SlideShare uma empresa Scribd logo
Elaboração e Organização Técnica de Um Texto
Nessa apresentação,
você verá como se dá
a estrutura de um
texto dissertativo,
além de
compreender a
organização de um
parágrafo-modelo
para que sua
produção textual
cumpra o papel
proposto
Para que um texto seja
bem elaborado e
compreensível pelo
leitor, é necessário que
apresente uma
estruturação adequada
ao tipo e ao gênero.
Assim, seu sentido será
dado por sua organização
interna, valendo-se de
elementos contextuais
que darão suporte às
ideias nele contidas
Além disso,
aplicará os
conceitos de
coesão e
coerência,
compreendendo
que o sentido do
texto se dá em
uma organização
coesa e coerente
de seus
elementos
O Texto Como um Todo Organizado de Sentido
O sentido de um texto não é dado somente por seu vocabulário, pois
ele também é construído por fatores externos. Ou seja, informações
que não estão contidas no texto, mas que o leitor deverá lançar mão
para compreensão da leitura
A habilidade de produção e de leitura de um texto
verbal escrito é definida pelo contexto que envolve o
texto. Uma mesma sentença poderá ter interpretações
diferentes, se produzida em contextos distintos.
Observe as sentenças a seguir:
(1) A Mata
Atlântica está
sendo
destruída
pouco a
pouco.
(2) Essa água
pura, vinda
direto da
fonte, mata
minha sede
A palavra “mata” foi usada em 2 situações diferentes: (1) com o
significado de floresta; (2) com o significado de saciar, satisfazer.
Assim, dizemos que o contexto é uma unidade linguística maior em que
uma unidade linguística menor está inserida
Ou seja, a palavra está inserida no contexto da frase que, por sua
vez, insere-se no contexto parágrafo, dando contexto maior ao texto
em sua totalidade
No exemplo do slide anterior podemos dizer que, a partir da leitura
das sentenças, não houve necessidade de buscar entendimento fora
delas. A esse tipo de contexto denominamos de contexto explícito;
ou seja, a explicação está no próprio texto
Já o contexto implícito diz respeito a algo externo ao texto. Exemplo:
“Vila passa sem luxo mas com samba no pé”
Para entendermos o
que o título da
reportagem sugere,
são necessárias
algumas inferências:
1) “Vila” é o apelido carinhoso dado à escola de
samba Unidos de Vila Isabel, do Rio de Janeiro
2) “Sem luxo” faz referência ao uso de fantasias
e alegorias simples, singelas, sem ostentação
3)"Com samba no pé” remete ao objetivo maior dos desfiles
carnavalescos, quer seja, o de sambar na avenida
Lembrando que essas são possíveis interpretações
desenhadas a partir somente da leitura do título da
reportagem. Com a leitura aprofundada do texto é que
poderemos saber se a interpretação está de acordo com o
que o repórter quis expressar ou não
Em relação ao texto, o contexto diz respeito ao que está
fora, ou seja, informações que não estão explícitas no texto,
mas que devem ser acessadas para sua compreensão
Vejamos o Exemplo:
“Para Mercadante,
fala de Temer estava
fora do contexto"
A “fala” mencionada no título da reportagem foi
enunciada pelo vice-presidente (da época) Michel
Temer, sobre a presidente, Dilma Roussef, não
resistir até o final do mandato e, a resposta, foi do
ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante
Situações como essa são comuns na mídia e, um recorte mal feito
de uma fala ou de uma escrita, resultará numa interpretação equivocada.
No exemplo dado, o que se percebe é o contexto sendo usado como
argumento, como recurso para explicar uma fala que produziu um
desconforto para o governo, à época
Saber partilhado Conhecimento compartilhado com os indivíduos
Informação
nova
Dado novo apresentado pelo texto; nova maneira de ver o
mesmo fato
Provas Fundamentação das afirmações feitas pelo autor
Referência Assunto do texto, sobre o que o texto trata
Tema Perspectiva sobre a qual o texto foi construído
Elementos Estruturais do Texto O texto é tido como um todo estruturado
de forma coesa, una e coerente. Para isso
deve haver uma ligação entre as frases
que, por sua vez, devem estar em acordo
