SlideShare uma empresa Scribd logo
História Geral

                 1
 O Absolutismo marcou a Idade
  Moderna.
 Atingiu seu auge na França com
 Luís XIV e Luís XV.
 O rei absolutista acreditava que
  só respondia a Deus pelas suas
  ações.
 Não se deve pensar que os
  monarcas não faziam acordos,
  era necessário o apoio da
  nobreza e de parte da burguesia.   Luís XIV, o
                                                   2
                                       rei Sol.
 “Só de Deus recebemos a nossa
  coroa, e o direito de fazer leis
  pertence-nos sem partilha nem
  dependência.”(Luís   XV,     em
  dezembro de 1770)
 Jacques-Bénigne Bossuet foi um
  dos      maiores     defensores      do
  absolutismo e, simultaneamente, do
  "direito divino dos reis"; afirmava que
  a Monarquia era a origem divina.
 Desobedecer ao rei era afrontar ao        Luís XV
  próprio Deus.
                                                  3
 Maquiavel defendia o Estado como um fim em si
  mesmo, afirmando que os soberanos poderiam
  utilizar-se de todos os meios necessários para
  garantir a conquista e a continuidade do seu poder.
  As ações do Estado são regidas, sobretudo, pela
  racionalidade.
 Jean Bodin, sua obra foi 'Os seis livros da
  República', associava o Estado à própria célula
  familiar, colocando o poder real como ilimitado,
  comparado ao chefe de família.
                                                   4
Thomas Hobbes, no Leviatã,
proclamou que, em seu
estado natural, o ser humanos
é violento e sem limites;
buscando escapar da guerra
de todos contra todos, os
homens uniram-se em torno
de    um     contrato   social,
legando a um soberano todos
os direitos para protegê-los
                                  Ilustração do Leviatã.
contra a violência.
                                                           5
Hobbes defende a teoria de que um rei só
 poderia subir ao trono pela vontade do povo e
 não pela vontade divina. A Monarquia é
 justificada pelo consenso social. Suas idéias
 foram criticadas, porque não havia lugar para
 Deus em suas teorias.
Hugo Grotius, pioneiro do direito internacional,
 defendia que, se todos os países adotassem o
 Absolutismo, seria possível se estabelecer um
 sistema único de legislação.
                                              6
Família de Camponeses


                               Luís XVI –
                                 Último
                                Monarca
                               do Antigo
                                Regime
Sociedade das “Três Ordens”.
                                                      7
Os Iluministas desejavam o fim:
 Do Absolutismo;
 Do Mercantilismo;
 Dos privilégios da nobreza e do
  clero;
Os iluministas mais importantes
 eram franceses e a França era
 a principal nação absolutista,
 que resistia a qualquer reforma
 do Antigo Regime.
                                    8
O fim do Absolutismo;
A Igualdade Jurídica
 entre todos os homens;
O livre-pensamento;
A importância da razão;
Os direitos naturais, que
 variavam de autor para
 autor;
                             9
 Defendia a existência de três
  direitos naturais: vida, liberdade
  e propriedade;
 Que todos os governos existiam
  por um Contrato Social e
  deveriam garantir esses direitos;
 Que quando o governo falhava
  em garantir os direitos naturais,
  os cidadãos poderiam se
  rebelar.
 Suas idéias influenciaram a
  Revolução Americana.                 10
 Crítico do fanatismo religioso;
 Defendia um governo de poderes
  limitados, nos moldes ingleses;
 Acreditava que todos os homens
  tinham direitos naturais: a
  liberdade, a propriedade e a
  proteção das leis;
 Era      resistente   à      ampla
  participação popular no governo,
  o poder deveria estar nas mãos
  dos mais capacitados;
                                       11
 Propôs a divisão do poder em
  três: Executivo, Legislativo e
  judiciário;
 Esses poderes seriam iguais em
  importância e independentes.
 Defendeu que o despotismo era
  a melhor forma de governo para
  os     grandes     impérios,  a
  monarquia seria adequada aos
  Estados de tamanho médio, e a
  República      aos     pequenos
  Estados;                          12
 Era contra a propriedade
  privada, não se alinhava aos
  interesses burgueses;
 Defendia      o     direito    de
  participação política de todos os
  homens, as mulheres estavam
  excluídas;
 Segundo ele, todos os homens
  nasciam bons (bom selvagem)
  e a sociedade os corrompia;
 Defendia a importância da
  educação.
                                      13
 Diderot e D’Alembert dirigiram
  uma grande obra que tinha como
  objetivo   sintetizar  todo   o
  conhecimento da época;
 A enciclopédia, que tinha 35
  volumes, celebrava a razão e
  todos os grandes pensadores
  foram convidados a colaborar;
 O resultado foi a exposição da
  diversidade do pensamento da
  época e que alguns autores
  discordavam muito entre si;       14
 A primeira escola de economia
  nasceu na França.          Os
  Fisiocratas defendiam que a
  terra era a fonte de toda
  riqueza;
 Na Inglaterra, Adam Smith
  lança as bases teóricas do
  liberalismo   econômico     e
  defende que a base da riqueza
  é o trabalho;
 Fisiocratas e Liberais eram
  contra o mercantilismo e a
  intervenção do Estado na
  economia;                       15
REUNIÕES ILUSTRADAS




