SlideShare uma empresa Scribd logo
A aula universitária Considerações e reflexões sobre a prática cotidiana
Qualidade de ensino É percebida pela produção em sala, não existe ensino em geral, existe ensino nas salas de aula. Saber se os alunos estão aprendendo, se estão modificando comportamentos, se incorporam habilidades, atitudes, valores com base no projeto pedagógico-curricular do curso e nos programas de cada disciplina.
Qualidade de ensino É na sala de aula que os professores exercem sua influência direta sobre a formação e o comportamento dos alunos. Eles passam a seus alunos uma visão de mundo, uma visão das relações sociais, uma visão da profissão, ou seja, passam uma intencionalidade em relação à formação dos futuros profissionais que é, eminentemente, pedagógica.
Qualidade de ensino É na aula universitária que, principalmente, se traduzem as ambigüidades e os desafios do ensino superior. (...) Nela é que se materializam os conflitos entre expectativas sociais e projeto de cada universidade, sonhos individuais e compromissos coletivos, transmissão e produção do conhecimento, ser e vir-a-ser” (Cunha, 1997, p. 80, 81).
Considerações Ensino Pesquisa Extensão Tripé de sustentação das universidades:
Considerações Se houver algum lugar mais propício para promover  mudanças e inovações em vista da melhoria da qualidade de ensino, esse lugar é o curso, com seus professores e alunos, e a forma, a gestão participativa.
Diagnóstico Os diagnósticos e análises obtidos das pesquisas sobre problemas da docência universitária em várias  instituições do país mostram insatisfações dos alunos em relação ao currículo, às práticas de ensino, ao corpo docente.
O que pensam os alunos? Depoimentos: Bom professor é aquele que tem conhecimento e domínio da matéria. Os professores do meu curso são profissionais que têm pouco conhecimento de didática, são  competentes na sua área específica, mas não na área do magistério (80% das respostas).
O que pensam os alunos? Depoimentos: A formação fica prejudicada porque as aulas práticas se resumem ao estágio já no final do curso, não há interdisciplinaridade e não há didática e metodologia adequadas. Os professores que mais me marcaram, até agora, foram aqueles que interferiram na minha forma de ver o mundo, nas relações. Isto foi fundamental para mim.
O que os alunos criticam? O que os alunos criticam é o ensino tradicional, isto é, um sistema de relações centrado apenas na didática da  transmissão de informação que reduz o estudante a um sujeito que recebe passivamente essa informação.
Professores tradicionais... ensina sem qualquer formação pedagógica; consideram o magistério como atividade secundária; aprende a dar aulas por ensaio e erro; desconsidera o mundo do aluno, a prática do aluno, as diferenças entre os alunos. Quanto mais distância do aluno, melhor; seu método de dar aula é principalmente a aula expositiva, o papel do professor é transferir conhecimento;
Professores tradicionais... acham que a habilidade intelectual mais importante do aluno é a de memorização.  Basta expor a matéria, porque o bom aluno é o que memoriza o que foi falado e depois repete nas provas. Ou seja, a cabeça do aluno seria como uma esponja; se o professor faz pesquisa, não a utiliza como procedimento de ensino e para instrumentalizar os alunos a gerarem novos conhecimentos; a avaliação da aprendizagem consiste em dar prova e nota, é usada como instrumento de controle do comportamento do aluno, isto é, meio de estabelecer autoridade em relação ao aluno, de fazer pressão sobre o aluno.
Professores tradicionais... Intransigente Condescendente Apego ao livro didático Sem apoio bibliográfico Aula expositiva  Apresentação de grupos sem reflexão e análise Construção de conhecimento próprio Construção de conhecimento fragmentado em grupos
Professores tradicionais... “ Os estudantes ... estão condicionados a ter um tipo de expectativa em relação ao professor. Em geral, ela se encaminha para que o professor fale, “dê aula”, enquanto ele, aluno, escuta e intervém quando acha necessário. O fato de se achar na condição de ouvinte é confortável ao aluno. ... Este comportamento ratifica a tendência de que o ritual escolar se dê em cima da aula expositiva. É provável que professores e alunos assim se comportem por falta de vivência em outro tipo de abordagem metodológica” (Cunha, 1989).
