SlideShare uma empresa Scribd logo
Anotações do Aluno
uvb



   Aula Nº 10 – Custo-Padrão
Objetivos da aula:
O que significa ter um padrão de custos ou um custo-padrão? Como a
empresa pode se beneficiar com o uso dessa técnica? Como fixar esses
padrões?


O objetivo desta aula é dar respostas a essas e a outras perguntas
instigantes.


Você não está curioso para saber as vantagens da utilização do custo-
padrão?


Então, vamos à aula e não esqueça de participar de todas as atividades.


Tenha uma ótima aula!


Introdução
O custo padrão baseia-se em referências determinadas a partir da análise
das condições “normais” de produção, considerando um bom desempenho
de mão-de-obra, uso de matéria-prima, máquinas e equipamentos, e outros
fatores de produção. Entenda como condições normais de produção as que
são consideradas desejáveis, mas não fictícias, inatingíveis.


O custo-padrão é mencionado quando se trata de custos de produção.
                                                                                             Aula 10 - Custo-Padrão




No entanto, sistemas de custo-padrão podem ser utilizados nas áreas:
administrativa, de distribuição, e outros departamentos.
                                                                            Custo Contábil




A análise de custos permite constatar desvios ocorridos, identificando
possíveis irregularidades e ineficiências na utilização de recursos.




                                 Faculdade On-Line UVB
                                                                                       77
Anotações do Aluno
uvb


O custo-padrão é determinado, quantificando-se o consumo e utilização
de matéria-prima, mão-de-obra, custos indiretos de fabricação e demais
recursos necessários para a elaboração de uma unidade. Essa determinação
requer a utilização de medidas técnicas de produção, definidas com base nos
processos. Aos padrões de consumo deve ser atribuído o valor monetário
correspondente.


1. Conceitos
Custo-Padrão é um custo predeterminado para a produção de uma
unidade, ou de um certo número de unidades do produto, durante um
determinado período no futuro próximo. É o planejamento do custo do
produto, conforme as condições de operação correntes e/ou previstas.
Baseia-se nas condições normais ou ideais de eficiência e volume,
especialmente com respeito aos Gastos Indiretos de Produção. Os Materiais
e a Mão-de-obra baseiam-se nas condições correntes, equilibradas pelo
nível de eficiência desejado, com reservas para as alterações de preços e
taxas.


Um custo-padrão, como a expressão implica, consiste em duas partes: um
padrão e um custo. O padrão é o método cuidadosamente predeterminado,
ou forma de medir a execução de uma tarefa, isto é, fazer móvel ou montar
um computador. As medições quantitativas e qualitativas e os métodos de
engenharia traduzem-se em custos, a fim de se atingir um custo-padrão.


Deve-se pensar em um padrão em termos de itens específicos, tais como
quilos de materiais, horas de mão-de-obra exigidas e horas de capacidade
de fábrica a empregar. Esses padrões físicos, que formam a base de
                                                                                                Aula 10 - Custo-Padrão




cálculo de um custo-padrão, devem ser fixados com a maior precisão.
Na realidade, em muitas situações, nunca se modifica um padrão, exceto
                                                                               Custo Contábil




quando ocorrem mudanças nos métodos de operação ou nos produtos.
Somente se modificará a parte monetária, quando flutuarem as taxas de
mão-de-obra ou os preços de materiais e outros.




                                  Faculdade On-Line UVB
                                                                                          78
Anotações do Aluno
uvb


2. Tipos de Padrões
Normalmente, o custo-padrão é dividido em dois tipos: padrão ideal e
padrão corrente.


Padrão Ideal: Seria um custo desenvolvido em laboratório, com base em
estudos minuciosos de tempos e movimentos, com o trabalhador mais
bem qualificado para executar aquela tarefa. As perdas de matéria-prima
admitidas seriam somente aquelas impossíveis de serem eliminadas.


Padrão Corrente: é um padrão para um determinado período, para certas
condições e para determinadas circunstâncias, unindo aspectos teóricos e
práticos. Toma o lugar de um custo real e se endereça para os livros de
contas e, mesmo, talvez, para os demonstrativos financeiros. Quaisquer
variações entre custos reais e padrão são encaradas como lucros ou perdas,
devidos a eficiências ou ineficiências relativas. Revisa-se tal padrão, para
refletir a modificação de métodos e de preços. A maioria das empresas
adota o padrão corrente e não o básico.


3. Utilização do Custo-Padrão
O custo-padrão pode ser utilizado para diversas metas ou objetivos. O
principal objetivo dos padrões é o controle dos custos, o que eles são e o
que deveriam ser. Os objetivos mais importantes do custo-padrão são:

a) determinar o custo correto, ou o esperado;
b) definir responsabilidades e obter comprometimento dos responsáveis
por cada atividade padronizada;
                                                                                                 Aula 10 - Custo-Padrão




c) avaliar o desempenho e a eficácia operacional.
                                                                                Custo Contábil




Podemos, ainda, identificar outros aspectos importantes do custo-padrão,
como:


a) O custo padrão não elimina o Real – a implantação do custo padrão
pressupõe um bom sistema de Custo Real (Absorção ou Variável).

                                  Faculdade On-Line UVB
                                                                                           79
Anotações do Aluno
uvb


Após a análise das variações do Custo Real, comparando-se com um custo-
padrão, identificam-se as causas das variações e, por meio delas, é possível
corrigir os rumos atuais.


b) Formação de preços de venda: É uma das melhores utilizações do
custo-padrão. Apesar de, teoricamente, ser o mercado que dá o preço
de venda dos produtos, ele deve ser, inicialmente, calculado em cima de
condições de custo das empresas. Como elemento inicial para formação
de preços de venda, devemos utilizar o custo-padrão, pois ele traz todos
os elementos necessários para parametrizar um preço de venda ideal.


4. Construção do Padrão
Vamos comentar as situações mais comuns de construção de um padrão.


a) Materiais diretos: A fixação dos padrões físicos cabe à Engenharia
de Produção, no entanto a Contabilidade de Custos deverá trabalhar na
tradução monetária desses padrões físicos.


