SlideShare uma empresa Scribd logo
anáfora, contexto e coesão textual:
uma aplicação de semântica para o ensino de
produção textual em língua materna

Miquéias Vitorino
Maria Leonor Maia dos Santos
considerações iniciais
• Proposta: aplicação de atividades e aulas
sobre a anáfora.
• Fundamentação teórica: Semântica de
Cenários e Contextos (SCC) e Linguística de
Texto.
• Pertinência: a anáfora é um dos recursos de
coesão textual que merecem mais atenção no
ensino básico. É preciso conscientizar o
aprendiz
de possíveis problemas
de
referenciação do texto.
semântica de cenários e contextos
• SCC é uma vertente semântica que usa da concepção de língua
natural como “sistema de representação do mundo e seus
eventos” (FERRAREZI, 2008. p.23)
• A SCC estabelece um vínculo entre a língua natural e a cultura
em que ela está inserida para explicar e analisar fenômenos
semânticos.
• O sentido de uma unidade linguística (o sinal), nesta vertente,
só se especializa (é estabelecido) quando situado em um
contexto. O contexto, por sua vez, só é constituído em um
cenário.
• O contexto é visto como todo o conjunto linguístico que cerca o
sinal (em nível do texto e do intertexto, podemos assim dizer);
• O cenário é o panorama sociocultural que cerca o texto e o sinal
em questão. A leitura de certos sinais depende, muitas vezes,
deste nível.
análise semântica do SCC
• “Especialização do sentido é a definição
exata do sentido associado a um sinalpalavra em uso. Ou seja: um sinal-palavra X,
em um contexto Y e um cenário W,
devidamente identificados e definidos, está
associado a um e apenas um sentido S e,
portanto, servirá para representar uma e
apenas uma visão de referência V, e não
outra, em um mundo M.” (FERRAREZI,
2008, p.24)
a anáfora
• Recurso semântico-textual que relaciona itens
lexicais através da referenciação, estratégia
textual de retomada de referentes num texto.
• Do ponto de vista semântico, as anáforas tem
uma mesma referência (aquilo a que se
refere), mas podem ter significações diferentes.
Do ponto de vista textual, um referente
(aquilo que é retomado num texto) pode ser
retomado de diversas formas e as anáforas
podem trazer informações novas sobre ele,
mantendo a coesão do texto.
texto exemplo 1

