SlideShare uma empresa Scribd logo

Aula de feridas e curativos - Completa

SMS - Petrópolis
SMS - Petrópolis
SMS - PetrópolisEnfermeira Atenção Básica na SMS - Petrópolis em SMS - Petrópolis

Aula completa sobre avaliação de feridas e tipos de curativos.

Aula de feridas e curativos - Completa

1 de 77
Baixar para ler offline
Feridas e CurativosFeridas e Curativos
Professora: Adriana Rodrigues do Carmo
Graduada e licenciada em Biologia pela FEUDUC
Graduada e licenciada em Enfermagem pela FMP/FASE
A Pele
• Maior órgão do corpo humano
É composta pela:
Epiderme
Derme
Tecido subcutâneo
Aula de feridas e curativos -  Completa
Composição da pele: Epiderme
 Camada mais externa
 Composta de 4 estratos de epitélio escamoso:
 Córneo (mais externo)
 Granuloso
 Espinhoso (mais espesso)
 Basal (mais interno)
 Queratinócitos
 Espessura (varia com a localização, idade ou sexo)
 Período de regeneração: + ou – 4 semanas.
Epiderme (Histologia)
Composição da pele: Derme
 Camada Intermediária.
 Também conhecida como cório ou pele verdadeira.
Composta de 2 estratos:
 Papilar (mais próximo a epiderme)
 Reticular

Recomendados

Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENFAvaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENFJanaína Lassala
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Proqualis
 
Tudo sobre curativo (Avaliação/Princípios/Técnicas de Realização)
Tudo sobre curativo (Avaliação/Princípios/Técnicas de Realização)Tudo sobre curativo (Avaliação/Princípios/Técnicas de Realização)
Tudo sobre curativo (Avaliação/Princípios/Técnicas de Realização)Joseir Saturnino
 
Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01SMS - Petrópolis
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosHeberth Macedo
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Feridas e Curativos
Feridas e CurativosFeridas e Curativos
Feridas e CurativosElayne Nunes
 
Cuidados com feridas
Cuidados com feridasCuidados com feridas
Cuidados com feridasRodrigo Abreu
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentosJanaína Lassala
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Aline Bandeira
 
Atualização em curativos
Atualização em curativosAtualização em curativos
Atualização em curativosJocasta Bonmann
 
Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
 Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgicaresenfe2013
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Will Nunes
 
Feridas e curativos
Feridas e curativosFeridas e curativos
Feridas e curativosLuh Soares
 
Tratamento de feridas - Aula 02
Tratamento de feridas -  Aula 02Tratamento de feridas -  Aula 02
Tratamento de feridas - Aula 02SMS - Petrópolis
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasMarci Oliveira
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Aline Bandeira
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacienteViviane da Silva
 

Mais procurados (20)

Feridas e Curativos
Feridas e CurativosFeridas e Curativos
Feridas e Curativos
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
Tratamento de feridas
Tratamento de feridasTratamento de feridas
Tratamento de feridas
 
Curativos e coberturas
Curativos e coberturasCurativos e coberturas
Curativos e coberturas
 
Cuidados com feridas
Cuidados com feridasCuidados com feridas
Cuidados com feridas
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Atualização em curativos
Atualização em curativosAtualização em curativos
Atualização em curativos
 
Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
 Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Feridas e curativos
Feridas e curativosFeridas e curativos
Feridas e curativos
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Tratamento de feridas - Aula 02
Tratamento de feridas -  Aula 02Tratamento de feridas -  Aula 02
Tratamento de feridas - Aula 02
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicas
 
Terminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgicaTerminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgica
 
Feridas neoplásicas
Feridas neoplásicasFeridas neoplásicas
Feridas neoplásicas
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
 
Feridas e Curativos EEEP 2017 WFG
Feridas e Curativos EEEP 2017 WFGFeridas e Curativos EEEP 2017 WFG
Feridas e Curativos EEEP 2017 WFG
 