com o parágrafo, demonstrando um
sentido único a ser dado quando de sua
leitura e sua interpretação
Para que um texto seja considerado
como tal, deve apresentar 3 qualidades
essenciais: unidade, coerência e coesão.
Desse modo, o texto deve apresentar
alguns elementos essenciais (elementos
estruturais):
Estrutura do Texto Um texto deve seguir uma sequência lógica, ordenado
de modo a estabelecer uma estrutura que delimite seu
início e seu final. Uma dissertação, tipo textual que
tem recebido um foco maior em nossa disciplina, está
assim estruturada:
Introdução – chama o leitor para o assunto do texto. É um
convite para a leitura, uma apresentação daquilo que será
exposto no texto
Desenvolvimento – exposição progressiva do tema, com
apresentação de argumentos e ideias que darão sentido
ao texto
Conclusão –
momento em que se
faz uma retomada
das ideias
abordadas
ao longo do texto,
convergindo em seu
fechamento
Essa é a estrutura mais adotada em textos do tipo
dissertativo e, para que haja perfeita sincronia entre os
elementos que compõem o texto, mantendo sua
estrutura, é necessário que seus parágrafos também
sigam uma ordenação sistematizada
Elaboração de Parágrafo
Parágrafo significa a divisão de um texto em
partes conectadas e coesas, as quais são
responsáveis por dar o formato de texto
Vamos analisar um parágrafo para
compreendermos como sua estrutura está
estabelecida e qual sua função:
(1) A alimentação balanceada é a chave para
uma vida saudável. (2) Para que isso ocorra, é
preciso comer bem e na hora certa, com atenção
à qualidade nutricional dos alimentos ingeridos.
Além disso, combinar os alimentos e prepará-los
de modo a retirar deles os nutrientes essenciais
e adequados também trarão resultados eficazes
ao comportamento alimentar. (3) Essas atitudes
certamente irão auxiliar na busca por uma vida
mais saudável e com alimentação adequada
Dividindo o
parágrafo em
partes, temos o
seguinte:
1) Introdução:
A alimentação
balanceada é a
chave para uma
vida saudável
2) Desenvolvimento: Para que isso ocorra, é preciso comer bem e
na hora certa, com atenção à qualidade nutricional dos alimentos
ingeridos. Além disso, combinar os alimentos e prepará-los de modo
a retirar deles os nutrientes essenciais e adequados também trarão
resultados eficazes ao comportamento alimentar
3) Conclusão: Essas atitudes certamente irão auxiliar na busca por uma vida
mais saudável e com alimentação adequada
A Introdução (1)
apresenta a ideia
principal que
dominar o
parágrafo. Essa
ideia chama-se
tópico frasal que,
nesse caso, refere-
se à alimentação
saudável
No Desenvolvimento (2), o tópico frasal é desdobrado em ideias
secundárias, apresentadas de forma esclarecedora do tema
abordado. Ou seja, o que é necessário fazer para se alimentar de
forma saudável
O encerramento da ideia central do parágrafo é dado na Conclusão
(3), momento em que se retoma o tópico frasal e, caso o texto
tenha continuidade, encaminha-se para o parágrafo seguinte. Em
nosso exemplo, temos um fechamento com o termo “essas”,
remetendo ao que foi exposto anteriormente
Coesão Textual
A coesão é fator indispensável para produzir sentido em
um texto. Por meio dos elementos de ligação, forma-se
um texto coeso e com sentido próprio, proporcionando ao
leitor a interpretação necessária em certas situações de
comunicação
O estudo dessa modalidade de coesão textual se dá
por dois (2) tipos de conectivos:
Os Anafóricos – termos que servem
para retomar outros termos esboçados
no texto
Os Catafóricos – termos que antecipam
outros que serão mencionados na
sequência textual
A coesão se dá pelo uso dos
conectores, também chamados
operadores discursivos.
Exemplos de Conectores: então,
portanto, já que, com efeito,
porque, ora, mas assim, daí,
dessa forma, isto é
Cada um desses termos estabelece relação
semântica clara, indicando causa,
finalidade, conclusão, contradição, entre
outras possibilidades. Por isso, ao
escrever, é necessário utilizar o conector
adequado para produzir a relação desejada
