SlideShare uma empresa Scribd logo
Anotações do Aluno
uvb



    Aula Nº 14 – Relações Custo-
    Volume-Lucro
Objetivos da aula:
Nesta aula, estudaremos as relações existentes entre custo, volume de
produção e vendas e lucro. Você encontrará mais uma importante aplicação
do conceito de Margem de Contribuição. Essas relações seriam estáveis,
se as empresas trabalhassem somente com custos variáveis, pois, assim,
a cada ponto percentual de aumento na quantidade, corresponderia um
ponto percentual de aumento no lucro.


No entanto, as empresas trabalham com custos fixos e esta é a alavanca do
lucro. Quanto mais diluídos forem os custos fixos, maior será o aumento
percentual de lucro.


Tenha uma ótima aula!


Introdução
O lucro é o fator mais importante para as empresas, e a utilização dos                            Aula 14 - Relações Custo-Volume-Lucro
custos é fundamental para fins de tomada de decisão e gestão estratégica
empresarial. Nesta aula, serão apresentados conceitos imprescindíveis, tais
como a margem de contribuição.


1. Conceito de Margem de Contribuição
                                                                                 Custo Contábil




Representa o lucro variável. É a diferença entre o preço de venda unitário do
produto e os custos e despesas variáveis por unidade do produto. Significa
que, em cada unidade vendida, a empresa lucrará determinado valor.
Multiplicado pelo total vendido, teremos a contribuição marginal total do
produto para a empresa.

                                   Faculdade On-Line UVB
                                                                                          106
Anotações do Aluno
uvb


  1.1. Vantagens do custeio variável:

Margem de contribuição é a margem bruta obtida pela venda de um
produto e excedente de seus custos variáveis unitários. Em outras palavras,
a margem de contribuição é o mesmo que o lucro variável unitário, ou seja,
o preço de venda unitário do produto deduzido dos custos e despesas
variáveis necessários para produzi-lo e vendê-lo.


Vejamos o seguinte exemplo:


Custos e Despesas Variáveis


 Matéria-prima: 200 unidades x $ 2,30 por unidade          460,00
 Materiais auxiliares: 0,10 unidades a $ 360,00 por unidade  36,00
 Mão-de-Obra Direta: 4 horas a $ 50,00 por hora            200,00
 Comissões: 12% s/ $1.700,00 (p.venda unitário)            204,00
 Total Custo Variável                                      900,00


                                                  PRODUTO A
Preço de Venda Unitário do Produto A           $ 1.700    100,00%
Custo Variável Unitário                          $ 900      52,94%
Margem de Contribuição Unitária                  $ 800     47,06%


Isso significa que, a cada unidade do “Produto A” vendida pela empresa, esta
                                                                                                 Aula 14 - Relações Custo-Volume-Lucro
tem um lucro unitário de $ 800. É a contribuição unitária que o “Produto A”
dá para a empresa, a fim de cobrir todos os custos e despesas fixas (custos
de capacidade) e, também, propiciar a margem de lucratividade desejada.


2. Ponto de Equilíbrio
                                                                                Custo Contábil




Evidencia, em termos quantitativos, qual é o volume que a empresa precisa
produzir ou vender, para que consiga pagar todos os custos e despesas
fixas, além dos custos e despesas variáveis que ela tem necessariamente
que incorrer para fabricar/vender o produto.



                                  Faculdade On-Line UVB
                                                                                         107
Anotações do Aluno
uvb


No ponto de equilíbrio, não há lucro ou prejuízo. A partir de volumes
adicionais de produção ou venda, a empresa passa a ter lucros.


A informação do ponto de equilíbrio da empresa, tanto do total global, como
por produto individual, é importante porque identifica o nível mínimo de
atividade em que a empresa ou cada divisão deve operar.


  2.1. Quantidade no Ponto de Equilíbrio Contábil, Econômico e
  Financeiro

Ponto de Equilíbrio Contábil = Custos e Despesas Fixas
  Margem de Contribuição Unitária
Ponto de Equilíbrio = Custos e Despesas Fixas + Lucro Desejado
       Econômico             Margem de Contribuição Unitária


(sem amortização de dívidas)
Ponto de Equilíbrio = Custos e Despesas Fixas + Depreciação
Financeiro            Margem de Contribuição Unitária


(com amortização de dívidas)
Ponto de Equilíbrio = Custos e Desp. Fixas + Deprec. + Amortização
   Financeiro                Margem de Contribuição Unitária


Para obter a receita no Ponto de Equilíbrio, basta multiplicar a quantidade                     Aula 14 - Relações Custo-Volume-Lucro
pelo preço de venda.


3. Margem de Contribuição e Volume de Produção/
Vendas
                                                                               Custo Contábil




Partindo do pressuposto de que a venda de cada unidade de produto
propicia uma contribuição unitária para cobrir os custos e despesas fixas e
possibilitar valores de lucro, podemos fazer uma simulação de como seria
o lucro líquido em algumas situações de quantidade vendida:



                                  Faculdade On-Line UVB
                                                                                        108
Anotações do Aluno
uvb


                                                   QUANTIDADE VENDIDA
           Unidade
                               1                   2         700       701
Venda = 1.700,00               1.700               3.400     1.190.000 1.191.700
Custos Variáveis = 900,00      900                 1.800     630.000   630.900
Contribuição Marginal = 800,00 800                 1.600     560.000   560.000
Custos Fixos                   560.000             560.000   560.000   560.000
Resultado Líquido              (559.200)           (558.400) - 0 -     800


Quando vendemos 700 unidades, a empresa tem um resultado líquido
igual a zero. Denominamos essa situação de estrutura de equilíbrio, ou
ponto de equilíbrio das vendas.


