SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 58
Daniela Sousa nº14
Vanessa Costa nº25
Xavier Silva nº26
O que são ?
Métodos contracetivos são regimes
em que, através de uma ou várias
ações,
dispositivos
ou
medicamentos, é possível prevenir ou
reduzir a fecundação e/ou a nidação
isto é, reduzir a probabilidade de uma
mulher engravidar e o impedimento
da transmissão de DST’s, através do
uso do preservativo.
Métodos
Contracetivos

Irreversíveis

Reversíveis

Naturais

Não Naturais
Naturais vs Não Naturais

Estes
baseiam-se
no
conhecimento do período
fértil da mulher, ou seja, o
período
em
que
pode, eventualmente, oco
rrer
a
fecundação,
evitando
assim o cruzamento de
gâmetas e a consequente
fecundação.

Estes tanto impedem o encontro
entre os gâmetas, através de
diferentes dispositivos (métodos
mecânicos),
como
podem
também consistir na ingestão e
aplicação de substâncias que
matam os espermatozóides, os
espermicidas, ou que impedem a
ovulação, as hormonas ováricas
(métodos químicos).
Métodos Naturais

Método do
calendário

Coito
interrompido

Billings

Temperatura
basal

Método
Sintotérmico
Métodos Naturais
Calendário
Consiste na anotação dos ciclos menstruais
durante cerca de um ano. Após a
contagem, deve-se subtrair ao ciclo mais
curto 18 dias e ao mais longo 11 dias. O
intervalo entre ambos, do menor para o
maior, indica o espaço de tempo em que a
mulher se encontra no período mais fértil
dos seus ciclos, onde ocorre a ovulação e é
mais provável a ocorrência de uma

gravidez.
Métodos Naturais
Calendário
Exemplo:
Ciclo mais curto: 26 dias
26-18= 8

Ciclo mais longo: 30 dias
30-11=19

Então, o período mais fértil estará compreendido entre o oitavo e o
décimo nono dia do ciclo. Agora deverá ser praticada a abstinência neste

período de dias ou deve ser utilizado outro método contracetivo (por
exemplo, o preservativo).
Nota: o primeiro dia do ciclo é o primeiro dia da menstruação.
Métodos Naturais
Calendário
Vantagens

Desvantagens

 Pode ser usado para prevenir Pouco eficaz;
ou planear uma gravidez;
 A mulher passa a conhecer
melhor o seu corpo;

 Não interfere com a fertilidade
(como o DIU [3meses após a
remoção ate voltar a ser fértil])
 Não tem efeitos secundários;
 Não há custos.

Não evita DST’S
Métodos Naturais
Temperatura
Método que consiste em medir
diariamente a temperatura basal
rectal pela manhã.
Após a ovulação, a temperatura
sobe aproximadamente 1ºC.
Métodos Naturais
Métodos Naturais
Método da Temperatura
Vantagens

Desvantagens



Implica a observação do corpo;  Tem



Muito utilizado por quem prevenção da gravidez;

Não

necessita

financeiros;


Não

apresenta

secundários.

eficácia

para

a

 Exige muita disciplina.

deseja engravidar;


pouca

de

gastos  Algumas doenças que provocam
febre podem confundir as anotações
efeitos da temperatura;

 Exige abstinência sexual;
 Não previne contra as DST’S.
Métodos Naturais
Infértil

Billings
Consiste na análise da variação da
consistência do muco cervival
produzido pelas glândulas do colo
do útero. O muco é mais viscoso
perto da ovulação e mais fluido
perto da menstruação. O casal só
deverá ter relações sexuais uns dias
antes e após a ocorrência do muco
mais viscoso.

Fértil
Métodos Naturais
Billings
Vantagens

Desvantagens

 Pode ser usado para prevenir  Exige da mulher muita disciplina;

ou planear uma gravidez;

 A mulher tem que ficar longos períodos

 A mulher passa a conhecer sem ter relações sexuais com penetração
melhor o seu corpo;

ou usar outro método contracetivos

 Não necessita de prescrição durante o período fértil;
médica;

 O risco de gravidez é maior que o de

 Não tem efeitos secundários;

outros métodos;

 Não há custos.

 Não evita DST’S
Métodos Naturais
Coito interrompido e Sintotérmico
Coito interrompido
Remoção do pénis antes da ejaculação.
Sintotérmico
É uma junção do método de Billings com o método da temperatura.
Consiste na observação do muco cervical, que indica o período fértil da mulher
quando o seu aspeto é mais fluido assim como o controlo da temperatura.
Também outros sinais externos, como uma cólica, devem ser tomados em
conta porque podem indicar a libertação do oócito. Além disso, pode e deve
ser utilizado em conjunto com o método do calendário. Terá de haver
abstinência sexual durante um determinado espaço de tempo (período fértil).
Métodos Não Naturais

Preservativo

Pílula

Diafragma

DIu

Adesivo

Laqueação
Métodos Não Naturais
Métodos não Naturais

Químicos

Mecânicos

Cirurgicos
Métodos Não Naturais
Métodos Mecânicos (Barreira)
São aqueles que impedem o encontro entre os gâmetas, ou seja, o
encontro dos espermatezóides com o oócito II, evitando assim a
fecundação.

Estes métodos têm que ser colocados antes do ato sexual.
Métodos Não Naturais
É um dispositivo de borracha com um aro flexível e impede o os espermatozoides
atinjam o útero, “impossibilitando” a fecundação. O seu tamanho tem que ser
avaliado por um médico para ser eficiente.Este só deve ser retirado da vagina
após 6 a 8 horas do ato. Deve também ser lavado com água fria e sabão
neutro, limpo e guardado em condições próprias.
Nota: para que a sua eficácia aumente, deve ser utilizado juntamente com os

espermicidas, sendo que estes devem ser aplicados na parte côncava do
diafragma e, se desejado, podem ser aplicados na vagina.
Métodos Não Naturais
Métodos Não Naturais
Vantagens

Desvantagens
Não protege contra as DST’S;

 Pode ser usado em todas as fases
de vida da mulher;

 Riscos de odor fétido e corrimento

 Não atrapalha a relação sexual;

 Não faz mal à saúde e não
interfere no ciclo menstrual;
 Pode

ser usado

 Possui uma eficácia mais baixa;

com creme

espermicida e com preservativo;

vaginal;
 Alergia

ao

diafragma

ou

ao

espermicida;
 Infeções urinárias;

