SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
Revolução Industrial
1 - Introdução
Revolução Industrial
A Revolução Industrial é o conjunto de transformações ( técnicas, econômicas e
sociais) ocorridas de modo geral na Inglaterra, entre os séculos XVIII e XIX. Tais
transformações relacionam-se diretamente com a substituição da produção
manufatureira ( uso da energia física) pela maquinofatura ( energia mecânica),
das ferramentas pelas máquinas.
2 – O processo da produção
Revolução Industrial
– Artesanato
Foi a forma de produção
característica da Baixa Idade
Média, durante o renascimento
urbano e comercial, sendo
representado por uma
produção de caráter familiar,
na qual o produtor (artesão),
possuía os meios de produção
(era o proprietário da oficina e
das ferramentas) e trabalhava
com a família em sua própria
casa, realizando todas as
etapas da produção, desde o
preparo da matéria-prima, até
o acabamento final; ou seja,
não havia divisão do trabalho
ou especialização.
Nessa evolução, a produção manual que antecede a industrial conheceu duas
etapas bem definidas dentro do processo de desenvolvimento do capitalismo:
Revolução Industrial
 Manufatura
Foi a forma de produção que predominou ao longo da Idade Moderna,
resultando da ampliação do mercado consumidor com o desenvolvimento
do comércio marítimo. Nesse momento, já ocorre um aumento na
produtividade do trabalho, devido à divisão social da produção, onde cada
trabalhador realizava uma etapa na confecção de um produto. Outra
característica desse período foi a interferência do capitalista no processo
produtivo, passando a comprar a matéria-prima e a determinar o ritmo de
produção, uma vez que controlava os principais mercados consumidores.
Revolução Industrial
3 – A maquinofatura
Na maquinofatura, o trabalhador estava submetido ao regime de
funcionamento da máquina e à gerência direta do empresário. Foi nesta
etapa que se consolidou a Revolução Industrial. A partir da máquina, fala-
se numa primeira, numa segunda e até numa terceira Revolução industrial.
A tarefa do trabalhador era:
alimentar a máquina, controlar
sua velocidade e zelar por sua
manutenção.
• Já se observou uma vez que todo aluno
mediano em História sabe que houve uma
Revolução Industrial, e que todo aluno
estudioso sabe que não houve. Justifique
a tese de que ocorreu uma EVOLUÇÃO e
não uma REVOLUÇÃO industrial.
Disputa pela criação do telefone
• Em 11 de junho de 2002, o Congresso dos Estados Unidos
reconheceu, por meio da resolução 269, as contribuições de
Antonio Meucci para a invenção do telefone, ou seja, atestando a o
italiano como o verdadeiro inventor do aparelho. Apesar disso, a
patente de Bell não foi anulada ou modificada.
• Em contrapartida, 10 dias depois, em 21 de junho de 2002, o
parlamento canadense aprovou unanimemente uma moção a
Alexander Graham Bell, reafirmando o escocês como o inventor do
telefone. A posição canadense é vista como uma resposta à ofensa
à horna de Bell, que viveu no Canadá e é muito celebrado no país.
4ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
São sete horas da manhã do dia 13 de abril de 2025. Seu relógio te desperta
de uma noite sem sonhos e você sai da cama na mesma hora em que sua
casa acorda. A luz do banheiro se acende e o chuveiro começa a esquentar a
água. Depois do banho, você veste uma camiseta feita sob medida. Você
checa seu celular e descobre que a bateria está prestes a acabar. Uma
janelinha na tela te informa que não há com o que se preocupar — há uma
bateria substituta à caminho. Você ouve seu carro se ligando na garagem,
pronto para te levar para a fábrica que você gerencia, onde, de acordo com
seu celular, uma das máquinas parou de funcionar. Ir até o seu trabalho se
tornou um fenômeno cada vez mais raro — na maior parte do tempo, a fábrica
funciona de forma independente.
“Que saco", você reclama enquanto o carro sai da sua garagem. “Essas
geringonças só dão trabalho."
Bem-vindo à quarta revolução industrial, onde todos os objetos do seu dia a