4. Estrutura de Custos
Denominamos estrutura de custos a proporção relativa entre o total
de custos fixos e variáveis dentro da empresa. Cada empresa tem uma
estrutura de custos e, portanto, tem seu próprio ponto de equilíbrio em
determinado momento. É possível que empresas que trabalham no mesmo
setor com os mesmos produtos tenham estruturas de custos diferentes,
provavelmente montadas em razão de processo diferente de produção,
tendência de vendas de longo prazo e atitudes dos administradores diante
do risco.

Exemplo: Vejamos duas estruturas de custos diferentes:                                              Aula 14 - Relações Custo-Volume-Lucro
                           Empresa A             %      Empresa B     %
        Vendas              1.700.000           100      1.700.000   100
    Custos Variáveis         900.000             53       500.000     29
Margem de Contribuição       800.000             47      1.200.000    71
Custos e Despesas Fixas      560.000                      960.000
 Lucro Líquido Total        240.000                      240.000
                                                                                   Custo Contábil




Se as vendas forem 100 unidades a mais, temos o seguinte resultado
líquido para cada empresa:




                                Faculdade On-Line UVB
                                                                                            109
Anotações do Aluno
uvb


                            Empresa A              %    Empresa B     %
         Vendas              1.870.000            100    1.870.000   100
     Custos Variáveis         990.000              53     550.000     29
 Margem de Contribuição       880.000              47    1.320.000    71
 Custos e Despesas Fixas      560.000                     960.000
  Lucro Líquido Total        320.000                     360.000


Assim, a Empresa A tende a ter flutuações menores em seus lucros, porque
possui uma contribuição marginal mais baixa do que a Empresa B, que
tem uma margem de contribuição percentual mais alta, mas também
possui custos fixos em maior volume. A Empresa A tem estrutura mais
conservadora, enquanto a Empresa B tem estrutura de custos com maior
risco operacional.


5. Alavancagem Operacional
Significa a possibilidade de acréscimo do lucro total pelo incremento da
quantidade produzida e vendida, buscando a maximização do uso dos
custos e despesas fixas.


É dependente da margem de contribuição, ou seja, do impacto dos custos
e despesas variáveis sobre o preço de venda unitário, e dos valores dos
custos e despesas fixas. Alguns produtos têm alavancagem maior que
outros, em virtude dessas variáveis.                                                         Aula 14 - Relações Custo-Volume-Lucro

Alavancagem operacional é a medida do volume de quanto os custos fixos
estão sendo usados dentro da organização. O termo alavancagem vem da
possibilidade de levantar lucros líquidos em proporções maiores do que o
normalmente esperado, por meio da alteração correta da proporção dos
custos fixos na estrutura de custos da empresa.
                                                                            Custo Contábil




O uso potencial dos custos operacionais serve para aumentar os efeitos
das mudanças nas vendas sobre os lucros da empresa antes dos juros e
impostos (LAJIR). O aumento nas vendas resulta em aumento mais que
proporcional no LAJIR e vice-versa.


                                Faculdade On-Line UVB
                                                                                     110
Anotações do Aluno
uvb


Exemplo: Dados p = $10; v = $5; F = $2.500. Calcular LAJIR para aumento
nas vendas de 50% e redução de 50%.

                                               Caso 1                           Atual                      Caso 2
                                               - 50%                                                       + 50%
Vendas (unidades)                                500                            1.000                       1.500
Receita                                        $ 5.000                        $ 10.000                    $ 15.000
Custos Variáveis                              ($ 2.500)                       ($ 5.000)                   ($ 7.500)
Custos Fixos                                  ($ 2.500)                       ($ 2.500)                   ($ 2.500)
         LAJIR                                    0                            $ 2.500                     $ 5.000


Fórmula do Grau Alavancagem Operacional

GAO = Variação % do lucro
     Variação % da quantidade


Variação % do Lucro = Lucro Adicional
                        Lucro Atual


Variação% da Quantidade = Quantidade Adicional
                            Quantidade Atual


Exercício: A seguinte previsão financeira é baseada nos registros da Cia.
Corado:
                                                                                                                                        Aula 14 - Relações Custo-Volume-Lucro
Vendas (1.000 unidades x $ 500,00) ........................................$ 500.000,00
(-) Custo dos produtos Vendidos:
       Material Direto .......................................$ 140.000,00
       Mão-de-obra direta ................................$ 80.000,00
       Custos indiretos variáveis ......................$ 40.000,00
       Custos indiretos fixos ......................... $ 20.000,00 ($ 280.000,00)
                                                                                                                       Custo Contábil




(=) Lucro Bruto ............................... ...................................................$ 220.000,00
(-) Despesas administrativas e de vendas:
       Variáveis ..............................................$ 90.000,00
       Fixas .....................................................$ 80.000,00 ($ 170.000,00)
(=) Lucro Operacional ............................................................... $ 50.000,00