Semelhante a Aula de feridas e curativos - Completa

aula feridas 1 (1).ppt
aula feridas 1 (1).pptaula feridas 1 (1).ppt
aula feridas 1 (1).pptKarinyNayara1
 
AULA - FERIDAS E CURATIVOS.pdf
AULA - FERIDAS E CURATIVOS.pdfAULA - FERIDAS E CURATIVOS.pdf
AULA - FERIDAS E CURATIVOS.pdfmauromaumau
 
Feridas e Curativos assistência de enfermagem
Feridas e Curativos assistência de enfermagemFeridas e Curativos assistência de enfermagem
Feridas e Curativos assistência de enfermagemssuser5cab6e
 
Atualização curativos e ùlcera de Decúbito.pptx
Atualização curativos e ùlcera de Decúbito.pptxAtualização curativos e ùlcera de Decúbito.pptx
Atualização curativos e ùlcera de Decúbito.pptxBrunno Rosique
 
Aula 02 - Feridas.pptx
Aula 02 -  Feridas.pptxAula 02 -  Feridas.pptx
Aula 02 - Feridas.pptxHeitor Lisboa
 
Feridas E Curativos
Feridas E CurativosFeridas E Curativos
Feridas E Curativostecnicas
 
Propedêutica dermatológica e lesões elementares
Propedêutica dermatológica e lesões elementaresPropedêutica dermatológica e lesões elementares
Propedêutica dermatológica e lesões elementaresVanessa Boeira
 
Exame físico Pele e Fâneros.pdf
Exame físico Pele e Fâneros.pdfExame físico Pele e Fâneros.pdf
Exame físico Pele e Fâneros.pdfdouglas870578
 
FERIDAS_E_CURATIVOS.pptx
FERIDAS_E_CURATIVOS.pptxFERIDAS_E_CURATIVOS.pptx
FERIDAS_E_CURATIVOS.pptxssuser51d27c1
 
Fud. feridas e curativos
Fud. feridas e curativos Fud. feridas e curativos
Fud. feridas e curativos Edileuza Leite
 

Semelhante a Aula de feridas e curativos - Completa (20)

aula feridas 1 (1).ppt
aula feridas 1 (1).pptaula feridas 1 (1).ppt
aula feridas 1 (1).ppt
 
AULA - FERIDAS E CURATIVOS.pdf
AULA - FERIDAS E CURATIVOS.pdfAULA - FERIDAS E CURATIVOS.pdf
AULA - FERIDAS E CURATIVOS.pdf
 
aula feridas 1.ppt
aula feridas 1.pptaula feridas 1.ppt
aula feridas 1.ppt
 
Feridas
FeridasFeridas
Feridas
 
Ulcera De Pressao
Ulcera De PressaoUlcera De Pressao
Ulcera De Pressao
 
Feridas x curativo
Feridas x curativoFeridas x curativo
Feridas x curativo
 
Feridas e Curativos assistência de enfermagem
Feridas e Curativos assistência de enfermagemFeridas e Curativos assistência de enfermagem
Feridas e Curativos assistência de enfermagem
 
Atualização curativos e ùlcera de Decúbito.pptx
Atualização curativos e ùlcera de Decúbito.pptxAtualização curativos e ùlcera de Decúbito.pptx
Atualização curativos e ùlcera de Decúbito.pptx
 
Ferida senac
Ferida senacFerida senac
Ferida senac
 
Atualização em curativo
Atualização em curativoAtualização em curativo
Atualização em curativo
 
Aula 02 - Feridas.pptx
Aula 02 -  Feridas.pptxAula 02 -  Feridas.pptx
Aula 02 - Feridas.pptx
 
Aula 1.ppt
Aula 1.pptAula 1.ppt
Aula 1.ppt
 
Feridas E Curativos
Feridas E CurativosFeridas E Curativos
Feridas E Curativos
 
Curativo
CurativoCurativo
Curativo
 
Propedêutica dermatológica e lesões elementares
Propedêutica dermatológica e lesões elementaresPropedêutica dermatológica e lesões elementares
Propedêutica dermatológica e lesões elementares
 