Muitos produtos, principalmente os que são elaborados por processo
contínuo, utilizando certas matérias-primas, têm determinado grau de
perda ou refugo, que, dentro de condições técnicas ou científicas, deve
ser incorporado ao padrão de quantidade.


O preço-padrão dos materiais diretos deve ser obtido em condições normais
de negociação de compra. A ele devem ser incorporadas as eventuais
despesas que devem fazer parte do custo unitário dos materiais.
                                                                                                 Aula 10 - Custo-Padrão




O preço-padrão dos materiais e demais insumos industriais deve ser
sempre calculado na condição de compra com pagamento a vista.
                                                                                Custo Contábil




b) Mão-de-obra direta: A mão-de-obra também deve ser especificada
quantitativamente pela engenharia de produção e posteriormente
traduzida em valores monetários pela contabilidade de custos.



                                  Faculdade On-Line UVB
                                                                                           80
Anotações do Aluno
uvb


Normalmente, a mão-de-obra direta padrão é determinada pela quantidade
de horas necessárias do pessoal, ou da quantidade de funcionários diretos,
em todas as fases do processo de fabricação do produto.


A base para a construção dos padrões de mão-de-obra direta é, portanto,
o processo de fabricação. Todas as atividades e processos necessários para
fazer o produto requerem operários para manuseio dos materiais ou dos
equipamentos durante os processos.


As estimativas ou padrões de necessidade de mão-de-obra direta podem
ser cientificamente calculadas quando se trabalha em ambientes de alta
tecnologia de produção, gerenciados computacionalmente. Em outros
casos, podem se fazer estudos de tempo, por meio de operações simuladas
antecipadamente em ambientes reais. Em todos os casos, deve haver um
estudo para quebras, refugos, retrabalhos, manutenção e necessidades do
pessoal.


A base para a valorização dos custos de mão-de-obra direta deve incluir
toda a remuneração dos trabalhadores mais os encargos sociais de caráter
genérico. De modo geral, utiliza-se o critério de custo médio horário dos
salários de cada departamento de produção ou da célula/atividade de
processo por onde passa o produto, por meio dos centros de custos ou
centros de acumulação por atividades.


c) Custos indiretos variáveis: Os custos indiretos variáveis são padronizados
normalmente por meio da construção de taxas predeterminadas em
relação a uma medida de atividade escolhida. Sempre que possível, deve-
se evitar o uso de taxas baseadas em valores, uma vez que isso impede
a correta mensuração das variações de quantidade que ocorrerão, bem
                                                                                                  Aula 10 - Custo-Padrão




como o padrão fica sujeito a eventuais problemas de variação nos preços.
                                                                                 Custo Contábil




A atividade a ser escolhida como base para a construção das taxas
predeterminadas de custos indiretos variáveis deve ter uma relação causal
com os diversos custos indiretos variáveis. Também a base de atividade
escolhida deve ser simples de ser entendida, para posterior atribuição de
responsabilidades.

                                   Faculdade On-Line UVB
                                                                                            81
Anotações do Aluno
uvb


Exemplos de bases de atividades para elaboração das taxas
predeterminadas de custos indiretos variáveis são horas de máquinas
trabalhadas, quantidade de produto final, horas de mão-de-obra direta
etc., dependendo sempre do gasto e melhor relação que existe entre os
custos variáveis e as atividades envolvidas. Como exemplo, o consumo de
energia elétrica é um custo variável indireto para tipos de indústrias. Para
algumas empresas, as horas de máquinas são os principais fatores; para
outras, há uma relação direta com o produto final. Gastos com lubrificantes
e materiais indiretos normalmente têm relação com a quantidade de horas
máquinas trabalhadas, e assim por diante.


5. Exemplos
  5.1. Materiais

Padrão de quantidade
Quilos de material A por unidade de produto               5,10
Estimativa de perda no processo                           0,10
Estimativa de refugos                                     0,02
Quantidade-padrão por unidade de produto                  5,22
Padrão de Preço
Preço de compra sem impostos recuperáveis                 $ 30,55
(-) Custo financeiro de pagamento a prazo                   (2,05)
Preço de compra a vista                                     28,50
Frete e despesas de recebimento                               1,50
Preço-padrão do Material A                                 $ 27,00


  5.2. Mão-de-obra
                                                                                                 Aula 10 - Custo-Padrão




Padrão de quantidade
                                                                                Custo Contábil




Horas necessárias de mão-de-obra para montagem completa
de uma unidade do produto final                   60,00
Paradas para manutenção e necessidades pessoais    6,00
Horas estimadas de re-trabalhos de qualidade       2,00
Horas-padrão por unidade de produto               68,00

                                  Faculdade On-Line UVB
                                                                                           82
Anotações do Aluno
uvb


Padrão de valor
Salário horário médio do setor de montagem                $ 3,20
Encargos sociais legais                                     1,92
        Benefícios espontâneos                              0,30
        Custo horário de mão-de-obra direta               $ 5,42


6. Exercício
A empresa UVB resolveu diversificar seus produtos e, agora, fabrica,
também, camisetas e calças, além dos tradicionais conjuntos de moletons.
Sua estrutura organizacional está dividida em dois setores: administração
e produção. A administração é efetuada pelo Sr. Nero Romano e mais um
funcionário e consiste no gerenciamento de pessoal, compras, vendas,
marketing, administração financeira e administração da produção, entre
outras. A produção é gerenciada por um supervisor e divide-se em quatro
setores: corte, costura, passar a ferro e acabamento.


