SlideShare uma empresa Scribd logo
Anotações do Aluno
uvb



   Aula Nº 12 – Orçamento e Custo-
   Padrão
Objetivos da aula:
O orçamento é uma importante ferramenta de planejamento por meio
do qual os objetivos da empresa são detalhados em números em toda a
extensão de suas operações.


É uma projeção das operações da empresa, visando aos seus objetivos.
O custo-padrão é o custo dos produtos considerado ideal para atingir
esses objetivos. Nesse contexto, orçamento e custo-padrão fazem sua
intersecção, são valores planejados para atingir objetivos empresariais.


O objetivo desta aula é, justamente, mostrar esse ponto de intersecção e a
forma de utilizar as informações por meio da contabilidade.


Tenha uma ótima aula!


Introdução
                                                                                               Aula 12 - Orçamento e Custo-Padrão
O planejamento orçamentário começou a ser difundido na década de 20,
mas, no Brasil, somente começou a ser introduzido no setor público por
força da lei 4.320 de 1964, sendo mais tarde introduzido, também, nas
empresas privadas.
O processo orçamentário compreende as técnicas de planejar, coordenar,
controlar e avaliar as operações de uma empresa, de acordo com objetivos
                                                                              Custo Contábil




previamente estabelecidos.


O planejamento orçamentário, com sua associação ao custo-padrão,
constitui-se em ferramenta indispensável para que a empresa possa
controlar suas atividades em direção aos seus objetivos.


                                 Faculdade On-Line UVB
                                                                                         96
Anotações do Aluno
uvb


O processo orçamentário deve envolver o máximo de pessoas dos
mais diversos setores da empresa. A espinha dorsal do orçamento é o
planejamento de vendas, que deve atender os objetivos da empresa,
considerados os fatores externos, como mercado, vida útil do produto,
concorrência etc. e fatores internos, como capacidade produtiva de curto
prazo e capacidade de expansão da empresa.


O custo-padrão pode, também, ser uma meta e, como tal, pode ser revisado
por ocasião do planejamento periódico da empresa onde devem ser
fixadas quantidades físicas pelo departamento de engenharia da produção
(matéria-prima ideal, tempo de mão-de-obra direta ideal, consumo de
energia ideal etc.).

Posteriormente, o departamento de contabilidade deve valorizar esses
padrões físicos em moeda corrente, transformando-os em custo-padrão.
Depois de aprovado o orçamento de vendas, faz-se a conversão para o plano
de produção, levando em conta a política de estoques e a capacidade de
produção para determinado tempo e considerando a opção de fabricação
escolhida pelo departamento de produção.


A partir do departamento de produção, é possível elaborar os demais
orçamentos com base no custo-padrão, como veremos a seguir.


1. Orçamento de matéria-prima baseado no custo-                                               Aula 12 - Orçamento e Custo-Padrão
padrão
    •   Determinar a quantidade de matéria-prima exigida para atender
        a produção, de acordo com a estrutura de produto estabelecida
        pelo departamento de engenharia de produção, no qual são
        considerados os padrões técnicos e as perdas naturais do processo
                                                                             Custo Contábil




        produtivo.
    •   Estabelecer políticas de estocagem de matéria-prima, considerando
        as conveniências de compras, capacidade de estocagem da
        empresa, facilidade de obtenção dos materiais no mercado, custos


                                 Faculdade On-Line UVB
                                                                                        97
Anotações do Aluno
uvb


         de estocagem, custos administrativos de compras e o prazo de
         obsolescência.
    •    Elaborar programa de suprimentos, considerando as conveniências
         de compras em termos de preço, prazo de entrega e demais
         condições comerciais.
    •    Determinar o custo estimado da matéria-prima necessária para
         a produção, valorizando as quantidades planejadas com base
         em estimativa de custos unitários, utilizando-se de experiências
         passadas e projetando-se aumentos de preços estimados com
         base em inflação ou escassez do produto no mercado.


2. Orçamento da mão-de-obra baseado no custo-
padrão
    •    Estimar a quantidade de mão-de-obra necessária para a
         produção planejada, utilizando o método de registro de tempos e
         movimentos. O departamento de engenharia baseado em estudo
         de tempos e movimentos estabelece tempo de mão-de-obra
         padrão de fabricação de determinado produto. Esse tempo padrão
         deve levar em conta o tempo de manutenção, carregamento de
         máquinas etc.
    •    Estabelecer valores, projetando a taxa horária da mão-de-obra
         direta, de acordo com a política salarial da empresa, incluindo os
         encargos sociais correspondentes. A taxa horária é estabelecida,
                                                                                                Aula 12 - Orçamento e Custo-Padrão
         dividindo-se o custo da mão-de-obra de cada departamento de
         produção pelo número de horas disponíveis para a produção.
                             Produto A                        Produto B
Taxa padrão de tempo por unidade do produto
Departamento X               0,80                             0,60
Departamento Y               0,60                             -
                                                                               Custo Contábil




