SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Baixar para ler offline
Livro Quarto: Esperanças e Consolações
Capítulo II: Penas e Gozos Futuros
O LIVRO DOS ESPÍRITOS
• Ressurreição da carne
• Paraíso, inferno e purgatório
Ressurreição da carne
1010 – O dogma da ressurreição da carne é a consagração
da reencarnação ensinada pelos Espíritos?
Como quereis que o seja de outro modo? Essas palavras,
como tantas outras, não parecem insensatas aos olhos de
certas pessoas, senão porque as tomam ao pé da letra. Por
isso, conduzem à incredulidade. Mas dai-lhes uma
interpretação lógica, e aqueles que chamais livres
pensadores as admitirão sem dificuldade, precisamente
porque eles refletem; porque não vos enganeis, esses livres
pensadores não desejam mais do que crer. Eles têm, como
os outros, talvez mais que os outros, sede do futuro, mas
não podem admitir o que é contestado pela ciência. A
doutrina da pluralidade das existências está conforme a
justiça de Deus. Só ela pode explicar o que, sem ela, é
inexplicável. Como quereríeis que o princípio não estivesse
na própria religião?
1010.a) Assim a igreja, pelo dogma da ressurreição da
carne, ensina ela mesma a doutrina da reencarnação?
Isso é evidente. Essa doutrina, aliás, é a consequência de
muitas coisas que passaram despercebidas e que não se
tardará a compreender nesse sentido. Logo se reconhecerá
que o Espiritismo ressalta a cada passo do próprio texto das
Escrituras sagradas. Os Espíritos não vêm, pois, destruir a
religião, como alguns o pretendem, mas, ao contrário, vêm
confirmá-la, sancioná-la por provas irrecusáveis. Mas como
é chegado o tempo de não mais empregar a linguagem
figurada, eles se exprimem sem alegoria e dão às coisas um
sentido claro e preciso, que não possa estar sujeito a
nenhuma interpretação falsa. Eis porque, dentro de algum
tempo, tereis mais pessoas sinceramente religiosas e crentes
que as que não tendes hoje. (São Luís)
Allan Kardec:
A Ciência, com efeito, demonstra a impossibilidade da
ressurreição segundo a ideia vulgar. Se os restos do corpo
humano permanecessem homogêneos, fossem dispersos e
reduzidos a pó, se conceberia ainda a reunião em um
momento dado; mas as coisas não se passam assim. O
corpo é formado de elementos diversos: oxigênio,
hidrogênio, azoto, carbono, etc.
Pela decomposição, esses elementos se dispersam para
servir na formação de novos corpos, de tal sorte que a
mesma molécula, de carbono, por exemplo, entrará na
composição de vários milhares de corpos diferentes (não
falamos senão de corpos humanos sem contar os dos
animais); que tal indivíduo, talvez tenha no seu corpo
moléculas que pertenceram aos homens das primeiras
idades;
que essas mesmas moléculas orgânicas que absorveis
na vossa alimentação provêm, talvez, do corpo de tal
indivíduo que conhecestes, e assim por diante. A
matéria, sendo em quantidade definida e suas
transformações em quantidades indefinidas, como
cada um desses corpos poderia se reconstruir dos
mesmos elementos? Há nisso uma impossibilidade
material. Não se pode, pois, racionalmente, admitir a
ressurreição da carne senão como uma figura
simbolizando o fenômeno da reencarnação e, nesse
caso, não há nada que choque a razão, nada que esteja
em contradição com os dados da Ciência.
Verdade que, segundo o dogma, essa ressurreição não
deve ter lugar senão no fim dos tempos, enquanto que,
segundo a Doutrina Espírita, ela ocorre todos os dias.
Mas não há ainda nesse quadro do julgamento final
uma grande e bela figura que esconde, sob o véu da
alegoria, uma dessas verdades imutáveis que não
encontrará mais céticos quando for restabelecida em
sua verdadeira significação? Que se queira bem
meditar a teoria espírita sobre o futuro das almas e sua
sorte depois das diferentes provas que elas devem
suportar, e se verá que, à exceção da simultaneidade, o
julgamento que condena ou que as absolve não é uma
ficção, assim como pensam os incrédulos. Observemos
ainda que ela é a consequência natural da pluralidade
dos mundos, hoje perfeitamente admitida, enquanto
que, segundo a doutrina do juízo final, a Terra é
considerada o único mundo habitado.
PARAÍSO, INFERNO E
PURGATÓRIO
1011 – Um lugar circunscrito no Universo está
destinado às penas e aos gozos dos Espíritos, segundo
seus méritos?
Já respondemos a essa questão. As penas e os gozos são
inerentes ao grau de perfeição dos Espíritos. Cada um
possui em si mesmo o princípio de sua própria