O fato e as versões
Um elefante incomoda muita gente...
Gualtaer Mathias Netto
Pego os jornais de domingo. Primeiro os do Rio, por
força do hábito. E, logo nas manchetes, fico intrigado. O
Globo anuncia: “Empregos têm crescimento
surpreendente de 30% no Rio”. O Jornal do Brasil abre
de fora a fora: “País ganha 1.061 desempregados por
hora”. Leio as chamadas, e vejo que ambos citam as
mesmas fontes: Ministério do Trabalho e Associação
Brasileira de Recursos Humanos.
texto exemplo 1
Comparando os dados, começo a vislumbrar onde está
a diferença. O Globo se refere a números de março
deste ano. Na mesma sentença, os novos
empregados em São Paulo somam 75% a mais do
que no mês anterior e as demissões no Rio
decresceram 19%. Já o JB faz as contas sobre os 20,2
milhões de demitidos de janeiro de 90 a fevereiro de
93. Nas páginas internas, enquanto O Globo
engorda o seu otimismo com percentuais positivos,
seu concorrente preenche toda uma página com
relatos de desempregados e demonstrativos de que a
classe média foi mais atingida.
(retirado e adaptado de FARACO, C.A.; TEZZA, C. Oficina de texto. Petrópolis: Vozes, 2003.
p.179-182)
observações do t.e.1
• Levando para o viés didático, é preciso mostrar aos
alunos que determinadas retomadas não dependem
apenas de um conhecimento linguístico, mas
também de contexto e cultura. (é o caso da relação
entre ‘O Jornal do Brasil’ e ‘seu concorrente’
(concorrente do jornal O Globo).
• Uma sugestão para atividade de leitura, o professor
pode solicitar ao aluno que identifique os termos
que retomam um referente ‘x’ e/ou ‘y’. Geralmente
textos informativos possuem muitas anáforas.
a anáfora indireta
• É um fenômeno semântico-textual que, na
verdade, não faz retomadas de um referente
mas estabelece relações de sentido com ele de
forma indireta. Essas relações de sentido são,
geralmente, por relação parte-todo e
hiponímia e hiperonímia.
• As anáforas indiretas podem depender de uma
leitura ampla do contexto para que cada termo
relacionado
ao
referente
devidamente
identificado e compreendido.
texto exemplo 2
A FESTA ACABOU
O governo esperou o carnaval passar para botar
seu bloco na rua. Na semana passada,
enquanto a comissão de frente fechava os
últimos detalhes do acordo com o Fundo
Monetário
Internacional
(FMI),
em
Washington, a turma da bateria acertou o
ritmo do ajuste fiscal. No novo samba quem
dançou primeiro foi a ala dos servidores
públicos, com 514 mil integrantes.
(Wladim Gramacho, ISTOÉ, 10/3/1999, p.84. Trecho extraído de ANTUNES,
Irandé. Lutar com palavras. São Paulo: Parábola, 2005. p.129)
texto exemplo 3
Novas imagens mostram obras do
Mineirão em estágio bem avançado
Reforma do estádio visa à Copa das Confederações e à
Copa do Mundo
Falta pouco para o torcedor mineiro receber o novo Mineirão.
De acordo com a Minas Arena, empresa responsável pelo
andamento das obras, em menos de quatro meses, Belo
Horizonte terá de volta o “Gigante da Pampulha”. A obra,
que já está na terceira e última etapa, e tem previsão de
entrega para 21 de dezembro, já atingiu 78% de conclusão.
texto exemplo 3
Hoje, 2.900 operários trabalham no piso do
estacionamento e na construção da arquibancada
inferior, camarotes, banheiros, vestiários e da
esplanada, uma novidade no estádio, que receberá jogos
da Copa das Confederações e Copa do Mundo em 2014.
Segue também a montagem das peças pré-moldadas da
via de integração com o ginásio do Mineirinho, além das
estruturas que vão receber as novas catracas.
A grama será plantada já em setembro, logo depois que a
fase de nivelamento para a preparação da drenagem for
concluída. Vale lembrar que o campo do estádio recebeu
uma redução de 3,4 metros.
(extraído de globoesporte.com)
observações do t.e.2
• No texto exemplo 2 temos o paralelo da
linguagem de carnaval utilizada para falar de
política.
• Os termos em destaque, no entanto, não tem o
mesmo referente ou referência, mas, em
termos de significado, estão interrelacionadas.
Isso significa dizer que as anáforas indiretas
não tem como função retomar, mas sim
manter a coesão por tema-rema ou parte-todo.
observações do t.e.3
• A primeira parte do texto exemplo 3 temos anáforas
comuns, que retomam um referente específico.
• Na segunda parte do texto, as anáforas indiretas surgem,
focalizando termos que estão relacionados aos termos
em destaque na primeira parte, mas não os retomam de
forma direta.
• O estádio e a obra realizada no estádio é vista de
diferentes ângulos na segunda parte do texto. Portanto,
os que estavam envolvidos na obra (operários), as etapas
da reforma (construção, montagem de pré-moldados
etc.), as partes do estádio (arquibancada, banheiros,
grama etc.) são anáforas indiretas daquilo que foi
expresso no início do texto.
exemplo de aplicação didática na

produção textual
• Atividades de leitura:
1) identificação das anáforas em textos
veiculados na mídia impressa.
É importante mostrar aos alunos como escritores, jornalistas
ou colunistas fazem para manter a coesão textual por meio
de substituição lexical, enriquecendo o texto com novas
informações sobre um mesmo referente e também
focalizar no uso de anáforas indiretas, que mantém a
coesão textual e desconstrói um referente em outros
referentes, como no texto exemplo 3, por exemplo.
exemplo de aplicação didática na

produção textual
• Atividades de escrita:
1) Produção de notícias jornalísticas fictícias à
partir de informações de uma manchete e
subtítulo
Estimular o uso de anáforas, realizando retomadas de termos presentes
no título e subtítulo da notícia proposta. O aluno pode compreender
como a anáfora pode trazer informações novas sobre um referente.

