SlideShare uma empresa Scribd logo
Didática I Ensino Superior
Prof. Hamilton F. Nobrega
Conteúdo Programático
 Importância do trabalho docente
 Entendendo o contexto do trabalho docente superior
 O que é didática
 Objetivos
 Divisão
 Histórico
 Características atuais da Didática
 Pedagogia x Andragogia
 Educação no Século XXI
 Fatores atuantes na dinâmica da sala de aula
Conteúdo Programático
 A problemática do desenvolvimento profissional docente superior
 A complexidade da profissão docente universitária
 Componentes do trabalho metodológico na Universidade
 Falhas no trabalho docente na Universidade
 Alunos universitários
 Algumas estratégias e técnicas para o ensino
 Técnicas comportamentais
 Técnicas para recursos visuais
 Técnicas e estratégias de aprendizagem
 Atividade avaliativa
Avaliação
 Atividade avaliativa :
• Entregar um plano de aula (3,0)
• Ministrar uma mini- aula de 15 min. (7,0)
Objetivo: Avaliar, ao final da disciplina, a forma didática de transmissão de
conhecimentos do aluno, como docente de ensino superior.
Modelo do
Plano de Aula
Parte I
Identidade do Professor
(...) o professor universitário aprende a
sê-lo mediante um processo de
socialização em parte intuitiva,
autodidata ou (...) seguindo a rotina dos
“outros”. Isso se explica sem dúvida,
devido a inexistência de uma formação
específica como professor universitário
(BENEDITO, p. 131, 1995).
O que pode fazer um docente?
A docência é importante para quê?
“(...) Por qualidade formal do docente entendemos a competência técnica,
domínio dos conteúdos, profissionalismo, conhecimento adequado. Por
qualidade política entendemos a habilidade de conceber e usar meios
técnicos para fins devidos, sobretudo éticos. O processo formativo do aluno
exige ambos os horizontes: precisa tornar-se profissional, mas precisa não
menos tornar-se cidadão. Espera-se que o docente saiba lidar com este
desafio de modo adequado, conjugando competência técnica com cidadania,
uma habilidade que poderíamos sumariar como “saber pensar”” (DEMO,
2000)
A atual conformação legal (LDB
9394/96) admite uma variedade de
tipos de instituições de ensino superior
Entendendo o Contexto do Trabalho
Docente Superior
Entendendo o Contexto do Trabalho
Docente Superior: Instituições
UNIVERSIDADE: Caracteriza-se pela autonomia didática,
administrativa e financeira, por desenvolver ensino, extensão e
pesquisa e, portanto, contar com número expressivo de mestres e
doutores.
CENTRO UNIVERSITÁRIO: Caracteriza-se por atuar em uma ou mais
áreas, com autonomia para abrir e fechar cursos e vagas de
graduação e ensino de excelência.
Entendendo o Contexto do Trabalho
Docente Superior: Instituições
FACULDADES INTEGRADAS: Reúnem instituições de diferentes áreas
do conhecimento e oferecem ensino e, as vezes, extensão e pesquisa;
.
INSTITUTO OU ESCOLAS SUPERIORES: Atuam em área específica do
conhecimento e podem ou não fazer pesquisa, além do ensino, mas
dependem do Conselho Nacional de Educação para criação de novos
cursos.
Entendendo o Contexto do Trabalho Docente
Superior: Seleção e Carreira
A seleção para o magistério superior é feita de diferentes maneiras,
atendendo às exigências de elevar a qualidade do ensino:
• Por concurso de provas e títulos;
• Por concurso de títulos;
• Por convite;
• Por convocação em jornais.
Entendendo o Contexto do Trabalho Docente
Superior: Seleção e Carreira
Na carreira do magistério superior, temos as seguintes categorias de
professores:
• Professor Titular: Título de Doutor
• Professor Adjunto: Título de Doutor ou Mestre
• Professor Assistente: Título de mestre
• Professor Auxiliar: Título de Especialista ou Mestrando
Entendendo o Contexto do Trabalho Docente
Superior: Seleção e Carreira
Na carreira do magistério superior, temos as seguintes categorias de
professores:
• Professor Visitante: Professor de outra instituição de Ensino Superior, nacional
ou estrangeira, que se propõe a fazer determinados estudos;
• Professor Convidado Professor renomado, que seria convidado por determinado
tempo, a fim de orientar pesquisas ou ministrar cursos regulares ou especiais,
assistidos por professores titulares, adjuntos e assistentes.
Entendendo o Contexto do Trabalho Docente
Superior
Ensino Aprendizagem
Transmissão de conhecimentos,
informações ou esclarecimentos
úteis e indispensáveis à educação
ou fim determinado
Processo pelo qual o indivíduo
aprende algo tanto teórico como
prático, e dentro das suas
necessidades
Entendendo o Contexto do Trabalho Docente
Superior
Educação
Pedagogia/
Andragogia
Didática
Entendendo o Contexto do Trabalho Docente
Superior
Educação
Andragogia
(Pedagogia)
Didática
Ato ou efeito de educar. Processo
de desenvolvimento das pessoas.
Processo global complexo.
Teoria e ciência da
educação e do ensino.
Conjunto de doutrinas,
princípios e métodos de
educação e instrução.
Arte de ensinar.
Métodos e técnicas de
ensino (estratégias).
Afinal, o que é Didática
 É o principal ramo da Pedagogia que
investiga os fundamentos, as condições e
os métodos que orientam a atividade
educativa, de forma a torná-la mais
eficiente.
Objetivos da Didática
 Converter objetivos sociopolíticos e pedagógicos em objetivos de ensino;
 Selecionar conteúdos e métodos em função dos objetivos de ensino;
 Estabelecer os vínculos entre ensino e aprendizagem, tendo em vista o
desenvolvimento das capacidades dos alunos.
Divisão da Didática
Estuda os princípios, as normas e as técnicas que devem regular
qualquer tipo de ensino, para qualquer tipo de aluno. Ela nos dá uma
visão geral da atividade docente.
Estuda os aspectos científicos de uma determinada disciplina ou faixa
de escolaridade. Analisa os problemas e as dificuldades que o ensino
de cada disciplina apresenta e organiza os meios e as sugestões para
resolvê-los. Assim, temos as didáticas especiais das línguas (inglês,
espanhol etc.), as didáticas especiais das ciências (física, química etc.).
Didática
Geral
Didática
Especial
Resumo Histórico da Didática
 Entre os anos 20 e 50 – supera o tradicionalismo, e busca os
princípios de individualidade e liberdade – aprender fazendo.
 Nos 60 a 80 – trata o processo de ensino-aprendizagem como
uma ação intencional e sistêmica – ênfase na produtividade,
eficiência, racionalização, operatividade e controle.
Resumo Histórico da Didática
 Momento atual – perspectivas de assumir a
multifuncionalidade do processo de ensino-aprendizagem e
articular suas três dimensões: técnica, humana e política no
centro configurador de sua temática.
Características Atuais da Didática
 Trabalhar sempre contextualizando teoria x prática;
 Trabalhar as dimensões técnicas e humanas;
 Análisar diferentes metodologias, buscando adequar a visão do homem,
da sociedade, e do conhecimento;
 Assumir o compromisso com a transformação social, buscando tornar o
ensino eficaz para maior parte da população;
 Romper com a prática profissional individualista, promovendo trabalhos
multidisciplinares.
Pedagogia
x
Andragogia
Características da
Aprendizagem
Pedagogia Andragogia
Relação
Professor/Aluno
Professor é o centro das
ações, decide o que ensinar,
como ensinar e avalia a
aprendizagem
A aprendizagem adquire uma
característica mais centrada no aluno,
na independência e na auto-gestão
Razões
da
Aprendizagem
Crianças (ou adultos) devem
aprender o que a sociedade
espera que saibam (seguindo
um currículo padronizado
Pessoas aprendem o que realmente
precisam saber
Experiência
do
Aluno
O ensino é didático,
padronizado e a experiência
do aluno tem pouco valor
A experiência é rica fonte de
aprendizagem, através da discussão e
da solução de problemas em grupo
Orientação
Da
Aprendizagem
Aprendizagem por assunto ou
matéria
Baseada em problemas, exigindo
ampla gama de conhecimentos para
se chegar a solução
Educação do Século XXI
 Desenvolvimento pleno do indivíduo e da
sociedade, visando o preparo para inserção no
mercado de trabalho de forma reflexiva,
facilitando o entendimento das problemáticas
atuais e possibilitando a construção de
habilidades e competências diferenciadas.
Educação do Século XXI
 Nesse sentido, as IES deve se reconfigurar em relação ao sistema
capitalista e nos modos de produção.
 E a primeira vertente a ser explorada para estar de acordo com
essas novas configurações é repensar a formação do docente do
ensino superior.
Educação do Século XXI
 Professor, professor.
 Professor, profissional.
Educação do Século XXI
Dimensão 1: Estímulo Intelectual
 As salas de aula das universidades são fundamentalmente arenas
dramáticas nas quais o professor é o ponto focal, como o ator ou orador em
um palco. Os estudantes estão sujeitos às mesmas influências – tanto em
termos de satisfação quanto de distração – como qualquer público.
 Ministrar aula é uma arte de interpretação: professores organizam suas
aulas; usam suas vozes; seus gestos e movimentos; devem ainda transmitir
um forte sentimento de presença, de energia altamente concentrada.
Educação do Século XXI
Dimensão 1: Estímulo Intelectual
 Alguns professores conseguem isso sendo extremamente entusiásticos,
animados ou espirituosos, enquanto outros conseguem com estilo mais
calmo, mais sério e intenso, mais igualmente envolvente.
 A capacidade de estimular emoções e envolver os alunos separa o
professor competente de outros excelentes professores universitários.
Educação do Século XXI
Dimensão 2: Relacionamento Interpessoal
 A sala de aula da universidade, na teoria é: é estritamente um ambiente
intelectual e racional .
 A sala de aula na prática é: uma arena interpessoal emocionalmente
carregada, na qual ocorre uma ampla gama de fenômenos psicológicos.
 Exemplo: A motivação dos estudantes será reduzida se eles se sentirem que
não são apreciados por seus professores ou que são controlados de modo
coercitivo e autoritário.
Educação do Século XXI
Dimensão 2: Relacionamento Interpessoal
 No grupo, todos os estudantes tem um potencial para reagir
emocionalmente quando são desafiados e avaliados.
 Professores também são influenciados ao que acontece em sala de aula,
muitos eventos podem interferir no seu prazer de ensinar e diminuir sua
motivação. São humanos e também desejam ser respeitados e apreciados.
 A meta própria das classes na universidade é o ‘trabalho’ e somente a
compreensão dos obstáculos do trabalho, que resultam da
complexidade do dever do professor, da diversidade dos estudantes e
da natureza do desenvolvimento do grupo pode levar o professor a
contribuir de modo afetivo para a meta” (FERNANDES 2001.)
 Como atingir essa meta?
Fatores Atuantes na Dinâmica
da Sala de Aula
 O papel da emoção do ser humano;
 Atitudes que influenciam os fenômenos interpessoais na sala de aula:
atitudes dos estudantes – atitudes dos professores – o moral da classe – o
moral do professor;
 A psicologia dos professores;
 As fontes de satisfação;
 As fontes de insatisfação;
 A comunicação: tipos de linguagens adotadas, feedback, rapport;
 Comportamentos de professor e alunos – liderança;
 Nível de maturidade dos estudantes.
Fatores Atuantes na Dinâmica
da Sala de Aula
 É indispensável a profissionalização do professor universitário como parte da
redefinição do papel da universidade frente à nova conjuntura tecnológica e
globalizada e necessária melhoria da qualidade de ensino, que vem sendo
proclamada há pelo menos uma década com a divulgação do plano nacional de
graduação – um projeto em construção (PNG,1999);
 PNG: texto apreciado e aprovado no XII Fórum Nacional de Pró-reitores de
graduação das Universidades Brasileiras, realizado na cidade Ilhéus/Bahia, 1999.
A Problemática do Desenvolvimento
