SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
SusanaCardoso
2014
COMUNICAÇÃO
 O que é comunicar.
 Elementos da Comunicação.
 Como se transforma a
comunicação.
 O Tas e a comunicação no seu
ambiente de trabalho.
 Como comunicar ao telefone, que
cuidados devem ter, como resolver
problemas através do telefone.
 Comunicação presencial (cuidados
a ter com o utente).
 Interação com os colegas de
trabalho.
 Gestão de conflitos.
“O que é comunicar?”
Comunicar é, hoje em dia um ato essencial ao Homem para o seu
desenvolvimento quer social quer pessoal.
É uma troca de informações, ideias, experiências e sentimentos entre duas ou
mais pessoas tornando comum o conhecimento trocado.
“Elementos da comunicação”
Comunicar implica existir uma mensagem, um emissor, que transmite a
mensagem, um receptor que a recebe, o meio e o código.
O meio e o código variam sendo que a mensagem pode ser gestual, oral,
escrita, expressiva, táctil, visual.
Esta é feita através do corpo ou através de meios tecnológicos.
Para uma boa comunicação deve haver então os seguintes elementos:
Mas o que significam estes elementos no ato da de comunicação?
a) Emissor: é aquele que envia a mensagem (pode ser uma única pessoa ou
um grupo de pessoas).
b) Mensagem: é o conteúdo (assunto) das informações que são transmitidas.
c) Receptor: é aquele a quem a mensagem é endereçada (um indivíduo ou um
grupo), também conhecido como destinatário.
d) Canal de comunicação: é o meio pelo qual a mensagem é transmitida.
e) Código: é o conjunto de signos e de regras de combinação desses signos
utilizado para elaborar a mensagem: o emissor codifica aquilo que o receptor
irá decodificar.
f) Contexto: é o objeto ou a situação a que a mensagem se refere.
“Evolução da comunicação”
Desde o início dos tempos o homem sentiu necessidade de comunicar com os
seus semelhantes, quer para expressar a sua cultura quer para expressar
sentimentos.
As datas da evolução da comunicação são presumidas, sem grande exatidão,
no entanto podemos afirmar que esta sempre existiu, acompanhando a
evolução tecnológica do homem através dos tempos.
Se voltarmos atrás na história humana vemos que a comunicação teve o seu
começo na “pré-história”, no período que denominamos de “Paleolítico e
Mesolítico” que decorreu entre 500.000 A.C. a 18.000A.C.
O seu início dá-se com as pinturas rupestres, estas mostravam o dia-a-dia dos
homens, as suas caçadas, como se pode verificar nas imagens abaixo.
Aqui podemos denotar o modo de sobrevivência que eles tinham. Podemos ver
os animais a fugir e os homens com os paus ou as flechas a caçarem-nos.
Logo de seguida entramos na era do Neolítico que foi desde 18.000 A.C até
5.000 A.C.
Aqui verifica-se a existência de um número de homens maior que
representavam o seu quotidiano através dos ossos, pedras, madeiras e
também da argila que apareceu logo depois.
A Idade dos metais surge em 5.000 A.C e vai até 4.000 A.C.
Aqui o homem começa a utilizar o cobre, o ferro e o bronze no seu dia-a-dia.
No final da Idade dos Metais ocorre a transição da Pré-história para a História
(por volta de4.000 A.C).
E aqui surge a escrita da Mesopotâmia e do Egipto, (hieróglifos, papiros).
Daqui para a frente podemos dizer que chegamos a História (épocas que são
assim denominadas), pois a partir desta era já temos arquivos que registam e
datam os acontecimentos, dando-nos assim uma real de como o homem vivia e
se comunicava bem como do que sentia em relação ao mundo em seu redor.
A invenção da escrita marca o início da história e deu-se por volta de 3200 a.C.
O homem começou a usar o papiro, a pedra e as placas de argila para gravar
as suas mensagens.
Esta era restrita a especialistas. As pessoas, mais propriamente os escribas,
reproduziam cópias de livros já existentes, toda escrita á mão mas os livros só
podiam ser adquiridos por pessoas de recursos.
Os Sumérios foram os principais por transformar os sons em símbolos, ou seja
os caracteres passaram a representar sílabas.
Começou a ter mais sentido quando se desenvolveu a sua associação às
imagens.
Este foi o primeiro passo para a escrita fonética.
Mais tarde, há menos de 500 anos, mais precisamente em 1438, dá-se a
chamada “era da impressão” criada por Gutemberg.
O surgimento das técnicas de impressão de ilustrações, símbolos e da própria
escrita permite que um número cada vez maior de pessoas tenha acesso á
informação.
Bastou um século para haver gráficas em todas as grandes cidades europeias.
Há cerca de 200 anos foi inventado o offset, (1739) e 200 anos mais tarde a
primeira máquina, Xerox, (1938).
É aqui que se dá a difusão da alfabetização e que se inicia a organização das
grandes empresas de comunicação, livreira e imprensa.
No início do século xix surge a era da comunicação em massa, com os jornais
para pessoas comuns, os telégrafos e os telefones.
Mas a sua maior implantação deu-se no início do século xx com o
aparecimento do cinema, rádio, televisão, etc.
Estas eram destinadas ao grande público.
Seguidamente e por fim surge a era da informação, dos computadores,
telemóveis de todas as cores e formas, mp3, entre outros.
As informações são passadas em milésimos de segundos, é a era da rapidez e
da eficácia da comunicação.
Tem o seu início em 1980, depois da era industrial, embora as suas bases
tenham tido início em 1970, (princípios do século xx).
São muitos os avanços tecnológicos conseguidos até hoje. Em uma questão de
minutos sabemos o que se está a passar do outro lado do mundo.
Com a evolução dos computadores surge a internet. Esta foi desenvolvida em
1969, não como a conhecemos hoje mas destinada a fins militares, (época da
guerra fria), e era apenas um sistema de comunicação entre as bases militares
dos EUA.. Na altura era designada de “Arpa Net”.
Com o fim da guerra fria e não fazendo mais uso desta decidem alargar o seu
uso ao público em geral e em 1971esta começa a ser utilizada por estudantes,
professores universitários, entre outros, trocando mensagens, pensamentos e
por ai fora.
Em 1990 dá-se a disseminação e popularização da rede e aos poucos vai-se
tornando no que conhecemos. Cada vez mais esta é indispensável nas nossas
vidas pois estar conectado a uma rede mundial é sinal de conhecimento,
diversão e acima de tudo comunicação.
Concluindo:
A evolução da comunicação ocorreu de forma gradual e longa mas tornou-nos
no que nós somos hoje, evoluímos biologicamente sem sequer termos
consciência disso.
Podemos então dividi-la em 4 etapas que foram transformando a sociedade e
as mentalidades e pensamentos de todos.
- Comunicação interpessoal (exteriorização).
- Comunicação de elite (desenho, esquema, escrita fonética, som…)
- Comunicação de massa.
- Comunicação individual.
“Comunicar ao telefone”
Para a comunicar ao telefone, em primeiro lugar devemos pensar que
dependendo da maneira como o fazemos isso pode ou não afetar-nos pois vai-
se refletir em nós e na empresa para a qual trabalhamos.
A técnica mais eficaz de “proximidade” para com a pessoa que está do outro
lado é colocarmo-nos no lugar da mesma, dar a devida importância a ele(a) e
não a nós mesmos. Devemos ser sempre cordiais e prestáveis, para o cliente
ou utente se sentir bem quando liga.
O tom da nossa voz também faz a diferença. Devemos falar de forma
profissional mas ao mesmo tempo amigável quando respondemos a uma
chamada.
É algo simples mas muito importante quando lidamos com um cliente ou
mesmo com o utente, pois o modo como respondemos a uma chamada irá
formar a primeira impressão sobre nós e sobre a empresa, como já referi antes.
Devemos indicar o nosso primeiro e último nome mais uma vez num tom
amigável, identificando-nos devidamente já que nos poupa tempo e transmite
ao “chamador” o quão responsáveis somos e o quão aptos estamos para o
ajudar.
O segredo para o sucesso reside mesmo na maneira como colocamos a voz.
A nossa voz representa a nossa personalidade, temos de nos certificar que
temos um tom “quente” de boas vindas.