As matérias-primas chegam em bobinas de 15 kg. Para os moletons, cada
bobina custa $ 500 e rende 50 conjuntos (10 kg), sobrando 5 kg de retalhos.
Para camisetas, cada bobina custa $ 400 e gera 200 unidades (12,5 kg)
e, para as calças, cada bobina custa $ 150 e produz 20 unidades (13 kg).
Todos os retalhos são jogados fora. Os custos de determinado mês foram:
Matéria-prima (moletons)            $ 51.000,00
Matéria-prima (camisetas)           $ 20.400,00
Matéria-prima (calças)              $ 15.000,00
Salários e encargos                 $ 6.000,00
Energia elétrica                     $       500,00
Aluguel                              $       600,00
                                                                                                Aula 10 - Custo-Padrão




Depreciação                          $       200,00
Outros                               $       300,00
                                                                               Custo Contábil




Algumas informações adicionais são apresentadas na tabela a seguir:




                                  Faculdade On-Line UVB
                                                                                          83
Anotações do Aluno
uvb


           Setor             Admin. Corte                  Costura Passar       Acabam.
Salários e encargos ($)      500    1.000                  2.500   1.500         500
Depreciação ($)               25      15                    110      40          10
Potência instalada (W)       240     480                   1.300   2.480         500
Área (m2)                     50     100                     75     100          75
Número de funcionários        2       5                      10      3            2


A capacidade instalada dos 4 centros de custos produtivos (corte, costura,
passar a ferro e acabamento) é de 200 horas mensais, mas é considerada
normal uma ociosidade mensal de 10 horas em cada um deles. Os tempos
unitários médios de passagem dos produtos pelos centros de custos
produtivos são:

Tempos de passagem dos produtos pelos centros produtivos, em h/1000
unidades:

               Produto/centro Corte           Costura        Passar   Acabam.
               Moletons        10               15            12        10
               Camisetas       5                10             8        12
               Calças          40               5             12        10


A produção do período foi de 5.000 moletons, 10.000 camisetas e 2.000
calças.


PEDE-SE:


a) Determine, para cada produto, o custo unitário de matéria-prima pelos
custeios parcial (ideal) e total (integral), bem como o custo-padrão unitário
de matéria-prima (isto é, incorporando as perdas normais). Determine
                                                                                                            Aula 10 - Custo-Padrão




para cada produto, também, as perdas relativas a essa matéria-prima,
classificando-as em normais e anormais.
                                                                                           Custo Contábil




b) Calcule os custos primários dos 5 centros de custos. Para isso, use as
informações da primeira tabela, decidindo sobre os melhores critérios
para a distribuição dos custos, e distribua o item Outros igualmente entre
os centros.

                                   Faculdade On-Line UVB
                                                                                                      84
Anotações do Aluno
uvb


c) Faça a distribuição dos custos da administração para os demais centros,
utilizando o número de funcionários como base e calcule os custos
secundários dos centros produtivos.


d) Usando o tempo como unidade de trabalho para os 4 centros produtivos,
calcule o custo unitário de cada produto pelos custeios parcial (ideal) e
total (integral).


e) Calcule o grau de eficiência de cada um dos centros de custos produtivos,
detalhando, ainda, as perdas monetárias decorrentes da ineficiência
identificada nesses centros.


Síntese
Nesta aula, vimos o conceito de custo-padrão, os principais tipos de padrões
existentes, como os padrões são fixados e traduzidos monetariamente
pela contabilidade de custos e as vantagens de sua utilização.


Na próxima aula, iniciaremos o estudo das variações do custo padrão.


Até a próxima aula!


Referências
CREPALDI, Silvio Aparecido. Curso Básico de Contabilidade de Custos.
São Paulo: Atlas, 2005.


LEONE, George S. G. Curso de Contabilidade de Custos. São Paulo: Atlas,
                                                                                                 Aula 10 - Custo-Padrão




1997.
                                                                                Custo Contábil




MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2003.




                                  Faculdade On-Line UVB
                                                                                           85

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Diego Lopes
 
Gerenciamento financeiro
Gerenciamento financeiroGerenciamento financeiro
Gerenciamento financeiro
Mário Januário Filho
 
Cco aula11 custos
Cco aula11 custosCco aula11 custos
Cco aula11 custos
albumina
 
Apresentaã§ã£o sobre os_custos_da_qualidade
Apresentaã§ã£o sobre os_custos_da_qualidadeApresentaã§ã£o sobre os_custos_da_qualidade
Apresentaã§ã£o sobre os_custos_da_qualidade
Valeria Carneiro
 
Custeio por processos
Custeio por processosCusteio por processos
Custeio por processos
Felipe Da Silveira
 
Custos principais métodos de custeio
Custos principais métodos de custeioCustos principais métodos de custeio
Custos principais métodos de custeio
custos contabil
 
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na ProduçãoOs Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Luiz Gustavo de Sassarrão Moraes
 
Custos metodos de custeio
Custos metodos de custeioCustos metodos de custeio
Custos metodos de custeio
custos contabil
 
Desperdício: O Custo da Não Qualidade
Desperdício: O Custo da Não QualidadeDesperdício: O Custo da Não Qualidade
Desperdício: O Custo da Não Qualidade
Elder André Zuin
 
Capitulo 6 metodo de centros de custos
Capitulo 6   metodo de centros de custosCapitulo 6   metodo de centros de custos
Capitulo 6 metodo de centros de custos
Daniel Moura
 
Apostila de analise_de_custos
Apostila de analise_de_custosApostila de analise_de_custos
Apostila de analise_de_custos
Mayara Maciel
 
Unidade 6 custo
Unidade 6 custoUnidade 6 custo
Unidade 6 custo
custos contabil
 
74455494 custos
74455494 custos74455494 custos
74455494 custos
trincaferroboi
 
Contabilidade de custos para produção editorial
Contabilidade de custos para produção editorialContabilidade de custos para produção editorial
Contabilidade de custos para produção editorial
Guilherme Carvalho
 
Contabilidade de custos
Contabilidade de custosContabilidade de custos
Contabilidade de custos
zeramento contabil
 
Classificacao dos custos
Classificacao dos custosClassificacao dos custos
Classificacao dos custos
Universidade Pedagogica
 
O custeio por_absorcao_e_o_custeio_variavel[1]
O custeio por_absorcao_e_o_custeio_variavel[1]O custeio por_absorcao_e_o_custeio_variavel[1]
O custeio por_absorcao_e_o_custeio_variavel[1]
Elaine SA
 
Material aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custosMaterial aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custos
Rafhael Sena
 
