SlideShare uma empresa Scribd logo
O LIVRO DOS ESPÍRITOS
LIVRO SEGUNDO: Do Mundo Espírita ou
Mundo Dos Espíritos
CAPÍTULO VII:
Retorno à Vida
Corporal
Esquecimento
do Passado
Questões 392 à 399
392 – Por que o Espírito
encarnado perde a lembrança
do seu passado?
O homem não pode nem deve
tudo saber; Deus o quer assim
em sua sabedoria. Sem o véu
que lhe cobre certas coisas,
ficaria deslumbrado, como
aquele que passa, sem transição,
da obscuridade à luz. Pelo
esquecimento do passado, ele é
mais ele mesmo.
Em vão se objeta que o esquecimento constitui obstáculo a que se
possa aproveitar da experiência de vidas anteriores. Havendo Deus
entendido de lançar um véu sobre o passado, é que há nisso
vantagem. Com efeito, a lembrança traria gravíssimos inconvenientes.
Poderia, em certos casos, humilhar-nos singularmente, ou, então,
exaltar-nos o orgulho e, assim, entravar o nosso livre-arbítrio. Em
todas as circunstâncias, acarretaria inevitável perturbação nas
relações sociais.
Frequentemente, o Espírito renasce no mesmo meio em que já viveu,
estabelecendo de novo relações com as mesmas pessoas, a fim de
reparar o mal que lhes haja feito. Se reconhecesse nelas as a quem
odiara, quiçá o ódio se lhe despertaria outra vez no íntimo. De todo
modo, ele se sentiria humilhado em presença daquelas a quem
houvesse ofendido.
Para nos melhorarmos, outorgou-nos Deus, precisamente, o de que
necessitamos e nos basta: a voz da consciência e as tendências
instintivas. Priva-nos do que nos seria prejudicial.
EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO
Cap. V, item 11
393 –
De que maneira pode o homem ser responsável por
atos e resgatar faltas de que não se lembra?
Como pode aproveitar a experiência adquirida nas
existências caídas no esquecimento?
Conceber-se-ia que as tribulações da vida fossem uma
lição para ele, se se lembrasse do que as originou; mas
do momento que não se lembra, cada existência para
ele como se fosse a primeira e está, assim, sempre a
recomeçar.
Como conciliar isso com a justiça de Deus?
A cada nova existência, o homem tem mais inteligência e
pode melhor distinguir o bem e o mal. Onde estaria o
mérito se ele se lembrasse de todo o passado? Quando o
Espírito volta à sua vida primitiva (a vida espírita) toda a
sua vida passada se desenrola diante dele; ele vê as faltas
que cometeu e que são causa do seu sofrimento, e o que o
poderia impedir de as cometer. Compreende que a posição
que lhe é dada é justa e procura, então, a existência que
poderá reparar aquela que vem de se escoar. Procura
provas análogas àquelas pelas quais passou, ou lutas que
crê adequadas ao seu adiantamento, pedindo aos Espíritos
que lhe são superiores para ajudá-lo nessa nova tarefa que
empreende, porque sabe que o Espírito que lhe será dado
por guia nessa nova existência procurará fazê-lo reparar
suas faltas, dando-lhe uma espécie de intuição das que
cometeu.
Essa mesma intuição é o pensamento, o desejo
criminoso que vos vem, frequentemente, e ao qual
resistis instintivamente, atribuindo, no mais das vezes,
vossa resistência aos princípios que recebestes de
vossos pais, enquanto que é a voz da consciência que
vos fala, e essa voz é a lembrança do passado; voz que
vos adverte para não recairdes nas faltas que já
cometestes. O Espírito, entrado nessa nova existência,
se suporta essas provas com coragem, e se resiste,
eleva-se e ascende na hierarquia dos Espíritos, quando
volta entre eles.
Allan Kardec:
Se não temos, durante a vida
corporal, uma lembrança
precisa do que fomos e do que
fizemos, de bem ou de mal,
nas nossas existências
anteriores, temos a intuição, e
nossas tendências instintivas
são uma reminiscência do
nosso passado. Aquela nossa
consciência, que é o desejo
que abrigamos de não mais
cometer as mesmas faltas, nos
previne a resistência.
Sempre caminhamos para
frente e para cima.
394 – Nos mundos mais avançados que o nosso, onde os
homens não estão premidos por todas as nossas
necessidades físicas e nossas enfermidades, eles
compreendem que são mais felizes do que nós?
A felicidade, em geral é relativa, sentimo-la por
comparação com um estado menos venturoso. Visto que,
em definitivo, alguns desses mundos, ainda que
melhores do que o nosso, não estão no estado de
perfeição, os homens que os habitam devem ter seu
gênero de motivos de aborrecimentos.
Entre nós, o rico, que não tem as angústias das
necessidades materiais como o pobre, não tem menos
tribulações que tornam sua vida amarga.
Ora, eu pergunto se, na sua posição, os habitantes
desses mundos não se creem mais infelizes do que nós
não se lamentam de sua sorte, não tendo a lembrança de
uma existência anterior para comparação?
A isso é preciso dar duas respostas diferentes. Há mundos,
entre aqueles de que falas, cujos habitantes têm uma
lembrança muito clara e muito precisa de suas existências
passadas. Esses, tu o compreendes, podem e sabem
apreciar a felicidade que Deus lhes permite saborear. Mas
existem outros onde os habitantes, como tu o disseste,
colocados em melhores condições do que vós, não têm
menos aborrecimentos, infelicidade mesmo; esses não
apreciam sua felicidade pelo fato mesmo de que não têm