Departamento Z               -                                0,40
Taxas de custo de mão-de-obra previstas
Departamento X               R$ 6,00 / hora
Departamento Y               R$ 7,00 / hora
Departamento Z               R$ 10,00 / hora




                                      Faculdade On-Line UVB
                                                                                          98
Anotações do Aluno
uvb


3. Orçamento dos custos indiretos de fabricação
baseado no custo-padrão
É a projeção de gastos consumidos na área de produção não agregados
diretamente aos produtos, por exemplo, consumo de água, energia
elétrica, matérias de escritório, materiais de limpeza etc. É um orçamento
complexo pela dificuldade de atribuir quantidades definidas dos mais
variados tipos de gastos ao volume de produção que podem ser definidos
como:


    • Custos Fixos – são incorridos, haja produção ou não. Dentro de certo
        limite, independe do volume de produção e são compostos por
        itens, como: depreciação, salários de supervisores de produção
        etc. É um processo mais subjetivo, podendo ser baseado em
        informações passadas ou em metas pré-fixadas.
    • Custos Semivariáveis – são compostos por uma parcela fixa e uma
        parcela variável, podendo ser estimados por regressão linear ou
        por interpolação de dois pontos.


4. Contabilização do custo-padrão
  4.1. Forma simplificada
                                                                                               Aula 12 - Orçamento e Custo-Padrão
    •   Debitar todos os custos (diretos, indiretos, fixos ou variáveis) à
        conta de produção por seus valores reais.
    •   Transferir para os estoques, baixando da conta de produção, pelo
        seu valor padrão.
    •   Se debitarmos na Produção valor real e creditamos valor padrão,
        logicamente haverá um saldo, que será ajustado no final de cada
                                                                              Custo Contábil




        período.
    •   Durante o período, o estoque de produtos acabados seria debitado
        pelo recebimento dos produtos e creditado pela venda, ficando os
        estoques assim avaliados durante o período.



                                 Faculdade On-Line UVB
                                                                                         99
Anotações do Aluno
uvb


  4.2. Exemplo

Para a produção de 600 unidades, a empresa incorreu nos seguintes custos,
que foram debitados à produção:
D – Produção em processo                                R$ 3.100.000
C – Estoque de Materiais Diretos                         R$ 1.500.000
C – Estoque de Materiais Indiretos                       R$ 100.000
C – Folha de Pagamento                                   R$ 1.000.000
C – Estoque de Peças                                     R$ 130.000
C – Energia Elétrica a Pagar                             R$ 270.000
C – Depreciação Acumulada                                R$ 100.000


Ao final do período, terminada a produção das 600 unidades, teríamos
D – Produtos Acabados                     R$ 2.820.000
C – Produção em Processo                  R$ 2.820.000


(pelo valor de 600 unidades ao custo-padrão de R$ 4.700/unidade)


A conta Produção em Processo foi debitada em R$ 3.100.000 pelos custos
reais e creditada por R$ 2.820.000 pelo custo-padrão. Esse saldo representa
a soma de todas as variações entre custos reais e custo-padrão (materiais,
mão-de-obra e custos indiretos): 600 u. x R$ 466,67/ u. = R$ 280.000.


Supondo, agora, que a empresa consiga vender 2/3 dos produtos
fabricados no período:
                                                                                                Aula 12 - Orçamento e Custo-Padrão
D – Custo dos Produtos Vendidos R$ 1.880.000
C – Produtos Acabados           R$ 1.880.000
   (400 u. x R$ 4.700 / u.)


A conta Produtos Acabados recebeu um débito de R$ 2.820.000 e um
crédito de R$ 1.880.000, restando um saldo de R$ 940.000, que representa
                                                                               Custo Contábil




200 unidades x R$ 4.700.


É um processo simples que facilita a emissão de relatórios e os custos
reais não precisam ser apurados em cada mês, no entanto, para efeito de


                                  Faculdade On-Line UVB
                                                                                        100
Anotações do Aluno
uvb


fechamento do Balanço Patrimonial, os estoques e o custo das mercadorias
vendidas devem ser ajustados a valores reais, ou seja, o saldo referente às
variações deve ser eliminado.


  4.3. Tratamento Contábil das Variações

Suponha que terminou o período e a empresa precisa fechar o seu balanço,
mas não pode fazê-lo sem os valores reais. É muito simples, o saldo de R$
280.000 na conta “Produção em Processo” deve ser transferida, parte para
Produtos Acabados e parte para Custo dos Produtos Vendidos:


2/3 x R$ 280.000 = R$ 186.667 para CPV
1/3 x R$ 280.000 = R$ 93.333 para Produtos Acabados


D – Produtos Acabados                R$ 93.333
D – CPV                              R$ 186.667
C – Produção em Processo             R$ 280.000,00




                                                                                                Aula 12 - Orçamento e Custo-Padrão
Produtos Acabados  R$ 1.033.333 / 200 unidades = R$ 5.166,66
              C.P.V.  R$ 2.066.667 / 400 unidades = R$ 5.166,66


Agora, o balanço patrimonial pode ser publicado, pois atende aos
Princípios Contábeis Geralmente Aceitos. Tanto o estoque quanto o custo
dos produtos vendidos estão ajustados a valores reais.
                                                                               Custo Contábil




                                  Faculdade On-Line UVB
                                                                                        101
Anotações do Aluno
uvb


Devem ser corrigidas, em primeiro lugar, as variações desfavoráveis de
valores maiores.