Há algumas coisas que podemos fazer para falar correctamente ao telefone.
Em 1º lugar não devemos demorar muito a atender a chamada porque
ninguém gosta de ser obrigado a esperar.
Em 2º lugar devemos ter sempre uma caneta e um papel á mão enquanto
estamos a atender a chamada, para o caso de ser necessário anotar alguma
informação.
Em 3º lugar e como já referi antes devemos identificar-nos mal recebemos a
chamada, ou mesmo quando a realizamos.
Em 4º lugar devemos perguntar o nome da pessoa com que estamos a falar,
caso seja ela a ligar.
Em 5º lugar e se possível, devemos tratar o “chamador” pelo nome pois isto
fará que ele se sinta importante e mostra que somos bons ouvintes.
Em 6º lugar e muito importante devemos falar calma e pausadamente e ir
perguntando á pessoa que realizou a chamada se este está a perceber, e por
ai fora…
Há muitas regras para efectuar uma boa comunicação. Estas são apenas umas
delas mas enumerarão mais algumas, que penso ser as essenciais, juntamente
com as que já referia atrás.
Devemos sempre responder uma chamada prontamente, de forma profissional
e agradável, e com um sorriso.
Devemos ser entusiastas pois as pessoas podem sentir-nos ou ouvir-nos do
outro lado do outro lado.
Quando atendemos uma chamada devemos identificar de onde ligamos,
utilizando também expressões simples como por exemplo:
“Bom Dia” ou “Boa Tarde”, Escola Secundária de Gondomar, é a Fátima que
está a falar…, falando devagar e claramente para que o interlocutor possa
compreender-nos.
A nossa voz deve ser mantida voz num nível moderado. Ninguém gosta que
gritem com ele.
Quando respondemos a uma chamada de um telefone com várias linhas, não
nos devemos enganar e devemos colocar o interlocutor na certa para não
haver trocas de informações alheias.
Nunca devemos usar o “alta-voz” para atender uma chamada pois isto dará ao
“chamador” a impressão imediata de que nós não estamos a dar-lhes a
importância que merecem.
Caso a chamada vá ter ao gravador de chamadas deveremos gravar uma
mensagem cimo se estivéssemos ao telefone. Isto irá garantir ao interlocutor
que ele chegou a pessoa certa e evitar qualquer confusão.
Por fim e não menos importante, devemos terminar a conversação de maneira
profissional, com frases do género:
“Tenha um bom dia, com licença…”
Ou:
“Obrigada pela disponibilidade, continuação de uma boa tarde”, dependendo do
contexto.
“Comunicar com o utente”
(Cuidados a ter com este quando se comunica de maneira
presencial)
A educação do paciente é crucial hoje em dia, especialmente com os pacientes
a desempenhar um papel maior no seu próprio cuidado e do movimento
crescente para o atendimento ao paciente e centrada na família.
Mas a educação é mais do que apenas dando um paciente instruções e
informações. Para ser eficaz, professores pacientes, prestadores de cuidados
de saúde precisa ter habilidades de avaliação e ser capaz de comunicar com
clareza.
Avaliação - um caminho para o Sucesso
O sucesso da educação do paciente depende em grande parte de quão bem a
gente avalia o nosso paciente relativamente ás suas:
- Necessidades
- Preocupações
- Prontidão para aprender
- Preferências
- Apoio
- Barreiras e limitações (tais como a capacidade física e mental, e de
analfabetismo de saúde)
Antes de iniciar a educação do paciente devemos usar estas diretrizes para
fazer uma avaliação completa:
Reunir dicas: Descobrir o que pudermos sobre o nosso paciente a partir de
outros membros da equipa de cuidados de saúde e da observação do deste.
Mas devemos ter cuidado ao fazer suposições, suposições incorretas podem
não ser eficazes e prejudicar.
Conhecer o paciente: Apresentar-se e explicar o nosso papel no cuidado do
nosso paciente, rever o seu prontuário médico, e fazer perguntas básicas para
o conhecer.
Estabelecer relacionamento: Fazer contato visual quando for o caso, ajudar o
seu paciente se sentir confortável connosco, e prestar atenção às suas
preocupações.
Ganhar a confiança: Mostrar respeito e tratar cada pessoa com compaixão e
sem julgamento.
.Aprender a perspetiva do paciente: Saber mais sobre potenciais preocupações
do nosso paciente, medos e possíveis equívocos. A informação que recebemos
pode ajudar a orientar o nosso paciente.
Fazer as perguntas certas: Não basta perguntar ao paciente se têm perguntas.
Saber se eles têm preocupações. Tentar usar perguntas abertas apelando ao
nosso paciente a revelar mais detalhes. E claro ouvi-lo com atenção!
Duffy et al. (2004) menciona no seu artigo as aptidões de comunicação mais
importantes, identificadas pelo Accreditation Council for Graduate Medical
Education (ACGME) e pelo Kalamazoo I Consensus Statement, que devem
estar presentes nos profissionais de saúde:
Saber escutar o doente (permitir que Este termine uma frase iniciada);
Obter informação através de questões cuidadas – utilizando perguntas
abertas que permitem liberdade de expressão e promovem o diálogo, e
perguntas fechadas para colher informação;
Esclarecer dúvidas e resumir aquilo que foi dito pelo doente, repetindo de
forma a ser confirmado pelo próprio;
Fornecer informação através de explicações simples, avaliando se o doente
compreendeu o problema e se necessita de mais informação;
Aconselhar e educar o doente, de acordo com os seus objectivos e valores,
utilizando palavras do quotidiano e promovendo comportamentos saudáveis;
Tomar decisões informadas com base na informação do doente e nas suas
preferências, de forma imparcial.
Saber ouvir é a regra mais importante para uma boa comunicação, o bom
comunicador ouve e só depois fala.
O vocabulário também é muito importante. Devemos usar um vocabulário
perceptível a todos.
Não devemos falar nem muito alto nem muito baixo, caso contrário podemos
fazer com que o utente faça o mesmo, visto que as pessoas são sensíveis ao
tom de voz.
Uma boa comunicação melhora a relação entre os profissionais de saúde e os
utentes.
Para uma unidade de saúde funcionar bem é necessária uma boa relação entre
ambos, é ESSENCIAL!
Os profissionais devem-se expressar claramente utilizando uma linguagem que
o utente compreenda.
Ao mesmo tempo devem saber ouvi-lo, ajudá-lo nas decisões que eles têm de
tomar e respeitá-los devidamente mostrando sempre empatia.
Isto vai fazer com que o utente se sinta mais satisfeito e haja menos
reclamações/queixas.
Está comprovado que grande parte das consultas não são porque o utente está
doente mas para reclamar apenas, para falar. E a maior parte das vezes isto
dá-se porque existe falhas na comunicação entre os profissionais de saúde e
eles.
Além disso, devemos trata-los de maneira individual, Muitas vezes este
encontra-se frágil, vulnerável e como tal, a comunicação estabelecida entre
ambos é muito importante pois vamos ajudá-los na forma como eles vão lidar
com a sua situação clínica.
O profissional de saúde deve ainda incentivar o utente a falar abertamente e
para isso tem de lhe dar a atenção que ele necessita. Caso este não
compreenda a mensagem transmitida, deverá repetir as vezes que forem
necessárias.
Como referiu Duffy et al, (2004), “ A comunicação é a competência vital para a
prática de cuidados de saúde, sendo fundamental na educação para a saúde.”
Devemos sempre centrar-nos no doente, cuidar dele de maneira individual,
porque toda a gente é diferente. Como disse Duggan et al, 2006, “O cuidado
que é congruente e responsivo às necessidades, desejos e preferências dos
pacientes”.
“Centração no doente- Meadan Bower, 2000”
1. Adoção do modelo psicossocial em oposição ao biomédico.
2. Compreensão do paciente enquanto indivíduo único, com os seus
direitos e não como um simples corpo ou doença.
3. Partilha de poder e responsabilidade entre o profissional de saúde e o
doente.
4. Construção de uma “aliança terapêutica”.
5. Compreensão do cuidador enquanto pessoa e não apenas como um
técnico provido de competências específicas.
Citações importantes sobre a comunicação:
“A interação e comunicação efectiva médico-doente são centrais para a
