SlideShare uma empresa Scribd logo
Coesão
Por que escrever
com coesão?
COESÃO TEXTUAL
“Diz respeito a todos os processos de
sequencialização que asseguram (ou tornam
recuperável) uma ligação linguística significativa
entre os elementos que ocorrem na superfície
textual.”
Beaugrande & Dressler (1981)
COESÃO TEXTUAL
A palavra texto vem do vocábulo
latino textus, intimamente
relacionado a noção de tecido e
tessitura.
• COESÃO É O FENÔMENO DE
CONEXÃO ENTRE AS PARTES
DO TE
TEXTO, ENCADEANDO-AS
SINTÁTICA E
SEMANTICAMENTE.
• SEM COESÃO O TEXTO
PARECE FORMADO POR
FRASES
DESCONECTADAS, QUE
NÃO SE RELACIONAM
UMAS DAS OUTRAS.
QUAIS SÃO ESSES
MECANISMOS?
MECANISMOS DE COESÃO
REFERENCIAL
MECANISMOS DE COESÃO
 REFERÊNCIA: A referência, na verdade, são itens
que não podem ser interpretados semanticamente
por si próprios, mas remetem a um outro objeto
responsável pela sua interpretação. Ao primeiro
objeto se chama Pressuponentes e ao segundo
Pressupostos.
TIPOS DE COESÃO
• Coesão referencial:Esse tipo de coesão ocorre
quando os elementos coesivos ou conectivos
retomam ou anunciam palavras, frases e
sequências que exprimem fatos ou conceitos.
MECANISMOS DE COESÃO
Referência
Situacional Textual
Exórica Endofórica
Anáfora Catáfora
 Referência exofórica:
 Ex:
 “Você não se arrependerá de ter lido esse
anúncio.”
MECANISMOS DE COESÃO REFERENCIAL
• Referência Endofórica:
• ANÁFORA – ocorre quando um termo já dito
(referente) é recuperado por meio de um item
coesivo depois.
“Ronaldo anunciou a saida dos campos, num clima de
grande emoção. Ele ainda afirmou que continuará no
meio futebolístico. ”
• CATÁFORA – é quando o termo pressuposto
(referente) aparece após o termo coesivo.
“Tendo grande aceitação por parte dos corintianos, ele
não poderia anunciar sua aposentadoria em clima mais
emocionante. Ronaldo realmente se identificou com a
Gaviões da Fiel”
MECANISMOS DE COESÃO
A Referência ainda pode ser classificada em:
 PESSOAL: feita por meio de pronomes pessoais e possessivos.
Ex: Claudio e Cleverson fizeram ótimas provas. Eles estudaram bastante.
 DEMONSTRATIVA: feita por meio de pronomes demonstrativos e
advérbios indicativos de lugar.
Ex: Realizara todos os seus sonhos, menos este: o de ser juíza.
 COMPARATIVA: feita por via indireta através de identidades e
similaridades.
Ex: O exercício que o professor passou é igual ao de ontem.
SUBSTITUIÇÃO
(NOMINAL, VERBAL, FRASA
L).
MECANISMOS DE COESÃO
 SUBSTITUIÇÃO (nominal, verbal, frasal):
Consiste na colocação de um item em lugar de
outro elemento do texto ou da oração inteira.
Ex: Pedro comprou um carro novo e José também.
O professor acha que os alunos não estão
preparados, mas eu não penso assim.
O Padre ajoelhou-se. Todos fizeram o mesmo.
Minha prima comprou um Gurgel. Eu também estou
querendo um.
MECANISMOS DE COESÃO
 ELIPSE: é a omissão de uma expressão
recuperável pelo contexto.
Ex: José Wilson foi ao bar, onde [ ]
encontrou muitos amigos.
MECANISMOS DE COESÃO REFERENCIAL
• ELIPSE – se dá quando algum elemento do
texto é retirado, evitando a repetição.
“É preciso viver, [é preciso] não apenas existir.”
(Plutarco)
• REITERAÇÃO – é decorrente da repetição do
mesmo item lexical e de outros procedimentos
já mencionados acima como o emprego de
sinônimos, hiperônimos etc.
"Questionar não é duvidar, questionar é querer
saber mais!"
