SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Lira dos vinte anos,
   Álvares de Azevedo
       Manoel Neves
ÁLVARES DE AZEVEDO
                         [o mal-do-século é a solidão]
                                  MAL-DO-SÉCULO
                        [melancolia, spleen,obsessão pela morte]


A melancolia [melanina kole: “bile negra”], segundo os gregos, é um humor secretado pelo
baço [sede dos sentimentos] é consiste numa radical negação da perda. De acordo com a
psicanálise, o sujeito melancólico não consegue desligar-se de seu objeto perdido, o que o leva
a perder o interesse pela vida. Em alguns casos, a melancolia pode se tornar um caso
patológico, e exigir tratamento médico.
A POESIA DO ROMANTISMO
                                 segunda geração
                                 MAL-DO-SÉCULO
                      [melancolia, spleen,obsessão pela morte]


                                        SONETO

Já da morte o palor me cobre o rosto,
Nos lábios meus o alento desfalece,
Surda agonia o coração fenece,
E devora meu ser mortal desgosto!
                                                                   derrotismo
Do leito embalde no macio encosto
Tento o sono reter!... Já esmorece          a tristeza [mágoa] leva o locutor a um estado do prostração
O corpo exausto que o repouso esquece
Eis o estado em que a mágoa me tem posto!                          melancolia

O adeus, o teu adeus, minha saudade,              a tristeza profunda leva à obsessão pela morte
Fazem que insano do viver me prive
E tenha os olhos meus na escuridade                    sofrimento amoroso e idealização

Dá-me a esperança com que o seu mantive!
Volve ao amante os olhos por piedade,
Olhos por quem viveu quem já não vive!
ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS

                                      epígrafes
                    Cantando a vida, como o cisne a morte!
                    Dieu, amour et poésie sont les
                    trois mots que je voudrais
                    seuls graver sur ma pierre,
                    si je mérite une pierre!

                                      estrutura

        PARTES 1 e 3                                                    PARTE 2

solar, idealização, ingenuidade                             ironia, pessimismo, spleen
      A FACE DE ARIEL                                           A FACE DE CALIBAN

                                     dedicatória

            O livro é dedicado à mãe do poeta [proposta de volta ao seio materno]

                                   [postura adolescente]
ARIEL: primeira e terceira partes

                             suave          ingênuo         sensível
  IDEALIZAÇÃO
                              sentimental        elegíaco        recatado

                                            Era o vate da Corte – bem nutrido,
Descansem o meu leito solitário             Farto de sangue, mas de veia pobre,
Na floresta dos homens esquecida.           Caídos beiços, volumoso abdômen,
À sombra de uma cruz, e escrevam nela:      Grisalha cabeleira esparramada,
– Foi poeta – sonhou – e amou na vida.      Tremendo narigão, mas testa curta;
                                            Em suma, um glosador de sobremesas.

                           macabro           satírico        sarcástico
DESIDEALIZAÇÃO
                             ironia          cinismo        irreverência



                            CALIBAN: segunda parte
A POESIA DO ROMANTISMO
                                 segunda geração
                                A FACE DE ARIEL
                             [visão ingênua e sentimental]


                             DREAMS, DREAMS, DREAMS
Virgem do meu amor, o beijo a furto
Que pouso em tua face adormecida
Não te lembra no peito os meus amores
E a febre de sonhar da minha vida?
Dorme, ó anjo de amor! no teu silêncio                         lirismo amoroso
O meu peito se afoga de ternura
E sinto que o porvir não vale um beijo           a mulher amada aparece idealizada pelo locutor
E o céu um teu suspiro de ventura!
                                                                  idealização
Um beijo divinal que acende as veias,
Que de encantos os olhos ilumina,                      mulher [virgem, anjo, adormecida]
Colhido a medo como flor da noite
Do teu lábio na rosa purpurina                     impossibilidade de realização amorosa
E um volver de teus olhos transparentes,
Um olhar dessa pálpebra sombria,
Talvez pudessem reviver-me n’alma
As santas ilusões de que eu vivia!
A POESIA DO ROMANTISMO
                                 segunda geração
                              O AMOR IDEALIZADO
                  [mulher indisponível: branca, anjo, morta, virgem]