satisfação do médico e do doente, para a competência do médico e para a
recuperação dos doentes.”
(Doctor Pacient Interaction Who, 1993)
“ A pessoa, as suas crenças, os seus comportamentos enquanto doente,
as suas experiências da doença. O direito a ser informado e esclarecido
assim como participar de forma ativa no seu processo de tratamento
devem ser espeitados”
(Modelo Holista)
“O paciente é um decisor e a empatia profissional é a pedra angular”
(Vermeire Hearnshaw, Royen & Denekens, 2001)
“A comunicação deve ser entendida como um diálogo desenvolvido num
contexto de confiança mútua…”
(Sha e Chewning, 2004)
Interação com os colegas de trabalho:
“Todo tipo de relacionamento humano é marcado por erros e acertos.
Quando o assunto é trabalho, as relações se estreitam significativamente,
mais comum ainda entre chefes e empregados. Interagir no ambiente de
trabalho para muitos é um sacrifício e para poucos um prazer. O fato é
que esse contato direto ou indireto na maioria das vezes depende
resultados positivos para a equipa e para a empresa. Tornar o ambiente
em que passamos a maior parte do nosso dia, num local aprazível e
saudável é fundamental e é nisso que muitas empresas acreditam. Elas
têm implantado salas de convivência, ambientes comuns para que haja
uma maior interação interna entre os seus funcionários…”
Hoje em dia nos nossos locais de trabalho se verifica cada vez mais que
falamos cada vez menos com os nossos colegas de trabalho, preferimos enviar
um e-mail do que parar e colocar a nossa questão pessoalmente.
De fato, uma pesquisa recente diz que os profissionais que trabalham estão a
falar face-a-face e ao telefone muito menos vezes do que há uns anos atrás.
Apesar do e-mail ser eficiente e convir nem sempre é o método mais adequado
de comunicação e pode prejudicar o nosso relacionamento com os nossos
colegas.
A maneira como nos comunicamos com os nossos colegas depende do que é
que queremos dizer, se a nossa mensagem não exige uma longa explicação,
então o e-mail é uma maneira eficiente de se comunicar. No entanto, se a
nossa mensagem é mais longa, pode ser mal interpretada de qualquer forma,
seja por ou e-mail, pessoalmente é que é o adequado.
Devemos dar a devida importância á comunicação face- a-face e ao telefone
quando se trata de construir e manter relacionamentos de trabalho.
Falar face-a-face permite a cada uma das fazer perguntas para uma maior
clareza, ouvir inflexões vocais e observar a linguagem corporal dos colegas e
outras pistas não-verbais.
É muito mais fácil de nos apercebermos de que forma o outro reage quando
comunicamos com ele. As reuniões também são o método ideal para transmitir
informações ‘sensíveis ou confidenciais’ , explicar as coisas complicadas ou
controversas que requerem uma discussão mais longa ou debate, e reduzir o
potencial de mal-entendidos sobre as questões mais importantes.
No entanto o e-mail continua a ser uma parte muito importante da comunicação
no local de trabalho pois é um modo rápido e eficiente de comunicação,
transformando-se assim numa ferramenta indispensável no mundo dos
negócios.
Gestão de conflitos:
Em primeiro lugar o que é um conflito?
Um conflito é um estado de desarmonia entre pessoas incompatíveis ou
antitéticas, relativamente às suas ideias ou interesses, é basicamente um
confronto.
Desde sempre que o ser humano enquanto membro de uma sociedade está
obrigado a cumprir obrigações, deveres, direitos e obviamente a lidar com os
conflitos que surgem na própria sociedade
O conflito está presente nas nossas vidas independentemente do tempo e do
espaço.
O universo complexo das relações humanas e da interação social é
sempre potencialmente instável e conflitual” (Friedberg, 1995).
Há várias formas de conflito:
Fontes de conflito:
Existem muitas causas ou razões para o conflito em qualquer ambiente de
trabalho. Algumas das causas principais são:
Pobreza da comunicação: Diferentes estilos de comunicação podem levar a
mal-entendidos entre os funcionários ou entre empregado e gerente.
Falta de comunicação: Esta leva a um conflito "subterrâneo", ou seja, como há
dificuldade em comunicar com o outro os problemas acabam ficando como que
esquecidos ou mesmo “enterrados” ou ainda o outro não se aperceber visto
que temos dificuldade em transmitir o que queremos.
Diferentes Valores: Qualquer local de trabalho é composta de indivíduos que
veem o mundo de forma diferente. O conflito ocorre quando há uma falta de
aceitação e compreensão dessas diferenças.
Diferentes Interesses: O conflito ocorre quando os trabalhadores individuais "
lutam " pelos seus objetivos pessoais, ignorando os objetivos organizacionais e
bem-estar dos colegas.
Recursos escassos: Muitas vezes, os funcionários sentem que têm de competir
por recursos disponíveis, a fim de fazer o seu trabalho e num ambiente de
escassez de recursos, óbvio que provoca conflitos apesar de haver a
consciência de como os recursos escassos podem ser.
Confrontos de Personalidade: Todos os ambientes de trabalho são
constituídos por diferentes personalidades e a menos que os seus colegas
compreendam e aceitem a abordagem de cada um para com o trabalho e haja
consciência e boa-vontade para a resolução dos problemas , o conflito irá
ocorrer.
Mau desempenho: Quando um ou mais indivíduos dentro de uma unidade de
trabalho não estão a corresponder ás expetativas, não fazem o mínimo esforço
por fazer bem as coisas, por ajudar, por trabalhar como fazem outras, o conflito
é inevitável.
Há um certo número de maneiras que podem ser utilizadas para resolver
conflitos no local de trabalho:
Evitar: " Esconder a cabeça na areia " à espera que o conflito vai embora.
Colaborar: Trabalhar em conjunto para encontrar uma solução mutuamente
benéfica.
Comprometer-se: Encontrar o meio-termo em que nos mentalizemos que '
pouco a pouco tudo se consegue’
Competir: "Que o melhor ganhe…”
Acredita-se geralmente que, ou colaboração ou compromisso são as formas
mais produtivas de abordar o conflito porque não há um vencedor ou perdedor ,
mas sim um trabalho conjunto para a melhor solução possível.
Resolução de Conflitos:
Uma resolução positiva do conflito é sempre o objetivo final.
Na resolução de conflitos, é importante certificar-se que você faça o seguinte:
Claramente articular as causas do conflito, reconhecendo abertamente que
haverá diferentes perceções do problema.
Fazer uma declaração clara do porquê de querermos que o conflito seja
resolvido por exemplo.
Comunicação de como você quer que o conflito resolvido.
Abordar as questões face-a-face porque se for por ‘mensagens’ sejam estas
por e-mail, memorandos cartas ou seja lá o que for, não é definitivamente uma
maneira produtiva para resolver as diferenças.
Concentrar-se apenas nos problemas. Na tentativa de resolver o conflito, é
tentador recorrer a insultos ou levantar questões do passado. É importante
abordar comportamentos e situações específicas, se a mudança é mesmo para
acontecer.
Tirar um tempo, se necessário. Na resolução de um conflito, as nossas
emoções podem interferir impedindo-nos assim de em chegar a uma resolução
produtiva. Se isso transparecer devemos tirar um tempo limite e retomar a
resolução do conflito em outro momento designado.
Resumindo,
Evitar o conflito é muitas vezes a maneira mais fácil de lidar com ele. No
entanto, podemos vir a ter de gerir alguns porque todos somos diferentes e
todos reagimos de modo distinto sem raciocinar bem ás vezes.
Quando isso ocorre devemos procurar a resolução positiva do mesmo tendo
em conta as características e convicções de cada um respeitando e tratando
todos por igual, ouvindo ambas as partes, anotando o que realmente é
importante e deve mudar.
Devemos estar ainda abertos a novas ideias e/ou sugestões.
Ao trabalharmos tão ativamente na resolução do conflito, quando este ocorre,
podemos criar um ambiente de trabalho mais positivo e agradável para todos.
Susana Cardoso