Exemplo: “Vila passa sem luxo, mas com samba
no pé”
Para o texto apresentar o sentido desejado, o conectivo
“mas” foi fundamental. Ele definiu a ideia de que, mesmo
sem luxo, a escola de samba mostrou que é possível
apresentar um espetáculo de cultura carnavalesca com o
samba no pé
A Coesão Pode Ocorrer de Diversas Maneiras:
Por Referência – utilizando-se pronomes,
advérbios, artigos definidos, quedarão o sentido
de fazer referência a algo que já foi ou será dito.
Exemplo: Elisa saiu e esqueceu-se de sua bolsa
Por Elipse – omissão de algo
que já foi referido. Exemplo: Às
quintas, Joana faz dança e
(Joana faz) aula de piano
Por Escolha Lexical – uso de palavras ou expressões com significados próximos
para evitar a repetição. Exemplo: O Rio de Janeiro é um lugar extraordinário,
com paisagens belíssimas. Mas a cidade maravilhosa está perdendo seu encanto
em meio a tanta violência
Por Substituição – retoma o que foi dito por meio de um
conectivo ou expressão. Exemplo: Choveu muito ontem à
noite. Por isso, não haverá jogo hoje à tarde
Já na coesão por “Justaposição” é realizado o
sequenciamento das ideias. Esse sequenciamento
pode ser temporal, de ordenação, para introduzir uma
nova ideia etc. Exemplo:
Sequência temporal Depois, meses depois, uma semana antes, um
pouco mais cedo
Ordenação Primeiramente, em seguida, a seguir,
finalmente
Introdução de novo tema ou
assunto
À propósito, por falar nisso, mas voltando ao
assunto, fazendo um parêntese
Coerência Textual É algo que se estabelece na interação, na interlocução e
numa situação comunicativa entre dois usuários". A
coerência segue o princípio de interpretabilidade do texto
A fundamentação da coerência dependerá do
estabelecimento de fatores como: Elementos
linguísticos; Conhecimento de mundo; Conhecimento
partilhado; Inferências; Relevância; Intertextualidade
Basicamente, existem 3 modalidades de coerência textual:
1) Coerência Narrativa: Deve apresentar
uma sequência lógica de fatos a fim de
contextualizar a situação narrada.
Exemplo: A fábrica estava repleta de
preguiçosos. Nada ia para frente.
Solange, a supervisora de produção, foi
até a gerência comunicar a situação.
Passou 2 horas por lá. Quando voltou, já
tínhamos terminado todo o lote
Qual a incoerência desse relato? Ora,
se todos eram preguiçosos, como o
lote todo poderia ter sido terminado
durante a conversa da supervisora
com a gerência? Só fará sentido se
esclarecermos o contexto, pontuando
que, por receio de serem demitidos,
os funcionários resolveram trabalhar
2) Coerência Argumentativa: Em um texto, devemos desenvolver um
assunto atentando para alguns desdobramentos ao longo da
argumentação: dados, analogias, conclusões. Tem-se um pressuposto e, a
partir dele, são realizadas as considerações
Se as conclusões não
estão amparadas
pelos dados
apresentados, então
se comete a
“Incoerência
Argumentativa”
Exemplo: “O cigarro e a bebida
alcoólica fazem parte das drogas ilícitas
que o jovem maior de idade consome
em nosso país. O poder de liberdade
dado a esse público faz com que
comecem a usar esses produtos cada
vez mais tarde”
Analisando o exemplo acima, observa-se 2
incoerência: (1) A exposição do cigarro e da
bebida alcoólica como drogas ilícitas no Brasil,
o que não é verdade. (2) Está na 2ª sentença,
pois se os jovens têm liberdade, poderiam
começar a usar bebida alcoólica e cigarro cada
vez mais cedo, e não cada vez mais tarde. As
afirmações não têm suporte de verdade,
ficando desamparadas e incoerentes
3) Coerência Descritiva:
Neste caso, a coerência diz
respeito à determinada
descrição
Exemplo: em um relatório de estágio, o estudante
descreve a seguinte situação: “Fui contratado
para trabalhar no turno matutino. Meu trabalho
no escritório consistia em checar os e-mails do
setor de atendimento ao cliente, sempre antes
das 14h”. A incoerência está na descrição
temporal: se o estagiário foi contratado para
trabalhar no turno matutino, não poderia realizar
qualquer tipo de serviço na parte da tarde