                                         SONETO

Pálida, à luz da lâmpada sombria,
Sobre o leito de flores reclinada,                                 idealização
Como a lua por noite embalsamada,
Entre as nuvens do amor ela dormia!                       vocabulário ligado à cor branca
Era a virgem do mar! Na escuma fria
                                                   mulher morta, mulher dormindo, anjo, virgem
Pela maré das águas embalada!
Era um anjo entre nuvens d’alvorada           o locutor observa a amada, mas não parte para a ação
Que em sonhos se banhava e se esquecia!
                                                                  poeta voyeur
Era mais bela! O seio palpitando...
Negros olhos as pálpebras abrindo...                           imagens sensuais
Formas nuas no leito resvalando...
                                              medo de amar [mulher indisponível + mulher idealizada]
Não te rias de mim, meu anjo lindo!
Por ti – as noites eu velei chorando,                     visão ingênua e sentimental
Por ti – nos sonhos morrerei sorrindo.
A FACE DE ARIEL: uma postura doce e meiga


                                              amada dormindo
                   medo                              anjo
                    de                          virgem morta
                                                   criança
                   amar                      a figura da estátua

O medo de amar é a revelação de uma postura imatura, adolescente e ingênua por parte do
poeta: diante da mulher de sua classe social, adota uma postura tímida e recatada para
expressar a impossibilidade do contato erótico.
A POESIA DO ROMANTISMO
                                 segunda geração
                                 A FACE DE ARIEL
                             [visão ingênua e sentimental]


                                     VIRGEM MORTA
Ó minha amante, minha doce virgem,
Eu não te profanei, tu dormes pura:
No sono do mistério, qual na vida,
Podes sonhar ainda na ventura.
                                                        lirismo amoroso [idealização]
Bem cedo, ao menos, eu serei contigo
— Na dor do coração a morte leio...              a mulher aparece como virgem [irmã dos anjos]
Poderei amanhã, talvez, meus lábios
Da irmã dos anjos encostar no seio...                            mulher morta
Morreu com ela da esperança o mundo!...              [idealizada e indisponível para o sexo]
No leito virginal de minha noiva
Quero, nas sombras do verão da vida,                   melancolia [sofrimento amoroso]
Prantear os meus únicos amores,
                                                          medo de amar [idealização]
Quero ali, ao luar, sentir passando
Por alta noite a viração marinha,
E ouvir, bem junto às flores do sepulcro,
Os sonhos de su’alma inocentinha.
A POESIA DO ROMANTISMO
                                segunda geração
                                A FACE DE ARIEL
                            [visão ingênua e sentimental]


                              LEMBRANÇA DE MORRER
Quando em meu peito rebentar-se a fibra,
Que o espírito enlaça à dor vivente,
Não derramem por mim nenhuma lágrima
Em pálpebra demente
                                                            spleen [mal-do-século]
Eu deixo a vida como deixa o tédio
Do deserto, o poento caminheiro                                  melancolia
- Como as horas de um longo pesadelo
Que se desfez ao dobre do sineiro;                              mulher morta
Só levo uma saudade – é dessas sombras                      postura adolescente
Que eu sentia velar nas noites minhas...
De ti, ó minha mãe! Pobre coitada                    [ligação com a irmã e com a mãe]
Que por minha tristeza te definhas!
                                                                 idealização
Mas quando preludia ave d’aurora
E quando à meia-noite o céu repousa,
Arvoredos do bosque, abri os ramos...
Deixai a lua pratear-me a lousa!
SEGUNDA INTRODUÇÃO: A face de Caliban
Cuidado, leitor, ao voltar a página! Aqui dissipa-se o mundo visionário e platônico. Vamos
entrar num mundo novo, terra fantástica, verdadeira ilha Barataria de D. Quixote, onde
Sancho é rei; e vivem Panúrgio, sir John Falstaff, Bardolph, Fígaro e o Sganarello de D. João
Tenório: a pátria dos sonhos de Cervantes e Shakespeare. Quase que depois de Ariel
esbarramos em Caliban. A razão é simples. É que a unidade deste livro funda-se numa
binomia. Duas almas que moram nas cavernas de um cérebro pouco mais ou menos de poeta
escreveram este livro, verdadeira medalha de duas faces. Demais, perdoem-me os poetas do
tempo, isto aqui é um tema, senão mais novo, menos esgotado ao menos que o
sentimentalismo tão fashionable desde Werther e René.