Aula universitária alternativa Concepções de docência: o  como se ensina  depende de se saber  como os indivíduos aprendem, ou melhor, como adultos aprendem; a sala de aula é um espaço de construção conjunta do conhecimento. a aprendizagem está relacionada com a atividade de pesquisa tanto do aluno quanto do professor. Implica promover situações em que o aluno aprenda a buscar informações, aprenda a localizá-las, analisá-las, relacioná-las com conhecimentos anteriores, dando-lhes significado próprio, a redigir conclusões, a observar situações de campo e registrá-las, a buscar solução de problemas, dentre outros.
Aula universitária alternativa Concepções de docência: Sala de aula é espaço e tempo no qual e durante o qual os sujeitos de um processo de aprendizagem (professor e alunos) se encontram para juntos realizarem uma série de ações (na verdade interações). Toda aprendizagem precisa ser significativa, isto é, os conteúdos precisam fazer sentido para o aluno, com base nos próprios sentidos que os alunos atribuem ao que estão aprendendo.
Aula universitária alternativa Concepções de docência: A sala de aula implica uma aproximação entre a teoria e a prática. A aprendizagem se realiza mais facilmente e com maior compreensão e retenção quando acontece nos vários ambientes profissionais, fora da sala de aula, porque coloca o aprendiz mais em contato com a realidade.
Aula universitária alternativa Concepções de docência: A aprendizagem universitária está associada ao aprender a pensar e ao aprender a aprender. O ensino universitário precisa hoje ajudar o aluno a desenvolver habilidades de pensamento e identificar procedimentos necessários para apreender. A metodologia de ensino, na verdade, não são as técnicas de ensino, o uso do vídeo, do trabalho em grupo, da aula expositiva. Metodologia é como você ajuda seu aluno a pensar com os instrumentos conceituais e os processos de investigação da ciência que você ensina. Por exemplo, a boa pedagogia do professor de Direito é aquela que consegue traduzir didaticamente o modo próprio de pensar jurídico.
As funções do professor universitário Transmite o saber historicamente acumulado, é uma instância questionadora desse saber, é criadora de novas saberes. Ela também precisa saber responder à realidade histórica, social, política, cultural, científica.
Tarefas do professor universitário um profissional que domina o conhecimento e que sabe ensiná-lo de forma que os alunos aprendam, ou seja, domina o saber especifico e o saber pedagógico; um bom crítico das relações socioculturais da sociedade que o cerca e do momento histórico que vive. Domina um saber político-social, assumindo o papel social do seu campo de conhecimentos e de sua profissão;
Síntese Tudo o que ocorre na sala de aula deve estar em consonância com o que ocorre no âmbito de decisões em torno do projeto pedagógico, dos objetivos de ensino, do currículo, das formas convencionadas de relações professor-alunos e procedimentos de ensino. Se a aula é um espaço de aprendizagens, também a organização do trabalho escolar é um espaço de aprendizagens.
Síntese Isso significa que a organização escolar funciona com base em dois movimentos inter-relacionados: de um lado, a estrutura e a dinâmica organizacional atuam na produção das idéias, modos de agir, práticas profissionais dos professores; de outro, os professores são participantes ativos da organização, contribuindo para a definição de objetivos, formulação do projeto pedagógico-curricular, atuação nos processos de gestão e tomadas de decisão.
Síntese Segundo Perez Gómez (2000), toda aprendizagem relevante é um processo de diálogo com a realidade natural e social, supondo participação, interação, debate, trocas de significados e representações, envolvendo professores e alunos e alunos entre si. Nesse sentido, a sala de aula é um lugar de construção, reconstrução e compartilhamento de culturas.
Síntese A formação alimenta-se sobretudo de recursos endógenos, experiências individuais e coletivas, situações de trabalho sujeitas a um processo de inteligibilidade. A formação e a mudança passam, então, a sobrepôr-se num processo único em que o desenvolvimento profissional e o desenvolvimento organizacional são concomitantes.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNORELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
Cursos Profissionalizantes
 