2) Complementar textos, desconstruindo um
referente em outros referentes para o uso de
anáforas indiretas.
Escrever um texto partindo da leitura de um termo contextualizado,
explorando outros termos semanticamente relacionados.
considerações finais
• As anáforas não são apenas elementos gramaticais, mas
unidades linguísticas com referência ‘cativa’ ao referente
e o sentido não é necessariamente o mesmo que o do
referente.
• Para estabelecer a relação entre referente e retomadas, o
contexto é necessário. O cenário também é importante
para fazer as relações entre alguns termos.
• A importância de reconhecer a anáfora indireta como
importante recurso de coesão textual e que pode ser
trabalhado em sala de aula.
• Não é necessária a apresentação de terminologias na
aplicação didática. O professor precisa focar no perfil do
aprendiz para aplicar atividades sobre anáfora.
referências bibliográficas
ANTUNES, I. Lutar com palavras: coesão e coerência. 3.ed. São Paulo:
Parábola, 2005.
FARACO, C.A.; TEZZA, C. Oficina de texto. Petrópolis: Vozes, 2003.
FERRAREZI, C. Semântica para a educação básica. São Paulo:
Parábola, 2008.
KOCH, I.V; ELIAS, V.M. Ler e escrever: estratégias de produção
textual. São Paulo: Contexto, 2009.
MOURA, H.M.M. Significação e contexto: uma introdução a
questões de semântica e pragmática. Florianópolis: Insular, 2006.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
Cláudia Heloísa
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidadeFatores de textualidade
Fatores de textualidade
AFMO35
 
Período composto por coordenação
Período composto por coordenaçãoPeríodo composto por coordenação
Período composto por coordenação
Carolina Loçasso Pereira
 
Conjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativasConjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativas
Lidiane Rodrigues
 
Complemento nominal
Complemento nominalComplemento nominal
Complemento nominal
Flávio Ferreira
 
Os tipos de discurso
Os tipos de discursoOs tipos de discurso
Os tipos de discurso
Carolina Loçasso Pereira
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativa
Ana Castro
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
ISJ
 
Gênero notícia
Gênero notíciaGênero notícia
Gênero notícia
Joyce Micielle
 
Slides Novo Acordo OrtográFico
Slides Novo Acordo OrtográFicoSlides Novo Acordo OrtográFico
Slides Novo Acordo OrtográFico
Flaviacristina74
 
Conjunções coordenadas
Conjunções coordenadasConjunções coordenadas
Conjunções coordenadas
Aldo Socram
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Ivan Barreto Dos Santos
 
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTORELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
maria saleti Saleti
 
Termos da oração
Termos da oraçãoTermos da oração
Termos da oração
ma.no.el.ne.ves
 
Anáfora e catáfora
Anáfora e catáforaAnáfora e catáfora
Anáfora e catáfora
Gleide Leal
 
Numerais
NumeraisNumerais
Numerais
Diego Prezia
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
Marcelo Cordeiro Souza
 
Diário
DiárioDiário
Aula Figuras de Linguagem
Aula    Figuras de Linguagem Aula    Figuras de Linguagem
Aula Figuras de Linguagem
paula nery
 
Texto e textualidade
Texto e textualidadeTexto e textualidade
Texto e textualidade
Orlando Vsilva Estudio
 

Mais procurados (20)

Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidadeFatores de textualidade
Fatores de textualidade
 
Período composto por coordenação
Período composto por coordenaçãoPeríodo composto por coordenação
Período composto por coordenação
 
Conjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativasConjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativas
 
Complemento nominal
Complemento nominalComplemento nominal
Complemento nominal
 
Os tipos de discurso
Os tipos de discursoOs tipos de discurso
Os tipos de discurso
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativa
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Gênero notícia
Gênero notíciaGênero notícia
Gênero notícia
 