 É necessário alguma prática para
colocá-lo sem que cause desconforto;
Métodos Não Naturais
DIU
Dispositivo anticoncecional feito de plástico que
pode conter cobre ou hormonas e que é
inserido no útero da mulher por um
ginecologista, podendo ter diversos formatos.
O DIU feito com cobre liberta sais deste material
que têm uma ação espermicida, impedindo que
haja fecundação e alterando a estrutura do
endométrio, impedindo que ocorra a nidação.
Pode estimular uma reação inflamatória no
útero que também é contracetiva. Os DIU que
libertam hormonas podem impedir a
ovulação, mas atuam principalmente ao nível do
endométrio, impedindo a nidação.
Métodos Não Naturais
DIU
Vantagens

Desvantagens

 Grande eficácia;

 Não previne contra as DST’s;

Não interfere com o ato sexual;

Necessita de acompanhamento
médico;

Tem um
utilização;

longo

período

de
A mulher pode não se adaptar à
sua colocação;

Utilizado para o tratamento de
hemorragias vaginais.
Cólicas menstruais mais intensas.
Métodos Não Naturais
Preservativo Feminino
É constituido por um tubo de poliuretano
com uma extremidade fechada. Contém
dois anéis do mesmo material em cada
ponta, um deles dentro do invólucro que se
encontra solto para facilitar a colocação do
preservativo e a consequente fixação na
vagina.
Métodos Não Naturais
Métodos Não Naturais
Preservativo Feminino
Vantagens

Desvantagens

Eficaz (se usado correctamente);

Diminui a sensação vaginal;

Protege contra as DSTs;

Elevado custo.

É mais resistente do que o
preservativo masculino;
Sem efeitos secundários.
Métodos Não Naturais
Preservativo Masculino
É um protetor de látex (borracha muito fina)
aberto de um lado e fechado do outro que
se desenrola no pénis ereto antes da
penetração. Aquando da ejaculação, o
esperma deposita-se no seu interior,
impedindo que os espermatozoides atinjam
o aparelho reprodutor feminino.
Modo de aplicação do
preservativo masculino
Métodos Não Naturais
Preservativo Masculino
Vantagens

Desvantagens

Eficaz
(se
correctamente)

usado Tem de se adquirir antes de se ter
relações sexuais;

Protege contra as DSTs;

É muito frágil – possibilidade de se
romper.

Fácil de transportar e de
comprar;
Só pode ser utilizado uma vez
Sem
físicos.

efeitos

secundários
Métodos Não Naturais
Métodos Químicos (Hormonais)
Têm como objectivo evitar o surgimento de uma gravidez, utilizando, para
isso, dispositivos ou medicamentos constituídos por hormonas que vão
actuar ao nível dos ovários e do útero.
Métodos Não Naturais
Espermicidas
Os espermicidas são produtos
químicos de aplicação local, cuja
ação consiste em neutralizar os
espermatozoides (diminuindo a sua
vitalidade) ou fazer uma barreira
que impede a passagem do
esperma para o útero.
Métodos Não Naturais
Espermicidas
Vantagens

Desvantagens

 É de simples utilização;
 Aumenta

a

lubrificação

da  Podem causar reacções alérgicas;
 O espaço de tempo entre a aplicação

vagina;
 Pode

 Não protegem das DST’S;

ser

utilizado

como do espermicida e a relação sexual deve

suplemento de outros métodos ser cerca de 30 minutos;
contraceptivos;

 A mulher só se deve lavar 6 a 8 horas

 As esponjas e os cremes têm um após a relação sexual.
inicio de acção mais rápido.
Métodos Não Naturais
Pílula
Cada comprimido da pílula possui hormonas sintéticas
semelhantes às que são produzidas pelos ovários logo, o
período fértil deixa de existir e a mulher não engravida.
No final do período de pausa ocorre uma hemorragia
que não é uma verdadeira menstruação (uma vez que a
pílula inibe as ovulações ) O que ocorre é a chamada
“hemorragia de privação” embora as pessoas
vulgarmente chamem de menstruação. Com a toma
correta da pílula a “ menstruação” é regulada, podendo
ser então previda. Geralmente as hemorragias são
menos intensas e duram menos tempo que a verdadeira
menstruação. Vómitos e diarreia cortam o efeito da
pílula devendo assim ser usado outro método
contracetivo aquando destas situações.
Métodos Não Naturais
Pílula
Vantagens
 Menos dores menstruais;

Desvantagens
 Não previne contra DST’s;

 Menor risco de cancro do ovário e Exige um cuidado e compromisso por
do endométrio

parte da mulher;
Podem aparecer dores de cabeça,
tensão mamára e retenção de líquidos.

Esquecimentos superiores a 12 horas são perigosos e superiores a 24 horas
devem ser comunicados a um profissional de saúde.
Mulheres com problemas no fígado, acidentes tromboembólicos ou
vasculares não devem tomar a pílula combinada.
Métodos Não Naturais
• Pilulas combinadas: estrogénios e progesterona
sintéticos. Geralmente são tomadas durante 21
dias, seguidos de um período de pausa.
• Pílulas
microprogestativas:
só
contêm
progesterona
sintética.
São
tomadas
diariamente, sem interrupção.
• Não bloqueiam a ovulação, pelo que a sua eficácia
é menor. O muco cervical sofre as alterações
normais, com uma certa impermeabilização do
útero aos espermatozoides.
• Aconselhado a mulheres que não podem tomar as
pílulas combinadas e para as que pretendem
amamentar porque o estrogénio provoca uma
diminuição da quantidade de leite.
Métodos Não Naturais
Pílula do dia Seguinte
É um contracetivo de emergência, constituído por levonorgestrel.
É uma pílula que é utilizada até um prazo de 72 horas após o ato sexual.
 Evita uma gravidez após uma relação sem proteção.
 Aumenta o pH da vagina, eliminando os espermatezóides, evitando assim
a fecundação.
 Inibe também a nidação.
Métodos Não Naturais
Pílula do dia Seguinte
Vantagens

Desvantagens

 Inibe a gravidez após uma relação  Náusea;
mal protegida.

