SlideShare uma empresa Scribd logo
CIDE-Royalties Aspectos polêmicos Tácio Lacerda Gama
Conceitos fundamentais Tecnologia  – conjunto de conhecimentos técnicos que se aplicam a determinado ramo de atividade industrial / comercial Transferência de tecnologia  – possibilita a exploração temporária dos direitos da propriedade industrial ou outros bens jurídicos imateriais de natureza tecnológica
Conceitos fundamentais Contratos típicos de transferência de tecnologia – Ato Normativo 135/97 – INPI 1) Licença para exploração de patentes 2) Licença para o uso de marcas 3) Fornecimento de tecnologia (licenciamento de  know-how) 4) Prestação de serviços de assistência técnica e científica 5) Franquia ( franchising )* * Embora não conste do ato normativo, pela sua natureza, considera-se que os contratos de franquia também se enquadram na categoria de transferência de tecnologia
Conceitos fundamentais R oyalties   remuneração pelo uso, fruição ou exploração da tecnologia transferida; retribuição pela exploração dos direitos cedidos a outrem
Conceitos fundamentais Definição legal - Lei nº 4.506/64 Art. 22. Serão classificados como ‘royalties’ os rendimentos de qualquer espécie decorrentes do uso, fruição, exploração de direitos, tais como: a) direito de colher ou extrair recursos vegetais, inclusive florestais; b) direito de pesquisar e extrair recursos minerais; c) uso ou exploração de invenções, processos e fórmulas de fabricação e de marcas de indústria e comércio; d) exploração de direitos autorais, salvo quando percebidos pelo autor ou criador do bem ou obra.
Definição no direito internacional Convenção-Modelo da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (CM-OCDE), de 1992: Artigo 12. ‘Royalties’ (…) pagamento de qualquer natureza recebido como contraprestação pelo uso, ou pelo direito de uso, de  qualquer direito autoral sobre a obra literária, artística ou científica, incluindo filmes cinematográficos, qualquer patente, marca, desenho ou modelo, plano, qualquer fórmula ou processo secreto ou por informações relativas a experiência industrial,  comercial ou científica. (tradução livre )
Apesar de as convenções-modelo  não  terem efeitos vinculantes, a definição proposta pela OCDE é utilizada na grande maioria dos tratados internacionais celebrados pelo Brasil
Conceitos fundamentais Divergência entre a legislação brasileira e o modelo proposto pela OCDE a) Pesquisa e exploração de jazidas minerais, fontes e outras riquezas do solo ou das florestas: Brasil:  royalties OCDE: lucros imobiliários Tratados internacionais: ora  royalties , ora lucros imobiliários
b) Despesas com assistência técnica, sem transferência de tecnologia (não averbados no INPI): Brasil: remuneração por serviços (Ato COSIT nº 1/00 – RFB) OCDE:  royalties Tratados internacionais: ora  royalties , ora serviços
Tributação das remessas ao exterior IR - Fonte: 15%  Lei nº 10.168/2000 – art. 2º-A c/c RIR/1999 – art. 710 Cide: 10%  Lei nº 10.168/2000 – art. 2º Exceções : - Países com tributação favorecida (25% de IRRF) - Tratados internacional com Japão (IRRF de 12,5%)
Regra-matriz de incidência da  CIDE-Royalties   Lei nº 10.168/00: Art. 1º. Fica instituído o Programa de Estímulo à Interação Universidade-Empresa para o Apoio à Inovação, cujo objetivo principal é estimular o desenvolvimento tecnológico brasileiro, mediante programas de pesquisa científica e tecnológica cooperativa entre universidades, centros de pesquisa e o setor produtivo. Art. 2º. Para fins de atendimento ao Programa de que trata o artigo anterior, fica instituída contribuição de intervenção no domínio econômico, devida pela pessoa jurídica detentora de licença de uso ou adquirente de conhecimentos tecnológicos, bem como aquela signatária de contratos que impliquem transferência de tecnologia, firmados com residentes ou domiciliados no exterior.
Regra-matriz de incidência da CIDE- Royalties § 1º. Consideram-se, para fins desta Lei, contratos de transferência de tecnologia os relativos à exploração de patentes ou de uso de marcas e os de fornecimento de tecnologia e prestação de assistência técnica. § 2º. A partir de 1º de janeiro de 2002, a contribuição (...) passa a ser devida também pelas pessoas jurídicas signatárias de contratos que tenham por objeto serviços técnicos e de assistência administrativa e semelhantes a serem prestados por residentes ou domiciliados no exterior, bem assim pelas pessoas jurídicas que pagarem, creditarem, entregarem, empregarem ou remeterem  ‘royalties’, a qualquer título,  a beneficiários residentes ou domiciliados no exterior.
Hipótese de incidência Critério material:  (i) deter licença de uso de conhecimentos tecnológicos; (ii) adquirir conhecimentos tecnológicos; (iii) ser signatária de contratos que impliquem transferência de tecnologia, e (iv) ser signatária de contratos de serviços técnicos e de assistência administrativa e semelhantes. Critério espacial:  território nacional. Critério temporal:  momento da remessa ao exterior.
Conseqüente Critério pessoal:  sujeito ativo:  União;  sujeito passivo:  a pessoa sediada no Brasil que remete valores ao exterior, em decorrência das atividades descritas na hipótese. Critério quantitativo:  base de cálculo:  valores pagos, creditados, entregues, empregados ou remetidos, a cada mês, a residentes ou domiciliados no exterior, em razão das obrigações relacionadas às condutas referidas no critério material;  alíquota:  10%.
Destinação específica A lei instituidora do tributo destinou o produto da sua arrecadação à finalidade especial: financiar o desenvolvimento tecnológico brasileiro . Os valores arrecadados devem ser, por expressa disposição legal, integralmente destinados ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – FNDCT, criado pelo Decreto-Lei nº 719/69 e, supostamente, restabelecido pela Lei nº 8.172/91.
Aspectos polêmicos É válido o fundo a que se destina o produto da sua arrecadação? ADCT: Art. 36. Os  fundos existentes  na data da promulgação da Constituição, excetuados os resultantes de isenções fiscais que passem a integrar o patrimônio privado e os que interessem à defesa nacional,  extinguir-se-ão, se não forem ratificados pelo Congresso Nacional no prazo de dois anos .”   Lei nº 8.172, de 22 de janeiro de 1991: Art. 1° Fica restabelecido o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT), criado pelo Decreto-Lei n° 719, de 31 de julho de 1969.”
Aspectos polêmicos TRIBUTÁRIO E CONSTITUCIONAL. CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO – CIDE (LEI Nº 10.168/00). FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO – FNDCT. LEI 8.172/91. NECESSIDADE DE LEI COMPLEMENTAR.. (…) II – Não tendo o Congresso Nacional ratificado o FNDCT no prazo previsto no art. 36 do ADCT, a sua recriação só pode ser feita através de Lei Complementar. III –  Considerando-se inexistente o FNDCT, para o qual se destinava a contribuição exigida pela Lei nº 10.168/2000, desaparece a destinação da exação, o que a torna também inexistente ,  ou a transforma em imposto vinculado, o que é vedado pelo art. 167 da Constituição Federal, impondo-se desta forma a sua inexigibilidade  (precedente da Quarta Turma desta Corte Regional). V – Dou parcial provimento ao apelo.  (TRF 2ª Região – AMS 2001.51.01.014309-0 – Rel. Des. Rogério Carvalho –  DJU  02.09.2004)
Aspectos polêmicos TRIBUTÁRIO E PROCESSUAL CIVIL. ANTECIPAÇÃO DE TUTELA. SUSPENSÃO DE EXIGIBILIDADE DA CONTRIBUIÇÃO PARA O FUNDO AEROVIÁRIO, INSTITUÍDO PELO DECRETO-LEI Nº 270, DE 28 DE FEVEREIRO DE 1967, RECRIADO PELA LEI Nº 8.173/91. VEROSSIMILHANÇA DO DIREITO INVOCADO QUANTO À INEXIGIBILIDADE DA EXAÇÃO. COMPENSAÇÃO TRIBUTÁRIA. INAPLICABILIDADE DA  SÚMULA 212 DO EG. STJ. IMPOSSIBILIDADE DE APLICAÇÃO RETROATIVA DA LEI  COMPLEMENTAR Nº 104/2001, QUE ALTEROU A REDAÇÃO DO CTN, EM SEU ART.  170. PRELIMINAR DE INTERVENÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. AGRAVO  DE  INSTRUMENTO IMPROVIDO. AGRAVO REGIMENTAL PREJUDICADO.  (…)  2) Verossimilhança do direito invocado,  tendo em vista a incompatibilidade do referido Fundo com a ordem constitucional vigente. O art. 36 do ADCT fixou prazo de dois anos para ratificação pelo Congresso Nacional dos fundos existentes, na data da promulgação da Constituição, sob pena de extinção. A Lei nº 8.173/91  não teve o condão de compatibilizar a referida cobrança com  a  Constituição em vigor, porquanto editada quando já expirado o prazo  previsto no ADCT. Ademais, tal contribuição só poderia ser  instituída por lei complementar, nos termos do art. 165, inciso II,  do  parágrafo  9º da CF/88. O Fundo Aeroviário não ostenta o predicado de ser entidade privada de serviço social e de formação profissional  vinculada ao sistema sindical, de modo que não se encontra excepcionado pelo art. 240 da Carta Política.  (TRF 2ª Região, Quarta Turma, AG nº 2000.02.01.027856-0, Rel. Juiz Fernando Marques,  DJ  13/09/2002)
Aspectos polêmicos A  CIDE-Royalties  é instrumento da União na respectiva área? A CIDE- Royalties  não preenche os principais requisitos constitucionais para que seja incluída na classe das contribuições interventivas: (i) ser destinada à intervenção em um setor determinado da economia; e (ii) devida exclusivamente por sujeitos que integrem o setor da economia sujeito à intervenção.
Aspectos polêmicos Busca-se estimular o desenvolvimento tecnológico em todo o país, beneficiando toda a sociedade e não apenas as empresas que integram o específico setor que está sujeito ao pagamento da presente contribuição; O setor científico e tecnológico não compõe a ordem econômica, mas sim a ordem social (arts. 214, V e 218, da Constituição da República);
Aspectos polêmicos É necessário Lei Complementar para sua instituição? CONSTITUCIONAL. TRIBUTÁRIO. CONTRIBUIÇÃO: SEBRAE: CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO. I. - As contribuições do art. 149, C.F. - contribuições sociais, de intervenção no domínio econômico e de interesse de categorias profissionais ou econômicas - posto estarem sujeitas à lei complementar do art. 146, III, C.F., isto não quer dizer que deverão ser instituídas por lei complementar. A contribuição social do art. 195, § 4º, C.F., decorrente de "outras fontes", é que, para a sua instituição, será observada a técnica da competência residual da União: C.F., art. 154, I, ex vi do disposto no art. 195, § 4º. A contribuição não é imposto. Por isso, não se exige que a lei complementar defina a sua hipótese de incidência, a base imponível e contribuintes: C.F., art. 146, III, a. Precedentes: RE 138.284/CE, Ministro Carlos Velloso, RTJ 143/313; RE 146.733/SP, Ministro Moreira Alves, RTJ 143/684. (…).  (STF, RE nº 396.226, Rel. Min. Carlos Velloso,  DJ  27.02.2004)
