SlideShare uma empresa Scribd logo
MEIOS DE CULTURA
MEIO DE CULTURA
DEFINIÇÃO
- São preparados especiais com
finalidade de cultura e isolamento de
microrganismos.
- Uma grande variedade de
processo e de preparações nutrientes
é utilizada para induzir o crescimento
e as reproduções de
microorganismos.
MEIOS DE CULTURA
- Não existe um meio de cultura
universal para o crescimento de todos os
microrganismos.
Ex: não existe meio de cultura para
microrganismos como Treponema
pallidum e Micobacterium leprae.
- Estes microrganismos só podem
ser cultivados em animais de laboratório.
MEIOS DE CULTURA
NATURAIS
- Lagos
- Oceanos
- Solo
ARTIFICIAIS OU SINTÉTICOS
- São nutrientes preparados no
laboratório para o crescimento de
microrganismos.
MEIOS DE CULTURA
APRESENTAÇÃO
Pós
MEIOS DE CULTURA
PREPARAÇÃO
- De acordo com o fabricante.
- Técnica de preparação vem
especificada no rótulo dos frascos.
- Pesar e hidratar o meio conforme
as instruções do fabricante.
MEIOS DE CULTURA
PREPARAÇÃO
MEIOS DE CULTURA
MÉTODOS DE ESTERILIZAÇÃO
1 - Autoclave (calor úmido) 121ºC
por 15 a 20 minutos.
- Vapor fluente
MEIOS DE CULTURA
MÉTODOS DE
ESTERILIZAÇÃO
2 – FILTRAGEM
- Produtos termo sensíveis
- Membranas de acetato de
celulose (0,22 μm).
RECIPIENTES PARA OS MEIOS
DE CULTURA.
- Placas de petri, tubos de ensaio,
garrafas, frascos, etc...
CONSTITUINTES DO MEIO DE
CULTURA
- Água: Principal solvente dos
nutrientes.
- Fontes de Carbono: pode ser do
CO2 ou de nutrientes orgânicos
(carboidratos, lipídeos e proteínas).
- Fonte de energia: Carboidratos
como amido, glicogênio,
monossacarídeos
CONSTITUINTES DO MEIO DE
CULTURA
• - Fonte de Nitrogênio “base amino-
proteína”: peptidase: Aminoácidos,
peptídeos, proteínas complexas e
peptona.
• - Fontes de oxigênio, hidrogênio,
fósforo (fosfatos) e enxofre (sulfatos)
- Vitaminas: Complexo B ( biotina e
CONSTITUINTES DO MEIO DE
CULTURA
- Sais tamponados: Fósforo
(fosfatos), enxofre (sulfato) e citrato.
- Sais minerais: Cálcio, Ferro,
Magnésio
- Fatores de crescimento: sangue,
soro e extrato de levedura.
MEIOS DE CULTURA
- Agentes seletivos: Químicos,
Corantes, e Antimicrobianos
- Indicadores de pH: feno vermelho
- Agentes de gelificação para
meios sólidos: Ágar
CLASSIFICAÇÃO
DOS
MEIOS DE CULTURA
1 – DE ACORDO COM A CONSISTÊNCIA
SÓLIDOS
- Usa ágar, um polímero de
galactose como agente solidificante na
concentração de 1,35 a 2,0%.
- Funde-se à 100ºC, Líquido à 40ºC
e sólido à 37ºC.
- São feitos em frascos, placas de
petri e tubos de ensaio.
1 – DE ACORDO COM A
CONSISTÊNCIA
SEMI-SÓLIDOS
- Usa ágar, como agente
solidificante na concentração de 0,2 à
0,75%.
- Funde-se à 100ºC, Líquido à
40ºC e Semi-sólido à 37ºC.
- São feitos em tubos de ensaio
1 – DE ACORDO COM A
CONSISTÊNCIA
LÍQUIDOS
- São os meios isentos de ágar.
- São sempre líquidos mesmo até
a 37ºC e em temperaturas inferiores.
- São feitos em tubos de ensaio
CRESCIMENTO MICROBIANO
MEIO SÓLIDO: o crescimento de
bactérias é visualizado pela formação de
colônias.
MEIO SEMI-SÓLIDO: o crescimento
de bactérias é visualizado pela turvação.
Meio muito utilizado para verificar a
motilidade (movimento) da bactéria.
MEIO LÍQUIDO: o crescimento de
bactérias é visualizado pela turvação do
meio.
CRESCIMENTO MICROBIANO
MEIO SÓLIDO
COLÔNIAS: são milhares de células
bacterianas derivadas de uma única célula
bacteriana semeada na superfície do ágar.
TEMPO PARA VISUALIZAÇÃO DAS
COLÔNIAS:
- Maioria dos microrganismos cresce
de 12 à 48 horas.
- Outros exigem semanas e até mêses.
CRESCIMENTO MICROBIANO
MEIO SÓLIDO: COLÔNIAS
CRESCIMENTO MICROBIANO
MEIO SEMI-SÓLIDO E LÍQUIDO :
TURVAÇÃO
CRESCIMENTO MICROBIANO
MEIO SÓLIDO
Exemplos: Ágar Sangue, Ágar
chocolate, Ágar MacConkey, Ágar SS
(Salmonela, Shigella), Ágar VB (Verde-
Brilhante), Ágar CLED (Cisteína
Lactose Eletrólitos Deficientes), Ágar
Base, Ágar Citrato de Simmons, Ágar
Nutriente, Ágar TSI (Triplice Açúcar e
Ferro), Ágar Müller Hinton), etc....
CRESCIMENTO MICROBIANO
MEIO SÓLIDO
Ágar Sangue Ágar chocolate
CRESCIMENTO MICROBIANO
MEIO SEMI-SÓLIDO
Exemplos: Ágar SIM (Motilidade
Indol Sulfeto) etc....
MEIO LÍQUIDO:
Exemplos: BHI (Infusão de
cérebro e coração), Tetrationato,
Selenito, Uréia, etc...
CRESCIMENTO MICROBIANO
MEIO SÓLIDO X MEIO LÍQUIDO
- Meio líquido é impossível afirmar a
existência de mais de uma espécie de
bactérias ou até mesmo quantificar.
- Meio sólido pode-se afirmar a
presença de várias espécies
bacterianas.
CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE
CULTURA
2 – TIPOS ou FUNÇÃO
MEIOS COMPLEXOS
- São meios quimicamente
indefinidos, mas tem como função
similar ao ambiente natural da bactéria.
Ex: Ágar sangue, Ágar chocolate.
CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE
CULTURA
2 – TIPOS
MEIOS SINTÉTICOS
- São meios de composição química
conhecida. São utilizados para estudo de
necessidades nutricionais de
determinadas bactérias.
Ex: Meio para micobactérias.
CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA
2 – TIPOS
MEIOS DIFERENCIAIS
- São meios que permitem a distinção
(diferenciação) entre dois ou mais tipos de
bactérias pelas simples observação das
características apresentadas pelas suas colônias
que neles se desenvolvem.
- Os meios diferenciais permitem o
crescimento de várias espécies ao mesmo
tempo, que facilita a discriminação entre os
diferentes microrganismos.
CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA
2 – TIPOS
MEIOS DIFERENCIAIS
Ex: Mac Conkey
- Permite a distinção entre bactérias
fermentadoras da lactose (lactose
positiva – apresenta colônias rosa) e
bactérias não fermentadora da lactose
(lactose negativa – apresenta colônias
incolores).
CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA
MEIOS DIFERENCIAIS
Ex: Mac Conkey
CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA
MEIOS DIFERENCIAIS
Ex: Mac Conkey
CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA
2 – TIPOS
MEIOS SELETIVOS
- São meios cuja composição promovem
e/ou inibem o crescimento de um
determinado microrganismo ou grupo de
microrganismos.
- Os meios seletivos proporcionam o
meio pelo qual podemos isolar uma
determinada espécie ou categoria de
bactérias.
CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA
2 – TIPOS
MEIOS SELETIVOS
- São usadas substâncias seletivas
como os corantes tais como cristal violeta,
azul de metileno, eosina e verde brilhante.
Ex. Mac Conkey além de seus
nutrientes contém cristal violeta e sais
biliares que inibe o crescimento de bactérias
Gram- positivas e permitindo o crescimento
de Gram-negativas.
CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE
CULTURA
2 – TIPOS
OSERVAÇÃO
- ALGUNS MEIOS SÃO TANTO
DIFERENCIAIS COMO SELETIVOS.
Ex: Ágar Mac Conkey
CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA
2 – TIPOS
MEIOS DE ENRIQUECIMENTO
- São meios utilizados para isolar um
microrganismo de um meio em que está
presente em pequena quantidade.
- São meios enriquecidos com
sangue, soro ou outros nutrientes.
Ex: Ágar sangue, Ágar chocolate.
CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA
2 – TIPOS
MEIOS DE ENRIQUECIMENTO
Ex: Tetrationato e Selenito
- São meios usados para amostras
fecais (coprocultura) inibindo o
crescimento da microbiota (bactérias
normais das fezes) e permitindo o
crescimento de Salmonella e Shigella
que são patogênicas.
CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA
2 – TIPOS
MEIOS DE TRANSPORTE
- São meios utilizados para o
transporte e manutenção de amostras
biológicas como fezes e secreções.
- São meios inertes, pois, permitem a
viabilidade da maioria dos patógenos
sem alterar a sua concentração.
CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA
2 – TIPOS
MEIOS DE TRANSPORTE
Ex: Meio de Stuart ou Amies
usado para o transporte com swabs.
Ex: Meio Cary-Blair e salina
glicerinada tamponada útil no
transporte de fezes para o isolamento
de shigella e Salmonella.
CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA
MEIOS DE TRANSPORTE
CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA
2 – TIPOS
MEIOS DE MANUTENÇÃO
- São meios utilizados para a
preservação das bactérias para a
realização de exames complementares
para estudos futuros como pesquisa
clínica, epidemiológica ou educacional.
Ex: Caldo TSB, caldo nutriente, água
destilada.
MEIOS DE MANUTENÇÃO
Métodos de preservação:
Curto período de tempo: temperaturas de
2 a 8 ºC ou de 4 à 10ºC (refrigerador): duração
por semanas. Fazer subculturas em caldo TSB
ou caldo nutriente.
Longo período de tempo: temperaturas de
-70 à -196ºC. Duração por anos (1 até 10
anos).
- Nitrogênio líquido: (-196ºC)
- Freezers: (-70 à -120ºC) temperatura
ultra baixa.
- Liofilização: congelamento à seco.
CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA
2 – TIPOS
MEIOS DE IDENTIFICAÇÃO
- São meios utilizados na identificação
das bactérias Gram-positivas e Gram-
negativas.
Ex: EPM e MILI para identificação de
Enterobactérias (Gram-negativas) e Rugai
Ágar Bile esculina. Identificação de
Gram-positivas.
CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA
MEIOS DE IDENTIFICAÇÃO
EPM E MILI RUGAI
CONDIÇÕES FÍSICAS PARA A
CULTURA DAS BACTÉRIAS
- TEMPERATURA
- pH
- ATMOSFERA GASOSA
- PRESSÃO OSMÓTICA
- PRESSÃO HIDROSTÁTICA
- LUZ
CONDIÇÕES FÍSICAS PARA A CULTURA DAS
BACTÉRIAS
PRESSÃO OSMÓTICA
- Meios hipertônicos: as bactérias
perdem água e sofrem plasmólise ou
enrugamento da célula.
- Meios isotônicos: concentrações
iguais, é o mais recomendado.
- Meios hipotônicos: as células
ganham água e sofrem lise.
CONDIÇOES FÍSICAS PARA CRESCIMENTO.
TEMPERATURA
- Psicotróficos: 0 à 7ºC
- Psicrófilos: 0 à 20ºC.
- Mesófilos: 20 à 45°C.
- Termófilos: 45 à 90°C.
A maioria são mesófilas.
- Temperatura ótima: 36,5 a 37°C em
estufa bacteriológica.
CRESCIMENTOS DAS BACTÉRIAS
pH
- Acidófilos: pH 0,1 à 5,4
- Neutrófilos: pH 5,4 à 8,5
- Alcalófilas: ph 7,0 à 11,5
A maioria na faixa de 4,0 a 9,0.
- Ideal: próximo da neutralidade 6,8 a
7,2.
- pH próximo do neutro (7,0) para a
maioria das bactérias.
CRESCIMENTOS DAS
BACTÉRIAS
LUZ
- Bactérias fotossintetizantes
- Bactérias inibidas pela luz.
CRESCIMENTO DAS BACTÉRIAS
PRESSÃO HIDROSTÁTICA
- Água dos oceanos e lagos
exercem pressão hidrostática.
- Bactérias barófilas: vivem em
alta pressão “profundidade”.
CRESCIMENTOS DAS BACTÉRIAS
ATMOSFERA GASOSA
- Microrganismos aeróbios: 21% de
oxigênio.
- Jarra de microaerofilia para
microrganismos que necessitam de CO2.
CRESCIMENTOS DAS
BACTÉRIAS
ATMOSFERA GASOSA
- Microrganimos anaeróbios
facultativos: crescem na presença de
ar ou anaeróbiose.
- Microrganimos microaerófilos:
Não resistem á níveis de oxigênio (1-
15%).
CRESCIMENTOS DAS BACTÉRIAS
ATMOSFERA GASOSA
- Microrganismos anaeróbios:
Morrem em presença de oxigênio, não
crescem em presença de ar e não
utilizam oxigênio para reações de
produção de energia.
- Jarra de anaerobiose.
CRESCIMENTOS DAS BACTÉRIAS
TEMPO
- Aumento no número da população
na cultura: 1→2→4→8→16→……
Progressão geométrica?
1→21
→22
→23
→24
….→2n
n = número de gerações
2n
= número total de células em uma
cultura.
CRESCIMENTOS DAS
BACTÉRIAS
TEMPO DE GERAÇÃO DAS
BACTÉRIAS.
- De 30 em 30 minutos.
- PERÍODO DE INCUBAÇÃO
- 24 a 48 horas em estufa
bacterilógica.
CRESCIMENTOS DAS BACTÉRIAS
INCUBAÇÃO: Estufa bacterilógica.
MEIOS DE CULTURA MAIS
UTILIZADOS.
Ágar sangue de carneiro a 5,0%
- Meio não seletivo e diferencial
que permite o crescimento de bactérias
Gram-positivas e Gram-negativas,
além de permitir a visualização de
hemólise.
MEIOS DE CULTURA MAIS
UTILIZADOS.
Ágar sangue de carneiro a 5,0%
MEIOS DE CULTURA MAIS UTILIZADOS.
Ágar Mac Conkey
- Meio seletivo e diferencial que
permite o crescimento de bactérias
(bacilos) Gram-negativas, diferenciando
as bactérias em lactose positiva e lactose
negativa. Inibe o crescimento de
bacctérias Gram-positivas.
MEIOS DE CULTURA MAISUTILIZADOS.
Ágar Mac Conkey
• - É utilizado para o isolamento de
Enterobactérias (Escherichia coli,
Proteus sp, etc.. e bacilos entéricos não
fermentadores (Shigella e Salmonella).
• - Amostras utilizadas: fezes, urina,
água de esgoto, alimentos , etc...
MEIOS DE CULTURA MAIS UTILIZADOS.
Ágar Mac Conkey
- Sua composição contém cristal
violeta e sais biliares que inibe o
crescimento de bactérias Gram-positivas.
- Utiliza a lactose como único
carboidrato como fonte de energia e
carbono.
MEIOS DE CULTURA MAIS UTILIZADOS.
Ágar Mac Conkey
- Bactérias fermentadoras de
lactose produzem enzimas como a
beta-galactosidase e lactose permease
que produzem ácido diminuindo o pH e
produzem colônias rosas chamadas de
colônias lactose positiva.
Ex: Escherichia coli
MEIOS DE CULTURA MAIS UTILIZADOS.
Ágar Mac Conkey
- Bactérias não fermentadoras de
lactose não produzem enzimas portanto
não produzem ácidos, aumenta o pH do
meio, produzindo colônias incolores,
transparentes ou ambar chamadas de
colônias lactose negativa.
Ex: Salmonella typhi, Shigella
dysenteriae.
MEIO DE CULTURA Mac Conkey
Lactose positiva Lactose negativa
IDENTIFICAÇÃO DAS COLÔNIAS
1 - CARACTERÍSTICAS DAS
COLÔNIAS
TAMANHO (mm)
- Grande: maior que 1 mm de
tamanho
- Média: 1 mm de diâmetro
- Pequena: menor que 1 mm de
diâmetro.
IDENTIFICAÇÃO DAS COLÔNIAS
COR
- Amarela, Branca, Branca-
acinzentada, Cinza, Rosa, Esverdeada,
Preta, Alaranjada, Creme, Incolor, etc...
ODOR
- Uva, Água sanitária, Fermento de
pão, Vinagre, Queijo, Terra molhada,
Peixe, Caramelo, etc...
IDENTIFICAÇÃO DAS COLÔNIAS
DENSIDADE
- Opaca, Translúcida, Transparente
CONSISTÊNCIA
- Brilhante, Cremosa, Seca, Mucóide
PIGMENTO
- Amarelo, Vermelho, Mostarda
IDENTIFICAÇÃO DAS COLÔNIAS
BORDA OU FORMA
- Circular (redonda), irregular,
puntiforme, ondulada
ELEVAÇÃO
- Convexa, Achatada, Elevada,
Umbilicada, centro elevado
IDENTIFICAÇÃO DAS COLÔNIAS
HEMÓLISE: é a lise (quebra,
rompimento) da hemácia.
Total (beta- hemólise): zona clara ao
redor das colônias.
Parcial (alfa-hemólise): há formação de
um halo esverdeado em volta da colônia,
indicando hemólise parcial das hemácias.
Ausência de hemólise (gama-
hemólise): o meio permanece íntegro em
volta das colônias.
Ágar sangue de carneiro a 5,0%
Hemólise
Ágar sangue de carneiro a 5,0%
Tipos de hemólise (alfa, beta e
gama)
MEIOS DE CULTURA
CONTROLE DE QUALIADE
- Cepas padrão
MEIOS DE CULTURA
TÉCNICAS DE SEMEADURA
1 - Semeadura quantitativa com
alça calibrada.
MEIOS DE CULTURA
TÉCNICAS DE SEMEADURA
2 - Semeadura por esgotamento.
MEIOS DE CULTURA
Inoculação dos meios de cultura.
- INÓCULO: é quando os microrganismos
são colocados em um meio de cultura para
iniciar o crescimento.
Inocular primeiramente os meios menos
seletivos para evitar que substâncias
inibidoras sejam transferidas de um meio para
o outro.
Ex: semear primeiro no ágar sangue ou
ágar chocolate em seguida no mac Conkey.
CULTURA: é quando os
microrganismos cresecem e se
multiplicam no meio de cultura.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BARBOSA, H. R.; TORRES, B. B. Microbiologia básica. São Paulo: Atheneu,
2005.
BLACK, J. G. Microbiologia – fundamentos e aplicações. 4. ed. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.
KONEMAN, E. W.; ALLEN, S. D.; JANDA, W. M.; SCHRECKENBERGER, P.
C.; WINN JÚNIOR, W. C. Diagnóstico microbiológico. Texto e atlas
colorido. 5. ed. Rio de Janeiro: MEDSI Ed. Médica e Científica, 2001.
LEVINSON, W.; JAWETZ, E. Microbiologia médica e imunologia. 7. ed.
Porto Alegre: Artmed, 2005.
MINS, C.; PLAYFAIR, J.; RITT, I. WAKELIN, D.; WILLIAMS. R. Microbiologia
médica. 2. ed. São Paulo: Manole, 1999.
PELCZAR Jr., M. J.; CHAN, E. C. S. KRIEG, N. R. Microbiologia – conceitos
e aplicações. 2. ed. v. 1 e 2. São Paulo: Makron Books do Brasil, 1997.
SPICER, W. J. Bacteriologia, micologia e parasitologia clínicas – um texto
ilustrado em cores. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.
THOMAS, C. L. Dicionário médico enciclopédico – Taber. 17. ed. São
Paulo: Manole, 2000.
TORTURA, G. J.; FUNKE, B. R.; CASE, C. H. Microbiologia. 8. ed. São
Paulo: Artmed, 2005.
TRABULSI, L. R.; ALTERTHUM. Microbiologia. 4. ed. São Paulo: Atheneu,