 Dores abdominais;

Não interfere com a utilização  Fadiga;
regular da pílula anticoncepcional;

 Dor de cabeça;

Não afecta a fertilidade a longo  Distúrbio no ciclo menstrual;

prazo;

 Tensão mamária;

Pode ser usado pela mulher após  Diarreia;
o acto sexual;

Se tomada regularmente poderá levar
à infertilidade.
Métodos Não Naturais
Anel vaginal
Oferece
uma
baixa
dose
hormonal, mas com ótima eficácia.
O anel vaginal só se aplica uma vez em
cada ciclo.
Devido à sua flexibilidade, garante
uma adequada adaptação aos
contornos vaginais, impedindo a
ovulação.
Métodos Não Naturais
Anel Vaginal
Vantagens

Desvantagens

 Não interfere no ato sexual;

 Exige habilidade de colocação;

É um método reversível;

Algumas

mulheres

sentem

Provoca uma menstruação mais desconforto;
curta, regular e com menos dores;

Pode provocar variação de peso;

Protege contra cancro nos ovários Pode provocar irritação vaginal;
e / ou no colo do útero;
Em caso de vómitos / diarreira
mantém a eficácia total inicial.

Não previne contra DST’s.
Métodos Não Naturais
Adesivo
É um método semelhante à pílula e ao anel vaginal. Consiste na libertação
de hormonas parecidas às que são produzidas nos ovários diretamente da
pele para a corrente sanguínea, impedindo a ovulação e provocando o
espessamento do muco cervical.
Métodos Não Naturais
Adesivo
Vantagens

Desvantagens

 É mudado apenas uma vez por Sensibilidade nos seios;
semana;

Não protege contra DST’s;

É de fácil utilização;

Dor de cabeça;

Não interfere com o ato sexual;

Irritação

da

pele

no

local

da

A sua eficácia não é posta em aplicação;
causa devido a vómitos ou diarreia;

Náuseas;

É reversível ;

Aumento dos riscos se for fumadora.

Não interfere no quotidiano.
Métodos Não Naturais
Implante subcutâneo
É um método contracetivo que contem progestativo, semelhante à
progesterona. Este inibe a ovulação e torna o muco cervical mais espesso. A
sua duração é de certca de três anos, podendo durar um pouco mais. Este
provoca alterações a nível do ciclo menstrual, pois pode não existir perdas
de sangue durante os três anos ou estas podem ser irregulares e
imprevisíveis, no entanto, após a sua remoção os ciclos normalizam de
imediato. Há que ter em conta que é necessária vigilância médica anual e
que este método não previne contra DST’s.

Nota: antes da aplicação deve ser feito um exame médico de forma a avaliar
o historial completo da mulher.
Métodos Não Naturais
Contraceção Cirurgica
São métodos de contraceção
definitivos, ou seja, irreversíveis,
que consistem no corte dos canais
deferentes do homem ou as
trompas de Falópio da mulher,
impedindo assim a saída de
espermatozóides ou a passagem
dele nas trompas podendo atingir
o oócito II, impossibilitando assim
o encontro entre os gâmetas, ou
seja, impedindo a fecundação.
Métodos Não Naturais
Laqueação das trompas de Falópio
Consiste numa cirurgia feita na mulher em que é cortada ou amarrada as
suas trompas de Falópio, impedindo a passagem do óvulo.
Corte

Corte
Métodos Não Naturais
Laqueação das trompas de Falópio
Vantagens

Desvantagens

 A mulher não necessita de utilizar O processo cirgurcido pode envolver
mais nenhum meio para evitar a alguns riscos exigindo exames prégravidez;

operatórios, internamento e anestesia;

A eficácia é de 100%;

É irreversível;

Não tem efeitos secundários;

Não protege contra DST’s;

Apenas usado em mulheres com
idade superior a 25.
Métodos Não Naturais
Vasectomia
Consiste em cortar ou amarrar os canais deferentes do homem,
impedindo que os espermatozóides produzidos nos testiculos não sejam
expelidos durante a ejaculação, evitando assim a gravidez.
Métodos Não Naturais
Vasectomia
Vantagens

Desvantagens

 O homem não necessita de O processo cirgurcido pode envolver alguns

utilizar mais nenhum meio riscos exigindo exames pré-operatórios;
contracetivo;

Não protege contra DST’s;

A eficácia é de 100%;

Usado em homens com mais de 25 anos;

Não altera o desempenho É
sexual.

necessário

utilizar

outro

método

contracetivo durante as próximas ejaculações
após a cirurgia
É irreversível.
Eficácia
Eficácia dos métodos contracetivos, usados de forma ideal , durante o
primeiro ano:
Pílula combinada – 99.5 a 99.97 %
Implante subcutâneo – 99.8 a 100 %
SIU com levonorgestrel – 99.8 a 99.91 %
Laqueação das trompas de Falópio – 99.95 %
Injeções hormonais – 99.1 – 99.97 %
Pílula só com progesterona – 95.7 a 99.6 %
DIU – 99 a 99.5 %
Vasectomia – 99.85 a 99.9 %
Adesivo contracetivo – 99.12 – 99.3 %
Eficácia
Anel vaginal – 98.77 %
Temperatura – 98%
Preservativo masculino – 86 a 97%
Preservativo feminino – 79 a 95%
Muco cervical – 80 a 91%
Diafragma – 80 a 94%
Espermicidas – 74 a 94%
Coito interrompido – 81 a 96%
Calendário – 75 a 91%
Contraceção de emergência – “pilula do dia seguinte” com
levonorgestrel - 60 a 95% (dependendo da altura da toma (aconselhado
até 72 horas do ato, sendo que pode ser ingerida ainda até 5 dias após o
ato uma vez que a implantação do embrião no endométrio ocorre por volta
do sexto dia após a fecundação)).
Evolução
100 D.C

D.C

450 A.C

1550

1850

1880
Evolução
1930

1962

1930

1930

1970

2001






O homem e/ou a mulher ao escolher/em o método contracetivo a
utilizar tem que ter em conta diversos fatores, tais como:
Idade;
Número de filhos;
Compreensão e tolerância ao método;
O querer ou não ter filhos no futuro;
A existência de doenças e alergias que possam vir a agravar-se
devido a determinados métodos.
No entanto, há que se destacar a necessidade da permanente
utilização dos métodos contracetivos de barreira, nomeadamente
os preservativos, para, só assim, prevenir as DST’s que podem ser
transmitidas durante o ato sexual.
DST’s
Gonorreia

Candídiase

Hepatide B

DST’s

Herpes
genital

SIDA

Sífilis
Gonorreia
Sintomas:
Inflamação

do

colo

do

útero,

transtornos menstruais, uretrite no

homem, secreção amarelada

Transmissão da doença:
Contato sexual, toalhas e roupa
interior.
Hepatite B

• Sintomas: Hepatite, cirrose, urina
de cor escura.
• Transmissão

Sangue,
vaginal,

da

doença:

esperma,

secreção

via

materno, saliva.

placenta,

leite
SIDA

Sintomas: Anemia, febre, perda de
peso, alterações imunitárias.
Transmissão da doença: Sangue,

esperma,

secreção

placenta, leite materno.

vaginal,

via
Candidíase
Sintomas: Picadas ao

urinar, comichão, fluxo vaginal
muito abundante.
Transmissão da doença: Contato

sexual, roupa
interior, toalhas, roupa húmida.
Sífilis
Sintomas:
genitais,

Inicialmente
que

não

se

úlceras
curam.