                              ALGUMAS CONSIDERAÇÕES


      esta segunda introdução [de cunho metalingüístico] alerta o leitor para a temática da

      da segunda parte da Lira dos vinte anos [desidealização, satanismo, ironia romântica]

       trata-se, na verdade, de uma carta de intenções que objetiva aliar-se ao byronismo
A POESIA DO ROMANTISMO
                                  segunda geração
                 A IRONIA ROMÂNTICA: POETA MALDITO
                   [a face de caliban: visão sarcástica do mundo]


                                       SEM TÍTULO
Eu durmo e vivo ao sol como um cigano,
Fumando meu cigarro vaporoso;
Nas noites de verão namoro estrelas;
Sou pobre, sou mendigo e sou ditoso!
Ando roto, sem bolsos nem dinheiro;
Mas tenho na viola uma riqueza:                                  a ironia romântica
Canto à lua de noite serenatas,
                                                          poeta maldito, vagabundo, marginal
E quem vive de amor não tem pobreza.
Não invejo ninguém, nem ouço a raiva                           desidealização
Nas cavernas do peito, sufocante,
                                           a mulher de carne e osso aparece disponível sexualmente
Quando à noite na treva em mim se entornam
Os reflexos do baile fascinante.
Namoro e sou feliz nos meus amores;
Sou garboso e rapaz... Uma criada
Abrasada de amor por um soneto
Já um beijo me deu subindo a escada...
A POESIA DO ROMANTISMO
                                segunda geração
                A IRONIA ROMÂNTICA: POETA MALDITO
                  [a face de caliban: visão sarcástica do mundo]


                                O POETA MORIBUNDO
Poetas! amanhã ao meu cadáver
Minha tripa cortai mais sonorosa!...
Façam dela uma corda e cantem nela
Os amores da vida esperançosa!
Coração, por que tremes? Vejo a morte,                      desidealização
Ali vem lazarenta e desdentada...
Que noiva!... E devo então dormir com ela?         poeta maldito, vagabundo, marginal
Se ela ao menos dormisse mascarada!
                                                       carnavalização da morte
No inferno estão suavíssimas belezas,
Cleópatras, Helenas, Eleonoras;                a morte é vista como uma celebração festiva
Lá se namora em boa companhia,
Não pode haver inferno com Senhoras!          corrosão das convenções sociais [byronismo]

Se é verdade que os homens gozadores,
Amigos de no vinho ter consolos,
Foram com Satanás fazer colônia,
Antes lá que do Céu sofrer os tolos!
A POESIA DO ROMANTISMO
                                 segunda geração
               NEGAÇÃO DA PERDA, DESEJO DE MORTE
                   [a face de caliban: visão sarcástica do mundo]


                                      SEM TÍTULO
Morrer! Morrer! É a voz das sepulturas!
Como a lua nas salas festivas                                  dor e sofrimento
A morte em nós se estampa!
E os pobres sonhadores de venturas           a morte é desejada, como possível fim para o sofrimento
Roxeiam amanhã nos funerais
E vão rolar na campa!                                              morbidez

E por três noites padeci três anos,                               melancolia
Na vida cheia de saudade infinda...
Três anos de esperança e de martírio...                          desertificação
Três anos de sofrer – e espero ainda!
A POESIA DO ROMANTISMO
                                  segunda geração
                 A IRONIA ROMÂNTICA: POETA MALDITO
                   [a face de caliban: visão sarcástica do mundo]


                              É ELA! É ELA! É ELA! É ELA!
É ela! é ela! murmurei tremendo,
E o eco ao longe murmurou - é ela!
Eu a vi... minha fada aérea e pura -
A minha lavadeira na janela!
Esta noite eu ousei mais atrevido                              a ironia romântica
Nas telhas que estalavam nos meus passos
Ir espiar seu venturoso sono,                 a mulher de classes baixas está disponível para o sexo
Vê-la mais bela de Morfeu nos braços!
                                                                 desidealização
Como dormia! que profundo sono!...
Tinha na mão o ferro do engomado...                 [lavadeira, ferro de passar roupas, ronco]
Como roncava maviosa e pura!...
Quase caí na rua desmaiado!                            postura imatura e preconceituosa

Afastei a janela, entrei medroso...
Palpitava-lhe o seio adormecido...
Fui beijá-la... roubei do seio dela
Um bilhete que estava ali metido...

