SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
MÓDULO 7 - Itinerários e Destinos Turísticos




                                                      1. Itinerários Turísticos e a História
                                                              1.1. Os primeiros itinerários
                                 1.2. Definição de itinerários, circuitos e rotas turísticas

                                               2. Modalidades e Tipologia de Itinerários
                                                   2.1. Tipologia de itinerários turísticos
               2.2. Definição e regras de organização de itinerários e circuitos turísticos
                                                   2.3. Modalidades de comercialização

                                                 3. Os Itinerários e os Destinos Turísticos

                                       4. Elaboração de Circuitos e Itinerários Turísticos
                                                                4.1. Oferta turística local
                                                            4.2. Oferta turística regional
DEFINIÇÕES GERAIS

O conceito de itinerário confunde-se muitas vezes com outros termos que podem ter diferentes
leituras.



ITINERÁRIO:

Descrição de um caminho ou de uma rota especificando os lugares de passagem e propondo uma
série de actividades e serviços durante a sua duração. (Gomez e Quijano)

Definição que poderá englobar Circuito, Visita e Rota.



CIRCUITO:

Entende-se aquela viagem combinada em que intervêm vários serviços: transportes, alojamento, guia,
..., que se realiza de acordo com um itinerário programado e com um desenho circular sempre que
seja possível (o ponto de partida e de chegada serão coincidentes), de modo a que se passe por um
caminho anteriormente percorrido (Picazo)

Conjunto de caminhos e visitas que se complementam constituindo um itinerário fechado, que tem
inicio e término no mesmo local.

VISITA:

Reconhecimento, exame ou inspecção de um lugar de paragem incluído num itinerário. A visita
representa cada uma das paragens que compõem um itinerário.

ROTA:

Sinónimo de itinerários, em sentido restrito, em que a saída e a chegada não são coincidentes no
mesmo ponto.

O conceito de Rota e Itinerário podem ser considerados sinónimos embora seja de realçar o facto de
Rota estar associada a uma direcção, a um percurso dirigido. Por outro lado, o conceito de Rota tem
sido usado preferencialmente em termos institucionais e promocionais. Relativamente ao conceito de
Roteiro está quase sempre associado a uma descrição, mais ou menos exaustiva, dos aspectos mais
relevantes da viagem e, particularmente, dos principais locais de interesse turístico.

FORFAIT:

Nome técnico utilizado para um tipo de Itinerário organizado cujo preço inclui todos os serviços.
Dentro deste podemos distinguir Forfait para a Oferta – viagens programadas para serem
posteriormente vendidas pelos retalhistas – e Forfait para a Procura – viagens organizadas à medida
do cliente (Gomez e Quijano)




.
DEFINIÇÕES NO CONTEXTO DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS

Decreto-Lei nº.41 248, de 31 de Agosto de 1957
Entende-se por circuito turístico o transporte de excursionistas em autocarro, intra ou extramuros
das localidades, realizado periódica e regularmente, segundo horários, itinerários e tarifas aprovadas
pelos serviços de turismo (da actividade das agências de viagens / art.º. 10-1).

Decreto-Lei nº.198/93, de 27 de Maio
Entende-se por viagem organizada a combinação prévia, por um preço tudo incluído, de transporte,
alojamento ou outros serviços turísticos não subsidiários daqueles, que sejam uma parte significativa
da viagem organizada (termo «viagem organizada» substitui «circuitos turísticos» e «excursões» -
Preâmbulo)

Decreto-Lei nº.12/99, de 11 de Janeiro
São viagens turísticas as que combinam dois dos serviços seguintes: transporte; alojamento; serviços
turísticos não subsidiários do transporte (das viagens turísticas: noção e espécies – Capítulo IV / Artº.
17-1).

São viagens organizadas as viagens turísticas que, combinando previamente dois dos serviços
seguintes, sejam vendidas ou propostas para venda a um preço com tudo incluído, quando excedam
vinte e quatro horas ou incluam uma dormida: transporte; alojamento; serviços turísticos não
subsidiários dos transportes (Artº. 17-2).

São viagens por medida as viagens turísticas preparadas a pedido do cliente para satisfação das
solicitações por este definidas (Artº. 17-3).



 DEFINIÇÃO DE CIRCUITOS TURÍSTICOS NO CONTEXTO DOS ÓRGÃOS REGIONAIS DE TURISMO


Decreto-Regulamentar nº.24/93, de 19 de Julho
Consideram-se circuitos turísticos todos os percursos regularmente realizados cujo itinerário, meio de
transporte, horários e visitas de pontos de interesse turístico sejam determinados e anunciados
previamente (da realização de circuitos turísticos pelos órgãos regionais de turismo – Secção II / Artº.
12)



 7.1.3. DEFINIÇÕES NO ÂMBITO DO TURISMO DE NATUREZA


Decreto-Regulamentar nº.18/99, de 27 de Agosto
Entende-se por percurso interpretativo o caminho ou trilho devidamente sinalizado que tem como
finalidade proporcionar ao visitante, através do contacto com a natureza, o conhecimento dos valores
naturais e culturais da área protegida (AP) (definições / art.º. 2-e)

Os percursos interpretativos devem indicar o teor, a extensão, a duração, o número máximo de
participantes por grupo e por dia e os meios de transporte permitidos ou aconselháveis e ser
obrigatoriamente acompanhadas por guias de natureza, ou em alternativa por pessoal com formação
adequada (requisitos específicos / Artº 5-2-d)

As rotas temáticas devem privilegiar a divulgação e promoção dos contextos mais representativos da
economia, cultura e natureza da cada AP e devem promover a utilização e a recuperação de meios de
transportes tradicionais (Artº. 5-f)
TIPOS DE ITINERÁRIOS TURÍSTICOS


As tipologias e classificações de itinerários variam conforme o critério utilizado. Assim, podemos
classificar os itinerários segundo a motivação subjacente e, nesse sentido segundo o tipo de produto
turístico, ou segundo o tipo de transporte utilizado. Outro tipo de classificação pode ser baseado na
forma de organização.

                                 1.   ITINERÁRIOS SEGUNDO O PRODUTO TURÍSTICO


A) DESPORTIVOS
Este é um tipo de itinerário cada vez mais procurado e capaz de mover um grande número de
pessoas. Aqui podemos incluir o turista passivo, isto é, o turista espectador de eventos desportivos,
por exemplo dos Jogos Olímpicos ou o turista activo que é sem dúvida o segmento mais importante
neste tipo de itinerários.

Destes podemos referir os praticantes (ou aprendizes) de ski, windsurf, golfe, ténis, vela, caça, pesca,
parapente, pára-quedismo e muitas outras actividades desportivas que despertam cada vez mais o
interesse de um grande número de pessoas que procuram férias activas.

B) CULTURAIS
A motivação cultural é sem dúvida das mais importantes motivações associadas ao turismo e que tem
dado origem a itinerários temáticos muito interessantes baseados nas especificidades de cada região.
De facto, a elaboração destes itinerários (e de uma maneira geral de todos os outros) deve ter em
conta a autenticidade das regiões, aquilo que as torna únicas e diferentes. Dentre deste grande grupo
podemos então distinguir:

- Históricos: podem-se encontrar fios condutores históricos que dão origem a rotas interessantes,
recorrendo a lugares frequentados por pessoas de reconhecido valor, evocando personalidades e
revivendo as respectivas épocas históricas.

- Literários: rotas que tenham por base alguma personagem – escritor, poeta ou corrente literária
concreta.

- Artísticos: a arte atrai muitas pessoas. É possível, por exemplo, unir monumentos do mesmo estilo
que permitam dar uma ideia global do mesmo.

- Folclore: representações folclóricas, festivais, festas, jogos populares, bailes e festas tradicionais.

- Artesanato: as artes e ofícios tradicionais podem ser o fio condutor na concepção de uma rota.
- Gastronómicos: baseados nas tradições gastronómicas de cada região, este tipo de itinerário
salienta os pratos típicos e produtos alimentares de cada região assim como os vinhos.
- Arquitectura Popular: suscita um grande interesse as formas e modos de viver de cada região,
reflectidos nas construções e conjuntos de edifícios mais representativos.

- Educacionais: nesta categoria estão incluídas todas as viagens organizadas com objectivo de
aprender sobre uma temática relacionada com conteúdos curriculares e/ou questões profissionais

C) ECOLÓGICOS OU DA NATUREZA
Este tipo de itinerários vem suscitando um interesse crescente motivado, em parte, pelo ritmo da vida
moderna das grandes cidades. O objectivo é proporcionar aos participantes o usufruto e o contacto
com a natureza e valores do património natural (e cultural) que estes espaços encerram.

As Áreas Protegidas são, pelas suas características, locais privilegiados para a realização deste tipo de
itinerários o que obviamente deve ter em consideração critérios de conservação e salvaguarda dos
recursos naturais.
D) RELIGIOSOS
A Religião foi uma das primeiras motivações de viagem da Humanidade e que, nos dias de hoje
continua a motivar um grande número de pessoas a viajar para locais relacionados com as
manifestações religiosas e locais de culto religioso.

O Caminho de Santiago de Compostela é, ainda hoje, um exemplo célebre, apresentando-se como um
dos itinerários mais importantes de origem religiosa tendo sido declarado pelo Conselho da Europa, o
primeiro itinerário cultural europeu pela sua importante contribuição para o desenvolvimento da
cultura europeia.

E) TURISMO DE SAÚDE
Os itinerários relacionados com esta temática incluem não só as termas e os equipamentos
associados como também locais relacionados com o climatismo e a talassoterapia. Estes são, de facto,
produtos com um grande crescimento e que podem ser conjugados com programas de actividades de
recuperação da forma, de combate ao stress através, por exemplo da hidroterapia, desporto,
dietética e higiene da forma de viver.

F) DE AVENTURA
Associado a uma tendência crescente face a um turismo activo em que se procura cada vez mais
emoções e novas experiências, os itinerários baseados na aventura procuram ser alternativas em que
a tónica está nas actividades propostas e na respectiva “intensidade de emoções”.

Estão normalmente associados a desportos radicais e incluem uma grande variedade de modalidades
possíveis dos quais se destacam: parapente, trekking, pára-quedismo, Rafting, escalada, rotas todo o
terreno, etc.

G) TURISMO SOCIAL
O turismo social pretende criar as condições necessárias para que os sectores da população, que por
razões económicas ou por falta de hábito, educação ou informação, têm permanecido até ao
momento fora do movimento turístico tenham assim acesso ao turismo.

H) DE FÉRIAS OU DE LAZER
Trata-se de uma designação genérica em que a motivação principal não está relacionada com
nenhum interesse específico dos participantes. O objectivo é simplesmente sair do ambiente habitual,
descansar e recuperar forças durante o período de férias. Baseiam-se normalmente em estâncias de
praia ou no interior em que se combina um alojamento fixo com excursões e actividades nos
arredores.