Aspectos polêmicos Aplicam-se os tratados internacionais à CIDE- Royalties ? Principais características dos Tratados: Integram o ordenamento jurídico interno Não revogam a legislação interna Estão sujeitos ao controle de constitucionalidade Estados renunciam voluntária e reciprocamente a uma parcela de sua soberania tributária
Aspectos polêmicos Principais objetivos dos Tratados: Prevenir a evasão fiscal Evitar a bitributação Estabelecer limites máximos sobre os tributos incidentes nos contratos que tenham por objeto a transferência de tecnologia Estimular a transferência internacional de tecnologia
Aspectos polêmicos Receita Federal do Brasil: REMESSA AO EXTERIOR DE ROYALTIES. É devida a contribuição de intervenção de domínio econômico, à alíquota de dez por cento, sobre os valores pagos, creditados, entregues, empregadas ou remetidas, à título de remuneração decorrente das obrigações indicadas no art. 2º da Lei nº 10.168/2000, à pessoa jurídica residente ou domiciliada na Holanda. A Convenção destinada a evitar a Dupla Tributação (...), entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo do Reino dos Países Baixos, aplica-se relativamente ao imposto federal sobre a renda, não alcançando contribuições federais. Portanto, não se cogita da aplicação de limite de alíquota de tributação do imposto de renda, de que trata o art. 12, inciso 2, da citada Convenção, no pagamento de royalties a residente na Holanda, considerando-se a soma das alíquotas do imposto sobre a renda e da contribuição de intervenção de domínio econômico.”  (Solução de Consulta nº 134/2001)
Aspectos polêmicos (...) O acordo para evitar a dupla tributação entre o Brasil e a China (Decreto nº 762, de 19 de fevereiro de 1993, aprovado por meio do Decreto Legislativo nº 85, de 24 de novembro de 1992) não se aplica à Cide, restringe-se apenas, no caso da República Federativa do Brasil, ao imposto federal de renda - excluídos o imposto de renda suplementar e o imposto sobre atividades de menor relevância - e, também, a quaisquer impostos idênticos ou substancialmente semelhantes que venham a ser instituídos após a data de sua assinatura.  (Solução de Consulta nº 165/2007)
Aspectos polêmicos Nossa posição: Os tratados internacionais para evitar a dupla-tributação também se aplicam à CIDE-Royalties, já que este tributo possui base de cálculo idêntica à do Imposto sobre a Renda.
Aspectos polêmicos Quando se considera ocorrida a hipótese de incidência? Registro contábil X Remessa Receita Federal do Brasil: CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO – Cide. A base de cálculo da contribuição de intervenção no domínio econômico, instituída pela Lei nº. 10.168, de 2.000, é o valor total da operação contratada, sem quaisquer deduções. O pagamento da contribuição deverá ser efetuado até o último dia útil da quinzena subseqüente ao mês de ocorrência do pagamento, crédito, entrega, emprego ou remessa ao exterior das importâncias previstas contratualmente, dentre essas hipóteses, a que primeiro ocorrer. (Solução de Consulta nº 170/2005)
Aspectos polêmicos Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico - Cide FATO GERADOR A contribuição instituída pelo art. 2º da Lei nº 10.168, de 29 de dezembro de 2000, incidirá sobre os valores pagos, creditados, entregues, empregados ou remetidos, a cada mês, a título de remuneração decorrente de contratos que impliquem em transferência de tecnologia. Ocorre a incidência da referida contribuição na data do lançamento contábil, já que o § 2º do art. 2º da Lei nº 10.168, de 2000, elegeu o "crédito" como momento de ocorrência do fato gerador.   (Solução de Consulta nº 90/2002)
Aspectos polêmicos É necessário o reajustamento da base de cálculo da CIDE- Royalties ? Receita federal do Brasil:  divergência no posicionamento. (...) OUTROS TRIBUTOS OU CONTRIBUIÇÕES – SERVIÇOS TÉCNICOS – A partir de primeiro de janeiro de 2001, os valores pagos, creditados, entregues, empregados ou remetidos por pessoa jurídica sediada no País a residentes ou domiciliados no exterior, em pagamento de serviços prestados, com ou sem transferência de tecnologia, estão sujeitos ao pagamento da CIDE, à alíquota de 10% (dez por cento).  Mencionada contribuição é encargo da pessoa jurídica remetente e incide sobre a base de cálculo sem reajustamento.  Dispositivos legais: Lei nº 10.168, de 29/12/2000; MP nº 2.062, de 03/02/2001.  (Processo de Consulta nº 99/01 – SRRF/6ª Região Fiscal –  DOU  17.10.2001).
Aspectos polêmicos CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO (CIDE). FATO GERADOR. A contribuição de intervenção no domínio econômico devida por pessoa jurídica signatária de contrato que tenha por objeto o fornecimento de tecnologia, firmado com residente ou domiciliado no exterior, tem por fato gerador o pagamento, o crédito, a entrega, o emprego ou a remessa ao exterior das importâncias previstas contratualmente, dentre essas hipóteses, a que primeiro ocorrer. BASE DE CÁLCULO.  A base de cálculo da contribuição é o valor correspondente à remuneração estipulada no contrato, sem qualquer dedução, não sendo admitido, portanto, que se desconte desse valor o imposto de renda na fonte sobre ele incidente.  (Solução de Consulta nº 30/2004)
Aspectos polêmicos Nossa posição: O princípio da legalidade estrita impõe que o exercício da competência tributária se dê por meio de lei, a qual deve, necessariamente, conter todos os critérios que permitam a identificação do acontecimento que ensejará a obrigação de o contribuinte levar aos cofres públicos parcela de sua riqueza. Não existe previsão legal determinando o reajustamento da base de cálculo da CIDE, como ocorre com o IRRF.
Aspectos polêmicos A declaração de inconstitucionalidade da CIDE- Royalties  afeta a cobrança do IR? Medida Provisória nº 2.062-60: Art. 3º. Fica  reduzida para quinze por cento a alíquota  do imposto de renda incidente na fonte sobre as importâncias pagas, creditadas, entregues, empregadas ou remetidas ao exterior a título de remuneração de serviços técnicos e de assistência técnica, e a título de róialties, de qualquer natureza,  a partir do início da cobrança da contribuição instituída pela Lei nº 10.168, de 29 de dezembro de 2000 .
Aspectos polêmicos Nossa opinião: Com a publicação da citada lei, foi plenamente atendido o requisito para a redução da alíquota para 15%, independentemente de ser válida ou não a cobrança do tributo por ela instituído. Desconsiderar a redução da alíquota para 15% equivalerá a represtinar o art. 7º, da Lei nº 9.779/99, o que é expressamente vedado, nos termos do art. 2°, § 3°, da Lei de Introdução ao Código Civil – Decreto n° 4.657/42.
Repercussões para o setor de telecomunicação Ato Declaratório Interpretativo SRF nº 25/2004 Art. 1º As disposições do Regulamento de Melbourne, trazidas pelo Tratado de Melbourne, celebrado em 09 de dezembro de 1988, não foram legitimamente incorporadas ao Direito Brasileiro, não tendo eficácia no País no tocante ao Imposto sobre a Renda e à Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) incidentes sobre as remessas efetuadas por empresas de telecomunicações pela prestação de serviços técnicos realizados em chamadas de longa distância internacional, iniciadas no País, ou em chamadas de longa distância nacional, em circunstâncias em que haja a utilização de redes de propriedade de não domiciliadas no Brasil.  Art. 2º É devido o Imposto sobre a Renda Retido na Fonte, à alíquota de 15%, e a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), à alíquota de 10%, sobre o total dos valores pagos, creditados, entregues, empregados ou remetidos às empresas de telecomunicações domiciliadas no exterior, a título de pagamento pela contraprestação de serviços técnicos realizados em chamadas de longa distância internacional, iniciadas no Brasil, ou a chamadas de longa distância nacional, em que haja a utilização de redes de propriedade de empresas congêneres, domiciliadas no exterior.
Repercussões para o setor de telecomunicação Art. 3º A base de cálculo do Imposto sobre a Renda e da Cide, incidentes nas hipóteses previstas no art. 2º, é o valor total da operação, ainda que não sejam as remessas integralmente enviadas ao exterior, e não apenas o saldo líquido resultante de encontro de contas envolvendo débitos e créditos entre o tomador e o prestador dos serviços.  Art. 4º Os rendimentos decorrentes da prestação de serviços técnicos de telecomunicações que sejam pagos, creditados, entregues ou remetidos a residentes ou domiciliados em países com os quais o Brasil mantenha tratados para evitar a dupla tributação (regularmente incorporados ao ordenamento jurídico brasileiro) estão sujeitos ao tratamento específico neles constantes.
Repercussões para o setor de telecomunicação REMESSAS PARA O EXTERIOR. SERVIÇOS DE TELEFONIA. TRÁFEGO SAINTE. REGULAMENTO DAS TELECOMU-NICAÇÕES INTERNACIONAIS. É inexigível o imposto de renda na modalidade fonte sobre a remessa de recursos ao exterior, em prol de operadora estrangeira domiciliada em país membro da UIT, como contraprestação pelo uso de sua rede de telecomunicações para completar chamadas iniciadas no Brasil.  (Solução de Consulta nº 146/2002)
Repercussões para o setor de telecomunicação REMESSAS PARA O EXTERIOR. SERVIÇOS DE TELEFONIA. TRÁFEGO SAINTE. REGULAMENTO DE TELECOMUNICAÇÕES INTERNACIONAL – RTI. REVISÃO DA SOLUÇÃO 146/2002. Os órgãos da Administração federal, dentre eles esta Secretaria, estão vinculados aos Pareceres expedidos pela Advocacia-Geral da União e aprovados pelo Presidente da República. O Regulamento Administrativo de Melbourne firmado no âmbito da União Internacional de Telecomunicações, devido à falta de aprovação cong ressional e promulgação presidencial, não tem eficácia para estabelecer isenção tributária. Incide o imposto de renda na modalidade fonte sobre as remessas feitas ao exterior, como remuneração dos serviços prestados por operadora estrangeira de comp lementação de ligações telefônicas iniciadas no Brasil e destinadas ao exterior (‘tráfego sainte’). Fica revista a Solução de Consulta 146/2002.  (Solução de Consulta nº 54/2003)
[email_address]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Orçamento de caixa
Orçamento de caixaOrçamento de caixa
Orçamento de caixa
Felipe Leo
 