Cerebro
Cerebro Cerebro
Cerebro
superego
 
Saberes Docentes final
Saberes Docentes finalSaberes Docentes final
Saberes Docentes final
mefurb
 
Sintese ideias o que é educação brandão
Sintese ideias o que é educação brandãoSintese ideias o que é educação brandão
Sintese ideias o que é educação brandão
Universidade Federal do Ceará
 
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallonA teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
Secretaria Municipal de Educação de Goiânia
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
Marcelo Assis
 
Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
Profissão Professor
 
Recursos Estilísticos Todos Os Recursos
Recursos Estilísticos Todos Os RecursosRecursos Estilísticos Todos Os Recursos
Recursos Estilísticos Todos Os Recursos
Bruno Pinto
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
ameliapadrao
 
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Manô Araújo
 
Trabalho prático pe
Trabalho prático peTrabalho prático pe
Trabalho prático pe
Glória Pimenta
 
Aprendizagem e ensino as teorias pedagógicas da educação
Aprendizagem e ensino   as teorias pedagógicas da educaçãoAprendizagem e ensino   as teorias pedagógicas da educação
Aprendizagem e ensino as teorias pedagógicas da educação
Kelly Lima
 
Power point john dewey
Power point john deweyPower point john dewey
Power point john dewey
Priscila Aristimunha
 
O Cérebro
O CérebroO Cérebro
O Cérebro
Ana Isabel
 
Funções sintáticas exercícios
Funções sintáticas   exercíciosFunções sintáticas   exercícios
Funções sintáticas exercícios
António Fernandes
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
António Cunha
 
OraçõEs
OraçõEsOraçõEs
OraçõEs
Luísa Freixo
 
Memorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosMemorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por Capítulos
Rui Matos
 
Actos Ilocutórios
Actos IlocutóriosActos Ilocutórios
Actos Ilocutórios
Isabel Martins
 
O Verbo
O VerboO Verbo

Mais procurados (20)

RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNORELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
 
Cerebro
Cerebro Cerebro
Cerebro
 
Saberes Docentes final
Saberes Docentes finalSaberes Docentes final
Saberes Docentes final
 
Sintese ideias o que é educação brandão
Sintese ideias o que é educação brandãoSintese ideias o que é educação brandão
Sintese ideias o que é educação brandão
 
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallonA teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
 
Recursos Estilísticos Todos Os Recursos
Recursos Estilísticos Todos Os RecursosRecursos Estilísticos Todos Os Recursos
Recursos Estilísticos Todos Os Recursos
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
 
Trabalho prático pe
Trabalho prático peTrabalho prático pe
Trabalho prático pe
 
Aprendizagem e ensino as teorias pedagógicas da educação
Aprendizagem e ensino   as teorias pedagógicas da educaçãoAprendizagem e ensino   as teorias pedagógicas da educação
Aprendizagem e ensino as teorias pedagógicas da educação
 
Power point john dewey
Power point john deweyPower point john dewey
Power point john dewey
 
O Cérebro
O CérebroO Cérebro
O Cérebro
 
Funções sintáticas exercícios
Funções sintáticas   exercíciosFunções sintáticas   exercícios
Funções sintáticas exercícios
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
OraçõEs
OraçõEsOraçõEs
OraçõEs
 
Memorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosMemorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por Capítulos
 
Actos Ilocutórios
Actos IlocutóriosActos Ilocutórios
Actos Ilocutórios
 
O Verbo
O VerboO Verbo
O Verbo
 

Semelhante a A Aula Universitária

didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3
jairdeoliveirajunior
 
Escola e sociedade
Escola e sociedadeEscola e sociedade
Escola e sociedade
cefaprodematupa
 
