SlideShare uma empresa Scribd logo
Breve exposição sobre a coesão
textual e seus elementos
Ms. Miquéias dos Santos Vitorino
PROLING/GELIT - UFPB
o que é a coesão textual
A coesão textual é uma característica que
aponta para mecanismos linguísticos que o
texto possui e que mantenham suas partes
bem concatenadas (emendadas, ligadas),
fazendo o texto possuir uma rede de
informações bem interligada e organizada. (cf.
FÁVERO, 2009)
o que faz um texto coeso?
Gráfico baseado em Fávero (2009)
conectivos
referenciação
e elipses
substituição coesão lexical
COESÃO
referenciação
As anáforas e catáforas definem um fenômeno
textual chamado referenciação. Consiste em uma
cadeia de retomadas de um termo usando
diferentes elementos da língua. Pode-se usar
pronomes, expressões definidas, advérbios de
lugar.
Anáfora é a retomada de um elemento já referido
no texto. A catáfora antecipa os termos para se
referir a algo ainda não citado no texto.
referenciação
Ele terminou uma garrafa de cachaça e logo
abriu uma outra.
Era uma monografia de trinta páginas. Comecei
a ler e vi que algumas folhas tinham uma
série de problemas.
A decoração do casamento foi feito com rosas
vermelhas. As flores foram a atração da festa.
referenciação
elipse
Uma elipse ocorre quando há omissão de uma palavra,
expressão ou mesmo uma informação inteira, que é
inferida, mas não aparece explicitamente no texto. Vejamos
o exemplo explorado em Antunes (2005, p.120)
Em certo dia de data incerta, um galo velho e uma galinha
nova encontraram-se no fundo de um quintal e, entre uma
bicada e outra, trocaram impressões sobre como o mundo
estava mudado. O galo, porém, fez questão de frisar que
sempre (X) vivera bem, (X) tivera muitas galinhas em sua
vida sentimental e agora, velho e cansado, (X) esperava
calmamente o fim de seus dias.
coesão lexical e recorrência
Um texto coeso tem, necessariamente, uma
escolha de palavras que se relacionem entre si
e que tenham a ver uma com a outra. Além
disso, Fávero (2009, p.26) destaca outra
característica de um texto coeso: a
progressão. O texto não permanece estático,
sem informações novas. É repetir
parcialmente um conteúdo, mas fornecendo
informações novas.
recorrência
recursos de repetição
REPETIÇÃO
Paráfrase
Paralelismo
Repetição
propriamente
dita
recursos de repetição
Paralelismo
Irene no céu
Manuel Bandeira
Irene preta
Irene boa
Irene sempre de
bom humor
Paráfrase
O ato de escrever deve ser
visto como uma atividade
sociocultural. Ou, dito de
outra forma, escrevemos
para alguém ler.
Repetição
propriamente dita
Repetição
propriamente dita
é a repetição
propriamente dita.
uso dos conectivos
O efeito causado pelo uso dos conectivos (mas,
porque, ou, entretanto, logo, sendo assim etc)
confere ao texto:
• Continuidade da informação
• Relação de sentido entre os enunciados
ligados
• Criação de unidades de argumentação
complexas.
uso dos conectivos
Como o sol não costuma dar trégua, as praias
são sempre uma ótima opção.
Já que as mulheres muitas vezes se negam a ter
um parto normal, seria bom fornecer-lhes
mais informações sobre as vantagens do
procedimento.
A liberdade de expressão pode ser libertadora,
do ponto de vista de quem enuncia, mas pode
aprisionar outrem em cadeias de preconceito.
referências
ANTUNES, I. Lutar com palavras: coesão e
coerência. São Paulo: Parábola, 2005.
FÁVERO, L. L. Coesão e coerência textuais.
11.ed. São Paulo: Ática, 2009.
KOCH, I.V; ELIAS, V. M. Ler e escrever. São Paulo:
Contexto, 2009.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Figuras de linguagem - 2020
Figuras de linguagem - 2020Figuras de linguagem - 2020
Figuras de linguagem - 2020
CrisBiagio
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
ISJ
 
Assimilação
AssimilaçãoAssimilação
Assimilação
Adriana Guimarães
 
Gêneros e Tipos Textuais.pdf
Gêneros e Tipos Textuais.pdfGêneros e Tipos Textuais.pdf
Gêneros e Tipos Textuais.pdf
JliaRamosVieira1
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
guest4f8ac9b
 
Compreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textosCompreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textos
welton santos
 
Coesão
CoesãoCoesão
Coesão
Heydy Silva
 
Intertextualidade interdiscursividade
Intertextualidade interdiscursividadeIntertextualidade interdiscursividade
Intertextualidade interdiscursividade
Francione Brito
 
Relações lexicais e coesão textual
Relações lexicais e coesão textualRelações lexicais e coesão textual
Relações lexicais e coesão textual
Miquéias Vitorino
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
Abrahão Costa de Freitas
 
Slide pronto
Slide prontoSlide pronto
Slide pronto
Heloiza Moura
 
Elementos de textualidade
Elementos de textualidadeElementos de textualidade
Elementos de textualidade
Governo do Estado do Ceará
 
Coesao e-coerencia
Coesao e-coerenciaCoesao e-coerencia
Coesao e-coerencia
ALINE NEUSCHRANK
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
Faell Vasconcelos
 
Literatura A Arte da Palavra
Literatura   A Arte da PalavraLiteratura   A Arte da Palavra
Literatura A Arte da Palavra
CrisBiagio
 
Introdução aos estudos literários
Introdução aos estudos literáriosIntrodução aos estudos literários
Introdução aos estudos literários
Elaine Teixeira
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
fabrinnem
 
Recursos morfossintáticos, lexicais,semânticos
Recursos morfossintáticos, lexicais,semânticosRecursos morfossintáticos, lexicais,semânticos
Recursos morfossintáticos, lexicais,semânticos
Marcia Oliveira
 
19016033 genero-textual-exercicios
19016033 genero-textual-exercicios19016033 genero-textual-exercicios
19016033 genero-textual-exercicios
Paulo Correia
 
Funções do texto literário - 1° ano Ensino médio
Funções do texto literário - 1° ano Ensino médioFunções do texto literário - 1° ano Ensino médio
Funções do texto literário - 1° ano Ensino médio
Daniel Vitor de Almeida
 

Mais procurados (20)

Figuras de linguagem - 2020
Figuras de linguagem - 2020Figuras de linguagem - 2020
Figuras de linguagem - 2020
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Assimilação
AssimilaçãoAssimilação
Assimilação
 
Gêneros e Tipos Textuais.pdf
Gêneros e Tipos Textuais.pdfGêneros e Tipos Textuais.pdf
Gêneros e Tipos Textuais.pdf
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Compreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textosCompreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textos
 
Coesão
CoesãoCoesão
Coesão
 
Intertextualidade interdiscursividade
Intertextualidade interdiscursividadeIntertextualidade interdiscursividade
Intertextualidade interdiscursividade
 
Relações lexicais e coesão textual
Relações lexicais e coesão textualRelações lexicais e coesão textual
Relações lexicais e coesão textual
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
Slide pronto
Slide prontoSlide pronto
Slide pronto
 
Elementos de textualidade
Elementos de textualidadeElementos de textualidade
Elementos de textualidade
 
Coesao e-coerencia
Coesao e-coerenciaCoesao e-coerencia
Coesao e-coerencia
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Literatura A Arte da Palavra
Literatura   A Arte da PalavraLiteratura   A Arte da Palavra
Literatura A Arte da Palavra
 
Introdução aos estudos literários
Introdução aos estudos literáriosIntrodução aos estudos literários
Introdução aos estudos literários
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Recursos morfossintáticos, lexicais,semânticos
Recursos morfossintáticos, lexicais,semânticosRecursos morfossintáticos, lexicais,semânticos
Recursos morfossintáticos, lexicais,semânticos
 
19016033 genero-textual-exercicios
19016033 genero-textual-exercicios19016033 genero-textual-exercicios
19016033 genero-textual-exercicios
 
Funções do texto literário - 1° ano Ensino médio
Funções do texto literário - 1° ano Ensino médioFunções do texto literário - 1° ano Ensino médio
Funções do texto literário - 1° ano Ensino médio
 

Semelhante a Breve exposição sobre a coesão textual e seus elementos

Oficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaOficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua Portuguesa
Sadiasoares
 
Oficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaOficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua Portuguesa
Sadiasoares
 
Coerência e coesão textual,matias
Coerência e coesão textual,matiasCoerência e coesão textual,matias
Coerência e coesão textual,matias
Alexandra Gonçalves
 
Coesão e coerência textual com os elementos da referenciação
Coesão e coerência textual com os elementos da referenciaçãoCoesão e coerência textual com os elementos da referenciação
Coesão e coerência textual com os elementos da referenciação
FranciscoGaleno3
 
Coesão Textual
Coesão TextualCoesão Textual
Coesão Textual
Direito Nabuco
 
coerência e coesão textual
coerência e coesão textual coerência e coesão textual
coerência e coesão textual
LeniomarMorais
 
07 2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano c
07  2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano c07  2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano c
07 2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano c
Nivea Neves
 
Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.pptTipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
Rosy Almeida
 
Exercícios sobre coerência e coesão
Exercícios sobre coerência e coesãoExercícios sobre coerência e coesão
Exercícios sobre coerência e coesão
ma.no.el.ne.ves
 
USO DE ANÁFORAS EM PRODUÇÕES TEXTUAIS DE ALUNOS DO PRIMEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO
USO DE ANÁFORAS EM PRODUÇÕES TEXTUAIS DE ALUNOS DO PRIMEIRO ANO DO ENSINO MÉDIOUSO DE ANÁFORAS EM PRODUÇÕES TEXTUAIS DE ALUNOS DO PRIMEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO
USO DE ANÁFORAS EM PRODUÇÕES TEXTUAIS DE ALUNOS DO PRIMEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO
Jobenemar Carvalho
 
Coesão e coerência textual (1)
Coesão e coerência textual (1)Coesão e coerência textual (1)
Coesão e coerência textual (1)
fatimamendonca64
 
Inglês instrumental 2
Inglês instrumental 2Inglês instrumental 2
Inglês instrumental 2
Robson Ferreira
 
Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)
Helen Cristina
 
Coesão
CoesãoCoesão
Slide Coesão - aula 1.pptx
Slide Coesão - aula 1.pptxSlide Coesão - aula 1.pptx
Slide Coesão - aula 1.pptx
JessicaRocha612023
 
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUALELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
Débora Costa
 
05 - Orações subordinadas substantivas
05 - Orações subordinadas substantivas05 - Orações subordinadas substantivas
05 - Orações subordinadas substantivas
NAPNE
 
Consciencia fonológica
Consciencia fonológicaConsciencia fonológica
Consciencia fonológica
Bete Feliciano
 
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Marcia Prudencio
 
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Carmem Ângela Do Carmo
 

Semelhante a Breve exposição sobre a coesão textual e seus elementos (20)

Oficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaOficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua Portuguesa
 
Oficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaOficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua Portuguesa
 
Coerência e coesão textual,matias
Coerência e coesão textual,matiasCoerência e coesão textual,matias
Coerência e coesão textual,matias
 
Coesão e coerência textual com os elementos da referenciação
Coesão e coerência textual com os elementos da referenciaçãoCoesão e coerência textual com os elementos da referenciação
Coesão e coerência textual com os elementos da referenciação
 
Coesão Textual
Coesão TextualCoesão Textual
Coesão Textual
 
coerência e coesão textual
coerência e coesão textual coerência e coesão textual
coerência e coesão textual
 
07 2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano c
07  2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano c07  2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano c
07 2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano c
 
Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.pptTipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
Tipos-e-mecanismos-de-coesao-textual.ppt
 
Exercícios sobre coerência e coesão
Exercícios sobre coerência e coesãoExercícios sobre coerência e coesão
Exercícios sobre coerência e coesão
 
USO DE ANÁFORAS EM PRODUÇÕES TEXTUAIS DE ALUNOS DO PRIMEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO
USO DE ANÁFORAS EM PRODUÇÕES TEXTUAIS DE ALUNOS DO PRIMEIRO ANO DO ENSINO MÉDIOUSO DE ANÁFORAS EM PRODUÇÕES TEXTUAIS DE ALUNOS DO PRIMEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO
USO DE ANÁFORAS EM PRODUÇÕES TEXTUAIS DE ALUNOS DO PRIMEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO
 