Profissional Docente Superior
 Já se passaram quase 20 anos e as principais propostas do plano
não foram cumpridas: nem melhorou a educação superior, nem o
profissionalismo dos professores
A Problemática do Desenvolvimento
Profissional Docente Superior
I. A expansão quantitativa da educação superior e o consequente
aumento do número de docentes. No entanto, em sua maioria,
são professores improvisados, não preparados para desenvolver
a função de pesquisadores e sem formação pedagógica.
Preocupações Ligadas ao Trabalho Docente
Superior
I. Ll
II. Preocupação com a qualidade dos resultados do ensino superior,
sobretudo, do ensino na graduação. As pesquisas demonstram a
importância da preparação no campo específico e no campo
pedagógico dos docentes
Preocupações Ligadas ao Trabalho Docente
Superior
I. Ll
II. P
III. Novas demandas de trabalho: educação à distância, novas
tecnologias, financiamento do ensino e da pesquisa, a
autonomia e as responsabilidades das instituições, os direitos e
liberdades do professor de ensino superior, entre outras.
Preocupações Ligadas ao Trabalho Docente
Superior
I. Ll
II. P
III. N
IV. Influência das novas configurações de trabalho na sociedade
contemporânea da informação e do conhecimento, das
tecnologias avançadas, reduzindo a empregabilidade. Em
decorrência, nota-se um afluxo dos profissionais liberais ou ex-
empregados, partirem ao exercício da docência no ensino
superior, cuja oferta de empregos encontra-se em expansão.
Preocupações Ligadas ao Trabalho Docente
Superior
I. Ll
II. P
III. N
IV. I
V. Exigência de permanente requalificação como condição de
trabalho. O resultado disso é a expansão da oferta de cursos de
pós-graduação lato e strictu sensu.
Preocupações Ligadas ao Trabalho Docente
Superior
“A preparação para o exercício do magistério superior far-se-á em
nível de pós-graduação, prioritariamente em programas de
mestrado e doutorado. Parágrafo único: O notório saber,
reconhecido por universidade com curso de doutorado em área afim,
poderá suprir a exigência do título acadêmico “(LDBEN, art. 66)
 Implica em uma dupla profissionalização, ambas de altíssima
responsabilidade:
 A profissional
 A de pesquisador competente
A Complexidade da Profissão Docente
Universitária
 Que exigem:
 Domínio e atualização dos métodos da ciência e amplo prestígio na sua
comunidade acadêmica, abalado pelos resultados obtidos no campo da
produção e da divulgação de conhecimento científico;
 Domínio das qualidades necessárias a um educador: entendimento da
realidade educacional, capacidade para situar-se no ponto de vista de seus
alunos e colegas de trabalho, habilidades para procurar soluções aos
problemas de aprendizagem, disposição para produzir e refletir em grupo.
A Complexidade da Profissão Docente
Universitária
Componentes do Trabalho Metodológico na
Universidade
 Pessoas: os estudantes, os professores,
gestores, coordenadores acadêmicos.
 Componentes didáticos: o problema, o
objeto, os objetivos, os conteúdos, os
métodos, as formas de organização, os
meios e os resultados.
 O problema: é a identificação de obstáculos e necessidades, e
expressa a condição que se gera no seio das instituições de
Educação Superior, em três dimensões complementares:
• a aspiração da sociedade em relação ao papel e missão da educação
superior;
• a necessidade de formar profissionais cada vez mais preparados;
• a falta de um corpo docente devidamente formado, com similares
concepções pedagógicas ou didáticas.
Componentes do Trabalho Metodológico na
Universidade
 O objeto: de uma parte, o professor com suas necessidades de
formação contínua e, de outra, o processo pedagógico da
Universidade, cuja elevação da qualidade é também uma
necessidade
 O objetivo: expressa a aspiração, o propósito final que os sujeitos se
propõem. A preparação do pessoal docente para enfrentar as
mudanças educacionais.
Componentes do Trabalho Metodológico na
Universidade
 O conteúdo: é o sistema de conhecimentos da pedagogia e da
didática, os conteúdos das disciplinas escolares, os conhecimentos
filosóficos, psicológicos e sociológicos relacionados com a
pedagogia.
 O método: é principalmente o trabalho em grupos, em equipes, em
coletivos; é a análise das práticas, o apoio mútuo, a supervisão e o
feedback, a comunicação horizontal, a reflexão coletiva
Componentes do Trabalho Metodológico na
Universidade
 Os meios: como todo processo ativo e consciente, são instrumentos
materiais e intelectuais em que se apoiam os sujeitos participantes
para transformar o objeto.
Ex: As TICs.
 As formas: tem a ver com a organização temporal e espacial que se
adota para a efetivação do processo.
 O trabalho docente metodológico: é a própria atividade docente.
Componentes do Trabalho Metodológico na
Universidade
“O comandante que não for versado na arte variar os planos,
mesmo que tenha conhecimento das cinco vantagens não
conseguirá fazer melhor uso dos soldados”. (Sun Tzu)
Componentes do Trabalho Metodológico na
Universidade
Um professor não pode passar a vida inteira dando
a mesma aula, sempre da mesma maneira. Somente
com o aperfeiçoamento constante, a variação das
estratégias acontece.
“Esses são os cinco pecados perniciosos à conduta da guerra, que
tenham um general com maior frequência (Sun Tzu):
Falhas no Trabalho Docente na Universidade
1. Imprudência
2. Covardia
3. Temperamento impetuoso
4. Sentimento de honradez
5. Excessiva solicitude
“Esses são os cinco pecados perniciosos à conduta da guerra, que
tenham um general com maior frequência (Sun Tzu):
Falhas no Trabalho Docente na Universidade
1. Imprudência
2. Covardia
3. Temperamento impetuoso
4. Sentimento de honradez
5. Excessiva solicitude
Leva à destruição
“Esses são os cinco pecados perniciosos à conduta da guerra, que
tenham um general com maior frequência (Sun Tzu):
Falhas no Trabalho Docente na Universidade
1. Imprudência
2. Covardia
3. Temperamento impetuoso
4. Sentimento de honradez
5. Excessiva solicitude
Leva à destruição
Leva à rendição
“Esses são os cinco pecados perniciosos à conduta da guerra, que
tenham um general com maior frequência (Sun Tzu):
Falhas no Trabalho Docente na Universidade
1. Imprudência
2. Covardia
3. Temperamento impetuoso
4. Sentimento de honradez
5. Excessiva solicitude
Leva à destruição
Leva à rendição
É provocado facilmente
“Esses são os cinco pecados perniciosos à conduta da guerra, que
tenham um general com maior frequência (Sun Tzu):
Falhas no Trabalho Docente na Universidade
1. Imprudência
2. Covardia
3. Temperamento impetuoso
4. Sentimento de honradez
5. Excessiva solicitude
Leva à destruição
Leva à rendição
É provocado facilmente
É suscetível e torna vulnerável à calúnia
“Esses são os cinco pecados perniciosos à conduta da guerra, que
tenham um general com maior frequência (Sun Tzu):
Falhas no Trabalho Docente na Universidade
1. Imprudência
2. Covardia
3. Temperamento impetuoso
4. Sentimento de honradez
5. Excessiva solicitude
Leva à destruição
Leva à rendição
É provocado facilmente
É suscetível e torna vulnerável à calúnia
Expõe a preocupações problemas
 De forma geral, os estudantes universitários não são exatamente
adultos, mas estão próximos desta fase de suas vidas.
 O ensino clássico pode resultar, para muitos deles, num retardamento
da maturidade, já que exige dos alunos uma total dependência dos
professores e currículos estabelecidos. As iniciativas não encontram
apoio, nem são estimuladas.
E os alunos Universitários?
 A instituição e o professor decidem o que, quando e como os alunos
devem aprender cada assunto ou habilidade. E estudantes deverão se
adaptar a estas regras fixas.
 Alguns alunos conseguem manter seus planos, ideais e trajetórias,
reagindo contra estas imposições e buscando seus próprios caminhos.
Geralmente serão penalizados por baixos conceitos e notas, já que não
seguem as regras da instituição.
E os alunos Universitários?
 Para evitar este lado negativo do ensino universitário, é
necessário que sejam introduzidos conceitos andragógicos nos
currículos e abordagens didáticas dos cursos superiores.
E os alunos Universitários?
 Cabe o papel central de sujeito que exerce ações necessárias
para que aconteça sua aprendizagem (buscar as informações,
trabalhá-las, produzir conhecimento, adquirir habilidades, mudar
atitudes e adquirir valores).
E os alunos Universitários?
O professor abandona seu papel de
transmissor de conhecimentos e adquire a
postura de mediador pedagógico (orientador)
no processo ensino-aprendizagem
I. Apesar de desempenhar também um papel político e social, o
docente tem seu foco no processo de ensino-aprendizagem, e para
lidar com a diversidade de indivíduos que constituem o cenário
universitário.
Algumas Considerações acerca do Trabalho
Docente Superior
II. O docente deverá possuir não apenas o domínio específico da
área, mas também o domínio das áreas pedagógicas/andragógicas e
o desenvolvimento das habilidades essenciais para o exercício
docente, portanto, o docente do ensino superior deve, acima de
tudo, ser um profissional da educação.
Algumas Considerações acerca do Trabalho
Docente Superior
III. O docente deverá buscar desenvolver os alunos, nos diversos
aspectos de sua personalidade, que envolvem as capacidades
intelectuais – pensar, raciocinar, refletir, buscar informações,
analisar e criticar, argumentar, pesquisar e produzir conhecimento.
Algumas Considerações acerca do Trabalho
Docente Superior
IV. O docente deverá buscar desenvolver nos alunos habilidades
humanas e profissionais – trabalhar em equipe, incentivar o diálogo
com profissionais de outras especialidades dentro de sua área,
realizar projetos, comunicar-se, apresentar trabalhos, entre outras.
Algumas Considerações acerca do Trabalho
Docente Superior
V. O docente deverá buscar desenvolver nos alunos valores e
atitudes integrantes da vida profissional – a importância da
formação continuada, os princípios éticos de sua atividade
profissional, as condições culturais, políticas e econômicas da
sociedade.
Algumas Considerações acerca do Trabalho
Docente Superior
Parte II
“E existe a ação depois da capacitação? - A
gente esquece. Inclusive quando recebe o
diploma e dizem que a gente está
capacitado. A verdadeira capacitação vai
começar depois, com a prática que a gente
vai ter.” (FREIRE, 1982, p. 93)
“E esta coerência vai crescendo na medida sobretudo em que a
gente descobre outra obviedade que é a seguinte: não é o
discurso, a oralidade, o que ajuíza a prática, mas ao contrário, é
a prática quem ajuíza o discurso.” (FREIRE, 1982, p. 93)
Nesse sentido a Universidade pode ser um
ambiente favorecedor para o docente
refletir, investigar e planejar sua prática
pedagógica.
(Cambridge, Reino Unido)
Algumas Estratégias e
Técnicas para o Ensino
• Dois inimigos bloqueiam o desempenho do docente: Timidez e
Despreparo;
• As primeiras aulas são decisivas:
Forma-se uma opinião sobre o
professor.
• Em uma aula, dois elementos são cruciais: a maneira de falar e a
maneira de apresentar o conteúdo;
Técnicas Comportamentais
•Deve-se ficar em pé, de frente, sem qualquer
barreira física;
•Olhar descontraído e amigável (mesmo em
pânico);
Técnicas Comportamentais
Atributos de uma boa comunicação:
Entonação  Elocução pausada  Clareza de articulação
Modulação de voz: variação de voz e tom (evitar tom
monótono)
Função da mímica:
 Fisionomia  movimento dos braços e das mãos
Técnicas Comportamentais
• Utilização efetiva dos recursos
audiovisuais;
• Contato visual adequado;
• Clareza na pronúncia e fluência;
• Velocidade adequada;
• Movimentos de postura e do corpo,
sugerindo confiança
Técnicas Comportamentais
