brasil
A ditadura militar no Brasil
 
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASILBRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
 
Ditadura militar 1964 1985
Ditadura militar 1964 1985Ditadura militar 1964 1985
Ditadura militar 1964 1985
 
A ditadura militar brasileira
A ditadura militar brasileiraA ditadura militar brasileira
A ditadura militar brasileira
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
A república populista
A república populistaA república populista
A república populista
 
Populismo 1945 1964
Populismo 1945   1964Populismo 1945   1964
Populismo 1945 1964
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
 
A Ditadura Militar No Brasil
A Ditadura Militar No BrasilA Ditadura Militar No Brasil
A Ditadura Militar No Brasil
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptx
3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptx3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptx
3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptx
 
3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil
 
3º ano - Ditadura Militar e República Nova.
3º ano - Ditadura Militar e República Nova.3º ano - Ditadura Militar e República Nova.
3º ano - Ditadura Militar e República Nova.
 
Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.
 

Mais de Rose Vital

Revoltas República Velha
Revoltas República VelhaRevoltas República Velha
Revoltas República VelhaRose Vital
 
Revolução Russa
Revolução Russa Revolução Russa
Revolução Russa Rose Vital
 
Abertura da br 364
Abertura da br 364Abertura da br 364
Abertura da br 364Rose Vital
 
Era vargas estado novo
Era vargas   estado novoEra vargas   estado novo
Era vargas estado novoRose Vital
 
Era vargas governo constitucional
Era vargas   governo constitucionalEra vargas   governo constitucional
Era vargas governo constitucionalRose Vital
 
Era vargas governo provisório
Era vargas   governo provisórioEra vargas   governo provisório
Era vargas governo provisórioRose Vital
 
Ditadura parte 2 (1)
Ditadura parte 2 (1)Ditadura parte 2 (1)
Ditadura parte 2 (1)Rose Vital
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundialRose Vital
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrialRose Vital
 
Brasil pré colonial
Brasil pré colonialBrasil pré colonial
Brasil pré colonialRose Vital
 
Brasil colônia
Brasil colôniaBrasil colônia
Brasil colôniaRose Vital
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundialRose Vital
 

Mais de Rose Vital (12)

Revoltas República Velha
Revoltas República VelhaRevoltas República Velha
Revoltas República Velha
 
Revolução Russa
Revolução Russa Revolução Russa
Revolução Russa
 
Abertura da br 364
Abertura da br 364Abertura da br 364
Abertura da br 364
 
Era vargas estado novo
Era vargas   estado novoEra vargas   estado novo
Era vargas estado novo
 
Era vargas governo constitucional
Era vargas   governo constitucionalEra vargas   governo constitucional
Era vargas governo constitucional
 
Era vargas governo provisório
Era vargas   governo provisórioEra vargas   governo provisório
Era vargas governo provisório
 
Ditadura parte 2 (1)
Ditadura parte 2 (1)Ditadura parte 2 (1)
Ditadura parte 2 (1)
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Brasil pré colonial
Brasil pré colonialBrasil pré colonial
Brasil pré colonial
 
Brasil colônia
Brasil colôniaBrasil colônia
Brasil colônia
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 

Último

HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 

Último (20)

HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 

Torturas e violências contra militante do PCdoB na ditadura militar brasileira

  • 1.
  • 2. Fomos levados diretamente para a Oban. Tiraram o César e o [Carlos Nicolau] Danielli do carro dando coronhadas, batendo. Eu vi que quem comandava a operação do alto da escada era o Ustra [coronel reformado do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra]. Subi dois degraus e disse: ‘Isso que vocês estão fazendo é um absurdo’. Ele disse: ‘Foda-se, sua terrorista’, e bateu no meu rosto. Eu rolei no pátio. Aí, fui agarrada e arrastada para dentro. A primeira forma de torturar foi me arrancar a roupa. Lembro-me que ainda tentava impedir que tirassem a minha calcinha, que acabou sendo rasgada. Começaram com choque elétrico e dando socos na minha cara. Com tanto choque e soco, teve uma hora que eu apaguei. Quando recobrei a consciência, estava deitada, nua, numa cama de lona com um cara em cima de mim, esfregando o meu seio. Era o Mangabeira [codinome do escrivão de polícia de nome Gaeta], um torturador de lá. A impressão que eu tinha é de que estava sendo estuprada. Aí começaram novas torturas. Me amarraram na cadeira do dragão, nua, e me deram choque no ânus, na vagina, no umbigo, no seio, na boca, no ouvido. Fiquei nessa cadeira, nua, e os caras se esfregavam em mim, se masturbavam em cima de mim. A gente sentia muita sede e, quando eles davam água, estava com sal. Eles punham sal para você sentir mais sede ainda. Depois fui para o pau de arara. Eles jogavam coca-cola no nariz. Você fi cava nua como frango no açougue, e eles espetando seu pé, suas nádegas, falando que era o soro da verdade. Mas com certeza a pior tortura foi ver meus fi lhos entrando na sala quando eu estava na cadeira do dragão. Eu estava nua, toda urinada por conta dos choques. Quando me viu, a Janaína perguntou: ‘Mãe, por que você está azul e o pai verde?’. O Edson disse: ‘Ah, mãe, aqui a gente fica azul, né?’. Eles também me diziam que iam matar as crianças. Chegaram a falar que a Janaína já estava morta dentro de um caixão.
  • 3. • MARIAAMÉLIA DE ALMEIDA TELES, ex-militante do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), era professora de educação artística quando foi presa em 28 de dezembro de 1972, em São Paulo (SP). Hoje, vive na mesma cidade, é diretora da União de Mulheres de São Paulo e integra a Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos. Recebeu o Prêmio Nacional de Direitos Humanos 2008, na categoria Defensores de Direitos Humanos.
  • 4. CONCEITO: É  um  dos  regimes  não democráticos ou  antidemocráticos, ou seja, governos onde não há participação  popular,  ou  em  que  essa  participação  ocorre  de  maneira  muito  restrita.  Na  ditadura,  o  poder  está  em  apenas  uma  instância, ao contrário do que acontece na democracia, onde  o  poder  está  em  várias  instâncias,  como  o legislativo,  o  executivo e o judiciário CARACTERÍSTICAS: Desenvolvimentismo  e  concentração  de  renda  (aliança  entre  a  burocracia  técnica  estatal,  os  grandes empresários estrangeiros e os grandes empresários  nacionais)
  • 5.
  • 6.
  • 7. O Brasil após o golpe: •Esperava-se que João Goulart fizesse um contragolpe ( somente no sul do país houve uma tentativa de impedir o golpe) •Ranieri Mazzili (presidente da Câmara) assume interinamente. •Poder de fato = Comando Supremo Revolucionário (exército), formado por membros das três corporações (forças) •Lema: Salvação Nacional •A intervenção militar seria provisória (ideia defendida pelos sorbonnes, os linha dura defendiam por um longo período) e tinha como finalidade: Restabelecer a ordem social; Conter o avanço do comunismo e da corrupção Retomar o crescimento econômico
  • 8.
  • 9.
  • 10. Divisões entre os militares: – SORBONNE: oriundos da ESG (Escola Superior de Guerra 1948), intelectuais, veteranos da 2ª Guerra, próximos da UDN, alinhados ideologicamente com os EUA, anticomunistas, partidários de um poder executivo forte e soluções econômicas técnicas. Defendiam a ampliação do poder armado no país, mas não consideram que o governo estivesse nas mãos de militares, defendiam que setores como transporte, comunicação e planejamento ficassem com os militares. – LINHA DURA: também anticomunistas, sem ligações diretas com os EUA, nacionalistas, avessos a políticos e a qualquer tipo de democracia. Defendiam no controle direto do Poder Executivo.