Slides Novo Acordo OrtográFico
Slides Novo Acordo OrtográFicoSlides Novo Acordo OrtográFico
Slides Novo Acordo OrtográFico
 
Conjunções coordenadas
Conjunções coordenadasConjunções coordenadas
Conjunções coordenadas
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTORELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
 
Termos da oração
Termos da oraçãoTermos da oração
Termos da oração
 
Anáfora e catáfora
Anáfora e catáforaAnáfora e catáfora
Anáfora e catáfora
 
Numerais
NumeraisNumerais
Numerais
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Diário
DiárioDiário
Diário
 
Aula Figuras de Linguagem
Aula    Figuras de Linguagem Aula    Figuras de Linguagem
Aula Figuras de Linguagem
 
Texto e textualidade
Texto e textualidadeTexto e textualidade
Texto e textualidade
 

Semelhante a Anáfora, contexto e coesão textual

35573.pptx
35573.pptx35573.pptx
Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.pptTipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
Rosy Almeida
 
6_ Aula de paragrafo.pptx
6_ Aula de paragrafo.pptx6_ Aula de paragrafo.pptx
6_ Aula de paragrafo.pptx
tatianesouza923757
 
O parágrafo
O parágrafoO parágrafo
O parágrafo
Leandro Vieira
 
07__2º Bimestre - Bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano B(1).pdf
07__2º Bimestre - Bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano B(1).pdf07__2º Bimestre - Bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano B(1).pdf
07__2º Bimestre - Bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano B(1).pdf
LiviaCalera
 
Origem do serviço social
Origem do serviço socialOrigem do serviço social
Origem do serviço social
amintasepjunior
 
Lingua - Portuguesa - 5o-ano - 2023. pdf
Lingua - Portuguesa - 5o-ano - 2023. pdfLingua - Portuguesa - 5o-ano - 2023. pdf
Lingua - Portuguesa - 5o-ano - 2023. pdf
dennisecostaalmeida
 
07 2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano c
07  2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano c07  2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano c
07 2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano c
Nivea Neves
 
Elaboração e Organização Técnica de Um Texto
Elaboração e Organização Técnica de Um TextoElaboração e Organização Técnica de Um Texto
Elaboração e Organização Técnica de Um Texto
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
06
0606
Coesão Textual
Coesão TextualCoesão Textual
Coesão Textual
Valeria Nunes
 
O QUE ENSINAR SOBRE VERBO
O QUE ENSINAR SOBRE VERBOO QUE ENSINAR SOBRE VERBO
O QUE ENSINAR SOBRE VERBO
Magno Oliveira
 
Tp5
Tp5Tp5
Tp5
cleia
 
Didática: modelos e concepções da Leitura
Didática: modelos e  concepções da LeituraDidática: modelos e  concepções da Leitura
Didática: modelos e concepções da Leitura
Sandra Freitas
 
Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)
Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)
Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)
Pedro Henrique
 
Apostila para Concurso Nível Fundamental
Apostila para Concurso Nível Fundamental Apostila para Concurso Nível Fundamental
Apostila para Concurso Nível Fundamental
Luiz Avelar
 
COMPETÊNCIA 4 NO ENEM: O TEXTO E SUAS AMARRACÕES
COMPETÊNCIA 4 NO ENEM: O TEXTO E SUAS AMARRACÕESCOMPETÊNCIA 4 NO ENEM: O TEXTO E SUAS AMARRACÕES
COMPETÊNCIA 4 NO ENEM: O TEXTO E SUAS AMARRACÕES
EduardaReis50
 
Os Textos Técnicos e Científicos em Uma abordagem Científica
Os Textos Técnicos e Científicos em Uma abordagem CientíficaOs Textos Técnicos e Científicos em Uma abordagem Científica
Os Textos Técnicos e Científicos em Uma abordagem Científica
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)
Helen Cristina
 
Portugues pmpe
Portugues pmpePortugues pmpe
Portugues pmpe
Raiff Oliveira
 

Semelhante a Anáfora, contexto e coesão textual (20)

35573.pptx
35573.pptx35573.pptx
35573.pptx
 
Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.pptTipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
 