• Defeitos da mímica;
• Movimentos descontrolados das mãos;
• Tom monótono;
• Pôr ênfase indiscriminadamente em vocábulos;
• Tiques de linguagem: “né”, “tá” , “certo”
• Gírias e modismos;
• Fixar o olhar em pontos: janela, teto, chão
Cuidado...
Técnicas Comportamentais
• Dizer: “ - Isso não é importante, vamos
passar a diante...”
• Utilizar o celular em sala de aula (mesmo
quando for dia de prova)
• Cochilar durante apresentações de trabalho
• Ler Slides - É entediante e passa a
impressão de falta de conhecimento
Evitar...
Técnicas Comportamentais
• Vestir-se adequadamente: roupas claras e
discretas;
• Sapatos e sandálias confortáveis;
• Pontualidade;
• Crie empatia;
• Nenhuma técnica é mais importante que a sua
naturalidade.
Apresentação pessoal
Técnicas Comportamentais
• Não se apoiar em objetos (mesas, cadeiras);
• Não caminhar em frente à tela de projeção;
• Não ficar parado o tempo todo;
• Não dar as costas (salvo quando estiver fazendo
anotações no quadro)
Postura
Técnicas Comportamentais
•Respeitar o limite de 1 cm para as margens;
•Nunca usar fonte menor que 24;
•Manter o padrão de fonte;
•Evitar “superlotação” do slide
Técnicas para Recursos Visuais: Slides
•Usar cores com contraste adequado entre fundo e texto;
•Se necessário, usar negrito para aumentar o contraste;
•Ser criativo: escolher cores e inserir ilustrações;
•Ter várias cópias (pendrive, CD, e-mail)
Técnicas para Recursos Visuais: Slides
• Cuidado com as fontes (tipos de letras)
que for utilizar;
• Não existe apenas fonte Arial
• Havendo muitos itens, não apresentar tudo em um só;
• É preferível dividir;
Técnicas para Recursos Visuais: Slides
Cuidado com a
legibilidade
Cuidado com o
contraste
Preparação de Slides
•Figuras demais desviam o foco;
•Gifs com podem atrapalhar a leitura;
Não use efeito apenas para mostrar que você
conhece bem o
Preparação de Slides: Figuras e efeitos
Preleção verbal com o objetivo de
transmitir conhecimentos
Técnicas e Estratégias de Aprendizagem:
Aula Expositiva Dialógica
• O que é?
Aquisição de conhecimentos e sua
análise crítica para produção de
novos conhecimentos
• Para que serve?
Apresentação dos objetivos relacionando a disciplina com o
curso;
Exposição o tema;
Questionamentos, críticas, soluções
Técnicas e Estratégias de Aprendizagem:
Aula Expositiva Dialógica
• Como desenvolver?
Participação; compreensão e análise dos conceitos;
apresentação de soluções e problemas; logicidade na
exposição dos pontos de vista
• Como avaliar?
A capacidade de estudar um problema em equipe;
 A capacidade de discutir e debater, superando a
simples justaposição de ideias;
Aprofundar a discussão de um tema chegando a
conclusões;
Aumentar o conhecimento mediante a diversidade
de interpretações sobre o mesmo assunto;
Técnicas e Estratégias de Aprendizagem:
Trabalho em Grupo
• Quais são os objetivos que podemos desenvolver?
Que todos os participantes tenham clareza sobre
qual é o objetivo daquela atividade em grupo; onde
se pretende chegar;
Que se distribuam funções entre os participantes:
um coordenador, um relator, um cronometrista;
 Que cada participante do grupo se disponha a ouvir
seu companheiro
Técnicas e Estratégias de Aprendizagem:
Trabalho em Grupo
• Regras básicas para o bom funcionamento de um grupo:
Pequenos grupos com uma só tarefa;
Pequenos grupos com tarefas diversas;
Grupo de verbalização e grupo de observação (GVGO);
Pequenos grupos para formular questões;
Técnicas e Estratégias de Aprendizagem:
Trabalho em Grupo
• Exemplos de dinâmicas de grupos:
Exploração pelo aluno da ideia do
autor a partir de estudo crítico
Técnicas e Estratégias de Aprendizagem:
Estudo de Texto
O que é?
Aquisição de conhecimentos,
habilidades ou atitudes
Para que serve?
Leitura analítica
Problematização e síntese
Como desenvolver?
Produções escritas e comentários
dos alunos (interpretação, análise
e julgamento)
Como avaliar?
Técnicas e Estratégias de Aprendizagem:
Estudo de Texto
Análise Textual
PREPARAÇÃO DO TEXTO
Visão do conjunto, Busca de esclarecimentos, Vocabulário, Doutrinas, Fatos, Autores,
Esquematização.
Análise
Temática
COMPREENSÃO DA MENSAGEM
Tema, Problema, Tese, Raciocínio e Ideias secundárias.
Análise
Interpretativa
LEVANTAMENTO E DISCUSSÃO DE PROBLEMAS
Relacionadas com a mensagem do autor.
Problema-
tização
INTERPRETAÇÃO DA MENSAGEM
Corrente filosóficas e influências, Pressupostos, Associação de idéias; crítica.
Síntese REELABORAÇÃO DA MENSAGEM
Com base na reflexão pessoal.
Técnicas e Estratégias de Aprendizagem:
Seminário
Técnica de discussão onde um grupo sob
orientação de um instrutor, investiga
problemas e relata resultados para
discussão e crítica
O que é?
Promover situações para solução de
problemas colocados em discussões
induzindo o grupo à participação efetiva
Para que serve?
Técnicas e Estratégias de Aprendizagem:
Seminário
Preparação
• O professor apresenta e
justifica o tema.
• Data das apresentações.
• Orientação aos alunos.
• Organiza espaço físico
• Como desenvolver?
Desenvolvimento
• Discussão informal do tema
pelos grupos.
• Apontamentos e soluções;
• Conclusões do grande
grupo (sala)
Relatório
• Resumo escrito com
as ideias e conclusões
das discussões
realizadas.
Técnicas e Estratégias de Aprendizagem:
Seminário
Como
avaliar?
CRITÉRIOS/PONTUAÇÃO
Clareza e coerência.
Domínio do conhecimento.
Participação do grupo.
Dinâmicas e/ou recursos audiovisuais.
Relação teoria-prática, crítica.
NOTA FINAL (média na escala acima)
Técnicas e Estratégias de Aprendizagem:
Mapa Conceitual
Diagrama que indica a relação hierárquica entre os
conceitos
O que é?
Instrumento para compartilhar, trocar e negociar
estratégias de aprendizagem e de avaliação.
Investigar mudanças na estrutura cognitiva do
aluno. Modificar a abordagem dos conteúdos pelo
professor.
Para que serve?
Técnicas e Estratégias de Aprendizagem:
Mapa Conceitual
• Como desenvolver?
 Identificar conceitos-chave;
 Selecionar conceitos por ordem de importância;
 Incluir, se for o caso, conceitos e idéias mais específicos;
 Relacionar conceitos por meio de linhas e identificá-los por palavras;
 Conceitos e palavras devem ter significado ou expressar uma preposição;
 Estabelecer relações horizontais e cruzadas.
Técnicas e Estratégias de Aprendizagem:
Mapa Conceitual
• Como desenvolver?
 Lembrar que não há forma única de traçar o mapa conceitual, pois trata-se de uma
representação dinâmica da compreensão pessoal no momento da sua organização.
 Permitir que o aluno compartilhe seu mapa conceitual com os colegas e relembre
quantas vezes for necessário.
 Questionar a localização de certos conceitos para que o aluno verbalize seu
entendimento
Técnicas e Estratégias de Aprendizagem:
Mapa Conceitual
Técnicas e Estratégias de Aprendizagem:
Mapa Conceitual
Como avaliar?
Os critérios deverão ser explicitados ao grupo antes
de qualquer correção no mapa conceitual.
Exemplo de critérios: conceitos claros, relações
justificadas, riqueza de ideias, criatividade na
organização, lógica na organização, representatividade
do conteúdo trabalhado.
Técnicas e Estratégias de Aprendizagem:
Estudo de Caso
O que é?
Análise minuciosa e objetiva de uma situação real investigada. O caso permite ampla
análise e intercâmbio de ideias, reflexão crítica e relações teóricas, éticos e práticas
relevantes, além da participação de todos para efetuar operações mentais requisitadas.
Para que serve?
Enriquecer e dinamizar o processo educacional, desenvolver habilidades cognitivas, de
planejamento e, sobretudo, habilidades relacionadas à tomada de decisões.
Técnicas e Estratégias de Aprendizagem:
Estudo de Caso
Como desenvolver?
• o professor esclarece os objetivos;
• exposição do caso, distribuição ou leitura do problema;
• o grupo analisa o caso, pontos de vista e enfoques para o problema;
• terminadas as discussões o professor relata os problemas e as soluções
apresentadas;
• o grupo avalia as soluções.
Apresentação de conceitos e
ideias, sem restrição dos
esquemas lógicos de
pensamento. Somente após a
colocação de todas a ideias,
procede-se a crítica.
Técnicas e Estratégias de Aprendizagem:
Explosão de Ideias
O que é?
O professor apresenta o
“estímulo” e solicita aos alunos
que digam o que pensam sobre
ele. Registra no quadro,
analisa discute e procede a
avaliação técnica.
Como desenvolver?
Permite ao aluno estabelecer
associações, produzir, sintetizar,
selecionar, combinar e
desenvolver ideias,
favorecendo a iniciativa,
desenvolvendo a expressão
oral e as conclusões.
Técnicas e Estratégias de Aprendizagem:
Explosão de Ideias
Para que serve?
Pela observação e análise da
participação, conteúdo das
afirmações, críticas e
conclusões após a explosão de
ideias.
Como avaliar?
Reunião de palestras e preleções
breves apresentadas por vários
indivíduos sobre um assunto
Técnicas e Estratégias de Aprendizagem:
Simpósio
O que é?
Desenvolver habilidades sociais e
cognitivas, favorecer a integração da
aprendizagem, ampliar um
conteúdo
Para que serve?
Apresentação previamente
organizada, coordenador resume as
ideias apresentadas, o grande grupo
encaminhas perguntas
Como desenvolver?
Pertinência das questões
apresentadas, logica dos argumentos,
relações entre pontos de vista,
assimilação dos conhecimentos
Como avaliar?
Técnicas e Estratégias de Aprendizagem:
Painel
O que é?
Discussão
informal entre
interessados ou
envolvidos pela
matéria em
análise.
Para que serve?
Apresentar e discutir
um assunto; estimular
elaboração intelectual
Como desenvolver?
Alguns se colocam a frente
para tratar do assunto;
Cada pessoa tem um
tempo determinado;
Ao final, resumo e
perguntas
Como avaliar ?
Atenção
e concentração,
poder de síntese
e argumentos
consistentes
Técnicas e Estratégias de Aprendizagem:
Painel
Obrigado pela atenção!
Referências
• ALARCÃO, Isabel. Escola reflexiva e nova racionalidade. Porto Alegre: Artmed, 2001.
• ALMEIDA & PLACCO. O coordenador pedagógico e o espaço da mudança. São Paulo: Loyola, 2001.
• APOLINÁRIO, Mauricio. A arte da Guerra para professores. Brasília: Thesaurus, 2007.
• DRUCKER, Peter F. A sociedade pós-capitalista. 2ª ed. São Paulo: Pioneira, 1993.
• FERNANDES, Maria Nilza de Oliveira. Líder-educador: Novas formas de gerenciamento. Petrópolis: Vozes, 2001.
• FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 27ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
• FREIRE, Paulo. Educação: o sonho possível. In: BRANDÂO. Carlos R. (org) O educador: vida e morte. Rio de Janeiro : Edições Graal,
1985
• LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e pedagogos, para quê? São Paulo: Cortez, 1998.
• LIMA, Elvira Souza. A função antropológica de ensinar. Revista Nova Escola. São Paulo. 2000.
• MASSETTO, Marcos Tarciso. Competência pedagógica do professor universitário. São Paulo : Summus, 2003.
• MORIN, Edgar. Introdução ao Pensamento Complexo. 2ª edição, Lisboa: Instituto Piaget, 1990.
• NÓVOA, António (Coord.). Os professores e a sua formação. 3. ed. Lisboa: Publicaçõe Dom Quixote, 1997.
• PIMENTA, Selma Garrido; ANASTASIOU, Lea das Graças C. Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez, 2002.
• TEIXEIRA, Gilberto. Andragogia: A aprendizagem de adultos. FEA/USP. 2009.
• Universidade do Vale do Itajaí. Pró-Reitoria de Ensino. Formação continuada para docentes do ensino superior: apontamentos
para novas alternativas pedagógicas. Itajaí : UNIVALI, 2002.
• VEIGA, Ilma Passos Alencastro (org.). Técnicas de ensino: por que não? Campinas, São Paulo : Papirus, 1991.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmannAvaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Docência "in loco"
 