Salão de Madame Geoffrin – Nobres e burgueses abriam seus salões para
 reuniões e saraus com a presença de filósofos e cientistas iluministas.
                                                                    16
DÉSPOTAS ESCLARECIDOS
 Alguns       monarcas     fizeram
  reformas com base nas idéias
  iluministas;
 O objetivo era modernizar países
  como Portugal (Marquês de
  Pombal), Rússia (Pedro, o
  Grande e Catarina II), Prússia
  (Frederico II), Áustria (José II),
  etc.;
 As reformas atendiam algumas
  demandas       burguesas,     sem    Marquês de Pombal,
                                       Ministro de D. José I
  mudar a estrutura de poder;                             17
 O século XVIII é um dos períodos mais
  importantes da música;
 Os monarcas absolutistas eram os
  grandes patrocinadores das artes e da
  música;
 Mozart, Haydn, Bach, Händel, Vivaldi e
  Beethoven foram grandes nomes do
  período;
 Atrelados aos grandes nobres, os
  músicos eram vistos não como artistas,
  mas artesãos.
 Beethoven foi o primeiro a conseguir
  romper com este esquema, afirmando a
  sua    individualidade  aos    moldes
  burgueses.
                                           18

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4
Vítor Santos
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
Foz
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
Vítor Santos
 
Estado moderno
Estado modernoEstado moderno
Estado moderno
Alê Maldonado
 
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
Vítor Santos
 
Vintismo
VintismoVintismo
Vintismo
Carla Teixeira
 
Iluminismo, Revolução Francesa e Período Napoleônico
Iluminismo, Revolução Francesa e Período NapoleônicoIluminismo, Revolução Francesa e Período Napoleônico
Iluminismo, Revolução Francesa e Período Napoleônico
Paulo Alexandre
 
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo
Vítor Santos
 
Unidade 4 um século de mudanças século xviii
Unidade 4 um século de mudanças século xviiiUnidade 4 um século de mudanças século xviii
Unidade 4 um século de mudanças século xviii
Vítor Santos
 
6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana
Vítor Santos
 
Ai- A construção da democracia
Ai- A construção da democraciaAi- A construção da democracia
Ai- A construção da democracia
11CPTS
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
Carla Freitas
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
Paulo Alexandre
 
O racionalismo
O racionalismoO racionalismo
O racionalismo
Alison Nunes
 
Politica pombalina
Politica pombalinaPolitica pombalina
Politica pombalina
JoanaRitaSilva
 
O iluminismo(Resumo)
O iluminismo(Resumo)O iluminismo(Resumo)
O iluminismo(Resumo)
JPedroSR
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
Carla Freitas
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
Aulas de História
 