dia são feitos sob medida e conversam entre si para resolver seus problemas.
• A quarta revolução industrial, mais conhecida como "Indústria 4.0", foi
nomeada assim por um grupo liderado por empresários, políticos e
acadêmicos, que a definiram como uma forma de aumentar a
competitividade da indústria alemã por meio da inserção de "sistemas ciber-
físicos", ou CPS, aos processos industriais.
• CPS é um termo genérico para todo tipo de integração entre máquinas
inteligentes e mão de obra humana. Os donos de fábricas não estão
apenas reinventando a linha de produção, mas sim criando uma rede de
máquinas que produz mais com menos erros; e tem a capacidade de
alterar seus padrões de produção de acordo com dados externos,
mantendo um alto padrão de eficiência.
• Em outras palavras, a Indústria 4.0 é o equivalente industrial da Internet
das Coisas, a ideia de conectar toda sorte de objetos, de termostatos a
torradeiras, à internet.
4ª Revolução Industrial
• Estamos a bordo de uma revolução tecnológica que transformará
fundamentalmente a forma como vivemos, trabalhamos e nos
relacionamos. Em sua escala, alcance e complexidade, a
transformação será diferente de qualquer coisa que o ser humano
tenha experimentado antes", diz Klaus Schwab, autor do livro A Quarta
Revolução Industrial, publicado este ano. (outubro de 2016)
• Os "novos poderes" da transformação virão da engenharia genética e
das neurotecnologias, duas áreas que parecem misteriosas e
distantes para o cidadão comum.
• No entanto, as repercussões impactarão em como somos e como nos
relacionamos até nos lugares mais distantes do planeta: a revolução
afetará o mercado de trabalho, o futuro do trabalho e a desigualdade
de renda. Suas consequências impactarão a segurança geopolítica e o
que é considerado ético.
• Quando falam de Revolução 4.0: nanotecnologias, neurotecnologias,
robôs, inteligência artificial, biotecnologia, sistemas de armazenamento
de energia, drones e impressoras 3D.
História . Aula 01
4 – O pioneirismo da Inglaterra
Revolução Industrial
O pioneirismo inglês no processo de Revolução Industrial
em meados do século XVIII, pode ser explicado por
diversos fatores:
 A BURGUESIA NO PODER
Revoluções Inglesas – Revolução Gloriosa
 RESERVAS DE CARVÃO MINERAL
A Inglaterra possuía grandes reservas de carvão mineral
em seu subsolo, sendo essa a principal fonte de energia
para movimentar as máquinas e as locomotivas à vapor.
História . Aula 01 Revolução Industrial
RESERVAS DE MINÉRIO DE FERRO
A Inglaterra possuía grandes reservas de minério de ferro, sendo essa a principal
matéria-prima utilizada na indústria.
 MÃO-DE-OBRA DISPONÍVEL
A aprovação da Lei dos Cercamentos de Terra (enclousures) na Inglaterra foi
responsável por um grande êxodo no campo, e consequentemente pela
disponibilidade de mão-de-obra abundante e barata nas cidades.
ACUMULAÇÃO DE CAPITAL
A grande quantidade de capital acumulado durante a fase do mercantilismo,
permitiu que a burguesia inglesa tivesse recursos financeiros suficientes para
financiar as fábricas, comprar matéria-prima e máquinas e contratar empregados.
LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA
O fato de a Inglaterra ser uma ilha situada à margem da Europa ocidental facilitou o
acesso ao comércio marítimo e à exportação dos grandes mercados
 MERCADO CONSUMIDOR:
As colônias representaram uma expressiva fatia do mercado consumidor
inicial. Das colônias, os britânicos obtinham matérias primas e vendiam
seus maquinofaturados.
 A RELIGIÃO ANGLICANA
De ideologia mais pratica e incentivadora de investimentos, em detrimento dos
países católicos, estagnados nas "verdades da Igreja".
 SUPREMACIA DA MARINHA MERCANTE INGLESA
A partir de 1650, os Atos de Navegação de Cromwell garantem o monopólio
das rotas marítimas.
 REVOLUÇÃO INTELECTUAL
Vai impulsionar mais livremente, onde os pensadores e cientistas não vão ser
demonizados, não que não vai haver rejeição pelas máquinas, muito pelo
contrário, houve quebra - quebra e punições. Porém o sistema jurídico na