felicidade ou infelicidade, e como eles estão por toda a
parte, nenhum lugar circunscrito, nem fechado, não
está destinado a um antes que a outro. Quanto aos
Espíritos encarnados, são mais ou menos felizes ou
infelizes, conforme o mundo que eles habitem mais ou
menos avançado.
1012 – Segundo isso, o inferno e o paraíso não
existiriam tal como o homem o representa?
Não são senão figuras: há por toda a parte Espíritos
felizes e infelizes. Entretanto, como também já o
dissemos, os Espíritos de uma mesma ordem se reúnem
por simpatia; mas podem se reunir onde querem,
quando são perfeitos.
Allan Kardec:
A localização absoluta dos lugares de penas e
recompensas não existe senão na imaginação do
homem. Provém da tendência a materializar e a
circunscrever as coisas das quais eles não podem
compreender a essência infinita.
1013 – Que se deve entender pelo purgatório?
Dores físicas e morais: é o tempo da expiação. Quase
sempre é sobre a Terra que fazeis vosso purgatório e
que Deus vos faz expiar vossas faltas.
Allan Kardec:
O que o homem chama purgatório é também uma
figura pela qual se deve entender, não um lugar
determinado qualquer, mas o estado dos Espíritos
imperfeitos que estão em expiação até a purificação
completa que os deve elevar ao nível dos Espíritos
bem-aventurados. Essa purificação, operando-se nas
diversas encarnações, o purgatório consiste nas provas
da vida corporal.
1014 – Como se dá que Espíritos que, por sua
linguagem, revelam superioridade, tenham respondido
a pessoas muito sérias a respeito do inferno e do
purgatório, conforme a ideia que deles se faz
vulgarmente?
Eles falam uma linguagem compreendida pelas pessoas
que os interrogam. Quando essas pessoas são muito
imbuídas de certas ideias, não as querem chocar muito
bruscamente para não melindrar suas convicções. Se
um Espírito viesse dizer, sem precauções oratórias, a um
muçulmano, que Maomé não é um profeta, ele seria
muito mal-recebido.
1014.a) Concebe-se que possa ser assim da parte dos
Espíritos que querem nos instruir; mas como se dá que os
Espíritos interrogados sobre sua situação tenham respondido
que sofriam as torturas do inferno ou do purgatório?
Quando são inferiores e não completamente
desmaterializados, conservam uma parte de suas ideias
terrestres e exprimem suas impressões pelos termos que lhes
são familiares. Eles se encontram em um meio que não lhes
permite, senão pela metade, sondar o futuro e é por causa
disso que, frequentemente, os Espíritos errantes ou recém
desencarnados falam como o fariam em vida. Inferno pode se
traduzir por uma vida de prova, extremamente penosa, com a
incerteza de uma melhora. Purgatório, uma vida também de
prova, mas com consciência de um futuro melhor. Quando
experimentas uma grande dor, não dizes para ti mesmo que
sofres como um condenado? Não são mais que palavras, e
sempre em sentido figurado.
1015 – Que se deve entender
por uma alma em pena?
Uma alma errante e sofredora,
incerta de seu futuro, e à qual
podeis proporcionar um alívio
que, frequentemente, ela
solicita vindo se comunicar
convosco. (664).
1016 – Em que sentido se deve
entender a palavra céu?
Crês que ele seja um lugar, como
os Campos Elíseos dos antigos,
onde todos os bons Espíritos são
amontoados desordenadamente
sem outro cuidado que o de gozar
pela eternidade uma felicidade
passiva? Não, é o espaço
universal, são os planetas, as
estrelas, e todos os mundos
superiores, onde os Espíritos
gozam de todas as suas
faculdades sem ter as
atribulações da vida material,
nem as angústias inerentes à
inferioridade.
1017 – Os Espíritos disseram habitar o quarto, o quinto
céu, etc.; que entendiam por isso?
Vós lhes perguntais qual céu habitam, porque tendes a
ideia de vários céus colocados como os andares de uma
casa. Então, vos respondem segundo vossa linguagem,
mas, para eles, essas palavras, quarto, quinto céu
exprimem diferentes graus de depuração e, por
conseguinte, de felicidade. É absolutamente como
quando se pergunta a um Espírito se ele está no inferno;
se é infeliz dirá sim, porque para ele inferno é sinônimo
de sofrimento. Mas ele sabe muito bem que não se
trata de uma fornalha. Um pagão teria dito que estava
no Tártaro.
Allan Kardec:
É o mesmo que outras expressões análogas, tais como
cidade das flores, cidade dos eleitos, primeira, segunda
ou terceira esfera, etc., que não são senão alegorias
empregadas por certos Espíritos, seja como figuras,