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os Gêneros Literários
Os Gêneros LiteráriosOs Gêneros Literários
Os Gêneros Literários
7 de Setembro
 
Prosa x poema x soneto
Prosa x poema x sonetoProsa x poema x soneto
Prosa x poema x soneto
Valeria Nunes
 
3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil
GabrielaLimaPereira
 
Terceira geração da poesia romântica
Terceira geração da poesia românticaTerceira geração da poesia romântica
Terceira geração da poesia romântica
ma.no.el.ne.ves
 

Mais procurados (20)

Os Gêneros Literários
Os Gêneros LiteráriosOs Gêneros Literários
Os Gêneros Literários
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Prosa x poema x soneto
Prosa x poema x sonetoProsa x poema x soneto
Prosa x poema x soneto
 
Iracema - José de Alencar
Iracema - José de AlencarIracema - José de Alencar
Iracema - José de Alencar
 
3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil
 
Poesias rima e metrica
Poesias rima e metricaPoesias rima e metrica
Poesias rima e metrica
 
Literatura: Primeira Geração Romântica Brasileira
Literatura: Primeira Geração Romântica BrasileiraLiteratura: Primeira Geração Romântica Brasileira
Literatura: Primeira Geração Romântica Brasileira
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Terceira geração da poesia romântica
Terceira geração da poesia românticaTerceira geração da poesia romântica
Terceira geração da poesia romântica
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Metrificação e escansão
Metrificação e escansãoMetrificação e escansão
Metrificação e escansão
 
Modernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª faseModernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª fase
 
Arte e literatura
Arte e literaturaArte e literatura
Arte e literatura
 
Romantismo poesia - 3ª geração
Romantismo   poesia - 3ª geraçãoRomantismo   poesia - 3ª geração
Romantismo poesia - 3ª geração
 
Literatura revisão
Literatura   revisãoLiteratura   revisão
Literatura revisão
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
 
Gênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian TrombiniGênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian Trombini
 
O Gênero Épico - Poesia
O Gênero Épico - Poesia O Gênero Épico - Poesia
O Gênero Épico - Poesia
 
Parnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo BilacParnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo Bilac
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
 

Destaque

Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedoAps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
juliannecarvalho
 
Alvares de azevedo lira dos vinte anos
Alvares de azevedo   lira dos vinte anosAlvares de azevedo   lira dos vinte anos
Alvares de azevedo lira dos vinte anos
Tulipa Zoá
 
Alvares de azevedo
Alvares de azevedoAlvares de azevedo
Alvares de azevedo
030577
 
Spend one million_dollars_student_guide
Spend one million_dollars_student_guideSpend one million_dollars_student_guide
Spend one million_dollars_student_guide
dbrooks112
 
Análise de i juca-pirama, de gonçalves dias
Análise de i juca-pirama, de gonçalves diasAnálise de i juca-pirama, de gonçalves dias
Análise de i juca-pirama, de gonçalves dias
ma.no.el.ne.ves
 
RIMA VOCAL E
RIMA VOCAL ERIMA VOCAL E
RIMA VOCAL E
amonlop
 
Análise de teoria do medalhão
Análise de teoria do medalhãoAnálise de teoria do medalhão
Análise de teoria do medalhão
ma.no.el.ne.ves
 
Introdução ao realismo naturalismo
Introdução ao realismo naturalismoIntrodução ao realismo naturalismo
Introdução ao realismo naturalismo
ma.no.el.ne.ves
 
Joaquim de sousa andrade
Joaquim de sousa andradeJoaquim de sousa andrade
Joaquim de sousa andrade
Julia Rech
 

