Limpeza e higienização hospitalar

45.273 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios
1 comentário
27 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
45.273
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
41
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.236
Comentários
1
Gostaram
27
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Limpeza e higienização hospitalar

  1. 1. NOSSAS SOLUÇÕES
  2. 2. Quem Somos A B&R Consultoria Empresarial é uma empresa comprometida em oferecer as melhores soluções aos seus clientes, contando com uma experiência de 18 anos de atuação no mercado nacional em empresas de pequeno, médio e grande porte nos diversos segmentos.
  3. 3. Soluções Atuamos com soluções nas áreas de Auditoria, Consultoria, Capital Humano e Administração de Pessoal, levando para sua empresa às melhores práticas de mercado, considerando as necessidades específicas de sua organização. Contamos com uma equipe de profissionais multidisciplinares que se comprometem com ética, competência, agilidade e criatividade, a oferecer as melhores soluções para sua empresa.
  4. 4. LIMPEZA E HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR ASPECTOS FUNDAMENTAIS
  5. 5. INTRODUÇÃO: “O Serviço de Limpeza e Desinfecção de Superfícies em Serviços de Saúde apresenta relevante papel na prevenção das infecções relacionadas a assistência á saúde, sendo imprescindível o aperfeiçoamento do uso de técnicas eficazes para promover a limpeza e desinfecção de superfícies“.
  6. 6. O QUE É LIMPEZA HOSPITALAR ? É o processo de remoção de sujidades mediante a aplicação de ação ou energia química, mecânica ou térmica, num determinado período de tempo.
  7. 7. CICLO DE SINNER EFICÁCIA DA LIMPEZA: Combinação de AÇÃO QUÍMICA + AÇÃO FÍSICA + AÇÃO TÉRMICA + TEMPO.
  8. 8. DESINFECÇÃO: Tem a finalidade de destruir os microrganismos na forma vegetativa, existentes em superfícies inertes, mediante aplicação de agentes químicos.
  9. 9. DESCONTAMINAÇÃO: Tem a finalidade de eliminar total ou parcialmente a carga microbiana de superfícies, tornando-as aptas para manuseio seguro.
  10. 10. TIPOS DE LIMPEZA HOSPITALAR
  11. 11. LIMPEZA CONCORRENTE É aquela realizada enquanto o paciente encontra-se no apartamento, nas dependências do hospital.
  12. 12. LIMPEZA TERMINAL: É realizada após a saída do paciente, seja por alta, óbito ou transferência.
  13. 13. LIMPEZA DE MANUTENÇÃO Tem como objetivo, manter o padrão de limpeza nas dependências, nos intervalos entre as limpezas concorrentes ou terminais, repondo materiais de higiene, recolhimento de resíduos e manutenção das superfícies.
  14. 14. CLASSÍFICAÇÃO DAS ÁREAS HOSPITALARES:
  15. 15. ÁREAS NÃO CRÍTICAS São todas as áreas não ocupadas por pacientes e onde não se realizam procedimentos. Ex.: as áreas administrativas e de circulação.
  16. 16. ÁREAS SEMI-CRÍTICAS São áreas ocupadas por pacientes com doenças infecciosas de baixa transmissibilidade e doenças não infecciosas, isto é, aquelas ocupadas por pacientes que não exijam cuidados intensivos ou de isolamento. AMBULATÓRIO ENFERMARIA
  17. 17. CLASSÍFICAÇÃO DAS ÁREAS HOSPITALARES: ÁREAS CRÍTICAS Áreas que oferecem maior risco de infecção devido ao estado grave dos pacientes e aos procedimentos invasivos. BLOCO CIRÚRGICO LABORATÓRIO
  18. 18. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP DATA:XX-XX-XX Limpeza de sanitários Local onde realiza o procedimento: Todos os sanitários. Resultados Esperados: · Promover uma limpeza adequada dos sanitários, promovendo conforto ao paciente e funcionário e diminuindo o risco de infecção relacionada a assistência a saúde. · Checar as condições de conservação e o bom funcionamento dos sanitários. Materiais Necessários: Carro funcional provido de : •Panos de limpeza limpos; •Sabão ou detergente; •Desinfetante padronizado; •Vassoura de sanitário; •EPIs padronizados;