Papel pedagogo
Papel pedagogo Papel pedagogo
Papel pedagogo
Fatima Luzs
 
Pedagogia atv 03
Pedagogia atv 03Pedagogia atv 03
Pedagogia atv 03
aline totti
 
Conhecendo a didática
Conhecendo a didáticaConhecendo a didática
Conhecendoadidtica 09-120506132149-phpapp01
Conhecendoadidtica 09-120506132149-phpapp01Conhecendoadidtica 09-120506132149-phpapp01
Conhecendoadidtica 09-120506132149-phpapp01
Graça Barros
 
Docência do ensino superior
Docência do ensino superiorDocência do ensino superior
Docência do ensino superior
Suênya Mourão
 
Zabala
ZabalaZabala
Zabala
ZabalaZabala
Teoria e crítica literária
Teoria e crítica literáriaTeoria e crítica literária
Teoria e crítica literária
Edilene Jadao
 
Zabala
ZabalaZabala
Zabala
Maria Maria
 
Abordagens do-processo
Abordagens do-processoAbordagens do-processo
Abordagens do-processo
afermartins
 
ATPC 11-13_08 Metodologias ativas e currículo_ abordagens possíveis Parte 1...
ATPC 11-13_08 Metodologias ativas  e  currículo_ abordagens possíveis Parte 1...ATPC 11-13_08 Metodologias ativas  e  currículo_ abordagens possíveis Parte 1...
ATPC 11-13_08 Metodologias ativas e currículo_ abordagens possíveis Parte 1...
CLARICEFIRMINO
 
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Giba Canto
 
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTEPROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
ProfessorPrincipiante
 
Ensino as abordagens do processo
Ensino as abordagens do processoEnsino as abordagens do processo
Ensino as abordagens do processo
Nayra Carneiro
 
Ensino as abordagens do processo
Ensino as abordagens do processoEnsino as abordagens do processo
Ensino as abordagens do processo
Simone Everton
 
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NETCONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
Cristina Ferreira
 
conhecendoadidtica_um estudo inicial.ppt
conhecendoadidtica_um estudo inicial.pptconhecendoadidtica_um estudo inicial.ppt
conhecendoadidtica_um estudo inicial.ppt
ThaisJussara
 
Fundamentos e metodologias de ensino das séries iniciais
Fundamentos e metodologias de ensino das séries iniciaisFundamentos e metodologias de ensino das séries iniciais
Fundamentos e metodologias de ensino das séries iniciais
Marcos Augusto
 

Semelhante a A Aula Universitária (20)

didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3
 
Escola e sociedade
Escola e sociedadeEscola e sociedade
Escola e sociedade
 
Papel pedagogo
Papel pedagogo Papel pedagogo
Papel pedagogo
 
Pedagogia atv 03
Pedagogia atv 03Pedagogia atv 03
Pedagogia atv 03
 
Conhecendo a didática
Conhecendo a didáticaConhecendo a didática
Conhecendo a didática
 
Conhecendoadidtica 09-120506132149-phpapp01
Conhecendoadidtica 09-120506132149-phpapp01Conhecendoadidtica 09-120506132149-phpapp01
Conhecendoadidtica 09-120506132149-phpapp01
 
Docência do ensino superior
Docência do ensino superiorDocência do ensino superior
Docência do ensino superior
 
Zabala
ZabalaZabala
Zabala
 
Zabala
ZabalaZabala
Zabala
 
Teoria e crítica literária
Teoria e crítica literáriaTeoria e crítica literária
Teoria e crítica literária
 
Zabala
ZabalaZabala
Zabala
 
Abordagens do-processo
Abordagens do-processoAbordagens do-processo
Abordagens do-processo
 
ATPC 11-13_08 Metodologias ativas e currículo_ abordagens possíveis Parte 1...
ATPC 11-13_08 Metodologias ativas  e  currículo_ abordagens possíveis Parte 1...ATPC 11-13_08 Metodologias ativas  e  currículo_ abordagens possíveis Parte 1...
ATPC 11-13_08 Metodologias ativas e currículo_ abordagens possíveis Parte 1...
 
