SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Escola Secundária de Santa Maria da Feira

                               Outubro 2012




                        Quem foi Padre António Vieira?
                  "Os portugueses têm um pequeno país para berço
                          e o mundo todo para morrerem. "




Trabalho realizado por:

Cátia Daniela nº8, Daniela Filipa nº9, Henrique Pinho nº14, Sabrina Santos nº24
                                                                                  11ºE
Introdução

       Com este trabalho pretendesse introduzir o estudo do Sermão de Santo
António aos Peixes, descobrindo referências cronológicas da sua vida e a importância
que este teve na época em que viveu e que tem nos dias de hoje.



        António Vieira viveu durante grande parte do século XVIII. Foi um religioso,
escritor e orador português da Companhia de Jesus. Tinha origem alentejana e sua
mãe tinha descendências africanas. Este era o mais velho de quatro filhos. Viveu no
Brasil imensos anos mas viajava para Portugal e outros países europeus sempre que
necessário. Destacou-se como missionário nas terras brasileiras sendo uma das
personagens mais influentes do século nos assuntos de política. Defendeu
incondicionalmente os direitos humanos dos povos indígenas do Brasil (índios),
combatendo e acabando com a sua exploração e escravização. Era conhecido por
muitos como “Paiaçu”, que traduzindo de tupi para português significa Grande
Pai/Padre. Defendeu também os judeus, provocou com deixasse de haver distinção
entre cristãos-novos e cristãos-velhos, aboliu a escravatura e criticou a própria
Inquisição. Este foi acusado de traição por defender os índios e os judeus convertidos
(novos-cristãos). Os sermões que escreveu possuem referências importantes ao
barroco brasileiro.
Vida de Padre António Vieira




                                             «A vida é uma lâmpada acesa, vidro e
                                             fogo. Vidro que com um sopro se faz e
                                             fogo que com um sopro se apaga.»




        Padre António Vieira nasceu a 6 de fevereiro de 1608 em Lisboa. Aos seis anos
(1614), emigrou para a Baía, no Brasil, com a sua família. Estudou no Colégio dos
Jesuítas da Baía onde teve um ensino rígido. Com quinze anos, fugiu dos pais para
ingressar na Companhia de Jesus. A 5 de maio desse ano (1623), inicia um noviciado.
Passados três anos, tomava uma posição importante na Companhia. Aos dezoito anos
foi convidado para escrever a anua, isto é, escrever o relatório anual dos feitos do
colégio, em latim, que seria enviado para o papa de Roma. Em 1633, com vinte e cinco
anos, iniciou-se oficialmente como pregador. Tornou-se sacerdote, passando a exercer
a função de pregador em algumas aldeias baianas durante cinco anos.Os sermões
desta altura tinham como temas principais a religião, política e os problemas da época.
Em 1641, partiu para Portugal acompanhando o filho do vice-rei do Brasil com a
intenção da colónia aderir ao novo rei e à restauração. Este tornou-se amigo fiel de
D.João IV e ainda inicia a sua carreira pública e política. Iniciou, em 1646, várias
missões diplomáticas oficiais (tentou negociar com chefes políticos e comunidades
judaicas a fim de cativá-los para a fundação de companhias comerciais portuguesas)
por toda a Europa. Em 1649, formou uma política com novos ideais constituídas pelos
cristãos-novos de todo mundo. No ano de 1653, regressa ao Brasil como missionário
no estado de Maranhão, após vários conflitos na companhia de Jesus, que quase lhe
valeram a expulsão. Torna-se ativo no secular antagonismo entre jesuítas e colonos
com o propósito de utilizar mão-de-obra indígena. A 13 de junho de 1654, prega o
Sermão de Santo António e parte ilegalmente para Lisboa. Volta ao Brasil, em 1655,
com a lei que beneficiava a autoridade dos jesuítas sobre os índios. Passado um ano,
redige a carta Esperanças de Portugal, Quinto Império do Mundo, defendendo as
trovas de Bandarra e prevendo a ressurreição de D.João IV. Esta carta foi a base do
processo que o Santo Ofício levantou contra ele, visto que constava as suas opiniões
profanas. Com cinquenta e três anos de vida, é, juntamente com todos os jesuítas,
expulso de Maranhão. Padre António Vieira é desterrado no Porto. (1663) Após dois
anos, entra na prisão do tribunal do Santo Ofício em Coimbra.