seja algumas vezes por ignorância da realidade das
coisas e mesmo das mais simples noções científicas.
Segundo a ideia restrita que se fazia antigamente dos
lugares de penas e de recompensas, e sobretudo na
opinião de que a Terra era o centro do Universo, que o
céu formava uma abóboda e que havia uma região de
estrelas e se colocava o céu em cima e o inferno
embaixo. Daí as expressões subir ao céu, estar no mais
alto dos céus, ser precipitado no inferno.
Hoje que a Ciência demonstrou que a Terra não é
senão um dos menores mundos entre tantos milhões
de outros, sem importância especial; que ela historiou
sua formação e descreveu sua constituição, provou
que o espaço é infinito e não há nem alto nem baixo
no Universo, foi preciso renunciar em colocar o céu
acima das nuvens e o inferno nos lugares baixos.
Quanto ao purgatório, nenhum lugar lhe foi
assinalado. Estava reservado ao Espiritismo dar a todas
essas coisas a explicação mais racional, a mais
grandiosa e ao mesmo tempo a mais consoladora para
a Humanidade. Assim, pode-se dizer que carregamos
conosco nosso inferno e nosso paraíso. Nosso
purgatório o encontramos na nossa encarnação, nas
nossas vidas corporais ou físicas.
1018 – Em que sentido é preciso
entender estas palavras do Cristo:
Meu reino não é deste mundo?
Assim respondendo, o Cristo falava
num sentido figurado. Ele queria dizer
que não reina senão sobre os corações
puros e desinteressados. Ele está por
toda a parte, onde domina o amor ao
bem; mas os homens, ávidos de coisas
deste mundo e ligados aos bens da
Terra, não estão com ele.
1019 – Jamais o reino do bem poderá ter lugar sobre a Terra?
O bem reinará sobre a Terra quando, entre os Espíritos que
vêm habitá-la, os bons vencerem sobre os maus. Então, farão
nela reinar o amor e a justiça, que são a fonte do bem e da
felicidade. É pelo progresso moral e pela prática das leis de
Deus que o homem atrairá sobre a Terra os bons Espíritos e
dela afastará os maus. Mas os maus não a deixarão senão
quando dela forem banidos o orgulho e o egoísmo.
A transformação da Humanidade foi predita e atingis esse
momento, que apressa todos os homens que ajudam o
progresso. Ela se cumprirá pela encarnação de Espíritos
melhores, que constituirão sobre a Terra uma nova geração.
Então, os Espíritos dos maus, que a morte ceifa cada dia, e
todos aqueles que tentem atrasar a marcha das coisas, dela
serão excluídos, porque serão deslocados do convívio com os
homens de bem, dos quais perturbariam a felicidade.
Eles irão para mundos novos, menos avançados, cumprir missões
penosas, onde poderão trabalhar para seu próprio adiantamento, ao
mesmo tempo que trabalharão para o adiantamento de seus irmãos
ainda mais atrasados. Não vedes nessa exclusão da Terra
transformada a sublime figura do Paraíso perdido, e no homem
chegado sobre a Terra em semelhantes condições, e trazendo em si
o germe de suas paixões e os traços de sua inferioridade primitiva, a
figura não menos sublime do pecado original? O pecado original,
considerado sob esse ponto de vista, prende-se à natureza ainda
imperfeita do homem, que não é responsável senão por si mesmo e
suas faltas, e não das de seus pais. Todos vós, homens de fé e de
boa vontade, trabalhai, portanto, com zelo e coragem na grande
obra da regeneração, porque colhereis centuplicado o grão que
houverdes semeado. Infelizes aqueles que fecham os olhos à luz,
porque se preparam para longos séculos de trevas e de decepções.
Infelizes dos que colocam todas as suas alegrias nos bens deste
mundo, porque sofrerão mais privações do que tiveram de prazeres.
Infelizes, sobretudo, os egoístas, porque não encontrarão ninguém
para os ajudar a carregar o fardo de suas misérias. (São Luís)
CRÉDITOS:
Formatação: Marta Gomes P. Miranda
Referências:
KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos.
Tradução de Salvador Gentile. 182ª Ed.
Araras – SP: IDE, 2009. Pág. 288 à 292.
KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o
Espiritismo. Tradução De Salvador Gentile.
365ª Ed. Araras – SP: Ide, 2009.
KARDEC, Allan. A Gênese: Os Milagres e as
Predições Segundo o Espiritismo. Tradução
de Salvador Gentile. 52ª Ed. Araras – SP:
IDE, 2008.
KARDEC, Allan. O Livro dos Médiuns.
Tradução De Salvador Gentile. 85ª Ed.
Araras – SP: Ide, 2008.
KARDEC, Allan. O Céu e o Inferno. Tradução
de Salvador Gentile. Araras – SP: IDE, 2008.
CENTRO ESPÍRITA
“JOANA DÁRC”
Rua Ormindo Pires Amorim, 1516
Jardim Marajó
Rondonópolis – MT