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 4 meios de cultura
Aula 4   meios de culturaAula 4   meios de cultura
Aula 4 meios de cultura
Jamana Barros de Melo
 
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianasAula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Jaqueline Almeida
 
Crescimento bacteriano
Crescimento bacterianoCrescimento bacteriano
Crescimento bacteriano
Gildo Crispim
 
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Hamilton Nobrega
 
Aula sistema imunologico
Aula sistema imunologicoAula sistema imunologico
Aula sistema imunologico
Thiago barreiros
 
Aula 8
Aula 8 Aula 8
Bacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elasBacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elas
Evandro Batista
 
Aula 1 - M
Aula 1 - MAula 1 - M
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
Safia Naser
 
Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1
Ana Claudia Rodrigues
 
Cocos Gram positivos
Cocos Gram positivosCocos Gram positivos
Cocos Gram positivos
Rodrigo Caixeta
 
Sistema Complemento
Sistema ComplementoSistema Complemento
Sistema Complemento
LABIMUNO UFBA
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
SMS - Petrópolis
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
Renato Varges - UFF
 
1ª aula amostras biológicas
1ª aula   amostras biológicas1ª aula   amostras biológicas
1ª aula amostras biológicas
Lilian Keila Alves
 
Aula slides bacteriologia
Aula slides   bacteriologiaAula slides   bacteriologia
Aula slides bacteriologia
Simone Alvarenga
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
Jaqueline Almeida
 
Interpretao de-exames-laboratoriais
Interpretao de-exames-laboratoriaisInterpretao de-exames-laboratoriais
Interpretao de-exames-laboratoriais
Levi Lopes
 
Controle De Microorganismos
Controle De MicroorganismosControle De Microorganismos
Controle De Microorganismos
Kelton Silva Sena
 
Introdução à bioquímica
Introdução à bioquímicaIntrodução à bioquímica
Introdução à bioquímica
Messias Miranda
 

Mais procurados (20)

Aula 4 meios de cultura
Aula 4   meios de culturaAula 4   meios de cultura
Aula 4 meios de cultura
 
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianasAula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
 
Crescimento bacteriano
Crescimento bacterianoCrescimento bacteriano
Crescimento bacteriano
 
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
 
Aula sistema imunologico
Aula sistema imunologicoAula sistema imunologico
Aula sistema imunologico
 
Aula 8
Aula 8 Aula 8
Aula 8
 
Bacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elasBacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elas
 
Aula 1 - M
Aula 1 - MAula 1 - M
Aula 1 - M
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1
 
Cocos Gram positivos
Cocos Gram positivosCocos Gram positivos
Cocos Gram positivos
 
Sistema Complemento
Sistema ComplementoSistema Complemento
Sistema Complemento
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
 
1ª aula amostras biológicas
1ª aula   amostras biológicas1ª aula   amostras biológicas
1ª aula amostras biológicas
 
Aula slides bacteriologia
Aula slides   bacteriologiaAula slides   bacteriologia
Aula slides bacteriologia
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
 
Interpretao de-exames-laboratoriais
Interpretao de-exames-laboratoriaisInterpretao de-exames-laboratoriais
Interpretao de-exames-laboratoriais
 
Controle De Microorganismos
Controle De MicroorganismosControle De Microorganismos
Controle De Microorganismos
 
Introdução à bioquímica
Introdução à bioquímicaIntrodução à bioquímica
Introdução à bioquímica
 

Semelhante a 53292193 aula-de-meios-de-cultura

Aula 3 - M
Aula 3  - MAula 3  - M
Aula 3 - M
Aula 3 - MAula 3 - M
Aula 3 - M
Aula 3 - MAula 3 - M
Meios de cultura
Meios de culturaMeios de cultura
Meios de cultura
Cam J
 
Conceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de MicrogiologiaConceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de Microgiologia
Ivson Cassiano
 
AULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptx
AULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptxAULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptx
AULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptx
KairaEmanuellaSDaSil
 
Culturas e isolamento de bacterias meios
Culturas e isolamento de bacterias meiosCulturas e isolamento de bacterias meios
Culturas e isolamento de bacterias meios
JosBarros59
 
Hsa
HsaHsa
Microbiologia de Alimentos
Microbiologia de AlimentosMicrobiologia de Alimentos
Microbiologia de Alimentos
LORRANE BRANDÃO
 
MICROBIOLOGIA.pptx
MICROBIOLOGIA.pptxMICROBIOLOGIA.pptx
MICROBIOLOGIA.pptx
LuanaRamos93
 
Aulasprticasmicrobiologia adaptado
Aulasprticasmicrobiologia   adaptadoAulasprticasmicrobiologia   adaptado
Aulasprticasmicrobiologia adaptado
Selma Oliveira
 
Meios De Cultura E ColoraçãO
Meios De Cultura E ColoraçãOMeios De Cultura E ColoraçãO
Meios De Cultura E ColoraçãO
lidypvh
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
HELLEN CRISTINA
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D   O ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO D   O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D O ALUNO.pdf
HELLEN CRISTINA
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
HELLEN CRISTINA
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO     DO ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO     DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
HELLEN CRISTINA
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO A LUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO A    LUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO A    LUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO A LUNO.pdf
HELLEN CRISTINA
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
HELLEN CRISTINA
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D   O ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO D   O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D O ALUNO.pdf
HELLEN CRISTINA
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Semelhante a 53292193 aula-de-meios-de-cultura (20)