Posteriormente lesões na pele e nas
mucosas.

Transmissão da doença: Contato
sexual e via placentária.
Herpes Genital
Sintomas: Lesões vesiculares nos
órgãos genitais externos.

Transmissão da doença: Contato
sexual

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiroguest155834
 
(2) património genético
(2) património genético(2) património genético
(2) património genéticoHugo Martins
 
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa Ana Cristina Matias
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasAna Tapadas
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimoDina Baptista
 
Memorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMemorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMiguelavRodrigues
 
5- MÉTODOS CONTRACEPTIVOS
5- MÉTODOS CONTRACEPTIVOS5- MÉTODOS CONTRACEPTIVOS
5- MÉTODOS CONTRACEPTIVOSsandranascimento
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauMaria Freitas
 
Num bairro moderno
Num bairro modernoNum bairro moderno
Num bairro modernoaramalho340
 
Memorial do Convento-Dimensão simbólica
Memorial do Convento-Dimensão simbólicaMemorial do Convento-Dimensão simbólica
Memorial do Convento-Dimensão simbólicananasimao
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisDina Baptista
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoAlexandra Canané
 
Resumo do conto george
Resumo do conto georgeResumo do conto george
Resumo do conto georgeestado
 
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenhoAnálise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenhoRicardo Santos
 
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando PessoaPoema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando PessoaDina Baptista
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"MiguelavRodrigues
 

Mais procurados (20)

Baltasar e Blimunda
Baltasar e Blimunda Baltasar e Blimunda
Baltasar e Blimunda
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
 
(2) património genético
(2) património genético(2) património genético
(2) património genético
 
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
Memorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMemorial do convento - Personagens
Memorial do convento - Personagens
 
5- MÉTODOS CONTRACEPTIVOS
5- MÉTODOS CONTRACEPTIVOS5- MÉTODOS CONTRACEPTIVOS
5- MÉTODOS CONTRACEPTIVOS
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
 
Num bairro moderno
Num bairro modernoNum bairro moderno
Num bairro moderno
 
Memorial do Convento-Dimensão simbólica
Memorial do Convento-Dimensão simbólicaMemorial do Convento-Dimensão simbólica
Memorial do Convento-Dimensão simbólica
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
Resumo do conto george
Resumo do conto georgeResumo do conto george
Resumo do conto george
 
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenhoAnálise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
 
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando PessoaPoema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
 
Memorial Do Convento
Memorial Do ConventoMemorial Do Convento
Memorial Do Convento
 
Pílula
PílulaPílula
Pílula
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
A fragmentação do eu
A fragmentação do euA fragmentação do eu
A fragmentação do eu
 

Destaque

Produção de proteínas farmacêuticas
Produção de proteínas farmacêuticas Produção de proteínas farmacêuticas
Produção de proteínas farmacêuticas Daniela Filipa Sousa
 
Organismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificadosOrganismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificadosDaniela Filipa Sousa
 
O menino da sua mãe - Fernando Pessoa Ortonimo
O menino da  sua mãe - Fernando Pessoa OrtonimoO menino da  sua mãe - Fernando Pessoa Ortonimo
O menino da sua mãe - Fernando Pessoa OrtonimoDaniela Filipa Sousa
 
Relatório da visita ao Geoparque de Arouca
Relatório da visita ao Geoparque de AroucaRelatório da visita ao Geoparque de Arouca
Relatório da visita ao Geoparque de AroucaDaniela Filipa Sousa
 
Quadro comparativo dos Métodos Contraceptivos
Quadro comparativo dos Métodos ContraceptivosQuadro comparativo dos Métodos Contraceptivos
Quadro comparativo dos Métodos ContraceptivosAtuaescola
 
Sandro Botticelli - O nascimento de vénus
Sandro Botticelli - O nascimento de vénusSandro Botticelli - O nascimento de vénus
Sandro Botticelli - O nascimento de vénusDaniela Filipa Sousa
 
Metodos Naturais
Metodos Naturais Metodos Naturais
Metodos Naturais DarkWolf
 
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidadeHugo Martins
 
David Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VIDavid Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VImluisavalente
 
Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivosGerson Melo
 
Biologia – 12º Ano (ReproduçãO Humana E ManipulaçãO Da Fertilidade)
Biologia – 12º Ano (ReproduçãO Humana E ManipulaçãO Da Fertilidade)Biologia – 12º Ano (ReproduçãO Humana E ManipulaçãO Da Fertilidade)
Biologia – 12º Ano (ReproduçãO Humana E ManipulaçãO Da Fertilidade)Nuno Correia
 
O empirismo de David Hume PTT
O empirismo de David Hume PTTO empirismo de David Hume PTT
O empirismo de David Hume PTTJoaquim Melro
 
Métodos Anticoncepcionais
Métodos AnticoncepcionaisMétodos Anticoncepcionais
Métodos Anticoncepcionaisfabiozb
 
Os Maias - a ação & titulo e subtítulo
Os Maias - a ação & titulo e subtítuloOs Maias - a ação & titulo e subtítulo
Os Maias - a ação & titulo e subtítuloDaniela Filipa Sousa
 

Destaque (20)

80s decade
80s decade80s decade
80s decade
 
Produção de proteínas farmacêuticas
Produção de proteínas farmacêuticas Produção de proteínas farmacêuticas
Produção de proteínas farmacêuticas
 
Organismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificadosOrganismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificados
 
poema bucólica
poema bucólicapoema bucólica
poema bucólica
 
O menino da sua mãe - Fernando Pessoa Ortonimo
O menino da  sua mãe - Fernando Pessoa OrtonimoO menino da  sua mãe - Fernando Pessoa Ortonimo
O menino da sua mãe - Fernando Pessoa Ortonimo
 