  • 11. QUEM APOIOU O GOLPE Empresariado brasileiro: temiam uma guinada de Jango à esquerda e rejeitavam as reformas nacionalistas e estatizantes que o então presidente defendia: Classe média: reagia a proximidade de Jango com os sindicatos e os movimentos sociais: A UDN: adversária do trabalhismo de Getúlio Vargas e Jango; Setores conservadores da sociedade: EUA: oferecia suporte político aos golpistas REVOLUÇÃO REDENTORA OU GOLPE?
  • 12. MÉDICI GEISEL FIGUEIREDOCOSTA E SILVA CASTELLO BRANCO
  • 13. 09/04/1964: Ato Institucional nº 1 (AI – 1) (Junta militar liderada general Arthur da Costa e Silva, brigadeiro Francisco Correia de Mello e o almirante Augusto Rademaker – Comando Supremo da Revolução ) • Demissão de funcionários públicos (civis ou militares) leais ao antigo governo. • Os militares podiam suspender por 10 anos mandatos legislativos, juízes e funcionários públicos (dos opositores); •Prisões de opositores. •Lei Suplicy de Lacerda colocou a UNE na ilegalidade ( a sede no RJ foi invadida e incendiada) •As universidades foram invadidas, professores afastados •A CGT foi extinta •Decretar estado de sítio sem a aprovação do senado •Eleições indiretas para presidente.
  • 14. OS PRIMEIROS ANOS DO REGIME A Ditadura nesse momento tentava mascarar, com atos legais, suas medidas de exceção. Castello Branco, por exemplo, não reconhecia publicamente as perseguições políticas e a formação de um forte aparelho de vigilância. 06/1964 – criação do SNI (Serviço Nacional de Informação): centralizava as atividades de inteligência e informações , acumulando fichas de suspeitos de manterem atividades contrárias ao regime
  • 15. O governo CASTELLO BRANCO (Sorbonne 1964 – 1967): • PAEG (Plano de Ação Econômica do Governo):  Roberto Campos no Ministério do Planejamento e Otávio Gouveia de Bulhões, no Ministério da Fazenda ( Tratar da crise econômica)  2 partes – 1ª eliminar a inflação e normalizar o sistema financeiro internacional e a 2ª estimular o crescimento econômico – Corte de gastos e subsídios (diminuir o déficit público) – Combater a inflação – Aumento de tarifas e impostos. – Fim da Lei da Estabilidade. – Criação do FGTS – Aumento salarial (1X ao ano) abaixo da inflação. – Restrição de crédito. – Arrocho salarial, recessão e desemprego.
  • 16. • Revogação da Lei de Remessa de Lucros (1962). • Desvalorização monetária (cruzeiro novo). – Compra de empresas nacionais por estrangeiras. (oligopólios) • Renegociação da dívida externa com o FMI • Novos empréstimos. • Aproximação cada vez maior com EUA. – “O que é bom para os EUA é bom para o Brasil” (Juracy Magalhães – Ministro das Relações Exteriores)
  • 17. EFEITOS DO PLANO ECONÔMICO:
  • 18. • Jul/64 prorrogação do mandato presidencial até mar/67 (deveria ter sido até 31/01/66) • Os candidatos (Carlos Lacerda e Ademar Barros) reagiram • Insatisfação popular • 1965: eleições em 11 Estados. – Candidatos governistas perdem em vários (Guanabara e em Minas Gerais) – Os linha dura pressionam Castelo, exigindo uma intervenção • 27/Out/65 – AI – 2: Bipartidarismo – Extinção dos antigos partidos. – ARENA (Aliança Renovadora Nacional) – partido do governo. – MDB (Movimento Democrático Brasileiro) – oposição ao governo. – Autorização para fechar órgãos legislativos. – Eleições indiretas para presidente – Baixar decretos-lei sobre questões de segurança nacional
  • 20. • Fev/66 – AI-3: Eleições indiretas para governadores e delegou ao mesmos indicação de prefeitos de capitais e cidades estratégicas. • Os cidadãos perdem seu poder de voto • Dez/66 – AI 4: Elaborar uma Constituição • Tentativa frustrada de formação de uma frente oposicionista composta por antigos rivais: Carlos Lacerda, Juscelino Kubitschek e João Goulart – FRENTE AMPLA. • Em 1968 foi posto na ilegalidade