Inglaterra nesse momento já não consegue ditar muitas regras contra o
capitalismo, porque há até mesmo burgueses de ambos os lados.
História . Aula 01
6 - OS PRINCIPAIS AVANÇOS DA MAQUINOFATURA
Revolução Industrial
A industrialização da segunda metade do século XVIII iniciou-se com a
mecanização do setor têxtil, cuja produção tinha amplos mercados nas colônias,
inglesas ou não, da América, África e Ásia.
Entre as principais invenções mecânicas do período destacam-se:
 1767 – Máquina de fiar (spinning jenny) de James Hargreaves
Essa máquina era capaz de fiar 80 quilos de fios de um só vez sob os
cuidados de um só operário.
História . Aula 01 Revolução Industrial
 1768 – Máquina a vapor
Todas as invenções mecânicas ganharam maior capacidade quando
passaram a ser acoplados à máquina a vapor, inventada por Thomas
Newcomen (1712) e aperfeiçoada por James Watt. Com a gradativa
sofisticação das máquinas, houve aumento da produção e geração de
capitais, que eram reaplicados em novas máquinas. Após o setor têxtil, a
mecanização alcançou o setor metalúrgico, impulsionou a produção em
série e levou à modernização e expansão dos transportes.
 1769 - Tear hidráulico ( water frame), de Richard Arkwright
 1779 – Samuel Crompton inventa a “mule” uma combinação da “water
frame” com a “spinning jenny” com os fios finos e resistentes.
História . Aula 01 Revolução Industrial
 1785 - Tear mecânico de Edmond Cartwright
História . Aula 01 Revolução Industrial
 1814 – George Stephenson idealizou a LOCOMOTIVA A VAPOR
 1805 – O norte-americano Robert Fulton revoluciou a navegação marítima
criando o BARCO A VAPOR.
História . Aula 01 Revolução Industrial
9 – OS DESDOBRAMENTOS DA REVOLUÇÃOINDUSTRIAL PARA A
SOCIEDADE
A Revolução Industrial alterou profundamente as condições de vida do
trabalhador braçal.
 Provocou inicialmente um intenso deslocamento da população rural para as
cidades, com enormes concentrações urbanas.
História . Aula 01 Revolução Industrial
 A produção em larga escala e dividida em etapas distanciou cada
vez mais o trabalhador do produto final, já que cada grupo de
trabalhadores domina apenas uma etapa da produção.
O proletariado urbano surgiu como uma classe bem definida e submetida
às péssimas condições de moradia (cortiços), salários irrisórios e com uma
extensa jornada de trabalho diante da ausência de leis trabalhistas:
1780 – em torno de 80 horas por semana;
1820 – 67 horas por semana;
1860 – 53 horas por semana
História . Aula 01 Revolução Industrial
 O agravamento dos problemas sócio-econômicos com o desemprego e a
fome, foram acompanhados de outros problemas, como a prostituição e o
alcoolismo.
 O barulho e poluição passaram a fazer parte do cotidiano dos moradores
dos centros urbanos.
 O desenvolvimento das ferrovias irá absorver grande parte da mão-de-obra
masculina adulta, provocando, em escala crescente, a utilização de
mulheres e crianças como trabalhadores nas fábricas têxteis e nas minas.
 Desenvolvimento dos meios de transportes e de
comunicação;
 Aumento da produtividade (redução de preços);
 Urbanização intensa;
 Consolidação da burguesia;
 Surgimento do proletariado (operário)
 Esgotamento dos recursos naturais;
 Modelos produtivos: Taylorismo (pretende alcançar o
máximo de produção e rendimento com o mínimo de
tempo e de esforço), Fordismo ( produção e consumo
em massa) e o Toyotismo ( tecnologia da informática e
da robótica)
 Expansão do Imperialismo .
Reação dos trabalhadores
Os trabalhadores reagiram das mais diferentes formas. Podemos destacar alguns
dos movimentos:
LUDISMO: o nome vem de Ned Ludlan), caracterizado pela destruição das
máquinas.
CARTISMO : organizado pela “Associação dos Operários”, que exigiam melhores
condições de trabalho e o fim do voto censitário.
TRADE–UNIONS: associações de operários que evoluíram lentamente em suas
reivindicações , originando os primeiros sindicatos modernos
Evolução da Revolução Industrial
Evolução da Revolução Industrial
Evolução da Revolução Industrial
Evolução da Revolução Industrial
Evolução da Revolução Industrial