                               2.   ITINERÁRIOS SEGUNDO O MEIO DE TRANSPORTE UTILIZADO


Cada meio de transporte utilizado imprime um carácter e um estilo de viagem diferente.
Actualmente, o autocarro e o avião são os meios mais utilizados, sendo a flexibilidade e a mobilidade
as vantagens do primeiro e a velocidade e o conforto as do segundo. O comboio e o barco têm
conotações mais românticas dado que são os meios mais antigos e, por isso, também, quando
utilizados, imprimem alguma originalidade e autenticidade. Também o automóvel assume a sua
importância, principalmente quando falamos de “Auto Férias”.

A) DE AUTOCARRO
Há várias formas de utilização do autocarro:

- Os circuitos fechados (Round Trip): aqueles que realizam a viagem completa no autocarro, isto é, ida
e volta.

- Os serviços de lançadeira (Back to Back): que são utilizados por vários serviços. Quando um
autocarro leva um grupo de clientes que iniciam as suas férias pode regressar com outro que as está a
acabar permitindo que o autocarro tenha uma utilização mais eficaz reduzindo por isso os custos.

Neste serviço existem várias modalidades que passamos a descrever:
 Ida e volta no mesmo dia: serve para distâncias relativamente curtas, de modo que o primeiro
grupo que parte, por exemplo, às 08H00 chegue ao local de destino às duas da tarde enquanto que o
outro grupo parte do hotel às 15H30 e chega ao local de destino às 21H30. Esta modalidade tem a
vantagem de utilização plena de alojamento e todos os serviços evitando as refeições durante as
viagens e a dormida do condutor. Neste caso, terão que estar disponíveis dois condutores e exige, por
parte do hotel, uma organização muito rigorosa já que a hora de partida e de chegada dos dois grupos
coincide e pode por isso suscitar alguma confusão.

 Ida num dia e regresso no dia seguinte: mais utilizado para viagens superiores a 6 horas de
duração. Comporta um maior custo pois inclui a alimentação e o alojamento do condutor embora
neste caso não seja necessário mais do que um condutor. Por outro lado, para o hotel não é tão
vantajoso pois não rentabilizam tanto o espaço.

 Mudança de autocarro a meio do caminho: está é uma solução pouco utilizada já que é incómoda
para os turistas e para a própria organização.


B) DE COMBOIO
Podemos considerar por um lado as linhas regulares, utilizadas em situações muito específicas, e os
comboios turísticos que permitem uma utilização muito diferente. Estes comboios funcionam
normalmente apenas na época alta e oferecem diferentes serviços, dependendo do itinerário:
gastronomia típica, visitas, folclore, produtos regionais, etc. São frequentemente utilizados em
conjunto com outro tipo de transporte como o barco ou autocarro. Um bom exemplo de utilização
deste meio de transporte é feito na região do Douro onde é possível aliar a riqueza paisagística de
região com um conjunto de outros importantes recursos que permitem oferecer um produto turístico
muito diferenciado.

C) DE BARCO
Podemos considerar diferentes serviços: cruzeiros, onde são oferecidos pacotes com tudo incluído;
aluguer de embarcações de todo o tipo, passeios recreativos de um dia de barco, excursões marítimas
e fluviais com vários serviços complementares.

D) DE AVIÃO
É um dos meios mais utilizados para as longas distâncias pela sua segurança e rapidez. Podem ser
utilizados as linhas regulares e os serviços charter, muito utilizado pelos operadores turísticos na
realização de programas para grandes grupos.

E) MISTOS
Como é obvio, os meios de transportes referidos podem ser combinados num mesmo itinerário de
forma a garantir, por um lado, maior conforto, rapidez e flexibilidade e, por outro permitindo um
aproveitamento dos recursos turísticos tendo em conta o tipo de itinerário oferecido.

F) ALTERNATIVOS
Dado que cada vez mais se procuram novas experiências e novas emoções, os meios de transporte
alternativos estão a ser também muito utilizados por parte da oferta no sentido de cativar novos
públicos oferecendo produtos inovadores que têm tido grande aceitação por parte da procura
turística, cada vez mais experiente. Estamos a falar, por exemplo de itinerários realizados em
bicicletas, em veículos todo o terreno, em cavalos, balão, submarinos, a pé, etc.
Assim, podemos apresentar o seguinte quadro resumo no que concerne à classificação dos itinerários
segundo o tipo de transportes utilizados:



                               - Carro próprio ou de aluguer

                               - Limusines com motorista / guia
Via
                               - Táxi
Rodoviária
                               - Minibuses de turismo (9 a 14/16 lugares)

                               - Autocarros de turismo de 40/50 até 75 lugares (2 pisos)

Via Marítima                   - Embarcações para curtas excursões

ou

Fluvial                        - Cruzeiros Fluviais e Marítimos

Via                            - Grandes percursos

Ferroviária

                               - Itinerários Turísticos

Via                            - Avião para voos regulares e charter

Aérea                          - Helicópteros e avionetas para curtas excursões

                               - Balões de ar quente



Via e Meios Combinados         - Ex. Fly-and-Drive




3. OUTRAS CLASSIFICAÇÕES


Podemos, ainda, considerar outras classificações baseadas em diferentes critérios:

Grupo I: segundo o tipo de atracções e actividades propostas
Itinerários Gerais: apresentam grande variedade de atracções.
Itinerários Especializados ou Temáticos: destinados a grupos de turistas com interesses e motivações
específicas, propõem tipos de atracções também específicas.


Grupo II: segundo a forma de organização
Itinerários Lineares: quando se pernoita em meios de alojamento diferentes, isto é, o ponto de
partida e de chegada é diferente.

Itinerários Nodais: quando os pontos de partida e de chegada coincidem.
Grupo III: segundo o âmbito geográfico
Itinerários Locais

Itinerários Regionais

Itinerários Nacionais

Itinerários Internacionais

Grupo IV: segundo a duração


                               - Não implicam alojamento

                               - Meio Dia (manhã ou tarde normalmente sem refeições)
Curta
Duração                        - Dia inteiro ou nocturno (com refeições incluídas ou opcional)

                               - Visitas de Cidade (ou excursões até cerca de 130/150 Kms)

                               - 1 ou 2 noites de alojamento e algumas refeições incluídas ou
                               opcionais.
Média

Duração
                               - Fins-de-semana / Pontes festivas / Eventos especiais

Duração Normal                 - Tours de 1 ou 2 semanas que podem ser ou não combinados com um
                               período de estada num só destino.
Ou

De férias

Longa                          - Mais de 15 dias – as chamadas grandes viagens, que requerem uma
                               preparação muito cuidada, são normalmente de custo elevado e para
Duração                        uma clientela específica.



Grupo V: segundo o destino
Montanhas

Cidades

Praias

Grupo VI: segundo o segmento de mercado
Culturais

Aventura

3ª Idade

Grupo VII: segundo o nº de participantes
Individuais

Pequenos grupos (até 15 pax)

Grandes grupos
7.3. RECURSOS AFECTOS À CONCEPÇÃO DOS ITINERÁRIOS

RECURSOS TURÍSTICOS

O Recurso Turístico foi definido no Plano Nacional de Turismo de 1986-1989 como “todo o elemento
natural, actividade humana ou seu produto, capaz de motivar a deslocação de pessoas ou de ocupar
os seus tempos livres”.

Fig. 1: Classificação dos Recursos Turísticos




                        Recursos                                Recursos
                        Primários                              Secundários




                    Património                                Actividades




                    Actividades                             Equipamentos




                    Equipamentos




Fonte: DGT / Esquema adaptado
Assim, um recurso turístico poderá ser considerado como um determinado atributo de um país ou de
uma região, de natureza visual ou física, tangível ou não, quer se encontre já em plena actividade no
mercado turístico quer seja considerado como simples detentor de potencialidades turísticas a
explorar a curto ou médio prazo. (Livro Branco Turismo).

Qualquer um dos itinerários definidos poderá contemplar um ou mais recursos, sejam eles primários
ou secundários. Dependendo do tipo de itinerário em causa, assim se podem identificar os recursos
que apresentem maior potencial para a sua valorização.



Identifica-se, pois, uma dupla vantagem:

 Os itinerários servem para promover / divulgar recursos e, até mesmo, despertar o interesse por
aqueles que ainda não são devidamente (re)conhecidos.

 Os recursos, deste que adequadamente seleccionados e utilizados, valorizam os itinerários e
podem toma-lo num serviço diferenciado.

Na definição de um itinerário turístico, o reconhecimento e identificação dos recursos com maior
potencial de interesse pressupõe a avaliação dos gostos e interesses da clientela e, por outro lado, um
correcto conhecimento sobre a posse, possibilidades e condicionalismos de utilização do(s) recurso(s),
sob pena de pôr em causa o equilíbrio de interesses entre os agentes da oferta e da procura deste
serviço.



OUTROS RECURSOS

A utilização dos recursos turísticos não é, por si só, suficiente para dar corpo a um itinerário. É
necessário, também, que a organização conte com outros recursos, nomeadamente os recursos
humanos, financeiros, técnico-materiais, informação, ...



A) RECURSOS HUMANOS:

 Coordenador(es) da actividade

 Guias-intérpretes

 Monitores

 Motoristas



B) RECURSOS FINANCEIROS:

 Fundo da própria empresa

 Venda de bilhetes (gerais ou por actividade)

 Comparticipação de entidades locais, regionais, nacionais

 Comparticipação dos participantes

 Patrocínios
C) RECURSOS TÉCNICO-MATERIAIS:

 Material áudio-visual

 Material para a prática de desporto

 Cartas topográficas

 Fotografias

 Bússola

 Kits


D) RECURSOS DA INFORMAÇÃO:

A construção dos percursos deve entender-se como um estudo que deverá compreender reflexão e
investigação sobre os factores que interactuam no espaço: clima, relevo, fauna, flora, monumentos,
etnografia, artes, ...



Um dos pilares fundamentais da organização de itinerários / circuitos é a informação. De preferência
os locais a incluir devem ser bem conhecidos pela entidade organizadora sendo mesmo assim
necessário vários recursos de informação que passamos a indicar:

 Mapas

 Guias de alojamento dos locais a visitar

 Tarifas dos meios de alojamento

 Manuais de transporte, tarifas, horários

 Tarifas de museus, monumentos, espectáculos, etc

 Guias / roteiros turísticos dos locais a visitar

 Agendas culturais dos locais a visitar

 CD Rom’s

Vídeos

Visitas ao local

Como é evidente, para além destes recursos de informação, o manancial de informação disponível na
internet é cada vez mais utilizado e constitui uma ferramenta de trabalho essencial para os
promotores de itinerários.