Aula02 calcula
Aula02 calculaAula02 calcula
Aula02 calcula
razonetecontabil
 
Custos e qualidade
Custos e qualidade  Custos e qualidade
Custos e qualidade
Denise Campos
 

Mais procurados (20)

Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
 
Gerenciamento financeiro
Gerenciamento financeiroGerenciamento financeiro
Gerenciamento financeiro
 
Cco aula11 custos
Cco aula11 custosCco aula11 custos
Cco aula11 custos
 
Apresentaã§ã£o sobre os_custos_da_qualidade
Apresentaã§ã£o sobre os_custos_da_qualidadeApresentaã§ã£o sobre os_custos_da_qualidade
Apresentaã§ã£o sobre os_custos_da_qualidade
 
Custeio por processos
Custeio por processosCusteio por processos
Custeio por processos
 
Custos principais métodos de custeio
Custos principais métodos de custeioCustos principais métodos de custeio
Custos principais métodos de custeio
 
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na ProduçãoOs Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
 
Custos metodos de custeio
Custos metodos de custeioCustos metodos de custeio
Custos metodos de custeio
 
Desperdício: O Custo da Não Qualidade
Desperdício: O Custo da Não QualidadeDesperdício: O Custo da Não Qualidade
Desperdício: O Custo da Não Qualidade
 
Capitulo 6 metodo de centros de custos
Capitulo 6   metodo de centros de custosCapitulo 6   metodo de centros de custos
Capitulo 6 metodo de centros de custos
 
Apostila de analise_de_custos
Apostila de analise_de_custosApostila de analise_de_custos
Apostila de analise_de_custos
 
Unidade 6 custo
Unidade 6 custoUnidade 6 custo
Unidade 6 custo
 
74455494 custos
74455494 custos74455494 custos
74455494 custos
 
Contabilidade de custos para produção editorial
Contabilidade de custos para produção editorialContabilidade de custos para produção editorial
Contabilidade de custos para produção editorial
 
Contabilidade de custos
Contabilidade de custosContabilidade de custos
Contabilidade de custos
 
Classificacao dos custos
Classificacao dos custosClassificacao dos custos
Classificacao dos custos
 
O custeio por_absorcao_e_o_custeio_variavel[1]
O custeio por_absorcao_e_o_custeio_variavel[1]O custeio por_absorcao_e_o_custeio_variavel[1]
O custeio por_absorcao_e_o_custeio_variavel[1]
 
Material aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custosMaterial aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custos
 
Aula02 calcula
Aula02 calculaAula02 calcula
Aula02 calcula
 
Custos e qualidade
Custos e qualidade  Custos e qualidade
Custos e qualidade
 

Destaque

Cco aula07 custos
Cco aula07 custosCco aula07 custos
Cco aula07 custos
albumina
 
Cco aula01 custos
Cco aula01 custosCco aula01 custos
Cco aula01 custos
contacontabil
 
Cco aula06 custos
Cco aula06 custosCco aula06 custos
Cco aula06 custos
albumina
 
Cco aula03 custos
Cco aula03 custosCco aula03 custos
Cco aula03 custos
albumina
 
Cco aula08 custos
Cco aula08 custosCco aula08 custos
Cco aula08 custos
albumina
 
Cco aula02 custos
Cco aula02 custosCco aula02 custos
Cco aula02 custos
contacontabil
 
Cco aula05 custos
Cco aula05 custosCco aula05 custos
Cco aula05 custos
albumina
 
Cco aula09 custos
Cco aula09 custosCco aula09 custos
Cco aula09 custos
albumina
 
Cco aula13 custos
Cco aula13 custosCco aula13 custos
Cco aula13 custos
albumina
 
Novas regras de contabilidade
Novas regras de contabilidadeNovas regras de contabilidade
Novas regras de contabilidade
albumina
 
Cco aula15 custos
Cco aula15 custosCco aula15 custos
Cco aula15 custos
albumina
 
Ajustes demonstrações contábeis
Ajustes demonstrações contábeisAjustes demonstrações contábeis
Ajustes demonstrações contábeis
albumina
 
Conceitos de contas contábeis
Conceitos de contas contábeisConceitos de contas contábeis
Conceitos de contas contábeis
albumina
 
Cco aula14 custos
Cco aula14 custosCco aula14 custos
Cco aula14 custos
albumina
 
Princípios contábeis
Princípios contábeisPrincípios contábeis
Princípios contábeis
albumina
 

Destaque (15)

Cco aula07 custos
Cco aula07 custosCco aula07 custos
Cco aula07 custos
 
Cco aula01 custos
Cco aula01 custosCco aula01 custos
Cco aula01 custos
 
Cco aula06 custos
Cco aula06 custosCco aula06 custos
Cco aula06 custos
 
Cco aula03 custos
Cco aula03 custosCco aula03 custos
Cco aula03 custos
 
Cco aula08 custos
Cco aula08 custosCco aula08 custos
Cco aula08 custos
 
Cco aula02 custos
Cco aula02 custosCco aula02 custos
Cco aula02 custos
 
Cco aula05 custos
Cco aula05 custosCco aula05 custos
Cco aula05 custos
 
Cco aula09 custos
Cco aula09 custosCco aula09 custos
Cco aula09 custos
 
Cco aula13 custos
Cco aula13 custosCco aula13 custos
Cco aula13 custos
 
Novas regras de contabilidade
Novas regras de contabilidadeNovas regras de contabilidade
Novas regras de contabilidade
 
Cco aula15 custos
Cco aula15 custosCco aula15 custos
Cco aula15 custos
 
Ajustes demonstrações contábeis
Ajustes demonstrações contábeisAjustes demonstrações contábeis
Ajustes demonstrações contábeis
 
Conceitos de contas contábeis
Conceitos de contas contábeisConceitos de contas contábeis
Conceitos de contas contábeis
 
Cco aula14 custos
Cco aula14 custosCco aula14 custos
Cco aula14 custos
 
Princípios contábeis
Princípios contábeisPrincípios contábeis
Princípios contábeis
 

Semelhante a Cco aula10 custos

Custos básicos
Custos básicosCustos básicos
Custos básicos
Universidade Pedagogica
 