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Comunicação com o paciente. Caderno de apoio.
Comunicação com o paciente. Caderno de apoio. Comunicação com o paciente. Caderno de apoio.
Comunicação com o paciente. Caderno de apoio. Ceapat de Imserso
 
Dinâmica de comunicação
Dinâmica de comunicaçãoDinâmica de comunicação
Dinâmica de comunicaçãoleonardo.clms
 
Barreiras ao processo de comunicação
Barreiras ao processo de comunicaçãoBarreiras ao processo de comunicação
Barreiras ao processo de comunicaçãoLeonor Alves
 
Slides comunicação
Slides comunicaçãoSlides comunicação
Slides comunicaçãociro79
 
Processos de comunicação
Processos de comunicaçãoProcessos de comunicação
Processos de comunicaçãoCarina Duarte
 
Comunicação eficaz parte 2
Comunicação eficaz   parte 2Comunicação eficaz   parte 2
Comunicação eficaz parte 2Andrea Fiuza
 
Comunicação terapêutica em saúde mental
Comunicação terapêutica em saúde mentalComunicação terapêutica em saúde mental
Comunicação terapêutica em saúde mentalFrancisco Santos
 
Atendimento e Comunicação
Atendimento e ComunicaçãoAtendimento e Comunicação
Atendimento e Comunicaçãoviloper
 
Tiago cavlheiro 20
Tiago cavlheiro 20Tiago cavlheiro 20
Tiago cavlheiro 20Nuno Cunha
 
Igualdade para todos na prestação de cuidados de saúde
Igualdade para todos na prestação de cuidados de saúdeIgualdade para todos na prestação de cuidados de saúde
Igualdade para todos na prestação de cuidados de saúdeNuno Antão
 
História da comunicação
História da comunicação História da comunicação
História da comunicação Cintia Moura
 
A história da comunicação
A história da comunicaçãoA história da comunicação
A história da comunicaçãoDiogo230
 
Comunicação não verbal
Comunicação não verbalComunicação não verbal
Comunicação não verbalGabriel Braz
 
Comunicacao nao verbal
Comunicacao nao verbalComunicacao nao verbal
Comunicacao nao verbalISCSP
 
SaúDe Mental E Excluaso Social
SaúDe Mental E Excluaso SocialSaúDe Mental E Excluaso Social
SaúDe Mental E Excluaso SocialRenato Moura
 

Destaque (20)

Comunicação com o paciente. Caderno de apoio.
Comunicação com o paciente. Caderno de apoio. Comunicação com o paciente. Caderno de apoio.
Comunicação com o paciente. Caderno de apoio.
 
Dinâmica de comunicação
Dinâmica de comunicaçãoDinâmica de comunicação
Dinâmica de comunicação
 
Comunicação com o paciente
Comunicação com o pacienteComunicação com o paciente
Comunicação com o paciente
 
Barreiras ao processo de comunicação
Barreiras ao processo de comunicaçãoBarreiras ao processo de comunicação
Barreiras ao processo de comunicação
 
Slides comunicação
Slides comunicaçãoSlides comunicação
Slides comunicação
 
Barreiras a comunicação
Barreiras a comunicaçãoBarreiras a comunicação
Barreiras a comunicação
 
Processos de comunicação
Processos de comunicaçãoProcessos de comunicação
Processos de comunicação
 
Comunicação eficaz parte 2
Comunicação eficaz   parte 2Comunicação eficaz   parte 2
Comunicação eficaz parte 2
 
Comunicação terapêutica em saúde mental
Comunicação terapêutica em saúde mentalComunicação terapêutica em saúde mental
Comunicação terapêutica em saúde mental
 
Atendimento telefónico[1]
Atendimento telefónico[1]Atendimento telefónico[1]
Atendimento telefónico[1]
 
Atendimento e Comunicação
Atendimento e ComunicaçãoAtendimento e Comunicação
Atendimento e Comunicação
 
Elementos da comunicação
Elementos da comunicaçãoElementos da comunicação
Elementos da comunicação
 
Tiago cavlheiro 20
Tiago cavlheiro 20Tiago cavlheiro 20
Tiago cavlheiro 20
 
Igualdade para todos na prestação de cuidados de saúde
Igualdade para todos na prestação de cuidados de saúdeIgualdade para todos na prestação de cuidados de saúde
Igualdade para todos na prestação de cuidados de saúde
 
História da comunicação
História da comunicação História da comunicação
História da comunicação
 
A história da comunicação
A história da comunicaçãoA história da comunicação
A história da comunicação
 
Comunicação não verbal
Comunicação não verbalComunicação não verbal
Comunicação não verbal
 
Comunicacao nao verbal
Comunicacao nao verbalComunicacao nao verbal
Comunicacao nao verbal
 
Comunicação não verbal
Comunicação não verbalComunicação não verbal
Comunicação não verbal
 
SaúDe Mental E Excluaso Social
SaúDe Mental E Excluaso SocialSaúDe Mental E Excluaso Social
SaúDe Mental E Excluaso Social
 

Semelhante a Comunicação e evolução histórica em

Aula 09 de linguagens e códigos e suas tecnologias
Aula 09 de linguagens e códigos e suas tecnologiasAula 09 de linguagens e códigos e suas tecnologias
Aula 09 de linguagens e códigos e suas tecnologiasHomero Alves de Lima
 
Trb 11º b francisca
Trb 11º b   franciscaTrb 11º b   francisca
Trb 11º b franciscamluisavalente
 
Texto apoio mod10
Texto apoio mod10Texto apoio mod10
Texto apoio mod1011CPTS
 
A comunicação verbal
A comunicação verbalA comunicação verbal
A comunicação verbalmaria pereira
 
Disciplina comunicação aplicada 2a aula- 28/02/2011
Disciplina comunicação aplicada   2a aula- 28/02/2011Disciplina comunicação aplicada   2a aula- 28/02/2011
Disciplina comunicação aplicada 2a aula- 28/02/2011Unip e Uniplan
 
Comunicação: O Processo De Comunicação
Comunicação: O Processo De ComunicaçãoComunicação: O Processo De Comunicação
Comunicação: O Processo De ComunicaçãoAdm Pub
 
Ficha de trabalho vários DR.docx
Ficha de trabalho vários DR.docxFicha de trabalho vários DR.docx
Ficha de trabalho vários DR.docxIsaSilva71
 
A importância do Design e da Comunicação em nosso dia-a-dia
A importância do Design e da Comunicação em nosso dia-a-diaA importância do Design e da Comunicação em nosso dia-a-dia
A importância do Design e da Comunicação em nosso dia-a-diabekasales
 
A evolução dos meios de comunicação matilda
A evolução dos meios de comunicação matildaA evolução dos meios de comunicação matilda
A evolução dos meios de comunicação matildasalamagicasd
 
A evolução dos meios de comunicação matilda
A evolução dos meios de comunicação matildaA evolução dos meios de comunicação matilda
A evolução dos meios de comunicação matildasalamagicasd
 
Comunicação Digital: Organizações perdidas em um mundo de nativos digitais
Comunicação Digital:  Organizações perdidas em um mundo de nativos digitaisComunicação Digital:  Organizações perdidas em um mundo de nativos digitais
Comunicação Digital: Organizações perdidas em um mundo de nativos digitais🎯Renatho Sinuma MBA™®🎓
 