Por outro lado, as agências de viagens dispõem de complexos sistemas de documentação
informáticos que permitem também ter acesso a uma ampla rede de informação permitindo também
realizar reservas de quase todos os serviços (ex: Galileu, Amadeus, Sabre).

Para seleccionar a área de implementação de um percurso de interpretação é necessário analisar
algumas características que poderão constituir factores limitantes ou valorizadores do mesmo.



Critérios possíveis para avaliar a aptidão de uma área
Diversidade
Representatividade
Elementos carismáticos
Aspectos de viabilidade
Posse / Acesso
Segurança
Acessibilidade
Vulnerabilidade


 A ORGANIZAÇÃO DE ITINERÁRIOS

A elaboração e realização de um itinerário turístico são o resultado de um longo processo de estudo e
análise de possibilidades e de um conhecimento prévio de dados. A metodologia utilizada vai
depender obviamente do público alvo já que é isso que deverá determinar as várias opções bem
como os serviços e actividades incluídas.

Interessa pois distinguir a metodologia utilizada quer se trate de um forfait para a procura (viagem
por medida) ou de forfait para a oferta (viagem organizada). A diferença fundamental é que no
primeiro caso é possível saber, com algum rigor, as necessidades do cliente e, por isso, todos os
serviços são direccionados nesse sentido. No caso da viagem organizada trata-se de conceber e
desenvolver um produto que será posteriormente comercializado pelos canais de distribuição
habituais e que será dirigido a um público mais ou menos alargado.

Em ambos os casos, a organização da viagem exige profissionais especializados. Embora a
metodologia de concepção seja genericamente a mesma, importa salientar que, em termos logísticos,
uma viagem organizada (ou forfait para a oferta) é bastante mais complexo pela necessidade de
planeamento e estudos prévios que exige uma vez que não se conhece de antemão as necessidades
do público alvo.

Importa, ainda, referir a importância da realização de itinerários no aproveitamento dos recursos de
uma região no sentido de operacionalizar um conjunto de percursos culturais e turísticos que, em
conjunto, constituam uma apresentação razoável do património e recursos da região. Este é um dos
objectivos da realização de itinerários / circuitos / rotas feitas em parceria com instituições do sector
público e privado do turismo.

Neste caso, a metodologia é orientada por objectivos muito específicos e por isso deve envolver as
seguintes etapas:

 Identificação dos objectivos de elaboração do circuito;

 Identificação do mercado-alvo;

 Determinação das vantagens para o desenvolvimento da região, nomeadamente do sector
turístico;

 Caracterização da região a vários níveis (económico, social, físico, turístico, etc);

 Caracterização e análise da oferta e procura turística da região (cruzamento de dados previamente
levantados e análise SWOT);

 Selecção dos elementos / atractivos que irão integrar o circuito e definição da temática, de acordo
com o mercado-alvo;

 Elaboração das várias cartas de infra-estruturas (representação a cores dos vários recursos);
 Análise da carta de oferta (quantidade, qualidade, diversidade de recursos e respectiva distribuição
espacial);

 Pesquisa no local (acessibilidade, disponibilidade, segurança, interesse, pedagogia, etc.);

 Definição e determinação das necessidades de intervenção ao nível das infra-estruturas e
actividades (animação, etc.);

 Determinação do circuito principal e, eventualmente, de outros complementares (dependendo do
interesse da oferta e do mercado);

 Determinação do Preço do Circuito

 Definição da estratégia de marketing:

- Produto: desenho e descrição do circuito principal e complementares (fontes documentais, lendas e
tradições, meios de transporte, acessibilidades, etc.)

- Preço: circuito, transporte, alojamento e restauração

- Distribuição: locais e mercados a atingir

- Promoção: operadores, logótipo, sinalização, etc.

 Concretização do Itinerário

 Monitorização



De seguida enunciam-se algumas considerações gerais que devem ser tidas em conta na concepção
de um itinerário:

 Evitar etapas quilométricas demasiado longas e seguidas;

 Não introduzir excessivo número de pontos de paragem com interesse, que podem sobrecarregar
a etapa. Cada paragem exige normalmente um mínimo de 15 a 20 minutos, entre descida, subida e
actividade, havendo sempre o risco de falta de pontualidade;

 Não ajustar excessivamente o tempo deixando margens para imprevistos;

 Ter em conta os horários dos monumentos e museus, bem como de outros locais a visitar;

 Os almoços em rota para grupo devem ser programados entre as 12 e as 14 horas;

 Ter em conta o dia da semana que corresponde a cada dia da viagem e prever as actividades de
acordo com isso;

 Confirmar os horários dos diferentes serviços utilizados, os trâmites assim como o tempo
necessário;

 Ter em atenção os tempos médios das distâncias a percorrer. A título indicativo sugere-se a
seguinte tabela:




Meio de Transporte                                    Distância por Hora (Km/h)
Bicicleta                                         12 a 15 kms / hora

                                                  Em circuito urbano: 30 a 40 kms / hora

Automóvel / Autocarro                             Em via rápida: 60 a 90 kms / hor

                                                  Em auto-estrada: 90 a 100 kms / hora

                                                  Em linha estreita: 30 a 50 kms / hora

Comboio                                           Em via larga e rápida: 80 a 90 kms / hora

                                                  Em alta velocidade: 150 kms / hora

A Pé                                              4 kms / hora




 IDENTIFICAÇÃO DO TRAÇADO DO ITINERÁRIO



Desenhado o produto, tem que se estabelecer a sua distribuição no tempo, isto é, as suas etapas de
desenvolvimento, fazendo uma divisão inicial das datas disponíveis que sirvam de esboço inicial para
o itinerário final e estabelecendo, dia a dia, os serviços que se vão prestar.

Este projecto de itinerário requer uma elaboração minuciosa e cuidada, tendo sempre em conta as
distâncias que se vão percorrer, assim como os meios de transporte utilizados, para estabelecer uma
relação lógica entre a distância percorrida e o tempo gasto.

A identificação do traçado propriamente dito requer a consulta de mapas de estradas actualizados
que permitam definir com rigor os pontos de passagem bem como o cálculo do tempo gasto.

Sempre que possível, o itinerário deve ser testado, de preferência nos mesmos dias e às mesmas
horas identificadas no projecto de itinerário



 LOGÍSTICA

De forma a resumir o anteriormente exposto, poderemos aqui estabelecer alguns parâmetros
essenciais para a elaboração dos itinerários:
Fases da organização de um Itinerário
                                        - Planeamento

                                        - Desenho

Preparação                              - Organização

(Antes de)                              - Reservas

                                        - Comercialização

                                        - Venda



Desenvolvimento                         - Acompanhamento pelo guia

(Durante)

                                        - Analisar o modo como decorreu

Análise                                 - Estudo da satisfação do cliente

(Depois de)                             - Análise do desvio de custos

                                        - Resultados económicos da viagem



Motivos da Viagem:


           Férias

           Deporto

           Cultura

           Ecologia

           Saúde

           Religião

           Profissão e/ou negócios

           Lazer organizado

           Turismo alternativo

           Turismo Social
Factores Técnicos


Meios de deslocação          Itinerários pedestres, de autocarro, de avião, barco, etc.



Duração                      De 3, 7, 15 dias ou de meses.



Distâncias                   Curtas, médias ou grandes distâncias.

                             Individual, colectivo, pré-organizado ou feito à medida do cliente.

Modo de viajar



Época do ano                 Sazonais, calendário fico, acontecimentos especiais.




Factores Sociais


Meio Social                  O modo de vida e condições económicas.

Origem Geográfica            A procura de um meio geográfico diferente do seu quotidiano.



Profissão                    Indicador dos gostos e potencial económico.



Idade                        Essencial para avaliar os interesses e capacidade física.



Cultura                      Para ajudar na selecção e apresentação do itinerário.




Factores Comerciais
Equipamentos

da região receptora          Alojamento e atractivos principais e secundários.



Preços nas zonas a visitar   Nível de vida e taxas de câmbio.
Possíveis    vantagens   para   os Incentivos específicos: preço do combustível mais reduzido em
clientes                           determinado país, isenção de impostos (zonas francas).




Inventário dos Recursos Naturais


                                                     Geologia

                                                     Clima

                                                     Relevo

A paisagem e seus componentes                        Hidrografia

                                                     Flora

                                                     Fauna




Inventário dos Recursos Humanos


                                      História

Atractivos                            Arte

Históricos                            Tradições

                                      Folclore

                                      Actualidade

Atractivos                            Ciência e Técnica

Contemporâneos                        Artesanato

                                      Gastronomia

                                      Celebridades




Inventário dos Recursos Turísticos
Equipamentos                                            Atracções artificiais

Recreativos                                             Parques recreativos
 Festivais

                                                      Exposições de arte
Manifestações
Culturais                                             Som e luz

                                                      Festividades



Manifestações                                         Competições

Desportivas e                                         Torneios

Comerciais                                            Feiras e salões



Inventário de Alojamento:

 Deve-se considerar:
 Nº de participantes;

 A nacionalidade e hábitos dos turistas;

 A idade dos participantes

 A relação qualidade / preço



 Selecção da categoria em função do segmento de mercado:
 A quem se dirige este produto?

 Ou quem está actualmente a comprar circuitos?

 Nota:
 Evitar grandes diferenças entre os hotéis do mesmo circuito.

 É conveniente ter atenção à localização do hotel, facilidade de acesso, serviços complementares.



Percursos de Viação
Ao estabelecer um quadro técnico do itinerário deve-se ter em atenção os seguintes aspectos:



As etapas                                   Cuja sucessão forma a estrutura do itinerário.



                                            Se têm as condições necessárias para o tipo de veículo
                                            utilizado, pela sua largura, altura, inclinação e tráfico.
As estradas



A quilometragem                             Em equilíbrio entre os diversos pontos de paragem.
Resultante dos kms percorridos e a velocidade da viatura ou
                                            seja a média horária de km.
O coeficiente de viabilidade



                                            Calculados em função do nº de pax e rapidez do meio de
                                            transporte.
Os diversos tempos




Os tempos de paragem                        Sempre indicados com a respectiva justificação.




Percursos de Viação – Esquema Operacional


                               Anota-se o “nome” (EN125, IP1) de estrada e algumas indicações que
Estradas                       facilitem a orientação.

                               Anota-se as localidades de origem e destino e referem-se as povoações
                               mais importantes.
Itinerário



                               Anota-se os kms que separam as populações.

Quilómetros

                               Objectivo = determinar os horários mais coerentes na viagem.

                               Condicionantes = kms, o programa, o que visitar, quanto tempo se
                               dispõe, a que hora se deve estar em determinado lugar, onde e a que
Horários                       horas se realizam as refeições, qual o programa do dia seguinte, etc.

                               Paragens = no máximo de 3 em 3 horas.

Tempos                         Anota-se os tempos “net” que se demora de uma povoação a outra.