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx

D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos HabitadosD 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos HabitadosJPS Junior
 
AULA 06 Curso Básico de Espiritismo 2022
AULA 06 Curso Básico de Espiritismo 2022AULA 06 Curso Básico de Espiritismo 2022
AULA 06 Curso Básico de Espiritismo 2022fabiopereiratv
 
A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...
A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...
A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...Leonardo Pereira
 
Evolução em dois mundos
Evolução em dois mundosEvolução em dois mundos
Evolução em dois mundosEWALDO DE SOUZA
 
Palestra ese 03 muitas moradas 20160223 v3
Palestra ese 03   muitas moradas  20160223 v3Palestra ese 03   muitas moradas  20160223 v3
Palestra ese 03 muitas moradas 20160223 v3Tiburcio Santos
 
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuEduardo Ottonelli Pithan
 
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meuCapítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meuEduardo Ottonelli Pithan
 
Inferno ApresentaçãO1
Inferno   ApresentaçãO1Inferno   ApresentaçãO1
Inferno ApresentaçãO1Sergio Menezes
 
150 anos do ceu e o inferno
150 anos do ceu e o inferno150 anos do ceu e o inferno
150 anos do ceu e o infernoEscola da Vida
 
Umbral h base doutrin ria para sustent -lo-slides.pdf
Umbral h base doutrin ria para sustent -lo-slides.pdfUmbral h base doutrin ria para sustent -lo-slides.pdf
Umbral h base doutrin ria para sustent -lo-slides.pdfEvaNunes6
 
D 5 Reencarnação
D 5 ReencarnaçãoD 5 Reencarnação
D 5 ReencarnaçãoJPS Junior
 
Livro dos Espíritos 473 ESE cap3 item16
Livro dos Espíritos 473 ESE cap3 item16Livro dos Espíritos 473 ESE cap3 item16
Livro dos Espíritos 473 ESE cap3 item16Patricia Farias
 
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deus
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deusCapítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deus
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deusEduardo Ottonelli Pithan
 

Semelhante a 4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx (20)

D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos HabitadosD 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
 
( Espiritismo) # - amag ramgis - reencarnacao # estudo geral # 1
( Espiritismo)   # - amag ramgis - reencarnacao # estudo geral # 1( Espiritismo)   # - amag ramgis - reencarnacao # estudo geral # 1
( Espiritismo) # - amag ramgis - reencarnacao # estudo geral # 1
 
( Espiritismo) # - amag ramgis - reencarnacao # estudo geral # 1
( Espiritismo)   # - amag ramgis - reencarnacao # estudo geral # 1( Espiritismo)   # - amag ramgis - reencarnacao # estudo geral # 1
( Espiritismo) # - amag ramgis - reencarnacao # estudo geral # 1
 
AULA 06 Curso Básico de Espiritismo 2022
AULA 06 Curso Básico de Espiritismo 2022AULA 06 Curso Básico de Espiritismo 2022
AULA 06 Curso Básico de Espiritismo 2022
 
A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...
A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...
A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...
 
Evolução em dois mundos
Evolução em dois mundosEvolução em dois mundos
Evolução em dois mundos
 
Palestra ese 03 muitas moradas 20160223 v3
Palestra ese 03   muitas moradas  20160223 v3Palestra ese 03   muitas moradas  20160223 v3
Palestra ese 03 muitas moradas 20160223 v3
 
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
 
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meuCapítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
 
Inferno ApresentaçãO1
Inferno   ApresentaçãO1Inferno   ApresentaçãO1
Inferno ApresentaçãO1
 
150 anos do ceu e o inferno
150 anos do ceu e o inferno150 anos do ceu e o inferno
150 anos do ceu e o inferno
 
150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"
150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"
150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"
 
Terra escola planetária!
Terra escola planetária!Terra escola planetária!
Terra escola planetária!
 