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e fala
Jirede Abisai
 
Exemplos de textos dissertativo argumentativos
Exemplos de textos dissertativo argumentativosExemplos de textos dissertativo argumentativos
Exemplos de textos dissertativo argumentativos
Seduc/AM
 
Ortografia
OrtografiaOrtografia
Ortografia
Andriane Cursino
 
Coesão textual e operadores argumentativos
Coesão textual e operadores argumentativosCoesão textual e operadores argumentativos
Coesão textual e operadores argumentativos
Willma Frazão
 
Relações de palavra e de sentido, sinonímia, homonímia, paronímia, hipon...
Relações de palavra e de sentido, sinonímia, homonímia, paronímia, hipon...Relações de palavra e de sentido, sinonímia, homonímia, paronímia, hipon...
Relações de palavra e de sentido, sinonímia, homonímia, paronímia, hipon...
ma.no.el.ne.ves
 
Aposto e vocativo
Aposto e vocativoAposto e vocativo
Aposto e vocativo
Cynthia Funchal
 
Genero resenha
Genero resenhaGenero resenha
Genero resenha
Maxwel Lima
 
Podcast
PodcastPodcast
Aulão redação
Aulão redaçãoAulão redação
Aulão redação
Escola Paroquial
 
Mangá
Mangá Mangá
Figura de Linguagem: Pensamento
Figura de Linguagem: PensamentoFigura de Linguagem: Pensamento
Figura de Linguagem: Pensamento
William Santos
 
Gênero textual: teatro
Gênero textual: teatroGênero textual: teatro
Gênero textual: teatro
Karen Olivan
 
Interjeição
InterjeiçãoInterjeição
Interjeição
Fábio Guimarães
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
fabrinnem
 
Memes da Internet
Memes da InternetMemes da Internet
Memes da Internet
Marcioveras
 
SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.
Tissiane Gomes
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
7 de Setembro
 
Regência verbal e nominal
Regência verbal e nominalRegência verbal e nominal
Regência verbal e nominal
Simone Peixoto
 
Vicios de linguagem
Vicios de linguagemVicios de linguagem
Vicios de linguagem
Bernadete Carrijo Oliveira
 
coerência e coesão textual
coerência e coesão textual coerência e coesão textual
coerência e coesão textual
LeniomarMorais
 

Mais procurados (20)

Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e fala
 
Exemplos de textos dissertativo argumentativos
Exemplos de textos dissertativo argumentativosExemplos de textos dissertativo argumentativos
Exemplos de textos dissertativo argumentativos
 
Ortografia
OrtografiaOrtografia
Ortografia
 
Coesão textual e operadores argumentativos
Coesão textual e operadores argumentativosCoesão textual e operadores argumentativos
Coesão textual e operadores argumentativos
 
Relações de palavra e de sentido, sinonímia, homonímia, paronímia, hipon...
Relações de palavra e de sentido, sinonímia, homonímia, paronímia, hipon...Relações de palavra e de sentido, sinonímia, homonímia, paronímia, hipon...
Relações de palavra e de sentido, sinonímia, homonímia, paronímia, hipon...
 
Aposto e vocativo
Aposto e vocativoAposto e vocativo
Aposto e vocativo
 
Genero resenha
Genero resenhaGenero resenha
Genero resenha
 
Podcast
PodcastPodcast
Podcast
 
Aulão redação
Aulão redaçãoAulão redação
Aulão redação
 
Mangá
Mangá Mangá
Mangá
 
Figura de Linguagem: Pensamento
Figura de Linguagem: PensamentoFigura de Linguagem: Pensamento
Figura de Linguagem: Pensamento
 
Gênero textual: teatro
Gênero textual: teatroGênero textual: teatro
Gênero textual: teatro
 
Interjeição
InterjeiçãoInterjeição
Interjeição
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Memes da Internet
Memes da InternetMemes da Internet
Memes da Internet
 
SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.SLIDES – PARÓDIA.
SLIDES – PARÓDIA.
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
 
Regência verbal e nominal
Regência verbal e nominalRegência verbal e nominal
Regência verbal e nominal
 
Vicios de linguagem
Vicios de linguagemVicios de linguagem
Vicios de linguagem
 
coerência e coesão textual
coerência e coesão textual coerência e coesão textual
coerência e coesão textual
 

Semelhante a Elaboração e Organização Técnica de Um Texto

Topico_Frasal_(2).pdf
Topico_Frasal_(2).pdfTopico_Frasal_(2).pdf
Topico_Frasal_(2).pdf
Nestor Peralta
 
Produção textual ii
Produção textual iiProdução textual ii
Produção textual ii
NaraSomerhalder
 
Coesão e coerência textual
Coesão e coerência textual Coesão e coerência textual
Coesão e coerência textual
caudianocarmona
 
Painel didatico leitura filosófica
Painel didatico leitura filosóficaPainel didatico leitura filosófica
Painel didatico leitura filosófica
Jorci Ponce
 
Produção de leituras e análise de textos
Produção de leituras e análise de textosProdução de leituras e análise de textos
Produção de leituras e análise de textos
Sérgio Assis
 
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃOTipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Sônia Maciel Alves
 
Resumo do que estudar para o cesp
Resumo do que estudar para o cespResumo do que estudar para o cesp
Resumo do que estudar para o cesp
Mg Informaticarj
 
Análise textual
Análise textualAnálise textual
Análise textual
littlevic4
 
06
0606
Textos expositivos explicativos
Textos expositivos explicativosTextos expositivos explicativos
Textos expositivos explicativos
Patricio Armando Sando
 
Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.pptTipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
Rosy Almeida
 