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIALSEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIALIsabel Aguiar
 
A 2ª Revolução Industrial
A 2ª Revolução IndustrialA 2ª Revolução Industrial
A 2ª Revolução IndustrialJoão Machado
 
Eua no século xix
Eua no século xixEua no século xix
Eua no século xixAuxiliadora
 
A crise da União Soviética e o leste europeu
A crise da União Soviética e o leste europeuA crise da União Soviética e o leste europeu
A crise da União Soviética e o leste europeuProfessor Marcelo
 
O Fascismo e o Nazismo
O Fascismo e o NazismoO Fascismo e o Nazismo
O Fascismo e o Nazismo_7udy_
 
Rise of totalitarian dictators
Rise of totalitarian dictatorsRise of totalitarian dictators
Rise of totalitarian dictatorsezasso
 
Governos Totalitários (nazismo e fascismo)
Governos Totalitários (nazismo e fascismo)Governos Totalitários (nazismo e fascismo)
Governos Totalitários (nazismo e fascismo)patriciacaralo
 
História Geral: crise de 1929 e totalitarismo
História Geral: crise de 1929 e totalitarismoHistória Geral: crise de 1929 e totalitarismo
História Geral: crise de 1929 e totalitarismoRafael Lucas da Silva
 
Aula liberalismo
Aula liberalismoAula liberalismo
Aula liberalismoOver Lane
 
Governos populistas(1945-1964) resumo
Governos populistas(1945-1964)   resumoGovernos populistas(1945-1964)   resumo
Governos populistas(1945-1964) resumoPrivada
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrialDebora Barros
 
Guerra de Secessão nos EUA
Guerra de Secessão nos EUAGuerra de Secessão nos EUA
Guerra de Secessão nos EUAMichele Frison
 

Mais procurados (20)

Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIALSEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
 
A 2ª Revolução Industrial
A 2ª Revolução IndustrialA 2ª Revolução Industrial
A 2ª Revolução Industrial
 
Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917
 
Eua no século xix
Eua no século xixEua no século xix
Eua no século xix
 
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
 
A crise da União Soviética e o leste europeu
A crise da União Soviética e o leste europeuA crise da União Soviética e o leste europeu
A crise da União Soviética e o leste europeu
 
O Fascismo e o Nazismo
O Fascismo e o NazismoO Fascismo e o Nazismo
O Fascismo e o Nazismo
 
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASILBRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
 
Rise of totalitarian dictators
Rise of totalitarian dictatorsRise of totalitarian dictators
Rise of totalitarian dictators
 
Governos Totalitários (nazismo e fascismo)
Governos Totalitários (nazismo e fascismo)Governos Totalitários (nazismo e fascismo)
Governos Totalitários (nazismo e fascismo)
 
Um mundo dividido, um país dividido
Um mundo dividido, um país divididoUm mundo dividido, um país dividido
Um mundo dividido, um país dividido
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Revolução cubana
Revolução cubanaRevolução cubana
Revolução cubana
 
História Geral: crise de 1929 e totalitarismo
História Geral: crise de 1929 e totalitarismoHistória Geral: crise de 1929 e totalitarismo
História Geral: crise de 1929 e totalitarismo
 
Aula liberalismo
Aula liberalismoAula liberalismo
Aula liberalismo
 
Fim da União Soviética
Fim da União SoviéticaFim da União Soviética
Fim da União Soviética
 
Governos populistas(1945-1964) resumo
Governos populistas(1945-1964)   resumoGovernos populistas(1945-1964)   resumo
Governos populistas(1945-1964) resumo
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Guerra de Secessão nos EUA
Guerra de Secessão nos EUAGuerra de Secessão nos EUA
Guerra de Secessão nos EUA
 

Semelhante a Evolução da Revolução Industrial

As Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptxAs Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptxHitaloSantos8
 
1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial1ª Revolução Industrial
1ª Revolução IndustrialLaerciolns12
 
A Revolução Industrial 2.ppt
A Revolução Industrial 2.pptA Revolução Industrial 2.ppt
A Revolução Industrial 2.pptJosWilliam14
 
as rês revoluções industrias
as rês revoluções industriasas rês revoluções industrias
as rês revoluções industriasKassiane Cristine
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrialZeze Silva
 
A Revolução Industrial.ppt
A Revolução Industrial.pptA Revolução Industrial.ppt
A Revolução Industrial.pptRanna Pinho
 