Paragens e Visitas             Indica-se os lugares a visitar e as paragens realizadas.




Com o itinerário elaborado, o produto está pronto para ser vendido e, a partir daqui, começa outra
fase muito importante: a elaboração do projecto de viagem que se vai apresentar ao cliente. Esta é
também uma fase crucial, uma vez que o que se pretende vender é um produto intangível que vai
chegar ao cliente através desse programa ou folheto.
No caso das viagens à medida deve ser apresentado ao cliente um programa do itinerário, isto é, uma
relação detalhada e ordenada do projecto da viagem, em que devem constar os seguintes dados:



 Itinerário exacto por cada dia (onde são indicados os locais de passagem e os de paragem) e os
serviços incluídos no preço. Importa aqui referir que a indicação dos timings não deve ser demasiado
rigorosa já que poderia dar azo a eventuais reclamações pois surgem frequentemente imprevistos
que contrariam o imprevisto.

 O plano de transporte (indicando horários de saída e chegada e meios utilizados).

 O plano de alojamento (indicando os hotéis seleccionados e sua categoria).

 O regime alimentar e serviços adicionais (transfers, visitas à cidade, etc).



A apresentação deste documento deve ser muito cuidadosa e atractiva. Sempre que possível, deve
ser apresentado e explicado pessoalmente ao cliente para que se possam esclarecer todas as dúvidas
e eventualmente fazer alguma alteração.

No que se refere às viagens organizadas, isto é, para a oferta têm as mesmas características básicas
de elaboração, com a diferença de que nestas os dados anteriores aparecem num folheto publicitário
que tenta chegar a uma procura potencial, não real e que tem formas de distribuição específicas,
como já foi referido.

Por isso, a apresentação obedece a critérios específicos devendo conter, além dos distintos
itinerários, fotografias e informação geral sobre o destino em causa.

É fundamental motivar primeiro o vendedor da viagem e posteriormente o comprador da mesma.
Para motivar o agente utilizam-se vários procedimentos, desde os pequenos – almoços de trabalho
até às viagens promocionais, passando pelos cocktails ou a visita do próprio promotor à agência. Ao
comprador, além de oferecer um atractivo folheto de viagens, realizam-se outro tipo de acções
publicitárias (ex: anúncios na imprensa ou TV, descontos oferecidos por antecipar a data de reserva,
etc.).

EXEMPLO DE ITINERÁRIO:

Rota do Guadiana


 1ºdia (Quinta - feira) – Rumo a esplêndidos momentos de cultura e aventura...

09h00 – Partida de Lisboa, rumo a Vila Viçosa

12h00 – Chegada a Vila Viçosa, check-in na Pousada D. João IV

14h00 – Visita ao Paço Ducal

16h00 – Tempo – livre*

20h00 – Jantar no Restaurante O Ninho dos Cucos

22h30 – Regresso à Pousada
 2ºdia (Sexta - feira) – Uma brisa com sabor a fauna e flora...

09h00 – Partida para Alcoutim

10h00 – Chegada a Alcoutim

10h15 – Canoagem no rio Guadiana

12h00 – Pausa para piquenique

13h30 – Continuação da prática de canoagem

16h30 – Partida para Monsaraz

17h30 – Chegada a Monsaraz, check-in no Hotel Rural Horta da Moura

18h15 – Passeio a cavalo nas margens do rio Guadiana

21h00 – Jantar no Hotel Rural Horta da Moura

 3ºdia (Sábado) – Aventuras e conquistas medievais...

10h00 – Inicio do programa Sabores de Aventura na Vila de Monsaraz

12h30 – Conquista pedestre da Vila de Monsaraz

13h00 – Pausa para piquenique

14h30 – Inicio do programa Aventuras Medievais

16h45 – Fim do programa

20h00 – Jantar no Restaurante O Alcaide, em Monsaraz

 4ºdia (Domingo) – Uma gota de vinho caída num rio de memórias...

11h00 – Check-out do Hotel Rural Horta da Moura

11h30 – Partida para Reguengos de Monsaraz, com paragem em S. Pedro do Corval (oferta de give
aways)

13h00 – Almoço no Restaurante Central, em Reguengos de Monsaraz

15h00 – Visita às caves e prova de vinhos na Herdade do Esporão, em Reguengos de Monsaraz

16h00 – Partida para Lisboa



* Sugestões para ocupar o tempo livre: Pastelaria Azul (doces regionais); Pastelaria Flor da Mata
(doces regionais); Casa de Artesanato Giesta.
Apresentação dos cálculos


        @ Alojamento

                    •    Vila Viçosa – Pousada D. João IV -10 DBL


                    Preço do quarto duplo: € 112

                    € 112 * 10pax = € 1.120



                    •    Monsaraz – Hotel Rural Horta da Moura - 10 DBL


                    Preço do quarto duplo: € 85

                    € 85 * 10pax = € 850

                    € 850 * 2noites = € 1.700



                    à Total do custo do Alojamento - € 2.820



        @ Restaurantes

                    • 1ºdia:
                    Pousada D. João IV (almoço): € 28.50 * 21pax = € 598,5

                    Restaurante Ninho dos Cucos (jantar): € 20 * 21pax = € 420



                    • 2ºdia:
                    Horta da Moura (jantar): € 17 * 21pax = € 357



                    • 3ºdia
                    Restaurante O Alcaide (jantar): € 16 * 21pax = € 336



                    • 4ºdia:
                    Restaurante Central (almoço): €14.50 * 21pax = € 304,5



                    à Total do custo dos Restaurantes - € 2.016
@ Entradas e Visitas

                       •    Paço Ducal (Vila Viçosa): € 5 * 20pax = € 100
                       •    Caves da Herdade do Esporão (R. de Monsaraz): € 2.5 * 20pax
                                                            = € 50

                       à Total do custo das Entradas e Visitas - € 150

        @ Outros

             •    Canoagem em Alcoutim com piquenique: (€ 35 * 20pax) + (€ 10 * 20pax)
                                          = € 700 + € 200 = € 900

             • Passeio a cavalo na Horta da Moura: € 15 * 20pax = € 300
             • TurAventur (actividades radicais) com piquenique:
             € 3.590 (para 20 pessoas) + (€ 10 * 20pax) = € 3.790

             •    Give Aways: € 1.80 * 20pax = € 36
                         à Sub total - € 5.026



        @ Transporte

           = € 1.200

Custos Totais: Alojamento: € 2.820

                  Refeições: € 2.016

                  Entradas:     € 150

                  Outros:       € 5.026

                  Transporte: € 1.200

             ___________________

                  total = € 11.212

Mark – up = 20%

= € 11.212 * 20% (2.242) = € 13.454

                              Preço do Pacote = € 13.454 / 20pax = € 672,7

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Turismo evolução
Turismo evoluçãoTurismo evolução
Turismo evolução
Karlla Costa
 
01 Conceitos Turismo
01    Conceitos  Turismo01    Conceitos  Turismo
01 Conceitos Turismo
cursotiat
 
Qualidade em destino turístico
Qualidade em destino turísticoQualidade em destino turístico
Qualidade em destino turístico
Karyn XP
 
Historia do Turismo em portugal
Historia do Turismo em portugalHistoria do Turismo em portugal
Historia do Turismo em portugal
Carla Freitas
 
Módulo 1 conceitos e fundamentos do turismo
Módulo 1   conceitos e fundamentos do turismoMódulo 1   conceitos e fundamentos do turismo
Módulo 1 conceitos e fundamentos do turismo
Raquel Melo
 
Regime júridico dos empreendimentos turísticos
Regime júridico dos empreendimentos turísticosRegime júridico dos empreendimentos turísticos
Regime júridico dos empreendimentos turísticos
Catarina1412
 

Mais procurados (20)

Produto Turistico
Produto TuristicoProduto Turistico
Produto Turistico
 
Turismo evolução
Turismo evoluçãoTurismo evolução
Turismo evolução
 
01 Conceitos Turismo
01    Conceitos  Turismo01    Conceitos  Turismo
01 Conceitos Turismo
 
Módulo+8 iat
Módulo+8   iatMódulo+8   iat
Módulo+8 iat
 
Historia do Turismo
Historia do TurismoHistoria do Turismo
Historia do Turismo
 
O Turismo
O TurismoO Turismo
O Turismo
 
Tiat módulo 1
Tiat módulo 1Tiat módulo 1
Tiat módulo 1
 
Tipos de Turistas
Tipos de TuristasTipos de Turistas
Tipos de Turistas
 
Módulo 10
Módulo 10Módulo 10
Módulo 10
 
Qualidade em destino turístico
Qualidade em destino turísticoQualidade em destino turístico
Qualidade em destino turístico
 
Historia do Turismo em portugal
Historia do Turismo em portugalHistoria do Turismo em portugal
Historia do Turismo em portugal
 
Módulo 1 conceitos e fundamentos do turismo
Módulo 1   conceitos e fundamentos do turismoMódulo 1   conceitos e fundamentos do turismo
Módulo 1 conceitos e fundamentos do turismo
 
Módulo 2 aulas
Módulo 2   aulasMódulo 2   aulas
Módulo 2 aulas
 
Simulação final
Simulação finalSimulação final
Simulação final
 
O turismo-geografia
O turismo-geografiaO turismo-geografia
O turismo-geografia
 
Conceito Turismo e Tipos de turista
Conceito Turismo e Tipos de turistaConceito Turismo e Tipos de turista
Conceito Turismo e Tipos de turista
 
Otet
OtetOtet
Otet
 
Turismo em Portugal
Turismo em PortugalTurismo em Portugal
Turismo em Portugal
 
Módulo 8
Módulo 8Módulo 8
Módulo 8
 
Regime júridico dos empreendimentos turísticos
Regime júridico dos empreendimentos turísticosRegime júridico dos empreendimentos turísticos
Regime júridico dos empreendimentos turísticos
 

Destaque (10)

Itinerario
ItinerarioItinerario
Itinerario
 
Relatório do Dia do Turismo
Relatório do Dia do TurismoRelatório do Dia do Turismo
Relatório do Dia do Turismo
 
Sumários
SumáriosSumários
Sumários
 
Iat
IatIat
Iat
 
Relatório de Estágio no Hotel Penha Longa
Relatório de Estágio no Hotel Penha LongaRelatório de Estágio no Hotel Penha Longa
Relatório de Estágio no Hotel Penha Longa
 
Itinerario turístico
Itinerario turísticoItinerario turístico
Itinerario turístico
 
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
 
Método de itinerarios
Método de itinerariosMétodo de itinerarios
Método de itinerarios
 
Módulo 9 -Marketing do Turismo
Módulo 9 -Marketing do TurismoMódulo 9 -Marketing do Turismo
Módulo 9 -Marketing do Turismo
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
 