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
 
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTEPROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
 
Ensino as abordagens do processo
Ensino as abordagens do processoEnsino as abordagens do processo
Ensino as abordagens do processo
 
Ensino as abordagens do processo
Ensino as abordagens do processoEnsino as abordagens do processo
Ensino as abordagens do processo
 
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NETCONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
 
conhecendoadidtica_um estudo inicial.ppt
conhecendoadidtica_um estudo inicial.pptconhecendoadidtica_um estudo inicial.ppt
conhecendoadidtica_um estudo inicial.ppt
 
Fundamentos e metodologias de ensino das séries iniciais
Fundamentos e metodologias de ensino das séries iniciaisFundamentos e metodologias de ensino das séries iniciais
Fundamentos e metodologias de ensino das séries iniciais
 

Mais de Márcia Castilho de Sales

ABED
ABEDABED
Iii encontro presencial
Iii encontro presencialIii encontro presencial
Iii encontro presencial
Márcia Castilho de Sales
 
Diretrizes nacionais da educação para o trânsito na pré-escola
Diretrizes nacionais da educação para o trânsito na pré-escolaDiretrizes nacionais da educação para o trânsito na pré-escola
Diretrizes nacionais da educação para o trânsito na pré-escola
Márcia Castilho de Sales
 
Guia de navegação
Guia de navegaçãoGuia de navegação
Guia de navegação
Márcia Castilho de Sales
 
Guia de Navegação no AVA
Guia de Navegação no AVAGuia de Navegação no AVA
Guia de Navegação no AVA
Márcia Castilho de Sales
 
Caderno de Perguntas e Respostas – 4º CICLO
Caderno de Perguntas e Respostas – 4º CICLOCaderno de Perguntas e Respostas – 4º CICLO
Caderno de Perguntas e Respostas – 4º CICLO
Márcia Castilho de Sales
 
Estratégias Didático-pedagógicas e Avaliação nos ciclos
Estratégias Didático-pedagógicas e Avaliação nos ciclosEstratégias Didático-pedagógicas e Avaliação nos ciclos
Estratégias Didático-pedagógicas e Avaliação nos ciclos
Márcia Castilho de Sales
 
Caderno 8 do Currículo em Movimento - EJA
Caderno 8 do Currículo em Movimento - EJACaderno 8 do Currículo em Movimento - EJA
Caderno 8 do Currículo em Movimento - EJA
Márcia Castilho de Sales
 
CURRÍCULO EM MOVIMENTO - Ensino Médio
CURRÍCULO EM MOVIMENTO - Ensino MédioCURRÍCULO EM MOVIMENTO - Ensino Médio
CURRÍCULO EM MOVIMENTO - Ensino Médio
Márcia Castilho de Sales
 
Desafios da avaliação nos ciclos
Desafios da avaliação nos ciclos Desafios da avaliação nos ciclos
Desafios da avaliação nos ciclos
Márcia Castilho de Sales
 
Ciclos progressivos de aprendizagens
Ciclos progressivos de aprendizagensCiclos progressivos de aprendizagens
Ciclos progressivos de aprendizagens
Márcia Castilho de Sales
 
Construindo o material do PROEJA na ETC
Construindo o material do PROEJA na ETCConstruindo o material do PROEJA na ETC
Construindo o material do PROEJA na ETC
Márcia Castilho de Sales
 
Encontro presencial – treinamento e instrutoria
Encontro presencial – treinamento e instrutoriaEncontro presencial – treinamento e instrutoria
Encontro presencial – treinamento e instrutoria
Márcia Castilho de Sales
 
Historia confintea port
Historia confintea portHistoria confintea port
Historia confintea port
Márcia Castilho de Sales
 