Coesão e coerência textual (1)
Coesão e coerência textual (1)Coesão e coerência textual (1)
Coesão e coerência textual (1)
 
Inglês instrumental 2
Inglês instrumental 2Inglês instrumental 2
Inglês instrumental 2
 
Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)
 
Coesão
CoesãoCoesão
Coesão
 
Slide Coesão - aula 1.pptx
Slide Coesão - aula 1.pptxSlide Coesão - aula 1.pptx
Slide Coesão - aula 1.pptx
 
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUALELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
 
05 - Orações subordinadas substantivas
05 - Orações subordinadas substantivas05 - Orações subordinadas substantivas
05 - Orações subordinadas substantivas
 
Consciencia fonológica
Consciencia fonológicaConsciencia fonológica
Consciencia fonológica
 
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
 
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
 

Mais de Miquéias Vitorino

A redação do enem hoje
A redação do enem hojeA redação do enem hoje
A redação do enem hoje
Miquéias Vitorino
 
Argumentação em redações do enem
Argumentação em redações do enemArgumentação em redações do enem
Argumentação em redações do enem
Miquéias Vitorino
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Paráfrase
Miquéias Vitorino
 
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
Miquéias Vitorino
 
Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...
Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...
Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...
Miquéias Vitorino
 
Principais obras e autores do modernismo
Principais obras e autores do modernismoPrincipais obras e autores do modernismo
Principais obras e autores do modernismo
Miquéias Vitorino
 
Quinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasilQuinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasil
Miquéias Vitorino
 
Modernismo no brasil
Modernismo no brasilModernismo no brasil
Modernismo no brasil
Miquéias Vitorino
 
Modernismo fases
Modernismo fasesModernismo fases
Modernismo fases
Miquéias Vitorino
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
Miquéias Vitorino
 
Arcadismo no brasil
Arcadismo no brasilArcadismo no brasil
Arcadismo no brasil
Miquéias Vitorino
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Miquéias Vitorino
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
Miquéias Vitorino
 
Arcadismo no brasil
Arcadismo no brasilArcadismo no brasil
Arcadismo no brasil
Miquéias Vitorino
 
Arcadismo no brasil
Arcadismo no brasilArcadismo no brasil
Arcadismo no brasil
Miquéias Vitorino
 
Algumas dicas básicas para a redação do enem
Algumas dicas básicas para a redação do enemAlgumas dicas básicas para a redação do enem
Algumas dicas básicas para a redação do enem
Miquéias Vitorino
 
Conceitos básicos em análise semântica
Conceitos básicos em análise semânticaConceitos básicos em análise semântica
Conceitos básicos em análise semântica
Miquéias Vitorino
 
Anáfora, contexto e coesão textual
Anáfora, contexto e coesão textualAnáfora, contexto e coesão textual
Anáfora, contexto e coesão textual
Miquéias Vitorino
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
Miquéias Vitorino
 
Compreendendo a proposta e planejando a redação
Compreendendo a proposta e planejando a redaçãoCompreendendo a proposta e planejando a redação
Compreendendo a proposta e planejando a redação
Miquéias Vitorino
 

Mais de Miquéias Vitorino (20)

A redação do enem hoje
A redação do enem hojeA redação do enem hoje
A redação do enem hoje
 
Argumentação em redações do enem
Argumentação em redações do enemArgumentação em redações do enem
Argumentação em redações do enem
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Paráfrase
 
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
 
Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...
Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...
Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...
 
Principais obras e autores do modernismo
Principais obras e autores do modernismoPrincipais obras e autores do modernismo
Principais obras e autores do modernismo
 
Quinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasilQuinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasil
 
Modernismo no brasil
Modernismo no brasilModernismo no brasil
Modernismo no brasil
 
Modernismo fases
Modernismo fasesModernismo fases
Modernismo fases
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
 
Arcadismo no brasil
Arcadismo no brasilArcadismo no brasil
Arcadismo no brasil
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
Arcadismo no brasil
Arcadismo no brasilArcadismo no brasil
Arcadismo no brasil
 
Arcadismo no brasil
Arcadismo no brasilArcadismo no brasil
Arcadismo no brasil
 
Algumas dicas básicas para a redação do enem
Algumas dicas básicas para a redação do enemAlgumas dicas básicas para a redação do enem
Algumas dicas básicas para a redação do enem
 