Apostila6 eeci
Apostila6 eeciApostila6 eeci
Apostila6 eeci
 
Umbral h base doutrin ria para sustent -lo-slides.pdf
Umbral h base doutrin ria para sustent -lo-slides.pdfUmbral h base doutrin ria para sustent -lo-slides.pdf
Umbral h base doutrin ria para sustent -lo-slides.pdf
 
Allan kardec-150-anos-le-120528729896746-2
Allan kardec-150-anos-le-120528729896746-2Allan kardec-150-anos-le-120528729896746-2
Allan kardec-150-anos-le-120528729896746-2
 
Ceuinferno 009 1a. parte_capítulo v o purgatório (itens 1 a 10)
Ceuinferno 009 1a. parte_capítulo v  o purgatório (itens 1 a 10)Ceuinferno 009 1a. parte_capítulo v  o purgatório (itens 1 a 10)
Ceuinferno 009 1a. parte_capítulo v o purgatório (itens 1 a 10)
 
D 5 Reencarnação
D 5 ReencarnaçãoD 5 Reencarnação
D 5 Reencarnação
 
Livro dos Espíritos 473 ESE cap3 item16
Livro dos Espíritos 473 ESE cap3 item16Livro dos Espíritos 473 ESE cap3 item16
Livro dos Espíritos 473 ESE cap3 item16
 
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deus
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deusCapítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deus
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deus
 

Mais de Marta Gomes

Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoCapitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoMarta Gomes
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoMarta Gomes
 
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxApresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxMarta Gomes
 
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptxApresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptxMarta Gomes
 
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docxCapítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docxMarta Gomes
 
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptxMarta Gomes
 
4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptxMarta Gomes
 
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxCapítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxMarta Gomes
 
4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptxMarta Gomes
 
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptxMarta Gomes
 
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptxMarta Gomes
 
Inveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxInveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxMarta Gomes
 
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptxMarta Gomes
 
O Homem de bem.docx
O Homem de bem.docxO Homem de bem.docx
O Homem de bem.docxMarta Gomes
 
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptxMarta Gomes
 
PASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docxPASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docxMarta Gomes
 
PASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptxPASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptxMarta Gomes
 
Capítulo XII - Perfeição Moral.docx
Capítulo XII - Perfeição Moral.docxCapítulo XII - Perfeição Moral.docx
Capítulo XII - Perfeição Moral.docxMarta Gomes
 
3.12 - Perfeição Moral.pptx
3.12 - Perfeição Moral.pptx3.12 - Perfeição Moral.pptx
3.12 - Perfeição Moral.pptxMarta Gomes
 
Dialogando com Espíritos.pdf
Dialogando com Espíritos.pdfDialogando com Espíritos.pdf
Dialogando com Espíritos.pdfMarta Gomes
 

Mais de Marta Gomes (20)

Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoCapitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxApresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
 
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptxApresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
 
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docxCapítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
 
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
 
4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx
 
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxCapítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
 
4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx
 
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
 
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
 
Inveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxInveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docx
 
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
 
O Homem de bem.docx
O Homem de bem.docxO Homem de bem.docx
O Homem de bem.docx
 
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
 
PASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docxPASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docx
 
PASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptxPASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptx
 
Capítulo XII - Perfeição Moral.docx
Capítulo XII - Perfeição Moral.docxCapítulo XII - Perfeição Moral.docx
Capítulo XII - Perfeição Moral.docx
 
3.12 - Perfeição Moral.pptx
3.12 - Perfeição Moral.pptx3.12 - Perfeição Moral.pptx
3.12 - Perfeição Moral.pptx
 
Dialogando com Espíritos.pdf
Dialogando com Espíritos.pdfDialogando com Espíritos.pdf
Dialogando com Espíritos.pdf
 

Último

RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiamaysa997520
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxCelso Napoleon
 
Oração Alma De Cristo
Oração Alma De CristoOração Alma De Cristo
Oração Alma De CristoNilson Almeida
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoInsituto Propósitos de Ensino
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoInsituto Propósitos de Ensino
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 

Último (11)

O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
 
Oração Alma De Cristo
Oração Alma De CristoOração Alma De Cristo
Oração Alma De Cristo
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 