4 o processo de planejamento financeiro e orçamento (1)
4 o processo de planejamento financeiro e orçamento (1)4 o processo de planejamento financeiro e orçamento (1)
4 o processo de planejamento financeiro e orçamento (1)
Cristina Maria
 
Aula Compras
Aula ComprasAula Compras
Aula Compras
Wilian Gatti Jr
 
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas EmpresasA Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãOAula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
Sonia Maria Malheiros Soares
 
Administração de Recursos Materiais.
Administração de Recursos Materiais.Administração de Recursos Materiais.
Administração de Recursos Materiais.
Euripedes Conrado Silva Conrado
 
Slides Introdução à Contabilidade
Slides  Introdução à ContabilidadeSlides  Introdução à Contabilidade
Slides Introdução à Contabilidade
Ana Paula Bevilacqua
 
Contabilidade Geral
Contabilidade GeralContabilidade Geral
Contabilidade Geral
Superprovas Software
 
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Rafael Gonçalves
 
Orçamento Empresarial por Sami Kuperchmit
Orçamento Empresarial por Sami KuperchmitOrçamento Empresarial por Sami Kuperchmit
Orçamento Empresarial por Sami Kuperchmit
Sami Kuperchmit
 
1.b Princípios Fundamentais de Contabilidade
1.b   Princípios Fundamentais de Contabilidade 1.b   Princípios Fundamentais de Contabilidade
1.b Princípios Fundamentais de Contabilidade
Bolivar Motta
 
Administração de recursos materiais e patrimoniais
Administração de recursos materiais e patrimoniaisAdministração de recursos materiais e patrimoniais
Administração de recursos materiais e patrimoniais
trifluralina
 
ORÇAMENTO EMPRESARIAL
ORÇAMENTO EMPRESARIALORÇAMENTO EMPRESARIAL
ORÇAMENTO EMPRESARIAL
Juliane Aparecida Alves
 
Fluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e práticaFluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e prática
Elmano Cavalcanti
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão Financeira
Cadernos PPT
 
Governança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di Miceli
Governança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di MiceliGovernança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di Miceli
Governança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di Miceli
Sustentare Escola de Negócios
 
Palestra: Gestão do fluxo de caixa
Palestra: Gestão do fluxo de caixaPalestra: Gestão do fluxo de caixa
Palestra: Gestão do fluxo de caixa
Universidade de Pernambuco
 
Capital de Giro e Ciclo Financeiro
Capital de Giro e Ciclo FinanceiroCapital de Giro e Ciclo Financeiro
Capital de Giro e Ciclo Financeiro
André Faria Gomes
 
Capital de giro exercicios
Capital de giro exerciciosCapital de giro exercicios
Capital de giro exercicios
admcontabil
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Diego Lopes
 

Mais procurados (20)

Orçamento de caixa
Orçamento de caixaOrçamento de caixa
Orçamento de caixa
 
4 o processo de planejamento financeiro e orçamento (1)
4 o processo de planejamento financeiro e orçamento (1)4 o processo de planejamento financeiro e orçamento (1)
4 o processo de planejamento financeiro e orçamento (1)
 
Aula Compras
Aula ComprasAula Compras
Aula Compras
 
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas EmpresasA Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
 
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãOAula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
 
Administração de Recursos Materiais.
Administração de Recursos Materiais.Administração de Recursos Materiais.
Administração de Recursos Materiais.
 
Slides Introdução à Contabilidade
Slides  Introdução à ContabilidadeSlides  Introdução à Contabilidade
Slides Introdução à Contabilidade
 
Contabilidade Geral
Contabilidade GeralContabilidade Geral
Contabilidade Geral
 
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
 
Orçamento Empresarial por Sami Kuperchmit
Orçamento Empresarial por Sami KuperchmitOrçamento Empresarial por Sami Kuperchmit
Orçamento Empresarial por Sami Kuperchmit
 
1.b Princípios Fundamentais de Contabilidade
1.b   Princípios Fundamentais de Contabilidade 1.b   Princípios Fundamentais de Contabilidade
1.b Princípios Fundamentais de Contabilidade
 
Administração de recursos materiais e patrimoniais
Administração de recursos materiais e patrimoniaisAdministração de recursos materiais e patrimoniais
Administração de recursos materiais e patrimoniais
 
ORÇAMENTO EMPRESARIAL
ORÇAMENTO EMPRESARIALORÇAMENTO EMPRESARIAL
ORÇAMENTO EMPRESARIAL
 
Fluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e práticaFluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e prática
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão Financeira
 
Governança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di Miceli
Governança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di MiceliGovernança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di Miceli
Governança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di Miceli
 
Palestra: Gestão do fluxo de caixa
Palestra: Gestão do fluxo de caixaPalestra: Gestão do fluxo de caixa
Palestra: Gestão do fluxo de caixa
 
Capital de Giro e Ciclo Financeiro
Capital de Giro e Ciclo FinanceiroCapital de Giro e Ciclo Financeiro
Capital de Giro e Ciclo Financeiro
 
Capital de giro exercicios
Capital de giro exerciciosCapital de giro exercicios
Capital de giro exercicios
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
 

Destaque

Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólio
Willian De Melo
 
Dicas de filmes
Dicas de filmesDicas de filmes
Dicas de filmes
PROFBILLY
 
Dicas de filmes
Dicas de filmesDicas de filmes
Dicas de filmes
milenamuch
 
Dicas de Concursos
Dicas de ConcursosDicas de Concursos
Dicas de estudos
Dicas de estudosDicas de estudos
Dicas de estudos
Confidential
 
Pornografico E Sensual
Pornografico E SensualPornografico E Sensual
Pornografico E Sensual
yalogo
 