Conceitos básicos em análise semântica
Conceitos básicos em análise semânticaConceitos básicos em análise semântica
Conceitos básicos em análise semântica
 
Anáfora, contexto e coesão textual
Anáfora, contexto e coesão textualAnáfora, contexto e coesão textual
Anáfora, contexto e coesão textual
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
 
Compreendendo a proposta e planejando a redação
Compreendendo a proposta e planejando a redaçãoCompreendendo a proposta e planejando a redação
Compreendendo a proposta e planejando a redação
 

Último

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 

Último (20)

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 

Breve exposição sobre a coesão textual e seus elementos

  • 1. Breve exposição sobre a coesão textual e seus elementos Ms. Miquéias dos Santos Vitorino PROLING/GELIT - UFPB
  • 2. o que é a coesão textual A coesão textual é uma característica que aponta para mecanismos linguísticos que o texto possui e que mantenham suas partes bem concatenadas (emendadas, ligadas), fazendo o texto possuir uma rede de informações bem interligada e organizada. (cf. FÁVERO, 2009)
  • 3. o que faz um texto coeso? Gráfico baseado em Fávero (2009) conectivos referenciação e elipses substituição coesão lexical COESÃO
  • 4. referenciação As anáforas e catáforas definem um fenômeno textual chamado referenciação. Consiste em uma cadeia de retomadas de um termo usando diferentes elementos da língua. Pode-se usar pronomes, expressões definidas, advérbios de lugar. Anáfora é a retomada de um elemento já referido no texto. A catáfora antecipa os termos para se referir a algo ainda não citado no texto.
  • 5. referenciação Ele terminou uma garrafa de cachaça e logo abriu uma outra. Era uma monografia de trinta páginas. Comecei a ler e vi que algumas folhas tinham uma série de problemas. A decoração do casamento foi feito com rosas vermelhas. As flores foram a atração da festa.
  • 7. elipse Uma elipse ocorre quando há omissão de uma palavra, expressão ou mesmo uma informação inteira, que é inferida, mas não aparece explicitamente no texto. Vejamos o exemplo explorado em Antunes (2005, p.120) Em certo dia de data incerta, um galo velho e uma galinha nova encontraram-se no fundo de um quintal e, entre uma bicada e outra, trocaram impressões sobre como o mundo estava mudado. O galo, porém, fez questão de frisar que sempre (X) vivera bem, (X) tivera muitas galinhas em sua vida sentimental e agora, velho e cansado, (X) esperava calmamente o fim de seus dias.
  • 8. coesão lexical e recorrência Um texto coeso tem, necessariamente, uma escolha de palavras que se relacionem entre si e que tenham a ver uma com a outra. Além disso, Fávero (2009, p.26) destaca outra característica de um texto coeso: a progressão. O texto não permanece estático, sem informações novas. É repetir parcialmente um conteúdo, mas fornecendo informações novas.
  • 11. recursos de repetição Paralelismo Irene no céu Manuel Bandeira Irene preta Irene boa Irene sempre de bom humor Paráfrase O ato de escrever deve ser visto como uma atividade sociocultural. Ou, dito de outra forma, escrevemos para alguém ler. Repetição propriamente dita Repetição propriamente dita é a repetição propriamente dita.
  • 12. uso dos conectivos O efeito causado pelo uso dos conectivos (mas, porque, ou, entretanto, logo, sendo assim etc) confere ao texto: • Continuidade da informação • Relação de sentido entre os enunciados ligados • Criação de unidades de argumentação complexas.
  • 13. uso dos conectivos Como o sol não costuma dar trégua, as praias são sempre uma ótima opção. Já que as mulheres muitas vezes se negam a ter um parto normal, seria bom fornecer-lhes mais informações sobre as vantagens do procedimento. A liberdade de expressão pode ser libertadora, do ponto de vista de quem enuncia, mas pode aprisionar outrem em cadeias de preconceito.
  • 14. referências ANTUNES, I. Lutar com palavras: coesão e coerência. São Paulo: Parábola, 2005. FÁVERO, L. L. Coesão e coerência textuais. 11.ed. São Paulo: Ática, 2009. KOCH, I.V; ELIAS, V. M. Ler e escrever. São Paulo: Contexto, 2009.