Mapas+Mentais+-+linguaPortuguesa%EAs.pdf
Mapas+Mentais+-+linguaPortuguesa%EAs.pdfMapas+Mentais+-+linguaPortuguesa%EAs.pdf
Mapas+Mentais+-+linguaPortuguesa%EAs.pdf
ThiagoAndrade977197
 
Folha paragrafo padrao 1
Folha paragrafo padrao 1Folha paragrafo padrao 1
Folha paragrafo padrao 1
Aline França Russo
 
Como escrever texto_científico
Como escrever texto_científicoComo escrever texto_científico
Como escrever texto_científico
matemagico10lula
 
Os Textos Técnicos e Científicos em Uma abordagem Científica
Os Textos Técnicos e Científicos em Uma abordagem CientíficaOs Textos Técnicos e Científicos em Uma abordagem Científica
Os Textos Técnicos e Científicos em Uma abordagem Científica
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
TRABALHO DE APRESENTAÇÃO slide coesão e coerência.pdf
TRABALHO DE APRESENTAÇÃO slide coesão e coerência.pdfTRABALHO DE APRESENTAÇÃO slide coesão e coerência.pdf
TRABALHO DE APRESENTAÇÃO slide coesão e coerência.pdf
mariaspsouza
 
RESUMO SOBRE COESÃO E COERÊNCIA ITEXTUAL
RESUMO SOBRE COESÃO E COERÊNCIA ITEXTUALRESUMO SOBRE COESÃO E COERÊNCIA ITEXTUAL
RESUMO SOBRE COESÃO E COERÊNCIA ITEXTUAL
VeraLuciaCalimanVarg
 
Normas abnt-2015
Normas abnt-2015Normas abnt-2015
Normas abnt-2015
Carla Fernandes Dos Santos
 
Coesao e corencia
Coesao e corenciaCoesao e corencia
Coesao e corencia
Dior FG
 
Livro_Comunicacao_e_Expressao (2).pdf
Livro_Comunicacao_e_Expressao (2).pdfLivro_Comunicacao_e_Expressao (2).pdf
Livro_Comunicacao_e_Expressao (2).pdf
Bonfim Queiroz Lima
 

Semelhante a Elaboração e Organização Técnica de Um Texto (20)

Topico_Frasal_(2).pdf
Topico_Frasal_(2).pdfTopico_Frasal_(2).pdf
Topico_Frasal_(2).pdf
 
Produção textual ii
Produção textual iiProdução textual ii
Produção textual ii
 
Coesão e coerência textual
Coesão e coerência textual Coesão e coerência textual
Coesão e coerência textual
 
Painel didatico leitura filosófica
Painel didatico leitura filosóficaPainel didatico leitura filosófica
Painel didatico leitura filosófica
 
Produção de leituras e análise de textos
Produção de leituras e análise de textosProdução de leituras e análise de textos
Produção de leituras e análise de textos
 
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃOTipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
 
Resumo do que estudar para o cesp
Resumo do que estudar para o cespResumo do que estudar para o cesp
Resumo do que estudar para o cesp
 
Análise textual
Análise textualAnálise textual
Análise textual
 
06
0606
06
 
Textos expositivos explicativos
Textos expositivos explicativosTextos expositivos explicativos
Textos expositivos explicativos
 
Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.pptTipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
 
Mapas+Mentais+-+linguaPortuguesa%EAs.pdf
Mapas+Mentais+-+linguaPortuguesa%EAs.pdfMapas+Mentais+-+linguaPortuguesa%EAs.pdf
Mapas+Mentais+-+linguaPortuguesa%EAs.pdf
 
Folha paragrafo padrao 1
Folha paragrafo padrao 1Folha paragrafo padrao 1
Folha paragrafo padrao 1
 
Como escrever texto_científico
Como escrever texto_científicoComo escrever texto_científico
Como escrever texto_científico
 
Os Textos Técnicos e Científicos em Uma abordagem Científica
Os Textos Técnicos e Científicos em Uma abordagem CientíficaOs Textos Técnicos e Científicos em Uma abordagem Científica
Os Textos Técnicos e Científicos em Uma abordagem Científica
 
TRABALHO DE APRESENTAÇÃO slide coesão e coerência.pdf
TRABALHO DE APRESENTAÇÃO slide coesão e coerência.pdfTRABALHO DE APRESENTAÇÃO slide coesão e coerência.pdf
TRABALHO DE APRESENTAÇÃO slide coesão e coerência.pdf
 