Relatório da visita ao Geoparque de Arouca
Relatório da visita ao Geoparque de AroucaRelatório da visita ao Geoparque de Arouca
Relatório da visita ao Geoparque de Arouca
 
Quadro comparativo dos Métodos Contraceptivos
Quadro comparativo dos Métodos ContraceptivosQuadro comparativo dos Métodos Contraceptivos
Quadro comparativo dos Métodos Contraceptivos
 
Sandro Botticelli - O nascimento de vénus
Sandro Botticelli - O nascimento de vénusSandro Botticelli - O nascimento de vénus
Sandro Botticelli - O nascimento de vénus
 
Metodos Naturais
Metodos Naturais Metodos Naturais
Metodos Naturais
 
Empirismo de Hume
Empirismo de HumeEmpirismo de Hume
Empirismo de Hume
 
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade
 
David Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VIDavid Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VI
 
Racionalismo - Descartes
Racionalismo - Descartes  Racionalismo - Descartes
Racionalismo - Descartes
 
Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivos
 
Biologia – 12º Ano (ReproduçãO Humana E ManipulaçãO Da Fertilidade)
Biologia – 12º Ano (ReproduçãO Humana E ManipulaçãO Da Fertilidade)Biologia – 12º Ano (ReproduçãO Humana E ManipulaçãO Da Fertilidade)
Biologia – 12º Ano (ReproduçãO Humana E ManipulaçãO Da Fertilidade)
 
O empirismo de David Hume PTT
O empirismo de David Hume PTTO empirismo de David Hume PTT
O empirismo de David Hume PTT
 
Métodos Anticoncepcionais
Métodos AnticoncepcionaisMétodos Anticoncepcionais
Métodos Anticoncepcionais
 
Métodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosMétodos Contraceptivos
Métodos Contraceptivos
 
O racionalismo de Descartes
O racionalismo de DescartesO racionalismo de Descartes
O racionalismo de Descartes
 
Os Maias - a ação & titulo e subtítulo
Os Maias - a ação & titulo e subtítuloOs Maias - a ação & titulo e subtítulo
Os Maias - a ação & titulo e subtítulo
 

Semelhante a biologia 12º - Metodos contracetivos

Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, VitorMétodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitorjluis505
 
Métodos contracetivos; trabalhos de alunos
Métodos contracetivos; trabalhos de alunos Métodos contracetivos; trabalhos de alunos
Métodos contracetivos; trabalhos de alunos Sofia Ribeiro
 
Mtodos contraceptivos
Mtodos contraceptivosMtodos contraceptivos
Mtodos contraceptivosmiguelpim
 
Métodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosMétodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosPeses Ourique
 
Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivosTânia Reis
 
MÉTODOS CONTRACEPTIVOS
MÉTODOS CONTRACEPTIVOSMÉTODOS CONTRACEPTIVOS
MÉTODOS CONTRACEPTIVOSgmmma
 
Fecundação e métodos contracetivos
Fecundação e métodos contracetivosFecundação e métodos contracetivos
Fecundação e métodos contracetivosluizinhovlr
 
métodos contracetivos
 métodos contracetivos métodos contracetivos
métodos contracetivosIsabel Lopes
 
Planeamento familiar
Planeamento familiarPlaneamento familiar
Planeamento familiarZaara Miranda
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivosRazvan Balaci
 
Helena reis 333 novo apresenta+º+úo do microsoft power_point (2)
Helena reis 333 novo apresenta+º+úo do microsoft power_point (2)Helena reis 333 novo apresenta+º+úo do microsoft power_point (2)
Helena reis 333 novo apresenta+º+úo do microsoft power_point (2)Angela Boucinha
 
5 mtodos-contracep-1233068264563111-3
5 mtodos-contracep-1233068264563111-35 mtodos-contracep-1233068264563111-3
5 mtodos-contracep-1233068264563111-3Pelo Siro
 
Métodos contraceptivos humanos
Métodos contraceptivos humanosMétodos contraceptivos humanos
Métodos contraceptivos humanosClécio Bubela
 

Semelhante a biologia 12º - Metodos contracetivos (20)

Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, VitorMétodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
 
Métodos contracetivos; trabalhos de alunos
Métodos contracetivos; trabalhos de alunos Métodos contracetivos; trabalhos de alunos
Métodos contracetivos; trabalhos de alunos
 
Mtodos contraceptivos
Mtodos contraceptivosMtodos contraceptivos
Mtodos contraceptivos
 
Métodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosMétodos Contraceptivos
Métodos Contraceptivos
 
Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivos
 
Métodos Contracetivos
Métodos ContracetivosMétodos Contracetivos
Métodos Contracetivos
 
MÉTODOS CONTRACEPTIVOS
MÉTODOS CONTRACEPTIVOSMÉTODOS CONTRACEPTIVOS
MÉTODOS CONTRACEPTIVOS
 
Fecundação e métodos contracetivos
Fecundação e métodos contracetivosFecundação e métodos contracetivos
Fecundação e métodos contracetivos
 
métodos contracetivos
 métodos contracetivos métodos contracetivos
métodos contracetivos
 
ContracepçAo
ContracepçAoContracepçAo
ContracepçAo
 
Planeamento familiar
Planeamento familiarPlaneamento familiar
Planeamento familiar
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivos
 
Helena reis 333 novo apresenta+º+úo do microsoft power_point (2)
Helena reis 333 novo apresenta+º+úo do microsoft power_point (2)Helena reis 333 novo apresenta+º+úo do microsoft power_point (2)
Helena reis 333 novo apresenta+º+úo do microsoft power_point (2)
 
Contraceptivos
ContraceptivosContraceptivos
Contraceptivos
 
5 mtodos-contracep-1233068264563111-3
5 mtodos-contracep-1233068264563111-35 mtodos-contracep-1233068264563111-3
5 mtodos-contracep-1233068264563111-3
 
Métodos contraceptivos humanos
Métodos contraceptivos humanosMétodos contraceptivos humanos
Métodos contraceptivos humanos
 
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
 
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
 

Mais de Daniela Filipa Sousa

Mais de Daniela Filipa Sousa (6)

The Eighties
The Eighties The Eighties
The Eighties
 
Tuberculose - 12ºano Biologia
Tuberculose - 12ºano BiologiaTuberculose - 12ºano Biologia
Tuberculose - 12ºano Biologia
 
Mutações - Biologia 12º
Mutações - Biologia 12º Mutações - Biologia 12º
Mutações - Biologia 12º
 
