SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Baixar para ler offline
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS
     DA GRAVIDEZ
“.
                                                                 )




             ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DA GRAVIDEZ


   “A mulher grávida, enfim, tem qualquer coisa
   nela que a completa como parte de si mesma.
               •    Mas essa parte, ela a perderá.
Antes de tê-la, ela estava em errância, como uma
                        alma penada, procurando.
 Após o parto, acabou: ela não tem mais. Depois
                                de toda poderosa,
    a aniquilação. O recém-nascido, a criança, é
                               irremediavelmente
                                          “outro.”


                                Eugénie Lemoine
                            (Partage des femmes




                                           Chirlei A Ferreira
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DA GRAVIDEZ

IMAGENS
ULTRASSONOGRÁFICAS

                   Chirlei A Ferreira
IMAGENS DE UM FETO PERFEITO AO ULTRASSOM



IMAGEM EM 2D                    IMAGEM EM 3D




                     Chirlei A Ferreira
IMAGENS DE UM FETO PERFEITO AO ULTRASSOM



ULTRASSONOGRAFIA 3D
• Importante para visibilização de
  pequenas má-formações: lábios,
  dedos, fechamento completo de
  coluna
• NÃO É ESSENCIAL
• O ultrassonografista visualização
  todas as alterações também em 2D
  – duas dimensões.




                              Chirlei A Ferreira
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DA GRAVIDEZ

MUDANÇAS FISIOLOGICAS


                   Chirlei A Ferreira
MUDANÇAS EXTERNAS QUE PODEM OCORRER



                        ECTOSCOPIA
                        • Pode ocorrer mudança na
                          pilificação;
                        • Presença de manchas em
                          região de face, denominadas
                          cloasma gravídico devido ao
                          maior nível hormonal.




             Chirlei A Ferreira
MODIFICAÇÃO DO ABDOMEN

MEDIDAS DO TAMANHO
     UTERINO
                           •    A medida com fita métrica a partir da sínfise
                                púbica até o fundo uterino nos permite avaliar o
                                bom crescimento fetal.
                           •    O útero cresce um (1) centímetro por semana,
                                sendo que as quatro (4) primeiras semanas
                                encontra-se intra-pelve, não sendo possível sua
                                medição.
                           •    Essa medida diante de uma ausência da data da
                                última menstruação nos permite estimar a idade
                                fetal: acrescentando a medida o valor 4, ou seja,
                                a medida da fita de 28 cm associado a 4
                                centímetros iniciais que eu não media, permite
                                que eu estime a idade gestacional em 32
                                semanas.




                Chirlei A Ferreira
MODIFICAÇÃO DO ABDOMEN


                  • O crescimento
                    abdominal pode levar
                    a distensão abrupta da
                    pele e essa apresentar
                    lacerações que
                    denominamos
                    ESTRIAS.



       Chirlei A Ferreira
MODIFICAÇÃO DA MAMA

                 •    Há um crescimento global da mama, com
                      aumento da aréola;
                 •    Aumento da vascularização formando uma
                      rede que é chamada de REDE DE HALLEY,
                 •    O aumento da aréola é acompanhada do
                      aumento das glândulas sebáceas presente
                      nessa que é denominado de TUBERCULOS
                      DE MONTGOMERY,
                 •    Há um aumento do mamilo;
                 •    Perda dos limites da coloração areolar que se
                      torna mais evidente.




      Chirlei A Ferreira
MODIFICAÇÃO DOS VASOS VENOSOS

                      •    Durante a gestação toda a musculatura lisa se
                           torna mais elástica;

                      •    Há aumento do volume plasmático e
                           dificuldade de retorno venoso,
                           principalmente, nos membros inferiores
                           favorecendo o aparecimento das varizes;

                      •    Que associado a predisposição e a falta de
                           cuidado pode chegar a casos graves de
                           varicosidades, como na foto ao lado.




