SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
aior
              m s
            do uê
         ra tug
       ob or
   a e ta p
 id e
V o
   p
Terra Natal
 Não se sabe onde o poeta nasceu.

 A maioria dos historiadores
  inclina-se para duas hipóteses:
  Coimbra e Lisboa.


 A Família
 Pai: Simão Vaz de Camões, natural
   de Lisboa
 Mãe: Ana

 Pertenciam ao povo ou à nobreza?
Os estudos
 Pensa-se que estudou em Coimbra.
 Era um homem cultíssimo.
 Estudou humanidades, história, literatura e latim.
 Conhecia os grandes clássicos da antiguidade:
 Homero, Platão, Vergílio… e os seus heróis Ulisses e
 Eneias
A sua juventude

                   Foi um pequeno poeta na corte de
                    Dom João III
                   Foi um grande namoradeiro!
                    (nenhuma miúda escapava aos
                    seus olhares e “conversa”... )
                   Foi um grande aventureiro!
Vida dupla em Lisboa
               Viveu em Lisboa já homem e
               poeta.

               Frequentava o palácio real e as
               festas, os saraus de musica e de
               poesia nos salões de nobreza.

               Também se divertia nas
               tabernas e festas de bairro.
Os amores do Poeta

          Apaixonou-se por damas da corte:

           A Infanta D. Maria, irmã do Rei D.
            Manuel I
           Catarina de Ataíde,
           Joana Meneses (Dinamene)
Os amores do Poeta
Também se apaixonou
por uma rapariga do
povo         que     o
impressionou quando ia   Descalça vai para a fonte
para a fonte.
                         Leonor pela verdura vai
                          formosa e não segura…
                         Tão linda que o mundo
                          espanta
                         Chove nela graça tanta
                         Que dá graça à formosura
                         Vai formosa e não segura…
Onde viveu ?                                     Viveu em Constância
                                                 “ Há quem diga que foi por
                                                  crime de amor que o obrigaram
                                                  a passar uma temporada noutra
                                                  terra”
                                                 Aqui escreveu muitos dos seus
                                                  poemas!




Casa de Camões ou Casa dos Arcos -
Construção quinhentista, com arcos em tijolo,
que aparece associada à passagem de
Camões pela Vila (Freguesia de Constância
Em busca
de aventura

               Em 1549, partiu o Norte de África
                (Ceuta) em busca de aventura.
               Juntou-se ao exército na luta
                contra os Mouros!
               Foi durante uma grande batalha que
                perdeu o seu olho direito.
               Por isso é retratado com uma pala,
                como os piratas...
De volta, a Lisboa mete-se
 novamente em sarilhos.

Foi condenado a pagar uma
          multa.

Resolveu então oferecer-se
   para ir para a Índia.
Camões e viagem até ao Oriente

                                            Embarcou para o Oriente em
                                               busca de mais lutas e aventuras.



Nau S. Bento na qual viajou Luís de Camões a caminho da Índia.
Rota
Camões no Oriente


 Esteve em várias expedições de busca
 Em Macau foi provedor de defuntos e ausentes.
  (Um trabalho demasiado parado para ele)
 Depois de ser demitido do cargo, embarcou para Goa.
Na Índia…
 Nascem as ideias mestras para escrever a sua grande
 obra prima “Os Lusíadas”.

 É um poema muito longo que tem como tema central
 a viagem de Vasco da Gama à Índia.