Ulcera Por Pressao 1
Ulcera Por Pressao 1Ulcera Por Pressao 1
Ulcera Por Pressao 1
 
Tc lesaopressao
Tc lesaopressaoTc lesaopressao
Tc lesaopressao
 
Exame físico Pele e Fâneros.pdf
Exame físico Pele e Fâneros.pdfExame físico Pele e Fâneros.pdf
Exame físico Pele e Fâneros.pdf
 
FERIDAS_E_CURATIVOS.pptx
FERIDAS_E_CURATIVOS.pptxFERIDAS_E_CURATIVOS.pptx
FERIDAS_E_CURATIVOS.pptx
 
Fud. feridas e curativos
Fud. feridas e curativos Fud. feridas e curativos
Fud. feridas e curativos
 

Mais de SMS - Petrópolis

Tratamento de feridas - Aula 03
Tratamento de feridas - Aula 03Tratamento de feridas - Aula 03
Tratamento de feridas - Aula 03SMS - Petrópolis
 
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - AdrianaAula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - AdrianaSMS - Petrópolis
 
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)SMS - Petrópolis
 
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para DengueAula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para DengueSMS - Petrópolis
 
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adrianaAula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adrianaSMS - Petrópolis
 
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticosAula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticosSMS - Petrópolis
 
Acidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentosAcidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentosSMS - Petrópolis
 

Mais de SMS - Petrópolis (11)

Comunicação não verbal
Comunicação não verbalComunicação não verbal
Comunicação não verbal
 
Sexualidade e Adolescência
Sexualidade e AdolescênciaSexualidade e Adolescência
Sexualidade e Adolescência
 
Tratamento de feridas - Aula 03
Tratamento de feridas - Aula 03Tratamento de feridas - Aula 03
Tratamento de feridas - Aula 03
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
 
Estudo de Caso: Escabiose
Estudo de Caso: EscabioseEstudo de Caso: Escabiose
Estudo de Caso: Escabiose
 
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - AdrianaAula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
 
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
 
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para DengueAula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
 
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adrianaAula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais   adriana
Aula de Cuidados de enfermagem em vias aéreas artificiais adriana
 
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticosAula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
 
Acidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentosAcidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentos
 

Último

2.Gardner - Anatomia.pdf
2.Gardner - Anatomia.pdf2.Gardner - Anatomia.pdf
2.Gardner - Anatomia.pdfBrunnaHolanda
 
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfamazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfdaianebarbosaribeiro
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperaçãodouglasmeira456
 
Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!
Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!
Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!lojadropch
 
COMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO
COMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃOCOMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO
COMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃOMr. Johnny Bispo
 
ciências morfo sistema imune e hematologico
ciências morfo sistema imune e hematologicociências morfo sistema imune e hematologico
ciências morfo sistema imune e hematologicopamelacastro71
 
Como diminuir a diabetes rapidamente de forma natural
Como diminuir a diabetes rapidamente de forma naturalComo diminuir a diabetes rapidamente de forma natural
Como diminuir a diabetes rapidamente de forma naturalsauljunior
 

Último (7)

2.Gardner - Anatomia.pdf
2.Gardner - Anatomia.pdf2.Gardner - Anatomia.pdf
2.Gardner - Anatomia.pdf
 
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfamazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
 
Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!
Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!
Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!
 
COMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO
COMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃOCOMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO
COMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO
 
ciências morfo sistema imune e hematologico
ciências morfo sistema imune e hematologicociências morfo sistema imune e hematologico
ciências morfo sistema imune e hematologico
 
Como diminuir a diabetes rapidamente de forma natural
Como diminuir a diabetes rapidamente de forma naturalComo diminuir a diabetes rapidamente de forma natural
Como diminuir a diabetes rapidamente de forma natural
 