Destaque (20)

Slide Lira dos 20 anos de Alvares de Azevedo
Slide Lira dos 20 anos de Alvares de AzevedoSlide Lira dos 20 anos de Alvares de Azevedo
Slide Lira dos 20 anos de Alvares de Azevedo
 
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedoAps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
 
Alvares de azevedo lira dos vinte anos
Alvares de azevedo   lira dos vinte anosAlvares de azevedo   lira dos vinte anos
Alvares de azevedo lira dos vinte anos
 
Álvares de Azevedo - poemas
Álvares de Azevedo - poemasÁlvares de Azevedo - poemas
Álvares de Azevedo - poemas
 
Lira dos vinte anos (3)marco 2º b
Lira dos vinte anos (3)marco 2º bLira dos vinte anos (3)marco 2º b
Lira dos vinte anos (3)marco 2º b
 
Alvares de azevedo
Alvares de azevedoAlvares de azevedo
Alvares de azevedo
 
Spend one million_dollars_student_guide
Spend one million_dollars_student_guideSpend one million_dollars_student_guide
Spend one million_dollars_student_guide
 
Apologo vilhena-RO 9º A
Apologo vilhena-RO 9º AApologo vilhena-RO 9º A
Apologo vilhena-RO 9º A
 
Análise de i juca-pirama, de gonçalves dias
Análise de i juca-pirama, de gonçalves diasAnálise de i juca-pirama, de gonçalves dias
Análise de i juca-pirama, de gonçalves dias
 
Álvares de Azevedo
Álvares de AzevedoÁlvares de Azevedo
Álvares de Azevedo
 
ãLvares de azevedo giovana 2º b
ãLvares de azevedo  giovana 2º bãLvares de azevedo  giovana 2º b
ãLvares de azevedo giovana 2º b
 
RIMA VOCAL E
RIMA VOCAL ERIMA VOCAL E
RIMA VOCAL E
 
O diário
O diárioO diário
O diário
 
A notícia
A notíciaA notícia
A notícia
 
Análise de teoria do medalhão
Análise de teoria do medalhãoAnálise de teoria do medalhão
Análise de teoria do medalhão
 
Depoimento
DepoimentoDepoimento
Depoimento
 
Curso de Historia de Argentina
Curso de Historia de ArgentinaCurso de Historia de Argentina
Curso de Historia de Argentina
 
Introdução ao realismo naturalismo
Introdução ao realismo naturalismoIntrodução ao realismo naturalismo
Introdução ao realismo naturalismo
 
Análise na arca
Análise na arcaAnálise na arca
Análise na arca
 
Joaquim de sousa andrade
Joaquim de sousa andradeJoaquim de sousa andrade
Joaquim de sousa andrade
 

Semelhante a Análise de lira dos vinte anos, de álvares de azevedo (20)

Segunda geração da poesia romântica
Segunda geração da poesia românticaSegunda geração da poesia romântica
Segunda geração da poesia romântica
 
Mestres Da Poesia Pps 2a EdiçãO(Fmm Prod)
Mestres Da Poesia Pps 2a EdiçãO(Fmm Prod)Mestres Da Poesia Pps 2a EdiçãO(Fmm Prod)
Mestres Da Poesia Pps 2a EdiçãO(Fmm Prod)
 
Florbela Espanca
Florbela Espanca Florbela Espanca
Florbela Espanca
 
Poetas
PoetasPoetas
Poetas
 
Poetas
PoetasPoetas
Poetas
 
Romantismo poesia - 2ª geração
Romantismo   poesia -  2ª geraçãoRomantismo   poesia -  2ª geração
Romantismo poesia - 2ª geração
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas
PoetasPoetas
Poetas
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas An
Poetas AnPoetas An
Poetas An
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 

Mais de ma.no.el.ne.ves

Mais de ma.no.el.ne.ves (20)

Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: LiteraturaSegunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologiasSegunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileirasSegunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação FísicaSegunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textualSegunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticaisSegunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: ArtesSegunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
 
ENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: LiteraturaENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: Literatura
 
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e TecnologiasENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
 
ENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileirasENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileiras
 