           Chirlei A Ferreira
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS NO SISTEMA
         CIRCULATÓRIO
                        •   CORAÇÃO
                             – Ocorre um aumento da frequencia cardíaca
                                 (10-15 bpm)
                             – Horizontalização cardíaca, desvio para
                                 esquerda, desdobramento de B1 e em 90% dos
                                 casos há um SS discreto.
                        •   DÉBITO CARDÍACO
                                    * diminuição da resistência vascular
                                      periférica;
                                    * resposta inotrópica e cronotrópica
                                     positiva em relação ao aumento do
                                     metabolismo e do peso

                        •   VOLUME PLASMÁTICO
                        •        * aumento de 40- 50 % do plasma;
                                 * aumento de 20-30 % das hemáceas

                        •   PRESSÃO ARTERIAL
                              –   Alguns autores relatam uma pequena diminuição no
                                  segundo trimestre



             Chirlei A Ferreira
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DO SISTEMA
          RESPIRATÓRIO

                        • HIPERVENTILAÇÃO:
                                leva a um aumento
                          discreto da freqüência
                          respiratória e a um aumento de
                          40-50 % do volume corrente.



                             diminuição do pCO2
                             excreção de NaHCO3

                          “Alcalose respiratória compensada”


             Chirlei A Ferreira
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DO TRATO
       GASTROINTESTINAL

                       •    Alteração da posição dos órgãos
                            abdominais;

                       •    Alteração da motilidade e do tônus;

                       •    Queixas freqüentes: azia, pirose,
                            epúlide, mamilos hemorroidários;

                       •    Fígado: aumento da fosfatase alcalina,
                            dimuição da albumina e colinesterase;

                       •    Vesícula biliar: hipotônica, bile
                            espessa, distendida.



            Chirlei A Ferreira
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DO SISTEMA
            URINÁRIO

                        • RINS: aumento discreto do
                          tamanho, aumento do IFG e do
                          RFG;
                        • URETERES: dilatam mais
                          acentuadamente a direita e
                          alongam;
                        • BEXIGA: alteração da posição,
                          elevação e espessamento do
                          trígono.




             Chirlei A Ferreira
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DOS ÓRGÃOS
             PÉLVICOS

                        •    Há uma preparação para o parto que se
                             inicia já logo no início com as
                             contrações uterinas;
                        •    Um grande aporte sanguíneo direciona
                             para toda a área e os órgãos se torna
                             violáceos, bastante elásticos, podendo
                             ocorrer a eversão do epitélio glandular
                             no colo por ação hormonal (como na
                             foto);
                        •    Os ossos pélvicos sob ação da relaxina
                             se tornam mais flexíveis em suas áreas
                             de contato para favorecer o momento
                             do parto.




             Chirlei A Ferreira
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DOS ÓRGÃOS
             PÉLVICOS

                        •    Toda a preparação tem o objetivo de
                             que no momento do parto vaginal tenha
                             condições de distensibilidade suficiente
                             para a passagem do feto – a figura ao
                             lado nos mostra em seu lado esquerdo
                             as diversas vísceras sem a contração do
                             polo cefálico que é visto a direita da
                             imagem;
                        •    Nesse processo pode ocorrer distensões
                             e prolapsos dos órgãos próximos: reto,
                             bexiga, uretra e a musculatura




             Chirlei A Ferreira
Afinal não há palavras que
consigam expressar o
podemos ver nessas fotos..



Abraços,

Dra.Chirlei A Ferreira




                             Chirlei A Ferreira
ANOMALIAS MÜLLERIANAS




        Chirlei A Ferreira

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarAula Planejamento Familiar
Aula Planejamento Familiar
Unis
 
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioGravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Isabel Lopes
 
Complicações pós parto modulo 2
Complicações pós parto modulo 2Complicações pós parto modulo 2
Complicações pós parto modulo 2
PTAI
 

Mais procurados (20)

Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção BásicaDiagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
 
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo UterinoColeta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
 
AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃO
 
Aula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarAula Planejamento Familiar
Aula Planejamento Familiar
 
Mecanismo do parto
Mecanismo do partoMecanismo do parto
Mecanismo do parto
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
Exame Físico do RN
Exame Físico do RNExame Físico do RN
Exame Físico do RN
 
Parto Normal
Parto NormalParto Normal
Parto Normal
 
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioGravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionário
 
Saude da mulher1
Saude da mulher1Saude da mulher1
Saude da mulher1
 
Climaterio
Climaterio Climaterio
Climaterio
 
Menopausa e Climatério
Menopausa e Climatério Menopausa e Climatério
Menopausa e Climatério
 