"Coragem é resistir ao medo. Coragem não é a
ausência do medo."
CONJUNÇÃO
(ADITIVA, ADVERSATIVA
, CAUSAL, TEMPORAL, C
ONTINUATIVA)
MECANISMOS DE COESÃO
 CONJUNÇÃO ( aditiva, adversativa, causal,
temporal, continuativa): Permite estabelecer
relações significativas específicas entre orações ou
elementos do texto. Tais relações são feitas através
de conectores e partículas de ligação como
entretanto, após, mas, depois, assim, etc.
Ex: Uma grande paz seguiu-se ao violento tumulto.
Após o violento tumulto houve uma grande paz.
Houve um violento tumulto: depois ou logo após
seguiu-se uma grande paz.
MECANISMOS DE COESÃO
 Coesão Lexical: É obtida por meio de dois
Mecanismos;
- Reiteração: se faz com a repetição do mesmo item lexical ou através de
sinônimos, nomes genéricos.
Ex: O professor viajou para o exterior. O professor levou consigo a sua
família. (Mesmo item lexical)
Ex: Uma menininha me pediu dinheiro. A garota parecia desesperada.
(Sinônimo)
- Colocação: consiste no uso de termos pertencentes a um mesmo campo
significativo.
Ex: Houve um grande acidente na estrada. Dezenas de ambulâncias
transportaram os feridos para os hospitais da cidade mais próxima.
COESÃO LEXICAL
 Obtida por meio de dois mecanismos: reiteração e
colocação
 A reiteração se faz por repetição do mesmo item
lexical ou através de
sinônimos, hiperônimos, nomes genéricos.
COESÃO LEXICAL REITERAÇÃO
 Exemplos:
 O presidente viajou para o exterior. O presidente
levou consigo uma grande comitiva. (Mesmo item
lexical)
 Uma menininha correu ao meu encontro. A garota
parecia assustada. (Sinônimo)
 O avião ia levantar voo. O aparelho fazia um ruído
ensurdecedor. (Hiperônimo: aparelho designa o
gênero de que avião é espécie).
COESÃO LEXICAL REITERAÇÃO
 Exemplos
 Todos ouviram um rumor de asas. Olharam para o
alto e viram a coisa se aproximando. (Nome
genérico: coisa, pessoa, fato, acontecimento etc.)
COESÃO LEXICAL COLOCAÇÃO
 Consiste no uso de termos pertencentes a um
mesmo campo significativo:
 Exemplo:
 Houve um grande acidente na estrada. Dezenas de
ambulâncias transportaram os feridos para os
hospitais da cidade mais próxima.
TIPOS DE COESÃO
 Coesão Referencial
• A superfície do texto pode ser chamada de Forma
Referencial ou Remissiva;
• O universo textual também é chamado de
Elemento de Referência ou Referente Textual;
TIPOS DE COESÃO
 Coesão Referencial
A remissão pode ser feita através de Anáfora
(para trás) ou Catáfora ( para frente);
Ex1: Luanne subiu as escadas da FAN
correndo.Lá em cima ela esbarrou-se com
Aline. (anáfora)
Ex2: Ela era muito divertida, a nossa prof. Livia!
(catáfora)
TIPOS DE COESÃO
 FORMAS REMISSIVAS NÃO REFERENCIAIS
• não fornecem ao leitor/ouvinte quaisquer instruções
de sentido, mas apenas instruções de conexão (por
exemplo, concordância de gênero e número)
• podem ser presas ou livres.
TIPOS DE COESÃO
TIPOS DE COESÃO
 Vêm relacionadas a um nome com o qual concordam em
gênero e/ou número, antecedendo-o e aos possíveis
modificadores de nome dentro do grupo nominal.
TIPOS DE COESÃO
Coesão Sequencial
O que é coesão sequencial?
Estabelece relações semânticas e/ou programáticas
possibilitando o encadeamento, interdependência,
entre os elementos do texto, fazendo-o progredir.
Para Fiorin (1997) “é a ligação, a relação, a conexão
entre as palavras, expressões ou frases do texto.”
TIPOS DE COESÃO