Análise de-custos-vol-1
Análise de-custos-vol-1Análise de-custos-vol-1
Análise de-custos-vol-1
Mayara Maciel
 
Gestão econômica e controladoria
Gestão econômica e controladoriaGestão econômica e controladoria
Gestão econômica e controladoria
Sandro José Silva
 
Gestão econômica e controladoria
Gestão econômica e controladoriaGestão econômica e controladoria
Gestão econômica e controladoria
Sandro José Silva
 
Custos da qualidade
Custos da qualidadeCustos da qualidade
Custos da qualidade
Lucas Wendell
 
Apostilacontabcustos
ApostilacontabcustosApostilacontabcustos
Apostilacontabcustos
zeramento contabil
 
Administração de custos aula 02
Administração de custos   aula 02Administração de custos   aula 02
Administração de custos aula 02
D S Correia Silva
 
Classificacao e nomenclatura dos custos
Classificacao e nomenclatura dos custosClassificacao e nomenclatura dos custos
Classificacao e nomenclatura dos custos
zeramento contabil
 
Metodos de Custeio.ppt
Metodos de Custeio.pptMetodos de Custeio.ppt
Metodos de Custeio.ppt
AlineMorais185172
 
Estrutura básica de um sistema de custos
Estrutura básica de um sistema de custosEstrutura básica de um sistema de custos
Estrutura básica de um sistema de custos
zeramento contabil
 
Engenharia custos aplicada_a_construcao_civil
Engenharia custos aplicada_a_construcao_civilEngenharia custos aplicada_a_construcao_civil
Engenharia custos aplicada_a_construcao_civil
DINESH KUMAR
 
Engenharia custos aplicada_a_construcao_civil
Engenharia custos aplicada_a_construcao_civilEngenharia custos aplicada_a_construcao_civil
Engenharia custos aplicada_a_construcao_civil
EDER OLIVEIRA
 
Contabilidade de custos
Contabilidade de custosContabilidade de custos
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na ProduçãoOs Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Luiz Gustavo de Sassarrão Moraes
 
Custos abc
Custos abcCustos abc
Custos abc
custos contabil
 
Orçamento de Despesas Gerais e Investimentos
Orçamento de Despesas Gerais e InvestimentosOrçamento de Despesas Gerais e Investimentos
Orçamento de Despesas Gerais e Investimentos
Alexandre Pereira
 
CESCA Conceitos Custos
CESCA Conceitos CustosCESCA Conceitos Custos
Engenharia custos aplicada_a_construcao_civil
Engenharia custos aplicada_a_construcao_civilEngenharia custos aplicada_a_construcao_civil
Engenharia custos aplicada_a_construcao_civil
Felipe Gustavo de Abreu
 
01_Engenharia de Custos e Orçamento_Módulo III_3.2_Custeio ABC.pptx
01_Engenharia de Custos e Orçamento_Módulo III_3.2_Custeio ABC.pptx01_Engenharia de Custos e Orçamento_Módulo III_3.2_Custeio ABC.pptx
01_Engenharia de Custos e Orçamento_Módulo III_3.2_Custeio ABC.pptx
AllanSilva858230
 
departamentalização
 departamentalização departamentalização
departamentalização
Apolinário Holanda
 

Semelhante a Cco aula10 custos (20)

Custos básicos
Custos básicosCustos básicos
Custos básicos
 
Análise de-custos-vol-1
Análise de-custos-vol-1Análise de-custos-vol-1
Análise de-custos-vol-1
 
Gestão econômica e controladoria
Gestão econômica e controladoriaGestão econômica e controladoria
Gestão econômica e controladoria
 
Gestão econômica e controladoria
Gestão econômica e controladoriaGestão econômica e controladoria
Gestão econômica e controladoria
 
Custos da qualidade
Custos da qualidadeCustos da qualidade
Custos da qualidade
 
Apostilacontabcustos
ApostilacontabcustosApostilacontabcustos
Apostilacontabcustos
 
Administração de custos aula 02
Administração de custos   aula 02Administração de custos   aula 02
Administração de custos aula 02
 
Classificacao e nomenclatura dos custos
Classificacao e nomenclatura dos custosClassificacao e nomenclatura dos custos
Classificacao e nomenclatura dos custos
 
Metodos de Custeio.ppt
Metodos de Custeio.pptMetodos de Custeio.ppt
Metodos de Custeio.ppt
 
Estrutura básica de um sistema de custos
Estrutura básica de um sistema de custosEstrutura básica de um sistema de custos
Estrutura básica de um sistema de custos
 
Engenharia custos aplicada_a_construcao_civil
Engenharia custos aplicada_a_construcao_civilEngenharia custos aplicada_a_construcao_civil
Engenharia custos aplicada_a_construcao_civil
 
Engenharia custos aplicada_a_construcao_civil
Engenharia custos aplicada_a_construcao_civilEngenharia custos aplicada_a_construcao_civil
Engenharia custos aplicada_a_construcao_civil
 
Contabilidade de custos
Contabilidade de custosContabilidade de custos
Contabilidade de custos
 
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na ProduçãoOs Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
 
Custos abc
Custos abcCustos abc
Custos abc
 
Orçamento de Despesas Gerais e Investimentos
Orçamento de Despesas Gerais e InvestimentosOrçamento de Despesas Gerais e Investimentos
Orçamento de Despesas Gerais e Investimentos
 
CESCA Conceitos Custos
CESCA Conceitos CustosCESCA Conceitos Custos
CESCA Conceitos Custos
 
Engenharia custos aplicada_a_construcao_civil
Engenharia custos aplicada_a_construcao_civilEngenharia custos aplicada_a_construcao_civil
Engenharia custos aplicada_a_construcao_civil
 