Preparatorio da confitea
Preparatorio da confiteaPreparatorio da confitea
Preparatorio da confitea
Márcia Castilho de Sales
 
Impactos confiteas
Impactos confiteasImpactos confiteas
Impactos confiteas
Márcia Castilho de Sales
 
Guia do Aluno
Guia do AlunoGuia do Aluno
Guia do Aluno
Guia do AlunoGuia do Aluno
Percival snf
Percival snfPercival snf

Mais de Márcia Castilho de Sales (20)

ABED
ABEDABED
ABED
 
Teste
TesteTeste
Teste
 
Iii encontro presencial
Iii encontro presencialIii encontro presencial
Iii encontro presencial
 
Diretrizes nacionais da educação para o trânsito na pré-escola
Diretrizes nacionais da educação para o trânsito na pré-escolaDiretrizes nacionais da educação para o trânsito na pré-escola
Diretrizes nacionais da educação para o trânsito na pré-escola
 
Guia de navegação
Guia de navegaçãoGuia de navegação
Guia de navegação
 
Guia de Navegação no AVA
Guia de Navegação no AVAGuia de Navegação no AVA
Guia de Navegação no AVA
 
Caderno de Perguntas e Respostas – 4º CICLO
Caderno de Perguntas e Respostas – 4º CICLOCaderno de Perguntas e Respostas – 4º CICLO
Caderno de Perguntas e Respostas – 4º CICLO
 
Estratégias Didático-pedagógicas e Avaliação nos ciclos
Estratégias Didático-pedagógicas e Avaliação nos ciclosEstratégias Didático-pedagógicas e Avaliação nos ciclos
Estratégias Didático-pedagógicas e Avaliação nos ciclos
 
Caderno 8 do Currículo em Movimento - EJA
Caderno 8 do Currículo em Movimento - EJACaderno 8 do Currículo em Movimento - EJA
Caderno 8 do Currículo em Movimento - EJA
 
CURRÍCULO EM MOVIMENTO - Ensino Médio
CURRÍCULO EM MOVIMENTO - Ensino MédioCURRÍCULO EM MOVIMENTO - Ensino Médio
CURRÍCULO EM MOVIMENTO - Ensino Médio
 
Desafios da avaliação nos ciclos
Desafios da avaliação nos ciclos Desafios da avaliação nos ciclos
Desafios da avaliação nos ciclos
 
Ciclos progressivos de aprendizagens
Ciclos progressivos de aprendizagensCiclos progressivos de aprendizagens
Ciclos progressivos de aprendizagens
 
Construindo o material do PROEJA na ETC
Construindo o material do PROEJA na ETCConstruindo o material do PROEJA na ETC
Construindo o material do PROEJA na ETC
 
Encontro presencial – treinamento e instrutoria
Encontro presencial – treinamento e instrutoriaEncontro presencial – treinamento e instrutoria
Encontro presencial – treinamento e instrutoria
 
Historia confintea port
Historia confintea portHistoria confintea port
Historia confintea port
 
Preparatorio da confitea
Preparatorio da confiteaPreparatorio da confitea
Preparatorio da confitea
 