      Citando a sua sentença:“ (…) seja privado para sempre de voz ativa e passiva e
do poder de pregar, e recluso no colégio ou casa de sua religião que o Santo Ofício lhe
ordenar, e de onde, sem ordem sua não sairá.”

       Um tempo depois, foi perdoado e recomeçou com as suas pregações em
Lisboa. Em 1669, embarcou para Roma, onde obteve bastante êxito. Realizou uma
campanha de desmascaramento, contra o tribunal do Santo Ofício, lutando a favor das
missões no Brasil. Com setenta e um anos, é publicado o primeiro volume dos seus
Sermões. Entre 1681 e 1688, retorna para a Baía, já que não encontrava um bom
ambiente em terras portuguesas. Lá é nomeado Visitador da Província do Brasil.
Morre, aos oitenta e nove anos, na Baía, após ter revisto o décimo terceiro volume dos
Sermões, sem conseguir finalizar a obra ClavisProphetarum.
Obras

As obras de Padre António Vieira podem ser divididas em profecias, cartas e sermões.
Este escreveu cerca de quinhentas cartas que relatam assuntos acerca da relação entre
Portugal e Holanda, sobre a inquisição e os judeus convertidos (cristãos-novos) e cerca
de duzentos sermões, com o estilo barroco brasileiro presente. Algumas das suas obras
são:

Sermão da Sexagésima

“(…) Quando Cristo mandou pregar os Apóstolos pelo Mundo,
disse-lhes desta maneira: Euntes in mundumuniversum,
praedicateomnicreaturae: «Ide, e pregai a toda a criatura». Como
assim, Senhor?! Os animais não são criaturas?! As árvores não
criaturas?! As pedras não são criaturas?! Pois hão os Apóstolos de
pregar às pedras?! Hão-de pregar aos troncos?! Hão-de pregar aos
animais?! Sim, diz S.Gregório, depois de Santo Agostinho. Porque
como os Apóstolos iam pregar a todas as nações do Mundo, muitas
delas bárbaras e incultas, haviam de achar os homens degenerados em todas as
espécies de criaturas: haviam de achas homens, haviam de achar homens brutos,
haviam de achar homens troncos, haviam de achar homens pedras. (…)”



Sermão pelo bom sucesso das armas de Portugal contra
Holanda

“Com estas palavras piedosamente resolutas, mais protestando,
que orando, dá fim o Profeta Rei ao Salmo quarenta e três. Salmo,
que desde o princípio até o fim, não parece senão cortado para os
tempos e ocasião presente. O Doutor Máximo S. Jerónimo, e
depois dele os outros expositores, dizem que se entende à letra de
qualquer reino ou província católica, destruída e assolada por
inimigos da Fé. Mas entre todos os reinos do Mundo a nenhum lhe
quadra melhor que ao nosso Reino de Portugal; e entre todas as
províncias de Portugal a nenhuma vem mais ao justo que à miserável província do
Brasil. Vamos lendo todo o Salmo, e em todas as cláusulas dele veremos retratadas as
da nossa fortuna: o que fomos e o que somos.Deus, auribusnostrisaudivimus,
Patresnostriannuntiaveruntnobis, opus, quodoperatuses in diebuseorum, et in
diebusantiquis. Ouvimos (começa o profeta) a nossos pais, lemos nas nossas histórias e
ainda os mais velhos viram, em parte, com seus olhos as obras maravilhosas, as
proezas, as vitórias, as conquistas, que por meio dos portugueses obrou em tempos
passados vossa omnipotência, Senhor. Manus tua gentes disperdit, etplantastieos;
afflixistipopulosetexpulistieos. “
Sermão de Santo António aos peixes

“Vós, diz Cristo Senhor nosso, falando com os Pregadores, sois o
sal da terra: e chama-lhe sal da terra, porque quer que façam na
terra, o que faz o sal. O efeito do sal é impedir a corrupção, mas
quando a terra se vê tão corrupta como está a nossa, havendo
tantos nela que têm ofício de sal, qual será, ou qual pode ser a
causa desta corrupção? Ou porque o sal não salga, ou porque a
terra se não deixa salgar. Ou é porque o sal não salga, e os
Pregadores não pregam a verdadeira doutrina; ou porque a terra se não deixa salgar, e
os ouvintes, sendo verdadeira a doutrina que lhe dão, a não querem receber. Ou é
porque o sal não salga, e os Pregadores dizem uma coisa e fazem outra; ou porque a
terra se não deixa salgar, e os ouvintes querem antes imitar o que eles fazem, que
fazer o que dizem. Ou é porque o sal não salga, e os Pregadores se pregam a si e não a
Cristo; ou porque a terra se não deixa salgar, e os ouvintes, em vez de servir a Cristo,
servem a seus apetites. Não é tudo isto verdade? Ainda mal. (...)”