4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx

  • 1. Livro Quarto: Esperanças e Consolações Capítulo II: Penas e Gozos Futuros O LIVRO DOS ESPÍRITOS
  • 2. • Ressurreição da carne • Paraíso, inferno e purgatório
  • 4. 1010 – O dogma da ressurreição da carne é a consagração da reencarnação ensinada pelos Espíritos? Como quereis que o seja de outro modo? Essas palavras, como tantas outras, não parecem insensatas aos olhos de certas pessoas, senão porque as tomam ao pé da letra. Por isso, conduzem à incredulidade. Mas dai-lhes uma interpretação lógica, e aqueles que chamais livres pensadores as admitirão sem dificuldade, precisamente porque eles refletem; porque não vos enganeis, esses livres pensadores não desejam mais do que crer. Eles têm, como os outros, talvez mais que os outros, sede do futuro, mas não podem admitir o que é contestado pela ciência. A doutrina da pluralidade das existências está conforme a justiça de Deus. Só ela pode explicar o que, sem ela, é inexplicável. Como quereríeis que o princípio não estivesse na própria religião?
  • 5. 1010.a) Assim a igreja, pelo dogma da ressurreição da carne, ensina ela mesma a doutrina da reencarnação? Isso é evidente. Essa doutrina, aliás, é a consequência de muitas coisas que passaram despercebidas e que não se tardará a compreender nesse sentido. Logo se reconhecerá que o Espiritismo ressalta a cada passo do próprio texto das Escrituras sagradas. Os Espíritos não vêm, pois, destruir a religião, como alguns o pretendem, mas, ao contrário, vêm confirmá-la, sancioná-la por provas irrecusáveis. Mas como é chegado o tempo de não mais empregar a linguagem figurada, eles se exprimem sem alegoria e dão às coisas um sentido claro e preciso, que não possa estar sujeito a nenhuma interpretação falsa. Eis porque, dentro de algum tempo, tereis mais pessoas sinceramente religiosas e crentes que as que não tendes hoje. (São Luís)
  • 6. Allan Kardec: A Ciência, com efeito, demonstra a impossibilidade da ressurreição segundo a ideia vulgar. Se os restos do corpo humano permanecessem homogêneos, fossem dispersos e reduzidos a pó, se conceberia ainda a reunião em um momento dado; mas as coisas não se passam assim. O corpo é formado de elementos diversos: oxigênio, hidrogênio, azoto, carbono, etc. Pela decomposição, esses elementos se dispersam para servir na formação de novos corpos, de tal sorte que a mesma molécula, de carbono, por exemplo, entrará na composição de vários milhares de corpos diferentes (não falamos senão de corpos humanos sem contar os dos animais); que tal indivíduo, talvez tenha no seu corpo moléculas que pertenceram aos homens das primeiras idades;
  • 7. que essas mesmas moléculas orgânicas que absorveis na vossa alimentação provêm, talvez, do corpo de tal indivíduo que conhecestes, e assim por diante. A matéria, sendo em quantidade definida e suas transformações em quantidades indefinidas, como cada um desses corpos poderia se reconstruir dos mesmos elementos? Há nisso uma impossibilidade material. Não se pode, pois, racionalmente, admitir a ressurreição da carne senão como uma figura simbolizando o fenômeno da reencarnação e, nesse caso, não há nada que choque a razão, nada que esteja em contradição com os dados da Ciência. Verdade que, segundo o dogma, essa ressurreição não deve ter lugar senão no fim dos tempos, enquanto que, segundo a Doutrina Espírita, ela ocorre todos os dias.
  • 8. Mas não há ainda nesse quadro do julgamento final uma grande e bela figura que esconde, sob o véu da alegoria, uma dessas verdades imutáveis que não encontrará mais céticos quando for restabelecida em sua verdadeira significação? Que se queira bem meditar a teoria espírita sobre o futuro das almas e sua sorte depois das diferentes provas que elas devem suportar, e se verá que, à exceção da simultaneidade, o julgamento que condena ou que as absolve não é uma ficção, assim como pensam os incrédulos. Observemos ainda que ela é a consequência natural da pluralidade dos mundos, hoje perfeitamente admitida, enquanto que, segundo a doutrina do juízo final, a Terra é considerada o único mundo habitado.
  • 10. 1011 – Um lugar circunscrito no Universo está destinado às penas e aos gozos dos Espíritos, segundo seus méritos? Já respondemos a essa questão. As penas e os gozos são inerentes ao grau de perfeição dos Espíritos. Cada um possui em si mesmo o princípio de sua própria felicidade ou infelicidade, e como eles estão por toda a parte, nenhum lugar circunscrito, nem fechado, não está destinado a um antes que a outro. Quanto aos Espíritos encarnados, são mais ou menos felizes ou infelizes, conforme o mundo que eles habitem mais ou menos avançado.