Ana and mia
Ana and mia Ana and mia
Ana and mia
 
Quem foi Padre António Vieira
Quem foi Padre António VieiraQuem foi Padre António Vieira
Quem foi Padre António Vieira
 
Evolucionismo vs Fixismo
Evolucionismo vs Fixismo Evolucionismo vs Fixismo
Evolucionismo vs Fixismo
 

Último

PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasCasa Ciências
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 

Último (20)

PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 

biologia 12º - Metodos contracetivos

  • 1. Daniela Sousa nº14 Vanessa Costa nº25 Xavier Silva nº26
  • 2. O que são ? Métodos contracetivos são regimes em que, através de uma ou várias ações, dispositivos ou medicamentos, é possível prevenir ou reduzir a fecundação e/ou a nidação isto é, reduzir a probabilidade de uma mulher engravidar e o impedimento da transmissão de DST’s, através do uso do preservativo.
  • 4. Naturais vs Não Naturais Estes baseiam-se no conhecimento do período fértil da mulher, ou seja, o período em que pode, eventualmente, oco rrer a fecundação, evitando assim o cruzamento de gâmetas e a consequente fecundação. Estes tanto impedem o encontro entre os gâmetas, através de diferentes dispositivos (métodos mecânicos), como podem também consistir na ingestão e aplicação de substâncias que matam os espermatozóides, os espermicidas, ou que impedem a ovulação, as hormonas ováricas (métodos químicos).
  • 6. Métodos Naturais Calendário Consiste na anotação dos ciclos menstruais durante cerca de um ano. Após a contagem, deve-se subtrair ao ciclo mais curto 18 dias e ao mais longo 11 dias. O intervalo entre ambos, do menor para o maior, indica o espaço de tempo em que a mulher se encontra no período mais fértil dos seus ciclos, onde ocorre a ovulação e é mais provável a ocorrência de uma gravidez.
  • 7. Métodos Naturais Calendário Exemplo: Ciclo mais curto: 26 dias 26-18= 8 Ciclo mais longo: 30 dias 30-11=19 Então, o período mais fértil estará compreendido entre o oitavo e o décimo nono dia do ciclo. Agora deverá ser praticada a abstinência neste período de dias ou deve ser utilizado outro método contracetivo (por exemplo, o preservativo). Nota: o primeiro dia do ciclo é o primeiro dia da menstruação.
  • 8. Métodos Naturais Calendário Vantagens Desvantagens  Pode ser usado para prevenir Pouco eficaz; ou planear uma gravidez;  A mulher passa a conhecer melhor o seu corpo;  Não interfere com a fertilidade (como o DIU [3meses após a remoção ate voltar a ser fértil])  Não tem efeitos secundários;  Não há custos. Não evita DST’S
  • 9. Métodos Naturais Temperatura Método que consiste em medir diariamente a temperatura basal rectal pela manhã. Após a ovulação, a temperatura sobe aproximadamente 1ºC.
  • 11. Métodos Naturais Método da Temperatura Vantagens Desvantagens  Implica a observação do corpo;  Tem  Muito utilizado por quem prevenção da gravidez; Não necessita financeiros;  Não apresenta secundários. eficácia para a  Exige muita disciplina. deseja engravidar;  pouca de gastos  Algumas doenças que provocam febre podem confundir as anotações efeitos da temperatura;  Exige abstinência sexual;  Não previne contra as DST’S.
  • 12. Métodos Naturais Infértil Billings Consiste na análise da variação da consistência do muco cervival produzido pelas glândulas do colo do útero. O muco é mais viscoso perto da ovulação e mais fluido perto da menstruação. O casal só deverá ter relações sexuais uns dias antes e após a ocorrência do muco mais viscoso. Fértil
  • 13. Métodos Naturais Billings Vantagens Desvantagens  Pode ser usado para prevenir  Exige da mulher muita disciplina; ou planear uma gravidez;  A mulher tem que ficar longos períodos  A mulher passa a conhecer sem ter relações sexuais com penetração melhor o seu corpo; ou usar outro método contracetivos  Não necessita de prescrição durante o período fértil; médica;  O risco de gravidez é maior que o de  Não tem efeitos secundários; outros métodos;  Não há custos.  Não evita DST’S
  • 14. Métodos Naturais Coito interrompido e Sintotérmico Coito interrompido Remoção do pénis antes da ejaculação. Sintotérmico É uma junção do método de Billings com o método da temperatura. Consiste na observação do muco cervical, que indica o período fértil da mulher quando o seu aspeto é mais fluido assim como o controlo da temperatura. Também outros sinais externos, como uma cólica, devem ser tomados em conta porque podem indicar a libertação do oócito. Além disso, pode e deve ser utilizado em conjunto com o método do calendário. Terá de haver abstinência sexual durante um determinado espaço de tempo (período fértil).
  • 16. Métodos Não Naturais Métodos não Naturais Químicos Mecânicos Cirurgicos
  • 17. Métodos Não Naturais Métodos Mecânicos (Barreira) São aqueles que impedem o encontro entre os gâmetas, ou seja, o encontro dos espermatezóides com o oócito II, evitando assim a fecundação. Estes métodos têm que ser colocados antes do ato sexual.
  • 18. Métodos Não Naturais É um dispositivo de borracha com um aro flexível e impede o os espermatozoides atinjam o útero, “impossibilitando” a fecundação. O seu tamanho tem que ser avaliado por um médico para ser eficiente.Este só deve ser retirado da vagina após 6 a 8 horas do ato. Deve também ser lavado com água fria e sabão neutro, limpo e guardado em condições próprias. Nota: para que a sua eficácia aumente, deve ser utilizado juntamente com os espermicidas, sendo que estes devem ser aplicados na parte côncava do diafragma e, se desejado, podem ser aplicados na vagina.
  • 20. Métodos Não Naturais Vantagens Desvantagens Não protege contra as DST’S;  Pode ser usado em todas as fases de vida da mulher;  Riscos de odor fétido e corrimento  Não atrapalha a relação sexual;  Não faz mal à saúde e não interfere no ciclo menstrual;  Pode ser usado  Possui uma eficácia mais baixa; com creme espermicida e com preservativo; vaginal;  Alergia ao diafragma ou ao espermicida;  Infeções urinárias;  É necessário alguma prática para colocá-lo sem que cause desconforto;