 Com essa viagem, Camões conta toda a história de
 Portugal desde o início da sua formação até à época
 em que viveu
Naufrágio no rio Mekong


          Quando navegava ao largo da
           foz do rio Mekong sofreu um
           terrível naufrágio
          Nadou para salvar a vida.
          Segundo a tradição, nadou com o
           braço fora de água para salvar
           também a sua maior riqueza: o
           manuscrito d`Os Lusíadas
Regresso definitivo a Lisboa

             No ano de 1567 Camões partiu de
                Goa rumo a Lisboa
               A viagem demorava seis meses.
               Ele demorou mais tempo…
               Ficou preso em Moçambique.
               Vivia com muitas dificuldades
               Era um poeta pobre.
Os últimos dias da vida de Camões

               Conseguiu publicar “Os Lusíadas”
                  em 1572
                 Graças à influência de alguns
                  amigos junto do rei D. Sebastião.
                 Em recompensa dos serviços
                  prestados à pátria, o Rei concede-
                  lhe uma modesta pensão.
                 Era paga tarde e às más horas
                 O poeta vive em extrema pobreza.
A sua morte
   Faleceu, em Lisboa, no dia 10 de
    Junho de 1580 .

   Tem dois túmulos oficiais– um no
    Mosteiro dos Jerónimos e outro no
    Panteão Nacional.
Obra
“Os Lusíadas”    "Os Lusíadas", um livro que
                  cantava os feitos dos portugueses .

                 Foi dedicado ao Rei D. Sebastião,
                  que desapareceu em Alcácer
                  Quibir.

                 Obra de Camões: centenas de
                  poemas líricos de todos géneros,
                  cartas e algumas peças de teatro.
Assim começa a grande obra…
                   As armas e os barões assinalados
                   Que, da Ocidental praia Lusitana,
                   Por mares nunca dantes navegados
                   Passaram ainda além da
                   Taprobana,
                   Em perigos e guerras esforçados
                   Mais do que prometia a força
                   humana
                   E entre gente remota edificaram
                   Novo Reino, que tanto sublimaram
Poema de amor

                Amor é um fogo que arde sem se ver;
                É ferida que dói e não se sente;
                É um contentamento descontente;
                É dor que desatina sem doer.
                É um não querer mais que bem querer;
                É um andar solitário entre a gente;
                É nunca contentar-se de contente;
                É um cuidar que ganha em se perder.
                É querer estar preso por vontade;
                É servir a quem vence o vencedor;
                É ter com quem nos mata lealdade.
Orgulho
  em ser      Camões tinha orgulho em ser
português.    português. Foi um exemplo
              para o nosso país!

              Viva Portugal, Camões e as
              Comunidades Portuguesas!
Feriado Nacional - 10 de Junho
Dia Portugal e de Camões
Hino Nacional
                A Portuguesa
                Heróis do mar, nobre povo,
                Nação valente, imortal,
                Levantai hoje de novo
                O esplendor de Portugal!
                Entre as brumas da memória,
                Ó Pátria, sente-se a voz
                Dos teus egrégios avós,
                Que há-de guiar-te à vitória!
                Às armas, às armas!
                Sobre a terra, sobre o mar,
                Às armas, às armas!
                Pela Pátria lutar
                Contra os canhões marchar, marchar!
                                                      BE/CRE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
Sara Afonso
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
Lurdes Augusto
 
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizer
Helena Coutinho
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
Fernanda Pantoja
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonte
Helena Coutinho
 
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
Carlos Pina
 

Mais procurados (20)

Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
 
Dedicatória
DedicatóriaDedicatória
Dedicatória
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Verdes são os campos
Verdes são os camposVerdes são os campos
Verdes são os campos
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
 
Realismo em Portugal
Realismo em PortugalRealismo em Portugal
Realismo em Portugal
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizer
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Um mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadosoUm mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadoso
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonte
 
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
 

Destaque (7)

Republica ana e_mafalda
Republica ana e_mafaldaRepublica ana e_mafalda
Republica ana e_mafalda
 
Portugal
PortugalPortugal
Portugal
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Os Lusíadas, de Camões
Os Lusíadas, de CamõesOs Lusíadas, de Camões
Os Lusíadas, de Camões
 
CRASE
CRASECRASE
CRASE
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 

Semelhante a Luís Vaz de Camões - Vida e obra

Semelhante a Luís Vaz de Camões - Vida e obra (20)