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos GramaticaisENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
 
ENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação FísicaENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação Física
 
ENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão TextualENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão Textual
 
ENEM-2019: Artes
ENEM-2019: ArtesENEM-2019: Artes
ENEM-2019: Artes
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e InternetTerceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: LiteraturaTerceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação FísicaTerceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão TextualTerceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: ArtesTerceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
 
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
 

Último

Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Dirceu Resende
 

Último (6)

Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdfCertificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
 
Concurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdf
Concurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdfConcurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdf
Concurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdf
 
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdfApresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
 
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
 
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfFrom_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
 

Análise de lira dos vinte anos, de álvares de azevedo

  • 1. Lira dos vinte anos, Álvares de Azevedo Manoel Neves
  • 2. ÁLVARES DE AZEVEDO [o mal-do-século é a solidão] MAL-DO-SÉCULO [melancolia, spleen,obsessão pela morte] A melancolia [melanina kole: “bile negra”], segundo os gregos, é um humor secretado pelo baço [sede dos sentimentos] é consiste numa radical negação da perda. De acordo com a psicanálise, o sujeito melancólico não consegue desligar-se de seu objeto perdido, o que o leva a perder o interesse pela vida. Em alguns casos, a melancolia pode se tornar um caso patológico, e exigir tratamento médico.
  • 3. A POESIA DO ROMANTISMO segunda geração MAL-DO-SÉCULO [melancolia, spleen,obsessão pela morte] SONETO Já da morte o palor me cobre o rosto, Nos lábios meus o alento desfalece, Surda agonia o coração fenece, E devora meu ser mortal desgosto! derrotismo Do leito embalde no macio encosto Tento o sono reter!... Já esmorece a tristeza [mágoa] leva o locutor a um estado do prostração O corpo exausto que o repouso esquece Eis o estado em que a mágoa me tem posto! melancolia O adeus, o teu adeus, minha saudade, a tristeza profunda leva à obsessão pela morte Fazem que insano do viver me prive E tenha os olhos meus na escuridade sofrimento amoroso e idealização Dá-me a esperança com que o seu mantive! Volve ao amante os olhos por piedade, Olhos por quem viveu quem já não vive!
  • 4. ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS epígrafes Cantando a vida, como o cisne a morte! Dieu, amour et poésie sont les trois mots que je voudrais seuls graver sur ma pierre, si je mérite une pierre! estrutura PARTES 1 e 3 PARTE 2 solar, idealização, ingenuidade ironia, pessimismo, spleen A FACE DE ARIEL A FACE DE CALIBAN dedicatória O livro é dedicado à mãe do poeta [proposta de volta ao seio materno] [postura adolescente]
  • 5. ARIEL: primeira e terceira partes suave ingênuo sensível IDEALIZAÇÃO sentimental elegíaco recatado Era o vate da Corte – bem nutrido, Descansem o meu leito solitário Farto de sangue, mas de veia pobre, Na floresta dos homens esquecida. Caídos beiços, volumoso abdômen, À sombra de uma cruz, e escrevam nela: Grisalha cabeleira esparramada, – Foi poeta – sonhou – e amou na vida. Tremendo narigão, mas testa curta; Em suma, um glosador de sobremesas. macabro satírico sarcástico DESIDEALIZAÇÃO ironia cinismo irreverência CALIBAN: segunda parte