A Revolução Industrial.ppt
A Revolução Industrial.pptA Revolução Industrial.ppt
A Revolução Industrial.pptIzabellaJoacir
 
A Revolução Industrial.ppt
A Revolução Industrial.pptA Revolução Industrial.ppt
A Revolução Industrial.pptPanchoVilla65
 
A Revolução Industrial.ppt
A Revolução Industrial.pptA Revolução Industrial.ppt
A Revolução Industrial.pptadriana miranda
 
TRABALHO Revolução Industrial.pdf
TRABALHO Revolução Industrial.pdfTRABALHO Revolução Industrial.pdf
TRABALHO Revolução Industrial.pdfNetoSilva76
 
A Revolução Industrial.ppt
A Revolução Industrial.pptA Revolução Industrial.ppt
A Revolução Industrial.pptJuniorMadruga2
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrialMarcos Venicios
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrialMarcos Azevedo
 

Semelhante a Evolução da Revolução Industrial (20)

Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
 
As Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptxAs Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptx
 
1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial
 
A Revolução Industrial 2.ppt
A Revolução Industrial 2.pptA Revolução Industrial 2.ppt
A Revolução Industrial 2.ppt
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
as rês revoluções industrias
as rês revoluções industriasas rês revoluções industrias
as rês revoluções industrias
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
A Revolução Industrial.ppt
A Revolução Industrial.pptA Revolução Industrial.ppt
A Revolução Industrial.ppt
 
A Revolução Industrial.ppt
A Revolução Industrial.pptA Revolução Industrial.ppt
A Revolução Industrial.ppt
 
A Revolução Industrial.ppt
A Revolução Industrial.pptA Revolução Industrial.ppt
A Revolução Industrial.ppt
 
A Revolução Industrial.ppt
A Revolução Industrial.pptA Revolução Industrial.ppt
A Revolução Industrial.ppt
 
TRABALHO Revolução Industrial.pdf
TRABALHO Revolução Industrial.pdfTRABALHO Revolução Industrial.pdf
TRABALHO Revolução Industrial.pdf
 
Revisao historia
Revisao historiaRevisao historia
Revisao historia
 
A Revolução Industrial.ppt
A Revolução Industrial.pptA Revolução Industrial.ppt
A Revolução Industrial.ppt
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
3 revolução industrial
3   revolução industrial3   revolução industrial
3 revolução industrial
 

Mais de Rose Vital

Revoltas República Velha
Revoltas República VelhaRevoltas República Velha
Revoltas República VelhaRose Vital
 
Revolução Russa
Revolução Russa Revolução Russa
Revolução Russa Rose Vital
 
Abertura da br 364
Abertura da br 364Abertura da br 364
Abertura da br 364Rose Vital
 
Era vargas estado novo
Era vargas   estado novoEra vargas   estado novo
Era vargas estado novoRose Vital
 
Era vargas governo constitucional
Era vargas   governo constitucionalEra vargas   governo constitucional
Era vargas governo constitucionalRose Vital
 
Era vargas governo provisório
Era vargas   governo provisórioEra vargas   governo provisório
Era vargas governo provisórioRose Vital
 
Ditadura parte 2 (1)
Ditadura parte 2 (1)Ditadura parte 2 (1)
Ditadura parte 2 (1)Rose Vital
 
Ditadura parte 1
Ditadura parte 1Ditadura parte 1
Ditadura parte 1Rose Vital
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundialRose Vital
 
Brasil pré colonial
Brasil pré colonialBrasil pré colonial
Brasil pré colonialRose Vital
 
Brasil colônia
Brasil colôniaBrasil colônia
Brasil colôniaRose Vital
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundialRose Vital
 

Mais de Rose Vital (12)

Revoltas República Velha
Revoltas República VelhaRevoltas República Velha
Revoltas República Velha
 
Revolução Russa
Revolução Russa Revolução Russa
Revolução Russa
 
Abertura da br 364
Abertura da br 364Abertura da br 364
Abertura da br 364
 
Era vargas estado novo
Era vargas   estado novoEra vargas   estado novo
Era vargas estado novo
 
Era vargas governo constitucional
Era vargas   governo constitucionalEra vargas   governo constitucional
Era vargas governo constitucional
 
Era vargas governo provisório
Era vargas   governo provisórioEra vargas   governo provisório
Era vargas governo provisório
 
