SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
GONORREIA
Natália Vasconcellos
Fabiana Andrade
Allan
Márcia
Tatiane
DEFINIÇÃO
Gonorreia, também chamada de blenorragia, uretrite
gonocócica, esquentamento, é uma doença
infectocontagiosa sexualmente transmissível (DST),
causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae, que
infecta especialmente a uretra, canal que liga a bexiga
ao meio externo.
SINTOMAS
Nas mulheres, pode haver dor ao urinar ou no baixo ventre (pé
da barriga), aumento de corrimento, sangramento fora da época
da menstruação, dor ou sangramento durante a relação sexual.
Entretanto, é muito comum estar doente e não ter sintoma algum.
Por isso, é recomendável procurar um serviço de saúde
periodicamente, em especial se houve sexo sem camisinha.
Nos homens, normalmente há uma sensação de ardor e
esquentamento ao urinar, podendo causar corrimento ou pus,
além de dor nos testículos. É possível que não haja sintomas e o
homem transmita a doença sem saber.
FATORES DE RISCO
Pouca idade
Ter vários parceiros sexuais
Ter um parceiro com histórico de qualquer infecção sexualmente transmissível
Não usar camisinha durante o ato sexual
Uso abusivo de álcool ou de substâncias ilegais, que é um fator de risco para o sexo
desprotegido.
TRANSMISSÃO
A principal forma de transmissão da gonorreia é por meio de relação sexual com pessoa
infectada, seja essa relação oral, vaginal ou anal, sem o uso de preservativo. Mesmo sem
apresentar sintomas, as mulheres contaminadas transmitem a bactéria causadora da doença.
Pode ocorrer também, durante o parto, transmissão da mãe contaminada para o bebê. Caso
esse tipo de transmissão aconteça, corre-se o risco de o bebê ter os olhos gravemente
afetados, podendo levar à cegueira. O período de incubação geralmente ocorre entre 2 e 5
dias. O risco de transmissão de um parceiro infectado a outro é de 50% por ato. Pode durar de
meses a anos, se o paciente não for tratado. O tratamento eficaz rapidamente interrompe a
transmissão.
DIAGNÓSTICO
A gonorreia pode ser identificada por meio de um método simples que consiste na observação
de uma amostra de secreção no microscópio. Essa técnica é chamada de coloração de Gram.
As amostras para culturas, isto é, para o cultivo e identificação da bactéria em laboratório,
podem resultar no diagnóstico definitivo da infecção . Geralmente, as amostras para uma
cultura são colhidas do colo do útero, da vagina, da uretra, do ânus ou da garganta. Os testes
podem apresentar um diagnóstico preliminar em 24 horas e um diagnóstico confirmado em
72 horas. Este método é mais sensível e mais específico que os exames de coloração de
Gram.
PREVENÇÃO
Usar preservativos na relação sexual é o melhor meio para se
prevenir gonorreia. Use camisinha em todo e qualquer tipo de
contato sexual, seja ele vaginal, anal ou oral.
De modo geral, evite ter relações sexuais com pessoas
diagnosticadas com gonorreia até que estejam completamente
tratadas.
Para evitar futuras transmissões da infecção, é importante
também que todos os parceiros ou parceiras sexuais sejam
tratados. A doença pode voltar caso uma das partes não tenha
recebido tratamento adequado.
TRATAMENTO
O tratamento da gonorreia geralmente envolve o uso de
antibióticos como a Azitrocimina em comprimidos e
Ceftriaxona em injeção para eliminar a bactéria que causa a
doença do organismo.
Geralmente, com o início do tratamento, os sintomas da
gonorreia como dor ou ardor ao urinar e corrimento branco-
amarelado, semelhante ao pus diminuem, no entanto, é
importante o indivíduo tomar os antibióticos até ao final do
tratamento para conseguir a cura da doença.
Durante o tratamento para gonorreia, é importante que o
indivíduo evite ter relações sexuais até estar completamente
curado. Para ter a certeza da cura definitiva da gonorreia, o
indivíduo deve voltar a fazer exames ginecológicos ou de
sangue no final do tratamento para confirmar que já não há
infecção.
COMPLICAÇÕES
Infertilidade ( DIP e epididimite)
Infecções
AIDS/HIV
CUIDADOS DE ENFERMAGEM
A enfermagem deve ser vista como colaboradora visto que os pacientes muitas vezes não
sabem como lidar com a patologia existente. Esta pesquisa teve por objetivo propiciar
informações acerca da gonorreia e a assistência prestada de enfermagem a seus portadores.
A enfermagem é fundamental para obtenção de êxito no tratamento, orientando sob a
medicação prescrita, realização dos exames solicitados, pois por se tratar de uma
DST,aumenta o risco de outras infecções pela mesma.
É papel da enfermagem fornecer informações as mulheres durante o pré-natal, referente a
conjuntivite gonocócica em recém-nascidos, caso seja suspeito a gonorreia realizar o exame
de cultura e o resultado sendo positivo deve ser tratada.
BIBLIOGRAFIA
http://www.minhavida.com.br/saude/temas/gonorreia
http://www.aids.gov.br/pagina/clamidia-e-gonorreia
http://drauziovarella.com.br/sexualidade/gonorreia/
http://www.webartigos.com/artigos/assistencia-de-enfermagem-aos-portadores-de-
gonorreia/102767/
OBRIGADA PELAATENÇÃO !!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Gonorréia e Clamídia
Gonorréia e ClamídiaGonorréia e Clamídia
Gonorréia e Clamídia
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 
IST - Gonorreia
IST - GonorreiaIST - Gonorreia
IST - Gonorreia
 
Infecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente TransmissíveisInfecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente Transmissíveis
 
Candidíase
CandidíaseCandidíase
Candidíase
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 
Clamídia
ClamídiaClamídia
Clamídia
 
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALOApresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
 
Tricomoníase
TricomoníaseTricomoníase
Tricomoníase
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Tricomoníase
TricomoníaseTricomoníase
Tricomoníase
 
Dst/aids SIPAT (oficial)
Dst/aids SIPAT (oficial)Dst/aids SIPAT (oficial)
Dst/aids SIPAT (oficial)
 
TRICOMONÍASE 
TRICOMONÍASE TRICOMONÍASE 
TRICOMONÍASE 
 
Hepatite B
Hepatite BHepatite B
Hepatite B
 
Ists
IstsIsts
Ists
 
Clamídia apresentação
Clamídia apresentaçãoClamídia apresentação
Clamídia apresentação
 
Ist 01
Ist 01Ist 01
Ist 01
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis - DST
Doenças Sexualmente Transmissíveis - DSTDoenças Sexualmente Transmissíveis - DST
Doenças Sexualmente Transmissíveis - DST
 
Candidiase - tratamento candidiase vulvovaginal
Candidiase - tratamento candidiase vulvovaginalCandidiase - tratamento candidiase vulvovaginal
Candidiase - tratamento candidiase vulvovaginal
 
Dst aids para adolescentes
Dst   aids para adolescentesDst   aids para adolescentes
Dst aids para adolescentes
 

Semelhante a Trabalho gonorreia

Doenças sexualmente transmissíveis nathalia[
Doenças sexualmente transmissíveis nathalia[Doenças sexualmente transmissíveis nathalia[
Doenças sexualmente transmissíveis nathalia[NathNascimento
 
DST- em construção.pptx
DST- em construção.pptxDST- em construção.pptx
DST- em construção.pptxMabelMendes6
 
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveisTrabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveisR C
 
dst parte 2 INFECÇÃO SEXUALMENTE TRANSMISSIVEL
dst parte 2 INFECÇÃO SEXUALMENTE TRANSMISSIVELdst parte 2 INFECÇÃO SEXUALMENTE TRANSMISSIVEL
dst parte 2 INFECÇÃO SEXUALMENTE TRANSMISSIVELLuanMiguelCosta
 
Doenas s1-1198788038494860-3
Doenas s1-1198788038494860-3Doenas s1-1198788038494860-3
Doenas s1-1198788038494860-3Pelo Siro
 