Como na empresa o volume de dados é muito grande, devemos
trabalhar o conceito de análise das variações de tempos em tempos e por
amostragem.


Síntese
Nesta aula, vimos uma pequena introdução ao orçamento empresarial
e estudamos as relações entre orçamento e custo-padrão. Você pode
perceber que não se trata apenas de controlar custos. Por meio dessa
ferramenta, é possível controlar o planejamento da empresa, monitorar o
cumprimento dos objetivos traçados.


Na próxima aula, iniciaremos o tema Custos para Decisão.


Até lá!


Referências
CREPALDI, Silvio Aparecido. Curso Básico de Contabilidade de Custos.
São Paulo: Atlas, 2005.
                                                                                             Aula 12 - Orçamento e Custo-Padrão
LEONE, George S. G. Curso de Contabilidade de Custos. São Paulo: Atlas,
1997.


MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2003.
                                                                            Custo Contábil




                                 Faculdade On-Line UVB
                                                                                     102

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila de analise_de_custos
Apostila de analise_de_custosApostila de analise_de_custos
Apostila de analise_de_custos
Mayara Maciel
 
A postila contabilidade de custos
A postila contabilidade de custosA postila contabilidade de custos
A postila contabilidade de custos
simuladocontabil
 
Guia de custos basicos
Guia de custos basicosGuia de custos basicos
Guia de custos basicos
zeramento contabil
 
Capitulo 6 metodo de centros de custos
Capitulo 6   metodo de centros de custosCapitulo 6   metodo de centros de custos
Capitulo 6 metodo de centros de custos
Daniel Moura
 
Resumo custos
Resumo custosResumo custos
Resumo custos
simuladocontabil
 
Classifique os custos 01
Classifique os custos 01Classifique os custos 01
Classifique os custos 01
zeramento contabil
 
Sistema de custeamento por ordem de produção
Sistema de custeamento por ordem de produçãoSistema de custeamento por ordem de produção
Sistema de custeamento por ordem de produção
Luciana Mara
 
Gestão de custos terminologia básica livre
Gestão de custos   terminologia básica livreGestão de custos   terminologia básica livre
Gestão de custos terminologia básica livre
Haralan Mucelini
 
Gabaritos exercicios aula_09
Gabaritos exercicios aula_09Gabaritos exercicios aula_09
Gabaritos exercicios aula_09
zeramento contabil
 
Aula02 calcula
Aula02 calculaAula02 calcula
Aula02 calcula
razonetecontabil
 
74455494 custos
74455494 custos74455494 custos
74455494 custos
trincaferroboi
 
Capitulo 2 conceitos básicos de custos
Capitulo 2   conceitos básicos de custosCapitulo 2   conceitos básicos de custos
Capitulo 2 conceitos básicos de custos
Daniel Moura
 
Apostila gestao de custos
Apostila gestao de custosApostila gestao de custos
Apostila gestao de custos
custos contabil
 
Fundamentos da Contabilidade de Custos
Fundamentos da Contabilidade de CustosFundamentos da Contabilidade de Custos
Fundamentos da Contabilidade de Custos
elliando dias
 
Custos abc
Custos abcCustos abc
Custos abc
custos contabil
 
Custos padrão e meta grupo 5
Custos padrão e meta   grupo 5Custos padrão e meta   grupo 5
Custos padrão e meta grupo 5
Universidade Federal de Viçosa
 
Capitulo 3 sistemas de custos
Capitulo 3   sistemas de custosCapitulo 3   sistemas de custos
Capitulo 3 sistemas de custos
Daniel Moura
 
Custos principais métodos de custeio
Custos principais métodos de custeioCustos principais métodos de custeio
Custos principais métodos de custeio
custos contabil
 
Contabilidade de Custos ICMS-SP
Contabilidade de Custos ICMS-SPContabilidade de Custos ICMS-SP
Contabilidade de Custos ICMS-SP
Canal Dos Concursos
 
O custeio por_absorcao_e_o_custeio_variavel[1]
O custeio por_absorcao_e_o_custeio_variavel[1]O custeio por_absorcao_e_o_custeio_variavel[1]
O custeio por_absorcao_e_o_custeio_variavel[1]
Elaine SA
 

Mais procurados (20)

Apostila de analise_de_custos
Apostila de analise_de_custosApostila de analise_de_custos
Apostila de analise_de_custos
 
A postila contabilidade de custos
A postila contabilidade de custosA postila contabilidade de custos
A postila contabilidade de custos
 