                                                    Faculdade On-Line UVB
                                                                                                                                111
Anotações do Aluno
uvb


Calcule:
a)Ponto de Equilíbrio Contábil, em quantidade e valor, se as despesas fixas
dobrarem.
b)Ponto de Equilíbrio Financeiro, em quantidade e valor, sabendo que a
depreciação representa 30% dos custos fixos.
c)Ponto de Equilíbrio Econômico, sabendo que o lucro esperado pela
empresa é de $ 75.000,00.
d) Lucro Operacional, se as vendas diminuírem 30%.
e)Grau de Alavancagem Operacional.
f)Gráfico do Ponto de Equilíbrio, destacando: quantidade e receita no
ponto de equilíbrio contábil e financeiro, Lucro Atual e Lucro Esperado.


Síntese
Nesta aula, vimos mais uma utilidade do conceito de Margem de
Contribuição, por meio da qual conseguimos saber quanto a empresa
deverá produzir e vender para manter-se em equilíbrio. Esse equilíbrio
pode ser com lucro zero, com um certo lucro desejado pelo empresário
ou com uma folga de caixa.


Podemos, então, planejar o volume de produção e vendas para que a
empresa possa produzir determinado volume de lucro ou para que consiga
pagar seus custos, despesas e dívidas.
                                                                                                Aula 14 - Relações Custo-Volume-Lucro
Na próxima aula, estudaremos Decisões Utilizando a Margem de
Contribuição.


Não perca!
                                                                               Custo Contábil




                                  Faculdade On-Line UVB
                                                                                        112
Anotações do Aluno
uvb


Referências
CREPALDI, Silvio Aparecido. Curso Básico de Contabilidade de Custos.
São Paulo: Atlas, 2005.


LEONE, George S. G. Curso de Contabilidade de Custos. São Paulo: Atlas,
1997.


MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2003.




                                                                                             Aula 14 - Relações Custo-Volume-Lucro
                                                                            Custo Contábil




                                 Faculdade On-Line UVB
                                                                                     113

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra Gestão de custos e formação de preços
Palestra Gestão de custos e formação de preçosPalestra Gestão de custos e formação de preços
Palestra Gestão de custos e formação de preços
Samuel Gonsales
 
Apostila v ponto de equilibrio
Apostila v   ponto de equilibrioApostila v   ponto de equilibrio
Apostila v ponto de equilibrio
zeramento contabil
 
Apresentacao formacao de-preco
Apresentacao formacao de-precoApresentacao formacao de-preco
Apresentacao formacao de-preco
Adriana Alves
 
Formação de preço
Formação de preçoFormação de preço
Formação de preço
Carlos Rocha
 
Aula 10 - Análise Estratégica de Finanças e Investimentos - Markup
Aula 10 - Análise Estratégica de Finanças e Investimentos - MarkupAula 10 - Análise Estratégica de Finanças e Investimentos - Markup
Aula 10 - Análise Estratégica de Finanças e Investimentos - Markup
MestredaContabilidade
 
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Capitulo 4   análise de custo  volume _lucroCapitulo 4   análise de custo  volume _lucro
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Daniel Moura
 
Apresentação custos
Apresentação custosApresentação custos
Apresentação custos
Rafhael Sena
 
Simplificando a Formação do Preço de Venda
Simplificando a Formação do Preço de Venda Simplificando a Formação do Preço de Venda
Simplificando a Formação do Preço de Venda
Heloisa Motoki
 
Custos ementa custos
Custos ementa custosCustos ementa custos
Custos ementa custos
custos contabil
 
O que é mark up e como calcular este índice - artigos - negócios - administr...
O que é mark up e como calcular este índice  - artigos - negócios - administr...O que é mark up e como calcular este índice  - artigos - negócios - administr...
O que é mark up e como calcular este índice - artigos - negócios - administr...
Claudia Marinho
 
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6
Wandick Rocha de Aquino
 
Acvl
AcvlAcvl
Pricing
PricingPricing
Apresentacao modulo1 gestaodo_negocio_agosto2015_aula2
Apresentacao modulo1 gestaodo_negocio_agosto2015_aula2Apresentacao modulo1 gestaodo_negocio_agosto2015_aula2
Apresentacao modulo1 gestaodo_negocio_agosto2015_aula2
Instrutores CGL
 
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãOAula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
Sonia Maria Malheiros Soares
 
Apostila iv margem de contribuicao
Apostila iv   margem de contribuicaoApostila iv   margem de contribuicao
Apostila iv margem de contribuicao
zeramento contabil
 
Apostila controladoria 10
Apostila controladoria 10Apostila controladoria 10
Apostila controladoria 10
controladoriacontab
 
Formação de Preços: Critérios Básicos por Roberto Assef
Formação de Preços: Critérios Básicos por Roberto AssefFormação de Preços: Critérios Básicos por Roberto Assef
Formação de Preços: Critérios Básicos por Roberto Assef
Roberto Assef
 
Apostila formacao-preco-vendas
Apostila formacao-preco-vendasApostila formacao-preco-vendas
Apostila formacao-preco-vendas
ThiagoAJ
 