Aula de feridas e curativos - Completa

  • 1. Feridas e CurativosFeridas e Curativos Professora: Adriana Rodrigues do Carmo Graduada e licenciada em Biologia pela FEUDUC Graduada e licenciada em Enfermagem pela FMP/FASE
  • 2. A Pele • Maior órgão do corpo humano É composta pela: Epiderme Derme Tecido subcutâneo
  • 4. Composição da pele: Epiderme  Camada mais externa  Composta de 4 estratos de epitélio escamoso:  Córneo (mais externo)  Granuloso  Espinhoso (mais espesso)  Basal (mais interno)  Queratinócitos  Espessura (varia com a localização, idade ou sexo)  Período de regeneração: + ou – 4 semanas.
  • 6. Composição da pele: Derme  Camada Intermediária.  Também conhecida como cório ou pele verdadeira. Composta de 2 estratos:  Papilar (mais próximo a epiderme)  Reticular
  • 8. Composição da pele: Tecido subcutâneo  Compõe-se de fibras de tecidos conjuntivos, que sustentam o tecido adiposo.  É atravessada por vasos sanguíneos mais calibrosos.  Ocorre o metabolismo dos carboidratos e a lipogênese. (Síntese de ácidos graxos e triglicérides, que serão armazenados subsequentemente no fígado e no tecido adiposo.)  É uma camada de ligação e isolante do frio e calor exacerbados.
  • 10. Funções da Pele Manter a integridade do corpo;  Proteger o corpo contra infecções, lesões ou traumas;  Absorver e excretar líquidos;  Manter a temperatura corpórea;  Sintetizar vit D com a exposição aos raios solares  Agir como órgão do sentido;  Exercer papel estético.
  • 11. Introdução O Tratamento de feridas se refere a proteção de lesões contra a ação de agentes externos físicos, mecânicos ou biológicos, tendo com objetivo reduzir, prevenir e/ou minimizar os riscos de complicações decorrentes. Antes da seleção e aplicação de um curativo, é necessária uma avaliação completa da ferida, do seu grau de contaminação, da maneira como esta ferida foi produzida, dos fatores locais e sistêmicos e da presença de exsudato, como forma de agilizar o processo de cicatrização e proteger a ferida.
  • 12. FERIDAS E SUASFERIDAS E SUAS CLASSIFICAÇÕESCLASSIFICAÇÕES
  • 13. Ferida e Úlcera Ferida: Lesão do tecido em decorrência de trauma mecânico, físico ou térmico ou que se desenvolva a partir de uma condição patológica ou fisiológica, que deve se fechar em até 2 semanas. Úlcera: A Ferida se torna uma úlcera após seis semanas de evolução sem intenção de cicatrizar.
  • 14. Classificação de Feridas 1. Quanto a causa 3. Quanto a presença de infecção 2. Quanto a evolução 4. Quanto ao comprometimento tecidual
  • 15. Classificação de Feridas Cirúrgicas ou traumáticas 1. Quanto a causa: Resultante de uma cirurgia ou de um trauma.
  • 16. 1. Quanto a causa: Patológicas Ocorre como consequência de uma patologia, (úlcera de pressão, neoplasia, úlceras venosas e arteriais). Classificação de Feridas
  • 17. Classificação de Feridas 1. Quanto a causa: Iatrogênicas Resultantes de procedimentos ou tratamentos (radioterapia).
  • 18. Ferida Cirúrgica e Ferida traumática
  • 21. Classificação de Feridas 2. Quanto a evolução: Aguda Crônica Feridas de fácil resolução,há ruptura da vascularização e desencadeamento imediato de hemostasia (cortes , escoriações, queimaduras) Feridas de longa duração (desvio do processo cicatricial fisiológico.)
  • 23. Classificação de Feridas 3. Quanto a presença de infecção: Limpa Contaminada Limpa Isenta de microrganismos. Lesões com tempo inferior 6h entre o trauma e o atendimento inicial.
  • 24. Classificação de Feridas 3. Quanto a presença de infecção: Contaminada Infectada Feridas cujo tempo de atendimento foi superior a 6h após o trauma Presença de agente infeccioso local.