Guia de custos basicos
Guia de custos basicosGuia de custos basicos
Guia de custos basicos
 
Capitulo 6 metodo de centros de custos
Capitulo 6   metodo de centros de custosCapitulo 6   metodo de centros de custos
Capitulo 6 metodo de centros de custos
 
Resumo custos
Resumo custosResumo custos
Resumo custos
 
Classifique os custos 01
Classifique os custos 01Classifique os custos 01
Classifique os custos 01
 
Sistema de custeamento por ordem de produção
Sistema de custeamento por ordem de produçãoSistema de custeamento por ordem de produção
Sistema de custeamento por ordem de produção
 
Gestão de custos terminologia básica livre
Gestão de custos   terminologia básica livreGestão de custos   terminologia básica livre
Gestão de custos terminologia básica livre
 
Gabaritos exercicios aula_09
Gabaritos exercicios aula_09Gabaritos exercicios aula_09
Gabaritos exercicios aula_09
 
Aula02 calcula
Aula02 calculaAula02 calcula
Aula02 calcula
 
74455494 custos
74455494 custos74455494 custos
74455494 custos
 
Capitulo 2 conceitos básicos de custos
Capitulo 2   conceitos básicos de custosCapitulo 2   conceitos básicos de custos
Capitulo 2 conceitos básicos de custos
 
Apostila gestao de custos
Apostila gestao de custosApostila gestao de custos
Apostila gestao de custos
 
Fundamentos da Contabilidade de Custos
Fundamentos da Contabilidade de CustosFundamentos da Contabilidade de Custos
Fundamentos da Contabilidade de Custos
 
Custos abc
Custos abcCustos abc
Custos abc
 
Custos padrão e meta grupo 5
Custos padrão e meta   grupo 5Custos padrão e meta   grupo 5
Custos padrão e meta grupo 5
 
Capitulo 3 sistemas de custos
Capitulo 3   sistemas de custosCapitulo 3   sistemas de custos
Capitulo 3 sistemas de custos
 
Custos principais métodos de custeio
Custos principais métodos de custeioCustos principais métodos de custeio
Custos principais métodos de custeio
 
Contabilidade de Custos ICMS-SP
Contabilidade de Custos ICMS-SPContabilidade de Custos ICMS-SP
Contabilidade de Custos ICMS-SP
 
O custeio por_absorcao_e_o_custeio_variavel[1]
O custeio por_absorcao_e_o_custeio_variavel[1]O custeio por_absorcao_e_o_custeio_variavel[1]
O custeio por_absorcao_e_o_custeio_variavel[1]
 

Destaque

Cco aula03 custos
Cco aula03 custosCco aula03 custos
Cco aula03 custos
albumina
 
Cco aula01 custos
Cco aula01 custosCco aula01 custos
Cco aula01 custos
contacontabil
 
Cco aula07 custos
Cco aula07 custosCco aula07 custos
Cco aula07 custos
albumina
 
Cco aula10 custos
Cco aula10 custosCco aula10 custos
Cco aula10 custos
albumina
 
Cco aula06 custos
Cco aula06 custosCco aula06 custos
Cco aula06 custos
albumina
 
Cco aula11 custos
Cco aula11 custosCco aula11 custos
Cco aula11 custos
albumina
 
Cco aula02 custos
Cco aula02 custosCco aula02 custos
Cco aula02 custos
contacontabil
 
Cco aula08 custos
Cco aula08 custosCco aula08 custos
Cco aula08 custos
albumina
 
Cco aula04 custos
Cco aula04 custosCco aula04 custos
Cco aula04 custos
albumina
 
Cco aula05 custos
Cco aula05 custosCco aula05 custos
Cco aula05 custos
albumina
 
Cco aula09 custos
Cco aula09 custosCco aula09 custos
Cco aula09 custos
albumina
 
Cco aula13 custos
Cco aula13 custosCco aula13 custos
Cco aula13 custos
albumina
 
Novas regras de contabilidade
Novas regras de contabilidadeNovas regras de contabilidade
Novas regras de contabilidade
albumina
 
Cco aula15 custos
Cco aula15 custosCco aula15 custos
Cco aula15 custos
albumina
 
Conceitos de contas contábeis
Conceitos de contas contábeisConceitos de contas contábeis
Conceitos de contas contábeis
albumina
 
Ajustes demonstrações contábeis
Ajustes demonstrações contábeisAjustes demonstrações contábeis
Ajustes demonstrações contábeis
albumina
 
Cco aula14 custos
Cco aula14 custosCco aula14 custos
Cco aula14 custos
albumina
 
Princípios contábeis
Princípios contábeisPrincípios contábeis
Princípios contábeis
albumina
 

Destaque (18)