Complicações na gestação
Complicações na gestaçãoComplicações na gestação
Complicações na gestação
 
Indução do Trabalho de Parto e Indicações de Cesárea
Indução do Trabalho de Parto e Indicações de CesáreaIndução do Trabalho de Parto e Indicações de Cesárea
Indução do Trabalho de Parto e Indicações de Cesárea
 
Distocias e partograma
Distocias e partograma Distocias e partograma
Distocias e partograma
 
Complicações pós parto modulo 2
Complicações pós parto modulo 2Complicações pós parto modulo 2
Complicações pós parto modulo 2
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
 
Abortamento
AbortamentoAbortamento
Abortamento
 
Manual do Bebê: Cuidados, orientações e dicas
Manual do Bebê: Cuidados, orientações e dicasManual do Bebê: Cuidados, orientações e dicas
Manual do Bebê: Cuidados, orientações e dicas
 
Lesões Cutâneas do RN
Lesões Cutâneas do RNLesões Cutâneas do RN
Lesões Cutâneas do RN
 

Destaque

Modificações no organismo da gestante
Modificações no organismo da gestanteModificações no organismo da gestante
Modificações no organismo da gestante
albaguilherme
 
Conhecendo A Fisiologia Da GestaçãO JúNia Mata
Conhecendo A Fisiologia Da GestaçãO  JúNia MataConhecendo A Fisiologia Da GestaçãO  JúNia Mata
Conhecendo A Fisiologia Da GestaçãO JúNia Mata
guestaeeeaa5
 
Dermatologia na gestante
Dermatologia na gestanteDermatologia na gestante
Dermatologia na gestante
gloryal
 
Tratamentos de estética da grávida e criança
Tratamentos de estética da grávida e criançaTratamentos de estética da grávida e criança
Tratamentos de estética da grávida e criança
Teresa Castilho
 

Destaque (20)

Modificações no organismo da gestante
Modificações no organismo da gestanteModificações no organismo da gestante
Modificações no organismo da gestante
 
Conhecendo A Fisiologia Da GestaçãO JúNia Mata
Conhecendo A Fisiologia Da GestaçãO  JúNia MataConhecendo A Fisiologia Da GestaçãO  JúNia Mata
Conhecendo A Fisiologia Da GestaçãO JúNia Mata
 
Apresentação gestantes
Apresentação gestantesApresentação gestantes
Apresentação gestantes
 
Modificações do Organismo Materno 2009
Modificações do Organismo Materno 2009Modificações do Organismo Materno 2009
Modificações do Organismo Materno 2009
 
Brazil presentation the CCA Forum12
Brazil presentation the CCA Forum12Brazil presentation the CCA Forum12
Brazil presentation the CCA Forum12
 
Gravidez e pele
Gravidez e peleGravidez e pele
Gravidez e pele
 
Manual da Gestante
Manual da GestanteManual da Gestante
Manual da Gestante
 
Massagem para gestante e shantala
Massagem para gestante e shantalaMassagem para gestante e shantala
Massagem para gestante e shantala
 
Moda, Estilo e Conforto na Gestação
Moda, Estilo e Conforto na GestaçãoModa, Estilo e Conforto na Gestação
Moda, Estilo e Conforto na Gestação
 
Dermatologia na gestante
Dermatologia na gestanteDermatologia na gestante
Dermatologia na gestante
 
Aula 1 modificações fisiologicas 2012
Aula 1 modificações fisiologicas 2012 Aula 1 modificações fisiologicas 2012
Aula 1 modificações fisiologicas 2012
 
Tratamentos de estética da grávida e criança
Tratamentos de estética da grávida e criançaTratamentos de estética da grávida e criança
Tratamentos de estética da grávida e criança
 
Modificações sistêmicas da gestação
Modificações sistêmicas da gestaçãoModificações sistêmicas da gestação
Modificações sistêmicas da gestação
 
Slides prontos
Slides prontosSlides prontos
Slides prontos
 
Orientações a gestantes
Orientações a gestantesOrientações a gestantes
Orientações a gestantes
 
Gravidez
GravidezGravidez
Gravidez
 
Grupo com gestantes
Grupo com gestantesGrupo com gestantes
Grupo com gestantes
 
a perspectiva bíblica sobre a auto-estima
a perspectiva bíblica sobre a auto-estimaa perspectiva bíblica sobre a auto-estima
a perspectiva bíblica sobre a auto-estima
 