  19. 19. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP EXECUTANTE Funcionário da higiene: XXXXXXXXX OPERAÇÃO •Higieniza as mãos; •Coloca o material necessário para a limpeza no carro funcional; •Leva o carro até o local a ser limpo; •Coloca os EPIs apropriados para o procedimento; as luvas do banheiro e do quarto devem ter cores diferentes; •Pressiona a válvula de descarga; •Levanta o assento do vaso; •Esfrega com esponja e solução detergente na seguinte ordem: 1- Válvula de descarga; 2- Base externa da peça sanitária; 3- Junção peça/piso 4- Parte externa da tampa em seguida a parte interna e assento em anexo; 5- Parte interna sob a borda da peça sanitária; 6- Esfregar com vassoura sanitária o interior da peça;
  20. 20. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP OPERAÇÃO •Higienizar as mãos; Enxaguar com água limpa novamente. •Secar o assento do vaso sanitário; • Enxaguar com água limpa até a remoção de todo sabão; • Aplicar o desinfetante (Hipoclorito 1%) e deixa agir por 10 minutos; • Enxaguar com água limpa até a remoção de todo sabão; • Secar o assento, a tampa e a parte externa do sanitário com pano limpo; • Recolher o material utilizado; • Remover as luvas; • Lavar as mãos. Atenção: Quando verificar algum mal funcionamento do sanitário, comunicar o supervisor da higiene para acionar a manutenção. Ações em Caso de Não conformidade:
  21. 21. TÉCNICAS DE LIMPEZA HOSPITALAR PAREDES E ANEXOS: de cima para baixo,em limpezas terminais iniciar a limpeza pelas paredes e por último o piso. TETOS: sentido unidirecional,ou seja, não realizar movimentos de vai e vem ou circulares. PISOS DE QUARTOS OU ENFERMARIAS: Iniciar a limpeza do fundo para a porta de entrada. PISO DE CORREDORES: De dentro pra fora e de trás pra frente. Iniciar a limpeza da área mais limpa para a área mais suja Utilizar dois baldes de cores diferentes para limpeza de pisos Utilizar água e detergente para a limpeza de superfícies Realizar remoção e tratamento de superfícies com matéria orgânica Separar panos e fibras para diferentes tipos de superfícies e áreas
  22. 22. PRODUTOS QUÍMICOS: A aquisição dos produtos químicos deverá ser do SCIH, conjuntamente com o serviço de limpeza e desinfecção de superfícies em serviços de saúde ou hotelaria hospitalar e o setor de compras do hospital.
  23. 23. CUIDADOS NA UTILIZAÇÃO E DILUIÇÃO A Utilização e Diluição de Produtos Químicos -Seguir Orientações do fabricante As soluções devem ser feitas sempre acrescentando água ao produto( diluidor) Armazenamento Produtos identificados Evitar diluições por longos períodos Utilizar Epis
  24. 24. PRODUTOS: CRITÉRIOS DE COMPRA  A natureza da superfície a ser limpa ou desinfetada e o seu comportamento perante o produto;  A possibilidade de corrosão da superfície a ser limpa;  Tipo e grau de sujidade e a sua forma de eliminação;  Tipo e contaminação e a sua forma de eliminação (microrganismos envolvidos com ou sem matéria orgânica presente);  Grau de toxicidade do produto;
  25. 25.  Concentração de uso preconizado pelo fabricante;   Segurança na manipulação e uso dos produtos; Princípio ou componente ativo;  Tempo de contato para a ação;  Concentração necessária para a ação;  Possibilidade de inativação perante matéria orgânica;  Estabilidade frente às alterações de luz, umidade, temperatura de armazenamento e matéria orgânica.
  26. 26.  Incompatibilidade com agentes que podem afetar a eficácia ou a estabilidade do produto como: dureza da água, sabões, detergentes ou outros produtos saneantes.  Prazo de validade para uso do produto.  No rótulo dos produtos saneantes deverá constar: o nome do produto;  Modo de utilização, destacando o tempo de contato do produto; precauções de uso quanto à toxicidade e necessidades de uso de EPIs; restrições de uso; composição do produto; teor de princípio ativo descrito em percentagem (%); frases relacionadas ao risco do produto;
  27. 27.  Prazo de validade; data de fabricação; lote e volume; informações referentes à empresa fabricante, como nome da empresa, endereço e Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ); nome do responsável técnico e número do seu registro no Conselho de Classe e número do registro do produto na ANVISA.  Deve ser solicitado ao fornecedor, fabricante ou distribuidor, o número da  autorização de funcionamento da empresa titular do produto (empresa que registrou/notificou o produto na Anvisa) e a Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos (FISPQ), que deve ser analisada em conjunto com o Núcleo de Medicina e Segurança do Trabalho.