lembrança de um estado ainda mais infeliz. Se eles não a
apreciam como homens, apreciam-na como Espíritos.
Allan Kardec:
Não há, no esquecimento dessas existências
passadas, sobretudo naquelas que foram penosas,
alguma coisa de providencial e na qual se revela a
sabedoria divina? É nos mundos superiores, quando
a lembrança das existências infelizes não é mais do
que um sonho mau, que elas afloram à memória. Nos
mundos inferiores, as infelicidades atuais não seriam
agravadas pela lembrança de tudo aquilo que se
suportou?
Concluamos daí, então, que tudo que Deus fez está
bem feito e que não nos cabe criticar-lhe as obras e
dizer como deveria regular o Universo.
A lembrança de nossas individualidades anteriores
teria inconvenientes muito graves; poderia, em
certos casos, nos humilhar extraordinariamente e,
em outros, exaltar o nosso orgulho e, por isso
mesmo, entravar o nosso livre-arbítrio. Deus nos deu,
para nos melhorarmos, o que nos é necessário e nos
basta: a voz da consciência e nossas tendências
instintivas, privando-nos do que nos poderia
prejudicar. Acrescentemos, ainda, que se tivéssemos
a lembrança de nossos atos pessoais anteriores,
teríamos igualmente dos atos dos outros e esse
conhecimento poderia ter os mais deploráveis efeitos
sobre as relações sociais.
Não havendo sempre motivos para nos glorificarmos
do nosso passado, ele é quase sempre feliz quando
um véu lhe seja lançado. Isso concorda
perfeitamente com a doutrina dos Espíritos sobre os
mundos superiores ao nosso. Nesses mundos, onde
não reina senão o bem, a lembrança do passado não
tem nada de penosa; eis porque sabem aí de sua
existência precedente, como nós sabemos o que
fizemos na véspera. Quanto à estada que fizeram nos
mundos inferiores, como dissemos, não é mais que
um sonho mau.
395 – Podemos ter algumas
revelações sobre nossas
existências anteriores?
Nem sempre. Muitos sabem,
entretanto, o que foram e o
que fizeram; se lhes fosse
permitido dizê-lo abertamente,
fariam singulares revelações
sobre o passado.
396 – Certas pessoas creem
ter uma vaga lembrança de
um passado desconhecido
que se lhes apresenta como
a imagem fugidia de um
sonho que se procura em
vão reter. Essa ideia não é
uma ilusão?
Algumas vezes é real; mas,
frequentemente, é uma
ilusão contra a qual é
preciso se colocar em
guarda, porque pode ser o
efeito de uma imaginação
superexcitada.
397 – Nas existências corporais de
uma natureza mais elevada que a
nossa, a lembrança das
existências anteriores é mais
precisa?
Sim, à medida que o corpo é
menos material, lembra-se melhor.
A lembrança do passado é mais
clara para aqueles que habitam os
mundos de uma ordem superior.
398 – As tendências instintivas do
homem, sendo uma reminiscência
do seu passado, segue-se que pelo
estudo dessas tendências pode
conhecer as faltas que cometeu?
Sem dúvida, até um certo ponto;
mas é preciso ter em conta o
progresso que pode ter-se operado
no Espírito e as resoluções que
tomou no estado errante. A
existência atual pode ser muito
melhor do que a precedente.
398.a) Pode ser pior? O
homem pode cometer em
uma existência faltas que não
cometeu na precedente?
Isso depende de sua elevação.
Se não sabe resistir às provas,
ele pode ser arrastado a novas
faltas, que são a consequência
da posição que escolheu. Mas,
em geral, essas faltas acusam
mais um estado estacionário
que um estado retrógrado,
porque o Espírito pode
avançar ou parar, mas não
recua.
399 – As vicissitudes da vida
corporal, sendo ao mesmo
tempo uma expiação pelas faltas
passadas e provas para o futuro,
segue-se que da natureza dessas
vicissitudes pode-se induzir o
gênero da existência anterior?
Muito frequentemente, pois, cada
um é punido pelos erros que
cometeu; entretanto, não é
preciso fazer disso uma regra
absoluta. As tendências instintivas
são um índice mais certo, porque
as provas que o Espírito suporta
são tanto pelo futuro como pelo
passado.
Allan Kardec:
Alcançado o termo marcado pela Providência para sua
vida errante, o próprio Espírito escolhe as provas às quais
quer se submeter para acelerar o seu progresso, quer
dizer, o gênero de existência que ele crê mais apropriado
para lhe fornecer os meios, e essas provas estão sempre
em relação com as faltas que deve expiar. Se triunfa, se
eleva; se sucumbe, está por recomeçar.
O Espírito goza sempre do seu livre-arbítrio e é em
virtude dessa liberdade que, no estado de espírito,
escolhe as provas da vida corporal e que, no estado de
encarnado, delibera se as cumpre ou não, escolhendo
entre o bem e o mal. Denegar ao homem o seu livre-
arbítrio, será reduzi-lo à condição de máquina.
Entrando na vida corporal, o Espírito perde
momentaneamente a lembrança de suas existências
anteriores, como se um véu as ocultasse. Todavia, ele
tem algumas vezes uma vaga consciência e elas podem
mesmo lhe serem reveladas em certas circunstâncias;
mas é apenas pela vontade de Espíritos superiores que o
fazem espontaneamente, com um fim útil e jamais para
satisfazer uma vã curiosidade.
As existências futuras não podem ser reveladas em
nenhum caso, pela razão de que elas dependem da
maneira que se cumpra a existência presente e da
escolha ulterior do Espírito.