  • 11. 1012 – Segundo isso, o inferno e o paraíso não existiriam tal como o homem o representa? Não são senão figuras: há por toda a parte Espíritos felizes e infelizes. Entretanto, como também já o dissemos, os Espíritos de uma mesma ordem se reúnem por simpatia; mas podem se reunir onde querem, quando são perfeitos. Allan Kardec: A localização absoluta dos lugares de penas e recompensas não existe senão na imaginação do homem. Provém da tendência a materializar e a circunscrever as coisas das quais eles não podem compreender a essência infinita.
  • 12. 1013 – Que se deve entender pelo purgatório? Dores físicas e morais: é o tempo da expiação. Quase sempre é sobre a Terra que fazeis vosso purgatório e que Deus vos faz expiar vossas faltas. Allan Kardec: O que o homem chama purgatório é também uma figura pela qual se deve entender, não um lugar determinado qualquer, mas o estado dos Espíritos imperfeitos que estão em expiação até a purificação completa que os deve elevar ao nível dos Espíritos bem-aventurados. Essa purificação, operando-se nas diversas encarnações, o purgatório consiste nas provas da vida corporal.
  • 13. 1014 – Como se dá que Espíritos que, por sua linguagem, revelam superioridade, tenham respondido a pessoas muito sérias a respeito do inferno e do purgatório, conforme a ideia que deles se faz vulgarmente? Eles falam uma linguagem compreendida pelas pessoas que os interrogam. Quando essas pessoas são muito imbuídas de certas ideias, não as querem chocar muito bruscamente para não melindrar suas convicções. Se um Espírito viesse dizer, sem precauções oratórias, a um muçulmano, que Maomé não é um profeta, ele seria muito mal-recebido.
  • 14. 1014.a) Concebe-se que possa ser assim da parte dos Espíritos que querem nos instruir; mas como se dá que os Espíritos interrogados sobre sua situação tenham respondido que sofriam as torturas do inferno ou do purgatório? Quando são inferiores e não completamente desmaterializados, conservam uma parte de suas ideias terrestres e exprimem suas impressões pelos termos que lhes são familiares. Eles se encontram em um meio que não lhes permite, senão pela metade, sondar o futuro e é por causa disso que, frequentemente, os Espíritos errantes ou recém desencarnados falam como o fariam em vida. Inferno pode se traduzir por uma vida de prova, extremamente penosa, com a incerteza de uma melhora. Purgatório, uma vida também de prova, mas com consciência de um futuro melhor. Quando experimentas uma grande dor, não dizes para ti mesmo que sofres como um condenado? Não são mais que palavras, e sempre em sentido figurado.
  • 15. 1015 – Que se deve entender por uma alma em pena? Uma alma errante e sofredora, incerta de seu futuro, e à qual podeis proporcionar um alívio que, frequentemente, ela solicita vindo se comunicar convosco. (664).
  • 16. 1016 – Em que sentido se deve entender a palavra céu? Crês que ele seja um lugar, como os Campos Elíseos dos antigos, onde todos os bons Espíritos são amontoados desordenadamente sem outro cuidado que o de gozar pela eternidade uma felicidade passiva? Não, é o espaço universal, são os planetas, as estrelas, e todos os mundos superiores, onde os Espíritos gozam de todas as suas faculdades sem ter as atribulações da vida material, nem as angústias inerentes à inferioridade.
  • 17. 1017 – Os Espíritos disseram habitar o quarto, o quinto céu, etc.; que entendiam por isso? Vós lhes perguntais qual céu habitam, porque tendes a ideia de vários céus colocados como os andares de uma casa. Então, vos respondem segundo vossa linguagem, mas, para eles, essas palavras, quarto, quinto céu exprimem diferentes graus de depuração e, por conseguinte, de felicidade. É absolutamente como quando se pergunta a um Espírito se ele está no inferno; se é infeliz dirá sim, porque para ele inferno é sinônimo de sofrimento. Mas ele sabe muito bem que não se trata de uma fornalha. Um pagão teria dito que estava no Tártaro.