A Relevância dos Órgãos de Defesa da Concorrência para a Democracia Econômica
A Relevância dos Órgãos de Defesa da Concorrência para a Democracia EconômicaA Relevância dos Órgãos de Defesa da Concorrência para a Democracia Econômica
A Relevância dos Órgãos de Defesa da Concorrência para a Democracia Econômica
Editora Fórum
 
A organização de carteis, trustes e monopólios. Conceitos, caracterizações, p...
A organização de carteis, trustes e monopólios. Conceitos, caracterizações, p...A organização de carteis, trustes e monopólios. Conceitos, caracterizações, p...
A organização de carteis, trustes e monopólios. Conceitos, caracterizações, p...
Marcelo Fabri
 
Slides organização carteis, trustes...
Slides organização carteis, trustes...Slides organização carteis, trustes...
Slides organização carteis, trustes...
kklaa
 
Entidades Reguladoras e Direito da Concorrência, Professor Doutor Rui Teixeir...
Entidades Reguladoras e Direito da Concorrência, Professor Doutor Rui Teixeir...Entidades Reguladoras e Direito da Concorrência, Professor Doutor Rui Teixeir...
Entidades Reguladoras e Direito da Concorrência, Professor Doutor Rui Teixeir...
A. Rui Teixeira Santos
 
Trustes, Cartéis e Conglomerados
Trustes, Cartéis e ConglomeradosTrustes, Cartéis e Conglomerados
Trustes, Cartéis e Conglomerados
Gabriel Carvalho
 
Dicas de fotografia por Claudia Regina
Dicas de fotografia por Claudia ReginaDicas de fotografia por Claudia Regina
Dicas de fotografia por Claudia Regina
Elizabeth Fantauzzi
 
Apresentação Direito Econômico Brasileiro
Apresentação Direito Econômico BrasileiroApresentação Direito Econômico Brasileiro
Apresentação Direito Econômico Brasileiro
Sergio Souza
 
Direito economico
Direito economicoDireito economico
Direito economico
zeramento contabil
 
Direito economico slide
Direito economico slideDireito economico slide
Direito economico slide
Evani Vieira Carneiro
 
Eternize um momento
Eternize um momentoEternize um momento
Eternize um momento
eternizeummomento
 
aula 2 Oligopólios AZ
aula 2 Oligopólios  AZaula 2 Oligopólios  AZ
aula 2 Oligopólios AZ
CADUCOC1
 
Termo de autorização uso da imagem
Termo de autorização uso da imagemTermo de autorização uso da imagem
Termo de autorização uso da imagem
GENIVALDO DAMASCENO SANTOS JÚNIOR
 
Holding slides
Holding slidesHolding slides
Holding slides
fbtslides
 

Destaque (19)

Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólio
 
Dicas de filmes
Dicas de filmesDicas de filmes
Dicas de filmes
 
Dicas de filmes
Dicas de filmesDicas de filmes
Dicas de filmes
 
Dicas de Concursos
Dicas de ConcursosDicas de Concursos
Dicas de Concursos
 
Dicas de estudos
Dicas de estudosDicas de estudos
Dicas de estudos
 
Pornografico E Sensual
Pornografico E SensualPornografico E Sensual
Pornografico E Sensual
 
A Relevância dos Órgãos de Defesa da Concorrência para a Democracia Econômica
A Relevância dos Órgãos de Defesa da Concorrência para a Democracia EconômicaA Relevância dos Órgãos de Defesa da Concorrência para a Democracia Econômica
A Relevância dos Órgãos de Defesa da Concorrência para a Democracia Econômica
 
A organização de carteis, trustes e monopólios. Conceitos, caracterizações, p...
A organização de carteis, trustes e monopólios. Conceitos, caracterizações, p...A organização de carteis, trustes e monopólios. Conceitos, caracterizações, p...
A organização de carteis, trustes e monopólios. Conceitos, caracterizações, p...
 
Slides organização carteis, trustes...
Slides organização carteis, trustes...Slides organização carteis, trustes...
Slides organização carteis, trustes...
 
Entidades Reguladoras e Direito da Concorrência, Professor Doutor Rui Teixeir...
Entidades Reguladoras e Direito da Concorrência, Professor Doutor Rui Teixeir...Entidades Reguladoras e Direito da Concorrência, Professor Doutor Rui Teixeir...
Entidades Reguladoras e Direito da Concorrência, Professor Doutor Rui Teixeir...
 
Trustes, Cartéis e Conglomerados
Trustes, Cartéis e ConglomeradosTrustes, Cartéis e Conglomerados
Trustes, Cartéis e Conglomerados
 
Dicas de fotografia por Claudia Regina
Dicas de fotografia por Claudia ReginaDicas de fotografia por Claudia Regina
Dicas de fotografia por Claudia Regina
 
Apresentação Direito Econômico Brasileiro
Apresentação Direito Econômico BrasileiroApresentação Direito Econômico Brasileiro
Apresentação Direito Econômico Brasileiro
 
Direito economico
Direito economicoDireito economico
Direito economico
 
Direito economico slide
Direito economico slideDireito economico slide
Direito economico slide
 
Eternize um momento
Eternize um momentoEternize um momento
Eternize um momento
 
aula 2 Oligopólios AZ
aula 2 Oligopólios  AZaula 2 Oligopólios  AZ
aula 2 Oligopólios AZ
 
Termo de autorização uso da imagem
Termo de autorização uso da imagemTermo de autorização uso da imagem
Termo de autorização uso da imagem
 
Holding slides
Holding slidesHolding slides
Holding slides
 

Semelhante a Apresentação cide royalties[2] - abetel

A Lei Do Bem E Sua AplicaçãO Em Empresas De Ti Eduardo Grizendi
A Lei Do Bem E Sua AplicaçãO Em Empresas De Ti   Eduardo GrizendiA Lei Do Bem E Sua AplicaçãO Em Empresas De Ti   Eduardo Grizendi
A Lei Do Bem E Sua AplicaçãO Em Empresas De Ti Eduardo Grizendi
Eduardo Grizendi
 
Tributos exterior
Tributos exteriorTributos exterior
Tributos exterior
ElaineSilva305
 
Prestação de Contas (leis federais) - Cemec Agosto 2014
Prestação de Contas (leis federais) - Cemec Agosto 2014Prestação de Contas (leis federais) - Cemec Agosto 2014
Prestação de Contas (leis federais) - Cemec Agosto 2014
Cultura e Mercado
 
Cidades Sustentaveis
Cidades SustentaveisCidades Sustentaveis
Cidades Sustentaveis
Sonia Francine
 
Alcance da não cumulatividade das contribuições sociais e a definição de insu...
Alcance da não cumulatividade das contribuições sociais e a definição de insu...Alcance da não cumulatividade das contribuições sociais e a definição de insu...
Alcance da não cumulatividade das contribuições sociais e a definição de insu...
Fabio Rodrigues de Oliveira
 
Decreto nº 9.188, de 1º de novembro de 2017
Decreto nº 9.188, de 1º de novembro de 2017Decreto nº 9.188, de 1º de novembro de 2017
Decreto nº 9.188, de 1º de novembro de 2017
Miguel Rosario
 
Novo Código Fiscal do Investimento - http://bit.ly/1vJKQ0r
Novo Código Fiscal do Investimento - http://bit.ly/1vJKQ0rNovo Código Fiscal do Investimento - http://bit.ly/1vJKQ0r
Novo Código Fiscal do Investimento - http://bit.ly/1vJKQ0r
UWU Solutions, Lda.
 
Ip inovatec incentivos e conceitos legais sobre inovação(2013)
Ip inovatec incentivos e conceitos legais sobre inovação(2013)Ip inovatec incentivos e conceitos legais sobre inovação(2013)
Ip inovatec incentivos e conceitos legais sobre inovação(2013)
emersonhenriques
 
Direito financeiro-receitas-públicas
Direito financeiro-receitas-públicasDireito financeiro-receitas-públicas
Direito financeiro-receitas-públicas
portustfs
 
Cemec - Prestação de Contas - Melissa de Mendonça - Aula 1 - Leis Federais
Cemec - Prestação de Contas - Melissa de Mendonça - Aula 1 - Leis FederaisCemec - Prestação de Contas - Melissa de Mendonça - Aula 1 - Leis Federais
Cemec - Prestação de Contas - Melissa de Mendonça - Aula 1 - Leis Federais
Cultura e Mercado
 
Novidades Legislativas Nº85 | 14/11/2013
Novidades Legislativas Nº85 | 14/11/2013Novidades Legislativas Nº85 | 14/11/2013
Novidades Legislativas Nº85 | 14/11/2013
Confederação Nacional da Indústria
 
Cemec prestação de contas - aula 2 - sirlene ciampi - gestão financeira e p...
Cemec   prestação de contas - aula 2 - sirlene ciampi - gestão financeira e p...Cemec   prestação de contas - aula 2 - sirlene ciampi - gestão financeira e p...
Cemec prestação de contas - aula 2 - sirlene ciampi - gestão financeira e p...
Cultura e Mercado
 
Palestra manual inovação tic eduardo grizendi fumsoft 30 07 2013
Palestra manual inovação tic eduardo grizendi fumsoft 30 07 2013Palestra manual inovação tic eduardo grizendi fumsoft 30 07 2013
Palestra manual inovação tic eduardo grizendi fumsoft 30 07 2013
Eduardo Grizendi
 