Aspectos Financeiros Cap2
Aspectos Financeiros Cap2Aspectos Financeiros Cap2
Aspectos Financeiros Cap2
Angilberto Freitas
 

Mais procurados (20)

Palestra Gestão de custos e formação de preços
Palestra Gestão de custos e formação de preçosPalestra Gestão de custos e formação de preços
Palestra Gestão de custos e formação de preços
 
Apostila v ponto de equilibrio
Apostila v   ponto de equilibrioApostila v   ponto de equilibrio
Apostila v ponto de equilibrio
 
Apresentacao formacao de-preco
Apresentacao formacao de-precoApresentacao formacao de-preco
Apresentacao formacao de-preco
 
Formação de preço
Formação de preçoFormação de preço
Formação de preço
 
Aula 10 - Análise Estratégica de Finanças e Investimentos - Markup
Aula 10 - Análise Estratégica de Finanças e Investimentos - MarkupAula 10 - Análise Estratégica de Finanças e Investimentos - Markup
Aula 10 - Análise Estratégica de Finanças e Investimentos - Markup
 
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Capitulo 4   análise de custo  volume _lucroCapitulo 4   análise de custo  volume _lucro
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
 
Apresentação custos
Apresentação custosApresentação custos
Apresentação custos
 
Simplificando a Formação do Preço de Venda
Simplificando a Formação do Preço de Venda Simplificando a Formação do Preço de Venda
Simplificando a Formação do Preço de Venda
 
Custos ementa custos
Custos ementa custosCustos ementa custos
Custos ementa custos
 
O que é mark up e como calcular este índice - artigos - negócios - administr...
O que é mark up e como calcular este índice  - artigos - negócios - administr...O que é mark up e como calcular este índice  - artigos - negócios - administr...
O que é mark up e como calcular este índice - artigos - negócios - administr...
 
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6
 
Acvl
AcvlAcvl
Acvl
 
Pricing
PricingPricing
Pricing
 
Apresentacao modulo1 gestaodo_negocio_agosto2015_aula2
Apresentacao modulo1 gestaodo_negocio_agosto2015_aula2Apresentacao modulo1 gestaodo_negocio_agosto2015_aula2
Apresentacao modulo1 gestaodo_negocio_agosto2015_aula2
 
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãOAula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
 
Apostila iv margem de contribuicao
Apostila iv   margem de contribuicaoApostila iv   margem de contribuicao
Apostila iv margem de contribuicao
 
Apostila controladoria 10
Apostila controladoria 10Apostila controladoria 10
Apostila controladoria 10
 
Formação de Preços: Critérios Básicos por Roberto Assef
Formação de Preços: Critérios Básicos por Roberto AssefFormação de Preços: Critérios Básicos por Roberto Assef
Formação de Preços: Critérios Básicos por Roberto Assef
 
Apostila formacao-preco-vendas
Apostila formacao-preco-vendasApostila formacao-preco-vendas
Apostila formacao-preco-vendas
 
Aspectos Financeiros Cap2
Aspectos Financeiros Cap2Aspectos Financeiros Cap2
Aspectos Financeiros Cap2
 

Destaque

Tabela Salarial CPTM 2013
Tabela Salarial CPTM 2013Tabela Salarial CPTM 2013
Tabela Salarial CPTM 2013
adenilson_paes
 
Cco aula13 custos
Cco aula13 custosCco aula13 custos
Cco aula13 custos
albumina
 
Novas regras de contabilidade
Novas regras de contabilidadeNovas regras de contabilidade
Novas regras de contabilidade
albumina
 
Cco aula07 custos
Cco aula07 custosCco aula07 custos
Cco aula07 custos
albumina
 
Cco aula15 custos
Cco aula15 custosCco aula15 custos
Cco aula15 custos
albumina
 
Cco aula01 custos
Cco aula01 custosCco aula01 custos
Cco aula01 custos
contacontabil
 
Cco aula12 custos
Cco aula12 custosCco aula12 custos
Cco aula12 custos
albumina
 
Cco aula03 custos
Cco aula03 custosCco aula03 custos
Cco aula03 custos
albumina
 
Cco aula10 custos
Cco aula10 custosCco aula10 custos
Cco aula10 custos
albumina
 
Cco aula06 custos
Cco aula06 custosCco aula06 custos
Cco aula06 custos
albumina
 
Cco aula11 custos
Cco aula11 custosCco aula11 custos
Cco aula11 custos
albumina
 
Cco aula04 custos
Cco aula04 custosCco aula04 custos
Cco aula04 custos
albumina
 
Cco aula02 custos
Cco aula02 custosCco aula02 custos
Cco aula02 custos
contacontabil
 
Cco aula08 custos
Cco aula08 custosCco aula08 custos
Cco aula08 custos
albumina
 
Cco aula05 custos
Cco aula05 custosCco aula05 custos
Cco aula05 custos
albumina
 
Ajustes demonstrações contábeis
Ajustes demonstrações contábeisAjustes demonstrações contábeis
Ajustes demonstrações contábeis
albumina
 
Conceitos de contas contábeis
Conceitos de contas contábeisConceitos de contas contábeis
Conceitos de contas contábeis
albumina
 