Aula 3 - M
Aula 3  - MAula 3  - M
Aula 3 - M
 
Aula 3 - M
Aula 3 - MAula 3 - M
Aula 3 - M
 
Aula 3 - M
Aula 3 - MAula 3 - M
Aula 3 - M
 
Meios de cultura
Meios de culturaMeios de cultura
Meios de cultura
 
Conceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de MicrogiologiaConceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de Microgiologia
 
AULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptx
AULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptxAULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptx
AULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptx
 
Culturas e isolamento de bacterias meios
Culturas e isolamento de bacterias meiosCulturas e isolamento de bacterias meios
Culturas e isolamento de bacterias meios
 
Hsa
HsaHsa
Hsa
 
Microbiologia de Alimentos
Microbiologia de AlimentosMicrobiologia de Alimentos
Microbiologia de Alimentos
 
MICROBIOLOGIA.pptx
MICROBIOLOGIA.pptxMICROBIOLOGIA.pptx
MICROBIOLOGIA.pptx
 
Aulasprticasmicrobiologia adaptado
Aulasprticasmicrobiologia   adaptadoAulasprticasmicrobiologia   adaptado
Aulasprticasmicrobiologia adaptado
 
Meios De Cultura E ColoraçãO
Meios De Cultura E ColoraçãOMeios De Cultura E ColoraçãO
Meios De Cultura E ColoraçãO
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D   O ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO D   O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D O ALUNO.pdf
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO     DO ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO     DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO A LUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO A    LUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO A    LUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO A LUNO.pdf
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D   O ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO D   O ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO D O ALUNO.pdf
 
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdfTEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO    ALUNO.pdf
TEMPLATE PRATICA ROTEIRO DO ALUNO.pdf
 

Mais de Maria Jaqueline Mesquita

111780598 questoes-urinalise
111780598 questoes-urinalise111780598 questoes-urinalise
111780598 questoes-urinalise
Maria Jaqueline Mesquita
 
99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
Maria Jaqueline Mesquita
 
99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso
Maria Jaqueline Mesquita
 
99257151 tecidos-musculares
99257151 tecidos-musculares99257151 tecidos-musculares
99257151 tecidos-musculares
Maria Jaqueline Mesquita
 
80502431 urinalise
80502431 urinalise80502431 urinalise
80502431 urinalise
Maria Jaqueline Mesquita
 
71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido
71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido
71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido
Maria Jaqueline Mesquita
 
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
Maria Jaqueline Mesquita
 
63231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-1
63231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-163231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-1
63231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-1
Maria Jaqueline Mesquita
 
59212842 texto-fecundacao
59212842 texto-fecundacao59212842 texto-fecundacao
59212842 texto-fecundacao
Maria Jaqueline Mesquita
 
53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario
53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario
53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario
Maria Jaqueline Mesquita
 
48968400 apostila-tecidos
48968400 apostila-tecidos48968400 apostila-tecidos
48968400 apostila-tecidos
Maria Jaqueline Mesquita
 
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp0238515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
Maria Jaqueline Mesquita
 
29514984 introducao-a-embriologia
29514984 introducao-a-embriologia29514984 introducao-a-embriologia
29514984 introducao-a-embriologia
Maria Jaqueline Mesquita
 
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
Maria Jaqueline Mesquita
 
27629912 questoes-microbiologia-1
27629912 questoes-microbiologia-127629912 questoes-microbiologia-1
27629912 questoes-microbiologia-1
Maria Jaqueline Mesquita
 
26976266 histologia-e-embriologia
26976266 histologia-e-embriologia26976266 histologia-e-embriologia
26976266 histologia-e-embriologia
Maria Jaqueline Mesquita
 
14052675 reproducao-animal
14052675 reproducao-animal14052675 reproducao-animal
14052675 reproducao-animal
Maria Jaqueline Mesquita
 
8669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-1
8669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-18669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-1
8669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-1
Maria Jaqueline Mesquita
 
2364097 microbiologia
2364097 microbiologia2364097 microbiologia
2364097 microbiologia
Maria Jaqueline Mesquita
 
113975 estudo dirigido parte 1 micro
113975 estudo dirigido parte 1 micro113975 estudo dirigido parte 1 micro
113975 estudo dirigido parte 1 micro
Maria Jaqueline Mesquita
 

Mais de Maria Jaqueline Mesquita (20)

111780598 questoes-urinalise
111780598 questoes-urinalise111780598 questoes-urinalise
111780598 questoes-urinalise
 
99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
99257287 tecidos-epiteliais-e-tecidos-conjuntivos
 
99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso
 
99257151 tecidos-musculares
99257151 tecidos-musculares99257151 tecidos-musculares
99257151 tecidos-musculares
 
80502431 urinalise
80502431 urinalise80502431 urinalise
80502431 urinalise
 
71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido
71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido
71447491 microbiologia-aplicada-estudo-dirigido
 
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
67347132 sesi-texto-sobre-reproducao
 
63231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-1
63231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-163231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-1
63231051 estudo-dirigido-parasitologia-humana-1
 
59212842 texto-fecundacao
59212842 texto-fecundacao59212842 texto-fecundacao
59212842 texto-fecundacao
 
53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario
53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario
53744388 as-fases-do-desenvolvimento-embrionario
 
48968400 apostila-tecidos
48968400 apostila-tecidos48968400 apostila-tecidos
48968400 apostila-tecidos
 
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp0238515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
 
29514984 introducao-a-embriologia
29514984 introducao-a-embriologia29514984 introducao-a-embriologia
29514984 introducao-a-embriologia
 
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
 
27629912 questoes-microbiologia-1
27629912 questoes-microbiologia-127629912 questoes-microbiologia-1
27629912 questoes-microbiologia-1
 
26976266 histologia-e-embriologia
26976266 histologia-e-embriologia26976266 histologia-e-embriologia
26976266 histologia-e-embriologia
 
14052675 reproducao-animal
14052675 reproducao-animal14052675 reproducao-animal
14052675 reproducao-animal
 
8669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-1
8669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-18669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-1
8669090 principios-basicos-de-microbiologia-aula-1
 
2364097 microbiologia
2364097 microbiologia2364097 microbiologia
2364097 microbiologia
 
113975 estudo dirigido parte 1 micro
113975 estudo dirigido parte 1 micro113975 estudo dirigido parte 1 micro
113975 estudo dirigido parte 1 micro
 