Didatica teórica e tendências
Didatica teórica e tendênciasDidatica teórica e tendências
Didatica teórica e tendências
Victor Nilu Fabiana Barros
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
Marcelo Assis
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
Linda-maria12
 
Gestão escolar
Gestão escolarGestão escolar
Organização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoOrganização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógico
Renata Peruce
 
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Mario Amorim
 
Introducao a didatica 1
Introducao a didatica  1Introducao a didatica  1
Introducao a didatica 1
Lukeili
 
DIDATICA Didática i aula
DIDATICA Didática i   aulaDIDATICA Didática i   aula
DIDATICA Didática i aula
Leandro Pereira
 
Formação de professor
Formação de professorFormação de professor
Formação de professor
carmemlima
 
Planejamento Educacional
Planejamento EducacionalPlanejamento Educacional
Planejamento Educacional
Simone Lucas
 
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolarSupervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
francinethmedeiros
 
Prática educativa, pedagogia e didática
Prática educativa, pedagogia e didáticaPrática educativa, pedagogia e didática
Prática educativa, pedagogia e didática
Victor Nilu Fabiana Barros
 
Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2
Joao Balbi
 
O papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professorO papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professor
na educação
 
Libâneo, josé carlos
Libâneo, josé carlosLibâneo, josé carlos
Libâneo, josé carlos
Soares Junior
 
Gestão democrática
Gestão democráticaGestão democrática
Gestão democrática
appfoz
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
Gerdian Teixeira
 
Filosofia da educação
Filosofia da educaçãoFilosofia da educação
Filosofia da educação
PedagogiaModular
 
Gestão democrática
Gestão democráticaGestão democrática
Gestão democrática
guestba32bfa
 

Mais procurados (20)

Avaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmannAvaliação mediadora -_jussara_hoffmann
Avaliação mediadora -_jussara_hoffmann
 
Didatica teórica e tendências
Didatica teórica e tendênciasDidatica teórica e tendências
Didatica teórica e tendências
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
 
Gestão escolar
Gestão escolarGestão escolar
Gestão escolar
 
Organização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoOrganização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógico
 
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
 
Introducao a didatica 1
Introducao a didatica  1Introducao a didatica  1
Introducao a didatica 1
 
DIDATICA Didática i aula
DIDATICA Didática i   aulaDIDATICA Didática i   aula
DIDATICA Didática i aula
 
Formação de professor
Formação de professorFormação de professor
Formação de professor
 
Planejamento Educacional
Planejamento EducacionalPlanejamento Educacional
Planejamento Educacional
 
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolarSupervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
 
Prática educativa, pedagogia e didática
Prática educativa, pedagogia e didáticaPrática educativa, pedagogia e didática
Prática educativa, pedagogia e didática
 
Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2Planejamento e ação docente 2
Planejamento e ação docente 2
 
O papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professorO papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professor
 
Libâneo, josé carlos
Libâneo, josé carlosLibâneo, josé carlos
Libâneo, josé carlos
 
Gestão democrática
Gestão democráticaGestão democrática
Gestão democrática
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 
Filosofia da educação
Filosofia da educaçãoFilosofia da educação
Filosofia da educação
 
Gestão democrática
Gestão democráticaGestão democrática
Gestão democrática
 

Destaque

Aula 11 Sistema urinário/excretor - anatomia
Aula 11   Sistema urinário/excretor - anatomiaAula 11   Sistema urinário/excretor - anatomia
Aula 11 Sistema urinário/excretor - anatomia
Hamilton Nobrega
 
Aula 12 sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologia
Aula 12   sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologiaAula 12   sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologia
Aula 12 sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
Aula 06 Sistema nervoso e sensorial - anatomia
Aula 06   Sistema nervoso e sensorial - anatomiaAula 06   Sistema nervoso e sensorial - anatomia
Aula 06 Sistema nervoso e sensorial - anatomia
Hamilton Nobrega
 
Aula 11 sistema respiratório
Aula 11   sistema respiratórioAula 11   sistema respiratório
Aula 11 sistema respiratório
Hamilton Nobrega
 
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologiaAula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
Aula 06 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tarso, metatarsos ...
Aula 06   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tarso, metatarsos ...Aula 06   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tarso, metatarsos ...
Aula 06 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tarso, metatarsos ...
Hamilton Nobrega
 
Aula 08 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - fêmur
Aula 08   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - fêmurAula 08   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - fêmur
Aula 08 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - fêmur
Hamilton Nobrega
 
Aula 07 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tíbia e fíbula
Aula 07   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tíbia e fíbulaAula 07   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tíbia e fíbula
Aula 07 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tíbia e fíbula
Hamilton Nobrega
 
Aula 06 fisiologia do sistema endócrino - atualizado
Aula 06   fisiologia do sistema endócrino - atualizadoAula 06   fisiologia do sistema endócrino - atualizado
Aula 06 fisiologia do sistema endócrino - atualizado
Hamilton Nobrega
 

Destaque (9)

Aula 11 Sistema urinário/excretor - anatomia
Aula 11   Sistema urinário/excretor - anatomiaAula 11   Sistema urinário/excretor - anatomia
Aula 11 Sistema urinário/excretor - anatomia
 
Aula 12 sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologia
Aula 12   sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologiaAula 12   sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologia
Aula 12 sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologia
 
Aula 06 Sistema nervoso e sensorial - anatomia
Aula 06   Sistema nervoso e sensorial - anatomiaAula 06   Sistema nervoso e sensorial - anatomia
Aula 06 Sistema nervoso e sensorial - anatomia
 
Aula 11 sistema respiratório
Aula 11   sistema respiratórioAula 11   sistema respiratório
Aula 11 sistema respiratório
 
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologiaAula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
 
Aula 06 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tarso, metatarsos ...
Aula 06   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tarso, metatarsos ...Aula 06   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tarso, metatarsos ...
Aula 06 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tarso, metatarsos ...
 
Aula 08 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - fêmur
Aula 08   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - fêmurAula 08   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - fêmur
Aula 08 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - fêmur
 
Aula 07 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tíbia e fíbula
Aula 07   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tíbia e fíbulaAula 07   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tíbia e fíbula
Aula 07 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tíbia e fíbula
 
Aula 06 fisiologia do sistema endócrino - atualizado
Aula 06   fisiologia do sistema endócrino - atualizadoAula 06   fisiologia do sistema endócrino - atualizado
Aula 06 fisiologia do sistema endócrino - atualizado
 

Semelhante a Didática Ensino Superior

didticaensinosuperior-170702221827-convertido.pptx
didticaensinosuperior-170702221827-convertido.pptxdidticaensinosuperior-170702221827-convertido.pptx
didticaensinosuperior-170702221827-convertido.pptx
Halysson Dantas
 
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Giba Canto
 
didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3
jairdeoliveirajunior
 
Estrutura e tendências politicas
Estrutura e tendências politicasEstrutura e tendências politicas
Estrutura e tendências politicas
Alexsandro Prates
 
A Aula Universitária
A Aula UniversitáriaA Aula Universitária
A Aula Universitária
Márcia Castilho de Sales
 
Estrutura e tendências politicas
Estrutura e tendências politicasEstrutura e tendências politicas
Estrutura e tendências politicas
Alexsandro Prates
 
Aula 1 unidade 1
Aula 1 unidade 1Aula 1 unidade 1
Aula 1 unidade 1
Carlos Alberto Bonatto
 
Docência do ensino superior
Docência do ensino superiorDocência do ensino superior
Docência do ensino superior
Suênya Mourão
 
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomes
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomesBuscando significado didatica_pos_suzana_gomes
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomes
Radar Ufmg
 
Guia da disciplina Didática
Guia da disciplina DidáticaGuia da disciplina Didática
Guia da disciplina Didática
Rosiane Freitas
 
Didática do ensino superior aula 01 07 08 2013
Didática do ensino superior aula 01 07 08 2013Didática do ensino superior aula 01 07 08 2013
Didática do ensino superior aula 01 07 08 2013
Ronilson de Souza Luiz
 
Planejamento de ensino[1]
Planejamento de ensino[1]Planejamento de ensino[1]
Planejamento de ensino[1]
UNICEP
 
O papel da didática na perspectiva da formação superior.
O papel da didática na perspectiva da formação superior.O papel da didática na perspectiva da formação superior.
O papel da didática na perspectiva da formação superior.
Jose Gomes DE Abreu
 
A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXI
A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXIA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXI
A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXI
Julhinha Camara
 
Administração educacional areas de atuação
Administração educacional areas de atuaçãoAdministração educacional areas de atuação
Administração educacional areas de atuação
Israel serique
 
Docência do Ensino Superior
Docência do Ensino SuperiorDocência do Ensino Superior
Ação didática no ensino superior a docência em discussão
Ação didática no ensino superior   a docência em discussãoAção didática no ensino superior   a docência em discussão
Ação didática no ensino superior a docência em discussão
UNILAGO
 
Pos didatica aula 1 unidade i presencial[1]
Pos didatica aula 1 unidade i presencial[1]Pos didatica aula 1 unidade i presencial[1]
Pos didatica aula 1 unidade i presencial[1]
Carlos Alberto Bonatto
 