Dts e métodos contracetivos
Dts e métodos contracetivosDts e métodos contracetivos
Dts e métodos contracetivosMaria Freitas
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis Maria Monteiro Soares
 
Sexualmente transmissíveis
Sexualmente transmissíveisSexualmente transmissíveis
Sexualmente transmissíveisRui
 
Sexualmente transmissíveis
Sexualmente transmissíveisSexualmente transmissíveis
Sexualmente transmissíveisRui
 

Semelhante a Trabalho gonorreia (20)

Doenças sexualmente transmissíveis nathalia[
Doenças sexualmente transmissíveis nathalia[Doenças sexualmente transmissíveis nathalia[
Doenças sexualmente transmissíveis nathalia[
 
ISTs gonorréia.pptx
ISTs gonorréia.pptxISTs gonorréia.pptx
ISTs gonorréia.pptx
 
microbiologiagonorreia
microbiologiagonorreiamicrobiologiagonorreia
microbiologiagonorreia
 
DST- em construção.pptx
DST- em construção.pptxDST- em construção.pptx
DST- em construção.pptx
 
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveisTrabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveis
 
dst parte 2 INFECÇÃO SEXUALMENTE TRANSMISSIVEL
dst parte 2 INFECÇÃO SEXUALMENTE TRANSMISSIVELdst parte 2 INFECÇÃO SEXUALMENTE TRANSMISSIVEL
dst parte 2 INFECÇÃO SEXUALMENTE TRANSMISSIVEL
 
Doenas s1-1198788038494860-3
Doenas s1-1198788038494860-3Doenas s1-1198788038494860-3
Doenas s1-1198788038494860-3
 
Trabalho de gonorreia
Trabalho de gonorreiaTrabalho de gonorreia
Trabalho de gonorreia
 
Dts e métodos contracetivos
Dts e métodos contracetivosDts e métodos contracetivos
Dts e métodos contracetivos
 
gonorreia-161128211854.pdf
gonorreia-161128211854.pdfgonorreia-161128211854.pdf
gonorreia-161128211854.pdf
 
DSTs
DSTsDSTs
DSTs
 
DSTs
DSTsDSTs
DSTs
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 
DST
DSTDST
DST
 
Aids
AidsAids
Aids
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
 
Dst
DstDst
Dst
 
Sexualmente transmissíveis
Sexualmente transmissíveisSexualmente transmissíveis
Sexualmente transmissíveis
 
Sexualmente transmissíveis
Sexualmente transmissíveisSexualmente transmissíveis
Sexualmente transmissíveis
 

Mais de Natalia Mikaele Vasconcellos (7)

Seminário de sociologia sobre Paulo Freire e Anísio Texeira
Seminário de sociologia sobre Paulo Freire e Anísio TexeiraSeminário de sociologia sobre Paulo Freire e Anísio Texeira
Seminário de sociologia sobre Paulo Freire e Anísio Texeira
 
Crise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedasCrise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedas
 
Seminário de ppre escarro
Seminário de ppre escarroSeminário de ppre escarro
Seminário de ppre escarro
 
equinodermos
equinodermosequinodermos
equinodermos
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidários Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
 
Sistema endócrino.pptx
Sistema endócrino.pptxSistema endócrino.pptx
Sistema endócrino.pptx
 
Musicoterapia trabalho de mt
Musicoterapia trabalho de mtMusicoterapia trabalho de mt
Musicoterapia trabalho de mt
 