 Coesão Sequencial
Os Conectores contribuem para estabelecer
relações lógicas entre as idéias do texto
elementos de natureza gramatical (pronomes,
conjunções, preposições, categorias verbais),
léxica (sinônimos, antônimos, repetições), e
mecanismos sintáticos (subordinação,
coordenação, ordem dos vocábulos e orações).
TIPOS DE COESÃO
 Coesão Sequencial
Vejamos alguns exemplos do uso de conectores:
1. “Luisa Lima de Castro obteve êxito na prova do Enem porque se dedicou
ao estudo.”
2. “Estudar exige boa vontade e dedicação, mas o esforço vale à pena.”
Os conectores porque e mas estão fazendo ligações entre as orações.
O conector porque, no exemplo 1, liga a oração “Luisa Lima de Castro obteve
êxito
na prova do Enem” à oração subsequente “se dedicou ao estudo”.
TIPOS DE COESÃO
 Coesão Sequencial
A Coesão Sequencial divide-se em recorrência ou progressão.
Recorrência (sequenciação parafrásica): procedimentos recorrentes,
reiteração de termos, estruturas sintáticas e conectivos.
 De termos: E o trem corria, corria, corria...
 De estruturas: Nosso céu tem mais estrelas
Nossas várzeas têm mais flores
Nossos bosques têm mais vida
Nossas vidas mais amores.
 De conteúdos semânticos: Ele vai ficar fora algum tempo, isto é, uns quatro meses.
 De recursos fonológicos: O poeta é um fingidor
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.
TIPOS DE COESÃO
 Coesão Sequencial
Progressão (sequenciação frásica): Progressão com sucessivos encadeamentos que
garantem a continuidade de sentido do texto, sem rodeios ou retornos. Ela se faz
compreender através de procedimentos de manutenção temática e de progressão
temática (tema e rema).
– Manutenção temática: uso de termos do mesmo campo semântico.
O desabamento provocou sérios acidentes. Diversas ambulâncias transportaram as
vítimas para o hospital da cidade mais próxima.
– Encadeamento por justaposição; conexão; relação:
Muitos anos depois, eles se encontraram.
O torcedor gritou tanto que ficou rouco.
João é, sem dúvida, o melhor candidato. Além disso, revela conhecer os problemas do
povo.
CONCLUSÃO
A conexão entre os enunciados são feitas, sobretudo, por certa
categoria de palavras que são chamadas de conectivos ou elos de
coesão. Mas, é preciso saber que recursos de coesão deve-se usar
para expressar no texto a direção discursiva-argumentativa que o
locutor quer imprimir no texto ou que direção ele pretenda dar á sua
locução (discursos oral ou escrito).
Ao escrever, devemos ter cuidado para que os enunciados estejam
bem conectados entre si e que escolhamos conectivos para unir nossas
idéias e fiar o nosso tecido textual, levando em consideração, nossa
intenção discursiva.
CONCLUSÃO
A conexão entre os enunciados são feitas, sobretudo, por certa
categoria de palavras que são chamadas de conectivos ou elos de
coesão. Mas, é preciso saber que recursos de coesão deve-se usar
para expressar no texto a direção discursiva-argumentativa que o
locutor quer imprimir no texto ou que direção ele pretenda dar á sua
locução (discursos oral ou escrito).
Ao escrever, devemos ter cuidado para que os enunciados estejam
bem conectados entre si e que escolhamos conectivos para unir nossas
idéias e fiar o nosso tecido textual, levando em consideração, nossa
intenção discursiva.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
Cláudia Heloísa
 