53292193 aula-de-meios-de-cultura

  • 2. MEIO DE CULTURA DEFINIÇÃO - São preparados especiais com finalidade de cultura e isolamento de microrganismos. - Uma grande variedade de processo e de preparações nutrientes é utilizada para induzir o crescimento e as reproduções de microorganismos.
  • 3. MEIOS DE CULTURA - Não existe um meio de cultura universal para o crescimento de todos os microrganismos. Ex: não existe meio de cultura para microrganismos como Treponema pallidum e Micobacterium leprae. - Estes microrganismos só podem ser cultivados em animais de laboratório.
  • 4. MEIOS DE CULTURA NATURAIS - Lagos - Oceanos - Solo ARTIFICIAIS OU SINTÉTICOS - São nutrientes preparados no laboratório para o crescimento de microrganismos.
  • 6. MEIOS DE CULTURA PREPARAÇÃO - De acordo com o fabricante. - Técnica de preparação vem especificada no rótulo dos frascos. - Pesar e hidratar o meio conforme as instruções do fabricante.
  • 8. MEIOS DE CULTURA MÉTODOS DE ESTERILIZAÇÃO 1 - Autoclave (calor úmido) 121ºC por 15 a 20 minutos. - Vapor fluente
  • 9. MEIOS DE CULTURA MÉTODOS DE ESTERILIZAÇÃO 2 – FILTRAGEM - Produtos termo sensíveis - Membranas de acetato de celulose (0,22 μm).
  • 10. RECIPIENTES PARA OS MEIOS DE CULTURA. - Placas de petri, tubos de ensaio, garrafas, frascos, etc...
  • 11. CONSTITUINTES DO MEIO DE CULTURA - Água: Principal solvente dos nutrientes. - Fontes de Carbono: pode ser do CO2 ou de nutrientes orgânicos (carboidratos, lipídeos e proteínas). - Fonte de energia: Carboidratos como amido, glicogênio, monossacarídeos
  • 12. CONSTITUINTES DO MEIO DE CULTURA • - Fonte de Nitrogênio “base amino- proteína”: peptidase: Aminoácidos, peptídeos, proteínas complexas e peptona. • - Fontes de oxigênio, hidrogênio, fósforo (fosfatos) e enxofre (sulfatos) - Vitaminas: Complexo B ( biotina e
  • 13. CONSTITUINTES DO MEIO DE CULTURA - Sais tamponados: Fósforo (fosfatos), enxofre (sulfato) e citrato. - Sais minerais: Cálcio, Ferro, Magnésio - Fatores de crescimento: sangue, soro e extrato de levedura.
  • 14. MEIOS DE CULTURA - Agentes seletivos: Químicos, Corantes, e Antimicrobianos - Indicadores de pH: feno vermelho - Agentes de gelificação para meios sólidos: Ágar
  • 16. 1 – DE ACORDO COM A CONSISTÊNCIA SÓLIDOS - Usa ágar, um polímero de galactose como agente solidificante na concentração de 1,35 a 2,0%. - Funde-se à 100ºC, Líquido à 40ºC e sólido à 37ºC. - São feitos em frascos, placas de petri e tubos de ensaio.
  • 17. 1 – DE ACORDO COM A CONSISTÊNCIA SEMI-SÓLIDOS - Usa ágar, como agente solidificante na concentração de 0,2 à 0,75%. - Funde-se à 100ºC, Líquido à 40ºC e Semi-sólido à 37ºC. - São feitos em tubos de ensaio
  • 18. 1 – DE ACORDO COM A CONSISTÊNCIA LÍQUIDOS - São os meios isentos de ágar. - São sempre líquidos mesmo até a 37ºC e em temperaturas inferiores. - São feitos em tubos de ensaio
  • 19. CRESCIMENTO MICROBIANO MEIO SÓLIDO: o crescimento de bactérias é visualizado pela formação de colônias. MEIO SEMI-SÓLIDO: o crescimento de bactérias é visualizado pela turvação. Meio muito utilizado para verificar a motilidade (movimento) da bactéria. MEIO LÍQUIDO: o crescimento de bactérias é visualizado pela turvação do meio.
  • 20. CRESCIMENTO MICROBIANO MEIO SÓLIDO COLÔNIAS: são milhares de células bacterianas derivadas de uma única célula bacteriana semeada na superfície do ágar. TEMPO PARA VISUALIZAÇÃO DAS COLÔNIAS: - Maioria dos microrganismos cresce de 12 à 48 horas. - Outros exigem semanas e até mêses.
  • 22. CRESCIMENTO MICROBIANO MEIO SEMI-SÓLIDO E LÍQUIDO : TURVAÇÃO
  • 23. CRESCIMENTO MICROBIANO MEIO SÓLIDO Exemplos: Ágar Sangue, Ágar chocolate, Ágar MacConkey, Ágar SS (Salmonela, Shigella), Ágar VB (Verde- Brilhante), Ágar CLED (Cisteína Lactose Eletrólitos Deficientes), Ágar Base, Ágar Citrato de Simmons, Ágar Nutriente, Ágar TSI (Triplice Açúcar e Ferro), Ágar Müller Hinton), etc....
  • 25. CRESCIMENTO MICROBIANO MEIO SEMI-SÓLIDO Exemplos: Ágar SIM (Motilidade Indol Sulfeto) etc.... MEIO LÍQUIDO: Exemplos: BHI (Infusão de cérebro e coração), Tetrationato, Selenito, Uréia, etc...
  • 26. CRESCIMENTO MICROBIANO MEIO SÓLIDO X MEIO LÍQUIDO - Meio líquido é impossível afirmar a existência de mais de uma espécie de bactérias ou até mesmo quantificar. - Meio sólido pode-se afirmar a presença de várias espécies bacterianas.
  • 27. CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA 2 – TIPOS ou FUNÇÃO MEIOS COMPLEXOS - São meios quimicamente indefinidos, mas tem como função similar ao ambiente natural da bactéria. Ex: Ágar sangue, Ágar chocolate.
  • 28. CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA 2 – TIPOS MEIOS SINTÉTICOS - São meios de composição química conhecida. São utilizados para estudo de necessidades nutricionais de determinadas bactérias. Ex: Meio para micobactérias.
  • 29. CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA 2 – TIPOS MEIOS DIFERENCIAIS - São meios que permitem a distinção (diferenciação) entre dois ou mais tipos de bactérias pelas simples observação das características apresentadas pelas suas colônias que neles se desenvolvem. - Os meios diferenciais permitem o crescimento de várias espécies ao mesmo tempo, que facilita a discriminação entre os diferentes microrganismos.