6_ Aula de paragrafo.pptx
6_ Aula de paragrafo.pptx6_ Aula de paragrafo.pptx
6_ Aula de paragrafo.pptx
 
O parágrafo
O parágrafoO parágrafo
O parágrafo
 
07__2º Bimestre - Bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano B(1).pdf
07__2º Bimestre - Bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano B(1).pdf07__2º Bimestre - Bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano B(1).pdf
07__2º Bimestre - Bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano B(1).pdf
 
Origem do serviço social
Origem do serviço socialOrigem do serviço social
Origem do serviço social
 
Lingua - Portuguesa - 5o-ano - 2023. pdf
Lingua - Portuguesa - 5o-ano - 2023. pdfLingua - Portuguesa - 5o-ano - 2023. pdf
Lingua - Portuguesa - 5o-ano - 2023. pdf
 
07 2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano c
07  2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano c07  2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano c
07 2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano c
 
Elaboração e Organização Técnica de Um Texto
Elaboração e Organização Técnica de Um TextoElaboração e Organização Técnica de Um Texto
Elaboração e Organização Técnica de Um Texto
 
06
0606
06
 
Coesão Textual
Coesão TextualCoesão Textual
Coesão Textual
 
O QUE ENSINAR SOBRE VERBO
O QUE ENSINAR SOBRE VERBOO QUE ENSINAR SOBRE VERBO
O QUE ENSINAR SOBRE VERBO
 
Tp5
Tp5Tp5
Tp5
 
Didática: modelos e concepções da Leitura
Didática: modelos e  concepções da LeituraDidática: modelos e  concepções da Leitura
Didática: modelos e concepções da Leitura
 
Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)
Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)
Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)
 
Apostila para Concurso Nível Fundamental
Apostila para Concurso Nível Fundamental Apostila para Concurso Nível Fundamental
Apostila para Concurso Nível Fundamental
 
COMPETÊNCIA 4 NO ENEM: O TEXTO E SUAS AMARRACÕES
COMPETÊNCIA 4 NO ENEM: O TEXTO E SUAS AMARRACÕESCOMPETÊNCIA 4 NO ENEM: O TEXTO E SUAS AMARRACÕES
COMPETÊNCIA 4 NO ENEM: O TEXTO E SUAS AMARRACÕES
 
Os Textos Técnicos e Científicos em Uma abordagem Científica
Os Textos Técnicos e Científicos em Uma abordagem CientíficaOs Textos Técnicos e Científicos em Uma abordagem Científica
Os Textos Técnicos e Científicos em Uma abordagem Científica
 
Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)
 
Portugues pmpe
Portugues pmpePortugues pmpe
Portugues pmpe
 

Mais de Miquéias Vitorino

A redação do enem hoje
A redação do enem hojeA redação do enem hoje
A redação do enem hoje
Miquéias Vitorino
 
Relações lexicais e coesão textual
Relações lexicais e coesão textualRelações lexicais e coesão textual
Relações lexicais e coesão textual
Miquéias Vitorino
 
Argumentação em redações do enem
Argumentação em redações do enemArgumentação em redações do enem
Argumentação em redações do enem
Miquéias Vitorino
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Paráfrase
Miquéias Vitorino
 
Breve exposição sobre a coesão textual e seus elementos
Breve exposição sobre a coesão textual e seus elementosBreve exposição sobre a coesão textual e seus elementos
Breve exposição sobre a coesão textual e seus elementos
Miquéias Vitorino
 
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
Miquéias Vitorino
 
Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...
Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...
Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...
Miquéias Vitorino
 
Principais obras e autores do modernismo
Principais obras e autores do modernismoPrincipais obras e autores do modernismo
Principais obras e autores do modernismo
Miquéias Vitorino
 
Quinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasilQuinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasil
Miquéias Vitorino
 
Modernismo no brasil
Modernismo no brasilModernismo no brasil
Modernismo no brasil
Miquéias Vitorino
 
Modernismo fases
Modernismo fasesModernismo fases
Modernismo fases
Miquéias Vitorino
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
Miquéias Vitorino
 