Didactica Geral gggfgfgfgfffdggggggfffhhgg
Didactica Geral gggfgfgfgfffdggggggfffhhggDidactica Geral gggfgfgfgfffdggggggfffhhgg
Didactica Geral gggfgfgfgfffdggggggfffhhgg
AntnioManuelAgdoma
 
Masetto docencia universitaria
Masetto   docencia universitariaMasetto   docencia universitaria
Masetto docencia universitaria
Renata Vieira da Cunha
 

Semelhante a Didática Ensino Superior (20)

didticaensinosuperior-170702221827-convertido.pptx
didticaensinosuperior-170702221827-convertido.pptxdidticaensinosuperior-170702221827-convertido.pptx
didticaensinosuperior-170702221827-convertido.pptx
 
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
 
didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3
 
Estrutura e tendências politicas
Estrutura e tendências politicasEstrutura e tendências politicas
Estrutura e tendências politicas
 
A Aula Universitária
A Aula UniversitáriaA Aula Universitária
A Aula Universitária
 
Estrutura e tendências politicas
Estrutura e tendências politicasEstrutura e tendências politicas
Estrutura e tendências politicas
 
Aula 1 unidade 1
Aula 1 unidade 1Aula 1 unidade 1
Aula 1 unidade 1
 
Docência do ensino superior
Docência do ensino superiorDocência do ensino superior
Docência do ensino superior
 
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomes
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomesBuscando significado didatica_pos_suzana_gomes
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomes
 
Guia da disciplina Didática
Guia da disciplina DidáticaGuia da disciplina Didática
Guia da disciplina Didática
 
Didática do ensino superior aula 01 07 08 2013
Didática do ensino superior aula 01 07 08 2013Didática do ensino superior aula 01 07 08 2013
Didática do ensino superior aula 01 07 08 2013
 
Planejamento de ensino[1]
Planejamento de ensino[1]Planejamento de ensino[1]
Planejamento de ensino[1]
 
O papel da didática na perspectiva da formação superior.
O papel da didática na perspectiva da formação superior.O papel da didática na perspectiva da formação superior.
O papel da didática na perspectiva da formação superior.
 
A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXI
A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXIA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXI
A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXI
 
Administração educacional areas de atuação
Administração educacional areas de atuaçãoAdministração educacional areas de atuação
Administração educacional areas de atuação
 
Docência do Ensino Superior
Docência do Ensino SuperiorDocência do Ensino Superior
Docência do Ensino Superior
 
Ação didática no ensino superior a docência em discussão
Ação didática no ensino superior   a docência em discussãoAção didática no ensino superior   a docência em discussão
Ação didática no ensino superior a docência em discussão
 
Pos didatica aula 1 unidade i presencial[1]
Pos didatica aula 1 unidade i presencial[1]Pos didatica aula 1 unidade i presencial[1]
Pos didatica aula 1 unidade i presencial[1]
 
Didactica Geral gggfgfgfgfffdggggggfffhhgg
Didactica Geral gggfgfgfgfffdggggggfffhhggDidactica Geral gggfgfgfgfffdggggggfffhhgg
Didactica Geral gggfgfgfgfffdggggggfffhhgg
 
Masetto docencia universitaria
Masetto   docencia universitariaMasetto   docencia universitaria
Masetto docencia universitaria
 

Mais de Hamilton Nobrega

Órgãos internos sistema respiratório
Órgãos internos   sistema respiratórioÓrgãos internos   sistema respiratório
Órgãos internos sistema respiratório
Hamilton Nobrega
 
Órgãos internos sistema circulatório
Órgãos internos   sistema circulatórioÓrgãos internos   sistema circulatório
Órgãos internos sistema circulatório
Hamilton Nobrega
 
ÓRgãos internos sistema digestório
ÓRgãos internos   sistema digestórioÓRgãos internos   sistema digestório
ÓRgãos internos sistema digestório
Hamilton Nobrega
 
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Hamilton Nobrega
 
Nefrologia Principais Patologias Causadoras de IRA e IRC
Nefrologia   Principais Patologias Causadoras de IRA e IRCNefrologia   Principais Patologias Causadoras de IRA e IRC
Nefrologia Principais Patologias Causadoras de IRA e IRC
Hamilton Nobrega
 
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos RinsNefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Hamilton Nobrega
 
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a RadiologiaNoções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
Hamilton Nobrega
 
Aula 07 núcleo e cromossomos
Aula 07   núcleo e cromossomosAula 07   núcleo e cromossomos
Aula 07 núcleo e cromossomos
Hamilton Nobrega
 
Aula 06 citoplasma
Aula 06   citoplasmaAula 06   citoplasma
Aula 06 citoplasma
Hamilton Nobrega
 
Aula 05 membrana plasmática e transportes
Aula 05   membrana plasmática e transportesAula 05   membrana plasmática e transportes
Aula 05 membrana plasmática e transportes
Hamilton Nobrega
 
Aula 04 Bases Moleculares da Vida
Aula 04   Bases Moleculares da VidaAula 04   Bases Moleculares da Vida
Aula 04 Bases Moleculares da Vida
Hamilton Nobrega
 
Aula 03 Tipos Básicos de Células e Bases Moleculares da Vida
Aula 03   Tipos Básicos de Células e Bases Moleculares da VidaAula 03   Tipos Básicos de Células e Bases Moleculares da Vida
Aula 03 Tipos Básicos de Células e Bases Moleculares da Vida
Hamilton Nobrega
 
Aula 02 Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e Coloração
Aula 02   Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e ColoraçãoAula 02   Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e Coloração
Aula 02 Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e Coloração
Hamilton Nobrega
 
Aula 01 Origem da Biologia Celular
Aula 01   Origem da Biologia CelularAula 01   Origem da Biologia Celular
Aula 01 Origem da Biologia Celular
Hamilton Nobrega
 
Aula 06 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tarso, metatarsos ...
Aula 06   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tarso, metatarsos ...Aula 06   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tarso, metatarsos ...
Aula 06 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tarso, metatarsos ...
Hamilton Nobrega
 
Aula 05 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
Aula 05   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapularAula 05   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
Aula 05 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
Hamilton Nobrega
 
Aula 03 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulna
Aula 03   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulnaAula 03   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulna
Aula 03 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulna
Hamilton Nobrega
 
Aula 02 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpo
Aula 02   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpoAula 02   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpo
Aula 02 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpo
Hamilton Nobrega
 
Aula 01 Radiologia - anatomia do esqueleto apendicular
Aula 01   Radiologia - anatomia do esqueleto apendicularAula 01   Radiologia - anatomia do esqueleto apendicular
Aula 01 Radiologia - anatomia do esqueleto apendicular
Hamilton Nobrega
 
Aula 04 fisiologia da nutrição - sistema cardiovascular
Aula 04   fisiologia da nutrição - sistema cardiovascularAula 04   fisiologia da nutrição - sistema cardiovascular
Aula 04 fisiologia da nutrição - sistema cardiovascular
Hamilton Nobrega
 

Mais de Hamilton Nobrega (20)

Órgãos internos sistema respiratório
Órgãos internos   sistema respiratórioÓrgãos internos   sistema respiratório
Órgãos internos sistema respiratório
 
Órgãos internos sistema circulatório
Órgãos internos   sistema circulatórioÓrgãos internos   sistema circulatório
Órgãos internos sistema circulatório
 
ÓRgãos internos sistema digestório
ÓRgãos internos   sistema digestórioÓRgãos internos   sistema digestório
ÓRgãos internos sistema digestório
 
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
 
Nefrologia Principais Patologias Causadoras de IRA e IRC
Nefrologia   Principais Patologias Causadoras de IRA e IRCNefrologia   Principais Patologias Causadoras de IRA e IRC
Nefrologia Principais Patologias Causadoras de IRA e IRC
 
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos RinsNefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
 
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a RadiologiaNoções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
 
Aula 07 núcleo e cromossomos
Aula 07   núcleo e cromossomosAula 07   núcleo e cromossomos
Aula 07 núcleo e cromossomos
 
Aula 06 citoplasma
Aula 06   citoplasmaAula 06   citoplasma
Aula 06 citoplasma
 
Aula 05 membrana plasmática e transportes
Aula 05   membrana plasmática e transportesAula 05   membrana plasmática e transportes
Aula 05 membrana plasmática e transportes
 
Aula 04 Bases Moleculares da Vida
Aula 04   Bases Moleculares da VidaAula 04   Bases Moleculares da Vida
Aula 04 Bases Moleculares da Vida
 
Aula 03 Tipos Básicos de Células e Bases Moleculares da Vida
Aula 03   Tipos Básicos de Células e Bases Moleculares da VidaAula 03   Tipos Básicos de Células e Bases Moleculares da Vida
Aula 03 Tipos Básicos de Células e Bases Moleculares da Vida
 
Aula 02 Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e Coloração
Aula 02   Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e ColoraçãoAula 02   Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e Coloração
Aula 02 Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e Coloração
 
Aula 01 Origem da Biologia Celular
Aula 01   Origem da Biologia CelularAula 01   Origem da Biologia Celular
Aula 01 Origem da Biologia Celular
 
Aula 06 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tarso, metatarsos ...
Aula 06   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tarso, metatarsos ...Aula 06   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tarso, metatarsos ...
Aula 06 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tarso, metatarsos ...
 
Aula 05 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
Aula 05   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapularAula 05   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
Aula 05 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
 
Aula 03 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulna
Aula 03   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulnaAula 03   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulna
Aula 03 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulna
 
Aula 02 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpo
Aula 02   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpoAula 02   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpo
Aula 02 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpo
 
Aula 01 Radiologia - anatomia do esqueleto apendicular
Aula 01   Radiologia - anatomia do esqueleto apendicularAula 01   Radiologia - anatomia do esqueleto apendicular
Aula 01 Radiologia - anatomia do esqueleto apendicular
 
Aula 04 fisiologia da nutrição - sistema cardiovascular
Aula 04   fisiologia da nutrição - sistema cardiovascularAula 04   fisiologia da nutrição - sistema cardiovascular
Aula 04 fisiologia da nutrição - sistema cardiovascular
 

Último

UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
davidreyes364666
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 