Ditadura parte 2 (1)
Ditadura parte 2 (1)Ditadura parte 2 (1)
Ditadura parte 2 (1)
 
Ditadura parte 1
Ditadura parte 1Ditadura parte 1
Ditadura parte 1
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
Brasil pré colonial
Brasil pré colonialBrasil pré colonial
Brasil pré colonial
 
Brasil colônia
Brasil colôniaBrasil colônia
Brasil colônia
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 

Último

Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 

Último (20)

Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 

Evolução da Revolução Industrial

  • 1. Revolução Industrial 1 - Introdução Revolução Industrial A Revolução Industrial é o conjunto de transformações ( técnicas, econômicas e sociais) ocorridas de modo geral na Inglaterra, entre os séculos XVIII e XIX. Tais transformações relacionam-se diretamente com a substituição da produção manufatureira ( uso da energia física) pela maquinofatura ( energia mecânica), das ferramentas pelas máquinas.
  • 2. 2 – O processo da produção Revolução Industrial – Artesanato Foi a forma de produção característica da Baixa Idade Média, durante o renascimento urbano e comercial, sendo representado por uma produção de caráter familiar, na qual o produtor (artesão), possuía os meios de produção (era o proprietário da oficina e das ferramentas) e trabalhava com a família em sua própria casa, realizando todas as etapas da produção, desde o preparo da matéria-prima, até o acabamento final; ou seja, não havia divisão do trabalho ou especialização. Nessa evolução, a produção manual que antecede a industrial conheceu duas etapas bem definidas dentro do processo de desenvolvimento do capitalismo:
  • 3. Revolução Industrial  Manufatura Foi a forma de produção que predominou ao longo da Idade Moderna, resultando da ampliação do mercado consumidor com o desenvolvimento do comércio marítimo. Nesse momento, já ocorre um aumento na produtividade do trabalho, devido à divisão social da produção, onde cada trabalhador realizava uma etapa na confecção de um produto. Outra característica desse período foi a interferência do capitalista no processo produtivo, passando a comprar a matéria-prima e a determinar o ritmo de produção, uma vez que controlava os principais mercados consumidores.
  • 4. Revolução Industrial 3 – A maquinofatura Na maquinofatura, o trabalhador estava submetido ao regime de funcionamento da máquina e à gerência direta do empresário. Foi nesta etapa que se consolidou a Revolução Industrial. A partir da máquina, fala- se numa primeira, numa segunda e até numa terceira Revolução industrial. A tarefa do trabalhador era: alimentar a máquina, controlar sua velocidade e zelar por sua manutenção.
  • 5.
  • 6. • Já se observou uma vez que todo aluno mediano em História sabe que houve uma Revolução Industrial, e que todo aluno estudioso sabe que não houve. Justifique a tese de que ocorreu uma EVOLUÇÃO e não uma REVOLUÇÃO industrial.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12. Disputa pela criação do telefone • Em 11 de junho de 2002, o Congresso dos Estados Unidos reconheceu, por meio da resolução 269, as contribuições de Antonio Meucci para a invenção do telefone, ou seja, atestando a o italiano como o verdadeiro inventor do aparelho. Apesar disso, a patente de Bell não foi anulada ou modificada. • Em contrapartida, 10 dias depois, em 21 de junho de 2002, o parlamento canadense aprovou unanimemente uma moção a Alexander Graham Bell, reafirmando o escocês como o inventor do telefone. A posição canadense é vista como uma resposta à ofensa à horna de Bell, que viveu no Canadá e é muito celebrado no país.
  • 13.
  • 14.
  • 15. 4ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL São sete horas da manhã do dia 13 de abril de 2025. Seu relógio te desperta de uma noite sem sonhos e você sai da cama na mesma hora em que sua casa acorda. A luz do banheiro se acende e o chuveiro começa a esquentar a água. Depois do banho, você veste uma camiseta feita sob medida. Você checa seu celular e descobre que a bateria está prestes a acabar. Uma janelinha na tela te informa que não há com o que se preocupar — há uma bateria substituta à caminho. Você ouve seu carro se ligando na garagem, pronto para te levar para a fábrica que você gerencia, onde, de acordo com seu celular, uma das máquinas parou de funcionar. Ir até o seu trabalho se tornou um fenômeno cada vez mais raro — na maior parte do tempo, a fábrica funciona de forma independente. “Que saco", você reclama enquanto o carro sai da sua garagem. “Essas geringonças só dão trabalho." Bem-vindo à quarta revolução industrial, onde todos os objetos do seu dia a dia são feitos sob medida e conversam entre si para resolver seus problemas.