Semelhante a Módulo 7 IAT

FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES DO GUIA DE TURISMO
FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES DO GUIA DE TURISMO FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES DO GUIA DE TURISMO
FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES DO GUIA DE TURISMO
Karlla Costa
 
Turismo cultural slides
Turismo cultural slidesTurismo cultural slides
Turismo cultural slides
rosaband
 
Conceitos e definições do turismo
Conceitos e definições do turismoConceitos e definições do turismo
Conceitos e definições do turismo
Day Sanalves
 

Semelhante a Módulo 7 IAT (20)

Licenciatura Em Turismo
Licenciatura Em TurismoLicenciatura Em Turismo
Licenciatura Em Turismo
 
208635245-Geografia-Do-Turismo.pdf
208635245-Geografia-Do-Turismo.pdf208635245-Geografia-Do-Turismo.pdf
208635245-Geografia-Do-Turismo.pdf
 
FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES DO GUIA DE TURISMO
FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES DO GUIA DE TURISMO FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES DO GUIA DE TURISMO
FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES DO GUIA DE TURISMO
 
Guião 9º 2º teste
Guião 9º 2º testeGuião 9º 2º teste
Guião 9º 2º teste
 
AULA 3 - DEFINIÇÃO TURISMO.pptx
AULA 3 - DEFINIÇÃO TURISMO.pptxAULA 3 - DEFINIÇÃO TURISMO.pptx
AULA 3 - DEFINIÇÃO TURISMO.pptx
 
ufcd_3502_ufcd1122-nooesenormasdaqualida
ufcd_3502_ufcd1122-nooesenormasdaqualidaufcd_3502_ufcd1122-nooesenormasdaqualida
ufcd_3502_ufcd1122-nooesenormasdaqualida
 
FUNDAMENTOS DO TURISMO E DA HOSPITALIDADE.pptx
FUNDAMENTOS DO TURISMO E DA HOSPITALIDADE.pptxFUNDAMENTOS DO TURISMO E DA HOSPITALIDADE.pptx
FUNDAMENTOS DO TURISMO E DA HOSPITALIDADE.pptx
 
introdução ao turismo.pptx
introdução ao turismo.pptxintrodução ao turismo.pptx
introdução ao turismo.pptx
 
Text. apoio guia de turismo
Text. apoio   guia de turismoText. apoio   guia de turismo
Text. apoio guia de turismo
 
Job
JobJob
Job
 
Turismo cultural slides
Turismo cultural slidesTurismo cultural slides
Turismo cultural slides
 
1704
17041704
1704
 
conceitos_turismo.ppt
conceitos_turismo.pptconceitos_turismo.ppt
conceitos_turismo.ppt
 
Slide conceitos
Slide conceitosSlide conceitos
Slide conceitos
 
Conceitos e definições do turismo
Conceitos e definições do turismoConceitos e definições do turismo
Conceitos e definições do turismo
 
Sistema Turístico.docx
Sistema Turístico.docxSistema Turístico.docx
Sistema Turístico.docx
 
Apostila fundamentos turismo
Apostila fundamentos turismoApostila fundamentos turismo
Apostila fundamentos turismo
 
Fundamentos do Turismo (I): aula 04
Fundamentos do Turismo (I): aula 04Fundamentos do Turismo (I): aula 04
Fundamentos do Turismo (I): aula 04
 
Módulo 6- Técnicas de informação turística.pdf
Módulo 6- Técnicas de informação turística.pdfMódulo 6- Técnicas de informação turística.pdf
Módulo 6- Técnicas de informação turística.pdf
 
CICLO DE VIDA DO DESTINO TURÍSTICO, TIPOS DE TURISTAS E RESIDENTES.
CICLO DE VIDA DO DESTINO TURÍSTICO, TIPOS DE TURISTAS E RESIDENTES.CICLO DE VIDA DO DESTINO TURÍSTICO, TIPOS DE TURISTAS E RESIDENTES.
CICLO DE VIDA DO DESTINO TURÍSTICO, TIPOS DE TURISTAS E RESIDENTES.
 

Mais de Daniela Ramalho

História- Sés Catedrais - Estilo Românico
História- Sés Catedrais - Estilo RomânicoHistória- Sés Catedrais - Estilo Românico
História- Sés Catedrais - Estilo Românico
Daniela Ramalho
 
TCAT - República Dominicana
TCAT - República DominicanaTCAT - República Dominicana
TCAT - República Dominicana
Daniela Ramalho
 
Departamento Comercial OTET
Departamento Comercial OTET Departamento Comercial OTET
Departamento Comercial OTET
Daniela Ramalho
 
Marketing Pessoal Networking
Marketing Pessoal NetworkingMarketing Pessoal Networking
Marketing Pessoal Networking
Daniela Ramalho
 
Trabalho tcat crise impresarial[1]
Trabalho tcat crise impresarial[1]Trabalho tcat crise impresarial[1]
Trabalho tcat crise impresarial[1]
Daniela Ramalho
 

Mais de Daniela Ramalho (9)

AINT - Trabalho
AINT - TrabalhoAINT - Trabalho
AINT - Trabalho
 
História- Sés Catedrais - Estilo Românico
História- Sés Catedrais - Estilo RomânicoHistória- Sés Catedrais - Estilo Românico
História- Sés Catedrais - Estilo Românico
 
Dia do Turismo-Workshop
Dia do Turismo-WorkshopDia do Turismo-Workshop
Dia do Turismo-Workshop
 
TCAT - República Dominicana
TCAT - República DominicanaTCAT - República Dominicana
TCAT - República Dominicana
 
Departamento Comercial OTET
Departamento Comercial OTET Departamento Comercial OTET
Departamento Comercial OTET
 
La Ciudad de Barcelona
La Ciudad de BarcelonaLa Ciudad de Barcelona
La Ciudad de Barcelona
 
Marketing Pessoal Networking
Marketing Pessoal NetworkingMarketing Pessoal Networking
Marketing Pessoal Networking
 
Atitudes
AtitudesAtitudes
Atitudes
 
Trabalho tcat crise impresarial[1]
Trabalho tcat crise impresarial[1]Trabalho tcat crise impresarial[1]
Trabalho tcat crise impresarial[1]
 

Último

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
FLAVIA LEZAN
 

Último (20)

Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 

Módulo 7 IAT

  • 1. MÓDULO 7 - Itinerários e Destinos Turísticos 1. Itinerários Turísticos e a História 1.1. Os primeiros itinerários 1.2. Definição de itinerários, circuitos e rotas turísticas 2. Modalidades e Tipologia de Itinerários 2.1. Tipologia de itinerários turísticos 2.2. Definição e regras de organização de itinerários e circuitos turísticos 2.3. Modalidades de comercialização 3. Os Itinerários e os Destinos Turísticos 4. Elaboração de Circuitos e Itinerários Turísticos 4.1. Oferta turística local 4.2. Oferta turística regional
  • 2. DEFINIÇÕES GERAIS O conceito de itinerário confunde-se muitas vezes com outros termos que podem ter diferentes leituras. ITINERÁRIO: Descrição de um caminho ou de uma rota especificando os lugares de passagem e propondo uma série de actividades e serviços durante a sua duração. (Gomez e Quijano) Definição que poderá englobar Circuito, Visita e Rota. CIRCUITO: Entende-se aquela viagem combinada em que intervêm vários serviços: transportes, alojamento, guia, ..., que se realiza de acordo com um itinerário programado e com um desenho circular sempre que seja possível (o ponto de partida e de chegada serão coincidentes), de modo a que se passe por um caminho anteriormente percorrido (Picazo) Conjunto de caminhos e visitas que se complementam constituindo um itinerário fechado, que tem inicio e término no mesmo local. VISITA: Reconhecimento, exame ou inspecção de um lugar de paragem incluído num itinerário. A visita representa cada uma das paragens que compõem um itinerário. ROTA: Sinónimo de itinerários, em sentido restrito, em que a saída e a chegada não são coincidentes no mesmo ponto. O conceito de Rota e Itinerário podem ser considerados sinónimos embora seja de realçar o facto de Rota estar associada a uma direcção, a um percurso dirigido. Por outro lado, o conceito de Rota tem sido usado preferencialmente em termos institucionais e promocionais. Relativamente ao conceito de Roteiro está quase sempre associado a uma descrição, mais ou menos exaustiva, dos aspectos mais relevantes da viagem e, particularmente, dos principais locais de interesse turístico. FORFAIT: Nome técnico utilizado para um tipo de Itinerário organizado cujo preço inclui todos os serviços. Dentro deste podemos distinguir Forfait para a Oferta – viagens programadas para serem posteriormente vendidas pelos retalhistas – e Forfait para a Procura – viagens organizadas à medida do cliente (Gomez e Quijano) .
  • 3. DEFINIÇÕES NO CONTEXTO DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS Decreto-Lei nº.41 248, de 31 de Agosto de 1957 Entende-se por circuito turístico o transporte de excursionistas em autocarro, intra ou extramuros das localidades, realizado periódica e regularmente, segundo horários, itinerários e tarifas aprovadas pelos serviços de turismo (da actividade das agências de viagens / art.º. 10-1). Decreto-Lei nº.198/93, de 27 de Maio Entende-se por viagem organizada a combinação prévia, por um preço tudo incluído, de transporte, alojamento ou outros serviços turísticos não subsidiários daqueles, que sejam uma parte significativa da viagem organizada (termo «viagem organizada» substitui «circuitos turísticos» e «excursões» - Preâmbulo) Decreto-Lei nº.12/99, de 11 de Janeiro São viagens turísticas as que combinam dois dos serviços seguintes: transporte; alojamento; serviços turísticos não subsidiários do transporte (das viagens turísticas: noção e espécies – Capítulo IV / Artº. 17-1). São viagens organizadas as viagens turísticas que, combinando previamente dois dos serviços seguintes, sejam vendidas ou propostas para venda a um preço com tudo incluído, quando excedam vinte e quatro horas ou incluam uma dormida: transporte; alojamento; serviços turísticos não subsidiários dos transportes (Artº. 17-2). São viagens por medida as viagens turísticas preparadas a pedido do cliente para satisfação das solicitações por este definidas (Artº. 17-3). DEFINIÇÃO DE CIRCUITOS TURÍSTICOS NO CONTEXTO DOS ÓRGÃOS REGIONAIS DE TURISMO Decreto-Regulamentar nº.24/93, de 19 de Julho Consideram-se circuitos turísticos todos os percursos regularmente realizados cujo itinerário, meio de transporte, horários e visitas de pontos de interesse turístico sejam determinados e anunciados previamente (da realização de circuitos turísticos pelos órgãos regionais de turismo – Secção II / Artº. 12) 7.1.3. DEFINIÇÕES NO ÂMBITO DO TURISMO DE NATUREZA Decreto-Regulamentar nº.18/99, de 27 de Agosto Entende-se por percurso interpretativo o caminho ou trilho devidamente sinalizado que tem como finalidade proporcionar ao visitante, através do contacto com a natureza, o conhecimento dos valores naturais e culturais da área protegida (AP) (definições / art.º. 2-e) Os percursos interpretativos devem indicar o teor, a extensão, a duração, o número máximo de participantes por grupo e por dia e os meios de transporte permitidos ou aconselháveis e ser obrigatoriamente acompanhadas por guias de natureza, ou em alternativa por pessoal com formação adequada (requisitos específicos / Artº 5-2-d) As rotas temáticas devem privilegiar a divulgação e promoção dos contextos mais representativos da economia, cultura e natureza da cada AP e devem promover a utilização e a recuperação de meios de transportes tradicionais (Artº. 5-f)
  • 4. TIPOS DE ITINERÁRIOS TURÍSTICOS As tipologias e classificações de itinerários variam conforme o critério utilizado. Assim, podemos classificar os itinerários segundo a motivação subjacente e, nesse sentido segundo o tipo de produto turístico, ou segundo o tipo de transporte utilizado. Outro tipo de classificação pode ser baseado na forma de organização. 1. ITINERÁRIOS SEGUNDO O PRODUTO TURÍSTICO A) DESPORTIVOS Este é um tipo de itinerário cada vez mais procurado e capaz de mover um grande número de pessoas. Aqui podemos incluir o turista passivo, isto é, o turista espectador de eventos desportivos, por exemplo dos Jogos Olímpicos ou o turista activo que é sem dúvida o segmento mais importante neste tipo de itinerários. Destes podemos referir os praticantes (ou aprendizes) de ski, windsurf, golfe, ténis, vela, caça, pesca, parapente, pára-quedismo e muitas outras actividades desportivas que despertam cada vez mais o interesse de um grande número de pessoas que procuram férias activas. B) CULTURAIS A motivação cultural é sem dúvida das mais importantes motivações associadas ao turismo e que tem dado origem a itinerários temáticos muito interessantes baseados nas especificidades de cada região. De facto, a elaboração destes itinerários (e de uma maneira geral de todos os outros) deve ter em conta a autenticidade das regiões, aquilo que as torna únicas e diferentes. Dentre deste grande grupo podemos então distinguir: - Históricos: podem-se encontrar fios condutores históricos que dão origem a rotas interessantes, recorrendo a lugares frequentados por pessoas de reconhecido valor, evocando personalidades e revivendo as respectivas épocas históricas. - Literários: rotas que tenham por base alguma personagem – escritor, poeta ou corrente literária concreta. - Artísticos: a arte atrai muitas pessoas. É possível, por exemplo, unir monumentos do mesmo estilo que permitam dar uma ideia global do mesmo. - Folclore: representações folclóricas, festivais, festas, jogos populares, bailes e festas tradicionais. - Artesanato: as artes e ofícios tradicionais podem ser o fio condutor na concepção de uma rota. - Gastronómicos: baseados nas tradições gastronómicas de cada região, este tipo de itinerário salienta os pratos típicos e produtos alimentares de cada região assim como os vinhos. - Arquitectura Popular: suscita um grande interesse as formas e modos de viver de cada região, reflectidos nas construções e conjuntos de edifícios mais representativos. - Educacionais: nesta categoria estão incluídas todas as viagens organizadas com objectivo de aprender sobre uma temática relacionada com conteúdos curriculares e/ou questões profissionais C) ECOLÓGICOS OU DA NATUREZA Este tipo de itinerários vem suscitando um interesse crescente motivado, em parte, pelo ritmo da vida moderna das grandes cidades. O objectivo é proporcionar aos participantes o usufruto e o contacto com a natureza e valores do património natural (e cultural) que estes espaços encerram. As Áreas Protegidas são, pelas suas características, locais privilegiados para a realização deste tipo de itinerários o que obviamente deve ter em consideração critérios de conservação e salvaguarda dos recursos naturais.
  • 5. D) RELIGIOSOS A Religião foi uma das primeiras motivações de viagem da Humanidade e que, nos dias de hoje continua a motivar um grande número de pessoas a viajar para locais relacionados com as manifestações religiosas e locais de culto religioso. O Caminho de Santiago de Compostela é, ainda hoje, um exemplo célebre, apresentando-se como um dos itinerários mais importantes de origem religiosa tendo sido declarado pelo Conselho da Europa, o primeiro itinerário cultural europeu pela sua importante contribuição para o desenvolvimento da cultura europeia. E) TURISMO DE SAÚDE Os itinerários relacionados com esta temática incluem não só as termas e os equipamentos associados como também locais relacionados com o climatismo e a talassoterapia. Estes são, de facto, produtos com um grande crescimento e que podem ser conjugados com programas de actividades de recuperação da forma, de combate ao stress através, por exemplo da hidroterapia, desporto, dietética e higiene da forma de viver. F) DE AVENTURA Associado a uma tendência crescente face a um turismo activo em que se procura cada vez mais emoções e novas experiências, os itinerários baseados na aventura procuram ser alternativas em que a tónica está nas actividades propostas e na respectiva “intensidade de emoções”. Estão normalmente associados a desportos radicais e incluem uma grande variedade de modalidades possíveis dos quais se destacam: parapente, trekking, pára-quedismo, Rafting, escalada, rotas todo o terreno, etc. G) TURISMO SOCIAL O turismo social pretende criar as condições necessárias para que os sectores da população, que por razões económicas ou por falta de hábito, educação ou informação, têm permanecido até ao momento fora do movimento turístico tenham assim acesso ao turismo. H) DE FÉRIAS OU DE LAZER Trata-se de uma designação genérica em que a motivação principal não está relacionada com nenhum interesse específico dos participantes. O objectivo é simplesmente sair do ambiente habitual, descansar e recuperar forças durante o período de férias. Baseiam-se normalmente em estâncias de praia ou no interior em que se combina um alojamento fixo com excursões e actividades nos arredores. 2. ITINERÁRIOS SEGUNDO O MEIO DE TRANSPORTE UTILIZADO Cada meio de transporte utilizado imprime um carácter e um estilo de viagem diferente. Actualmente, o autocarro e o avião são os meios mais utilizados, sendo a flexibilidade e a mobilidade as vantagens do primeiro e a velocidade e o conforto as do segundo. O comboio e o barco têm conotações mais românticas dado que são os meios mais antigos e, por isso, também, quando utilizados, imprimem alguma originalidade e autenticidade. Também o automóvel assume a sua importância, principalmente quando falamos de “Auto Férias”. A) DE AUTOCARRO Há várias formas de utilização do autocarro: - Os circuitos fechados (Round Trip): aqueles que realizam a viagem completa no autocarro, isto é, ida e volta. - Os serviços de lançadeira (Back to Back): que são utilizados por vários serviços. Quando um autocarro leva um grupo de clientes que iniciam as suas férias pode regressar com outro que as está a acabar permitindo que o autocarro tenha uma utilização mais eficaz reduzindo por isso os custos. Neste serviço existem várias modalidades que passamos a descrever:
  • 6.  Ida e volta no mesmo dia: serve para distâncias relativamente curtas, de modo que o primeiro grupo que parte, por exemplo, às 08H00 chegue ao local de destino às duas da tarde enquanto que o outro grupo parte do hotel às 15H30 e chega ao local de destino às 21H30. Esta modalidade tem a vantagem de utilização plena de alojamento e todos os serviços evitando as refeições durante as viagens e a dormida do condutor. Neste caso, terão que estar disponíveis dois condutores e exige, por parte do hotel, uma organização muito rigorosa já que a hora de partida e de chegada dos dois grupos coincide e pode por isso suscitar alguma confusão.  Ida num dia e regresso no dia seguinte: mais utilizado para viagens superiores a 6 horas de duração. Comporta um maior custo pois inclui a alimentação e o alojamento do condutor embora neste caso não seja necessário mais do que um condutor. Por outro lado, para o hotel não é tão vantajoso pois não rentabilizam tanto o espaço.  Mudança de autocarro a meio do caminho: está é uma solução pouco utilizada já que é incómoda para os turistas e para a própria organização. B) DE COMBOIO Podemos considerar por um lado as linhas regulares, utilizadas em situações muito específicas, e os comboios turísticos que permitem uma utilização muito diferente. Estes comboios funcionam normalmente apenas na época alta e oferecem diferentes serviços, dependendo do itinerário: gastronomia típica, visitas, folclore, produtos regionais, etc. São frequentemente utilizados em conjunto com outro tipo de transporte como o barco ou autocarro. Um bom exemplo de utilização deste meio de transporte é feito na região do Douro onde é possível aliar a riqueza paisagística de região com um conjunto de outros importantes recursos que permitem oferecer um produto turístico muito diferenciado. C) DE BARCO Podemos considerar diferentes serviços: cruzeiros, onde são oferecidos pacotes com tudo incluído; aluguer de embarcações de todo o tipo, passeios recreativos de um dia de barco, excursões marítimas e fluviais com vários serviços complementares. D) DE AVIÃO É um dos meios mais utilizados para as longas distâncias pela sua segurança e rapidez. Podem ser utilizados as linhas regulares e os serviços charter, muito utilizado pelos operadores turísticos na realização de programas para grandes grupos. E) MISTOS Como é obvio, os meios de transportes referidos podem ser combinados num mesmo itinerário de forma a garantir, por um lado, maior conforto, rapidez e flexibilidade e, por outro permitindo um aproveitamento dos recursos turísticos tendo em conta o tipo de itinerário oferecido. F) ALTERNATIVOS Dado que cada vez mais se procuram novas experiências e novas emoções, os meios de transporte alternativos estão a ser também muito utilizados por parte da oferta no sentido de cativar novos públicos oferecendo produtos inovadores que têm tido grande aceitação por parte da procura turística, cada vez mais experiente. Estamos a falar, por exemplo de itinerários realizados em bicicletas, em veículos todo o terreno, em cavalos, balão, submarinos, a pé, etc.
  • 7. Assim, podemos apresentar o seguinte quadro resumo no que concerne à classificação dos itinerários segundo o tipo de transportes utilizados: - Carro próprio ou de aluguer - Limusines com motorista / guia Via - Táxi Rodoviária - Minibuses de turismo (9 a 14/16 lugares) - Autocarros de turismo de 40/50 até 75 lugares (2 pisos) Via Marítima - Embarcações para curtas excursões ou Fluvial - Cruzeiros Fluviais e Marítimos Via - Grandes percursos Ferroviária - Itinerários Turísticos Via - Avião para voos regulares e charter Aérea - Helicópteros e avionetas para curtas excursões - Balões de ar quente Via e Meios Combinados - Ex. Fly-and-Drive 3. OUTRAS CLASSIFICAÇÕES Podemos, ainda, considerar outras classificações baseadas em diferentes critérios: Grupo I: segundo o tipo de atracções e actividades propostas Itinerários Gerais: apresentam grande variedade de atracções. Itinerários Especializados ou Temáticos: destinados a grupos de turistas com interesses e motivações específicas, propõem tipos de atracções também específicas. Grupo II: segundo a forma de organização Itinerários Lineares: quando se pernoita em meios de alojamento diferentes, isto é, o ponto de partida e de chegada é diferente. Itinerários Nodais: quando os pontos de partida e de chegada coincidem.
  • 8. Grupo III: segundo o âmbito geográfico Itinerários Locais Itinerários Regionais Itinerários Nacionais Itinerários Internacionais Grupo IV: segundo a duração - Não implicam alojamento - Meio Dia (manhã ou tarde normalmente sem refeições) Curta Duração - Dia inteiro ou nocturno (com refeições incluídas ou opcional) - Visitas de Cidade (ou excursões até cerca de 130/150 Kms) - 1 ou 2 noites de alojamento e algumas refeições incluídas ou opcionais. Média Duração - Fins-de-semana / Pontes festivas / Eventos especiais Duração Normal - Tours de 1 ou 2 semanas que podem ser ou não combinados com um período de estada num só destino. Ou De férias Longa - Mais de 15 dias – as chamadas grandes viagens, que requerem uma preparação muito cuidada, são normalmente de custo elevado e para Duração uma clientela específica. Grupo V: segundo o destino Montanhas Cidades Praias Grupo VI: segundo o segmento de mercado Culturais Aventura 3ª Idade Grupo VII: segundo o nº de participantes Individuais Pequenos grupos (até 15 pax) Grandes grupos
  • 9. 7.3. RECURSOS AFECTOS À CONCEPÇÃO DOS ITINERÁRIOS RECURSOS TURÍSTICOS O Recurso Turístico foi definido no Plano Nacional de Turismo de 1986-1989 como “todo o elemento natural, actividade humana ou seu produto, capaz de motivar a deslocação de pessoas ou de ocupar os seus tempos livres”. Fig. 1: Classificação dos Recursos Turísticos Recursos Recursos Primários Secundários Património Actividades Actividades Equipamentos Equipamentos Fonte: DGT / Esquema adaptado
  • 10. Assim, um recurso turístico poderá ser considerado como um determinado atributo de um país ou de uma região, de natureza visual ou física, tangível ou não, quer se encontre já em plena actividade no mercado turístico quer seja considerado como simples detentor de potencialidades turísticas a explorar a curto ou médio prazo. (Livro Branco Turismo). Qualquer um dos itinerários definidos poderá contemplar um ou mais recursos, sejam eles primários ou secundários. Dependendo do tipo de itinerário em causa, assim se podem identificar os recursos que apresentem maior potencial para a sua valorização. Identifica-se, pois, uma dupla vantagem:  Os itinerários servem para promover / divulgar recursos e, até mesmo, despertar o interesse por aqueles que ainda não são devidamente (re)conhecidos.  Os recursos, deste que adequadamente seleccionados e utilizados, valorizam os itinerários e podem toma-lo num serviço diferenciado. Na definição de um itinerário turístico, o reconhecimento e identificação dos recursos com maior potencial de interesse pressupõe a avaliação dos gostos e interesses da clientela e, por outro lado, um correcto conhecimento sobre a posse, possibilidades e condicionalismos de utilização do(s) recurso(s), sob pena de pôr em causa o equilíbrio de interesses entre os agentes da oferta e da procura deste serviço. OUTROS RECURSOS A utilização dos recursos turísticos não é, por si só, suficiente para dar corpo a um itinerário. É necessário, também, que a organização conte com outros recursos, nomeadamente os recursos humanos, financeiros, técnico-materiais, informação, ... A) RECURSOS HUMANOS:  Coordenador(es) da actividade  Guias-intérpretes  Monitores  Motoristas B) RECURSOS FINANCEIROS:  Fundo da própria empresa  Venda de bilhetes (gerais ou por actividade)  Comparticipação de entidades locais, regionais, nacionais  Comparticipação dos participantes  Patrocínios
  • 11. C) RECURSOS TÉCNICO-MATERIAIS:  Material áudio-visual  Material para a prática de desporto  Cartas topográficas  Fotografias  Bússola  Kits D) RECURSOS DA INFORMAÇÃO: A construção dos percursos deve entender-se como um estudo que deverá compreender reflexão e investigação sobre os factores que interactuam no espaço: clima, relevo, fauna, flora, monumentos, etnografia, artes, ... Um dos pilares fundamentais da organização de itinerários / circuitos é a informação. De preferência os locais a incluir devem ser bem conhecidos pela entidade organizadora sendo mesmo assim necessário vários recursos de informação que passamos a indicar:  Mapas  Guias de alojamento dos locais a visitar  Tarifas dos meios de alojamento  Manuais de transporte, tarifas, horários  Tarifas de museus, monumentos, espectáculos, etc  Guias / roteiros turísticos dos locais a visitar  Agendas culturais dos locais a visitar  CD Rom’s Vídeos Visitas ao local Como é evidente, para além destes recursos de informação, o manancial de informação disponível na internet é cada vez mais utilizado e constitui uma ferramenta de trabalho essencial para os promotores de itinerários. Por outro lado, as agências de viagens dispõem de complexos sistemas de documentação informáticos que permitem também ter acesso a uma ampla rede de informação permitindo também realizar reservas de quase todos os serviços (ex: Galileu, Amadeus, Sabre). Para seleccionar a área de implementação de um percurso de interpretação é necessário analisar algumas características que poderão constituir factores limitantes ou valorizadores do mesmo. Critérios possíveis para avaliar a aptidão de uma área
  • 12. Diversidade Representatividade Elementos carismáticos Aspectos de viabilidade Posse / Acesso Segurança Acessibilidade Vulnerabilidade A ORGANIZAÇÃO DE ITINERÁRIOS A elaboração e realização de um itinerário turístico são o resultado de um longo processo de estudo e análise de possibilidades e de um conhecimento prévio de dados. A metodologia utilizada vai depender obviamente do público alvo já que é isso que deverá determinar as várias opções bem como os serviços e actividades incluídas. Interessa pois distinguir a metodologia utilizada quer se trate de um forfait para a procura (viagem por medida) ou de forfait para a oferta (viagem organizada). A diferença fundamental é que no primeiro caso é possível saber, com algum rigor, as necessidades do cliente e, por isso, todos os serviços são direccionados nesse sentido. No caso da viagem organizada trata-se de conceber e desenvolver um produto que será posteriormente comercializado pelos canais de distribuição habituais e que será dirigido a um público mais ou menos alargado. Em ambos os casos, a organização da viagem exige profissionais especializados. Embora a metodologia de concepção seja genericamente a mesma, importa salientar que, em termos logísticos, uma viagem organizada (ou forfait para a oferta) é bastante mais complexo pela necessidade de planeamento e estudos prévios que exige uma vez que não se conhece de antemão as necessidades do público alvo. Importa, ainda, referir a importância da realização de itinerários no aproveitamento dos recursos de uma região no sentido de operacionalizar um conjunto de percursos culturais e turísticos que, em conjunto, constituam uma apresentação razoável do património e recursos da região. Este é um dos objectivos da realização de itinerários / circuitos / rotas feitas em parceria com instituições do sector público e privado do turismo. Neste caso, a metodologia é orientada por objectivos muito específicos e por isso deve envolver as seguintes etapas:  Identificação dos objectivos de elaboração do circuito;  Identificação do mercado-alvo;  Determinação das vantagens para o desenvolvimento da região, nomeadamente do sector turístico;  Caracterização da região a vários níveis (económico, social, físico, turístico, etc);  Caracterização e análise da oferta e procura turística da região (cruzamento de dados previamente levantados e análise SWOT);  Selecção dos elementos / atractivos que irão integrar o circuito e definição da temática, de acordo com o mercado-alvo;  Elaboração das várias cartas de infra-estruturas (representação a cores dos vários recursos);