CI - 2015 - lei do bem revisitada
CI - 2015 - lei do bem revisitadaCI - 2015 - lei do bem revisitada
CI - 2015 - lei do bem revisitada
Delta Economics & Finance
 
4320
43204320
Orientações jurisprudenciais da seção de dissídios individuais i transitória
Orientações jurisprudenciais da seção de dissídios individuais i transitóriaOrientações jurisprudenciais da seção de dissídios individuais i transitória
Orientações jurisprudenciais da seção de dissídios individuais i transitória
Karla Nascimento
 
Aspectos polêmicos e atuais das licitações e contratos públicos na visão do TCU
Aspectos polêmicos e atuais das licitações e contratos públicos na visão do TCUAspectos polêmicos e atuais das licitações e contratos públicos na visão do TCU
Aspectos polêmicos e atuais das licitações e contratos públicos na visão do TCU
Daniel Barral
 
Regime diferenciado de contratações (rdc lei 12.462-11)
Regime diferenciado de contratações (rdc   lei 12.462-11)Regime diferenciado de contratações (rdc   lei 12.462-11)
Regime diferenciado de contratações (rdc lei 12.462-11)
José Ripardo
 
Regime diferenciado de contratações (rdc lei 12.462-11)
Regime diferenciado de contratações (rdc   lei 12.462-11)Regime diferenciado de contratações (rdc   lei 12.462-11)
Regime diferenciado de contratações (rdc lei 12.462-11)
José Ripardo
 
Novidades legislativas 22.11.2011
Novidades legislativas  22.11.2011Novidades legislativas  22.11.2011
Novidades legislativas 22.11.2011
Confederação Nacional da Indústria
 

Semelhante a Apresentação cide royalties[2] - abetel (20)

A Lei Do Bem E Sua AplicaçãO Em Empresas De Ti Eduardo Grizendi
A Lei Do Bem E Sua AplicaçãO Em Empresas De Ti   Eduardo GrizendiA Lei Do Bem E Sua AplicaçãO Em Empresas De Ti   Eduardo Grizendi
A Lei Do Bem E Sua AplicaçãO Em Empresas De Ti Eduardo Grizendi
 
Tributos exterior
Tributos exteriorTributos exterior
Tributos exterior
 
Prestação de Contas (leis federais) - Cemec Agosto 2014
Prestação de Contas (leis federais) - Cemec Agosto 2014Prestação de Contas (leis federais) - Cemec Agosto 2014
Prestação de Contas (leis federais) - Cemec Agosto 2014
 
Cidades Sustentaveis
Cidades SustentaveisCidades Sustentaveis
Cidades Sustentaveis
 
Alcance da não cumulatividade das contribuições sociais e a definição de insu...
Alcance da não cumulatividade das contribuições sociais e a definição de insu...Alcance da não cumulatividade das contribuições sociais e a definição de insu...
Alcance da não cumulatividade das contribuições sociais e a definição de insu...
 
Decreto nº 9.188, de 1º de novembro de 2017
Decreto nº 9.188, de 1º de novembro de 2017Decreto nº 9.188, de 1º de novembro de 2017
Decreto nº 9.188, de 1º de novembro de 2017
 
Novo Código Fiscal do Investimento - http://bit.ly/1vJKQ0r
Novo Código Fiscal do Investimento - http://bit.ly/1vJKQ0rNovo Código Fiscal do Investimento - http://bit.ly/1vJKQ0r
Novo Código Fiscal do Investimento - http://bit.ly/1vJKQ0r
 
Ip inovatec incentivos e conceitos legais sobre inovação(2013)
Ip inovatec incentivos e conceitos legais sobre inovação(2013)Ip inovatec incentivos e conceitos legais sobre inovação(2013)
Ip inovatec incentivos e conceitos legais sobre inovação(2013)
 
Direito financeiro-receitas-públicas
Direito financeiro-receitas-públicasDireito financeiro-receitas-públicas
Direito financeiro-receitas-públicas
 
Cemec - Prestação de Contas - Melissa de Mendonça - Aula 1 - Leis Federais
Cemec - Prestação de Contas - Melissa de Mendonça - Aula 1 - Leis FederaisCemec - Prestação de Contas - Melissa de Mendonça - Aula 1 - Leis Federais
Cemec - Prestação de Contas - Melissa de Mendonça - Aula 1 - Leis Federais
 
Novidades Legislativas Nº85 | 14/11/2013
Novidades Legislativas Nº85 | 14/11/2013Novidades Legislativas Nº85 | 14/11/2013
Novidades Legislativas Nº85 | 14/11/2013
 
Cemec prestação de contas - aula 2 - sirlene ciampi - gestão financeira e p...
Cemec   prestação de contas - aula 2 - sirlene ciampi - gestão financeira e p...Cemec   prestação de contas - aula 2 - sirlene ciampi - gestão financeira e p...
Cemec prestação de contas - aula 2 - sirlene ciampi - gestão financeira e p...
 
Palestra manual inovação tic eduardo grizendi fumsoft 30 07 2013
Palestra manual inovação tic eduardo grizendi fumsoft 30 07 2013Palestra manual inovação tic eduardo grizendi fumsoft 30 07 2013
Palestra manual inovação tic eduardo grizendi fumsoft 30 07 2013
 
CI - 2015 - lei do bem revisitada
CI - 2015 - lei do bem revisitadaCI - 2015 - lei do bem revisitada
CI - 2015 - lei do bem revisitada
 
4320
43204320
4320
 
Orientações jurisprudenciais da seção de dissídios individuais i transitória
Orientações jurisprudenciais da seção de dissídios individuais i transitóriaOrientações jurisprudenciais da seção de dissídios individuais i transitória
Orientações jurisprudenciais da seção de dissídios individuais i transitória
 
Aspectos polêmicos e atuais das licitações e contratos públicos na visão do TCU
Aspectos polêmicos e atuais das licitações e contratos públicos na visão do TCUAspectos polêmicos e atuais das licitações e contratos públicos na visão do TCU
Aspectos polêmicos e atuais das licitações e contratos públicos na visão do TCU
 
Regime diferenciado de contratações (rdc lei 12.462-11)
Regime diferenciado de contratações (rdc   lei 12.462-11)Regime diferenciado de contratações (rdc   lei 12.462-11)
Regime diferenciado de contratações (rdc lei 12.462-11)
 
Regime diferenciado de contratações (rdc lei 12.462-11)
Regime diferenciado de contratações (rdc   lei 12.462-11)Regime diferenciado de contratações (rdc   lei 12.462-11)
Regime diferenciado de contratações (rdc lei 12.462-11)
 
Novidades legislativas 22.11.2011
Novidades legislativas  22.11.2011Novidades legislativas  22.11.2011
Novidades legislativas 22.11.2011
 

Mais de Tacio Lacerda Gama

Desoneração da folha de pagamentos
Desoneração da folha de pagamentos  Desoneração da folha de pagamentos
Desoneração da folha de pagamentos
Tacio Lacerda Gama
 
Interposição fraudulenta de terceiros na importação - I Conferência Internaci...
Interposição fraudulenta de terceiros na importação - I Conferência Internaci...Interposição fraudulenta de terceiros na importação - I Conferência Internaci...
Interposição fraudulenta de terceiros na importação - I Conferência Internaci...
Tacio Lacerda Gama
 
Direito de crédito de PIS/COFINS sobre insumos e despesas de venda - IV Congr...
Direito de crédito de PIS/COFINS sobre insumos e despesas de venda - IV Congr...Direito de crédito de PIS/COFINS sobre insumos e despesas de venda - IV Congr...
Direito de crédito de PIS/COFINS sobre insumos e despesas de venda - IV Congr...
Tacio Lacerda Gama
 
Competência Tributária - Cogeae - out 2013
Competência Tributária - Cogeae - out 2013Competência Tributária - Cogeae - out 2013
Competência Tributária - Cogeae - out 2013
Tacio Lacerda Gama
 
Contribuição ao Pis e Cofins
Contribuição ao Pis e CofinsContribuição ao Pis e Cofins
Contribuição ao Pis e Cofins
Tacio Lacerda Gama
 
Itbi e itcmd – legitimidade e apuração
Itbi e itcmd – legitimidade e apuraçãoItbi e itcmd – legitimidade e apuração
Itbi e itcmd – legitimidade e apuração
Tacio Lacerda Gama
 
P lanejamento tributário ibet.2013
P lanejamento tributário   ibet.2013P lanejamento tributário   ibet.2013
P lanejamento tributário ibet.2013
Tacio Lacerda Gama
 
Abetel iss e locação de infraestrutura
Abetel    iss e locação de infraestruturaAbetel    iss e locação de infraestrutura
Abetel iss e locação de infraestrutura
Tacio Lacerda Gama
 
Isonomia tributária tlg
Isonomia tributária   tlgIsonomia tributária   tlg
Isonomia tributária tlg
Tacio Lacerda Gama
 
Padrao fiscosoft
Padrao fiscosoftPadrao fiscosoft
Padrao fiscosoft
Tacio Lacerda Gama
 