Arcadismo no brasil
Arcadismo no brasilArcadismo no brasil
Arcadismo no brasil
Miquéias Vitorino
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Miquéias Vitorino
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
Miquéias Vitorino
 
Arcadismo no brasil
Arcadismo no brasilArcadismo no brasil
Arcadismo no brasil
Miquéias Vitorino
 
Arcadismo no brasil
Arcadismo no brasilArcadismo no brasil
Arcadismo no brasil
Miquéias Vitorino
 
Algumas dicas básicas para a redação do enem
Algumas dicas básicas para a redação do enemAlgumas dicas básicas para a redação do enem
Algumas dicas básicas para a redação do enem
Miquéias Vitorino
 
Conceitos básicos em análise semântica
Conceitos básicos em análise semânticaConceitos básicos em análise semântica
Conceitos básicos em análise semântica
Miquéias Vitorino
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
Miquéias Vitorino
 

Mais de Miquéias Vitorino (20)

A redação do enem hoje
A redação do enem hojeA redação do enem hoje
A redação do enem hoje
 
Relações lexicais e coesão textual
Relações lexicais e coesão textualRelações lexicais e coesão textual
Relações lexicais e coesão textual
 
Argumentação em redações do enem
Argumentação em redações do enemArgumentação em redações do enem
Argumentação em redações do enem
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Paráfrase
 
Breve exposição sobre a coesão textual e seus elementos
Breve exposição sobre a coesão textual e seus elementosBreve exposição sobre a coesão textual e seus elementos
Breve exposição sobre a coesão textual e seus elementos
 
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
 
Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...
Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...
Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...
 
Principais obras e autores do modernismo
Principais obras e autores do modernismoPrincipais obras e autores do modernismo
Principais obras e autores do modernismo
 
Quinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasilQuinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasil
 
Modernismo no brasil
Modernismo no brasilModernismo no brasil
Modernismo no brasil
 
Modernismo fases
Modernismo fasesModernismo fases
Modernismo fases
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
 
Arcadismo no brasil
Arcadismo no brasilArcadismo no brasil
Arcadismo no brasil
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
Arcadismo no brasil
Arcadismo no brasilArcadismo no brasil
Arcadismo no brasil
 
Arcadismo no brasil
Arcadismo no brasilArcadismo no brasil
Arcadismo no brasil
 
Algumas dicas básicas para a redação do enem
Algumas dicas básicas para a redação do enemAlgumas dicas básicas para a redação do enem
Algumas dicas básicas para a redação do enem
 
Conceitos básicos em análise semântica
Conceitos básicos em análise semânticaConceitos básicos em análise semântica
Conceitos básicos em análise semântica
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
 

Último

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 

Último (20)