O esquecimento das faltas cometidas não é um obstáculo
ao progresso do Espírito, porque, se não tem uma
lembrança precisa, o conhecimento que teve no estado
errante e o desejo que tomou de as reparar guiam-no
pela intuição e lhe dão o pensamento de resistir ao mal.
Esse pensamento é a voz da consciência, que é
secundada pelos Espíritos que o assistem, se escuta as
boas inspirações que sugerem.
Se o homem não conhece os atos que cometeu nas suas
existências anteriores, ele pode sempre saber de que
gênero de faltas se tornou culpado e qual era seu caráter
dominante. Basta estudar-se e pode julgar do que foi,
não pelo que é, mas por suas tendências.
As vicissitudes da vida corporal são, ao mesmo tempo,
uma expiação pelas faltas do passado e provas para o
futuro. Elas nos depuram e nos elevam segundo as
suportemos com resignação e sem murmurar.
A natureza das vicissitudes e das provas que suportamos
pode, também, nos esclarecer sobre o que fomos e o que
fizemos, como neste mundo julgamos os fatos de um
culpado pelos castigos que lhe inflige a lei.
Assim, alguém será castigado no seu orgulho pela
humilhação de uma existência subalterna; o mau rico e o
avaro, pela miséria; o que foi duro para com os outros,
pela dureza que suportará; o tirano, pela escravidão; o
mau filho, pela ingratidão dos seus filhos; o preguiçoso,
por um trabalho forçado, etc.
2.7.8   Esquecimento do passado
No plano físico, idealiza-se a
continuação da vida, no mundo
espiritual... No mundo espiritual,
idealiza-se a correção, o reajuste, a
melhoria e o polimento dessa mesma
vida, no plano físico. Somos viajores do
berço para o túmulo e do túmulo para
o berço, renascendo na Terra e na
Espiritualidade, tantas vezes quantas se
fizerem precisas, aprendendo,
renovando, retificando e progredindo
sempre, conforme as Leis do Universo,
até alcançarmos a Perfeição, nosso
destino comum...
XAVIER, Chico. E a vida continua.... 1ª ed. Esp. Rio de
Janeiro: FEB, 2008. Pelo Espírito André Luiz. Pag. 243-244.
XAVIER, Chico. E a vida continua.... 1ª ed. Esp. Rio de Janeiro: FEB, 2008.
Pelo Espírito André Luiz. Pag. 107.
... o Criador exige sejam as criaturas
deixadas livres para escolherem o
caminho de evolução que melhor lhes
pareça, seja uma avenida de estrelas ou
uma vereda de lama. Deus quer que
todos os seus filhos tenham a própria
individualidade, creiam nele como
possam, conservem as inclinações e
gostos mais consentâneos com o seu
modo de ser, trabalhem como e quanto
desejem e habitem onde quiserem.
Somente exige — e exige com rigor —
que a justiça seja cumprida e respeitada.
«A cada um será dado segundo as suas
obras.» Todos receberemos, nas Leis da
Vida, o que fizermos, pelo que fizermos,
quanto fizermos e como fizermos.
919. Qual o meio prático
mais eficaz que tem o
homem de se melhorar
nesta vida e de resistir à
atração do mal?
Um sábio da antiguidade
vo-lo disse: Conhece-te a ti
mesmo.
Oráculo de Delfos
“O homem, conhece-te a ti mesmo e
conhecerás os deuses e o universo”
https://br.pinterest.com/pin/400046379407424812/
Qual é o meio
de o conseguir?
Allan Kardec
1) “Perguntai-vos o que fizeste e com qual
objetivo agistes em tal circunstância”.
2) “Se fizeste alguma coisa que censurais
em outrem”.
3) “Se fizeste alguma coisa que não
ousaríeis confessar”.
4) “Se aprouvesse a Deus me chamar neste
momento (em que estou lendo está página),
reentrando no mundo dos Espíritos, onde
nada é oculto, eu teria o que temer diante
de alguém?”.
5) “Examinai o que podeis ter feito contra
Deus, contra vosso próximo, e enfim,
contra vós mesmos”.
“Fazei o que eu fazia de minha vida sobre a
Terra: ao fim da jornada, eu interrogava
minha consciência, passava em revista o
que fizera, e me perguntava se não faltara
algum dever, se ninguém tinha nada a
lamentar de mim.”
Santo Agostinho
“Tendes um meio de controle que não vos pode
enganar.”
1) “Quando estiverdes indecisos sobre o valor
de uma de vossas ações, perguntai-vos como
a qualificaríeis se fosse feita por outra pessoa;
se a censurais em outrem, ela não pode ser
mais legítima em vós, porque Deus não tem
duas medidas para a justiça.”
2) “Não negligencieis a opinião dos vossos
inimigos, porque estes não têm nenhum
interesse em dissimular a verdade e,
frequentemente, Deus os coloca ao vosso lado
como um espelho para vos advertir com mais
franqueza que o faria um amigo.”
3) “Aquele que tem vontade séria de se
melhorar explore, pois, sua consciência, a fim
de arrancar dela as más tendências.” Santo Agostinho
Digo-lhe a verdade: Ninguém pode ver o
Reino de Deus, se não nascer de novo".
João 3:3
CRÉDITOS:
• Formatação: Marta G. P. Miranda
• Referências:
KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos.
Tradução de Salvador Gentile. 182ª Ed. Araras
– SP: IDE, 2009. Pág. 141 à 143.
XAVIER, Chico. Entre a Terra e o Céu. 27ª ed.
Brasília: FEB, 2018. Pelo Espírito André Luiz.
XAVIER, Chico. No Mundo Maior. 28ª ed.
Brasília: FEB, 2017. Pelo Espírito André Luiz.
XAVIER, Chico. E a vida continua.... 1ª
ed. Esp. Rio de Janeiro: FEB, 2008. Pelo
Espírito André Luiz.
https://br.pinterest.com
CENTRO ESPÍRITA “JOANA D’ARC”
Rua Ormindo Pires Amorim, nº 1.516
Bairro: Jardim Marajó
Rondonópolis - MT