Didática Ensino Superior

  • 1. Didática I Ensino Superior Prof. Hamilton F. Nobrega
  • 2. Conteúdo Programático  Importância do trabalho docente  Entendendo o contexto do trabalho docente superior  O que é didática  Objetivos  Divisão  Histórico  Características atuais da Didática  Pedagogia x Andragogia  Educação no Século XXI  Fatores atuantes na dinâmica da sala de aula
  • 3. Conteúdo Programático  A problemática do desenvolvimento profissional docente superior  A complexidade da profissão docente universitária  Componentes do trabalho metodológico na Universidade  Falhas no trabalho docente na Universidade  Alunos universitários  Algumas estratégias e técnicas para o ensino  Técnicas comportamentais  Técnicas para recursos visuais  Técnicas e estratégias de aprendizagem  Atividade avaliativa
  • 4. Avaliação  Atividade avaliativa : • Entregar um plano de aula (3,0) • Ministrar uma mini- aula de 15 min. (7,0) Objetivo: Avaliar, ao final da disciplina, a forma didática de transmissão de conhecimentos do aluno, como docente de ensino superior.
  • 7. Identidade do Professor (...) o professor universitário aprende a sê-lo mediante um processo de socialização em parte intuitiva, autodidata ou (...) seguindo a rotina dos “outros”. Isso se explica sem dúvida, devido a inexistência de uma formação específica como professor universitário (BENEDITO, p. 131, 1995).
  • 8. O que pode fazer um docente? A docência é importante para quê? “(...) Por qualidade formal do docente entendemos a competência técnica, domínio dos conteúdos, profissionalismo, conhecimento adequado. Por qualidade política entendemos a habilidade de conceber e usar meios técnicos para fins devidos, sobretudo éticos. O processo formativo do aluno exige ambos os horizontes: precisa tornar-se profissional, mas precisa não menos tornar-se cidadão. Espera-se que o docente saiba lidar com este desafio de modo adequado, conjugando competência técnica com cidadania, uma habilidade que poderíamos sumariar como “saber pensar”” (DEMO, 2000)
  • 9. A atual conformação legal (LDB 9394/96) admite uma variedade de tipos de instituições de ensino superior Entendendo o Contexto do Trabalho Docente Superior
  • 10. Entendendo o Contexto do Trabalho Docente Superior: Instituições UNIVERSIDADE: Caracteriza-se pela autonomia didática, administrativa e financeira, por desenvolver ensino, extensão e pesquisa e, portanto, contar com número expressivo de mestres e doutores. CENTRO UNIVERSITÁRIO: Caracteriza-se por atuar em uma ou mais áreas, com autonomia para abrir e fechar cursos e vagas de graduação e ensino de excelência.
  • 11. Entendendo o Contexto do Trabalho Docente Superior: Instituições FACULDADES INTEGRADAS: Reúnem instituições de diferentes áreas do conhecimento e oferecem ensino e, as vezes, extensão e pesquisa; . INSTITUTO OU ESCOLAS SUPERIORES: Atuam em área específica do conhecimento e podem ou não fazer pesquisa, além do ensino, mas dependem do Conselho Nacional de Educação para criação de novos cursos.
  • 12. Entendendo o Contexto do Trabalho Docente Superior: Seleção e Carreira A seleção para o magistério superior é feita de diferentes maneiras, atendendo às exigências de elevar a qualidade do ensino: • Por concurso de provas e títulos; • Por concurso de títulos; • Por convite; • Por convocação em jornais.
  • 13. Entendendo o Contexto do Trabalho Docente Superior: Seleção e Carreira Na carreira do magistério superior, temos as seguintes categorias de professores: • Professor Titular: Título de Doutor • Professor Adjunto: Título de Doutor ou Mestre • Professor Assistente: Título de mestre • Professor Auxiliar: Título de Especialista ou Mestrando
  • 14. Entendendo o Contexto do Trabalho Docente Superior: Seleção e Carreira Na carreira do magistério superior, temos as seguintes categorias de professores: • Professor Visitante: Professor de outra instituição de Ensino Superior, nacional ou estrangeira, que se propõe a fazer determinados estudos; • Professor Convidado Professor renomado, que seria convidado por determinado tempo, a fim de orientar pesquisas ou ministrar cursos regulares ou especiais, assistidos por professores titulares, adjuntos e assistentes.
  • 15. Entendendo o Contexto do Trabalho Docente Superior Ensino Aprendizagem Transmissão de conhecimentos, informações ou esclarecimentos úteis e indispensáveis à educação ou fim determinado Processo pelo qual o indivíduo aprende algo tanto teórico como prático, e dentro das suas necessidades
  • 16. Entendendo o Contexto do Trabalho Docente Superior Educação Pedagogia/ Andragogia Didática
  • 17. Entendendo o Contexto do Trabalho Docente Superior Educação Andragogia (Pedagogia) Didática Ato ou efeito de educar. Processo de desenvolvimento das pessoas. Processo global complexo. Teoria e ciência da educação e do ensino. Conjunto de doutrinas, princípios e métodos de educação e instrução. Arte de ensinar. Métodos e técnicas de ensino (estratégias).
  • 18. Afinal, o que é Didática  É o principal ramo da Pedagogia que investiga os fundamentos, as condições e os métodos que orientam a atividade educativa, de forma a torná-la mais eficiente.
  • 19. Objetivos da Didática  Converter objetivos sociopolíticos e pedagógicos em objetivos de ensino;  Selecionar conteúdos e métodos em função dos objetivos de ensino;  Estabelecer os vínculos entre ensino e aprendizagem, tendo em vista o desenvolvimento das capacidades dos alunos.
  • 20. Divisão da Didática Estuda os princípios, as normas e as técnicas que devem regular qualquer tipo de ensino, para qualquer tipo de aluno. Ela nos dá uma visão geral da atividade docente. Estuda os aspectos científicos de uma determinada disciplina ou faixa de escolaridade. Analisa os problemas e as dificuldades que o ensino de cada disciplina apresenta e organiza os meios e as sugestões para resolvê-los. Assim, temos as didáticas especiais das línguas (inglês, espanhol etc.), as didáticas especiais das ciências (física, química etc.). Didática Geral Didática Especial
  • 21. Resumo Histórico da Didática  Entre os anos 20 e 50 – supera o tradicionalismo, e busca os princípios de individualidade e liberdade – aprender fazendo.  Nos 60 a 80 – trata o processo de ensino-aprendizagem como uma ação intencional e sistêmica – ênfase na produtividade, eficiência, racionalização, operatividade e controle.
  • 22. Resumo Histórico da Didática  Momento atual – perspectivas de assumir a multifuncionalidade do processo de ensino-aprendizagem e articular suas três dimensões: técnica, humana e política no centro configurador de sua temática.
  • 23. Características Atuais da Didática  Trabalhar sempre contextualizando teoria x prática;  Trabalhar as dimensões técnicas e humanas;  Análisar diferentes metodologias, buscando adequar a visão do homem, da sociedade, e do conhecimento;  Assumir o compromisso com a transformação social, buscando tornar o ensino eficaz para maior parte da população;  Romper com a prática profissional individualista, promovendo trabalhos multidisciplinares.
  • 24. Pedagogia x Andragogia Características da Aprendizagem Pedagogia Andragogia Relação Professor/Aluno Professor é o centro das ações, decide o que ensinar, como ensinar e avalia a aprendizagem A aprendizagem adquire uma característica mais centrada no aluno, na independência e na auto-gestão Razões da Aprendizagem Crianças (ou adultos) devem aprender o que a sociedade espera que saibam (seguindo um currículo padronizado Pessoas aprendem o que realmente precisam saber Experiência do Aluno O ensino é didático, padronizado e a experiência do aluno tem pouco valor A experiência é rica fonte de aprendizagem, através da discussão e da solução de problemas em grupo Orientação Da Aprendizagem Aprendizagem por assunto ou matéria Baseada em problemas, exigindo ampla gama de conhecimentos para se chegar a solução
  • 25. Educação do Século XXI  Desenvolvimento pleno do indivíduo e da sociedade, visando o preparo para inserção no mercado de trabalho de forma reflexiva, facilitando o entendimento das problemáticas atuais e possibilitando a construção de habilidades e competências diferenciadas.
  • 26. Educação do Século XXI  Nesse sentido, as IES deve se reconfigurar em relação ao sistema capitalista e nos modos de produção.  E a primeira vertente a ser explorada para estar de acordo com essas novas configurações é repensar a formação do docente do ensino superior.
  • 27. Educação do Século XXI  Professor, professor.  Professor, profissional.
  • 28. Educação do Século XXI Dimensão 1: Estímulo Intelectual  As salas de aula das universidades são fundamentalmente arenas dramáticas nas quais o professor é o ponto focal, como o ator ou orador em um palco. Os estudantes estão sujeitos às mesmas influências – tanto em termos de satisfação quanto de distração – como qualquer público.  Ministrar aula é uma arte de interpretação: professores organizam suas aulas; usam suas vozes; seus gestos e movimentos; devem ainda transmitir um forte sentimento de presença, de energia altamente concentrada.
  • 29. Educação do Século XXI Dimensão 1: Estímulo Intelectual  Alguns professores conseguem isso sendo extremamente entusiásticos, animados ou espirituosos, enquanto outros conseguem com estilo mais calmo, mais sério e intenso, mais igualmente envolvente.  A capacidade de estimular emoções e envolver os alunos separa o professor competente de outros excelentes professores universitários.
  • 30. Educação do Século XXI Dimensão 2: Relacionamento Interpessoal  A sala de aula da universidade, na teoria é: é estritamente um ambiente intelectual e racional .  A sala de aula na prática é: uma arena interpessoal emocionalmente carregada, na qual ocorre uma ampla gama de fenômenos psicológicos.  Exemplo: A motivação dos estudantes será reduzida se eles se sentirem que não são apreciados por seus professores ou que são controlados de modo coercitivo e autoritário.
  • 31. Educação do Século XXI Dimensão 2: Relacionamento Interpessoal  No grupo, todos os estudantes tem um potencial para reagir emocionalmente quando são desafiados e avaliados.  Professores também são influenciados ao que acontece em sala de aula, muitos eventos podem interferir no seu prazer de ensinar e diminuir sua motivação. São humanos e também desejam ser respeitados e apreciados.
  • 32.  A meta própria das classes na universidade é o ‘trabalho’ e somente a compreensão dos obstáculos do trabalho, que resultam da complexidade do dever do professor, da diversidade dos estudantes e da natureza do desenvolvimento do grupo pode levar o professor a contribuir de modo afetivo para a meta” (FERNANDES 2001.)  Como atingir essa meta? Fatores Atuantes na Dinâmica da Sala de Aula
  • 33.  O papel da emoção do ser humano;  Atitudes que influenciam os fenômenos interpessoais na sala de aula: atitudes dos estudantes – atitudes dos professores – o moral da classe – o moral do professor;  A psicologia dos professores;  As fontes de satisfação;  As fontes de insatisfação;  A comunicação: tipos de linguagens adotadas, feedback, rapport;  Comportamentos de professor e alunos – liderança;  Nível de maturidade dos estudantes. Fatores Atuantes na Dinâmica da Sala de Aula
  • 34.  É indispensável a profissionalização do professor universitário como parte da redefinição do papel da universidade frente à nova conjuntura tecnológica e globalizada e necessária melhoria da qualidade de ensino, que vem sendo proclamada há pelo menos uma década com a divulgação do plano nacional de graduação – um projeto em construção (PNG,1999);  PNG: texto apreciado e aprovado no XII Fórum Nacional de Pró-reitores de graduação das Universidades Brasileiras, realizado na cidade Ilhéus/Bahia, 1999. A Problemática do Desenvolvimento Profissional Docente Superior