  • 28. Classificação de Feridas 4. Quanto ao comprometimento tecidual: Estágio I Pele íntegra, com sinais de hiperemia,Pele íntegra, com sinais de hiperemia, descoloração ou endurecimento.descoloração ou endurecimento.
  • 29. Estágio II Classificação de Feridas 4. Quanto ao comprometimento tecidual: A epiderme e a derme estão rompidas,A epiderme e a derme estão rompidas, podendo envolver tecido subcutâneo,podendo envolver tecido subcutâneo, e com hiperemia , bolhas e cratera rasa.e com hiperemia , bolhas e cratera rasa.
  • 30. Estágio III Classificação de Feridas 4. Quanto ao comprometimento tecidual: Perda total do tecido cutâneo, necrose do tecido subcutâneo até a fáscia muscular;
  • 31. Estágio IV Classificação de Feridas 4. Quanto ao comprometimento tecidual: Grande destruição tecidual, com necrose, atingindo músculos,tendões e ossos
  • 33. Os quatro estágios (Imagens para diferenciação)
  • 34. Quanto a causa Quanto a presença de infecção Quanto a evolução Quanto ao comprometimento tecidual Iatrogênicas Cirúrgica ou traumática Patológica Aguda Crônica Limpa Limpa Contaminada Infectada Contaminada Estágio I Estágio II Estágio III Estágio IV
  • 35. Exercícios 1. Qual é o maior órgão do corpo humano? 2. A pele é composta pela ___________, ______________ e ___________________. 3. Qual é a camada mais externa da pele e ela é composta de que estratos? 4. Qual o período de regeneração da parte mais externa da pele? 5. Qual é a camada intermediária da pele e ela é composta de que estratos? 6. Qual é a camada mais interna da pele e como ele é composto? 7. Onde é realizado o metabolismo dos carboidratos? 8. Diferencie ferida de úlcera.
  • 36. 9. Como podem ser classificadas as feridas? 10. O que são feridas patológicas? 11. O que são feridas iatrogênicas? 12. Diferencie ferida aguda de ferida crônica. 13. O que são feridas limpas, contaminadas e infectadas? 14. Fale de cada um dos 4 estágios das úlceras. 15. Faça um resumo do que aprendeu sem precisar ler a matéria. Exercícios
  • 37. Classificação de Feridas 5. Outras: A) Ferida asséptica: Não contaminada. Ex: Ferida cirúrgica. B) Ferida séptica: Contaminada. Ex: Feridas laceradas.
  • 38. Classificação de Feridas 5. Outras: Denominamos de:  * Ferimento aberto - Solução de continuidade. Ex: Incisão cirúrgica, laceração penetrante ou escoriação. * Ferimento fechado - Não dá solução de continuidade. Ex: Contusão ou equimose. * Ferimento acidental - Ferimento devido a um infortúnio. * Ferimento intencional - Causado por incisão cirúrgica (fins terapêuticos).
  • 40. Avaliando a ferida Tamanho Leito da ferida Pele ao redor Tipo de curativo Infectada ?
  • 41. Avaliando a ferida Sadio Doente Tecido de Granulação  Vermelho vivo  Brilhante  Não sangra facilmente ou muito pouco  Vermelho escuro  Sem brilho ou ressecado  Sangra com abundância
  • 42. Avaliando a ferida Dificuldades na identificação de feridas infectadas  Os sintomas de inflamação da fase inicial podem ser confundidos com sintomas de infecção;  Doentes imunossupressos podem não apresentar sintomas clássicos de inflamação ou sequer de infecção;
  • 43. Avaliando a ferida Dificuldades na identificação de feridas infectadas  Uma ferida que não cicatriza pode ser o único sintoma da presença de infecção;  Má interpretação ou desprezo de resultados microbiológicos;  Desvalorizar ou super-valorizar presença ou ausência de alguns sinais de exsudato purulento.
  • 44. Avaliação do estado da ferida  Mensuração,  Extensão do tecido envolvido,  Localização anatômica,  Tipo de tecido no leito da ferida,  Cor da ferida,  Exsudato,  Borda da ferida,  Infecção.