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A desencarnação
A desencarnaçãoA desencarnação
A desencarnação
Ponte de Luz ASEC
 
Cap xi Amar ao proximo como a si mesmo
Cap xi Amar ao proximo como a si mesmoCap xi Amar ao proximo como a si mesmo
Cap xi Amar ao proximo como a si mesmo
gmo1973
 
Pecado por pensamento e adultério
Pecado por pensamento e adultérioPecado por pensamento e adultério
Pecado por pensamento e adultério
Lorena Dias
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
Ponte de Luz ASEC
 
Da encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos EspíritosDa encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos Espíritos
home
 
ReconciliaçãO Com Os AdversáRios
ReconciliaçãO Com Os AdversáRiosReconciliaçãO Com Os AdversáRios
ReconciliaçãO Com Os AdversáRios
Grupo Espírita Cristão
 
Parentela Corporal E Espiritual2
Parentela Corporal E Espiritual2Parentela Corporal E Espiritual2
Parentela Corporal E Espiritual2
Grupo Espírita Cristão
 
Evangeliza - Lei do Progresso
Evangeliza - Lei do ProgressoEvangeliza - Lei do Progresso
Evangeliza - Lei do Progresso
Antonino Silva
 
Objetivo da encarnação
Objetivo da encarnaçãoObjetivo da encarnação
Objetivo da encarnação
Izabel Cristina Fonseca
 
O esquecimento do passado - justificativas da sua necessidade.pdf
O esquecimento do passado - justificativas da sua necessidade.pdfO esquecimento do passado - justificativas da sua necessidade.pdf
O esquecimento do passado - justificativas da sua necessidade.pdf
Rosimeire Alves
 
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deus
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deusCapítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deus
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deus
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Provas voluntárias
Provas voluntáriasProvas voluntárias
Provas voluntárias
Izabel Cristina Fonseca
 
Perdão na visão espírita
Perdão na visão espíritaPerdão na visão espírita
Perdão na visão espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
O céu e o Inferno
O céu e o InfernoO céu e o Inferno
O céu e o Inferno
igmateus
 
Jugo leve
Jugo leveJugo leve
Jugo leve
Candice Gunther
 
Causas anteriores das aflições
Causas anteriores das afliçõesCausas anteriores das aflições
Causas anteriores das aflições
Marcos Antônio Alves
 
Pluralidade dos mundos habitados
Pluralidade dos mundos habitadosPluralidade dos mundos habitados
Pluralidade dos mundos habitados
home
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Bruno Cechinel Filho
 
Caracteres da perfeição
Caracteres da perfeiçãoCaracteres da perfeição
Caracteres da perfeição
home
 
Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado
meebpeixotinho
 

Mais procurados (20)

A desencarnação
A desencarnaçãoA desencarnação
A desencarnação
 
Cap xi Amar ao proximo como a si mesmo
Cap xi Amar ao proximo como a si mesmoCap xi Amar ao proximo como a si mesmo
Cap xi Amar ao proximo como a si mesmo
 
Pecado por pensamento e adultério
Pecado por pensamento e adultérioPecado por pensamento e adultério
Pecado por pensamento e adultério
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
 
Da encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos EspíritosDa encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos Espíritos
 
ReconciliaçãO Com Os AdversáRios
ReconciliaçãO Com Os AdversáRiosReconciliaçãO Com Os AdversáRios
ReconciliaçãO Com Os AdversáRios
 
Parentela Corporal E Espiritual2
Parentela Corporal E Espiritual2Parentela Corporal E Espiritual2
Parentela Corporal E Espiritual2
 
Evangeliza - Lei do Progresso
Evangeliza - Lei do ProgressoEvangeliza - Lei do Progresso
Evangeliza - Lei do Progresso
 
Objetivo da encarnação
Objetivo da encarnaçãoObjetivo da encarnação
Objetivo da encarnação
 
O esquecimento do passado - justificativas da sua necessidade.pdf
O esquecimento do passado - justificativas da sua necessidade.pdfO esquecimento do passado - justificativas da sua necessidade.pdf
O esquecimento do passado - justificativas da sua necessidade.pdf
 
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deus
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deusCapítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deus
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deus
 
Provas voluntárias
Provas voluntáriasProvas voluntárias
Provas voluntárias
 
Perdão na visão espírita
Perdão na visão espíritaPerdão na visão espírita
Perdão na visão espírita
 
O céu e o Inferno
O céu e o InfernoO céu e o Inferno
O céu e o Inferno
 
Jugo leve
Jugo leveJugo leve
Jugo leve
 
Causas anteriores das aflições
Causas anteriores das afliçõesCausas anteriores das aflições
Causas anteriores das aflições
 
Pluralidade dos mundos habitados
Pluralidade dos mundos habitadosPluralidade dos mundos habitados
Pluralidade dos mundos habitados
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
 
Caracteres da perfeição
Caracteres da perfeiçãoCaracteres da perfeição
Caracteres da perfeição
 
Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado
 

Semelhante a 2.7.8 Esquecimento do passado

090311 esquecimento do passado – livro ii, cap. 7
090311 esquecimento do passado – livro ii, cap. 7090311 esquecimento do passado – livro ii, cap. 7
090311 esquecimento do passado – livro ii, cap. 7
Carlos Alberto Freire De Souza
 
090311 esquecimento do passado – livro ii, cap. 7
090311 esquecimento do passado – livro ii, cap. 7090311 esquecimento do passado – livro ii, cap. 7
090311 esquecimento do passado – livro ii, cap. 7
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 5 item11
Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 5 item11Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 5 item11
Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 5 item11
Patricia Farias
 
Esquecimento do passado e intuição
Esquecimento do passado e intuiçãoEsquecimento do passado e intuição
Esquecimento do passado e intuição
Fatoze
 
Palestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provasPalestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provas
Felipe Guedes
 
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeRoteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Bruno Cechinel Filho
 
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provasReencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
Helio Cruz
 
Vidas passadas - otica espírita e kardecista
Vidas passadas - otica espírita e kardecistaVidas passadas - otica espírita e kardecista
Vidas passadas - otica espírita e kardecista
AiltonBarcelos2
 
Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos
Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos
Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos
Leonardo Pereira
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
Marcos Accioly
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
Marcos Accioly
 
ESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕES
ESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕESESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕES
ESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕES
LuizHenriqueTDias
 
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futurosSegundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
CeiClarencio
 
Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
Bruno Cechinel Filho
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
Henrique Vieira
 
2.4.3 transmigracao progressiva
2.4.3   transmigracao progressiva2.4.3   transmigracao progressiva
2.4.3 transmigracao progressiva
Marta Gomes
 
Livro dos Espíritos - Q.392 ESE cap.28 item71
Livro dos Espíritos - Q.392 ESE cap.28 item71Livro dos Espíritos - Q.392 ESE cap.28 item71
Livro dos Espíritos - Q.392 ESE cap.28 item71
Patricia Farias
 
Considerando o arrependimento
Considerando o arrependimentoConsiderando o arrependimento
Considerando o arrependimento
Bernadete Costa
 
Livro dos Espíritos Q.558 e ESE Cap 6 - item11
Livro dos Espíritos Q.558 e ESE Cap 6 - item11Livro dos Espíritos Q.558 e ESE Cap 6 - item11
Livro dos Espíritos Q.558 e ESE Cap 6 - item11
Patricia Farias
 

Semelhante a 2.7.8 Esquecimento do passado (20)

090311 esquecimento do passado – livro ii, cap. 7
090311 esquecimento do passado – livro ii, cap. 7090311 esquecimento do passado – livro ii, cap. 7
090311 esquecimento do passado – livro ii, cap. 7
 
090311 esquecimento do passado – livro ii, cap. 7
090311 esquecimento do passado – livro ii, cap. 7090311 esquecimento do passado – livro ii, cap. 7
090311 esquecimento do passado – livro ii, cap. 7
 
Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 5 item11
Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 5 item11Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 5 item11
Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 5 item11
 
Esquecimento do passado e intuição
Esquecimento do passado e intuiçãoEsquecimento do passado e intuição
Esquecimento do passado e intuição
 
Palestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provasPalestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provas
 
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeRoteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
 
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provasReencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
 
Vidas passadas - otica espírita e kardecista
Vidas passadas - otica espírita e kardecistaVidas passadas - otica espírita e kardecista
Vidas passadas - otica espírita e kardecista
 
Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos
Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos
Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
 
ESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕES
ESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕESESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕES
ESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕES
 
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futurosSegundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
 
Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
 
2.4.3 transmigracao progressiva
2.4.3   transmigracao progressiva2.4.3   transmigracao progressiva
2.4.3 transmigracao progressiva
 
Livro dos Espíritos - Q.392 ESE cap.28 item71
Livro dos Espíritos - Q.392 ESE cap.28 item71Livro dos Espíritos - Q.392 ESE cap.28 item71
Livro dos Espíritos - Q.392 ESE cap.28 item71
 
Considerando o arrependimento
Considerando o arrependimentoConsiderando o arrependimento
Considerando o arrependimento
 
Livro dos Espíritos Q.558 e ESE Cap 6 - item11
Livro dos Espíritos Q.558 e ESE Cap 6 - item11Livro dos Espíritos Q.558 e ESE Cap 6 - item11
Livro dos Espíritos Q.558 e ESE Cap 6 - item11
 

Mais de Marta Gomes

Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
Marta Gomes
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docxCapitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Marta Gomes
 
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
Marta Gomes
 
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoCapitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Marta Gomes
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Marta Gomes
 
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxApresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Marta Gomes
 
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptxApresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Marta Gomes
 
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docxCapítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Marta Gomes
 
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
Marta Gomes
 
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
Marta Gomes
 
4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx
Marta Gomes
 
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxCapítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Marta Gomes
 
4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx
Marta Gomes
 
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
Marta Gomes
 
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
Marta Gomes
 
Inveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxInveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docx
Marta Gomes
 
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
Marta Gomes
 
O Homem de bem.docx
O Homem de bem.docxO Homem de bem.docx
O Homem de bem.docx
Marta Gomes
 
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
Marta Gomes
 

Mais de Marta Gomes (20)

Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docxCapitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
 
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
 
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoCapitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxApresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
 
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptxApresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
 
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docxCapítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
 
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
 
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
 
4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx
 
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxCapítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
 
4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx
 
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
 
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
 
Inveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxInveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docx
 
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
 
O Homem de bem.docx
O Homem de bem.docxO Homem de bem.docx
O Homem de bem.docx
 
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
 

Último

A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 

Último (15)