Slide pronto
Slide prontoSlide pronto
Slide pronto
 
Gestação
GestaçãoGestação
Gestação
 

Semelhante a ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DA GRAVIDEZ

Alterações vasculares na gestação
Alterações vasculares na gestaçãoAlterações vasculares na gestação
Alterações vasculares na gestação
Rogério Santos Silva
 
Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02
Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02
Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02
Iriene Castro
 
Doenaes 101018203549-phpapp01
Doenaes 101018203549-phpapp01Doenaes 101018203549-phpapp01
Doenaes 101018203549-phpapp01
Laíse Escalianti
 
Segredo profissional do médico
Segredo profissional do médicoSegredo profissional do médico
Segredo profissional do médico
Cleiton Terra
 

Semelhante a ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DA GRAVIDEZ (20)

Abordagem A Paciente Com Sangramento Chirlei
Abordagem A Paciente Com Sangramento ChirleiAbordagem A Paciente Com Sangramento Chirlei
Abordagem A Paciente Com Sangramento Chirlei
 
Consulta Ginecologica Chirlei
Consulta Ginecologica ChirleiConsulta Ginecologica Chirlei
Consulta Ginecologica Chirlei
 
Alterações vasculares na gestação
Alterações vasculares na gestaçãoAlterações vasculares na gestação
Alterações vasculares na gestação
 
Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02
Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02
Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02
 
AULA_09_e_10 ALTERAÇÕES SISTÊMICAS DO IDOSO.pdf
AULA_09_e_10 ALTERAÇÕES SISTÊMICAS DO IDOSO.pdfAULA_09_e_10 ALTERAÇÕES SISTÊMICAS DO IDOSO.pdf
AULA_09_e_10 ALTERAÇÕES SISTÊMICAS DO IDOSO.pdf
 
AULA 5 GESTANTE.pptx
AULA 5 GESTANTE.pptxAULA 5 GESTANTE.pptx
AULA 5 GESTANTE.pptx
 
Sangramento uterino anormal
Sangramento uterino anormalSangramento uterino anormal
Sangramento uterino anormal
 
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICAMANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
 
CIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICACIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICA
 
Saúde Total -
Saúde Total - Saúde Total -
Saúde Total -
 
Puerpério normal cesmac
Puerpério normal cesmacPuerpério normal cesmac
Puerpério normal cesmac
 
Conduta no paciente com dengue com base na estratificação de risco - 2010/2011
Conduta no paciente com dengue com base na estratificação de risco - 2010/2011Conduta no paciente com dengue com base na estratificação de risco - 2010/2011
Conduta no paciente com dengue com base na estratificação de risco - 2010/2011
 
Doenaes 101018203549-phpapp01
Doenaes 101018203549-phpapp01Doenaes 101018203549-phpapp01
Doenaes 101018203549-phpapp01
 
Sangramento no final da gestação
Sangramento no final da gestaçãoSangramento no final da gestação
Sangramento no final da gestação
 
DiagnóStico E Tratamento Da IncontinêNcia UrináRia Chirlei
DiagnóStico E Tratamento Da IncontinêNcia UrináRia ChirleiDiagnóStico E Tratamento Da IncontinêNcia UrináRia Chirlei
DiagnóStico E Tratamento Da IncontinêNcia UrináRia Chirlei
 
Segredo profissional do médico
Segredo profissional do médicoSegredo profissional do médico
Segredo profissional do médico
 
Propedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivasPropedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivas
 
1889
18891889
1889
 
DOPPLERFLUXOMETRIA OBSTETRICA
DOPPLERFLUXOMETRIA OBSTETRICADOPPLERFLUXOMETRIA OBSTETRICA
DOPPLERFLUXOMETRIA OBSTETRICA
 
Hepatoesplenomegalia
HepatoesplenomegaliaHepatoesplenomegalia
Hepatoesplenomegalia
 

Mais de chirlei ferreira

Mais de chirlei ferreira (20)

Alterações benignas da mama
Alterações benignas da mamaAlterações benignas da mama
Alterações benignas da mama
 
Spinoza slides
Spinoza slidesSpinoza slides
Spinoza slides
 
O banquete
O banqueteO banquete
O banquete
 
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmica
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmicaCorrelacao entre achados do doppler da arteria oftalmica
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmica
 