Intertextualidade
Intertextualidade Intertextualidade
Intertextualidade
Denise
 
Artigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesArtigo de opinião slides
Artigo de opinião slides
Isis Barros
 
Regência nominal e verbal
Regência nominal e verbalRegência nominal e verbal
Regência nominal e verbal
Sadrak Silva
 
Período composto por coordenação
Período composto por coordenaçãoPeríodo composto por coordenação
Período composto por coordenação
Carolina Loçasso Pereira
 
Pronomes
PronomesPronomes
Pronomes
Rita Tramonte
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
7 de Setembro
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
fabrinnem
 
Tipos e mecanismos de coesão textual
Tipos e mecanismos de coesão textual Tipos e mecanismos de coesão textual
Tipos e mecanismos de coesão textual
Josiane Franzó
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Verônica Carvalho
 
Apresentação Adverbios
Apresentação AdverbiosApresentação Adverbios
Apresentação Adverbios
Leisiane Jesus
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
Carolina Loçasso Pereira
 
Tempo e modo verbais
Tempo e modo verbaisTempo e modo verbais
Tempo e modo verbais
Fabricio Souza
 
Aula concordância verbal e nominal
Aula concordância verbal e nominalAula concordância verbal e nominal
Aula concordância verbal e nominal
Gisele Fernandes Loures Domith
 
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUALELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
Débora Costa
 
Aula Figuras de Linguagem
Aula    Figuras de Linguagem Aula    Figuras de Linguagem
Aula Figuras de Linguagem
paula nery
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
Ana Claudia André
 
1.3 ortografia
1.3   ortografia1.3   ortografia
1.3 ortografia
Ivana Mayrink
 
Uso da vírgula
Uso da vírgulaUso da vírgula
Uso da vírgula
Débora Costa
 
Discurso direto, indireto e indireto livre
Discurso direto, indireto e indireto livreDiscurso direto, indireto e indireto livre
Discurso direto, indireto e indireto livre
Caique Fernando Silva Fistarol
 

Mais procurados (20)

Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Intertextualidade
Intertextualidade Intertextualidade
Intertextualidade
 
Artigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesArtigo de opinião slides
Artigo de opinião slides
 
Regência nominal e verbal
Regência nominal e verbalRegência nominal e verbal
Regência nominal e verbal
 
Período composto por coordenação
Período composto por coordenaçãoPeríodo composto por coordenação
Período composto por coordenação
 
Pronomes
PronomesPronomes
Pronomes
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Tipos e mecanismos de coesão textual
Tipos e mecanismos de coesão textual Tipos e mecanismos de coesão textual
Tipos e mecanismos de coesão textual
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Apresentação Adverbios
Apresentação AdverbiosApresentação Adverbios
Apresentação Adverbios
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Tempo e modo verbais
Tempo e modo verbaisTempo e modo verbais
Tempo e modo verbais
 
Aula concordância verbal e nominal
Aula concordância verbal e nominalAula concordância verbal e nominal
Aula concordância verbal e nominal
 
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUALELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
 
Aula Figuras de Linguagem
Aula    Figuras de Linguagem Aula    Figuras de Linguagem
Aula Figuras de Linguagem
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
1.3 ortografia
1.3   ortografia1.3   ortografia
1.3 ortografia
 
Uso da vírgula
Uso da vírgulaUso da vírgula
Uso da vírgula
 
Discurso direto, indireto e indireto livre
Discurso direto, indireto e indireto livreDiscurso direto, indireto e indireto livre
Discurso direto, indireto e indireto livre
 

Semelhante a Coesão

Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.pptTipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
Rosy Almeida
 
A Coesão Textual(SLIDES) .pptx
A Coesão Textual(SLIDES) .pptxA Coesão Textual(SLIDES) .pptx
A Coesão Textual(SLIDES) .pptx
DelaineFarias2
 
coerência e coesão textual
coerência e coesão textual coerência e coesão textual
coerência e coesão textual
LeniomarMorais
 