Cco aula09 custos
Cco aula09 custosCco aula09 custos
Cco aula09 custos
albumina
 
O Twitter como ferramenta de relacionamento entre organizações e públicos
O Twitter como ferramenta de relacionamento entre organizações e públicosO Twitter como ferramenta de relacionamento entre organizações e públicos
O Twitter como ferramenta de relacionamento entre organizações e públicos
Juliana Menezes
 
Aula 1_IE_CEAG_2011
Aula 1_IE_CEAG_2011Aula 1_IE_CEAG_2011
Aula 1_IE_CEAG_2011
zeusi9iuto
 

Destaque (20)

Tabela Salarial CPTM 2013
Tabela Salarial CPTM 2013Tabela Salarial CPTM 2013
Tabela Salarial CPTM 2013
 
Cco aula13 custos
Cco aula13 custosCco aula13 custos
Cco aula13 custos
 
Novas regras de contabilidade
Novas regras de contabilidadeNovas regras de contabilidade
Novas regras de contabilidade
 
Cco aula07 custos
Cco aula07 custosCco aula07 custos
Cco aula07 custos
 
Cco aula15 custos
Cco aula15 custosCco aula15 custos
Cco aula15 custos
 
Cco aula01 custos
Cco aula01 custosCco aula01 custos
Cco aula01 custos
 
Cco aula12 custos
Cco aula12 custosCco aula12 custos
Cco aula12 custos
 
Cco aula03 custos
Cco aula03 custosCco aula03 custos
Cco aula03 custos
 
Cco aula10 custos
Cco aula10 custosCco aula10 custos
Cco aula10 custos
 
Cco aula06 custos
Cco aula06 custosCco aula06 custos
Cco aula06 custos
 
Cco aula11 custos
Cco aula11 custosCco aula11 custos
Cco aula11 custos
 
Cco aula04 custos
Cco aula04 custosCco aula04 custos
Cco aula04 custos
 
Cco aula02 custos
Cco aula02 custosCco aula02 custos
Cco aula02 custos
 
Cco aula08 custos
Cco aula08 custosCco aula08 custos
Cco aula08 custos
 
Cco aula05 custos
Cco aula05 custosCco aula05 custos
Cco aula05 custos
 
Ajustes demonstrações contábeis
Ajustes demonstrações contábeisAjustes demonstrações contábeis
Ajustes demonstrações contábeis
 
Conceitos de contas contábeis
Conceitos de contas contábeisConceitos de contas contábeis
Conceitos de contas contábeis
 
Cco aula09 custos
Cco aula09 custosCco aula09 custos
Cco aula09 custos
 
O Twitter como ferramenta de relacionamento entre organizações e públicos
O Twitter como ferramenta de relacionamento entre organizações e públicosO Twitter como ferramenta de relacionamento entre organizações e públicos
O Twitter como ferramenta de relacionamento entre organizações e públicos
 
Aula 1_IE_CEAG_2011
Aula 1_IE_CEAG_2011Aula 1_IE_CEAG_2011
Aula 1_IE_CEAG_2011
 

Semelhante a Cco aula14 custos

Alavancagem Operacional para empresas diversas
Alavancagem Operacional para empresas diversasAlavancagem Operacional para empresas diversas
Alavancagem Operacional para empresas diversas
Ricardo Ribeiro
 
Aula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptx
Aula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptxAula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptx
Aula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptx
Universidade Estadual da Paraíba
 
Apostila controladoria 10 2
Apostila controladoria 10 2Apostila controladoria 10 2
Apostila controladoria 10 2
controladoriacontab
 
CAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptx
CAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptxCAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptx
CAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptx
NeheSantos
 
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional
MestredaContabilidade
 
Finanças Em Marketing Aula 07
Finanças Em Marketing   Aula 07Finanças Em Marketing   Aula 07
Finanças Em Marketing Aula 07
Douglas Miquelof
 
Sabe com exatidão qual a margem de lucro do seu negócio?
Sabe com exatidão qual a margem de lucro do seu negócio?Sabe com exatidão qual a margem de lucro do seu negócio?
Sabe com exatidão qual a margem de lucro do seu negócio?
UWU Solutions, Lda.
 
Apostila etec pfo ii
Apostila etec   pfo iiApostila etec   pfo ii
Apostila etec pfo ii
simuladocontabil
 

Semelhante a Cco aula14 custos (8)

Alavancagem Operacional para empresas diversas
Alavancagem Operacional para empresas diversasAlavancagem Operacional para empresas diversas
Alavancagem Operacional para empresas diversas
 
Aula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptx
Aula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptxAula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptx
Aula 3-Relação Custo-Volume-Lucro.pptx
 
Apostila controladoria 10 2
Apostila controladoria 10 2Apostila controladoria 10 2
Apostila controladoria 10 2
 
CAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptx
CAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptxCAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptx
CAP 1 - MODELO CLV ( PONTO DE EQUILÍBRIO).pptx
 
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional
Aula 8 - Ponto de Equilíbrio e Alavancagem Operacional
 
Finanças Em Marketing Aula 07
Finanças Em Marketing   Aula 07Finanças Em Marketing   Aula 07
Finanças Em Marketing Aula 07
 
Sabe com exatidão qual a margem de lucro do seu negócio?
Sabe com exatidão qual a margem de lucro do seu negócio?Sabe com exatidão qual a margem de lucro do seu negócio?
Sabe com exatidão qual a margem de lucro do seu negócio?
 