Impactos confiteas
Impactos confiteasImpactos confiteas
Impactos confiteas
 
Guia do Aluno
Guia do AlunoGuia do Aluno
Guia do Aluno
 
Guia do Aluno
Guia do AlunoGuia do Aluno
Guia do Aluno
 
Percival snf
Percival snfPercival snf
Percival snf
 

A Aula Universitária

  • 1. A aula universitária Considerações e reflexões sobre a prática cotidiana
  • 2. Qualidade de ensino É percebida pela produção em sala, não existe ensino em geral, existe ensino nas salas de aula. Saber se os alunos estão aprendendo, se estão modificando comportamentos, se incorporam habilidades, atitudes, valores com base no projeto pedagógico-curricular do curso e nos programas de cada disciplina.
  • 3. Qualidade de ensino É na sala de aula que os professores exercem sua influência direta sobre a formação e o comportamento dos alunos. Eles passam a seus alunos uma visão de mundo, uma visão das relações sociais, uma visão da profissão, ou seja, passam uma intencionalidade em relação à formação dos futuros profissionais que é, eminentemente, pedagógica.
  • 4. Qualidade de ensino É na aula universitária que, principalmente, se traduzem as ambigüidades e os desafios do ensino superior. (...) Nela é que se materializam os conflitos entre expectativas sociais e projeto de cada universidade, sonhos individuais e compromissos coletivos, transmissão e produção do conhecimento, ser e vir-a-ser” (Cunha, 1997, p. 80, 81).
  • 5. Considerações Ensino Pesquisa Extensão Tripé de sustentação das universidades:
  • 6. Considerações Se houver algum lugar mais propício para promover mudanças e inovações em vista da melhoria da qualidade de ensino, esse lugar é o curso, com seus professores e alunos, e a forma, a gestão participativa.
  • 7. Diagnóstico Os diagnósticos e análises obtidos das pesquisas sobre problemas da docência universitária em várias instituições do país mostram insatisfações dos alunos em relação ao currículo, às práticas de ensino, ao corpo docente.
  • 8. O que pensam os alunos? Depoimentos: Bom professor é aquele que tem conhecimento e domínio da matéria. Os professores do meu curso são profissionais que têm pouco conhecimento de didática, são competentes na sua área específica, mas não na área do magistério (80% das respostas).
  • 9. O que pensam os alunos? Depoimentos: A formação fica prejudicada porque as aulas práticas se resumem ao estágio já no final do curso, não há interdisciplinaridade e não há didática e metodologia adequadas. Os professores que mais me marcaram, até agora, foram aqueles que interferiram na minha forma de ver o mundo, nas relações. Isto foi fundamental para mim.
  • 10. O que os alunos criticam? O que os alunos criticam é o ensino tradicional, isto é, um sistema de relações centrado apenas na didática da transmissão de informação que reduz o estudante a um sujeito que recebe passivamente essa informação.
  • 11. Professores tradicionais... ensina sem qualquer formação pedagógica; consideram o magistério como atividade secundária; aprende a dar aulas por ensaio e erro; desconsidera o mundo do aluno, a prática do aluno, as diferenças entre os alunos. Quanto mais distância do aluno, melhor; seu método de dar aula é principalmente a aula expositiva, o papel do professor é transferir conhecimento;
  • 12. Professores tradicionais... acham que a habilidade intelectual mais importante do aluno é a de memorização. Basta expor a matéria, porque o bom aluno é o que memoriza o que foi falado e depois repete nas provas. Ou seja, a cabeça do aluno seria como uma esponja; se o professor faz pesquisa, não a utiliza como procedimento de ensino e para instrumentalizar os alunos a gerarem novos conhecimentos; a avaliação da aprendizagem consiste em dar prova e nota, é usada como instrumento de controle do comportamento do aluno, isto é, meio de estabelecer autoridade em relação ao aluno, de fazer pressão sobre o aluno.
  • 13. Professores tradicionais... Intransigente Condescendente Apego ao livro didático Sem apoio bibliográfico Aula expositiva Apresentação de grupos sem reflexão e análise Construção de conhecimento próprio Construção de conhecimento fragmentado em grupos
  • 14. Professores tradicionais... “ Os estudantes ... estão condicionados a ter um tipo de expectativa em relação ao professor. Em geral, ela se encaminha para que o professor fale, “dê aula”, enquanto ele, aluno, escuta e intervém quando acha necessário. O fato de se achar na condição de ouvinte é confortável ao aluno. ... Este comportamento ratifica a tendência de que o ritual escolar se dê em cima da aula expositiva. É provável que professores e alunos assim se comportem por falta de vivência em outro tipo de abordagem metodológica” (Cunha, 1989).