Carta nº 16

     “Ao Padre Francisco de MoraisDo Maranhão, a 6-V-1653

       Enfim, amigo, pôde mais Deus que os homens, e
prevaleceram todos os decretos divinos a todas as traças e
disposições humanas. A primeira vez vinha contra a vontade de
El-rei; desta segunda vim até contra a minha, para que nesta
obra não houvesse vontade mais que a de Deus. Seja ele
bendito, que tanto caso faz de quem tão pouco vale, e, tanto ama a quem tanto mal
lho merece. Ajudai-me, amigo, a lhe dar infinitas graças, e a pedir a sua divina bondade
ma dê, para que ao menos neste último quartel da vida lhe não seja ingrato, como fui
tanto em toda. Ah! Quem pudera desfazer o passado, e tornar atrás o tempo e
alcançar o impossível, que o que foi não houvera sido! Mas já que isto não pode ser,
Deus meu, ao menos seja o futuro emenda do passado, e o que há de ser emenda do
que foi. Estes são, amigo, hoje todos os meus cuidados, sem haver em mim outro
gosto mais que chorar o que tive, e conhecer quão falsamente se dá este nome aos
que, sobre tantos outros pesares, ou hão de ter na vida o do arrependimento ou na
eternidadeo do castigo.”
Conclusão

Podemos concluir no final deste trabalho que Padre António Vieira foi um homem
importantíssimo no século XVIII e que este ainda é valorizado e admirado nos dias de
hoje. Fernando Pessoa chamava-o de Imperador da Língua Portuguesa devido à
riqueza e qualidade das suas obras. Para além de todas as obras que escreveu, Padre
António Vieira provocou um grande impacte no mundo devido aos seus feitos. Este
defendeu os povos indígenas do Brasil, percorrendo fronteiras para conseguir com que
a lei acerca dos escravos mudasse e também defendeu os judeus convertidos, mais
conhecidos por cristãos-novos, que eram perseguidos pela Inquisição.




 “ As obras de um herói, postas a uma luz escura da razão e da vontade, são borrões
      que ofendem; à melhor luz do entendimento são primores que admiram.”



Bibliografia

    Mendes, Margarida Vieira – “Sermões do Padre António Vieira”, Seara Nova
    Saraiva, António José – “História Ilustrada das grandes Literaturas”, Editorial
     Estúdios Cor Lisboa
    http://www.rtp.pt/play/p49/e14280/alma-e-a-gente
    http://www.brasiliana.usp.br/node/418

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lurdes Augusto
 
Sermão de Santo António aos peixes - Rémora
Sermão de Santo António aos peixes - Rémora Sermão de Santo António aos peixes - Rémora
Sermão de Santo António aos peixes - Rémora kikaveiga1
 
Memorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. VMemorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. V12º A Golegã
 
Memorial do convento - Capítulo XIX
Memorial do convento - Capítulo XIXMemorial do convento - Capítulo XIX
Memorial do convento - Capítulo XIXripmitchlucker
 
Memorial do Convento - Cap. II
Memorial do Convento - Cap. IIMemorial do Convento - Cap. II
Memorial do Convento - Cap. II12º A Golegã
 
sintese_farsa_ines.ppt
sintese_farsa_ines.pptsintese_farsa_ines.ppt
sintese_farsa_ines.pptcnlx
 
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolosMensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolossin3stesia
 
Eça de Queirós vida e obra
Eça de Queirós vida e obraEça de Queirós vida e obra
Eça de Queirós vida e obraElisabete Silva
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesAnaGomes40
 
Memorial do convento capitulo xviii
Memorial do convento capitulo xviiiMemorial do convento capitulo xviii
Memorial do convento capitulo xviii12anogolega
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106nanasimao
 
Capítulo X - MC
Capítulo X - MCCapítulo X - MC
Capítulo X - MC12anogolega
 
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptx
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptxUFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptx
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptxNome Sobrenome
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maiasmauro dinis
 