01_Engenharia de Custos e Orçamento_Módulo III_3.2_Custeio ABC.pptx
01_Engenharia de Custos e Orçamento_Módulo III_3.2_Custeio ABC.pptx01_Engenharia de Custos e Orçamento_Módulo III_3.2_Custeio ABC.pptx
01_Engenharia de Custos e Orçamento_Módulo III_3.2_Custeio ABC.pptx
 
departamentalização
 departamentalização departamentalização
departamentalização
 

Mais de albumina

D f c 0001
D f c 0001D f c 0001
D f c 0001
albumina
 
D f c 0000
D f c 0000D f c 0000
D f c 0000
albumina
 
Origens aplicações – demonstrações financeiras
Origens aplicações – demonstrações financeirasOrigens aplicações – demonstrações financeiras
Origens aplicações – demonstrações financeiras
albumina
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
albumina
 
Fluxo de caixa 0001
Fluxo de caixa 0001Fluxo de caixa 0001
Fluxo de caixa 0001
albumina
 
Analise de balancos resumo
Analise de balancos resumoAnalise de balancos resumo
Analise de balancos resumo
albumina
 
Fluxo de caixa 0000
Fluxo de caixa 0000Fluxo de caixa 0000
Fluxo de caixa 0000
albumina
 
Teoria concursos
Teoria concursosTeoria concursos
Teoria concursos
albumina
 
Apostila contabilidade tributaria 0000
Apostila contabilidade tributaria 0000Apostila contabilidade tributaria 0000
Apostila contabilidade tributaria 0000
albumina
 
Teoria
TeoriaTeoria
Teoria
albumina
 
Custos
CustosCustos
Custos
albumina
 
Doar 0000
Doar 0000Doar 0000
Doar 0000
albumina
 
Aula 001 finanças
Aula 001 finançasAula 001 finanças
Aula 001 finanças
albumina
 
Exel
ExelExel
Exel
albumina
 
Contabilidade lançamentos
Contabilidade lançamentosContabilidade lançamentos
Contabilidade lançamentos
albumina
 
Contabilidade
ContabilidadeContabilidade
Contabilidade
albumina
 
Estudarei contabilidade ate passar
Estudarei contabilidade ate passarEstudarei contabilidade ate passar
Estudarei contabilidade ate passar
albumina
 
Comercio exterior
Comercio exteriorComercio exterior
Comercio exterior
albumina
 

Mais de albumina (18)

D f c 0001
D f c 0001D f c 0001
D f c 0001
 
D f c 0000
D f c 0000D f c 0000
D f c 0000
 
Origens aplicações – demonstrações financeiras
Origens aplicações – demonstrações financeirasOrigens aplicações – demonstrações financeiras
Origens aplicações – demonstrações financeiras
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
 
Fluxo de caixa 0001
Fluxo de caixa 0001Fluxo de caixa 0001
Fluxo de caixa 0001
 
Analise de balancos resumo
Analise de balancos resumoAnalise de balancos resumo
Analise de balancos resumo
 
Fluxo de caixa 0000
Fluxo de caixa 0000Fluxo de caixa 0000
Fluxo de caixa 0000
 
Teoria concursos
Teoria concursosTeoria concursos
Teoria concursos
 
Apostila contabilidade tributaria 0000
Apostila contabilidade tributaria 0000Apostila contabilidade tributaria 0000
Apostila contabilidade tributaria 0000
 
Teoria
TeoriaTeoria
Teoria
 
Custos
CustosCustos
Custos
 
Doar 0000
Doar 0000Doar 0000
Doar 0000
 
Aula 001 finanças
Aula 001 finançasAula 001 finanças
Aula 001 finanças
 
Exel
ExelExel
Exel
 
Contabilidade lançamentos
Contabilidade lançamentosContabilidade lançamentos
Contabilidade lançamentos
 
Contabilidade
ContabilidadeContabilidade
Contabilidade
 
Estudarei contabilidade ate passar
Estudarei contabilidade ate passarEstudarei contabilidade ate passar
Estudarei contabilidade ate passar
 