Tumores de ovário
Tumores de ovárioTumores de ovário
Tumores de ovário
 
O sus e o ensino médico
O sus e o ensino médicoO sus e o ensino médico
O sus e o ensino médico
 
Gravidez na adolescência aula
Gravidez na adolescência   aulaGravidez na adolescência   aula
Gravidez na adolescência aula
 
Gravidez após técnica de reprodução assistida
Gravidez   após  técnica de   reprodução  assistidaGravidez   após  técnica de   reprodução  assistida
Gravidez após técnica de reprodução assistida
 
Dor pélvica aguda em ginecologia
Dor pélvica aguda em ginecologiaDor pélvica aguda em ginecologia
Dor pélvica aguda em ginecologia
 
Desafios atuais do ensino de go
Desafios atuais do ensino de goDesafios atuais do ensino de go
Desafios atuais do ensino de go
 
Câncer de mama rastreamento e diagnostico
Câncer de mama   rastreamento e diagnosticoCâncer de mama   rastreamento e diagnostico
Câncer de mama rastreamento e diagnostico
 
Assistencia a mulher vitima de violencia sexual
Assistencia a mulher vitima de violencia sexualAssistencia a mulher vitima de violencia sexual
Assistencia a mulher vitima de violencia sexual
 
Abordagem das infecções congênitas na gravidez
Abordagem das infecções congênitas na gravidezAbordagem das infecções congênitas na gravidez
Abordagem das infecções congênitas na gravidez
 
O Banquete
O BanqueteO Banquete
O Banquete
 
Endometriose
EndometrioseEndometriose
Endometriose
 
O Lago
O LagoO Lago
O Lago
 
Tumores Ovarianos
Tumores OvarianosTumores Ovarianos
Tumores Ovarianos
 
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvicaCorrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
Corrimentos E DoençA InflamatóRia PéLvica
 
DiagnóStico E Tratamento Da Infertilidade
DiagnóStico E Tratamento Da InfertilidadeDiagnóStico E Tratamento Da Infertilidade
DiagnóStico E Tratamento Da Infertilidade
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 

ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DA GRAVIDEZ

  • 2. “. ) ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DA GRAVIDEZ “A mulher grávida, enfim, tem qualquer coisa nela que a completa como parte de si mesma. • Mas essa parte, ela a perderá. Antes de tê-la, ela estava em errância, como uma alma penada, procurando. Após o parto, acabou: ela não tem mais. Depois de toda poderosa, a aniquilação. O recém-nascido, a criança, é irremediavelmente “outro.” Eugénie Lemoine (Partage des femmes Chirlei A Ferreira
  • 3. ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DA GRAVIDEZ IMAGENS ULTRASSONOGRÁFICAS Chirlei A Ferreira
  • 4. IMAGENS DE UM FETO PERFEITO AO ULTRASSOM IMAGEM EM 2D IMAGEM EM 3D Chirlei A Ferreira
  • 5. IMAGENS DE UM FETO PERFEITO AO ULTRASSOM ULTRASSONOGRAFIA 3D • Importante para visibilização de pequenas má-formações: lábios, dedos, fechamento completo de coluna • NÃO É ESSENCIAL • O ultrassonografista visualização todas as alterações também em 2D – duas dimensões. Chirlei A Ferreira
  • 6. ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DA GRAVIDEZ MUDANÇAS FISIOLOGICAS Chirlei A Ferreira
  • 7. MUDANÇAS EXTERNAS QUE PODEM OCORRER ECTOSCOPIA • Pode ocorrer mudança na pilificação; • Presença de manchas em região de face, denominadas cloasma gravídico devido ao maior nível hormonal. Chirlei A Ferreira
  • 8. MODIFICAÇÃO DO ABDOMEN MEDIDAS DO TAMANHO UTERINO • A medida com fita métrica a partir da sínfise púbica até o fundo uterino nos permite avaliar o bom crescimento fetal. • O útero cresce um (1) centímetro por semana, sendo que as quatro (4) primeiras semanas encontra-se intra-pelve, não sendo possível sua medição. • Essa medida diante de uma ausência da data da última menstruação nos permite estimar a idade fetal: acrescentando a medida o valor 4, ou seja, a medida da fita de 28 cm associado a 4 centímetros iniciais que eu não media, permite que eu estime a idade gestacional em 32 semanas. Chirlei A Ferreira
  • 9. MODIFICAÇÃO DO ABDOMEN • O crescimento abdominal pode levar a distensão abrupta da pele e essa apresentar lacerações que denominamos ESTRIAS. Chirlei A Ferreira
  • 10. MODIFICAÇÃO DA MAMA • Há um crescimento global da mama, com aumento da aréola; • Aumento da vascularização formando uma rede que é chamada de REDE DE HALLEY, • O aumento da aréola é acompanhada do aumento das glândulas sebáceas presente nessa que é denominado de TUBERCULOS DE MONTGOMERY, • Há um aumento do mamilo; • Perda dos limites da coloração areolar que se torna mais evidente. Chirlei A Ferreira
  • 11. MODIFICAÇÃO DOS VASOS VENOSOS • Durante a gestação toda a musculatura lisa se torna mais elástica; • Há aumento do volume plasmático e dificuldade de retorno venoso, principalmente, nos membros inferiores favorecendo o aparecimento das varizes; • Que associado a predisposição e a falta de cuidado pode chegar a casos graves de varicosidades, como na foto ao lado. Chirlei A Ferreira
  • 12. ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS NO SISTEMA CIRCULATÓRIO • CORAÇÃO – Ocorre um aumento da frequencia cardíaca (10-15 bpm) – Horizontalização cardíaca, desvio para esquerda, desdobramento de B1 e em 90% dos casos há um SS discreto. • DÉBITO CARDÍACO * diminuição da resistência vascular periférica; * resposta inotrópica e cronotrópica positiva em relação ao aumento do metabolismo e do peso • VOLUME PLASMÁTICO • * aumento de 40- 50 % do plasma; * aumento de 20-30 % das hemáceas • PRESSÃO ARTERIAL – Alguns autores relatam uma pequena diminuição no segundo trimestre Chirlei A Ferreira
  • 13. ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO • HIPERVENTILAÇÃO: leva a um aumento discreto da freqüência respiratória e a um aumento de 40-50 % do volume corrente. diminuição do pCO2 excreção de NaHCO3 “Alcalose respiratória compensada” Chirlei A Ferreira
  • 14. ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DO TRATO GASTROINTESTINAL • Alteração da posição dos órgãos abdominais; • Alteração da motilidade e do tônus; • Queixas freqüentes: azia, pirose, epúlide, mamilos hemorroidários; • Fígado: aumento da fosfatase alcalina, dimuição da albumina e colinesterase; • Vesícula biliar: hipotônica, bile espessa, distendida. Chirlei A Ferreira
  • 15. ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DO SISTEMA URINÁRIO • RINS: aumento discreto do tamanho, aumento do IFG e do RFG; • URETERES: dilatam mais acentuadamente a direita e alongam; • BEXIGA: alteração da posição, elevação e espessamento do trígono. Chirlei A Ferreira
  • 16. ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DOS ÓRGÃOS PÉLVICOS • Há uma preparação para o parto que se inicia já logo no início com as contrações uterinas; • Um grande aporte sanguíneo direciona para toda a área e os órgãos se torna violáceos, bastante elásticos, podendo ocorrer a eversão do epitélio glandular no colo por ação hormonal (como na foto); • Os ossos pélvicos sob ação da relaxina se tornam mais flexíveis em suas áreas de contato para favorecer o momento do parto. Chirlei A Ferreira
  • 17. ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DOS ÓRGÃOS PÉLVICOS • Toda a preparação tem o objetivo de que no momento do parto vaginal tenha condições de distensibilidade suficiente para a passagem do feto – a figura ao lado nos mostra em seu lado esquerdo as diversas vísceras sem a contração do polo cefálico que é visto a direita da imagem; • Nesse processo pode ocorrer distensões e prolapsos dos órgãos próximos: reto, bexiga, uretra e a musculatura Chirlei A Ferreira
  • 18. Afinal não há palavras que consigam expressar o podemos ver nessas fotos.. Abraços, Dra.Chirlei A Ferreira Chirlei A Ferreira
  • 19. ANOMALIAS MÜLLERIANAS Chirlei A Ferreira