ESTRUTURA DO SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO AOS PEIXES
ESTRUTURA DO SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO AOS PEIXESESTRUTURA DO SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO AOS PEIXES
ESTRUTURA DO SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO AOS PEIXESFraga Digital
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMaria Teixiera
 

Mais procurados (20)

Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 
Sermão de Santo António aos peixes - Rémora
Sermão de Santo António aos peixes - Rémora Sermão de Santo António aos peixes - Rémora
Sermão de Santo António aos peixes - Rémora
 
Memorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. VMemorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. V
 
Memorial do convento - Capítulo XIX
Memorial do convento - Capítulo XIXMemorial do convento - Capítulo XIX
Memorial do convento - Capítulo XIX
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Memorial do Convento - Cap. II
Memorial do Convento - Cap. IIMemorial do Convento - Cap. II
Memorial do Convento - Cap. II
 
sintese_farsa_ines.ppt
sintese_farsa_ines.pptsintese_farsa_ines.ppt
sintese_farsa_ines.ppt
 
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolosMensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
 
Eça de Queirós vida e obra
Eça de Queirós vida e obraEça de Queirós vida e obra
Eça de Queirós vida e obra
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Memorial do convento capitulo xviii
Memorial do convento capitulo xviiiMemorial do convento capitulo xviii
Memorial do convento capitulo xviii
 
Antero de Quental.docx
Antero de Quental.docxAntero de Quental.docx
Antero de Quental.docx
 
Nome de guerra
Nome de guerraNome de guerra
Nome de guerra
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
 
José saramago capítulo vii
José saramago capítulo viiJosé saramago capítulo vii
José saramago capítulo vii
 
Capítulo X - MC
Capítulo X - MCCapítulo X - MC
Capítulo X - MC
 
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptx
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptxUFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptx
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptx
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
 
ESTRUTURA DO SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO AOS PEIXES
ESTRUTURA DO SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO AOS PEIXESESTRUTURA DO SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO AOS PEIXES
ESTRUTURA DO SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO AOS PEIXES
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
 

Destaque

Biografia de Padre António Vieira
Biografia de Padre António VieiraBiografia de Padre António Vieira
Biografia de Padre António VieiraEvaí Oliveira
 
A Vida do Padre António Vieira
A Vida do Padre António VieiraA Vida do Padre António Vieira
A Vida do Padre António VieiraSandra Alves
 
Padre António Vieira
Padre António VieiraPadre António Vieira
Padre António VieiraTiago Faisca
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraHelena Coutinho
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesDaniel Sousa
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesvermar2010
 

Destaque (8)

Biografia de Padre António Vieira
Biografia de Padre António VieiraBiografia de Padre António Vieira
Biografia de Padre António Vieira
 
padre antónio vieira
padre antónio vieirapadre antónio vieira
padre antónio vieira
 
A Vida do Padre António Vieira
A Vida do Padre António VieiraA Vida do Padre António Vieira
A Vida do Padre António Vieira
 
Padre António Vieira
Padre António VieiraPadre António Vieira
Padre António Vieira
 
Padre António Vieira
Padre António VieiraPadre António Vieira
Padre António Vieira
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 

Semelhante a Padre António Vieira, defensor dos direitos humanos

15 7padreantniovieira-130712123835-phpapp02
15 7padreantniovieira-130712123835-phpapp0215 7padreantniovieira-130712123835-phpapp02
15 7padreantniovieira-130712123835-phpapp02Casimiro Nogueira Neto
 
A vida do padre antonio vieria
A vida do padre antonio vieriaA vida do padre antonio vieria
A vida do padre antonio vieriaVitoria Hudson
 
O padre antonio_vieira_e_o_seu_tempo 1
O padre antonio_vieira_e_o_seu_tempo 1O padre antonio_vieira_e_o_seu_tempo 1
O padre antonio_vieira_e_o_seu_tempo 1Eduardo Marinho
 
O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008
O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008
O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008Marcos Gimenes Salun
 
A missão evangelizadora
A missão evangelizadoraA missão evangelizadora
A missão evangelizadoraDulce Gomes
 
Fundhist mod02 08_colonia_busca_paraiso
Fundhist mod02 08_colonia_busca_paraisoFundhist mod02 08_colonia_busca_paraiso
Fundhist mod02 08_colonia_busca_paraisoSUPORTE EDUCACIONAL
 