Coesão Textual
Coesão TextualCoesão Textual
Coesão Textual
Direito Nabuco
 
Coesão Textual
Coesão TextualCoesão Textual
Coesão Textual
Adilson P Motta Motta
 
Coerência e coesão textual,matias
Coerência e coesão textual,matiasCoerência e coesão textual,matias
Coerência e coesão textual,matias
Alexandra Gonçalves
 
Coesão textual.ppt
Coesão textual.pptCoesão textual.ppt
Coesão textual.ppt
Sônia Guedes
 
Coesao textual
Coesao textualCoesao textual
Coesao textual
Fatima Ali
 
Coesão e coerência textual com os elementos da referenciação
Coesão e coerência textual com os elementos da referenciaçãoCoesão e coerência textual com os elementos da referenciação
Coesão e coerência textual com os elementos da referenciação
FranciscoGaleno3
 
Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)
Helen Cristina
 
Coesão
CoesãoCoesão
Coerencia e coesao_textuais
Coerencia e coesao_textuaisCoerencia e coesao_textuais
Coerencia e coesao_textuais
Ruth Metelo
 
Mecanismos de coesão
Mecanismos de coesãoMecanismos de coesão
Mecanismos de coesão
Marluce Brum
 
Oficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaOficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua Portuguesa
Sadiasoares
 
Inglês instrumental 2
Inglês instrumental 2Inglês instrumental 2
Inglês instrumental 2
Robson Ferreira
 
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdf
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdfCOESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdf
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdf
JosVeniciusRamosdaSi
 
Oficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaOficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua Portuguesa
Sadiasoares
 
Slides_FATORES_DE_TEXTUALIDADE_Intencion.pdf
Slides_FATORES_DE_TEXTUALIDADE_Intencion.pdfSlides_FATORES_DE_TEXTUALIDADE_Intencion.pdf
Slides_FATORES_DE_TEXTUALIDADE_Intencion.pdf
KarlianaArruda1
 
PROJETO SAEB – 2023 - D 2Júlio Monteles
PROJETO SAEB – 2023 -  D 2Júlio MontelesPROJETO SAEB – 2023 -  D 2Júlio Monteles
PROJETO SAEB – 2023 - D 2Júlio Monteles
MARIAVALCIRENEOLIVEI
 
Portugues pmpe
Portugues pmpePortugues pmpe
Portugues pmpe
Raiff Oliveira
 

Semelhante a Coesão (20)

Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.pptTipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
 
A Coesão Textual(SLIDES) .pptx
A Coesão Textual(SLIDES) .pptxA Coesão Textual(SLIDES) .pptx
A Coesão Textual(SLIDES) .pptx
 
coerência e coesão textual
coerência e coesão textual coerência e coesão textual
coerência e coesão textual
 
Coesão Textual
Coesão TextualCoesão Textual
Coesão Textual
 
Coesão Textual
Coesão TextualCoesão Textual
Coesão Textual
 
Coerência e coesão textual,matias
Coerência e coesão textual,matiasCoerência e coesão textual,matias
Coerência e coesão textual,matias
 
Coesão textual.ppt
Coesão textual.pptCoesão textual.ppt
Coesão textual.ppt
 
Coesao textual
Coesao textualCoesao textual
Coesao textual
 
Coesão e coerência textual com os elementos da referenciação
Coesão e coerência textual com os elementos da referenciaçãoCoesão e coerência textual com os elementos da referenciação
Coesão e coerência textual com os elementos da referenciação
 
Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)
 
Coesão
CoesãoCoesão
Coesão
 
Coerencia e coesao_textuais
Coerencia e coesao_textuaisCoerencia e coesao_textuais
Coerencia e coesao_textuais
 
Mecanismos de coesão
Mecanismos de coesãoMecanismos de coesão
Mecanismos de coesão
 
Oficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaOficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua Portuguesa
 
Inglês instrumental 2
Inglês instrumental 2Inglês instrumental 2
Inglês instrumental 2
 
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdf
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdfCOESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdf
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdf
 
Oficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaOficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua Portuguesa
 
Slides_FATORES_DE_TEXTUALIDADE_Intencion.pdf
Slides_FATORES_DE_TEXTUALIDADE_Intencion.pdfSlides_FATORES_DE_TEXTUALIDADE_Intencion.pdf
Slides_FATORES_DE_TEXTUALIDADE_Intencion.pdf
 
PROJETO SAEB – 2023 - D 2Júlio Monteles
PROJETO SAEB – 2023 -  D 2Júlio MontelesPROJETO SAEB – 2023 -  D 2Júlio Monteles
PROJETO SAEB – 2023 - D 2Júlio Monteles
 
Portugues pmpe
Portugues pmpePortugues pmpe
Portugues pmpe
 

Coesão

  • 3. COESÃO TEXTUAL “Diz respeito a todos os processos de sequencialização que asseguram (ou tornam recuperável) uma ligação linguística significativa entre os elementos que ocorrem na superfície textual.” Beaugrande & Dressler (1981)
  • 4. COESÃO TEXTUAL A palavra texto vem do vocábulo latino textus, intimamente relacionado a noção de tecido e tessitura.
  • 5. • COESÃO É O FENÔMENO DE CONEXÃO ENTRE AS PARTES DO TE TEXTO, ENCADEANDO-AS SINTÁTICA E SEMANTICAMENTE.
  • 6. • SEM COESÃO O TEXTO PARECE FORMADO POR FRASES DESCONECTADAS, QUE NÃO SE RELACIONAM UMAS DAS OUTRAS.
  • 9. MECANISMOS DE COESÃO  REFERÊNCIA: A referência, na verdade, são itens que não podem ser interpretados semanticamente por si próprios, mas remetem a um outro objeto responsável pela sua interpretação. Ao primeiro objeto se chama Pressuponentes e ao segundo Pressupostos.
  • 10. TIPOS DE COESÃO • Coesão referencial:Esse tipo de coesão ocorre quando os elementos coesivos ou conectivos retomam ou anunciam palavras, frases e sequências que exprimem fatos ou conceitos.
  • 11. MECANISMOS DE COESÃO Referência Situacional Textual Exórica Endofórica Anáfora Catáfora
  • 12.  Referência exofórica:  Ex:  “Você não se arrependerá de ter lido esse anúncio.”
  • 13. MECANISMOS DE COESÃO REFERENCIAL • Referência Endofórica: • ANÁFORA – ocorre quando um termo já dito (referente) é recuperado por meio de um item coesivo depois. “Ronaldo anunciou a saida dos campos, num clima de grande emoção. Ele ainda afirmou que continuará no meio futebolístico. ” • CATÁFORA – é quando o termo pressuposto (referente) aparece após o termo coesivo. “Tendo grande aceitação por parte dos corintianos, ele não poderia anunciar sua aposentadoria em clima mais emocionante. Ronaldo realmente se identificou com a Gaviões da Fiel”
  • 14. MECANISMOS DE COESÃO A Referência ainda pode ser classificada em:  PESSOAL: feita por meio de pronomes pessoais e possessivos. Ex: Claudio e Cleverson fizeram ótimas provas. Eles estudaram bastante.  DEMONSTRATIVA: feita por meio de pronomes demonstrativos e advérbios indicativos de lugar. Ex: Realizara todos os seus sonhos, menos este: o de ser juíza.  COMPARATIVA: feita por via indireta através de identidades e similaridades. Ex: O exercício que o professor passou é igual ao de ontem.
  • 16. MECANISMOS DE COESÃO  SUBSTITUIÇÃO (nominal, verbal, frasal): Consiste na colocação de um item em lugar de outro elemento do texto ou da oração inteira. Ex: Pedro comprou um carro novo e José também. O professor acha que os alunos não estão preparados, mas eu não penso assim. O Padre ajoelhou-se. Todos fizeram o mesmo. Minha prima comprou um Gurgel. Eu também estou querendo um.
  • 17. MECANISMOS DE COESÃO  ELIPSE: é a omissão de uma expressão recuperável pelo contexto. Ex: José Wilson foi ao bar, onde [ ] encontrou muitos amigos.