Iv congresso florianópolis direito de crédito de pis e cofins sobre insumos...
Iv congresso florianópolis   direito de crédito de pis e cofins sobre insumos...Iv congresso florianópolis   direito de crédito de pis e cofins sobre insumos...
Iv congresso florianópolis direito de crédito de pis e cofins sobre insumos...
Tacio Lacerda Gama
 
Ii seminário ict interconexão
Ii seminário ict   interconexãoIi seminário ict   interconexão
Ii seminário ict interconexão
Tacio Lacerda Gama
 
Isenções 2012 ibet pr sem questões
Isenções 2012 ibet pr   sem questõesIsenções 2012 ibet pr   sem questões
Isenções 2012 ibet pr sem questões
Tacio Lacerda Gama
 
Fiesp competências para defesa do meio ambiente na ordem econômica
Fiesp   competências para defesa do meio ambiente na ordem econômicaFiesp   competências para defesa do meio ambiente na ordem econômica
Fiesp competências para defesa do meio ambiente na ordem econômica
Tacio Lacerda Gama
 
Congresso florianópolis tácio lacerda gama
Congresso florianópolis   tácio lacerda gamaCongresso florianópolis   tácio lacerda gama
Congresso florianópolis tácio lacerda gama
Tacio Lacerda Gama
 
Faap pagamento de políticas públicas
Faap   pagamento de políticas públicasFaap   pagamento de políticas públicas
Faap pagamento de políticas públicas
Tacio Lacerda Gama
 
Lfg iss
Lfg issLfg iss
Nulidades no lançamento congresso baiano de dir municpal
Nulidades no lançamento   congresso baiano de dir municpalNulidades no lançamento   congresso baiano de dir municpal
Nulidades no lançamento congresso baiano de dir municpal
Tacio Lacerda Gama
 
Abradt 2012 2.jpeg
Abradt 2012   2.jpegAbradt 2012   2.jpeg
Abradt 2012 2.jpeg
Tacio Lacerda Gama
 
Curso tributário -_oi
Curso tributário -_oiCurso tributário -_oi
Curso tributário -_oi
Tacio Lacerda Gama
 

Mais de Tacio Lacerda Gama (20)

Desoneração da folha de pagamentos
Desoneração da folha de pagamentos  Desoneração da folha de pagamentos
Desoneração da folha de pagamentos
 
Interposição fraudulenta de terceiros na importação - I Conferência Internaci...
Interposição fraudulenta de terceiros na importação - I Conferência Internaci...Interposição fraudulenta de terceiros na importação - I Conferência Internaci...
Interposição fraudulenta de terceiros na importação - I Conferência Internaci...
 
Direito de crédito de PIS/COFINS sobre insumos e despesas de venda - IV Congr...
Direito de crédito de PIS/COFINS sobre insumos e despesas de venda - IV Congr...Direito de crédito de PIS/COFINS sobre insumos e despesas de venda - IV Congr...
Direito de crédito de PIS/COFINS sobre insumos e despesas de venda - IV Congr...
 
Competência Tributária - Cogeae - out 2013
Competência Tributária - Cogeae - out 2013Competência Tributária - Cogeae - out 2013
Competência Tributária - Cogeae - out 2013
 
Contribuição ao Pis e Cofins
Contribuição ao Pis e CofinsContribuição ao Pis e Cofins
Contribuição ao Pis e Cofins
 
Itbi e itcmd – legitimidade e apuração
Itbi e itcmd – legitimidade e apuraçãoItbi e itcmd – legitimidade e apuração
Itbi e itcmd – legitimidade e apuração
 
P lanejamento tributário ibet.2013
P lanejamento tributário   ibet.2013P lanejamento tributário   ibet.2013
P lanejamento tributário ibet.2013
 
Abetel iss e locação de infraestrutura
Abetel    iss e locação de infraestruturaAbetel    iss e locação de infraestrutura
Abetel iss e locação de infraestrutura
 
Isonomia tributária tlg
Isonomia tributária   tlgIsonomia tributária   tlg
Isonomia tributária tlg
 
Padrao fiscosoft
Padrao fiscosoftPadrao fiscosoft
Padrao fiscosoft
 
Iv congresso florianópolis direito de crédito de pis e cofins sobre insumos...
Iv congresso florianópolis   direito de crédito de pis e cofins sobre insumos...Iv congresso florianópolis   direito de crédito de pis e cofins sobre insumos...
Iv congresso florianópolis direito de crédito de pis e cofins sobre insumos...
 
Ii seminário ict interconexão
Ii seminário ict   interconexãoIi seminário ict   interconexão
Ii seminário ict interconexão
 
Isenções 2012 ibet pr sem questões
Isenções 2012 ibet pr   sem questõesIsenções 2012 ibet pr   sem questões
Isenções 2012 ibet pr sem questões
 
Fiesp competências para defesa do meio ambiente na ordem econômica
Fiesp   competências para defesa do meio ambiente na ordem econômicaFiesp   competências para defesa do meio ambiente na ordem econômica
Fiesp competências para defesa do meio ambiente na ordem econômica
 
Congresso florianópolis tácio lacerda gama
Congresso florianópolis   tácio lacerda gamaCongresso florianópolis   tácio lacerda gama
Congresso florianópolis tácio lacerda gama
 
Faap pagamento de políticas públicas
Faap   pagamento de políticas públicasFaap   pagamento de políticas públicas
Faap pagamento de políticas públicas
 
Lfg iss
Lfg issLfg iss
Lfg iss
 
Nulidades no lançamento congresso baiano de dir municpal
Nulidades no lançamento   congresso baiano de dir municpalNulidades no lançamento   congresso baiano de dir municpal
Nulidades no lançamento congresso baiano de dir municpal
 
Abradt 2012 2.jpeg
Abradt 2012   2.jpegAbradt 2012   2.jpeg
Abradt 2012 2.jpeg
 
Curso tributário -_oi
Curso tributário -_oiCurso tributário -_oi
Curso tributário -_oi
 