LuíS Vaz De CamõEs
LuíS Vaz De CamõEsLuíS Vaz De CamõEs
LuíS Vaz De CamõEs
 
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 
Pedro Peixoto
Pedro PeixotoPedro Peixoto
Pedro Peixoto
 
O mar na literatura port.
O mar na literatura port.O mar na literatura port.
O mar na literatura port.
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 
O classicismo em portugal
O classicismo em portugalO classicismo em portugal
O classicismo em portugal
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Apresentação luís de camões
Apresentação luís de camõesApresentação luís de camões
Apresentação luís de camões
 
Os lusíadas
Os lusíadasOs lusíadas
Os lusíadas
 
Os lusiadas introdução
Os lusiadas introduçãoOs lusiadas introdução
Os lusiadas introdução
 
Biografia de Luís Vaz de Camões
Biografia de Luís Vaz de CamõesBiografia de Luís Vaz de Camões
Biografia de Luís Vaz de Camões
 
Biografia de Luís Vaz de Camões
Biografia de Luís Vaz de CamõesBiografia de Luís Vaz de Camões
Biografia de Luís Vaz de Camões
 
Classicismo - Renascimento
Classicismo - RenascimentoClassicismo - Renascimento
Classicismo - Renascimento
 
Literatura portuguesa
Literatura portuguesaLiteratura portuguesa
Literatura portuguesa
 
Camões e os lusíadas
Camões e os lusíadasCamões e os lusíadas
Camões e os lusíadas
 
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580
 
Camões e a epopeia
Camões e a epopeiaCamões e a epopeia
Camões e a epopeia
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
 

Último

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 

Último (20)

Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 

Luís Vaz de Camões - Vida e obra

  • 1. aior m s do uê ra tug ob or a e ta p id e V o p
  • 2. Terra Natal  Não se sabe onde o poeta nasceu.  A maioria dos historiadores inclina-se para duas hipóteses: Coimbra e Lisboa. A Família Pai: Simão Vaz de Camões, natural de Lisboa Mãe: Ana Pertenciam ao povo ou à nobreza?
  • 3. Os estudos  Pensa-se que estudou em Coimbra.  Era um homem cultíssimo.  Estudou humanidades, história, literatura e latim.  Conhecia os grandes clássicos da antiguidade: Homero, Platão, Vergílio… e os seus heróis Ulisses e Eneias
  • 4. A sua juventude  Foi um pequeno poeta na corte de Dom João III  Foi um grande namoradeiro! (nenhuma miúda escapava aos seus olhares e “conversa”... )  Foi um grande aventureiro!
  • 5. Vida dupla em Lisboa  Viveu em Lisboa já homem e poeta.  Frequentava o palácio real e as festas, os saraus de musica e de poesia nos salões de nobreza.  Também se divertia nas tabernas e festas de bairro.
  • 6. Os amores do Poeta Apaixonou-se por damas da corte:  A Infanta D. Maria, irmã do Rei D. Manuel I  Catarina de Ataíde,  Joana Meneses (Dinamene)
  • 7. Os amores do Poeta Também se apaixonou por uma rapariga do povo que o impressionou quando ia Descalça vai para a fonte para a fonte. Leonor pela verdura vai formosa e não segura… Tão linda que o mundo espanta Chove nela graça tanta Que dá graça à formosura Vai formosa e não segura…
  • 8. Onde viveu ?  Viveu em Constância  “ Há quem diga que foi por crime de amor que o obrigaram a passar uma temporada noutra terra”  Aqui escreveu muitos dos seus poemas! Casa de Camões ou Casa dos Arcos - Construção quinhentista, com arcos em tijolo, que aparece associada à passagem de Camões pela Vila (Freguesia de Constância
  • 9. Em busca de aventura  Em 1549, partiu o Norte de África (Ceuta) em busca de aventura.  Juntou-se ao exército na luta contra os Mouros!  Foi durante uma grande batalha que perdeu o seu olho direito.  Por isso é retratado com uma pala, como os piratas...
  • 10. De volta, a Lisboa mete-se novamente em sarilhos. Foi condenado a pagar uma multa. Resolveu então oferecer-se para ir para a Índia.
  • 11. Camões e viagem até ao Oriente  Embarcou para o Oriente em busca de mais lutas e aventuras. Nau S. Bento na qual viajou Luís de Camões a caminho da Índia.
  • 12. Rota
  • 13. Camões no Oriente  Esteve em várias expedições de busca  Em Macau foi provedor de defuntos e ausentes. (Um trabalho demasiado parado para ele)  Depois de ser demitido do cargo, embarcou para Goa.
  • 14. Na Índia…  Nascem as ideias mestras para escrever a sua grande obra prima “Os Lusíadas”.  É um poema muito longo que tem como tema central a viagem de Vasco da Gama à Índia.  Com essa viagem, Camões conta toda a história de Portugal desde o início da sua formação até à época em que viveu
  • 15. Naufrágio no rio Mekong  Quando navegava ao largo da foz do rio Mekong sofreu um terrível naufrágio  Nadou para salvar a vida.  Segundo a tradição, nadou com o braço fora de água para salvar também a sua maior riqueza: o manuscrito d`Os Lusíadas
  • 16. Regresso definitivo a Lisboa  No ano de 1567 Camões partiu de Goa rumo a Lisboa  A viagem demorava seis meses.  Ele demorou mais tempo…  Ficou preso em Moçambique.  Vivia com muitas dificuldades  Era um poeta pobre.
  • 17. Os últimos dias da vida de Camões  Conseguiu publicar “Os Lusíadas” em 1572  Graças à influência de alguns amigos junto do rei D. Sebastião.  Em recompensa dos serviços prestados à pátria, o Rei concede- lhe uma modesta pensão.  Era paga tarde e às más horas  O poeta vive em extrema pobreza.
  • 18. A sua morte  Faleceu, em Lisboa, no dia 10 de Junho de 1580 .  Tem dois túmulos oficiais– um no Mosteiro dos Jerónimos e outro no Panteão Nacional.
  • 19. Obra “Os Lusíadas”  "Os Lusíadas", um livro que cantava os feitos dos portugueses .  Foi dedicado ao Rei D. Sebastião, que desapareceu em Alcácer Quibir.  Obra de Camões: centenas de poemas líricos de todos géneros, cartas e algumas peças de teatro.
  • 20. Assim começa a grande obra… As armas e os barões assinalados Que, da Ocidental praia Lusitana, Por mares nunca dantes navegados Passaram ainda além da Taprobana, Em perigos e guerras esforçados Mais do que prometia a força humana E entre gente remota edificaram Novo Reino, que tanto sublimaram
  • 21. Poema de amor Amor é um fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente; É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer. É um não querer mais que bem querer; É um andar solitário entre a gente; É nunca contentar-se de contente; É um cuidar que ganha em se perder. É querer estar preso por vontade; É servir a quem vence o vencedor; É ter com quem nos mata lealdade.
  • 22. Orgulho em ser  Camões tinha orgulho em ser português. português. Foi um exemplo para o nosso país!  Viva Portugal, Camões e as Comunidades Portuguesas!
  • 23. Feriado Nacional - 10 de Junho Dia Portugal e de Camões
  • 24. Hino Nacional A Portuguesa Heróis do mar, nobre povo, Nação valente, imortal, Levantai hoje de novo O esplendor de Portugal! Entre as brumas da memória, Ó Pátria, sente-se a voz Dos teus egrégios avós, Que há-de guiar-te à vitória! Às armas, às armas! Sobre a terra, sobre o mar, Às armas, às armas! Pela Pátria lutar Contra os canhões marchar, marchar! BE/CRE