  • 15. Aula universitária alternativa Concepções de docência: o como se ensina depende de se saber como os indivíduos aprendem, ou melhor, como adultos aprendem; a sala de aula é um espaço de construção conjunta do conhecimento. a aprendizagem está relacionada com a atividade de pesquisa tanto do aluno quanto do professor. Implica promover situações em que o aluno aprenda a buscar informações, aprenda a localizá-las, analisá-las, relacioná-las com conhecimentos anteriores, dando-lhes significado próprio, a redigir conclusões, a observar situações de campo e registrá-las, a buscar solução de problemas, dentre outros.
  • 16. Aula universitária alternativa Concepções de docência: Sala de aula é espaço e tempo no qual e durante o qual os sujeitos de um processo de aprendizagem (professor e alunos) se encontram para juntos realizarem uma série de ações (na verdade interações). Toda aprendizagem precisa ser significativa, isto é, os conteúdos precisam fazer sentido para o aluno, com base nos próprios sentidos que os alunos atribuem ao que estão aprendendo.
  • 17. Aula universitária alternativa Concepções de docência: A sala de aula implica uma aproximação entre a teoria e a prática. A aprendizagem se realiza mais facilmente e com maior compreensão e retenção quando acontece nos vários ambientes profissionais, fora da sala de aula, porque coloca o aprendiz mais em contato com a realidade.
  • 18. Aula universitária alternativa Concepções de docência: A aprendizagem universitária está associada ao aprender a pensar e ao aprender a aprender. O ensino universitário precisa hoje ajudar o aluno a desenvolver habilidades de pensamento e identificar procedimentos necessários para apreender. A metodologia de ensino, na verdade, não são as técnicas de ensino, o uso do vídeo, do trabalho em grupo, da aula expositiva. Metodologia é como você ajuda seu aluno a pensar com os instrumentos conceituais e os processos de investigação da ciência que você ensina. Por exemplo, a boa pedagogia do professor de Direito é aquela que consegue traduzir didaticamente o modo próprio de pensar jurídico.
  • 19. As funções do professor universitário Transmite o saber historicamente acumulado, é uma instância questionadora desse saber, é criadora de novas saberes. Ela também precisa saber responder à realidade histórica, social, política, cultural, científica.
  • 20. Tarefas do professor universitário um profissional que domina o conhecimento e que sabe ensiná-lo de forma que os alunos aprendam, ou seja, domina o saber especifico e o saber pedagógico; um bom crítico das relações socioculturais da sociedade que o cerca e do momento histórico que vive. Domina um saber político-social, assumindo o papel social do seu campo de conhecimentos e de sua profissão;
  • 21. Síntese Tudo o que ocorre na sala de aula deve estar em consonância com o que ocorre no âmbito de decisões em torno do projeto pedagógico, dos objetivos de ensino, do currículo, das formas convencionadas de relações professor-alunos e procedimentos de ensino. Se a aula é um espaço de aprendizagens, também a organização do trabalho escolar é um espaço de aprendizagens.
  • 22. Síntese Isso significa que a organização escolar funciona com base em dois movimentos inter-relacionados: de um lado, a estrutura e a dinâmica organizacional atuam na produção das idéias, modos de agir, práticas profissionais dos professores; de outro, os professores são participantes ativos da organização, contribuindo para a definição de objetivos, formulação do projeto pedagógico-curricular, atuação nos processos de gestão e tomadas de decisão.
  • 23. Síntese Segundo Perez Gómez (2000), toda aprendizagem relevante é um processo de diálogo com a realidade natural e social, supondo participação, interação, debate, trocas de significados e representações, envolvendo professores e alunos e alunos entre si. Nesse sentido, a sala de aula é um lugar de construção, reconstrução e compartilhamento de culturas.
  • 24. Síntese A formação alimenta-se sobretudo de recursos endógenos, experiências individuais e coletivas, situações de trabalho sujeitas a um processo de inteligibilidade. A formação e a mudança passam, então, a sobrepôr-se num processo único em que o desenvolvimento profissional e o desenvolvimento organizacional são concomitantes.