Apresentação cide royalties[2] - abetel

  • 2. Conceitos fundamentais Tecnologia – conjunto de conhecimentos técnicos que se aplicam a determinado ramo de atividade industrial / comercial Transferência de tecnologia – possibilita a exploração temporária dos direitos da propriedade industrial ou outros bens jurídicos imateriais de natureza tecnológica
  • 3. Conceitos fundamentais Contratos típicos de transferência de tecnologia – Ato Normativo 135/97 – INPI 1) Licença para exploração de patentes 2) Licença para o uso de marcas 3) Fornecimento de tecnologia (licenciamento de know-how) 4) Prestação de serviços de assistência técnica e científica 5) Franquia ( franchising )* * Embora não conste do ato normativo, pela sua natureza, considera-se que os contratos de franquia também se enquadram na categoria de transferência de tecnologia
  • 4. Conceitos fundamentais R oyalties remuneração pelo uso, fruição ou exploração da tecnologia transferida; retribuição pela exploração dos direitos cedidos a outrem
  • 5. Conceitos fundamentais Definição legal - Lei nº 4.506/64 Art. 22. Serão classificados como ‘royalties’ os rendimentos de qualquer espécie decorrentes do uso, fruição, exploração de direitos, tais como: a) direito de colher ou extrair recursos vegetais, inclusive florestais; b) direito de pesquisar e extrair recursos minerais; c) uso ou exploração de invenções, processos e fórmulas de fabricação e de marcas de indústria e comércio; d) exploração de direitos autorais, salvo quando percebidos pelo autor ou criador do bem ou obra.
  • 6. Definição no direito internacional Convenção-Modelo da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (CM-OCDE), de 1992: Artigo 12. ‘Royalties’ (…) pagamento de qualquer natureza recebido como contraprestação pelo uso, ou pelo direito de uso, de qualquer direito autoral sobre a obra literária, artística ou científica, incluindo filmes cinematográficos, qualquer patente, marca, desenho ou modelo, plano, qualquer fórmula ou processo secreto ou por informações relativas a experiência industrial, comercial ou científica. (tradução livre )
  • 7. Apesar de as convenções-modelo não terem efeitos vinculantes, a definição proposta pela OCDE é utilizada na grande maioria dos tratados internacionais celebrados pelo Brasil
  • 8. Conceitos fundamentais Divergência entre a legislação brasileira e o modelo proposto pela OCDE a) Pesquisa e exploração de jazidas minerais, fontes e outras riquezas do solo ou das florestas: Brasil: royalties OCDE: lucros imobiliários Tratados internacionais: ora royalties , ora lucros imobiliários
  • 9. b) Despesas com assistência técnica, sem transferência de tecnologia (não averbados no INPI): Brasil: remuneração por serviços (Ato COSIT nº 1/00 – RFB) OCDE: royalties Tratados internacionais: ora royalties , ora serviços
  • 10. Tributação das remessas ao exterior IR - Fonte: 15% Lei nº 10.168/2000 – art. 2º-A c/c RIR/1999 – art. 710 Cide: 10% Lei nº 10.168/2000 – art. 2º Exceções : - Países com tributação favorecida (25% de IRRF) - Tratados internacional com Japão (IRRF de 12,5%)
  • 11. Regra-matriz de incidência da CIDE-Royalties Lei nº 10.168/00: Art. 1º. Fica instituído o Programa de Estímulo à Interação Universidade-Empresa para o Apoio à Inovação, cujo objetivo principal é estimular o desenvolvimento tecnológico brasileiro, mediante programas de pesquisa científica e tecnológica cooperativa entre universidades, centros de pesquisa e o setor produtivo. Art. 2º. Para fins de atendimento ao Programa de que trata o artigo anterior, fica instituída contribuição de intervenção no domínio econômico, devida pela pessoa jurídica detentora de licença de uso ou adquirente de conhecimentos tecnológicos, bem como aquela signatária de contratos que impliquem transferência de tecnologia, firmados com residentes ou domiciliados no exterior.
  • 12. Regra-matriz de incidência da CIDE- Royalties § 1º. Consideram-se, para fins desta Lei, contratos de transferência de tecnologia os relativos à exploração de patentes ou de uso de marcas e os de fornecimento de tecnologia e prestação de assistência técnica. § 2º. A partir de 1º de janeiro de 2002, a contribuição (...) passa a ser devida também pelas pessoas jurídicas signatárias de contratos que tenham por objeto serviços técnicos e de assistência administrativa e semelhantes a serem prestados por residentes ou domiciliados no exterior, bem assim pelas pessoas jurídicas que pagarem, creditarem, entregarem, empregarem ou remeterem ‘royalties’, a qualquer título, a beneficiários residentes ou domiciliados no exterior.
  • 13. Hipótese de incidência Critério material: (i) deter licença de uso de conhecimentos tecnológicos; (ii) adquirir conhecimentos tecnológicos; (iii) ser signatária de contratos que impliquem transferência de tecnologia, e (iv) ser signatária de contratos de serviços técnicos e de assistência administrativa e semelhantes. Critério espacial: território nacional. Critério temporal: momento da remessa ao exterior.
  • 14. Conseqüente Critério pessoal: sujeito ativo: União; sujeito passivo: a pessoa sediada no Brasil que remete valores ao exterior, em decorrência das atividades descritas na hipótese. Critério quantitativo: base de cálculo: valores pagos, creditados, entregues, empregados ou remetidos, a cada mês, a residentes ou domiciliados no exterior, em razão das obrigações relacionadas às condutas referidas no critério material; alíquota: 10%.
  • 15. Destinação específica A lei instituidora do tributo destinou o produto da sua arrecadação à finalidade especial: financiar o desenvolvimento tecnológico brasileiro . Os valores arrecadados devem ser, por expressa disposição legal, integralmente destinados ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – FNDCT, criado pelo Decreto-Lei nº 719/69 e, supostamente, restabelecido pela Lei nº 8.172/91.
  • 16. Aspectos polêmicos É válido o fundo a que se destina o produto da sua arrecadação? ADCT: Art. 36. Os fundos existentes na data da promulgação da Constituição, excetuados os resultantes de isenções fiscais que passem a integrar o patrimônio privado e os que interessem à defesa nacional, extinguir-se-ão, se não forem ratificados pelo Congresso Nacional no prazo de dois anos .” Lei nº 8.172, de 22 de janeiro de 1991: Art. 1° Fica restabelecido o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT), criado pelo Decreto-Lei n° 719, de 31 de julho de 1969.”
  • 17. Aspectos polêmicos TRIBUTÁRIO E CONSTITUCIONAL. CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO – CIDE (LEI Nº 10.168/00). FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO – FNDCT. LEI 8.172/91. NECESSIDADE DE LEI COMPLEMENTAR.. (…) II – Não tendo o Congresso Nacional ratificado o FNDCT no prazo previsto no art. 36 do ADCT, a sua recriação só pode ser feita através de Lei Complementar. III – Considerando-se inexistente o FNDCT, para o qual se destinava a contribuição exigida pela Lei nº 10.168/2000, desaparece a destinação da exação, o que a torna também inexistente , ou a transforma em imposto vinculado, o que é vedado pelo art. 167 da Constituição Federal, impondo-se desta forma a sua inexigibilidade (precedente da Quarta Turma desta Corte Regional). V – Dou parcial provimento ao apelo. (TRF 2ª Região – AMS 2001.51.01.014309-0 – Rel. Des. Rogério Carvalho – DJU 02.09.2004)
  • 18. Aspectos polêmicos TRIBUTÁRIO E PROCESSUAL CIVIL. ANTECIPAÇÃO DE TUTELA. SUSPENSÃO DE EXIGIBILIDADE DA CONTRIBUIÇÃO PARA O FUNDO AEROVIÁRIO, INSTITUÍDO PELO DECRETO-LEI Nº 270, DE 28 DE FEVEREIRO DE 1967, RECRIADO PELA LEI Nº 8.173/91. VEROSSIMILHANÇA DO DIREITO INVOCADO QUANTO À INEXIGIBILIDADE DA EXAÇÃO. COMPENSAÇÃO TRIBUTÁRIA. INAPLICABILIDADE DA SÚMULA 212 DO EG. STJ. IMPOSSIBILIDADE DE APLICAÇÃO RETROATIVA DA LEI COMPLEMENTAR Nº 104/2001, QUE ALTEROU A REDAÇÃO DO CTN, EM SEU ART. 170. PRELIMINAR DE INTERVENÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. AGRAVO DE INSTRUMENTO IMPROVIDO. AGRAVO REGIMENTAL PREJUDICADO. (…) 2) Verossimilhança do direito invocado, tendo em vista a incompatibilidade do referido Fundo com a ordem constitucional vigente. O art. 36 do ADCT fixou prazo de dois anos para ratificação pelo Congresso Nacional dos fundos existentes, na data da promulgação da Constituição, sob pena de extinção. A Lei nº 8.173/91 não teve o condão de compatibilizar a referida cobrança com a Constituição em vigor, porquanto editada quando já expirado o prazo previsto no ADCT. Ademais, tal contribuição só poderia ser instituída por lei complementar, nos termos do art. 165, inciso II, do parágrafo 9º da CF/88. O Fundo Aeroviário não ostenta o predicado de ser entidade privada de serviço social e de formação profissional vinculada ao sistema sindical, de modo que não se encontra excepcionado pelo art. 240 da Carta Política. (TRF 2ª Região, Quarta Turma, AG nº 2000.02.01.027856-0, Rel. Juiz Fernando Marques, DJ 13/09/2002)
  • 19. Aspectos polêmicos A CIDE-Royalties é instrumento da União na respectiva área? A CIDE- Royalties não preenche os principais requisitos constitucionais para que seja incluída na classe das contribuições interventivas: (i) ser destinada à intervenção em um setor determinado da economia; e (ii) devida exclusivamente por sujeitos que integrem o setor da economia sujeito à intervenção.
  • 20. Aspectos polêmicos Busca-se estimular o desenvolvimento tecnológico em todo o país, beneficiando toda a sociedade e não apenas as empresas que integram o específico setor que está sujeito ao pagamento da presente contribuição; O setor científico e tecnológico não compõe a ordem econômica, mas sim a ordem social (arts. 214, V e 218, da Constituição da República);
  • 21. Aspectos polêmicos É necessário Lei Complementar para sua instituição? CONSTITUCIONAL. TRIBUTÁRIO. CONTRIBUIÇÃO: SEBRAE: CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO. I. - As contribuições do art. 149, C.F. - contribuições sociais, de intervenção no domínio econômico e de interesse de categorias profissionais ou econômicas - posto estarem sujeitas à lei complementar do art. 146, III, C.F., isto não quer dizer que deverão ser instituídas por lei complementar. A contribuição social do art. 195, § 4º, C.F., decorrente de "outras fontes", é que, para a sua instituição, será observada a técnica da competência residual da União: C.F., art. 154, I, ex vi do disposto no art. 195, § 4º. A contribuição não é imposto. Por isso, não se exige que a lei complementar defina a sua hipótese de incidência, a base imponível e contribuintes: C.F., art. 146, III, a. Precedentes: RE 138.284/CE, Ministro Carlos Velloso, RTJ 143/313; RE 146.733/SP, Ministro Moreira Alves, RTJ 143/684. (…). (STF, RE nº 396.226, Rel. Min. Carlos Velloso, DJ 27.02.2004)