Padre AntóNio Vieira A VocaçãO
Padre AntóNio Vieira   A VocaçãOPadre AntóNio Vieira   A VocaçãO
Padre AntóNio Vieira A VocaçãOSandra Alves
 
O barroco no brasil
O barroco no brasilO barroco no brasil
O barroco no brasilcarvalho31
 
Material de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literaturaMaterial de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literaturaKarla Mascarenhas
 
Jornal nº 01
Jornal nº 01Jornal nº 01
Jornal nº 01pazcomsg
 
Jornal nº 01
Jornal nº 01Jornal nº 01
Jornal nº 01pazcomsg
 
Trovadorismo, humanismo e quinhentismo.pptx
Trovadorismo, humanismo e quinhentismo.pptxTrovadorismo, humanismo e quinhentismo.pptx
Trovadorismo, humanismo e quinhentismo.pptxPedroIvson1
 
Escolas Literárias - Barroco - Seiscentismo
Escolas Literárias - Barroco - SeiscentismoEscolas Literárias - Barroco - Seiscentismo
Escolas Literárias - Barroco - SeiscentismoLara Lídia
 
Jb news informativo nr. 2168
Jb news   informativo nr. 2168Jb news   informativo nr. 2168
Jb news informativo nr. 2168JB News
 

Semelhante a Padre António Vieira, defensor dos direitos humanos (20)

15 7padreantniovieira-130712123835-phpapp02
15 7padreantniovieira-130712123835-phpapp0215 7padreantniovieira-130712123835-phpapp02
15 7padreantniovieira-130712123835-phpapp02
 
A vida do padre antonio vieria
A vida do padre antonio vieriaA vida do padre antonio vieria
A vida do padre antonio vieria
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
 
Barroco.pptx
Barroco.pptxBarroco.pptx
Barroco.pptx
 
O padre antonio_vieira_e_o_seu_tempo 1
O padre antonio_vieira_e_o_seu_tempo 1O padre antonio_vieira_e_o_seu_tempo 1
O padre antonio_vieira_e_o_seu_tempo 1
 
O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008
O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008
O Bandeirante - n.192 - Novembro de 2008
 
A missão evangelizadora
A missão evangelizadoraA missão evangelizadora
A missão evangelizadora
 
Fundhist mod02 08_colonia_busca_paraiso
Fundhist mod02 08_colonia_busca_paraisoFundhist mod02 08_colonia_busca_paraiso
Fundhist mod02 08_colonia_busca_paraiso
 
Padre AntóNio Vieira A VocaçãO
Padre AntóNio Vieira   A VocaçãOPadre AntóNio Vieira   A VocaçãO
Padre AntóNio Vieira A VocaçãO
 
Barroco no Brasil.pptx
Barroco no Brasil.pptxBarroco no Brasil.pptx
Barroco no Brasil.pptx
 
O barroco no brasil
O barroco no brasilO barroco no brasil
O barroco no brasil
 
Material de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literaturaMaterial de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literatura
 
Padre Ant..
Padre Ant..Padre Ant..
Padre Ant..
 
Joaquim carlos travassos
Joaquim carlos travassosJoaquim carlos travassos
Joaquim carlos travassos
 
Jornal nº 01
Jornal nº 01Jornal nº 01
Jornal nº 01
 
Jornal nº 01
Jornal nº 01Jornal nº 01
Jornal nº 01
 
Trovadorismo, humanismo e quinhentismo.pptx
Trovadorismo, humanismo e quinhentismo.pptxTrovadorismo, humanismo e quinhentismo.pptx
Trovadorismo, humanismo e quinhentismo.pptx
 
Escolas Literárias - Barroco - Seiscentismo
Escolas Literárias - Barroco - SeiscentismoEscolas Literárias - Barroco - Seiscentismo
Escolas Literárias - Barroco - Seiscentismo
 
Jb news informativo nr. 2168
Jb news   informativo nr. 2168Jb news   informativo nr. 2168
Jb news informativo nr. 2168
 

Mais de Daniela Filipa Sousa

Mais de Daniela Filipa Sousa (14)

80s decade
80s decade80s decade
80s decade
 
Produção de proteínas farmacêuticas
Produção de proteínas farmacêuticas Produção de proteínas farmacêuticas
Produção de proteínas farmacêuticas
 