  • 21. Métodos Não Naturais DIU Dispositivo anticoncecional feito de plástico que pode conter cobre ou hormonas e que é inserido no útero da mulher por um ginecologista, podendo ter diversos formatos. O DIU feito com cobre liberta sais deste material que têm uma ação espermicida, impedindo que haja fecundação e alterando a estrutura do endométrio, impedindo que ocorra a nidação. Pode estimular uma reação inflamatória no útero que também é contracetiva. Os DIU que libertam hormonas podem impedir a ovulação, mas atuam principalmente ao nível do endométrio, impedindo a nidação.
  • 22. Métodos Não Naturais DIU Vantagens Desvantagens  Grande eficácia;  Não previne contra as DST’s; Não interfere com o ato sexual; Necessita de acompanhamento médico; Tem um utilização; longo período de A mulher pode não se adaptar à sua colocação; Utilizado para o tratamento de hemorragias vaginais. Cólicas menstruais mais intensas.
  • 23. Métodos Não Naturais Preservativo Feminino É constituido por um tubo de poliuretano com uma extremidade fechada. Contém dois anéis do mesmo material em cada ponta, um deles dentro do invólucro que se encontra solto para facilitar a colocação do preservativo e a consequente fixação na vagina.
  • 25. Métodos Não Naturais Preservativo Feminino Vantagens Desvantagens Eficaz (se usado correctamente); Diminui a sensação vaginal; Protege contra as DSTs; Elevado custo. É mais resistente do que o preservativo masculino; Sem efeitos secundários.
  • 26. Métodos Não Naturais Preservativo Masculino É um protetor de látex (borracha muito fina) aberto de um lado e fechado do outro que se desenrola no pénis ereto antes da penetração. Aquando da ejaculação, o esperma deposita-se no seu interior, impedindo que os espermatozoides atinjam o aparelho reprodutor feminino.
  • 27. Modo de aplicação do preservativo masculino
  • 28. Métodos Não Naturais Preservativo Masculino Vantagens Desvantagens Eficaz (se correctamente) usado Tem de se adquirir antes de se ter relações sexuais; Protege contra as DSTs; É muito frágil – possibilidade de se romper. Fácil de transportar e de comprar; Só pode ser utilizado uma vez Sem físicos. efeitos secundários
  • 29. Métodos Não Naturais Métodos Químicos (Hormonais) Têm como objectivo evitar o surgimento de uma gravidez, utilizando, para isso, dispositivos ou medicamentos constituídos por hormonas que vão actuar ao nível dos ovários e do útero.
  • 30. Métodos Não Naturais Espermicidas Os espermicidas são produtos químicos de aplicação local, cuja ação consiste em neutralizar os espermatozoides (diminuindo a sua vitalidade) ou fazer uma barreira que impede a passagem do esperma para o útero.
  • 31. Métodos Não Naturais Espermicidas Vantagens Desvantagens  É de simples utilização;  Aumenta a lubrificação da  Podem causar reacções alérgicas;  O espaço de tempo entre a aplicação vagina;  Pode  Não protegem das DST’S; ser utilizado como do espermicida e a relação sexual deve suplemento de outros métodos ser cerca de 30 minutos; contraceptivos;  A mulher só se deve lavar 6 a 8 horas  As esponjas e os cremes têm um após a relação sexual. inicio de acção mais rápido.
  • 32. Métodos Não Naturais Pílula Cada comprimido da pílula possui hormonas sintéticas semelhantes às que são produzidas pelos ovários logo, o período fértil deixa de existir e a mulher não engravida. No final do período de pausa ocorre uma hemorragia que não é uma verdadeira menstruação (uma vez que a pílula inibe as ovulações ) O que ocorre é a chamada “hemorragia de privação” embora as pessoas vulgarmente chamem de menstruação. Com a toma correta da pílula a “ menstruação” é regulada, podendo ser então previda. Geralmente as hemorragias são menos intensas e duram menos tempo que a verdadeira menstruação. Vómitos e diarreia cortam o efeito da pílula devendo assim ser usado outro método contracetivo aquando destas situações.
  • 33. Métodos Não Naturais Pílula Vantagens  Menos dores menstruais; Desvantagens  Não previne contra DST’s;  Menor risco de cancro do ovário e Exige um cuidado e compromisso por do endométrio parte da mulher; Podem aparecer dores de cabeça, tensão mamára e retenção de líquidos. Esquecimentos superiores a 12 horas são perigosos e superiores a 24 horas devem ser comunicados a um profissional de saúde. Mulheres com problemas no fígado, acidentes tromboembólicos ou vasculares não devem tomar a pílula combinada.
  • 34. Métodos Não Naturais • Pilulas combinadas: estrogénios e progesterona sintéticos. Geralmente são tomadas durante 21 dias, seguidos de um período de pausa. • Pílulas microprogestativas: só contêm progesterona sintética. São tomadas diariamente, sem interrupção. • Não bloqueiam a ovulação, pelo que a sua eficácia é menor. O muco cervical sofre as alterações normais, com uma certa impermeabilização do útero aos espermatozoides. • Aconselhado a mulheres que não podem tomar as pílulas combinadas e para as que pretendem amamentar porque o estrogénio provoca uma diminuição da quantidade de leite.
  • 35. Métodos Não Naturais Pílula do dia Seguinte É um contracetivo de emergência, constituído por levonorgestrel. É uma pílula que é utilizada até um prazo de 72 horas após o ato sexual.  Evita uma gravidez após uma relação sem proteção.  Aumenta o pH da vagina, eliminando os espermatezóides, evitando assim a fecundação.  Inibe também a nidação.
  • 36. Métodos Não Naturais Pílula do dia Seguinte Vantagens Desvantagens  Inibe a gravidez após uma relação  Náusea; mal protegida.  Dores abdominais; Não interfere com a utilização  Fadiga; regular da pílula anticoncepcional;  Dor de cabeça; Não afecta a fertilidade a longo  Distúrbio no ciclo menstrual; prazo;  Tensão mamária; Pode ser usado pela mulher após  Diarreia; o acto sexual; Se tomada regularmente poderá levar à infertilidade.
  • 37. Métodos Não Naturais Anel vaginal Oferece uma baixa dose hormonal, mas com ótima eficácia. O anel vaginal só se aplica uma vez em cada ciclo. Devido à sua flexibilidade, garante uma adequada adaptação aos contornos vaginais, impedindo a ovulação.