Cco aula03 custos
Cco aula03 custosCco aula03 custos
Cco aula03 custos
 
Cco aula01 custos
Cco aula01 custosCco aula01 custos
Cco aula01 custos
 
Cco aula07 custos
Cco aula07 custosCco aula07 custos
Cco aula07 custos
 
Cco aula10 custos
Cco aula10 custosCco aula10 custos
Cco aula10 custos
 
Cco aula06 custos
Cco aula06 custosCco aula06 custos
Cco aula06 custos
 
Cco aula11 custos
Cco aula11 custosCco aula11 custos
Cco aula11 custos
 
Cco aula02 custos
Cco aula02 custosCco aula02 custos
Cco aula02 custos
 
Cco aula08 custos
Cco aula08 custosCco aula08 custos
Cco aula08 custos
 
Cco aula04 custos
Cco aula04 custosCco aula04 custos
Cco aula04 custos
 
Cco aula05 custos
Cco aula05 custosCco aula05 custos
Cco aula05 custos
 
Cco aula09 custos
Cco aula09 custosCco aula09 custos
Cco aula09 custos
 
Cco aula13 custos
Cco aula13 custosCco aula13 custos
Cco aula13 custos
 
Novas regras de contabilidade
Novas regras de contabilidadeNovas regras de contabilidade
Novas regras de contabilidade
 
Cco aula15 custos
Cco aula15 custosCco aula15 custos
Cco aula15 custos
 
Conceitos de contas contábeis
Conceitos de contas contábeisConceitos de contas contábeis
Conceitos de contas contábeis
 
Ajustes demonstrações contábeis
Ajustes demonstrações contábeisAjustes demonstrações contábeis
Ajustes demonstrações contábeis
 
Cco aula14 custos
Cco aula14 custosCco aula14 custos
Cco aula14 custos
 
Princípios contábeis
Princípios contábeisPrincípios contábeis
Princípios contábeis
 

Semelhante a Cco aula12 custos

SLIDES - CONTABILIDADE DE CUSTOS - AULA 1.pptx
SLIDES - CONTABILIDADE DE CUSTOS - AULA 1.pptxSLIDES - CONTABILIDADE DE CUSTOS - AULA 1.pptx
SLIDES - CONTABILIDADE DE CUSTOS - AULA 1.pptx
JoaraSantos3
 
Custo padrao e basico
Custo padrao e basicoCusto padrao e basico
Custo padrao e basico
Universidade Pedagogica
 
Aula3unid2cco310 130128143739-phpapp01 (1)
Aula3unid2cco310 130128143739-phpapp01 (1)Aula3unid2cco310 130128143739-phpapp01 (1)
Aula3unid2cco310 130128143739-phpapp01 (1)
FABIO MORAES OLIVEIRA
 
Custos completo
Custos completoCustos completo
Custos completo
Leonardo Poth
 
departamentalização
 departamentalização departamentalização
departamentalização
Apolinário Holanda
 
Apostilacontabcustos
ApostilacontabcustosApostilacontabcustos
Apostilacontabcustos
zeramento contabil
 
Orçamento de Despesas Gerais e Investimentos
Orçamento de Despesas Gerais e InvestimentosOrçamento de Despesas Gerais e Investimentos
Orçamento de Despesas Gerais e Investimentos
Alexandre Pereira
 
Custos básicos
Custos básicosCustos básicos
Custos básicos
Universidade Pedagogica
 
02 custos
02 custos02 custos
02 custos
Cooperrita
 
Time-Driven Activity-Based Costing (TDABC)
Time-Driven Activity-Based Costing (TDABC)Time-Driven Activity-Based Costing (TDABC)
Time-Driven Activity-Based Costing (TDABC)
Miguel Guimaraes
 
Aula1MtodosdeRateio_20221021154457.pdf
Aula1MtodosdeRateio_20221021154457.pdfAula1MtodosdeRateio_20221021154457.pdf
Aula1MtodosdeRateio_20221021154457.pdf
MislaineSouza4
 

Semelhante a Cco aula12 custos (11)

SLIDES - CONTABILIDADE DE CUSTOS - AULA 1.pptx
SLIDES - CONTABILIDADE DE CUSTOS - AULA 1.pptxSLIDES - CONTABILIDADE DE CUSTOS - AULA 1.pptx
SLIDES - CONTABILIDADE DE CUSTOS - AULA 1.pptx
 
Custo padrao e basico
Custo padrao e basicoCusto padrao e basico
Custo padrao e basico
 
Aula3unid2cco310 130128143739-phpapp01 (1)
Aula3unid2cco310 130128143739-phpapp01 (1)Aula3unid2cco310 130128143739-phpapp01 (1)
Aula3unid2cco310 130128143739-phpapp01 (1)
 
Custos completo
Custos completoCustos completo
Custos completo
 
departamentalização
 departamentalização departamentalização
departamentalização
 
Apostilacontabcustos
ApostilacontabcustosApostilacontabcustos
Apostilacontabcustos
 
Orçamento de Despesas Gerais e Investimentos
Orçamento de Despesas Gerais e InvestimentosOrçamento de Despesas Gerais e Investimentos
Orçamento de Despesas Gerais e Investimentos
 