  • 35.  Já se passaram quase 20 anos e as principais propostas do plano não foram cumpridas: nem melhorou a educação superior, nem o profissionalismo dos professores A Problemática do Desenvolvimento Profissional Docente Superior
  • 36. I. A expansão quantitativa da educação superior e o consequente aumento do número de docentes. No entanto, em sua maioria, são professores improvisados, não preparados para desenvolver a função de pesquisadores e sem formação pedagógica. Preocupações Ligadas ao Trabalho Docente Superior
  • 37. I. Ll II. Preocupação com a qualidade dos resultados do ensino superior, sobretudo, do ensino na graduação. As pesquisas demonstram a importância da preparação no campo específico e no campo pedagógico dos docentes Preocupações Ligadas ao Trabalho Docente Superior
  • 38. I. Ll II. P III. Novas demandas de trabalho: educação à distância, novas tecnologias, financiamento do ensino e da pesquisa, a autonomia e as responsabilidades das instituições, os direitos e liberdades do professor de ensino superior, entre outras. Preocupações Ligadas ao Trabalho Docente Superior
  • 39. I. Ll II. P III. N IV. Influência das novas configurações de trabalho na sociedade contemporânea da informação e do conhecimento, das tecnologias avançadas, reduzindo a empregabilidade. Em decorrência, nota-se um afluxo dos profissionais liberais ou ex- empregados, partirem ao exercício da docência no ensino superior, cuja oferta de empregos encontra-se em expansão. Preocupações Ligadas ao Trabalho Docente Superior
  • 40. I. Ll II. P III. N IV. I V. Exigência de permanente requalificação como condição de trabalho. O resultado disso é a expansão da oferta de cursos de pós-graduação lato e strictu sensu. Preocupações Ligadas ao Trabalho Docente Superior “A preparação para o exercício do magistério superior far-se-á em nível de pós-graduação, prioritariamente em programas de mestrado e doutorado. Parágrafo único: O notório saber, reconhecido por universidade com curso de doutorado em área afim, poderá suprir a exigência do título acadêmico “(LDBEN, art. 66)
  • 41.  Implica em uma dupla profissionalização, ambas de altíssima responsabilidade:  A profissional  A de pesquisador competente A Complexidade da Profissão Docente Universitária
  • 42.  Que exigem:  Domínio e atualização dos métodos da ciência e amplo prestígio na sua comunidade acadêmica, abalado pelos resultados obtidos no campo da produção e da divulgação de conhecimento científico;  Domínio das qualidades necessárias a um educador: entendimento da realidade educacional, capacidade para situar-se no ponto de vista de seus alunos e colegas de trabalho, habilidades para procurar soluções aos problemas de aprendizagem, disposição para produzir e refletir em grupo. A Complexidade da Profissão Docente Universitária
  • 43. Componentes do Trabalho Metodológico na Universidade  Pessoas: os estudantes, os professores, gestores, coordenadores acadêmicos.  Componentes didáticos: o problema, o objeto, os objetivos, os conteúdos, os métodos, as formas de organização, os meios e os resultados.
  • 44.  O problema: é a identificação de obstáculos e necessidades, e expressa a condição que se gera no seio das instituições de Educação Superior, em três dimensões complementares: • a aspiração da sociedade em relação ao papel e missão da educação superior; • a necessidade de formar profissionais cada vez mais preparados; • a falta de um corpo docente devidamente formado, com similares concepções pedagógicas ou didáticas. Componentes do Trabalho Metodológico na Universidade
  • 45.  O objeto: de uma parte, o professor com suas necessidades de formação contínua e, de outra, o processo pedagógico da Universidade, cuja elevação da qualidade é também uma necessidade  O objetivo: expressa a aspiração, o propósito final que os sujeitos se propõem. A preparação do pessoal docente para enfrentar as mudanças educacionais. Componentes do Trabalho Metodológico na Universidade
  • 46.  O conteúdo: é o sistema de conhecimentos da pedagogia e da didática, os conteúdos das disciplinas escolares, os conhecimentos filosóficos, psicológicos e sociológicos relacionados com a pedagogia.  O método: é principalmente o trabalho em grupos, em equipes, em coletivos; é a análise das práticas, o apoio mútuo, a supervisão e o feedback, a comunicação horizontal, a reflexão coletiva Componentes do Trabalho Metodológico na Universidade
  • 47.  Os meios: como todo processo ativo e consciente, são instrumentos materiais e intelectuais em que se apoiam os sujeitos participantes para transformar o objeto. Ex: As TICs.  As formas: tem a ver com a organização temporal e espacial que se adota para a efetivação do processo.  O trabalho docente metodológico: é a própria atividade docente. Componentes do Trabalho Metodológico na Universidade
  • 48. “O comandante que não for versado na arte variar os planos, mesmo que tenha conhecimento das cinco vantagens não conseguirá fazer melhor uso dos soldados”. (Sun Tzu) Componentes do Trabalho Metodológico na Universidade Um professor não pode passar a vida inteira dando a mesma aula, sempre da mesma maneira. Somente com o aperfeiçoamento constante, a variação das estratégias acontece.
  • 49. “Esses são os cinco pecados perniciosos à conduta da guerra, que tenham um general com maior frequência (Sun Tzu): Falhas no Trabalho Docente na Universidade 1. Imprudência 2. Covardia 3. Temperamento impetuoso 4. Sentimento de honradez 5. Excessiva solicitude
  • 50. “Esses são os cinco pecados perniciosos à conduta da guerra, que tenham um general com maior frequência (Sun Tzu): Falhas no Trabalho Docente na Universidade 1. Imprudência 2. Covardia 3. Temperamento impetuoso 4. Sentimento de honradez 5. Excessiva solicitude Leva à destruição
  • 51. “Esses são os cinco pecados perniciosos à conduta da guerra, que tenham um general com maior frequência (Sun Tzu): Falhas no Trabalho Docente na Universidade 1. Imprudência 2. Covardia 3. Temperamento impetuoso 4. Sentimento de honradez 5. Excessiva solicitude Leva à destruição Leva à rendição
  • 52. “Esses são os cinco pecados perniciosos à conduta da guerra, que tenham um general com maior frequência (Sun Tzu): Falhas no Trabalho Docente na Universidade 1. Imprudência 2. Covardia 3. Temperamento impetuoso 4. Sentimento de honradez 5. Excessiva solicitude Leva à destruição Leva à rendição É provocado facilmente
  • 53. “Esses são os cinco pecados perniciosos à conduta da guerra, que tenham um general com maior frequência (Sun Tzu): Falhas no Trabalho Docente na Universidade 1. Imprudência 2. Covardia 3. Temperamento impetuoso 4. Sentimento de honradez 5. Excessiva solicitude Leva à destruição Leva à rendição É provocado facilmente É suscetível e torna vulnerável à calúnia
  • 54. “Esses são os cinco pecados perniciosos à conduta da guerra, que tenham um general com maior frequência (Sun Tzu): Falhas no Trabalho Docente na Universidade 1. Imprudência 2. Covardia 3. Temperamento impetuoso 4. Sentimento de honradez 5. Excessiva solicitude Leva à destruição Leva à rendição É provocado facilmente É suscetível e torna vulnerável à calúnia Expõe a preocupações problemas
  • 55.  De forma geral, os estudantes universitários não são exatamente adultos, mas estão próximos desta fase de suas vidas.  O ensino clássico pode resultar, para muitos deles, num retardamento da maturidade, já que exige dos alunos uma total dependência dos professores e currículos estabelecidos. As iniciativas não encontram apoio, nem são estimuladas. E os alunos Universitários?
  • 56.  A instituição e o professor decidem o que, quando e como os alunos devem aprender cada assunto ou habilidade. E estudantes deverão se adaptar a estas regras fixas.  Alguns alunos conseguem manter seus planos, ideais e trajetórias, reagindo contra estas imposições e buscando seus próprios caminhos. Geralmente serão penalizados por baixos conceitos e notas, já que não seguem as regras da instituição. E os alunos Universitários?
  • 57.  Para evitar este lado negativo do ensino universitário, é necessário que sejam introduzidos conceitos andragógicos nos currículos e abordagens didáticas dos cursos superiores. E os alunos Universitários?
  • 58.  Cabe o papel central de sujeito que exerce ações necessárias para que aconteça sua aprendizagem (buscar as informações, trabalhá-las, produzir conhecimento, adquirir habilidades, mudar atitudes e adquirir valores). E os alunos Universitários? O professor abandona seu papel de transmissor de conhecimentos e adquire a postura de mediador pedagógico (orientador) no processo ensino-aprendizagem
  • 59. I. Apesar de desempenhar também um papel político e social, o docente tem seu foco no processo de ensino-aprendizagem, e para lidar com a diversidade de indivíduos que constituem o cenário universitário. Algumas Considerações acerca do Trabalho Docente Superior
  • 60. II. O docente deverá possuir não apenas o domínio específico da área, mas também o domínio das áreas pedagógicas/andragógicas e o desenvolvimento das habilidades essenciais para o exercício docente, portanto, o docente do ensino superior deve, acima de tudo, ser um profissional da educação. Algumas Considerações acerca do Trabalho Docente Superior
  • 61. III. O docente deverá buscar desenvolver os alunos, nos diversos aspectos de sua personalidade, que envolvem as capacidades intelectuais – pensar, raciocinar, refletir, buscar informações, analisar e criticar, argumentar, pesquisar e produzir conhecimento. Algumas Considerações acerca do Trabalho Docente Superior
  • 62. IV. O docente deverá buscar desenvolver nos alunos habilidades humanas e profissionais – trabalhar em equipe, incentivar o diálogo com profissionais de outras especialidades dentro de sua área, realizar projetos, comunicar-se, apresentar trabalhos, entre outras. Algumas Considerações acerca do Trabalho Docente Superior
  • 63. V. O docente deverá buscar desenvolver nos alunos valores e atitudes integrantes da vida profissional – a importância da formação continuada, os princípios éticos de sua atividade profissional, as condições culturais, políticas e econômicas da sociedade. Algumas Considerações acerca do Trabalho Docente Superior
  • 65. “E existe a ação depois da capacitação? - A gente esquece. Inclusive quando recebe o diploma e dizem que a gente está capacitado. A verdadeira capacitação vai começar depois, com a prática que a gente vai ter.” (FREIRE, 1982, p. 93)
  • 66. “E esta coerência vai crescendo na medida sobretudo em que a gente descobre outra obviedade que é a seguinte: não é o discurso, a oralidade, o que ajuíza a prática, mas ao contrário, é a prática quem ajuíza o discurso.” (FREIRE, 1982, p. 93) Nesse sentido a Universidade pode ser um ambiente favorecedor para o docente refletir, investigar e planejar sua prática pedagógica. (Cambridge, Reino Unido)
  • 68. • Dois inimigos bloqueiam o desempenho do docente: Timidez e Despreparo; • As primeiras aulas são decisivas: Forma-se uma opinião sobre o professor. • Em uma aula, dois elementos são cruciais: a maneira de falar e a maneira de apresentar o conteúdo; Técnicas Comportamentais
  • 69. •Deve-se ficar em pé, de frente, sem qualquer barreira física; •Olhar descontraído e amigável (mesmo em pânico); Técnicas Comportamentais
  • 70. Atributos de uma boa comunicação: Entonação  Elocução pausada  Clareza de articulação Modulação de voz: variação de voz e tom (evitar tom monótono) Função da mímica:  Fisionomia  movimento dos braços e das mãos Técnicas Comportamentais
  • 71. • Utilização efetiva dos recursos audiovisuais; • Contato visual adequado; • Clareza na pronúncia e fluência; • Velocidade adequada; • Movimentos de postura e do corpo, sugerindo confiança Técnicas Comportamentais