The Eighties
The Eighties The Eighties
The Eighties
 
O menino da sua mãe - Fernando Pessoa Ortonimo
O menino da  sua mãe - Fernando Pessoa OrtonimoO menino da  sua mãe - Fernando Pessoa Ortonimo
O menino da sua mãe - Fernando Pessoa Ortonimo
 
Organismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificadosOrganismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificados
 
Tuberculose - 12ºano Biologia
Tuberculose - 12ºano BiologiaTuberculose - 12ºano Biologia
Tuberculose - 12ºano Biologia
 
Mutações - Biologia 12º
Mutações - Biologia 12º Mutações - Biologia 12º
Mutações - Biologia 12º
 
Relatório da visita ao Geoparque de Arouca
Relatório da visita ao Geoparque de AroucaRelatório da visita ao Geoparque de Arouca
Relatório da visita ao Geoparque de Arouca
 
Sandro Botticelli - O nascimento de vénus
Sandro Botticelli - O nascimento de vénusSandro Botticelli - O nascimento de vénus
Sandro Botticelli - O nascimento de vénus
 
biologia 12º - Metodos contracetivos
biologia 12º - Metodos contracetivosbiologia 12º - Metodos contracetivos
biologia 12º - Metodos contracetivos
 
Os Maias - a ação & titulo e subtítulo
Os Maias - a ação & titulo e subtítuloOs Maias - a ação & titulo e subtítulo
Os Maias - a ação & titulo e subtítulo
 
Racionalismo - Descartes
Racionalismo - Descartes  Racionalismo - Descartes
Racionalismo - Descartes
 
Ana and mia
Ana and mia Ana and mia
Ana and mia
 
Evolucionismo vs Fixismo
Evolucionismo vs Fixismo Evolucionismo vs Fixismo
Evolucionismo vs Fixismo
 

Último

Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 

Último (20)

Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 

Padre António Vieira, defensor dos direitos humanos

  • 1. Escola Secundária de Santa Maria da Feira Outubro 2012 Quem foi Padre António Vieira? "Os portugueses têm um pequeno país para berço e o mundo todo para morrerem. " Trabalho realizado por: Cátia Daniela nº8, Daniela Filipa nº9, Henrique Pinho nº14, Sabrina Santos nº24 11ºE
  • 2. Introdução Com este trabalho pretendesse introduzir o estudo do Sermão de Santo António aos Peixes, descobrindo referências cronológicas da sua vida e a importância que este teve na época em que viveu e que tem nos dias de hoje. António Vieira viveu durante grande parte do século XVIII. Foi um religioso, escritor e orador português da Companhia de Jesus. Tinha origem alentejana e sua mãe tinha descendências africanas. Este era o mais velho de quatro filhos. Viveu no Brasil imensos anos mas viajava para Portugal e outros países europeus sempre que necessário. Destacou-se como missionário nas terras brasileiras sendo uma das personagens mais influentes do século nos assuntos de política. Defendeu incondicionalmente os direitos humanos dos povos indígenas do Brasil (índios), combatendo e acabando com a sua exploração e escravização. Era conhecido por muitos como “Paiaçu”, que traduzindo de tupi para português significa Grande Pai/Padre. Defendeu também os judeus, provocou com deixasse de haver distinção entre cristãos-novos e cristãos-velhos, aboliu a escravatura e criticou a própria Inquisição. Este foi acusado de traição por defender os índios e os judeus convertidos (novos-cristãos). Os sermões que escreveu possuem referências importantes ao barroco brasileiro.
  • 3. Vida de Padre António Vieira «A vida é uma lâmpada acesa, vidro e fogo. Vidro que com um sopro se faz e fogo que com um sopro se apaga.» Padre António Vieira nasceu a 6 de fevereiro de 1608 em Lisboa. Aos seis anos (1614), emigrou para a Baía, no Brasil, com a sua família. Estudou no Colégio dos Jesuítas da Baía onde teve um ensino rígido. Com quinze anos, fugiu dos pais para ingressar na Companhia de Jesus. A 5 de maio desse ano (1623), inicia um noviciado. Passados três anos, tomava uma posição importante na Companhia. Aos dezoito anos foi convidado para escrever a anua, isto é, escrever o relatório anual dos feitos do colégio, em latim, que seria enviado para o papa de Roma. Em 1633, com vinte e cinco anos, iniciou-se oficialmente como pregador. Tornou-se sacerdote, passando a exercer a função de pregador em algumas aldeias baianas durante cinco anos.Os sermões desta altura tinham como temas principais a religião, política e os problemas da época. Em 1641, partiu para Portugal acompanhando o filho do vice-rei do Brasil com a intenção da colónia aderir ao novo rei e à restauração. Este tornou-se amigo fiel de D.João IV e ainda inicia a sua carreira pública e política. Iniciou, em 1646, várias missões diplomáticas oficiais (tentou negociar com chefes políticos e comunidades
  • 4. judaicas a fim de cativá-los para a fundação de companhias comerciais portuguesas) por toda a Europa. Em 1649, formou uma política com novos ideais constituídas pelos cristãos-novos de todo mundo. No ano de 1653, regressa ao Brasil como missionário no estado de Maranhão, após vários conflitos na companhia de Jesus, que quase lhe valeram a expulsão. Torna-se ativo no secular antagonismo entre jesuítas e colonos com o propósito de utilizar mão-de-obra indígena. A 13 de junho de 1654, prega o Sermão de Santo António e parte ilegalmente para Lisboa. Volta ao Brasil, em 1655, com a lei que beneficiava a autoridade dos jesuítas sobre os índios. Passado um ano, redige a carta Esperanças de Portugal, Quinto Império do Mundo, defendendo as trovas de Bandarra e prevendo a ressurreição de D.João IV. Esta carta foi a base do processo que o Santo Ofício levantou contra ele, visto que constava as suas opiniões profanas. Com cinquenta e três anos de vida, é, juntamente com todos os jesuítas, expulso de Maranhão. Padre António Vieira é desterrado no Porto. (1663) Após dois anos, entra na prisão do tribunal do Santo Ofício em Coimbra. Citando a sua sentença:“ (…) seja privado para sempre de voz ativa e passiva e do poder de pregar, e recluso no colégio ou casa de sua religião que o Santo Ofício lhe ordenar, e de onde, sem ordem sua não sairá.” Um tempo depois, foi perdoado e recomeçou com as suas pregações em Lisboa. Em 1669, embarcou para Roma, onde obteve bastante êxito. Realizou uma campanha de desmascaramento, contra o tribunal do Santo Ofício, lutando a favor das missões no Brasil. Com setenta e um anos, é publicado o primeiro volume dos seus Sermões. Entre 1681 e 1688, retorna para a Baía, já que não encontrava um bom ambiente em terras portuguesas. Lá é nomeado Visitador da Província do Brasil. Morre, aos oitenta e nove anos, na Baía, após ter revisto o décimo terceiro volume dos Sermões, sem conseguir finalizar a obra ClavisProphetarum.