RESUMO SOBRE COESÃO E COERÊNCIA ITEXTUAL
RESUMO SOBRE COESÃO E COERÊNCIA ITEXTUALRESUMO SOBRE COESÃO E COERÊNCIA ITEXTUAL
RESUMO SOBRE COESÃO E COERÊNCIA ITEXTUAL
 
Normas abnt-2015
Normas abnt-2015Normas abnt-2015
Normas abnt-2015
 
Coesao e corencia
Coesao e corenciaCoesao e corencia
Coesao e corencia
 
Livro_Comunicacao_e_Expressao (2).pdf
Livro_Comunicacao_e_Expressao (2).pdfLivro_Comunicacao_e_Expressao (2).pdf
Livro_Comunicacao_e_Expressao (2).pdf
 

Mais de PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas

Comportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de TrabalhoComportamento em Ambientes de Trabalho
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes SociaisComo Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes CorporativosPostura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptxO Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptxConceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas OrganizacõesA Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptxTécnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptxA Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptxGestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptxA Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptxProgramação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
DINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptxDINÂMICA de GRUPO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptxAUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptxDESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptxINTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptxA Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 

Mais de PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas (20)

Comportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de TrabalhoComportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de Trabalho
 
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes SociaisComo Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
 
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
 
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes CorporativosPostura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
 
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
 
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptxO Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
 
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptxConceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
 
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas OrganizacõesA Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
 
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
 
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptxTécnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
 
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptxA Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
 
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptxGestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
 
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptxA Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
 
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptxProgramação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
 
DINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptxDINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptx
 
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptxAUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
 
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptxDESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
 
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptxINTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
 
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptxA Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
 