Comunicação verbal não-verbal
Comunicação verbal não-verbalComunicação verbal não-verbal
Comunicação verbal não-verbalArmandoTeixeira12
 
Aula 1 introdução comunicação
Aula 1 introdução comunicaçãoAula 1 introdução comunicação
Aula 1 introdução comunicaçãoTassiany Pereira
 

Semelhante a Comunicação e evolução histórica em (20)

Aula 09 de linguagens e códigos e suas tecnologias
Aula 09 de linguagens e códigos e suas tecnologiasAula 09 de linguagens e códigos e suas tecnologias
Aula 09 de linguagens e códigos e suas tecnologias
 
Profuncionario mod.10
Profuncionario mod.10Profuncionario mod.10
Profuncionario mod.10
 
Mini curso comunicação
Mini curso comunicaçãoMini curso comunicação
Mini curso comunicação
 
Trb 11º b francisca
Trb 11º b   franciscaTrb 11º b   francisca
Trb 11º b francisca
 
Texto apoio mod10
Texto apoio mod10Texto apoio mod10
Texto apoio mod10
 
A comunicação verbal
A comunicação verbalA comunicação verbal
A comunicação verbal
 
Disciplina comunicação aplicada 2a aula- 28/02/2011
Disciplina comunicação aplicada   2a aula- 28/02/2011Disciplina comunicação aplicada   2a aula- 28/02/2011
Disciplina comunicação aplicada 2a aula- 28/02/2011
 
Comunicação: O Processo De Comunicação
Comunicação: O Processo De ComunicaçãoComunicação: O Processo De Comunicação
Comunicação: O Processo De Comunicação
 
Ficha de trabalho vários DR.docx
Ficha de trabalho vários DR.docxFicha de trabalho vários DR.docx
Ficha de trabalho vários DR.docx
 
Unidade 1 Texto 2 O Processo De ComunicaçãO
Unidade 1   Texto 2   O Processo De ComunicaçãOUnidade 1   Texto 2   O Processo De ComunicaçãO
Unidade 1 Texto 2 O Processo De ComunicaçãO
 
A importância do Design e da Comunicação em nosso dia-a-dia
A importância do Design e da Comunicação em nosso dia-a-diaA importância do Design e da Comunicação em nosso dia-a-dia
A importância do Design e da Comunicação em nosso dia-a-dia
 
A marca do homem
A marca do homemA marca do homem
A marca do homem
 
Comunissário
ComunissárioComunissário
Comunissário
 
A evolução dos meios de comunicação matilda
A evolução dos meios de comunicação matildaA evolução dos meios de comunicação matilda
A evolução dos meios de comunicação matilda
 
A evolução dos meios de comunicação matilda
A evolução dos meios de comunicação matildaA evolução dos meios de comunicação matilda
A evolução dos meios de comunicação matilda
 
Comunicação Digital: Organizações perdidas em um mundo de nativos digitais
Comunicação Digital:  Organizações perdidas em um mundo de nativos digitaisComunicação Digital:  Organizações perdidas em um mundo de nativos digitais
Comunicação Digital: Organizações perdidas em um mundo de nativos digitais
 
Comunicação verbal não-verbal
Comunicação verbal não-verbalComunicação verbal não-verbal
Comunicação verbal não-verbal
 
Apostila Palermo
Apostila PalermoApostila Palermo
Apostila Palermo
 
Aula 1 introdução comunicação
Aula 1 introdução comunicaçãoAula 1 introdução comunicação
Aula 1 introdução comunicação
 
2560731
25607312560731
2560731
 

Mais de Susana Cardoso

Unidade 14 primeiros socorros powerpoint
Unidade 14 primeiros socorros powerpointUnidade 14 primeiros socorros powerpoint
Unidade 14 primeiros socorros powerpointSusana Cardoso
 
Avc – acidente vascular cerebral
Avc – acidente vascular cerebralAvc – acidente vascular cerebral
Avc – acidente vascular cerebralSusana Cardoso
 
Contraceção e métodos contracetivos
Contraceção e métodos contracetivosContraceção e métodos contracetivos
Contraceção e métodos contracetivosSusana Cardoso
 
"As confissoes de Caim"
 "As confissoes de Caim"  "As confissoes de Caim"
"As confissoes de Caim" Susana Cardoso
 
Trabalho em equipas multidisciplinares de saúde
Trabalho em equipas multidisciplinares de saúdeTrabalho em equipas multidisciplinares de saúde
Trabalho em equipas multidisciplinares de saúdeSusana Cardoso
 
Moral etica e bioetica
Moral etica e bioeticaMoral etica e bioetica
Moral etica e bioeticaSusana Cardoso
 
Elementos da comunicacão
Elementos da comunicacãoElementos da comunicacão
Elementos da comunicacãoSusana Cardoso
 
Guião filme mar adentro
Guião filme mar adentroGuião filme mar adentro
Guião filme mar adentroSusana Cardoso
 
Guião filme mar adentro2.doc
Guião filme mar adentro2.docGuião filme mar adentro2.doc
Guião filme mar adentro2.docSusana Cardoso
 
Love of my life ( poema )
Love of my life ( poema )Love of my life ( poema )
Love of my life ( poema )Susana Cardoso
 
Reflexão sobre o filme "rede social"
Reflexão sobre o filme "rede social"Reflexão sobre o filme "rede social"
Reflexão sobre o filme "rede social"Susana Cardoso
 
Era uma vez 25 de abril!
Era uma vez 25 de abril!Era uma vez 25 de abril!
Era uma vez 25 de abril!Susana Cardoso
 
campanha , descontos num supermercado
campanha , descontos num supermercadocampanha , descontos num supermercado
campanha , descontos num supermercadoSusana Cardoso
 
Historia dos portáteis
Historia dos portáteisHistoria dos portáteis
Historia dos portáteisSusana Cardoso
 

Mais de Susana Cardoso (18)

Unidade 14 primeiros socorros powerpoint
Unidade 14 primeiros socorros powerpointUnidade 14 primeiros socorros powerpoint
Unidade 14 primeiros socorros powerpoint
 
Avc – acidente vascular cerebral
Avc – acidente vascular cerebralAvc – acidente vascular cerebral
Avc – acidente vascular cerebral
 
Contraceção e métodos contracetivos
Contraceção e métodos contracetivosContraceção e métodos contracetivos
Contraceção e métodos contracetivos
 
"As confissoes de Caim"
 "As confissoes de Caim"  "As confissoes de Caim"
"As confissoes de Caim"
 
O computador
O computadorO computador
O computador
 
Trabalho em equipas multidisciplinares de saúde
Trabalho em equipas multidisciplinares de saúdeTrabalho em equipas multidisciplinares de saúde
Trabalho em equipas multidisciplinares de saúde
 
Moral etica e bioetica
Moral etica e bioeticaMoral etica e bioetica
Moral etica e bioetica
 
Pena de Morte
Pena de MortePena de Morte
Pena de Morte
 
Elementos da comunicacão
Elementos da comunicacãoElementos da comunicacão
Elementos da comunicacão
 
"Na presença da lua"
"Na presença da lua""Na presença da lua"
"Na presença da lua"
 
Guião filme mar adentro
Guião filme mar adentroGuião filme mar adentro
Guião filme mar adentro
 
Guião filme mar adentro2.doc
Guião filme mar adentro2.docGuião filme mar adentro2.doc
Guião filme mar adentro2.doc
 
Love of my life ( poema )
Love of my life ( poema )Love of my life ( poema )
Love of my life ( poema )
 
Reflexão sobre o filme "rede social"
Reflexão sobre o filme "rede social"Reflexão sobre o filme "rede social"
Reflexão sobre o filme "rede social"
 
Era uma vez 25 de abril!
Era uma vez 25 de abril!Era uma vez 25 de abril!
Era uma vez 25 de abril!
 
campanha , descontos num supermercado
campanha , descontos num supermercadocampanha , descontos num supermercado
campanha , descontos num supermercado
 