Apostila etec pfo ii
Apostila etec   pfo iiApostila etec   pfo ii
Apostila etec pfo ii
 

Mais de albumina

Princípios contábeis
Princípios contábeisPrincípios contábeis
Princípios contábeis
albumina
 
D f c 0001
D f c 0001D f c 0001
D f c 0001
albumina
 
D f c 0000
D f c 0000D f c 0000
D f c 0000
albumina
 
Origens aplicações – demonstrações financeiras
Origens aplicações – demonstrações financeirasOrigens aplicações – demonstrações financeiras
Origens aplicações – demonstrações financeiras
albumina
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
albumina
 
Fluxo de caixa 0001
Fluxo de caixa 0001Fluxo de caixa 0001
Fluxo de caixa 0001
albumina
 
Analise de balancos resumo
Analise de balancos resumoAnalise de balancos resumo
Analise de balancos resumo
albumina
 
Fluxo de caixa 0000
Fluxo de caixa 0000Fluxo de caixa 0000
Fluxo de caixa 0000
albumina
 
Teoria concursos
Teoria concursosTeoria concursos
Teoria concursos
albumina
 
Apostila contabilidade tributaria 0000
Apostila contabilidade tributaria 0000Apostila contabilidade tributaria 0000
Apostila contabilidade tributaria 0000
albumina
 
Teoria
TeoriaTeoria
Teoria
albumina
 
Custos
CustosCustos
Custos
albumina
 
Doar 0000
Doar 0000Doar 0000
Doar 0000
albumina
 
Aula 001 finanças
Aula 001 finançasAula 001 finanças
Aula 001 finanças
albumina
 
Exel
ExelExel
Exel
albumina
 
Contabilidade lançamentos
Contabilidade lançamentosContabilidade lançamentos
Contabilidade lançamentos
albumina
 
Contabilidade
ContabilidadeContabilidade
Contabilidade
albumina
 
Estudarei contabilidade ate passar
Estudarei contabilidade ate passarEstudarei contabilidade ate passar
Estudarei contabilidade ate passar
albumina
 
Comercio exterior
Comercio exteriorComercio exterior
Comercio exterior
albumina
 

Mais de albumina (19)

Princípios contábeis
Princípios contábeisPrincípios contábeis
Princípios contábeis
 
D f c 0001
D f c 0001D f c 0001
D f c 0001
 
D f c 0000
D f c 0000D f c 0000
D f c 0000
 
Origens aplicações – demonstrações financeiras
Origens aplicações – demonstrações financeirasOrigens aplicações – demonstrações financeiras
Origens aplicações – demonstrações financeiras
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
 
Fluxo de caixa 0001
Fluxo de caixa 0001Fluxo de caixa 0001
Fluxo de caixa 0001
 
Analise de balancos resumo
Analise de balancos resumoAnalise de balancos resumo
Analise de balancos resumo
 
Fluxo de caixa 0000
Fluxo de caixa 0000Fluxo de caixa 0000
Fluxo de caixa 0000
 
Teoria concursos
Teoria concursosTeoria concursos
Teoria concursos
 
Apostila contabilidade tributaria 0000
Apostila contabilidade tributaria 0000Apostila contabilidade tributaria 0000
Apostila contabilidade tributaria 0000
 
Teoria
TeoriaTeoria
Teoria
 
Custos
CustosCustos
Custos
 
Doar 0000
Doar 0000Doar 0000
Doar 0000
 
Aula 001 finanças
Aula 001 finançasAula 001 finanças
Aula 001 finanças
 
Exel
ExelExel
Exel
 
Contabilidade lançamentos
Contabilidade lançamentosContabilidade lançamentos
Contabilidade lançamentos
 
Contabilidade
ContabilidadeContabilidade
Contabilidade
 
Estudarei contabilidade ate passar
Estudarei contabilidade ate passarEstudarei contabilidade ate passar
Estudarei contabilidade ate passar
 