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
 

Último

Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 

Elaboração e Organização Técnica de Um Texto

  • 1. Elaboração e Organização Técnica de Um Texto Nessa apresentação, você verá como se dá a estrutura de um texto dissertativo, além de compreender a organização de um parágrafo-modelo para que sua produção textual cumpra o papel proposto Para que um texto seja bem elaborado e compreensível pelo leitor, é necessário que apresente uma estruturação adequada ao tipo e ao gênero. Assim, seu sentido será dado por sua organização interna, valendo-se de elementos contextuais que darão suporte às ideias nele contidas Além disso, aplicará os conceitos de coesão e coerência, compreendendo que o sentido do texto se dá em uma organização coesa e coerente de seus elementos
  • 2. O Texto Como um Todo Organizado de Sentido O sentido de um texto não é dado somente por seu vocabulário, pois ele também é construído por fatores externos. Ou seja, informações que não estão contidas no texto, mas que o leitor deverá lançar mão para compreensão da leitura A habilidade de produção e de leitura de um texto verbal escrito é definida pelo contexto que envolve o texto. Uma mesma sentença poderá ter interpretações diferentes, se produzida em contextos distintos. Observe as sentenças a seguir: (1) A Mata Atlântica está sendo destruída pouco a pouco. (2) Essa água pura, vinda direto da fonte, mata minha sede A palavra “mata” foi usada em 2 situações diferentes: (1) com o significado de floresta; (2) com o significado de saciar, satisfazer. Assim, dizemos que o contexto é uma unidade linguística maior em que uma unidade linguística menor está inserida Ou seja, a palavra está inserida no contexto da frase que, por sua vez, insere-se no contexto parágrafo, dando contexto maior ao texto em sua totalidade
  • 3. No exemplo do slide anterior podemos dizer que, a partir da leitura das sentenças, não houve necessidade de buscar entendimento fora delas. A esse tipo de contexto denominamos de contexto explícito; ou seja, a explicação está no próprio texto Já o contexto implícito diz respeito a algo externo ao texto. Exemplo: “Vila passa sem luxo mas com samba no pé” Para entendermos o que o título da reportagem sugere, são necessárias algumas inferências: 1) “Vila” é o apelido carinhoso dado à escola de samba Unidos de Vila Isabel, do Rio de Janeiro 2) “Sem luxo” faz referência ao uso de fantasias e alegorias simples, singelas, sem ostentação 3)"Com samba no pé” remete ao objetivo maior dos desfiles carnavalescos, quer seja, o de sambar na avenida
  • 4. Lembrando que essas são possíveis interpretações desenhadas a partir somente da leitura do título da reportagem. Com a leitura aprofundada do texto é que poderemos saber se a interpretação está de acordo com o que o repórter quis expressar ou não Em relação ao texto, o contexto diz respeito ao que está fora, ou seja, informações que não estão explícitas no texto, mas que devem ser acessadas para sua compreensão Vejamos o Exemplo: “Para Mercadante, fala de Temer estava fora do contexto" A “fala” mencionada no título da reportagem foi enunciada pelo vice-presidente (da época) Michel Temer, sobre a presidente, Dilma Roussef, não resistir até o final do mandato e, a resposta, foi do ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante Situações como essa são comuns na mídia e, um recorte mal feito de uma fala ou de uma escrita, resultará numa interpretação equivocada. No exemplo dado, o que se percebe é o contexto sendo usado como argumento, como recurso para explicar uma fala que produziu um desconforto para o governo, à época
  • 5. Saber partilhado Conhecimento compartilhado com os indivíduos Informação nova Dado novo apresentado pelo texto; nova maneira de ver o mesmo fato Provas Fundamentação das afirmações feitas pelo autor Referência Assunto do texto, sobre o que o texto trata Tema Perspectiva sobre a qual o texto foi construído Elementos Estruturais do Texto O texto é tido como um todo estruturado de forma coesa, una e coerente. Para isso deve haver uma ligação entre as frases que, por sua vez, devem estar em acordo com o parágrafo, demonstrando um sentido único a ser dado quando de sua leitura e sua interpretação Para que um texto seja considerado como tal, deve apresentar 3 qualidades essenciais: unidade, coerência e coesão. Desse modo, o texto deve apresentar alguns elementos essenciais (elementos estruturais):
  • 6. Estrutura do Texto Um texto deve seguir uma sequência lógica, ordenado de modo a estabelecer uma estrutura que delimite seu início e seu final. Uma dissertação, tipo textual que tem recebido um foco maior em nossa disciplina, está assim estruturada: Introdução – chama o leitor para o assunto do texto. É um convite para a leitura, uma apresentação daquilo que será exposto no texto Desenvolvimento – exposição progressiva do tema, com apresentação de argumentos e ideias que darão sentido ao texto Conclusão – momento em que se faz uma retomada das ideias abordadas ao longo do texto, convergindo em seu fechamento Essa é a estrutura mais adotada em textos do tipo dissertativo e, para que haja perfeita sincronia entre os elementos que compõem o texto, mantendo sua estrutura, é necessário que seus parágrafos também sigam uma ordenação sistematizada
  • 7. Elaboração de Parágrafo Parágrafo significa a divisão de um texto em partes conectadas e coesas, as quais são responsáveis por dar o formato de texto Vamos analisar um parágrafo para compreendermos como sua estrutura está estabelecida e qual sua função: (1) A alimentação balanceada é a chave para uma vida saudável. (2) Para que isso ocorra, é preciso comer bem e na hora certa, com atenção à qualidade nutricional dos alimentos ingeridos. Além disso, combinar os alimentos e prepará-los de modo a retirar deles os nutrientes essenciais e adequados também trarão resultados eficazes ao comportamento alimentar. (3) Essas atitudes certamente irão auxiliar na busca por uma vida mais saudável e com alimentação adequada Dividindo o parágrafo em partes, temos o seguinte:
  • 8. 1) Introdução: A alimentação balanceada é a chave para uma vida saudável 2) Desenvolvimento: Para que isso ocorra, é preciso comer bem e na hora certa, com atenção à qualidade nutricional dos alimentos ingeridos. Além disso, combinar os alimentos e prepará-los de modo a retirar deles os nutrientes essenciais e adequados também trarão resultados eficazes ao comportamento alimentar 3) Conclusão: Essas atitudes certamente irão auxiliar na busca por uma vida mais saudável e com alimentação adequada A Introdução (1) apresenta a ideia principal que dominar o parágrafo. Essa ideia chama-se tópico frasal que, nesse caso, refere- se à alimentação saudável No Desenvolvimento (2), o tópico frasal é desdobrado em ideias secundárias, apresentadas de forma esclarecedora do tema abordado. Ou seja, o que é necessário fazer para se alimentar de forma saudável O encerramento da ideia central do parágrafo é dado na Conclusão (3), momento em que se retoma o tópico frasal e, caso o texto tenha continuidade, encaminha-se para o parágrafo seguinte. Em nosso exemplo, temos um fechamento com o termo “essas”, remetendo ao que foi exposto anteriormente
  • 9. Coesão Textual A coesão é fator indispensável para produzir sentido em um texto. Por meio dos elementos de ligação, forma-se um texto coeso e com sentido próprio, proporcionando ao leitor a interpretação necessária em certas situações de comunicação O estudo dessa modalidade de coesão textual se dá por dois (2) tipos de conectivos: Os Anafóricos – termos que servem para retomar outros termos esboçados no texto Os Catafóricos – termos que antecipam outros que serão mencionados na sequência textual A coesão se dá pelo uso dos conectores, também chamados operadores discursivos. Exemplos de Conectores: então, portanto, já que, com efeito, porque, ora, mas assim, daí, dessa forma, isto é Cada um desses termos estabelece relação semântica clara, indicando causa, finalidade, conclusão, contradição, entre outras possibilidades. Por isso, ao escrever, é necessário utilizar o conector adequado para produzir a relação desejada
  • 10. Exemplo: “Vila passa sem luxo, mas com samba no pé” Para o texto apresentar o sentido desejado, o conectivo “mas” foi fundamental. Ele definiu a ideia de que, mesmo sem luxo, a escola de samba mostrou que é possível apresentar um espetáculo de cultura carnavalesca com o samba no pé A Coesão Pode Ocorrer de Diversas Maneiras: Por Referência – utilizando-se pronomes, advérbios, artigos definidos, quedarão o sentido de fazer referência a algo que já foi ou será dito. Exemplo: Elisa saiu e esqueceu-se de sua bolsa Por Elipse – omissão de algo que já foi referido. Exemplo: Às quintas, Joana faz dança e (Joana faz) aula de piano Por Escolha Lexical – uso de palavras ou expressões com significados próximos para evitar a repetição. Exemplo: O Rio de Janeiro é um lugar extraordinário, com paisagens belíssimas. Mas a cidade maravilhosa está perdendo seu encanto em meio a tanta violência
  • 11. Por Substituição – retoma o que foi dito por meio de um conectivo ou expressão. Exemplo: Choveu muito ontem à noite. Por isso, não haverá jogo hoje à tarde Já na coesão por “Justaposição” é realizado o sequenciamento das ideias. Esse sequenciamento pode ser temporal, de ordenação, para introduzir uma nova ideia etc. Exemplo: Sequência temporal Depois, meses depois, uma semana antes, um pouco mais cedo Ordenação Primeiramente, em seguida, a seguir, finalmente Introdução de novo tema ou assunto À propósito, por falar nisso, mas voltando ao assunto, fazendo um parêntese
  • 12. Coerência Textual É algo que se estabelece na interação, na interlocução e numa situação comunicativa entre dois usuários". A coerência segue o princípio de interpretabilidade do texto A fundamentação da coerência dependerá do estabelecimento de fatores como: Elementos linguísticos; Conhecimento de mundo; Conhecimento partilhado; Inferências; Relevância; Intertextualidade Basicamente, existem 3 modalidades de coerência textual: 1) Coerência Narrativa: Deve apresentar uma sequência lógica de fatos a fim de contextualizar a situação narrada. Exemplo: A fábrica estava repleta de preguiçosos. Nada ia para frente. Solange, a supervisora de produção, foi até a gerência comunicar a situação. Passou 2 horas por lá. Quando voltou, já tínhamos terminado todo o lote Qual a incoerência desse relato? Ora, se todos eram preguiçosos, como o lote todo poderia ter sido terminado durante a conversa da supervisora com a gerência? Só fará sentido se esclarecermos o contexto, pontuando que, por receio de serem demitidos, os funcionários resolveram trabalhar
  • 13. 2) Coerência Argumentativa: Em um texto, devemos desenvolver um assunto atentando para alguns desdobramentos ao longo da argumentação: dados, analogias, conclusões. Tem-se um pressuposto e, a partir dele, são realizadas as considerações Se as conclusões não estão amparadas pelos dados apresentados, então se comete a “Incoerência Argumentativa” Exemplo: “O cigarro e a bebida alcoólica fazem parte das drogas ilícitas que o jovem maior de idade consome em nosso país. O poder de liberdade dado a esse público faz com que comecem a usar esses produtos cada vez mais tarde” Analisando o exemplo acima, observa-se 2 incoerência: (1) A exposição do cigarro e da bebida alcoólica como drogas ilícitas no Brasil, o que não é verdade. (2) Está na 2ª sentença, pois se os jovens têm liberdade, poderiam começar a usar bebida alcoólica e cigarro cada vez mais cedo, e não cada vez mais tarde. As afirmações não têm suporte de verdade, ficando desamparadas e incoerentes 3) Coerência Descritiva: Neste caso, a coerência diz respeito à determinada descrição Exemplo: em um relatório de estágio, o estudante descreve a seguinte situação: “Fui contratado para trabalhar no turno matutino. Meu trabalho no escritório consistia em checar os e-mails do setor de atendimento ao cliente, sempre antes das 14h”. A incoerência está na descrição temporal: se o estagiário foi contratado para trabalhar no turno matutino, não poderia realizar qualquer tipo de serviço na parte da tarde