Descontos
DescontosDescontos
Descontos
 
Historia dos portáteis
Historia dos portáteisHistoria dos portáteis
Historia dos portáteis
 

Comunicação e evolução histórica em

  • 1. SusanaCardoso 2014 COMUNICAÇÃO  O que é comunicar.  Elementos da Comunicação.  Como se transforma a comunicação.  O Tas e a comunicação no seu ambiente de trabalho.  Como comunicar ao telefone, que cuidados devem ter, como resolver problemas através do telefone.  Comunicação presencial (cuidados a ter com o utente).  Interação com os colegas de trabalho.  Gestão de conflitos.
  • 2. “O que é comunicar?” Comunicar é, hoje em dia um ato essencial ao Homem para o seu desenvolvimento quer social quer pessoal. É uma troca de informações, ideias, experiências e sentimentos entre duas ou mais pessoas tornando comum o conhecimento trocado. “Elementos da comunicação” Comunicar implica existir uma mensagem, um emissor, que transmite a mensagem, um receptor que a recebe, o meio e o código. O meio e o código variam sendo que a mensagem pode ser gestual, oral, escrita, expressiva, táctil, visual. Esta é feita através do corpo ou através de meios tecnológicos. Para uma boa comunicação deve haver então os seguintes elementos:
  • 3. Mas o que significam estes elementos no ato da de comunicação? a) Emissor: é aquele que envia a mensagem (pode ser uma única pessoa ou um grupo de pessoas). b) Mensagem: é o conteúdo (assunto) das informações que são transmitidas. c) Receptor: é aquele a quem a mensagem é endereçada (um indivíduo ou um grupo), também conhecido como destinatário. d) Canal de comunicação: é o meio pelo qual a mensagem é transmitida.
  • 4. e) Código: é o conjunto de signos e de regras de combinação desses signos utilizado para elaborar a mensagem: o emissor codifica aquilo que o receptor irá decodificar. f) Contexto: é o objeto ou a situação a que a mensagem se refere. “Evolução da comunicação” Desde o início dos tempos o homem sentiu necessidade de comunicar com os seus semelhantes, quer para expressar a sua cultura quer para expressar sentimentos. As datas da evolução da comunicação são presumidas, sem grande exatidão, no entanto podemos afirmar que esta sempre existiu, acompanhando a evolução tecnológica do homem através dos tempos. Se voltarmos atrás na história humana vemos que a comunicação teve o seu começo na “pré-história”, no período que denominamos de “Paleolítico e Mesolítico” que decorreu entre 500.000 A.C. a 18.000A.C. O seu início dá-se com as pinturas rupestres, estas mostravam o dia-a-dia dos homens, as suas caçadas, como se pode verificar nas imagens abaixo.
  • 5. Aqui podemos denotar o modo de sobrevivência que eles tinham. Podemos ver os animais a fugir e os homens com os paus ou as flechas a caçarem-nos. Logo de seguida entramos na era do Neolítico que foi desde 18.000 A.C até 5.000 A.C. Aqui verifica-se a existência de um número de homens maior que representavam o seu quotidiano através dos ossos, pedras, madeiras e também da argila que apareceu logo depois.
  • 6.
  • 7. A Idade dos metais surge em 5.000 A.C e vai até 4.000 A.C. Aqui o homem começa a utilizar o cobre, o ferro e o bronze no seu dia-a-dia.
  • 8.
  • 9. No final da Idade dos Metais ocorre a transição da Pré-história para a História (por volta de4.000 A.C). E aqui surge a escrita da Mesopotâmia e do Egipto, (hieróglifos, papiros).
  • 10. Daqui para a frente podemos dizer que chegamos a História (épocas que são assim denominadas), pois a partir desta era já temos arquivos que registam e datam os acontecimentos, dando-nos assim uma real de como o homem vivia e se comunicava bem como do que sentia em relação ao mundo em seu redor. A invenção da escrita marca o início da história e deu-se por volta de 3200 a.C. O homem começou a usar o papiro, a pedra e as placas de argila para gravar as suas mensagens. Esta era restrita a especialistas. As pessoas, mais propriamente os escribas, reproduziam cópias de livros já existentes, toda escrita á mão mas os livros só podiam ser adquiridos por pessoas de recursos. Os Sumérios foram os principais por transformar os sons em símbolos, ou seja os caracteres passaram a representar sílabas. Começou a ter mais sentido quando se desenvolveu a sua associação às imagens. Este foi o primeiro passo para a escrita fonética. Mais tarde, há menos de 500 anos, mais precisamente em 1438, dá-se a chamada “era da impressão” criada por Gutemberg. O surgimento das técnicas de impressão de ilustrações, símbolos e da própria escrita permite que um número cada vez maior de pessoas tenha acesso á informação. Bastou um século para haver gráficas em todas as grandes cidades europeias. Há cerca de 200 anos foi inventado o offset, (1739) e 200 anos mais tarde a primeira máquina, Xerox, (1938).
  • 11. É aqui que se dá a difusão da alfabetização e que se inicia a organização das grandes empresas de comunicação, livreira e imprensa. No início do século xix surge a era da comunicação em massa, com os jornais para pessoas comuns, os telégrafos e os telefones. Mas a sua maior implantação deu-se no início do século xx com o aparecimento do cinema, rádio, televisão, etc. Estas eram destinadas ao grande público. Seguidamente e por fim surge a era da informação, dos computadores, telemóveis de todas as cores e formas, mp3, entre outros. As informações são passadas em milésimos de segundos, é a era da rapidez e da eficácia da comunicação. Tem o seu início em 1980, depois da era industrial, embora as suas bases tenham tido início em 1970, (princípios do século xx). São muitos os avanços tecnológicos conseguidos até hoje. Em uma questão de minutos sabemos o que se está a passar do outro lado do mundo. Com a evolução dos computadores surge a internet. Esta foi desenvolvida em 1969, não como a conhecemos hoje mas destinada a fins militares, (época da guerra fria), e era apenas um sistema de comunicação entre as bases militares dos EUA.. Na altura era designada de “Arpa Net”. Com o fim da guerra fria e não fazendo mais uso desta decidem alargar o seu uso ao público em geral e em 1971esta começa a ser utilizada por estudantes, professores universitários, entre outros, trocando mensagens, pensamentos e por ai fora. Em 1990 dá-se a disseminação e popularização da rede e aos poucos vai-se tornando no que conhecemos. Cada vez mais esta é indispensável nas nossas vidas pois estar conectado a uma rede mundial é sinal de conhecimento, diversão e acima de tudo comunicação. Concluindo: A evolução da comunicação ocorreu de forma gradual e longa mas tornou-nos no que nós somos hoje, evoluímos biologicamente sem sequer termos consciência disso. Podemos então dividi-la em 4 etapas que foram transformando a sociedade e as mentalidades e pensamentos de todos.
  • 12. - Comunicação interpessoal (exteriorização). - Comunicação de elite (desenho, esquema, escrita fonética, som…) - Comunicação de massa. - Comunicação individual. “Comunicar ao telefone” Para a comunicar ao telefone, em primeiro lugar devemos pensar que dependendo da maneira como o fazemos isso pode ou não afetar-nos pois vai- se refletir em nós e na empresa para a qual trabalhamos. A técnica mais eficaz de “proximidade” para com a pessoa que está do outro lado é colocarmo-nos no lugar da mesma, dar a devida importância a ele(a) e não a nós mesmos. Devemos ser sempre cordiais e prestáveis, para o cliente ou utente se sentir bem quando liga. O tom da nossa voz também faz a diferença. Devemos falar de forma profissional mas ao mesmo tempo amigável quando respondemos a uma chamada. É algo simples mas muito importante quando lidamos com um cliente ou mesmo com o utente, pois o modo como respondemos a uma chamada irá formar a primeira impressão sobre nós e sobre a empresa, como já referi antes. Devemos indicar o nosso primeiro e último nome mais uma vez num tom amigável, identificando-nos devidamente já que nos poupa tempo e transmite ao “chamador” o quão responsáveis somos e o quão aptos estamos para o ajudar. O segredo para o sucesso reside mesmo na maneira como colocamos a voz. A nossa voz representa a nossa personalidade, temos de nos certificar que temos um tom “quente” de boas vindas. Há algumas coisas que podemos fazer para falar correctamente ao telefone. Em 1º lugar não devemos demorar muito a atender a chamada porque ninguém gosta de ser obrigado a esperar. Em 2º lugar devemos ter sempre uma caneta e um papel á mão enquanto estamos a atender a chamada, para o caso de ser necessário anotar alguma informação.