  • 21. •Constituição de 1967: – Fortalecimento do Executivo. – Emendas constitucionais a cargo exclusivo do presidente. – Incorporação de Atos Institucionais. – Restringi o direito à greve •Doutrina de Segurança Nacional – defesa da pátria contra o “perigo comunista” (repressão consentida). •Repressão contra entidades sociais •Pena de morte para crimes de segurança nacional
  • 22. 4 - O governo COSTA E SILVA (Linha Dura 1967 – 1969): • Manifestações de protesto( estudantes, operários políticos de oposição e padres – progressistas) – Oposição ao acordo MEC-USAID. – Assassinato do estudante Édson Luís (RJ mar/68) em confronto com a polícia. • Passeata dos 100 mil (RJ jul/68). • Greves em Osasco (SP), Contagem e Belo Horizonte (MG). • Crítica dos parlamentares ( o governo ameaçou Suspender as imunidades, enquadrando-os na LSN) • Ampla repressão do governo.
  • 23. MANIFESTAÇÕES CONTRA O GOVERNO: Estudante Édson Luís Missa de 7º dia de Édson Luís
  • 24. Greve em Contagem - MG Passeata dos 100 mil Manifestação estudantil
  • 25.
  • 26. Atritos entre estudantes da USP (oposição aos militares) e MACKENZIE (conservadores e anti- comunistas) CCC = Comando de Caça aos Comunistas BATALHA DA MARIA ANTÔNIA
  • 27.
  • 28.
  • 29. A REPRESSÃO DO GOVERNO:
  • 30. A REAÇÃO  Junho de 68 - militantes de um grupo guerrilheiro, a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), lançaram uma camionete com 50 quilos de dinamite contra o portão do quartel-general do 2º Exército, em São Paulo.  A explosão matou um soldado de 18 anos que estava de guarda, Mário Kozel Filho, e inflamou os militares.  "Isso é um tumor”, reagiu o general Manoel Carvalho de Lisboa, comandante da área. “É a onda vermelha que pretende tomar o poder à força.”
  • 31. Deputado Márcio Moreira Alves MDB Discursou contra os militares, acusando-os de violências. Propôs o boicote a parada militar de 07 de setembro
  • 32. • Dez/68: AI – 5: – Maior instrumento de repressão da ditadura militar. – Pretexto: discurso do deputado Márcio Moreira Alves, acusado pelos de abusar dos direitos individuais e políticos, praticando “ atentado à ordem democrática” – Fechamento do Poder Legislativo (presidente assume sua função). – Suspensão dos direitos políticos e individuais (HÁBEAS CORPUS). – Intervenção em Estados e municípios. – Permissão para cassar mandatos, demitir, prender, editar leis. – Prazo de validade indeterminado. – Confisco de bens como punição por corrupção
  • 33. Crítica a intensa repressão e perseguição das pessoas consideradas uma ameaça
  • 34.
  • 35. • Início da ação armada contra o governo: – ALN, MR-8, VPR, VAR-PALMARES – Guerrilha urbana (seqüestros de embaixadores e diplomatas estrangeiros, assaltos a banco). – Guerrilha rural (Araguaia–PA, MA e GO) Marighella - ALN Capitão Carlos Lamarca VAR - PALMARES
  • 36.
  • 37. A GUERRILHA DE ESQUERDA: Assista!!! C. B. Elbrick – embaixador dos EUA seqüestrado pelo MR-8 e ALN em troca da soltura de presos políticos. Prisioneiros libertados em troca do embaixador alemão.
  • 38. • REPRESSÃO DO GOVERNO Sob o comando do SNI ( Serviço Nacional de Informações), as secretárias estaduais de Segurança e seus Dops ( Departamentos de Ordem Política e Social) e as Forças Armadas se uniram no combate à oposição. O Exército criou duas forças especiais: o DOI ( Destacamento de Operações e Informações) e o CODI ( Centro de Operações de Defesa), responsáveis pela Operação Bandeirantes ( Oban), intuito caçar os opositores. Obs. Ligadas ao governo e financiada por empresários
  • 39.
  • 40. • Ago/69: Costa e Silva adoece e é afastado. • Vice Pedro Aleixo é impedido de assumir. • Ago-out/1969 – Junta militar assume o poder e escolhe novo presidente. • Out/1969 reabertura do Congresso JUNTA MILITAR BOLETIM MÉDICO DE COSTA E SILVA
  • 41. 5 - O governo E. G. MÉDICI (Linha Dura 1969 – 1974): • Auge da ditadura. • Binômio SEGURANÇA X DESENVOLVIMENTO Exército Tecnocratas
  • 42. • Prisões, torturas, assassinatos (“desaparecidos”). • Repressão intensa e eliminação da guerrilha de esquerda Assassinato de Marighella Pau de arara