Comercio exterior
Comercio exteriorComercio exterior
Comercio exterior
 

Último

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 

Cco aula10 custos

  • 1. Anotações do Aluno uvb Aula Nº 10 – Custo-Padrão Objetivos da aula: O que significa ter um padrão de custos ou um custo-padrão? Como a empresa pode se beneficiar com o uso dessa técnica? Como fixar esses padrões? O objetivo desta aula é dar respostas a essas e a outras perguntas instigantes. Você não está curioso para saber as vantagens da utilização do custo- padrão? Então, vamos à aula e não esqueça de participar de todas as atividades. Tenha uma ótima aula! Introdução O custo padrão baseia-se em referências determinadas a partir da análise das condições “normais” de produção, considerando um bom desempenho de mão-de-obra, uso de matéria-prima, máquinas e equipamentos, e outros fatores de produção. Entenda como condições normais de produção as que são consideradas desejáveis, mas não fictícias, inatingíveis. O custo-padrão é mencionado quando se trata de custos de produção. Aula 10 - Custo-Padrão No entanto, sistemas de custo-padrão podem ser utilizados nas áreas: administrativa, de distribuição, e outros departamentos. Custo Contábil A análise de custos permite constatar desvios ocorridos, identificando possíveis irregularidades e ineficiências na utilização de recursos. Faculdade On-Line UVB 77
  • 2. Anotações do Aluno uvb O custo-padrão é determinado, quantificando-se o consumo e utilização de matéria-prima, mão-de-obra, custos indiretos de fabricação e demais recursos necessários para a elaboração de uma unidade. Essa determinação requer a utilização de medidas técnicas de produção, definidas com base nos processos. Aos padrões de consumo deve ser atribuído o valor monetário correspondente. 1. Conceitos Custo-Padrão é um custo predeterminado para a produção de uma unidade, ou de um certo número de unidades do produto, durante um determinado período no futuro próximo. É o planejamento do custo do produto, conforme as condições de operação correntes e/ou previstas. Baseia-se nas condições normais ou ideais de eficiência e volume, especialmente com respeito aos Gastos Indiretos de Produção. Os Materiais e a Mão-de-obra baseiam-se nas condições correntes, equilibradas pelo nível de eficiência desejado, com reservas para as alterações de preços e taxas. Um custo-padrão, como a expressão implica, consiste em duas partes: um padrão e um custo. O padrão é o método cuidadosamente predeterminado, ou forma de medir a execução de uma tarefa, isto é, fazer móvel ou montar um computador. As medições quantitativas e qualitativas e os métodos de engenharia traduzem-se em custos, a fim de se atingir um custo-padrão. Deve-se pensar em um padrão em termos de itens específicos, tais como quilos de materiais, horas de mão-de-obra exigidas e horas de capacidade de fábrica a empregar. Esses padrões físicos, que formam a base de Aula 10 - Custo-Padrão cálculo de um custo-padrão, devem ser fixados com a maior precisão. Na realidade, em muitas situações, nunca se modifica um padrão, exceto Custo Contábil quando ocorrem mudanças nos métodos de operação ou nos produtos. Somente se modificará a parte monetária, quando flutuarem as taxas de mão-de-obra ou os preços de materiais e outros. Faculdade On-Line UVB 78
  • 3. Anotações do Aluno uvb 2. Tipos de Padrões Normalmente, o custo-padrão é dividido em dois tipos: padrão ideal e padrão corrente. Padrão Ideal: Seria um custo desenvolvido em laboratório, com base em estudos minuciosos de tempos e movimentos, com o trabalhador mais bem qualificado para executar aquela tarefa. As perdas de matéria-prima admitidas seriam somente aquelas impossíveis de serem eliminadas. Padrão Corrente: é um padrão para um determinado período, para certas condições e para determinadas circunstâncias, unindo aspectos teóricos e práticos. Toma o lugar de um custo real e se endereça para os livros de contas e, mesmo, talvez, para os demonstrativos financeiros. Quaisquer variações entre custos reais e padrão são encaradas como lucros ou perdas, devidos a eficiências ou ineficiências relativas. Revisa-se tal padrão, para refletir a modificação de métodos e de preços. A maioria das empresas adota o padrão corrente e não o básico. 3. Utilização do Custo-Padrão O custo-padrão pode ser utilizado para diversas metas ou objetivos. O principal objetivo dos padrões é o controle dos custos, o que eles são e o que deveriam ser. Os objetivos mais importantes do custo-padrão são: a) determinar o custo correto, ou o esperado; b) definir responsabilidades e obter comprometimento dos responsáveis por cada atividade padronizada; Aula 10 - Custo-Padrão c) avaliar o desempenho e a eficácia operacional. Custo Contábil Podemos, ainda, identificar outros aspectos importantes do custo-padrão, como: a) O custo padrão não elimina o Real – a implantação do custo padrão pressupõe um bom sistema de Custo Real (Absorção ou Variável). Faculdade On-Line UVB 79
  • 4. Anotações do Aluno uvb Após a análise das variações do Custo Real, comparando-se com um custo- padrão, identificam-se as causas das variações e, por meio delas, é possível corrigir os rumos atuais. b) Formação de preços de venda: É uma das melhores utilizações do custo-padrão. Apesar de, teoricamente, ser o mercado que dá o preço de venda dos produtos, ele deve ser, inicialmente, calculado em cima de condições de custo das empresas. Como elemento inicial para formação de preços de venda, devemos utilizar o custo-padrão, pois ele traz todos os elementos necessários para parametrizar um preço de venda ideal. 4. Construção do Padrão Vamos comentar as situações mais comuns de construção de um padrão. a) Materiais diretos: A fixação dos padrões físicos cabe à Engenharia de Produção, no entanto a Contabilidade de Custos deverá trabalhar na tradução monetária desses padrões físicos. Muitos produtos, principalmente os que são elaborados por processo contínuo, utilizando certas matérias-primas, têm determinado grau de perda ou refugo, que, dentro de condições técnicas ou científicas, deve ser incorporado ao padrão de quantidade. O preço-padrão dos materiais diretos deve ser obtido em condições normais de negociação de compra. A ele devem ser incorporadas as eventuais despesas que devem fazer parte do custo unitário dos materiais. Aula 10 - Custo-Padrão O preço-padrão dos materiais e demais insumos industriais deve ser sempre calculado na condição de compra com pagamento a vista. Custo Contábil b) Mão-de-obra direta: A mão-de-obra também deve ser especificada quantitativamente pela engenharia de produção e posteriormente traduzida em valores monetários pela contabilidade de custos. Faculdade On-Line UVB 80