  28. 28. PRINCÍPIOS ATIVOS: ÁLCOOL 70% O álcool na formulação 70% possuem princípio ativo recomendados. Possui concentração ótima para atividade microbicida, é um produto barato, de fácil obtenção, não tóxico em contato com a pele; devido estas características vem sendo amplamente utilizado e recomendado para desinfecção de superfícies
  29. 29. HIPOCLORITO DE SÓDIO É usada como desinfetante e como agente alvejante. É eficaz contra diversas bactérias e alguns vírus e é frequentemente o desinfetante de preferência para limpar superfícies em hospitais. É encontrado na forma Inorgânica (liquida) e Orgânica (em pó). Indicações ? Contraindicações?
  30. 30. QUARTENÁRIOS DE AMÔNIO São compostos inodoros, não corrosivos, estáveis no armazenamento, têm sua atividade pouco afetada na presença de matéria orgânica. Indicações ? Contraindicações?
  31. 31. DESINFETANTE IDEAL HIPOCLORITO DE SÓDIO TEM AÇÃO SOBRE A MATÉRIA ORGÂNICA Não possui ação sobre a Matéria Orgânica PRODUTO COM REGISTRO E TESTE DE EFICÁCIA COMPROVADA JUNTO À ANVISA Produto quase sempre de procedência duvidosa ESTÁVEL POR 24 MESES EM GRANDE FAIXA DE TEMPERATURA Produto instável, degradando-se por completo a partir 30•C PRODUTO INODORO (ODOR CARACTERÍSTICO DAS MATÉRIAS PRIMAS – HOSPITAL) Odor agressivo, produto sufocante, agressivo à epiderme “PRODUTO COM ALTO CUSTO INICIAL” “Produto com baixo custo inicial” PRODUTO COM BAIXÍSSIMO CUSTO FINAL Produto com altíssimo custo final EFICAZ SOBRE ESPOROS Sem ação esporicida PRODUTO COM BAIXA TOXIDADE Produto altamente tóxico e corrosivo POSSUI AÇÃO DETERGENTE Não possui ação detergente
  32. 32. FICHA TÉCNICA
  33. 33. PERFIL COMPORTAMENTAL E PROFISSINAL DA EQUIPE DE HIGIENE HOSPITALAR
  34. 34. COMPORTAMENTO E ATITUDES QUE DEVEM SER ESTIMULADAS: • • • • • • • Evitar diálogos longos e desnecessários com os pacientes; A atitude correta é cumprimentar o pacientes, avisálo que o local será limpo e, em caso de dúvidas relativas a assistência, orientá-lo para que solicite a enfermagem; Demonstrar interesse e vontade de aprender; Colaborar com os colegas de trabalho; Evitar envolvimentos com fofocas; Evitar ruídos desnecessários; Atitudes de cortesia e educação;
  35. 35. PERFIL PROFISSIONAL: • Pensamento estratégico com capacidade de decisão e solução de problemas. • Equilíbrio emocional. • Pontualidade e assiduidade. • Honestidade. • Imparcialidade. • Ética. • Humildade suficiente para admitir suas falhas. • Criatividade. • Bom relacionamento com o grupo. • Capacidade de conduzir o grupo;
  36. 36. Detalhes que fazem a diferença no Serviço de Higiene e Limpeza Hospitalar 1-Silêncio durante as tarefas 2-Check list após cada processo de limpeza 3-Integração com a equipe de manutenção 4-Uniformes limpos e sem manchas 4-Demonstrar alegria, ser gentil e colaborador 5-Manter o carro funcional sempre limpo e organizado 6-Disponibilizar para os clientes internados um ramal direto com a o serviço de higiene 7-Visitas do lider do setor aos pacientes internos 8-manter em ordem o setor de trabalho, eliminando as não conformidades 9-Avaliação dos serviços prestados, através de questionários, telemarketing
  37. 37. PARABÉNS Agora você já sabe como fazer para impedir que os microrganismos sobrevivam, multipliquem-se e contaminem o AMBIENTE HOSPITALAR. Vamos aplicar as boas práticas de HIGIENE E LIMPEZA HOSPITALAR..

×