  • 6. A POESIA DO ROMANTISMO segunda geração A FACE DE ARIEL [visão ingênua e sentimental] DREAMS, DREAMS, DREAMS Virgem do meu amor, o beijo a furto Que pouso em tua face adormecida Não te lembra no peito os meus amores E a febre de sonhar da minha vida? Dorme, ó anjo de amor! no teu silêncio lirismo amoroso O meu peito se afoga de ternura E sinto que o porvir não vale um beijo a mulher amada aparece idealizada pelo locutor E o céu um teu suspiro de ventura! idealização Um beijo divinal que acende as veias, Que de encantos os olhos ilumina, mulher [virgem, anjo, adormecida] Colhido a medo como flor da noite Do teu lábio na rosa purpurina impossibilidade de realização amorosa E um volver de teus olhos transparentes, Um olhar dessa pálpebra sombria, Talvez pudessem reviver-me n’alma As santas ilusões de que eu vivia!
  • 7. A POESIA DO ROMANTISMO segunda geração O AMOR IDEALIZADO [mulher indisponível: branca, anjo, morta, virgem] SONETO Pálida, à luz da lâmpada sombria, Sobre o leito de flores reclinada, idealização Como a lua por noite embalsamada, Entre as nuvens do amor ela dormia! vocabulário ligado à cor branca Era a virgem do mar! Na escuma fria mulher morta, mulher dormindo, anjo, virgem Pela maré das águas embalada! Era um anjo entre nuvens d’alvorada o locutor observa a amada, mas não parte para a ação Que em sonhos se banhava e se esquecia! poeta voyeur Era mais bela! O seio palpitando... Negros olhos as pálpebras abrindo... imagens sensuais Formas nuas no leito resvalando... medo de amar [mulher indisponível + mulher idealizada] Não te rias de mim, meu anjo lindo! Por ti – as noites eu velei chorando, visão ingênua e sentimental Por ti – nos sonhos morrerei sorrindo.
  • 8. A FACE DE ARIEL: uma postura doce e meiga amada dormindo medo anjo de virgem morta criança amar a figura da estátua O medo de amar é a revelação de uma postura imatura, adolescente e ingênua por parte do poeta: diante da mulher de sua classe social, adota uma postura tímida e recatada para expressar a impossibilidade do contato erótico.
  • 9. A POESIA DO ROMANTISMO segunda geração A FACE DE ARIEL [visão ingênua e sentimental] VIRGEM MORTA Ó minha amante, minha doce virgem, Eu não te profanei, tu dormes pura: No sono do mistério, qual na vida, Podes sonhar ainda na ventura. lirismo amoroso [idealização] Bem cedo, ao menos, eu serei contigo — Na dor do coração a morte leio... a mulher aparece como virgem [irmã dos anjos] Poderei amanhã, talvez, meus lábios Da irmã dos anjos encostar no seio... mulher morta Morreu com ela da esperança o mundo!... [idealizada e indisponível para o sexo] No leito virginal de minha noiva Quero, nas sombras do verão da vida, melancolia [sofrimento amoroso] Prantear os meus únicos amores, medo de amar [idealização] Quero ali, ao luar, sentir passando Por alta noite a viração marinha, E ouvir, bem junto às flores do sepulcro, Os sonhos de su’alma inocentinha.
  • 10. A POESIA DO ROMANTISMO segunda geração A FACE DE ARIEL [visão ingênua e sentimental] LEMBRANÇA DE MORRER Quando em meu peito rebentar-se a fibra, Que o espírito enlaça à dor vivente, Não derramem por mim nenhuma lágrima Em pálpebra demente spleen [mal-do-século] Eu deixo a vida como deixa o tédio Do deserto, o poento caminheiro melancolia - Como as horas de um longo pesadelo Que se desfez ao dobre do sineiro; mulher morta Só levo uma saudade – é dessas sombras postura adolescente Que eu sentia velar nas noites minhas... De ti, ó minha mãe! Pobre coitada [ligação com a irmã e com a mãe] Que por minha tristeza te definhas! idealização Mas quando preludia ave d’aurora E quando à meia-noite o céu repousa, Arvoredos do bosque, abri os ramos... Deixai a lua pratear-me a lousa!