  • 13. Em 3º lugar e como já referi antes devemos identificar-nos mal recebemos a chamada, ou mesmo quando a realizamos. Em 4º lugar devemos perguntar o nome da pessoa com que estamos a falar, caso seja ela a ligar. Em 5º lugar e se possível, devemos tratar o “chamador” pelo nome pois isto fará que ele se sinta importante e mostra que somos bons ouvintes. Em 6º lugar e muito importante devemos falar calma e pausadamente e ir perguntando á pessoa que realizou a chamada se este está a perceber, e por ai fora… Há muitas regras para efectuar uma boa comunicação. Estas são apenas umas delas mas enumerarão mais algumas, que penso ser as essenciais, juntamente com as que já referia atrás. Devemos sempre responder uma chamada prontamente, de forma profissional e agradável, e com um sorriso. Devemos ser entusiastas pois as pessoas podem sentir-nos ou ouvir-nos do outro lado do outro lado. Quando atendemos uma chamada devemos identificar de onde ligamos, utilizando também expressões simples como por exemplo: “Bom Dia” ou “Boa Tarde”, Escola Secundária de Gondomar, é a Fátima que está a falar…, falando devagar e claramente para que o interlocutor possa compreender-nos. A nossa voz deve ser mantida voz num nível moderado. Ninguém gosta que gritem com ele. Quando respondemos a uma chamada de um telefone com várias linhas, não nos devemos enganar e devemos colocar o interlocutor na certa para não haver trocas de informações alheias. Nunca devemos usar o “alta-voz” para atender uma chamada pois isto dará ao “chamador” a impressão imediata de que nós não estamos a dar-lhes a importância que merecem. Caso a chamada vá ter ao gravador de chamadas deveremos gravar uma mensagem cimo se estivéssemos ao telefone. Isto irá garantir ao interlocutor que ele chegou a pessoa certa e evitar qualquer confusão. Por fim e não menos importante, devemos terminar a conversação de maneira profissional, com frases do género: “Tenha um bom dia, com licença…”
  • 14. Ou: “Obrigada pela disponibilidade, continuação de uma boa tarde”, dependendo do contexto. “Comunicar com o utente” (Cuidados a ter com este quando se comunica de maneira presencial) A educação do paciente é crucial hoje em dia, especialmente com os pacientes a desempenhar um papel maior no seu próprio cuidado e do movimento crescente para o atendimento ao paciente e centrada na família. Mas a educação é mais do que apenas dando um paciente instruções e informações. Para ser eficaz, professores pacientes, prestadores de cuidados de saúde precisa ter habilidades de avaliação e ser capaz de comunicar com clareza. Avaliação - um caminho para o Sucesso O sucesso da educação do paciente depende em grande parte de quão bem a gente avalia o nosso paciente relativamente ás suas: - Necessidades - Preocupações - Prontidão para aprender - Preferências - Apoio - Barreiras e limitações (tais como a capacidade física e mental, e de analfabetismo de saúde) Antes de iniciar a educação do paciente devemos usar estas diretrizes para fazer uma avaliação completa: Reunir dicas: Descobrir o que pudermos sobre o nosso paciente a partir de outros membros da equipa de cuidados de saúde e da observação do deste.
  • 15. Mas devemos ter cuidado ao fazer suposições, suposições incorretas podem não ser eficazes e prejudicar. Conhecer o paciente: Apresentar-se e explicar o nosso papel no cuidado do nosso paciente, rever o seu prontuário médico, e fazer perguntas básicas para o conhecer. Estabelecer relacionamento: Fazer contato visual quando for o caso, ajudar o seu paciente se sentir confortável connosco, e prestar atenção às suas preocupações. Ganhar a confiança: Mostrar respeito e tratar cada pessoa com compaixão e sem julgamento. .Aprender a perspetiva do paciente: Saber mais sobre potenciais preocupações do nosso paciente, medos e possíveis equívocos. A informação que recebemos pode ajudar a orientar o nosso paciente. Fazer as perguntas certas: Não basta perguntar ao paciente se têm perguntas. Saber se eles têm preocupações. Tentar usar perguntas abertas apelando ao nosso paciente a revelar mais detalhes. E claro ouvi-lo com atenção! Duffy et al. (2004) menciona no seu artigo as aptidões de comunicação mais importantes, identificadas pelo Accreditation Council for Graduate Medical Education (ACGME) e pelo Kalamazoo I Consensus Statement, que devem estar presentes nos profissionais de saúde: Saber escutar o doente (permitir que Este termine uma frase iniciada); Obter informação através de questões cuidadas – utilizando perguntas abertas que permitem liberdade de expressão e promovem o diálogo, e perguntas fechadas para colher informação; Esclarecer dúvidas e resumir aquilo que foi dito pelo doente, repetindo de forma a ser confirmado pelo próprio; Fornecer informação através de explicações simples, avaliando se o doente compreendeu o problema e se necessita de mais informação; Aconselhar e educar o doente, de acordo com os seus objectivos e valores, utilizando palavras do quotidiano e promovendo comportamentos saudáveis; Tomar decisões informadas com base na informação do doente e nas suas preferências, de forma imparcial. Saber ouvir é a regra mais importante para uma boa comunicação, o bom comunicador ouve e só depois fala.
  • 16. O vocabulário também é muito importante. Devemos usar um vocabulário perceptível a todos. Não devemos falar nem muito alto nem muito baixo, caso contrário podemos fazer com que o utente faça o mesmo, visto que as pessoas são sensíveis ao tom de voz. Uma boa comunicação melhora a relação entre os profissionais de saúde e os utentes. Para uma unidade de saúde funcionar bem é necessária uma boa relação entre ambos, é ESSENCIAL! Os profissionais devem-se expressar claramente utilizando uma linguagem que o utente compreenda. Ao mesmo tempo devem saber ouvi-lo, ajudá-lo nas decisões que eles têm de tomar e respeitá-los devidamente mostrando sempre empatia. Isto vai fazer com que o utente se sinta mais satisfeito e haja menos reclamações/queixas. Está comprovado que grande parte das consultas não são porque o utente está doente mas para reclamar apenas, para falar. E a maior parte das vezes isto dá-se porque existe falhas na comunicação entre os profissionais de saúde e eles. Além disso, devemos trata-los de maneira individual, Muitas vezes este encontra-se frágil, vulnerável e como tal, a comunicação estabelecida entre ambos é muito importante pois vamos ajudá-los na forma como eles vão lidar com a sua situação clínica. O profissional de saúde deve ainda incentivar o utente a falar abertamente e para isso tem de lhe dar a atenção que ele necessita. Caso este não compreenda a mensagem transmitida, deverá repetir as vezes que forem necessárias. Como referiu Duffy et al, (2004), “ A comunicação é a competência vital para a prática de cuidados de saúde, sendo fundamental na educação para a saúde.” Devemos sempre centrar-nos no doente, cuidar dele de maneira individual, porque toda a gente é diferente. Como disse Duggan et al, 2006, “O cuidado que é congruente e responsivo às necessidades, desejos e preferências dos pacientes”. “Centração no doente- Meadan Bower, 2000”