  • 30. CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA 2 – TIPOS MEIOS DIFERENCIAIS Ex: Mac Conkey - Permite a distinção entre bactérias fermentadoras da lactose (lactose positiva – apresenta colônias rosa) e bactérias não fermentadora da lactose (lactose negativa – apresenta colônias incolores).
  • 31. CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA MEIOS DIFERENCIAIS Ex: Mac Conkey
  • 32. CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA MEIOS DIFERENCIAIS Ex: Mac Conkey
  • 33. CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA 2 – TIPOS MEIOS SELETIVOS - São meios cuja composição promovem e/ou inibem o crescimento de um determinado microrganismo ou grupo de microrganismos. - Os meios seletivos proporcionam o meio pelo qual podemos isolar uma determinada espécie ou categoria de bactérias.
  • 34. CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA 2 – TIPOS MEIOS SELETIVOS - São usadas substâncias seletivas como os corantes tais como cristal violeta, azul de metileno, eosina e verde brilhante. Ex. Mac Conkey além de seus nutrientes contém cristal violeta e sais biliares que inibe o crescimento de bactérias Gram- positivas e permitindo o crescimento de Gram-negativas.
  • 35. CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA 2 – TIPOS OSERVAÇÃO - ALGUNS MEIOS SÃO TANTO DIFERENCIAIS COMO SELETIVOS. Ex: Ágar Mac Conkey
  • 36. CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA 2 – TIPOS MEIOS DE ENRIQUECIMENTO - São meios utilizados para isolar um microrganismo de um meio em que está presente em pequena quantidade. - São meios enriquecidos com sangue, soro ou outros nutrientes. Ex: Ágar sangue, Ágar chocolate.
  • 37. CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA 2 – TIPOS MEIOS DE ENRIQUECIMENTO Ex: Tetrationato e Selenito - São meios usados para amostras fecais (coprocultura) inibindo o crescimento da microbiota (bactérias normais das fezes) e permitindo o crescimento de Salmonella e Shigella que são patogênicas.
  • 38. CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA 2 – TIPOS MEIOS DE TRANSPORTE - São meios utilizados para o transporte e manutenção de amostras biológicas como fezes e secreções. - São meios inertes, pois, permitem a viabilidade da maioria dos patógenos sem alterar a sua concentração.
  • 39. CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA 2 – TIPOS MEIOS DE TRANSPORTE Ex: Meio de Stuart ou Amies usado para o transporte com swabs. Ex: Meio Cary-Blair e salina glicerinada tamponada útil no transporte de fezes para o isolamento de shigella e Salmonella.
  • 40. CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA MEIOS DE TRANSPORTE
  • 41. CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA 2 – TIPOS MEIOS DE MANUTENÇÃO - São meios utilizados para a preservação das bactérias para a realização de exames complementares para estudos futuros como pesquisa clínica, epidemiológica ou educacional. Ex: Caldo TSB, caldo nutriente, água destilada.
  • 42. MEIOS DE MANUTENÇÃO Métodos de preservação: Curto período de tempo: temperaturas de 2 a 8 ºC ou de 4 à 10ºC (refrigerador): duração por semanas. Fazer subculturas em caldo TSB ou caldo nutriente. Longo período de tempo: temperaturas de -70 à -196ºC. Duração por anos (1 até 10 anos). - Nitrogênio líquido: (-196ºC) - Freezers: (-70 à -120ºC) temperatura ultra baixa. - Liofilização: congelamento à seco.
  • 43. CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA 2 – TIPOS MEIOS DE IDENTIFICAÇÃO - São meios utilizados na identificação das bactérias Gram-positivas e Gram- negativas. Ex: EPM e MILI para identificação de Enterobactérias (Gram-negativas) e Rugai Ágar Bile esculina. Identificação de Gram-positivas.
  • 44. CLASSIFICAÇÃO DO MEIO DE CULTURA MEIOS DE IDENTIFICAÇÃO EPM E MILI RUGAI
  • 45. CONDIÇÕES FÍSICAS PARA A CULTURA DAS BACTÉRIAS - TEMPERATURA - pH - ATMOSFERA GASOSA - PRESSÃO OSMÓTICA - PRESSÃO HIDROSTÁTICA - LUZ
  • 46. CONDIÇÕES FÍSICAS PARA A CULTURA DAS BACTÉRIAS PRESSÃO OSMÓTICA - Meios hipertônicos: as bactérias perdem água e sofrem plasmólise ou enrugamento da célula. - Meios isotônicos: concentrações iguais, é o mais recomendado. - Meios hipotônicos: as células ganham água e sofrem lise.
  • 47. CONDIÇOES FÍSICAS PARA CRESCIMENTO. TEMPERATURA - Psicotróficos: 0 à 7ºC - Psicrófilos: 0 à 20ºC. - Mesófilos: 20 à 45°C. - Termófilos: 45 à 90°C. A maioria são mesófilas. - Temperatura ótima: 36,5 a 37°C em estufa bacteriológica.
  • 48. CRESCIMENTOS DAS BACTÉRIAS pH - Acidófilos: pH 0,1 à 5,4 - Neutrófilos: pH 5,4 à 8,5 - Alcalófilas: ph 7,0 à 11,5 A maioria na faixa de 4,0 a 9,0. - Ideal: próximo da neutralidade 6,8 a 7,2. - pH próximo do neutro (7,0) para a maioria das bactérias.
  • 49. CRESCIMENTOS DAS BACTÉRIAS LUZ - Bactérias fotossintetizantes - Bactérias inibidas pela luz.
  • 50. CRESCIMENTO DAS BACTÉRIAS PRESSÃO HIDROSTÁTICA - Água dos oceanos e lagos exercem pressão hidrostática. - Bactérias barófilas: vivem em alta pressão “profundidade”.
  • 51. CRESCIMENTOS DAS BACTÉRIAS ATMOSFERA GASOSA - Microrganismos aeróbios: 21% de oxigênio. - Jarra de microaerofilia para microrganismos que necessitam de CO2.
  • 52. CRESCIMENTOS DAS BACTÉRIAS ATMOSFERA GASOSA - Microrganimos anaeróbios facultativos: crescem na presença de ar ou anaeróbiose. - Microrganimos microaerófilos: Não resistem á níveis de oxigênio (1- 15%).
  • 53. CRESCIMENTOS DAS BACTÉRIAS ATMOSFERA GASOSA - Microrganismos anaeróbios: Morrem em presença de oxigênio, não crescem em presença de ar e não utilizam oxigênio para reações de produção de energia. - Jarra de anaerobiose.