  • 16. • A quarta revolução industrial, mais conhecida como "Indústria 4.0", foi nomeada assim por um grupo liderado por empresários, políticos e acadêmicos, que a definiram como uma forma de aumentar a competitividade da indústria alemã por meio da inserção de "sistemas ciber- físicos", ou CPS, aos processos industriais. • CPS é um termo genérico para todo tipo de integração entre máquinas inteligentes e mão de obra humana. Os donos de fábricas não estão apenas reinventando a linha de produção, mas sim criando uma rede de máquinas que produz mais com menos erros; e tem a capacidade de alterar seus padrões de produção de acordo com dados externos, mantendo um alto padrão de eficiência. • Em outras palavras, a Indústria 4.0 é o equivalente industrial da Internet das Coisas, a ideia de conectar toda sorte de objetos, de termostatos a torradeiras, à internet.
  • 17. 4ª Revolução Industrial • Estamos a bordo de uma revolução tecnológica que transformará fundamentalmente a forma como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos. Em sua escala, alcance e complexidade, a transformação será diferente de qualquer coisa que o ser humano tenha experimentado antes", diz Klaus Schwab, autor do livro A Quarta Revolução Industrial, publicado este ano. (outubro de 2016) • Os "novos poderes" da transformação virão da engenharia genética e das neurotecnologias, duas áreas que parecem misteriosas e distantes para o cidadão comum. • No entanto, as repercussões impactarão em como somos e como nos relacionamos até nos lugares mais distantes do planeta: a revolução afetará o mercado de trabalho, o futuro do trabalho e a desigualdade de renda. Suas consequências impactarão a segurança geopolítica e o que é considerado ético. • Quando falam de Revolução 4.0: nanotecnologias, neurotecnologias, robôs, inteligência artificial, biotecnologia, sistemas de armazenamento de energia, drones e impressoras 3D.
  • 18.
  • 19.
  • 20. História . Aula 01 4 – O pioneirismo da Inglaterra Revolução Industrial O pioneirismo inglês no processo de Revolução Industrial em meados do século XVIII, pode ser explicado por diversos fatores:  A BURGUESIA NO PODER Revoluções Inglesas – Revolução Gloriosa  RESERVAS DE CARVÃO MINERAL A Inglaterra possuía grandes reservas de carvão mineral em seu subsolo, sendo essa a principal fonte de energia para movimentar as máquinas e as locomotivas à vapor.
  • 21. História . Aula 01 Revolução Industrial RESERVAS DE MINÉRIO DE FERRO A Inglaterra possuía grandes reservas de minério de ferro, sendo essa a principal matéria-prima utilizada na indústria.  MÃO-DE-OBRA DISPONÍVEL A aprovação da Lei dos Cercamentos de Terra (enclousures) na Inglaterra foi responsável por um grande êxodo no campo, e consequentemente pela disponibilidade de mão-de-obra abundante e barata nas cidades. ACUMULAÇÃO DE CAPITAL A grande quantidade de capital acumulado durante a fase do mercantilismo, permitiu que a burguesia inglesa tivesse recursos financeiros suficientes para financiar as fábricas, comprar matéria-prima e máquinas e contratar empregados. LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA O fato de a Inglaterra ser uma ilha situada à margem da Europa ocidental facilitou o acesso ao comércio marítimo e à exportação dos grandes mercados
  • 22.  MERCADO CONSUMIDOR: As colônias representaram uma expressiva fatia do mercado consumidor inicial. Das colônias, os britânicos obtinham matérias primas e vendiam seus maquinofaturados.  A RELIGIÃO ANGLICANA De ideologia mais pratica e incentivadora de investimentos, em detrimento dos países católicos, estagnados nas "verdades da Igreja".  SUPREMACIA DA MARINHA MERCANTE INGLESA A partir de 1650, os Atos de Navegação de Cromwell garantem o monopólio das rotas marítimas.  REVOLUÇÃO INTELECTUAL Vai impulsionar mais livremente, onde os pensadores e cientistas não vão ser demonizados, não que não vai haver rejeição pelas máquinas, muito pelo contrário, houve quebra - quebra e punições. Porém o sistema jurídico na Inglaterra nesse momento já não consegue ditar muitas regras contra o capitalismo, porque há até mesmo burgueses de ambos os lados.