Trabalho gonorreia

  • 2. DEFINIÇÃO Gonorreia, também chamada de blenorragia, uretrite gonocócica, esquentamento, é uma doença infectocontagiosa sexualmente transmissível (DST), causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae, que infecta especialmente a uretra, canal que liga a bexiga ao meio externo.
  • 3. SINTOMAS Nas mulheres, pode haver dor ao urinar ou no baixo ventre (pé da barriga), aumento de corrimento, sangramento fora da época da menstruação, dor ou sangramento durante a relação sexual. Entretanto, é muito comum estar doente e não ter sintoma algum. Por isso, é recomendável procurar um serviço de saúde periodicamente, em especial se houve sexo sem camisinha. Nos homens, normalmente há uma sensação de ardor e esquentamento ao urinar, podendo causar corrimento ou pus, além de dor nos testículos. É possível que não haja sintomas e o homem transmita a doença sem saber.
  • 4. FATORES DE RISCO Pouca idade Ter vários parceiros sexuais Ter um parceiro com histórico de qualquer infecção sexualmente transmissível Não usar camisinha durante o ato sexual Uso abusivo de álcool ou de substâncias ilegais, que é um fator de risco para o sexo desprotegido.
  • 5. TRANSMISSÃO A principal forma de transmissão da gonorreia é por meio de relação sexual com pessoa infectada, seja essa relação oral, vaginal ou anal, sem o uso de preservativo. Mesmo sem apresentar sintomas, as mulheres contaminadas transmitem a bactéria causadora da doença. Pode ocorrer também, durante o parto, transmissão da mãe contaminada para o bebê. Caso esse tipo de transmissão aconteça, corre-se o risco de o bebê ter os olhos gravemente afetados, podendo levar à cegueira. O período de incubação geralmente ocorre entre 2 e 5 dias. O risco de transmissão de um parceiro infectado a outro é de 50% por ato. Pode durar de meses a anos, se o paciente não for tratado. O tratamento eficaz rapidamente interrompe a transmissão.
  • 6. DIAGNÓSTICO A gonorreia pode ser identificada por meio de um método simples que consiste na observação de uma amostra de secreção no microscópio. Essa técnica é chamada de coloração de Gram. As amostras para culturas, isto é, para o cultivo e identificação da bactéria em laboratório, podem resultar no diagnóstico definitivo da infecção . Geralmente, as amostras para uma cultura são colhidas do colo do útero, da vagina, da uretra, do ânus ou da garganta. Os testes podem apresentar um diagnóstico preliminar em 24 horas e um diagnóstico confirmado em 72 horas. Este método é mais sensível e mais específico que os exames de coloração de Gram.
  • 7. PREVENÇÃO Usar preservativos na relação sexual é o melhor meio para se prevenir gonorreia. Use camisinha em todo e qualquer tipo de contato sexual, seja ele vaginal, anal ou oral. De modo geral, evite ter relações sexuais com pessoas diagnosticadas com gonorreia até que estejam completamente tratadas. Para evitar futuras transmissões da infecção, é importante também que todos os parceiros ou parceiras sexuais sejam tratados. A doença pode voltar caso uma das partes não tenha recebido tratamento adequado.
  • 8. TRATAMENTO O tratamento da gonorreia geralmente envolve o uso de antibióticos como a Azitrocimina em comprimidos e Ceftriaxona em injeção para eliminar a bactéria que causa a doença do organismo. Geralmente, com o início do tratamento, os sintomas da gonorreia como dor ou ardor ao urinar e corrimento branco- amarelado, semelhante ao pus diminuem, no entanto, é importante o indivíduo tomar os antibióticos até ao final do tratamento para conseguir a cura da doença.
  • 9. Durante o tratamento para gonorreia, é importante que o indivíduo evite ter relações sexuais até estar completamente curado. Para ter a certeza da cura definitiva da gonorreia, o indivíduo deve voltar a fazer exames ginecológicos ou de sangue no final do tratamento para confirmar que já não há infecção.
  • 10. COMPLICAÇÕES Infertilidade ( DIP e epididimite) Infecções AIDS/HIV
  • 11. CUIDADOS DE ENFERMAGEM A enfermagem deve ser vista como colaboradora visto que os pacientes muitas vezes não sabem como lidar com a patologia existente. Esta pesquisa teve por objetivo propiciar informações acerca da gonorreia e a assistência prestada de enfermagem a seus portadores. A enfermagem é fundamental para obtenção de êxito no tratamento, orientando sob a medicação prescrita, realização dos exames solicitados, pois por se tratar de uma DST,aumenta o risco de outras infecções pela mesma. É papel da enfermagem fornecer informações as mulheres durante o pré-natal, referente a conjuntivite gonocócica em recém-nascidos, caso seja suspeito a gonorreia realizar o exame de cultura e o resultado sendo positivo deve ser tratada.