  • 5. Obras As obras de Padre António Vieira podem ser divididas em profecias, cartas e sermões. Este escreveu cerca de quinhentas cartas que relatam assuntos acerca da relação entre Portugal e Holanda, sobre a inquisição e os judeus convertidos (cristãos-novos) e cerca de duzentos sermões, com o estilo barroco brasileiro presente. Algumas das suas obras são: Sermão da Sexagésima “(…) Quando Cristo mandou pregar os Apóstolos pelo Mundo, disse-lhes desta maneira: Euntes in mundumuniversum, praedicateomnicreaturae: «Ide, e pregai a toda a criatura». Como assim, Senhor?! Os animais não são criaturas?! As árvores não criaturas?! As pedras não são criaturas?! Pois hão os Apóstolos de pregar às pedras?! Hão-de pregar aos troncos?! Hão-de pregar aos animais?! Sim, diz S.Gregório, depois de Santo Agostinho. Porque como os Apóstolos iam pregar a todas as nações do Mundo, muitas delas bárbaras e incultas, haviam de achar os homens degenerados em todas as espécies de criaturas: haviam de achas homens, haviam de achar homens brutos, haviam de achar homens troncos, haviam de achar homens pedras. (…)” Sermão pelo bom sucesso das armas de Portugal contra Holanda “Com estas palavras piedosamente resolutas, mais protestando, que orando, dá fim o Profeta Rei ao Salmo quarenta e três. Salmo, que desde o princípio até o fim, não parece senão cortado para os tempos e ocasião presente. O Doutor Máximo S. Jerónimo, e depois dele os outros expositores, dizem que se entende à letra de qualquer reino ou província católica, destruída e assolada por inimigos da Fé. Mas entre todos os reinos do Mundo a nenhum lhe quadra melhor que ao nosso Reino de Portugal; e entre todas as províncias de Portugal a nenhuma vem mais ao justo que à miserável província do Brasil. Vamos lendo todo o Salmo, e em todas as cláusulas dele veremos retratadas as da nossa fortuna: o que fomos e o que somos.Deus, auribusnostrisaudivimus, Patresnostriannuntiaveruntnobis, opus, quodoperatuses in diebuseorum, et in diebusantiquis. Ouvimos (começa o profeta) a nossos pais, lemos nas nossas histórias e ainda os mais velhos viram, em parte, com seus olhos as obras maravilhosas, as proezas, as vitórias, as conquistas, que por meio dos portugueses obrou em tempos passados vossa omnipotência, Senhor. Manus tua gentes disperdit, etplantastieos; afflixistipopulosetexpulistieos. “
  • 6. Sermão de Santo António aos peixes “Vós, diz Cristo Senhor nosso, falando com os Pregadores, sois o sal da terra: e chama-lhe sal da terra, porque quer que façam na terra, o que faz o sal. O efeito do sal é impedir a corrupção, mas quando a terra se vê tão corrupta como está a nossa, havendo tantos nela que têm ofício de sal, qual será, ou qual pode ser a causa desta corrupção? Ou porque o sal não salga, ou porque a terra se não deixa salgar. Ou é porque o sal não salga, e os Pregadores não pregam a verdadeira doutrina; ou porque a terra se não deixa salgar, e os ouvintes, sendo verdadeira a doutrina que lhe dão, a não querem receber. Ou é porque o sal não salga, e os Pregadores dizem uma coisa e fazem outra; ou porque a terra se não deixa salgar, e os ouvintes querem antes imitar o que eles fazem, que fazer o que dizem. Ou é porque o sal não salga, e os Pregadores se pregam a si e não a Cristo; ou porque a terra se não deixa salgar, e os ouvintes, em vez de servir a Cristo, servem a seus apetites. Não é tudo isto verdade? Ainda mal. (...)” Carta nº 16 “Ao Padre Francisco de MoraisDo Maranhão, a 6-V-1653 Enfim, amigo, pôde mais Deus que os homens, e prevaleceram todos os decretos divinos a todas as traças e disposições humanas. A primeira vez vinha contra a vontade de El-rei; desta segunda vim até contra a minha, para que nesta obra não houvesse vontade mais que a de Deus. Seja ele bendito, que tanto caso faz de quem tão pouco vale, e, tanto ama a quem tanto mal lho merece. Ajudai-me, amigo, a lhe dar infinitas graças, e a pedir a sua divina bondade ma dê, para que ao menos neste último quartel da vida lhe não seja ingrato, como fui tanto em toda. Ah! Quem pudera desfazer o passado, e tornar atrás o tempo e alcançar o impossível, que o que foi não houvera sido! Mas já que isto não pode ser, Deus meu, ao menos seja o futuro emenda do passado, e o que há de ser emenda do que foi. Estes são, amigo, hoje todos os meus cuidados, sem haver em mim outro gosto mais que chorar o que tive, e conhecer quão falsamente se dá este nome aos que, sobre tantos outros pesares, ou hão de ter na vida o do arrependimento ou na eternidadeo do castigo.”
  • 7. Conclusão Podemos concluir no final deste trabalho que Padre António Vieira foi um homem importantíssimo no século XVIII e que este ainda é valorizado e admirado nos dias de hoje. Fernando Pessoa chamava-o de Imperador da Língua Portuguesa devido à riqueza e qualidade das suas obras. Para além de todas as obras que escreveu, Padre António Vieira provocou um grande impacte no mundo devido aos seus feitos. Este defendeu os povos indígenas do Brasil, percorrendo fronteiras para conseguir com que a lei acerca dos escravos mudasse e também defendeu os judeus convertidos, mais conhecidos por cristãos-novos, que eram perseguidos pela Inquisição. “ As obras de um herói, postas a uma luz escura da razão e da vontade, são borrões que ofendem; à melhor luz do entendimento são primores que admiram.” Bibliografia  Mendes, Margarida Vieira – “Sermões do Padre António Vieira”, Seara Nova  Saraiva, António José – “História Ilustrada das grandes Literaturas”, Editorial Estúdios Cor Lisboa  http://www.rtp.pt/play/p49/e14280/alma-e-a-gente  http://www.brasiliana.usp.br/node/418