A Revolução Americana
A Revolução Americana   A Revolução Americana
A Revolução Americana
Susana Simões
 

Mais procurados (20)

04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
 
Estado moderno
Estado modernoEstado moderno
Estado moderno
 
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
 
Vintismo
VintismoVintismo
Vintismo
 
Iluminismo, Revolução Francesa e Período Napoleônico
Iluminismo, Revolução Francesa e Período NapoleônicoIluminismo, Revolução Francesa e Período Napoleônico
Iluminismo, Revolução Francesa e Período Napoleônico
 
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo
 
Unidade 4 um século de mudanças século xviii
Unidade 4 um século de mudanças século xviiiUnidade 4 um século de mudanças século xviii
Unidade 4 um século de mudanças século xviii
 
6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana
 
Ai- A construção da democracia
Ai- A construção da democraciaAi- A construção da democracia
Ai- A construção da democracia
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
 
O racionalismo
O racionalismoO racionalismo
O racionalismo
 
Politica pombalina
Politica pombalinaPolitica pombalina
Politica pombalina
 
O iluminismo(Resumo)
O iluminismo(Resumo)O iluminismo(Resumo)
O iluminismo(Resumo)
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
Aula 8
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
 
A Revolução Americana
A Revolução Americana   A Revolução Americana
A Revolução Americana
 

Destaque

Absolutismo e Iluminismo
Absolutismo e Iluminismo   Absolutismo e Iluminismo
Absolutismo e Iluminismo
pdcebs
 
Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo
inessalgado
 
historia iluminismo
historia iluminismohistoria iluminismo
historia iluminismo
Petterson Castro
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
Rui Neto
 
Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.
Dênis Ribas
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo imagens
Iluminismo imagensIluminismo imagens
Iluminismo imagens
Isaquel Silva
 
O iluminismo e a sociedade
O iluminismo e a sociedadeO iluminismo e a sociedade
O iluminismo e a sociedade
Fernanda Carvalho
 
Teoricos do absolutismo
Teoricos do absolutismoTeoricos do absolutismo
Teoricos do absolutismo
Jose Ribamar Santos
 
Segunda Guerra Mundial (segunda versão)
Segunda Guerra Mundial (segunda versão)Segunda Guerra Mundial (segunda versão)
Segunda Guerra Mundial (segunda versão)
Valéria Shoujofan
 
Teóricos do Absolutismo
Teóricos do AbsolutismoTeóricos do Absolutismo
Teóricos do Absolutismo
Edenilson Morais
 
Iluminismo e Revolução Francesa
Iluminismo e Revolução FrancesaIluminismo e Revolução Francesa
Iluminismo e Revolução Francesa
Paulo Alexandre
 
O Poder Absoluto
O Poder AbsolutoO Poder Absoluto
O Poder Absoluto
crie_historia8
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Paulo Alexandre
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
Ana Batista
 
Antigo regime 2
Antigo regime 2Antigo regime 2
Antigo regime 2
segundoanoe
 
Os teóricos do absolutismo
Os teóricos do absolutismoOs teóricos do absolutismo
Os teóricos do absolutismo
Nelia Salles Nantes
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
Julivan Estevam
 
Identidade e Diversidade
Identidade e DiversidadeIdentidade e Diversidade
Identidade e Diversidade
pdcebs
 
Filosofia da ilustração ou iluminismo
Filosofia da ilustração ou iluminismoFilosofia da ilustração ou iluminismo
Filosofia da ilustração ou iluminismo
Paula de Jesus
 

Destaque (20)

Absolutismo e Iluminismo
Absolutismo e Iluminismo   Absolutismo e Iluminismo
Absolutismo e Iluminismo
 
Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo
 
historia iluminismo
historia iluminismohistoria iluminismo
historia iluminismo
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Iluminismo imagens
Iluminismo imagensIluminismo imagens
Iluminismo imagens
 
O iluminismo e a sociedade
O iluminismo e a sociedadeO iluminismo e a sociedade
O iluminismo e a sociedade
 