Custos básicos
Custos básicosCustos básicos
Custos básicos
 
02 custos
02 custos02 custos
02 custos
 
Time-Driven Activity-Based Costing (TDABC)
Time-Driven Activity-Based Costing (TDABC)Time-Driven Activity-Based Costing (TDABC)
Time-Driven Activity-Based Costing (TDABC)
 
Aula1MtodosdeRateio_20221021154457.pdf
Aula1MtodosdeRateio_20221021154457.pdfAula1MtodosdeRateio_20221021154457.pdf
Aula1MtodosdeRateio_20221021154457.pdf
 

Mais de albumina

D f c 0001
D f c 0001D f c 0001
D f c 0001
albumina
 
D f c 0000
D f c 0000D f c 0000
D f c 0000
albumina
 
Origens aplicações – demonstrações financeiras
Origens aplicações – demonstrações financeirasOrigens aplicações – demonstrações financeiras
Origens aplicações – demonstrações financeiras
albumina
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
albumina
 
Fluxo de caixa 0001
Fluxo de caixa 0001Fluxo de caixa 0001
Fluxo de caixa 0001
albumina
 
Analise de balancos resumo
Analise de balancos resumoAnalise de balancos resumo
Analise de balancos resumo
albumina
 
Fluxo de caixa 0000
Fluxo de caixa 0000Fluxo de caixa 0000
Fluxo de caixa 0000
albumina
 
Teoria concursos
Teoria concursosTeoria concursos
Teoria concursos
albumina
 
Apostila contabilidade tributaria 0000
Apostila contabilidade tributaria 0000Apostila contabilidade tributaria 0000
Apostila contabilidade tributaria 0000
albumina
 
Teoria
TeoriaTeoria
Teoria
albumina
 
Custos
CustosCustos
Custos
albumina
 
Doar 0000
Doar 0000Doar 0000
Doar 0000
albumina
 
Aula 001 finanças
Aula 001 finançasAula 001 finanças
Aula 001 finanças
albumina
 
Exel
ExelExel
Exel
albumina
 
Contabilidade lançamentos
Contabilidade lançamentosContabilidade lançamentos
Contabilidade lançamentos
albumina
 
Contabilidade
ContabilidadeContabilidade
Contabilidade
albumina
 
Estudarei contabilidade ate passar
Estudarei contabilidade ate passarEstudarei contabilidade ate passar
Estudarei contabilidade ate passar
albumina
 
Comercio exterior
Comercio exteriorComercio exterior
Comercio exterior
albumina
 

Mais de albumina (18)

D f c 0001
D f c 0001D f c 0001
D f c 0001
 
D f c 0000
D f c 0000D f c 0000
D f c 0000
 
Origens aplicações – demonstrações financeiras
Origens aplicações – demonstrações financeirasOrigens aplicações – demonstrações financeiras
Origens aplicações – demonstrações financeiras
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
 
Fluxo de caixa 0001
Fluxo de caixa 0001Fluxo de caixa 0001
Fluxo de caixa 0001
 
Analise de balancos resumo
Analise de balancos resumoAnalise de balancos resumo
Analise de balancos resumo
 
Fluxo de caixa 0000
Fluxo de caixa 0000Fluxo de caixa 0000
Fluxo de caixa 0000
 
Teoria concursos
Teoria concursosTeoria concursos
Teoria concursos
 
Apostila contabilidade tributaria 0000
Apostila contabilidade tributaria 0000Apostila contabilidade tributaria 0000
Apostila contabilidade tributaria 0000
 
Teoria
TeoriaTeoria
Teoria
 
Custos
CustosCustos
Custos
 
Doar 0000
Doar 0000Doar 0000
Doar 0000
 
Aula 001 finanças
Aula 001 finançasAula 001 finanças
Aula 001 finanças
 
Exel
ExelExel
Exel
 
Contabilidade lançamentos
Contabilidade lançamentosContabilidade lançamentos
Contabilidade lançamentos
 
Contabilidade
ContabilidadeContabilidade
Contabilidade
 
Estudarei contabilidade ate passar
Estudarei contabilidade ate passarEstudarei contabilidade ate passar
Estudarei contabilidade ate passar
 
Comercio exterior
Comercio exteriorComercio exterior
Comercio exterior
 

Último

Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
IslanderAndrade
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
ILDISONRAFAELBARBOSA
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 

Último (20)

Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 

Cco aula12 custos

  • 1. Anotações do Aluno uvb Aula Nº 12 – Orçamento e Custo- Padrão Objetivos da aula: O orçamento é uma importante ferramenta de planejamento por meio do qual os objetivos da empresa são detalhados em números em toda a extensão de suas operações. É uma projeção das operações da empresa, visando aos seus objetivos. O custo-padrão é o custo dos produtos considerado ideal para atingir esses objetivos. Nesse contexto, orçamento e custo-padrão fazem sua intersecção, são valores planejados para atingir objetivos empresariais. O objetivo desta aula é, justamente, mostrar esse ponto de intersecção e a forma de utilizar as informações por meio da contabilidade. Tenha uma ótima aula! Introdução Aula 12 - Orçamento e Custo-Padrão O planejamento orçamentário começou a ser difundido na década de 20, mas, no Brasil, somente começou a ser introduzido no setor público por força da lei 4.320 de 1964, sendo mais tarde introduzido, também, nas empresas privadas. O processo orçamentário compreende as técnicas de planejar, coordenar, controlar e avaliar as operações de uma empresa, de acordo com objetivos Custo Contábil previamente estabelecidos. O planejamento orçamentário, com sua associação ao custo-padrão, constitui-se em ferramenta indispensável para que a empresa possa controlar suas atividades em direção aos seus objetivos. Faculdade On-Line UVB 96
  • 2. Anotações do Aluno uvb O processo orçamentário deve envolver o máximo de pessoas dos mais diversos setores da empresa. A espinha dorsal do orçamento é o planejamento de vendas, que deve atender os objetivos da empresa, considerados os fatores externos, como mercado, vida útil do produto, concorrência etc. e fatores internos, como capacidade produtiva de curto prazo e capacidade de expansão da empresa. O custo-padrão pode, também, ser uma meta e, como tal, pode ser revisado por ocasião do planejamento periódico da empresa onde devem ser fixadas quantidades físicas pelo departamento de engenharia da produção (matéria-prima ideal, tempo de mão-de-obra direta ideal, consumo de energia ideal etc.). Posteriormente, o departamento de contabilidade deve valorizar esses padrões físicos em moeda corrente, transformando-os em custo-padrão. Depois de aprovado o orçamento de vendas, faz-se a conversão para o plano de produção, levando em conta a política de estoques e a capacidade de produção para determinado tempo e considerando a opção de fabricação escolhida pelo departamento de produção. A partir do departamento de produção, é possível elaborar os demais orçamentos com base no custo-padrão, como veremos a seguir. 1. Orçamento de matéria-prima baseado no custo- Aula 12 - Orçamento e Custo-Padrão padrão • Determinar a quantidade de matéria-prima exigida para atender a produção, de acordo com a estrutura de produto estabelecida pelo departamento de engenharia de produção, no qual são considerados os padrões técnicos e as perdas naturais do processo Custo Contábil produtivo. • Estabelecer políticas de estocagem de matéria-prima, considerando as conveniências de compras, capacidade de estocagem da empresa, facilidade de obtenção dos materiais no mercado, custos Faculdade On-Line UVB 97
  • 3. Anotações do Aluno uvb de estocagem, custos administrativos de compras e o prazo de obsolescência. • Elaborar programa de suprimentos, considerando as conveniências de compras em termos de preço, prazo de entrega e demais condições comerciais. • Determinar o custo estimado da matéria-prima necessária para a produção, valorizando as quantidades planejadas com base em estimativa de custos unitários, utilizando-se de experiências passadas e projetando-se aumentos de preços estimados com base em inflação ou escassez do produto no mercado. 2. Orçamento da mão-de-obra baseado no custo- padrão • Estimar a quantidade de mão-de-obra necessária para a produção planejada, utilizando o método de registro de tempos e movimentos. O departamento de engenharia baseado em estudo de tempos e movimentos estabelece tempo de mão-de-obra padrão de fabricação de determinado produto. Esse tempo padrão deve levar em conta o tempo de manutenção, carregamento de máquinas etc. • Estabelecer valores, projetando a taxa horária da mão-de-obra direta, de acordo com a política salarial da empresa, incluindo os encargos sociais correspondentes. A taxa horária é estabelecida, Aula 12 - Orçamento e Custo-Padrão dividindo-se o custo da mão-de-obra de cada departamento de produção pelo número de horas disponíveis para a produção. Produto A Produto B Taxa padrão de tempo por unidade do produto Departamento X 0,80 0,60 Departamento Y 0,60 - Custo Contábil Departamento Z - 0,40 Taxas de custo de mão-de-obra previstas Departamento X R$ 6,00 / hora Departamento Y R$ 7,00 / hora Departamento Z R$ 10,00 / hora Faculdade On-Line UVB 98