  • 18. MECANISMOS DE COESÃO REFERENCIAL • ELIPSE – se dá quando algum elemento do texto é retirado, evitando a repetição. “É preciso viver, [é preciso] não apenas existir.” (Plutarco) • REITERAÇÃO – é decorrente da repetição do mesmo item lexical e de outros procedimentos já mencionados acima como o emprego de sinônimos, hiperônimos etc. "Questionar não é duvidar, questionar é querer saber mais!" "Coragem é resistir ao medo. Coragem não é a ausência do medo."
  • 20. MECANISMOS DE COESÃO  CONJUNÇÃO ( aditiva, adversativa, causal, temporal, continuativa): Permite estabelecer relações significativas específicas entre orações ou elementos do texto. Tais relações são feitas através de conectores e partículas de ligação como entretanto, após, mas, depois, assim, etc. Ex: Uma grande paz seguiu-se ao violento tumulto. Após o violento tumulto houve uma grande paz. Houve um violento tumulto: depois ou logo após seguiu-se uma grande paz.
  • 21. MECANISMOS DE COESÃO  Coesão Lexical: É obtida por meio de dois Mecanismos; - Reiteração: se faz com a repetição do mesmo item lexical ou através de sinônimos, nomes genéricos. Ex: O professor viajou para o exterior. O professor levou consigo a sua família. (Mesmo item lexical) Ex: Uma menininha me pediu dinheiro. A garota parecia desesperada. (Sinônimo) - Colocação: consiste no uso de termos pertencentes a um mesmo campo significativo. Ex: Houve um grande acidente na estrada. Dezenas de ambulâncias transportaram os feridos para os hospitais da cidade mais próxima.
  • 22. COESÃO LEXICAL  Obtida por meio de dois mecanismos: reiteração e colocação  A reiteração se faz por repetição do mesmo item lexical ou através de sinônimos, hiperônimos, nomes genéricos.
  • 23. COESÃO LEXICAL REITERAÇÃO  Exemplos:  O presidente viajou para o exterior. O presidente levou consigo uma grande comitiva. (Mesmo item lexical)  Uma menininha correu ao meu encontro. A garota parecia assustada. (Sinônimo)  O avião ia levantar voo. O aparelho fazia um ruído ensurdecedor. (Hiperônimo: aparelho designa o gênero de que avião é espécie).
  • 24. COESÃO LEXICAL REITERAÇÃO  Exemplos  Todos ouviram um rumor de asas. Olharam para o alto e viram a coisa se aproximando. (Nome genérico: coisa, pessoa, fato, acontecimento etc.)
  • 25. COESÃO LEXICAL COLOCAÇÃO  Consiste no uso de termos pertencentes a um mesmo campo significativo:  Exemplo:  Houve um grande acidente na estrada. Dezenas de ambulâncias transportaram os feridos para os hospitais da cidade mais próxima.
  • 26. TIPOS DE COESÃO  Coesão Referencial • A superfície do texto pode ser chamada de Forma Referencial ou Remissiva; • O universo textual também é chamado de Elemento de Referência ou Referente Textual;
  • 27. TIPOS DE COESÃO  Coesão Referencial A remissão pode ser feita através de Anáfora (para trás) ou Catáfora ( para frente); Ex1: Luanne subiu as escadas da FAN correndo.Lá em cima ela esbarrou-se com Aline. (anáfora) Ex2: Ela era muito divertida, a nossa prof. Livia! (catáfora)
  • 28. TIPOS DE COESÃO  FORMAS REMISSIVAS NÃO REFERENCIAIS • não fornecem ao leitor/ouvinte quaisquer instruções de sentido, mas apenas instruções de conexão (por exemplo, concordância de gênero e número) • podem ser presas ou livres.
  • 30. TIPOS DE COESÃO  Vêm relacionadas a um nome com o qual concordam em gênero e/ou número, antecedendo-o e aos possíveis modificadores de nome dentro do grupo nominal.
  • 31. TIPOS DE COESÃO Coesão Sequencial O que é coesão sequencial? Estabelece relações semânticas e/ou programáticas possibilitando o encadeamento, interdependência, entre os elementos do texto, fazendo-o progredir. Para Fiorin (1997) “é a ligação, a relação, a conexão entre as palavras, expressões ou frases do texto.”