  • 45. Avaliação do estado da ferida Mensuração Comprimento ProfundidadeLargura
  • 46. Avaliação do estado da ferida Extensão do tecido envolvido Estruturas envolvidas Estadiamento
  • 47. Avaliação do estado da ferida Localização anatômica Potencial de contaminação Documentação
  • 48. Avaliação do estado da ferida Tipo de tecido no leito da ferida Tecidos viáveis Tecidos inviáveis Granulação e epitelização Fibrina desvitalizada, tecidos necróticos
  • 49. Avaliação do estado da ferida Cor do tecido (Vermelho Amarelo Preto Granulação Fibrina Rosa, vermelho pálido, vermelho vivo Amarelo, marrom Necrose Cinza, negra
  • 50. Avaliação do estado da ferida Exsudato Volume ConsistênciaOdor Cor
  • 51. Avaliação do estado da ferida Exsudato Sanguinolento: Fino, vermelho brilhante; Serosanguinolento: Fino, aguado, de vermelho pálido para róseo; Seroso: Fino. Aguado, claro; Purulento: Fino ou espesso, de marrom opaco para amarelo; Purulento pútrido: Espesso, de amarelo opaco para verde, com forte odor.
  • 52. Avaliação do estado da ferida Bordas da ferida Epitalização Macerada Necrose Isquemia Irregular Contaminação Infecção Colonização
  • 53. Avaliação do estado da ferida Bordas da ferida Indistinta, difusa: Não há possibilidade de distinguir claramente o contorno da ferida; Aderida: Plana / nivelada com o leito da ferida, sem presença de paredes; Não-aderida: Presença de paredes; o leito da ferida é mais profundo que as bordas;
  • 54. Avaliação do estado da ferida Bordas da ferida Indistinta, difusa Aderida Não-aderida
  • 55. Enrolada para baixo, espessada / grossa: De macia para firme e flexível ao toque; Hiperqueratose: Formação de tecido caloso ao redor da ferida e até as bordas Fibrótica, com cicatriz: Dura, rígida ao toque. Avaliação do estado da ferida Bordas da ferida
  • 56. Avaliação do estado da ferida Bordas da ferida Enrolada para baixo, espessada / grossa Hiperqueratose Fibrótica, com cicatriz
  • 57. Avaliação do estado da ferida Infecção Sinais clínicos de infecção: dor, calor, hiperemia, mudança na cor do exsudato, odor. Cultura Swab Aspiração Biópsia
  • 58. Cicatrização Após ocorrer a lesão a um tecido, imediatamente iniciam-se fenômenos dinâmicos conhecidos como cicatrização, com a finalidade de restaurar o tecido lesado. Cicatrização nada mais é do que uma cascata de eventos celulares e moleculares, que envolvem processos bioquímicos e fisiológicos, sendo estes dinâmicos e simultâneos.
  • 59. Processo de cicatrização • Primeira intenção: É o tipo de cicatrização que ocorre quando as bordas são apostas ou aproximadas, havendo perda mínima de tecido, ausência de infecção e mínimo edema. A formação de tecido de granulação não é visível. Exemplo: ferimento suturado Tipos de cicatrização
  • 60. • Segunda intenção: Neste tipo de cicatrização ocorre perda excessiva de tecido com a presença ou não de infecção. A aproximação primária das bordas não é possível. As feridas são deixadas abertas e se fecharão por meio de contração e epitelização. Tipos de cicatrização Processo de cicatrização
  • 61. • Terceira intenção: Designa a aproximação das margens da ferida (pele e subcutâneo) após o tratamento aberto inicial. Isto ocorre principalmente quando há presença de infecção na ferida, que deve ser tratada primeiramente, para então ser suturada posteriormente. Tipos de cicatrização Processo de cicatrização
  • 62. Curativo É um procedimento terapêutico que consiste na limpeza, no qual toda substância e soluções necessárias são colocadas diretamente sobre um ferimento.