  • 11. SEGUNDA INTRODUÇÃO: A face de Caliban Cuidado, leitor, ao voltar a página! Aqui dissipa-se o mundo visionário e platônico. Vamos entrar num mundo novo, terra fantástica, verdadeira ilha Barataria de D. Quixote, onde Sancho é rei; e vivem Panúrgio, sir John Falstaff, Bardolph, Fígaro e o Sganarello de D. João Tenório: a pátria dos sonhos de Cervantes e Shakespeare. Quase que depois de Ariel esbarramos em Caliban. A razão é simples. É que a unidade deste livro funda-se numa binomia. Duas almas que moram nas cavernas de um cérebro pouco mais ou menos de poeta escreveram este livro, verdadeira medalha de duas faces. Demais, perdoem-me os poetas do tempo, isto aqui é um tema, senão mais novo, menos esgotado ao menos que o sentimentalismo tão fashionable desde Werther e René. ALGUMAS CONSIDERAÇÕES esta segunda introdução [de cunho metalingüístico] alerta o leitor para a temática da da segunda parte da Lira dos vinte anos [desidealização, satanismo, ironia romântica] trata-se, na verdade, de uma carta de intenções que objetiva aliar-se ao byronismo
  • 12. A POESIA DO ROMANTISMO segunda geração A IRONIA ROMÂNTICA: POETA MALDITO [a face de caliban: visão sarcástica do mundo] SEM TÍTULO Eu durmo e vivo ao sol como um cigano, Fumando meu cigarro vaporoso; Nas noites de verão namoro estrelas; Sou pobre, sou mendigo e sou ditoso! Ando roto, sem bolsos nem dinheiro; Mas tenho na viola uma riqueza: a ironia romântica Canto à lua de noite serenatas, poeta maldito, vagabundo, marginal E quem vive de amor não tem pobreza. Não invejo ninguém, nem ouço a raiva desidealização Nas cavernas do peito, sufocante, a mulher de carne e osso aparece disponível sexualmente Quando à noite na treva em mim se entornam Os reflexos do baile fascinante. Namoro e sou feliz nos meus amores; Sou garboso e rapaz... Uma criada Abrasada de amor por um soneto Já um beijo me deu subindo a escada...
  • 13. A POESIA DO ROMANTISMO segunda geração A IRONIA ROMÂNTICA: POETA MALDITO [a face de caliban: visão sarcástica do mundo] O POETA MORIBUNDO Poetas! amanhã ao meu cadáver Minha tripa cortai mais sonorosa!... Façam dela uma corda e cantem nela Os amores da vida esperançosa! Coração, por que tremes? Vejo a morte, desidealização Ali vem lazarenta e desdentada... Que noiva!... E devo então dormir com ela? poeta maldito, vagabundo, marginal Se ela ao menos dormisse mascarada! carnavalização da morte No inferno estão suavíssimas belezas, Cleópatras, Helenas, Eleonoras; a morte é vista como uma celebração festiva Lá se namora em boa companhia, Não pode haver inferno com Senhoras! corrosão das convenções sociais [byronismo] Se é verdade que os homens gozadores, Amigos de no vinho ter consolos, Foram com Satanás fazer colônia, Antes lá que do Céu sofrer os tolos!
  • 14. A POESIA DO ROMANTISMO segunda geração NEGAÇÃO DA PERDA, DESEJO DE MORTE [a face de caliban: visão sarcástica do mundo] SEM TÍTULO Morrer! Morrer! É a voz das sepulturas! Como a lua nas salas festivas dor e sofrimento A morte em nós se estampa! E os pobres sonhadores de venturas a morte é desejada, como possível fim para o sofrimento Roxeiam amanhã nos funerais E vão rolar na campa! morbidez E por três noites padeci três anos, melancolia Na vida cheia de saudade infinda... Três anos de esperança e de martírio... desertificação Três anos de sofrer – e espero ainda!
  • 15. A POESIA DO ROMANTISMO segunda geração A IRONIA ROMÂNTICA: POETA MALDITO [a face de caliban: visão sarcástica do mundo] É ELA! É ELA! É ELA! É ELA! É ela! é ela! murmurei tremendo, E o eco ao longe murmurou - é ela! Eu a vi... minha fada aérea e pura - A minha lavadeira na janela! Esta noite eu ousei mais atrevido a ironia romântica Nas telhas que estalavam nos meus passos Ir espiar seu venturoso sono, a mulher de classes baixas está disponível para o sexo Vê-la mais bela de Morfeu nos braços! desidealização Como dormia! que profundo sono!... Tinha na mão o ferro do engomado... [lavadeira, ferro de passar roupas, ronco] Como roncava maviosa e pura!... Quase caí na rua desmaiado! postura imatura e preconceituosa Afastei a janela, entrei medroso... Palpitava-lhe o seio adormecido... Fui beijá-la... roubei do seio dela Um bilhete que estava ali metido...