Comercio exterior
Comercio exteriorComercio exterior
Comercio exterior
 

Último

Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 

Cco aula14 custos

  • 1. Anotações do Aluno uvb Aula Nº 14 – Relações Custo- Volume-Lucro Objetivos da aula: Nesta aula, estudaremos as relações existentes entre custo, volume de produção e vendas e lucro. Você encontrará mais uma importante aplicação do conceito de Margem de Contribuição. Essas relações seriam estáveis, se as empresas trabalhassem somente com custos variáveis, pois, assim, a cada ponto percentual de aumento na quantidade, corresponderia um ponto percentual de aumento no lucro. No entanto, as empresas trabalham com custos fixos e esta é a alavanca do lucro. Quanto mais diluídos forem os custos fixos, maior será o aumento percentual de lucro. Tenha uma ótima aula! Introdução O lucro é o fator mais importante para as empresas, e a utilização dos Aula 14 - Relações Custo-Volume-Lucro custos é fundamental para fins de tomada de decisão e gestão estratégica empresarial. Nesta aula, serão apresentados conceitos imprescindíveis, tais como a margem de contribuição. 1. Conceito de Margem de Contribuição Custo Contábil Representa o lucro variável. É a diferença entre o preço de venda unitário do produto e os custos e despesas variáveis por unidade do produto. Significa que, em cada unidade vendida, a empresa lucrará determinado valor. Multiplicado pelo total vendido, teremos a contribuição marginal total do produto para a empresa. Faculdade On-Line UVB 106
  • 2. Anotações do Aluno uvb 1.1. Vantagens do custeio variável: Margem de contribuição é a margem bruta obtida pela venda de um produto e excedente de seus custos variáveis unitários. Em outras palavras, a margem de contribuição é o mesmo que o lucro variável unitário, ou seja, o preço de venda unitário do produto deduzido dos custos e despesas variáveis necessários para produzi-lo e vendê-lo. Vejamos o seguinte exemplo: Custos e Despesas Variáveis  Matéria-prima: 200 unidades x $ 2,30 por unidade  460,00  Materiais auxiliares: 0,10 unidades a $ 360,00 por unidade  36,00  Mão-de-Obra Direta: 4 horas a $ 50,00 por hora  200,00  Comissões: 12% s/ $1.700,00 (p.venda unitário)  204,00  Total Custo Variável  900,00 PRODUTO A Preço de Venda Unitário do Produto A $ 1.700 100,00% Custo Variável Unitário $ 900 52,94% Margem de Contribuição Unitária $ 800 47,06% Isso significa que, a cada unidade do “Produto A” vendida pela empresa, esta Aula 14 - Relações Custo-Volume-Lucro tem um lucro unitário de $ 800. É a contribuição unitária que o “Produto A” dá para a empresa, a fim de cobrir todos os custos e despesas fixas (custos de capacidade) e, também, propiciar a margem de lucratividade desejada. 2. Ponto de Equilíbrio Custo Contábil Evidencia, em termos quantitativos, qual é o volume que a empresa precisa produzir ou vender, para que consiga pagar todos os custos e despesas fixas, além dos custos e despesas variáveis que ela tem necessariamente que incorrer para fabricar/vender o produto. Faculdade On-Line UVB 107
  • 3. Anotações do Aluno uvb No ponto de equilíbrio, não há lucro ou prejuízo. A partir de volumes adicionais de produção ou venda, a empresa passa a ter lucros. A informação do ponto de equilíbrio da empresa, tanto do total global, como por produto individual, é importante porque identifica o nível mínimo de atividade em que a empresa ou cada divisão deve operar. 2.1. Quantidade no Ponto de Equilíbrio Contábil, Econômico e Financeiro Ponto de Equilíbrio Contábil = Custos e Despesas Fixas Margem de Contribuição Unitária Ponto de Equilíbrio = Custos e Despesas Fixas + Lucro Desejado Econômico Margem de Contribuição Unitária (sem amortização de dívidas) Ponto de Equilíbrio = Custos e Despesas Fixas + Depreciação Financeiro Margem de Contribuição Unitária (com amortização de dívidas) Ponto de Equilíbrio = Custos e Desp. Fixas + Deprec. + Amortização Financeiro Margem de Contribuição Unitária Para obter a receita no Ponto de Equilíbrio, basta multiplicar a quantidade Aula 14 - Relações Custo-Volume-Lucro pelo preço de venda. 3. Margem de Contribuição e Volume de Produção/ Vendas Custo Contábil Partindo do pressuposto de que a venda de cada unidade de produto propicia uma contribuição unitária para cobrir os custos e despesas fixas e possibilitar valores de lucro, podemos fazer uma simulação de como seria o lucro líquido em algumas situações de quantidade vendida: Faculdade On-Line UVB 108
  • 4. Anotações do Aluno uvb QUANTIDADE VENDIDA Unidade 1 2 700 701 Venda = 1.700,00 1.700 3.400 1.190.000 1.191.700 Custos Variáveis = 900,00 900 1.800 630.000 630.900 Contribuição Marginal = 800,00 800 1.600 560.000 560.000 Custos Fixos 560.000 560.000 560.000 560.000 Resultado Líquido (559.200) (558.400) - 0 - 800 Quando vendemos 700 unidades, a empresa tem um resultado líquido igual a zero. Denominamos essa situação de estrutura de equilíbrio, ou ponto de equilíbrio das vendas. 4. Estrutura de Custos Denominamos estrutura de custos a proporção relativa entre o total de custos fixos e variáveis dentro da empresa. Cada empresa tem uma estrutura de custos e, portanto, tem seu próprio ponto de equilíbrio em determinado momento. É possível que empresas que trabalham no mesmo setor com os mesmos produtos tenham estruturas de custos diferentes, provavelmente montadas em razão de processo diferente de produção, tendência de vendas de longo prazo e atitudes dos administradores diante do risco. Exemplo: Vejamos duas estruturas de custos diferentes: Aula 14 - Relações Custo-Volume-Lucro Empresa A % Empresa B % Vendas 1.700.000 100 1.700.000 100 Custos Variáveis 900.000 53 500.000 29 Margem de Contribuição 800.000 47 1.200.000 71 Custos e Despesas Fixas 560.000 960.000 Lucro Líquido Total 240.000 240.000 Custo Contábil Se as vendas forem 100 unidades a mais, temos o seguinte resultado líquido para cada empresa: Faculdade On-Line UVB 109