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 

Anáfora, contexto e coesão textual

  • 1. anáfora, contexto e coesão textual: uma aplicação de semântica para o ensino de produção textual em língua materna Miquéias Vitorino Maria Leonor Maia dos Santos
  • 2. considerações iniciais • Proposta: aplicação de atividades e aulas sobre a anáfora. • Fundamentação teórica: Semântica de Cenários e Contextos (SCC) e Linguística de Texto. • Pertinência: a anáfora é um dos recursos de coesão textual que merecem mais atenção no ensino básico. É preciso conscientizar o aprendiz de possíveis problemas de referenciação do texto.
  • 3. semântica de cenários e contextos • SCC é uma vertente semântica que usa da concepção de língua natural como “sistema de representação do mundo e seus eventos” (FERRAREZI, 2008. p.23) • A SCC estabelece um vínculo entre a língua natural e a cultura em que ela está inserida para explicar e analisar fenômenos semânticos. • O sentido de uma unidade linguística (o sinal), nesta vertente, só se especializa (é estabelecido) quando situado em um contexto. O contexto, por sua vez, só é constituído em um cenário. • O contexto é visto como todo o conjunto linguístico que cerca o sinal (em nível do texto e do intertexto, podemos assim dizer); • O cenário é o panorama sociocultural que cerca o texto e o sinal em questão. A leitura de certos sinais depende, muitas vezes, deste nível.
  • 4. análise semântica do SCC • “Especialização do sentido é a definição exata do sentido associado a um sinalpalavra em uso. Ou seja: um sinal-palavra X, em um contexto Y e um cenário W, devidamente identificados e definidos, está associado a um e apenas um sentido S e, portanto, servirá para representar uma e apenas uma visão de referência V, e não outra, em um mundo M.” (FERRAREZI, 2008, p.24)
  • 5. a anáfora • Recurso semântico-textual que relaciona itens lexicais através da referenciação, estratégia textual de retomada de referentes num texto. • Do ponto de vista semântico, as anáforas tem uma mesma referência (aquilo a que se refere), mas podem ter significações diferentes. Do ponto de vista textual, um referente (aquilo que é retomado num texto) pode ser retomado de diversas formas e as anáforas podem trazer informações novas sobre ele, mantendo a coesão do texto.
  • 6. texto exemplo 1 O fato e as versões Um elefante incomoda muita gente... Gualtaer Mathias Netto Pego os jornais de domingo. Primeiro os do Rio, por força do hábito. E, logo nas manchetes, fico intrigado. O Globo anuncia: “Empregos têm crescimento surpreendente de 30% no Rio”. O Jornal do Brasil abre de fora a fora: “País ganha 1.061 desempregados por hora”. Leio as chamadas, e vejo que ambos citam as mesmas fontes: Ministério do Trabalho e Associação Brasileira de Recursos Humanos.
  • 7. texto exemplo 1 Comparando os dados, começo a vislumbrar onde está a diferença. O Globo se refere a números de março deste ano. Na mesma sentença, os novos empregados em São Paulo somam 75% a mais do que no mês anterior e as demissões no Rio decresceram 19%. Já o JB faz as contas sobre os 20,2 milhões de demitidos de janeiro de 90 a fevereiro de 93. Nas páginas internas, enquanto O Globo engorda o seu otimismo com percentuais positivos, seu concorrente preenche toda uma página com relatos de desempregados e demonstrativos de que a classe média foi mais atingida. (retirado e adaptado de FARACO, C.A.; TEZZA, C. Oficina de texto. Petrópolis: Vozes, 2003. p.179-182)
  • 8. observações do t.e.1 • Levando para o viés didático, é preciso mostrar aos alunos que determinadas retomadas não dependem apenas de um conhecimento linguístico, mas também de contexto e cultura. (é o caso da relação entre ‘O Jornal do Brasil’ e ‘seu concorrente’ (concorrente do jornal O Globo). • Uma sugestão para atividade de leitura, o professor pode solicitar ao aluno que identifique os termos que retomam um referente ‘x’ e/ou ‘y’. Geralmente textos informativos possuem muitas anáforas.
  • 9. a anáfora indireta • É um fenômeno semântico-textual que, na verdade, não faz retomadas de um referente mas estabelece relações de sentido com ele de forma indireta. Essas relações de sentido são, geralmente, por relação parte-todo e hiponímia e hiperonímia. • As anáforas indiretas podem depender de uma leitura ampla do contexto para que cada termo relacionado ao referente devidamente identificado e compreendido.
  • 10. texto exemplo 2 A FESTA ACABOU O governo esperou o carnaval passar para botar seu bloco na rua. Na semana passada, enquanto a comissão de frente fechava os últimos detalhes do acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), em Washington, a turma da bateria acertou o ritmo do ajuste fiscal. No novo samba quem dançou primeiro foi a ala dos servidores públicos, com 514 mil integrantes. (Wladim Gramacho, ISTOÉ, 10/3/1999, p.84. Trecho extraído de ANTUNES, Irandé. Lutar com palavras. São Paulo: Parábola, 2005. p.129)