  • 32. TIPOS DE COESÃO  Coesão Sequencial Os Conectores contribuem para estabelecer relações lógicas entre as idéias do texto elementos de natureza gramatical (pronomes, conjunções, preposições, categorias verbais), léxica (sinônimos, antônimos, repetições), e mecanismos sintáticos (subordinação, coordenação, ordem dos vocábulos e orações).
  • 33. TIPOS DE COESÃO  Coesão Sequencial Vejamos alguns exemplos do uso de conectores: 1. “Luisa Lima de Castro obteve êxito na prova do Enem porque se dedicou ao estudo.” 2. “Estudar exige boa vontade e dedicação, mas o esforço vale à pena.” Os conectores porque e mas estão fazendo ligações entre as orações. O conector porque, no exemplo 1, liga a oração “Luisa Lima de Castro obteve êxito na prova do Enem” à oração subsequente “se dedicou ao estudo”.
  • 34. TIPOS DE COESÃO  Coesão Sequencial A Coesão Sequencial divide-se em recorrência ou progressão. Recorrência (sequenciação parafrásica): procedimentos recorrentes, reiteração de termos, estruturas sintáticas e conectivos.  De termos: E o trem corria, corria, corria...  De estruturas: Nosso céu tem mais estrelas Nossas várzeas têm mais flores Nossos bosques têm mais vida Nossas vidas mais amores.  De conteúdos semânticos: Ele vai ficar fora algum tempo, isto é, uns quatro meses.  De recursos fonológicos: O poeta é um fingidor Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente.
  • 35. TIPOS DE COESÃO  Coesão Sequencial Progressão (sequenciação frásica): Progressão com sucessivos encadeamentos que garantem a continuidade de sentido do texto, sem rodeios ou retornos. Ela se faz compreender através de procedimentos de manutenção temática e de progressão temática (tema e rema). – Manutenção temática: uso de termos do mesmo campo semântico. O desabamento provocou sérios acidentes. Diversas ambulâncias transportaram as vítimas para o hospital da cidade mais próxima. – Encadeamento por justaposição; conexão; relação: Muitos anos depois, eles se encontraram. O torcedor gritou tanto que ficou rouco. João é, sem dúvida, o melhor candidato. Além disso, revela conhecer os problemas do povo.
  • 36. CONCLUSÃO A conexão entre os enunciados são feitas, sobretudo, por certa categoria de palavras que são chamadas de conectivos ou elos de coesão. Mas, é preciso saber que recursos de coesão deve-se usar para expressar no texto a direção discursiva-argumentativa que o locutor quer imprimir no texto ou que direção ele pretenda dar á sua locução (discursos oral ou escrito). Ao escrever, devemos ter cuidado para que os enunciados estejam bem conectados entre si e que escolhamos conectivos para unir nossas idéias e fiar o nosso tecido textual, levando em consideração, nossa intenção discursiva.
  • 37. CONCLUSÃO A conexão entre os enunciados são feitas, sobretudo, por certa categoria de palavras que são chamadas de conectivos ou elos de coesão. Mas, é preciso saber que recursos de coesão deve-se usar para expressar no texto a direção discursiva-argumentativa que o locutor quer imprimir no texto ou que direção ele pretenda dar á sua locução (discursos oral ou escrito). Ao escrever, devemos ter cuidado para que os enunciados estejam bem conectados entre si e que escolhamos conectivos para unir nossas idéias e fiar o nosso tecido textual, levando em consideração, nossa intenção discursiva.