  • 63. Finalidade do Curativo Evitar a contaminação de feridas limpas; Facilitar a cicatrização; Reduzir a infecção nas lesões contaminadas; Absorver secreções; Facilitar a drenagem de secreções; Promover a hemostasia com os curativos compressivos; Manter o contato de medicamentos junto à ferida; Promover conforto ao paciente;
  • 64. Curativo Ideal Mantém alta umidade Nada de curativos secos em feridas abertas. Não há necessidade de secar feridas abertas, somente a pele ao redor dela.
  • 65. Remove o excesso de exsudato O curativo deve ter um pouco de absorvência. Curativo Ideal
  • 66. Isolador térmico As feridas não devem ser limpas com loções frias. Os curativos não devem permanecer removidos por longos períodos de tempo (isso também permite que a ferida resseque). Curativo Ideal
  • 67. Impermeável à bactérias Os esparadrapos devem ser aplicados como uma moldura de quadro e cobrir toda a gaze. Se ocorrer um excesso de exsudato, deve-se trocar o curativo. Curativo Ideal
  • 68. Isento de partículas e de microorganismos Não se deve usar lã de algodão ou qualquer gaze desfiada. Não se deve cortar a gaze, pois ela irá desfiar. Só deve-se usar gaze estéril e não reutilizar um pacote aberto. Curativo Ideal
  • 69. Retirado sem trauma Irrigar antes de retirar o curativo para evitar traumas, e, consequentemente a remoção de tecido viável. Curativo Ideal
  • 70. Curativo asséptico Quando necessário, utilizar luvas estéreis e material estéril. Curativo Ideal
  • 72. Tipos de Curativo O Tipo de curativo a ser realizado varia de acordo com a natureza, a localização e o tamanho da ferida. Em alguns casos é necessária uma compressão, em outros lavagem exaustiva com solução fisiológica e outros exigem imobilização com ataduras. Nos curativos em orifícios de drenagem de fístulas entéricas a proteção da pele são em torno da lesão é o objetivo principal.
  • 73. Tipos de Curativo  Curativo semi-oclusivo: Este tipo de curativo é absorvente, e comumente utilizado em feridas cirúrgicas, drenos, feridas exsudativas, absorvendo o exsudato e isolando-o da pele adjacente saudável.  Curativo oclusivo ou fechados: Não permite a entrada de ar ou fluídos, atua como barreira mecânica, impede a perda de fluídos, promove isolamento térmico, veda a ferida, a fim de impedir formação de crosta.
  • 74. Tipos de Curativo  Curativo compressivo: Utilizado para reduzir o fluxo sanguíneo, promover a estase e ajudar na aproximação das extremidades da lesão.  Curativos abertos: São realizados em ferimentos que não há necessidade de serem ocluídos. Feridas cirúrgicas limpas após 24 horas, cortes pequenos, suturas, escoriações e etc, são exemplos deste tipo de curativo.
  • 75.  Curativo grande: Curativo realizado em ferida grande, variando de 36,5 a 80 cm2. (ex: Incisões contaminadas, grandes cirurgias – incisões extensas (cirurgia torácica, cardíaca), queimaduras (área e grau), toracotomia com drenagem, úlceras infectadas, Outros especificar).  Curativo Extra Grande: Curativo realizado em ferida grande, com mais de 80 cm2 (ex: Todas as ocorrências de curativos extragrandes deverão obrigatoriamente constar de justificativa médica). Tipos de Curativo
  • 76. Tipos de Curativo Ferida com fístula ou deiscência de paredes Quando ocorre uma fistula ou deiscência de parede ou túnel torna-se difícil a realização de limpeza no interior da ferida proporcionando um ambiente ideal para a colonização de patógenos. O ideal é realizar a limpeza da ferida em todo o seu interior com jatos de solução fisiológica.
  • 77. Imagens de fístula Fístula cutânea Fístula anal