Teoricos do absolutismo
Teoricos do absolutismoTeoricos do absolutismo
Teoricos do absolutismo
 
Segunda Guerra Mundial (segunda versão)
Segunda Guerra Mundial (segunda versão)Segunda Guerra Mundial (segunda versão)
Segunda Guerra Mundial (segunda versão)
 
Teóricos do Absolutismo
Teóricos do AbsolutismoTeóricos do Absolutismo
Teóricos do Absolutismo
 
Iluminismo e Revolução Francesa
Iluminismo e Revolução FrancesaIluminismo e Revolução Francesa
Iluminismo e Revolução Francesa
 
O Poder Absoluto
O Poder AbsolutoO Poder Absoluto
O Poder Absoluto
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Antigo regime 2
Antigo regime 2Antigo regime 2
Antigo regime 2
 
Os teóricos do absolutismo
Os teóricos do absolutismoOs teóricos do absolutismo
Os teóricos do absolutismo
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
 
Identidade e Diversidade
Identidade e DiversidadeIdentidade e Diversidade
Identidade e Diversidade
 
Filosofia da ilustração ou iluminismo
Filosofia da ilustração ou iluminismoFilosofia da ilustração ou iluminismo
Filosofia da ilustração ou iluminismo
 

Semelhante a Absolutismo Monárquico e Iluminismo

iluminismo, seus pensadores e influências
iluminismo, seus pensadores e influênciasiluminismo, seus pensadores e influências
iluminismo, seus pensadores e influências
KleginaldoPaz2
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Janayna Lira
 
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História - Iluminismo
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História -  Iluminismowww.AulasParticularesApoio.Com.Br - História -  Iluminismo
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História - Iluminismo
Anna Paula
 
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - Iluminismo
www.AulasDeHistoriaApoio.com  - História - Iluminismowww.AulasDeHistoriaApoio.com  - História - Iluminismo
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - Iluminismo
AulasDeHistoriaApoio
 
www.ensinofundamental.net.br - História - Iluminismo
www.ensinofundamental.net.br - História -  Iluminismowww.ensinofundamental.net.br - História -  Iluminismo
www.ensinofundamental.net.br - História - Iluminismo
EnsinoFundamental
 
ILUMINISMO.pptx
ILUMINISMO.pptxILUMINISMO.pptx
ILUMINISMO.pptx
CamilaBiondi3
 
Iluminismo 2012
Iluminismo 2012Iluminismo 2012
Iluminismo 2012
ProfessoresColeguium
 
Iluminismos
IluminismosIluminismos
Iluminismos
REYSDS
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Valeria Kosicki
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
Marília Pimentel
 
A Era das Revoluções
A Era das RevoluçõesA Era das Revoluções
A Era das Revoluções
Paulo Alexandre
 
40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf
40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf
40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf
SamuelFernando44
 
Seculo xviii iluminismo
Seculo xviii iluminismoSeculo xviii iluminismo
Seculo xviii iluminismo
Teresa Maia
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Janaína Tavares
 
REVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESAREVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESA
Cristina Soares
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
José Gomes
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
Laerciolns12
 
revolucoes-atecomunismo-110713164905-phpapp02 (1).ppt
revolucoes-atecomunismo-110713164905-phpapp02 (1).pptrevolucoes-atecomunismo-110713164905-phpapp02 (1).ppt
revolucoes-atecomunismo-110713164905-phpapp02 (1).ppt
ADILSONRODRIGUESDASI5
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Adrielle Itaparica
 
Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecidoIluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido
Mozão Fraga
 

Semelhante a Absolutismo Monárquico e Iluminismo (20)

iluminismo, seus pensadores e influências
iluminismo, seus pensadores e influênciasiluminismo, seus pensadores e influências
iluminismo, seus pensadores e influências
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História - Iluminismo
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História -  Iluminismowww.AulasParticularesApoio.Com.Br - História -  Iluminismo
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História - Iluminismo
 