A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 

2.7.8 Esquecimento do passado

  • 1. O LIVRO DOS ESPÍRITOS LIVRO SEGUNDO: Do Mundo Espírita ou Mundo Dos Espíritos
  • 2. CAPÍTULO VII: Retorno à Vida Corporal Esquecimento do Passado Questões 392 à 399
  • 3. 392 – Por que o Espírito encarnado perde a lembrança do seu passado? O homem não pode nem deve tudo saber; Deus o quer assim em sua sabedoria. Sem o véu que lhe cobre certas coisas, ficaria deslumbrado, como aquele que passa, sem transição, da obscuridade à luz. Pelo esquecimento do passado, ele é mais ele mesmo.
  • 4. Em vão se objeta que o esquecimento constitui obstáculo a que se possa aproveitar da experiência de vidas anteriores. Havendo Deus entendido de lançar um véu sobre o passado, é que há nisso vantagem. Com efeito, a lembrança traria gravíssimos inconvenientes. Poderia, em certos casos, humilhar-nos singularmente, ou, então, exaltar-nos o orgulho e, assim, entravar o nosso livre-arbítrio. Em todas as circunstâncias, acarretaria inevitável perturbação nas relações sociais. Frequentemente, o Espírito renasce no mesmo meio em que já viveu, estabelecendo de novo relações com as mesmas pessoas, a fim de reparar o mal que lhes haja feito. Se reconhecesse nelas as a quem odiara, quiçá o ódio se lhe despertaria outra vez no íntimo. De todo modo, ele se sentiria humilhado em presença daquelas a quem houvesse ofendido. Para nos melhorarmos, outorgou-nos Deus, precisamente, o de que necessitamos e nos basta: a voz da consciência e as tendências instintivas. Priva-nos do que nos seria prejudicial. EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO Cap. V, item 11
  • 5. 393 – De que maneira pode o homem ser responsável por atos e resgatar faltas de que não se lembra? Como pode aproveitar a experiência adquirida nas existências caídas no esquecimento? Conceber-se-ia que as tribulações da vida fossem uma lição para ele, se se lembrasse do que as originou; mas do momento que não se lembra, cada existência para ele como se fosse a primeira e está, assim, sempre a recomeçar. Como conciliar isso com a justiça de Deus?
  • 6. A cada nova existência, o homem tem mais inteligência e pode melhor distinguir o bem e o mal. Onde estaria o mérito se ele se lembrasse de todo o passado? Quando o Espírito volta à sua vida primitiva (a vida espírita) toda a sua vida passada se desenrola diante dele; ele vê as faltas que cometeu e que são causa do seu sofrimento, e o que o poderia impedir de as cometer. Compreende que a posição que lhe é dada é justa e procura, então, a existência que poderá reparar aquela que vem de se escoar. Procura provas análogas àquelas pelas quais passou, ou lutas que crê adequadas ao seu adiantamento, pedindo aos Espíritos que lhe são superiores para ajudá-lo nessa nova tarefa que empreende, porque sabe que o Espírito que lhe será dado por guia nessa nova existência procurará fazê-lo reparar suas faltas, dando-lhe uma espécie de intuição das que cometeu.
  • 7. Essa mesma intuição é o pensamento, o desejo criminoso que vos vem, frequentemente, e ao qual resistis instintivamente, atribuindo, no mais das vezes, vossa resistência aos princípios que recebestes de vossos pais, enquanto que é a voz da consciência que vos fala, e essa voz é a lembrança do passado; voz que vos adverte para não recairdes nas faltas que já cometestes. O Espírito, entrado nessa nova existência, se suporta essas provas com coragem, e se resiste, eleva-se e ascende na hierarquia dos Espíritos, quando volta entre eles.
  • 8. Allan Kardec: Se não temos, durante a vida corporal, uma lembrança precisa do que fomos e do que fizemos, de bem ou de mal, nas nossas existências anteriores, temos a intuição, e nossas tendências instintivas são uma reminiscência do nosso passado. Aquela nossa consciência, que é o desejo que abrigamos de não mais cometer as mesmas faltas, nos previne a resistência.
  • 10. 394 – Nos mundos mais avançados que o nosso, onde os homens não estão premidos por todas as nossas necessidades físicas e nossas enfermidades, eles compreendem que são mais felizes do que nós? A felicidade, em geral é relativa, sentimo-la por comparação com um estado menos venturoso. Visto que, em definitivo, alguns desses mundos, ainda que melhores do que o nosso, não estão no estado de perfeição, os homens que os habitam devem ter seu gênero de motivos de aborrecimentos. Entre nós, o rico, que não tem as angústias das necessidades materiais como o pobre, não tem menos tribulações que tornam sua vida amarga. Ora, eu pergunto se, na sua posição, os habitantes desses mundos não se creem mais infelizes do que nós não se lamentam de sua sorte, não tendo a lembrança de uma existência anterior para comparação?
  • 11. A isso é preciso dar duas respostas diferentes. Há mundos, entre aqueles de que falas, cujos habitantes têm uma lembrança muito clara e muito precisa de suas existências passadas. Esses, tu o compreendes, podem e sabem apreciar a felicidade que Deus lhes permite saborear. Mas existem outros onde os habitantes, como tu o disseste, colocados em melhores condições do que vós, não têm menos aborrecimentos, infelicidade mesmo; esses não apreciam sua felicidade pelo fato mesmo de que não têm lembrança de um estado ainda mais infeliz. Se eles não a apreciam como homens, apreciam-na como Espíritos.