  • 38. Métodos Não Naturais Anel Vaginal Vantagens Desvantagens  Não interfere no ato sexual;  Exige habilidade de colocação; É um método reversível; Algumas mulheres sentem Provoca uma menstruação mais desconforto; curta, regular e com menos dores; Pode provocar variação de peso; Protege contra cancro nos ovários Pode provocar irritação vaginal; e / ou no colo do útero; Em caso de vómitos / diarreira mantém a eficácia total inicial. Não previne contra DST’s.
  • 39. Métodos Não Naturais Adesivo É um método semelhante à pílula e ao anel vaginal. Consiste na libertação de hormonas parecidas às que são produzidas nos ovários diretamente da pele para a corrente sanguínea, impedindo a ovulação e provocando o espessamento do muco cervical.
  • 40. Métodos Não Naturais Adesivo Vantagens Desvantagens  É mudado apenas uma vez por Sensibilidade nos seios; semana; Não protege contra DST’s; É de fácil utilização; Dor de cabeça; Não interfere com o ato sexual; Irritação da pele no local da A sua eficácia não é posta em aplicação; causa devido a vómitos ou diarreia; Náuseas; É reversível ; Aumento dos riscos se for fumadora. Não interfere no quotidiano.
  • 41. Métodos Não Naturais Implante subcutâneo É um método contracetivo que contem progestativo, semelhante à progesterona. Este inibe a ovulação e torna o muco cervical mais espesso. A sua duração é de certca de três anos, podendo durar um pouco mais. Este provoca alterações a nível do ciclo menstrual, pois pode não existir perdas de sangue durante os três anos ou estas podem ser irregulares e imprevisíveis, no entanto, após a sua remoção os ciclos normalizam de imediato. Há que ter em conta que é necessária vigilância médica anual e que este método não previne contra DST’s. Nota: antes da aplicação deve ser feito um exame médico de forma a avaliar o historial completo da mulher.
  • 42. Métodos Não Naturais Contraceção Cirurgica São métodos de contraceção definitivos, ou seja, irreversíveis, que consistem no corte dos canais deferentes do homem ou as trompas de Falópio da mulher, impedindo assim a saída de espermatozóides ou a passagem dele nas trompas podendo atingir o oócito II, impossibilitando assim o encontro entre os gâmetas, ou seja, impedindo a fecundação.
  • 43. Métodos Não Naturais Laqueação das trompas de Falópio Consiste numa cirurgia feita na mulher em que é cortada ou amarrada as suas trompas de Falópio, impedindo a passagem do óvulo. Corte Corte
  • 44. Métodos Não Naturais Laqueação das trompas de Falópio Vantagens Desvantagens  A mulher não necessita de utilizar O processo cirgurcido pode envolver mais nenhum meio para evitar a alguns riscos exigindo exames prégravidez; operatórios, internamento e anestesia; A eficácia é de 100%; É irreversível; Não tem efeitos secundários; Não protege contra DST’s; Apenas usado em mulheres com idade superior a 25.
  • 45. Métodos Não Naturais Vasectomia Consiste em cortar ou amarrar os canais deferentes do homem, impedindo que os espermatozóides produzidos nos testiculos não sejam expelidos durante a ejaculação, evitando assim a gravidez.
  • 46. Métodos Não Naturais Vasectomia Vantagens Desvantagens  O homem não necessita de O processo cirgurcido pode envolver alguns utilizar mais nenhum meio riscos exigindo exames pré-operatórios; contracetivo; Não protege contra DST’s; A eficácia é de 100%; Usado em homens com mais de 25 anos; Não altera o desempenho É sexual. necessário utilizar outro método contracetivo durante as próximas ejaculações após a cirurgia É irreversível.
  • 47. Eficácia Eficácia dos métodos contracetivos, usados de forma ideal , durante o primeiro ano: Pílula combinada – 99.5 a 99.97 % Implante subcutâneo – 99.8 a 100 % SIU com levonorgestrel – 99.8 a 99.91 % Laqueação das trompas de Falópio – 99.95 % Injeções hormonais – 99.1 – 99.97 % Pílula só com progesterona – 95.7 a 99.6 % DIU – 99 a 99.5 % Vasectomia – 99.85 a 99.9 % Adesivo contracetivo – 99.12 – 99.3 %
  • 48. Eficácia Anel vaginal – 98.77 % Temperatura – 98% Preservativo masculino – 86 a 97% Preservativo feminino – 79 a 95% Muco cervical – 80 a 91% Diafragma – 80 a 94% Espermicidas – 74 a 94% Coito interrompido – 81 a 96% Calendário – 75 a 91% Contraceção de emergência – “pilula do dia seguinte” com levonorgestrel - 60 a 95% (dependendo da altura da toma (aconselhado até 72 horas do ato, sendo que pode ser ingerida ainda até 5 dias após o ato uma vez que a implantação do embrião no endométrio ocorre por volta do sexto dia após a fecundação)).
  • 51.      O homem e/ou a mulher ao escolher/em o método contracetivo a utilizar tem que ter em conta diversos fatores, tais como: Idade; Número de filhos; Compreensão e tolerância ao método; O querer ou não ter filhos no futuro; A existência de doenças e alergias que possam vir a agravar-se devido a determinados métodos. No entanto, há que se destacar a necessidade da permanente utilização dos métodos contracetivos de barreira, nomeadamente os preservativos, para, só assim, prevenir as DST’s que podem ser transmitidas durante o ato sexual.
  • 53. Gonorreia Sintomas: Inflamação do colo do útero, transtornos menstruais, uretrite no homem, secreção amarelada Transmissão da doença: Contato sexual, toalhas e roupa interior.
  • 54. Hepatite B • Sintomas: Hepatite, cirrose, urina de cor escura. • Transmissão Sangue, vaginal, da doença: esperma, secreção via materno, saliva. placenta, leite
  • 55. SIDA Sintomas: Anemia, febre, perda de peso, alterações imunitárias. Transmissão da doença: Sangue, esperma, secreção placenta, leite materno. vaginal, via
  • 56. Candidíase Sintomas: Picadas ao urinar, comichão, fluxo vaginal muito abundante. Transmissão da doença: Contato sexual, roupa interior, toalhas, roupa húmida.
  • 57. Sífilis Sintomas: genitais, Inicialmente que não se úlceras curam. Posteriormente lesões na pele e nas mucosas. Transmissão da doença: Contato sexual e via placentária.
  • 58. Herpes Genital Sintomas: Lesões vesiculares nos órgãos genitais externos. Transmissão da doença: Contato sexual