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - Iluminismo
www.AulasDeHistoriaApoio.com  - História - Iluminismowww.AulasDeHistoriaApoio.com  - História - Iluminismo
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - Iluminismo
 
www.ensinofundamental.net.br - História - Iluminismo
www.ensinofundamental.net.br - História -  Iluminismowww.ensinofundamental.net.br - História -  Iluminismo
www.ensinofundamental.net.br - História - Iluminismo
 
ILUMINISMO.pptx
ILUMINISMO.pptxILUMINISMO.pptx
ILUMINISMO.pptx
 
Iluminismo 2012
Iluminismo 2012Iluminismo 2012
Iluminismo 2012
 
Iluminismos
IluminismosIluminismos
Iluminismos
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
A Era das Revoluções
A Era das RevoluçõesA Era das Revoluções
A Era das Revoluções
 
40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf
40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf
40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf
 
Seculo xviii iluminismo
Seculo xviii iluminismoSeculo xviii iluminismo
Seculo xviii iluminismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
REVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESAREVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESA
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
 
revolucoes-atecomunismo-110713164905-phpapp02 (1).ppt
revolucoes-atecomunismo-110713164905-phpapp02 (1).pptrevolucoes-atecomunismo-110713164905-phpapp02 (1).ppt
revolucoes-atecomunismo-110713164905-phpapp02 (1).ppt
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecidoIluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido
 

Mais de Valéria Shoujofan

América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
Valéria Shoujofan
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Valéria Shoujofan
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Valéria Shoujofan
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
Valéria Shoujofan
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Valéria Shoujofan
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Valéria Shoujofan
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Valéria Shoujofan
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Valéria Shoujofan
 
Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)
Valéria Shoujofan
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVII
Valéria Shoujofan
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
Valéria Shoujofan
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Valéria Shoujofan
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
Valéria Shoujofan
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
Valéria Shoujofan
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Valéria Shoujofan
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Valéria Shoujofan
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Valéria Shoujofan
 
Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1
Valéria Shoujofan
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Valéria Shoujofan
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVI
Valéria Shoujofan
 

Mais de Valéria Shoujofan (20)

América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
 
Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVII
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
 
Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVI
 

Último

As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 

Último (20)