  • 12. Allan Kardec: Não há, no esquecimento dessas existências passadas, sobretudo naquelas que foram penosas, alguma coisa de providencial e na qual se revela a sabedoria divina? É nos mundos superiores, quando a lembrança das existências infelizes não é mais do que um sonho mau, que elas afloram à memória. Nos mundos inferiores, as infelicidades atuais não seriam agravadas pela lembrança de tudo aquilo que se suportou? Concluamos daí, então, que tudo que Deus fez está bem feito e que não nos cabe criticar-lhe as obras e dizer como deveria regular o Universo.
  • 13. A lembrança de nossas individualidades anteriores teria inconvenientes muito graves; poderia, em certos casos, nos humilhar extraordinariamente e, em outros, exaltar o nosso orgulho e, por isso mesmo, entravar o nosso livre-arbítrio. Deus nos deu, para nos melhorarmos, o que nos é necessário e nos basta: a voz da consciência e nossas tendências instintivas, privando-nos do que nos poderia prejudicar. Acrescentemos, ainda, que se tivéssemos a lembrança de nossos atos pessoais anteriores, teríamos igualmente dos atos dos outros e esse conhecimento poderia ter os mais deploráveis efeitos sobre as relações sociais.
  • 14. Não havendo sempre motivos para nos glorificarmos do nosso passado, ele é quase sempre feliz quando um véu lhe seja lançado. Isso concorda perfeitamente com a doutrina dos Espíritos sobre os mundos superiores ao nosso. Nesses mundos, onde não reina senão o bem, a lembrança do passado não tem nada de penosa; eis porque sabem aí de sua existência precedente, como nós sabemos o que fizemos na véspera. Quanto à estada que fizeram nos mundos inferiores, como dissemos, não é mais que um sonho mau.
  • 15. 395 – Podemos ter algumas revelações sobre nossas existências anteriores? Nem sempre. Muitos sabem, entretanto, o que foram e o que fizeram; se lhes fosse permitido dizê-lo abertamente, fariam singulares revelações sobre o passado.
  • 16. 396 – Certas pessoas creem ter uma vaga lembrança de um passado desconhecido que se lhes apresenta como a imagem fugidia de um sonho que se procura em vão reter. Essa ideia não é uma ilusão? Algumas vezes é real; mas, frequentemente, é uma ilusão contra a qual é preciso se colocar em guarda, porque pode ser o efeito de uma imaginação superexcitada.
  • 17. 397 – Nas existências corporais de uma natureza mais elevada que a nossa, a lembrança das existências anteriores é mais precisa? Sim, à medida que o corpo é menos material, lembra-se melhor. A lembrança do passado é mais clara para aqueles que habitam os mundos de uma ordem superior.
  • 18. 398 – As tendências instintivas do homem, sendo uma reminiscência do seu passado, segue-se que pelo estudo dessas tendências pode conhecer as faltas que cometeu? Sem dúvida, até um certo ponto; mas é preciso ter em conta o progresso que pode ter-se operado no Espírito e as resoluções que tomou no estado errante. A existência atual pode ser muito melhor do que a precedente.
  • 19. 398.a) Pode ser pior? O homem pode cometer em uma existência faltas que não cometeu na precedente? Isso depende de sua elevação. Se não sabe resistir às provas, ele pode ser arrastado a novas faltas, que são a consequência da posição que escolheu. Mas, em geral, essas faltas acusam mais um estado estacionário que um estado retrógrado, porque o Espírito pode avançar ou parar, mas não recua.
  • 20. 399 – As vicissitudes da vida corporal, sendo ao mesmo tempo uma expiação pelas faltas passadas e provas para o futuro, segue-se que da natureza dessas vicissitudes pode-se induzir o gênero da existência anterior? Muito frequentemente, pois, cada um é punido pelos erros que cometeu; entretanto, não é preciso fazer disso uma regra absoluta. As tendências instintivas são um índice mais certo, porque as provas que o Espírito suporta são tanto pelo futuro como pelo passado.
  • 21. Allan Kardec: Alcançado o termo marcado pela Providência para sua vida errante, o próprio Espírito escolhe as provas às quais quer se submeter para acelerar o seu progresso, quer dizer, o gênero de existência que ele crê mais apropriado para lhe fornecer os meios, e essas provas estão sempre em relação com as faltas que deve expiar. Se triunfa, se eleva; se sucumbe, está por recomeçar. O Espírito goza sempre do seu livre-arbítrio e é em virtude dessa liberdade que, no estado de espírito, escolhe as provas da vida corporal e que, no estado de encarnado, delibera se as cumpre ou não, escolhendo entre o bem e o mal. Denegar ao homem o seu livre- arbítrio, será reduzi-lo à condição de máquina.
  • 22. Entrando na vida corporal, o Espírito perde momentaneamente a lembrança de suas existências anteriores, como se um véu as ocultasse. Todavia, ele tem algumas vezes uma vaga consciência e elas podem mesmo lhe serem reveladas em certas circunstâncias; mas é apenas pela vontade de Espíritos superiores que o fazem espontaneamente, com um fim útil e jamais para satisfazer uma vã curiosidade. As existências futuras não podem ser reveladas em nenhum caso, pela razão de que elas dependem da maneira que se cumpra a existência presente e da escolha ulterior do Espírito.