  • 72. • Defeitos da mímica; • Movimentos descontrolados das mãos; • Tom monótono; • Pôr ênfase indiscriminadamente em vocábulos; • Tiques de linguagem: “né”, “tá” , “certo” • Gírias e modismos; • Fixar o olhar em pontos: janela, teto, chão Cuidado... Técnicas Comportamentais
  • 73. • Dizer: “ - Isso não é importante, vamos passar a diante...” • Utilizar o celular em sala de aula (mesmo quando for dia de prova) • Cochilar durante apresentações de trabalho • Ler Slides - É entediante e passa a impressão de falta de conhecimento Evitar... Técnicas Comportamentais
  • 74. • Vestir-se adequadamente: roupas claras e discretas; • Sapatos e sandálias confortáveis; • Pontualidade; • Crie empatia; • Nenhuma técnica é mais importante que a sua naturalidade. Apresentação pessoal Técnicas Comportamentais
  • 75. • Não se apoiar em objetos (mesas, cadeiras); • Não caminhar em frente à tela de projeção; • Não ficar parado o tempo todo; • Não dar as costas (salvo quando estiver fazendo anotações no quadro) Postura Técnicas Comportamentais
  • 76. •Respeitar o limite de 1 cm para as margens; •Nunca usar fonte menor que 24; •Manter o padrão de fonte; •Evitar “superlotação” do slide Técnicas para Recursos Visuais: Slides
  • 77. •Usar cores com contraste adequado entre fundo e texto; •Se necessário, usar negrito para aumentar o contraste; •Ser criativo: escolher cores e inserir ilustrações; •Ter várias cópias (pendrive, CD, e-mail) Técnicas para Recursos Visuais: Slides
  • 78. • Cuidado com as fontes (tipos de letras) que for utilizar; • Não existe apenas fonte Arial • Havendo muitos itens, não apresentar tudo em um só; • É preferível dividir; Técnicas para Recursos Visuais: Slides
  • 79.
  • 80. Cuidado com a legibilidade Cuidado com o contraste Preparação de Slides
  • 81.
  • 82.
  • 83. •Figuras demais desviam o foco; •Gifs com podem atrapalhar a leitura; Não use efeito apenas para mostrar que você conhece bem o Preparação de Slides: Figuras e efeitos
  • 84. Preleção verbal com o objetivo de transmitir conhecimentos Técnicas e Estratégias de Aprendizagem: Aula Expositiva Dialógica • O que é? Aquisição de conhecimentos e sua análise crítica para produção de novos conhecimentos • Para que serve?
  • 85. Apresentação dos objetivos relacionando a disciplina com o curso; Exposição o tema; Questionamentos, críticas, soluções Técnicas e Estratégias de Aprendizagem: Aula Expositiva Dialógica • Como desenvolver? Participação; compreensão e análise dos conceitos; apresentação de soluções e problemas; logicidade na exposição dos pontos de vista • Como avaliar?
  • 86. A capacidade de estudar um problema em equipe;  A capacidade de discutir e debater, superando a simples justaposição de ideias; Aprofundar a discussão de um tema chegando a conclusões; Aumentar o conhecimento mediante a diversidade de interpretações sobre o mesmo assunto; Técnicas e Estratégias de Aprendizagem: Trabalho em Grupo • Quais são os objetivos que podemos desenvolver?
  • 87. Que todos os participantes tenham clareza sobre qual é o objetivo daquela atividade em grupo; onde se pretende chegar; Que se distribuam funções entre os participantes: um coordenador, um relator, um cronometrista;  Que cada participante do grupo se disponha a ouvir seu companheiro Técnicas e Estratégias de Aprendizagem: Trabalho em Grupo • Regras básicas para o bom funcionamento de um grupo:
  • 88. Pequenos grupos com uma só tarefa; Pequenos grupos com tarefas diversas; Grupo de verbalização e grupo de observação (GVGO); Pequenos grupos para formular questões; Técnicas e Estratégias de Aprendizagem: Trabalho em Grupo • Exemplos de dinâmicas de grupos:
  • 89. Exploração pelo aluno da ideia do autor a partir de estudo crítico Técnicas e Estratégias de Aprendizagem: Estudo de Texto O que é? Aquisição de conhecimentos, habilidades ou atitudes Para que serve? Leitura analítica Problematização e síntese Como desenvolver? Produções escritas e comentários dos alunos (interpretação, análise e julgamento) Como avaliar?
  • 90. Técnicas e Estratégias de Aprendizagem: Estudo de Texto Análise Textual PREPARAÇÃO DO TEXTO Visão do conjunto, Busca de esclarecimentos, Vocabulário, Doutrinas, Fatos, Autores, Esquematização. Análise Temática COMPREENSÃO DA MENSAGEM Tema, Problema, Tese, Raciocínio e Ideias secundárias. Análise Interpretativa LEVANTAMENTO E DISCUSSÃO DE PROBLEMAS Relacionadas com a mensagem do autor. Problema- tização INTERPRETAÇÃO DA MENSAGEM Corrente filosóficas e influências, Pressupostos, Associação de idéias; crítica. Síntese REELABORAÇÃO DA MENSAGEM Com base na reflexão pessoal.
  • 91. Técnicas e Estratégias de Aprendizagem: Seminário Técnica de discussão onde um grupo sob orientação de um instrutor, investiga problemas e relata resultados para discussão e crítica O que é? Promover situações para solução de problemas colocados em discussões induzindo o grupo à participação efetiva Para que serve?
  • 92. Técnicas e Estratégias de Aprendizagem: Seminário Preparação • O professor apresenta e justifica o tema. • Data das apresentações. • Orientação aos alunos. • Organiza espaço físico • Como desenvolver? Desenvolvimento • Discussão informal do tema pelos grupos. • Apontamentos e soluções; • Conclusões do grande grupo (sala) Relatório • Resumo escrito com as ideias e conclusões das discussões realizadas.
  • 93. Técnicas e Estratégias de Aprendizagem: Seminário Como avaliar? CRITÉRIOS/PONTUAÇÃO Clareza e coerência. Domínio do conhecimento. Participação do grupo. Dinâmicas e/ou recursos audiovisuais. Relação teoria-prática, crítica. NOTA FINAL (média na escala acima)
  • 94. Técnicas e Estratégias de Aprendizagem: Mapa Conceitual Diagrama que indica a relação hierárquica entre os conceitos O que é? Instrumento para compartilhar, trocar e negociar estratégias de aprendizagem e de avaliação. Investigar mudanças na estrutura cognitiva do aluno. Modificar a abordagem dos conteúdos pelo professor. Para que serve?
  • 95. Técnicas e Estratégias de Aprendizagem: Mapa Conceitual • Como desenvolver?  Identificar conceitos-chave;  Selecionar conceitos por ordem de importância;  Incluir, se for o caso, conceitos e idéias mais específicos;  Relacionar conceitos por meio de linhas e identificá-los por palavras;  Conceitos e palavras devem ter significado ou expressar uma preposição;  Estabelecer relações horizontais e cruzadas.
  • 96. Técnicas e Estratégias de Aprendizagem: Mapa Conceitual • Como desenvolver?  Lembrar que não há forma única de traçar o mapa conceitual, pois trata-se de uma representação dinâmica da compreensão pessoal no momento da sua organização.  Permitir que o aluno compartilhe seu mapa conceitual com os colegas e relembre quantas vezes for necessário.  Questionar a localização de certos conceitos para que o aluno verbalize seu entendimento
  • 97. Técnicas e Estratégias de Aprendizagem: Mapa Conceitual
  • 98. Técnicas e Estratégias de Aprendizagem: Mapa Conceitual Como avaliar? Os critérios deverão ser explicitados ao grupo antes de qualquer correção no mapa conceitual. Exemplo de critérios: conceitos claros, relações justificadas, riqueza de ideias, criatividade na organização, lógica na organização, representatividade do conteúdo trabalhado.
  • 99. Técnicas e Estratégias de Aprendizagem: Estudo de Caso O que é? Análise minuciosa e objetiva de uma situação real investigada. O caso permite ampla análise e intercâmbio de ideias, reflexão crítica e relações teóricas, éticos e práticas relevantes, além da participação de todos para efetuar operações mentais requisitadas. Para que serve? Enriquecer e dinamizar o processo educacional, desenvolver habilidades cognitivas, de planejamento e, sobretudo, habilidades relacionadas à tomada de decisões.
  • 100. Técnicas e Estratégias de Aprendizagem: Estudo de Caso Como desenvolver? • o professor esclarece os objetivos; • exposição do caso, distribuição ou leitura do problema; • o grupo analisa o caso, pontos de vista e enfoques para o problema; • terminadas as discussões o professor relata os problemas e as soluções apresentadas; • o grupo avalia as soluções.
  • 101. Apresentação de conceitos e ideias, sem restrição dos esquemas lógicos de pensamento. Somente após a colocação de todas a ideias, procede-se a crítica. Técnicas e Estratégias de Aprendizagem: Explosão de Ideias O que é? O professor apresenta o “estímulo” e solicita aos alunos que digam o que pensam sobre ele. Registra no quadro, analisa discute e procede a avaliação técnica. Como desenvolver?
  • 102. Permite ao aluno estabelecer associações, produzir, sintetizar, selecionar, combinar e desenvolver ideias, favorecendo a iniciativa, desenvolvendo a expressão oral e as conclusões. Técnicas e Estratégias de Aprendizagem: Explosão de Ideias Para que serve? Pela observação e análise da participação, conteúdo das afirmações, críticas e conclusões após a explosão de ideias. Como avaliar?
  • 103. Reunião de palestras e preleções breves apresentadas por vários indivíduos sobre um assunto Técnicas e Estratégias de Aprendizagem: Simpósio O que é? Desenvolver habilidades sociais e cognitivas, favorecer a integração da aprendizagem, ampliar um conteúdo Para que serve? Apresentação previamente organizada, coordenador resume as ideias apresentadas, o grande grupo encaminhas perguntas Como desenvolver? Pertinência das questões apresentadas, logica dos argumentos, relações entre pontos de vista, assimilação dos conhecimentos Como avaliar?
  • 104. Técnicas e Estratégias de Aprendizagem: Painel O que é? Discussão informal entre interessados ou envolvidos pela matéria em análise. Para que serve? Apresentar e discutir um assunto; estimular elaboração intelectual Como desenvolver? Alguns se colocam a frente para tratar do assunto; Cada pessoa tem um tempo determinado; Ao final, resumo e perguntas Como avaliar ? Atenção e concentração, poder de síntese e argumentos consistentes
  • 105. Técnicas e Estratégias de Aprendizagem: Painel
  • 107. Referências • ALARCÃO, Isabel. Escola reflexiva e nova racionalidade. Porto Alegre: Artmed, 2001. • ALMEIDA & PLACCO. O coordenador pedagógico e o espaço da mudança. São Paulo: Loyola, 2001. • APOLINÁRIO, Mauricio. A arte da Guerra para professores. Brasília: Thesaurus, 2007. • DRUCKER, Peter F. A sociedade pós-capitalista. 2ª ed. São Paulo: Pioneira, 1993. • FERNANDES, Maria Nilza de Oliveira. Líder-educador: Novas formas de gerenciamento. Petrópolis: Vozes, 2001. • FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 27ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996. • FREIRE, Paulo. Educação: o sonho possível. In: BRANDÂO. Carlos R. (org) O educador: vida e morte. Rio de Janeiro : Edições Graal, 1985 • LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e pedagogos, para quê? São Paulo: Cortez, 1998. • LIMA, Elvira Souza. A função antropológica de ensinar. Revista Nova Escola. São Paulo. 2000. • MASSETTO, Marcos Tarciso. Competência pedagógica do professor universitário. São Paulo : Summus, 2003. • MORIN, Edgar. Introdução ao Pensamento Complexo. 2ª edição, Lisboa: Instituto Piaget, 1990. • NÓVOA, António (Coord.). Os professores e a sua formação. 3. ed. Lisboa: Publicaçõe Dom Quixote, 1997. • PIMENTA, Selma Garrido; ANASTASIOU, Lea das Graças C. Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez, 2002. • TEIXEIRA, Gilberto. Andragogia: A aprendizagem de adultos. FEA/USP. 2009. • Universidade do Vale do Itajaí. Pró-Reitoria de Ensino. Formação continuada para docentes do ensino superior: apontamentos para novas alternativas pedagógicas. Itajaí : UNIVALI, 2002. • VEIGA, Ilma Passos Alencastro (org.). Técnicas de ensino: por que não? Campinas, São Paulo : Papirus, 1991.