As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 

Absolutismo Monárquico e Iluminismo

  • 2.  O Absolutismo marcou a Idade Moderna.  Atingiu seu auge na França com Luís XIV e Luís XV.  O rei absolutista acreditava que só respondia a Deus pelas suas ações.  Não se deve pensar que os monarcas não faziam acordos, era necessário o apoio da nobreza e de parte da burguesia. Luís XIV, o 2 rei Sol.
  • 3.  “Só de Deus recebemos a nossa coroa, e o direito de fazer leis pertence-nos sem partilha nem dependência.”(Luís XV, em dezembro de 1770)  Jacques-Bénigne Bossuet foi um dos maiores defensores do absolutismo e, simultaneamente, do "direito divino dos reis"; afirmava que a Monarquia era a origem divina.  Desobedecer ao rei era afrontar ao Luís XV próprio Deus. 3
  • 4.  Maquiavel defendia o Estado como um fim em si mesmo, afirmando que os soberanos poderiam utilizar-se de todos os meios necessários para garantir a conquista e a continuidade do seu poder. As ações do Estado são regidas, sobretudo, pela racionalidade.  Jean Bodin, sua obra foi 'Os seis livros da República', associava o Estado à própria célula familiar, colocando o poder real como ilimitado, comparado ao chefe de família. 4
  • 5. Thomas Hobbes, no Leviatã, proclamou que, em seu estado natural, o ser humanos é violento e sem limites; buscando escapar da guerra de todos contra todos, os homens uniram-se em torno de um contrato social, legando a um soberano todos os direitos para protegê-los Ilustração do Leviatã. contra a violência. 5
  • 6. Hobbes defende a teoria de que um rei só poderia subir ao trono pela vontade do povo e não pela vontade divina. A Monarquia é justificada pelo consenso social. Suas idéias foram criticadas, porque não havia lugar para Deus em suas teorias. Hugo Grotius, pioneiro do direito internacional, defendia que, se todos os países adotassem o Absolutismo, seria possível se estabelecer um sistema único de legislação. 6
  • 7. Família de Camponeses Luís XVI – Último Monarca do Antigo Regime Sociedade das “Três Ordens”. 7
  • 8. Os Iluministas desejavam o fim:  Do Absolutismo;  Do Mercantilismo;  Dos privilégios da nobreza e do clero; Os iluministas mais importantes eram franceses e a França era a principal nação absolutista, que resistia a qualquer reforma do Antigo Regime. 8
  • 9. O fim do Absolutismo; A Igualdade Jurídica entre todos os homens; O livre-pensamento; A importância da razão; Os direitos naturais, que variavam de autor para autor; 9
  • 10.  Defendia a existência de três direitos naturais: vida, liberdade e propriedade;  Que todos os governos existiam por um Contrato Social e deveriam garantir esses direitos;  Que quando o governo falhava em garantir os direitos naturais, os cidadãos poderiam se rebelar.  Suas idéias influenciaram a Revolução Americana. 10
  • 11.  Crítico do fanatismo religioso;  Defendia um governo de poderes limitados, nos moldes ingleses;  Acreditava que todos os homens tinham direitos naturais: a liberdade, a propriedade e a proteção das leis;  Era resistente à ampla participação popular no governo, o poder deveria estar nas mãos dos mais capacitados; 11
  • 12.  Propôs a divisão do poder em três: Executivo, Legislativo e judiciário;  Esses poderes seriam iguais em importância e independentes.  Defendeu que o despotismo era a melhor forma de governo para os grandes impérios, a monarquia seria adequada aos Estados de tamanho médio, e a República aos pequenos Estados; 12
  • 13.  Era contra a propriedade privada, não se alinhava aos interesses burgueses;  Defendia o direito de participação política de todos os homens, as mulheres estavam excluídas;  Segundo ele, todos os homens nasciam bons (bom selvagem) e a sociedade os corrompia;  Defendia a importância da educação. 13
  • 14.  Diderot e D’Alembert dirigiram uma grande obra que tinha como objetivo sintetizar todo o conhecimento da época;  A enciclopédia, que tinha 35 volumes, celebrava a razão e todos os grandes pensadores foram convidados a colaborar;  O resultado foi a exposição da diversidade do pensamento da época e que alguns autores discordavam muito entre si; 14
  • 15.  A primeira escola de economia nasceu na França. Os Fisiocratas defendiam que a terra era a fonte de toda riqueza;  Na Inglaterra, Adam Smith lança as bases teóricas do liberalismo econômico e defende que a base da riqueza é o trabalho;  Fisiocratas e Liberais eram contra o mercantilismo e a intervenção do Estado na economia; 15
  • 16. REUNIÕES ILUSTRADAS Salão de Madame Geoffrin – Nobres e burgueses abriam seus salões para reuniões e saraus com a presença de filósofos e cientistas iluministas. 16
  • 17. DÉSPOTAS ESCLARECIDOS  Alguns monarcas fizeram reformas com base nas idéias iluministas;  O objetivo era modernizar países como Portugal (Marquês de Pombal), Rússia (Pedro, o Grande e Catarina II), Prússia (Frederico II), Áustria (José II), etc.;  As reformas atendiam algumas demandas burguesas, sem Marquês de Pombal, Ministro de D. José I mudar a estrutura de poder; 17
  • 18.  O século XVIII é um dos períodos mais importantes da música;  Os monarcas absolutistas eram os grandes patrocinadores das artes e da música;  Mozart, Haydn, Bach, Händel, Vivaldi e Beethoven foram grandes nomes do período;  Atrelados aos grandes nobres, os músicos eram vistos não como artistas, mas artesãos.  Beethoven foi o primeiro a conseguir romper com este esquema, afirmando a sua individualidade aos moldes burgueses. 18