  • 5. Anotações do Aluno uvb Normalmente, a mão-de-obra direta padrão é determinada pela quantidade de horas necessárias do pessoal, ou da quantidade de funcionários diretos, em todas as fases do processo de fabricação do produto. A base para a construção dos padrões de mão-de-obra direta é, portanto, o processo de fabricação. Todas as atividades e processos necessários para fazer o produto requerem operários para manuseio dos materiais ou dos equipamentos durante os processos. As estimativas ou padrões de necessidade de mão-de-obra direta podem ser cientificamente calculadas quando se trabalha em ambientes de alta tecnologia de produção, gerenciados computacionalmente. Em outros casos, podem se fazer estudos de tempo, por meio de operações simuladas antecipadamente em ambientes reais. Em todos os casos, deve haver um estudo para quebras, refugos, retrabalhos, manutenção e necessidades do pessoal. A base para a valorização dos custos de mão-de-obra direta deve incluir toda a remuneração dos trabalhadores mais os encargos sociais de caráter genérico. De modo geral, utiliza-se o critério de custo médio horário dos salários de cada departamento de produção ou da célula/atividade de processo por onde passa o produto, por meio dos centros de custos ou centros de acumulação por atividades. c) Custos indiretos variáveis: Os custos indiretos variáveis são padronizados normalmente por meio da construção de taxas predeterminadas em relação a uma medida de atividade escolhida. Sempre que possível, deve- se evitar o uso de taxas baseadas em valores, uma vez que isso impede a correta mensuração das variações de quantidade que ocorrerão, bem Aula 10 - Custo-Padrão como o padrão fica sujeito a eventuais problemas de variação nos preços. Custo Contábil A atividade a ser escolhida como base para a construção das taxas predeterminadas de custos indiretos variáveis deve ter uma relação causal com os diversos custos indiretos variáveis. Também a base de atividade escolhida deve ser simples de ser entendida, para posterior atribuição de responsabilidades. Faculdade On-Line UVB 81
  • 6. Anotações do Aluno uvb Exemplos de bases de atividades para elaboração das taxas predeterminadas de custos indiretos variáveis são horas de máquinas trabalhadas, quantidade de produto final, horas de mão-de-obra direta etc., dependendo sempre do gasto e melhor relação que existe entre os custos variáveis e as atividades envolvidas. Como exemplo, o consumo de energia elétrica é um custo variável indireto para tipos de indústrias. Para algumas empresas, as horas de máquinas são os principais fatores; para outras, há uma relação direta com o produto final. Gastos com lubrificantes e materiais indiretos normalmente têm relação com a quantidade de horas máquinas trabalhadas, e assim por diante. 5. Exemplos 5.1. Materiais Padrão de quantidade Quilos de material A por unidade de produto 5,10 Estimativa de perda no processo 0,10 Estimativa de refugos 0,02 Quantidade-padrão por unidade de produto 5,22 Padrão de Preço Preço de compra sem impostos recuperáveis $ 30,55 (-) Custo financeiro de pagamento a prazo (2,05) Preço de compra a vista 28,50 Frete e despesas de recebimento 1,50 Preço-padrão do Material A $ 27,00 5.2. Mão-de-obra Aula 10 - Custo-Padrão Padrão de quantidade Custo Contábil Horas necessárias de mão-de-obra para montagem completa de uma unidade do produto final 60,00 Paradas para manutenção e necessidades pessoais 6,00 Horas estimadas de re-trabalhos de qualidade 2,00 Horas-padrão por unidade de produto 68,00 Faculdade On-Line UVB 82
  • 7. Anotações do Aluno uvb Padrão de valor Salário horário médio do setor de montagem $ 3,20 Encargos sociais legais 1,92 Benefícios espontâneos 0,30 Custo horário de mão-de-obra direta $ 5,42 6. Exercício A empresa UVB resolveu diversificar seus produtos e, agora, fabrica, também, camisetas e calças, além dos tradicionais conjuntos de moletons. Sua estrutura organizacional está dividida em dois setores: administração e produção. A administração é efetuada pelo Sr. Nero Romano e mais um funcionário e consiste no gerenciamento de pessoal, compras, vendas, marketing, administração financeira e administração da produção, entre outras. A produção é gerenciada por um supervisor e divide-se em quatro setores: corte, costura, passar a ferro e acabamento. As matérias-primas chegam em bobinas de 15 kg. Para os moletons, cada bobina custa $ 500 e rende 50 conjuntos (10 kg), sobrando 5 kg de retalhos. Para camisetas, cada bobina custa $ 400 e gera 200 unidades (12,5 kg) e, para as calças, cada bobina custa $ 150 e produz 20 unidades (13 kg). Todos os retalhos são jogados fora. Os custos de determinado mês foram: Matéria-prima (moletons) $ 51.000,00 Matéria-prima (camisetas) $ 20.400,00 Matéria-prima (calças) $ 15.000,00 Salários e encargos $ 6.000,00 Energia elétrica $ 500,00 Aluguel $ 600,00 Aula 10 - Custo-Padrão Depreciação $ 200,00 Outros $ 300,00 Custo Contábil Algumas informações adicionais são apresentadas na tabela a seguir: Faculdade On-Line UVB 83
  • 8. Anotações do Aluno uvb Setor Admin. Corte Costura Passar Acabam. Salários e encargos ($) 500 1.000 2.500 1.500 500 Depreciação ($) 25 15 110 40 10 Potência instalada (W) 240 480 1.300 2.480 500 Área (m2) 50 100 75 100 75 Número de funcionários 2 5 10 3 2 A capacidade instalada dos 4 centros de custos produtivos (corte, costura, passar a ferro e acabamento) é de 200 horas mensais, mas é considerada normal uma ociosidade mensal de 10 horas em cada um deles. Os tempos unitários médios de passagem dos produtos pelos centros de custos produtivos são: Tempos de passagem dos produtos pelos centros produtivos, em h/1000 unidades: Produto/centro Corte Costura Passar Acabam. Moletons 10 15 12 10 Camisetas 5 10 8 12 Calças 40 5 12 10 A produção do período foi de 5.000 moletons, 10.000 camisetas e 2.000 calças. PEDE-SE: a) Determine, para cada produto, o custo unitário de matéria-prima pelos custeios parcial (ideal) e total (integral), bem como o custo-padrão unitário de matéria-prima (isto é, incorporando as perdas normais). Determine Aula 10 - Custo-Padrão para cada produto, também, as perdas relativas a essa matéria-prima, classificando-as em normais e anormais. Custo Contábil b) Calcule os custos primários dos 5 centros de custos. Para isso, use as informações da primeira tabela, decidindo sobre os melhores critérios para a distribuição dos custos, e distribua o item Outros igualmente entre os centros. Faculdade On-Line UVB 84
  • 9. Anotações do Aluno uvb c) Faça a distribuição dos custos da administração para os demais centros, utilizando o número de funcionários como base e calcule os custos secundários dos centros produtivos. d) Usando o tempo como unidade de trabalho para os 4 centros produtivos, calcule o custo unitário de cada produto pelos custeios parcial (ideal) e total (integral). e) Calcule o grau de eficiência de cada um dos centros de custos produtivos, detalhando, ainda, as perdas monetárias decorrentes da ineficiência identificada nesses centros. Síntese Nesta aula, vimos o conceito de custo-padrão, os principais tipos de padrões existentes, como os padrões são fixados e traduzidos monetariamente pela contabilidade de custos e as vantagens de sua utilização. Na próxima aula, iniciaremos o estudo das variações do custo padrão. Até a próxima aula! Referências CREPALDI, Silvio Aparecido. Curso Básico de Contabilidade de Custos. São Paulo: Atlas, 2005. LEONE, George S. G. Curso de Contabilidade de Custos. São Paulo: Atlas, Aula 10 - Custo-Padrão 1997. Custo Contábil MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2003. Faculdade On-Line UVB 85