  • 18. Allan Kardec: É o mesmo que outras expressões análogas, tais como cidade das flores, cidade dos eleitos, primeira, segunda ou terceira esfera, etc., que não são senão alegorias empregadas por certos Espíritos, seja como figuras, seja algumas vezes por ignorância da realidade das coisas e mesmo das mais simples noções científicas. Segundo a ideia restrita que se fazia antigamente dos lugares de penas e de recompensas, e sobretudo na opinião de que a Terra era o centro do Universo, que o céu formava uma abóboda e que havia uma região de estrelas e se colocava o céu em cima e o inferno embaixo. Daí as expressões subir ao céu, estar no mais alto dos céus, ser precipitado no inferno.
  • 19. Hoje que a Ciência demonstrou que a Terra não é senão um dos menores mundos entre tantos milhões de outros, sem importância especial; que ela historiou sua formação e descreveu sua constituição, provou que o espaço é infinito e não há nem alto nem baixo no Universo, foi preciso renunciar em colocar o céu acima das nuvens e o inferno nos lugares baixos. Quanto ao purgatório, nenhum lugar lhe foi assinalado. Estava reservado ao Espiritismo dar a todas essas coisas a explicação mais racional, a mais grandiosa e ao mesmo tempo a mais consoladora para a Humanidade. Assim, pode-se dizer que carregamos conosco nosso inferno e nosso paraíso. Nosso purgatório o encontramos na nossa encarnação, nas nossas vidas corporais ou físicas.
  • 20. 1018 – Em que sentido é preciso entender estas palavras do Cristo: Meu reino não é deste mundo? Assim respondendo, o Cristo falava num sentido figurado. Ele queria dizer que não reina senão sobre os corações puros e desinteressados. Ele está por toda a parte, onde domina o amor ao bem; mas os homens, ávidos de coisas deste mundo e ligados aos bens da Terra, não estão com ele.
  • 21. 1019 – Jamais o reino do bem poderá ter lugar sobre a Terra? O bem reinará sobre a Terra quando, entre os Espíritos que vêm habitá-la, os bons vencerem sobre os maus. Então, farão nela reinar o amor e a justiça, que são a fonte do bem e da felicidade. É pelo progresso moral e pela prática das leis de Deus que o homem atrairá sobre a Terra os bons Espíritos e dela afastará os maus. Mas os maus não a deixarão senão quando dela forem banidos o orgulho e o egoísmo. A transformação da Humanidade foi predita e atingis esse momento, que apressa todos os homens que ajudam o progresso. Ela se cumprirá pela encarnação de Espíritos melhores, que constituirão sobre a Terra uma nova geração. Então, os Espíritos dos maus, que a morte ceifa cada dia, e todos aqueles que tentem atrasar a marcha das coisas, dela serão excluídos, porque serão deslocados do convívio com os homens de bem, dos quais perturbariam a felicidade.
  • 22. Eles irão para mundos novos, menos avançados, cumprir missões penosas, onde poderão trabalhar para seu próprio adiantamento, ao mesmo tempo que trabalharão para o adiantamento de seus irmãos ainda mais atrasados. Não vedes nessa exclusão da Terra transformada a sublime figura do Paraíso perdido, e no homem chegado sobre a Terra em semelhantes condições, e trazendo em si o germe de suas paixões e os traços de sua inferioridade primitiva, a figura não menos sublime do pecado original? O pecado original, considerado sob esse ponto de vista, prende-se à natureza ainda imperfeita do homem, que não é responsável senão por si mesmo e suas faltas, e não das de seus pais. Todos vós, homens de fé e de boa vontade, trabalhai, portanto, com zelo e coragem na grande obra da regeneração, porque colhereis centuplicado o grão que houverdes semeado. Infelizes aqueles que fecham os olhos à luz, porque se preparam para longos séculos de trevas e de decepções. Infelizes dos que colocam todas as suas alegrias nos bens deste mundo, porque sofrerão mais privações do que tiveram de prazeres. Infelizes, sobretudo, os egoístas, porque não encontrarão ninguém para os ajudar a carregar o fardo de suas misérias. (São Luís)
  • 23. CRÉDITOS: Formatação: Marta Gomes P. Miranda Referências: KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Tradução de Salvador Gentile. 182ª Ed. Araras – SP: IDE, 2009. Pág. 288 à 292. KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Tradução De Salvador Gentile. 365ª Ed. Araras – SP: Ide, 2009. KARDEC, Allan. A Gênese: Os Milagres e as Predições Segundo o Espiritismo. Tradução de Salvador Gentile. 52ª Ed. Araras – SP: IDE, 2008. KARDEC, Allan. O Livro dos Médiuns. Tradução De Salvador Gentile. 85ª Ed. Araras – SP: Ide, 2008. KARDEC, Allan. O Céu e o Inferno. Tradução de Salvador Gentile. Araras – SP: IDE, 2008.
  • 24. CENTRO ESPÍRITA “JOANA DÁRC” Rua Ormindo Pires Amorim, 1516 Jardim Marajó Rondonópolis – MT