  • 11. texto exemplo 3 Novas imagens mostram obras do Mineirão em estágio bem avançado Reforma do estádio visa à Copa das Confederações e à Copa do Mundo Falta pouco para o torcedor mineiro receber o novo Mineirão. De acordo com a Minas Arena, empresa responsável pelo andamento das obras, em menos de quatro meses, Belo Horizonte terá de volta o “Gigante da Pampulha”. A obra, que já está na terceira e última etapa, e tem previsão de entrega para 21 de dezembro, já atingiu 78% de conclusão.
  • 12. texto exemplo 3 Hoje, 2.900 operários trabalham no piso do estacionamento e na construção da arquibancada inferior, camarotes, banheiros, vestiários e da esplanada, uma novidade no estádio, que receberá jogos da Copa das Confederações e Copa do Mundo em 2014. Segue também a montagem das peças pré-moldadas da via de integração com o ginásio do Mineirinho, além das estruturas que vão receber as novas catracas. A grama será plantada já em setembro, logo depois que a fase de nivelamento para a preparação da drenagem for concluída. Vale lembrar que o campo do estádio recebeu uma redução de 3,4 metros. (extraído de globoesporte.com)
  • 13. observações do t.e.2 • No texto exemplo 2 temos o paralelo da linguagem de carnaval utilizada para falar de política. • Os termos em destaque, no entanto, não tem o mesmo referente ou referência, mas, em termos de significado, estão interrelacionadas. Isso significa dizer que as anáforas indiretas não tem como função retomar, mas sim manter a coesão por tema-rema ou parte-todo.
  • 14. observações do t.e.3 • A primeira parte do texto exemplo 3 temos anáforas comuns, que retomam um referente específico. • Na segunda parte do texto, as anáforas indiretas surgem, focalizando termos que estão relacionados aos termos em destaque na primeira parte, mas não os retomam de forma direta. • O estádio e a obra realizada no estádio é vista de diferentes ângulos na segunda parte do texto. Portanto, os que estavam envolvidos na obra (operários), as etapas da reforma (construção, montagem de pré-moldados etc.), as partes do estádio (arquibancada, banheiros, grama etc.) são anáforas indiretas daquilo que foi expresso no início do texto.
  • 15. exemplo de aplicação didática na produção textual • Atividades de leitura: 1) identificação das anáforas em textos veiculados na mídia impressa. É importante mostrar aos alunos como escritores, jornalistas ou colunistas fazem para manter a coesão textual por meio de substituição lexical, enriquecendo o texto com novas informações sobre um mesmo referente e também focalizar no uso de anáforas indiretas, que mantém a coesão textual e desconstrói um referente em outros referentes, como no texto exemplo 3, por exemplo.
  • 16. exemplo de aplicação didática na produção textual • Atividades de escrita: 1) Produção de notícias jornalísticas fictícias à partir de informações de uma manchete e subtítulo Estimular o uso de anáforas, realizando retomadas de termos presentes no título e subtítulo da notícia proposta. O aluno pode compreender como a anáfora pode trazer informações novas sobre um referente. 2) Complementar textos, desconstruindo um referente em outros referentes para o uso de anáforas indiretas. Escrever um texto partindo da leitura de um termo contextualizado, explorando outros termos semanticamente relacionados.
  • 17. considerações finais • As anáforas não são apenas elementos gramaticais, mas unidades linguísticas com referência ‘cativa’ ao referente e o sentido não é necessariamente o mesmo que o do referente. • Para estabelecer a relação entre referente e retomadas, o contexto é necessário. O cenário também é importante para fazer as relações entre alguns termos. • A importância de reconhecer a anáfora indireta como importante recurso de coesão textual e que pode ser trabalhado em sala de aula. • Não é necessária a apresentação de terminologias na aplicação didática. O professor precisa focar no perfil do aprendiz para aplicar atividades sobre anáfora.
  • 18. referências bibliográficas ANTUNES, I. Lutar com palavras: coesão e coerência. 3.ed. São Paulo: Parábola, 2005. FARACO, C.A.; TEZZA, C. Oficina de texto. Petrópolis: Vozes, 2003. FERRAREZI, C. Semântica para a educação básica. São Paulo: Parábola, 2008. KOCH, I.V; ELIAS, V.M. Ler e escrever: estratégias de produção textual. São Paulo: Contexto, 2009. MOURA, H.M.M. Significação e contexto: uma introdução a questões de semântica e pragmática. Florianópolis: Insular, 2006.