  • 17. 1. Adoção do modelo psicossocial em oposição ao biomédico. 2. Compreensão do paciente enquanto indivíduo único, com os seus direitos e não como um simples corpo ou doença. 3. Partilha de poder e responsabilidade entre o profissional de saúde e o doente. 4. Construção de uma “aliança terapêutica”. 5. Compreensão do cuidador enquanto pessoa e não apenas como um técnico provido de competências específicas. Citações importantes sobre a comunicação: “A interação e comunicação efectiva médico-doente são centrais para a satisfação do médico e do doente, para a competência do médico e para a recuperação dos doentes.” (Doctor Pacient Interaction Who, 1993) “ A pessoa, as suas crenças, os seus comportamentos enquanto doente, as suas experiências da doença. O direito a ser informado e esclarecido assim como participar de forma ativa no seu processo de tratamento devem ser espeitados” (Modelo Holista) “O paciente é um decisor e a empatia profissional é a pedra angular” (Vermeire Hearnshaw, Royen & Denekens, 2001) “A comunicação deve ser entendida como um diálogo desenvolvido num contexto de confiança mútua…” (Sha e Chewning, 2004)
  • 18. Interação com os colegas de trabalho: “Todo tipo de relacionamento humano é marcado por erros e acertos. Quando o assunto é trabalho, as relações se estreitam significativamente, mais comum ainda entre chefes e empregados. Interagir no ambiente de trabalho para muitos é um sacrifício e para poucos um prazer. O fato é que esse contato direto ou indireto na maioria das vezes depende resultados positivos para a equipa e para a empresa. Tornar o ambiente em que passamos a maior parte do nosso dia, num local aprazível e saudável é fundamental e é nisso que muitas empresas acreditam. Elas têm implantado salas de convivência, ambientes comuns para que haja uma maior interação interna entre os seus funcionários…” Hoje em dia nos nossos locais de trabalho se verifica cada vez mais que falamos cada vez menos com os nossos colegas de trabalho, preferimos enviar um e-mail do que parar e colocar a nossa questão pessoalmente. De fato, uma pesquisa recente diz que os profissionais que trabalham estão a falar face-a-face e ao telefone muito menos vezes do que há uns anos atrás. Apesar do e-mail ser eficiente e convir nem sempre é o método mais adequado de comunicação e pode prejudicar o nosso relacionamento com os nossos colegas. A maneira como nos comunicamos com os nossos colegas depende do que é que queremos dizer, se a nossa mensagem não exige uma longa explicação, então o e-mail é uma maneira eficiente de se comunicar. No entanto, se a nossa mensagem é mais longa, pode ser mal interpretada de qualquer forma, seja por ou e-mail, pessoalmente é que é o adequado. Devemos dar a devida importância á comunicação face- a-face e ao telefone quando se trata de construir e manter relacionamentos de trabalho. Falar face-a-face permite a cada uma das fazer perguntas para uma maior clareza, ouvir inflexões vocais e observar a linguagem corporal dos colegas e outras pistas não-verbais. É muito mais fácil de nos apercebermos de que forma o outro reage quando comunicamos com ele. As reuniões também são o método ideal para transmitir informações ‘sensíveis ou confidenciais’ , explicar as coisas complicadas ou controversas que requerem uma discussão mais longa ou debate, e reduzir o potencial de mal-entendidos sobre as questões mais importantes.
  • 19. No entanto o e-mail continua a ser uma parte muito importante da comunicação no local de trabalho pois é um modo rápido e eficiente de comunicação, transformando-se assim numa ferramenta indispensável no mundo dos negócios. Gestão de conflitos: Em primeiro lugar o que é um conflito? Um conflito é um estado de desarmonia entre pessoas incompatíveis ou antitéticas, relativamente às suas ideias ou interesses, é basicamente um confronto. Desde sempre que o ser humano enquanto membro de uma sociedade está obrigado a cumprir obrigações, deveres, direitos e obviamente a lidar com os conflitos que surgem na própria sociedade O conflito está presente nas nossas vidas independentemente do tempo e do espaço. O universo complexo das relações humanas e da interação social é sempre potencialmente instável e conflitual” (Friedberg, 1995). Há várias formas de conflito: Fontes de conflito:
  • 20. Existem muitas causas ou razões para o conflito em qualquer ambiente de trabalho. Algumas das causas principais são: Pobreza da comunicação: Diferentes estilos de comunicação podem levar a mal-entendidos entre os funcionários ou entre empregado e gerente. Falta de comunicação: Esta leva a um conflito "subterrâneo", ou seja, como há dificuldade em comunicar com o outro os problemas acabam ficando como que esquecidos ou mesmo “enterrados” ou ainda o outro não se aperceber visto que temos dificuldade em transmitir o que queremos. Diferentes Valores: Qualquer local de trabalho é composta de indivíduos que veem o mundo de forma diferente. O conflito ocorre quando há uma falta de aceitação e compreensão dessas diferenças. Diferentes Interesses: O conflito ocorre quando os trabalhadores individuais " lutam " pelos seus objetivos pessoais, ignorando os objetivos organizacionais e bem-estar dos colegas. Recursos escassos: Muitas vezes, os funcionários sentem que têm de competir por recursos disponíveis, a fim de fazer o seu trabalho e num ambiente de escassez de recursos, óbvio que provoca conflitos apesar de haver a consciência de como os recursos escassos podem ser. Confrontos de Personalidade: Todos os ambientes de trabalho são constituídos por diferentes personalidades e a menos que os seus colegas compreendam e aceitem a abordagem de cada um para com o trabalho e haja consciência e boa-vontade para a resolução dos problemas , o conflito irá ocorrer. Mau desempenho: Quando um ou mais indivíduos dentro de uma unidade de trabalho não estão a corresponder ás expetativas, não fazem o mínimo esforço por fazer bem as coisas, por ajudar, por trabalhar como fazem outras, o conflito é inevitável. Há um certo número de maneiras que podem ser utilizadas para resolver conflitos no local de trabalho: Evitar: " Esconder a cabeça na areia " à espera que o conflito vai embora. Colaborar: Trabalhar em conjunto para encontrar uma solução mutuamente benéfica. Comprometer-se: Encontrar o meio-termo em que nos mentalizemos que ' pouco a pouco tudo se consegue’ Competir: "Que o melhor ganhe…”
  • 21. Acredita-se geralmente que, ou colaboração ou compromisso são as formas mais produtivas de abordar o conflito porque não há um vencedor ou perdedor , mas sim um trabalho conjunto para a melhor solução possível. Resolução de Conflitos: Uma resolução positiva do conflito é sempre o objetivo final. Na resolução de conflitos, é importante certificar-se que você faça o seguinte: Claramente articular as causas do conflito, reconhecendo abertamente que haverá diferentes perceções do problema. Fazer uma declaração clara do porquê de querermos que o conflito seja resolvido por exemplo. Comunicação de como você quer que o conflito resolvido. Abordar as questões face-a-face porque se for por ‘mensagens’ sejam estas por e-mail, memorandos cartas ou seja lá o que for, não é definitivamente uma maneira produtiva para resolver as diferenças. Concentrar-se apenas nos problemas. Na tentativa de resolver o conflito, é tentador recorrer a insultos ou levantar questões do passado. É importante abordar comportamentos e situações específicas, se a mudança é mesmo para acontecer. Tirar um tempo, se necessário. Na resolução de um conflito, as nossas emoções podem interferir impedindo-nos assim de em chegar a uma resolução produtiva. Se isso transparecer devemos tirar um tempo limite e retomar a resolução do conflito em outro momento designado. Resumindo, Evitar o conflito é muitas vezes a maneira mais fácil de lidar com ele. No entanto, podemos vir a ter de gerir alguns porque todos somos diferentes e todos reagimos de modo distinto sem raciocinar bem ás vezes. Quando isso ocorre devemos procurar a resolução positiva do mesmo tendo em conta as características e convicções de cada um respeitando e tratando todos por igual, ouvindo ambas as partes, anotando o que realmente é importante e deve mudar. Devemos estar ainda abertos a novas ideias e/ou sugestões.
  • 22. Ao trabalharmos tão ativamente na resolução do conflito, quando este ocorre, podemos criar um ambiente de trabalho mais positivo e agradável para todos. Susana Cardoso