  • 23. História . Aula 01 6 - OS PRINCIPAIS AVANÇOS DA MAQUINOFATURA Revolução Industrial A industrialização da segunda metade do século XVIII iniciou-se com a mecanização do setor têxtil, cuja produção tinha amplos mercados nas colônias, inglesas ou não, da América, África e Ásia. Entre as principais invenções mecânicas do período destacam-se:  1767 – Máquina de fiar (spinning jenny) de James Hargreaves Essa máquina era capaz de fiar 80 quilos de fios de um só vez sob os cuidados de um só operário.
  • 24. História . Aula 01 Revolução Industrial  1768 – Máquina a vapor Todas as invenções mecânicas ganharam maior capacidade quando passaram a ser acoplados à máquina a vapor, inventada por Thomas Newcomen (1712) e aperfeiçoada por James Watt. Com a gradativa sofisticação das máquinas, houve aumento da produção e geração de capitais, que eram reaplicados em novas máquinas. Após o setor têxtil, a mecanização alcançou o setor metalúrgico, impulsionou a produção em série e levou à modernização e expansão dos transportes.  1769 - Tear hidráulico ( water frame), de Richard Arkwright  1779 – Samuel Crompton inventa a “mule” uma combinação da “water frame” com a “spinning jenny” com os fios finos e resistentes.
  • 25. História . Aula 01 Revolução Industrial  1785 - Tear mecânico de Edmond Cartwright
  • 26. História . Aula 01 Revolução Industrial  1814 – George Stephenson idealizou a LOCOMOTIVA A VAPOR  1805 – O norte-americano Robert Fulton revoluciou a navegação marítima criando o BARCO A VAPOR.
  • 27. História . Aula 01 Revolução Industrial 9 – OS DESDOBRAMENTOS DA REVOLUÇÃOINDUSTRIAL PARA A SOCIEDADE A Revolução Industrial alterou profundamente as condições de vida do trabalhador braçal.  Provocou inicialmente um intenso deslocamento da população rural para as cidades, com enormes concentrações urbanas.
  • 28. História . Aula 01 Revolução Industrial  A produção em larga escala e dividida em etapas distanciou cada vez mais o trabalhador do produto final, já que cada grupo de trabalhadores domina apenas uma etapa da produção. O proletariado urbano surgiu como uma classe bem definida e submetida às péssimas condições de moradia (cortiços), salários irrisórios e com uma extensa jornada de trabalho diante da ausência de leis trabalhistas: 1780 – em torno de 80 horas por semana; 1820 – 67 horas por semana; 1860 – 53 horas por semana
  • 29. História . Aula 01 Revolução Industrial  O agravamento dos problemas sócio-econômicos com o desemprego e a fome, foram acompanhados de outros problemas, como a prostituição e o alcoolismo.  O barulho e poluição passaram a fazer parte do cotidiano dos moradores dos centros urbanos.  O desenvolvimento das ferrovias irá absorver grande parte da mão-de-obra masculina adulta, provocando, em escala crescente, a utilização de mulheres e crianças como trabalhadores nas fábricas têxteis e nas minas.
  • 30.  Desenvolvimento dos meios de transportes e de comunicação;  Aumento da produtividade (redução de preços);  Urbanização intensa;  Consolidação da burguesia;  Surgimento do proletariado (operário)  Esgotamento dos recursos naturais;  Modelos produtivos: Taylorismo (pretende alcançar o máximo de produção e rendimento com o mínimo de tempo e de esforço), Fordismo ( produção e consumo em massa) e o Toyotismo ( tecnologia da informática e da robótica)  Expansão do Imperialismo .
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34. Reação dos trabalhadores Os trabalhadores reagiram das mais diferentes formas. Podemos destacar alguns dos movimentos: LUDISMO: o nome vem de Ned Ludlan), caracterizado pela destruição das máquinas. CARTISMO : organizado pela “Associação dos Operários”, que exigiam melhores condições de trabalho e o fim do voto censitário. TRADE–UNIONS: associações de operários que evoluíram lentamente em suas reivindicações , originando os primeiros sindicatos modernos