  • 23. O esquecimento das faltas cometidas não é um obstáculo ao progresso do Espírito, porque, se não tem uma lembrança precisa, o conhecimento que teve no estado errante e o desejo que tomou de as reparar guiam-no pela intuição e lhe dão o pensamento de resistir ao mal. Esse pensamento é a voz da consciência, que é secundada pelos Espíritos que o assistem, se escuta as boas inspirações que sugerem. Se o homem não conhece os atos que cometeu nas suas existências anteriores, ele pode sempre saber de que gênero de faltas se tornou culpado e qual era seu caráter dominante. Basta estudar-se e pode julgar do que foi, não pelo que é, mas por suas tendências. As vicissitudes da vida corporal são, ao mesmo tempo, uma expiação pelas faltas do passado e provas para o futuro. Elas nos depuram e nos elevam segundo as suportemos com resignação e sem murmurar.
  • 24. A natureza das vicissitudes e das provas que suportamos pode, também, nos esclarecer sobre o que fomos e o que fizemos, como neste mundo julgamos os fatos de um culpado pelos castigos que lhe inflige a lei. Assim, alguém será castigado no seu orgulho pela humilhação de uma existência subalterna; o mau rico e o avaro, pela miséria; o que foi duro para com os outros, pela dureza que suportará; o tirano, pela escravidão; o mau filho, pela ingratidão dos seus filhos; o preguiçoso, por um trabalho forçado, etc.
  • 26. No plano físico, idealiza-se a continuação da vida, no mundo espiritual... No mundo espiritual, idealiza-se a correção, o reajuste, a melhoria e o polimento dessa mesma vida, no plano físico. Somos viajores do berço para o túmulo e do túmulo para o berço, renascendo na Terra e na Espiritualidade, tantas vezes quantas se fizerem precisas, aprendendo, renovando, retificando e progredindo sempre, conforme as Leis do Universo, até alcançarmos a Perfeição, nosso destino comum... XAVIER, Chico. E a vida continua.... 1ª ed. Esp. Rio de Janeiro: FEB, 2008. Pelo Espírito André Luiz. Pag. 243-244.
  • 27. XAVIER, Chico. E a vida continua.... 1ª ed. Esp. Rio de Janeiro: FEB, 2008. Pelo Espírito André Luiz. Pag. 107. ... o Criador exige sejam as criaturas deixadas livres para escolherem o caminho de evolução que melhor lhes pareça, seja uma avenida de estrelas ou uma vereda de lama. Deus quer que todos os seus filhos tenham a própria individualidade, creiam nele como possam, conservem as inclinações e gostos mais consentâneos com o seu modo de ser, trabalhem como e quanto desejem e habitem onde quiserem. Somente exige — e exige com rigor — que a justiça seja cumprida e respeitada. «A cada um será dado segundo as suas obras.» Todos receberemos, nas Leis da Vida, o que fizermos, pelo que fizermos, quanto fizermos e como fizermos.
  • 28. 919. Qual o meio prático mais eficaz que tem o homem de se melhorar nesta vida e de resistir à atração do mal? Um sábio da antiguidade vo-lo disse: Conhece-te a ti mesmo. Oráculo de Delfos “O homem, conhece-te a ti mesmo e conhecerás os deuses e o universo” https://br.pinterest.com/pin/400046379407424812/
  • 29. Qual é o meio de o conseguir? Allan Kardec
  • 30. 1) “Perguntai-vos o que fizeste e com qual objetivo agistes em tal circunstância”. 2) “Se fizeste alguma coisa que censurais em outrem”. 3) “Se fizeste alguma coisa que não ousaríeis confessar”. 4) “Se aprouvesse a Deus me chamar neste momento (em que estou lendo está página), reentrando no mundo dos Espíritos, onde nada é oculto, eu teria o que temer diante de alguém?”. 5) “Examinai o que podeis ter feito contra Deus, contra vosso próximo, e enfim, contra vós mesmos”. “Fazei o que eu fazia de minha vida sobre a Terra: ao fim da jornada, eu interrogava minha consciência, passava em revista o que fizera, e me perguntava se não faltara algum dever, se ninguém tinha nada a lamentar de mim.” Santo Agostinho
  • 31. “Tendes um meio de controle que não vos pode enganar.” 1) “Quando estiverdes indecisos sobre o valor de uma de vossas ações, perguntai-vos como a qualificaríeis se fosse feita por outra pessoa; se a censurais em outrem, ela não pode ser mais legítima em vós, porque Deus não tem duas medidas para a justiça.” 2) “Não negligencieis a opinião dos vossos inimigos, porque estes não têm nenhum interesse em dissimular a verdade e, frequentemente, Deus os coloca ao vosso lado como um espelho para vos advertir com mais franqueza que o faria um amigo.” 3) “Aquele que tem vontade séria de se melhorar explore, pois, sua consciência, a fim de arrancar dela as más tendências.” Santo Agostinho
  • 32. Digo-lhe a verdade: Ninguém pode ver o Reino de Deus, se não nascer de novo". João 3:3
  • 33. CRÉDITOS: • Formatação: Marta G. P. Miranda • Referências: KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Tradução de Salvador Gentile. 182ª Ed. Araras – SP: IDE, 2009. Pág. 141 à 143. XAVIER, Chico. Entre a Terra e o Céu. 27ª ed. Brasília: FEB, 2018. Pelo Espírito André Luiz. XAVIER, Chico. No Mundo Maior. 28ª ed. Brasília: FEB, 2017. Pelo Espírito André Luiz. XAVIER, Chico. E a vida continua.... 1ª ed. Esp. Rio de Janeiro: FEB, 2008. Pelo Espírito André Luiz. https://br.pinterest.com
  • 34. CENTRO ESPÍRITA “JOANA D’ARC” Rua Ormindo Pires Amorim, nº 1.516 Bairro: Jardim Marajó Rondonópolis - MT