  • 5. Anotações do Aluno uvb Empresa A % Empresa B % Vendas 1.870.000 100 1.870.000 100 Custos Variáveis 990.000 53 550.000 29 Margem de Contribuição 880.000 47 1.320.000 71 Custos e Despesas Fixas 560.000 960.000 Lucro Líquido Total 320.000 360.000 Assim, a Empresa A tende a ter flutuações menores em seus lucros, porque possui uma contribuição marginal mais baixa do que a Empresa B, que tem uma margem de contribuição percentual mais alta, mas também possui custos fixos em maior volume. A Empresa A tem estrutura mais conservadora, enquanto a Empresa B tem estrutura de custos com maior risco operacional. 5. Alavancagem Operacional Significa a possibilidade de acréscimo do lucro total pelo incremento da quantidade produzida e vendida, buscando a maximização do uso dos custos e despesas fixas. É dependente da margem de contribuição, ou seja, do impacto dos custos e despesas variáveis sobre o preço de venda unitário, e dos valores dos custos e despesas fixas. Alguns produtos têm alavancagem maior que outros, em virtude dessas variáveis. Aula 14 - Relações Custo-Volume-Lucro Alavancagem operacional é a medida do volume de quanto os custos fixos estão sendo usados dentro da organização. O termo alavancagem vem da possibilidade de levantar lucros líquidos em proporções maiores do que o normalmente esperado, por meio da alteração correta da proporção dos custos fixos na estrutura de custos da empresa. Custo Contábil O uso potencial dos custos operacionais serve para aumentar os efeitos das mudanças nas vendas sobre os lucros da empresa antes dos juros e impostos (LAJIR). O aumento nas vendas resulta em aumento mais que proporcional no LAJIR e vice-versa. Faculdade On-Line UVB 110
  • 6. Anotações do Aluno uvb Exemplo: Dados p = $10; v = $5; F = $2.500. Calcular LAJIR para aumento nas vendas de 50% e redução de 50%. Caso 1 Atual Caso 2 - 50% + 50% Vendas (unidades) 500 1.000 1.500 Receita $ 5.000 $ 10.000 $ 15.000 Custos Variáveis ($ 2.500) ($ 5.000) ($ 7.500) Custos Fixos ($ 2.500) ($ 2.500) ($ 2.500) LAJIR 0 $ 2.500 $ 5.000 Fórmula do Grau Alavancagem Operacional GAO = Variação % do lucro Variação % da quantidade Variação % do Lucro = Lucro Adicional Lucro Atual Variação% da Quantidade = Quantidade Adicional Quantidade Atual Exercício: A seguinte previsão financeira é baseada nos registros da Cia. Corado: Aula 14 - Relações Custo-Volume-Lucro Vendas (1.000 unidades x $ 500,00) ........................................$ 500.000,00 (-) Custo dos produtos Vendidos: Material Direto .......................................$ 140.000,00 Mão-de-obra direta ................................$ 80.000,00 Custos indiretos variáveis ......................$ 40.000,00 Custos indiretos fixos ......................... $ 20.000,00 ($ 280.000,00) Custo Contábil (=) Lucro Bruto ............................... ...................................................$ 220.000,00 (-) Despesas administrativas e de vendas: Variáveis ..............................................$ 90.000,00 Fixas .....................................................$ 80.000,00 ($ 170.000,00) (=) Lucro Operacional ............................................................... $ 50.000,00 Faculdade On-Line UVB 111
  • 7. Anotações do Aluno uvb Calcule: a)Ponto de Equilíbrio Contábil, em quantidade e valor, se as despesas fixas dobrarem. b)Ponto de Equilíbrio Financeiro, em quantidade e valor, sabendo que a depreciação representa 30% dos custos fixos. c)Ponto de Equilíbrio Econômico, sabendo que o lucro esperado pela empresa é de $ 75.000,00. d) Lucro Operacional, se as vendas diminuírem 30%. e)Grau de Alavancagem Operacional. f)Gráfico do Ponto de Equilíbrio, destacando: quantidade e receita no ponto de equilíbrio contábil e financeiro, Lucro Atual e Lucro Esperado. Síntese Nesta aula, vimos mais uma utilidade do conceito de Margem de Contribuição, por meio da qual conseguimos saber quanto a empresa deverá produzir e vender para manter-se em equilíbrio. Esse equilíbrio pode ser com lucro zero, com um certo lucro desejado pelo empresário ou com uma folga de caixa. Podemos, então, planejar o volume de produção e vendas para que a empresa possa produzir determinado volume de lucro ou para que consiga pagar seus custos, despesas e dívidas. Aula 14 - Relações Custo-Volume-Lucro Na próxima aula, estudaremos Decisões Utilizando a Margem de Contribuição. Não perca! Custo Contábil Faculdade On-Line UVB 112
  • 8. Anotações do Aluno uvb Referências CREPALDI, Silvio Aparecido. Curso Básico de Contabilidade de Custos. São Paulo: Atlas, 2005. LEONE, George S. G. Curso de Contabilidade de Custos. São Paulo: Atlas, 1997. MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2003. Aula 14 - Relações Custo-Volume-Lucro Custo Contábil Faculdade On-Line UVB 113