  • 22. Aspectos polêmicos Aplicam-se os tratados internacionais à CIDE- Royalties ? Principais características dos Tratados: Integram o ordenamento jurídico interno Não revogam a legislação interna Estão sujeitos ao controle de constitucionalidade Estados renunciam voluntária e reciprocamente a uma parcela de sua soberania tributária
  • 23. Aspectos polêmicos Principais objetivos dos Tratados: Prevenir a evasão fiscal Evitar a bitributação Estabelecer limites máximos sobre os tributos incidentes nos contratos que tenham por objeto a transferência de tecnologia Estimular a transferência internacional de tecnologia
  • 24. Aspectos polêmicos Receita Federal do Brasil: REMESSA AO EXTERIOR DE ROYALTIES. É devida a contribuição de intervenção de domínio econômico, à alíquota de dez por cento, sobre os valores pagos, creditados, entregues, empregadas ou remetidas, à título de remuneração decorrente das obrigações indicadas no art. 2º da Lei nº 10.168/2000, à pessoa jurídica residente ou domiciliada na Holanda. A Convenção destinada a evitar a Dupla Tributação (...), entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo do Reino dos Países Baixos, aplica-se relativamente ao imposto federal sobre a renda, não alcançando contribuições federais. Portanto, não se cogita da aplicação de limite de alíquota de tributação do imposto de renda, de que trata o art. 12, inciso 2, da citada Convenção, no pagamento de royalties a residente na Holanda, considerando-se a soma das alíquotas do imposto sobre a renda e da contribuição de intervenção de domínio econômico.” (Solução de Consulta nº 134/2001)
  • 25. Aspectos polêmicos (...) O acordo para evitar a dupla tributação entre o Brasil e a China (Decreto nº 762, de 19 de fevereiro de 1993, aprovado por meio do Decreto Legislativo nº 85, de 24 de novembro de 1992) não se aplica à Cide, restringe-se apenas, no caso da República Federativa do Brasil, ao imposto federal de renda - excluídos o imposto de renda suplementar e o imposto sobre atividades de menor relevância - e, também, a quaisquer impostos idênticos ou substancialmente semelhantes que venham a ser instituídos após a data de sua assinatura. (Solução de Consulta nº 165/2007)
  • 26. Aspectos polêmicos Nossa posição: Os tratados internacionais para evitar a dupla-tributação também se aplicam à CIDE-Royalties, já que este tributo possui base de cálculo idêntica à do Imposto sobre a Renda.
  • 27. Aspectos polêmicos Quando se considera ocorrida a hipótese de incidência? Registro contábil X Remessa Receita Federal do Brasil: CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO – Cide. A base de cálculo da contribuição de intervenção no domínio econômico, instituída pela Lei nº. 10.168, de 2.000, é o valor total da operação contratada, sem quaisquer deduções. O pagamento da contribuição deverá ser efetuado até o último dia útil da quinzena subseqüente ao mês de ocorrência do pagamento, crédito, entrega, emprego ou remessa ao exterior das importâncias previstas contratualmente, dentre essas hipóteses, a que primeiro ocorrer. (Solução de Consulta nº 170/2005)
  • 28. Aspectos polêmicos Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico - Cide FATO GERADOR A contribuição instituída pelo art. 2º da Lei nº 10.168, de 29 de dezembro de 2000, incidirá sobre os valores pagos, creditados, entregues, empregados ou remetidos, a cada mês, a título de remuneração decorrente de contratos que impliquem em transferência de tecnologia. Ocorre a incidência da referida contribuição na data do lançamento contábil, já que o § 2º do art. 2º da Lei nº 10.168, de 2000, elegeu o "crédito" como momento de ocorrência do fato gerador. (Solução de Consulta nº 90/2002)
  • 29. Aspectos polêmicos É necessário o reajustamento da base de cálculo da CIDE- Royalties ? Receita federal do Brasil: divergência no posicionamento. (...) OUTROS TRIBUTOS OU CONTRIBUIÇÕES – SERVIÇOS TÉCNICOS – A partir de primeiro de janeiro de 2001, os valores pagos, creditados, entregues, empregados ou remetidos por pessoa jurídica sediada no País a residentes ou domiciliados no exterior, em pagamento de serviços prestados, com ou sem transferência de tecnologia, estão sujeitos ao pagamento da CIDE, à alíquota de 10% (dez por cento). Mencionada contribuição é encargo da pessoa jurídica remetente e incide sobre a base de cálculo sem reajustamento. Dispositivos legais: Lei nº 10.168, de 29/12/2000; MP nº 2.062, de 03/02/2001. (Processo de Consulta nº 99/01 – SRRF/6ª Região Fiscal – DOU 17.10.2001).
  • 30. Aspectos polêmicos CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO (CIDE). FATO GERADOR. A contribuição de intervenção no domínio econômico devida por pessoa jurídica signatária de contrato que tenha por objeto o fornecimento de tecnologia, firmado com residente ou domiciliado no exterior, tem por fato gerador o pagamento, o crédito, a entrega, o emprego ou a remessa ao exterior das importâncias previstas contratualmente, dentre essas hipóteses, a que primeiro ocorrer. BASE DE CÁLCULO. A base de cálculo da contribuição é o valor correspondente à remuneração estipulada no contrato, sem qualquer dedução, não sendo admitido, portanto, que se desconte desse valor o imposto de renda na fonte sobre ele incidente. (Solução de Consulta nº 30/2004)
  • 31. Aspectos polêmicos Nossa posição: O princípio da legalidade estrita impõe que o exercício da competência tributária se dê por meio de lei, a qual deve, necessariamente, conter todos os critérios que permitam a identificação do acontecimento que ensejará a obrigação de o contribuinte levar aos cofres públicos parcela de sua riqueza. Não existe previsão legal determinando o reajustamento da base de cálculo da CIDE, como ocorre com o IRRF.
  • 32. Aspectos polêmicos A declaração de inconstitucionalidade da CIDE- Royalties afeta a cobrança do IR? Medida Provisória nº 2.062-60: Art. 3º. Fica reduzida para quinze por cento a alíquota do imposto de renda incidente na fonte sobre as importâncias pagas, creditadas, entregues, empregadas ou remetidas ao exterior a título de remuneração de serviços técnicos e de assistência técnica, e a título de róialties, de qualquer natureza, a partir do início da cobrança da contribuição instituída pela Lei nº 10.168, de 29 de dezembro de 2000 .
  • 33. Aspectos polêmicos Nossa opinião: Com a publicação da citada lei, foi plenamente atendido o requisito para a redução da alíquota para 15%, independentemente de ser válida ou não a cobrança do tributo por ela instituído. Desconsiderar a redução da alíquota para 15% equivalerá a represtinar o art. 7º, da Lei nº 9.779/99, o que é expressamente vedado, nos termos do art. 2°, § 3°, da Lei de Introdução ao Código Civil – Decreto n° 4.657/42.
  • 34. Repercussões para o setor de telecomunicação Ato Declaratório Interpretativo SRF nº 25/2004 Art. 1º As disposições do Regulamento de Melbourne, trazidas pelo Tratado de Melbourne, celebrado em 09 de dezembro de 1988, não foram legitimamente incorporadas ao Direito Brasileiro, não tendo eficácia no País no tocante ao Imposto sobre a Renda e à Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) incidentes sobre as remessas efetuadas por empresas de telecomunicações pela prestação de serviços técnicos realizados em chamadas de longa distância internacional, iniciadas no País, ou em chamadas de longa distância nacional, em circunstâncias em que haja a utilização de redes de propriedade de não domiciliadas no Brasil. Art. 2º É devido o Imposto sobre a Renda Retido na Fonte, à alíquota de 15%, e a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), à alíquota de 10%, sobre o total dos valores pagos, creditados, entregues, empregados ou remetidos às empresas de telecomunicações domiciliadas no exterior, a título de pagamento pela contraprestação de serviços técnicos realizados em chamadas de longa distância internacional, iniciadas no Brasil, ou a chamadas de longa distância nacional, em que haja a utilização de redes de propriedade de empresas congêneres, domiciliadas no exterior.
  • 35. Repercussões para o setor de telecomunicação Art. 3º A base de cálculo do Imposto sobre a Renda e da Cide, incidentes nas hipóteses previstas no art. 2º, é o valor total da operação, ainda que não sejam as remessas integralmente enviadas ao exterior, e não apenas o saldo líquido resultante de encontro de contas envolvendo débitos e créditos entre o tomador e o prestador dos serviços. Art. 4º Os rendimentos decorrentes da prestação de serviços técnicos de telecomunicações que sejam pagos, creditados, entregues ou remetidos a residentes ou domiciliados em países com os quais o Brasil mantenha tratados para evitar a dupla tributação (regularmente incorporados ao ordenamento jurídico brasileiro) estão sujeitos ao tratamento específico neles constantes.
  • 36. Repercussões para o setor de telecomunicação REMESSAS PARA O EXTERIOR. SERVIÇOS DE TELEFONIA. TRÁFEGO SAINTE. REGULAMENTO DAS TELECOMU-NICAÇÕES INTERNACIONAIS. É inexigível o imposto de renda na modalidade fonte sobre a remessa de recursos ao exterior, em prol de operadora estrangeira domiciliada em país membro da UIT, como contraprestação pelo uso de sua rede de telecomunicações para completar chamadas iniciadas no Brasil. (Solução de Consulta nº 146/2002)
  • 37. Repercussões para o setor de telecomunicação REMESSAS PARA O EXTERIOR. SERVIÇOS DE TELEFONIA. TRÁFEGO SAINTE. REGULAMENTO DE TELECOMUNICAÇÕES INTERNACIONAL – RTI. REVISÃO DA SOLUÇÃO 146/2002. Os órgãos da Administração federal, dentre eles esta Secretaria, estão vinculados aos Pareceres expedidos pela Advocacia-Geral da União e aprovados pelo Presidente da República. O Regulamento Administrativo de Melbourne firmado no âmbito da União Internacional de Telecomunicações, devido à falta de aprovação cong ressional e promulgação presidencial, não tem eficácia para estabelecer isenção tributária. Incide o imposto de renda na modalidade fonte sobre as remessas feitas ao exterior, como remuneração dos serviços prestados por operadora estrangeira de comp lementação de ligações telefônicas iniciadas no Brasil e destinadas ao exterior (‘tráfego sainte’). Fica revista a Solução de Consulta 146/2002. (Solução de Consulta nº 54/2003)