  • 13.  Análise da carta de oferta (quantidade, qualidade, diversidade de recursos e respectiva distribuição espacial);  Pesquisa no local (acessibilidade, disponibilidade, segurança, interesse, pedagogia, etc.);  Definição e determinação das necessidades de intervenção ao nível das infra-estruturas e actividades (animação, etc.);  Determinação do circuito principal e, eventualmente, de outros complementares (dependendo do interesse da oferta e do mercado);  Determinação do Preço do Circuito  Definição da estratégia de marketing: - Produto: desenho e descrição do circuito principal e complementares (fontes documentais, lendas e tradições, meios de transporte, acessibilidades, etc.) - Preço: circuito, transporte, alojamento e restauração - Distribuição: locais e mercados a atingir - Promoção: operadores, logótipo, sinalização, etc.  Concretização do Itinerário  Monitorização De seguida enunciam-se algumas considerações gerais que devem ser tidas em conta na concepção de um itinerário:  Evitar etapas quilométricas demasiado longas e seguidas;  Não introduzir excessivo número de pontos de paragem com interesse, que podem sobrecarregar a etapa. Cada paragem exige normalmente um mínimo de 15 a 20 minutos, entre descida, subida e actividade, havendo sempre o risco de falta de pontualidade;  Não ajustar excessivamente o tempo deixando margens para imprevistos;  Ter em conta os horários dos monumentos e museus, bem como de outros locais a visitar;  Os almoços em rota para grupo devem ser programados entre as 12 e as 14 horas;  Ter em conta o dia da semana que corresponde a cada dia da viagem e prever as actividades de acordo com isso;  Confirmar os horários dos diferentes serviços utilizados, os trâmites assim como o tempo necessário;  Ter em atenção os tempos médios das distâncias a percorrer. A título indicativo sugere-se a seguinte tabela: Meio de Transporte Distância por Hora (Km/h)
  • 14. Bicicleta 12 a 15 kms / hora Em circuito urbano: 30 a 40 kms / hora Automóvel / Autocarro Em via rápida: 60 a 90 kms / hor Em auto-estrada: 90 a 100 kms / hora Em linha estreita: 30 a 50 kms / hora Comboio Em via larga e rápida: 80 a 90 kms / hora Em alta velocidade: 150 kms / hora A Pé 4 kms / hora IDENTIFICAÇÃO DO TRAÇADO DO ITINERÁRIO Desenhado o produto, tem que se estabelecer a sua distribuição no tempo, isto é, as suas etapas de desenvolvimento, fazendo uma divisão inicial das datas disponíveis que sirvam de esboço inicial para o itinerário final e estabelecendo, dia a dia, os serviços que se vão prestar. Este projecto de itinerário requer uma elaboração minuciosa e cuidada, tendo sempre em conta as distâncias que se vão percorrer, assim como os meios de transporte utilizados, para estabelecer uma relação lógica entre a distância percorrida e o tempo gasto. A identificação do traçado propriamente dito requer a consulta de mapas de estradas actualizados que permitam definir com rigor os pontos de passagem bem como o cálculo do tempo gasto. Sempre que possível, o itinerário deve ser testado, de preferência nos mesmos dias e às mesmas horas identificadas no projecto de itinerário LOGÍSTICA De forma a resumir o anteriormente exposto, poderemos aqui estabelecer alguns parâmetros essenciais para a elaboração dos itinerários:
  • 15. Fases da organização de um Itinerário - Planeamento - Desenho Preparação - Organização (Antes de) - Reservas - Comercialização - Venda Desenvolvimento - Acompanhamento pelo guia (Durante) - Analisar o modo como decorreu Análise - Estudo da satisfação do cliente (Depois de) - Análise do desvio de custos - Resultados económicos da viagem Motivos da Viagem:  Férias  Deporto  Cultura  Ecologia  Saúde  Religião  Profissão e/ou negócios  Lazer organizado  Turismo alternativo  Turismo Social
  • 16. Factores Técnicos Meios de deslocação Itinerários pedestres, de autocarro, de avião, barco, etc. Duração De 3, 7, 15 dias ou de meses. Distâncias Curtas, médias ou grandes distâncias. Individual, colectivo, pré-organizado ou feito à medida do cliente. Modo de viajar Época do ano Sazonais, calendário fico, acontecimentos especiais. Factores Sociais Meio Social O modo de vida e condições económicas. Origem Geográfica A procura de um meio geográfico diferente do seu quotidiano. Profissão Indicador dos gostos e potencial económico. Idade Essencial para avaliar os interesses e capacidade física. Cultura Para ajudar na selecção e apresentação do itinerário. Factores Comerciais Equipamentos da região receptora Alojamento e atractivos principais e secundários. Preços nas zonas a visitar Nível de vida e taxas de câmbio.
  • 17. Possíveis vantagens para os Incentivos específicos: preço do combustível mais reduzido em clientes determinado país, isenção de impostos (zonas francas). Inventário dos Recursos Naturais  Geologia  Clima  Relevo A paisagem e seus componentes  Hidrografia  Flora  Fauna Inventário dos Recursos Humanos  História Atractivos  Arte Históricos  Tradições  Folclore  Actualidade Atractivos  Ciência e Técnica Contemporâneos  Artesanato  Gastronomia  Celebridades Inventário dos Recursos Turísticos Equipamentos  Atracções artificiais Recreativos  Parques recreativos
  • 18.  Festivais  Exposições de arte Manifestações Culturais  Som e luz  Festividades Manifestações  Competições Desportivas e  Torneios Comerciais  Feiras e salões Inventário de Alojamento:  Deve-se considerar:  Nº de participantes;  A nacionalidade e hábitos dos turistas;  A idade dos participantes  A relação qualidade / preço  Selecção da categoria em função do segmento de mercado:  A quem se dirige este produto?  Ou quem está actualmente a comprar circuitos?  Nota:  Evitar grandes diferenças entre os hotéis do mesmo circuito.  É conveniente ter atenção à localização do hotel, facilidade de acesso, serviços complementares. Percursos de Viação Ao estabelecer um quadro técnico do itinerário deve-se ter em atenção os seguintes aspectos: As etapas Cuja sucessão forma a estrutura do itinerário. Se têm as condições necessárias para o tipo de veículo utilizado, pela sua largura, altura, inclinação e tráfico. As estradas A quilometragem Em equilíbrio entre os diversos pontos de paragem.
  • 19. Resultante dos kms percorridos e a velocidade da viatura ou seja a média horária de km. O coeficiente de viabilidade Calculados em função do nº de pax e rapidez do meio de transporte. Os diversos tempos Os tempos de paragem Sempre indicados com a respectiva justificação. Percursos de Viação – Esquema Operacional Anota-se o “nome” (EN125, IP1) de estrada e algumas indicações que Estradas facilitem a orientação. Anota-se as localidades de origem e destino e referem-se as povoações mais importantes. Itinerário Anota-se os kms que separam as populações. Quilómetros Objectivo = determinar os horários mais coerentes na viagem. Condicionantes = kms, o programa, o que visitar, quanto tempo se dispõe, a que hora se deve estar em determinado lugar, onde e a que Horários horas se realizam as refeições, qual o programa do dia seguinte, etc. Paragens = no máximo de 3 em 3 horas. Tempos Anota-se os tempos “net” que se demora de uma povoação a outra. Paragens e Visitas Indica-se os lugares a visitar e as paragens realizadas. Com o itinerário elaborado, o produto está pronto para ser vendido e, a partir daqui, começa outra fase muito importante: a elaboração do projecto de viagem que se vai apresentar ao cliente. Esta é também uma fase crucial, uma vez que o que se pretende vender é um produto intangível que vai chegar ao cliente através desse programa ou folheto.
  • 20. No caso das viagens à medida deve ser apresentado ao cliente um programa do itinerário, isto é, uma relação detalhada e ordenada do projecto da viagem, em que devem constar os seguintes dados:  Itinerário exacto por cada dia (onde são indicados os locais de passagem e os de paragem) e os serviços incluídos no preço. Importa aqui referir que a indicação dos timings não deve ser demasiado rigorosa já que poderia dar azo a eventuais reclamações pois surgem frequentemente imprevistos que contrariam o imprevisto.  O plano de transporte (indicando horários de saída e chegada e meios utilizados).  O plano de alojamento (indicando os hotéis seleccionados e sua categoria).  O regime alimentar e serviços adicionais (transfers, visitas à cidade, etc). A apresentação deste documento deve ser muito cuidadosa e atractiva. Sempre que possível, deve ser apresentado e explicado pessoalmente ao cliente para que se possam esclarecer todas as dúvidas e eventualmente fazer alguma alteração. No que se refere às viagens organizadas, isto é, para a oferta têm as mesmas características básicas de elaboração, com a diferença de que nestas os dados anteriores aparecem num folheto publicitário que tenta chegar a uma procura potencial, não real e que tem formas de distribuição específicas, como já foi referido. Por isso, a apresentação obedece a critérios específicos devendo conter, além dos distintos itinerários, fotografias e informação geral sobre o destino em causa. É fundamental motivar primeiro o vendedor da viagem e posteriormente o comprador da mesma. Para motivar o agente utilizam-se vários procedimentos, desde os pequenos – almoços de trabalho até às viagens promocionais, passando pelos cocktails ou a visita do próprio promotor à agência. Ao comprador, além de oferecer um atractivo folheto de viagens, realizam-se outro tipo de acções publicitárias (ex: anúncios na imprensa ou TV, descontos oferecidos por antecipar a data de reserva, etc.). EXEMPLO DE ITINERÁRIO: Rota do Guadiana  1ºdia (Quinta - feira) – Rumo a esplêndidos momentos de cultura e aventura... 09h00 – Partida de Lisboa, rumo a Vila Viçosa 12h00 – Chegada a Vila Viçosa, check-in na Pousada D. João IV 14h00 – Visita ao Paço Ducal 16h00 – Tempo – livre* 20h00 – Jantar no Restaurante O Ninho dos Cucos 22h30 – Regresso à Pousada
  • 21.  2ºdia (Sexta - feira) – Uma brisa com sabor a fauna e flora... 09h00 – Partida para Alcoutim 10h00 – Chegada a Alcoutim 10h15 – Canoagem no rio Guadiana 12h00 – Pausa para piquenique 13h30 – Continuação da prática de canoagem 16h30 – Partida para Monsaraz 17h30 – Chegada a Monsaraz, check-in no Hotel Rural Horta da Moura 18h15 – Passeio a cavalo nas margens do rio Guadiana 21h00 – Jantar no Hotel Rural Horta da Moura  3ºdia (Sábado) – Aventuras e conquistas medievais... 10h00 – Inicio do programa Sabores de Aventura na Vila de Monsaraz 12h30 – Conquista pedestre da Vila de Monsaraz 13h00 – Pausa para piquenique 14h30 – Inicio do programa Aventuras Medievais 16h45 – Fim do programa 20h00 – Jantar no Restaurante O Alcaide, em Monsaraz  4ºdia (Domingo) – Uma gota de vinho caída num rio de memórias... 11h00 – Check-out do Hotel Rural Horta da Moura 11h30 – Partida para Reguengos de Monsaraz, com paragem em S. Pedro do Corval (oferta de give aways) 13h00 – Almoço no Restaurante Central, em Reguengos de Monsaraz 15h00 – Visita às caves e prova de vinhos na Herdade do Esporão, em Reguengos de Monsaraz 16h00 – Partida para Lisboa * Sugestões para ocupar o tempo livre: Pastelaria Azul (doces regionais); Pastelaria Flor da Mata (doces regionais); Casa de Artesanato Giesta.
  • 22. Apresentação dos cálculos @ Alojamento • Vila Viçosa – Pousada D. João IV -10 DBL Preço do quarto duplo: € 112 € 112 * 10pax = € 1.120 • Monsaraz – Hotel Rural Horta da Moura - 10 DBL Preço do quarto duplo: € 85 € 85 * 10pax = € 850 € 850 * 2noites = € 1.700 à Total do custo do Alojamento - € 2.820 @ Restaurantes • 1ºdia: Pousada D. João IV (almoço): € 28.50 * 21pax = € 598,5 Restaurante Ninho dos Cucos (jantar): € 20 * 21pax = € 420 • 2ºdia: Horta da Moura (jantar): € 17 * 21pax = € 357 • 3ºdia Restaurante O Alcaide (jantar): € 16 * 21pax = € 336 • 4ºdia: Restaurante Central (almoço): €14.50 * 21pax = € 304,5 à Total do custo dos Restaurantes - € 2.016
  • 23. @ Entradas e Visitas • Paço Ducal (Vila Viçosa): € 5 * 20pax = € 100 • Caves da Herdade do Esporão (R. de Monsaraz): € 2.5 * 20pax = € 50 à Total do custo das Entradas e Visitas - € 150 @ Outros • Canoagem em Alcoutim com piquenique: (€ 35 * 20pax) + (€ 10 * 20pax) = € 700 + € 200 = € 900 • Passeio a cavalo na Horta da Moura: € 15 * 20pax = € 300 • TurAventur (actividades radicais) com piquenique: € 3.590 (para 20 pessoas) + (€ 10 * 20pax) = € 3.790 • Give Aways: € 1.80 * 20pax = € 36 à Sub total - € 5.026 @ Transporte = € 1.200 Custos Totais: Alojamento: € 2.820 Refeições: € 2.016 Entradas: € 150 Outros: € 5.026 Transporte: € 1.200 ___________________ total = € 11.212 Mark – up = 20% = € 11.212 * 20% (2.242) = € 13.454 Preço do Pacote = € 13.454 / 20pax = € 672,7