  • 4. Anotações do Aluno uvb 3. Orçamento dos custos indiretos de fabricação baseado no custo-padrão É a projeção de gastos consumidos na área de produção não agregados diretamente aos produtos, por exemplo, consumo de água, energia elétrica, matérias de escritório, materiais de limpeza etc. É um orçamento complexo pela dificuldade de atribuir quantidades definidas dos mais variados tipos de gastos ao volume de produção que podem ser definidos como: • Custos Fixos – são incorridos, haja produção ou não. Dentro de certo limite, independe do volume de produção e são compostos por itens, como: depreciação, salários de supervisores de produção etc. É um processo mais subjetivo, podendo ser baseado em informações passadas ou em metas pré-fixadas. • Custos Semivariáveis – são compostos por uma parcela fixa e uma parcela variável, podendo ser estimados por regressão linear ou por interpolação de dois pontos. 4. Contabilização do custo-padrão 4.1. Forma simplificada Aula 12 - Orçamento e Custo-Padrão • Debitar todos os custos (diretos, indiretos, fixos ou variáveis) à conta de produção por seus valores reais. • Transferir para os estoques, baixando da conta de produção, pelo seu valor padrão. • Se debitarmos na Produção valor real e creditamos valor padrão, logicamente haverá um saldo, que será ajustado no final de cada Custo Contábil período. • Durante o período, o estoque de produtos acabados seria debitado pelo recebimento dos produtos e creditado pela venda, ficando os estoques assim avaliados durante o período. Faculdade On-Line UVB 99
  • 5. Anotações do Aluno uvb 4.2. Exemplo Para a produção de 600 unidades, a empresa incorreu nos seguintes custos, que foram debitados à produção: D – Produção em processo R$ 3.100.000 C – Estoque de Materiais Diretos R$ 1.500.000 C – Estoque de Materiais Indiretos R$ 100.000 C – Folha de Pagamento R$ 1.000.000 C – Estoque de Peças R$ 130.000 C – Energia Elétrica a Pagar R$ 270.000 C – Depreciação Acumulada R$ 100.000 Ao final do período, terminada a produção das 600 unidades, teríamos D – Produtos Acabados R$ 2.820.000 C – Produção em Processo R$ 2.820.000 (pelo valor de 600 unidades ao custo-padrão de R$ 4.700/unidade) A conta Produção em Processo foi debitada em R$ 3.100.000 pelos custos reais e creditada por R$ 2.820.000 pelo custo-padrão. Esse saldo representa a soma de todas as variações entre custos reais e custo-padrão (materiais, mão-de-obra e custos indiretos): 600 u. x R$ 466,67/ u. = R$ 280.000. Supondo, agora, que a empresa consiga vender 2/3 dos produtos fabricados no período: Aula 12 - Orçamento e Custo-Padrão D – Custo dos Produtos Vendidos R$ 1.880.000 C – Produtos Acabados R$ 1.880.000 (400 u. x R$ 4.700 / u.) A conta Produtos Acabados recebeu um débito de R$ 2.820.000 e um crédito de R$ 1.880.000, restando um saldo de R$ 940.000, que representa Custo Contábil 200 unidades x R$ 4.700. É um processo simples que facilita a emissão de relatórios e os custos reais não precisam ser apurados em cada mês, no entanto, para efeito de Faculdade On-Line UVB 100
  • 6. Anotações do Aluno uvb fechamento do Balanço Patrimonial, os estoques e o custo das mercadorias vendidas devem ser ajustados a valores reais, ou seja, o saldo referente às variações deve ser eliminado. 4.3. Tratamento Contábil das Variações Suponha que terminou o período e a empresa precisa fechar o seu balanço, mas não pode fazê-lo sem os valores reais. É muito simples, o saldo de R$ 280.000 na conta “Produção em Processo” deve ser transferida, parte para Produtos Acabados e parte para Custo dos Produtos Vendidos: 2/3 x R$ 280.000 = R$ 186.667 para CPV 1/3 x R$ 280.000 = R$ 93.333 para Produtos Acabados D – Produtos Acabados R$ 93.333 D – CPV R$ 186.667 C – Produção em Processo R$ 280.000,00 Aula 12 - Orçamento e Custo-Padrão Produtos Acabados  R$ 1.033.333 / 200 unidades = R$ 5.166,66 C.P.V.  R$ 2.066.667 / 400 unidades = R$ 5.166,66 Agora, o balanço patrimonial pode ser publicado, pois atende aos Princípios Contábeis Geralmente Aceitos. Tanto o estoque quanto o custo dos produtos vendidos estão ajustados a valores reais. Custo Contábil Faculdade On-Line UVB 101
  • 7. Anotações do Aluno uvb Devem ser corrigidas, em primeiro lugar, as variações desfavoráveis de valores maiores. Como na empresa o volume de dados é muito grande, devemos trabalhar o conceito de análise das variações de tempos em tempos e por amostragem. Síntese Nesta aula, vimos uma pequena introdução ao orçamento empresarial e estudamos as relações entre orçamento e custo-padrão. Você pode perceber que não se trata apenas de controlar custos. Por meio dessa ferramenta, é possível controlar o planejamento da empresa, monitorar o cumprimento dos objetivos traçados. Na próxima aula, iniciaremos o tema Custos para Decisão. Até lá! Referências CREPALDI, Silvio Aparecido. Curso Básico de Contabilidade de Custos. São Paulo: Atlas, 2005. Aula 12 - Orçamento e Custo-Padrão LEONE, George S. G. Curso de Contabilidade de Custos. São Paulo: Atlas, 1997. MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2003. Custo Contábil Faculdade On-Line UVB 102