  • 54. CRESCIMENTOS DAS BACTÉRIAS TEMPO - Aumento no número da população na cultura: 1→2→4→8→16→…… Progressão geométrica? 1→21 →22 →23 →24 ….→2n n = número de gerações 2n = número total de células em uma cultura.
  • 55. CRESCIMENTOS DAS BACTÉRIAS TEMPO DE GERAÇÃO DAS BACTÉRIAS. - De 30 em 30 minutos. - PERÍODO DE INCUBAÇÃO - 24 a 48 horas em estufa bacterilógica.
  • 57. MEIOS DE CULTURA MAIS UTILIZADOS. Ágar sangue de carneiro a 5,0% - Meio não seletivo e diferencial que permite o crescimento de bactérias Gram-positivas e Gram-negativas, além de permitir a visualização de hemólise.
  • 58. MEIOS DE CULTURA MAIS UTILIZADOS. Ágar sangue de carneiro a 5,0%
  • 59. MEIOS DE CULTURA MAIS UTILIZADOS. Ágar Mac Conkey - Meio seletivo e diferencial que permite o crescimento de bactérias (bacilos) Gram-negativas, diferenciando as bactérias em lactose positiva e lactose negativa. Inibe o crescimento de bacctérias Gram-positivas.
  • 60. MEIOS DE CULTURA MAISUTILIZADOS. Ágar Mac Conkey • - É utilizado para o isolamento de Enterobactérias (Escherichia coli, Proteus sp, etc.. e bacilos entéricos não fermentadores (Shigella e Salmonella). • - Amostras utilizadas: fezes, urina, água de esgoto, alimentos , etc...
  • 61. MEIOS DE CULTURA MAIS UTILIZADOS. Ágar Mac Conkey - Sua composição contém cristal violeta e sais biliares que inibe o crescimento de bactérias Gram-positivas. - Utiliza a lactose como único carboidrato como fonte de energia e carbono.
  • 62. MEIOS DE CULTURA MAIS UTILIZADOS. Ágar Mac Conkey - Bactérias fermentadoras de lactose produzem enzimas como a beta-galactosidase e lactose permease que produzem ácido diminuindo o pH e produzem colônias rosas chamadas de colônias lactose positiva. Ex: Escherichia coli
  • 63. MEIOS DE CULTURA MAIS UTILIZADOS. Ágar Mac Conkey - Bactérias não fermentadoras de lactose não produzem enzimas portanto não produzem ácidos, aumenta o pH do meio, produzindo colônias incolores, transparentes ou ambar chamadas de colônias lactose negativa. Ex: Salmonella typhi, Shigella dysenteriae.
  • 64. MEIO DE CULTURA Mac Conkey Lactose positiva Lactose negativa
  • 65. IDENTIFICAÇÃO DAS COLÔNIAS 1 - CARACTERÍSTICAS DAS COLÔNIAS TAMANHO (mm) - Grande: maior que 1 mm de tamanho - Média: 1 mm de diâmetro - Pequena: menor que 1 mm de diâmetro.
  • 66. IDENTIFICAÇÃO DAS COLÔNIAS COR - Amarela, Branca, Branca- acinzentada, Cinza, Rosa, Esverdeada, Preta, Alaranjada, Creme, Incolor, etc... ODOR - Uva, Água sanitária, Fermento de pão, Vinagre, Queijo, Terra molhada, Peixe, Caramelo, etc...
  • 67. IDENTIFICAÇÃO DAS COLÔNIAS DENSIDADE - Opaca, Translúcida, Transparente CONSISTÊNCIA - Brilhante, Cremosa, Seca, Mucóide PIGMENTO - Amarelo, Vermelho, Mostarda
  • 68. IDENTIFICAÇÃO DAS COLÔNIAS BORDA OU FORMA - Circular (redonda), irregular, puntiforme, ondulada ELEVAÇÃO - Convexa, Achatada, Elevada, Umbilicada, centro elevado
  • 69. IDENTIFICAÇÃO DAS COLÔNIAS HEMÓLISE: é a lise (quebra, rompimento) da hemácia. Total (beta- hemólise): zona clara ao redor das colônias. Parcial (alfa-hemólise): há formação de um halo esverdeado em volta da colônia, indicando hemólise parcial das hemácias. Ausência de hemólise (gama- hemólise): o meio permanece íntegro em volta das colônias.
  • 70. Ágar sangue de carneiro a 5,0% Hemólise
  • 71. Ágar sangue de carneiro a 5,0% Tipos de hemólise (alfa, beta e gama)
  • 72. MEIOS DE CULTURA CONTROLE DE QUALIADE - Cepas padrão
  • 73. MEIOS DE CULTURA TÉCNICAS DE SEMEADURA 1 - Semeadura quantitativa com alça calibrada.
  • 74. MEIOS DE CULTURA TÉCNICAS DE SEMEADURA 2 - Semeadura por esgotamento.
  • 75.
  • 76. MEIOS DE CULTURA Inoculação dos meios de cultura. - INÓCULO: é quando os microrganismos são colocados em um meio de cultura para iniciar o crescimento. Inocular primeiramente os meios menos seletivos para evitar que substâncias inibidoras sejam transferidas de um meio para o outro. Ex: semear primeiro no ágar sangue ou ágar chocolate em seguida no mac Conkey.
  • 77. CULTURA: é quando os microrganismos cresecem e se multiplicam no meio de cultura.
  • 78. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARBOSA, H. R.; TORRES, B. B. Microbiologia básica. São Paulo: Atheneu, 2005. BLACK, J. G. Microbiologia – fundamentos e aplicações. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. KONEMAN, E. W.; ALLEN, S. D.; JANDA, W. M.; SCHRECKENBERGER, P. C.; WINN JÚNIOR, W. C. Diagnóstico microbiológico. Texto e atlas colorido. 5. ed. Rio de Janeiro: MEDSI Ed. Médica e Científica, 2001. LEVINSON, W.; JAWETZ, E. Microbiologia médica e imunologia. 7. ed. Porto Alegre: Artmed, 2005. MINS, C.; PLAYFAIR, J.; RITT, I. WAKELIN, D.; WILLIAMS. R. Microbiologia médica. 2. ed. São Paulo: Manole, 1999. PELCZAR Jr., M. J.; CHAN, E. C. S. KRIEG, N. R. Microbiologia – conceitos e aplicações. 2. ed. v. 1 e 2. São Paulo: Makron Books do Brasil, 1997. SPICER, W. J. Bacteriologia, micologia e parasitologia clínicas – um texto ilustrado em cores. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000. THOMAS, C. L. Dicionário médico enciclopédico – Taber. 17. ed. São Paulo: Manole, 2000. TORTURA, G. J.; FUNKE, B. R.; CASE, C. H. Microbiologia. 8. ed. São Paulo: Artmed, 2005. TRABULSI, L. R.; ALTERTHUM. Microbiologia. 4. ed. São Paulo: Atheneu,